Pina Bausch

Embed Size (px)

Text of Pina Bausch

  • Uma dana ps-moderna

    Resumida

  • Nascida em 27 de julho de 1940, na cidade de Solingen, Alemanha.

    Cresceu com os pais em um restaurante da famlia, onde j observava o movimento dos corpos.

    Ainda criana, aos cinco anos iniciou a danar bal.

    Aos 15 anos foi estudar na escola Folkwang Hochschule, formando-se em Dana e Pedagogia da Dana no ano de 1958.

    Ao ganhar um bolsa de estudos, Pina continuou seus estudos no EUA, onde passou trs anos na escola Juilliard School of Music, em Nova York, de 1959 a 1962.

    1973 Bausch tem 33 anos e contratada para dirigir o Wuppertaler Tanztheater; mais tarde mudado para Tanztheater Wuppertal Pina Bausch.

    Aos 68 anos Pina bausch , parte para danar em um horizonte infinito.

  • Como bailarina Bausch recebeu o ensino da dana liderado por Kurte Jooss. Aprendendo tcnicas de danas excelente Pina Bausch

    Como tutores no EUA teve: Anthony Tudor, Jos Limon e Mary Hinkson. Colabora com o New American Ballet e com a Metropolitan Opera de Nova Iorque. No regresso integra a nova companhia de Folkwang d'Essen, na localidade onde estudou.

  • Em 1968, apresenta a sua primeira coreografia, "Fragments", com base numa obra do hngaro Bela Bartk.

    Assume a direo artstica da companhia no ano seguinte,

    continuando a criar e a danar.

    Em 1973 inicia-se na direo do Tanztheater Wuppertal, na regio do Ruhr, a mais populosa e industrializada da

    Alemanha.

    Suas combinaes de temas poticos e cotidianos influenciou o desenvolvimento da dana internacional.

    Tornando-se um cone da dana ps-moderna.

  • Em 1968, estreou como coregrafa e caracteriza-se por uma juno de teatro e

    dana moderna, que refletia sentimentos

    humanos como a tristeza e o amor.

    Seus temas... sua marca....

  • Bausch utilizava associaes livre em cena.

    Montagens aleatrias.

    Repetio.

    Realizava perguntas aos seus bailarinos.

    Baseava-se nas histrias de seus bailarinos.

    Temas Humanos.

    Relaes entre feminino e masculino.

    Recursos tecnolgicos sofisticados.

  • A criadora foi agraciada com vrios prmios:

    Europeu de Teatro, o Praemium Imperiale japons, a Cruz de Mrito do governo alemo, a condecorao

    da Legio de Honra.

    Sendo o ltimo dos quais o Prmio Goethe, na Alemanha. Na cerimnia de entrega, o realizador

    Wim Wenders dizia que este era um reconhecimento

    da sua criatividade na dana moderna e por ter

    inventado "uma nova arte". Segundo Wenders, as

    coreografias de Bausch mostram "o movimento como

    meio de comunicao vernculo do ser humano".

  • 1973 FRIZ, IPHIGENIE AUF TAURIS

    1975 ORPHEU UND EURYDIKE

    1976 DIE SIEBEN TODSNDEN

    1978 KANTAKTHOF (Ptio de contatos), CAF MULLER

    1980 EIN STUCK VON PINA BAUSCH

    1982 WALSER

    1990 DIE KLAGE DER KAISERN

    1991 TANSABEND II

    2001 GUA

    2003 NFES

    2009 COMO EL MUSGUITO EN LA PIEDRA, AY SI, SI SI

  • 1975 1975

  • Meu interesse primrio no em como o corpo se movimenta, mas o que movimenta seu corpo.

    Me parece importante que as pessoas mudem os momentos de sua vida.

    O Sentimento sobre o que est acontecendo no mundo sempre um novo momento.

    Quando fao uma nova criao, ela surge no importa como.

  • O processo de criao se d a partir de tcnicas de dana, como o bal clssico e muitas formas de dana moderna.

    Repetio diria de exerccios e de sequncia de movimentos pr-estabelecidos.

    Para introduzir a contribuio criativa dos bailarinos a coregrafa apresenta uma questo, um tema , uma palavra, sons ou combinaes de elementos.

    Algumas questes devem ser respondidas em forma de movimento.

    Ao final do processo, pede para cada um juntar os movimentos que ela trouxe, as improvisaes pessoais que tenham sido selecionadas e compe um solo de dana.

  • A dana-teatro de Bausch inverte os papis de executor e observador .

    Rompe com formas tradicionais da dana-teatro, utilizando-se de aes paralelas, contraposies estticas, repeties

    propositais e uma linguagem corporal incomum para a poca.

    A ruptura de tradies foi uma tarefa rdua.

    Ela se voltou para uma dana cnica, diretamente ligada ao teatro falado. Colagens de msica popular, clssica, jazz e

    enredos fragmentrios culminaram numa nova forma de

    encenao, caracterizada por aes paralelas, contraposies

    estticas e uma linguagem corporal incomum para a poca.

  • Cada pea diferente, mas profundamente ligada a mim", descreve Pina Bausch na sua acepo de teatro-dana. Seu trabalho combina tristeza e desespero calado com "a expresso calorosa do amor vida", descreveu uma crtica. "Os temas permanecem os mesmos; o que muda so as cores", explica a coregrafa. Ao narrar, ela se mantm fiel a determinados princpios: aes simultneas, marcao das diagonais do palco, repeties propositais e suspense dramtico por meio de contraposies e progresses.

    Apesar dos xitos das ltimas dcadas, a coregrafa e danarina prossegue seu trabalho incansavelmente. "A nica coisa a fazer realizar o trabalho junto com os danarinos, de modo que cada apresentao seja um prazer. E isso tem que ser retrabalhado todas as noites."