OS_022_AIDPI Mod 1 (Cris-Th).qxd

  • View
    215

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of OS_022_AIDPI Mod 1 (Cris-Th).qxd

  • MINISTRIO DA SADE

    AIDPIAteno Integrada s Doenas

    Prevalentes na Infncia

    Curso de Capacitao

    Introduo

    Mdulo 1

    2. edio revista

    Srie F. Comunicao e Educao em Sade

    Braslia DF2002

  • 1999. Ministrio da Sade. Organizao Mundial da Sade. Organizao Pan-Americana da Sade. permitida a reproduo parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.Srie F. Comunicao e Educao em SadeTiragem: 2. edio revista 2002 2.000 exemplares

    Management of childhood Illness foi preparado pela Diviso de Sade e Desenvolvimento Infantil (CHD), da Organizao Mundialda Sade (OMS) em conjunto com o Fundo das Naes Unidas para a Infncia (UNICEF), atravs de um contrato com a ACTInternacional, Atlanta, Gergia, USA.A verso em portugus, que corresponde ao Curso de Capacitao sobre Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia foipreparada pela Unidade de Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia, Programa de Doenas Transmissveis, Diviso dePreveno e Controle de Doenas (HCP/HCT/AIDPC), da Organizao Pan-Americana da Sade/Organizao Mundial da Sade(OPAS/OMS), em Coordenao com UNICEF-TACRO, Washington, DC, USA, Agosto 1996, sendo feita adaptao s normasnacionais e autorizada a publicao pela OPAS/OMS no Brasil.

    Edio, distribuio e informaesMINISTRIO DA SADESecretaria de Polticas de Saderea da Sade da CrianaEsplanada dos Ministrios, bloco G, 6. andar, sala 636CEP: 70058-900, Braslia DFTels.: (61) 315 2407/315 2866/315 2958/224 4561Fax: (61) 315 2038/322 3912

    Este material foi adaptado com a valiosa colaborao dos consultores e as instituies abaixo mencionados aos quais a rea da Sadeda Criana do Ministrio da Sade e a OPAS/OMS agradecem o empenho e dedicao:Coordenadora da reviso atual: Dr Maria Anice Saboia Fontenele e Silva rea da Sade da Criana/SPS/MSColaboradores da reviso do mdulo de introduo: Dr. Grant Wall Barbosa de Carvalho Filho IPPMG/UFRJ;

    Dr. Ruben Schindler Maggi IMIP/PE

    Capa: Dino (Vincius Ferreira Arajo) Projeto Promoo da Sade/SPSProjeto Visual: Roberto Vieira Editora MSEditorao: Thiago Antonucci Editora MS

    Impresso no Brasil / Printed in Brazil

    Ficha Catalogrfica

    Catalogao na fonte Editora MS

    EDITORA MSDocumentao e InformaoSIA, Trecho 4, Lotes 540/610CEP: 71200-040, Braslia DFTels.: (61) 233 1774/2020 Fax: (61) 233 9558E-mail: editora.ms@saude.gov.br

    Brasil. Ministrio da Sade. AIDPI Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia: curso de capacitao: introduo: mdulo 1

    Ministrio da Sade, Organizao Mundial da Sade, Organizao Pan-Americana da Sade. 2. ed. rev. Braslia:Ministrio da Sade, 2002.

    32 p.: il. (Srie F. Comunicao e Educao em Sade)

    ISBN 85-334-0605-3

    1. Sade Infantil. 2. Capacitao em servio. I. Brasil. Ministrio da Sade. II. Organizao Mundial da Sade.III. Organizao Pan-Americana da Sade. IV. Ttulo. V. Srie.

    NLM WA 320

  • SUMRIO

    Introduo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5

    1. A AIDPI e a situao de sade da criana no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7

    2 Ateno integrada s doenas prevalentes na infncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14

    2.1 Metodologia de atendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

    2.2 Objetivo do curso de capacitao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

    2.3 Mtodos e materiais do curso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16

    2.4 Como selecionar os quadros de conduta apropriados . . . . . . . . . . . . . . . . . .17

    3 Definies e glossrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18

    4 Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

    Anexo 1 - Profissionais envolvidos com estratgia AIDPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23

    Anexo 2 - Centros de referncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27

    Anexo 3 - Bibliografia de apoio AIDPI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28

  • INTRODUO

    Este manual constitui o primeiro de um conjunto de mdulos contendo o material didticoutilizado nos cursos de capacitao em Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia(AIDPI), promovidos pelo Ministrio da Sade, destinados principalmente a profissionais desade que atendem crianas nos servios de ateno bsica no Brasil.

    A AIDPI tem por finalidade promover uma rpida e significativa reduo da mortalidade nainfncia. Trata-se de uma nova abordagem da ateno sade na infncia, desenvolvida original-mente pela Organizao Mundial da Sade (OMS) e pelo Fundo das Naes Unidas para aInfncia e a Adolescncia (UNICEF), caracterizando-se pela considerao simultnea e integradado conjunto de doenas de maior prevalncia na infncia, ao invs do enfoque tradicional quebusca abordar cada doena isoladamente, como se ela fosse independente das demais doenas queatingem a criana e do contexto em que ela est inserida.

    Cabe ao profissional de sade a difcil misso de acolher a criana e seu acompanhante, com-preender a extenso do problema que a aflige e propor procedimentos de fcil aplicao e compro-vada eficcia. Constitui sua funo implcita estabelecer um canal de comunicao com a me oucom a pessoa responsvel pela criana, de modo que ela apreenda as recomendaes, referentes aotratamento e aos cuidados a serem prestados no domiclio, assim como memorize os sinais indica-tivos de gravidade que exigem o retorno imediato da criana ao servio de sade.

    A utilizao de sinais e sintomas que apresentam uma boa relao de sensibilidade e especifi-cidade, permitindo um diagnstico mais preciso, constitui o ponto alto dessa estratgia. Associadaa uma sistematizao adequada do atendimento, dotada de forma e seqncia bem encadeadas, quepriorizam a gravidade, com um potencial de flexibilidade capaz de se adequar s mais diversassituaes epidemiolgicas, essa estratgia de ateno criana na rea de sade pblica revelou amelhor relao de custo/benefcio, segundo relatrio do Banco Mundial, em 1993.

    nosso desejo que este material represente uma contribuio na melhoria da ateno presta-da sade infantil que, associada a ajustes na organizao dos servios e a um processo de educa-o permanente desenvolvido com a famlia e a comunidade, propicie uma melhoria significativados nossos indicadores de sade no Brasil.

    5

  • 1 A AIDPI E A SITUAO DE SADE DA CRIANA NO BRASIL

    Neste captulo, voc ir conhecer a realidade da sade de nossas crianas. Ser apresentada aestratgia Ateno Integrada s Doenas Prevalentes na Infncia (AIDPI) e explicada a proposta decapacitao nessa abordagem de ateno criana.

    A estratgia AIDPI se alicera em trs pilares bsicos: o primeiro a capacitao de recursoshumanos no nvel primrio de ateno, com a conseqente melhoria da qualidade da assistnciaprestada; o segundo a reorganizao dos servios de sade, na perspectiva da AIDPI; e o ltimo a educao em sade, na famlia e na comunidade, de modo que haja uma participao de todosna identificao, conduo e resoluo dos problemas de sade dessa famlia, especialmente osmenores de 5 anos de idade.

    No Brasil, a estratgia AIDPI foi adaptada s caractersticas epidemilogicas da criana e snormas nacionais. As condutas preconizadas pela AIDPI incorporam todas as normas doMinistrio da Sade relativas promoo, preveno e tratamento dos problemas infantis mais fre-qentes, como aqueles relacionados ao aleitamento materno, promoo de alimentao saudvel,crescimento e desenvolvimento, imunizao, assim como o controle dos agravos sade tais como:desnutrio, doenas diarricas, infeces respiratrias agudas e malria, entre outros. A operacio-nalizao dessa estratgia vem sendo efetivada principalmente pelas Equipes de Sade da Famlia(ESF) e capilarizada em todo territrio nacional.

    A seguir, vamos tecer algumas consideraes sobre a situao da sade de crianas menores de5 anos, no Brasil, num contexto mais amplo, objetivando maior compreenso e melhor eficcia noenfrentamento dos problemas identificados.

    A Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) um dos indicadores mais eficazes para refletir nosomente aspectos da sade de crianas, como a qualidade de vida de uma determinada populao.Existem claras associaes entre riqueza e nvel de desenvolvimento de um pas ou regio e suasTMI. Nas regies pobres do mundo, onde essas taxas so mais elevadas, a maioria das mortesinfantis poderia ser evitada com medidas simples e eficazes. Mais de 70% desses bitos devem-sea pneumonia, diarria, desnutrio, malria e afeces perinatais, ou uma associao delas.

    Enfrentar os fatores condicionantes e determinantes da mortalidade infantil tem sido umconstante desafio para as autoridades brasileiras nas ltimas dcadas, levando o Ministrio daSade a intensificar, a partir de 1984, sua atuao na promoo da sade dos menores de 5 anos,com a criao do Programa de Assistncia Integral Sade da Criana (PAISC). Esse programa visaa promover a sade da criana de forma integral, dando prioridade ao atendimento de crianas per-tencentes a grupos de risco, melhorando a qualidade do atendimento.

    Apesar da mortalidade infantil mostrar uma tendncia ao descenso nos ltimos 21 anos, aindapermanece elevada, com uma TMI estimada de 28,6 por mil nascidos vivos para 2001 (censosdemogrficos de 1970 a 1991, resultados preliminares do censo de 2000, assim como a PesquisaNacional de Demografia e Sade PNDS). Ver Grfico 1.

    7

  • Grfico 1Mortalidade InfantilBrasil, 1980 a 2001

    Grfico 2Taxas de Mortalidade Infantil para as Regies - BR

    1990-2000

    8

    85,682,5

    78,975,0

    70,966,6

    62,358,2

    54,450,9

    48,045,3

    42,840,5

    38,4 36,5 34,8 33,3 31,9 30,7 29,6 28,6

    80 81 82 83 84 85 86 87