O impacto da Substituição Tributária do ICMS nas empresas ... ?· Substituição Tributária do ICMS…

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • IX Convibra Administrao Congresso Virtual Brasileiro de Administrao adm.convibra.com.br

    O impacto da Substituio Tributria do ICMS nas empresas do Simples Nacional:

    Custos X Preo de Venda

    Fernanda Klein Both - URI Santo ngelo/RS 1

    Berenice Wbatuba - URI Santo ngelo/RS 2

    Neusa Gonalves Salla - URI Santo ngelo/RS 3

    Resumo

    O presente artigo objetivou, atravs da realizao de clculos simulados, analisar o Impacto da

    Substituio Tributria do ICMS nos custos e nos preos de venda das mercadorias listadas no

    protocolo 49/2008 e comercializadas pelas empresas varejistas gachas optantes pelo regime de

    tributao Simples Nacional. Com base nas anlises realizadas neste estudo, foi possvel identificar

    que, apesar de haver tratamento diferenciado no que diz respeito arrecadao do ICMS, quando se

    fala de ICMS Substituio Tributria, as empresas optantes pelo regime de tributao Simples

    Nacional no possuem tratamento diferenciado, o que acaba as prejudicando, pois desta forma h

    menor potencial de competitividade no mercado. Pode-se ainda concluir que as empresas optantes pelo

    Simples Nacional, ao movimentar mercadorias que tem incidncia de Substituio Tributria so

    prejudicadas, pois perdem o direito ao tratamento diferenciado a que tem direito e que est previsto na

    Constituio Federal Brasileira.

    Palavras-chave: Contabilidade ICMS Substituio Tributria ICMS Simples Nacional

    Abstract

    This article aimed, through realization of simulated calculations, analyze the impact of

    the GST Tax Replacement in the costs and selling prices of the goods listed in the protocol

    49/2008 and marketed by retailers from South of Brazil that opted for the tax system called

    Simples Nacional. Based on analyzes performed in this study, we observed that, although

    there is differential treatment in respect of the collection of the VAT, when it comes to GST

    Tax Replacement, companies opting for the Simples Nacional tax system does not have

    differential treatment, and it can harm them, because this way there is less potential of market

    competitiveness. We can still conclude that companies opted for the Simples Nacional, are

    harmed when they commercialize goods that have incidence of Substituio Tributria,

    because they lose the right to special treatment that is provided in the Federal Constitution.

    Keywords: Accounting GST Tax Replacement- VAT - Simples Nacional

    1 Aluna do Curso de Especializao em Finanas Empresariais e Controladoria URI Santo ngelo/RS

    2 Mestre em Desenvolvimento Uniju/RS

    3 Mestre em Contabilidade USP/SP

  • IX Convibra Administrao Congresso Virtual Brasileiro de Administrao adm.convibra.com.br

    INTRODUO

    Os tributos so peas importantes do conjunto de aes que aliceram o desenvolvimento de

    um pas. A arrecadao de impostos, taxas e contribuies destinada manuteno do Estado e ao

    custeio dos servios pblicos utilizados pela populao, como sade, educao e segurana.

    No Brasil, a tributao est em um estgio de amadurecimento, e no momento bastante

    complexa e alvo de crticas e dvidas. No sentido de melhorar a arrecadao de tributos, o Estado

    criou o mecanismo da Substituio Tributria, que consiste em tributar determinados produtos

    antecipadamente j no primeiro contribuinte de uma cadeia de valor.

    Alm disso, para a simplificao da arrecadao das micro e pequenas empresas, o Governo

    criou um sistema diferenciado de tributao e de cumprimento das obrigaes acessrias, denominado

    de Simples Nacional.

    na associao entre regimes de tributao das pequenas empresas e do mecanismo de

    substituio tributaria que reside o foco deste artigo, que tem como objetivo identificar, atravs da

    realizao de clculos simulados, o impacto que a Substituio Tributria tem sobre os custos e preos

    de venda dos produtos movimentados pelas empresas gachas do ramo de peas automotivas optantes

    pelo regime de tributao Simples Nacional.

    A metodologia foi baseada na tipologia de Beuren (2006), que classificada quanto forma

    de abordagem em pesquisa qualitativa; quanto aos objetivos em exploratria, descritiva e explicativa.

    Com relao aos procedimentos tcnicos adotados, utilizou-se da pesquisa bibliogrfica. Os dados

    foram tratados quantitativamente, sendo elaboradas planilhas com simulaes de clculos acerca das

    possveis variaes de tributao, baseado nos protocolos vigentes para o tipo de mercadoria

    especfico da empresa. Ainda, qualitativamente foram descritos e analisados os clculos simulados e

    seus resultados, alm das demais informaes obtidas por meio da pesquisa em material bibliogrfico.

    1. SIMPLES NACIONAL

    Em 14 de dezembro de 2006, com validade a partir de 1 de janeiro de 2007, a Lei

    Complementar n 123 instituiu Regime Especial Unificado de Arrecadao de Tributos e

    Contribuies devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte o novo regime tributrio,

    denominado de Supersimples, que substituiu as legislaes anteriores sobre o Simples Federal, ao

    mesmo tempo em que provocou a eliminao do Simples Estadual. No regime antigo, o ICMS e o ISS

    no compunham os tributos abrangidos pelo Simples Federal. Pela nova legislao, feita em conjunto

    com todos os Estados da Federao, o ICMS e o ISS passam a fazer parte do Simples Nacional, ou

    Supersimples (REEVE et al., 2009, p.44).

    Para poder optar pelo regime de tributao denominado Simples Nacional, a empresa precisa,

    mediante disposio da lei, ser considerada microempresa, ou empresa de pequeno porte. Para tal,

    segundo o artigo 3 da Lei 123/2006, a empresa deve, alm de estar devidamente registrada no

    Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurdicas, conforme o caso,

    preencher os seguintes requisitos:

    I no caso das microempresas, o empresrio, a pessoa jurdica, ou a ela equiparada,

    aufira, em cada ano-calendrio, receita bruta igual ou inferior a R$ 240.000,00

    (duzentos e quarenta mil reais);

    II no caso das empresas de pequeno porte, o empresrio, a pessoa jurdica, ou a ela

    equiparada, aufira,em cada ano-calendrio, receita bruta superior a R$ 240.000,00

    (duzentos e quarenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 2.400.000,00 (dois milhes e

    quatrocentos mil reais).

  • IX Convibra Administrao Congresso Virtual Brasileiro de Administrao adm.convibra.com.br

    No entendimento de Rezende (2010, p.175), a possibilidade de optar pelo Simples Nacional

    est condicionada ao atendimento de uma srie de condies relacionadas a:

    - Tipo de atividade econmica envolvida as empresas que exercem determinadas

    atividades, como, por exemplo, instituies financeiras, construtoras, imobilirias e

    prestadoras de servios tpicos de profisses regulamentadas, com algumas excees

    esto entre as empresas que no podem optar pelo SIMPLES.

    - Origem do capital social sociedades de cujo capital participe estrangeiro

    residente no exterior ou outra pessoa jurdica, dentre outros, no podem optar;

    - Forma de organizao social por exemplo, empresas organizadas na forma de

    sociedade por aes esto impedidas;

    A inscrio no SIMPLES Nacional tambm dispensa a pessoa jurdica do pagamento das

    contribuies institudas pela Unio, como as destinadas ao SESC, ao SESI, ao SENAI, ao SENAC, ao

    SEBRAE e seus congneres, bem como as relativas ao salrio educao e Contribuio Sindical

    Patronal (REZENDE, 2010, p.175)

    O recolhimento referente ao Simples Nacional realizado mensalmente, no ms seguinte ao

    da apurao da receita, e feito em uma nica guia de recolhimento, denominada Documento de

    Arrecadao do Simples Nacional DAS. O governo federal que se encarrega da redistribuio dos

    tributos para os governos estaduais e municipais. (REEVE, 2009, p.45)

    A empresa optante pelo Simples Nacional tem tambm tratamento diferenciado no que diz

    respeito ao aproveitamento e gerao de crditos de impostos no cumulativos. O contribuinte

    enquadrado no Simples Nacional no poder usufruir dos benefcios fiscais do ICMS previstos na

    legislao. Portanto, caso realize operaes com produtos isentos ou com base de clculo reduzida,

    seria conveniente verificar se convm ou no adotar esse regime, exceto nos casos em que os Estados,

    Municpios e Distrito Federal concedem, a partir de 1.07.2007, iseno ou reduo de base de clculo.

    (FREITAS et al., 2010, p.34)

    2. ICMS

    O Imposto sobre as Operaes Relativas Circulao de Mercadorias e sobre Prestaes de

    Servios de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicao, conhecido pela sigla ICMS,

    o imposto cobrado na comercializao de mercadorias e prestaes de servio, pelos Estados e

    Distrito Federal.

    O ICMS por determinao constitucional um imposto no cumulativo, ou seja, do imposto

    devido em cada operao abatido o valor pago na operao anterior.

    As alquotas incidentes sobre o ICMS variam de Estado para Estado. De acordo com Abreu

    (2008, p.63),

    [...] cada estado tem seus interesses e alquotas diferentes, que refletem as

    desigualdades sociais. No Sudeste por exemplo, a alquota base 18%. J no

    Nordeste, uma regio mais pobre, uma alquota assim seria impossvel.

    Apesar de, teoricamente a tarifa ser repassada pelo comerciante ou fornecedor ao produto,

    quem assume o valor da carga tributria o consumidor final, que a paga embutida no valor da

    mercadoria adquirida.

    O fato de o ICMS ser um tributo de comp

Recommended

View more >