of 194 /194
1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ 2011 2015 Fortaleza, janeiro de 2011

PDI - Uece

  • Author
    dangtu

  • View
    247

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of PDI - Uece

  • 1

    PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEAR

    2011 2015

    Fortaleza, janeiro de 2011

  • 2

    Reitor Prof. Francisco de Assis Moura Araripe

    Vice-Reitor

    Prof. Antonio de Oliveira Gomes Neto

    Chefe de Gabinete Prof. Vladimir Spinelli Chagas

    Pr-Reitor de Administrao

    Luiz Carlos Mendes Dodt

    Pr-Reitor de Planejamento Prof. Vladimir Spinelli Chagas

    Pr-Reitora de Graduao

    Prof Josefa Lineuda da Costa Murta

    Pr-Reitor de Ps-Graduao e Pesquisa Prof. Jos Jackson Coelho Sampaio

    Pr-Reitora de Extenso

    Prof Celina Magalhes Ellery

    Pr-Reitor de Polticas Estudantis Prof. Joo Carlos Holanda Cardoso

    Pesquisadora Institucional Prof Maria do Socorro Ferreira Osterne

    Ouvidor Prof. Paulo Tadeu Sampaio de Oliveira

  • 3

    Comisso de Sistematizao do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2011-2015)

    Prof. Vladimir Spinelli Chagas

    Prof Meiriceli Calope Leitinho

    Prof Clia Maria de Souza Sampaio

    Prof. Jos Ossian Gadelha de Lima

    Prof Lia Matos Brito de Albuquerque

    Prof Belisa Maria Veloso Holanda

    Prof. Joo Vianney Campos de Mesquita (Reviso de texto)

    P712 Plano de Desenvolvimento Institucional. Fortaleza: EDUECE, 2011.

    185 p.; il.

    Perfil Institucional; Polticas Institucionais; Estruturas de Gesto Acadmico-Administrativa e Organizacional e Instncias de Deciso; Organizao e Gesto de Pessoal; Organizao Didtico-Pedaggica; Comunicao Interna e Externa; Estrutura dos Campi da UECE; Aspectos Financeiros e Oramentrios; Avaliao Institucional.

    1. Polticas de Desenvolvimento. 2. Universidade Estadual do

    Cear. 3. Ensino Superior.

    CDD: 338.9

  • 4

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 1 - Proposta de estrutura organizacional e administrativa da Fundao Universidade Estadual do Cear FUNECE e da Universidade Estadual do Cear - UECE.

    137

    Figura 2 - Vista area do Campus do Itaperi, Fortaleza, Cear. 167

  • 5

    LISTA DE QUADROS

    Quadro 1 - Cursos de graduao presenciais por unidade da UECE, em 2010. 71

    Quadro 2 - Cursos de graduao a distncia por polo da UECE, em 2010. 73 Quadro 3 - Cursos de Ps-Graduao Stricto Sensu da UECE, por unidade acadmica.

    81

    Quadro 4 - Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu, presenciais e semipresenciais, da UECE.

    84

    Quadro 5 - Grupos de Pesquisas, por rea de Conhecimento, Cadastrados no Diretrio Nacional de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico CNPq, em 2010.

    98

    Quadro 6 - Quantitativo de Ttulos e Exemplares do Acervo Bibliogrfico da Biblioteca Central Antnio Martins Filho.

    145

    Quadro 7 - Quantitativo de Ttulos e Exemplares das Bibliotecas dos Campi do Interior da UECE.

    146

    Quadro 8 - Lista de Peridicos Publicados pela EdUECE. 150

    Quadro 9 - rea construda no Campus do Itaperi, Fortaleza, Cear. 169

    Quadro 10 - rea construda no Campus de Ftima, Fortaleza, Cear. 170 Quadro 11 - Estrutura do oramento geral, segundo as fontes das receitas e a natureza econmica das despesas 2006 a 2009.

    176

  • 6

    LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

    ADM-EAD Curso de Administrao a Distncia

    APAE Associao de Pais e Amigos de Excepcionais

    APRECE Associao dos Municpios e Prefeitos do Estado do Cear

    BC Biblioteca Central Antnio Martins Filho

    BID Banco Interamericano de Desenvolvimento

    BNB Banco do Nordeste do Brasil

    CAPES Coordenadoria de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior

    CAPs Centro de Ateno Psicossocial

    CCS Centro de Cincias da Sade

    CCSIS Clula de Controle, Sistema e Informao

    CCT Centro de Cincias e Tecnologia

    CEC Conselho de Educao do Cear

    CECITEC Centro de Educao, Cincias e Tecnologia da Regio do Inhamuns

    CED Centro de Educao

    CEGAD Clula de Gesto Administrativa

    CEGAP Clula de Gesto de Pessoas

    CEINF Clula de Gesto de Infraestrutura

    CEMAD Clula de Gesto, Material e Patrimnio

    CENTEC Instituto Centro de Ensino Tecnolgico

    CEP Comit de tica em Pesquisa

    CEPE Conselho de Ensino, Pesquisa e Extenso

    CEPEJA Centro de Ensino Personalizado de 5 a 8 Srie para Jovens e Adultos

    CESA Centro de Estudos Sociais Aplicados

    CEUA Comit de tica para o Uso de Animais

    CEV Comisso Executiva do Vestibular

    CH Centro de Humanidades

    CIBio Comit Interno de Biossegurana

    C&T&I Cincia, Tecnologia e Inovao

    CMA Curso de Mestrado Acadmico

    CMP Curso de Mestrado Profissional

  • 7

    CNE Conselho Nacional de Educao

    CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico

    COELCE Companhia de Eletrificao do Cear

    COGERH Companhia de Gesto de Recursos Hdricos

    CONSU Conselho Universitrio

    COPEC Comisso Permanente de Estgio Curricular

    CPA Comisso Prpria de Avaliao

    CPPD Comisso Permanente de Pessoal Docente

    CT-INFRA Fundo de Infraestrutura

    CTP Coordenadoria Tcnico-Pedaggica

    CVT Centro Vocacional Tecnolgico

    DA Departamento de Administrao

    DCN Diretrizes Curriculares Nacionais

    DCR Desenvolvimento Cientfico Regional

    DER Departamento de Edificaes e Rodovias

    DERT Departamento de Estradas de Rodagem e Transporte

    DI Departamento de Informtica

    DINTER Doutorado Interinstitucional

    DIPRO Diretoria de Projetos e Obras

    DOE Dirio Oficial do Estado

    DRH Diretoria de Recursos Humanos

    DTI Desenvolvimento Tecnolgico Industrial

    EaD Ensino a Distncia

    ECInt Escritrio de Cooperao Internacional

    EdUECE Editora da UECE

    ENADE Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes

    ENEM Exame Nacional do Ensino Mdio

    FACEDI Faculdade de Educao de Itapipoca

    FAEC Faculdade de Educao de Crates

    FAFIDAM Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos

    FAVET Faculdade de Veterinria

    FECLESC Faculdade de Educao, Cincias e Letras do Serto Central

  • 8

    FECLI Faculdade de Educao de Iguatu

    FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

    FIOCRUZ Fundao Oswaldo Cruz

    FUNCAP Fundao Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico

    FUNECE Fundao Universidade Estadual do Cear

    FUNEDUCE Fundao Educacional do Estado do Cear

    GPR Gesto Pblica por Resultados

    IEPRO Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da UECE

    IES Instituio de Ensino Superior

    INCRA Instituto Nacional de Colonizao e Reforma Agrria

    INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Ansio Teixeira

    IQD ndice de Qualificao Docente

    ISCB Instituto Superior de Cincias Biomdicas

    LAAV Laboratrio de Assessoramento da Autoavaliao

    LAPRACS Laboratrio de Pesquisas e Prticas Coletivas em Sade

    LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional;

    LDO Lei de Diretrizes Oramentrias

    LIBRAS Lngua Brasileira de Sinais

    LOA Lei Oramentria Anual

    LOGIN Laboratrio de Otimizao e Gesto da Inteligncia

    MAPP Monitoramento de Aes, Programas e Projetos

    MCT Ministrio da Cincia e Tecnologia

    MEC Ministrio da Educao

    MINTER Mestrado Interinstitucional

    MST Movimento dos Trabalhadores sem Terra

    NAC Ncleo de Assistncia Comunitria

    NACOM Ncleo de Ao Comunitria

    NAP Ncleo de Apoio Pedaggico

    NPC Ncleo de Polticas Culturais

    NEPEEM Ncleo de Ensino, Pesquisa e Extenso em Educao Matemtica

    NIT Ncleo de Inovao Tecnolgica

  • 9

    NUBACE Centro de Referncia em Pesquisa e Difuso de Tecnologia Aplicada Explorao

    Animal

    NUCOP Ncleo de Custos, Oramentos e Projetos

    ONG Organizao No Governamental

    PAI Programa de Avaliao Institucional

    PCC Plano de Cargos e Carreira

    PCCV Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos

    PDI Plano de Desenvolvimento Institucional

    PET Programa de Educao Tutorial

    PIBIC Programa Institucional de Bolsas de Iniciao Cientfica

    PIBIC-AF Programa Institucional de Bolsas de Iniciao Cientfica - Aes Afirmativas

    PIBID Programa de Iniciao a Docncia

    PIBITI Programa Institucional de Bolsas de Iniciao em Desenvolvimento Tecnolgico e

    Inovao

    PNAES Programa Nacional de Assistncia Estudantil

    PPA Plano Plurianual

    PPC Projeto Pedaggico do Curso

    PPG Programa de Ps-Graduao

    PPI Projeto Pedaggico Institucional

    PRAE Pr-Reitoria de Polticas Estudantis

    PROAD Pr-Reitoria de Administrao

    PROAPPE Programa de Acompanhamento Psicopedaggico ao Estudante

    PROCAD Programas de Cooperao Acadmica

    PRODOC Programas de Cooperao para a Fixao de Recm Doutores

    PROEX Pr-Reitoria de Extenso

    PROGRAD Pr-Reitoria de Graduao

    PROINFO Programa de Informtica

    PROJUR Procuradoria Jurdica

    PROLIN Projeto de Incluso de Lnguas

    PROMAC Programa de Monitoria Acadmica

    PRONERA Programa Nacional de Educao na Reforma Agrria

    PROPGPq Pr-Reitoria de Ps-Graduao e Pesquisa

  • 10

    PROPLAN Pr-Reitoria de Planejamento

    PROVIC Programa Voluntrio de Iniciao Cientfica

    RENORBIO Rede Nordeste de Biotecnologia

    RU Restaurante Universitrio

    SATE Secretaria de Apoio a Tecnologias Educacionais

    SEBRAE Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas

    SECITECE Secretaria de Cincia, Tecnologia e Educao Superior do Estado do Cear

    SEAD Secretaria de Educao a Distancia

    SECULT Secretaria de Cultura

    SEDH Secretaria de Direitos Humanos

    SEDUC Secretaria de Educao

    SEFAZ Secretaria da Fazenda Estadual

    SEMACE Superintendncia Estadual do Meio Ambiente

    SEPLAG Secretaria de Planejamento e Gesto

    SER Secretaria Executiva Regional

    SESU Secretaria de Educao Superior

    SETEC Secretaria de Educao Tecnolgica

    SINAES Sistema Nacional de Avaliao da Educao Superior

    SISACAD Sistema de Controle Acadmico

    SNES Sistema Nacional de Educao Superior

    STDS Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social

    TCC Trabalho de Concluso de Curso

    TECNOPARQUE - Parque Tecnolgico da Universidade Estadual do Cear

    TIC Tecnologias de Informao e Comunicao

    UAB Universidade Aberta do Brasil

    UANE Universidade Aberta do Nordeste

    UECE Universidade Estadual do Cear

    UECEVest Curso Pr-Vestibular da UECE

    UFC Universidade Federal do Cear

    UFMA Universidade Federal do Maranho

    UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte

    UNEP Unidade de Educao Profissional

  • 11

    UNESCO Organizao das Naes Unidas para a Educao Cincia e Cultura

    UNIFOR Universidade de Fortaleza

    UNILAB Universidade da Integrao Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

    URCA Universidade Regional do Cariri

    UVA Universidade Vale do Acara

  • 12

    PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI UECE (2011-2015)

    SUMRIO

    1 APRESENTAO 16

    2 PERFIL INSTITUCIONAL 18

    2.1 Evoluo Histrica da Universidade Estadual do Cear UECE 18

    2.1.1 A UECE: uma Universidade Multicampi 21

    2.1.2 Campi da UECE 22

    A) Campi da Capital 23

    A.1 Campus do Itaperi 23

    A.2 Campus de Ftima 29

    B) Campi do Interior 30

    B.1 Campus de Limoeiro do Norte FAFIDAM 30

    B.2 Campus de Quixad FECLESC 31

    B.3 Campus de Iguatu FECLI 32

    B.4 Campus de Crates FAEC 34

    B.5 Campus de Itapipoca FACEDI 35

    B.6 Campus de Tau CECITEC 36

    2.2 Misso Institucional e Viso de Futuro 37

    2.2.1 Misso Institucional 37

    2.2.2 Viso de Futuro 37

    2.3 A UECE no Cenrio Local, Regional, Nacional e Internacional 37

    2.4 Princpios e Finalidades 40

    2.4.1 Princpios Gerais da Universidade 41

    2.4.2 Princpios Gerenciais 42

    A) Eixo da Integrao da Universidade com o Governo e a Sociedade 42

    B) Eixo da Interiorizao das Aes Acadmicas 44

    C) Eixo da Promoo da Excelncia Acadmica 44

    D) Eixo da Modernizao da Gesto Administrativa 46

    E) Eixo da Qualificao da Infraestrutura 47

    F) Eixo do Aproveitamento de Oportunidades de Financiamento 48

  • 13

    2.4.3 Finalidades 48

    3 POLTICAS INSTITUCIONAIS 51

    3.1 Poltica de Planejamento e Aes Estratgicas 51

    3.1.1 Finalidades 51

    3.1.2 Aes (2011-2015) 53

    3.1.3 Ncleo de Inovao Tecnolgica NIT 59

    3.1.4 Incubadora de Empresas do Parque Tecnolgico TECNOPARQUE 59

    3.2 Poltica de Administrao 60

    3.2.1 Finalidades 60

    3.2.2 Aes (2011-2015) 63

    3.3 Poltica de Graduao 67

    3.3.1 Finalidades 67

    3.3.2 Aes (2011-2015) 74

    3.4 Poltica de Ps-Graduao 79

    3.4.1 Finalidades 79

    3.4.2 Aes (2011-2015) 93

    3.5 Poltica de Pesquisa 95

    3.5.1 Finalidades 95

    3.5.2 Aes (2011-2015) 102

    3.6 Poltica de Extenso 103

    3.6.1 Finalidades 103

    3.6.2 Aes (2011-2015) 106

    3.7 Poltica de Atendimento aos Discentes 114

    3.7.1 Finalidades 114

    3.7.2 Aes (2011-2015) 121

    3.8 Poltica de Educao a Distncia 124

    3.9 Poltica de Aes Afirmativas 130

    3.9.1 Finalidades 130

    3.9.2 Aes (2011-2015) 131

  • 14

    4 ESTRUTURAS DA GESTO ACADMICO-ADMINISTRATIVA E ORGANIZACIONAL

    E INSTNCIAS DE DECISO

    136

    4.1 Fundao Universidade Estadual do Cear FUNECE 136

    4.2 Universidade Estadual do Cear UECE 139

    4.3 rgos de Assessoramento e Apoio Administrao Superior 143

    4.3.1 Escritrio de Cooperao Internacional ECInt 143

    4.4 rgos de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extenso 144

    4.4.1 Biblioteca Central Antnio Martins Filho 144

    4.4.2 Editora da Universidade Estadual do Cear EdUECE 148

    4.4.2.1 Peridicos Cientficos 149

    4.4.3 Fazenda Experimental da Guaiba 150

    4.4.4 Campus Experimental de Educao Ambiental e Ecologia de Pacoti 150

    4.5 Unidade de Educao Profissional UNEP 153

    5 ORGANIZAO E GESTO DE PESSOAL 154

    6 ORGANIZAO DIDTICO-PEDAGGICA 158

    6.1 Coordenao do Curso 158

    6.2 Projeto Pedaggico do Curso 159

    6.3 Prticas Acadmico-Profissionais 162

    6.3.1 A Poltica de Estgio na Graduao 162

    6.3.2 Poltica de Implantao e Acompanhamento das Atividades

    Complementares

    164

    6.3.3 Empresas Juniores 165

    7 COMUNICAO INTERNA E EXTERNA 166

    7.1 Ouvidoria 166

    8 INFRAESTRUTURA DOS CAMPI DA UECE 167

    A) Campus do Itaperi 167

    B) Campus de Ftima 170

    C) Campus de Limoeiro do Norte FAFIDAM 171

    D) Campus de Quixad FECLESC 171

    E) Campus de Iguatu FECLI 172

    F) Campus de Crates FAEC 172

  • 15

    G) Campus de Itapipoca FACEDI 172

    H) Campus de Tau CECITEC 172

    8.1 Obras de infraestrutura dos Campi da UECE 173

    8.2 Gesto Ambiental 174

    9 ASPECTOS FINANCEIROS E ORAMENTRIOS 176

    9.1 Estratgia da Gesto Econmico-Financeira 176

    9.2 Previso Oramentria e Cronograma de Execuo 177

    9.3 Receitas e Despesas 179

    9.4 Captao Institucional 181

    9.5 Plano de Captao Institucional 183

    9.6 Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos IEPRO 183

    10 AVALIAO INSTITUCIONAL 185

    10.1 Comisso Prpria de Avaliao CPA 187

    10.2 Laboratrio de Assessoramento da Autoavaliao LAAV 188

    BIBLIOGRAFIA 189

    ANEXO A 190

    ANEXO B 191

    ANEXO C 192

    ANEXO D 193

    ANEXO E 194

  • 16

    1 APRESENTAO

    Este Plano de Desenvolvimento Institucional-PDI Perodo 2011-2015, da

    Universidade Estadual do Cear UECE, foi elaborado no contexto da Administrao

    Superior da UECE - Gesto 2008-2012. Essa Administrao Superior formulou propostas

    administrativas em um projeto institucional que vem sendo ampliado e complementado em

    um processo coletivo de discusses, realizado com os integrantes da comunidade

    universitria, com base no Plano de Gesto aprovado por ocasio das eleies desse Grupo

    Gestor. A Administrao promove a prtica de repensar a Universidade e, como resultado

    dessa discusso, adqua suas estratgias administrativas ao papel que a Instituio deve

    desempenhar em seu ambiente de atuao, conforme expectativas e necessidades dos

    diversos pblicos e de acordo com as estratgias do Governo do Estado do Cear,

    mantenedor dessa Instituio de Ensino Superior IES.

    O desenvolvimento Institucional da UECE est aqui formulado em termos do seu

    papel na sociedade civil, na organizao poltica e econmica, nas relaes com os vrios

    pblicos que povoam seu ambiente transacional, ponderadas as competncias e deficincias

    internas, as polticas do Governo Estadual, como tambm as oportunidades e ameaas que o

    ambiente conjuntural proporciona a essa Instituio. Assim, este PDI projeta

    estrategicamente o futuro da UECE, considerando interesses, necessidades e demandas da

    prpria Instituio e de vrios setores da sociedade cearense.

    A UECE entende seu PDI como documento norteador para a autoavaliao, tendo por

    base as Metas Institucionais contextualizadas em seu Planejamento Estratgico, conforme

    Lei No 10.861, de 14 de abril de 2004, do Sistema Nacional de Avaliao da Educao

    Superior SINAES.

    O PDI articula os eixos temticos Perfil Institucional, Gesto Institucional e

    Organizao Acadmica, Infraestrutura, Aspectos Financeiros e Oramentrios, Avaliao e

    Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional, Prioridades Institucionais, reas e

    Macroprojetos Estratgicos, para o perodo de 2011-2015.

    Neste documento so explicitadas as Metas Institucionais a serem atingidas pela

    UECE. Estas se articulam em torno de Objetivos Institucionais e buscam envolver, de forma

    crtica e comprometida, a maior gama possvel de participantes da sociedade cearense. Com

    efeito, a Administrao Superior da UECE considera imperativo o fato de que a ao

  • 17

    Institucional decorra de um planejamento que leve em conta uma anlise situacional

    fundamentada em seu trajeto histrico, suas dificuldades e desafios e, principalmente, seu

    estado de Instituio Pblica Estadual destinada a cumprir uma finalidade social especfica.

    Deste modo, so estabelecidos objetivos e metas globais a serem alcanados e desafios a

    enfrentar no perodo, concentrando o pensamento estratgico nos problemas, e no nos

    setores, e em polticas claramente direcionadas para toda a amplitude da vida acadmica.

    Os macroprojetos da UECE e suas estratgias de atuao foram definidos com base

    na anlise dos cenrios que contextualizam a Instituio, de forma a possibilitar o seu bom

    desempenho, a percepo deste por parte dos seus pblicos de interesse e a realizao dos

    ajustamentos necessrios configurao organizacional e ao redesenho dos processos.

    Este PDI 2011-2015 objetiva orientar a criao de condies para que a UECE

    constitua uma Universidade socialmente referenciada e reconhecida no cenrio acadmico

    nacional e internacional. Deste modo, os seus valores so reafirmados no desenvolvimento

    da Misso Fundamental da IES, produzindo, difundindo e deslocando as fronteiras do

    conhecimento universal, sem descuidar do avano e da transformao da realidade local, da

    coletividade cearense, da regio Nordeste e do Pas.

    O atual Reitorado da UECE pretende que essa Instituio seja capaz de desenvolver

    seu PDI 2011-2015 por meio de um planejamento contnuo e integrado, culturalmente

    incorporado ao cotidiano, de modo a desenvolver o mximo de sua competncia tcnica e

    formal, com a mais destacada competncia social. Para isso, todos os que integram a

    comunidade acadmica da UECE professores, servidores tcnico-administrativos e alunos

    so conclamados ao envolvimento em um desenvolvimento institucional que pretende ser

    inovador, integrador e participativo.

    Os indicadores referentes ao quantitativo de servidores docentes efetivos por classe

    e titulao, de substitutos e visitantes por titulao e de tcnico-administrativos por

    titulao, por unidade da UECE, foram obtidos junto ao Departamento de Pessoal da UECE

    no dia 31 de dezembro de 2010 (ANEXOS A, B, C e D, respectivamente).

  • 18

    2 PERFIL INSTITUCIONAL 2.1 Evoluo Histrica da Universidade Estadual do Cear UECE

    A histria formal da UECE comea com a Lei no 9.753, de 18 de outubro de 1973,

    que autorizou o Poder Executivo cearense a instituir a Fundao Educacional do Estado do

    Cear - FUNEDUCE, cuja primeira presidente foi a Prof Antonieta Cals de Oliveira.

    Com a Resoluo no 02, de 05 de maro de 1975, do Conselho Diretor da

    FUNEDUCE, referendada pelo Decreto no 11.233, de 10 de maro de 1975, foi criada a UECE,

    que teve incorporadas ao seu patrimnio as seguintes unidades: Escola de Administrao do

    Cear, Faculdade de Veterinria do Cear, Escola de Servio Social de Fortaleza, Escola de

    Enfermagem So Vicente de Paula, Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos e Televiso

    Educativa do Cear - Canal 5. A estas unidades gradativamente, foram se agregando as

    demais.

    Posteriormente, a Lei n 10.262, de 18 de maro de 1979, autorizou a

    transformao da Fundao Educacional do Estado do Cear - FUNEDUCE, em Fundao

    Universidade Estadual do Cear FUNECE.

    O primeiro reitor designado para a UECE foi o Prof. Antnio Martins Filho, que, com

    sua experincia de criador da Universidade Federal do Cear UFC, se responsabilizou pelos

    destinos da Instituio de 1975 a 1977, tendo como vice-reitor o Prof. Dansio Dalton da

    Rocha Correa, ambos nomeados pro tempore. Graas ao prestgio e ao empenho do Reitor

    junto s autoridades estaduais e federais, a nova universidade foi concretizada e

    reconhecida, configurando em centros como se segue: Cincias Sociais Aplicadas CESA

    (Administrao, Servio Social, Pedagogia e Cincias Contbeis), Cincias da Sade CCS

    (Enfermagem e Nutrio), Cincias Agrrias (Medicina Veterinria), Cincias Tecnolgicas

    CCT (Geografia, Cincias da Computao, Matemtica, Fsica e Qumica) e Cincias Humanas

    CH (Letras, Filosofia, Histria, Msica e Estudos Sociais).

    Para o perodo de 1977 a 1981, foram nomeados como reitor e vice-reitor os Profs.

    Dansio Dalton da Rocha Correa e Joo Nazareth Cardoso, respectivamente, nomes

    provenientes de duas listas sxtuplas. Por necessidade de adequao a novas demandas

    administrativas, a FUNEDUCE foi transformada em Fundao Universidade Estadual do Cear

    FUNECE, da qual foi retirada a Televiso Educativa do Cear Canal 5, por fora da Lei no

    10.262, de 18 de maio de 1979 e do Decreto no 13.352, de 23 de maio do mesmo ano. Antes

  • 19

    do fim do mandato, porm, o Prof. Dansio Dalton da Rocha Correa assumiu a titularidade da

    Secretaria Estadual de Educao. Ento, o Prof. Padre Luiz Moreira passou a responder pro

    tempore pela Reitoria da UECE, mantido o vice-reitor.

    O governador Virglio Fernandes Tvora designa o Prof. Padre Luiz Moreira para o

    Reitorado de 1981 a 1984, tendo por vice-reitor o Prof. Joo Nazareth Cardoso. Este perodo

    encerra o ciclo de governos militares e o Pas comea a se abrir para as perspectivas do

    funcionamento poltico-democrtico e a UECE cresce, incorporando outros cursos de

    graduao, novas atividades de extenso e as primeiras iniciativas de ps-graduao lato

    sensu, pelo Centro de Estudos Sociais Aplicados CESA.

    Uma vez organizadas duas listas sxtuplas uma para reitor, outra para vice-reitor

    o governador Luiz de Gonzaga Fonseca Mota nomeia os Profs. Cludio Rgis de Lima Quixad

    e Perpedes Franklin Maia Chaves, para as respectivas funes, a serem exercidas no perodo

    de 1984 a 1988. Este Reitorado foi particularmente frtil no esforo de proporcionar UECE

    uma infraestrutura fsica adequada, tornando o campus do Itaperi, sede da Universidade,

    um canteiro de obras.

    O 5 reitorado da UECE, referente ao perodo 1988 a 1992, teve como reitor e vice-

    reitor os Profs. Perpedes Franklin Maia Chaves e Luiz Tavares Jnior, respectivamente, e

    caracterizou-se pela consolidao da infraestrutura fsica iniciada no perodo anterior,

    avanando para a criao dos primeiros cursos de Mestrado, instalando a ps-graduao

    stricto sensu na UECE. Entre 1991 e 1992, foram implantados o Mestrado em Produo e

    Reproduo de Pequenos Ruminantes, o Mestrado em Letras e o Mestrado em

    Administrao.

    Para o 6 reitorado, perodo de 1992 a 1996, foram nomeados os Profs. Paulo de

    Melo Jorge Filho (Petrola) e Hlio Bonfim de Macedo, para as funes de reitor e vice-reitor,

    respectivamente, pelo governador Ciro Ferreira Gomes. A interiorizao e a graduao se

    consolidam. A graduao cresceu pela multiplicao de cursos de Cincias nos campi do

    interior e pela instalao do campus de Tau. A ps-graduao lato sensu tomou propores

    pela parceria com a Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior CAPES,

    do Ministrio da Educao MEC, em projeto de formao de professores para o ensino

    superior, com mbito regional, e a ps-graduao stricto sensu evoluiu, com a agregao dos

    Programas de Mestrado em Sade Pblica e Geografia.

  • 20

    Para o 7 reitorado, perodo de 1996 a 2000, foram nomeados pelo governador

    Tasso Ribeiro Jereissati, para as funes de reitor e de vice-reitor, respectivamente, os Profs.

    Manasss Claudino Fonteles e Francisco de Assis Moura Araripe. Os Cursos de Licenciatura

    Curta e Plena em Cincias foram reestruturados para Cursos de Licenciaturas em

    Matemtica, Fsica, Qumica e Biologia. A ps-graduao lato sensu expandiu-se. O Mestrado

    em Letras foi transformado em Lingustica Aplicada e mais quatro mestrados foram criados.

    Projetos de infraestrutura de pesquisa foram, pela primeira vez, financiados por agncias

    federais. Grande esforo normativo encejou um novo Estatuto e outro Regimento Geral, do

    Sistema FUNECE/UECE, atualizados perante a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educao

    Superior Brasileira.

    Para o 8 reitorado, no perodo de 2000 a 2004, foram nomeados pelo governador

    Tasso Ribeiro Jereissati, para as funes de reitor e de vice-reitor, respectivamente, os Profs.

    Manasss Claudino Fonteles e Francisco de Assis Moura Araripe, por meio de processo

    poltico decorrente do novo Estatuto da UECE, que passou a autorizar reeleio e

    transformava as duas listas sxtuplas, independentes, para reitor e vice-reitor, em uma s

    lista trplice, com as funes de reitor e de vice-reitor integradas em chapa nica. O Instituto

    Superior de Cincias Biomdicas ISCB foi concebido e implantado, iniciando a integrao

    das disciplinas afins e de organizao especfica da pesquisa. O Curso de Medicina foi criado.

    Mais quatro Mestrados foram acrescentados e o primeiro Doutorado implantado (Cincias

    Veterinrias). Nova Estrutura Organizacional foi concebida e encaminhada ao Governo

    Estadual.

    O 9 reitorado foi exercido pelo Prof. Francisco de Assis Moura Araripe, que

    assumiu a Reitoria da UECE no perodo de outubro de 2003 a maio de 2004 aps a sada do

    Prof. Manasss Claudino Fonteles.

    Para o 10 reitorado, no perodo de 2004 a 2008, foram nomeados pelo

    governador Lcio Gonalo de Alcntara, para as funes de reitor e de vice-reitor,

    respectivamente, os Profs. Jder Onofre de Moraes e Joo Nogueira Mota (Prof. Moraes). O

    Curso de Psicologia foi institudo, de trs programas de mestrados e dois de doutorado

    (Biotecnologia e Sade Coletiva) foram implantados. O ponto alto deste perodo foi a

    realizao da 54 Reunio Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Cincia - SBPC,

    pela primeira vez sediada em campus de universidade estadual fora do eixo Sul-Sudeste, em

    comemorao aos 30 anos da UECE. A profunda corroso dos salrios, no entanto,

  • 21

    conturbou o perodo, pela ocorrncia de trs grandes greves docentes, que resultaram, no

    final do perodo, na implantao de um Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos PCCV,

    satisfatrio para todos, por meio de mediao direta entre o movimento docente e o

    Governo Estadual.

    A atual Administrao Superior da UECE, o 10 reitorado, perodo 2008 a 2012,

    exercida pelos Profs. Francisco de Assis Moura Araripe e Antonio de Oliveira Gomes Neto,

    reitor e vice-reitor, respectivamente, nomeados pelo governador Cid Ferreira Gomes.

    Implanta-se, gradativamente, o PCCV. Recupera-se a infraestrutura de ensino e pesquisa,

    pela obteno de grandes projetos estruturantes. Recobra-se a rotina do funcionamento

    democrtico de todos os rgos de deliberao coletiva.

    2.1.1 A UECE: uma Universidade Multicampi

    A UECE atualmente se organiza em uma rede multicampi, privilegiando o ensino da

    graduao e da ps-graduao (lato e stricto sensu), a pesquisa e a extenso. Seus cursos so

    distribudos em cinco centros e sete faculdades, rgos da Administrao Intermediria da

    UECE, que tm por finalidade supervisionar, mediar, integrar e assessorar as atividades de

    ensino, pesquisa e extenso, em campos de conhecimento especficos, delimitados

    administrativamente.

    Na evoluo histrica da UECE, contada em seus documentos oficiais, as expresses

    processo de interiorizao e expanso de ensino superior esto presentes, indicando a

    atuao institucional em diversos municpios do Estado do Cear, com a criao de unidades

    no interior, em cidades com maior ndice populacional. A interiorizao das universidades foi

    um fato muito presente no contexto brasileiro, com origem nos anos 1960, produzindo

    discusses sobre os modelos da universidade, com as conceituaes e configuraes

    diversificadas.

    Dos anos 1990 em diante, efetivou-se com maior nfase a discusso das expresses

    universidade multicampi ou pluricampi. O termo multicampi pode ser atribudo UECE por

    caracterizar as universidades assim denominadas, como aquelas que traduzem enlaces

    importantes, de natureza geogrfica, regional e urbana, com a realizao de sua misso

    (FIALHO, 2000, pag. 131).

  • 22

    Nesta perspectiva, a UECE tem uma estrutura organizacional que integra unidades

    em Fortaleza e no interior do Cear, exercendo uma gesto de carter colegiado, com

    atuao espaciotemporal em contextos diversificados. Essa estrutura funciona baseada em

    modelo de gesto democrtica, associado a um processo de avaliao, ensejando decises

    plurais, adequadas a contextos especficos.

    Por ser uma universidade estadual, de natureza pblica, a UECE est integrada aos

    modelos organizacionais do Estado, estabelecendo um dilogo com diversas instncias

    governamentais, buscando a flexibilidade de processos e procedimentos administrativos,

    mantendo sua autonomia como instituio universitria, com vinculao a outros nveis de

    planejamento e regulao, no mbito municipal e no contexto federal.

    Para o perodo 2011-2015, a UECE, como instituio multicampi, dever ter ampliado

    o debate de sua misso e estrutura organizacional, de forma continuada e coletiva, na

    perspectiva de sua relao com os contextos especficos das unidades do interior e da

    Capital, refletindo sobre suas peculiaridades culturais, suas necessidades estruturais e

    pedaggicas e seus valores humanos, como um continum democrtico em busca da

    efetivao de suas funes sociais.

    A UECE, na qualidade de academia multicampi, tem, portanto uma identidade que a

    diferencia de outras instituies universitrias que no adotam este modelo, o qual, por sua

    natureza, exige maior interdependncia institucional, com gerenciamento descentralizado e

    decises adequadas a distintos contextos. Portanto, neste Plano de Desenvolvimento

    Institucional para o perodo 2011-2015, o desafio dar maior consistncia relao: misso

    da UECE, uma universidade multicampi, com sua estrutura organizacional, seu corpo

    docente e o seu papel social, integrando-a, de maneira mais efetiva, ao desenvolvimento do

    Estado do Cear.

    2.1.2 Campi da UECE

    A UECE uma universidade multicampi e possui alm dos dois campi na Capital, seis

    unidades no interior do Cear.

  • 23

    A) Campi da Capital

    Na capital do Estado, existem dois campi, o Campus do Itaperi (sede), onde

    funcionam o Centro de Educao CED, o Centro de Estudos Sociais Aplicados CESA, o

    Centro de Cincias da Sade CCS, o Centro de Cincias e Tecnologia CCT, a Faculdade de

    Veterinria FAVET, e o Instituto Superior de Cincias Biomdicas ISCB; e o Campus de

    Ftima, onde se localiza o Centro de Humanidades CH.

    A.1 Campus do Itaperi

    Centro de Cincias da Sade CCS

    Aps a instalao concreta da UECE no ano de 1977, foram institudos os centros que

    iriam abrigar os cursos de graduao, entre os quais o Centro de Cincias da Sade

    composto quela poca pelos cursos de Enfermagem (oriundo da Escola de Enfermagem So

    Vicente de Paula), Medicina Veterinria (procedente da Faculdade de Veterinria do Cear)

    e Nutrio (primeiro curso da rea de sade criado pela UECE), sob a direo do Professor

    Emmanuel Maia dos Santos Lima (mdico veterinrio). Onze anos depois, em 1988, o curso

    de Medicina Veterinria foi desvinculado do CCS e vinculado ento a recm-criada Faculdade

    de Veterinria.

    Transcorridos 16 anos de sua instituio, o CCS cria seu primeiro curso de ps-

    graduao stricto sensu, o Mestrado Acadmico em Sade Pblica, feito que impulsionou a

    instituio de outros cursos de graduao e ps-graduao.

    Foram fundados os seguintes cursos de graduao: em 1998, Cincias Biolgicas, em

    2002, Educao Fsica e, em 2003, o de Medicina. Foram tambm criados os seguintes cursos

    de ps-graduao stricto sensu: Mestrado Acadmico em Cincias Fisiolgicas, em 1999;

    Mestrado Profissional em Sade da Criana e do Adolescente, em 2003; Mestrado

    Acadmico em Cuidados Clnicos em Sade, em 2005, e o Doutorado em Sade Coletiva, em

    2006.

    Em 31/12/2010, o CCS contava com um corpo docente constitudo por 140

    professores, dos quais 128 (49,2%) doutores e 50 (35,7%) mestres. Com relao ao regime

    de trabalho, 122 (87,1%) possuam 40 horas, e, destes, 89 (56,4%) tinham dedicao

    exclusiva. Alm dos 140 professores efetivos, o CCS contava com 44 substitutos e dois

    visitantes. O quadro tcnico-administrativo era formado por 28 servidores em atividade.

  • 24

    Na modalidade de cursos de oferta temporria, o primeiro curso criado no CCS foi o

    de Especializao em Planejamento em Sade Pblica; atualmente existem 78 cursos e um

    total de 1.111 alunos. No ano de 2002, foi fundado o curso Superior Sequencial em Frutos

    Tropicais, com turmas nos Municpios de Russas e Itapipoca.

    O corpo discente do CCS, de cursos de oferta regular, formado por,

    aproximadamente, 1.577 alunos de graduao e 196 estudantes de ps-graduao stricto

    sensu.

    Centro de Estudos Sociais Aplicados CESA

    O Centro de Estudos Sociais Aplicados constitudo por trs cursos de graduao -

    Administrao, Servio Social e Cincias Contbeis. Seu primeiro diretor, nomeado quando

    da incorporao dos cursos de Administrao e Servio Social UECE, foi o Professor Jlio

    Csar do Monte.

    O curso de Administrao singularizado no cenrio universitrio cearense pelo seu

    pioneirismo. Surgiu em 1960, como Escola de Administrao do Cear EAC, com origem

    numa organizao da sociedade civil denominada Instituto Cearense de Administrao. No

    gnero, trata-se de um dos primeiros cursos instalados no Brasil. Em 1975, a EAC foi

    incorporada UECE, na condio de Curso de Administrao.

    O Curso de Servio Social foi criado em 1950, por iniciativa do Arcebispo de Fortaleza,

    Dom Antnio de Almeida Lustosa, e da Associao de Educao Familiar e Social. Com a

    criao da UECE, ele foi incorporado ao CESA. Durante 55 anos foi o nico curso de

    graduao existente no Cear responsvel pela formao de assistentes sociais, e

    atualmente o nico em IES pblica.

    O Curso de Cincias Contbeis o mais recente e teve o seu funcionamento iniciado

    em 1987, para atender uma demanda reprimida de pessoas desejosas de ingressar no ensino

    superior, buscando a formao na rea contbil, alm da constante e crescente necessidade

    do mercado de trabalho. Ressalte-se que s existiam, at ento, trs cursos superiores em

    Contabilidade no Estado do Cear.

    Vale ressaltar que o CESA mantinha, at o ano de 2009, a habilitao em

    Administrao Pblica, conservando a tradio da formao nessa rea, pois foi instituda

    quando da criao da Escola de Administrao do Cear. Julgou-se, no entanto, que era

  • 25

    necessrio um esforo maior da Universidade em prol da formao dos agentes pblicos,

    fortalecendo e modernizando a Gesto Pblica no meio local.

    No Projeto, procura-se tornar o curso uma referncia regional, criando-se junto a ele

    um ncleo voltado para o estmulo interiorizao do ensino, por meio de cursos

    semipresenciais, alm de grupos de pesquisa e extenso que valorizem cada vez mais a

    qualificao dos agentes pblicos.

    Em 31/12/2010, o CESA contava com um corpo docente constitudo por 103

    professores, dos quais 39 (37,9%) possuam titulao de mestre e 25 (24,3%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho 88 (85,4%) professores possuam 40 horas e, destes, 46

    (44,7%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 103 professores efetivos, o CESA contava com

    18 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por 23 servidores em atividade.

    Centro de Cincias e Tecnologia CCT

    O Centro de Cincias e Tecnologia surgiu tambm a partir da instalao da UECE, em

    1977, e teve como primeiro diretor o Professor Caio Lssio Botelho. Dentre os principais

    objetivos do CCT destacam-se: proporcionar uma slida formao de base em Cincia e

    Tecnologia, bem como a prtica de uma aprendizagem continuada e sistematizada, que

    permita aos seus graduandos integrarem aspectos tecno-cientficos, sociais e humanos, de

    forma a torn-los agentes de mudana e inovao na sociedade, respondendo s

    necessidades da sociedade em geral e do sistema produtivo em particular.

    O CCT constitudo por quatro cursos de licenciatura Geografia, Fsica, Qumica e

    Matemtica e trs de bacharelado Cincia da Computao, Geografia e Fsica, na

    modalidade presencial. No ano de 2009, a UECE passou a ofertar os seguintes cursos de

    graduao na modalidade semipresencial: Licenciatura em Fsica, Licenciatura em

    Matemtica, Licenciatura em Qumica e Licenciatura em Informtica, ofertados sob o abrigo

    de convnio firmado pela UECE com o Ministrio da Educao/FNDE/UAB, com ncleos de

    apoio nos seguintes municpios: Maranguape, Mauriti, Ors, Misso Velha, Piquet Carneiro e

    Tau.

    Em 31/12/2010, o CCT contava com um corpo docente constitudo por 107

    professores, dos quais 35 (32,7%) possuam titulao de mestre e 52 (48,6%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho 95 (88,8%) professores possuam 40 horas e, destes, 73

  • 26

    (70,8%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 107 professores efetivos, o CCT contava com

    31 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por 39 servidores em atividade.

    Faculdade de Veterinria FAVET

    O Projeto de Lei criando a Faculdade de Veterinria do Cear foi aprovado pela

    Assembleia Legislativa em 1962. Funcionando Rua Princesa Isabel, no centro de Fortaleza,

    seu primeiro vestibular deu-se em maro de 1963 e, quatro anos depois, a Faculdade de

    Veterinria do Cear se instalou nas dependncias da Fazenda Experimental, doada pelo

    Ministrio de Agricultura, localizada no Itaperi.

    Com a criao da Universidade Estadual do Cear em maro de 1975, a Faculdade de

    Veterinria do Cear foi encampada, semelhana do Curso de Enfermagem, pelo Centro de

    Cincias da Sade CCS, tornando-se Curso de Veterinria. Em novembro 1987, o Curso de

    Veterinria foi desmembrado do CCS, mediante ato homologado pelo Conselho Universitrio

    CONSU, tornando-se, novamente, Faculdade de Veterinria FAVET.

    Com a misso de produzir e disseminar conhecimentos e formar profissionais aptos a

    promover o desenvolvimento sustentvel e melhorar a qualidade de vida na regio, a FAVET,

    ao longo de seus 47 anos de existncia, formou mdicos-veterinrios cuja atuao merece

    destaque nas diversas regies do Pas, desenvolvendo trabalhos nas reas de extenso rural,

    clnica mdica e cirrgica de pequenos e de grandes animais, pesquisas agropecurias,

    magistrio superior, sade pblica, dentre outras.

    No Estado do Cear a importncia da Faculdade de Veterinria pode ser mensurada

    observando-se o setor agropecurio ou do agronegcio, o qual apresenta ndices

    significativos nos vrios segmentos de criao e explorao animal.

    Em 31/12/2010, a FAVET contava com um corpo docente constitudo por 50

    professores, dos quais nove (18%) possuam titulao de mestre e 40 (80%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 49 (98%) possuam 40 horas e, destes, 40 (80%) tinham

    dedicao exclusiva. Alm de 50 professores efetivos, a FAVET contava com sete substitutos.

    O quadro tcnico-administrativo era formado por 33 servidores em atividade.

    A FAVET destaca-se na excelncia do ensino de graduao a mais de 300 alunos no

    curso, por meio da alta qualidade da produo cientfica observada nos seus cursos de ps-

    graduao Mestrado e Doutorado em Cincias Veterinrias. A prestao de servios

  • 27

    mdicos e cirrgicos a animais de pequeno e mdio porte e de produo, tambm, faz da

    FAVET uma referncia para o Estado.

    Centro de Educao CED

    O Centro de Educao foi criado pela Resoluo N 189/98-CONSU, de 16 de outubro

    de 1998.

    O CED desenvolve suas atividades por meio das quatro Coordenaes integrantes de

    sua estrutura: Curso de Pedagogia, Educao a Distncia, Ensino Lato Sensu e Mestrado

    Acadmico em Educao, com rea de concentrao em Formao de Formadores.

    O pedagogo formado pelo atual Curso de Pedagogia o docente profissional

    habilitado para atuar nos anos iniciais do ensino fundamental e nas disciplinas pedaggicas

    de nvel mdio. Recebe, ainda, o preparo para o apoio e coordenao do trabalho

    pedaggico.

    A clientela do Curso de Pedagogia encontra-se distribuda nos turnos da manh e

    noite. Sua carga horria de 2.400 h/a, compreendendo 162 crditos, sendo 146 em

    disciplinas obrigatrias e 16 optativas.

    A Coordenao de Ensino Lato Sensu do Centro de Educao tem como objetivo

    oferecer qualificao especializada a profissionais interessados em temticas vinculadas

    educao, ao ensino e formao de professores. Os cursos so autofinanciados e envolvem

    docentes da UECE e de outras IES. Esta Coordenao responsvel pela elaborao de

    projetos de cursos e acompanhamento de sua tramitao nas vrias instncias da UECE;

    divulgao, inscrio, seleo, matrcula e execuo; produo de relatrios; certificao e

    emisso de declaraes, e certides e histricos. Estas aes constituem atividades centrais

    deste setor.

    O Curso de Mestrado Acadmico em Educao CMAE do Centro de Educao da

    UECE, criado pela Resoluo n 2.486-CEPE, de 06 de dezembro de 2002, com rea de

    concentrao em Formao de Professores, iniciou suas atividades em 2004. Foi

    homologado por meio da Portaria do CNE n 1.652, de 03 de junho de 2004.

    Em 31/12/2010, o CED contava com um corpo docente constitudo por 40

    professores, dos quais 13 (32,5%) possuam titulao de mestre e 24 (60%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho 40 (100,0%) possuam 40 horas e, destes, 37 (82,5%) tinham

    http://www.ced.uece.br/http://www.uece.br/

  • 28

    dedicao exclusiva. Alm dos 40 professores efetivos, o CED contava com 13 substitutos. O

    quadro tcnico-administrativo era formado por 11 servidores em atividade.

    Instituto Superior de Cincias Biomdicas ISCB

    O Instituto Superior de Cincias Biomdicas constitudo, primordialmente, por

    laboratrios de pesquisa cientfica experimental na rea de Cincias Biomdicas.

    O ISCB foi criado pela Resoluo n 411-CONSU, de 15 de setembro de 2003, com a

    finalidade de supervisionar, mediar, integrar e assessorar as atividades de Pesquisa, Ensino e

    Extenso no Campo das Cincias Biomdicas. Dentre os objetivos do ISCB, destacam-se:

    realizar e fomentar a pesquisa cientfica original, principalmente aquelas voltadas para

    temas do semirido do Nordeste; promover a utilizao do conhecimento mediante a

    extenso universitria; integrar a pesquisa com os ensinos de ps-graduao e graduao; e

    promover a interiorizao da pesquisa cientfica experimental, levando-a aos campi da UECE

    no interior do Estado do Cear.

    O ISCB desenvolve programas e parcerias, convnios e outros instrumentos de

    cooperao com universidades e instituies locais e internacionais, com o objetivo de

    tornar-se um Instituto de referncia de pesquisa na rea das Cincias Biomdicas. O ISCB

    mantm por intermdios de seus grupos de pesquisa e pesquisadores, atividades e

    colaborao cientfica com vrias instituies internacionais, nacionais, regionais e locais,

    entre as quais se destacam: University of Maryland USA, University of Virginia USA,

    University of Montreal Canad, Instituto de Cincias Biolgicas da Universidade de So

    Paulo e Instituto Butant, ambos em So Paulo, Departamento de Fisiologia e Farmacologia

    da Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Fisiologia e Farmacologia da

    Universidade Regional do Cariri e Fundao Mussamb, em Crato, e Departamento de

    Fisiologia e Farmacologia da UFC.

    O ISCB visa a incrementar a excelncia da produo cientfica na rea com a

    promoo da multidisciplinaridade dos estudos. Para tal, mantm um corpo de

    pesquisadores, tambm professores de graduao, lotados em centros e faculdades da UECE

    como o CCS, o CCT e a FAVET. Desde a fundao do ISCB, esses pesquisadores mantm sob a

    sua coordenao vrios laboratrios de pesquisa, aos quais se agrega uma populao mdia

    de aproximadamente 45 alunos de ps-graduao ligados ao Mestrado Acadmico em

    Cincias Fisiolgicas MACF e Rede Nordeste de Biotecnologia RENORBIO, bem como

  • 29

    120 de graduao (estagirios e bolsistas de iniciao cientfica de vrios programas, como o

    PROVIC, o IC-UECE, o ICT-FUNCAP, o PIBIC-CNPq etc).

    Visando a excelncia cientfica, o ISCB atribui a si a angariao de recursos e a

    qualificao de seus pesquisadores para montagem e implantao de estruturas a fim de

    servir a mltiplos usurios, como o Laboratrio de Microscopia Eletrnica e o Biotrio de

    Reproduo e de Experimentao da UECE.

    A.2 Campus de Ftima

    No Campus de Ftima, localizado na Avenida Luciano Carneiro, em Fortaleza,

    funciona o Centro de Humanidades CH.

    O CH foi tambm constitudo com a implantao da UECE em 1975. O CH originou-se

    da antiga Faculdade de Filosofia do Cear FAFICE, que contava com os cursos de Filosofia e

    Letras em funcionamento desde 1947, ano de sua criao. Em 1966 a FAFICE foi encampada

    pelo Governo do Estado do Cear e, em 1967 transformou-se em autarquia por meio da Lei

    n 8.737, de 25 de janeiro de 1967. O primeiro diretor do CH, nomeado quando da criao

    da UECE foi o Professor Luiz Moreira.

    Atualmente o CH que possui sete cursos de graduao, sendo seis na modalidade

    presencial Cincias Sociais, Filosofia, Histria, Letras, Msica e Psicologia e um de Artes

    Plsticas, na modalidade a distncia.

    A Direo do Centro de Humanidades est localizada no Campus de Ftima, mas o CH

    se encontra presente nos dois campi da UECE em Fortaleza, no Campus de Ftima Cincias

    Sociais, Filosofia, Letras e Psicologia; e no Campus do Itaperi Histria, Msica e Artes

    Plsticas.

    Alm dos cursos de graduao, o CH possui cinco cursos de ps-graduao stricto

    sensu, assim distribudos: no Campus do Itaperi: Mestrado Acadmico em Histria e

    Culturas, Mestrado Acadmico em Polticas Pblicas e Sociedade e Mestrado Profissional em

    Planejamento e Polticas Pblicas; no Campus de Ftima: Mestrado Acadmico em Filosofia e

    Mestrado Acadmico em Lingustica Aplicada. Tambm merece destaque o principal

    programa de Extenso Universitria do CH o Ncleo de Lnguas Estrangeiras no qual

    funcionam cursos regulares de Espanhol, Francs, Grego, Ingls, Italiano, Latim e Japons.

    Em 31/12/2010, o CH contava com um quadro docente composto por 167

    professores, dos quais 56 (33,5%) possuam titulao de mestre e 76 (45,5%) de doutor. Com

  • 30

    relao ao regime de trabalho, 158 (94,6%) possuam 40 horas e, destes, 92 (55,0%) tinham

    dedicao exclusiva. Alm de 167 professores efetivos, o CH contava com 35 substitutos. O

    quadro tcnico-administrativo era formado por 31 servidores em atividade.

    B) Campi do Interior

    No interior do Estado consolidaram-se seis campi, cada um em municpios situados

    estrategicamente, quais sejam Limoeiro do Norte, na Regio Jaguaribana a Faculdade de

    Filosofia Dom Aureliano FAFIDAM; Quixad, no Serto Central a Faculdade de Educao,

    Cincias e Letras do Serto Central FECLESC; Iguatu, na Regio Centro-Sul a Faculdade de

    Educao, Cincias e Letras de Iguatu FECLI; Crates, na Regio Oeste/Ibiapaba a

    Faculdade de Educao de Crates FAEC; Itapipoca, na Regio Noroeste a Faculdade de

    Educao de Itapipoca FACEDI; e Tau, na Regio dos Inhamuns o Centro de Educao,

    Cincias e Tecnologia da Regio dos Inhamuns CECITEC.

    B.1 Campus de Limoeiro do Norte FAFIDAM

    Atendendo a uma reivindicao de Dom Aureliano Matos, bispo da Diocese de

    Limoeiro do Norte, o governador Cel. Virgilio Tvora criou, pela Lei n 8.557, de 19 de agosto

    de 1966, a Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos FAFIDAM. Estruturada como

    autarquia estadual em janeiro de 1967, pela Lei n 8.716, passou a gozar de autonomia

    administrativa, financeira, pedaggica e disciplinar, a exemplo da Faculdade de Filosofia do

    Cear, da Escola de Administrao e da Escola de Veterinria do Cear.

    A abertura dos cinco primeiros cursos de licenciatura Letras, Pedagogia, Histria,

    Geografia e Matemtica foi autorizada pelo Conselho de Educao do Cear, pelo Parecer

    n 425/68. Em 08 de novembro de 1977, foi publicado no Dirio Oficial do Cear o Decreto

    n 8.295, que autorizava a abertura das inscries para o primeiro Concurso Pblico de

    Provas e Ttulos para o ingresso no magistrio superior de profissionais que formariam o

    corpo docente da ento recm-criada Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos.

    A realizao do primeiro concurso vestibular aconteceu no dia 03 de janeiro de 1968.

    A aula inaugural, proferida pelo historiador Raimundo Giro, ento secretrio da Cultura do

    Estado do Cear, ocorreu no dia 08 de agosto de 1968.

    At o ano de 1973, por ser uma autarquia estadual, a FAFIDAM teve personalidade

    jurdica e independncia oramentria. Desde ento, passou a ser mantida pela Fundao

  • 31

    Educacional do Estado do Cear FUNEDUCE, criada pela Lei n 9.753, de 18 de outubro de

    1973, extinguindo, assim, as autarquias estaduais de educao. Em 1981, a FAFIDAM

    integrada Universidade Estadual do Cear UECE, por parecer do Conselho Federal de

    Educao, passando a obedecer ao regimento desta universidade.

    Atualmente a FAFIDAM conta com oito cursos de Licenciatura, em Geografia,

    Histria, Letras (Portugus e Ingls), Pedagogia, Cincias Biolgicas, Matemtica, Fsica e

    Qumica, e com um curso de bacharelado em Administrao de Empresas, na modalidade a

    distncia. Alm dos cursos de graduao, a FAFIDAM oferece atualmente cinco cursos de

    ps-graduao lato sensu, nas reas de Meio Ambiente, Ensino de Matemtica, Ensino da

    Lngua Portuguesa, Gesto Educacional e Estudos Literrios.

    Encontram-se em desenvolvimento 11 projetos de pesquisa com financiamento dos

    rgos de fomento e dez projetos de extenso acadmica, que fortalecem o ensino de

    graduao e ps-graduao, ao mesmo tempo em que amplia a articulao da Universidade

    com a Sociedade, cumprindo sua misso precpua de produzir e socializar conhecimento,

    formar profissionais crticos comprometidos com o desenvolvimento educacional, social,

    econmico, poltico e cultural da Regio do Vale do Jaguaribe.

    Em 31/12/2010, a FAFIDAM contava com um corpo docente formado por 63

    professores, dos quais 43 (68,2%) possuam titulao de mestre e 11 (17,4%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 63 (100%) possuam 40 horas e, destes, 49 (77,8%) dedicao

    exclusiva. Alm de 63 professores efetivos, a FAFIDAM contava com 30 substitutos. O

    quadro tcnico-administrativo era formado por 16 servidores em atividade.

    A graduao conta com 1.850 alunos matriculados, oriundos das cidades de Aracati,

    Fortim, Icapu, Itaiaba, Jaguaruana, Palhano, Quixer, Morada Nova, Limoeiro do Norte, So

    Joo do Jaguaribe, Russas, Jaguaribe, Alto Santo, Jaguaretama, Potiretama, Pereiro e

    Jaguaribara.

    B.2 Campus de Quixad FECLESC

    A Faculdade de Educao, Cincias e Letras do Serto Central FECLESC, criada em

    1976, como resultado da luta e mobilizao da sociedade quixadaense e do serto central

    cearense, passou a fazer parte da Universidade Estadual do Cear UECE, em 1983, com a

    implantao dos Cursos de Pedagogia, Cincias e Histria, reconhecidos pelo Conselho

    Federal de Educao em 1988.

  • 32

    A FECLESC ocupa lugar de destaque na regio central do Estado do Cear e no macio

    de Baturit. Atualmente mantm com oito cursos de graduao: Pedagogia, Histria, Letras

    (Portugus e Ingls), Qumica, Matemtica, Fsica e Cincias Biolgicas. A FECLESC abriga

    hoje 1.409 alunos dos cursos de graduao, incluindo os do FECOP, e 622 dos programas de

    extenso.

    Em 31/12/2010, a FECLESC contava com um corpo docente constitudo por 62

    professores, dos quais 31 (50,0%) possuam titulao de mestre e 25 (40,3%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 62 (100%) possuam 40 horas e, destes, 49 (79,0%) tinham

    dedicao exclusiva. Alm de 62 professores efetivos, a FECLESC contava com 15 substitutos.

    O quadro tcnico-administrativo era formado por 25 servidores em atividade.

    Ao longo de mais de duas dcadas, a FECLESC continuamente, amplia e consolida a

    formao de jovens profissionais na rea da docncia para atender a uma demanda

    constante, ajudando, dessa forma, a superar as limitaes impostas regio do semirido,

    por meio de respostas que contribuem para o desenvolvimento sustentvel e para a

    formao intelectual, profissional, social e cultural de sua populao.

    B.3 Campus de Iguatu FECLI

    A Faculdade de Educao, Cincias e Letras de Iguatu foi criada como uma Autarquia

    de Natureza Especial, em 1979, pela Lei Municipal n 558/79, de 24 de dezembro,

    complementada pelas Leis n 559/79 e n 1.006/80. Em 14 de julho de 1980 e em 10 de

    setembro do mesmo ano, a Cmara de Ensino Superior, do Conselho de Educao do Cear -

    CEE deu parecer favorvel ao funcionamento da FECLI. A autorizao de funcionamento foi

    objeto do Decreto Estadual n 85.731, de 17 de fevereiro de 1981, que se baseou no Parecer

    n 1.192/80, do CEE. O primeiro curso superior da FECLI Licenciatura de Curta Durao em

    Pedagogia, com Habilitaes em Administrao, Superviso e Inspeo Escolar teve, ento,

    sua aula inaugural pronunciada pelo Professor Cludio Martins, em 21 de maro de 1981.

    A reivindicao da comunidade acadmica de encampao da FECLI, pela Fundao

    Universidade Estadual do Cear FUNECE, foi oficializada pelo Decreto Estadual n 15.502, de

    10 de setembro de 1982, e pelo Termo de Encampao, assinado pela UECE em 17 de dezembro

    de 1983.

    Em 29 de agosto de 1986, o Conselho Federal de Educao reconheceu o Curso de

    Licenciatura de Curta Durao em Pedagogia, da FECLI, pelo Parecer n 487/86.

  • 33

    A aprovao de duas licenciaturas plenas da FECLI em Pedagogia, com Habilitao

    em Magistrio, e em Letras, com Habilitaes em Portugus/Ingls e Portugus/Literatura

    consta da Resoluo n 318-CEPE, de 05 de junho de 1989. O Curso de Pedagogia foi

    implantado no primeiro perodo de 1990, seguindo a Resoluo n 071 CONSU, de 25 de

    setembro de 1989. J o curso de Letras foi implantado no segundo perodo de 1990. Esses

    Cursos foram reconhecidos em 02 de outubro de 1997, conforme os Pareceres n 1.007/97 e

    n 1.008/97 do Conselho Nacional de Educao CNE, publicados no Dirio Oficial da Unio

    de 11 de novembro de 1997.

    Um projeto de expanso da FECLI foi aprovado pela Resoluo n 2.229-CEPE, de 21

    de maro de 2000. Em 10 de agosto desse mesmo ano, a Resoluo n 221-CONSU criou os

    cursos de Licenciatura Plena em Matemtica, Fsica, Qumica e Cincias Biolgicas. No

    primeiro semestre de 2002, foram oferecidas vagas, na FECLI, para os cursos de Matemtica

    e Fsica. A Resoluo n 2.569-CEPE criou o curso de Licenciatura Plena em Cincias

    Biolgicas, em 17 de julho de 2003. O Edital n 006/2003, de 09 de maio de 2003, ofertou

    vagas para esse curso, para o segundo semestre de 2003.

    Alm dos cinco cursos de Licenciatura Plena Presencial (Pedagogia, Matemtica,

    Fsica, Cincias Biolgicas e Letras, com habilitaes em Portugus e Ingls), a FECLI oferece,

    ainda, uma turma de Bacharelado em Administrao de Empresa, na modalidade de

    Educao a Distncia.

    A FECLI registra quatro cursos de ps-graduao latu sensu as especializaes em

    Lngua Portuguesa, Literatura do Sculo IX e XX, Lngua e Literatura Inglesas e Abordagens e

    Perspectivas de Histria.

    As atividades de Extenso, na FECLI, incluem o Curso de Educao Inclusiva, em

    parceria com a Associao de Pais e Amigos de Excepcionais APAE - Iguatu, minicursos de

    Lngua Portuguesa e de Lngua Inglesa, no mbito das disciplinas Prtica de Ensino de

    Portugus e de Ingls, o evento anual Semana de Letras, o Circuito de Palestras dos Cursos

    de Graduao da FECLI, com quatro eventos semestrais, por curso, a Jornada Cientfica,

    desenvolvida anualmente pelos Cursos de Matemtica, Fsica e Biologia, o Ncleo de Estudos

    de Latim, o CineArte FECLI Letras, o CineCincia FECLI Fsica, o Projeto Jornal A Voz

    Acadmica e o Grupo de Estudos sobre Poesia Popular.

    Em 31/12/2010, a FECLI contava com um quadro docente constitudo por 25

    professores, dos quais 15 (60,0%) possuam titulao de mestre e 4 (16%) de doutor. Com

  • 34

    relao ao regime de trabalho, 24 (96,0%) professores possuam 40 horas e, destes, 14

    (58,3%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 25 professores efetivos, a FECLI contava com

    21 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por 14 servidores em atividade.

    B.4 Campus de Crates FAEC

    A Resoluo n 32-CEPE, de 31 de agosto de 1982, criou o Curso de Pedagogia no

    municpio de Crates, o que possibilitou o incio das atividades da FAEC, cuja primeira turma

    ingressou em 1983. Refletindo o processo de interiorizao da UECE na regio do Estado do

    Cear conhecida como Sertes de Crates, a implantao desse curso atendia a antigos

    anseios e demandas da sociedade local por uma escola de nvel superior.

    Em 29 de janeiro de 1988, pelo Parecer n 8288, o Conselho Federal de Educao

    reconheceu o Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia de Crates, concretizando-se dessa

    maneira a instituio.

    A Resoluo n 255-CONSU, de 10 de agosto de 2000, instituiu os cursos de

    Licenciatura Plena em Qumica e Licenciatura Plena em Cincias Biolgicas, cujas primeiras

    turmas iniciaram em 2002.2. Atualmente, os trs cursos so reconhecidos pelo Conselho

    Educao do Cear.

    A FAEC, juntamente com a Secretaria de Educao Distncia, oferece o Curso de

    Administrao na modalidade a distncia, projeto de parceria da UECE com o Banco do

    Brasil.

    Em 31/12/2010, a FAEC contava com um quadro docente constitudo por 26

    professores, dos quais 18 (69,2%) possuam titulao de mestre e 6 (23,0%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 26 (100%) dos professores possuam 40 horas e, destes, 21

    (80,7%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 26 professores efetivos, a FAEC contava com

    15 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por 13 servidores em atividade.

    O corpo discente da FAEC formado por, aproximadamente, 700 alunos oriundos de

    Crates, Independncia, Novo Oriente, Nova Russas, Tamboril, Sucesso e Ipaporanga.

    A FAEC, at o semestre 2008.2, formou 804 Pedagogos, 28 licenciados em Qumica e

    35 licenciados em Cincias Biolgicas, totalizando 867 profissionais que prestam relevantes

    servios sociedade local.

  • 35

    B.5 Campus de Itapipoca FACEDI

    Em 1983, criou-se, na cidade de Itapipoca a Faculdade de Educao, com o curso de

    Pedagogia, vinculada Universidade Estadual do Cear UECE, graas ao esforo coletivo da

    sociedade local e de representaes polticas. Funcionando inicialmente nas dependncias do

    Colgio Estadual Joaquim Magalhes, a FACEDI recebeu, finalmente, sua nova sede em 31 de

    agosto de 1995.

    O Curso de Pedagogia da FACEDI foi reconhecido pelo Conselho Federal de Educao

    em 1988 e conta hoje com 374 alunos matriculados. O Curso de Licenciatura em Cincias

    Biolgicas foi reconhecido pelo Conselho de Educao do Cear pelo Parecer n 0482/2008,

    de 24/09/2008, e conta atualmente com um total de 130 alunos matriculados. O Curso de

    Licenciatura em Qumica foi reconhecido pelo Parecer n 0561/2008 do CEC, de 12/11/2008,

    e conta hoje com um total de 100 alunos matriculados.

    A FACEDI, juntamente com a Secretaria de Educao a Distncia SEAD, oferece o

    Curso de Administrao modalidade a distncia, projeto em parceria com o Banco do Brasil.

    O raio de atuao da FACEDI engloba outros 14 municpios (Amontada, Apuiars,

    Itapaj, Mirama, Paracuru, Paraipaba, Pentecoste, So Gonalo do Amarante, So Luiz do

    Curu, Tejuuoca, Trairi, Tururu, Umirim e Uruburetama), alm de Itapipoca.

    A FACEDI tambm conta com a participao de seus alunos no programa de monitoria

    acadmica da prpria UECE, nos programas de iniciao cientfica ofertados pelas entidades

    de fomento (IC-UECE, ICT-FUNCAP) e em programas de estgios no obrigatrios mediante

    convnios com entidades locais, como a CAGECE e o CENTEC e outros.

    Em 31/12/2010, a FACEDI contava com um quadro docente constitudo por 29

    professores, dos quais 28 (75,8%) possuam titulao de mestre e 6 (23,0%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 29 (100%) dos professores possuam 40 horas e, destes, 28

    (96,6%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 29 professores efetivos, a FACEDI contava com

    13 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por 12 servidores em atividade.

    No que diz respeito s atividades de extenso universitria, a Faculdade atua no

    Conselho Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, no Frum Permanente de Defesa do

    Meio Ambiente e na Companhia de Gesto de Recursos Hdricos COGEHR. Participa e

    coordena o Projeto Frum de Reflorestamento da Regio Serrana de Itapipoca, e desde 2006

    participa do Programa Nacional de Educao na Reforma Agrria PRONERA. So tambm

  • 36

    projetos de extenso da Faculdade, o Projeto de Arte Educao, o Projeto Tubo de Ensaio, o

    Projeto Coral EnCantando a FACEDI, e o Laboratrio LUTEMOS.

    A Faculdade de Educao de Itapipoca oferece, junto com o programa FECOP do

    Governo do Estado, o Curso de Licenciatura em Qumica, em Umirim, com 35 alunos

    matriculados, e o Curso de Licenciatura em Cincias Biolgicas, em Amontada, com 32 alunos

    matriculados.

    B.6 Campus de Tau CECITEC

    O Centro de Educao, Cincias e Tecnologia foi criado pela Resoluo n0 743-CEPE

    de 03 de maio de 1994. Com a nova proposta da estrutura organizacional, esta unidade,

    embora com a denominao inicial, passar a ser considerada no um centro e sim uma

    faculdade, conforme estabelece a Regimento Geral da UECE para suas unidades do interior.

    O CECITEC teve suas atividades acadmicas iniciadas em 19 de junho de 1995 e sua rea de

    atuao abrange os Municpios de Aiuaba, Arneiroz, Catarina, Quiterianpolis, Parambu e

    Tau.

    O CECITEC atualmente oferece os cursos de Licenciatura em Pedagogia, Cincias

    Biolgicas e Qumica e j diplomou 516 profissionais em graduao e ps-graduao, sendo

    262 em Pedagogia, 139 em Cincias, com habilitao em Matemtica e Fsica, Qumica e

    Biologia, 13 em Licenciatura Plena em Qumica e 31 em Licenciatura Plena em Cincias

    Biolgicas. Formou tambm 71 profissionais em Ps-Graduao lato sensu, dos quais 27 em

    Psicomotricidade, 22 em Educao Especial e 22 em Gesto Educacional.

    Na rea Extensionista, o CECITEC oferece cursos de Lngua Inglesa, em convnio com

    o PROLIN-PRAE. O Centro registra atualmente um total de 16 bolsistas sendo 14 bolsas de

    assistncia estudantil da Pr-Reitoria de Polticas Estudantis-PRAE e duas bolsas de Iniciao

    Cientifica por meio do Projeto de Incentivo Interiorizao da Fundao Cearense de Apoio

    ao Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico FUNCAP.

    Em 31/12/2010, o CECITEC contava com um corpo docente constitudo por 20

    professores, dos quais sete (35,0%) possuam titulao de mestre e um (5%) de doutor. Com

    relao ao regime de trabalho, 20 (100,0%) professores possuam 40 horas e, destes, 14

    (70,0%) tinham dedicao exclusiva. Alm de 20 professores efetivos, o CECITEC contava

    com 11 substitutos. O quadro tcnico-administrativo era formado por trs servidores em

    atividades.

  • 37

    O corpo discente possui 383 alunos, sendo 123 no curso de Pedagogia, 139 no curso

    de Cincias Biolgicas e 121 no curso de Qumica. Todos os cursos do CECITEC so

    reconhecidos pelo CEC.

    2.2 Misso Institucional e Viso de Futuro

    2.2.1 Misso Institucional

    Produzir e disseminar conhecimentos e formar profissionais para promover o

    desenvolvimento sustentvel e a qualidade de vida da regio.

    2.2.2 Viso de Futuro

    Universidade de projeo nacional pela excelncia do ensino, da produo cientfica e

    da contribuio efetiva ao desenvolvimento do Pas.

    2.3 A UECE no Cenrio Local, Regional, Nacional e Internacional

    As sociedades atravessam um perodo de intensas mudanas, com o questionamento

    de inmeros paradigmas que, ao longo do ltimo sculo, direcionaram o desenvolvimento

    social e econmico. Esses questionamentos produziram o redesenho da cartografia mundial

    e as naes, como as organizaes e pessoas buscam ainda seu referencial em um novo

    centro de equilbrio.

    Talvez ainda seja cedo para se fazer uma anlise do sculo XX, tantas foram as

    mudanas introduzidas. Percebe-se, entretanto, que as modificaes produzidas pela

    revoluo dos costumes e pelo vertiginoso avano da cincia e da tecnologia continuaro a

    marcar fortemente a sociedade do sculo XXI.

    Envolvida no contexto das mudanas por que passam as sociedades, a Universidade,

    como instituio social, passa tambm a ser questionada quanto ao seu papel, desempenho

    e, especialmente, seus histricos compromissos sociais. Esses questionamentos decorrem de

    vrios fatores, entre os quais esto o paradigma da Ps-Modernidade, o desgaste das

    utopias, o progressivo desenvolvimento e disseminao das novas tecnologias de

    comunicao e a descentralizao da produo do conhecimento. De qualquer modo, na

  • 38

    Universidade, a crtica ao conhecimento institudo e/ou produzido permanece sem

    cerceamento.

    O Brasil, buscando sua insero no contexto da sociedade que est sendo

    configurada, defronta-se com enormes contradies sociais e econmicas.

    Consequentemente, cresce a conscincia social de que, para assumir um lugar destacado no

    conjunto das naes, o Pas ter de procurar opes de crescimento sustentado, como

    forma, inclusive, de superar os desafios econmicos e as contradies sociais em que est

    imerso.

    Para superar estes desafios, o Brasil, necessariamente, ter de democratizar o acesso

    educao superior, de modo a incluir nesta modalidade de ensino um contingente de

    jovens que hoje se veem privados de condies tanto para o acesso quanto para sua

    manuteno como estudantes. E esta incluso no se dar sem um investimento substancial

    na Universidade Pblica.

    Ante tal situao, a Universidade Pblica ter que se defrontar com uma srie de

    exigncias. Sua capacidade de resposta, no entanto, se v prejudicada por polticas

    restritivas ao seu financiamento e indutoras da massificao, em vez da sua democratizao,

    pela ausncia de polticas consistentes que assegurem o seu lugar na sociedade e tambm

    pela caracterstica com que reage s mudanas e inovaes provenientes do ambiente

    externo.

    A Universidade Pblica brasileira, no entanto, e apesar de tais adversidades, resiste,

    criando estratgias que aprimoram suas atividades de ensino, pesquisa e extenso. Dessa

    forma, contribui decisivamente na criao das condies bsicas para o crescimento

    cientfico-tecnolgico do Pas.

    A Universidade Estadual do Cear UECE est localizada no terceiro Estado do

    Nordeste em populao e no centro da Regio, em um ponto estratgico para a

    comunicao do Brasil com frica, Europa e Amrica do Norte. O Cear tenta superar, com

    incremento da infraestrutura, as limitaes impostas pelas condies geofsicas e scio-

    histricas. Secularmente castigado por secas, o Cear estabeleceu uma estrutura

    socioeconmica que, a despeito de avanos significativos nas ltimas dcadas em setores

    econmicos e sociais, ainda enfrenta srios problemas em termos de desigualdade social. Tal

    situao comea a se inverter, j que o Cear apresenta ndices de desenvolvimento acima

    da mdia do Nordeste e do Brasil.

  • 39

    Estes dados e contextos estimulam a reflexo sobre a importncia da existncia de

    instituies pblicas de ensino superior que ensejem a produo de conhecimento

    necessria ao crescimento cientfico, tecnolgico e social do Estado do Cear e da Regio

    Nordeste.

    Observa-se que, desde a sua implantao, a UECE caracterizou-se como uma

    instituio voltada para a interiorizao universitria com um raio de abrangncia que

    envolve nove microrregies do interior cearense, abrangendo 90 municpios, sendo o Itaperi

    seu Campus principal, na Capital, Fortaleza.

    A participao ativa da Universidade na sustentao do desenvolvimento do Estado e

    na rea geogrfica adjacente, o evidente crescimento da qualificao dos seus docentes no

    Brasil e no exterior e a busca contnua da excelncia no ensino formal ainda se ressentem da

    ausncia de consolidao da identidade institucional da UECE. Isto porque, com relao s

    finalidades, aquela que tradicionalmente recebeu demanda na UECE foi a do ensino, fato

    que no a diferenciava das demais universidades brasileiras, incumbidas de formar recursos

    humanos para o desenvolvimento do Pas, profissionalizando-os.

    H algumas dcadas, o Cear foi germinado por um projeto poltico que semeou a

    renovao capaz de impulsionar o rumo de desenvolvimento socioeconmico consoante

    com os padres requeridos pela moderna racionalidade globalizada. A repercusso do assim

    chamado Governo das Mudanas nos destinos do prprio Pas, por si, j confere a este

    acontecimento um alcance que transpe o mero interesse regional. Alie-se a este dado,

    entretanto, a contribuio significativa que presta compreenso do processo de

    modernizao, relacionado universidade brasileira como um todo.

    A ascenso do Governo das Mudanas corresponde fase de redemocratizao do

    Pas, quando as foras polticas se mobilizaram na preparao do processo constituinte. A

    Carta Magna de 1988 estabelece a responsabilidade do Estado com o financiamento da

    cincia e da tecnologia, garantindo preceitos que tiveram repercusso positiva nos meios

    cientficos e acadmicos. No Cear, a organizao do processo constituinte demarcou o

    primeiro Governo das Mudanas. Os trabalhos da Constituinte Estadual ocorreram em meio

    intensa mobilizao da comunidade cientfica cearense, que encetou amplo processo de

    negociaes com o Poder Executivo e os parlamentares constituintes, com vistas a assegurar

    a incluso, na Constituio Estadual de 1989, de um captulo destinado a cincia e

    tecnologia, o qual contempla a norma regrada no Texto Constitucional da Repblica.

  • 40

    Nesse novo contexto, buscou-se a elevao do prestgio institucional da UECE, com

    suporte na difuso de uma nova cultura na formao cientfica, ponto essencial para o

    desenvolvimento do saber da Sociedade do Conhecimento e da Informao alm de uma

    maior insero da Universidade no seu meio, pelo estabelecimento de parcerias com os

    diversos setores da Sociedade, sobretudo atividades de extenso.

    A condio essencial para analisar as mudanas propostas residiu na racionalizao

    de todo o sistema acadmico, constitudo por unidades da Capital e do Interior, mediante a

    avaliao sistemtica, tanto externa como interna, envolvendo tambm a relao custo-

    benefcio de seus processos e do retorno do investimento para a Sociedade. Os elementos

    inovadores da proposta residiam, portanto na inteno de uma Universidade com gesto

    racional, desburocratizada, transparente e participativa.

    2.4 Princpios e Finalidades

    2.4.1 Princpios Gerais da Universidade

    A UECE prope-se desenvolver atividades educacionais num sentido amplo,

    contribuindo para formar um cidado imbudo de valores ticos e estticos que, com a

    devida competncia tcnica e formal, atue no seu contexto social. Por ser uma universidade

    pblica, a UECE encontra-se aberta aos mais amplos setores sociais, sendo suas aes

    sempre pautadas nos valores democrticos e acadmicos e aliceradas na produo crtica

    do conhecimento.

    A tarefa de delinear os referenciais que devero orientar o desenvolvimento da

    Instituio e a sua respectiva ao pedaggica , portanto, compreendida como

    manifestao de intencionalidade. Esta tarefa exige formulao de polticas que norteiem,

    balizem e mobilizem a qualidade que ganha corpo na Instituio. Para tanto, fundamental

    que se tenha a compreenso das grandes questes contemporneas no mbito das relaes

    econmicas, polticas, sociais e culturais. Para que a Universidade possa ser inserida em seu

    tempo, com as respostas, crticas e proposies aos desafios socialmente presentes, a UECE

    busca orientar-se pelos seguintes princpios:

  • 41

    do Universalismo, no qual no s mediante a pesquisa, mas tambm por intermdio

    da formao profissional e da difuso cultural, tende, alm de fortalecer, transpor os

    limites nacionais, formando paradigmas e fomentando o campo epistemolgico;

    do Pluralismo, intimamente associado ao princpio da liberdade. De fato, uma

    universidade prspera requer o respeito dos organismos externos ao seu carter

    universalista e sua heterogeneidade, necessitando do princpio da liberdade

    assegurado para o cumprimento dos desafios que lhe so imputados e inerentes a sua

    natureza;

    da Liderana, presente desde a sua gnese, de modo que se torna imprescindvel a

    universidade interagir com a sociedade civil e com os poderes pblicos e privados

    constitudos. A liderana exercida historicamente pela Universidade denota a funo

    estratgica concebida para si e respalda-se na constante concepo de sua utilidade

    social e sua permanncia histrica;

    da Indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extenso, pois as trs reas, isoladas,

    tendem a enfraquecer o esprito de vanguarda da Universidade. Por outro lado, a

    trade integrada refora a vocao cientfica, ao tempo em que tambm privilegia a

    vocao poltico-institucional. O estabelecimento de polticas de ensino, pesquisa e

    extenso deve assegurar nveis crescentes de legitimidade institucional e interao

    com os demais nveis e graus de ensino;

    da Autonomia Universitria, o maior e o mais imediato desafio das universidades

    pblicas, e a qual deve ser exercitada para garantir primazia dos valores acadmicos,

    abertura avaliao externa, transparncia na administrao universitria, prioridade

    para os problemas da sociedade e iseno partidria. Considera-se que a Universidade

    deva estar comprometida com a qualidade da formao intelectual de seus

    estudantes, com a qualidade da sua produo cientfica, artstica, filosfica e

    tecnolgica e, sobretudo, com o atendimento s necessidades, aos anseios e s

    expectativas da sociedade, formando profissionais, tcnica e politicamente,

    competentes e desenvolvendo solues para problemas locais, regionais e nacionais;

    da Qualidade de um Sistema Slido de Educao Superior, diversificado, dotado de

    padres crescentes de grau positivo de excelncia, atendidos os requisitos de

    infraestrutura e recursos humanos, capazes de manter tal sistema nas melhores

    condies de funcionamento possveis;

  • 42

    da Interao Continuada com a sociedade, visto que a Extenso cumpre o papel de

    transferncia e disseminao do conhecimento no mbito da prpria academia,

    criando espaos de relaes desta com a sociedade;

    do Apoio e Respeito diversidade das foras que constituem a Instituio, fonte de sua

    maior riqueza, em que se incluem tanto os segmentos docente, discente e de

    funcionrios tcnico-administrativos, quanto os diferentes perfis de atuao individual

    e de campos disciplinares; e ao desenvolvimento de polticas pblicas voltadas busca

    de sociedades sem preconceitos, no discriminatrias, igualitrias e justas;

    da Gesto Racional, Transparente e Democrtica do oramento e do cotidiano da

    Instituio, buscando o aperfeioamento de um modelo de gesto descentralizada,

    que priorize a estrutura colegiada e o permanente dilogo com todas as instncias

    constitutivas da comunidade universitria; e

    da Insero Nacional e Internacional, com a consolidao crescente de programas

    voltados a criar unidades de relao, cooperao e desenvolvimento de atividades de

    intercmbio com instituies de educao superior do Brasil e do Exterior. A UECE

    mantm o propsito de fortalecer as condies para caminhar na direo do

    estabelecimento de uma universidade para todos, socialmente referenciada e

    reconhecida no cenrio acadmico nacional e internacional.

    2.4.2 Princpios Gerenciais

    Os eixos gerenciais da UECE privilegiam as seis reas prioritrias de interveno. Para

    cada uma delas, define-se um objetivo norteador e inventariam-se as polticas e aes mais

    relevantes para a sua consecuo.

    A) Eixo da Integrao da Universidade com o Governo e a Sociedade

    Objetivo Estratgico

    Ampliar o grau de integrao da Universidade aos objetivos do Governo, de

    promoo do desenvolvimento estadual, e contribuir para o progresso da sociedade em

    geral.

  • 43

    Polticas e Aes Estratgicas da Gesto

    Promover maior alinhamento entre os conhecimentos difundidos e produzidos na

    Universidade e aqueles requeridos para o progresso cultural, social e econmico das

    comunidades, organizaes e governos.

    Contribuir para a incluso social e para o desenvolvimento socioeconmico das

    regies do Estado, por intermdio do apoio cultura, pela expanso das oportunidades de

    ensino, pesquisa e extenso, presenciais ou por meio da teleducao e do ensino a distncia.

    Colaborar para os objetivos das reas estratgicas do Governo Estadual, mediante o

    ensino, pesquisa e extenso, particularmente nos campos da educao, cultura, sade,

    segurana pblica, promoo da cidadania, tecnologia, desenvolvimento sustentvel,

    empreendedorismo e melhoria da gesto privada e pblica.

    Concorrer para a melhoria da ao do Governo por meio da manuteno de

    laboratrios e observatrios da realidade cearense, incluindo aqueles de avaliao das

    polticas pblicas.

    Cooperar para maior conhecimento sobre a realidade e a promoo sustentvel do

    desenvolvimento do semirido cearense.

    Promover a inovao das atividades produtivas cearenses, com base em maior

    articulao entre os centros e grupos de pesquisa da Universidade com o Governo e o setor

    empresarial produtivo.

    Melhorar a comunicao da Universidade com o Governo e a sociedade.

    Implantar prticas de prestao de contas sistemticas sociedade e ao Governo,

    dentre outros, pela apresentao de balano social, relatrios setoriais impressos e

    publicados na rede de informtica e divulgao de informaes de utilidade pblica nos

    meios de comunicao.

  • 44

    B) Eixo da Interiorizao das Aes Acadmicas

    Objetivo Estratgico

    Ampliar o acesso ao conhecimento, cultura e s oportunidades de capacitao para

    o trabalho e para a iniciativa empreendedora das populaes do interior.

    Polticas e Aes Estratgicas da Gesto

    Promover maior espacializao da presena da Universidade no interior do Estado,

    de forma integrada e compatibilizada com a expanso de outras instituies de ensino

    superior estadual (UVA e URCA) e federal (UFC/UNILAB), e de acordo com os objetivos do

    Governo do Estado.

    Ampliar as oportunidades de ensino, pesquisa e extenso nos campi do interior do

    Estado, ampliando o uso das tecnologias de ensino a distncia.

    Fomentar maior adequao dos cursos e linhas de pesquisa s vocaes e

    potencialidades do interior e aos programas pblicos estaduais de desenvolvimento regional

    e local, por aes diretas e em parcerias com secretarias de Governo, CENTECs, CVTs e

    escolas estaduais de ensino fundamental e mdio.

    Incrementar maior acesso da populao do interior a atividades de extenso de

    carter cultural e esportiva promovidas pela Universidade, seja pela itinerncia de eventos,

    pela parceria com secretarias do Governo do Estado e com veculos e meios de

    comunicao.

    Dilatar o acesso ao livro e informao no interior, pela expanso do acervo

    bibliogrfico, maior integrao e acesso Biblioteca Central em Fortaleza e disponibilizao

    de bibliotecas virtuais.

    C) Eixo da Promoo da Excelncia Acadmica

    Objetivo Estratgico

    Promover a excelncia acadmica mediante ajustamento contnuo s demandas e

    necessidades da Sociedade do portfolio de cursos, do contedo programtico e das linhas de

  • 45

    pesquisa, alm da melhoria do desempenho do corpo docente e discente e do maior

    envolvimento destes nas aes de responsabilidade social da Universidade voltadas para a

    incluso social e o desenvolvimento sustentvel do Cear.

    Polticas e Aes Estratgicas da Gesto

    Diversificar a atualizao sistemtica s demandas e necessidades de cursos, dos

    contedos programticos e das linhas de pesquisa.

    Melhorar a eficcia acadmica pelo aperfeioamento e sistematizao da avaliao

    do desempenho acadmico do corpo docente e discente.

    Maximizar a eficincia acadmica pela melhoria da relao alunos/professor e pelo

    suprimento de professores em reas de conhecimento que se apresentam carentes.

    Intensificar a qualificao de professores, ampliando a proporo de docentes ps-

    graduados (mestres, doutores e ps-doutores);

    Melhorar as prticas didtica, pedaggica e metodolgica do corpo docente, pela

    qualificao de professores e a manuteno de ncleos, laboratrios e grupos de pesquisa

    nessas reas.

    Ampliar a pesquisa bsica e aplicada e a difuso, no seio da sociedade, dos

    conhecimentos, mediante aes tais como:

    I) incentivo formao e desenvolvimento de grupos e ncleos de pesquisa, de laboratrios

    e observatrios;

    II) consolidao e expanso de revistas acadmicas e editorao de livros;

    III) maior integrao da graduao com a ps-graduao no mbito da Universidade;

    IV) maior integrao com outros centros e grupos de pesquisa no pas e no exterior, com

    entidades empresariais e com o Governo;

    V) ampliao das oportunidades de bolsas de iniciao cientfica e de ps-graduao;

    VI) ampliao e fortalecimento das oportunidades do programa de residncia em sade, de

    estgios e de intercmbios acadmicos de professores e alunos;

  • 46

    VII) consolidao do Ncleo de Inovao tecnolgica NIT, fortalecendo os laos com a

    Sociedade nos campos da cincia, tecnologia e inovao; e

    VIII) Apoio a empresas juniores e centros de incubao de empresas de base tecnolgica.

    Implantar uma poltica de assistncia aos estudantes, com aes voltadas para a

    permanncia, oferta de atividades culturais, de tutoria, lazer, esporte e assuntos da

    juventude.

    Ampliar o acervo bibliogrfico e melhorar o funcionamento das bibliotecas e de seu

    acesso, atravs da rede de informtica, s bibliotecas virtuais.

    D) Eixo da Modernizao da Gesto Administrativa

    Objetivo Estratgico

    Promover a prtica de uma gesto orientada pelo planejamento, de natureza

    participativa e transparente, com respeito diversidade e pluridade de idias, e

    comprometida com a obteno de resultados, sua avaliao e prestao de contas, alm da

    responsabilidade social.

    Polticas e Aes Estratgicas de Gesto

    Institucionalizar um modelo de gesto compartilhada que favorea o dilogo

    permanente com os atores internos da UECE e com setores representativos da Sociedade e

    do Governo.

    Implantar uma sistemtica de avaliao institucional e da gesto, incluindo a

    avaliao baseada em indicadores de resultados.

    Conceber, implantar e avaliar programas de responsabilidade social.

    Redefinir e aperfeioar o sistema de informaes gerenciais e de resultados

    acadmicos, para o monitoramento de resultados, a melhoria da gesto e a prestao de

    contas.

  • 47

    Definir e implementar poltica de prestao sistemtica de contas da gesto

    (accountability) aos agentes internos da Universidade, ao Governo e sociedade.

    Implementar poltica de valorizao de servidores e docentes pela qualificao

    continuada, comprometimento e produtividade, aproveitamento de talentos,

    participao nas decises e recompensas.

    Implantar melhorias organizacionais e da gesto de processos.

    Efetivar polticas de incluso de pessoas com necessidades especiais.

    E) Eixo da Qualificao da Infraestrutura

    Objetivo Estratgico

    Melhorar a infraestrutura indispensvel ao cumprimento do papel social da

    Universidade a padres adequados de funcionamento e compatvel com o objetivo de