O Processo no Tribunal de Contas da Uni£o Osmar Jacobsen Filho TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIƒO Secretaria de Controle Externo no Estado de Santa Catarina

  • View
    110

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of O Processo no Tribunal de Contas da Uni£o Osmar Jacobsen Filho TRIBUNAL DE CONTAS DA...

  • Slide 1
  • O Processo no Tribunal de Contas da Unio Osmar Jacobsen Filho TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIO Secretaria de Controle Externo no Estado de Santa Catarina - SECEX/SC
  • Slide 2
  • Relatoria Fluxo de processos Fiscalizaes Apresentao de defesa Recursos Relatoria Fluxo de processos Fiscalizaes Apresentao de defesa Recursos PROCESSO NO TCU SUMRIO
  • Slide 3
  • Relatoria - Noes Gerais Fato Processo Relator: designado entre os 9 Ministros e os 3 Ministros - Substitutos
  • Slide 4
  • Competncias do Relator Presidir a instruo do processo, determinando a adoo de medidas preliminares (por exemplo: diligncia, audincia, citao). Submeter o processo ao Colegiado competente (Plenrio, 1 ou 2 Cmara) com proposta de mrito. Presidir a instruo do processo, determinando a adoo de medidas preliminares (por exemplo: diligncia, audincia, citao). Submeter o processo ao Colegiado competente (Plenrio, 1 ou 2 Cmara) com proposta de mrito.
  • Slide 5
  • Relatoria A relatoria dos processos envolvendo os Municpios do pas sorteada a cada 2 (dois) anos. Dentro de um mesmo Estado, o Relator dos processos dos Municpios um s. A relatoria dos processos envolvendo os Municpios do pas sorteada a cada 2 (dois) anos. Dentro de um mesmo Estado, o Relator dos processos dos Municpios um s.
  • Slide 6
  • RelatoriaRelatoria Os processos relacionados aos Municpios de Santa Catarina possuem os seguintes Relatores (segundo o ano de autuao do processo): 2001/2002 Ministro Ubiratan Aguiar 2003/2004 Ministro Walton Alencar Rodrigues 2005/2006 Ministro Lincoln Magalhes da Rocha Exemplo de nmero de processo no TCU: 003.456/2005-1 Os processos relacionados aos Municpios de Santa Catarina possuem os seguintes Relatores (segundo o ano de autuao do processo): 2001/2002 Ministro Ubiratan Aguiar 2003/2004 Ministro Walton Alencar Rodrigues 2005/2006 Ministro Lincoln Magalhes da Rocha Exemplo de nmero de processo no TCU: 003.456/2005-1
  • Slide 7
  • Plenrio ou Cmaras Fluxo Simplificado dos Processos Processos de Fiscalizao Processos de Fiscalizao ACRDO Ministrio Pblico junto ao TCU Ministrio Pblico junto ao TCU Ministro-Relator Parecer Processos de Contas Diretor Secretrio Analista de Controle Externo Analista de Controle Externo SECEX/SC
  • Slide 8
  • Fiscalizao Denncias e Representaes Denncias e Representaes TCU Auditorias de rotina amostragem Dvidas em Processos TCU Auditorias de rotina amostragem Dvidas em Processos Solicitaes do Congresso Nacional Representaes oriundas do(a): Ministrio Pblico Controladoria Geral da Unio Tribunal de Contas do Estado Representaes oriundas do(a): Ministrio Pblico Controladoria Geral da Unio Tribunal de Contas do Estado Origem das Fiscalizaes
  • Slide 9
  • Fiscalizaes O municpio fiscalizado deve disponibilizar equipe do TCU total acesso a locais e documentos solicitados. A obstruo ao livre exerccio de auditorias do TCU sujeita o responsvel a multa. O municpio fiscalizado deve disponibilizar equipe do TCU total acesso a locais e documentos solicitados. A obstruo ao livre exerccio de auditorias do TCU sujeita o responsvel a multa.
  • Slide 10
  • Fiscalizaes - Resultado (1) Ausncia de transgresso a norma legal ou regulamentar arquivamento do processo determinaes e arquivamento do processo Falhas de natureza formal
  • Slide 11
  • Fiscalizaes - Resultado (2) Irregularidades decorrentes de ato ilegal, ilegtimo ou antieconmico Audincia do responsvel
  • Slide 12
  • Arquiva- mento Arquiva- mento Acolhimento das justificativas Acolhimento das justificativasAudinciaAudincia A audincia objetiva que o responsvel apresente razes de justificativa para as possveis irregularidades apontadas, nas quais no se vislumbre a necessidade de recolhimento de valores. Rejeio das justificativas Rejeio das justificativas
  • Slide 13
  • AudinciaAudincia prazo p/ sustao do ato adm. prazo p/ sustao do ato adm. determinaes multa inabilitao p/ cargo ou funo inabilitao p/ cargo ou funo inidoneidade do licitante fraudador inidoneidade do licitante fraudador Rejeio das justificativas Rejeio das justificativas
  • Slide 14
  • Fiscalizaes - Resultado (3) Omisso das contas, desfalque, desvio de bens ou outra irregularidade de que resulte dano ao errio converso do processo em Tomada de Contas Especial converso do processo em Tomada de Contas Especial
  • Slide 15
  • Tomada de Contas Especial (TCE) um processo que tem por objetivo apurar a responsabilidade daquele que der causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte dano ao errio. Apurao dos fatos Identificao dos responsveis Quantificao do dano para ressarcimento
  • Slide 16
  • Tomada de Contas Especial - Citao Citao : possibilita que os responsveis apresentem suas alegaes de defesa e/ou recolham o valor que lhes imputado. No constitui um prejulgamento Citao : possibilita que os responsveis apresentem suas alegaes de defesa e/ou recolham o valor que lhes imputado. No constitui um prejulgamento
  • Slide 17
  • Tomada de Contas Especial (TCE) Os responsveis podem ser citados em carter individual ou solidrio. Sero citados solidariamente quando mais de um agente houver concorrido para a existncia do dano Na citao solidria todos os agentes citados so igualmente responsveis pelo recolhimento integral do dbito
  • Slide 18
  • Tomada de Contas Especial - Julgamento Se forem acolhidas as alegaes de defesa as contas sero julgadas: regulares, ou regulares com ressalva (podem ser feitas determinaes) dando-se quitao ao responsvel Se forem acolhidas as alegaes de defesa as contas sero julgadas: regulares, ou regulares com ressalva (podem ser feitas determinaes) dando-se quitao ao responsvel
  • Slide 19
  • Tomada de Contas Especial - Julgamento as contas sero julgadas regulares com ressalva, com quitao ao responsvel. Se no for acolhida a defesa: pagamento do dbito, e no havendo outras irregularidades. pagamento do dbito, e no havendo outras irregularidades. se reconhecida a boa-f do responsvel 15 dias para recolher o dbito atualizado
  • Slide 20
  • Tomada de Contas Especial - Julgamento Se no for acolhida a defesa: as contas sero julgadas irregulares, condenando-se o responsvel ao pagamento do dbito c/ encargos se no for reconhecida a boa-f do responsvel no sendo pago o dbito, haver o encaminhamento do Acrdo condenatrio para a Advocacia Geral da Unio (AGU) para o ajuizamento da ao de cobrana executiva
  • Slide 21
  • MPU (aes civis e penais) MPU (aes civis e penais) multa at 100% dbito multa at 100% dbito nome para Justia Eleitoral (inelegibilidade) nome para Justia Eleitoral (inelegibilidade) inidoneidade do licitante fraudador inidoneidade do licitante fraudador inabilitao Irregularidade das contas Irregularidade das contas Conseqncias da Irregularidade das Contas
  • Slide 22
  • Apresentao de defesa O TCU no exige que os responsveis se faam representar por advogados. Os documentos podem ser protocolados pelos responsveis em qualquer unidade do TCU, desde que faam referncia ao nmero do processo pertinente. O TCU no exige que os responsveis se faam representar por advogados. Os documentos podem ser protocolados pelos responsveis em qualquer unidade do TCU, desde que faam referncia ao nmero do processo pertinente.
  • Slide 23
  • Apresentao de defesa Sempre por escrito e dirigida unidade expedidora do ofcio do TCU. Os esclarecimentos devem ser apresentados no prazo fixado no ofcio. Caso haja motivo justo, o Tribunal poder conceder a prorrogao do prazo.
  • Slide 24
  • Apresentao de defesa As defesas apresentadas devem abordar todos os aspectos relacionados irregularidade apontada (questes de fato e de direito). Todos os fatos alegados devem ser comprovados mediante a apresentao de documentos hbeis.
  • Slide 25
  • Apresentao de defesa Havendo mais de um responsvel relacionado pelo TCU, as defesas podem ser apresentadas em conjunto. Para melhor elaborarem suas defesas os interessados podero solicitar vista/cpia dos autos.
  • Slide 26
  • Acompanhamento processual Os responsveis podem acompanhar a tramitao de seus processos mediante acesso pgina do TCU na Internet: www.tcu.gov.br O cadastramento no Sistema Push possibilita o recebimento de informaes por e-mail a cada nova tramitao do processo.
  • Slide 27
  • Cadastramento no Sistema Push www.tcu.gov.br
  • Slide 28
  • Slide 29
  • Slide 30
  • Slide 31
  • Consulta a processo na pgina do TCU na internet www.tcu.gov.br Consulta a processo na pgina do TCU na internet www.tcu.gov.br
  • Slide 32
  • Slide 33
  • Slide 34
  • Slide 35
  • Slide 36
  • Slide 37
  • Slide 38
  • Slide 39
  • Slide 40
  • Consulta jurisprudncia na pgina do TCU na internet www.tcu.gov.br Consulta jurisprudncia na pgina do TCU na internet www.tcu.gov.br
  • Slide 41
  • Slide 42
  • Slide 43
  • Slide 44
  • Slide 45
  • Slide 46
  • Slide 47
  • Slide 48
  • Pauta de Julgamento Os processos