PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO QUE ANTECEDEU A IFRS 16 -LOCAÇÕES ... ?· locações financeiras devem…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

PARTICIPAO NO PROCESSO QUE ANTECEDEU A IFRS 16 - LOCAES: UM CONTRIBUTO PARA O ESTUDO DO LOBBYING

Ana Teresa Monteiro Financial/Business Analyst

Instituto Universitrio de Lisboa (ISCTE-IUL)

Ana Isabel Lopes PhD Accounting, Assistant Professor

Instituto Universitrio de Lisboa (ISCTE-IUL), Business Research Unit (BRU-IUL)

Autor para contacto: Ana Isabel Lopes

rea temtica: a) Informacin Financiera y Normalizacin Contable.

Palavras-chave: Lobbying; IFRS 16-Leasing; IASB/FASB; comment letters.

79a

1

PARTICIPAO NO PROCESSO QUE ANTECEDEU A IFRS 16 - LOCAES: UM CONTRIBUTO PARA O ESTUDO DO LOBBYING

Resumo Em 2019 entrar em vigor a IFRS 16, Leasing, dez anos depois de ter sido pela primeira vez includa na agenda do IASB. O presente estudo analisa as 645 comment letters submetidas para apreciao da proposta sobre o reconhecimento dos contratos de locao nas demonstraes financeiras. Os resultados sugerem que a quantidade de cartas submetidas est associado com o volume de locaes existentes num pas, com o nmero de empresas com contratos de locao que participaram e com o facto de pertencer ao G4+1 sendo os preparadores os menos concordantes com a proposta, quando comparados com os outros grupos. Palavras-chave: Lobbying; IFRS 16-Leasing; IASB/FASB; comment letters.

PARTICIPATION IN THE PROCESS PRECEDING IFRS 16 - LEASINGS: A CONTRIBUTION TO THE LOBBYING STUDY

Abstract

In 2019 will be effective the IFRS 16, Leasing, ten years after its first inclusion in the International Accounting Standards Board (IASB) agenda. The present paper examines the 645 comment letters submitted by a larger range of stakeholders to comment on the proposal on the changes of the effect of leasing in financial statements. Findings suggest that the amount of comment letters submitted is associated with the annual volume of leases by country, the existence of leases contracts by company and the G4+1 membership, although no association exists with UE membership. Results seem to also show that the preparers are the one, in average, with a lower percentage of agreement answers when compared with the other stakeholders. Keywords: Lobbying; IFRS 16-Leasing; IASB/FASB; comment letters.

2

1. Introduo A criao de normas contabilsticas ou as alteraes das j existentes, gera impacto

nos diversos stakeholders, levando a que estes exeram presso de forma a influenciar a

aprovao ou rejeio de propostas de criao ou de alterao das normas contabilsticas,

particularmente as emitidas pelo IASB (Watts & Zimmerman, 1978; Weetman et al., 1996;

Georgiou 2004; Broadbent & Laughlin, 2005; Durocher et al., 2007; Stenka & Taylor, 2010).

Estes tipos de presso, mais conhecidos por lobbying, surgem atravs de diversos

meios sendo os mais comuns e visveis a submisso de Comments Letters s propostas

publicadas (Stenka &Taylor, 2010). O convite participao no processo de criao ou

alterao de normas pelo IASB pblico e de carcter internacional. Estas Comments

Letters podem ser submetidas por qualquer pessoa interessada em dar a sua opinio, por

algum que tenha como objetivo influenciar a tomada de deciso em benefcio prprio ou

por algum que, simplesmente, pretende oferecer um contributo construtivo ao processo.

Existem diversos estudos que se centram nas presses a que o IASB est sujeito. Uns

focam-se no lobbying em geral e na sua capacidade de influenciar a emisso de normas

(Chung, 1999), outros nas formas que o lobbying pode assumir e quais destas so as mais

influentes (Hansen, 2010), outros ainda centram-se, apenas, numa norma e analisam os

intervenientes e de que forma estes tentaram influenciar a sua emisso (Giner & Arce,

2012).

O presente estudo tem como objectivo dar um contributo para o estudo do lobbying no

leasing. Nesta sequncia ir centrar-se na anlise das comment letters submetidas para

comentrios sobre a proposta de alterao da IAS 17 Locaes, feita pelo IASB e pelo

FASB, que culminou subsequentemente na emisso da nova International Accounting

Financial Reporting (IFRS) 16 Locaes, que revogou a anterior. A IAS 17 Locaes, foi

emitida pela primeira vez em Setembro de 1982, revista duas vezes at data e tem por

objectivo () prescrever, para locatrios e locadores, as politicas contabilsticas e

divulgaes apropriadas a aplicar em relao a locaes financeiras e operacionais (IAS

17). Sendo este o objetivo da norma o seu contedo aborda, designadamente, definies, o

reconhecimento inicial e subsequente bem como a sua mensurao nas demonstraes

financeiras do locador (Proprietrio do bem, que cede o seu direito de uso mediante um

contrato ) e locatrio (Sujeito que recebe o direito de uso sobre um bem, mediante um

contrato). Esta alterao no reconhecimento dos bens sob locao gerou grande

controvrsia devido ao impacto que se estimava vir a gerar nas demonstraes financeiras

de locadores e locatrios. Em 1 de janeiro de 2019 entrar efetivamente em vigor a IFRS 16,

dez anos depois de ter sido pela primeira vez includa na agenda do IASB. A ltima consulta

pblica terminou em Setembro de 2013, tendo sido publicada a verso final da IFRS 16 em

Janeiro de 2016.

3

A metodologia utilizada suporta-se numa anlise de contedo s cartas (comment

letters) submetidas por diversos stakeholders relativas s propostas de alterao da ento

ainda em vigor IAS 17 Locaes. Com vista ao objetivo do estudo ir ser feita uma anlise

da relao de diversos fatores e o nvel de participao de diversos pases na submisso

das referidas comment letters. Factores esses que abrangem o volume de locaes

existente em cada um dos pases em questo, o nmero de empresas que tem contratos de

locao nestes mesmos pases, e ainda se estes pertencem ou no Unio Europeia e ao

G4+1.

Tanto quanto acreditamos conhecer, este ser um dos primeiros estudos relativo

participao de diversos pases, bem como sua relao com os factores

anteriormente mencionados, no processo que usualmente conhecido como

Lobbying relativo concretamente s comment letters submetidas na proposta de

alterao da IAS 17 Locaes, que antecedeu a nova IFRS 16 Locaes.

Este estudo composta por cinco seces. Aps a presente introduo, a

seco dois aborda a reviso de literatura e o desenvolvimento de hipteses. De

seguida, a seco trs descreve a metodologia utilizada para depois, na seco

quatro, se apresentarem os resultados e sua discusso. Por fim, a seco cinco

apresenta as concluses.

2. Reviso de Literatura 2.1. IASB e o Processo de Criao ou Alterao de Normas

O IASB apresenta-se como um grupo privado, sem fins lucrativos, cujo processo de

criao/alterao de normas est construdo de forma independente de interesses

socioeconmicos. Qualquer alterao ou criao de uma nova norma por parte do IASB

feita publicamente por forma a incentivar a participao de todas as partes interessadas. O

processo de criao/alterao das normas contabilistas pelo IASB dividido em seis passos

mencionados seguidamente, conforme ilustrado na Figura 1 (IASB, 2015):

1. Definio da Agenda

2. Planeamento do Projeto

3. Desenvolvimento e Publicao da Pr-Proposta

4. Desenvolvimento e Publicao da Proposta

5. Desenvolvimento e Publicao da Norma

6. Implementao

4

Figura 1: Processo de Implementao de IFRS (IASB, 2015)

Agenda

Plano 3-5

Investigao Proposta Pedido de informao

Discussion

Paper

Exposure

Draft

Final IFRS

Implementao

IFRI

PIR

Na definio da agenda, o IASB analisa temas que possam ser importantes e para os

quais necessrio criar novas normas ou alterar as j existentes. A sua importncia

definida com base em comentrios das partes interessadas, resultante da participao em

outros processos assim como resultantes de pedidos de esclarecimentos, alterao,

sugestes, etc., que lhe so endereados. Aps determinado tema ser adicionado agenda,

o passo seguinte planear como se desenrolar todo o projeto. Nesta etapa definida

ainda a equipa que ser responsvel pelo mesmo, quais os seus supervisores e, por fim,

quais os pontos importantes a ter em conta.

O desenvolvimento e publicao da pr-proposta no obrigatrio, mas por norma o

IASB publica-o de forma a obter comentrios numa fase mais inicial do processo. Nesta pr-

proposta exposto o tema de forma resumida, os diversos tipos de abordagem e a

abordagem escolhida. Numa fase posterior e aps anlise dos comentrios pr-proposta o

IASB elabora a proposta final, j estando definida a norma em concreto, e ento publicada

para discusso. Em alguns casos, aps anlise dos comentrios, pode ser publicada uma

segunda proposta. Quando dado por terminado o tempo para submisso de comentrios,

o IASB rene-se, analisa as diversas submisses e decide se procede para a elaborao da

IFRS ou no. Caso a IFRS seja elaborada e publicada, h posteriormente reunies com as

partes interessadas de modo a garantir que no existiro problemas na sua implementao

e quais os impactos que iro seguidamente surgir (IASB, 2015).

Durante o processo de consulta pblica so ento enviados comentrios pelas partes

interessadas sobre uma norma especfica (comment letters). Os