of 24/24
PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS CONTAS ANUAIS DE GESTÃO Exercício de janeiro a junho de 2013 PREFEITURA/RPPS DE NOVA UBIRATÃ 1 INTRODUÇÃO Em atendimento ao disposto nos arts. 31 e 74 da Constituição da República que confere atribuições e competências ao Sistema de Controle Interno, em especial, a atribuição de apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional prevista no art. 74, IV; ao art. 8º e 9º da Lei Complementar 269/2007; aos arts. 161, 162 e 163 da Resolução Normativa TCE/MT 14/2007 e à Resolução Normativa TCE/MT nº 33/2012, apresenta-se o Parecer Técnico Parcial/Conclusivo da Unidade de Controle Interno sobre as Contas Anuais de Gestão, exercício 2013, da Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã, por não serem consolidadas as contas em julho, a Câmara Municipal enviará seu relatório separadamente elaborado por sua Unidade de Controle Interno e RPPS terá seu relatório próprio separado. A Unidade de Controle Interno no primeiro semestre do exercício financeiro de 2013, atuou efetivamente em identificar falhas nos procedimentos normativos, dessa forma sugerindo meios para sanar e corrigir os erros nos procedimentos internos. A Unidade de Controle Interno elaborou mensalmente no exercício de 2013, relatórios acompanhando os gastos com educação, a aplicação dos recursos do FUNBEB, gastos com saúde, acompanhando o limite de gastos com pessoal, com índice de superávit ou déficit primário, a arrecadação das receitas de sua competência, as despesas por órgãos e funções, demonstrativos da divida consolidada e flutuante entre outros acompanhamentos. A elaboração dos relatórios mensais pela Unidade de Controle Interno foi de suma importância para a gestão acompanhar e direcionar as suas atividades, fazendo cumprir a legislação pertinente à área.

PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS … · ... Planilha de controle de ... também não há pagamento de despesas títulos e ... Não foi identificada contabilização

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS … · ... Planilha de controle de ... também não...

  • PARECER DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO SOBRE AS CONTAS

    ANUAIS DE GESTO Exerccio de janeiro a junho de 2013

    PREFEITURA/RPPS DE NOVA UBIRAT

    1 INTRODUO

    Em atendimento ao disposto nos arts. 31 e 74 da Constituio da

    Repblica que confere atribuies e competncias ao Sistema de Controle

    Interno, em especial, a atribuio de apoiar o controle externo no exerccio de

    sua misso institucional prevista no art. 74, IV; ao art. 8 e 9 da Lei

    Complementar 269/2007; aos arts. 161, 162 e 163 da Resoluo Normativa

    TCE/MT 14/2007 e Resoluo Normativa TCE/MT n 33/2012, apresenta-se

    o Parecer Tcnico Parcial/Conclusivo da Unidade de Controle Interno sobre as

    Contas Anuais de Gesto, exerccio 2013, da Prefeitura Municipal de Nova

    Ubirat, por no serem consolidadas as contas em julho, a Cmara Municipal

    enviar seu relatrio separadamente elaborado por sua Unidade de Controle

    Interno e RPPS ter seu relatrio prprio separado.

    A Unidade de Controle Interno no primeiro semestre do exerccio

    financeiro de 2013, atuou efetivamente em identificar falhas nos procedimentos

    normativos, dessa forma sugerindo meios para sanar e corrigir os erros nos

    procedimentos internos. A Unidade de Controle Interno elaborou mensalmente

    no exerccio de 2013, relatrios acompanhando os gastos com educao, a

    aplicao dos recursos do FUNBEB, gastos com sade, acompanhando o

    limite de gastos com pessoal, com ndice de supervit ou dficit primrio, a

    arrecadao das receitas de sua competncia, as despesas por rgos e

    funes, demonstrativos da divida consolidada e flutuante entre outros

    acompanhamentos.

    A elaborao dos relatrios mensais pela Unidade de Controle Interno

    foi de suma importncia para a gesto acompanhar e direcionar as suas

    atividades, fazendo cumprir a legislao pertinente rea.

  • 2 GESTOR E DEMAIS RESPONSVEIS

    PREFEITO MUNICIPAL:

    NOME: Valdenir Jos dos Santos

    PERODO: 01/01/2013 a 31/12/2016

    RG: 839305 SSP/MT

    CPF: 534 896 161-20

    Endereo: Rua Jose Ceter

    Fone: 066 9968 1515

    E-mail: [email protected]

    CONTADOR:

    NOME: Antnio Ribeiro Guimares

    PERODO: 03/12/2012

    RG: 116955 SSP/MS

    CPF: 46779035904

    Endereo: Rua Albino Jacob Waltra, n 180

    Fone: 066 9625 6027

    E-mail: [email protected]

    RESPONSVEL PELA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO

    NOME: Rodrigo Poleto

    PERODO: 02/06/2012 - Efetivo

    RG: 1589888-1

    CPF: 009686601-26

    Endereo: Rua Norte, sem numero, centro

    Fone: 65 9963 6429

    E-mail: [email protected]

    RESPONSVEL PELO SISTEMA ADMINISTRATIVO SECRETARIA DE

    ADMINISTRAO

    NOME: Mauro Odinei Soliani

    PERODO:

    RG: 1070441421

    mailto:[email protected]

  • CPF: 89621212120

    Endereo: Pernambuco, n 171

    Fone: 066 9989 2972

    E-mail: [email protected]

    3. RESULTADO DA ANLISE DOS ATOS DE GESTO

    3.1. RECEITA

    A Unidade de Controle Interno acompanhou mensalmente, a devida

    arrecadao das receitas prprias do Municpio, como tambm a aplicao de

    receita vinculada recebidas de outros entes da federao, atravs de analise

    das informaes contidas no sistema, desse modo, elaborou relatrios mensais

    que foram enviou ao Gestor Municipal e para Camar Municipal para devidas

    apreciaes.

    O Relatrio mensal elaborado pela Unidade de Controle Interno de

    suma importncia para o acompanhamento, analise e controle das receitas de

    responsabilidade do municpio, como tambm as receitas recebidas de outros

    entes da federao, para que essa seja arrecada e aplicada conforme as

    regras descritas em lei.

    Devido a este acompanhamento mensal realizado pela Unidade de

    Controle Interno, e a correta arrecadao e contabilizao das receitas

    municipais, no foi preciso realizar auditoria formal, pois este acompanhamento

    concomitante, da receita pela Unidade Controle Interno, ajuda a prevenir e

    corrigir possveis erros que possam trazer prejuzo para Administrao Publica.

    Por no ter encontrado nenhuma irregularidade na receita, no foi

    preciso enviar comunicado ao gestor.

    O Municpio utiliza de Planta Genrica para calcular o IPTU e o ITBI. (

    Decreto n 163/2007).

  • Conforme Anexo 1, comparativo da receita orada com arrecada,

    podemos conferir todas as receitas de competncia do Municpio e a sua

    efetiva arrecadao.

    Anexo 4 Planilha de controle de decreto suplementar.

    3.2. DESPESAS

    A Unidade de Controle Interno acompanhou e analisou

    concomitantemente as despesas do Municpio, e elaborou relatrios mensais

    acerca da sua correta aplicao. Relatrios estes que foram enviados ao gestor

    Municipal e para Cmara Municipal para apreciao do Legislativo.

    Este acompanhamento concomitante realizado por essa Unidade de

    suma importncia na correo de erros e falhas no momento em que possam

    ocorrer, dessa forma foi possvel corrigir a maior parte das falhas operacionais

    no momento em que ocorreram, utilizando-se do Principio da Auto Tutela.

    A despesa no foi objeto de auditrio nos trametes formais, porm foi

    acompanhada mensalmente pela Unidade de Controle Interno. Por no ter

    encontrado irregularidade ou inconsistncia que possam causar prejuzo a

    Administrao publica, no foi preciso comunicar ao gestor tal fato.

    No foram verificadas despesas que no tivessem autorizao ilegal ou

    ilegtima, bem como tambm no foi encontrada despesas que no tenha

    suporte constitucional.

    Todas as compras realizadas pelo Municpio de bens e servios esto

    dentro dos preos praticados pelo mercado, no foi identificado

    superfaturamento de despesas.

  • No ha pagamentos de despesas antes da regular liquidao, bem como

    tambm no h pagamento de despesas ttulos e documentos idneos para

    sua comprovao.

    Em anexo a este relatrio acerca da despesa:

    Anexo 2 Demonstrativo da despesa por funo;

    Anexo 3 Consolidao geral da despesa por rgo;

    3.3. LICITAES, DISPENSAS E INEXIGIBILIDADES

    A Unidade de Controle Interno acompanhou os processos licitatrios,

    analisando os documentos e acompanhando os preges realizados no

    municpio, todos os certames realizados foram legais.

    Houve reconduo dos membros Ronaldo Marsura Verni e Leandro

    Cesrio Vicentini. Sendo o Pregoeiro Ronaldo Masura Verni, e os integrantes

    da equipe de apoio so: Leandro Cesario Vicentini, Graziela dos Santos

    Richoppo Dovigi e Daniel de Souza Nascimento.

    No foram encontradas nenhuma irregularidade at a presente data,

    assim sendo no houve comunicao ao gestor, pois no houve

    irregularidades.

    No foi realizado nenhum processo de inexigibilidade de licitao .

    No foram identificadas especificaes excessivas, irrelevantes ou

    desnecessrias que restrinjam a competio dos certames;

    No foram constatada nenhum fracionamento de despesas para alterar

    a modalidade de licitao;

    No houve sobre preo nos processos licitatrios, estando todos dentro

    do valor estimado pela administrao atravs da realizao de oramentos;

  • Foram realizado oito processos de dispensa de licitao relao abaixo,

    conforme base Legal: Art. 24, da Lei Federal n 8.66/93 e alteraes

    posteriores, com amparo no Art. 37, Inciso IX da Constituio Federal e na Lei

    Municipal n 321/2005.

    DISPENSA 001 - LOCAO DO IMVEL ONDE ENCONTRA-SE INSTALADO

    E EM FUNCIONAMENTO JUNTA MILITAR, CARTRIO ELEITORAL, DEPTO

    DE GUA DO MUNICPIO DE NOVA UBIRAT, SECRETARIA DE

    INDSTRIA, COMRCIO E TURISMO E CENTRO DIGITAL ARCO VERDE.

    CONTRATADO: ROSA MARIA DENARDI NUNES

    DISPENSA 002 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL ONDE ENCONTRA-SE

    INSTALADO E EM FUNCIONAMENTO A CASA DE ABRIGO.

    CONTRATADO: ANTONIO CHAGAS VAZ

    DISPENSA 003 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL ONDE ENCONTRA-SE

    INSTALADO E EM FUNCIONAMENTO AS SECRETARIAS DE

    AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE.

    CONTRATADO: JOSE VICENTE HARTMANN

    DISPENSA 004 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL DESTINADO A

    INSTALAO E FUNCIONAMENTO DA SEDE DA PREFEITURA MUNICIPAL.

    CONTRATADO: EDSON LUIS ZIMMERMANN

    DISPENSA 005 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL DESTINADO A

    INSTALAO E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE AO

    SOCIAL DE NOVA UBIRAT E CONSELHO TUTELAR.

    CONTRATADO: ALBERT ANSBACH

    DISPENSA 006 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL DESTINADO A

    INSTALAO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NOVA

    UBIRAT.

    CONTRATADO: JOSE CLAUDINEI DOS SANTOS MATOS

  • DISPENSA 007 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL DESTINADO A

    INSTALAO E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

    EDUCAO.

    CONTRATADO: CLEUSA LAMARQUE PIMENTAL SETTER

    DISPENSA 008 - OBJETO: LOCAO DO IMVEL DESTINADO A

    INSTALAO E FUNCIONAMENTO DA DELEGACIA DE POLICIA CIVIL.

    CONTRATADO: ADEMIR PAULO MAIE

    Os processos licitatrios no foram objeto de auditoria realizado por

    essa Unidade, pois o mesmo no apresentou nenhuma irregularidade ou

    inconsistncia.

    3.4. CONTRATOS

    A Unidade de Controle Interno analisou a legalidade e consistncia dos

    contratos e seus aditivos, a principio no foi encontrado qualquer irregularidade

    ou inconsistncia, no foi realizada auditoria interna para maior analise dos

    contratos.

    Cada Secretaria Municipal possui seu fiscal de contrato, ficando a cargo

    do Secretario Municipal, da respectiva Secretaria, a atribuio de fiscalizar e

    acompanha a execuo do contrato, com exceo dos contratos de obras, que

    so fiscalizados pela senhora Suzete V. A. Nascimento, responsvel pelo

    departamento de obras.

    A execuo dos contratos foi devidamente acompanhada e fiscalizada

    por representante do Municpio.

    Toda prorrogao dos contratos ocorreram em conformidade com o art..

    57 da Lei 8.666/93. Como regra geral, a prorrogao (renovao) dos contratos

    de servios contnuos estava previstos no edital e contrato.

  • Todas as alteraes contratuais foram efetuadas de acordo com o

    disposto no art. 65 da Lei n 8.666/93. Como regra geral, as alteraes do valor

    do contrato no foram superiores a 25% e 50% (reforma de edifcio ou

    equipamento) do valor atualizado do contrato.

    As concesses de reequilbrio econmico-financeiro dos contratos foram

    realizadas conforme as regras da Lei 8.666/93 e, subsidiariamente, as do

    edital.

    3.5. ENCARGOS PREVIDENCIRIOS

    O Sistema de Controle Interno desenvolveu suas atividades atravs da

    orientao e prestao de informaes, visando o pleno atendimento das

    normas legais. Basicamente o sistema atuou atravs da sistemtica de

    informar e fazer recomendaes administrativas informais e formais, visando a

    sanar irregularidades ou deficincias administrativas detectadas.

    No houve no exerccio nenhuma irregularidade ou inconsistncia

    identificada capaz de causar danos a Administrao Publica, assim sendo no

    foi preciso fazer tal comunicado ao gestor.

    No foi identificada contabilizao indevida ou a no contabilizao da

    contribuio previdenciria patronal devida previdncia geral e/ou prpria.

    Houve sim o pagamento da contribuio previdenciria patronal

    previdncia prpria.

    Todas as quotas de contribuio previdenciria descontadas dos

    segurados foram repassadas previdncia geral e/ou prpria.

    3.6. DVIDA ATIVA

  • A Unidade de Controle Interno verifica a correta inscrio dos crditos da

    fazenda publica Municipal em divida ativa, todo encerramento do exerccio

    financeiro.

    No foi constatada nenhuma irregularidade ou inconsistncia da

    inscrio dos crditos da divida ativa. Por esse motivo no foi preciso fazer

    comunicado ao gestor.

    No foi realizada auditoria interna na inscrio da divida ativa do

    municpio.

    Os crditos da Fazenda Publica Municipal so inscritos em divida ativa

    no final do exerccio financeiro, ou seja, 31 de dezembro.

    Os crditos inscritos em dvida ativa so devidamente contabilizados no

    fechamento do balano financeiro em 31 de dezembro.

    3.7. RESTOS A PAGAR

    A Unidade de Controle Interno acompanhou mensalmente os restos a

    pagar, atravs de calculo mensal do pagamento da divida flutuante. No foi

    constatada nenhuma irregularidade ou inconsistncia, por esse motivo no foi

    preciso enviar comunicado ao gestor.

    Durante o perodo em questo no houve cancelamento de restos a

    pagar processados.

    O valor dos restos a pagar em 01 de janeiro de 2013 era de R$

    945,975,76, e o pagamento realizado dessa divida no perodo em questo de

    R$ 428.632,41, restando ainda um valor total de restos a pagar de R$

    517.343,35.

    3.8. EDUCAO

  • A Unidade de Controle Interno acompanhou mensalmente os recursos e

    investimentos na educao, avaliando os gastos dos recursos do FUNDEB,

    programas, convnios e dos 25% dos recursos prprios atravs de analise

    concomitante, que foram elaborados relatrios mensais encaminhados ao

    gestor municipal.

    No foi identificada nenhuma irregularidade ou inconsistncia na

    aplicao dos recursos da educao. Assim no foi preciso comunicar o gestor

    tal fato.

    No houve no perodo despesas custeadas com recursos prprios

    classificados impropriamente como manuteno e desenvolvimento do ensino.

    Todas as despesas realizadas com recursos do FUNDEB foram

    destinadas a manuteno e desenvolvimento do ensino bsico e valorizao

    dos profissionais da educao.

    Todos os recursos de convnios e programas destinados ao ensino

    foram aplicados integralmente na educao ou esto em contas vinculadas.

    Conforme demonstra o anexo 5, parte integrante deste relatrio, as

    receitas que deveriam ser destinadas a educao no perodo de janeiro a junho

    do exerccio financeiro de 2013, perfazem um total de R$. 3.794.184,68,

    composta dos 25% (por cento) constitucional, convnios, recursos do FUNDEB

    40%, 60% e saldo do FUNDEB do exerccio anterior, sendo que o gestor

    empenhou em educao, no perodo em questo um total de R$.

    3.814.346,77, alcanando um percentual de 25,39%, acima do mnimo exigido

    de aplicao do ensino, conforme demonstramos no anexo 2. possvel

    averiguar no anexo 6 desse relatrio, que existem recursos de programas da

    educao que ainda no foram gasto ate o final no ms de junho, assim se

    somados os recursos empenhados mais os recursos em contas vinculadas,

    que devem ser gastos exclusivamente em educao, o percentual de aplicao

    vai para 31,62%.

  • Conforme anexo 8, parte integrante deste relatrio as despesas

    paga com recursos do FUNDEB 60% ate o ms de junho, perfazem um total de

    R$ 1.381.203,11, e sua receita foi de R$. 1.485.323,37, alcanando um

    percentual aplicado de 92,99% (por cento). Desse modo ainda restam para

    serem gastos do FUNDEB 60%, R$ 104.120,26.

    Conforme anexo 8, parte integrante deste relatrio as despesas paga

    com recursos do FUNDEB 40% ate o ms de junho, perfazem um total de R$

    857.220,04, e sua receita foi de R$ 993.595,23, alcanando um percentual

    aplicado de 86,27% (por cento). Desse modo ainda restam para serem gastos

    do FUNDEB 40%, R$ 136.375,17.

    3.9. SADE

    Esta Unidade de Controle Interno acompanhou concomitantemente, todo

    ms, os investimentos em sade, atravs de analise de informaes contidas

    no sistema, e elaborou mensalmente relatrios que foram enviados ao Gestor

    Municipal e para Cmara Municipal.

    No foi identificada inconsistncia ou irregularidade que pudessem

    afetas a eficcia da Administrao da Sade Publica, ou trazer prejuzo para

    mesma, todas as falhas de procedimentos operacionais foram corrigidos no

    momento em que ocorreram, assim prevalecendo o Principio da Auto Tutela.

    No foi preciso comunicar o Gestor a respeito de irregularidade por no haver

    algo substancial.

    No foram identificadas despesas classificadas impropriamente em

    aes e servios pblicos de sade.

    Todos os recursos de convnios e programas foram destinados sade e

    aplicados integralmente na sua finalidade ou esto em contas vinculadas, para

    serem utilizados.

  • Conforme demonstra o anexo 7, parte integrante deste relatrio, as

    receitas destinadas a sade at o ms de junho de 2013, perfazem um total de

    R$. 2.253.106,78, composta dos 15% (por cento) constitucional, convnios e

    programas.

    A despesa empenhada at o ms de junho com sade foi de R$.

    3.357.373,33, conforme demonstra o anexo 2, deste relatrio, alcanando um

    percentual de 22,35%, acima do ndice de 15% (quinze por cento), como

    mostra o anexo 7 deste relatrio.

    3.10. BENS MVEIS E IMVEIS

    A Unidade de Controle Interno acompanhou para que o patrimnio novo

    incorporado ao municpio fosse devidamente etiquetado e cadastrado, assim

    como o patrimnio j existente.

    O patrimnio do Municpio no foi objeto de auditoria verificada pela

    Unidade de Controle Interno neste semestre.

    No houve no exerccio nenhuma irregularidade ou inconsistncia

    identificada. Por esse motivo no foi preciso envia comunicado ao gestor de

    possveis irregularidades.

    Teoricamente h compatibilidade entre os registros contbeis e a

    existncia fsica dos bens permanentes, vale salientar a no verificao in

    loco de todos os bens permanentes.

    Teoricamente existe controle dos custos de manuteno de veculos e

    equipamentos de forma individualizada, vale ressaltar a no verificao in

    loco desse controle individual.

    No houve no perodo alienao de bens sem licitao.

  • 3.11. OBRAS E SERVIOS DE ENGENHARIA

    A Unidade de Controle Interno recebe mensalmente relatrio do

    departamento de Obras e Engenharia, a respeito das obras em andamento e

    suas medies, analisa o texto em questo, e quando julgar necessrio faz as

    indicaes relativas.

    O departamento de Obras e Engenharia no foi objeto de auditoria

    interna, a principio no foi constatado nenhuma irregularidade ou inconsistncia

    que possa causar prejuzo a Administrao Publica.

    Todas as obras em andamento esto em compatibilidade com o PPA e a

    LOA, de forma individualizada.

    A Prefeitura Municipal de Nova Ubirat/MT, juntamente com seu

    Departamento de Engenharia, possui rigoroso controle das obras em

    execuo/inacabadas. Quando esta administrao encontra algum tipo de

    pendncia na obra, prontamente toma as decises administrativas pertinentes

    (entra em contato com a empresa licitada, presta informaes, solicita a

    regularizao das pendncias, lavra notificaes, etc.)

    Ocorre que, existem algumas situaes que no dependem

    exclusivamente da administrao. Em alguns casos, as empresas licitadas tm

    agido com extrema morosidade, dificultando a insero de dados no sistema

    Geo Obras em tempo hbil. Porm, como dito acima, esta administrao tem

    tomado medidas enrgicas para a devida regularizao da situao.

    H controle dos projetos bsicos das obras licitadas e contratadas

    dispem de todos os projetos necessrios (hidrulicos, eltricos, hidro

    sanitrios, etc.), sendo que, em todos eles h profissional qualificado e

    responsvel.

    H controle das ARTs de Projeto, Oramento, Responsvel Tcnico,

    Fiscal da obra, deforma individualizada, para cada obra h um arquivo

  • contendo alm das cpias de projetos e desenhos tcnicos, os documentos

    necessrios para sua elaborao e execuo. Isso inclui as ARTs de projeto,

    de execuo, a planilha oramentria, os responsveis tcnicos, os fiscais

    responsveis pela obra, etc. Ou seja, toda documentao exigida pela

    administrao e tambm pelos rgos de fiscalizao competentes (CREA e

    CAU).

    H nomeao de fiscais de obras e fiscais de contrato de execuo de

    obras, de forma individualizada, tendo em vista tratar-se de um Municpio

    pequeno (pouco mais de 9 mil habitantes), a administrao contratou, via de

    portaria, fiscal de obras e contratos para tratar destes assuntos.

    Assim sendo, h profissional qualificado para a fiscalizao das obras e

    contratos de execuo.

    Tudo o que se refere s obras realizado de maneira individualizada,

    inclusive no que tange s medies, seja para pautar uma possvel resciso de

    um contrato, seja para a solicitao de termos aditivos e/ou demais

    procedimentos.

    Esta administrao estabelece padres rigorosos para o recebimento

    das obras. Vrios requisitos so avaliados, entre eles: o cumprimento do

    estabelecido nos projetos, nas planilhas oramentarias, no memorial descritivo,

    a qualidade dos servios prestados, entre outros.

    Ressaltando que, a no apresentao/comprovao destes requisitos

    podem acarretar o recebimento provisrio da obra.

    Quando constatadas irregularidades em obras j finalizadas, a

    administrao vem solicitando o reparo das mesmas.

    Na maioria dos casos as informaes so repassadas tempestivamente

    ao gestor, para que este alimente o sistema regularmente. Ocorre que, como j

    dito anteriormente, existem situaes que no dependem exclusivamente da

    administrao ou de seus funcionrios.

    Em alguns casos, h a dificuldade no repasse de informaes ao gestor,

    seja pelo numero reduzido de pessoal, pelo nmero elevado de servios, ou

  • mesmo pela morosidade de algumas empresas licitadas, bem como, a

    reteno (ou demora no repasse) de valores pela Caixa Econmica Federal.

    Porm, cumpre salientar que estes servidores se desdobram como podem para

    manter a situao regularizada e para que o sistema esteja sempre atualizado.

    3.12. PRESTAO DE CONTAS

    Informes mensais do APLIC/Balancetes Mensais

    Nome: Daniel de Souza Nascimento

    RG: 1255943-1

    CPF: 942.491.131-91

    Telefone: (66) 9659 9257

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Assessor tcnico de finana e controle

    Perodo: efetivo

    Informes Imediatos de Licitaes

    Nome: Ronaldo Marsura Verni

    RG: 1340839-9

    CPF: 011.179.591-55

    Telefone: (66) 3579 1188

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Pregoeiro

    Perodo: Efetivo

    Informes do Geo-Obras

    Nome: Suzete Veronica Amaral Nascimento

    RG: 5023819005

    CPF: 3.579.297.830-00

    Telefone: (66)09662 4688

  • E-mail: [email protected]

    Cargo: Fiscal de Obras e Contratos

    Perodo: 07/02/2012

    Nome: Carlos Pedro Costa de Assis

    RG: 001904311

    CPF: 045.419.341-67

    Telefone: (66) 9605 4342

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Chefe de Departamento

    Perodo: 03/01/2013

    Informes Imediatos de Concursos

    Nome: Ana Paula Gomes dos Santos Bernardi

    RG: 13061577

    CPF: 02394970154

    Telefone: (66) 9609 0138

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Diretora de administrao pessoal

    Perodo: Efetiva

    LRF Cidado

    Nome: Daniel de Souza Nascimento

    RG: 1255943-1

    CPF: 942.491.131-91

    Telefone: (66) 9659 9257

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Assessor tcnico de finana e controle

    Perodo: efetivo

    Informes Quadrimestrais (admisso pessoal, extratos bancrios).

  • Nome: Ana Paula Gomes dos Santos Bernardi

    RG: 13061577

    CPF: 02394970154

    Telefone: (66) 9609 0138

    E-mail: [email protected]

    Cargo: Diretora de administrao pessoal

    Perodo: Efetiva

    3.13. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

    O Sistema de Controle Interno realiza nesse municpio, um trabalho

    voltado para o controle preventivo e concomitante, procurando identificar falhas

    e erros antes que ocorra ou no momento em que venham a ocorrer. Valendo-

    se do Principio da Auto Tutela, no qual a Administrao por meio deste

    Principio, corrige possveis erros que possam causar prejuzo a ela.

    O Sistema de Controle Interno acompanha, avalia e se pronuncia

    atravs de relatrio, elaborados mensalmente e entregues ao gestor Municipal.

    Esses relatrios contem informaes de suma importncia para uma boa

    administrao, informaes como: resultado primrio, ndice de aplicao em

    sade e educao, utilizao de recursos do FUNDEB, utilizao de recursos

    de programas e convenio, gastos com pessoal, divida fundada e flutuante,

    receita, despesa e outros.

    Esta Unidade de Controle Interno, sempre que constata algum fato

    relevante acerca de procedimentos burocrticos ou operacionais, se pronuncia

    atravs de conversas informais, ou se tratando de assuntos mais relevantes,

    atravs de comunicado oficial, alertando, recomendando ou orientando

    conforme o caso.

    Esta Unidade de Controle Interno fez formalmente as seguintes

    recomendaes, alertas ou orientaes:

  • Of. CI /07/2013

    Para: O senhor Mauro Odinei Soliani, Secretario de Administrao;

    Assunto: Frotas

    Contesto: O Controle Interno no exerccio de suas funes, constatou que o Sistema de

    Frotas ainda no se enquadrou nas normas estabelecidas na Instruo Normativa n 03 de

    2009, por tanto encontra-se ineficiente quanto ao seu devido funcionamento.

    O Sistema de Frotas o conjunto de atividades desenvolvidas em todas as unidades

    da organizao, quando da utilizao de veculos e equipamentos pesados, assim como no

    planejamento da demanda de uso desses bens.

    O Controle Interno sugere que seja designado um funcionrio com experincia e

    treinamento para o controle e a guarda do Sistema de Frotas, visto que o mesmo de suma

    importncia para a movimentao, manuteno e conservao da frota, de todas as

    Secretarias que compes esta administrao, Legislativo Municipal e Autarquias.

    A importncia de um servidor responsvel e competente pelo Sistema de Frotas,

    consiste na efetiva aplicao da Instruo Normativa n 03 de 2009.

    Esta Unidade de Controle Interno foi respondida atravs do Oficio n

    014/2013, no qual informou que j estava em treinamento o funcionrio que iria

    exercer a funo, e que o mesmo assumiria suas funes ate o ms de

    fevereiro. Situao que ocorreu conforme o relatado em oficio.

    Of. CI/ 07/2013.

    Para: o senhor Mauro Odinei Soliani, Secretario de Administrao.

    Assunto: Almoxarifado

    Contesto: O Controle Interno no exerccio de suas funes, constatou que o Sistema de

    Almoxarifado ainda no se enquadrou nas normas estabelecidas na Instruo Normativa n 22

    de 2012, por tanto encontra-se ineficiente quanto ao seu devido funcionamento.

    O Sistema de Almoxarifado disciplinar sobre os procedimentos para controlar o estoque

    de bens de consumo quanto ao recebimento e registro e armazenamento de material pelo

    Departamento de Compras/Diviso de Almoxarifado.

    O Controle Interno sugere que seja designado um funcionrio com experincia e

    treinamento para o controle e a guarda da Diviso de Almoxarifado, visto que o mesmo de

  • suma importncia para o bom funcionamento de todos os outros departamentos de

    Secretarias.

    A importncia de um servidor responsvel e competente pela Diviso de Almoxarifado,

    consiste na efetiva aplicao da Instruo Normativa 22 de 2012, normatizando os

    procedimentos de entrada, sada, estoque mnimo de material, armazenamento e inventario

    dos materiais adquiridos pelo Municpio.

    Esta Unidade de Controle Interno foi respondida atravs do Oficio n

    014/2013, no qual informou que j estava em treinamento o funcionrio que iria

    exercer a funo, e que o mesmo assumiria suas funes ate o ms de

    fevereiro. Situao que ocorreu conforme o relatado em oficio.

    Of. CI 13/2013

    Para: A senhora Suzete Nascimento

    Assunto: Recomendaes referente a Pavimentao Asfltica da Rua Par -

    Sede do Municpio e Quadra Poliesportiva Novo Mato Grosso e Santo Antonio

    do Rio Bonito.

    Contesto: O Controle Interno no exerccio de suas funes, constatou que no foram

    realizadas as medies devidas nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, das obras de

    pavimentao asfltica da rua Par, Sede do Municpio, quadra poliesportiva Novo Mato

    Grosso e Santo Antonio do Rio Bonito.

    Averiguando a necessidade de adequao do Projeto Executivo da pavimentao

    asfaltica da rua Par, o Sistema de Controle Interno, recomenda que seja cobrado formalmente

    da pessoa competente responsvel dela elaborao do Projeto Executivo as devidas

    adequaes.

    Quanto s construes das quadras poliesportivas supracitadas, verificou-se a

    paralisao da obra por motivos indevidos, que no atendem ao Principio da Continuidade do

    Servio Publico, o Sistema de Controle Interno, orienta, portanto, que seja notifica a empresa

    responsvel pela execuo da obra e exigido o imediato retorno da mesma.

    Esta Unidade de Controle Interno no recebeu resposta oficial acerca

    das orientaes referentes a este oficio, porem a senhora Suzete Nascimento,

    responsvel pelas Obras em andamento, se prontificou informalmente a se

    reunir com esta Unidade de Controle Interno, para discutir e avaliar as

    melhores formar para sanar o problema em questo. Todas as medidas

  • combinadas para sanar o problema em questo foram executadas pelo

    departamento de Obras, portando houve acatamento das recomendaes

    discutidas.

    Esta Unidade de Controle Interno encaminhou atravs de oficio, todas as

    Instrues Normativas Municipais, cada qual para a sua respectiva unidade

    administrativa, para que fossem normatizados todos os procedimentos internos

    de acordo com as normas descritas.

    Todas as normas de rotinas e procedimentos de controle interno foram

    implantadas conforme dispe o cronograma de implantao aprovado pela

    Resoluo Normativa TCE/MT 01/2007.

    H observncia ao princpio da segregao de funes de autorizao,

    aprovao, execuo, controle e contabilizao das operaes;

    Esta Unidade de Controle Interno julga eficientes os procedimentos de

    controle dos sistemas administrativos.

    4. CUMPRIMENTO DAS RECOMENDAES E DETERMINAES DO

    TCE/MT

    No tocante as recomendaes contidas no RELATRIO DE

    AUDITORIA SOBRE AS CONTAS ANUAIS DE GESTO PREFEITURA

    MUNICIPAL DE NOVA UBIRAT/MT ATOS DE GESTO PRATICADOS

    PELOS ADMINISTRADORES E DEMAIS RESPONSVEIS POR BENS,

    DINHEIROS E VALORES PBLICOS, por ocasio do julgamento das contas

    relativas ao exerccio de 2012, temos o que segue:

    Recomendao Contas Anuais de 2012 (exerccio)

    Com objetivo de fortalecer o controle interno e evitar reincidncias de

    falhas citadas neste relatrio, bem como as de menor gravidade, recomenda-se

    que os itens 1 e 2 do Cronograma de Implantao das Novas Regras de

  • Contabilidade Aplicadas ao Setor Pblico, a que se refere a Resoluo

    Normativa n 03/2012/TCE-MT, sejam definitivamente implantados pelo atual

    gestor.

    Os itens I e II, recomendados pelo TCE-MT, que fossem definitivamente

    implantados, j esto em pleno funcionamento como determinado. No prximo

    titulo trataremos do assunto com mais detalhes.

    5.CUMPRIMENTO DOS CRONOGRAMAS ESTABELECIDOS PELO TCE/MT

    5.1 Contabilidade Aplicada ao Setor Pblico - Resoluo Normativa

    TCE/MT 03/2012

    Atravs do Decreto n 028/2012, foi institudo e aprovado o cronograma

    de implementao das novas regras aplicadas contabilidade pblica.

    Ate a data de 30 de junho de 2016, j foram implantadas as seguintes

    fases das novas regras aplicadas a contabilidade publica.

    I. Reconhecimento, mensurao e evidenciao dos crditos,

    tributrios ou no, por competncia, e a dvida ativa, incluindo os

    respectivos ajustes para perdas;

    II. Reconhecimento, mensurao e evidenciao das obrigaes e

    provises por competncia;

    III. Reconhecimento, mensurao e evidenciao dos bens mveis,

    imveis e intangveis;

    IV. Registro de fenmenos econmicos, resultantes ou independentes

    da execuo oramentria, tais como depreciao, amortizao e

    exausto;

  • V. Reconhecimento, mensurao e evidenciao dos ativos de

    infraestrutura;

    VI. Implementao do sistema de custos;

    E j esto em fase de implantao os seguintes aspectos:

    VII. Aplicao do Plano de Contas, detalhado no nvel exigido para a

    consolidao das contas nacionais;

    VIII. Demais aspectos patrimoniais previstos no Manual de Contabilidade

    Aplicada ao Setor Pblico.

    5.2 Lei de Acesso Informao - Resoluo Normativa TCE/MT 12/2012

    O portal transparncia j foi implantado, esta disponvel para acesso no

    site do municpio. Porem devido falta de suporte tcnico, nem todas as

    informaes obrigatrias a serem divulgadas esto disponveis conforme

    Resoluo Normativa TCE/MT n 25/2012.

    J esto disponveis no portal, algumas informaes como: licitao,

    preges, leis, decretos 2013, e alguns relatrios da LRF.

    Esta Unidade de Controle Interno esta trabalhando firmemente para que

    o portal transparncia, em breve possa oferecer todas as informaes

    necessrias e obrigatrias, evidenciando uma gesto transparente.

    6. RECOMENDAES

    As principais recomendaes proposta pela Unidade de Controle Interno

    no primeiro exerccio de 2013 so:

  • Limitao de Empenho para que o resultado primrio das contas do

    municpio volte a ser positivo, pois a mesma acumula um dficit ds do ms de

    fevereiro.

    Essa Unidade de Controle Interno recomenda que a Secretaria de

    Educao faa uso dos recursos de programas e convnios, disponveis em

    contas vinculadas.

    Essa Unidade de Controle Interno solicita periodicamente, para todas as

    Secretarias, que cobrem efetivamente dos seus motoristas, mais ateno,

    cuidado e o efetivo preenchimento do dirio de bordo e a aplicao das normas

    previsto na Instruo Normativa 003/2009, Sistema de frotas.

    Essa Unidade de Controle Interno acompanha periodicamente, atravs

    de cobranas e sugestes, a correta implantao do portal transparncia.

    Essa Unidade de Controle Interno solicita periodicamente, para que a

    Secretaria de Finanas e os departamentos subordinados respeitem as normas

    contidas na Instruo normativa n 002/2009, compras licitaes e contratos.

    Essa Unidade de Controle Interno solicita periodicamente ao

    departamento de Obras, que fiscalizem com mais rigor as obras em

    andamento, e que notifiquem os responsveis quando paralisadas sem motivos

    legais, para sua efetiva concluso, vista que todas as obras esto em fase final

    de concluso.

    7. CONCLUSO

    Essa Unidade de Controle Interno reconhece que existem algumas

    falhas nos procedimentos interno operacionais, falhas essas, que procuramos

    regularizar com um acompanhamento e fiscalizao concomitante. Esse

    Municpio como todos os outros so constitudos por pessoas, passivas de

    falhas, que muitas vezes ocorrem por falta de conhecimento tcnico, essa

  • Unidade de Controle Interno trabalha intensamente na disseminao do

    conhecimento e do correto funcionamento dos procedimentos interno, para que

    possamos tem um nvel elevado de transparncia e uma boa gesto publica.

    Diante da analise tcnica das informaes levantadas acerca das contas

    de gesto, por no haver falhas graves capazes de trazer prejuzo a

    Administrao Publica, essa Unidade de Controle Interno emite o parecer

    favorvel acerca das contas de gesto relativas ao primeiro semestre do

    exerccio de 2013, o parecer da Unidade de Controle Interno.

    Prefeitura Municipal de Nova Ubirat 25/07/2013.

    RODRIGO POLETO

    CONTROLADOR INTERNO