^O Cursinho Vive, Viva o Cursinho! Prof. Jorge Passos .1 ^O Cursinho Vive, Viva o Cursinho! Prof

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of ^O Cursinho Vive, Viva o Cursinho! Prof. Jorge Passos .1 ^O Cursinho Vive, Viva o Cursinho! Prof

  • 1

    O Cursinho Vive, Viva o Cursinho! Prof. Jorge Passos

    Questes- Simulado 1. Os espanhis chegaram ao continente americano em 1492, com o navegador genovs Cristvo Colombo no comando das naus. Entretanto, a colonizao s tomou flego com a descoberta dos metais preciosos nas reas das grandes civilizaes pr-colombianas, principalmente depois das expedies de Hernn Cortz. A ao deste conquistador espanhol ocorreu sobre qual povo e em qual regio do continente americano: a) Sobre os incas, na regio andina. b) Sobre os Astecas, nos territrios onde hoje se localiza o Mxico. c) Sobre os maias, na regio amaznica. d) Sobre os tupis-guaranis, na bacia do Prata. e) Sobre os Apaches, no sul da Califrnia. 2. (Uel 2009) Os astecas sacrificavam prisioneiros de guerra para alimentar seus deuses. O capturado tinha seu corao arrancado, era decapitado e tinha seu sangue bebido pelo captor que, depois, levava o corpo para casa, esfolava-o, comia-o com milho e vestia sua pele. correto afirmar que estes rituais no mundo dos astecas eram de ordem simblica, uma vez que: a) Os vencidos deveriam pagar um tributo de sangue aos astecas, que viam a si prprios como deuses. b) Os sacerdotes astecas exigiam oferendas de sangue para que no faltasse alimento em seus templos. c) Um grande nmero de sacrifcios representava um reforo do abastecimento alimentar, evitando a carestia d) O captor do prisioneiro se vingava do inimigo, comendo suas carnes e vestindo sua pele. e) Os deuses exigiam oferendas do bem mais precioso que os homens possuam, a vida, para que o mundo fosse preservado. 3. (UFC) Em 2001 Alejandro Toledo foi eleito presidente do Peru. Durante a campanha eleitoral, foi chamado de Pachactec, numa aluso ao imperador incaico que consolidou um imprio nos Andes centrais. Sobre a sociedade incaica, correto afirmar que: a) o fato de constituir uma das mais significativas sociedades pr-colombianas tem como base a negao da cultura dos povos dominados; b) a sua economia tinha por base a agricultura, com a distribuio de terras pelo Estado e a prtica do sistema de regadio; c) o que a diferenciava das demais culturas pr-colombianas era a idia de uma sociedade igualitria; d) o comrcio interno era significativo, tendo no guano um dos produtos mais valorizados; e) a sua cultura desapareceu com o processo da dominao espanhola. 4. (CEFET/PR) Quipos, cordes com ns para registro de acontecimentos importantes, eram usados pelos: a) astecas; b) toltecas;

    c) maias; d) incas; e) zapotecas. 5. (UGF/RJ) A cultura maia, uma das mais importantes do mundo pr-colombiano, floresceu na regio que hoje corresponde ao(s): a) Uruguai, Argentina e sul do Chile. b) Paraguai e Bolvia. c) Brasil e Venezuela. d) norte de Guatemala, Honduras Britnica e sudeste do Mxico. e) Andes peruanos. 6. (Enem 2009) O Egito visitado anualmente por milhes de turistas de todos os quadrantes do planeta, desejosos de ver com os prprios olhos a grandiosidade do poder esculpida em pedra h milnios: as pirmides de Gizeh, as tumbas do Vale dos Reis e os numerosos templos construdos ao longo do Nilo. O que hoje se transformou em atrao turstica era, no passado, interpretado de forma muito diferente, pois: a) significava, entre outros aspectos, o poder que os faras tinham para escravizar grandes contingentes populacionais que trabalhavam nesses monumentos. b) representava para as populaes do alto Egito a possibilidade de migrar para o sul e encontrar trabalho nos canteiros faranicos. c) significava a soluo para os problemas econmicos, uma vez que os faras sacrificavam aos deuses suas riquezas, construindo templos. d) representava a possibilidade de o fara ordenar a sociedade, obrigando os desocupados a trabalharem em obras pblicas, que engrandeceram o prprio Egito. e) significava um peso para a populao egpcia, que condenava o luxo faranico e a religio baseada em crenas e supersties. 7.

    Disponvel em: www.metmuseum.org.br. Acesso em junho/2014. A figura apresentada de um mosaico, produzido por volta do ano 300 d.C., encontrado na cidade de Lod, atual Estado de Israel. Nela, encontram-se elementos que representam

  • 2

    uma caracterstica poltica dos romanos no perodo, indicada em: a) Cruzadismoconquista da terra santa. b) Patriotismoexaltao da cultura local. c) Helenismoapropriao da esttica grega. d) Imperialismoselvageria dos povos dominados. e) Expansionismodiversidade dos territrios conquistados. 8. (Enem 2000) Somos servos da lei para podermos ser livres. Ccero O que apraz ao prncipe tem fora de lei. Ulpiano As frases acima so de dois cidados da Roma Clssica que viveram praticamente no mesmo sculo, quando ocorreu a transio da Repblica (Ccero) para o Imprio (Ulpiano). Tendo como base as sentenas acima, considere as afirmaes: I- A diferena nos significados da lei apenas aparente, uma vez que os romanos no levavam em considerao as normas jurdicas. II- Tanto na Repblica como no Imprio, a lei era o resultado de discusses entre os representantes escolhidos pelo povo romano. III- A lei republicana definia que os direitos de um cidado acabavam quando comeavam os direitos de outro cidado. IV- Existia, na poca imperial, um poder acima da legislao romana. Esto corretas, apenas: a) I e II. b) I e III. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV. 9. (Enem 2006) Os cruzados avanavam em silncio, encontrando por todas as partes ossadas humanas, trapos e bandeiras. No meio desse quadro sinistro, no puderam ver, sem estremecer de dor, o acampamento onde Gauthier havia deixado as mulheres e crianas. L, os cristos tinham sido surpreendidos pelos muulmanos, mesmo no momento em que os sacerdotes celebravam o sacrifcio da Missa. As mulheres, as crianas, os velhos, todos os que a fraqueza ou a doena conservava sob as tendas, perseguidos at os altares, tinham sido levados para a escravido ou imolados por um inimigo cruel. A multido dos cristos, massacrada naquele lugar, tinha ficado sem sepultura. (J. F. Michaud. Histria das cruzadas. So Paulo: Editora das Amricas, 1956 (com adaptaes)).

    Foi, de fato, na sexta-feira 22 do tempo de Chaaban, do ano de 492 da Hgira, que os franj* se apossaram da Cidade Santa, aps um stio de 40 dias. Os exilados ainda tremem cada vez que falam nisso, seu olhar se esfria como se eles ainda tivessem diante dos olhos aqueles guerreiros louros, protegidos de armaduras, que espelham pelas ruas o sabre cortante, desembainhado, degolando homens, mulheres e crianas, pilhando as casas, saqueando as mesquitas. *franj = cruzados. (Amin Maalouf. As Cruzadas vistas pelos rabes. 2. ed. So Paulo: Brasiliense, 1989 (com adaptaes)).

    Avalie as seguintes afirmaes a respeito dos textos acima, que tratam das Cruzadas. I- Os textos referem-se ao mesmo assunto as Cruzadas, ocorridas no perodo medieval , mas apresentam vises distintas sobre a realidade dos conflitos religiosos desse perodo histrico. II- Ambos os textos narram partes de conflitos ocorridos entre cristos e muulmanos durante a Idade Mdia e revelam como a violncia contra mulheres e crianas era prtica comum entre adversrios. III- Ambos narram conflitos ocorridos durante as Cruzadas medievais e revelam como as disputas dessa poca, apesar de ter havido alguns confrontos militares, foram resolvidas com base na idia do respeito e da tolerncia cultural e religiosa. correto apenas o que se afirma em a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III. 10. (Enem 2006) O franciscano Roger Bacon foi condenado, entre 1277 e 1279, por dirigir ataques aos telogos, por uma suposta crena na alquimia, na astrologia e no mtodo experimental, e tambm por introduzir, no ensino, as idias de Aristteles. Em 1260, Roger Bacon escreveu: Pode ser que se fabriquem mquinas graas s quais os maiores navios, dirigidos por um nico homem, se desloquem mais depressa do que se fossem cheios de remadores; que se construam carros que avancem a uma velocidade incrvel sem a ajuda de animais; que se fabriquem mquinas voadoras nas quais um homem (...) bata o ar com asas como um pssaro. (...) Mquinas que permitam ir ao fundo dos mares e dos rios (apud. BRAUDEL, Fernand. Civilizao material, economia e capitalismo: sculos XV-XVIII, So Paulo: Martins Fontes, 1996, vol. 3.).

    Considerando a dinmica do processo histrico, pode-se afirmar que as idias de Roger Bacon a) inseriam-se plenamente no esprito da Idade Mdia ao privilegiarem a crena em Deus como o principal meio para antecipar as descobertas da humanidade. b) estavam em atraso com relao ao seu tempo ao desconsiderarem os instrumentos intelectuais oferecidos pela Igreja para o avano cientfico da humanidade. c) opunham-se ao desencadeamento da Primeira Revoluo Industrial, ao rejeitarem a aplicao da matemtica e do mtodo experimental nas invenes industriais. d) eram fundamentalmente voltadas para o passado, pois no apenas seguiam Aristteles, como tambm baseavam-se na tradio e na teologia. e) inseriam-se num movimento que convergiria mais tarde para o Renascimento, ao contemplarem a possibilidade de o ser humano controlar a natureza por meio das invenes. 11. O uso da gua aumenta de acordo com as necessidades da populao no mundo. Porm, diferentemente do que se possa imaginar, o aumento do consumo de gua superou em duas vezes o crescimento populacional durante o sculo XX. TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. So Paulo: Cia. Editora Nacional, 2009.

    Uma estratgia socioespacial que pode contribuir para alterar a lgica de uso da gua apresentada no texto a: a) ampliao de sistemas de reutilizao hdrica.

  • 3

    b) expanso da irrigao por asperso das lavouras. c) intensificao do controle do desmatamento de florestas. d) adoo de tcnicas tradicionais de produo. e) criao de incentivos fiscais para o cultivo de produtos orgnicos. 12. No Estado de So Paulo, a mecanizao da colheita da cana-de-acar tem sido induzida tambm pela legislao ambiental, que probe a realizao de queimadas em reas prximas aos centros urbanos. Na regio de Ribeiro Preto,