O VÔO DA GAIVOTA - Biblioteca Virtual Espírita ?· 1 O VÔO DA GAIVOTA Patrícia (Espírito) Psicografia…

Embed Size (px)

Text of O VÔO DA GAIVOTA - Biblioteca Virtual Espírita ?· 1 O VÔO DA GAIVOTA Patrícia (Espírito)...

  • 1

    O VO DA GAIVOTA

    Patrcia (Esprito) Psicografia de Vera Lcia Marinzeck de Carvalho.

    Com muita alegria volto literatura, motivada pelo carinho dos leitores. E a voc, amigo leitor, que dedico esta obra com imensa ternura. Tambm o fao a desencarnados e, principalmente, a encarnados que so teis por sua capacidade e tm como meta o progresso no aprendizado. Estendo-me aos annimos, desconhecidos dos encarnados, mas conhecidos do Plano Maior, que fazem o Bem por amor, sem sequer se importar com nomes clebres.

    Patrcia

    So Sebastio do Paraso, MG Palavras de um amigo Patrcia, nossa jovem escritora, que nos tem presenteado com sua literatura simples, sincera, que nos traz bons e profundos ensinamentos, vem novamente nos brindar com mais este livro. Fala-nos da caminhada em que assume novas e diferentes tarefas, do seu desprendimento e desapego. Patrcia trabalha e estuda no Plano Espiritual, mas aceitou mais esta tarefa de escrever aos encarnados, na inteno de alert-los quanto ao engano de cultuar personagens famosas. A Doutrina Esprita no est nas mos de poucos, sejam encarnados ou desencarnados. So muitos os espritos que trabalham para o Bem da Humanidade. A nossa alegre escritora, na sua humildade, se acha pequena, mas com vontade de aprender, no querendo que a cultuem e que lhe dem maior valor do que se acha merecedora. O enredo deste livro muito interessante. Participando do socorro a um desencarnado toxicmano, ela nos narra importantes

  • 2

    fatos que trazem muitos esclarecimentos sobre o prejuzo causado pelos txicos, o grande mal da atualidade. O desenrolar atraente desta histria faz deste livro mais um marco na Literatura Esprita.

    Antnio Carlos Introduo Quando encarnada, por muitas vezes olhava maravilhada as gaivotas voando. Encantava-me com seus vos, que me transmitiam a sensao de liberdade. So to livres! tarde, andando pela praia, acompanhava suas movimentaes pelos ares. Livres e felizes, faziam acrobacias oferecendo um espetculo de rara beleza. O espao imenso o ambiente preferido das gaivotas. Mas elas no podem deixar de pousar na areia da praia, para completar a alimentao necessria manuteno do seu corpo. Mesmo pressentindo a possibilidade de encontrar predadores inimigos, essa corajosa ave no se intimida e, muito vigilante, pousa na praia. Se falhar na sua precauo, infeliz ter sido sua descida, pois ser presa fcil de algum inimigo natural. Se cuidadosa e atenta, feliz ser seu pouso. Pegar o que precisa e novamente alar vo, ficando na areia, at a prxima onda, apenas a marca de seus delicados passos, a indicar que ali passou uma gaivota, realizando com prazer e alegria a funo de viver e participar, com a vida, do anseio de ser e existir. Sabendo que venho raramente ao plano fsico, naquele dia Elisa me comparou com uma gaivota. - Gaivota, por que desce Terra? Procura alimento? No respondi de imediato. Olhei para a amiga que me viu como to belo pssaro. Seus olhos negros, meigos e bonitos brilhavam. Sorriu. Seu sorriso maravilhoso contagiava aqueles que a rodeavam, alm de deixar vista as fileiras de dentes perfeitos. Elisa uma negra linda, a beleza dos seus sentimentos mostra e embeleza ainda mais seu perisprito. Fiquei a pensar no que me levava a voltar Terra. O que estaria fazendo ali? Ajuda? Tarefa? Trabalho? O Bem que fazemos um crdito, uma necessidade ou um alimento? Volitei e vi que a gaivota deixou marcas dos seus pezinhos

  • 3

    no cho arenoso. Voltei o pensamento ao passado recente e me certifiquei de que, ao tentar ajudar os que ficaram na Terra, acabei por fazer muitos afetos. O Bem realizado deixaria marcas? # Volitar, na literatura esprita, a denominao do ato de os espritos desencarnados se movimentarem no espao, quando o fazem sem que os ps toquem o cho. Nos livros espritas, h incontveis exemplos nesse sentido. (Nota da Autora Espiritual) Assumindo uma Tarefa Encarnados nossas aes esto condicionadas a um fim pessoal, qual seja a aquisio monetria ou um diploma que nos habilitar a exercer funes bem remuneradas entre nossos companheiros de caminhada. Aqui, no Plano Espiritual, para aqueles que compreendem e vivem a unidade do Universo, trabalhar ou estudar no significa oportunidade de remunerao pessoal, mas sim ocasio propcia para no ficar margem da evoluo. A beleza da existncia est na sua dinmica atividade. Ela nunca montona. A vida se parece com imenso rio que, apesar de estar no mesmo lugar, nunca o mesmo, pois se renova a cada segundo. Nossa personalidade , por natureza, ociosa. Se no acordarmos para uma melhoria em nossa maneira de ser, correremos o risco de ver o rio da vida passar e ficarmos sua margem, perdendo a oportunidade de irmos juntos daqueles que com ele caminham rumo ao infinito. Aceitar novas incumbncias de trabalho, de maiores responsabilidades, motivo de alegria para todos ns que desejamos participar, em nome de Deus, da manuteno e do progresso de todos os seres humanos. Fui chamada a lecionar num curso de Reconhecimento do Plano Espiritual, no qual a professora titular, Marcela, se ausentara porque havia tambm aceitado incumbncia de trabalhos superiores. Apesar de feliz por ter sido lembrada, e radiante por me sentir til, no pude deixar de ter momentos de preocupaes, pois estariam vrios espritos sob minha responsabilidade. Como de outras vezes, fui em busca de conselhos de meus amigos. Ao ver Maurcio, dirigi-me alegre ao seu encontro. Meu amigo sorriu. Como agradvel v-lo assim. Sempre

  • 4

    me lembro de seu doce e confiante sorriso. Respondeu aos meus anseios, tranqilo, transferindo-me belos ensinamentos. - Patrcia, como comea o aprendizado de um professor universitrio na Terra? Nos primeiros anos escolares, aprende as primeiras letras. Estudioso, cursa todas as sries exigidas. Um dia, a escola terrena d por encerrados seus estudos e o classifica apto a lecionar - s vezes at na prpria escola em que se preparou. Se for sensato, reconhecer, com certeza, que sabe apenas "o razovel" do assunto em que se especializou e, ento, continuar estudando a vida toda. Mas o conhecimento adquirido patrimnio seu, conseguido por seu esforo. Querendo lecionar, pode e deve faz-lo, porque muitos nem tm este saber que voc considera moderado. E felizes os grupos passam aos outros seus conhecimentos. Quantos se indagam: terei capacidade de lecionar? Se tm conhecimento da matria em questo, tero capacidade, sim. Aqui tambm assim. Todos temos que aprender para saber. Que tristeza seria sentir que no h mais nada para aprender. O aluno no deve ficar muito tempo na mesma srie. Seu estudo deve render at que passe de aluno a mestre. Tenho acompanhado seus estudos: voc aprendeu com amor e j est apta a ensinar o que adquiriu. - Mas, Maurcio - insisti -, e se no estiver? - Est! O que pensa voc que um instrutor aqui no Plano Espiritual? somente um esprito dedicado, estudioso, que comeou seu aprendizado como todos. No se deve ser avaro de conhecimentos, no se julgar incapaz e nem ser presunoso com o que pensa saber. Necessrio e indispensvel o bom senso; porque atravs dele temos a exata medida de nosso cabedal, sem entretanto chegar vaidade. Depois, Patrcia, no se devem querer sumidades para ensinar, mas sim querer os que transmitem com amor os conhecimentos que possuem. Se a chamaram, porque a julgam apta. Aqui no existe o "jeitinho" que leva muitos a terem cargos imerecidos. Depois, os cursos vm prontos sua mo. E verdade que ter de responder a muitas questes. Confio em voc. Aceite o encargo e tire bom proveito da experincia. Tambm fui conversar com vov Amaziles. Gosto muito de visit-la e a suas amigas, de suavizar a saudade que sinto da casa em que moram e que foi minha primeira acomodao, aps a desencarnao. Aps os abraos, falei da minha dvida.

  • 5

    - Patrcia - respondeu vov -, esse curso muito importante. Nele se aprende muito do Plano Espiritual, na teoria e na prtica. Aquisio terica ou intelectual so apenas arquivos de informaes e conhecimentos. As excurses feitas durante o curso so a vivncia do fato. Com compreenso, todo aquele que viveu sabe como tomar a melhor atitude diante de cada problema. A inteno do curso que todos que o freqentem, tenham esta compreenso. Pois somente a vivncia desses fatos ou conhecimentos ser transmitida s nossas clulas perispirituais e, conseqentemente, impressionar as clulas fsicas. E, quando reencarnarmos, essas vivncias afloraro em nossa mente como dom nato ou como mente inconsciente. Aceite, voc capaz! Voc tem estudado tanto! Coloque em prtica o que aprendeu e ainda aprende. De Antnio Carlos, ouvi: - No fazer, por julgar-se incapaz, no aceito como desculpa nem aqui no Plano Espiritual, nem como encarnado.Se no , torne-se. Todos somos capazes. Principalmente, se no nos exigido o impossvel. Agiu certo, de modo prudente, consultando os amigos. Quando nos sentimos inseguros, devemos pedir opinies a amigos que consideramos, e por quem somos considerados. Com as sugestes recebidas, devemos ento optar pelo que melhor para ns mesmos e para os outros. No certo fazer o que no somos capazes, no momento. s vezes, imprudentemente, prejudicaremos a ns e aos outros, fazendo algo por ambio, poder e vaidade. No o seu caso. Aceite e lembre-se: aprendemos muito mais quando transmitimos conhecimentos. Tambm me aconselhei com papai e dele recebi preciosa lio. - Filha, a vida sabe melhor o que bom a cada um de ns. Estamos sempre sendo convidados a assumir alguma tarefa. Para mim, o melhor lugar aquele em que somos mais teis. Ao esquecermos de ns mesmos, vivendo entregues ao bem alheio, criamos condies para que Deus possa agir atravs da nossa humilde personalidade. E, nunca se esquea, tudo o que fizer, faa bem feito. E, ali estava eu, numa sala de estudo, ministrando uma aula sobre as Colnias. Sentindo-me perfeitamente vontade.

  • 6

    A sala apresentava-se muito agradvel. T