of 105/105
PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI JANEIRO/2011

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI · APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI manifesta o ideal para desenvolvimento da UnC de forma planejada, participativa

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI · APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento...

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI

JANEIRO/2011

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC

e-mail: [email protected] / Home Page: www.unc.br CANOINHAS CONCRDIA CURITIBANOS - MAFRA - PORTO UNIO - RIO

NEGRINHO

FUNDAO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - FUnC CNPJ: 83.395.921/0001-28 - Av. Pres. Nereu Ramos, 1071 Caixa Postal, 111 PABX/FAX: (047) 3641-5500 - CEP: 89.300-000 - Mafra SC www.mfa.unc.br

Campi/Ncleos Universitrios

CAMPUS DE CANOINHAS Rua Roberto Ehlke, 86 Caixa Postal 01

89.460-000 Canoinhas-SC Fone/fax: 47 3622-9999 http://www.cni.unc.br

CAMPUS DE CONCRDIA Rua Victor Sopelsa, 3000 Bairro Salete

89.700-000 Concrdia-SC Fone: 49 3441-1000 http://www.uncnet.br

NCLEO DE PORTO UNIO Rua Joaquim Nabuco, 314 89.400-000 Porto Unio-SC

Fone: 42 3523-2328

CAMPUS DE MAFRA Avenida Nereu Ramos, 1071

89.300-000 Mafra-SC Fone/fax: 47 3641-5500 http://www.mfa.unc.br

CAMPUS DE CURITIBANOS Av. Leoberto Leal, 1904 Bairro Waldemar Ortigari

89.520-000 Curitibanos-SC Fone/fax: 49 3245-4100 http://www.cbs.unc.br

NCLEO DE RIO NEGRINHO Rua Pedro Simes de Oliveira, 315 Centro

89.295-000 Rio Negrinho-SC Fone: 47 3644-1051

http://www.cni.unc.br/http://www.uncnet.br/http://www.mfa.unc.br/http://www.cbs.unc.br/

APRESENTAO

O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI manifesta o ideal para

desenvolvimento da UnC de forma planejada, participativa e crtica. Esse ideal

relevante por abordar um ambiente que tem o intuito de promover a educao, a

produo e difuso do conhecimento. A formao universitria deve focar o

desenvolvimento da sociedade, superando as contradies da individualidade, que

em muito interfere no processo de desenvolvimento social. Por isso, a UnC

fundamenta todas as suas aes nos princpios que a criaram como uma instituio

voltada aos anseios da comunidade que a circunda.

A UnC, focada nas necessidades de acompanhar o cenrio da educao

superior, passa por um processo de reestruturao. Em face da mudana na

legislao e novos requisitos para as instituies universitrias, deflagrou o processo

de unificao das Fundaes (mantenedora e co-mantenedoras), numa ao

conjunta com o Ministrio Pblico do Estado de Santa Catarina, cuja concretizao

deu-se no dia 02 de janeiro de 2010. Este processo alterou a configurao jurdica e

organizacional da mantenedora e da universidade. Atualmente, tem como

Mantenedora a Fundao Universidade do Contestado FUnC, instituio de origem

pblica e de natureza do direito privado.

A UnC uma universidade multi-campi, com seus campi sede em Canoinhas,

Concrdia, Curitibanos e Mafra. Ainda desenvolve atividades de educao superior

em seus Ncleos Universitrios em Porto Unio e Rio Negrinho.

Esta verso do PDI foi estruturada a partir de polticas institucionais

elaboradas com base nas dimenses da Avaliao Institucional. A partir da definio

dos princpios institucionais, principalmente daqueles que deram suporte para a

reestruturao da instituio, foram elaborados os objetivos e metas em observao

s recomendaes da Comisso Permanente de Avaliao - CPA. As

recomendaes estabelecidas no relatrio foram analisadas na perspectiva do novo

formato jurdico/organizacional da UnC. Assim sendo, as dificuldades identificadas e

necessidades de procedimentos visam, no conjunto, o desenvolvimento da

Instituio na promoo do Ensino, Pesquisa e Extenso de forma indissociada.

A UnC direciona cada vez mais suas aes para uma organizao

administrativa gil e eficiente, visando a permanente sustentabilidade financeira,

contemplada por um conjunto de estratgias estabelecidas neste documento.

Deste modo, o presente documento se constitui nas diretrizes que nortearo

as atividades a serem desenvolvidas nos prximos anos na Universidade, em

contnua avaliao e reestruturao, possibilitando permanente processo de

desenvolvimento educacional.

LISTA DE QUADROS

Quadro 1: Difuso das Polticas Institucionais ......................................................... 21

Quadro 2: Promoo do Ensino, Pesquisa e Extenso de Forma Indissociada ...... 22

Quadro 3: Difuso de Poltica de Responsabilidade Social, Incluso,

Desenvolvimento Econmico e Social, Defesa do Meio Ambiente,

Memria Cultural, Produo Artstica e do Patrimnio Cultural.............. 22

Quadro 4: Definio de uma Poltica para Comunicao com a Sociedade Pblico

Interna e Externa .................................................................................... 23

Quadro 5: Implantao de uma Poltica de Pessoal ................................................. 23

Quadro 6: Consolidao de Gesto Integrada ......................................................... 24

Quadro 7: Disponibilizao de Infra-Estrutura Fsica e Tecnolgica para o

Desenvolvimento de suas Atividades ..................................................... 24

Quadro 8: Utilizao dos Resultados da Avaliao Institucional como Referncia

para o Processo de Gesto Institucional ................................................ 25

Quadro 9: Viabilizao do Acesso e Permanncia dos Alunos e Relao com os

Egressos ................................................................................................ 25

Quadro 10: Adequao do Modelo Jurdico Organizacional ..................................... 26

Quadro 11: Demonstrativo dos Cursos de Graduao na Modalidade Presencial.... 41

Quadro 12: Oferta de Cursos na Modalidade a Distncia ........................................ 43

Quadro 13: Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade Presencial ........ 48

Quadro 14: Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade a Distncia ....... 50

Quadro 15: Demonstrativo dos Cursos de Ps-Graduao Stricto Sensu ............... 51

Quadro 16: Polos de apoio presencial da UnC ......................................................... 56

Quadro 17: Demonstrativo do Corpo Docente por Titulao ..................................... 58

Quadro 18: Demonstrativo do Corpo Docente por Carga Horria ............................. 58

Quadro 19: Experincia Acadmica no Magistrio Superior ..................................... 59

Quadro 20: Composio de Docentes do Ensino a Distncia ................................... 59

Quadro 21: Indicador para Contratao de Professor/Tutor ..................................... 60

Quadro 22: Plano Expanso Titulao ................................................................... 63

Quadro 23: Plano Expanso Carga Horria ........................................................... 63

Quadro 24: Estrutura Fsica para Apoio e Realizao de Aulas Prticas e Tericas 76

Quadro 25: Estrutura Fsica de Ncleos ................................................................... 77

Quadro 26: Estrutura Fsica para Gesto Acadmica e Administrativa ..................... 78

Quadro 27: Horrio de Funcionamento das Bibliotecas de Segundas e Sextas-

Feiras ..................................................................................................... 81

Quadro 28: Horrio de Funcionamento das Bibliotecas aos Sbados ...................... 81

Quadro 29: Espao Fsico das Bibliotecas ................................................................ 81

Quadro 30: Pessoal Tcnico-Administrativo Biblioteca ............................................. 82

Quadro 31: Descrio do Acervo Bibliogrfico .......................................................... 82

Quadro 32: Distribuio do Acervo Bibliogrfico ....................................................... 83

Quadro 33: Estrutura Fsica de Laboratrios............................................................. 86

Quadro 34: Estrutura Fsica de Laboratrios de Informtica ..................................... 87

Quadro 35: Recursos de Informtica Disponveis ..................................................... 88

Quadro 36: Equipamentos......................................................................................... 89

Quadro 37: Cronograma de Expanso da Infra-Estrutura ......................................... 90

Quadro 38: Situao Econmica da UnC ................................................................ 101

SUMRIO

APRESENTAO ...................................................................................................... 2

1 DA INSTITUIO E PERFIL INSTITUCIONAL ..................................................... 10

1.1 ANTECEDENTES HISTRICOS ........................................................................ 10

1.2 HISTRICO DA UNC .......................................................................................... 11

1.3 MISSO .............................................................................................................. 19

1.4 VISO ................................................................................................................. 19

1.5 PRINCPIOS INSTITUCIONAIS .......................................................................... 19

1.6 OBJETIVOS, METAS E CRONOGRAMA .......................................................... 21

1.6.1 Dimenso 1: A misso e o Plano de Desenvolvimento Institucional ................ 21

1.6.2 Dimenso 2: A poltica para o Ensino, Pesquisa, Ps-Graduao, Extenso e

respectivas formas de operacionalizao includos os procedimentos para

estmulo a produo acadmica, de pesquisa, de monitoria e demais

modalidades ........................................................................................................ 21

1.6.3 Dimenso 3: Responsabilidade social da Instituio especialmente no que

se refere a incluso social, desenvolvimento econmico e social, defesa do

meio ambiente, memria cultural, produo artstica e do patrimnio cultural .... 22

1.6.4 Dimenso 4: A comunicao com a sociedade. ............................................... 22

1.6.5 Dimenso 5: Polticas de pessoal, carreiras do corpo docente e do corpo

tcnico administrativo, seu aperfeioamento, desenvolvimento profissional e

condies de trabalho. ........................................................................................ 23

1.6.6 Dimenso 6: Organizao e gesto da instituio, especialmente o

funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independncia e

autonomia na relao com a mantenedora e a participao dos segmentos da

comunidade universitria nos processos decisrios ........................................... 23

1.6.7 Dimenso 7: Infra-estrutura fsica, especialmente a de Ensino, Pesquisa e

Extenso, biblioteca, recursos de informao e comunicao. ........................... 24

1.6.8 Dimenso 8: Planejamento e avaliao, especialmente dos processos,

resultados e eficcia da autoavaliao institucional. ........................................... 25

1.6.9 Dimenso 9. Polticas de atendimentos ao estudante ...................................... 25

1.6.10 Dimenso 10: Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado

social da continuidade dos compromissos na oferta da educao superior ....... 26

1.7 REA(S) DE ATUAO ACADMICA ............................................................... 26

1.7.1 Educao Bsica .............................................................................................. 26

1.7.2 Cursos de Graduao Presenciais e No Presenciais ..................................... 27

1.7.3 Cursos Sequenciais ......................................................................................... 27

1.7.4 Cursos de Ps Graduao - Lato Sensu, Presenciais e No Presenciais ....... 27

1.7.5 Ps Graduao Stricto Sensu .......................................................................... 28

1.7.6 Extenso .......................................................................................................... 28

1.7.7 Pesquisa .......................................................................................................... 29

2 DESENVOLVIMENTO DOS CURSOS (PRESENCIAL E A DISTNCIA)............. 31

2.1 DEMOSNTRATIVO DE OFERTA DE CURSOS DA GRADUAO

PRESENCIAL ..................................................................................................... 31

2.1.1 Oferta de Cursos na Modalidade Presencial .................................................... 32

2.1.2 Oferta de Cursos de Graduao na Modalidade a Distncia ........................... 42

2.2 PROGRAMAS ESPECIAIS DE FORMAO PEDAGGICA ............................. 44

2.3 PS GRADUAO (LATO SENSU) ................................................................... 45

2.3.1 Demonstrativo dos Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade

Presencial em Funcionamento e Previso de Oferta .......................................... 45

2.3.2 Demonstrativo dos Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade a

Distncia em Funcionamento e Previso de Oferta ............................................ 49

2.4 DEMONSTRATIVO DOS CURSOS DE PS-GRADUAO STRICTO SENSU 51

2.5 POLOS DE EAD .................................................................................................. 52

2.5.1 Demonstrativo dos Polos de apoio presencial da UnC..................................... 54

2.6 CAMPI E CURSOS FORA DE SEDE .................................................................. 56

3 PEFIL DO CORPO DOCENTE .............................................................................. 57

3.1 COMPOSIO DO CORPO DOCENTE ............................................................. 57

3.1.1 Demonstrativo do Corpo Docente por Titulao - 2010.................................... 58

3.1.2 Demonstrativo do Corpo Docente por Carga Horria - 2010 ............................ 58

3.1.3 Experincia Acadmica no Magistrio Superior ............................................... 59

3.2 PROFESSORES DO ENSINO DISTNCIA ..................................................... 59

3.2.1 Relao Professor/Tutor e Aluno ..................................................................... 60

3.2.1.1 Indicador para contratao de professor/tutor presencial utilizada pela UnC 60

3.3 PLANO DE CARREIRA ....................................................................................... 61

3.4 CRITRIOS DE SELEO E CONTRATAO ................................................. 61

3.5 PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAO EVENTUAL E/OU

EMERGENCIAL DOS PROFESSORES ............................................................. 62

3.6 CRONOGRAMA E PLANO DE EXPANSO DO CORPO DOCENTE ................ 62

3.6.1 Plano Expanso Titulao ............................................................................. 63

3.6.2 Plano Expanso - Carga Horria ..................................................................... 63

4 ORGANIZAO ADMINISTRATIVA DA IES ........................................................ 65

4.1 RGOS COLEGIADOS: COMPETNCIAS E COMPOSIO ........................ 65

4.2 RGOS DE APOIO AS ATIVIDADES ACADMICAS ...................................... 68

5 POLTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES ............................................. 69

5.1 PROGRAMAS DE APOIO AO ESTUDANTE ...................................................... 69

5.2 ESTMULOS PERMANENCIA ......................................................................... 70

5.3 ORGANIZAO ESTUDANTIL ........................................................................... 71

5.4 ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS ........................................................... 71

6 INFRA-ESTRUTURA FSICA ................................................................................ 73

6.1 QUANTIFICAO SUMRIA DO ESPAO DESTINADO S ATIVIDADES-

FIM: SALAS DE AULA, Ncleos, LABORATRIOS, EQUIPAMENTOS E

OUTROS ESPAOS .......................................................................................... 74

6.1.1 Estrutura Fsica para Realizao de Aulas ....................................................... 74

6.1.2 Estrutura fsica de Ncleos para Prtica Pedaggicas ..................................... 76

6.1.3 Estrutura Fsica para a Gesto Acadmica e Administrativa ............................ 77

6.2 BIBLIOTECA ....................................................................................................... 79

6.2.1 Servios Oferecidos pela Biblioteca ................................................................. 79

6.2.2 Horrio de Atendimento das Bibliotecas .......................................................... 80

6.2.3 Espao Fsico ................................................................................................... 81

6.2.4 Pessoal Tcnico Administrativo ..................................................................... 82

6.2.5 Descrio do Acervo Bibliogrfico .................................................................... 82

6.2.6 Distribuio do Acervo Bibliogrfico ................................................................. 83

6.3 LABORATRIOS ................................................................................................ 83

6.3.1 Estrutura Fsica de Laboratrios ...................................................................... 84

6.3.2 Estrutura Fsica de Laboratrios de Informtica ............................................... 86

6.3.3 Relao de equipamentos/aluno ...................................................................... 88

6.3.4 Recursos de Informtica disponveis ................................................................ 88

6.4 RECURSOS TECNOLGICOS E DE AUDIO VISUAL ....................................... 89

6.5 PLANO DE PROMOO DE ACESSIBILIDADE E DE ATENDIMENTO

DIFERENCIADO A PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ............. 90

6.6 CRONOGRAMA DE EXPANSO DA INFRA-ESTRUTURA PARA O PERODO

DE VIGNCIA DO PDI........................................................................................ 90

7 AVALIAO E ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO

INSTITUCIONAL ................................................................................................ 92

7.1 PROCEDIMENTOS DE AUTO AVALIO INSTITUCIONAL ............................. 92

8 ASPECTOS FINANCEIROS E ORAMENTRIOS .............................................. 99

8.1 DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA . 99

CONSIDERAES FINAIS .................................................................................... 103

REFERNCIAS ....................................................................................................... 104

10

1 DA INSTITUIO E PERFIL INSTITUCIONAL

1.1 ANTECEDENTES HISTRICOS

O desbravamento do Meio-Oeste e Planalto Norte de Santa Catarina, teve

incio no comeo do sculo XIX, quando o processo de colonizao instalou

diferentes culturas, associadas s diversas iniciativas no campo econmico, social e

educacional. As diferentes iniciativas de colonizao geraram formas de

desenvolvimento e de expanso muito significativas. Alm dos fatos gerados pela

colonizao, esta regio foi palco de fatos polticos e ideolgicos no incio do sculo

passado, que culminaram na agregao de uma rea territorial do Estado do Paran

por Santa Catarina (Planalto Norte Catarinense).

Fator decisivo para o desenvolvimento scio-econmico da regio foi a

implantao de cinco Instituies de ensino superior isoladas, no incio da dcada de

70. As instituies criadas nesse perodo foram: a Fundao das Escolas do Planalto

Norte Catarinense - Funploc em 07.12.70; a Fundao Educacional do Alto Vale do

Rio do Peixe - Fearpe em 23.09.71; a Fundao Educacional do Alto Uruguai

Catarinense - Feauc em 09.04.76; Fundao Universitria do Norte Catarinense -

Funorte em 04.11.71; e a Fundao Educacional do Planalto Central Catarinense -

Feplac, em 24.06.76.

Tal iniciativa constitua-se em um dos fatores determinantes para a histria

regional das comunidades abrangidas pelas instituies, que surgiram por

determinao das comunidades e dos poderes constitudos como forma de

promover o processo de crescimento cultural e o desenvolvimento tcnico-cientfico

da regio. Assim sendo, no vieram por determinao do poder central ou por

iniciativas individuais ou particulares, mas nasceram do conjunto de lideranas

comunitrias locais e regionais.

Ao longo destes anos, cada instituio isolada desenvolveu um trabalho

intenso e crescente em relao s atividades de ensino superior em suas regies.

Em decorrncia das necessidades surgidas, foram criados cursos, inicialmente com

predomnio para a rea da educao (licenciaturas), e, posteriormente, em outras

11

reas do conhecimento. Nas dcadas de 70 e 80, estas instituies implantaram 20

cursos, com 26 habilitaes e foram responsveis pela formao da quase totalidade

dos professores que atuavam nas redes de educao bsica da regio e dos

profissionais de nvel superior que trabalham no terceiro setor da economia regional.

Na dcada de 80, foram acrescidos cursos de Ps-Graduao lato-sensu, ,

cuja finalidade era especializar professores e profissionais na rea empresarial,

social e da sade.

De forma assistemtica, mas crescente, programas de extenso foram

desenvolvidos, demonstrando que as instituies, alm do ensino, necessitavam

apoiar e implementar outras reas e setores das comunidades. Em vista da

capacidade tcnica e humana atuante na rea do ensino, organizaes e instituies

da comunidade externa, buscaram servios especializados, particularmente voltados

para a educao, empresas e segmentos comunitrios da regio.

Nestas duas dcadas, a pesquisa desenvolvida foi muito modesta, pois as

instituies possuam poucos mestres e doutores em seus quadros com

disponibilidade para pesquisa. Poucos projetos de pesquisa surgiram, ocorrendo na

medida em que as instituies comeam a preocupar-se com a institucionalizao

desta atividade e a contratar alguns docentes em tempo integral.

A experincia acadmica no ensino, na pesquisa e na extenso, adquirida

neste perodo, criou condies para que se pensasse em conjunto um projeto nico

e maior: a criao de uma universidade.

1.2 HISTRICO DA UNC

A Universidade do Contestado - UnC comeou a ser esboada a partir dos

quase 20 anos de histria do ensino superior desenvolvido na regio. Assim, em

ateno s caractersticas, s potencialidades e perspectivas da regio,

constituda uma Comisso integrada por professores das cinco Instituies

(FUNPLOC, FUNORTE, FEAUC, FEAUC E FEPLAC), em maro de 1990,

responsvel pela elaborao da Carta-Consulta e posteriormente, pelo Projeto De

criao da Universidade.

12

Para transformar as instituies de ensino superior em uma entidade para

manter a Universidade, foi criada em 28 de maro de 1990 a Federao das

Fundaes Educacionais do Contestado - FENIC. A Universidade do Contestado foi

constituda por cinco campi Universitrios com sede em Caador, Canoinhas,

Concrdia, Curitibanos e Mafra.

A FENIC foi constituda como instituio de carter regional e comunitrio, de

fins pblicos, filantrpicos e cientfico-culturais, com personalidade jurdica de direito

privado, regida por estatuto registrado no Cartrio de Registro Civil de Ttulos e

Documentos da Comarca de Caador, no Livro A-03, sob o n 217, as fls. 30 e 30v.,

em 07 de agosto de 1990. A entidade foi declarada de Utilidade Pblica Municipal

pela Lei 400 de 13 de dezembro de 1990 e pela Lei n 8.237 de 10 abril de 1991,

declarada de Utilidade Pblica Estadual.

A Comisso constituda com a finalidade de elaborar o processo da

Universidade do Contestado protocolou, em 30 de maro de 1990, sob o n

23001000992/90-91 a Carta-Consulta com pedido de autorizao do funcionamento

da Universidade do Contestado. Foi designada, pelo CFE uma Comisso de

Consultoria, composta pelos professores Zilma Gomes Parente de Barros, Dolores

Ruth Simes de Almeida e Igncio Ricken, para verificao in loco das condies

existentes nas cinco Fundaes Educacionais e reelaborao da Carta Consulta

luz do Parecer 642/90/CFE.

Sendo assim, nos dias 21 a 24 de agosto de 1990, a Comisso de Consultoria

visitou as cidades de Concrdia, Canoinhas, Mafra, Curitibanos e Caador para

avaliao do pleito com as lideranas da regio e com os dirigentes das IES. A partir

desta visita, a Comisso de Consultoria recomendou a continuidade da tramitao

do processo de criao da UnC, pela via da autorizao, conforme Relatrio de

24/08/90.

O Conselho Federal de Educao - CFE, pelo Parecer n 41/91, de 30 de

janeiro de 1991, acolheu a Carta-Consulta, com vistas criao, pela via da

autorizao, da Universidade do Contestado - UnC. O citado parecer fixou o prazo

de 180 dias, para que a interessada elaborasse o respectivo Projeto de

Universidade, consoante s normas constantes na Portaria n 21/90, combinadas

com aquelas emanadas da Comisso Especial de Universidade do CFE. Pelo

13

Parecer n 319/91, de 06/06|91, o prazo de 180 dias foi dilatado para 1 ano,

extensivo a todos os processos de criao de universidades pela via da autorizao.

Tendo presente o Parecer n 41/91, que acolheu a Carta-Consulta, o

Presidente do CFE baixou a Portaria n 03, de 19 de fevereiro de 1991, designando

os professores Dolores Ruth Simes de Almeida, da Universidade Federal de Santa

Catarina, Lauro Ribas Zimmer, da Universidade Estcio de S do Rio de Janeiro, e

Igncio Ricken, da Universidade do Estado de Santa Catarina, para procederem ao

acompanhamento do processo de implantao da Universidade com vistas ao seu

reconhecimento previsto para um mnimo de trs e um mximo de cinco anos, pela

via da autorizao.

A Comisso de Acompanhamento, sob a presidncia da Conselheira

Relatora, fez quatro visitas Instituio, no decorrer do ano de 1991.

A UnC, em 03 de setembro de 1991, deu entrada junto ao Protocolo do CFE,

do Projeto da Universidade do Contestado, sob o n 23001.000992 90-1. Com base

nas observaes feitas, nas constataes in loco, na elaborao clara e coerente

do Projeto de Universidade e, finalmente, tendo em vista o cumprimento da

legislao e das normas especficas do CFE que regem a matria, a Comisso de

Acompanhamento recomendou a aprovao do Projeto de Universidade da UnC.

Este projeto foi aprovado pelo Parecer n 589/91-CFE, em 6/11/91, homologado pelo

MEC e publicado no Dirio Oficial da Unio em 07/05/92.

Pelo Parecer n 270/92 do CFE, aprovado em 05/05/92, deu-se a extenso da

prerrogativa mencionada no artigo 15 da Lei 4.024/61 e nos termos do 2 do art. 9

da mesma lei ao Conselho Estadual de Educao de Santa Catarina CEE/SC. Tal

extenso foi homologada pela Portaria n 1.037 de 07 de julho de 1992, do

Ministrio da Educao.

Assim, investido das novas funes, o Conselho Estadual de Educao

iniciou as atividades, assumindo o acompanhamento de diversas universidades do

Estado que tivessem seu Projeto de Universidade aprovado pelo Conselho Federal

de Educao e cujo processo de acompanhamento j estivesse em

desenvolvimento.

Assim, o ento Presidente do CEE-SC, Conselheiro Kuno Paulo Rhoden,

instituiu a Comisso de Acompanhamento, constituda pelo Conselheiro Almerindo

Brancher - Presidente, e pelos professores Francisco Gabriel Heidemann, da

14

Universidade Federal de Santa Catarina, Marli Schramm, da Universidade Regional

de Blumenau e Wilson Schuelter, da Universidade do Sul de Santa Catarina, para

acompanharem o processo de autorizao, da Universidade do Contestado-UnC.

A Comisso designada pelo CEE tomou conhecimento do Relatrio das

atividades desenvolvidas pela Comisso de Acompanhamento do CFE, que serviu

como referencial para a retomada do processo em andamento.

A Comisso de Acompanhamento do CEE efetuou sua primeira visita

Universidade do Contestado em 19 a 21 de maio de 1993, percorrendo os Campi de

Caador, Concrdia e Curitibanos, aps o que, procedeu uma avaliao, detectando

os avanos e dificuldades, que resultaram em vrias recomendaes, registradas no

primeiro Relatrio encaminhado Instituio.

Para possibilitar UnC a oportunidade de ser observada e assessorada,

como tambm de, progressivamente, demonstrar sua capacidade de auto-

gerenciamento acadmico e administrativo, a Comisso realizou sua segunda visita

nos dias 24 e 25 de novembro de 1993, percorrendo os Campi de Canoinhas e de

Mafra, concluindo os trabalhos com o segundo Relatrio de avaliao e

recomendaes.

A terceira visita foi efetuada Universidade do Contestado em 16 e 17/02/95

percorrendo a Comisso os campi de Concrdia e Caador, para acompanhar o

estgio em que se encontrava o processo de transformao em Universidade. Como

fez nas visitas anteriores, a Comisso passou UnC o terceiro Relatrio.

A quarta e ltima visita Universidade do Contestado foi de 15 a 18 de

novembro de 1995, tendo como objeto os Campi de Curitibanos, Caador e o

Campus Aproximado de Fraiburgo, para avaliar o cumprimento das recomendaes

do Relatrio n 03/95, e acompanhar o estgio em que se encontrava o processo de

reconhecimento da Universidade do Contestado.

Aps a quarta visita efetuada, a Comisso de Acompanhamento procedeu a

avaliao final. Fez os devidos registros, apresentando suas recomendaes e

orientaes para que a UnC elaborasse e encaminhasse ao CEE o processo final de

reconhecimento.

Nos anos de 1994 e 1995, o CEE emitiu parecer favorvel ao reconhecimento

dos cursos de graduao de Administrao, do Campus de Curitibanos, de

15

Educao Fsica em funcionamento no Campus de Concrdia e de Tecnologia em

Processamento de Dados em funcionamento nos diversos Campi da UnC.

Durante os meses de maro e abril de 1996 o CEE reavaliou todos os cursos

de graduao da UnC que haviam sido reconhecidos at o ano de 1991. Os cursos

avaliados foram: Enfermagem e Obstetrcia, Cincias-1 Grau com habilitao em

Matemtica e em Biologia, Letras, Cincias Contbeis, Administrao, Pedagogia e

Servio Social. As avaliaes, realizadas por comisses designadas por Portarias do

CEE, verificaram in loco a atual situao do corpo docente, grade curricular e

ementrios das disciplinas, acervo bibliogrfico, laboratrios e material didtico-

pedaggico dos diversos cursos.

Enquanto se implantava a Universidade do Contestado e a Comisso

procedia os trabalhos de acompanhamento, vrias mudanas ocorreram ao longo do

processo, sendo que uma das mais significativas diz respeito estrutura e

organizao acadmico-administrativa da UnC.

A Universidade do Contestado inicialmente mantida pela FENIC possua a

seguinte estrutura:

I. a FENIC, regida pelo sue Estatuto, estruturava-se com a Assemblia Geral

e Presidncia. A Assemblia Geral era composta pelos dirigentes

administrativos e acadmicos de cada campus, um representante do

Prefeito dos municpios sede (Caador, Caador, Concrdia, Curitibanos e

Mafra) e dos municpios de Fraiburgo e Porto Unio. A presidncia era

composta pelo Presidente e Vice-Presidente.

II. a UnC estruturava-se por dois rgos colegiados, o Conselho de

Administrao Superior-CAS e o Conselho de Ensino, Pesquisa e

Extenso-CEPE, e por um rgo executivo composto por um Diretor Geral

e quatro superintendentes, um de ensino de graduao, um de pesquisa e

ps-graduao, um de extenso e cultura e um de administrao.

Cada Centro de Ensino era mantido pela Fundao Educacional local, regida

pelo seu estatuto, que seguia as os princpios institucionais do estatuto da FENIC.

O Centro de Ensino era constitudo pelo Conselho Departamental, Direo de

Centro, Coordenador de Colegiado de Curso e Chefe de Departamento.

As mudanas estruturais ocorridas na UnC durante o processo de

acompanhamento foram as seguintes:

16

A FENIC deixou de ser uma federao e se transformou, por recomendao

do CEE, na Fundao Universidade do Contestado. Esta apresentando a seguinte

estrutura: o Conselho de Administrao Superior-CAS e a Presidncia. O CAS

assumiu as funes da Assemblia Geral da FENIC e a Presidncia manteve a

mesma configurao.

A UnC passou a estruturar-se da seguinte forma: dois rgos deliberativos

superiores, o Conselho Universitrio-CONSUN e o Conselho de Ensino, Pesquisa e

Extenso-CEPE, um rgo executivo superior, a Reitoria. Esta passou a ser

composta pelo Reitor, Vice-Reitor e quatro Pr-Reitorias.

Em nvel de Campus a estrutura administrativa adequou-se s exigncias da

implantao do projeto de universidade, procedendo alteraes nos seus Estatutos e

denominaes.

A funo mantenedora e a consequente responsabilidade pela Universidade

junto aos rgos oficiais foi assumida pela Fundao Universidade do Contestado,

com sede em Caador, tendo sido acolhidos seus Estatutos pelo Parecer 162/95 do

CEE-SC, em 05/09/95. Os cursos e vagas foram transferidos da FENIC para a

Fundao Universidade do Contestado pelo parecer 201/95 de 07/11/95.

Em 21/10/97, pelo Parecer 246/97 CEE-SC, a UnC foi oficialmente

reconhecida e credenciada em 03/12/97 pela Resoluo 42/97/CEE/SC, publicada

no Dirio Oficial do Estado, n 15.816, pgina 6, em 03/12/97.

A UnC foi recredenciada, pelo Conselho Estadual de Educao de Santa

Catarina, atravs do Parecer n 016/2006, de dia 07 de maro de 2006, que resultou

na Resoluo n 007/2006 - CEE/SC, assinada pelo Presidente do CEE.

Aps o reconhecimento da Universidade ocorreram algumas alteraes

estatutrias e regimentais. Entre elas destacam-se:

1) Estatuto e Regimento da Universidade que foi alterado em 2005,

estabelecendo uma nova estrutura para os Colegiados CEPE e CONSUN.

Os dois colegiados foram transformados no Conselho Superior de Ensino

Pesquisa e Extenso CONSEPE.

2) estatuto da Mantenedora da UnC sofreu alteraes no ano de 2001, para

estabelecer as condies para da criao de rdio e TV educativa e, em

2008, no que se refere as exigncias do novo cdigo civil.

17

Aps o reconhecimento da Universidade do Contestado, em 1997, ocorreram

fatos que exigiram a continuidade da contextualizao histrica da instituio, dois

foram marcantes: Lei no 9.394 das Diretrizes e Bases para a Educao Nacional e a

Lei N 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - DOU DE 11/01/2002 - CDIGO CIVIL. A

partir destas leis surgiram as Diretrizes Curriculares, que norteiam a estruturao

dos Projetos Pedaggicos dos Cursos Graduao, a Lei no 10.861, de 14 de abril de

2004, que estabeleceu o sistema de avaliao da educao superior; o Decreto no

5.773, de 9 de maio de 2006, que complementa a Lei no 9.394 e a Lei no 10,861. O

Conselho Estadual normatizado pela Lei do Sistema Estadual de Educao(Lei

170/98), estabelece o funcionamento do Sistema Estadual de Educao Superior de

Santa Catarina.

O Cdigo Civil de 2002 deixou mais clara a atuao do Ministrio Pblico

sobre as Fundaes. Em 2004, o Ministrio Pblico de Santa Catarina, institui o

SICAP - Sistema de Cadastro e Prestao de Contas, como mecanismo de controle

da atividades e relatrios contbeis das fundaes. O MP/SC define o SICAP como:

[...] instrumento de coleta de dados e informaes, utilizado por diversos Ministrios Pblicos estaduais, no velamento das fundaes, conforme dispositivo legal previsto no Art. 66 do Cdigo Civil brasileiro - Lei No.10.406 de 10 de janeiro de 2.003 - (anteriormente, previsto no Art. 26 da Lei No. 3.071 de 01 de janeiro de 1.916) e das entidades de interesse social . O SICAP tem por objetivo, tambm, o provimento de dados para a elaborao de estudos e estatsticas e a disponibilizao de informaes econmico-sociais das instituies sem fins lucrativos Os dados coletados pelo SICAP constituem expressivos insumos para atendimento das necessidades; de criao de um cadastro nacional de fundaes; da adoo de procedimentos uniformes para a prestao de contas; da sistematizao dos dados coletados; de cumprimento da legislao aplicvel; de estudos tcnicos de natureza estatstica; de tica e transparncia na atuao dos diversos agentes e atores do Terceiro Setor (Home Page MP/SC).

Neste novo cenrio posto pelo novo Cdigo Civil, o modelo

jurdico/organizacional da Fundao Universidade do Contestado ficou obsoleto.

Diante destes fatos, a UnC passa por nova fase na sua histria institucional. O

principal fato desta nova fase a regularizao da mantena da Universidade do

Contestado, que exigiu a transformao da mantenedora e suas co-mantenedoras

em uma nica Fundao, de configurao pblica e regida pelo direito privado. Este

processo foi realizado sob orientao do Ministrio Pblico e do Conselho Estadual

de Educao de Santa Catarina.

18

O processo de ajustes jurdicos e de constituio de uma nova estrutura

organizacional foi denominado Unificao das Fundaes Mantenedoras da UnC.

Para deflagrar o processo de unificao, em 20 de fevereiro de 2009 foi

realizada uma reunio convocada pela 25a Procuradoria do Ministrio Pblico de

Santa Catarina, com a participao dos dirigentes das seis Fundaes, Ministrio

Pblico e do Conselho Estadual de Educao.

A deciso de fazer parte da unificao coube a Assemblia de cada

Fundao, o que determinou a sada da Fundao Universidade do Contestado

UnC/CAADOR da Universidade do Contestado.

O processo de unificao foi desenvolvido por uma comisso de

detalhamento, que culminou com a aprovao do estatuto da Fundao

Universidade do Contestado FunC, em 27 de agosto de 2009, contemplando a

nova estrutura organizacional e administrativa da fundao.

Os encaminhamentos se consolidaram pela escolha da nova mantenedora da

UnC e pela aprovao do novo estatuto. A Fundao Universidade do Contestado

UnC/MAFRA, criada pela Lei Municipal no 730/71, inscrita no CNPJ sob o no

83.395.921/0001-28, caracterizada pela origem pblica sob a gide da natureza do

direito privado, com sede na Av. Pres. Nereu Ramos, 1071, na Cidade de Mafra,

Estado de Santa Catarina, assume a mantena da UnC, em 01 de janeiro de 2010.

Esta Fundao constituda pelos rgos colegiados: Conselho Curador e

Conselho Fiscal, e o rgo Executivo - Presidncia.

Com a reestruturao da mantenedora, a UnC passa a ser regida pelo

Regimento Geral, aprovado pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extenso

CONSEPE, em 21/01/2010. A estrutura da Universidade conta com rgos

deliberativos e executivos. Como rgos deliberativos tm-se o Conselho

Universitrio CONSUN e os Colegiados de Cursos de Graduao e de Ps-

Graduao. A estrutura executiva constituda pela Reitoria e Coordenaes.

E, com as alteraes decorrentes do processo de unificao, tem a seguinte

configurao multi-campi:

I. Campi Universitrios de Mafra, Canoinhas, Concrdia e Curitibanos.

II. Ncleos Universitrios: Porto Unio e Rio Negrinho.

19

Pelo Parecer no 023/2010-CEE/SC e pela Resoluo no 005/2010

CEE/SC, de 09/03/2010, a Universidade do Contestado obteve do Conselho

Estadual de Educao a homologao da transferncia de mantenedora, o

reconhecimento da nova estrutura e aditado o seu recredenciamento por mais 18

(dezoito) meses.

Portanto, a Universidade do Contestado - UnC, uma instituio de

Educao Superior vinculada ao Sistema Estadual de Santa Catarina, mantida por

uma Fundao de origem pblica e de natureza do direito privado.

1.3 MISSO

A UnC assim define sua misso:

Proporcionar condies concretas de desenvolvimento da sociedade nos

campos cientfico, tcnico e cultural, a partir da reinterpretao do passado, firmando

razes e buscando formas, alternativas para delinear o futuro e possibilitar o

crescimento scio-econmico e poltico-cultural no mbito de sua abrangncia.

1.4 VISO

Ser reconhecida como uma Universidade de referncia no Estado de Santa

Catarina, pela excelncia e qualidade docente e discente, voltada para ao

comunitria.

1.5 PRINCPIOS INSTITUCIONAIS

Seus princpios acompanham as aes dos dirigentes, orientam as relaes

pedaggicas e do trabalho institucional, direcionando sua autonomia didtico-

20

cientfica, administrativo-financeira e disciplinar, com base nos indicadores do

Sistema Nacional de Avaliao de Educao Superior - SINAES.

Os indicadores estabelecidos na Lei 10.861so os seguintes:

I. A misso e o Plano de Desenvolvimento Institucional;

II. A poltica para o Ensino, Pesquisa, Ps-Graduao e Extenso e

respectivas formas de operacionalizao, includos os procedimentos para

estmulo produo acadmica, de pesquisa, de monitoria e demais

modalidades (Ensino, Pesquisa e Extenso);

III. Responsabilidade social da Instituio, especialmente no que se refere

incluso social, desenvolvimento econmico e social, defesa do meio

ambiente, memria cultural, produo artstica e do patrimnio cultural;

IV. A comunicao com a sociedade;

V. Polticas de pessoal, plano de carreira do corpo docente e tcnico

administrativo, seu aperfeioamento, desenvolvimento profissional e

condies de trabalho;

VI. Organizao e gesto da instituio, especialmente o funcionamento e

representatividade dos colegiados, sua independncia e autonomia na

relao com a mantenedora e a participao dos segmentos da

comunidade universitria nos processos decisrios;

VII. Infraestrutura fsica, especialmente a de ensino, pesquisa e extenso,

biblioteca, recursos de informao e comunicao;

VIII. Planejamento e avaliao, especialmente os processos, resultados e

eficcia da autoavaliao institucional;

IX. Polticas de atendimentos ao estudante;

X. Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da

continuidade dos compromissos na oferta da educao superior.

Essas dimenses organizam os processos acadmicos para o cumprimento

da funo da Universidade na produo e disseminao de conhecimentos e na

interveno junto sociedade. Sua aplicao compreende a concretizao das

polticas institucionais.

21

1.6 OBJETIVOS, METAS E CRONOGRAMA

1.6.1 Dimenso 1: A misso e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Poltica: Difuso das Polticas Institucionais

Objetivos Metas Cronograma

1 - Revisar o Planejamento Estratgico

Reviso do planejamento estratgico 2011/2011

2 - Fortalecer as Polticas Institucionais

Socializao permanente das polticas institucionais

2011/2015

Articulao permanente entre ensino pesquisa e extenso.

Priorizao de recursos financeiros para efetivar das polticas institucionais atravs

de poltica oramentria anual.

Quadro 1: Difuso das Polticas Institucionais

1.6.2 Dimenso 2: A poltica para o Ensino, Pesquisa, Ps-Graduao, Extenso e

respectivas formas de operacionalizao includos os procedimentos para

estmulo a produo acadmica, de pesquisa, de monitoria e demais

modalidades

Poltica: Promoo do Ensino, Pesquisa e Extenso de forma indissociada.

Objetivos Metas Cronograma

1 - Articular polticas de Ensino, Pesquisa, Ps-

Graduao e da Extenso

Articulao permanente entre as aes de desenvolvimento do ensino, pesquisa e

extenso.

A partir de 2011

2 Redirecionar programas de incentivo

para a Pesquisa e Extenso em

conformidade com as demandas regionais de

atuao

Reviso quadrienal das linhas de pesquisas dos PPCs dos cursos conforme as demandas

regionais

A partir de 2011

Criao de frum permanente de avaliao dos programas de pesquisa e extenso

A partir de 2011

Aprimoramento contnuo da produo cientfica e tecnolgica da UnC

A partir de 2011

3 - Estabelecer Poltica de Formao

continuada para docentes

Criao e fortalecimento de programa permanente de Formao Continuada para

docentes

A partir de 2011

4 - Articular polticas de Ensino, Pesquisa, Ps-

Articulao permanente entre as aes de desenvolvimento do ensino, pesquisa e extenso

A partir de 2011

22

Graduao e da Extenso com a EAD

com EAD

5 Ampliar programas de stricto sensu

Reativao dos dois programas stricto sensu (reas da sade e educao)

2011/2013

Criao de um programa de sricto sensu - doutorado

2011/2014

Criao de um programa de sricto sensu - mestrado

2011/2015

Quadro 2: Promoo do Ensino, Pesquisa e Extenso de Forma Indissociada

1.6.3 Dimenso 3: Responsabilidade social da Instituio especialmente no que se

refere a incluso social, desenvolvimento econmico e social, defesa do meio

ambiente, memria cultural, produo artstica e do patrimnio cultural

Poltica: Difuso de poltica de responsabilidade social, incluso, desenvolvimento

econmico e social, defesa do meio ambiente, memria cultural, produo artstica e

do patrimnio cultural

Objetivos Metas Cronograma

1 Fortalecer a atuao da instituio nos programas de

promoo do desenvolvimento socioeconmico e

preservao do meio ambiente

Implementao de projetos que promovam a responsabilidade social

2011/2015

Implementao de projetos que promovam a incluso

2011/2015

Implementao de projetos que promovam o desenvolvimento econmico e social

2011/2015

Implementao de projetos que promovam a defesa do meio ambiente

2011/2015

Implementao de projetos que promovam a memria cultural, produo artstica e do

patrimnio cultural

2011/2015

Quadro 3: Difuso de Poltica de Responsabilidade Social, Incluso, Desenvolvimento Econmico e Social, Defesa do Meio Ambiente, Memria Cultural, Produo Artstica e do Patrimnio Cultural

1.6.4 Dimenso 4: A comunicao com a sociedade.

Poltica: Definio de uma poltica para comunicao com o pblico interno e externo

Objetivos Metas Cronograma

1 Criar um modelo de

comunicao eficaz com os

Aprimoramento de mecanismos de comunicao interna 2011/2015

Aprimoramento de mecanismos de comunicao externa 2011/2015

23

pblicos internos e externos

Identificao de stackholders 2011/2015

2 Criar mecanismo de

avaliao e controle da

comunicao da UnC com

os seus pblicos.

Definio das hierarquias e prioridades para estruturao dos mecanismos de controle da comunicao.

2011

Elaborao do fluxograma da comunicao. 2011

Criao dos instrumentos de validao e controle da comunicao e seus meios

2011

Quadro 4: Definio de uma Poltica para Comunicao com a Sociedade Pblico Interna e Externa

1.6.5 Dimenso 5: Polticas de pessoal, carreiras do corpo docente e do corpo

tcnico administrativo, seu aperfeioamento, desenvolvimento profissional e

condies de trabalho.

Poltica: Implantao de uma poltica de pessoal.

Objetivos Metas Cronograma

1 Implantar a poltica de pessoal

definida aps a concretizao da

unificao das fundaes.

Consolidao do Plano de Carreira Cargos e Salrios

2011/2015

Implantao definitiva da contrao por processo seletivo de novos empregados.

2011

Aprimoramento da avaliao de desempenho docente e tcnico-administrativo por meio de

indicadores 2011/2015

Promoo e insero permanente dos docentes e tcnico-administrativos em programas (presenciais

e a distncia) para a qualificao/capacitao

A partir de 2011

2 Atender os requisitos de titulao e dedicao de tempo integral nos termos da

legislao.

- Ampliao do nmero de docentes com a titulao de doutor em 25% do quadro total dos docentes

2011/2015

- Ampliao da dedicao de tempo integral do corpo docente para 40%.

2011/2015

Quadro 5: Implantao de uma Poltica de Pessoal

1.6.6 Dimenso 6: Organizao e gesto da instituio, especialmente o

funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independncia e

autonomia na relao com a mantenedora e a participao dos segmentos da

comunidade universitria nos processos decisrios

24

Poltica: Consolidao de gesto integrada.

Objetivos Metas Cronograma

1- Promover a reviso estatutria

e regimental.

- Avaliao da atual estrutura para reviso dos ordenamentos jurdicos.

2011/2015

- Participao efetiva dos colegiados nas discusses de decises institucionais.

2011/2015

2 Consolidar a gesto integrada

entre a mantenedora e

mantida.

- Criao e anlise de indicadores de gesto 2011

- Promoo permanente de fruns de debates para articular aes da Mantenedora e Mantida.

A partir de 2011

Quadro 6: Consolidao de Gesto Integrada

1.6.7 Dimenso 7: Infra-estrutura fsica, especialmente a de Ensino, Pesquisa e

Extenso, biblioteca, recursos de informao e comunicao.

Poltica: Disponibilizao de infra-estrutura fsica e tecnolgica para o

desenvolvimento das atividades.

Objetivos Metas Cronograma

1 - Garantir infra-estrutura necessria

para o Ensino, Pesquisa e Extenso

Adequao da estrutura fsica e tecnolgica para atender as especificidades do Ensino, Pesquisa e

Extenso 2011/2015

Disponibilizao de condies para acesso aos deficientes

2011/2015

Dimensionamento e cumprimento das necessidades de ampliao e atualizao dos

acervos das bibliotecas da UnC 2011/2015

Ampliao e atualizao dos recursos para uso e disseminao da informao digital

2011/2015

2 Oportunizar aos docentes e discentes

acesso, s novas tecnologias

Estruturao de programas para criar linhas de financiamento para aquisio de equipamentos de

informtica e acesso s novas tecnologias 2011/2015

3 Expandir a infra-estrutura fsica e

tecnolgica para a EAD

Abertura de novos Polos de apoio Presencial 2011/2015

Aperfeioamento do sistema de gesto administrativo e pedaggico, para modalidade de

EAD 2011/2015

Quadro 7: Disponibilizao de Infra-Estrutura Fsica e Tecnolgica para o Desenvolvimento de suas Atividades

25

1.6.8 Dimenso 8: Planejamento e avaliao, especialmente dos processos,

resultados e eficcia da autoavaliao institucional.

Poltica: Utilizao dos resultados da avaliao institucional como referncia para o

processo de gesto institucional.

Objetivos Metas Cronograma

1 - Aprimorar a sistemtica de auto-avaliao

institucional

Aprimoramento e ampliao dos instrumentos voltados para a Avaliao Institucional

2011/2015

Utilizao da Avaliao Institucional e de Cursos, nas 10 dimenses, como ferramentas

de gesto na UnC 2011/2015

Desenvolvimento de Programa de Avaliao para a Extenso, Pesquisa e EAD

2011/2015

Quadro 8: Utilizao dos Resultados da Avaliao Institucional como Referncia para o Processo de Gesto Institucional

1.6.9 Dimenso 9. Polticas de atendimentos ao estudante

Poltica: Viabilizao do acesso e permanncia dos alunos bem como a permanente

relao com os egressos.

Objetivos Metas Cronograma

1 Aprimorar as polticas de acesso e

permanncia do estudante

Estabelecimento de diretrizes de atendimento e permanncia do discente no mbito acadmico

e administrativo 2011/2015

Aprimoramento dos programas de bolsas de estudo e financiamento para alunos carentes

2011/2015

2 Viabilizar a permanente relao da UnC com os egressos

Desenvolvimento de polticas de acompanhamento e formao continuada de

egressos 2011

Quadro 9: Viabilizao do Acesso e Permanncia dos Alunos e Relao com os Egressos

26

1.6.10 Dimenso 10: Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social

da continuidade dos compromissos na oferta da educao superior

Poltica: Adequao do modelo jurdico organizacional da UnC que assegure a

viabilidade econmica e financeira da instituio.

Objetivos Metas Cronograma

1 - Promover a sustentabilidade

financeira da Instituio

Otimizao dos custos da atividade meio da Instituio

2011/2012

Captao de recursos por meio de projetos, junto aos rgos fomentadores e

financiadores A partir de 2011

2 Aprimorar sistemtica para anlise e gesto dos relatrios contbeis/financeiros.

Utilizao de indicadores para gesto A partir de 2011

3 Atualizar o Planejamento

Estratgico da UnC

Atualizao permanente do Planejamento Estratgico.

A partir de 2011

Quadro 10: Adequao do Modelo Jurdico Organizacional

1.7 REA(S) DE ATUAO ACADMICA

A UnC atua no ensino, pesquisa e extenso de forma contextualizada e

articulada. Os programas e projetos que concretizam esta atuao envolvem a

Educao Bsica, Cursos de Graduao (Licenciaturas, Bacharelados e

Tecnlogos), Cursos Sequnciais, Cursos de Ps-Graduao lato sensu e

Programas de Mestrados, Projetos de Pesquisa e Programas de Extenso.

1.7.1 Educao Bsica

A Universidade do Contestado oferece Educao Bsica em dois de seus

Campi Mafra e Canoinhas.

27

O Campus que confere maior abrangncia na Educao Bsica o Campus

de Mafra, oferecendo nos nveis de Educao Infantil, Ensino Fundamental e Ensino

Mdio.

No Campus de Canoinhas, a oferta concentra-se no Ensino Mdio.

1.7.2 Cursos de Graduao Presenciais e No Presenciais

A UnC tem claro que na Graduao que se concentra o maior volume de

suas aes. para este plano, portanto, que a Universidade prioriza seus esforos,

indissociando-os dos projetos de pesquisa e de extenso os quais so fontes

permanentes de produo e disseminao de conhecimentos.

Os cursos de Graduao Presenciais so ofertados nos Campi de Canoinhas,

Concrdia, Curitibanos e Mafra e nos Ncleos de Rio Negrinho e Porto Unio. A

descrio dos cursos ofertados est no item 2 deste documento - Cronograma de

Implantao e desenvolvimento da Instituio e dos Cursos.

Os cursos de Graduao a distncia so ofertados nos Campi e Ncleos

Universitrios da UnC e nos Polos de Apoio Presencial no Estado de Santa Catarina.

Suas especificaes tambm se encontram no item 2 deste documento.

1.7.3 Cursos Sequenciais

A UnC oferta cursos sequenciais de acordo com demandas que surgem, seja

para os cursos de complementao de estudos ou de formao especfica.

1.7.4 Cursos de Ps Graduao - Lato Sensu, Presenciais e No Presenciais

Os cursos de Ps-Graduao Lato Sensu , ofertados pela UnC, seguem as

reas de conhecimento definidas pela CAPES e, devem preferencialmente, estar

atrelados s linhas e grupos de pesquisa da UnC.

28

Os cursos de ps graduao Lato Sensu presenciais e no presenciais so

ofertados nos mesmos locais que os cursos de graduao citados no item 1.7.2 e

esto descritos e especificados no item 2 deste documento.

1.7.5 Ps Graduao Stricto Sensu

Os programas de ps-graduao Stricto Sensu, so organizados por

componentes curriculares, que propiciam o suporte terico e metodolgico para o

desenvolvimento profissional e intelectual. Inclui atividades tericas e orientadas,

cuja especificidade visa o aprofundamento da formao, num processo contnuo de

apropriao de conhecimentos.

Com o intuito de favorecer o desenvolvimento intelectual, e para cumprir a

tarefa de formar pesquisadores, a Ps-Graduao Stricto Sensu atribui ao

Mestrado o papel de iniciao, reservando ao Doutorado a funo de consolidao.

A iniciao ser feita mediante a realizao da dissertao e consolidao por meio

da tese.

O curso de Mestrado em Desenvolvimento Regional ofertado no Campus de

Canoinhas. O cronograma para desenvolvimento de outros cursos esto descritos

no item 2.

1.7.6 Extenso

A extenso, na Universidade do Contestado, se organiza estruturalmente em

torno de oito grandes eixos: comunicao, educao, sade, resgate e preservao

da cultura, desenvolvimento socioeconmico e regional, preservao e

sustentabilidade do meio ambiente, produo e difuso de tecnologias. Estes eixos

esto em consonncia com as reas temticas do Plano Nacional de Extenso.

29

As atividades planejadas e desenvolvidas pela extenso da UnC tm

peculiaridades e particularidades de acordo com as demandas que se apresentam.

Dividem-se em programas e projetos de extenso.

Os programas de extenso caracterizam-se como um conjunto de aes ou

atividades institucionais estruturadas organicamente. Representa o conjunto de

aes de extenso de mdio e longo prazo correlacionadas/inter-relacionadas e

orientadas por um objetivo comum, de natureza educativa, cultural, cientfica ou

tcnica, devendo contemplar a interdisciplinaridade, o princpio da indissociabilidade

do ensino, da pesquisa e da extenso, podendo agregar programas, projetos,

cursos, eventos, servindo de suporte para a extenso, ensino e pesquisa

Os projetos de extenso caracterizam-se como um conjunto de aes

planejadas e sistematizadas que podem estar vinculadas a programas ou serem

projetos isolados, de acordo com as diretrizes da Universidade, com carter

educativo, cientfico, tecnolgico e cultural, visando o aperfeioamento dos

envolvidos. Tem carter peridico e s vezes assistemtico, buscando a soluo de

questes emergentes da sociedade.

O verdadeiro sentido da extenso se expressa e se valoriza numa dinmica

que se concretiza atravs da produo de conhecimentos, que acontece na interface

universidade/comunidade. Assim, o ensino passa a ser compreendido alm da sala

de aula envolvendo todos os espaos no interior da universidade e fora dela,

traduzindo um contedo multidisciplinar, como decorrncia das prticas.

1.7.7 Pesquisa

A UnC se credencia para ser uma universidade com produo cientfica, cuja

atuao articula o ensino e a extenso. Por isso, posicionou-se: Institucionalizar a

pesquisa atravs de sua estrutura administrativa, de forma que cada centro e

departamento desenvolvam projetos em torno dos eixos poltico-cultural e

econmico em ntima relao com o ensino. (UnC, 1991, p. 13).

Por isso, estabeleceu a ampliao de seis programas stricto sensu para

ampliar suas linhas de pesquisa, bem como a formao de novos grupos de

30

pesquisa. Atualmente, tem definida dez linhas de pesquisas eleitas pela instituio

como prioritrias e estratgicas para o desenvolvimento da universidade e da

sociedade, em torno das quais se agregam docentes, discentes e tcnicos

vinculados a projetos ou programas.

31

2 DESENVOLVIMENTO DOS CURSOS (PRESENCIAL E A DISTNCIA)

Para os prximos 5 anos, a UnC manter em funcionamento os cursos

adiante relacionados, com o respectivo nmero de vagas, modalidade, regime e

turno de funcionamento.

As informaes esto descritas de modo a contemplar primeiramente o

funcionamento dos cursos de graduao presenciais e no presenciais, seguindo

com programas especiais de formao pedaggica. Na sequncia esto

demonstrados os cursos de ps graduao Lato (presenciais e no presenciais) e

por fim cursos de Stricto Sensu.

Os prximos itens so compostos dos Polos de EAD e campi e cursos fora

de sede.

2.1 DEMOSNTRATIVO DE OFERTA DE CURSOS DA GRADUAO PRESENCIAL

O demonstrativo de oferta de cursos da graduao est divido em duas

partes. A primeira contempla os cursos de graduao na modalidade presencial

(item 2.1.1) e a segunda os cursos de graduao a distncia (item 2.1.2)

2.1.1 Oferta de Cursos na Modalidade Presencial

Curso

Local de Oferta e Vagas

Turno Regime

de Oferta Titulao Autorizao

Reconheci- mento

Previso para oferta

Local Vagas

1 Sem.

Vagas 2

Sem.

Vagas Espe- ciais

2011

2012

2013

2014

2015

Administrao

Canoinhas 50 50

Noturno Regular Bacharel Decreto 2.029 de

16/12/2008

x x x x x

Concrdia 50 50 x x x x x

Curitibanos 50 x x x x x

Mafra 50 50 x x x x x

Rio Negrinho

50

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

400

Arquitetura e Urbanismo

Curitibanos 50

Noturno Regular Arquiteto Urbanista

Resoluo UnC-

CONSEPE 089/2008

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Artes Visuais Canoinhas 50

Finais de semana e perodos de

recesso escolar Especial

Licenciado Decreto 4.771 de

06/10/2006

x x x x x

Porto Unio

50

Noturno Regular x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Cincia da Computao

Porto Unio

50 Noturno com aulas

aos sbados no perodo matutino e

Regular Bacharel Decreto 1.002 de

18/12/2007 x x x x x

possibilidade de aulas no perodo

vespertino TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Cincias Biolgicas

Concrdia 40

Noturno Regular Bacharel e Licenciado

Resoluo 014/1998

Decreto 2.523 de

17/08/2009

x x x x x

Mafra 55 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

95

Cincias Contbeis

Canoinhas 50 50

Noturno Regular Bacharel

Decreto 2.035 de

18/12/2008

x x x x x

Concrdia 50 50 x x x x X

Curitibanos 50 45 Finais de Semana

e perodo de recesso escolar

Especial x x x x X

Mafra 60 50

Noturno Regular Bacharel

x x x x X

Rio Negrinho

50 45

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

500

Cincias Sociais com nfase em Desenvolviment

o Regional

Canoinhas 50

Finais de semana e

perodos de recesso escolar

Especial Bacharel e Licenciado

Decreto 924

de 05/12/2007

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Comrcio Exterior

Mafra 50

Noturno Regular Bacharel Resoluo 005/2001

Decreto 3.704 de

15/12/2005 @ x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Comunicao Social - Rdio e

TV Canoinhas 50

Noturno ou Finais de semana e perodos de

recesso escolar

Regular ou Especial

Bacharel

Resoluo UnC-

CONSEPE 068/2004 DE

x x x x x

17/09/2004

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Comunicao Social -

Jornalismo Concrdia 50

Noturno com aulas sbados no

perodo matutino Regular Bacharel

Decreto 1.626 de

05/04/2004 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Comunicao Social

Publicidade e Propaganda

Concrdia 50

Noturno Regular Bacharel Resoluo 012/2003

Decreto 1003 de

18/12/2007 @ x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Comunicao Social

Relaes Pblicas

Mafra 50

Noturno Regular Bacharel Resoluo 006/2001

Decreto 3.578 de

07/102005 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Design

Canoinhas 50

Noturno ou Finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou Especial

Bacharel Resoluo 046/2003

Decreto 1.531 de

15/07/2008

x x x x x

Rio Negrinho

45

Noturno Regular Bacharel

Resoluo UnC

CONSEPE 121/2008

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

95

Direito

Canoinhas 50 50

Noturno

Regular Bacharel Resoluo 002/1998

Decreto 3.674 de

09/12/2005

x x x x x

Porto Unio

50 50

x x x x x

Concrdia 50 50 x x x x x

Curitibanos 50 50 x x x x x

Mafra 50 50 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

500

Educao Fsica

Porto Unio

50 Finais de Semana

e perodos de recesso escolar

Especial

Licenciado Decreto 2.423 de

17/08/2009

x x x x x

Concrdia 40 Noturno com aulas

aos sbados no perodo matutino

Regular x x x x x

Curitibanos 50

40 Finais de Semana

e perodos de recesso escolar

Especial x x x x x

Mafra 60

40 Noturno com aulas

aos sbados no perodo matutino

Regular x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

200

Educao Fsica

Porto Unio

50 Finais de Semana

e perodos de recesso escolar

Especial

Bacharel Decreto 038

de 10/02/2011

x x x x x

Concrdia 40 Noturno com aulas

aos sbados no perodo matutino

Regular x x x x x

Curitibanos 50 Finais de Semana

e perodos de recesso escolar

Especial x x x x x

Mafra 60 Noturno com aulas

aos sbados no perodo matutino

Regular x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

200

Enfermagem Canoinhas 50

Diurno/Noturno Regular Enfermeiro Decreto 2.029 de

16/12/2008

x x x x x

Concrdia 40 x x x x x

Mafra 50 Noturno x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

140

Engenharia Ambiental e

Sanitria Concrdia 50

Noturno com aulas aos sbados no perodo matutino

Regular Engenheiro Ambiental

Resoluo 034/2000

Decreto 3.309 de

15/07/2005 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Engenharia de Controle e

Automao - Mecatrnica

Curitibanos 50

Noturno ou Finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou Especial

Engenheiro de Controle

e Automao

- Mecatrnic

o

Resoluo 007/2001

Decreto 4.269 de

26/04/2006 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Engenharia de Produo

Canoinhas 50

Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou Especial

Engenheiro de

Produo

Resoluo UnC-

CONSEPE 100/2007

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Engenharia Eltrica

Canoinhas 50

50

Noturno com possibilidade de

aulas aos sbados (matutino/ vespertino)

Regular Engenheiro Eletricista

Resoluo UnC-

CONSEPE 043/2007

x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Engenharia em Telecomunica-

es Canoinhas 50

50

Noturno com possibilidade de

aulas aos sbados (matutino/ vespertino)

Regular

Engenheiro em

Telecomunicaes

Resoluo 008/2002

Decreto 1.424 de

09/06/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS 100

PERMANENTES

Engenharia Florestal

Canoinhas 50 50 Finais de semana e

nos perodos de recesso escolar

Especial Engenheiro

Florestal

Decreto 2.922 de

21/12/2009 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Farmcia Canoinhas 50

50 Uma semana concentrada ao ms em perodo

integral

Especial Farmacutico

Resoluo 028/2000

Decreto 1.598 de

12/08/2008

x x x x x

Concrdia 50 Diurno/Noturno Regular x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

150

Fisioterapia Concrdia 40

Diurno Regular Fisioterape

uta Resoluo 007/1998

Decreto 2.523 de

17/08/2009

x x x x x

Mafra 50 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

90

Geografia Curitibanos

40

Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou especial

Licenciado Resoluo 113/2003

Decreto 1.624 de

21/08/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

00

Histria Mafra 50

Noturno Regular Bacharel e Licenciado

Decreto 2.415 de

24/06/2009 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Licenciatura em Pedagogia

Canoinhas 50 Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou especial

Licenciado Decreto 1.893 de

21/11/2008

x x x x x

Curitibanos 50 x x x x x

Porto Unio

50

x x x x x

Mafra 50

TOTAL VAGAS PERMANENTES

200

Letras Lngua Portuguesa,

Inglesa e Respectivas Literaturas

Mafra 50

Noturno Regular Licenciado Decreto 1.729 de

07/10/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Letras Lngua Portuguesa,

Inglesa, Espanhola e Respectivas Literaturas

Concrdia 50 Noturno ou finais

de semana e semanas

concentradas

Regular ou especial

Licenciado Resoluo 123/2004

Decreto 2.792

01/12/2009

@ @ @ @ @

Curitibanos 50

@ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Matemtica Concrdia 50

Finais de Semana e no perodo de recesso escolar

Especial Licenciado

Decreto 1.694 de

18/09/2008

x x x x x

Mafra 50 Noturno Regular x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Medicina Veterinria

Canoinhas 50

50 Integral com possibilidade de aulas no perodo

noturno

Regular Mdico

Veterinrio Resoluo 013/1998

Decreto 4.807 de

25/10/2006 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Nutrio Concrdia 40

Diurno/Noturno Regular Nutricionist

a Resoluo 114/2003

Decreto 1.598 de

12/08/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

40

Optometria Canoinhas 50

50 Uma semana concentrada ao ms em perodo

integral

Especial Bacharel Resoluo 034/1999

Decreto 2.415 de

24/06/2009 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Psicologia

Porto Unio

50

Noturno com possibilidade de

aulas aos sbados Regular

Bacharel e Psiclogo

Resoluo 019/1998

Decreto 2.523 de

17/08/2009

x x x x x

Concrdia 50 x x x x x

Mafra 50 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

150

Qumica Industrial de Alimentos

Concrdia 40

Noturno Regular Bacharel Resoluo 036/1999

Decreto 2.339 de

12/08/2004 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

40

Servio Social Canoinhas 45

Noturno ou aulas aos finais de

semana e semanas concentradas no

perodo de recesso escolar

Regular ou Especial

Assistente Social

Decreto 1.892 de

21/11/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

45

Sistemas de Informao

Canoinhas 50 Noturno ou aulas aos finais de

semana e semanas concentradas no

perodo de recesso escolar

Regular ou Especial

Bacharel Decreto 1.729 de

07/10/2008

x x x x x

Concrdia 50 x x x x x

Curitibanos 50 x x x x x

Mafra 50 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

200

Tecnologia da Madeira

Porto Unio

50 Finais de semana e

perodos de Especial Tecnlogo

Resoluo 036/2001

Decreto 3.831 de

@ @ @ @ @

recesso escolar 09/12/2005

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Agronegcio

Curitibanos 50

Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas

Regular ou Especial

Tecnlogo

Resoluo UnC

CONSEPE 072/2005

@ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Gesto da

Tecnologia da Informao

Curitibanos 40

Noturno ou finais

de semana e semanas

concentradas

Regular e Especial

Tecnlogo

Resoluo UnC

CONSEPE 090/2008 de 14/08/2008

@ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

40

Tecnologia em Meio Ambiente

Canoinhas 50 Finais de semana e semanas

concentradas no perodo de recesso

escolar

Especial Tecnlogo Decreto 399

de 25/06/2007

@ @ @ @ @

Curitibanos 50

@ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Tecnologia em Gesto Pblica

Canoinhas 50 Finais de semana e

no perodo de recesso escolar

Especial Tecnlogo Decreto 1.297 de

22/04/2008 x x x x x

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Gesto de Marketing

Canoinhas 50

Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas no

perodo de recesso escolar

Regular ou Especial

Tecnlogo Resoluo 048/2003

Decreto 1.160 de

18/03/2008 @ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Papel e Celulose

Canoinhas 50

Noturno ou finais de semana e

semanas concentradas no

perodo de recesso escolar

Regular ou Especial

Tecnlogo Resoluo 002/2003

Decreto 348 de

06/06/2007 @ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Radiologia

Canoinhas 50

Uma semana

concentrada ao ms em perodo

integral

Especial Tecnlogo Resoluo 101/2001

Decreto 4.416 de

14/06/2006 Errata

11/08/2006

@ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Processos Gerenciais

Rio Negrinho

50

Noturno Regular Tecnlogo Resoluo 088/2008

Decreto 780 de

06/11/2007 @ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Tecnologia em Produo

Agropecuria Curitibanos 50

Noturno Regular Tecnlogo

Resoluo 124/2008

Decreto 3.676 de

01/12/2010 @ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

50

Turismo Canoinhas 100

Noturno perodos concentradas ou distribudos em

finais de semana, perodo de recesso escolar e feriados

Regular Especial

Bacharel Resoluo 027/2000

Decreto 2.988 de

15/03/2005 @ @ @ @ @

TOTAL VAGAS PERMANENTES

100

Quadro 11: Demonstrativo dos Cursos de Graduao na Modalidade Presencial @ - Curso sem turmas X Cursos com turmas

2.1.2 Oferta de Cursos de Graduao na Modalidade a Distncia

Curso Vagas /ano

Local de Oferta

Modalidade de Oferta

Titulao Autorizao/

Reconhecimento

Previso para oferta

2011

2012

2013

2014

2015

Tecnologia em Processos Gerenciais 130

Canoinhas Concrdia Curitibanos

Mafra Porto Unio Rio Negrinho

Campos Novos Balnerio Cambori

So Francisco do Sul

So Joo Batista Tijucas

Florianpolis Ipor do Oeste

Lages Caador*

distncia Tecnlogo CONSEPE 023/2009

CONSUN 018/2010, CONSUN 031/2010

x x x x x

Tecnologia em Logstica 130

distncia Tecnlogo CONSEPE 024/2009

CONSUN 015/2010, CONSUN 031/2010

x x x x x

Tecnologia em Marketing 130

distncia Tecnlogo CONSEPE 025/2009

CONSUN 016/2010, CONSUN 031/2010

x x x x x

Tecnologia em Secretariado 130

distncia Tecnlogo CONSEPE 026/2006

CONSUN 019/2010, CONSUN 031/2010

x x x x x

Tecnologia em Gesto de Recursos Humanos

130

distncia Tecnlogo

CONSEPE 204/2008, CONSEPE 028/2009, 029/2009 e PORTARIA

049/2009 CONSUN 013/2010, CONSUN

031/2010

x x x x x

Tecnologia em Gesto Financeira 150

distncia Tecnlogo

CONSEPE 205/2008, CONSEPE 029/2009 e PORTARIA 048/2009

CONSUN 014/2010, CONSUN 031/2010

x x x x x

Tecnologia em Negcios Imobilirios

120 distncia Tecnlogo CONSEPE 206/2008, CONSEPE 030/2009 e PORTARIA 050/2009

x x x x x

Laguna* Blumenau* Chapec* So Jos*

CONSUN 017/2010, CONSUN 031/2010

Bacharelado em Administrao 400 distncia Bacharel CONSUN 057/2010 x x x x x

Bacharelado em Cincias Contbeis

300 distncia Bacharel CONSUN 058/2010 x x x x x

Licenciatura em Pedagogia 400 distncia Licenciado CONSUN 060/2010 x x x x x

Licenciatura em Letras Portugus/Ingls e Respectivas

Literaturas 300

distncia Licenciado CONSUN 059/2010 x x x x x

Bacharelado em Desenvolvimento Rural Sustentvel e Agroecologia

80 Plo Concrdia distncia Bacharel CONSUN 039/2002

CEE 034/2008 x x x x x

Quadro 12: Oferta de Cursos na Modalidade a Distncia * Polos de apoio presencial em estruturao sem oferta de vagas momentaneamente.

44

2.2 PROGRAMAS ESPECIAIS DE FORMAO PEDAGGICA

A formao continuada deve ser uma constante na vida do profissional. No

mundo contemporneo de extrema importncia que profissionais se mantenham

atualizados para a continua compreenso dos processos de aprendizagem, alm da

necessidade de atuar em consonncia com as mudanas que ocorrem

permanentemente na sociedade.

Diante disto, na Universidade do Contestado existe o entendimento da

importncia de oportunizar momentos especficos para desenvolver programas de

formao continuada, atravs de cursos de extenso, seminrios, palestras e retorno

do aluno na ps graduao.

2.3 PS GRADUAO (LATO SENSU)

2.3.1 Demonstrativo dos Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade Presencial em Funcionamento e Previso de

Oferta

Nome do Curso Vagas

previstas Local de Oferta

Parecer de Criao e Autorizao

Titulao

Previso de Oferta

2011

2012

2013

2014

2015

Geomtica com rea de concentrao em Cincias Geodsicas

50 Canoinhas CONSEPE 073/08

Reformulao CONSUN 075/10 Especialista x x x x x

Licenciamento Ambiental 50 Canoinhas CONSEPE 137/08 Especialista x x x x x

Psicopedagogia Educacional e Teraputica 50 Canoinhas CEPE 108/98

Reformulao CONSEPE 188/08 Especialista x x x x x

Cincia Jurdica para a Magistratura (ESMESC)

50 Canoinhas CONSEPE 147/04

Reformulao CONSEPE 255/08 Especialista x x x x x

MBA em Marketing e Vendas 50 Canoinhas CONSEPE 104/08 Especialista x x x x x

Psicologia Organizacional e do Trabalho 50 Porto Unio CONSEPE

097/05 Reformulao CONSEPE 070/08

Especialista x x x x x

Lingustica, Letras e Artes 50 Canoinhas CONSEPE 129/04 Reformulao

CONSEPE 068/08 Especialista x x x x x

Gesto Pblica 50 Canoinhas CONSUN 083/10 Especialista x x x x x

MBA em Gesto da Inovao e Competitividade

50 Canoinhas CONSEPE 114/09 Especialista x x x x x

Gesto da Responsabilidade Social 50 Canoinhas CONSEPE 116/09 Especialista x x x x x

Engenharia de Software 50 Porto Unio CONSEPE 093/09 Especialista x x x x x

Administrao de Recursos Humanos com rea de concentrao em Gesto de

Pessoas 50 Canoinhas

CEPE 065/98 Reformulao CONSUN 072/10

Especialista x x x x x

Atividade Fsica Adaptada e Sade 50 Canoinhas CONSUN 076/10 Especialista x x x x x

Contabilidade Tributria 50 Canoinhas CONSUN 074/10 Especialista x x x x x

Dana 50 Porto Unio CONSEPE 113/09 Especialista x x x x x

Direito Processual Civil 50 Canoinhas CONSEPE 012/05

Reformulao CONSUN 063/10 Especialista x x x x x

Gesto Cultural: Arte-Patrimnio-Sociedade e Desenvolvimento

50 Canoinhas CONSUN 077/10 Especialista x x x x x

Gesto Escolar 50 Canoinhas CONSEPE 041/09

Reformulao CONSUN 064/10 Especialista x x x x x

Assessoria de Comunicao e Mdias Digitais

40 Concrdia CONSUN 065/10 Especialista x x x x x

Clnica Interdisciplinar em Estimulao Precoce

40 Concrdia CONSEPE 089/07

Reformulao CONSEPE 057/08 Especialista x x x x x

Controladoria, Auditoria e Percia 40 Concrdia CONSEPE 088/07

Reformulao CONSEPE 056/08 Especialista x x x x x

Direito do Trabalho e Prevideciirio 40 Concrdia CONSEPE 108/06

Reformulao CONSUN 047/10 Especialista x x x x x

Direito Processual Civil 40 Concrdia CEPE 120/98

Reformulao CONSUN 063/10 Especialista x x x x x

MBA em Gesto Empresarial 40 Concrdia CEPE 056/98

Reformulao CONSEPE 017/08 Especialista x x x x x

Urgncias 40 Concrdia CONSEPE 109/06

Reformulao CONSEPE 095/09 Especialista x x x x x

Enfermagem do Trabalho 40 Concrdia CONSEPE 142/04 A reformulao 064/08

Especialista x x x x x

Enfermagem em Terapia Intensiva 40 Concrdia CONSEPE 143/04

Reformulao 148/08 Especialista x x x x x

Enfermagem Obsttrica 40 Concrdia CEPE 384/2001

Reformulao 061/08 Especialista x x x x x

Fisiologia do Exerccio e Treinamento Desportivo

40 Concrdia CONSEPE 099/05

Reformulao 149/08 Especialista x x x x x

Transtornos na Infncia e Adolescncia - Abordagem Interdisciplinar

40 Concrdia CONSUN 048/10 Especialista x x x x x

Gesto e Tratamento de Efluentes 40 Concrdia CONSEPE 130/09 Especialista x x x x x

Gesto de Cooperativas 40 Concrdia CONSEPE 131/09 Especialista x x x x x

Gesto de Pessoas 40 Concrdia CONSEPE 145/08 Especialista x x x x x

Licenciamento Ambiental 40 Concrdia CONSEPE 137/08 Especialista x x x x x

MBA em Gesto Hospitalar e Servios de Sade

40 Concrdia CONSEPE 077/09 Especialista x x x x x

Produo e Qualidade do Leite 40 Concrdia CONSEPE 110/06

Reformulao CONSUN 080/10 Especialista x x x x x

Sade Pblica, Programa de Sade da Famlia

40 Concrdia CEPE 623/03

Reformulao 152/08 Especialista x x x x x

Segurana Pblica 40 Concrdia CONSEPE 096/09 Especialista x x x x x

Tecnologia e Processamento de Carnes 40 Concrdia CONSEPE 149/04

Reformulao 107/08 Especialista x x x x x

Avaliao Psicolgica 40 Concrdia CONSUN 079/10 Especialista x x x x x

Geomtica 40 Concrdia CONSEPE 073/08

Reformulao 075/10 Especialista x x x x x

Gesto da Tecnologia de Informao 40 Concrdia CONSEPE 146/08 Especialista x x x x x

MBA em Auditoria em Sade 40 Concrdia CONSEPE 072/06

Reformulao 062/08 Especialista x x x x x

MBA em Gesto Empresarial 40 Concrdia Reformulao

CONSEPE 017/08 Especialista x x x x x

Programa de Sade da famlia 40 Concrdia CONSEPE 038/05

Reformulao 060/08 Especialista x x x x x

Treinamento Esportivo e Personalizado e Ensino e Treinamento em Esportes

Coletivos 40 Concrdia CONSUN 081/10 Especialista x x x x x

Neuropsicologia Educacional 40 Curitibanos Reformulao 062/10 Especialista x x x x x

Controladoria e Planejamento Tributrio 40 Curitibanos CEPE 620/03

Reformulao CONSUN 073/10 Especialista x x x x x

Gesto Empresarial 40 Curitibanos CONSEPE 144/04

Reformulao CONSUN 017/08 Especialista x x x x x

Magistratura 40 Curitibanos CONSEPE 147/04 No encontrei

reformulao Especialista x x x x x

Segurana Pblica 40 Curitibanos CONSEPE 096/09 Especialista x x x x x

Gesto Empresarial 40 Curitibanos CONSEPE 112/09 Especialista x x x x x

Informtica Aplicada: rea de concentrao em rede de computadores e

aplicao em internet 40 Curitibanos

CEPE 530/03 Reformulao 018/08

Especialista x x x x x

Neuropsicologia Educacional 40 Curitibanos Reformulao 062/10 Especialista x x x x x

Planejamento Estratgico e Gesto de Pessoas

50 Mafra CONSEPE 102/05

Reformulao CONSEPE 024/08 Especialista x x x x x

Controladoria, Auditoria e Percia 50 Mafra Reformulao 111/08 Especialista x x x x x

Ecologia Aplicada Gesto e Anlise Ambiental

50 Mafra CEPE 553/2003 Reformulao

CONSEPE 020/08 Especialista x x x x x

Quadro 13: Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade Presencial

2.3.2 Demonstrativo dos Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade a Distncia em Funcionamento e Previso de

Oferta

Curso

Vagas

/

ano

Locais de

Oferta Modalidade de Oferta

Titulao Ato Regulatrio

Previso para oferta

2 0 1 1

2 0 1 2

2 0 1 3

2 0 1 4

2 0 1 5

Educao Ambiental 100

Canoinhas Concrdia Curitibanos

Mafra Porto Unio Rio Negrinho

Campos Novos Balnerio Cambori So Francisco do

Sul So Joo Batista

Tijucas Florianpolis

Ipor do Oeste Lages

Caador* Laguna*

distncia Especialista CONSEPE 034/2009 CONSUN 031/2010

x x x x X

Educao Inclusiva 50 distncia Especialista CONSEPE 035/2009 CONSUN 031/2010

x x x x X

Educao Infantil 50 distncia Especialista CONSEPE 036/2009 CONSUN 031/2010

x x x x X

Advocacia Geral 50 distncia Especialista CONSEPE 037/2009 CONSUN 031/2010

x x x x X

Direito do Trabalho 100 distncia Especialista CONSEPE 038/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Direito Processual Civil 50 distncia Especialista CONSEPE 039/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Negcios com nfase em Gesto de Negcios

100 distncia Especialista CONSEPE 040/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Gesto Escolar 50 distncia Especialista CONSEPE 041/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Negcios com nfase em Logstica 50 distncia Especialista CONSEPE 042/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Negcios com nfase em Marketing 100 distncia Especialista CONSEPE 043/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Negcios com nfase em Finanas 100 distncia Especialista CONSEPE 044/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Psicopedagogia Institucional 50 Blumenau* Chapec* So Jos*

distncia Especialista CONSEPE 046/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Tecnologia e Educao a Distncia 50 distncia Especialista CONSEPE 047/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

Alfabetizao 50 distncia Especialista CONSEPE 048/2009, CONSUN 031/2010

x x x x X

LIBRAS 50 distncia Especialista CONSUN 066/2010 x x x x X

Quadro 14: Cursos de Ps-Graduao Lato Sensu na Modalidade a Distncia * Polos de apoio presencial em estruturao sem oferta de vagas momentaneamente.

51

2.4 DEMONSTRATIVO DOS CURSOS DE PS-GRADUAO STRICTO SENSU

Desde a sua constituio como Universidade, a UnC vem trabalhando com

pesquisa e na estruturao de programas Stricto-Sensu. J ofereceu mestrados em

Sade e Educao, devidamente reconhecidos pelo Conselho Estadual de

Educao, e que cumpriram importante papel, sobretudo na qualificao em reas

de grande necessidade no magistrio superior regional.

Recentemente, a Universidade decidiu por ofertar apenas programas cujos

projetos fossem devidamente recomendados pela Capes, oferecendo, atualmente,

apenas um programa em Desenvolvimento Regional, mas com previso de

implantao de outros cursos.

Os programas de ps-graduao Stricto Sensu da instituio obedecem ao

regimento geral, aprovado pelos rgos colegiados da UnC. Alm disso, cada

programa deve ter regimento prprio, dando conta de sua operacionalidade. A partir

da reestruturao e recomendao dos programas, cabe estudo e uniformizao, se

for o caso, das diretrizes maiores desses regimentos.

Nome do Curso Vagas

prevista