O FLUXO DE CAIXA INDIRETO É UMA FARSA Introdução ?· como é característica do DFC Indireto e Direto.…

Embed Size (px)

Text of O FLUXO DE CAIXA INDIRETO É UMA FARSA Introdução ?· como é característica do DFC Indireto e...

  • 1

    O FLUXO DE CAIXA INDIRETO UMA FARSA

    Introduo

    inacreditvel, mas verdade, a Lei 11.638/07 abandonou o

    Demonstrativo de Origem e Aplicao de Recursos (DOAR) que reputo

    como uma das mais importantes demonstraes financeiras por

    demonstrar como foi constitudo o Capital de Giro do exerccio e permitir,

    tambm, uma viso geral e imediata da liquidez financeira da empresa

    at o final do prximo perodo e adotou o Demonstrativo do Fluxo de

    Caixa, nos modelos Direto ou Indireto, cuja utilidade zero.

    Anlise Comparativa

    Para procedermos a nossa anlise comparativa entre o Demonstrativo de

    Fluxo de Caixa modelos Direto e Indireto e o DOAR apresentaremos um

    exemplo bastante simples, porm esclarecedor e que dever facilitar

    sobremaneira os entendimentos sobre nossos argumentos e pontos de

    vista.

    A Cia. XYZ apresentava no ano 1 a sua posio financeira como est

    registrada a seguir:

    CORRENTE 1.414.000 CORRENTE 604.000

    Disponvel 50.000 Emprstimo 100.000

    Dupl. a Receber Liq. 964.000 Fornecedores 500.000

    Dupl. a Receber 1.000.000 Outras 4.000

    - PDD -36.000 PLC 900.000

    Estoque 400.000 Capital 800.000

    Mveis Lquidos 90.000 Lucros Acm. 100.000

    Mveis 100.000

    - Dep. Acumulada -10.000

    1.504.000 1.504.000

    Durante o exerccio do ano 2, aconteceram os seguintes fatos:

    1) As vendas do perodo atingiram 1.200.000: 70% vista;

    2) O Estoque anterior foi totalmente vendido;

    3) Depreciao: 10% a.a.

  • 2

    4) PDD: 3%;

    5) Foi recebido de Duplicatas a Receber do ano anterior 90%;

    6) Foi pago o emprstimo existente de 100.000;

    7) Foi pago 90% do saldo anterior de Fornecedores;

    8) O total de compras do ano foi 700.000, sendo pago 90%.

    9) 60% das compras do ano foram vendidas, no mesmo ano.

    Lanamentos Contbeis:

    1) D Caixa 840.000

    D - Duplicatas a Receber 360.000

    C Vendas 1.200.000

    2) D CMV

    C Estoque 400.000

    3) D Depreciao

    C Depreciao Acumulada 10.000

    4) D PDD (Fundos)

    C Lucros Acumulados 36.000

    D PDD (Despesa)

    C PDD (Fundo) 13.800

    5) D Caixa

    C Duplicatas a Receber 900.000

    6) D Emprstimo

    C Caixa 100.000

    7) D Fornecedores

    C Caixa 450.000

    8) D Estoque 700.000

    C Caixa 630.000

    C Fornecedores 70.000

    9) D CMV

    C Estoque 420.000

  • 3

    ATIVO Ano 1 Ano 2

    CORRENTE 1.414.000 1.336.200

    Disponvel 50.000 610.000

    Duplicatas a Receber Liquidas 964.000 446.200

    Duplicatas a Receber 1.000.000 460.000

    - PDD -36.000 -13.800

    Estoque 400.000 280.000

    Mveis Lquidos 90.000 80.000

    Mveis 100.000 100.000

    - Depreciao Acumulada -10.000 -20.000

    Total 1.504.000 1.416.200

    PASSIVO

    CORRENTE 604.000 124.000

    Emprstimo 100.000 -

    Fornecedores 500.000 120.000

    Outras 4.000 4.000

    PLC 900.000 1.292.200

    Capital 800.000 800.000

    Lucros Acumulados 100.000 136.000

    Resultado do Ano - 356.200

    Total 1.504.000 1.416.200

    D R E I

    Receitas de Vendas 1.200.000

    - CMV (820.000)

    Lucro Bruto 380.000

    - Despesas: Depreciao (10.000)

    PDD (13.800) (23.800)

    Lucro Lquido 356.200

  • 4

    Demonstrao de Fluxo de Caixa Real (DFC Real)

    Saldo Inicial 50.000

    Do DREI:

    Vendas vista 840.000

    Compra de mercadorias vista (630.000) 210.000

    Do Capital de Giro:

    Duplicatas a Receber 900.000

    Estoque -

    Emprstimo (100.000)

    Fornecedores (450.000) 350.000

    Caixa Gerado no Perodo 560.000

    Saldo Final 610.000

  • 5

    Demonstrao de Fluxo de Caixa Indireto (DFCI)

    Saldo Inicial 50.000

    Do DREI: Lucro Lquido 356.200

    + Depreciao 10.000

    + PDD 13.800 380.000

    Do Capital de Giro:

    Duplicatas a Receber 540.000

    Estoque 120.000

    Emprstimo (100.000)

    Fornecedores (380.000) 180.000

    Caixa Gerado no Perodo 560.000

    Saldo Final 610.000

    Demonstrao do Fluxo de Caixa Direto (DFCD)

    Saldo Inicial 50.000

    Do Capital de Giro:

    Recebimentos de Clientes 1.740.000 (1)

    Pagamentos a Fornecedores (1.080.000)(2)

    Pagamento de Emprstimo (100.000) 560.000

    Saldo Final 610.000

  • 6

    PARTE ll Anlise Comparativa: DFCR x DFCI x DFCD

    Inicialmente, objetivando um melhor entendimento dos nossos pontos de

    vistas, faremos uma anlise comparativa entre o DFCR e o DFCI.

    DFC Real DFCI Diferena

    Saldo Inicial 50.000 50.000 -

    Do DREI:

    Vendas vista 840.000 -

    Compra de mercadorias vista (630.000) -

    Caixa Gerado do DRE 210.000 380.000(1)(170.000)

    Do Capital de Giro:

    Estoque - 120.000 (120.000)

    Duplicatas a Receber 900.000 540.000 360.000

    Emprstimo (100.000) (100.000) -

    Fornecedores (450.000) (380.000) (70.000)

    350.000 180.000 170.000

    Caixa Gerado no Perodo 560.000 560.000 0

    Saldo do Final 610.000 610.000 0

    (1) Lucro Lquido 356.200

    + Depreciao 10.000

    + PDD 13.800

    Lucro Lquido Ajustado 380.000

  • 7

    Explicaes das Diferenas: DFCR X DFCI

    Do DRE: DFCR DFCI Dif.

    Fluxo do Perodo:

    Vendas (1) 840.000 1.200.000 (360.000)