Organização Mundial do Comércio Agenda Perspectiva histórica do desenvolvimento do GATT Princípios e regras fundamentais do comércio mundial As rodadas

Embed Size (px)

Text of Organização Mundial do Comércio Agenda Perspectiva histórica do desenvolvimento do GATT...

  • Slide 1
  • Organizao Mundial do Comrcio Agenda Perspectiva histrica do desenvolvimento do GATT Princpios e regras fundamentais do comrcio mundial As rodadas do GATT Os impactos das Rodadas Organizao Mundial de Comrcio As Rodadas ps OMC Prof. Gilberto Sarfati
  • Slide 2
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Pr-historia do GATT O perodo entre guerras foi caracterizado pelo: Nacionalismo econmico Protecionismo Desvalorizaes competitivas Smoot-Hawley Act - 1930 - Estabelecimento de altas tarifas (aumento mdio de 50%) - Conduziu a atos retaliatrios de outros pases o que por sua vez aprofundou a grande depresso americana Ato de Reciprocidade nos Acordos Comerciais - 1934 - Negociaes bilaterais, negociaes item a item, introduo da clausula da nao mais favorecida
  • Slide 3
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Bretton Woods Com a vitria dos aliados no final da segunda guerra foi convocada a conferncia de Bretton Woods. Nesta conferncia se estabeleceu a base das regras de relacionamento econmico mundial para a segunda metade do sculo passado. Neste acordo foram criados tambm as seguintes instituies: Organizao Internacional do Comrcio
  • Slide 4
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati A rejeio da Carta de Havana A Carta de Havana possua um ambicioso arcabouo legal que fundava a organizao internacional do comrcio. A arcabouo inclua regras referentes a investimentos, servios, emprego e regras para negcios Embora a carta tenha sido devidamente ratificada por 23 dos 50 pases participantes da conferncia de Bretton Woods ela no foi nem sequer levada ao congresso americano pois acreditava-se que a maioria dos deputados entendia que a carta restringia a soberania americana no comrcio internacional
  • Slide 5
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati As origens do GATT Antes mesmo da discusso da Carta de Havana decidiu-se negociar um acordo provisrio em 1947 apenas para a discusso de redues tarifrias e regras para o comrcio. Este acordo passou a ser conhecido como: GENERAL AGREEMENT ON TARIFF AND TRANDE De simples acordo, o GATT se transformou uma organizao internacional de facto mas no de jure, funcionando com sede em Genebra passando a fornecer a base institucional para as vrias rodadas de negociao e a funcionar como supervisor e coordenador destas regras at o final da Rodada Uruguai quando ento foi criada a OMC
  • Slide 6
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati As Rodadas do GATT O Sistema Mundial de Comrcio foi estabelecido ao longo dos anos atravs de oito rodadas multilaterais de negociao (tratadas em mais detalhes no decorrer do bloco). Das quais as seis primeiras visavam a reduo de tarifas atravs de concesses recprocas enquanto que as ltimas duas efetivamente negociaram redues tarifrias alm de reduo de barreiras no tarifria 1 - Genebra - 23 participantes - 1947 2 - Annecy (Frana) - 13 participantes - 1949 3 - Torquay (UK) - 38 participantes - 1951 4 - Genebra - 26 participantes - 1956 5 - Rodada Dillon - Genebra - 26 participantes - 1960-61 6 - Rodada Kennedy - Genebra - 62 participantes - 1964-67 7 - Rodada Tquio - Genebra - 102 participantes - 1973-79 8 - Rodada Uruguai - Genebra - 123 pases - 1986-94
  • Slide 7
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati As regras do comrcio mundial Os 3 princpios fundamentais no estabelecimento das regras 1 - O nico instrumento de proteo permitido dentro das atividades comerciais so as tarifas. Do ponto de vista das regras h as tarifas praticadas pelos pases e as tarifas consolidadas (bound rate) que so aquelas que definem os limites mximos de proteo determinados atravs das negociaes multilaterais 2-Uma vez estabelecido uma nova tarifa ou benefcio esta passar a ser estendida de forma no discriminatria a todos os contratantes (no discriminao) 3 - O produto importado uma vez dentro das fronteiras de uma parte contratante no pode ser discriminado em relao ao produto nacional
  • Slide 8
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Os princpios do comrcio mundial No Discriminao Liberalizao do Comrcio Predizvel Mais Competitivo Mais benfico para os pases em desenvolvimento
  • Slide 9
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Regras Bsicas De acordo com GATT 1947 as regras bsicas so: Nao mais favorecida (MFN) A regra probe a discriminao entre os pases contratantes do Acordo Geral. Fica estabelecido que toda vantagem, favor, privilgio ou imunidade que so concedidas a uma parte contratante devem ser estendido s outras partes contratantes - Princpio de No Discriminao (Artigo I) Lista de Concesses Determina a lista dos produtos e das tarifas mximas que devem ser praticadas no comrcio internacional. A regra determina que as partes no devem conceder um tratamento menos favorvel do que aquele previsto na Lista de Concesses (Artigo II)
  • Slide 10
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Regras Bsicas Tratamento Nacional A Regra probe a discriminao entre produtos nacionais e importados uma vez internalizados. Regra de no-descriminaro entre produtos - Artigo III A regra obriga a publicao de todas as regras relativas ao comrcio. Artigo X Transparncia Eliminao de restries quantitativas A regra probe o estabelecimento de cotas, licenas de importao e exportao e outras medidas de restrio que no as tarifas. Artigo IX
  • Slide 11
  • Organizao Mundial do Comrcio O Sistema Monetrio Internacional Outros princpios Gilberto Sarfati Liberalizao do comrcio atravs de gradualismo em negociaes Predicabilidade - previso de reduo de tarifas. Bind commitments Princpio da justa competio Desenvolvimento e reforma econmica (UNCTAD)
  • Slide 12
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Excees Excees Gerais - Nada no Acordo deve impedir a adoo de medidas para proteger a moral pblica e a sade humana, animal ou vegetal. Artigo XX A exceo que abre a porteira. Com este artigo possvel criar milhares de regras fitossanitrias, etc. que constituem um sem fim de barreiras no tarifarias... Salvaguardas ao balano de pagamentos - qualquer parte contratante pode restringir quantidade ou valor de mercadorias importadas de forma a salvaguardar sua posio financeira externa seu balano de pagamentos. Art. XII Pases em desenvolvimento tm regras especiais para salavaguardar o balano de pagamento e indstrias nascentes. Art. XVIII
  • Slide 13
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Excees Salvaguardas ou aes de emergncia sobre importaes - se um produto importado estiver ameaando causar prejuzos graves aos produtores domsticos a parte contratante fica autorizada a suspender concesses e determinar novas tarifas e cotas temporariamente. Art. XIX Precisa Comentar???? Unio Aduaneira e Zonas de Livre Comrcio - O GATT no impede a formao de blocos comerciais desde que (O Famoso Artigo XXIV): a) As regras preferencias sejam estabelecidas para um parte substancial do comrcio do acordo b) Os direitos e outros regulamentos do acordo no sejam mais altos ou mais restritivos do que a incidncia de direitos e regulamentos antes da formao do bloco c) A formao do acordo inclua um plano e listas dos direitos a serem aplicado Waiver - Os pases podem pedir iseno de algum compromisso ou obrigao decorrente do Acordo. Art XXV
  • Slide 14
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati O Artigo XXIV O Artigo XXIV o instrumento da OMC para desmascarar 'acordos de convenincia'.As restries impostas por este artigo aplicao de acordos regionais destinam-se a assegurar que estes no so utilizados como instrumentos de poltica comercial corrente,mas que refletem uma forte vontade poltica de integrao das partes contratantes,no sentido da integrao. O Artigo no s impe regras restritivas da formao de blocos comerciais como diretamente probe Acordos Preferencias que no s feririam o MFN como tambm so geralmente focados em partes no substanciais do comrcio No inciso 5, por exemplo, levanta-se que os acordos no podem implicar em mais barreiras para terceiros pases, enquanto que o inciso 8 conclama que a unio deve gerar mais criao de comrcio do que desvio. Nota-se curiosamente que os autores no pensaram em mercados comuns e unio econmica,
  • Slide 15
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati As Rodadas de Negociao O princpio de negociao das rodadas estava baseado no conceito de balanced negotiation e trade-offs, ou seja, negociaes balanceadas envolvendo custos e benefcios para todas as partes Preconiza-se a TEORIA DA BICLETA ou seja para haver progressos na liberalizao preciso pedalar...e este sentido de pedalar dado pelas rodadas de negociao importante tambm que haja um nmero crescente de participantes nas rodadas isto porque se um participante no oferece redues tarifarias pelo princpio da MFN ela acaba beneficiado sem incorrer nos riscos de expor sua economia a concorrncia internacional. A prtica condenada a dos free riders.
  • Slide 16
  • Organizao Mundial do Comrcio www.e-deliver.com.brGilberto Sarfati Genebra 1947 Redues Bilaterais de tarifas em negociaes produto a produto sob o princpio da VANTAGEM RECPROCA MTUA. Em preparao a negociao os pases trocaram uma lista de requisies para modificaes tarifarias em vrios produtos. Cada pas consideraria a requisio de concesso tarifria somente vinda do principal fornecedor em troca da reduo tarifria em um outro produto do interesse do