Planejamento Fiscal: Perspectivas e Desafios - cfc.org.br .Fonte: FMI 1 Despesas Correntes vs. Despesas

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Planejamento Fiscal: Perspectivas e Desafios - cfc.org.br .Fonte: FMI 1 Despesas Correntes vs....

Planejamento Fiscal: Perspectivas e Desafios

IX Encontro de Gestores Pblicos - EGP

1 Semestre 2018

Pedro Juc Maciel Subsecretrio de Planejamento Estratgico da Poltica Fiscal

Tesouro Nacional

2

Sumrio:

Diagnstico do Problema Fiscal

Estratgias para Consolidao Fiscal

Experincias Internacionais

Institucionalidade Fiscal

Perspectivas e Concluses

1

2

3

4

5

3

1. Ausncia de reformas estruturais levou ao crescimento insustentvel das despesas pblicas

Fonte: STN

1

Receitas e Despesas Primrias do Governo Central (em % PIB)

Os problemas fiscais brasileiros no so apenas conjunturais, mas estruturais

4

1. Ausncia de reformas estruturais ir levar a um nvel insustentvel das despesas discricionrias

Fonte: STN

1

Despesas do Governo Central Acum. 12 meses (em R$ bilhes de janeiro/2018)

5

1. O tamanho do ajuste fiscal necessrio requer um plano de mdio prazo, dado o comprometimento de despesas obrigatrias

Fonte: STN/MF

1

Despesas do Governo Central Obrigatrias (em % Receitas Lquidas)

6

40

45

50

55

60

65

70

75

80

dez

-06

mar

-07

jun

-07

set-

07

dez

-07

mar

-08

jun

-08

set-

08

dez

-08

mar

-09

jun

-09

set-

09

dez

-09

mar

-10

jun

-10

set-

10

dez

-10

mar

-11

jun

-11

set-

11

dez

-11

mar

-12

jun

-12

set-

12

dez

-12

mar

-13

jun

-13

set-

13

dez

-13

mar

-14

jun

-14

set-

14

dez

-14

mar

-15

jun

-15

set-

15

dez

-15

mar

-16

jun

-16

set-

16

dez

-16

mar

-17

jun

-17

set-

17

dez

-17

1. A deteriorao fiscal levou a um rpido crescimento da dvida pblica

Fonte: BCB

1

Dvida Bruta do Governo Geral (em % PIB)

7

14,3 14,3 14,7 15,5

17,1 17,3 18 18,7 18,7

19,1 20,4

21,2 21,3 21,4 22,4

23,2 23,4 25

26,1

28,2 28,8 28,9 29 29 29,3

31 32,3 32,6 32,8

34,5 35,7

38,4 38,8

42,7

45,6 47,3

0

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

1. No h muito espao para o ajuste fiscal ser dado pelo aumento das receitas

Fonte: FMI

1

Carga Tributria 2017 (em % PIB)

8

17,7 17,7 17,7 19,7 20,7

27,2 27,6 28 29,2 30,8

33,2

37,9 39,6 40,2 41,1

42,7

48,6 50,8 52 52,4

53,8 54,2 55,6 56,8

61,3 62,4 66 67,1

68,7 71,3

75 77,6

79,6 83,5

88,8

0

10

20

30

40

50

60

70

80

90

100

1. Assim como, no h muito espao para expandir o endividamento

Fonte: FMI

1

Dvida Bruta 2018 (em % PIB)

9

1. Apesar do aumento das despesas e endividamento, no houve aumento nas despesas de capital com investimentos

Fonte: FMI

1

Despesas Correntes vs. Despesas de Capital do Setor Pblico (em % PIB)

BRAATG

ARG

BHS

BRB

BLZ

BOL

CHL

COL

CRI

DMA

DOM

ECU

SLV

GRD

GTM

HTI

HND

MEX

NICPAN

PRYPER

KNALCAVCT

SUR

TTO

URY

VEN

0

2

4

6

8

10

12

14

16

18

0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50

Capi

tal S

pend

ing (

Aver

age

of 20

11 -

2015

)(N

omin

al, %

of G

DP)

Current Spending (Nominal, % of GDP)

Median

Brazil and Latin America and the Caribbean

10

1. Estratgia para a Consolidao Fiscal 2

Estratgia Fiscal C

om

pro

mis

so c

om

R

esu

ltad

o P

rim

rio

Oti

miz

ao

de

Des

pes

as,

Sub

sd

ios

e G

. Tri

bu

tri

o

Oti

miz

ao

de

Ati

vos

Rev

iso

do

Mar

co L

egal

d

as f

inan

as

P

blic

as

Tran

spar

nci

a

Atuao da Secretaria do Tesouro Nacional em sua Estratgia Fiscal (Consolidao Fiscal):

11

1. Estratgia para a Consolidao Fiscal 2

1) Compromisso com o resultado primrio Garantir a solvncia das contas pblicas e que a poltica econmica tenha efetividade Processo de consolidao deve se concentrar nas despesas pblicas

2) Otimizao das Despesas, Gasto Tributrio e Subsdios

Reformas estruturais so essenciais (ex. previdncia) Reviso de programas e avaliao das polticas pblicas

3) Otimizao da Carteira de Ativos

Tirar maior retorno do patrimnio pblico Revisar participaes governamentais Expandir concesses

4) Reviso do marco regulatrio das finanas pblicas

Teto da Despesa, LRF, Nova CAPAG/PAF, Nova Lei das Finanas Pblicas, Relacionamento TN-BC, Conselho de Gesto Fiscal e Junta de Execuo Oramentria

5) Transparncia da Gesto Fiscal

12

1. Estratgia para a Consolidao Fiscal 2

Avaliar o desenho de funcionamento dos programas (planta). H exemplos de erros bsicos j na etapa de concepo.

Antes da criao de qualquer programa, preciso elaborar critrios de avaliao, bem como a disponibilizao de dados para este fim.

Montar rotinas de avaliao dos programas, objetivando avaliar eficincia, eficcia e efetividade. Propor reformas micro.

Agenda de gesto pblica mais eficiente

Perspectiva macro: planejamento fiscal Perspectiva micro: reviso de programas e gesto

preciso certificar como estar a restrio fiscal intertemporal (tamanho da lavoura) para a definio clara de quais polticas pblicas podero ser financiadas (prioridades).

recomendvel avaliar o limite de endividamento para no comprometermos o espao fiscal futuro.

Como a economia cclica, importante ter regras que mitiguem flutuaes (interrupes) no financiamento das polticas pblicas.

Ter flexibilidade para fazer ajustes quando necessrios.

Disciplinar a institucionalidade fiscal (regras do jogo).

13

1. Experincias Internacionais de Gesto Fiscal 3

Referncias:

14

1. Experincias Internacionais: Princpios de Governana na Gesto Fiscal 3

1) Administrar os oramentos dentro de limites fiscais claros, crveis e previsveis

2) Alinhamento do oramento com as prioridades do governo de mdio prazo

3) Definir um arcabouo de tratamento dos investimentos de forma a resolver demandas sociais de forma coerente e custo-efetiva

4) Garantir que os documentos oramentrios sejam abertos, acessveis e transparentes

5) Promover debate inclusivo, participativo e realista sobre as escolhas oramentrias

6) Apresentar uma contabilidade confivel, precisa e universal sobre as finanas pblicas

7) Planejar, administrar e monitorar a execuo oramentria

8) Garantir que as avaliaes de performance e qualidade do gasto estejam integradas com processo oramentrio

9) Identificar, analisar e administrar prudentemente a sustentabilidade fiscal de longo prazo e riscos fiscais

10) Garantir integridade e qualidade nas previses oramentrias, planejamento fiscal e execuo oramentria por meio de rigoroso processo, incluindo auditoria independente.

10 Bons Princpios de Governana Fiscal (OCDE)

15

1. Experincias Internacionais de Gesto Fiscal 3

Principais tendncias observadas:

Aprimoramento da produtividade do setor pblico

Regras Fiscais

Spending Review e Avaliao de Programas

Medium-Term Expenditure Framework

Performance Budgeting

1

2

3

4

5

16

1. Experincias Internacionais: Aumento da Produtividade do Setor Pblico 3

ticas de Mensurao da Produtividade:

Fonte: OCDE

Entradas Sadas

Produtidade = Volume de Sadas (produo) . Volume de Entradas (recursos)

Mensurada para toda a economia

Anlise Setorial: Sade, Educao (comparao entre

unidades)

Anlise individual: escola A, hospital B (comparao no

tempo)

17

1. Experincias Internacionais: Aumento da Produtividade do Setor Pblico 3

1) Ter as instituies fiscais (arcabouo) funcionando apropriadamente

2) Reviso das regulamentaes dentro do governo (regulation inside government (RIG)) Simplificao administrativa Avaliaes de guilh