of 78 /78
FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE ITUIUTABA Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2009-2013

PDI - 2009-2013 - ituiutaba.uemg.brituiutaba.uemg.br/documentos/PDI-2009-2013.pdf · previstos no PDI- detalhamento ... universitário e estruturadas em modelo recomendado pelos modernos

  • Author
    doliem

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PDI - 2009-2013 - ituiutaba.uemg.brituiutaba.uemg.br/documentos/PDI-2009-2013.pdf · previstos no...

FUNDAO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAO DE ITUIUTABA

Plano de

Desenvolvimento

Institucional PDI

2009-2013

Presidente da Repblica

Luis Incio Lula da Silva

Ministro da Educao

Fernando Haddad

Governador do Estado de Minas

Gerais

Acio Neves da Cunha

Presidente da Fundao Educacional de Ituiutaba

Marco Aurlio de Medeiros

Diretor Administrativo da Fundao Educacional de

Ituiutaba

Eduardo Luiz Ferreira

Diretor Acadmico do Instituto Superior de Ensino e

Pesquisa de Ituiutaba

Prof. Marco Tlio Faissol Tanns

Diretora Acadmica do Instituto Superior de Educao

de Ituiutaba

Prof Sonia Maria Pereira Maciel

Apresentao

Caminhante no h caminho

O caminho se faz a caminhar.

(Antonio Machado)

O Plano de Desenvolvimento Institucional da Fundao Educacional de Ituiutaba o

documento que identifica a Instituio quanto a sua filosofia de trabalho, a misso que se

prope atingir, as diretrizes pedaggicas que orientam suas aes, a sua estrutura

organizacional e as atividades acadmicas que desenvolve ou pretende desenvolver.

Exigido pelo Conselho Nacional de Educao, torna-se o instrumento bsico a ser

apresentado nos processos de autorizao de novos cursos, de reconhecimento e

renovao de reconhecimento dos cursos existentes, no mbito das aes de superviso

do MEC e de organizaes sociais.

O Plano de Desenvolvimento Institucional define a misso da instituio, sua organizao

e as estratgias utilizadas para atingirem objetivos e metas em um perodo de cinco anos.

Contempla a metodologia de implementao dos objetivos e das metas e aes da

instituio, bem como o cronograma de execuo, observando-se a coerncia e a

articulao entre as diversas aes. O PDI est intimamente articulado com a prtica e os

resultados da avaliao institucional, e a avaliao anual de cursos.

Por no ser um documento definitivo, poder sofrer alteraes, a partir dos resultados

apresentados, da avaliao anual e da necessidade de implantar novas aes.

SUMRIO

I PERFIL INSTITUCIONAL ......................................................................................................................... 6

1.1 Histrico da Fundao Educacional de Ituiutaba ..................................................................................... 6

1.2 Insero regional ...................................................................................................................................... 7

1.3 Natureza jurdica e atos de legalizao de funcionamento ....................................................................... 7

1.4 Misso institucional .................................................................................................................................. 8

1.5 Objetivos e metas ..................................................................................................................................... 8

1.5.1 Objetivo geral ........................................................................................................................................ 8

1.5.2 Objetivos institucionais ......................................................................................................................... 9

1.6 Metas e cronograma de execuo .............................................................................................................. 9

II PROJETO PEDAGGICO INSTITUCIONAL-PPI ..................................................................................14

2.1 Princpios filosficos e tcnico-metodolgicos gerais que norteiam as prticas acadmicas da

Instituio .......................................................................................................................................................14

2.2 Organizao didtico-pedaggica .............................................................................................................14

2.2.1 Inovaes consideradas significativas, especialmente quanto flexibilidade dos

componentes curriculares ...............................................................................................................................14

2.2.2Estgio supervisionado: Instituto Superior de Educao de Ituiutaba ....................................................15

2.2.3 Estgio supervisionado: Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba .....................................18

2.3 Incorporao de avanos tecnolgicos .....................................................................................................18

2.4 Polticas para atendimento das metas .......................................................................................................19

2.4.1Polticas de ensino ..................................................................................................................................19

2.4.2Polticas de extenso ...............................................................................................................................19

2.4.3 Polticas de pesquisa ..............................................................................................................................20

2.4.4 Polticas para Ps-Graduao ................................................................................................................21

2.4.5 Polticas de prtica de educao a distncia ..........................................................................................23

2.4.6 Polticas de gesto .................................................................................................................................24

2.4.7 Polticas de atendimento aos discentes ..................................................................................................24

2.4.8 Poltica de acompanhamento dos egressos ............................................................................................26

2.4.9 Poltica de educao inclusiva ...............................................................................................................26

2.5 Responsabilidade social das IES ..............................................................................................................28

2.6 Processo de avaliao de ensino e aprendizagem .....................................................................................29

2.6.1 Procedimentos de avaliao: ISEPI .......................................................................................................29

2.6.2 Procedimentos de avaliao: ISEDI.........................................................................................................30

III.CRONOGRAMA DE IMPLANTAO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIO .....................32

3.1 Cursos em funcionamento .........................................................................................................................32

3.2 Educao a distncia .................................................................................................................................34

3.3 Expanso da oferta de cursos de graduao .............................................................................................34

3.4 Programa especial de formao pedaggica .............................................................................................34

3.5 Oferta de cursos de graduao fora de sede ..............................................................................................34

IV. PERFIL DO CORPO DOCENTE ............................................................................................................35

4.1 Composio (titulao, regime de trabalho, experincia acadmica no magistrio Superior) .................35

4.2 Plano de carreira Anexo II .....................................................................................................................36

4.3 Critrios de seleo e contratao de professores .....................................................................................36

V. CORPO TCNICO-ADMINISTATIVO ..................................................................................................37

5.1 Critrios de seleo e contratao ............................................................................................................37

5.2 Regime de trabalho ...................................................................................................................................37

5.3 Nvel de formao do corpo tcnico-administrativo ................................................................................37

VI. ORGANIZAO ADMINISTRATIVA .................................................................................................38

6.1 Composio e competncias .....................................................................................................................38

6.2 rgos colegiados ....................................................................................................................................38

6.3 rgos de apoio s atividades acadmicas ...............................................................................................43

6.4 Relaes e parcerias com a comunidade, instituies e empresas ............................................................44

6.5 Autonomia dos Institutos em relao mantenedora ...............................................................................44

VII. INFRAESTRUTURA FSICA E INSTALAES ACADMICAS ....................................................44

7.1 Infra-estrutura fsica, rea construda e instalaes ..................................................................................44

7.2 Biblioteca ..................................................................................................................................................46

7.3Laboratrios ...............................................................................................................................................50

7.4 Recursos tecnolgicos e audiovisuais .......................................................................................................52

7.5 Plano de promoo, acessibilidade e de atendimento diferenciado a portadores de

necessidades especiais ....................................................................................................................................52

VIII. AVALIAO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL ............53

8.1 Procedimentos de auto-avaliao institucional em conformidade com a Lei n. 10.861/04

(SINAES) .......................................................................................................................................................53

IX. ASPECTOS FINANCEIROS E ORAMENTRIOS DA FEIT ............................................................54

9.1 Demonstrao da sustentabilidade financeira, incluindo-se os programas de expanso

previstos no PDI- detalhamento ..................................................................................................................... 54

9.2 Demonstrativo de capacidade e sustentabilidade financeira da FEIT ...................................................... 55

X. REFERNCIA BIBLIOGRFICA ........................................................................................................... 56

XI.ANEXOS ................................................................................................................................................... 57

6

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

I PERFIL INSTITUCIONAL

1.1 Histrico da Fundao Educacional de Ituiutaba FEIT

A Fundao Educacional de Ituiutaba foi instituda em 1963, com a finalidade de criar, instalar e

manter, sem fins lucrativos, escolas de ensino fundamental, mdio e superior (artigo 2. do Estatuto

da Fundao), com o objetivo de promover a cultura, a pesquisa e a formao profissional, em todos

os ramos do saber tcnico e cientfico, nos termos da legislao especfica.

Implantou, em 1970, o ensino superior em Ituiutaba, com a criao da Faculdade de Filosofia,

Cincias e Letras de Ituiutaba. Atualmente atende, por meio de suas duas unidades acadmicas:

Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba ISEPI e Instituto Superior de Educao de

Ituiutaba ISEDI a alunos residentes no municpio de Ituiutaba, em toda a regio do Pontal do

Tringulo, Sudoeste Goiano e diferentes regies do Pas.

O Campus de Ituiutaba, com seus Institutos, um patrimnio vivo e, consciente de sua funo

social, busca expandir-se para atender s demandas crescentes do mundo moderno. Iniciativas tm

sido realizadas para atingir essa meta: implantao de novos cursos na graduao, cursos de

extenso em diversas reas, cursos de ps-graduao, na sede e fora, melhoria dos laboratrios,

instalao de novos laboratrios, ampliao do espao fsico e do acervo bibliogrfico, melhoria da

rea fsica para a prtica desportiva, realizao de concursos pblicos para as prefeituras do

municpio, parcerias e convnios com empresas, dentre outras.

A FEIT conta, em sua estrutura, com um Centro de Informatizao e Atualizao de Sistemas,

responsvel pela informatizao de dados e informaes das coordenaes de cursos e dos setores

administrativos, uma biblioteca ampla, moderna e funcional; e uma fazenda experimental, situada

aproximadamente a 10 km do Campus Universitrio.

A Fundao, como Entidade Mantenedora, consolidou, na comunidade local e regional, o prestgio

de uma instituio educativa que conserva, amplia e aprimora o patrimnio cultural e regional:

constitui motivo de orgulho para a sociedade tijucana e regio, por espelhar a imagem de referncia

de Universidade no Pontal do Tringulo Mineiro.

7

O respeito e a considerao estendem-se s suas unidades acadmicas, ajustadas ao avano

universitrio e estruturadas em modelo recomendado pelos modernos sistemas de educao

superior.

As Unidades de Educao Superior, em seus 40 anos de existncia, transformaram Ituiutaba em um

plo universitrio de convergncia abrangente, que alcana as mais distantes regies do Pas e

alarga os horizontes do prestgio cultural-educacional da cidade, pela oferta de cursos e

habilitaes, que formam profissionais em diversas reas do conhecimento, na graduao e na ps-

graduao, e pela expressiva contribuio desses profissionais no desenvolvimento do setor

produtivo, social, cientfico e cultural da cidade, do Estado e do Pas.

1.2 Insero regional

A Fundao Educacional de Ituiutaba localiza-se na cidade de Ituiutaba/MG e abrange uma extensa

rea geogrfico-educacional, que atinge dez municpios vizinhos e o sudoeste goiano, com

populao de aproximadamente 203.504 habitantes, que direta ou indiretamente, beneficiam-se de

suas aes.

A IE tem contribudo para o desenvolvimento de Ituiutaba e regio, mediante projetos de extenso,

de prestao de servios, alm da formao de profissionais qualificados para o mercado de

trabalho; hoje, formadores de opinio. De seu quadro de ex-alunos, destacam-se grandes lideranas

polticas, empresariais e educacionais.

1.3 Natureza jurdica e atos de legalizao de funcionamento

A Fundao Educacional de Ituiutaba, entidade com personalidade jurdica prpria e de direito

privado, sem fins lucrativos, foi criada pela Lei Estadual n. 2.914, em 1963, modificada pela Lei

n. 6.143, de 1. de outubro de 1973, e instituda pelo Decreto Estadual n. 15.790, de 18 de outubro

de 1973. Est registrada, no Cartrio do Registro Civil das Pessoas Jurdicas de Ituiutaba, sob o n.

265, no livro A-2, folha 58, em 30 de outubro de 1973, CGC. n. 21.332.812/0001-04.

Em 15 de maro de 1990, a Fundao optou pela vinculao de suas Unidades de Ensino

Universidade do Estado de Minas Gerais. Pelo Decreto Estadual n 37.751, de 6 de fevereiro de

1996, foi instituda uma Comisso Especial, para administrao da Fundao, que, at ento, era

administrada por um Conselho Curador, nomeado pelo Governo do Estado.

8

O Decreto Estadual n. 40.359, de 28 de abril de 1999, credenciou a UEMG, em sua sede Belo

Horizonte, MG -, e nos diversos campi regionais, incluindo-se o Campus da Fundao Educacional

de Ituiutaba.

Em 16 de maro de 2001, o Governo do Estado, nomeou nos termos do artigo 23 e pargrafo nico

do Estatuto da Fundao, aprovado pelo Decreto Estadual n. 36.258, de 17.10.94 um Conselho

Curador com mandato de quatro anos, retroativo a 1 de janeiro de 2000 a partir desta data, a

Fundao voltou a ser administrada por um Conselho Curador, periodicamente, nomeado ou

renomeado pelo Governador do Estado.

Pela Emenda Constituio n. 72, de 24 de novembro de 2005, as fundaes educacionais de

ensino superior que fizeram a opo nos termos do inciso I do I. do art. 82 do Ato das

Disposies Constitucionais Transitrias, passaram condio de associadas Universidade do

Estado de Minas Gerais UEMG , com vistas ao estabelecimento de cooperao mtua, mantida

a autonomia administrativa, financeira e patrimonial das fundaes.

Com a deciso do Supremo Tribunal Federal ADIN 2501/ DF -, de 4 de setembro de 2008, as

instituies e cursos privados, que se achavam sob o poder regulatrio do sistema estadual de

ensino de Minas Gerais sero submetidos ao regramento federal, devendo para isso proceder ao

regime de migrao no perodo de 9 de fevereiro a 30 de abril de 2009. Dessa forma, a Fundao

Educacional de Ituiutaba e suas unidades acadmicas vinculam-se ao sistema federal de ensino.

1.4 Misso institucional

A Misso da Fundao Educacional de Ituiutaba , assegurando-se o ensino, a pesquisa e a extenso

que contemplem a diversidade do conhecimento, formar profissionais competentes, em reas

especficas e capazes de incorporar valores que propiciem o pleno exerccio da cidadania.

1.5 Objetivos e metas

1.5.1 Objetivo geral

Promover, desenvolver e difundir a educao, a cincia e a cultura a servio da sociedade,

integrando as diferentes reas do conhecimento, na oferta de cursos de graduao e de ps-

graduao, de resultados de pesquisas e de aes extensionistas.

9

I.5.2 Objetivos institucionais

Os Institutos tm como objetivos:

- Propiciar condies adequadas para a formao de profissionais, habilitando-os e qualificando-os,

de modo a torn-los aptos a inserirem-se no mercado de trabalho e participar, de forma efetiva e

eficiente, no processo de desenvolvimento da sociedade.

- Promover o trabalho cientfico de pesquisa e investigao, visando o desenvolvimento da cincia e

da tecnologia.

- Prestar servios especializados comunidade, procurando construir uma relao efetiva e eficiente

de reciprocidade.

- Promover a extenso, pela divulgao do conhecimento cientfico produzido.

- Assegurar condies adequadas ao cumprimento das normas legais quanto ao trabalho docente e

discente.

- Contribuir para o desenvolvimento humanizador da sociedade.

- Estimular a produo cultural, o empreendedorismo, o desenvolvimento cientfico e tecnolgico e

o pensamento reflexivo.

- Desenvolver o entendimento sobre o homem e o meio em que vive.

1.6 Metas e cronograma de execuo

METAS 2009 2010 2011 2012 2013

1 Ensino

Ampliar as relaes e parcerias com a comunidade X X X X X

Criar e implantar curso de licenciatura em Artes

Visuais

- X - - -

Implantar curso de licenciatura em Letras Portugus/

Espanhol

- X X X X

Criar e implantar novos cursos de bacharelado, como:

Educao Fsica, Enfermagem, Engenharia Ambiental,

Fisioterapia, Medicina, Nutrio, Servio Social,

Veterinria, e Zootecnia, buscando parcerias com

universidades, empresas e outras organizaes

- X X X X

Criar e implantar novos cursos de Tecnologia como:

Design, Secretariado, Esttica e Gastronomia

- X X X X

10

Aperfeioar o processo de planejamento acadmico X X X X X

Ampliar a utilizao de tcnicas de EAD para prestar

assistncia pedaggica aos alunos da graduao

X X X X X

Ampliar a abrangncia das semanas de estudos - X X X X

Apoio a projetos como Ginstica Laboral na Empresa,

de alunos do curso de Educao Fsica

X X X X X

2 Educao a distncia

Implantar cursos de Graduao e de Ps-graduao

lato sensu em EAD, de acordo com as normas vigentes

- X X X X

Ampliar a oferta da modalidade semipresencial em

disciplinas dos cursos do ISEPI e ISEDI

X X X X X

Implantar o Ncleo de EAD - X X X X

3 Pesquisa e extenso

Apoiar os docentes na elaborao de projetos, em

conformidade com agncias de fomento

X X X X X

Fortalecer o Programa de Iniciao Cientfica X X X X X

Acesso comunidade acadmica ao portal de

peridicos da CAPES

X X X X X

Ampliar os programas de incentivo pesquisa e

extenso, integrando docentes e discentes

- X X X X

Consolidar a extenso como interface da Instituio

com segmentos da sociedade e como espao social de

formao

X X X X X

Oferecer cursos presenciais e a distncia ligados s

seguintes reas: Leitura, interpretao e produo de

textos; Reforma ortogrfica da Lngua Portuguesa;

Anlise do Discurso; Literatura brasileira e Literatura

infanto-juvenil; Lingstica; Lnguas materna e

estrangeira; Princpios metodolgicos para o processo

de avaliao; Educao Especial; Metodologia

Cientfica; Recursos Tecnolgicos aplicados

educao; Gesto Escolar e Oratria

X X X X X

4 Ps-graduao

Ampliar a oferta de cursos de ps-graduao lato - X X X X

11

sensu, na sede

Oferecer curso de ps-graduao lato sensu fora de

sede, de acordo com as normas vigentes

- X X X X

Criar e implantar cursos de especializao Lato sensu

em Educao Especial

- X X - -

5 Assistncia estudantil

Institucionalizar o Programa de Recepo aos

calouros, com aes que visem construo da

cidadania e ao cumprimento da responsabilidade social

- X X X X

Manter os acadmicos motivados e participantes da

vida cultural, artstica e cientfica da Instituio

X X X X X

Fortalecer as entidades de representao estudantil nos

Institutos

X X X X X

Promover poltica institucional inclusiva e democrtica

de participao discente

X X X X X

Promover campanhas, de modo a desenvolver a

responsabilidade social na comunidade acadmica

X X X X X

Desenvolver projetos de prticas desportivas

integradoras, para atender a comunidade acadmica da

IE e de outras IEs

X X X X X

Aperfeioar os mecanismos relativos ao processo de

avaliao do desempenho dos discentes e egressos

X X X X X

Estabelecer uma poltica de ampliao de bolsas de

estudo para os discentes carentes

X X X X X

6 Gesto Acadmica

Implementar o Planejamento Estratgico da IE X X X X X

Implementar a gesto participativa e colegiada X X X X X

Proceder avaliao Institucional por meio da

Comisso Prpria de Avaliao CPA

X - X - X

Intensificar a utilizao da avaliao institucional com

instrumento de reviso, correo e reconstruo do

PDI

X X X X X

Promover formas alternativas de ensino, com prticas

inovadoras como a ampliao da oferta de disciplinas

X X X X X

12

na modalidade semipresencial, utilizao de recursos

tecnolgicos

Socializar projetos de ensino, pesquisa e extenso por

meio de encontros e reunies

X X X X X

Criar mecanismos para reduo da taxa de evaso X X X X X

Implementar programa de acompanhamento de

egressos dos cursos da IE

_ X X X X

Socializar, em reunies ou seminrios, os resultados de

viagens, pesquisas e de outras atividades

X X X X X

Realizar, bianualmente, Simpsio Regional de

Educao

X - X -

7 Planejamento, Oramento e Gesto

Priorizar os recursos oramentrios e financeiros para

atividades que possibilitem a sustentabilidade do

ensino, da pesquisa, da extenso e da manuteno de

servios fundamentais

X X X X X

Estimular a elaborao de projetos que possibilitem a

captao de recursos e contribuam para o

fortalecimento das atividades meio e fim da Instituio

X X X X X

Estabelecer parcerias com instituies pblicas e

privadas, visando maximizao de resultados e

reduo de custos

X X X X X

Priorizar projetos e atividades conforme

disponibilidade financeira

X X X X X

Definir ndice oramentrio destinado participao

dos gestores e docentes em congressos, seminrios etc.

- X X X X

Destinar dotao oramentria (anual) para cada curso

dos institutos

X X X X X

Redefinir a poltica de comunicao interna da IES X X X X X

8 Infra-estrutura Fsica e Acadmica

Melhorar o acesso a pessoas com necessidades

especiais, adaptando os prdios e ao construir novos

prdios, observar as normas estabelecidas para uso das

pessoas

- X X X X

13

Desenvolver programa de manuteno preventiva da

rede fsica

_ X X X X

Desenvolver poltica de conscientizao e otimizao

do uso de recursos materiais

X X X X X

Melhorar o processo de comunicao interna, por meio

de recursos tecnolgicos

X X X X X

Otimizar a segurana interna, por meio de recursos,

como: crachs eletrnicos, cmera, rdio comunicador

etc.

_ _ X X X

Ampliar e adequar os laboratrios X X X X X

Construo de anfiteatro - X X X -

Destinar Sala de Audincia para o curso de Direito X - - - -

Construo de Ginsio Poliesportivo - X X X -

Modernizar as instalaes dos laboratrios e de outros

espaos vinculados prestao de servios

especializados j existentes

Ampliar a infra-estrutura laboratorial tendo em vista o

atendimento expanso da oferta de cursos

programados e includos no presente Plano

Aumentar o nmero de salas com recurso de

multimdia

X X X X X

9 Aspectos financeiros e oramentrios

Ampliar incentivos, por meio de descontos, aos

discentes, visando reduo de inadimplncia

X X X X X

Implantar prticas inovadoras de gesto de materiais e

de compras

- X X X X

Otimizar a reviso preventiva dos servios de limpeza e

conservao

- X X X X

Redefinir os espaos destinados criao de novos

cursos

- - X X X

10 Avaliao

Viabilizar o processo de avaliao de cursos e de auto-

avaliao, por meio da Comisso Prpria de Avaliao

CPA

X X X X X

14

Divulgar os resultados das avaliaes comunidade

acadmica

- X X X X

Utilizar os resultados das avaliaes para direcionar a

inovao e a melhoria da qualidade dos servios

prestados

X X X X X

II PROJETO PEDAGGICO INSTITUCIONAL PPI

2.1 Princpios filosficos e tcnico-metodolgicos gerais que norteiam as prticas acadmicas

da instituio

A Universidade o locus destinado produo, acumulao e transmisso de conhecimentos.

Investiga a natureza e a cultura, incluindo a organizao social, a poltica e a economia, de modo

crtico. No neutra quanto a valores indiscutveis, como a paz, a justia, a democracia e os direitos

do homem, e no se submete, a partidos polticos ou a governos. Nesse sentido, a FEIT, por meio de

seus institutos, forma profissionais crticos, capazes de atuar em um mundo em mudanas contnuas

e aceleradas, conscientes de seu papel. H um compromisso com a qualidade, a tica, a produo

cientfica, filosfica e tecnolgica, e, principalmente, o atendimento s necessidades, aos anseios e

s expectativas da sociedade.

O ISEPI e ISEDI organizam-se segundo os princpios estabelecidos em seus Regimentos, dentre

eles, a orientao humanstica e a preparao para o exerccio da cidadania e da responsabilidade

social.

2.2 Organizao didtico-pedaggica

2.2.1 Inovaes consideradas significativas, especialmente quanto flexibilidade dos

componentes curriculares

A organizao dos cursos oferecidos pelos Institutos realizada a partir da elaborao do projeto

pedaggico, que consiste num instrumento poltico, cultural e cientfico de construo coletiva e

que orienta as aes institucionais.

15

Cada curso deve valorizar os projetos e o trabalho construdos em sua experincia, avaliar as

possibilidades de superao dos objetivos e o desejo da comunidade acadmica de oferecer um

ensino de qualidade visando a formao de profissionais competentes para o mercado de trabalho.

Foi introduzida a modalidade semipresencial em disciplinas dos currculos dos cursos de

Licenciatura do Instituto de Educao, a partir de 2007, observando-se a Resoluo do Conselho

Estadual de Educao de MG n. 455/05 para cursos reconhecidos. A partir de 2008, a modalidade

passou a ser oferecida tambm nos cursos de Tecnologia em Agronegcio e Tecnologia em Gesto

Ambiental.

2.2.2 Estgio Supervisionado: Instituto Superior de Educao de Ituiutaba

O estgio supervisionado atividade desenvolvida pelos alunos em outras instituies, por meio de

convnios que se constituem em colaborao interinstitucional. Como o ensino da prtica

responsabilidade do curso em que o aluno se encontra matriculado, o estgio exige o

acompanhamento do professor, orientado pelo coordenador de curso, de bacharelado e de

tecnologia, e, nas licenciaturas, pela Coordenao de Prtica de formao. A operacionalizao do

estgio, curricular e extracurricular, nos cursos de licenciatura regulamentada pela Resoluo

CC/ISEDI n. 02/2006.

A FEIT assinou Termo de Convnio de Cooperao mtua com o Estado de Minas Gerais, por

intermdio da Secretaria de Estado de Educao, publicado em 2006 visando possibilitar a

realizao de estgios curriculares aos alunos de licenciatura.

Polticas de estgio, prtica profissional e atividades complementares

Concepo de estgio

Entende-se por estgio o tempo de aprendizagem, sob a superviso de docentes e tcnicos

credenciados, em que, por um perodo de permanncia, o licenciando vivencia um lugar ou um

ofcio para aprender sua prtica, ampliar ou rever conhecimentos adquiridos ou produzidos nos

cursos de licenciatura, articulando teoria e prtica social em situaes reais, de forma sistemtica e

orientada pelo princpio metodolgico da ao-reflexo-proposio-ao, que aponta a resoluo de

situaes-problema como uma das estratgias didticas privilegiadas.

16

Modalidades de estgio supervisionado

O Instituto pratica duas modalidades estgio:

- curricular, obrigatrio, componente da estrutura do curso, indispensvel para a integralizao das

atividades acadmicas e vivncias profissionais prprias da formao docente e a consequente

outorga do diploma de licenciado.

- extracurricular, optativo e voluntrio, apesar de no estar formalmente vinculado ao currculo do

curso, possibilita a vivncia, com bolsa estgio e seguro contra acidentes pessoais, de atividades e

de ambientes, escolares ou empresariais, que contribuem com o licenciando em sua rea de

formao.

Em qualquer modalidade, o estgio dever ser realizado em instituies devidamente conveniadas

com a Fundao Educacional de Ituiutaba, Mantenedora do Instituto, para essa finalidade.

Metas do estgio curricular

- Vivenciar o cotidiano do contexto escolar com vistas adaptao psicolgica, pesquisa de

diagnstico e interveno pedaggica, quando for o caso

- Enfocar a organizao e o exerccio da ao pedaggica

- Refletir sobre a prtica desenvolvida, avaliar os resultados alcanados, registr-los, em gneros

textuais acadmicos, e socializ-los em publicaes, nas instituies campo de estgio e em eventos

cientficos voltados para o ensino, a pesquisa e a extenso.

Instituies campo de estgio

So campos de estgio as instituies que:

- localizam-se na cidade sede da agncia formadora, para possibilitar ao professor-orientador-

supervisor o acompanhamento e a superviso in loco das atividades, com regularidade;

- apresentem condies de proporcionar ao estagirio experincias significativas para sua

formao.

O docente responsvel pela disciplina Estgio Supervisionado poder orientar e acompanhar, fora

da sede do ISEDI, experincia pedaggica inovadora para a rea de formao do licenciando.

17

Na seleo das instituies campo de estgio, devero ser priorizadas as pblicas, como

cumprimento de responsabilidade social, e preferencialmente as distintas dos locais de trabalho dos

estagirios, para diversificar o ambiente de formao profissional.

Contrapartida s instituies campo de estgio curricular

- Subsdio s unidades escolares campo de estgio em suas atividades, por meio do Sistema de

Apoio Aprendizagem do Aluno e do Sistema de Apoio Formao Continuada dos Profissionais

- Material didtico

- Seguro contra acidentes pessoais

Aproveitamento de experincia profissional e de atividades O aluno-licenciando que exera atividade docente regular na educao bsica, correlata a seu curso,

poder ter reduo de carga horria do estgio curricular, at o mximo de 50% (cinquenta por

cento).

participao do aluno em projetos de interesse da instituio concedente de estgio ou para a

sociedade, poder ser atribuda a proporo de 10% (dez) por cento da carga horria a ser cumprida

no estgio curricular.

Atividades complementares

As atividades acadmico-cientfico-culturais visam ao enriquecimento do processo de formao do

licenciando. So cumpridas no Instituto e nos prprios cursos e em instituies parceiras ou

escolha dos alunos-licenciandos.

Articulao do estgio com a prtica de formao e as atividades complementares

O estgio deve estar intrinsecamente articulado com a disciplina Prtica de Formao e as

atividades do trabalho acadmico-cientfico-cultural, de modo a desenvolver o educador-

pesquisador e agente sociocultural, capaz de intervir na realidade em que est inserido.

18

2.2.3 Estgio Supervisionado: Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba

Os estgios supervisionados previstos nas estruturas curriculares so atividades obrigatrias e

procuram assegurar a consolidao das competncias estabelecidas para a obteno do respectivo

grau.

Os estgios supervisionados tm por finalidade proporcionar aos alunos oportunidades de

desenvolver sua capacidade profissional, sob a direta superviso crtica e orientadora do professor

habilitado e experiente para a funo, tendo em vista a consolidao prvia dos desempenhos

profissionais desejados, segundo as peculiaridades de cada curso.

Os estgios supervisionados realizar-se-o em situao real, de acordo com a programao

especfica aprovada pela coordenao do curso a que se vincule.

Nos estgios supervisionados os alunos sujeitar-se-o comprovao do aproveitamento, como

atividade regular, na forma do Regimento do Instituto e de acordo com as normas estabelecidas pelo

Regulamento do Estgio especfico para cada curso.

O estgio dos cursos de bacharelado e de tecnologia do ISEPI, so realizados em empresas e

instituies, conveniadas, da regio e de outras localidades.

2.3 Incorporao de avanos tecnolgicos

Os avanos tecnolgicos na ltima dcada criaram um novo paradigma, uma maior exigncia sobre

a eficincia ao nvel de produtividade das empresas. O moderno paradigma tecnolgico associado

evoluo do mundo digital, exige cada vez mais a formao de profissionais especializados na nova

rea de conhecimento. Assim, nossas instituies esto cuidando da integrao extenso da rede

de EAD da UEMG, em andamento, com o plo de implementao de cursos de graduao e de

especializao. Utilizao da plataforma Moodle e de Laboratrios de Informtica no

desenvolvimento de atividades de EAD, enriquecimento de disciplinas curriculares, de formao

profissional continuada e de atendimento on-line ao aluno.

19

2.4 Polticas para atendimento das metas

2.4.1 Polticas de ensino

O contexto atual, marcado por grandes e rpidas transformaes e por um conhecimento tcnico-

cientfico que se reproduz com dinamicidade e crescente complexidade, vem desempenhando papel

determinante no processo de redefinio da educao superior no Brasil.

Nesse contexto, a Fundao Educacional de Ituiutaba orienta as polticas de Ensino de seus

institutos, que se caracterizam por:

- expanso da graduao;

- promoo e integrao das diferentes reas do conhecimento no desenvolvimento de cursos de

graduao;

- melhoria da qualidade da gesto da graduao;

- consolidao dos projetos pedaggicos dos cursos de graduao, conforme as novas diretrizes

estabelecidas pelo CNE;

- promoo de formas alternativas de ensino nos cursos de graduao;

- titulao de docentes;

- capacitao de funcionrios;

- expanso da oferta de cursos de ps-graduao, na sede e fora da sede;

- busca constante de atualizao e aprofundamento de conhecimentos;

- oferecimento de programas especiais de formao pedaggica para bacharis

2.4.2 Polticas de extenso

A Extenso na Fundao Educacional de Ituiutaba, como prtica acadmica, instrumento de

articulao com os diversos segmentos sociais, de forma programada e sistemtica. fator

integrador do ensino e da pesquisa, objetivando responder demanda social e representa um

compromisso da instituio com a comunidade.

Caracterizam-se como polticas de Extenso:

- a utilizao de interdisciplinaridade como forma de interao entre as reas do conhecimento e de

envolvimento com a complexidade da realidade;

20

- a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extenso, que, ao se efetivar um fazer acadmico

articulado, propicia mudanas no processo pedaggico e na democratizao do conhecimento;

- a relao dialgica entre a universidade e a sociedade, na medida em que ocorre a troca de saberes

acadmicos e populares;

- instituio da formao poltico-social, tcnico-cientfica e prtica profissional do corpo discente,

sintonizada com o mercado de trabalho

- desenvolvimento de atividades extensionistas, culturais e desportivas, integradas ao ensino;

- aperfeioamento do programa de apoio extenso universitria;

- expanso do sistema de bolsas de extenso, para discentes da Instituio, como incentivo

articulao entre a sociedade e a universidade;

- incentivo participao de discentes em atividades de diversas.

2.4.3 Polticas de pesquisa

A Pesquisa, na Fundao Educacional de Ituiutaba, tratada como princpio educativo e cientfico e

como prtica permanente, incorporada nos projetos pedaggicos, considerando-se o papel relevante

que ocupa no processo ensino-aprendizagem.

A Pesquisa associa-se aos contedos das diversas disciplinas dos cursos, de forma a propiciar aos

estudantes o desenvolvimento da habilidade de produo de conhecimento. fundamental a

integrao das diversas reas do conhecimento, por meio da prtica da pesquisa interdisciplinar,

para a contextualizao e viso de totalidade do objeto investigado e (re)significao do

conhecimento produzido.

Caracterizam-se como polticas de pesquisa na FEIT:

- difuso, junto comunidade acadmica, da importncia da cincia, da tecnologia e da inovao,

como pilares do desenvolvimento econmico e social de Ituiutaba e regio;

- apoio s atividades de pesquisa, com recursos, para manuteno de programas, projetos e grupos

de pesquisa;

21

- apoio divulgao, da produo de alunos e professores em revistas cientficas;

- manuteno das revistas Cidadania e Justia , e Intercursos.

2.4.4 Polticas para Ps-Graduao

Os Institutos tm srio compromisso de promover a qualificao de seu corpo docente, com a

finalidade de melhorar a qualidade das atividades acadmicas de ensino, pesquisa e extenso, o que

provocou a institucionalizao da Ps-Graduao lato sensu, consolidando-a como atividade

regular, desde 1991.

Dentro do projeto acadmico dos institutos, a Ps-Graduao lato sensu o resultado do princpio

integrador dos diversos nveis educacionais, constituindo-se num sistema especial de cursos que se

propem a atender s exigncias mercadolgicas, de investigao cientfica e de capacitao

docente.

Nesse sentido, foram definidos princpios que conformam a poltica de capacitao:

-estimular a obteno do ttulo de especialista aos docentes da educao bsica;

-preparar profissionais de alto nvel para o desempenho de atividades de elevada especialidade no

mercado de trabalho;

-estimular a produo cientfica de estudantes e professores dos cursos de especializao;

-promover a formao acadmico-profissional, bem como atender demanda da comunidade

externa;

-fazer da ps-graduao instrumento revitalizador da melhoria da graduao, extenso e pesquisa na

instituio;

-promover a integrao entre graduao e ps-graduao;

-melhorar as condies de infra-estrutura e apoio necessrios ao desenvolvimento da ps-

graduao.

22

Cursos de Ps-Graduao lato sensu oferecidos na sede:

- Ao Multidisciplinar do Trabalho Pedaggico: Administrao Escolar, Superviso e Inspeo

Escolar

- Administrao Pblica

- Alfabetizao

- Aplicao da Informtica na Engenharia

- Anlise de Sistemas

- Biologia Animal e Vegetal

- Cooperativismo

- Direito Ambiental

- Direito Processual e Direito Tributrio

- Educao Especial

- Educao Infantil

- Educao Matemtica para Professores

- Ensino Especial

- Engenharia de Segurana no Trabalho

- Gesto Ambiental

- Gesto e Auditoria Ambiental

- Gesto de Contas Pblicas, Fiscalizao e Controle Interno e Externo

- Gesto de Pessoas

- Leitura e produo de Texto na Interdisciplinaridade

- Lngua Portuguesa e Literatura

- Lngua Portuguesa

- Lingstica Aplicada ao Ensino de Portugus

- Metodologia do Ensino Superior

- Microbiologia

- O Texto e o Pr-Texto uma proposta de Interdisciplinaridade

- Psicopedagogia

- Piscicultura

- Produo Agropecuria: Produo Animal e Vegetal

- Qumica: Produo, Anlise e Aplicao de Bioenergticos e Derivados do Leite

23

Cursos realizados fora de sede:

- Psicopedagogia (em Canarana/ MT e Arapor/MG)

- O Texto e o Pr-Texto, respectivamente em Arapor/MG, Uberaba/MG, Canarana/MT

- Histria em Paracatu/MG e Engenharia de Segurana no Trabalho em Caldas Novas/Go

- Gesto Estratgica de Recursos Humanos/

Goinia/Go e Canarana/MT e Uberlndia/MG

O curso O Texto e o Pr-Texto, uma proposta de Interdisciplinaridade, envolveu parcerias em

Uberaba com o Instituto Pr-Criana de Franca/SP, ligado ABRINQ, Prefeitura do Municpio de

Ituiutaba e CTBC-Telecon. O mesmo curso foi oferecido em Ituiutaba e envolveu a Prefeitura do

municpio e a CTBC-Telecon.

Cursos de Ps-Graduao em oferta em 2009, na sede:

- Gesto Escolar

- Gesto e Auditoria Ambiental

- Gesto de Pessoas

- Engenharia de Segurana no Trabalho

- Qumica

2.4.5 Polticas e prticas de educao a distncia

O Instituto Superior de Educao de Ituiutaba tem a poltica de ampliar sua ao educativa, por

meio de projetos e cursos de graduao, especializao e atualizao a distncia, utilizando-se,

principalmente, das novas tecnologias da informao e da comunicao, nas abordagens

psicossocial e sociointeracionista, como forma de exercer sua funo social na sociedade do

conhecimento.

Como estratgia de implantao desta poltica, o Instituto inseriu na graduao, por adeso dos

colegiados de seus cursos, a modalidade semipresencial na organizao pedaggica e curricular.

Iniciou tambm a oferta de cursos de extenso com a mesma dinmica e abordagem metodolgica.

No intuito de instrumentalizar o Instituto para implantar sua poltica de educao a distncia, foram

24

realizadas as seguintes aes: criao do ambiente virtual de aprendizagem, com a plataforma

Moodle; implantao da Coordenao de Educao a Distncia; incio do desenvolvimento da

equipe de tutoria e monitoria e da qualificao de docentes para utilizarem novas tecnologias, como

instrumento de gesto da sala de aula e de insero de sua prtica educativa no contexto atual; e

integrao do Instituto Rede UEMG de Educao a Distncia, como um de seus polos.

2.4.6 Polticas de gesto

A gesto universitria vem passando, nos ltimos anos, por mudanas advindas de conjunturas

internas e externas a uma IES. Essas mudanas exigem agilidade, flexibilidade e capacidade de

adaptao para responder ao ambiente dinmico, resultante da transformao social.

Nesse contexto, esta IE est comprometida com o desenvolvimento do ensino, da cincia, da

tecnologia e do homem integral, capaz de atender a condies emergentes e, ainda, contribuir

efetivamente para o desenvolvimento da regio, do Estado e do Pas.

Estmulo qualidade, melhoria da gesto, eficincia no uso dos recursos disponveis, adequao da

estrutura organizacional e elevao da produtividade nos servios prestados so metas alcanadas

com o comprometimento de todos os segmentos da comunidade acadmica e instrumentos de

gesto construdos de forma participativa e democrtica.

nesse ambiente que se constri o Plano de Desenvolvimento da FEIT, pelo debate, quando da

elaborao do Planejamento Estratgico, pela coleta de dados e pelo resultado da Avaliao

Institucional.

2.4.7 Polticas de atendimento aos discentes

Bolsas de estudo e financiamento

Os alunos contam com Financiamento Estudantil do Governo Federal (FIES), bolsas do

PROUEMG (Governo do Estado), bolsas de iniciao cientfica, pela FAPEMIG, pelo CNPQ e

PAPQ, e de extenso (Governo do Estado), PAEX. A Mantenedora tambm oferece bolsas como

apoio e estudantes carentes e bolsas de monitoria.

25

O ISEPI oferece estudos especiais a alunos da 1. srie dos cursos de bacharelado que apresentem

defasagem de conhecimentos do Ensino Mdio. Aps diagnstico da turma e manifestao dos

professores sobre as dificuldades no processo de aprendizagem, realizam-se atividades de

nivelamento aproximadamente durante um ms.

H tambm atendimento psico-pedaggico oferecido, individual ou coletivamente pelo Ncleo de

Estudos e Aplicaes em Psicologia, sempre que necessrio.

Monitoria

A monitoria objetiva um melhor aparelhamento pedaggico dos cursos de graduao do Instituto e

tambm o aproveitamento de alunos que apresentem bom rendimento acadmico e aptido para a

funo, para as atividades de suporte aprendizagem. So selecionados alunos regularmente

matriculados e aprovados em disciplina alvo da monitoria.

Os monitores recebem bolsa mensal, estipulada pela Fundao Educacional de Ituiutaba , cuja

admisso, aps processo seletivo, caracteriza-se sem vnculo empregatcio, por um ano letivo. Os

monitores so admitidos por um ano letivo, sem vnculo empregatcio, e recebem mensalmente

bolsas da Fundao Educacional de Ituiutaba.

Organizao estudantil (espao de participao e convivncia)

O corpo discente tem representao, com direito a voz e voto, na forma dos Regimentos, nos

Colegiados de Cursos, nos Conselhos de Coordenaes e no Conselho Superior dos Institutos.

A representao estudantil tem por objetivo promover a cooperao, entre administradores,

professores e alunos, para o aprimoramento do trabalho acadmico.

O Diretrio Acadmico tem regulamentao especfica e conta com instalaes fsicas adequadas

para abrigar suas atividades e dos Centros Acadmicos.

Assistncia a estudantes

No limite de suas possibilidades tcnicas e financeiras e observada a finalidade e programao

especfica, os Institutos oferecem aos alunos condies de realizao como pessoa humana e

oferecem-lhes as condies bsicas formao profissional.

26

A assistncia ao estudante, realizada em comum acordo com o Diretrio Acadmico, abrange a

orientao psico-pedaggica e o apoio material e financeiro, sob a forma de bolsas de estudo, totais

ou parciais. Essa assistncia a estudante obedece a regulamento prprio, aprovado pelo Conselho

Superior.

2.4.8 Poltica de acompanhamento dos egressos

A Instituio tem procurado realizar o acompanhamento dos egressos por meio de um programa de

cadastramento sistemtico, pela internet, com informaes sobre a continuidade de estudos,

insero no mercado de trabalho, participao em eventos e cursos da rea,preparo para o exerccio

profissional, grau de satisfao com a formao obtida no curso, avaliao do curso, alguns dados

pessoais.

O questionrio tem como objetivo:

- promover a avaliao e a retroalimentao dos currculos com base em informaes fornecidas

pelos ex-alunos sobre suas dificuldades e facilidades encontradas no trabalho;

- organizar cursos de extenso que atendam aos interesses e necessidades dos egressos.

A responsabilidade da instituio com a formao continuada dos egressos cumprida quando da

realizao de cursos de ps-graduao, semanas de estudos e seminrios, em que so convidados a

participar. Eles do testemunho de sua atuao no mercado de trabalho. Muitos deles atuam, como

professores, na Instituio.

2.4.9 Polticas de educao inclusiva

Na perspectiva de desenvolver uma poltica inclusiva, o Instituto Superior de Educao de Ituiutaba

investe na superao do problema educacional, social e humano que envolve aqueles que os

sistemas econmico, social ou cultural subtraam direitos ou excluram do rol de benefcios dos

servios e aes da educao superior. Equidade, igualdade de oportunidades educacionais, respeito

e valorizao das diferenas, convivncia, tolerncia e solidariedade so conceitos que

fundamentam sua poltica de educao inclusiva.

A poltica inclusiva do Instituto compreende tambm a modalidade de apoio a candidatos

educao superior, sob a forma de disponibilizao de seus professores para atuarem no

PREVESTI, um curso pr-vestibular para negros e carentes; projeto da Universidade do Estado de

Minas Gerais desenvolvido em parceria com o Campus de Ituiutaba, a Fundao Zumbi dos

27

Palmares e a Prefeitura Municipal de Ituiutaba. Aos dez primeiros classificados em processos

seletivos no pas so destinadas bolsas de estudo pela cmara Municipal de Ituiutaba.

Como sustentao permanncia nos cursos do Instituto, so desenvolvidas as seguintes aes

inclusivas:

- insero de alunos dos extratos sociais de baixa renda em programas, internos e externos, de

bolsas;

- apoio aprendizagem, por meio da flexibilizao da prtica pedaggica social e de monitoria;

- encaminhamento de alunos que apresentam condutas tpicas de sndromes e quadros psicolgicos

ou emocionais para atendimento no Ncleo de Estudos e Aplicao em Psicologia NEAP do

Curso de Psicologia do ISEPI, ou solicitao aos profissionais para o desenvolvimento de trabalho

coletivo com turmas;

- respeito aos dias santos de diferentes convices religiosas, assegurando aos alunos nova

oportunidade de avaliao quando coincidir com feriado religioso;

- acesso aos laboratrios de informtica, com a plataforma Moodle e ferramentas de pesquisa na

internet e intranet;

- valorizao da diversidade no processo educativo e nas relaes sociais;

- acessibilidade mediante a eliminao de barreiras arquitetnicas urbansticas, na edificao.

Na formao inicial de profissionais para a educao bsica, o Instituto contempla a qualificao

para o exerccio de suas funes demandadas por alunos que exijam necessidades especiais, por

deficincia e genialidade, incluindo contedos sobre a educao inclusiva, adequados ao

desenvolvimento de competncias e valores para:

- perceber necessidades educacionais especiais dos alunos e valorizar a educao inclusiva;

- flexibilizar a ao pedaggica, nas diferentes reas de conhecimento, de modo adequado s

necessidades especiais de aprendizagem e s diferenas socioculturais;

- avaliar continuamente a eficcia do processo educativo para o atendimento de necessidades

educacionais especiais; e

- atuar em equipe, inclusive com professores especializados em educao inclusiva.

Com vistas a complementar a formao dos alunos-licenciandos com a ampliao de possibilidades

de comunicao e interao entre alunos e destes com os profissionais da educao, a disciplina

Lngua Brasileira de Sinais passou a integrar os currculos dos cursos; e, para atender a variveis

implcitas qualidade do processo formativo desses alunos-licenciandos, aes do estgio curricular

supervisionado e projetos de extenso so desenvolvidos tambm em unidades escolares da

educao bsica, inclusivas ou de educao especial.

28

2.5 Responsabilidade social das IES

Exercitar a Responsabilidade Social Universitria significa adotar uma postura tica no

cumprimento das atividades institucionais, nos setores de interao interna e externa, e das

obrigaes morais que a IE tem para com a sociedade.

A responsabilidade social da IES vai alm da habilitao e qualificao de profissionais para o

mercado de trabalho. Volta-se para a formao de cidados conscientes de seu papel no contexto

social e que saibam promover o bem comum e cuidar de sua existncia e das relaes interpessoais.

A Fundao Educacional de Ituiutaba, por meio seus institutos, reconhece a importncia da

participao em movimentos de responsabilidade social e, alm de estar voltada para a melhoria do

padro de qualidade do trabalho na graduao e na ps-graduao, difunde princpios ticos,

normas e valores essenciais vida em sociedade. A partir de 2006, integrou-se ao movimento de

responsabilidade social do pas, com vistas ao desenvolvimento de prticas acadmicas direcionadas

ao atendimento da comunidade.

Destacam-se as seguintes aes para a contribuio de construo de um mundo mais justo e mais

humano, com desenvolvimento econmico e oportunidade de vida digna para os cidados:

- atendimento jurdico gratuito

- aferio de presso arterial e glicose

- bazar de livros e roupas usadas, cuja renda doada a instituio carente

- oficina de elaborao de Curriculum Vitae

- oficina de contao de histrias e causos

- oficina de xadrez

- oficina sobre produtos orgnicos para controle de pragas

- orientao para o uso de plantas medicinais

- palestra sobre cncer

- reciclagem: conscientizao sobre as questes ambientais

- brinquedoteca

- orientao sobre a utilizao de energia eltrica com economia

- eleio: voto consciente

- atividades fsica

29

2.6 Processo de avaliao de ensino e aprendizagem

2.6.1 Procedimentos de avaliao: ISEPI

O processo de avaliao de ensino e aprendizagem adotado no ISEPI segue as orientaes do

Regimento do instituto, em consonncia com as normas legais.

O conjunto de elementos introduzidos no processo de avaliao devem estar em consonncia com

os objetivos do curso. Nesse sentido, o professor deve considerar a forma como os objetivos do

curso e o perfil do egresso relacionados no Projeto Pedaggico do curso podem ser atingidos

atravs da disciplina que ele leciona.

Considera-se que por meio desses procedimentos, principalmente atravs das discusses que

permeiam as reunies do colegiado do curso, a questo da avaliao tem sido um dos pontos

essenciais no processo de formao profissional.

A avaliao do aluno, em cada disciplina verificada em funo da assiduidade e eficincia nos

estudos, ambas eliminatrias por si mesmas.

Est impedido de prestar exame final, o aluno que tenha faltado a 25% das atividades programadas

na disciplina ou que no tenha obtido o mnimo de 40 pontos distribudos durante o semestre ou ano

letivo, de acordo com o regime do curso.

Entende-se por eficincia no regime semestral o grau de aplicao do aluno ao estudo, e sua

verificao se faz:

- por no mnimo duas avaliaes especficas por semestre, sendo que o valor de cada uma no

poder exceder a 30 (trinta) pontos;

- por uma prova semestral cujo valor ser de 40 (quarenta) pontos.

Para os cursos que exijam pr-requisitos e co-requisitos sero distribudos 100 (cem) pontos ao

longo do semestre letivo, sendo:

- o aluno que obtiver o mnimo de 70 (setenta) pontos durante o semestre letivo;

- o aluno que obtiver mdia simples igual ou superior a cinqenta pontos como resultado da mdia

aritmtica do total de pontos obtidos durante o semestre letivo e a nota do exame final.

30

Para se submeter ao exame final o aluno dever ter alcanado no mnimo 40 (quarenta) pontos dos

100 (cem) pontos distribudos durante o semestre letivo.

Entende-se por eficincia no regime anual o grau de aplicao do aluno ao estudo e sua verificao

se far:

- Por no mnimo duas avaliaes por semestre, sendo que o valor de cada uma no poder exceder a

15 (quinze) pontos;

- por uma prova semestral cujo valor ser de 20 (vinte) pontos;

- por um exame final escrito, aps encerramento do perodo letivo.

Sero distribudos 50 (cinqenta) pontos a cada semestre e 100 (cem) pontos no exame final,

sendo aprovado na disciplina:

- o aluno que obtiver o mnimo de 70 (setenta) pontos durante o ano letivo;

- o aluno que obtiver mdia simples igual ou superior a 50 (cinqenta) pontos, como resultado da

mdia aritmtica, do total de pontos obtidos durante o ano letivo e a nota do exame final.

Para se submeter ao exame final o aluno dever ter alcanado no mnimo 40 (quarenta) pontos dos

100 (cem) pontos distribudos durante o ano letiv

2.6.2 Procedimentos de avaliao: ISEDI

O processo de avaliao de ensino e aprendizagem adotado no ISEDI segue as orientaes do

Regimento do instituto, em consonncia com as normas legais.

O conjunto de elementos introduzidos no processo de avaliao deve estar em consonncia com os

objetivos do curso. Nesse sentido, o professor deve considerar a forma como os objetivos do curso e

o perfil do egresso relacionados no Projeto Pedaggico do curso podem ser atingidos atravs da

disciplina que ele leciona.

31

Considera-se que por meio desses procedimentos, principalmente atravs das discusses que

permeiam as reunies do colegiado do curso, a questo da avaliao tem sido um dos pontos

essenciais no processo de formao profissional.

A avaliao do aluno, em cada disciplina verificada em funo da assiduidade e eficincia nos

estudos, ambas eliminatrias por si mesmas.

Entende-se por eficincia o grau de aplicao do aluno ao estudo e sua verificao se faz:

- por no mnimo 3 (trs) avaliaes especficas por semestre, sendo uma delas a semestral, cujo

nmero e a natureza dessas avaliaes podero ser definidas pelo Colegiado do curso;

- a primeira prova semestral ter valor de 20 (vinte) pontos;

- cada uma das demais avaliaes realizadas no decorrer do ano letivo no poder ultrapassar 15

(quinze) pontos.

Sero distribudos 50 (cinqenta) pontos a cada semestre, sendo aprovado na disciplina o aluno que

obtiver o mnimo de 60 (sessenta) pontos durante o ano letivo.

A avaliao substitutiva dever ser requerida no prazo de 5 (cinco) dias teis aps a divulgao

oficial dos resultados.

O aluno ter direito a trs avaliaes substitutivas , da primeira avaliao semestral, de avaliaes

realizadas ou no, para os casos no previstos em lei, devendo ser mantida a maior nota obtida por

ele. No h prova substitutiva da ltima avaliao.

Est automaticamente reprovado na disciplina o aluno que no tenha freqentado o mnimo de 75%

das atividades programadas ou que nela no tenha obtido o mnimo de 60 (sessenta ) pontos durante

o ano letivo.

32

III. CRONOGRAMA DE IMPLANTAO E DESENVOLVIMENTO DA

INSTITUIO

3.1 Cursos em funcionamento

Cursos Oferecidos Vagas

Turno

Atos de Autorizao

Atos de Reconhecimento

ltima Renovao de Reconhecimento

Agronomia

Bacharelado

60 Integral Decreto n 90.003

de 25.07.1984

Portaria n 237 de

18.02.1991

Decreto de

20.07.2005

Cincias Biolgicas

Licenciatura

40 Noturno Decreto n 42.965

de 29.10.2002

Decreto n 43.596

de 15.09.2003

Decreto de

02.08.2007

Direito

Bacharelado

50 Diurno

50 Noturno

(Incio 1 Semestre)

50 Noturno

(Incio 2 Sem)

Decreto s/n de

07.02.1996

Decreto n 41.579

de 12.03.2002

Decreto de

24.04.2008

Educao Fsica

Licenciatura

60 Noturno Decreto de

08.11.2007

No est

reconhecido

-

Engenharia de

Computao

Bacharelado

50 Perodo Integral Decreto n 40.758

de 07.12.1999

Decreto de

31.08.2004

Decreto de

24.03.2006

Engenharia Eltrica

Bacharelado

40 Perodo Integral

Semestral

Decreto n 83.130

de 05.02.1979

Portaria n 339/84

de 03.08.1994

Decreto de

20.07.2005

Histria

Licenciatura

40 Noturno Decreto n 42.965

de 15.09.2003

Decreto n 43.596

de 15/09/2003

Decreto de

20/06/2007

Letras

Licenciatura

Habilitaes em Portugus

e Ingls e respectivas

Literaturas

50 Noturno Decreto n 66.602

de 20.05.1970

Decreto Federal n

75.994 de

02.07.1975

Decreto de

20.08.2007

Letras

- Licenciatura

Portugus e Espanhol e

respectivas Literaturas

50 Noturno Decreto de

08.11.2007

No est

reconhecido

-

Matemtica

Licenciatura

40 Noturno Decreto n 42.965

de 29.10.2002

Decreto n 43.596

de 15.09.2003

Decreto s/n, de

20.06.2007

33

Normal Superior

Licenciatura

(sede)

50 Noturno

Decreto n. 42.277

22.01.2002

Decreto s/n

14.09.2005

Concluso de

turma em

dez./2008

Normal Superior

Licenciatura

(fora de sede)

40 Noturno

Lei 14.202 de

2002 e Lei 14.949

de 2004

Parecer CEE/MG

n. 867, de

29.07.2008 No

houve tempo para

a publicao do

Decreto do

Governo, antes da

ADIN 2501/STF

Formou apenas

uma turma:

concluso em

dezembro de

2008

Pedagogia

Licenciatura (sede)

60 Noturno Decreto n.

66.602, de

20.5.1970

Decreto Federal

n 75.994 de

22.07.1995

Decreto s/n, de

20.08.2007

Pedagogia

Licenciatura

(fora de sede)

40 Noturno Criado Pela Lei da

Assemblia de

MG n.14.202/02 e

Lei do Gov. do

Estado

n.14.949/04

Parecer CEE/MG

n. 867, de

29.07.2008 No

houve tempo para

a publicao do

Decreto do

Governo, antes da

ADIN 2501/STF

-

Psicologia

Bacharelado

50 Perodo Integral Decreto n 40.758

de 07.12.1999

Decreto de

29.01.2004

-

Qumica

Licenciatura

40 Noturno Decreto n 42.965

de 29.10.2002.

Decreto n 43.596

de 15.09.2003

Decreto s/n, de

02.06.2007

Sistemas de Informao

Bacharelado

60 Noturno Decreto n 42.354

de 31.01.2002

Decreto s/n, de

14.09.2005

-

Tecnologia em Gesto

Ambiental

Tecnolgica

60 Noturno Decreto s/n, de

04.10.2005

Decreto s/n, de

03.08.2007

_

Tecnologia em 60 Noturno Decreto s/n, de Decreto s/n, de _

34

Agronegcio

Tecnolgica

04.10.2005 03.08.2007

Tecnologia em Produo

Sucroalcooleira

Tecnolgica

60 Noturno Decreto s/n, de

07.05.2007

No est

reconhecido

-

Fonte: Coordenao de Ensino em 10.03.2009

3.2 Educao a distncia

A Instituio est se preparando para a implantao da EAD, nos prximos anos, visando oferecer

cursos de graduao, de ps-graduao lato sensu, de formao continuada e de extenso, conforme

legislao vigente.

3.3 Expanso da oferta de cursos de graduao

A Instituio pretende criar e implantar novos cursos no perodo estabelecido no PDI:

- Curso de Licenciatura em Artes Visuais

- Cursos de Bacharelado em: Educao Fsica, Enfermagem, Engenharia Ambiental, Fisioterapia,

Medicina, Nutrio, Servio Social, Veterinria e Zootecnia

- Cursos de Tecnologia em: Design, Secretariado, Esttica e Gastronomia

3.4 Programa especial de formao pedaggica

No intuito de ampliar a contribuio com a formao de professores para a educao bsica, o

ISEDI oferece o Programa Especial de Formao Pedaggica sempre que h demanda de bacharis

e tecnlogos.

3.5 Oferta de cursos de graduao fora de sede

O ISEDI ofereceu o curso Normal Superior em Santa Vitria, e sua nica turma concluiu o curso

em 2008. Em funo das novas diretrizes para o curso de Pedagogia, extinguiu-se o Curso Normal

Superior, estando o mesmo pendente de Reconhecimento para fins de registro de diplomas .

- O curso de Pedagogia est em andamento com duas turmas: 3 e 4 sries/2009. No houve

demanda para a oferta da 1 srie em 2008 e 2009 e aguarda Reconhecimento.

35

IV PERFIL DO CORPO DOCENTE

4.1 Composio (titulao, regime de trabalho, experincia acadmica no magistrio superior)

Os cursos de graduao do ISEPI e do ISEDI tm padro de qualidade que atende s propostas dos

projetos pedaggicos de seus cursos. So selecionados profissionais que, alm de reconhecida

carreira como professores, possuem, em sua maioria, experincia profissional na rea.

TITULAO %

ISEPI

Graduados 15 10,44

Especialistas 60 41,37

Mestres 56 38,62

Doutores 14 9,65

Total 145

ITULAO %

ISEDI

Graduados 2 2,81

Especialistas 32 45,07

Mestres 33 46,47

Doutores 4 5,63

Total 71

Os docentes so profissionais que esto presentes no dia-a-dia da instituio, atendendo aos alunos

e orientando-os em projetos de iniciao cientfica, em programas de monitoria e na realizao de

pesquisas e atividades de extenso.

O regime de trabalho distribudo em:

ISEPI

36

%

Tempo Integral 22 15,17

Tempo Parcial 11 7,58

Horista 112 77,24

ISEDI %

Tempo Integral 11 15,50

Tempo Parcial 8 11,26

Horista 52 73,24

OBS.: A diferena no total de docentes entre uma tabela e outra, deve-se ao fato de alguns deles

lecionarem nos dois institutos.

4.2 Plano de carreira Anexo II

4.3 Critrios de seleo e contratao de professores

a) Os docentes, no Instituto Superior de Educao de Ituiutaba, so selecionados pela respectiva

coordenao de curso, de acordo com normas fixadas pelo Conselho Superior, de acordo com as

prioridades estabelecidas pelo Conselho de Coordenaes, no limite das vagas existentes.

No Instituto Superior de Educao de Ituiutaba, a substituio feita conforme o artigo 128,

pargrafos 1. e 3., de seu Regimento, in verbis:

- Art. 128 .....

1. As substituies por perodo no superior a sessenta dias so promovidas internamente por

iniciativa da coordenao de curso.

3. - A indicao de professor por perodo superior a 60 (sessenta) dias ser feita aps processo

seletivo, quando no houver professor da instituio que possa assumir a vaga.

b) No Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba, para contratao de professores,

observa-se o estabelecido no artigo 129 de seu Regimento:

- Artigo 129 - Os docentes sero selecionados pelo respectivo colegiado do curso, de acordo com

normas de seleo aprovadas pelo Conselho de Coordenaes, dentro das prioridades determinadas

e no limite das vagas existentes.

37

As substituies no superiores a sessenta dias so promovidas internamente, por iniciativa da

Coordenao do curso. A substituio por perodo superior a sessenta dias deve ser feita pelo

processo seletivo, se no houver professor da instituio que possa assumir a vaga.

V CORPO TCNICO-ADMINISTRATIVO

5.1 Critrios de seleo e contratao

A seleo de candidatos a vagas de cargo tcnico-administrativo feita observando-se a formao,

a experincia na rea e o perfil profissional para o cargo e utilizando-se de anlise de currculo e

entrevista.

O processo de seleo realizado pelo Setor de Recursos Humanos da FEIT.

5.2 Regime de trabalho

O regime de trabalho do pessoal tcnico-administrativo o celetista, com jornada de 40 horas

semanais.

5.3 Nvel de formao do corpo tcnico-administrativo

O corpo tcnico-administrativo da FEIT apresenta a seguinte formao escolar:

- Curso de ps-graduao ( Especializao) 4

- Curso de nvel superior completo 32

- Curso de nvel superior incompleto 15

- Curso de ensino mdio completo 23

- Curso de ensino mdio incompleto 2

- Curso de ensino fundamental completo 4

- Curso de ensino fundamental incompleto 27

Total de funcionrios 107

38

VI ORGANIZAO ADMINISTRATIVA

6.1 Composio e competncias

O funcionamento da FEIT norteado por seu Estatuto, Decreto N. 15.790, de 18 de outubro de

1973, e pelos Regimentos dos Institutos, que disciplinam as atividades de ensino, pesquisa,

extenso e gesto acadmica e estabelecem as competncias e responsabilidades, em conformidade

com a legislao vigente. Apresenta a seguinte estrutura:

rgos administrativos e deliberativos da Fundao

- Assemblia Geral

- Conselho Curador

- Conselho Fiscal

- Direo Administrativa

rgos que compem os Institutos

- Conselho Superior

- Conselho de Coordenaes

- Direes Acadmicas

- Coordenaes de Cursos

6.2 rgos colegiados

So rgos colegiados dos Institutos: o Conselho Superior, o Conselho de Coordenaes; e as

Coordenaes de Cursos.

Conselho Superior

O Conselho Superior o rgo superior de deliberao administrativa, didtico-cientfica e

disciplinar dos Institutos. assim constitudo:

- diretores dos Institutos;

- vice-diretores dos Institutos;

- um professor titular;

- sete professores adjuntos;

- sete professores assistentes;

- quatro professores auxiliares de ensino;

39

- representantes do corpo discente;

- um representante do corpo tcnico-administrativo;

- um representante da comunidade; e

- um representante da Entidade Mantenedora.

Competncias do conselho superior dos institutos

Compete ao Conselho Superior:

- escolher lista trplice para eleio dos diretores dos Institutos e seus vice-diretores, conforme

artigo 33 e seus pargrafos;

- aprovar modificaes na estrutura administrativa e didtico-cientfica dos Institutos;

- resolver, em grau de recurso, os problemas que lhe sejam apresentados em qualquer das reas de

atuao dos Institutos;

- aprovar alteraes nos Regimentos dos Institutos, para encaminhamento aprovao da Entidade

Mantenedora e do Conselho Nacional de Educao;

- aprovar convnios e acordos com entidades pblicas e privadas, nacionais ou estrangeiras,

ouvidos os Conselhos de Coordenaes;

- propor entidade mantenedora o plano de carreira dos Institutos;

- baixar diretrizes gerais, visando uniformizao de estruturas e procedimentos administrativos no

mbito dos Institutos;

- aprovar os regulamentos dos rgos de apoio administrativo, pedaggico, suplementar e de

assistncia ao estudante;

- definir os critrios e as normas para a admisso de pessoal docente e tcnico-administrativo;

- tomar conhecimento do relatrio anual das atividades dos Institutos, elaborado pela direo, e

sobre ele pronunciar-se e encaminh-lo Entidade Mantenedora e aos rgos oficiais competentes;

- aprovar smbolos e insgnias dos Institutos;

- aprovar a concesso de ttulos honorficos e regulamentos de prmios;

- aprovar o oramento anual dos institutos e os planos de aplicao dos recursos para

encaminhamento entidade mantenedora;

- apurar a responsabilidade dos diretores dos institutos, em caso do no cumprimento dos

regimentos ou de legislao educacional pertinente estrutura, devendo, para este fim, ser indicado

um presidente ad-hoc;

- decidir sobre representaes contra professores, em grau de recurso;

40

- decidir sobre recursos resultantes de decises dos demais rgos em matria administrativa,

didtico-cientfica e disciplinar;

- opinar sobre assuntos que lhe sejam submetidos pelos diretores dos institutos;

- aprovar regulamento da solenidade de colao de grau;

- manifestar-se sobre os calendrios geral, anual e semestral dos Institutos e sobre o plano de

desenvolvimento institucional;

- solucionar, nos limites de sua competncia, os casos omissos e as dvidas que surgirem da

aplicao dos regimentos.

Conselho de coordenaes

O Conselho de Coordenaes rgo consultivo, em matria administrativa e disciplinar, e

deliberativo, em matria didtico-pedaggica. assim constitudo:

- diretor do instituto;

- vice-diretor do instituto;

- coordenadores dos cursos;

- representao estudantil.

So competncias dos conselhos de coordenaes

- aprovar as propostas de oramento das coordenaes dos cursos elaborar o oramento geral dos

Institutos;

- pronunciar-se sobre convnios ou acordos com outras entidades, reparties ou associaes

nacionais ou estrangeiras;

- decidir questes administrativas, de ensino, didticas ou disciplinares, nos limites de sua

competncia;

- rever os Regimentos e encaminhar proposta, formalizada, ao Conselho Superior;

- opinar sobre o plano de aplicao dos recursos oramentrios destinados aos Institutos e sobre as

prestaes de contas de exerccios financeiros;

- tomar conhecimento do relatrio anual de atividades, elaborado pelos diretores, e sobre ele

pronunciar-se e encaminha-lo ao Conselho Superior;

- propor modificaes na organizao didtico-cientfica e administrativa;

- baixar diretrizes sobre ensino, pesquisa, extenso e ps-graduao;

- aprovar a criao, a unificao, o desmembramento ou a extino de coordenaes de curso;

41

- supervisionar a execuo do regime didtico, especialmente no que se refere coordenao e ao

cumprimento de programas aprovados e atividades de pesquisa;

- aprovar o calendrio acadmico dos Institutos, em consonncia com o Calendrio Geral, e

fiscalizar seu cumprimento;

- aprovar o Projeto Pedaggico dos cursos e as alteraes curriculares, propostas pelas

coordenaes de cursos, observadas as exigncias legais e o disposto nos regimentos;

- opinar sobre a dispensa de professores;

- apreciar representaes contra professores;

- decidir questes de matrcula, transferncia e trancamento de matrcula, apresentadas pela

Secretaria Geral;

- responder consultas encaminhadas pelo Conselho Superior e pelas direes;

- propor o quantitativo de monitores, antes do trmino do semestre ou do ano letivo, para efeito no

ano letivo seguinte;

- aprovar regulamentos de processos seletivos e decidir assuntos pertinentes;

- reunir-se, solenemente, nas cerimnias de colao de grau dos Institutos;

- desincumbir-se de outras atribuies, expressamente previstas nos Regimentos.

Direes Acadmicas

As Direes dos Institutos, exercidas por seus diretores, so os rgos executivos que coordenam,

fiscalizam e superintendem as atividades acadmicas.

So atribuies dos diretores, no mbito de sua atuao:

- representar os Institutos junto Entidade Mantenedora, pessoas e instituies pblicas e privadas;

- supervisionar as atividades acadmico-administrativas;

- participar, com direito a voz e voto, do Conselho Superior e das Coordenaes de Cursos;

- encaminhar ao Conselho de Coordenaes a proposta oramentria e o plano de aplicao de

recursos solicitados;

- zelar pela manuteno da ordem e disciplina, respondendo por abuso ou omisso;

- conferir grau e assinar os diplomas expedidos pelos Institutos;

- assinar os certificados relativos concluso de cursos ou disciplinas, expedidos pelos setores

competentes;

- expedir convocaes de reunies dos Conselhos de Coordenaes e a elas presidir, assim como a

todas as comisses de que fizerem parte;

- elaborar, com os Conselhos de Coordenaes, o Calendrio Geral, Semestral e Anual dos

Institutos, submetendo-os apreciao do Conselho Superior e aprovao da Mantenedora;

42

- elaborar, com o Conselho de Coordenaes, o Calendrio Geral, Semestral e Anual dos Institutos

e submet-los apreciao do Conselho Superior;

- verificar a observncia do regime acadmico e a execuo dos horrios e programas;

- supervisionar a execuo didtica dos cursos de graduao, por meio do colegiado didtico-

pedaggico;

- verificar a observncia do regime acadmico escolar e a execuo dos horrios e programas;

- cumprir e fazer cumprir as deliberaes do Conselho Superior e dos Conselhos de Coordenaes;

- aplicar penalidade, na forma dos regimentos;

- opinar sobre a concesso de frias e licenas regulamentares ao pessoal dos Institutos;

- prestar as informaes solicitadas pelos rgos superiores e dar cumprimento s suas deliberaes;

- propor Entidade Mantenedora a admisso de docentes, aps processo seletivo, e a dispensa de

pessoal;

- apresentar, anualmente, ao Conselho Superior, o relatrio das atividades dos Institutos do ano

anterior, com exposies das providncias tomadas para a maior eficincia da administrao e do

processo acadmico;

- cumprir e fazer cumprir as disposies dos Regimentos e as do Estatuto da Fundao, que se

apliquem aos Institutos;

- propor modificaes ou adaptaes nos Regimentos;

- resolver os casos omissos nos Regimentos, devendo ser referendados pelos Conselhos de

Coordenaes e, posteriormente, pelo Conselho Superior, no prazo mximo de trinta dias.

Colegiado de Curso

O Colegiado de Curso constitui-se um subsistema da estrutura do Instituto, para todos os efeitos da

organizao administrativa, didtico-cientfica e de pessoal docente, de acordo com a organizao

curricular.

So membros do Colegiado de Curso os professores titulares, adjuntos, assistentes e auxiliares de

ensino e a representao estudantil.

Competncias dos Colegiados de Cursos

- executar as tarefas de ensino e extenso e promover a pesquisa;

43

- manifestar-se, em parecer ou informao, acerca de assuntos consultados pelo Conselho Superior,

pelos Conselhos de Coordenaes ou pelos Diretores;

- organizar o plano de aplicao de verbas, com base no oramento aprovado;

- colaborar com a Secretaria Geral quanto anlise de processos de transferncia e aproveitamento

de estudos;

- organizar os programas de ensino dos respectivos cursos e encaminh-los ao Colegiado Didtico-

Pedaggico;

- organizar o processo de seleo de professores, para admisso nos Institutos, conforme

regulamentao especfica;

- manifestar-se sobre a participao de representantes em congressos e demais eventos cientficos e

culturais, observadas as disponibilidades financeiras especficas;

- sugerir aos diretores nomes para compor bancas examinadoras de concursos e de avaliaes de

trabalhos monogrficos;

- executar as aes previstas na proposta pedaggica de recuperao dos alunos no mbito dos

Institutos;

- conhecer recursos de alunos contra atos de professores ou outros recursos que lhe sejam

concernentes e manifestar-se sobre eles;

- reunir-se, solenemente, nas cerimnias de colao de grau dos alunos da respectiva Coordenao

de Curso.

6.3 rgos de apoio s atividades acadmicas

So rgos de apoio s atividades acadmicas:

Secretaria Geral;

Secretarias dos Blocos B e C;

Coordenaes de Apoio:

- Ensino;

- Extenso;

- Pesquisa;

- Ps-Graduao;

- Educao a Distncia;

- Estgios e Diagnsticos de Mercado;

- Prtica de Formao;

- Prtica Desportiva;

44

- Comunicao e Relaes Pblicas.

Comisses Permanentes

- Processo Seletivo;

- Comisso Prpria de Avaliao.

6.4 Relaes e parcerias com a comunidade, instituies e empresas

A Fundao Educacional de Ituiutaba, no cumprimento de sua misso de promover a melhoria da

qualidade de vida pelo ensino e pela pesquisa e extenso, vem firmando parcerias, com instituies

pblicas e privadas, para a concepo, formulao, implantao e operacionalizao de programas e

aes em prol do desenvolvimento socioeconmico local e regional.

6.5 Autonomia dos Institutos em relao mantenedora

Os Institutos so dependentes da Fundao Educacional de Ituiutaba quanto manuteno de seus

servios. No h interferncia, em nenhuma deciso que envolva o processo acadmico: ensino,

pesquisa e extenso, exceto quando as decises impliquem em nus no inscritos em oramentos

aprovados.

VII INFRAESTRUTURA FSICA E INSTALAES ACADMICAS

7.1 Infra-estrutura fsica, rea construda e instalaes

Total Geral de rea construda: aproximadamente 18.002,55 m

Bloco Administrativo

rea construda= 952m

Abriga: Secretaria Acadmica, Tesouraria Conselho Curador, Direo Administrativa, Direes

Acadmicas, Contabilidade, Recursos Humanos, Setor Jurdico, Arquivo, Coordenaes de Ensino,

Pesquisa, Extenso e Ps-Graduao, COPEPS, Depsito, NEAB/PREVESTI, Provedor

INTERNET/Administra/, Secretaria de Ps-Graduao, Secretaria Arquivo Passivo, Setor de

45

Cobrana, Sala de Reunio, cozinha, Registro de Ponto de pessoal, Sala para Psiclogo,

Recepo/Telefonista, Sala para Assistente Social, Sanitrios.

Biotrio

rea construda= 36m

Bloco A

rea construda= 4.682,00 m

Constitudo de dois pavimentos: 28 salas de aula e Laboratrios diversos, incluindo-se O NEAP

(Ncleo de Estudos e Aplicaes em Psicologia), o CIASI (Centro de Informatizao e Atualizao

de Sistemas) e o Provedor de INTERNET, Sala de Professor, Auditrio, sagues inferior e superior,

instalaes sanitrias.

Bloco A1

rea construda: =472,50m

Abriga: Setor de Compras, Coordenao de Comunicao e Relaes Pblicas, Depsito 07, Sala

para guarda noite, Ncleo de Prtica Jurdica ( trs salas), Setor de Bens Patrimoniais, Setor de

Transporte.

Bloco A2

rea construda= 1.431,60m

Abriga salas de aula

Bloco B

rea construda=2.175,00 m

Constitudo de dois pavimentos: 23 salas de aula, Auditrio, Coordenao do Curso de Direito,

Laboratrio de Lnguas, saguo inferior, saguo superior, Sala de Professor, Secretaria do Bloco B,

instalaes sanitrias.

Bloco C.

rea construda=3.513,00m

Constitudo de trs pavimentos: 28 salas de aula, Auditrio, Brinquedoteca, CEMAT (Centro de

Estudos da Matmtica) e Laboratrio d Matemtica, Sala para o Colegiado Didtico-Pedaggico,

46

salas para as coordenaes dos cursos de Cincias Biolgicas, Engenharia Eltrica, Letras,

Matemtica e Qumica, Coordenao de Prtica de Formao/ISEDI, Cozinha, Direo Acadmica

do ISEDI, Laboratrio de Msica/Arte, Quiosque, sagues trreo, 1 e 2 pisos, Depsito, Sala de

Informtica, Sala de professor, Secretaria de Eventos, Secretaria do Bloco C, Iistalaes sanitrias.

Bloco D

rea construda=3.393,00m

8 salas de aula e instalaes sanitrias.

Fazenda Experimental - FAEX

rea = 60,00 ha

Estao Climatolgica, Depsito, Laboratrio de Piscicultura, vrias construes.

Diretrio Acadmico

rea construda= 93,00m

Lanchonetes

rea construda= 80m2

7.2 Biblioteca

rea construda= 1.173,55 m

Condies atuais

A Biblioteca Vnia Morais Jacob, da Fundao Educacional de Ituiutaba, ampla, bem ventilada e

iluminada, com um espao fsico de mil cento e setenta e trs metros quadrados (1.173m2) e

infraestrutura composta de:

- rea de acervo com espao para estudo em grupo e individual;

- rea para peridicos;

- auditrio para quarenta e nove pessoas, com finalida