of 14 /14
PANORAMA DAS PESSOAS COM LESÃO MEDULAR NO BRASIL Congresso Internacional de Enfermagem de Reabilitação APER - 2019 Prof. Dra. Fabiana Faleiros Aveiro - Portugal 2019

PERFIL DAS PESSOAS COM LESÃO MEDULAR NO … APER 2019/CLs/3...PANORAMA DAS PESSOAS COM LESÃO MEDULAR NO BRASIL Congresso Internacional de Enfermagem de Reabilitação APER - 2019

  • Author
    others

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PERFIL DAS PESSOAS COM LESÃO MEDULAR NO … APER 2019/CLs/3...PANORAMA DAS PESSOAS COM LESÃO...

  • PANORAMA DAS PESSOAS COM LESÃO

    MEDULAR NO BRASIL

    Congresso Internacional de Enfermagem de Reabilitação

    APER - 2019

    Prof. Dra. Fabiana Faleiros

    Aveiro - Portugal

    2019

  • INTRODUÇÃO

    O manejo de qualquer situação só se faz a partir do

    conhecimento daquela situação, pois é preciso conhecer

    para depois intervir.

    Estudos do perfil permitem a identificação de um

    diagnóstico situacional

    Essencial para: planejamento, a administração, a execução

    e a avaliação do processo de reabilitação

  • INTRODUÇÃO

    Identificação, pelo governo, das necessidades de

    investimento em políticas públicas.

    Estes estudos, com pessoas com lesão medular (LM), no

    Brasil, são escassos.

    Maior participação das pessoas com LM nas pesquisas

    Itinerário terapêutico

  • OBJETIVOS

    Analisar o perfil biosocioeconômico das pessoas com LM inscritas no cadastro voluntário para participação de pesquisas do grupo Neurorehab.

    Identificar o tempo do itinerário terapêutico

    Identificar os principais problemas relatados após a LM

  • MÉTODO

    Estudo quantitativo, com delineamento exploratório, analítico e de corte transversal.

    Coleta de Dados:

    Divilgação do cadastro voluntário

    Survey Monkey

    Atualmente: 1.300 cadastrados

    Análise estatística: descritiva com frequências absolutas e relativas p/ as variáveis qualitativas, medidas de tendência central. Teste Qui-quadrado de Pearson (associação) e Teste Kruskal Wallis (comparações) Nível de significância de 0,05.

  • MÉTODO

    Tese de livre docência

    Aprovado no Comitê de Ética

    Amostra: Adultos, brasileiros, com LM, cadastrados no banco de

    dados do grupo de pesquisa Neurorehab

    Critérios de exclusão: Foram excluídos os participantes que não

    responderam completamente o formulário online e/ou que

    digitaram uma data de nascimento que indicava idade inferior a

    18 anos, não atendendo ao critério de elegibilidade.

    Tamanho da amostra: 618 participantes

  • Histograma com a distribuição dos participantes de acordo com a

    idade no momento da lesão e idade atual (n=618). Brasil, 2018

    Fonte: Elaborado pela autora

    RESULTADOS E DISCUSSÃO

    Idade no momento da LM (em anos) Idade atual (em anos)

    m=28,14 anos (DP=10,24) m=9,33 anos (DP=7,90).

  • Fonte: Elaborado pela autora.

    Características Frequência Percentual %

    Sexo

    Masculino 426 68,9

    Feminino 192 31,1

    Escolaridade

    Ensino Fundamental 78 12,6

    Ensino médio 232 37,5

    Ensino Superior e Pós-Graduação 306 49,5

    Não responderam 02 0,4

    Ocupação*

    Beneficiário 393 63,6

    Empregado 94 15,2

    Desempregado ou desalentado 90 14,6

    Estudante 41 6,6

    Renda Familiar

    Até 1 SM** 105 17,0

    Até 2 SM** 132 21,4

    Até 3 SM** 103 16,7

    Mais de 3 até 5 SM** 114 18,4

    Mais de 5 até 7 SM** 50 8,1

    Mais de 7 SM** 49 7,9

    Não Informado 65 10,5

    TOTAL 618 100,0

    55,1%Associação entre a

    escolaridade e a

    ocupação atual (p≥0,001,

    Teste Qui-quadrado de

    Pearson).

    Caracterização

    sociodemográfica

    dos 618

    participantes. Brasil,

    2018.

    Estudos que mostram que a LM atinge principalmente jovens economicamente ativos, do sexo masculino (NAS et al., 2015; ÁLVAREZ PÉREZ; LÓPEZ LLANO, 2016; MOSHI et al., 2017).

  • Variável Frequência Percentual %

    Causa da LM

    Acidente de trânsito 252 40,8

    Armas de fogo ou branca 108 17,5

    Não traumáticas (câncer, HTLV, entre outros) 76 12,3

    Queda 66 10,7

    Mergulho em águas rasas (piscina, cachoeira) 59 9,5

    Outras causas 41 6,6

    Lesão medular congênita 16 2,6

    Nível da LM

    Torácica 301 48,7

    Cervical 232 37,5

    Lombar 53 8,6

    Sacral 32 5,2

    Classificação da LM

    Paraplegia 363 58,7

    Tetraplegia 220 35,6

    Não soube responder 35 5,7

    TOTAL 618 100,0

    Distribuição dos 618

    participantes de

    acordo com as

    características da

    lesão medular, Brasil,

    2018.

    Fonte: Elaborado pela autora.

    Causas violentas, são mais acentuadas nos países em desenvolvimento (HASLER et al., 2011; FAKHARIAN et al., 2017). Mundialmente o número de quedas aumenta com o envelhecimento da população, sendo a principal causa da LM nos países desenvolvidos com uma população idosa maior(ÁLVAREZ PÉREZ; LÓPEZ LLANO, 2016; MOSHI et al., 2017)

  • RESULTADOS E DISCUSSÃO

    Já existem alguns estudos que relatam a eficácia da ferramenta para o ensino de

    pacientes pelos profissionais de saúde (MARIN-GOMEZ et al., 2018; CLAVIER et al., 2019).

    O WhatsApp® deve ser considerado como um recurso p/ as pesquisas, principalmente

    para grupos de pessoas com deficiência, como uma forma de proporcionar a

    acessibilidade.

  • Distribuição da amostra de acordo com a realização da

    reabilitação após a LM (n=618), Brasil, 2018

    ✓ Tempo desde a LM até o início da reabilitação, variou de 0 a 316 meses

    ✓ m=17,68 meses (DP=38,80)

    ✓ 50% da amostra iniciou a reabilitação 7 meses após a LM (md=7,00).

    ✓ Reabilitação com até um mês após a LM, 11,8% dos participantes.

  • Distribuição das principais

    dificuldades/problemas após a LM. Brasil,

    2018.

  • CONCLUSÃO

    Este estudo permitiu um diagnóstico situacional, essencial paramelhorar o planejamento, a administração, a execução e aavaliação das ações de saúde para esta parcela dapopulação.

    Necessidade de investimento em políticas públicas com vistas amelhor o acesso à reabilitação e o retorno ao mercado detrabalho e saída da dependência da previdência social.

    Estratégias de manejo e prevenção devem ser adaptadas àstendências regionais, com atenção para o aumento dapopulação idosa

    Inserção das tecnologias para facilitar a participação daspessoas com deficiência nas pesquisas.

  • REFERÊNCIAS

    CINTRA, M. M.; FALEIROS, F. Desenvolvimento de um formulário de inscrição online paraparticipação em estudos sobre Reabilitação e Lesão Medular. 2016. 47 f. IniciaçãoCientífica - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, RibeirãoPreto, 2016.

    BIERING-SØRENSEN, F. et al. Recommendations for translation and reliability testing ofInternational Spinal Cord Injury Data Sets. Spinal Cord, Houndmills, v. 49, n. 3, p. 357-360,2011. Disponível em: . Acesso em: 10 jun.2019.

    NAS, K. et al. Rehabilitation of spinal cord injuries. World Journal of Orthopedics,Pleasanton, v. 6, n. 1, p. 8-16, 2015. Disponível em: .Acesso em: 10 jun. 2019.

    MOSHI, H. et al. Traumatic spinal cord injury in the north-east Tanzania - describingincidence, etiology and clinical outcomes retrospectively. Global Health Action,Philadelphia, v. 10, n. 1, p. 1355604, 2017. Disponívelem:. Acesso em:10 jun. 2019.

    http://www.nature.com/articles/sc2010153http://www.nature.com/articles/sc2010153http://dx.doi.org/10.5312/wjo.v6.i1.8https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28856978