of 108 /108
Aprovado pela Decisão nº 26/2017 Conuni, de 12/05/17. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO GABINETE DA REITORIA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI (2016 2025) Petrolina-PE 2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI (2016 …portais.univasf.edu.br/pdi/documentos/pdi-univasf-2016-2025.pdf · Comissão de Sistematização do PDI (2016 – 2025) Instituída

  • Author
    lamnhi

  • View
    225

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI (2016...

Aprovado pela Deciso n 26/2017 Conuni, de 12/05/17.

MINISTRIO DA EDUCAO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SO FRANCISCO

GABINETE DA REITORIA

PLANO DE

DESENVOLVIMENTO

INSTITUCIONAL PDI

(2016 2025)

Petrolina-PE

2016

MICHEL MIGUEL ELIAS TEMER LULIA

Presidente da Repblica

JOS MENDONA BEZERRA FILHO

Ministro da Educao

PAULO BARONE

Secretrio de Educao Superior

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SO FRANCISCO

JULIANELI TOLENTINO DE LIMA

Reitor

TELIO NOBRE LEITE

Vice-Reitor

MONICA APARECIDA TOM PEREIRA

Pr-Reitora de Ensino

JACKSON ROBERTO GUEDES DA SILVA ALMEIDA

Pr-Reitor de Pesquisa e Ps-Graduao

LCIA MARISY SOUZA RIBEIRO DE OLIVEIRA

Pr-Reitora de Extenso

BRUNO CEZAR SILVA

Pr-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional

CLBIO PEREIRA FERREIRA

Pr-Reitor de Assistncia Estudantil

ANTNIO PIRES CRISSTOMO

Pr-Reitor de Gesto e Oramento

Comisso de Sistematizao do PDI (2016 2025)

Instituda pela Portaria Univasf N 453/2014

Jos Raimundo Cordeiro Neto (Presidente)

Clovis Manoel Carvalho Ramos

Ana Emilia de Melo Queiroz

Telio Nobre Leite

Monica Aparecida Tom Pereira

Comisso de Reviso do PDI (2016 2025)

Instituda pela Portaria Univasf N 838/2016

Mrio Adriano vila Queiroz (Presidente)

Ednaldo Ferreira Torres

Manoel Messias Alves de Souza

Mayane Leite da Nbrega

Patrcia Avelo Nicola

Comisso de Operacionalizao

Instituda pela Portaria Univasf N 483/2014

Ailson de Menezes Andrade

Anna Priscilla Vieira Braga

Eloiza Ribeiro Lopes Gama

Ildemar Jorge Rodrigues

Maria Gabriela Jandiroba Silva

Roxana Braga de Andrade

Susana Kelli Cabral de Aquino

Grupos Temticos

Ensino de Graduao e Ps-Graduao - Portarias 642 e 730/2014

Balbino Lino Santos (SIAPE 1565286)

Delcides Marques (SIAPE 1804686)

Ednaldo Ferreira Torres (SIAPE 1804726)

Emmanuela Almeida Lins (SIAPE 1672485)

Gisele Lemos Shaw (SIAPE 1685800)

Jos Fernando Souto Junior (SIAPE 1314861)

Josenice Barbosa Gonalves (SIAPE 2018599)

Maria Cilene Freire de Menezes (SIAPE 2052759)

Paulo Jos Pereira (SIAPE 1481719)

Victor Emmanuell Fernandes Apolnio dos Santos (SIAPE 01991932)

Pesquisa e Inovao- Portarias 643 e 731/2014

lvaro Rego Millen Neto (SIAPE 1647629)

Helinando Pequeno de Oliveira (SIAPE 1331672)

Jose Alves de Siqueira Filho (SIAPE 014499932)

Kamila Juliana da Silva Santos (SIAPE 1714317)

Luciana Duccini (SIAPE 1583293)

Mrcia Bento Moreira (SIAPE 1623473)

Maria Betnia de Santana da Silva (SIAPE 1880408)

Mateus Matiuzzi da Costa (1534676)

Paulo Gustavo Serafim de Carvalho (SIAPE 1669301)

Talita Mota Gonalves (SIAPE 1573033)

Yariadner Costa Brito Spinelli (SIAPE 1941761)

Extenso, Arte e Cultura - Portarias 663 e 734/2014

Csar Augusto da Silva (CPF 813.677.084-00)

Fabiane Pianowski (SIAPE 1448893)

Lcia Marisy Souza Ribeiro de Oliveira (SIAPE 147479)

Marcos Antonio Silva (SIAPE 388095)

Selma Passos Cardoso (SIAPE 1367286)

Thas Pereira de Azevedo (SIAPE 1087447)

Wagner Pereira Felix (CPF 378.833.563-72)

Wagner Pereira Felix (SIAPE 1656054)

Assistncia Estudantil - Portarias 644 e 732/2014

Jernimo de Souza Vaz (CPF 057.388.165-01)

Luclia Mendes Rocha (SIAPE 2136142)

Luzania Barreto Rodrigues (CPF 399.819.755-91)

Mrcia Medeiros de Arajo (SIAPE 1323036)

Robisnayara Nunes Barbosa (CPF 081.408.144-40)

Gesto Universitria: Pessoas - Portaria 645/2014

Adriana Gradela (SIAPE 1716550)

Aline Braga de Carvalho Guedes (CPF 011.696.094-90)

Danielle Gomes de Andrade (SIAPE 1677142)

Edilene Bezerra da Silva (SIAPE 2619789)

Ftima Ketussia dos Santos (SIAPE 1620826)

Jos Fernando Souto Jnior (SIAPE 1314861)

Mara Carlota Meireles Ribeiro (SGP 1909181)

Maria Auxiliadora Tavares da Paixo (SIAPE 268643)

Maria DAjuda Costa Passos (CPF 008.461.585-07)

Gesto de TI e Comunicao - Portaria 648/2014

Andrey Tavares da Silva (SIAPE 1673236)

Antnio Fredson Arajo de S Novaes (SIAPE 1653451)

Dorival Jos Fernandes e Arajo (SIAPE 2538372)

Francisco Ricardo Duarte (SIAPE 1304401)

Jonildo Martins Cordeiro (SIAPE 1105492)

Leandro Surya Carvalho de Oliveira Silva (SIAPE 1733479)

Luam Leiverton Pereira dos Santos (SIAPE 1935464)

Lydia Aninger de Barros Rocha (SIAPE 2136258)

Gesto Universitria: Infraestrutura - Portarias 646 e 733/2014

Clovis Fernandes da Silva Filho (SIAPE 1654380)

Dilson da Silva Pereira Filho (SIAPE 1475941)

Emily da Silva Nascimento (SIAPE 2059838)

Fredson Gomes de Menezes (SIAPE 1654479)

Joo Carlos Nascimento (SIAPE 6295973)

Joo Pedro da Silva Neto (SIAPE 1379705)

Vivianni Marques Leite dos Santos (SIAPE 1376235)

Gesto Universitria: organizao administrativa - Portaria 647/2014

Balbino Lino dos Santos (SIAPE 1565286)

Jos Jaime Freitas Macedo (SIAPE 1376396)

Luis Alberto Valotta (SIAPE 190650)

Roberto Jefferson Bezerra do Nascimento (SIAPE 1712483)

APRESENTAO

Com grande orgulho podemos dizer que em pouco mais de uma

dcada de funcionamento acadmico, a Univasf tem se consolidado como

uma das melhores Universidades do Nordeste. Este reconhecimento

regional percebido diante das inmeras aes desenvolvidas em dezenas

de municpios que fazem parte da nossa rea de abrangncia e que tem

contribudo para o desenvolvimento scio, econmico, cultural e poltico

da regio.

Os esforos empreendidos ao longo destes anos resultaram em uma

Univasf muito bem avaliada e com forte compromisso com a sociedade.

Alm do mais, a Univasf tem conseguido abrir novas fronteiras do

conhecimento para a Amrica Latina, Europa e Estados Unidos atravs de

aes de internacionalizao.

tempo de renovar os anseios e as perspectivas de nossa

comunidade acadmica quanto s trilhas a serem seguidas. Tais anseios e

perspectivas precisam ser expressos e encontrar traduo na proposio de

caminhos que dem cho ao caminhar na direo dos sonhos.

Temos plena conscincia de que precisamos avanar mais,

especialmente na formao de jovens que possam atuar como agentes

multiplicadores do conhecimento produzido na academia, impactando

diretamente a vida das pessoas, transformando a realidade e o ambiente em

que vivem, visto que uma Universidade no pode estar alheia s

necessidades da comunidade local, nem to pouco subestimar a sua

capacidade de atuao.

Os nossos desafios so grandes, porm estamos preparados para

enfrent-los com muito trabalho. Sendo assim, este documento, construdo

coletivamente, ser uma importante baliza para as aes a serem

empreendidas nos prximos anos, visando consolidar a Univasf como um

dos mais importantes vetores de desenvolvimento do interior do Nordeste,

do semirido brasileiro.

JULIANELI TOLENTINO DE LIMA

Reitor

LISTA DE QUADROS

Quadro 01: Percentuais dos territrios dos Estados nordestinos localizados na

regio semirida

21

Quadro 02 Percentuais de municpios do Semirido, por categoria apresentada

no IDH-M 2010

21

Quadro 03: Evoluo do nmero de estgios acompanhados pela Proex/Univasf 29

Quadro 04: Matriz estratgica de objetivos e metas Ensino de Graduao e Ps-

graduao

32

Quadro 05: Iniciativas de extenso Universitria na Univasf 2013 2015 36

Quadro 06: Matriz estratgica de objetivos e metas extenso, arte e cultura 37

Quadro 07: Matriz estratgica de objetivos e metas pesquisa e inovao 40

Quadro 08: Matriz estratgica de objetivos e metas assistncia estudantil 44

Quadro 09: Matriz estratgica de objetivos e metas pessoas 46

Quadro 10: Matriz estratgica de objetivos e metas da ASCOM 50

Quadro 11: Matriz estratgica de objetivos e metas da Rdio e TV Caatinga 51

Quadro 12: Matriz estratgica de objetivos e metas tecnologias da informao 54

Quadro 13: Matriz estratgica de objetivos e metas infraestutura 59

Quadro 14: Matriz estratgica de objetivos e metas Internacionalizao 65

Quadro 15: Matriz estratgica de objetivos e metas organizao administrativa 69

Quadro 16: Cursos de Graduao Ofertados pela Univasf 72

Quadro 17: Oferta de Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu 74

Quadro 18: Oferta de Cursos de Ps-Graduao Stricto Sensu 75

Quadro 19: Composio do quadro de profissionais docentes da Univasf

(abril/2017)

78

Quadro 20: Composio do quadro de profissionais tcnico-administrativos da

Univasf

79

Quadro 21: Modalidades desenvolvidas e nmeros de estudantes atendidos

mediante Poltica de Assistncia Estudantil da Univasf

88

Quadro 22 Infraestrutura da Univasf, por campus 90

Quadro 23: Estrutura do Sibi, por campus da Univasf 91

Quadro 24: Acervo do Sistema de Bibliotecas da Univasf, por rea de

conhecimento

93

Quadro 25: Patrimnio mvel da Univasf, por campus 94

Quadro 26: Recursos audiovisuais disponveis na TV Caatinga 94

Quadro 27: Recursos audiovisuais disponveis na Rdio Caatinga 96

Quadro 28: Recursos disponveis na Secretaria de Educao Distncia (SEAD) 96

LISTA DE GRFICOS

Grfico 01: evoluo dos nmeros de profissionais da Universidade (2004

2015)

76

Grfico 02: distribuio dos profissionais docentes da Universidade, por

colegiado acadmico (2015)

77

Grfico 03: distribuio dos profissionais tcnico-administrativos da

Universidade, por setor (2015)

78

Grfico 04: Evoluo do oramento da Univasf, nas principais aes

oramentrias desempenhadas pela instituio (2011 2015), em milhes de

reais (R$)

99

LISTA DE FIGURAS

Figura 01: Mapa do Semirido brasileiro 20

Figura 02: Organograma da Administrao Superior da Univasf 83

Figura 03: Organograma detalhado da Reitoria da Univasf 84

Figura 04: Colegiados Acadmicos da Univasf 85

SUMRIO

1. Introduo: um plano para os prximos 10 anos .................................................. 13

2. A Univasf: seu perfil institucional e a natureza de suas atividades ..................... 16

3. A Proposta Pedaggica da Univasf ......................................................................... 19

3.1 A Universidade e sua Insero no Contexto Regional .................................... 20

3.2 Misso, Viso e Valores na Trajetria da Univasf .......................................... 23

3.3 A Organizao Didtico-Pedaggica na Univasf............................................. 25

3.4 Outros elementos da identidade institucional da Univasf............................... 27

3.5 Univasf:Objetivos e Metas Estratgicas para a Nova Fase de

Desenvolvimento Institucional................................................................................. 30

3.5.1 Poltica de Ensino de Graduao e de Ps-Graduao ....................... 31

3.5.2 Polticas de Extenso, Arte e Cultura.................................................... 35

3.5.3 Polticas de Pesquisa e Inovao............................................................. 39

3.5.4 Poltica de Assistncia Estudantil........................................................... 43

3.5.5 Polticas de Gesto.................................................................................. 46

3.5.6 Poltica para Tecnologias de Informao e Comunicao................... 49

3.5.7 Poltica de Infraestrutura...................................................................... 57

3.5.8 Poltica de Internacionalizao.............................................................. 61

3.5.9 Poltica de Organizao Administrativa............................................... 67

4. Trajetria de implantao e desenvolvimento dos cursos .................................... 71

4.1 Graduao e ps-graduao na Univasf: viso geral ...................................... 71

4.2 Cursos de Graduao na Univasf ...................................................................... 72

4.3 A formao de especialistas por cursos de ps-graduao Lato Sensu ......... 74

4.4 Os Cursos de Ps-Graduao Stricto Sensu .................................................... 75

5.A Univasf e seus servidores: perfil do quadro profissional ................................... 76

5.1 Plano de expanso do corpo de servidores ....................................................... 80

6. A organizao administrativa da Univasf .............................................................. 80

6.1 O nvel superior da administrao universitria ............................................. 80

6.2 Os colegiados acadmicos .................................................................................. 85

6.3 Outras instncias da gesto da Univasf ............................................................ 86

7. Atuais polticas de atendimento aos discentes ........................................................ 88

8. Recursos disponveis na universidade ................................................................... 90

8.1 Informaes Gerais sobre a Infraestrutura ..................................................... 90

8.2 Bibliotecas: instalaes, recursos e servios ..................................................... 91

8.3 Itens laboratoriais e outros recursos educacionais .......................................... 93

8.4- Plano de promoo de acessibilidade e de atendimento diferenciado a

portadores de necessidades especiais (Decreto n 5.296/04 e Decreto n 5.773/06).

.................................................................................................................................... 97

9. O Monitoramento e a Avaliao do Desenvolvimento Institucional .................... 97

10. Questes de ordem financeira e oramentria..................................................... 99

11. ANEXOS ............................................................................................................... 101

13

1. Introduo: um plano para os prximos 10 anos

Aps completar sua primeira dcada de atuao, a Univasf continua o debate

sobre a instituio e seu futuro. Esse debate concretiza, neste momento, seu novo Plano

de Desenvolvimento Institucional - PDI.

Em termos gerais, preciso considerar que o PDI um dos elementos centrais

nas Instituies brasileiras que ofertam Educao Superior (IES). Esse instrumento

busca nortear a trajetria escolhida pela Instituio, apresentando sua identidade e,

sobretudo, estabelecendo as diretrizes para o seu desenvolvimento. Trata-se de um

importante elemento para o processo de avaliao das Instituies de Educao Superior

(IES) brasileiras, sejam elas pblicas ou privadas, representando um ponto de destaque

no Sistema Nacional de Avaliao da Educao Superior - Sinaes, estabelecido pela Lei

N 10.861, de 14 de abril de 2004.

Cabe mencionar, aqui, algumas particularidades do processo de construo deste

importante documento, na Univasf. Com vistas construo do seu Novo PDI, nossa

instituio iniciou os trabalhos no ano de 2014, quando o Conselho Universitrio

aprovou a metodologia proposta pela Pr-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento

Institucional Propladi. Em sntese, tal proposta consistiu na idealizao de um

processo compartilhado de elaborao do Plano, mediante os seguintes instrumentos de

participao da comunidade acadmica:

Evento de compartilhamento de experincias

Na abertura dos trabalhos, propiciou-se a discusso de experincias de outras

IES com a elaborao de Planos de Desenvolvimento Institucional, ao tempo em que

tambm foi detalhada e discutida a metodologia que seria empregada para a experincia

da Univasf com aquele que seria o seu segundo PDI.

Grupos de Trabalho (GTs):

Os trabalhos contaram com oitos GTs, que realizaram discusses sobre temticas

especficas, subsidiando a posterior definio dos objetivos e metas da Universidade,

para os prximos anos, em cada rea de discusso. Eis os GTs criados:

Ensino de Graduao e Ps-Graduao;

14

Pesquisa e Inovao;

Extenso, Arte e Cultura;

Assistncia Estudantil;

Gesto Universitria: pessoas;

Gesto Universitria: Infraestrutura;

Gesto Universitria: organizao administrativa;

Gesto de TI e Comunicao.

Foram temas transversais s temticas acima listadas: diversidade; incluso;

desenvolvimento econmico e social; contexto local e regional semirido;

internacionalizao; e sustentabilidade. Para a composio dos GTs, a Comisso de

Sistematizao recebeu nomes indicados pelas Cmaras e Comisses j atuantes na

Universidade, bem como atravs de chamadas abertas participao de interessados em

compor esses grupos. Os GTs realizaram reunies abertas e amplamente divulgadas,

para possibilitar a presena de interessados em geral.

Sesses Pblicas

Cada campus da Universidade recebeu sesses pblicas que propiciaram a

interao entre os membros da comunidade acadmica e o aprimoramento das

discusses que levaram consolidao do novo PDI.

Aps a sistematizao do material produzido pelos GTs, as proposies foram

levadas, pela Comisso de Sistematizao, para o debate mais amplo junto

comunidade acadmica, a partir do dia 01 de maro de 2016. Essas sesses

representaram espaos de discusso e sugestes da comunidade acadmica, quanto s

matrizes de objetivos e metas. As datas em que tais sesses ocorreram em cada campus

foram:

01/03/2016 Campus So Raimundo Nonato PI; Horrio: 08h30 s 12h00;

Local: Auditrio da Biblioteca;

02/03/2016 Campus Paulo Afonso BA; Horrio: 14h00 s 18h00; Local:

Sala de Reunies do Campus;

03/03/2016 Campus Cincias Agrrias PE; Horrio: 14h00 s 18h00; Local:

Ncleo Temtico 01 Bloco de Sala de Aulas;

15

04/03/2016 Campus Senhor do Bonfim BA; Horrio: 14h00 s 18h00; Local:

Sala 08 1 Andar; e

08/03/2016 Campus Juazeiro e Petrolina; Horrio: 14h00 s 18h00;

Local:Complexo Multieventos Univasf Juazeiro BA.

Consultas Pblicas

Alm das discusses e demais atividades junto aos GTs, mecanismos de consulta

pblica sobre temas pertinentes ao PDI foram efetivadas. As consultas foram abertas e

contaram com ferramentas virtuais de apoio s discusses, ampliando o debate. De

26/02 a 31/03/2016, um ambiente de interao virtual foi disponibilizado, com a

realizao de fruns de interao permanentes, por meio dos quais as matrizes de

objetivos e metas foram expostas e a participao da comunidade possibilitada.

Ainda, urnas para coleta de sugestes e comentrios em geral foram

disponibilizadas pelas dependncias da Universidade, acompanhadas de formulrios

impressos, especialmente naqueles locais de maior trnsito dos membros da

comunidade.

Correio eletrnico e site

A todo momento, dvidas, sugestes e outras formas de manifestao, foram

recebidas atravs do endereo [email protected] Tambm, um site especfico

manteve informaes em geral (www.pdi.univasf.edu.br) e a agenda atualizada dos

trabalhos, indicando dia e hora de eventos como reunies de GTs e sesses pblicas,

para as quais toda a comunidade foi convidada.

Apreciao do Conuni

O documento sntese dos trabalhos, no formato de proposta de novo PDI, ser

apreciado e aprovado no Conselho Universitrio, rgo mximo da Universidade, onde

esto representados os segmentos discente, docente e tcnico-administrativo, alm da

comunidade externa.

Acompanhamento da execuo do Novo PDI

16

Uma vez aprovado pelo Conuni, a Universidade dever instituir formas coletivas

de acompanhamento da execuo do novo Plano, de modo que a comunidade esteja

permanentemente envolvida no processo de construo conjunta do futuro da

instituio.

Tendo conduzido o processo que levou elaborao do presente documento, a

partir dos mecanismos de interao e de co-produo acima destacados em ateno

legislao pertinente, a Comisso de Sistematizao, instituda pela Portaria Univasf N

453/2014, apresenta, agora, o resultado dos trabalhos da comunidade.

O Plano conta com mais dez sees. Na seo dois, aspectos gerais do perfil

institucional da Universidade so apresentados; em seguida, a proposta pedaggica da

Univasf trazida na seo trs, que contm destacadamente os objetivos e metas

considerados estratgicos para a trajetria futura da instituio. As sees quatro, cinco

e seis tratam, respectivamente, da evoluo dos cursos ofertados; do quadro profissional

e a organizao administrativa na Universidade. Em seguida, a poltica de atendimento

aos discentes e informaes referentes aos recursos alocados nas atividades constituem,

respectivamente, as sees sete e oito. Finalizando, as ltimas sees tratam da

avaliao e monitoramento do desenvolvimento universitrio (seo nove) e das

questes de natureza oramentria e financeira (seo dez).

Desejamos, dessa forma, que esta construo reflita os anseios da comunidade

Univasfiana e que possa guiar a construo coletiva da Universidade pelos prximos

anos.

Saudaes universitrias!

Comisso de Sistematizao PDI Univasf (2016 2025)

2. A Univasf: seu perfil institucional e a natureza de suas

atividades

A Fundao Universidade Federal do Vale do So Francisco Univasf uma

organizao federal brasileira, vinculada ao Ministrio da Educao (MEC) e dedicada

Educao Superior, nas atividades de ensino, de extenso, de pesquisa e de inovao.

Sediada no municpio de Petrolina PE, a Universidade tem o Semirido nordestino

como rea de atuao, estando tambm presente nos estados da Bahia e Piau. Sua

17

misso ofertar, com excelncia, atividades de ensino superior, extenso, pesquisa e

inovao em diversas reas do conhecimento, na sua regio de atuao e em

consonncia com as demandas de interesse pblico.

No ano de 2014, a Univasf completou seu primeiro decnio de atividades,

iniciadas em Outubro de 2004, dois anos aps publicada a Lei 10.473/2002, que define

como objetivo da instituio ministrar ensino superior, desenvolver pesquisa nas

diversas reas do conhecimento e promover a extenso universitria. No seu atual

estgio de desenvolvimento, a Universidade oferta suas atividades de Educao

Superior para 7,5 mil estudantes, reunindo as modalidades presencial e distncia, na

graduao e na ps-graduao. Ainda, conta com 851 servidores, entre docentes e

profissionais tcnico-administrativos em Educao, distribudos entre os seus seis

campus (dois em Petrolina-PE; um em Juazeiro BA; um em Senhor do Bonfim BA;

um em Paulo Afonso BA; e um em So Raimundo Nonato PI).

As atividades desenvolvidas pela Univasf envolvem diversas reas do

conhecimento (Cincias Humanas e Sociais; Engenharias; Artes; Cincias da Sade e

Biolgicas; e Cincias Agrrias), atravs da oferta de cursos de graduao e de ps-

graduao (lato e stricto sensu); de programas e projetos de extenso; e das atividades

de pesquisas. No ensino de graduao so ofertados 31 cursos, entre bacharelados e

licenciaturas, ao lado de 18 cursos de especializao (ps-graduao lato sensu) e 14

cursos de mestrado (ps-graduao stricto sensu). Diversos projetos de pesquisa e de

extenso universitria, por sua vez, possibilitam Universidade atuar em dezenas de

municpios de sua regio, para alm da localizao fsica dos seus campi.

De modo associado ao desenvolvimento de suas atividades acadmicas, a

Universidade, ainda, atua na prestao de relevantes servios para a sociedade em geral.

Dentre estes, so exemplos:

a) O Hospital Universitrio Doutor Washington Antnio de Barros: esse

equipamento, ao tempo em que essencial para a formao de

diversos profissionais da rea de sade (a exemplo das reas de

Medicina, Enfermagem, Farmcia e Psicologia), tambm um

relevante prestador de servios sociedade, caracterizando-se pelo seu

perfil assistencial, de hospital geral de mdia e alta complexidade.

Com disponibilidade de 108 leitos, o HU-Univasf atua em mais de 20

especialidades, destacando-se na Regio Interestadual do Mdio do

18

Vale do So Francisco como referncia regional em ortopedia;

traumatologia; neurocirurgia; hepatologia; vascular e clnica mdica.

Nesta regio, o HU atende a 55 municpios, localizados nos estados de

Pernambuco e Bahia, com aproximadamente 1,9 milhes de

habitantes;

b) A atuao em monitoramento, conservao e recuperao ambientais: ao

longo de sua histria, a Univasf tem acumulado significativas

experincias e estruturas de atuao nas reas de monitoramento,

conservao e recuperao ambientais do maior bioma brasileiro: a

Caatinga. Hoje, destacam-se o Centro de Conservao e Manejo de

Fauna da Caatinga (Cema-Fauna Caatinga); o Ncleo de Ecologia e

Monitoramento Ambiental (Nema); e o Centro de Recuperao de

reas Degradadas (CRAD). Com atividades vinculadas ao Projeto de

Integrao do Rio So Francisco (PISF), do Ministrio da Integrao

Nacional, essas estruturas oferecem servios diversos em suas reas de

atuao, enquanto reforam substancialmente o processo de formao

de profissionais em reas diversas, relacionadas aos cursos de

graduao e de ps-graduao ofertados;

c) Centro de Estudos e Prticas em Psicologia CEPPSI: como parte de sua

misso de contribuir para a formao de profissionais na rea de

Psicologia, o CEPPSI integra Universidade e Sociedade por meio da

oferta de servios como planto psicolgico e psicoterapias individuais

e grupais. Desse modo, sua atuao se vincula diretamente s redes

pblicas de ateno na regio, especialmente no municpio de

Petrolina-PE, onde est localizado;

d) O Espao de Arte, Cultura e Cincia EACC: trata-se de uma unidade da

Universidade voltada para a promoo da cultura cientfica. Por meio

de seus servios, prestados junto a escolas e ao pblico em geral, o

EACC realiza exposies interativas, palestras, exibies de vdeos e

emprstimo de kits de experimentos. Apenas no ano de 2015,

conforme os nmeros da unidade, mais de 2,3 mil visitantes

participaram de atividades no EACC;

e) Espao Plural: Localizado em Juazeiro-BA, o Espao Plural parte da

atuao da Pr-reitoria de Extenso. Com diversas atividades

19

extensionistas, que incluem aes de incluso digital, capacitao em

prticas artesanais e agroecolgicas, dentre outras, ele abriga

iniciativas voltadas para comunidades em condio socioeconmica

vulnervel;

f) O Hospital Veterinrio (HVET): esse outro veculo de articulao

Universidade Sociedade, por meio dos seus servios prestados

populao, simultaneamente participao no processo de formao

de profissionais em cursos de graduao e ps-graduao.

Especializado em atendimentos clnicos e cirrgicos a ces e gatos,

dados do HVET apresentam mais de 1,9 mil realizaes de exames e

580 atendimentos, apenas no ano de 2015. Com cinco ambulatrios,

trs salas de internao clnica, uma sala de internao cirrgica, uma

sala de tcnica cirrgica e trs centros cirrgicos, o HVET tambm

conta com equipe de profissionais em Medicina Veterinria, Farmcia,

Biomedicina, Radiologia e Necropsia. Exames de radiologia, raios-x

de revelao digital, ultrassons, eletrocardiogramas computadorizados

so realizados nesta Unidade, alm dos exames laboratoriais, que

servem de apoio ao diagnstico.

As unidades e projetos mencionados acima so casos emblemticos da atuao

da Univasf. Adicionalmente, deve-se registrar que outras muitas iniciativas de interao

com a sociedade regional so levadas cabo por meio de grupos de pesquisa, projetos

extensionistas, coordenaes de cursos, pr-reitorias e outras unidades internas da

Universidade. Dessa forma, a instituio tem firmado sua presena no Semirido

brasileiro, comprometendo-se com o desenvolvimento de aes que em muito

ultrapassam os limites de sua demarcao fsica, buscando configurar-se cada vez mais

enquanto ator social imerso na trajetria de desenvolvimento regional.

3. A Proposta Pedaggica da Univasf

O Projeto Pedaggico da Universidade apresentado, nesta seo, a partir de sua

segmentao nos seguintes elementos: a insero regional da Univasf e seu

compromisso social; a misso, a viso e os valores de referncia para a trajetria

20

institucional; a sua organizao didtico-pedaggica; e os objetivos e metas estratgicos

para as polticas institucionais nas diversas reas de atuao da Universidade.

3.1 A Universidade e sua Insero no Contexto Regional

Muito embora a regio delimitada como Semirido brasileiro tambm

compreenda parte do norte do Estado de Minas Gerais, conforme apresenta a Figura 01,

a seguir, o mbito da atuao da Univasf legalmente definido como a regio do

semirido nordestino. Como se observa na imagem, esse territrio compreende a maior

parte da regio Nordeste (56,46%), em oito de seus estados.

Figura 01: Mapa do Semirido brasileiro

Fonte: IBGE

Conforme o Instituto Nacional do Semirido - INSA, os percentuais dos

territrios dos estados nordestinos abrangidos pelo Semirido so os que constam no

Quadro 01, abaixo. Destaca-se, como se pode observar, o fato de que mesmo o estado

com o menor desses percentuais, apresenta quase metade (45,28%) de seu territrio na

poro semirida.

21

Quadro 01: Percentuais dos territrios dos Estados nordestinos localizados na regio

semirida

Estado Poro semirida do territrio (%)

Rio Grande do Norte 92,97

Pernambuco 87,60

Cear 86,74

Paraba 86,20

Bahia 69,31

Piau 59,41

Sergipe 50,67

Alagoas 45,28

Fonte: organizado a partir de dados do INSA

Os critrios para essa regionalizao incorporam mdias anuais de precipitao

pluviomtrica, balanos hdricos como representantes do ndice de aridez e o risco de

ocorrncia de secas. Tais variveis so utilizadas para definir se um municpio

pertencente ou no ao Semirido (Portaria N 89/2005, do Ministrio da Integrao

Nacional).

Nessa regio, conforme o Instituto Nacional do Semirido INSA, encontram-

se 22,5 milhes de habitantes, distribudos em 980,13 mil Km. Essa populao equivale

a cerca de 42,57% da populao do Nordeste e aproximadamente 12% da populao

brasileira. Ao todo, o Semirido compreende 1.135 municpios. Nele, esto 58,53% dos

municpios nordestinos e 20,40% do nmero nacional de municpios.

Essa regio representa, no cenrio brasileiro, um histrico de desafios sociais e

econmicos, cujo relevo pode ser compreendido quando se observa que, segundo dados

do IBGE, aproximadamente 60% dos municpios do Semirido possuem ndice de

Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) caracterizado como baixo ou muito

baixo e todos possuem IDH inferior ao brasileiro, este ltimo de 0,7271. Visto que o

IDH agrega indicadores de longevidade, de escolaridade e de renda, esse dado

simblico dos desafios da regio, em termos das necessidades de adequao da gesto

de seus servios de sade, da oferta de educao e da dinamizao produtiva,

especialmente nesses dois ltimos, conforme se pode observar no Quadro 02, que segue.

Quadro 02 Percentuais de municpios do semirido, por categoria apresentada no

IDH-M 2010

1 O IDH tem limite inferior igual a zero e limite superior de 1,00.

22

Dimenso do IDH-

M

De muito baixo a

baixo IDH-M (%)

Mdio IDH-M

(%)

De muito alto a

alto IDH-M (%)

Longevidade - 3,61 96,39

Educao 96,12 3,79 0,09

Renda 85,64 14,10 3,34

Fonte: organizado a partir de dados do INSA

Note-se, a partir do quadro anterior, que apesar dos bons indicadores

apresentados em termos de longevidade, a regio Semirida tem IDH-M considerado

muito baixo ou baixo para 96,12% de seus municpios na dimenso educao e para

85,64% deles na dimenso renda. Dos 22,5 milhes de habitantes do Semirido,

segundo a mesma fonte, 18,9 milhes vivem em municpios do IDHM muito baixo ou

baixo no componente educao. Especificamente quanto dimenso renda, em 2010,

nenhum municpio ali apresentava renda per capita igual ou superior brasileira2.

Nesse cenrio, a Univasf faz parte do processo geral de interiorizao da

Educao Superior pelo territrio brasileiro e, especialmente, pelo Semirido. S

recentemente tem sido reduzido o dficit de oferta de ensino superior nessa regio,

caracterizada historicamente pela existncia de poucas instituies acadmicas. Ao

longo da histria, as Universidades Federais nordestinas concentraram suas atuaes

junto s suas sedes administrativas, geralmente localizadas nas capitais dos Estados, a

maioria, portanto, nas zonas litorneas fora da abrangncia Semirida. Quando muito,

estas universidades contaram com cmpus campi avanados ou unidades

descentralizadas mais interioranas.

Quase sempre, coube s iniciativas estaduais a oferta de atividades de ensino

superior pblico no Semirido. Desse modo, no contexto brasileiro de mudanas, a

partir deste incio de sculo XXI, a Univasf foi a primeira instituio federal de ensino

superior criada no interior do Semirido e do Nordeste, sendo seguida, mais tarde, pelo

processo de criao de outras universidades de mesma natureza, a exemplo da

Universidade Federal do Cariri UFCA, em Juazeiro do Norte - CE; da Universidade

Luso-Afro Brasileira Unilab, em Redeno CE; da Universidade Federal do

Recncavo Baiano UFRB; da Universidade Federal Rural do Semirido UFERSA; e

da Universidade Federal do Oeste Baiano UFOB. Junto com a expanso da rede de

Institutos Federais (IFs), que ofertam ensino profissional, tcnico e tecnolgico, a

2 Os dados apresentados tm como fonte primeira o ltimo Censo Demogrfico brasileiro, realizado no

ano de 2010, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica.

23

Univasf e essas demais instituies tm atuado na reduo da enorme lacuna histrica

de Educao ocasionada no Serto brasileiro, bem como contribuindo para o

atendimento das crescentes necessidades que essa regio passa a apresentar, como

resultado de seu desenvolvimento social e econmico.

3.2 Misso, Viso e Valores na Trajetria da Univasf

A Universidade Federal do Vale do So Francisco Univasf, a partir dessa sua

contextualizao e histrico, assinala sua atuao em consonncia com as

particularidades de sua insero regional. No se desconsidera, contudo, a natureza

indissociavelmente universal de muitas das questes relacionadas produo de

conhecimento e s demandas universais da coletividade. Desse modo, atravs do

presente Plano de Desenvolvimento Institucional (2016 2025), a Univasf expressa sua

misso, viso e valores, pelos quais pretende orientar a continuidade de sua experincia

institucional:

Misso:

Ofertar, com excelncia, atividades de ensino superior, extenso,

pesquisa e inovao em diversas reas do conhecimento, na sua regio de

atuao e em consonncia com as demandas de interesse pblico.

Viso:

Ser uma Universidade reconhecida, nacional e internacionalmente, pela

excelncia da sua oferta de Educao Superior e da sua atuao em

defesa da cidadania e do desenvolvimento regional.

Valores:

- Zelo pela atuao tica e responsvel

A Universidade adota o interesse pblico como referencial de sua

atuao e orienta-se pelos valores bsicos da humanidade, como

democracia, justia, solidariedade e respeito diversidade. A instituio

toma esse valor como referncia no apenas para a operacionalizao de

24

suas atividades acadmicas, mas tambm em seus processos gerenciais,

para alm das exigncias legais a serem salvaguardadas.

- Compromisso com o conhecimento enquanto elemento de

transformao

A atuao dos profissionais da Universidade pauta-se pela

valorizao, produo e democratizao de diversas formas de saber,

buscando o desenvolvimento educacional e cultural como via de

superao de problemas da sociedade e a promoo do seu bem-estar.

- Disposio para a Inovao

A vida universitria nutre uma postura de prontido face ao

desenvolvimento ou incorporao de mudanas que auxiliem na

efetivao de sua misso, observando necessariamente a coerncia com a

sua natureza pblica.

- Sintonia com as questes locais e globais da sociedade

A Universidade se orienta pela relevncia de sua funo social em

termos de sua rea de atuao imediata, sem perder de vista a sua

insero internacional, sintonizando-se, coerentemente, com os

fenmenos contemporneos relacionados s sua misso institucional.

- Autonomia

A misso da Universidade e a atuao de seus profissionais so

desenvolvidas em ambiente de exerccio da liberdade e da criatividade,

dentro das competncias que lhes so prprias.

Os valores acima tambm so expressos no Estatuto da Univasf, na forma dos

princpios estabelecidos pelo seu Art. 5, dentre os quais se destacam os princpios de

liberdade; pluralismo de ideias; gratuidade do ensino; carter democrtico da gesto;

valorizao profissional; indissociabilidade ensino-pesquisa-extenso; compromisso

com o padro de qualidade; universalidade; flexibilidade; cooperao; e respeito pela

dignidade humana.

25

3.3 A Organizao Didtico-Pedaggica na Univasf

As atividades de ensino, de pesquisa e de extenso desenvolvidas pela Univasf

atendem aos critrios legais estabelecidos pela legislao pertinente oferta de

Educao Superior no Brasil e legislao correlata. Destacam-se, nesse sentido, a Lei de

Diretrizes e Bases da Educao Nacional (LDB) (Lei N 9.394/1996) e a Lei que

instituiu o Sistema Nacional de Avaliao da Educao Superior Sinaes (Lei Lei No

10.861/2004).

Em termos de organizao interna, a poltica de ensino de graduao conta com

uma cmara especfica, de carter propositivo, consultivo e deliberativo sobre as

formulaes referentes a esta poltica. Por sua vez, a poltica de pesquisa e de ps-

graduao conta com a Cmara de Pesquisa e a Cmara de Ps-graduao.

Semelhantemente, a poltica de extenso universitria tem a Cmara de Extenso como

espao de consulta e deliberaes. Essas instncias so formadas atravs de

representaes docentes designadas por cursos e colegiados acadmicos, representaes

de profissionais tcnico-administrativos e de discentes, em conformidade com as

resolues especficas que estabelecem cada uma delas.

Na Univasf, o ensino de graduao e de ps-graduao so organizados tendo os

colegiados acadmicos como instncias de base, sobretudo para fins de gesto curricular

e acadmica. A cada curso de graduao ofertado corresponde um Colegiado

Acadmico de Graduao, constitudo pelos docentes nele lotados e coordenado

mediante representante escolhido internamente. Ainda, pertencem ao Colegiado as

representaes discentes do curso e os servidores tcnico-administrativos nele lotados.

Os Colegiados de Ps-Graduao, ao seu turno, tm semelhante papel na organizao

acadmica-curricular dos cursos de ps-graduao stricto sensu e podem ser formados a

partir de composio oriunda de docentes advindos de distintos colegiados de

graduao, visto que apenas esse ltimo configura rgo de lotao funcional docente.

Os Colegiados de Ps-Graduao so coordenados mediante representante escolhido de

forma semelhante aos colegiados de graduao e os representantes de ambos so

membros do rgo decisrio mximo da Universidade: o Conselho Universitrio.

Eis, a seguir, a listagem dos Colegiados Acadmicos de Graduao atualmente

existentes na Univasf:

26

Colegiado de Administrao

Colegiado de Antropologia

Colegiado de Arqueologia e Preservao Patrimonial

Colegiado de Artes Visuais

Colegiado de Cincias Biolgicas

Colegiado de Cincias da Natureza - Senhor do Bonfim

Colegiado de Cincias da Natureza - So Raimundo Nonato

Colegiado de Cincias Sociais

Colegiado de Cincias Sociais - Licenciatura

Colegiado de Ecologia

Colegiado de Educao Fsica

Colegiado de Educao Fsica - Licenciatura

Colegiado de Enfermagem

Colegiado de Engenharia Agrcola e Ambiental

Colegiado de Engenharia Agronmica

Colegiado de Engenharia Civil

Colegiado de Engenharia da Computao

Colegiado de Engenharia de Produo

Colegiado de Engenharia Eltrica

Colegiado de Engenharia Mecnica

Colegiado de Farmcia

Colegiado de Geografia

Colegiado de Medicina

Colegiado de Medicina - Paulo Afonso

Colegiado de Medicina Veterinria

Colegiado de Psicologia

Colegiado de Zootecnia

Os Colegiados Acadmicos de Ps-Graduao stricto sensu atualmente

existentes, por sua vez, esto apresentados na listagem abaixo:

Colegiado de Mestrado Profissional em Matemtica em Rede Nacional

Colegiado de Programa de Ps-Graduao em Cincias Veterinrias no

Semirido

27

Colegiado de Programa de Ps-Graduao em Educao Fsica

Colegiado de Programa de Ps-Graduao em Psicologia

Colegiado de Programa de Ps-Graduao em Recursos Naturais do

Semirido

Colegiado de Ps-Graduao em Agronomia - Produo Vegetal

Colegiado de Ps-Graduao em Cincia Animal

Colegiado de Ps-Graduao em Cincia dos Materiais

Colegiado de Ps-Graduao em Cincias da Sade e Biolgicas

Colegiado de Ps-Graduao em Engenharia Agrcola

Colegiado de Ps-Graduao em Ensino de Fsica

Colegiado de Ps-Graduao em Extenso Rural

Colegiado de Ps-Graduao em Administrao Pblica

Colegiado de Ps-Graduao em Dinmicas de Desenvolvimento do

Semirido

3.4 Outros elementos da identidade institucional da Univasf

Algumas particularidades da Univasf, na operacionalizao de suas atividades,

merecem destaque nesta seo. Especificamente no campo do ensino de graduao,

ressalta-se a presena dos Ncleos Temticos, como componentes curriculares em todos

os cursos ofertados. Os Ncleos so componentes multidisciplinares e de articulao

teoria-prtica, constitudos atravs de um projeto especfico formulado por um conjunto

de docentes de reas de formao variadas, que toma como elemento central

problemtica especfica e, a partir dela, prope o desenvolvimento de atividades de

ensino, pesquisa e extenso. Estabelecidos pelas normas de graduao da instituio e

regulamentados em resoluo especfica (Resoluo N 01/2014 Cmara de Ensino),

os Ncleos Temticos contribuem para a flexibilizao curricular. Atravs desse

instrumento, permite-se a cada discente optar por cursar 120 horas, dentre as exigidas

pelo programa de seu curso, em um Ncleo Temtico de sua escolha, dentre os

ofertados por qualquer curso da Universidade.

A exemplo da regulamentao dos Ncleos Temticos, princpios de

flexibilizao curricular e de interdisciplinaridade tm sido pautas constantes na Cmara

de Ensino. Neste sentido, um avano consiste na reformulao das Normas Gerais de

Funcionamento do Ensino de Graduao, conduzida por aquela Cmara e recentemente

28

aprovada pelo CONUNI. Com tal reformulao, foi criado o chamado pr-requisito

parcial entre disciplinas no ensino de graduao, visando dotar as matrizes curriculares

de maior flexibilidade.

Ainda em termos didtico-pedaggicos, a Univasf tem realizado experincia

diferenciada que consiste na associao entre a Pr-reitoria de Ensino, a Pr-reitoria de

Assistncia Estudantil e profissionais docentes, a fim de enfrentar os problemas

ocasionados pelos elevados ndices de reprovao discente em disciplinas especficas de

reas bsicas do conhecimento. Denominada de Programa de Elaborao de Material

Didtico (PEMD), essa iniciativa tem mobilizado aes que mesclam tradicionais

monitorias e formas de assistncia estudantil para a produo de recursos didticos que

auxiliem estudantes ingressantes com dificuldades naquelas reas bsicas.

Juntamente com outras instituies pblicas que ofertam ensino superior na sua

regio de atuao, a Univasf articulou um Frum Local visando promover e coordenar

aes conjuntas de cooperao interinstitucional, que possam ampliar as oportunidades

acadmicas para os discentes de ensino superior da regio e potencializar o alcance

social das referidas instituies participantes. Esse frum contempla a Faculdade de

Cincias Aplicadas e Sociais de Petrolina (FACAPE), o Instituto Federal de Educao,

Cincia e Tecnologia do Serto Pernambucano (IF Serto-PE), a Universidade de

Pernambuco (UPE), a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), alm da prpria

Univasf. Nessa lista, h organizaes municipais, estaduais e federais e uma de suas

principais aes compartilhadas tem sido o Programa de Mobilidade Acadmica.

Atravs desse programa, oportunidades de estudo em disciplinas ofertadas pelas

instituies conveniadas so disponibilizadas para o corpo discente do conjunto delas,

regulamentadas atravs de editais especficos, conjuntamente lanados pelo grupo de

instituies participantes.

A Univasf tambm tem pautado sua atuao pelo princpio de cooperao com

as polticas pblicas nacionais, em especial no mbito de sua implementao na regio

Semirida. So exemplos desse posicionamento, a presena de projetos institucionais de

relevante participao nas aes ambientais do Projeto de Integrao das Bacias do Rio

So Francisco (PISF) e a adeso da Universidade ao Programa Mais Mdicos e Ao

de Expanso da Formao em Sade. A primeira iniciativa, referente ao PISF, foi

brevemente apresentada na parte inicial deste PDI. Quanto s duas ltimas, cabe

detalhar algumas informaes.

29

Com a participao da Univasf no Programa Mais Mdicos, a Univasf realiza

tutoria para mais de 150 profissionais mdicos atuantes nos municpios atendidos pelo

programa, numa rea de cobertura que abrange quase todo o Serto pernambucano. Por

sua vez, no contexto das Aes de Expanso da Formao em Medicina, a pactuao

entre a Univasf e o Ministrio da Educao possibilitou a implantao, no ano de 2014,

de mais um curso de Medicina, este localizado no municpio de Paulo Afonso BA. O

curso oferta 40 vagas anuais e tem proposta curricular assentada na metodologia

Problem Based Learning (PBL), tambm conhecida por Aprendizagem Baseada em

Problemas (ABP), que se distingue da convencional forma de organizao de currculos

em grades disciplinares. Na ABP, equipes multidisciplinares de professores e alunos

conduzem o processo de aprendizagem a partir da abordagem de problemas envolvendo

temticas especficas da rea de formao. Cabe ainda ressaltar a nfase do curso na

Ateno Bsica Sade e o fato de que, ainda em sua fase inicial de atividades, o

campus Paulo Afonso aprovou, junto ao MEC, o Programa de Residncia em Medicina

de Famlia e Comunidade, iniciativa com enorme potencial para contribuir com a

fixao de profissionais de sade no municpio e reforar a qualidade da formao no

curso recm aberto.

Cada curso ofertado pela Univasf, em consonncia com os parmetros

curriculares de cada rea, dispe sobre a relao teoria-prtica do percurso de formao

de seus discentes, atravs do Projeto Pedaggico do Curso (PPC). Uma importante

ferramenta para essa articulao teoria-prtica o estgio curricular, para o qual a

Universidade estabelece uma Coordenao de Estgios, junto Pr-reitoria de Extenso

(Proex), que conduz as atividades referentes a essa poltica. Os nmeros apresentados

no Quadro 03, abaixo, so representativos da abrangncia da prtica de estgios entre os

discentes da Universidade.

Quadro 03: Evoluo do nmero de estgios acompanhados pela Proex/Univasf

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017*

N de

estgios 503 796 999 2.101 1.863 1.806 1390 64

*Nmero parcial, referente aos registros constantes at abril/2017.

Fonte: organizado a partir de dados da Proex/Univasf

Na trajetria recente da Univasf, ao longo de seu ltimo estgio de

desenvolvimento institucional, significativos recursos tecnolgicos tm sido

30

incorporados, em termos de mdias educativas. Esse processo se d, especialmente, a

partir da atuao da Secretaria de Educao Distncia (Sead) e da Rdio e TV

Universitrias (RTV Caatinga).

Por meio da Sead, a oferta de educao distncia tem permitido a atuao da

universidade em dezenas de municpios distribudos pelos estados de atuao da

Universidade, articulados atravs dos 38 plos organizados por esta Secretaria, junto a

prefeituras municipais da regio. Tambm, os recursos e as atividades da EAD

possibilitam interaes com o ensino presencial, como a experimentao, por docentes,

de tecnologias educativas ainda pouco usuais no ensino presencial. A SEaD/Univasf

oferece, atualmente, 3 cursos de graduao (Bacharelado em Administrao,

Licenciatura em Cincias biolgicas e Licenciatura em Pedagogia) e 3 de Ps-

Graduao (Gesto pblica, Gesto em Sade, e Educao, Contemporaneidade e

Novas Tecnologias). A Secretaria tambm oferece os cursos de Extenso (Espanhol

Bsico e Espanhol para Negcios na modalidade MOOC (Cursos massivos, online e

abertos).

A WEBTV Caatinga surgiu em maro de 2012 e em agosto deste mesmo ano

realizou a primeira transmisso ao vivo. Enquanto uma plataforma digital educativa, a

WEBTV Caatinga visa desconstruir os esteretipos atribudos ao nordeste e

principalmente aos territrios semiridos, atravs de programas e reportagens, prestando

servios nas reas de comunicao, radiodifuso, educao e cultura. So treze

programas educativos com temticas diversificadas, como cincia, sade e meio

ambiente. Por meio de parcerias e convnios, o site tambm realiza um intercmbio de

contedos com instituies de ensino e pesquisa, alm de outras emissoras educativas.

Atualmente, a plataforma educativa tem parceria com a TV Brasil, NBR,

Cultura, Futura e TV UFMA. A WEBTV Caatinga uma difusora do ensino, da

pesquisa e extenso universitria com contedos que contribuem para a autonomia e

emancipao das pessoas, em especial do povo do Semirido. Um espao onde o

sertanejo se aproxima de sua verdadeira realidade.

3.5 Univasf: Objetivos e Metas Estratgicas para a Nova Fase

de Desenvolvimento Institucional

A seguir, esto apresentados, por temas estratgicos, os objetivos e metas

institucionais que devero balizar as aes da Univasf, no perodo 2016 2025. Ao

todo, so oito temas estratgicos, os quais representam as principais dimenses da vida

31

universitria: ensino de graduao e de ps-graduao; extenso, arte e cultura; pesquisa

e inovao; assistncia estudantil; gesto de pessoas; gesto da infraestrutura; gesto das

tecnologias de informao e comunicao; e gesto da organizao administrativa.

Se tomados conjuntamente, os objetivos e metas apresentados para os temas

listados, uma vez alcanados, indicam significativa mudana na dinmica da

Universidade, alando a instituio para uma configurao diferente, em termos

quantitativos e qualitativos, ao final do seu prximo decnio de atividades.

3.5.1 Poltica de Ensino de Graduao e de Ps-Graduao

A ltima fase de desenvolvimento institucional da Univasf foi marcada pela

ampliao de vagas no ensino de graduao e, especialmente, por uma significativa

expanso do ensino de graduao e de ps-graduao, com a emergncia de novas

ofertas de cursos de mestrado, aprovados junto Coordenao de Aperfeioamento de

Pessoal do Ensino Superior Capes/MEC.

Ao mesmo tempo, o ensino na Univasf seguiu uma trajetria de consolidao

dos padres de qualidade, representada pela obteno de conceitos elevados junto ao

Sistema de Nacional de Avaliao da Educao Superior Sinaes, conduzido pelo

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Ansio Teixeira INEP. Como

mecanismo avaliativo da qualidade do ensino ofertados pelas Instituies de Ensino

Superior (IES) brasileiras, o INEP calcula e disponibiliza periodicamente o ndice Geral

de Cursos (IGC). Esse ndice, que varia de zero a cinco, capta a influncia da qualidade

dos cursos de graduao (avaliados mediante o conceito de Conceito Preliminar de

Curso CPC, tambm variante de zero a cinco); a qualidade dos cursos de ps-

graduao stricto sensu, conforme avaliao trienal da Capes/MEC; e a distribuio dos

estudantes entre os dois nveis de ensino (graduao e ps-graduao).

No ltimo IGC, publicado pelo INEP ao final do ano de 2014, a Univasf obteve

conceito 4, um avano considervel sobre o conceito anteriormente obtido na mesma

avaliao (Conceito 3 , em 2012), demonstrando sua trajetria de progressiva melhoria

do ensino ofertado. Cabe ressaltar que diversos cursos de graduao da instituio

figuram entre os conceitos 4 ou 5, nas listagens dos CPCs do INEP.

A poltica de ensino da Univasf priorizar na preparao de recursos humanos

qualificados para atender a intervir ativamente na sociedade no qual est inserida. Visa

formar recursos humanos com viso inter e multidisciplinar com processo de ensino-

32

aprendizagem de excelncia, pautado nas habilidades e competncias, por meio de

tcnicas e prticas pedaggicas diversificadas e inovadoras como prticas de campo e

laboratrios, atividades de iniciao cientfica e tecnolgica, extenso e fortalecimento

no incentivo a participao de eventos cientficos e culturais.

Para a poltica de ensino de graduao e de ps-graduao, a Univasf estabelece,

no presente PDI, a primazia de alcanar os objetivos seguintes, no perodo 2016 - 2025:

ampliao da oferta de ensino; aperfeioamento das interaes entre graduao e ps-

graduao; promoo de competncias especficas para a docncia entre os profissionais

de ensino; aperfeioamento da poltica de estgios em sua relao com a educao

bsica; melhoria das condies de dedicao dos docentes s atividades acadmicas;

melhoria do processo de ensino aprendizagem e reduo da evaso. Estabelecimento de

polticas de interao com egressos e fortalecimento das polticas de acessibilidade

educacional.

No quadro a seguir, esses objetivos so desdobrados em metas, as quais

necessariamente incorporam meno a prazos e indicadores que possibilitem o

monitoramento dessa poltica durante o perodo de desenvolvimento do PDI:

Quadro 04: Matriz estratgica de objetivos e metas Ensino de Graduao e Ps-

graduao

TEMA ESTRATGICO - ENSINO DE GRADUAO E PS-GRADUAO

Objetivo 1: Ampliar a oferta de cursos de graduao e de ps-graduao, nas

modalidades presencial e distncia, que primem pelo estabelecimento de propostas

pedaggicas com currculos flexveis, alinhados s necessidades globais e aos contextos

locais dos campi e das regies em que estes se localizam.

Metas:

Expandir 10% anuais, pelos prximos 10 anos, a oferta de vagas no ensino de

Graduao, nas modalidades presencial e distncia, respeitando as possveis limitaes

da Proposta de Emenda Constitucional 55/2016;

Expandir possveis 25% anuais, pelos prximos 10 anos, a oferta de vagas no ensino de

Ps-graduao, na modalidades distncia;

Estimular e fomentar a produo docente para aumentar o nmero de pesquisadores

credenciados em cursos de ps-graduao presencial, para assim expandir o nmeros de

discentes matriculados respeitando a relao orientador/orientando.

Realizar, no mnimo a cada trs anos, um levantamento da demanda regional por cursos

33

de graduao e de ps-graduao nos diversos campi, fazendo uso de audincias

pblicas e outras formas de consultas populares;

Aprovar, at 2018, junto s instncias competentes, um documento de consolidao da

poltica aperfeioamento curricular do ensino de Graduao e de Ps-Graduao.

Objetivo 2: Consolidar mecanismos de interao entre Graduao e Ps-graduao para

o fortalecimento da qualidade do ensino de graduao.

Metas:

Atingir um mnimo de 30% dos estudantes de ps-graduao stricto sensu envolvidos,

anualmente, em aes na Graduao, especialmente com estgio docncia e formas

especficas de tutoria;

Realizar evento acadmico, a partir de 2017 e a cada ano, em que estudantes de Ps-

Graduao stricto sensu ofertam oficinas e outras atividades de ensino-aprendizagem

destinadas aos estudantes de graduao, em distintas reas de conhecimento;

Lanar, a cada dois anos, edital interno de auxlio financeiro ao estudante de Ps-

Graduao sem bolsa de mestrado ou doutorado, com vistas execuo de projetos

acadmicos junto aos discentes de graduao.

Objetivo 3: Promover o desenvolvimento de competncias para a docncia como meio

de ampliao da qualidade da oferta do Ensino Superior.

Metas:

Aprovar, at o ano de 2018, um documento que estabelea a poltica de

desenvolvimento de competncias docentes, especialmente em termos de formao

pedaggica;

Abranger, em 10 anos, o mnimo de 90% do corpo docente como participante de

programa de desenvolvimento de competncias docentes;

Estabelecer, at 2018, um programa permanente de valorizao de boas prticas de

ensino-aprendizagem no Ensino Superior e de parcerias acadmicas e intercmbios com

organizaes nacionais e internacionais.

Aprovar, at o ano de 2019, um documento que estabelea a poltica de incentivo

qualificao docente em programas de ps-graduao stricto sensu e de ps-doutorado e

mediante a oferta local de cursos em diferentes reas de conhecimento.

Objetivo 4: Aprimorar a prtica do estgio enquanto campo de formao dos

profissionais e a relao da Universidade com a Educao Bsica.

Metas:

34

Iniciar, at o ano de 2017, um programa de reestruturao da poltica de estgio, com

vistas aperfeioamentos administrativos e promoo de posturas mais investigativas

do estagirio em seu campo de atuao, especialmente na formao de profissionais de

Educao;

Implantar, em at cinco anos, Programa de Residncia Pedaggica em todos os campi

da Univasf que ofertem cursos de licenciatura;

Viabilizar, a partir do ano de 2017, um programa de valorizao de iniciativas de ensino

que visem oferta de capacitao para os docentes da Educao Bsica, em reas

especficas de conhecimento;

Estabelecer, at 2019, documento com diretrizes da poltica de promoo das condies

de acesso do estudante de ensino mdio Universidade, especialmente aquele em

situao de vulnerabilidade socioeconmica.

Objetivo 5: Proporcionar ao corpo docente condies de dedicao de maior tempo de

trabalho s atividade acadmicas ante s tarefas administrativas.

Metas:

Implantao, at o ano de 2019, de um sistema integrado de gesto on line, que reduza o

nmero de procedimentos administrativos em processos diversos;

Objetivo 6: Aprimorar a poltica de melhoria do ensino-aprendizagem e de reduo da

evaso, fortalecendo os programas de apoio existentes e propiciando novas modalidades

destes.

Metas:

Aprovar, at 2018, um documento contendo a poltica institucional de avaliao das

formas de ingresso docente e de acompanhamento de egressos;

Garantir, em at cinco anos, que 100% da oferta de disciplina do ciclo bsico dos cursos

ofertados, com histrico de elevada reprovao, seja provido de monitoria acadmica;

Garantir, em at oito anos, que 100% das disciplinas do ciclo bsico dos cursos

ofertados, com histrico de elevada reprovao, seja provido de material didtico

especfico elaborado pelo Programa de Elaborao de Material Didtico

PEMD/Univasf ou por iniciativa semelhante;

Estabelecer, at 2018, um programa de incentivo implantao de novas modalidades

de monitoria e buscar por meio de editais novos Programas de Educao pelo Trabalho -

PETs;

Estimular, nos prximos 10 anos, a participao de 100% dos cursos de licenciatura

ofertados em iniciativas do Programa de Iniciao Docncia ou poltica similar;

35

Expandir o atendimento didtico-pedaggico para discentes com necessidades

educacionais especiais para contemplar no mnimo 2/3 da demanda levantada, nos

prximos cinco anos, e no mnimo 90% dessa demanda nos cinco anos posteriores;

Ampliar, pelos prximos 10 anos e em no mnimo 15% anuais, os acervos

bibliogrficos fsicos e virtuais destinados ao atendimento dos cursos ofertados;

Estabelecer, em no mximo 12 meses, um plano de expanso conjunta dos horrios de

funcionamento do Sistema Integrado de Bibliotecas, dos espaos para estudos dos

discentes e laboratrios de informtica, para o perodo desde Plano;

Garantir, em no mximo oito anos, que o percentual de docentes com titulao de

mestrado ou doutorado, atuantes em cursos de ps-graduao lato sensu, seja de, no

mnimo, 90%;

Garantir, em no mnimo quatro anos, adequao da formao acadmica de 100% dos

professores e tutores atuantes na Educao Distncia, em relao s reas de

conhecimento dos cursos em que atuam.

Objetivo 7: Incentivar a implementao de disciplinas voltadas aos princpios de

sustentabilidade ambiental nos cursos de graduao da Univasf.

Metas:

Implementar, nos prximos 10 anos, em 100% dos Projetos Pedaggicos dos Cursos da

Univasf contedos voltados a sustentabilidade ambiental.

Implementar, nos prximos 10 anos, no mnimo um Ncleo Temtico, por Campus, que

aborde os problemas ambientais da Regio Semirida.

Fonte: organizao prpria.

3.5.2 Polticas de Extenso, Arte e Cultura

As iniciativas desenvolvidas pela Univasf, no campo da Extenso, Arte e

Cultura, representam o exerccio de importante papel na dinamizao de processos

sociais de melhoria das condies de vida em comunidades socioeconomicamente

vulnerveis, bem como no campo da promoo e valorizao do patrimnio artstico e

cultural da regio.

Por meio de uma interao permanente com outros atores da regio,

especialmente aqueles da Sociedade Civil, a Univasf se faz presente junto a coletivos

diversos, como os de agricultores familiares, de artistas e da juventude. Com os poderes

pblicos municipais, atuaes como o Projeto de Desenvolvimento Territorial, por

36

exemplo, permitem significativa articulao com cerca de 35 municpios da rea de

atuao da Univasf. Diversos acordos de cooperao tcnica tem sido firmados, por ano,

com outras organizaes, demonstrando a capacidade da Universidade em participar

ativamente de seu contexto socioeconmico.

Atravs do Programa Institucional de Bolsas de Extenso Pibex, anualmente

realizado, diversos docentes e estudantes (bolsistas e voluntrios) engajam-se na

realizao de prticas extensionistas em diversos campos do conhecimento e junto a

diversas realidades locais. Simultaneamente, a Univasf tem mantido participao

permanente no Programa de Extenso Universitria Proext/MEC, atravs da

aprovao de projetos e programas submetidos por docentes da instituio aos editais do

MEC, lanados pelo programa mencionado. Reunindo projetos do Pibex/Univasf e

projetos e programas aprovados junto ao Proext/MEC, a listagem que segue apresenta

as iniciativas desenvolvidas na Univasf ao longo do ltimo trinio (Quadro 05).

Quadro 05: Iniciativas de extenso Universitria na Univasf 2013 - 2015

Iniciativas em 2013 Iniciativas em 2014

Iniciativas em 2015

Integrar: (Educao e

Promoo da Sade)

Serto Agroecolgico: Agroecologia e

Educao Ambiental

Academia de Musculao

Universitria

Aes de preveno, diagnstico e

tratamento de

Geohelmintoses

Capacitar para Preservar

Popularizao da Qumica atravs do

Teatro

Pr-Sade/PET Sade Pibex Univasf: 40

projetos (ao junto

Diretoria de

Extenso/Proex)

Tecnoquali Escola Verde Academia de

Musculao

Universitria

Software Pblico Ateno Farmacutica Pr-Sade/PET Sade Pibex Univasf: 40

projetos (ao junto

Diretoria de

Extenso/Proex)

Programa Incluir

Serto Agroecolgico Escola Verde Parque do Tatu Bola do

Semirido

Pernambucano

Vida Ativa Sade Ambiental e

Humana

Pibex Univasf: 45 projetos (ao junto

Diretoria de

Extenso/Proex)

Programa Incluir

Fonte: organizado a partir de dados da Propladi/Univasf

37

Para o perodo 2016-2025 o Plano de Desenvolvimento Institucional ora

apresentado estabelece, para a rea de extenso, arte e cultura, os seguintes objetivos

prioritrios: valorizao do patrimnio cultural no Semirido; maior exposio das artes

e cultura; apoio produo artstico-cultural na Universidade; ampliao do percentual

de servidores e discentes envolvidos na extenso universitria; promoo de

capacitaes em extenso; favorecer o uso de Tecnologias da Informao e

Comunicao no mbito das aes extensionistas; e ampliao do dilogo entre

universidade e demais atores sociais no mbito dessas temticas.

A exposio mais detalhada desses objetivos, acompanhados de suas respectivas

metas, consta no Quadro 06, que segue:

Quadro 06: Matriz estratgica de objetivos e metas extenso, arte e cultura

TEMA ESTRATGICO - EXTENSO, ARTE E CULTURA

Objetivo 1: Promover a valorizao do patrimnio material e imaterial da regio

Semirida.

Metas:

Estruturar, at 2020, um espao permanente de exposio, formao e promoo

cultural, destinado ao debate e registro sobre as tcnicas e produes artsticas e

culturais da regio;

Promover, a partir de 2018 e com periodicidade bienal, plano de valorizao do

patrimnio ambiental e paisagstico de cidades onde h campi da Univasf.

Objetivo 2: Ampliar a atuao da Universidade na exposio de arte e na promoo

cultural.

Metas:

Estabelecimento no calendrio institucional, a partir de 2017, da Semana de Cultura e

Arte da Univasf com uma edio a cada ano;

Promoo, a partir de 2018, de um calendrio anual de eventos peridicos, com espao

para eventos espordicos;

Provimento de estrutura de uma galeria de artes e de uma sala de projees, em

condies de funcionamento com excelncia, at o ano de 2019;

Aprovao, at o ano de 2019, de um programa de atividades de promoo cultural e

exposio de artes do Espao de Arte, Cincia e Cultura.

38

Objetivo 3: Incentivar a produo artstico-cultural de discentes e servidores da

Universidade.

Metas:

Instituir, at o ano de 2018, um programa permanente de valorizao da produo

artstico-cultural de discentes e servidores da Univasf.

Objetivo 4: Expandir o nmero de iniciativas de servidores e discentes em atividade

extensionistas.

Metas:

Garantir, em cinco anos, que no mnimo 50% dos docentes participem ou apresentem

participao recente em projetos extensionistas e que esse percentual seja ampliado para

75%, em 10 anos;

Duplicar, em 10 anos, o percentual de estudantes de graduao beneficiados com bolsas

de apoio financeiro a projetos de extenso;

Aprovar, at o ano de 2019, um documento que estabelea as diretrizes da Poltica de

Extenso da Univasf.

Objetivo 5: Promover atividades de capacitao sobre a temtica da Extenso

Universitria para discentes e servidores.

Metas:

Designar a partir de 2018, pelo menos 10%, da matriz curricular do curso de graduao

para atividades extensionistas

Promover, a partir de 2018, um programa de capacitao continuada em Extenso

Universitria destinado ao conjunto de servidores da Universidade;

Promover, a partir de 2017, um programa de capacitao continuada em Extenso

Universitria, especialmente destinado aos integrantes da Cmara de Extenso.

Objetivo 6: Estimular o uso de Tecnologias de Informao e Comunicao (TICs) em

experincias extensionistas e atividades artstico-culturais.

Metas:

Atingir, em cinco anos, que o percentual mnimo de 50% dos projetos extensionistas

registrados faam uso de TICs em suas atividades junto ao pblico envolvido, com

39

posterior expanso gradual desse percentual;

Objetivo 7: Ampliar a presena da Univasf em projetos, redes e parcerias com a

sociedade civil organizada, movimentos, rgos pblicos e privados no campo da oferta

de estgios, de aes extensionistas e da realizao de projetos artstico-culturais;

Metas:

Instituir, em dois anos, um programa extensionista de oferta permanente de capacitao

em desenvolvimento local, voltado para lideranas comunitrias

Instituir, em no mximo dois anos, um plano de insero da Univasf em redes e

parcerias considerados estratgicas para a sua atuao extensionista;

Promover uma avaliao, a cada dois anos, do plano de insero da Univasf em redes e

parcerias considerados estratgicas para a sua atuao extensionista;

Objetivo 8: Incentivar a implementao de projetos de extenso voltados aos princpios

de sustentabilidade ambiental.

Metas:

Incentivar, que nos prximos 10 anos, pelo menos 5% das iniciativas de extenso

abordem a problemtica da sustentabilidade ambiental no semirido.

Fonte: organizao prpria.

3.5.3 Polticas de Pesquisa e Inovao

A Univasf conta, atualmente, com 130 grupos de pesquisa cadastrados junto ao

Diretrio Nacional de Grupos de Pesquisa (DNGP) do Conselho Nacional de

Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico CNPq (ver Anexo). Esses grupos so

formados por pesquisadores e discentes da Universidade, envolvendo temticas nas

mais diversas reas do conhecimento. Na sua trajetria recente, a Univasf tem adotado

mecanismos internos de promoo das atividades de pesquisa nos referidos grupos,

atravs de apoio financeiro ou suporte material para o desenvolvimento de projetos de

pesquisa. Ainda, a instituio tem se utilizado de editais internos para a concesso de

apoios dessa natureza aos projetos de doutores recm titulados, buscando

adicionalmente estimular a associao destes com outros pesquisadores, doutores ou

mestres, inter-relacionando docentes, cursos, campi e grupos de pesquisa.

40

Por sua vez, o campo da inovao tem contado com um Ncleo de Inovao

Tecnolgica NIT, o qual busca estimular o envolvimento dos pesquisadores da

instituio em processos inovativos, com ateno especial para as atividades

potencialmente desencadeadoras de gerao de patentes.

Para o campo da pesquisa e inovao, os objetivos estratgicos expressos neste

PDI primam pelo seguinte: promoo da multidisciplinaridade; desenvolvimento da

vocao em pesquisa entre os discentes; estmulo produo cientfica e tecnolgica;

adequao das condies institucionais em termos da relao entre pesquisa e comits

de tica; disseminao da produo tcnico-cientfica da Universidade; e fortalecimento

da relao com a sociedade e a economia loco-regional.

Considerando a Resoluo N 3 de 14 de outubro de 2010 elaborada pelo

Ministrio da Educao, Conselho Nacional de Educao e pela Cmara de Educao

Superior que estabelece o credenciamento e recredenciamento de universidades em seu

Art. 11. que as atuais universidades que no satisfaam exigncia do inciso VI do art.

3 podero ser recredenciadas, em carter excepcional, condicionado oferta regular de,

pelo menos, 3 (trs) cursos de mestrado e 1 (um) de doutorado at o ano de 2013 e de 4

(quatro) mestrados e 2 (dois) doutorados at o ano de 2016, reconhecidos pelo MEC.

Assim, a Univasf de (2013 a 2016) aplicou do seu recurso anual

aproximadamente 1,2% da ao de funcionamento de Instituies Federais de Ensino

Superior (Cdigo 2032.20RK) e 27,1% da ao fomento s aes de graduao, ps-

graduao, ensino e pesquisa (Cdigo 2032.20GK) visando assim verticalizao do

ensino de ps-graduao. As principais aes foram: recurso PROAP/Univasf em

fomento as ps-graduaes da Univasf; bolsas PIBIC e PIBITI as estudantes de

graduao estimulando desenvolvimento de pesquisas na Univasf; editais internos

especficos para aquisio de material permanente para projetos de pesquisa; aquisio

de material de consumo por meio de Levantamento de Demandas Setoriais (Leds) das

ps-graduaes.

O conjunto desses objetivos e das metas a eles associadas est exposto no

terceiro quadro, apresentado adiante.

Quadro 07: Matriz estratgica de objetivos e metas pesquisa e inovao

TEMA ESTRATGICO PESQUISA E INOVAO

Objetivo 1: Promover a multidisciplinaridade na pesquisa, especialmente no mbito da

41

temtica da Convivncia com o Semirido, integrando todos os campi da Universidade.

Metas:

Lanar editais temticos de apoio integrao de pesquisadores e infraestrutura de

pesquisa em projetos multidisciplinares, ao nmero mnimo de um edital por binio.

Estabelecer, para cada projeto apoiado, uma ou mais frentes de parceria com outros

rgos de pesquisa no Semirido e no pas.

Integrar a rede nacional de Cincia e Tecnologia, com, no mnimo, um projeto a cada

binio, participante da rede de INCTs ou iniciativas similares dos rgos nacionais de

apoio.

Objetivo 2: Consolidar a Iniciao Cientfica, na Graduao, como ferramenta para o

despertar e desenvolvimento da vocao em pesquisa, estreitando laos com a ps-

graduao, com a Inovao Tecnolgica e com diferentes instituies de fomento

(pblicas e privadas).

Metas:

Duplicar, nos prximos 10 anos, o percentual de discentes de graduao em ensino

presencial beneficiados com bolsas de iniciao cientfica ou tecnolgica;

Atingir um mnimo de 30% dos estudantes de ps-graduao stricto sensu envolvidos

em aes na Graduao e de fortalecimento da iniciao cientfica e tecnolgica,

especialmente com estgio docncia e tutoria para a iniciao cientfica e tecnolgica.

Estabelecer no mnimo um workshop anual para que o Ncleo de Inovao Tecnolgica

possa assessorar os projetos de iniciao cientfica e tecnolgica na identificao de

oportunidades de gerao de patentes e para estmulo inovao.

Aprovar, at 2017, junto s instncias competentes, um documento que sintetize uma

poltica aperfeioada de apoio iniciao cientfica e tecnolgica, especialmente em

termos de destinao de recursos institucionais, de vinculao s atividades curriculares

do ensino de graduao e de responsabilidades docentes visando o processo de

empreendedorismo e sustentabilidade.

Objetivo 3: Fomentar a criao e o funcionamento de grupos de pesquisa enquanto

mecanismo de estmulo produo cientfica e tecnolgica.

Metas:

Institucionalizar at 2017 uma porcentagem mnima anual dos recursos da Univasf

provindos das aes (Cdigo 2032.20RK) e (Cdigo 2032.20GK) para a verticalizao

da ps graduao e o atendimento da Resoluo N 3 de 14 de outubro de 2010 do

MEC.

42

Lanar, a cada binio, no mnimo um edital interno especfico de apoio a grupos de

pesquisa, em termos de custeio de atividades e de infraestrutura;

Realizar um workshop, por ano, para a avaliao dos grupos de pesquisa, com

participao obrigatria das lideranas dos grupos cadastrados e seus integrantes;

Reduzir para um mximo de 10%, em 10 anos, o nmero de grupos de pesquisa com

alguma inconformidade em relao s recomendaes do Diretrio Geral de Grupos de

Pesquisa do CNPq, isto , considerados atpicos.

Objetivo 4: Dotar a pesquisa cientfica da Univasf de Comits de tica em consonncia

com as necessidades institucionais, tanto para as proposies de pesquisa com seres

humanos quanto para aquelas com animais.

Metas:

Instituir, at 2018, um Comit de tica em Pesquisa especfico para as atividades de

pesquisa nas reas de Cincias da Vida e da Sade, de Cincias Humanas e de outras

demandas relacionadas;

Destinar, em no mximo trs anos, uma sala especfica para cada Comit de tica,

dotando-as de estrutura administrativa e material;

Estabelecer, nos prximos trs anos, a aprovao de um documento que institua a

poltica da Universidade para a promoo dos Comits de tica em Pesquisa, garantindo

a efetiva representao de todos os colegiados acadmicos e a interao destes comits

com a iniciao cientfica e o ensino de graduao e de ps-graduao.

Objetivo 5: Promover a disseminao da produo cientfica da Univasf.

Metas:

Implementar, nos prximos trs anos, o Repositrio Digital da Univasf, ferramenta de

acesso aberto desenvolvida para o armazenamento, organizao, colaborao e

disseminao da produo cientfica da Universidade;

Ampliar, em no mnimo 25% a cada binio, o nmero de peridicos da instituio feitos

ou adaptados para internet;

Aprovar, junto Editora Universitria, um documento contendo a poltica de apoio

editorial produo cientfica da Univasf;

Ampliar, em no mnimo 10% a cada ano, o nmero de artigos cientficos da

Universidade atendidos pelo servio de apoio traduo e pagamento de taxas de

publicao em peridicos de alto impacto;

Objetivo 6: Fortalecer o papel da Univasf na economia e na sociedade, especialmente

43

em termos loco-regionais, visando produo de novos conhecimentos, a inovao

tecnolgica e ao desenvolvimento econmico e socioambiental.

Metas:

Aprovar em no mximo dois anos, junto s instncias competentes, um documento que

estabelea a poltica de inovao e transferncia de tecnologia, realando o papel do

Ncleo de Inovao Tecnolgica, para atuao em Gesto da Propriedade Intelectual,

em Cincia, Tecnologia e Inovao (CT&I) e a insero da Univasf no Sistema

Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC);

Implantar, em no mximo quatro anos, um Parque Tecnolgico e de Incubao, que

fortalea a estruturao e vinculao de Empresas Juniores e de outros mecanismos de

relao Universidade - Sociedade s vocaes sociais, econmicas e ambientais da

regio semirida.

Buscar anualmente parcerias junto aos governos (municipais e estaduais) visando a

elaborao de editais de fomento na busca de solues demandadas por estes setores.

Fonte: organizao prpria.

3.5.4 Poltica de Assistncia Estudantil

No mbito do Programa Nacional de Assistncia ao Estudante de Ensino

Superior PNAES, a poltica de Assistncia Estudantil da Univasf tem o propsito de

contribuir para que o estudante socioeconomicamente vulnervel tenha acesso ao ensino

superior pblico, que nele possa permanecer e concluir seu curso de graduao, com

qualidade.

Alm das frentes de ao tradicionalmente desenvolvidas nessa poltica (como

auxlio moradia, residncias universitrias, auxlio alimentao e bolsas de

permanncia), a Univasf gerencia servios de transporte urbano com vistas aos

deslocamentos de discentes em cidades onde os cursos so ofertados e os servios de

fornecimento dirio de alimentao, atravs dos Restaurantes Universitrios localizados

nos cmpus de maior dimenso do corpo discente: Petrolina Sede; Petrolina Centro de

Cincias Agrrias; e Juazeiro. Entre as diversas modalidades dessa poltica, apenas no

ano de 2015, um total de 3,3 mil estudantes foi contemplado com a concesso de pelo

menos um tipo de benefcio. Para um maior detalhamento das informaes a esse

respeito, ver, mais adiante, a seo especfica sobre a atual configurao da poltica de

apoio ao discente, na Univasf.

44

Por ora, ser apresentado, a seguir, o conjunto de objetivos e metas considerados

estratgicos para o alcance no perodo 2016 2021, no mbito da assistncia estudantil

(Quadro 08).

Quadro 08: Matriz estratgica de objetivos e metas assistncia estudantil

TEMA ESTRATGICO: ASSISTNCIA ESTUDANTIL

Objetivo 1: Promover a ampliao quantitativa e melhoria contnua do Programa de

Assistncia Estudantil da Univasf.

Metas:

Garantir, em no mximo trs anos, a oferta regular de 100% das aes/modalidades de

assistncia previstas no Programa de Assistncia Estudantil da Univasf.;

Aprovar, em at dois anos, junto ao Conselho Universitrio, uma resoluo que

estabelea percentual do oramento anual da Universidade (crditos extra Programa

Nacional de Assistncia Estudantil - PNAES) a ser destinado poltica de assistncia

estudantil;

Em no mximo um ano, elaborar e implementar junto comunidade acadmica,

especialmente junto aos discentes, uma campanha informativa e de sensibilizao, com

natureza permanente em prol da maior participao e do maior controle social nas aes

de Assistncia Estudantil, fortalecendo seu carter de direito social;

Estabelecer, em at dois anos, um subprograma com aes de ateno sade e

psicossocial, bem-estar, qualidade de vida e lazer, atravs da mobilizao de parcerias e

articulaes interinstitucionais.

Objetivo 2: Expandir, quantitativa e qualitativamente, os servios dos Restaurantes

Universitrios e/ou de outras aes relacionadas ao acesso alimentao.

Metas:

Aprovar, em no mximo um ano, junto Cmara de Assistncia Estudantil, uma

programao para a implantao de Restaurantes Universitrios nos campi ainda

desprovidos destes equipamentos, em conformidade com o oramento da Universidade

e com as previses de evoluo do Programa Nacional de Assistncia Estudantil;

Atingir 50%, nos prximos cinco anos, e 100%, nos cinco anos posteriores, como

percentuais dos estudantes em situao de vulnerabilidade socioeconmica atendidos

mediante subsdio total no preo das refeies ofertadas;

Garantir, em no mximo cinco anos, uma equipe especializada, por Restaurante

Universitrio, para monitoramento permanente das atividades destes equipamentos,

especialmente em termos de acompanhamento aos requisitos nutricionais.

45

Objetivo 3: Ampliar o acesso dos discentes com vulnerabilidade socioeconmica ao

benefcio da Residncia Universitria.

Metas:

Aprovar, em no mximo um ano, junto Cmara de Assistncia Estudantil, uma

programao para a implantao de Residncias Universitrias nos campi ainda

desprovidos destes equipamentos, em conformidade com o oramento da Universidade

e com as previses de evoluo do Programa Nacional de Assistncia Estudantil;

Atingir 25%, nos prximos cinco anos, e 50%, nos cinco anos posteriores, como

percentuais dos estudantes em situao de vulnerabilidade socioeconmica atendidos

mediante acesso a vagas em Residncias Universitrias.

Objetivo 4: Dotar o Programa de Assistncia Estudantil da Univasf de um quadro

multiprofissional de profissionais especializados que seja compatvel com as

necessidades da Universidade.

Metas:

Aprovar, em no mximo um ano, documento que estabelea as diretrizes para a

formao de equipes de profissionais da Assistncia Estudantil na Universidade, em

termos de perfis e quantidades;

Dispor, at 2017, de pelo menos um profissional do Servio Social por campi, nos

campi ainda no contemplados;

Garantir em 100%, em no mximo cinco anos, o atendimento s diretrizes para a

formao de equipes de profissionais da Assistncia Estudantil na Universidade, em

termos de perfis e quantidades.

Objetivo 5: Ampliar, conforme as necessidades locais de cada campus, o acesso dos

discentes aos servios de transportes necessrios aos deslocamentos dirios para as

atividades na Universidade.

Metas:

Ofertar servio de transporte ou ao de auxlio financeiro para esta finalidade,

atendendo, em no mximo dois anos, 100% dos estudantes em situao de

vulnerabilidade socioeconmica em deslocamentos dirios para os campi em

localizao desprovida de rotas de transporte coletivo pblico;

Fonte: organizao prpria

46

3.5.5 Polticas de Gesto

Para o eixo estratgico da Gesto Universitria, neste PDI, as discusses esto

segmentadas em quatro eixos, os quais sero detalhados nas prximas subsees, a

saber: gesto de pessoas; tecnologias de informao e comunicao; infraestrutura e

organizao administrativa.

Poltica de Gesto de Pessoas

No cumprimento da misso institucional da Universidade, seu quadro de pessoal

assume um papel singular, visto que o desenvolvimento dos servios ofertados

sociedade depende de uma complexa e dinmica rede de interaes, pela quais as

equipes profissionais desempenham suas atividades laborais.

Nessa perspectiva, o tema Pessoas se reveste de centralidade no planejamento do

desenvolvimento institucional. Alm de tpicos mais vinculados s funcionalidades

administrativas (planos de capacitaes; avaliaes de desempenho; normas e seleo;

gesto por competncias; dentre outros), questes como qualidade de vida no trabalho e

outras correlacionadas tm igual destaque. Assume-se, dessa forma, que um adequado

cumprimento das atribuies institucionais da Universidade, como em qualquer

organizao, especialmente pblica, no se dissocia do processo de desenvolvimento

das pessoas que compem essa organizao.

Na Univasf, a Superintendncia de Gesto de Pessoas (SGP) o rgo executivo

que coordena a Poltica de Pessoal. Alm do atendimento s questes legais e

normativas referentes aos 851 servidores pblicos atualmente atuantes na Universidade,

esse setor atua junto ao Subsistema Integrado de Ateno Sade do Servidor (SIASS).

Aes nas reas de percia oficial em sade, vigilncia aos ambientes e processos de

trabalho, promoo e acompanhamento da sade dos servidores so desenvolvidas pelo

SIASS, possibilitando atuao direta tanto na promoo do bem-estar individual e

coletivo do ambiente organizacional.

Para a continuidade dos avanos nessa frente de ao, o quadro que segue expe

os objetivos estratgicos e metas associados Gesto de Pessoas, vislumbrados para o

perodo de abrangncia do presente PDI (2016 2025).

Quadro 09: Matriz estratgica de obje