of 60/60
DIMENSÕES CONCEITUAIS E HISTÓRICAS DO ESTUDO DOS PROBLEMAS E POLÍTICAS SOCIAIS UNIDADE 1

Os Problemas Politicos e Sociais Aula 1 e 2

  • View
    95

  • Download
    13

Embed Size (px)

Text of Os Problemas Politicos e Sociais Aula 1 e 2

  • DIMENSES CONCEITUAIS E HISTRICAS DO ESTUDO DOS PROBLEMAS E POLTICAS SOCIAISUNIDADE 1

  • POBREZA, DESIGUALDADE, EXCLUSO E CIDADANIA: CORRELAES, INTERSEES E OPOSIESPobrezaPobreza uma situao de privao, determinada por diversas dimenses, tais como: acesso ao saneamento, habitao, educao, sade, cultura e at mesmo liberdade.Necessidades bsicas no alimentares podem variar qualitativamente entre os diversos contextos socioculturais, bem como seus custos monetrios, de uma realidade para outra.

  • Desigualdades SociaisUma sociedade segmentada composta por indivduos detentores de direitos - os cidados, e de pessoas sem acesso a servios e benefcios os excludos.Desigualdade uma propriedade da distribuio da riqueza, em uma dada populao ou sociedade.

  • ExclusoNo pertencimento a determinado grupo ou condio.Critrios: local de nascimento, ancestralidade, lngua, cor da pele, convices polticas ou morais, etc.CidadaniaEnvolve o exerccio dos:

    direitos civis; direitos polticos; e direitos sociais.

  • A PROTEO SOCIAL PROMOVIDA PELO ESTADO: HISTRICO E MAIS ALGUNS CONCEITOS RELEVANTESPRIMRDIOSA preocupao com a pobreza e da excluso social emergiram na Europa Ocidental num perodo conhecido como Modernidade (sculo XVI ao XIX).A Lei dos Pobres na Inglaterra.Ao longo do sculo XIX, as Leis dos Pobres foram sendo abolidas, com a difuso das ideias liberais.

  • Fundamento do pensamento liberal, a liberdade individual, enfatiza que os indivduos devem ser livres para exercerem suas escolhas. Este ponto de vista imperou na sociedade ocidental ao longo de todo o sculo XIX, tendo se renovado e ganhado grande aceitao nos ltimos anos do sculo XX, sobre o substrato da doutrina neoliberal.

  • O PLANO BEVERIDGE E AS ORIGENS DO ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIALEm 1941 o governo britnico encomendou a uma Comisso Interministerial, presidida por Beveridge, um estudo para a reforma do sistema de seguros sociais ingls. O produto deste estudo deu origem a uma nova configurao da seguridade social inglesa.O Plano Beveridge se propagou rapidamente, especialmente na Europa, nos anos de 1940 e 1950, se convertendo em modelo para as polticas de proteo social em todo o mundo, sob a denominao de Estado de Bem-Estar Social, ou Welfare State.

  • O Estado de Bem-Estar Social aquele que assume a proteo social de todos os cidados, patrocinando ou regulando fortemente sistemas nacionais de Sade, Educao, Habitao, Previdncia e Assistncia Social; normatizando relaes de trabalho e salrios; e garantindo a renda, em caso de desemprego.

  • BASES ECONMICAS DO ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL: KEYNESIANISMO E FORDISMOA reconstruo da Europa, aps a 2. Guerra, se baseou nas teorias do economista John Keynes. Este propunha que o Estado deveria fazer investimentos pblicos na produo para garantir o pleno emprego, regular as relaes de trabalho e oferecer servios sociais bsicos.

  • O modelo industrial na fbrica americana de automveis Ford (mtodos de administrao cientfica de Taylor e Fayol).

    Produo em massa para consumo de massa. A publicidade e a propaganda se encarregavam de estimular, em grande escala, a demanda por bens durveis.

  • De acordo com Esping-Andersen, os sistemas de proteo social variam conforme a quantidade de pessoas cobertas e os critrios utilizados para inclu-las ou exclu-las de tal cobertura. Neste sentido, os Estados de Bem-Estar Social podem ser: universalistas quando atendem a todos indiferenciadamente;

    corporativos aqueles restritos a corporaes profissionais; e

    residuais - focalizados em alguns beneficirios , p. ex.: pobres, idosos MODELOS DE ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL

  • Modelos de Estado de Proteo SocialFonte: Adaptado de Esping-Andersen (1990)

  • OS ESTADOS DE BEM-ESTAR SOCIAL NA NOVA ORDEM MUNDIALAo final dos anos de 1970 o Estado de Bem-Estar Social foi colocado sob forte questionamento, diante:

    do aumento dos gastos com aposentadorias e penses, e da reduo dos postos de trabalho, motivada pelas inovaes tecnolgicas.

  • No final dos anos 70 teve incio o estabelecimento de uma nova ordem econmica mundial e chamada globalizao.Neoliberais defendiam que o Estado de Bem-Estar Social deveria ser suprimido ou reduzido ao mnimo, transferindo-se a prestao de servios sociais para os agentes privados.

  • AS POLTICAS DE PROTEO SOCIAL NO BRASIL: HISTRIA E PERSPECTIVASNos primeiros 40 anos de industrializao e modernizao, poucas categorias de trabalhadores contavam com assistncia mdica e previdncia social.A partir da dcada de 60 a proteo social garantida pelo Estado foi sendo ampliada, o que se refletiu no maior comprometimento do oramento pblico.

    Na Constituio de 1988 ocorreu a inscrio de um projeto de Estado de Bem-Estar Social universalista.

  • EVOLUO DA PROTEO SOCIAL BRASILEIRA NO SCULO XX: DA DCADA DE 1920 CONSTITUIO FEDERAL DE 1988Em 1923 foi estabelecida a primeira poltica pblica de previdncia social para trabalhadores, conhecida como Lei Eloy Chaves, que estabelecia a criao obrigatria, em cada ferrovia do Pas, de um fundo de aposentadorias e penses, as Caixas de Aposentadoria e Penses.

  • A partir de 1933, Vargas passou a criar Institutos de Aposentadoria e Penso, tutelados pelo Ministrio do Trabalho, para prover aos trabalhadores sindicalizados assistncia mdica e outros benefcios sociais.No perodo demarcado pelos anos de 1945 a 1964 os governos pareciam preocupados em responder s demandas mais estridentes dos grupos organizados da sociedade, mesmo que isto implicasse em aumento de gastos sem previso das devidas fontes de recursos.

  • Em 1960 foi publica a Lei Orgnica da Previdncia Social que estabeleceu a homogeneizao dos planos de contribuio e de benefcios entre os diversos institutos.

    Em 1966 os diversos Institutos so unificados no INPS.

  • A POLTICA SOCIAL APS A REDEMOCRATIZAO: DA CONSTITUIO CIDAD DE 1988 AO GOVERNO LULA

    A dcada de 80 ficou marcada pela inflao, estagnao econmica e desemprego, que, viriam a reduzir as receitas oriundas de tributos e contribuies, comprometendo os investimentos pblicos.

  • A Constituio Federal de 1988 traz em seu texto um captulo sobre a Ordem Social, garantindo amplos direitos sociais a toda populao. O texto constitucional prev, para os servios sociais: universalidade da cobertura e do atendimento; uniformidade e equivalncia dos benefcios s populaes urbanas e rurais; irredutibilidade do valor dos benefcios; e democratizao da gesto do sistema.

  • Para implementar o conceito de Seguridade Social a Constituio previu a criao do Oramento da Seguridade Social e a unificao dos Ministrios da Sade, Previdncia e Assistncia Social, no Ministrio da Seguridade Social.Transformao do Instituto Nacional de Previdncia Social em Instituto Nacional do Seguro Social, vinculando-o ao Ministrio do Trabalho, amparado na proteo social como mrito, expressa num seguro social, de carter contratual e individual.No final do ano de 1992, as polticas de Sade, Previdncia e Assistncia Social permaneceram em Ministrios independentes, e as diversas receitas do Oramento da Seguridade foram centralizadas no Tesouro.

  • O pagamento dos benefcios passou a contar apenas com a receita das contribuies de empresrios e trabalhadores gerando um dficit nas contas do INSS, o que levou o Ministrio da Previdncia a suspender os repasses que fazia ao Ministrio da Sade, desde o incio dos anos 80. Isto fez com que esta rea sofresse uma enorme crise de financiamento em 1993, que s foi parcialmente sanada com a criao da CPMF.

  • O Consenso de Washington recomendou prioridade em polticas focalizadas, assim como a ampliao da participao de empresas ou ONGs em programas sociais.

    Para os focalistas os programas sociais universalizados pelo Estado so caros e ineficientes. Para os universalistas a utilizao de programas focalizados pode congelar as desigualdades e perpetuar a pobreza, jamais realizando a incluso.

  • A poltica social brasileira a partir de 1988 se tornou um composto de medidas e aes universalistas como a Sade e a Educao Fundamental , com outras de carter meritocrtico os programas contributivos da previdncia social , bem como com programas focalizados (como o Bolsa Famlia).Dois acordos firmados com o FMI um em 1998 e outro 2002 que estabeleceram metas rgidas de supervit fiscal; bem como a crise cambial que afetou o Pas, no incio de 1999 implicaram na desacelerao da economia e profundos cortes nos investimentos pblicos, especialmente na rea social.

  • UNIDADE 2

    POLTICAS SOCIAIS DO ESTADO BRASILEIRO

  • CONFIGURAO INSTITUCIONAL DO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIROEDUCAO

  • A configurao do sistema educacional brasileiro foi dada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educao de 1996.

  • Competncias governamentais na rea da Educao: A oferta privada ou filantrpica de servios educacionais tambm garantida desde que normatizada e supervisionada pelos Conselhos de Educao.

  • Cada esfera de governo possui sua prpria estrutura regulatria (os Conselhos) e executiva (Secretarias Estaduais e Municipais de Educao).

    Fazem parte do organograma do MEC a seguintes Secretarias: Secretaria de Educao Bsica (SEB); Secretaria de Educao Profissional e Tecnolgica (SETEC); Secretaria de Educao Superior (SESU); Secretaria de Educao Continuada, Alfabetizao e Diversidade (SECAD); Secretaria de Educao Especial (SEESP); e Secretaria de Educao a Distncia (SEED).

  • RECURSOS E FINANCIAMENTOS

    A Constituio de 1988 estabeleceu que a Unio, os Estados e os Municpios devem vincular parte das receitas de seu oramento ao custeio da educao em todos os nveis de ensino.

  • O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao (FNDE) organizado como uma autarquia ligada ao Ministrio da Educao, aplica recursos nos Estados, no Distrito Federal, nos municpios e em organizaes no governamentais para atendimento s escolas pblicas de educao bsica, alm de financiar diversos programas.

  • DESAFIOS DO SISTEMA EDUCACIONAL BRASILEIRO

    O MEC lanou em 2007 o Plano de Desenvolvimento da Educao (PDE), colocando disposio dos Estados, municpios e do Distrito Federal de instrumentos de avaliao e implementao de polticas destinadas melhoria da qualidade de ensino.

  • MAZELAS DA EDUCAO NACIONAL

    Garantir aos estudantes habilidades de leitura e escrita, bem como a de efetuar as operaes matemticas bsicas.

    A defasagem, a repetncia e a evaso escolar tambm incidem fortemente sobre o sistema educacional.

    Alm de uma oferta insuficiente em Instituies Pblicas, a distribuio de vagas no Ensino Superior bastante desigual no territrio brasileiro.

  • As dificuldades de acesso ao ensino superior no Brasil esto associadas aos diferenciais de renda da populao, o que o PDE tem procurado combater, com mecanismos de financiamento educao em instituies privadas atravs do PROUNI , como pela expanso de vagas nas Instituies pblicas e pelo incremento modalidade de ensino a distncia,.

  • SADE

    A REFORMA SANITRIA: UM MARCO NA POLTICA DE SADE BRASILEIRAA Reforma Sanitria permitiu a criao do SUS (Sistema nico de Sade).A Reforma Sanitria que ocorreu no final da dcada de 70, logrou inscrever, na Constituio de 1988, o direito a sade como dever do Estado, bem como garantir a montagem de um sistema assistencial pblico, integrado e universal.

  • O SISTEMA NICO DE SADE

    O SUS prev a universalidade e equidade no acesso, a integralidade das suas aes e a participao social na sua gesto.

    O sistema integra as aes de todas as instncias de governo, prevendo a hierarquizao e a regionalizao dos servios.

  • Financiamento do SUS

    O SUS possui uma vinculao constitucional de receitas. Contudo, 70% destas correspondem a recursos federais, que so, em sua maioria, repassados para fundos estaduais e municipais de Sade, ou pagos diretamente aos prestadores de servios.

  • O processo decisrio, no mbito do SUS, culmina com a instituio de Portarias Ministeriais, feitas em parceria com o Conselho Nacional de Secretrios Estaduais de Sade (CONASS) e o Conselho Nacional de Secretrios Municipais de Sade (CONASEMS). Tais instrumentos definem as competncias de cada nvel de governo, bem como os critrios para que Estados e Municpios se habilitem gesto do sistema em seu territrio.Estrutura Institucional do SUS

  • O PROGRAMA DE SADE DA FAMLIA

    Criado no ano de 1994, o PSF tem como propsito fornecer atendimento integral populao, ao nvel bsico da assistncia. Sua atuao ocorre atravs do acompanhamento de famlias residentes em determinado territrio por equipes multiprofissionais.

    Ponto Positivo - reduo da mortalidade infantil. Ponto Negativo - precariedade que caracteriza os vnculos de trabalho dos profissionais de sade s equipes do PSF.

  • ASSISTNCIA SOCIAL E SEGURANA ALIMENTAR

    At a promulgao da Constituio Federal de 1988, a Assistncia Social era prestada atravs da filantropia ou de programas governamentais focalizados nos mais necessitados.

    A partir da Constituio de 88 que a Assistncia Social tornou-se uma poltica de Estado, e, sua implementao, independe da orientao poltica do governo.

  • PROGRAMAS DE ASSISTNCIA SOCIAL

    A poltica de Assistncia Social e parte da poltica de Segurana Alimentar esto sob a coordenao do Ministrio do Desenvolvimento Social e Combate Fome (MDS).Atribuies do MDS:

    Programa Bolsa Famlia (PBF), Sistema nico de Assistncia Social (SUAS), onde se inclui o pagamento do Benefcio de Prestao Continuada (BPC); e diversos programas afetos Segurana Alimentar e Nutricional.

  • O PROGRAMA BOLSA FAMLIAO Programa Bolsa Famlia (PBF) envolve a transferncia de renda que beneficia famlias em situao de pobreza e extrema pobreza.O pagamento dos benefcios do PBF impe algumas condies:

    Educao: frequncia escolar mnima de 85% para crianas e adolescentes entre 6 e 15 anos e mnima de 75% para adolescentes entre 16 e 17 anos. Sade: acompanhamento do calendrio de vacina e do crescimento e desenvolvimento para crianas menores de 7 anos; pr-natal das gestantes; e acompanhamento das nutrizes na faixa etria de 14 a 44 anos. Assistncia Social: frequncia mnima de 85% da carga horria relativa aos servios socioeducativos para crianas e adolescentes de at 15 anos em risco ou retiradas do trabalho infantil.

  • O BENEFCIO DE PRESTAO CONTINUADA DE ASSISTNCIA SOCIAL

    O BPC um direito de todos os cidados que no podem mais trabalhar, bem como daqueles que no puderam realizar contribuies Previdncia Social. A fonte dos seus recursos o Fundo Nacional de Assistncia Social (FNAS), criado em 1995.Ao Ministrio do Desenvolvimento Social e Combate Fome (MDS) compete sua gesto, acompanhamento e avaliao. J sua operacionalizao est a cargo do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

  • O SISTEMA NICO DE ASSISTNCIA SOCIAL

    O Sistema nico de Assistncia Social (SUAS) constitui-se na regulao e organizao dos servios, programas, projetos e benefcios da Assistncia Social em todo o territrio nacional.

    O Sistema conta com aes de dois tipos: Proteo Social Bsica: destinada proteo daqueles que vivem em situao de vulnerabilidade social. Proteo Social Especial: voltada para casos de risco social de mdia e alta complexidade.

  • SEGURANA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

    Algumas Aes da Secretaria Nacional de Segurana Alimentar e Nutricional: Banco de Alimentos;Cisternas;Cozinhas Comunitrias;Distribuio de Alimentos;Educao Alimentar e Nutricional;Programa de Aquisio de Alimentos (PAA);Restaurante Popular; eConsrcios de Segurana Alimentar e Desenvolvimento Local (CONSADs).

  • Nos demais Ministrios esto distribudos outros importantes componentes do Fome Zero:

    A Poltica Nacional de Alimentao Escolar: atravs do Ministrio da Educao, oferece pelo menos uma refeio ao dia aos alunos da rede pblica de ensino da Educao Bsica. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familia: liderado pelo Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento, desenvolve aes especficas na agricultura familiar. A Poltica Nacional de Alimentao e Nutrio: desenvolvida pelo Ministrio da Sade, e seus objetivos so assegurar a qualidade dos alimentos, promover hbitos alimentares saudveis, bem como prevenir e controlar deficincias e doenas associadas m alimentao.

  • RGOS COLEGIADOS DAS POLTICAS DE ASSISTNCIA SOCIAL E SEGURANA ALIMENTAR

    O MDS conta com quatro rgos colegiados em sua estrutura:

    o Conselho Nacional de Assistncia Social; o Conselho Gestor do programa Bolsa Famlia; o Conselho Consultivo de Acompanhamento do Fundo de combate e Erradicao da Pobreza; e o Conselho de Articulao de Programas Sociais.

  • POLTICAS PBLICAS DE TRABALHO E GERAO DE RENDA

    O acesso ao trabalho digno, bem remunerado e vinculado a benefcios de proteo social cada vez mais raro no mundo.

    No Brasil, a informalidade sempre foi alta e decorre do prprio modelo de industrializao e modernizao adotado no Pas.

  • O MUNDO DO TRABALHO NA VIRADA DO SCULO XXI

    A partir de meados da dcada de 1970, observou-se reduo das taxas de crescimento, globalizao e introduo de novas tecnologias na produo que afetaram o mercado de trabalho, em todo o mundo. Alm do desemprego, teriam ocorrido novas formas de organizao e gesto da fora de trabalho, na reduo numrica da classe operria industrial e na precarizao do trabalho.O fordismo que predominara at os anos 1970, substitudo por novos processos de trabalho, como o toyotismo.

  • Este novo paradigma de produo faz emergir o tema da flexibilizao das relaes de trabalho. Para os crticos, esta proposta implica num trabalho sem proteo social e/ou com salrios muito baixos.

    A flexibilizao das relaes de trabalho foi introduzida nas economias centrais, sendo exaustivamente negociadas com entidades de trabalhadores e empresrios, atravs de sindicatos e associaes empresariais. Contudo, apesar da reduo de alguns benefcios trabalhistas, foram preservados, nestes casos, padres bsicos de relaes e condies de trabalho, assim como de seguridade social.

  • ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASILSegmentos da populao, em funo de sua participao no processo produtivo:

    POPULAO EM IDADE ATIVA (PIA): pessoas teoricamente aptas a exercerem uma atividade econmica. Subdivide-se em:1) Populao Economicamente Ativa (PEA): compreende o potencial de mo de obra com que pode contar o setor produtivo: a) Populao Ocupada: aquelas pessoas que trabalham. b) Populao Desocupada: pessoas que no tm trabalho, mas esto dispostas a trabalhar.

  • 2) Populao no Economicamente Ativa ou Populao Economicamente Inativa pessoas incapacitadas para o trabalho ou que desistiram de buscar trabalho ou que no querem trabalhar.

    POPULAO EM IDADE ECONOMICAMENTE NO ATIVA - pessoas com menos de 10 anos de idade.

  • Segmentos mercado de trabalho brasileiro:Ncleo estruturado - composto por trabalhadores regidos pela CLT, trabalhadores domsticos, alm dos servidores pblicos, civis e militares. Ncleo pouco estruturado - correspondem os trabalhadores assalariados sem carteira, os autnomos no agrcolas, os domsticos sem carteira e os no remunerados.

  • Os trabalhadores do segmento pouco estruturado superam o nmero de pessoas inseridas no segmento estruturado.

    Diferenas nos nveis de renda apropriados pela populao Trabalhadora com carteira assinada e os assalariados sem Carteira no nosso pas.

  • AS INSTITUIES DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL

    Consolidao das Leis do Trabalho (CLT) prev os direitos decorrentes das relaes entre empregador e empregados.Os Mecanismos so representados pela autoridade nacional de inspeo do trabalho (a Secretaria Nacional de Inspeo do Trabalho), pela Justia do Trabalho e pelos prprios sindicatos dos trabalhadores.

  • O SISTEMA PBLICO DE EMPREGO NO BRASIL

    Polticas de Mercado de Trabalho (OIT) :

    Passivas: tem por objetivo minimizar seus efeitos nocivos do desemprego. Ex.: seguro desemprego e os programas de antecipao de aposentadorias.

    Ativas: buscam reduzir os custos de procura e oferta de trabalho. Ex.: programas de qualificao da mo de obra.

  • A intermediao de empregos vem sendo adotada no Brasil desde a dcada de 1970, atravs da criao do Sistema Nacional de Empregos (SINE).Sistemas de formao e qualificao da mo de obra:

    Servio Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI);

    Servio Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC).

  • O Fundo PIS-PASEP foi criado com objetivo de integrar o empregado na vida e no desenvolvimento das empresas; assegurar ao empregado e ao servidor pblico o usufruto de patrimnio individual progressivo; estimular a poupana e corrigir distores na distribuio de renda; e possibilitar a paralela utilizao dos recursos acumulados em favor do desenvolvimento econmico-social.

  • O art. 239 da Constituio Federal alterou a destinao dos recursos provenientes das contribuies para o PIS e para o PASEP, que passaram a ser alocados ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), para o custeio do Programa do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e ao financiamento de Programas de Desenvolvimento Econmico pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social (BNDES).

  • Em 1994 foi criado o Programa de Gerao de Emprego e Renda (PROGER) para financiamento a pequenos produtores urbanos e rurais, e assim viabilizar melhoria das condies daqueles trabalhadores que j adotavam estratgias de autoemprego.