O Poder do Não-Conformismo, por Charles Haddon Spurgeon

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of O Poder do Não-Conformismo, por Charles Haddon Spurgeon

  • O PODER DO

    NO-CONFORMISMO C. H. SPURGEON

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    Traduzido do original em Ingls

    The Power Of Nonconformity

    By C. H. Spurgeon

    Via: Spurgeon.org

    Traduo por Camila Almeida

    Reviso e Capa por William Teixeira

    1 Edio: Fevereiro de 2015

    Salvo indicao em contrrio, as citaes bblicas usadas nesta traduo so da verso Almeida

    Corrigida Fiel | ACF Copyright 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bblica Trinitariana do Brasil.

    Traduzido e publicado em Portugus pelo website oEstandarteDeCristo.com, sob a licena Creative

    Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International Public License.

    Voc est autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato,

    desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que tambm no altere o seu contedo

    nem o utilize para quaisquer fins comerciais.

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    O Poder Do No-Conformismo Por C. H. Spurgeon

    [Extrado de A Espada e a Esptula, Julho de 1876]

    A NO-CONFORMIDADE na Inglaterra foi, a princpio, um protesto contra os erros da igreja

    estabelecida por lei, na atualidade um protesto contra a criao de qualquer igreja pelo

    estado, seja qual for. Na rea liberal de seu protesto ele levado a usar outras armas alm

    das empregadas no incio, e dar maior destaque do que uma vez j fez por questes outrora

    consideradas como de pequena importncia: nosso temor que as armas mais baixas

    coloquem as mais nobres para fora da moda, e os objetivos secundrios ofusquem as inten-

    es primrias. Pensamos ser correto lutar seriamente contra a aliana profana entre a

    igreja e o estado, e usar o poder poltico com o que somos confiados para promover os

    princpios da igualdade religiosa. Que o melhor sucesso atenda aos esforos daqueles que

    dedicam as suas vidas a esse objeto em sua prpria maneira. Desejamos que Deus lhes

    d xito, com todo o nosso corao. Ainda assim, o poder real da no-conformidade nunca

    ser aumentado nos palanques; ele poder ser exibido l de tempos em tempos para fins

    nobres, mas ele no conquistado nem promovido ali. Ministros fazem bem em votarem,

    e expressarem as suas opinies para a orientao de seu povo, mas na proporo em que

    a pregao se torna poltica, e o pastor afunda o espiritual no temporal, a fora perdida e

    no adquirida. Os Romanistas obtm o poder por vrias manobras e dispositivos que no

    usaramos nem se pudssemos; seu reino deste mundo, e eles no so lentos para usar

    todos os mtodos dos filhos deste mundo para a obteno de seus objetivos; os Dissidentes

    nunca sero poderosos desta forma. Esperamos que nunca haver uma charanga No-

    conformista na Cmara dos Comuns, pronta a aliar-se com qualquer uma das partes, a fim

    de obter revigorantes privilgios para o seu cl, nem os homens em ofcio sero secreta-

    mente influenciados e induzidos a apadrinhar os Dissidentes pela esperana de acalmar

    sociedades secretas de no-conformistas rebeldes. A Igreja da Inglaterra tambm no tem

    escrpulos para os seus prprios fins ao aliar-se com os partidrios do comrcio de bebidas,

    e escrever sobre as suas bandeiras Cerveja e Bblia, a este ponto de se esperar que os

    Dissidentes nunca viro; nem isso jamais ser suportado pelo interesse territorial, a nobre-

    za, e o grande exrcito de pessoas cujas posies so mais ou menos misturadas com a

    conservao das coisas como elas so. Ns estamos em grande medida excludos do uso

    de instrumentos que os outros possuem em abundncia, e bom que seja assim, pelo me-

    nos ns pensamos que isso seja bom, e muitos outros concordam conosco nesta opinio.

    Nossos antepassados deixaram a Igreja da Inglaterra por causa dos graves erros de seu

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    livro de oraes, a sua forma de governo da igreja, e sua forma de procedimento eclesisti-

    co. Sobre fundamentos espirituais, eles a deixaram, e sofreram a perda de todas as coisas.

    Eles no poderiam ser verdadeiros homens e assinar as doutrinas dela, nem pastores

    honestos, se eles sancionassem a frouxido de disciplina dela, nem fiis s suas convic-

    es, se rendessem fidelidade aos seus prelados. Sua piedade, tanto quanto o seu credo

    os expulsou, e lhes fez um poder na terra, apesar da perseguio que eles sofreram. Pou-

    qussimo deles se opuseram a uma igreja-estatal, como tal; provavelmente a maioria deles

    concordou com uma ideal igreja da nao, embora a personificao real disso fosse desa-

    gradvel para eles; nisto os temos ultrapassado, e ns devemos ser gratos por nossa maior

    luz. Mas a estreiteza de seu protesto pode muito ter tendido a aumentar a sua fora. Eles

    fixaram os seus olhos sobre os males doutrinais e prticos de primeira grandeza, e voltaram

    a sua energia indivisvel nessa direo; ns no obscurecemos o que ns adicionamos,

    mas anelamos as primeiras coisas originais que foram mais tenazmente sustentadas. A es-

    piritualidade da mente era a arma do Puritano contra a formalidade religiosa, o ensino dou-

    trinrio era o seu escudo contra o Papado; por meio da disciplina vigilante na igreja, eles

    protestaram contra a maioria estabelecida; e por uma manuteno cuidadosa da devoo

    familiar, cada um sendo um sacerdote em sua prpria casa, eles substituram os servios

    dirios do campanrio e as pretenses do sacerdote da parquia. A vida e o poder do Evan-

    gelho fizeram da casa de reunio, o recanto de homens piedosos, e tornaram impossvel

    que o proco pago pelo Estado com informantes, oficiais de justia e magistrados do con-

    dado em suas costas acabassem com a Dissidncia. Estes santos homens no tinham

    influncia na cabine de votao, mas eles eram poderosos no propiciatrio; eles no esta-

    vam em lugar nenhum no dia da eleio, mas eles iam por toda parte pregando a Palavra.

    Da veio o seu reconhecido poder, e da deve vir tambm o nosso.

    Infelizmente, houve momentos de praga miservel, quando o No-conformismo tornou-se

    respeitvel, intelectual, frio e mundano. Sua grande antagonista e ele mesmo igualmente

    sentiram o poder mortal do Arianismo, e ento verdade que ele procurou justificar a sua

    posio, e apelou para os direitos do homem em vez de apelar para a verdade de Deus.

    Pequeno o suficiente foi o seu sucesso. A ascenso do Metodismo sob Whitefield e Wesley

    fizeram mais pelo No-conformismo do que todos os agitadores que j viveram pela liber-

    dade religiosa. O objetivo almejado era a glria de Deus e a converso das almas, o fim

    obtido foi o despertar das igrejas e o avivamento da doutrina evanglica, mas como uma

    consequncia mais remota, toda a posio de Dissidentes foi elevada, e tornou-se impos-

    svel ret-los. Como uma fora vulcnica que no pode ser mantida sob controle, mas move

    todas as coisas de acordo com sua vontade, o poder vital da piedade causou uma agitao

    geral, e atirou ao cho as instituies de perseguio que pareciam estar construdas sobre

    uma rocha. A despertada igreja Deus comeou novamente a buscar primeiro o reino de

    Deus e a Sua justia, e as outras coisas foram adicionados a ela, aquelas pelas quais ela

  • Issuu.com/oEstandarteDeCristo

    mal esperava. Ela no mais agarrou a arma de madeira do mero intelecto, mas tomou por

    Sua palavra de ordem Espada do Senhor, e de Gideo [Juzes 7:20], e as suas vitrias

    foram certas.

    Neste momento julgamos necessrio insistir que o poder real do No-conformismo ainda

    deve ser encontrado na verdadeira doutrina, vida santa, zelo ardente e f simples. Bus-

    quem, por todos os meios, aquela reforma que dar igualdade religiosa a todos os homens,

    mas no negligenciem o mais importante; deveis, porm, fazer estas coisas, e no omitir

    aquelas [Mateus 23:23]. Se nossos plpitos se tornarem infectados com erros que obscure-

    ceram a expiao, se nossos membros tornarem-se mundanos e mornos, e se a vida de

    piedade e de poder da orao tornam-se fracos em nossas igrejas, a fora essencial da

    No-conformidade ter findado. As assinaturas para a Sociedade de Liberao podem no

    ser diminudas por uma gerao, e os fundos de nossas vrias instituies podem at mos-

    trar um aumento, mas o verme est na raiz, e em pouco tempo certamente aparecer, se

    a espiritualidade estiver em decadncia e a verdade for subestimada. Nada pode servir aos

    propsitos da nossa igreja semi-papal tanto quanto a Dissidncia no-espiritual. Fui levado

    a uma igreja paroquial, disse-nos um Batista devoto, noutro dia porque o nico lugar dissi-

    dente perto de mim era uma capela independente, onde o ministro no pregava o evangelho

    como eu estava acostumado a ouvi-lo; no, nem evangelho de modo algum. Eu encontrei

    mais alimento para a minha alma ouvindo um clrigo evanglico do que na capela, e assim

    que eu fui para a igreja, extremamente contra a minha vontade. Ouvimos os outros dize-

    rem, As pessoas da capela Batista estavam to mortas, e de to elevada doutrina, que eu

    no conseguia me unir a eles. Fui a vrios quilmetros para ouvir um proco auxiliar piedoso

    em uma pequena igreja, e embora em me desagrade bastante de uma forma de orao, eu

    a aturo por causa do evangelho que o bom homem pregou. Essas coisas no deveriam

    ocorrer; mas tememos que elas estejam se tornando muito comuns.

    Quando a antiga f ortodoxa pregada com o Esprito Santo enviado do cu, e os erros

    so apontados claramente e a verdade declarada, nosso povo se torna Dissidente na espi-

    nha dorsal; mas nenhum verdadeiro homem