of 1 /1
Forma biológica: perenifólia com 5 a 15 m de altura e 15 a 50 cm de DAP. Tronco: curto, tortuoso e aculeado. Ramificações: dicotômicas e irregular. Casca externa : 10mm de espessura; coloração parda-acinzentada ou pardo-rosada. Casca interna é vermelha-escura. Folhas: compostas, alternas, com 6 a 10 pares de pinas alternas, cm 10 a 20 folíolos e espinhos abaixo da ráquis. Flores : amarelo-douradas com mancha vermelha-escura no centro, Fruto : vagem capsulada pardo-avermelhada. Semente : Elíptica, lisa, chara, de contorno irregular. RESULTADOS E DISCUSSÃO Árvores da Cabruca: PAU-BRASIL (Caesalpinia echinata Lam) DESCRIÇÃO ASPECTOS ECOLÓGICOS E SILVICULTURAIS Espécie climássica, em condições naturais ocupa o extrato superior (dossel) da floresta. Germinação epígena com início entre 4 e 30 dias após a semeadura. A espécie também se propaga por estaca e raízes. Apresenta desrama natural insatisfatória, necessitando de poda de condução dos galhos. Atualmente a madeira é empregada na fabricação de arco de violino. Como espécie remanescente da Mata Atlântica, está ameaçada de extinção. A região cacaueira da Bahia, possui os significativos exemplares da espécie. O pau-brasil cultivado desde 1975 no arboreto da Estação Experimental Arnaldo Medeiros – ESARM, no sul da Bahia, com 35 anos, apresenta altura média de 10 metros e DAP de 15,8 cm. A espécie apresentou Incremento Médio Anual (IMA) em altura de 0,25 m ano -1 e e diâmetro 0,40 cm ano -1 . Com uma produtividade volumétrica de 1,35 m ha -1 ano o crescimento da espécie pode ser considerado como lento e irregular. Figura 2: Vista parcial da parcela de Pau-Brasil no arboreto do CEPEC Figura 1: Flor (A), semente verde (B), semente madura ©, botão floral (D), casca (E) e árvore (F) de pau-brasil folha de arruda. A B C D E F Autores: Viviane Maria Barazetti 1 , Dan Érico Lobão 2 , Robélio Duarte de Santana 3 , Heriberto Nunes Pacheco 4 1 Mestranda em Produção Vegetal; UESC ; Rodovia Ilhéus-Itabuna Campus Soane Nazaré de Andrade, Km 16 - Bairro Salobrinho; [email protected] ; (73) 8871-4889 2 Engenheiro Florestal – Pesquisador Ceplac/Cepec & Professor Uesc ; km 22 Rod. Ilhéus - Itabuna, Ilhéus, Bahia, Brasil 3 Técnico agropecuário, Ceplac/CEPEC; km 22 Rod. Ilhéus - Itabuna, Ilhéus, Bahia, Brasil 4 Técnico Agropecuário, Ceplac/Cepec; km 22 Rod. Ilhéus - Itabuna, Ilhéus, Bahia, Brasil INTRODUÇÃO O Pau-brasil teve uma participação importante na história do país, não só política como também econômica, desde a colonização até os primórdios da República. A espécie passou a ser considerada Árvore Símbolo Nacional a partir de 7/12/1978, com a Lei 6.607, com base em BUENO (2003). Devido à intensa comercialização da madeira para a extração de corante vermelho (brasilina), a região produtora da Ilha de Vera Cruz ficou conhecida como Costa do Pau-brasil e no ano de 1535, passou a se chamar oficialmente de Brasil. Essa atividade manteve-se economicamente rentável por aproximadamente 350 anos (1850-1870), quando foi progressivamente substituída por corantes sintéticos”. O pau-brasil (Caesalpinia echinata Lamarck) pertence à família Caesalpiniaceae; tem como sinonímea: arabutã, brasilete, árvore–do-brasil, pau-de-pernambuco, ibirapitanga, ibiripitinga, imirá-piranga, muirapiranga, orabutã, pau-rosado, pau- vermelho e sapão. Na Europa é conhecida por brazil-wood e pernambuco wood. O nome do gênero Caesalpinia é uma homenagem a Andrea Caesalpinio, botânico italiano, enquanto que echinata, refere-se aos acúleos no tronco. TAXONOMIA E NOMENCLATURA

PAU-BRASIL (Caesalpinia echinata Lam)

  • Author
    dominh

  • View
    230

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of PAU-BRASIL (Caesalpinia echinata Lam)

  • Forma biolgica: pereniflia com 5 a 15 m de altura e 15 a 50 cm de DAP. Tronco: curto, tortuoso e aculeado. Ramificaes: dicotmicas e irregular. Casca externa: 10mm de espessura; colorao parda-acinzentada ou pardo-rosada. Casca interna vermelha-escura. Folhas: compostas, alternas, com 6 a 10 pares de pinas alternas, cm 10 a 20 fololos e espinhos abaixo da rquis. Flores: amarelo-douradas com mancha vermelha-escura no centro, Fruto: vagem capsulada pardo-avermelhada. Semente: Elptica, lisa, chara, de contorno irregular.

    RESULTADOS E DISCUSSO

    rvores da Cabruca: PAU-BRASIL (Caesalpinia echinata Lam)

    DESCRIO

    ASPECTOS ECOLGICOS E SILVICULTURAIS

    Espcie climssica, em condies naturais ocupa o extrato superior (dossel) da floresta. Germinao epgena com incio entre 4 e 30 dias aps a semeadura. A espcie tambm se propaga por estaca e razes. Apresenta desrama natural insatisfatria, necessitando de poda de conduo dos galhos. Atualmente a madeira empregada na fabricao de arco de violino. Como espcie remanescente da Mata Atlntica, est ameaada de extino. A regio cacaueira da Bahia, possui os significativos exemplares da espcie.

    O pau-brasil cultivado desde 1975 no arboreto da Estao Experimental Arnaldo Medeiros ESARM, no sul da Bahia, com 35 anos, apresenta altura mdia de 10 metros e DAP de 15,8 cm. A espcie apresentou Incremento Mdio Anual (IMA) em altura de 0,25 m ano-1 e e dimetro 0,40 cm ano-1. Com uma produtividade volumtrica de 1,35 m ha-1 ano o crescimento da espcie pode ser considerado como lento e irregular.

    Figura 2: Vista parcial da parcela de Pau-Brasil no arboreto do CEPEC

    Figura 1: Flor (A), semente verde (B), semente madura , boto floral (D), casca (E) e rvore (F) de pau-brasil folha de arruda.

    A B C

    D E F

    Autores: Viviane Maria Barazetti1, Dan rico Lobo2, Roblio Duarte de Santana3, Heriberto Nunes Pacheco4

    1 Mestranda em Produo Vegetal; UESC ; Rodovia Ilhus-Itabuna Campus Soane Nazar de Andrade, Km 16 - Bairro Salobrinho; [email protected]; (73) 8871-4889 2 Engenheiro Florestal Pesquisador Ceplac/Cepec & Professor Uesc ; km 22 Rod. Ilhus - Itabuna, Ilhus, Bahia, Brasil 3 Tcnico agropecurio, Ceplac/CEPEC; km 22 Rod. Ilhus - Itabuna, Ilhus, Bahia, Brasil 4 Tcnico Agropecurio, Ceplac/Cepec; km 22 Rod. Ilhus - Itabuna, Ilhus, Bahia, Brasil

    INTRODUO

    O Pau-brasil teve uma participao importante na histria do pas, no s poltica como tambm econmica, desde a colonizao at os primrdios da Repblica. A espcie passou a ser considerada rvore Smbolo Nacional a partir de 7/12/1978, com a Lei 6.607, com base em BUENO (2003). Devido intensa comercializao da madeira para a extrao de corante vermelho (brasilina), a regio produtora da Ilha de Vera Cruz ficou conhecida como Costa do Pau-brasil e no ano de 1535, passou a se chamar oficialmente de Brasil. Essa atividade manteve-se economicamente rentvel por aproximadamente 350 anos (1850-1870), quando foi progressivamente substituda por corantes sintticos.

    O pau-brasil (Caesalpinia echinata Lamarck) pertence famlia Caesalpiniaceae; tem como sinonmea: arabut, brasilete, rvoredo-brasil, pau-de-pernambuco, ibirapitanga, ibiripitinga, imir-piranga, muirapiranga, orabut, pau-rosado, pau-vermelho e sapo. Na Europa conhecida por brazil-wood e pernambuco wood. O nome do gnero Caesalpinia uma homenagem a Andrea Caesalpinio, botnico italiano, enquanto que echinata, refere-se aos acleos no tronco.

    TAXONOMIA E NOMENCLATURA

    mailto:[email protected]

    Nmero do slide 1