Click here to load reader

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL pdi 2012sagaweb.unisuam.edu.br/sagaweb/professor/arquivos/pdi-2013.pdf · pdi PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2012 2016 4.2.3 Do Processo

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL pdi...

  • Rio de Janeiro | 2013

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    dipO R G A N I Z A D O R E S

    Arapuan Medeiros da Motta Netto

    Pedro Pascoal Sava

    Carlos Alberto Figueiredo da Silva

    Claudia de Freitas Lopes Costa

    Flávio Alves Lobato

    Luiz Cezar Vasques

    Luis Felipe da Fonseca Reis

  • dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    O R G A N I Z A D O R E S

    Arapuan Medeiros da Motta Netto

    Pedro Pascoal Sava

    Carlos Alberto Figueiredo da Silva

    Claudia de Freitas Lopes Costa

    Flávio Alves Lobato

    Luiz Cezar Vasques

    Luis Felipe da Fonseca Reis

    Rio de Janeiro | 2013

  • dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016 Editora | Giannina do Espírito Santo Editora de Criação | Maria João Palma Bibliotecária| Nara Vasconcelos

    Revisora | Marcia PinheiroEstagiários| Thaíssa Santos e Ricardo Mesquita Junior

    [email protected]

    Catalogação na fonte pela Biblioteca Central Prof. Augusto Motta

    C397p Centro Universitário Augusto MottaPlano de desenvolvimento institucional: 2012-2016 / Arapuan

    Medeiros da Motta Netto, Carlos Alberto F. da Silva, Cláudia de F.Lopes Costa, Pedro Pascoal Sava, Flávio Alves Lobato e Luiz CézarVasques (Org.). -- Rio de Janeiro : SUAM, 2012.177 p. .: il.;

    30 cm.ISBN 978-85-88474-11-6

    1. Centro Universitário Augusto Motta– Plano de Desenvolvimento Institucional2. Ensino Superior – Planejamento I. Motta Netto, Arapuan Medeiros da II. Silva, Carlos Alberto Figueiredo da III. Costa, Claudia de Freitas Lopes IV. Sava, Pedro Pascoal V. Lobato, Flávio Alves VI. Vasques, Luiz Cézar VII. Título.

    CDD 378.1

    C397p Centro Universitário Augusto Motta Plano de desenvolvimento institucional: 2012-2016 / Arapuan Medeiros da Motta Netto, Carlos Alberto F. da Silva, Claudia de F. Lopes Costa, Pedro Pascoal Sava, Flávio Alves Lobato, Luiz Cézar Vasques e Luis Felipe da Fonseca Reis (Org.). -- 2. ed. rev. -- Rio de Janeiro : SUAM, 2013. 166 p. .: il. ; 30 cm. ISBN: 978-85-88474-19-2

    1. Centro Universitário Augusto Motta – Plano de Desenvolvimento Institucional 2. Ensino Superior – Planejamento I. Motta Netto, Arapuan Medeiros da II. Silva, Carlos Alberto Figueiredo da III. Costa, Claudia de Freitas Lopes Costa IV. Sava, Pedro Pascoal V. Lobato, Flávio Alves VI. Vasques, Luiz Cézar VII. Reis, Luis Felipe da Fonseca VIII. Título.

    CDD 378.1

  • dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    SUMÁRIOINTRODUÇÃO 5

    1 PERFIL INSTITUCIONAL 6

    1.1 Missão Institucional 7

    1.2 Histórico de Implantação e Desenvolvimento da Instituição

    8

    1.3 Diretrizes, Objetivos e Metas da Instituição 10

    1.4 Áreas de Atuação Acadêmica 28

    1.4.1 Ensino de Graduação Presencial 28

    1.4.1.1 Graduação 28

    1.4.1.2 Graduação a distância (a serem autorizados) 29

    1.4.2 Ensino de Graduação Tecnológica 29

    1.4.3 Ensino de Pós-Graduação Lato Sensu 29

    1.4.4 Pós-Graduação Stricto Sensu 30

    1.4.4.1 Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local 30

    1.4.4.2 Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação 30

    1.4.5 Programa de Cursos de Extensão 31

    2 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL 32

    2.1 Inserção Regional 34

    2.2 Princípios Filosóficos e Teórico-Metodológicos Gerais 37

    2.2.1 Princípios Filosóficos 37

    2.2.2 Princípios Teórico-Metodológicos 38

    2.2.3 Perfil do Egresso 39

    2.3 Organização Didático-Pedagógica da Instituição 40

    2.3.1 Inovações Consideradas Significativas, Especialmente Quanto à Flexibilidade dos Componentes Curriculares

    40

    2.3.1.1 Disciplinas Eletivas 41

    2.3.1.2 Disciplinas Optativas 41

    2.3.1.3 Trabalho de Conclusão de Curso/ Seminário de Pesquisa 41

    2.3.1.4 Atividades Complementares 41

    2.3.2 Atividades de Prática Profissional e de Estágios 42

    2.3.3 Desenvolvimento de Material Pedagógico 43

    2.3.4 Incorporação de Avanços Tecnológicos 43

    2.4 Políticas de Ensino 44

    2.4.1 Políticas de Graduação 45

    2.4.1.1 Políticas de Aprimoramento e de Qualificação do Corpo Discente 45

    2.4.1.2 Políticas de Adequação e Atualização dos Projetos Pedagógicos 46

    2.4.1.3 Política de Correções em Função de Avaliações Internas e Externas 46

    2.4.1.4 Políticas de Aprimoramento e de Qualificação do Corpo Docente 46

    2.4.1.5 Políticas de Melhoria das Condições de Infraestrutura 47

    2.4.1.6 Política de Ampliação da Oferta de Cursos de Graduação 47

    2.4.1.7 Políticas de Formação do Egresso 47

    2.4.1.8 Política de Formação Continuada 48

    2.4.1.9 Políticas de Inclusão Social 48

    2.4.2 Políticas para a Pós-Graduação 49

    2.5 Políticas para a Pesquisa 49

    2.5.1 Políticas de Apoio ao Corpo Docente e ao Discente 50

    2.5.2 Políticas de Convênios e Parcerias 50

    2.5.3 Políticas de Divulgação da Produção Científica 50

    2.5.4 Políticas de Melhoria das Condições de Infraestrutura 51

    2.5.5 Políticas de Consciência Ética e Responsabilidade Social 51

    2.5.6 Políticas de Indissociabilidade entre Pesquisa, Ensino e Extensão 51

    2.5.7 Políticas de Pesquisa e Desenvolvimento Local 52

    2.6 Políticas Específicas para a Extensão 52

    2.6.1 Políticas de Apoio ao Corpo Docente e ao Discente 52

    2.6.2 Políticas de Responsabilidade Social 52

    2.6.3 Política de Convênios e Parcerias 53

    2.6.4 Políticas de Apoio à Produção Científica 53

    2.6.5 Política de Prestação de Serviços 53

    2.6.6 Política de Avaliação 53

    2.7 Políticas de Gestão Acadêmica 53

    2.8 Responsabilidade Social 55

    3 IMPLEMENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA

    57

    3.1 Cronograma de Implantação e Desenvolvimento da Instituição para o Período de Vigência do PDI

    57

    3.2 Linhas Institucionais de Pesquisa 59

    3.2.1 Comportamento e Estratégia Organizacional 59

    3.2.2 Direitos Humanos, Ética e Cidadania 59

    3.2.3 Homem, Espaço e Meio Ambiente 60

    3.2.4 Linguagem e Comunicação 61

    3.2.5 Otimização das Construções 61

    3.2.6 Saúde e Qualidade De Vida 62

    3.2.7 Sociedade, Cultura e Educação 62

    3.2.8 Violência, Família e Políticas Sociais 63

    3.3 Programação de Programas de Pesquisa 64

    4 CORPO DOCENTE 67

    4.1 Requisitos de Titulação 67

    4.2 Os Critérios de Seleção e Contratação 67

    4.2.1 Objetivo 67

    4.2.2 Da Solicitação de Seleção 67

  • dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    4.2.3 Do Processo Seletivo de Docentes 67

    4.2.4 Do Resultado Final e Escolha dos Aprovados 68

    4.2.5 Comissão de Seleção e Competências 68

    4.3 Políticas de Qualificação, Plano de Carreira e Regime de Trabalho

    69

    4.3.1 Políticas de Qualificação 69

    4.3.1.1 Objetivo 70

    4.3.1.2 Solicitações 70

    4.3.1.3 Documentação para Solicitação 70

    4.3.1.4 Autorização 70

    4.3.1.5 Concessão 70

    4.3.1.6 Responsabilidade do Docente 71

    4.3.2 Plano de Carreira Docente 71

    4.3.2.1 Objetivo 71

    4.3.2.2 Das Atividades do Docente 71

    4.3.2.3 Do Ingresso na Carreira 72

    4.3.2.4 Das Categorias 72

    4.3.2.5 Da Função de Confiança 73

    4.3.2.6 Da Promoção e Progressão na Carreira 73

    4.3.2.7 Da Lotação e Quadro 74

    4.3.2.8 Professor Visitante/Substituto 74

    4.3.2.9 Do Regime de Trabalho – Alinhamento com o Sindicato 74

    4.3.2.10 Do Afastamento 75

    4.3.2.11 Do Plano de Curso 76

    4.3.2.12 Da Avaliação de Desempenho 76

    4.3.2.13 Disposições Finais 76

    5 CORPO TECNICO/ADMINISTRATIVO 78

    5.1 Os Critérios de Seleção e Contratação 78

    5.1.1 Objetivo 78

    5.1.2 Vagas 78

    5.1.3 Processo de Seleção 78

    5.1.4 Contratação de Parentes 79

    5.1.5 Recrutamento Interno 79

    5.1.6 Comprometimento dos Gestores das Áreas 79

    5.1.7 Prazo Máximo para Contratação de Pessoal 80

    5.1.8 Contratação de jovens aprendizes e pessoas com deficiência

    80

    5.1.9 Normas de Contratação de Pessoal 80

    5.2 Políticas de Qualificação, Plano de Carreira e Regime de Trabalho

    81

    5.2.1 Objetivo 81

    5.2.2 Responsabilidade da Gestão de Pessoas 81

    5.2.2.1 Quanto ao Levantamento das Necessidades 81

    5.2.2.2 Quanto ao Planejamento 82

    5.2.2.3 Quanto à Solicitação 82

    5.2.3 Implantação da UNISUAM Corporativa 82

    5.2.3.1 Acesso aos novos colaboradores 82

    5.2.4 Plano de Cargos e Salários 85

    5.2.4.1 Estrutura Proposta por Áreas de Competências 89

    5.2.4.2 Premissas 89

    5.2.4.3 Metodologia 89

    5.2.4.4 Resultados Esperados 89

    5.2.5 Regime de Trabalho 90

    6 POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 91

    6.1 Formas de Acesso 91

    6.2 Programas de Apoio Pedagógico e Financeiro 91

    6.2.1 Apoio Pedagógico 91

    6.2.2 Estratégias de Intervenção (Trabalho Realizado nas Unidades da UNISUAM)

    93

    6.2.3 Programa de Bolsas e Financiamento Estudantil 94

    6.3 Estímulos à Permanência (Programa de Nivelamento, Atendimento Psico-Pedagógico)

    95

    6.3.1 Programa de Nivelamento 95

    6.3.2 Núcleo de Apoio Psicopedagógico (NAPP) 96

    6.3.3 Programas e Projetos implementados na UNISUAM para a efetivação dos alunos do NAPP

    96

    7 ORGANIZAÇÕES ADMINISTRATIVAS 99

    7.1 Estrutura Organizacional com as Instâncias de Decisão 99

    7.2 Órgãos Colegiados: Competências e Composição 100

    7.3 Órgãos de Apoio às Atividades Acadêmicas 103

    7.3.1 Atividades Acadêmicas 103

    7.3.2 Academia Escola 104

    7.3.3 Bibliotecas 104

    7.3.4 Central de Atividades Complementares 104

    7.3.5 Central de Estágios 104

    7.3.6 Clínica Escola Amarina Motta (CLESAM) 104

    7.3.7 Monitoria 104

    7.3.8 Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo (NAE) 105

    7.3.9 Núcleo de Prática Jurídica Prof. João Familiar Filho (NPJ) 105

    7.4Relações e Parcerias com a Comunidade, Instituições e Empresas

    105

    8 AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 106

    9 INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS 108

    9.1 Infraestrutura Física 108

    9.2 Infraestrutura Acadêmica 110

    9.3 Relação Equipamento/Aluno/Curso 141

    9.4 Inovações Tecnológicas Significativas 141

    9.5 Biblioteca 142

    9.5.1 Sistema de Bibliotecas 142

    9.5.2 Políticade Expansão do Acervo 142

    10ATENDIMENTO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO,ALTAS HABILIDADES COM MOBILIDADE REDUZIDA 146

    10.1 Docentes 146

    10.2 Discentes 147

    10.3 Colaboradores (funcionários) 148

    10.4 Atendimentos aos Alunos com Deficiências Visuais 148

    10.4.1 Projeto Colega Legal 148

    10.4.2 Informática para Deficientes Visuais 148

    10.4.3 Apoio ao Acesso do Deficiente Visual à Internet 149

    10.5 Atendimento aos Portadores de Deficiência Auditiva 149

    10.6 Programa de Inclusão Através da Arte 150

    10.7Elaboração de um Programa de Participação dos Familiares no Projeto, de Forma a Facilitar o Seu Desenvolvimento

    150

    10.8Atendimento às Pessoas Portadoras de Necessidades Educacionais Especiais ou Com Mobilidade Reduzida

    150

    11DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA

    156

    CONSIDERAÇÕES FINAIS 158

    REFERÊNCIAS 160

  • 5

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    INTRODUÇÃO

    Este documento é produto de reuniões desenvolvidas ao longo do ano de 2011, em que o grupo formado pelo Reitor, Pró-Reitores, Diretores e representantes dos coordenadores de curso se organizou para o levantamento de dados, de forma a produzir um Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) que refletisse as aspirações da comunidade acadêmica.

    Na primeira etapa, buscou-se analisar as recomendações da Comissão Própria de Avaliação (CPA) e também as expectativas dos coordenadores de curso. Foram mapeados os pontos fortes e fracos, no sentido de analisar o ambiente interno. Da mesma maneira, foram mapeadas as ameaças e oportunidades referentes ao ambiente externo. Além da metodologia mencionada, utilizaram-se, no diagnóstico, os enfoques do Balanced Scorecard e as cinco forças de Porter, que auxiliaram na organização das ideias e definição de diretrizes, objetivos, metas e ações.

    Optou-se por manter em aberto as discussões sobre o PDI, sendo assim, temos um fórum permanente de discussão, no sentido de atualizá-lo e de acompanhar as mudanças de cenário na educação brasileira.

    Na segunda etapa, já no fórum permanente, o PDI foi objeto de análise por parte da CPA de todos os coordenadores de curso, do corpo docente, dos Núcleos Docentes Estruturantes (NDEs), dos Colegiados e do DCE. As contribuições foram

    recebidas e consideradas nesta atualização.

  • 6

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    1 PERFIL INSTITUCIONAL

    1.1 Missão Institucional

    A vocação da UNISUAM pode ser definida na busca constante da articulação entre ensino, extensão e pesquisa como forma de proporcionar uma educação compreendida em sentido lato, pleno, e que conduz os envolvidos no processo ensino-aprendizagem ao desenvolvimento da capacidade de pensar, refletir e buscar soluções para os problemas sociais sejam eles nacionais, regionais ou locais.

    Uma instituição de ensino é, antes de tudo, um espaço promotor de ações que conduzem ao exercício da cidadania, cujo conceito abrange o conhecimento de direitos e deveres. Atenta às necessidades, anseios e expectativas da sociedade, a Instituição propicia ambiências instrumentais e substantivas para a formação de profissionais de qualidade, com postura ética e conhecedores da realidade do seu tempo e espaço. Parte-se do princípio de que a ética deve ser compreendida como a reflexão sobre os valores, abrangendo responsabilidade social e cidadania, com caráter humanístico.

    A Instituição, para cumprir sua vocação, apoia-se em sua missão, visão e valores, a seguir apresentados:

  • 7

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    Missão

    Visão

    Valores

    “Promover o desenvolvimento do homem e do meio em que vive numa relação recíproca com a sociedade, permitindo o acesso ao ensino de qualidade, participando ativamente da melhoria dos processos educacionais do país.”

    “Ser reconhecida como a Instituição de Ensino de excelência com o melhor modelo de transformação

    social do país”.

    COMPETÊNCIACapacidade de executar atividades,

    atendendo às necessidades técnicas-profissionais exigidas pela sociedade.

    CREDIBILIDADECumprir o que é proposto com atitudes e

    métodos baseados na ética e na missão Institucional.

    COMPROMETIMENTODedicação e reciprocidade aos compromissos

    assumidos por todos os integrantes da Instituição.

    INOVAÇÃOCriar diferenciais na área educacional,

    agregando valores profissionais, intelectuais e sociais.

    RESPONSABILIDADEAtuação consciente de seu papel como

    agente de transformação social e promotora do desenvolvimento humano e da comunidade na qual

    está inserida.

  • 8

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    Desenho da primeira edificação da IES

    O Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM) é uma Instituição de Ensino mantida pela Sociedade Unificada de Ensino Augusto Motta (SUAM). Fundada oficialmente em 4 de dezembro de 1969, no Rio de Janeiro, a Instituição busca atender às necessidades dos desenvolvimentos educacional e cultural das comunidades que a cercam.

    Em 1970, a SUAM teve sua primeira Faculdade autorizada a funcionar. Mais tarde, a implantação de novas Unidades de Ensino conferiu à Instituição o estágio de Faculdades Integradas Augusto Motta e, gradativamente, metas foram alcançadas, criando as condições necessárias para a sua transformação em Centro Universitário, no ano de 1997.

    Mas a trajetória histórica da SUAM começou ainda mais cedo, na década de 1930, com a fundação do Colégio Luso Carioca pelo professor Augusto Medeiros da Motta. Com o objetivo de melhorar o nível socioeducacional da região da Leopoldina, o Colégio iniciou suas atividades com um curso preparatório para a Escola Naval, implantando, mais tarde, o Primário, o Admissão ao Propedêutico e o Técnico em Contabilidade. Pensando na continuidade deste trabalho e em formar profissionais do ensino, foi criada, ainda, a Escola de Formação de Professores.

    O atendimento às necessidades locais mantém-se até hoje como uma das maiores preocupações da família do professor Augusto Medeiros da Motta. Após o seu falecimento, sua esposa, professora Amarina Motta, e seus filhos, Augusta e Arapuan, fundaram, em 1968, a Escola Normal Luso Carioca.

    No final da década de 1960, a região da Leopoldina ainda encontrava-se carente na área da educação superior. Confirmando a expansão da Instituição a partir da verificação das demandas da comunidade, em 1969 foi fundada a Sociedade Unificada de Ensino Superior Augusto Motta, que daria origem à Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas.

    Gradativamente, com base no plano de expansão, foram sendo implantadas novas Unidades de Ensino: a Faculdade de Educação e a Faculdade de Ciências Humanas, Letras e Artes, atendendo às demandas de formação de professores para o sistema dos antigos 1º e 2º graus; a ampliação da Faculdade de Estudos Sociais Aplicados e a criação da Faculdade de Comunicação Social, da Faculdade de Engenharia e da Faculdade de Reabilitação, objetivando a preparação de recursos

    1.2 Histórico de Implantação e Desenvolvimento da Instituição

  • 9

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016humanos para as suas áreas específicas. Estando todos os cursos reconhecidos desde a década de 1970, as Faculdades Integradas Augusto Motta (FINAM) iniciaram, em meados da década de 1990, o seu processo de transformação em Centro Universitário.

    A proposta educacional caracterizou-se como um esforço para atender às aspirações e expectativas comunitárias, prevalecendo a preocupação de que cada curso, seja de graduação, extensão ou de pós-graduação, possa efetivamente representar um elo a mais para a concretização do compromisso maior das FINAM em promover a cidadania e a sociedade.

    Em 1997, como credenciamento do primeiro Centro Universitário do Brasil, o Centro Universitário Augusto Motta passou a oferecer à região da Leopoldina uma oportunidade ímpar, que cresce a cada dia, proporcionando desenvolvimento e conhecimento à população. Expandindo seus ideais, a UNISUAM chegou, a partir de 2005, à Zona Oeste com as unidades de Campo Grande, Bangu e Jacarepaguá. A concretização dessas novas Unidades justifica-se pela existência de demanda de suas populações.

    A UNISUAM forma, ao longo de 40 anos de história, profissionais qualificados e cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, atendendo a comunidade ao redor de suas Unidades, abrindo espaço para o exercício da profissão que os alunos escolheram e, principalmente, oferecendo a oportunidade da prática da cidadania.

    Na busca pela excelência e atendendo aos egressos, no sentido de promover a educação continuada, a UNISUAM dispõe ainda de cursos de Especialização (presencial e a distância) e os cursos de Mestrado Profissional Interdisciplinar em Desenvolvimento Local e Mestrado Acadêmico em Ciências da Reabilitação, com um corpo docente altamente qualificado, atualizado e comprometido com o desenvolvimento do país.

    Neste PDI está prevista a solicitação de credenciamento da UNISUAM para a modalidade de Educação a Distância (EAD) na graduação. Esta proposta, inédita na Instituição, decorre da experiência adquirida com a EAD na pós-graduação lato sensu, cujo credenciamento deu-se em 2004.

  • 10

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20161.3 Diretrizes, Objetivos e Metas da Instituição

    PRIMEIRA DIRETRIZ - Modelo de gestão voltado para obtenção de melhores resultados acadêmicos e administrativos, desenvolvendo o capital humano envolvido e fornecendo ferramentas adequadas para a realização dos processos.

    OBJETIVO 1: Estruturar a instituição para buscar desempenhos além do padrão mínimo de qualidade.

    Meta 1.1 Consolidar a atuação dos NDEs e Colegiados de todos os cursos de graduação.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Ensino

    Ações1.1.1 Constituir espaço físico específico para reuniões dos NDEs e Colegiado

    de curso.Realização: dezembro de 2014

    1.1.2 Atualizar a regulamentação de funcionamento dos Colegiados de curso.Realização: julho de 2014

    1.1.3 Atualizar regulamento para as atividades dos NDEs.Realização: agosto de 2014

    1.1.4 Promover cursos de legislação e processos com os coordenadores de curso, membros dos NDEs e Colegiados.

    Realização: agosto de 2014

    1.1.5 Fomentar a participação dos coordenadores de curso nos encontros nacionais de coordenadores de curso promovidos pelo MEC, CAPES, CNPq ou pelas Associações Brasileiras de Ensino de cada curso de Graduação e Pós-graduação.

    Realização: julho de 2014

    Meta1.2 Implantar processo de aperfeiçoamento da metodologia de ensino.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Ensino

    Ações1.2.1 Atualizar o ementário dos cursos com a previsão das práticas e

    das metodologias aplicadas nas referidas disciplinas, além da especificação

  • 11

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016do conteúdo em conteúdo conceitual (abordando os conceitos a serem desenvolvidos); conteúdo procedimental (abordando as atividades práticas a serem desenvolvidas) e conteúdo atitudinal (abordando as atitudes e valores a serem desenvolvidos). Além disso, atualizar, nas ementas (Planos de Ensino), os procedimentos de avaliação e os objetivos, com base nas discussões desenvolvidas nas reuniões dos diversos NDEs.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.2 Constituir conselho consultivo externo para cada curso com pessoas de destaque na área.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.3 Delimitar na estrutura curricular dos cursos a carga horária referente às práticas de cada disciplina.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.4 Promover ações para a formação continuada do corpo docente para atualização pedagógica.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.5 Sistematizar o apoio para participação de docentes em eventos externos, cujos conteúdos possam contribuir com o aprimoramento profissional em sua área de atuação.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.6 Incentivar a produção docente, disponibilizando espaço e recursos para publicação de livros pela editora Institucional, publicação de artigos científicos pelas revistas institucionais, publicação de material didático pela editora Institucional, publicação nos cadernos de pesquisa da Instituição.

    Realização: dezembro de 2014

    1.2.7 Estabelecer programa de intercâmbio discente e docente.Realização: dezembro de 2014

    1.2.8 Promover ações que visem refletir e enfrentar questões relacionadas à linguagem, língua portuguesa, letramento, aproximando o Laboratório Multidisciplinar de Estudo de Linguagens (LAMEL) de outras iniciativas Institucionais.

    Realização: dezembro de 2014PLANODE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    1.2.9 Instituir plantão pedagógico para orientação didático-pedagógica.Realização: julho de 2014

  • 12

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20161.2.10 Nortear a elaboração de currículos e programas pelos Princípios da

    Sustentabilidade alicerçados nos eixos Econômico, Ambiental e Social.Realização: dezembro de 2016

    Meta 1.3 Implantar processo de educação permanente para a gestão institucional.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitorias de Ensino e de Pesquisa e Extensão

    Ações1.3.1 Constituir um programa de intercâmbio para gestores com outras

    instituições nacionais e internacionais.Realização: dezembro de 2014

    1.3.2 Realizar fóruns com os gestores acadêmicos e administrativosRealização: dezembro de 2013

    1.3.3 Realizar cursos semestrais de aperfeiçoamento para os gestores institucionais

    Realização: dezembro de 2013

    1.3.4 Efetivar programas de integração e capacitação de recursos humanosRealização: dezembro de 2013

    Meta 1.4 - Implantar processos metodológicos para vincular as áreas de Empreendedorismo/Inovação, Culturas/Linguagens e Tecnologias ao desenvolvimento acadêmico.

    Realização: dezembro de 2014Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações1.4.1 Implantar no Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo uma base para

    apoio, consultoria e estímulo à criação de empresas de alunos e egressos.Realização: dezembro de 2013

    1.4.2 Criar uma Videoteca Institucional.Realização: dezembro de 2014

    1.4.3 Efetivar calendário de exposições de alunos no Centro Cultural (CCULT).Realização: dezembro de 2013

    1.4.4 Implantar programa de acompanhamento de empregabilidade nos

  • 13

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016cursos de graduação, pós-graduação lato sensu e stricto sensu.

    Realização: dezembro de 2014

    1.4.5 Criar programa no CCULT integrado com o Ensino, a Pesquisa e a Extensão universitária.

    Realização: dezembro de 2013

    1.4.6 Criar programa no Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo (NAE) integrado com o Ensino, a Pesquisa e a Extensão universitária.

    Realização: dezembro de 2013

    1.4.7 Consolidar fóruns permanentes de discussão sobre as ações de desenvolvimento local e responsabilidade social, com fomento externo.

    Realização: dezembro de 2013

    1.4.8 Consolidar o desenvolvimento de ações sociais realizadas no entorno da Instituição, estimulando ações em parceria com o governo, indústrias, empresas e a sociedade civil, com relatórios dessas ações.

    Realização: dezembro de 2013

    1.4.9 Estabelecer calendário de encontros entre os gestores e a comunidade acadêmica, reuniões semestrais do Reitor com os diversos segmentos Institucionais (Café como Reitor); Reuniões dos gestores institucionais (semanais); Reuniões com o corpo docente (semestrais); Reuniões com o corpo discente (semestrais); Projeto “Reflexões Críticas” (encontro do Reitor com os pesquisadores da Instituição)

    Realização: julho de 2013

    1.4.10 Institucionalizar o Simpósio Docente como um evento semestral.Realização: julho de 2013

    1.4.11 Institucionalizar o Seminário de Coordenadores de Curso como um evento anual.

    Realização: julho de 2013

    1.4.12 Desenvolver ações por meio do Núcleo de Apoio Psicopedagógico (NAPP) que permitam o acesso de docentes e discentes a ambiências de aprendizagem colaborativa.

    Realização: dezembro de 2013

    1.4.13 Ampliar o programa de monitorias.Realização: julho de 2013

  • 14

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016 1.4.14 Ampliar as ações dos núcleos de atividades profissionais. Realização: dezembro de 20131.4.15 Aprimorar a classificação, no sistema de classificação Qualis, dos

    periódicos científicos Institucionais, indexando-os às bases internacionais.Realização: julho de 2014

    OBJETIVO 2 Criar sinergias entre diferentes atores sociais, para proporcionar aos alunos a formação profissional (teórico-prática) e sua colocação no mercado de trabalho.

    Meta 2.1 Reestruturar a Central de Estágios para melhor atender às empresas e aos alunos, visando estreitar a relação com nossos parceiros e fomentar a empregabilidade do nosso egresso.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Ensino

    Ações2.1.1 Criar uma Central de Estágios em cada Unidade para: atender empresas

    e alunos; receber oportunidades de estágio e emprego; realizar entrevistas de encaminhamento; fazer acompanhamento das oportunidades recebidas (até a contratação do estagiário); visitar as empresas e fazer acompanhamento dos estágios (enviar resultados aos Coordenadores dos Cursos e no término do estágio fazer a reposição).

    Realização: dezembro de 20142.1.2 Aprimorar o website com as seguintes entradas: Empresas e Alunos. No espaço Empresa: cadastro; informações sobre convênio; lei de estágio;

    forma de contratação; formulários e oferecimento de oportunidades de estágio ou emprego.

    No espaço Aluno: cadastro; esclarecimentos sobre o estágio; informações de como o aluno deverá se comportar na entrevista; dicas para facilitar a elaboração do seu currículo; divulgação e outros.

    Atividade do website: cruzar as informações oferecidas pelas empresas como cadastro dos alunos e envio dos perfis; Proporcionar às empresas pesquisa no nosso banco de talentos; Proporcionar aos alunos as oportunidades oferecidas pelas empresas em tempo real.

    Realização: dezembro de 2014

    2.1.3 Promover encontros com alunos em estágio para acompanhamento e troca de experiências.

    Realização: dezembro de 2013

  • 15

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20162.1.4 Promover eventos visando incorporar a cultura da Sustentabilidade.Realização: dezembro de 2013

    2.1.5 Criar ações institucionais que fortaleçam a integração entre os cursos de graduação e o NAE.

    Realização: dezembro de 2013

    OBJETIVO 3 Dispor de infraestrutura física e instalações acadêmicas adequadas às necessidades institucionais.

    Meta 3.1 Implantar ambientes visando facilitar o processo de aprendizagem.Realização: dezembro de 2014Responsável: Pró-Reitorias

    Ações3.1.1 Aprimorar as ações da nova Clínica Escola (CLESAM) para atendimento

    aos cursos da área da saúde.Realização: dezembro de 2013

    3.1.2 Construir o Laboratório de Análises Clínicas. Realização: dezembro de 2016

    3.1.3 Construir a Farmácia Escola. Realização: dezembro de 2016

    3.1.4 Construir um espaço no Complexo do Alemão para uma intervenção mais efetiva em nosso entorno.

    Realização: julho de 2013

    3.1.5 Implantar o Serviço de Psicologia Aplicada na CLESAM, que propiciará atendimento psicológico filantrópico (estágios e projetos sociais) em processos de violência e saúde nas áreas: Clínica (atenção básica, diagnóstico e tratamento de indivíduos, famílias e grupos de indivíduos), Organizacional (recrutamento de pessoal, perfil psicográfico, seleção de pessoal, saúde do trabalhador, avaliação de desempenho e acompanhamento psicológico de processo de demissão), Comunitária (intervenções para melhora da qualidade de vida da população da Zona da Leopoldina), Escolar (acompanhamento de professores e alunos com conflitos relacionados ao contexto escolar), Clínica de Rua (avaliação psicossocial e encaminhamento para tratamento de moradores de rua) e outras áreas, que se fizerem necessárias no âmbito da psicologia.

    Realização: dezembro de 2013

  • 16

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016OBJETIVO 4 Implantar programas de recuperação, racionalização e

    adequação da estrutura física para otimização de recursos.

    Meta 4.1 Aperfeiçoar a estrutura física, laboratórios e salas de aula, focando na interdisciplinaridade dos cursos.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações4.1.1Modernizar as salas de aula para estimular a utilização de novas

    metodologias de ensino.Realização: dezembro de 2015

    4.1.2Implantar um plano de modernização sistemático dos laboratórios.Realização: dezembro de 2014

    SEGUNDA DIRETRIZ - Sustentabilidade Acadêmica, Administrativa e Financeira nos programas institucionais, democratizando o acesso de estudantes aos diversos níveis de ensino.

    LANODE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONALOBJETIVO 5 Aperfeiçoar, continuamente, os processos e métodos de

    gestão acadêmica, administrativa e financeira.

    Meta 5.1 - Adotar mecanismos de controle orçamentário, que tenham transparência e flexibilidade.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações5.1.1 Implantar um novo sistema digital (eletrônico) de gestão acadêmica

    integrando os diversos setores da Instituição, facilitando a visão sistêmica da organização, agilizando, assim, os processos decisórios.

    Realização: dezembro de 2013

    5.1.2 Efetivar relatórios financeiros, semestralmente, contendo impactos e resultados dos diferentes cursos da Instituição.

    Realização: dezembro de 2013PLANODE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    5.1.3 Instituir a prática orçamentária por curso. Realização: dezembro de 2013

  • 17

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20165.1.4 Implantar um sistema de segurança patrimonial. Realização: dezembro de 2013

    Meta 5.2 Definir a rede de relacionamento hierárquico-funcional, e as relações de cada gestor institucional com a comunidade acadêmica.

    Realização: julho 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações5.2.1 Elaborar o organograma institucionalRealização: dezembro de 2013

    5.2.2 Elaborar o desenho da rede institucionalRealização: dezembro de 2015

    5.2.3Analisar a sinergia dos diferentes atores e setores da rede institucionalRealização: dezembro de 2015

    Meta 5.3 Construir instrumentos de avaliação que permitam o automonitoramento dos diferentes cursos.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Ensino

    Ações5.3.1Elaborar instrumento de monitoramento do site na avaliação dos

    cursos de graduação.Realização: dezembro de 2013

    5.3.2Ampliar a participação no processo de autoavaliação institucional semestral.Realização: dezembro de 2013

    5.3.3 Divulgar as conquistas promovidas a partir da autoavaliação institucional, aumentando assim sua credibilidade e confiabilidade.

    Realização: dezembro de 2013

    5.3.4 Elaborar mapas de acompanhamento dos diferentes aspectos relacionados às avaliações dos cursos de pós-graduação.

    Realização: dezembro de 2013

  • 18

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016 OBJETIVO 6 Aprimorar o processo de acesso e permanência do aluno na instituição.Meta 6.1 Obter financiamentos públicos e privados.Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações6.1.1 Efetuar convênios com empresas e instituições que se dediquem à

    educação de jovens e adultos.Realização: dezembro de 2013

    6.1.2 Implantar a política de interação sistemática com as escolas de ensino médio, visando à captação de alunos.

    Realização: julho de 2013

    6.1.3 Ampliar os programas de assistência, monitorias, nivelamentos, apoio psicopedagógico aos discentes, visando reduzir a evasão.

    Realização: julho de 2013

    6.1.4 Efetuar solicitação de fomento a órgãos de financiamento para projetos de acesso e permanência do aluno na instituição.

    Realização: dezembro de 2013

    TERCEIRA DIRETRIZ- Ações institucionais voltadas para expansão, internacionalização, novas unidades de negócios, convênios e parceiras.

    OBJETIVO 7 Promover o diálogo com o governo, a empresa, o terceiro setor e a sociedade civil, visando à ampliação das redes de parceria e a geração de ações que promovam o desenvolvimento da região.

    Meta 7.1 Elaborar o programa de incentivo de projetos sociais. Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.1.1 Ampliar a rede de parcerias com empresas interessadas em financiar

    projetos sociais.Realização: dezembro 2013

    7.1.2 Rever o ordenamento jurídico da instituição de modo a facilitar a captação de recursos para ampliação de nossa inserção social.

    Realização: dezembro de 2014

  • 19

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20167.1.3 Criação de um instituto/fundação para captação de recursos de empresas e instituições financiadoras.Realização: dezembro de 2014

    7.1.4 Fomentar projetos multidisciplinares antenados com as políticas governamentais.

    Realização: dezembro de 2013

    Meta 7.2 Estruturar programas de mobilidade acadêmica. Realização: dezembro de 2013Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.2.1 Captar alunos estrangeiros para programas de intercâmbio. Realização: dezembro de 2013

    7.2.2 Encaminhar alunos da instituição para programas de intercâmbio com instituições em outros países.

    Realização: julho de 2013

    Meta 7.3 Fortalecer a inserção regional da Instituição, por meio de ações voltadas para intervenção no meio ambiente.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.3.1 Elaborar projetos de pesquisa e extensão na área do meio ambiente

    e desenvolvimento sustentável.Realização: dezembro 2013

    7.3.2 Promover eventos na área do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável, em parceria com o governo, as empresas e lideranças locais.

    Realização: dezembro de 2013

    7.3.3 Promover Projeto Interdisciplinar e Interinstitucional - UNIVERSIDADE/ESCOLA, com atuação na Escola Ruy Barbosa, com projetos de extensão e pesquisa e com a participação dos Cursos de Enfermagem, Psicologia, Educação Física, Nutrição e Farmácia.

    Realização: dezembro de 2013

    Meta 7.4 Fortalecer a relação da Instituição com os setores da sociedade, por meio de eventos na área de responsabilidade social e demais assuntos

  • 20

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016 relacionados à gestão das organizações públicas, privadas e o terceiro setor.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.4.1Realizar Fórum de Responsabilidade Social e Desenvolvimento Local.Realização: dezembro de 2013

    7.4.2 Realizar Fórum do Terceiro Setor e Lideranças Sociais. Realização: dezembro de 2013

    7.4.3 Realizar Cafés Empresariais. Realização: dezembro de 2013

    7.4.4 Fomentar a proposição de novos projetos de extensão, ampliando nossa participação neste segmento.

    Realização: julho de 2013

    7.4.5 Ampliar a oferta de bolsas de extensão. Realização: fevereiro 2014

    7.4.6 Estimular a nucleação dos projetos nas diferentes regiões de atuação institucional

    Realização: julho de 2013

    Meta 7.5 Ampliar o programa de iniciação científica.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.5.1 Fomentar a proposição de novos projetos de pesquisa, ampliando

    nossa participação neste segmento.Realização: julho de 2013

    7.5.2 Desenvolver editais de Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), tendo como prioridade a produção coletiva (dois professores por projeto) e a avaliação de impacto dos projetos de extensão da UNISUAM.

    Realização: junho de 2014

    7.5.3 Organizar Semanas de Pesquisa e Extensão anuais.Realização: setembro de 2014/setembro de 2015 / setembro de 2016

  • 21

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20167.5.4 Incentivar os estudantes de iniciação científica a participarem de

    eventos científicos e publicar artigos em periódicos com avaliação do Qualis periódicos (CAPES).

    Realização: dezembro de 2016

    7.5.5 Acompanhar academicamente os egressos que participaram do PIBIC.Realização: dezembro de 2016

    Meta 7.6 Desenvolver grupos de pesquisa interdisciplinares.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.6.1 Cadastrar e atualizar grupos de pesquisas no Conselho Nacional de

    Desenvolvimento Científico (CNPq).Realização: dezembro de 2016

    7.6.2 Envolver estudantes de graduação, pós-graduação latos sensu e stricto sensu nos grupos de pesquisas interdisciplinares.

    Realização: dezembro de 2016

    7.6.3 Realizar levantamentos anuais da produção dos grupos de pesquisas cadastrados no CNPq, relacionando com as linhas de pesquisa da UNISUAM.

    Realização: dezembro de 2016

    Meta 7.7 Implementar núcleos de projetos de pesquisa e extensão. Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.7.1 Ampliar o atendimento do centro de Extensão em Campo Grande. Realização: dezembro de 2013

    7.7.2 Implantar um núcleo de projetos em Manguinhos. Realização: dezembro de 2013

    7.7.3 Ampliar o núcleo de projetos no Complexo do Alemão. Realização: dezembro de 2013

    7.7.4 Implantar um núcleo de projetos na Cidade de Deus. Realização: julho de 2014

  • 22

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Meta 7.8 Fortalecer o desenvolvimento de projetos de transferência de

    tecnologias à sociedade.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.8.1 Desenvolver projetos com foco na transferência de tecnologia. Realização: dezembro de 2013

    Meta 7.9 Consolidar a UNISUAM Publicações Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.9.1 Criar e definir as atribuições do Conselho da UNISUAM Publicações e

    do Núcleo de Editoração.Realização: maio de 2014

    7.9.2 Estabelecer as normas de submissão e de publicação da UNISUAM Publicações. Realização: junho de 2014

    7.9.3 Desenvolver a identidade visual adequada às áreas de conhecimento dos cursos da Instituição.

    Realização: setembro de 2013

    7.9.4 Estruturar a apresentação de livros no formato de ebook.Realização: junho de 2014

    7.9.5 Estabelecer parcerias com editoras, livrarias e distribuidoras. Realização: junho de 2014

    7.9.6 Garantir avaliação das publicações pelo Qualis Livros (CAPES). Realização: dezembro de 2015

    7.9.7 Implementar as Revistas da UNISUAM no Sistema SEER.Realização: dezembro de 2013

    7.9.9 Auxiliar e apoiar, em termos operacionais de qualidade, a criação das futuras revistas científicas.

    Realização: dezembro de 2013

    7.9.10 Efetivar o processo de registro das novas revistas da UNISUAM.

  • 23

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Realização: dezembro de 2013

    7.9.11Melhorar a avaliação das revistas UNISUAM no Qualis Periódicos (CAPES).Realização: dezembro de 2015

    7.9.12 Adequar e organizar as publicações das revistas da UNISUAM para possibilitar a indexação.

    Realização: dezembro de 2015

    Meta 7.10 Implementar ações de pesquisa e extensão na área do envelhecimento humano.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações7.10.1 Ampliar os núcleos da UNATI. Realização: dezembro de 2013

    7.10.2 Promover eventos na área do envelhecimento humano. Realização: dezembro de 2013

    7.10.3Ampliar projetos na área de pesquisa sobre envelhecimento humano.Realização: dezembro de 2013

    7.10.4 Ampliar projetos de extensão na área do envelhecimento humano.Realização: dezembro de 2013

    QUARTA DIRETRIZ- Relacionamento com a comunidade acadêmica e com a sociedade.

    OBJETIVO 8 Valorizar e proteger a marca e a imagem da UNISUAM.

    Meta 8.1 Implementar um programa de valorização da marca UNISUAM.Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações8.1.1 Estabelecer metas de crescimento nos acessos ao site Institucional.Realização: dezembro de 2013

    8.1.2 Estabelecer metas de crescimento em rankings consolidados nacional

  • 24

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016e internacionalmente.

    Realização: dezembro de 2013

    8.1.3 Criar campanhas promocionais para os diferentes eventos Institucionais, de modo a valorizar a marca UNISUAM.

    Realização: dezembro de 2013

    8.1.4 Divulgar as publicações científicas dos professores e programas da Instituição para o público interno e externo.

    Realização: dezembro de 2013

    8.1.5 Implementar programa de avaliação do atendimento presencial e virtual.Realização: dezembro de 2013

    Meta 8.2 Consolidar o projeto Alumni (Acompanhamento de Egressos).Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitoria de Ensino

    Ações8.2.1 Mapear os egressos que atualmente trabalham na Instituição.

    Realização: dezembro de 2013

    8.2.2 Identificar o perfil socioeconômico dos egressos. Realização: dezembro de 2013

    8.2.3 Identificar os profissionais de destaque e as personalidades públicas que se formaram na Instituição em nível de graduação e pós-graduação (amostra)

    Realização: julho de 2014

    8.2.4 Identificar os egressos que participam de ações sociais voluntárias (amostra)

    Realização: dezembro de 2014

    8.2.5 Identificar os egressos que atuam fora do paísRealização: dezembro de 2016

    8.2.6 Efetuar um mapeamento dos principais empregadores dos egressos da Instituição (amostra)

    Realização: dezembro de 2016

    8.2.7 Criar uma rede social Institucional (profissional) voltada para o egressoRealização: dezembro de 2016

  • 25

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20168.2.8 Criar um hotsite específico para o AlumniRealização: dezembro de 2016

    8.2.9 Criar uma carteira de estudante de pós-graduação, específica para o aluno egresso.

    Realização: dezembro de 2014

    Meta 8.3 Constituir um programa fidelidade/benefícios para alunos e ex-alunos.Realização: dezembro de 2016Responsável: Reitoria e Pró-Reitorias

    Ações8.3.1 Clube Pós-UNISUAM. Realização: julho de 2013

    8.3.2 Contratação de pessoal para novos negócios.Realização: julho de 2013

    OBJETIVO 9 Implementar programas que atentem para questões relativas aos valores institucionais e humanos universais, hábitos, organização do tempo de estudo, aprendizagem colaborativa, transversalizando as atividades do cotidiano acadêmico.

    Meta 9.1 Aperfeiçoar o projeto VIVA (Vivendo Valores) Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitorias de Ensino e de Pesquisa e Extensão

    Ações9.1.1 Estabelecer calendário anual de atividades. Realização: dezembro de 2013

    9.1.2 Efetuar processo de avaliação anual. Realização: dezembro de 2013

    Meta 9.2 Aperfeiçoar o projeto Aprendendo a Aprender.

    Ações9.2.1 Estabelecer calendário anual de atividades. Realização: dezembro de 2013

  • 26

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20169.2.2 Efetuar processo de avaliação anual. Realização: dezembro de 2013

    Meta9.3 Aperfeiçoar o projeto Sonhos Acadêmicos/Atitudes Empreendedoras

    Ações9.3.1 Estabelecer calendário anual de atividades. Realização: dezembro de 2013

    9.3.2 Efetuar processo de avaliação anual. Realização: dezembro de 2013

    Meta 9.4 Aperfeiçoar o projeto UNISUAM Inclusiva.

    Ações9.4.1 Estabelecer calendário anual de atividades. Realização: dezembro de 2013

    9.4.2 Efetuar processo de avaliação anual. Realização: dezembro de 2013

    Meta 9.5 Aperfeiçoar o projeto Reunião com os Representantes de Turma.

    Ações9.5.1 Estabelecer calendário anual de atividades. Realização: dezembro de 2013

    9.5.2 Efetuar processo de avaliação anual. Realização: dezembro de 2013

    OBJETIVO 10 Consolidar a Universidade da Terceira Idade (UNATI).

    Meta 10.1 Promover ações de consolidação da UNATI.Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

    Ações10.1.1 Implementar cursos de curta duração, promovendo a integração

    da UNATI com os outros níveis acadêmicos.Realização: dezembro de 2013

    1 Habilitação em Jornalismo e em Publicidade e Propaganda

  • 27

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 201610.1.2 Captar empresas para parceriasRealização: dezembro de 2013

    OBJETIVO 11 Estimular o desenvolvimento de pesquisas e ações de empreendedorismo e inovação, visando ao atendimento do setor empresarial, comunitário e tecnológico, de forma a incrementar ferramentas de inserção de pequenas e médias empresas na região.

    Meta 11.1 Estabelecer indicadores de qualidade para avaliação do desenvolvimento de pesquisas tecnológicas.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitorias de Ensino e de Pesquisa e Extensão.

    Ações11.1.1 Lançar editais que possibilitem aos alunos de graduação e pós-

    graduação a participação em projetos de inovação tecnológica.Realização: dezembro de 2013

    11.1.2 Selecionar projetos de inovação tecnológica como elementos importantes para a promoção do desenvolvimento regional.

    Realização: dezembro de 2013

    Meta 11.2 – Desenvolver projetos extensionistas integrados, na forma de Arranjos Produtivos Locais – APL e Arranjos Sociais Locais - ASL, dos cursos da instituição (graduação, pós-graduação lato sensu e mestrado) focados em resultados quantitativos, qualitativos, econômicos e sociais, de modo a desenvolver as regiões sob sua influência.

    Realização: dezembro de 2016Responsável: Pró-Reitorias de Ensino e de Pesquisa e Extensão

    Ações11.2.1 Realizar o “Meet Business Weekend”.Realização: dezembro de 2014

    11.2.2 Lançamento da plataforma de crowdfunding.Realização: dezembro de 2015

    11.2.3 Capacitar o corpo docente da disciplina de Empreendedorismo.Realização: dezembro de 2014

    11.2.4 Captar empresas de lucro real para Problematização/Lei do Bem.

    2 Habilitação em Português/Literatura

  • 28

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016 Realização: dezembro de 201511.2.5 Realizar o INOVASUAM / 1ª Semana de Inovação da UNISUAM.Realização: dezembro de 2014

    11.2.6 Lançar o ASL das Ongs do Complexo do Alemão/Bonsucesso.Realização: dezembro de 2015

    11.2.6 Lançar o APL da Gastronomia no Complexo do Alemão/BonsucessoRealização: dezembro de 2015

    11.2.6 Iniciar a incubação em BonsucessoRealização: dezembro de 2015

    1.4 Áreas de Atuação Acadêmica

    O Centro Universitário Augusto Motta atua em diferentes níveis de educação superior: graduação, pós-graduação e extensão, ofertando cursos e programas direcionados aos diversos campos do saber.

    1.4.1 Ensino de graduação

    A Instituição oferece os seguintes cursos superiores, distribuídos por área de conhecimento:

    1.4.1.1 Graduação

    Ciências Sociais Aplicadas- Administração (Bacharelado);- Arquitetura e Urbanismo (Bacharelado);- Ciências Contábeis (Bacharelado);- Comunicação Social (Bacharelado)1;- Direito (Bacharelado);- Serviço Social (Bacharelado); e- Turismo (Bacharelado);

    Ciências da Saúde- Educação Física (Bacharelado e Licenciatura);

    - Enfermagem (Bacharelado);- Farmácia (Bacharelado);- Fisioterapia (Bacharelado); e- Nutrição (Bacharelado);

  • 29

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Engenharias- Engenharia Civil (Bacharelado);- Engenharia de Produção (Bacharelado);- Engenharia de Petróleo (Bacharelado); e- Engenharia Elétrica (Bacharelado);

    Ciências Exatas e da Terra

    - Ciência da Computação (Bacharelado).

    Ciências Biológicas- Ciências Biológicas (Licenciatura e Bacharelado).

    Ciências Humanas- História (Licenciatura);- Pedagogia (Licenciatura); e- Psicologia (Formação do Psicólogo);

    Linguística, Letras e Artes- Letras (Licenciatura)2.

    1.4.1.2 Graduação a distância (a serem autorizados). Pedagogia, Letras, Administração, Contabilidade, Marketing, Relações

    Internacionais

    1.4.2 Ensino de Graduação Tecnológica

    Na graduação tecnológica o Centro Universitário oferta no momento os seguintes cursos:

    - Curso Superior de Tecnologia em Informática;- Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética.- Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia;- Curso Superior de Tecnologia em Marketing; e- Curso Superior de Tecnologia em Logística;

    1.4.3 Ensino de pós-graduação lato sensu

    •Lato sensu presencial (Especialização e MBA)Programa Lato Sensu – Abrange as diferentes áreas do conhecimento:

    Ciências Sociais Aplicadas; Ciências Exatas e da Terra; Ciências da Saúde; Ciências Humanas; Engenharias; Linguística, Letras e Artes; Ciências Biológicas e outras.

  • 30

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016•Lato sensu a Distância (Especialização, MBA)Tendo em vista que uma instituição de ensino deve ter como função

    a ampliação das oportunidades de inclusão dos mais variados segmentos da população com dificuldade de acesso à educação superior, o Centro Universitário Augusto Motta oferece cursos na modalidade a distância.

    1.4.4 Pós-Graduação Stricto Sensu

    A instituição oferece dois programas de Pós-Graduação, um profissional em Desenvolvimento Local e outro acadêmico em Ciências da Reabilitação.

    1.4.4.1 Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local

    Programa definido a partir da necessidade de formar profissionais para desempenharem o papel de protagonistas, como agentes multiplicadores de ações de mudança na sociedade, de forma a promoverem o desenvolvimento econômico e social local por meio da incorporação de tecnologias à vida dos cidadãos, para garantirem o exercício da cidadania, a melhoria da qualidade de vida e a formação de competências para o trabalho. Curso de Mestrado Profissional em Desenvolvimento Local na área interdisciplinar (Reconhecido pela CAPES, publicado no Diário Oficial da União nº142, seção 1, quarta-feira, 26 de julho de 2006, páginas 18 e 19). Na vigência deste PDI, está previsto o lançamento do curso de doutorado em Desenvolvimento Local (a ser autorizado pela CAPES).

    1.4.4.2 Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação

    O Curso de Mestrado em Ciências da Reabilitação oferecido pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM) é uma excelente opção para os profissionais da área de saúde do Brasil. Reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), homologado pelo CNE (Port.MEC1045,de18/08/2010,DOU19/08/2010, sec1 p 10), os trabalhos desenvolvidos no programa vêm sendo destaque em diversos congressos e eventos da área da saúde, além das publicações em diversos periódicos nacionais e internacionais. Adicionado a isso, os resultados das pesquisas científicas estão integrados à política de assistência à comunidade no que tange à prevenção, intervenção e tratamento no campo da reabilitação. Na vigência deste PDI, está previsto o lançamento do curso de doutorado em Ciências da Reabilitação (a ser autorizado pela CAPES)

  • 31

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 20161.4.5 Programa de Cursos de Extensão

    O Curso de extensão é uma atividade acadêmica, técnica e cultural que dever ser compreendida como aperfeiçoamento da formação do sujeito e atualização da demanda profissional.

    A oferta de cursos de extensão na Instituição ocorre durante o ano letivo e nos períodos de férias, atendendo aos interesses dos públicos interno e externo.

    Iniciando o processo de ampliação das oportunidades, a extensão passa também a ofertar cursos na modalidade a distância.

  • 32

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016

    2 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

    O Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM) destaca-se, desde a sua fundação, no final da década de 1960, como uma Instituição com atividades e projetos que buscam o ensino de qualidade e a formação de profissionais conhecedores de suas áreas de atuação, com perfil crítico, e que atuem como agentes transformadores da sociedade.

    Além de seus ideais de capacitação técnica, numa dimensão instrumental, a UNISUAM também procura qualificar seus alunos, numa dimensão substantiva, como multiplicadores, capazes de disseminar valores fundamentais para o desenvolvimento humano e social.

    A Instituição propõe-se a cumprir seu papel, apresentando como diferencial uma política includente, que ratifica sua missão de Promover o desenvolvimento do homem e do meio em que vive numa relação recíproca com a sociedade, permitindo o acesso a um ensino de qualidade, participando ativamente da melhoria dos processos educacionais do país. Assim, a UNISUAM procura corresponder às necessidades e aos anseios da comunidade, ao mesmo tempo em que proporciona meios para a formação de profissionais qualificados, com atitude ética e conhecedores da realidade de seu tempo e espaço.

    Já no que diz respeito à responsabilidade social, a Instituição, diante de sua missão e de seus princípios educacionais, prioriza a condução de suas atividades de forma corresponsável no desenvolvimento da sociedade em que está inserida. Neste cenário, as atividades extensionistas ganham forte incentivo e comprovam que um trabalho bem balizado, comum à gestão efetiva, vai muito além do assistencialismo e da filantropia, formando cidadãos, empreendedores de si e de sua comunidade.

    Uma instituição de ensino socialmente responsável identifica os problemas da sociedade e cria um espaço para a formação de lideranças para buscar soluções, intervenções, discussões e tecnologias que contribuam para a superação desses problemas. Nesse contexto, a UNISUAM tem o compromisso de proporcionar os meios necessários para que seus alunos sejam pessoas socialmente responsáveis.

    O ensino envolve a perspectiva da produção de conhecimento e sua

  • 33

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016respectiva contribuição social. A indissociabilidade entre ensino-pesquisa- extensão está diretamente relacionada à aplicação das políticas pelos diferentes atores participantes, a partir de um extrato representativo da comunidade acadêmica (corpos docente e discente, gestores, NDEs, colegiados e outros), da comunidade externa (empresarial, cultural, social, representações de classe e outros) e da comunidade legal (governos federal, estadual e municipal, nos âmbitos executivo, legislativo e judiciário).

    No âmbito da pesquisa, sua política é a de promover e incentivar o pensamento reflexivo e investigativo, no sentido de contribuir para a formação de pessoas que possam gerar conhecimento científico e tecnológico, de forma a assumirem o papel de protagonistas e agentes de mudança na sociedade, com responsabilidade social, a partir da inserção de eixos de pesquisas nas matrizes curriculares e nas temáticas de extensão com vistas ao desenvolvimento da ciência, da tecnologia, do conhecimento e da cultura.

    No âmbito da extensão, que tem a função de produzir conhecimento e socializá-lo, visando à intervenção na realidade, possibilitando o desenvolvimento de ações em parceria entre a universidade e os setores da sociedade, sua política é a de empreender ações que promovam o desenvolvimento das comunidades acadêmica e local, fundamentadas na aplicação do conhecimento, na análise dos resultados e na relação recíproca entre os diferentes atores sociais, considerando a cidadania, a ética e o respeito à pluralidade de ideias.

    Os núcleos de extensão são os meios para o desenvolvimento das ações extensionistas, estas ações estão ancoradas na organização de projetos que deverão ser, prioritariamente, de caráter multi e interdisciplinar, requerendo trabalho integrado entre várias áreas de conhecimento e áreas temáticas e aos respectivos programas de extensão e tempo, com a finalidade da geração de conhecimento a fim de aplicá-los em ações de extensão, produção científica, tecnológica, artística e/ou cultural e a realização de assessoria e consultoria (interna e externa).

    Assim, para a concretização e aplicação dessas políticas, a gestão acadêmica tem importante papel, visto que gera condições para a atuação no contexto social no qual se insere. A UNISUAM adota uma gestão educacional democrática e participativa, integrando os seus atores por meio de compartilhamento de responsabilidades, descentralização dos processos de direção e tomada de decisão entre os diversos níveis e segmentos dirigentes, em sintonia com a Constituição Federal, que aponta para a democratização dos processos de gestão escolar.

    Esta é a vocação da UNISUAM: proporcionar uma educação compreendida em sentido pleno, lato, que leva os envolvidos no processo ensino-aprendizagem ao desenvolvimento da capacidade de refletir e buscar soluções para os problemas sociais, sejam eles nacionais, regionais ou locais. É uma Instituição preocupada constantemente com a formação moral, ética e profissional de seus alunos e com políticas de ensino, pesquisa e extensão claramente definidas para colocar

  • 34

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016em prática os preceitos que envolvem a cidadania, a responsabilidade social e o desenvolvimento regional.

    2.1 Inserção Regional

    O Rio de Janeiro é a segunda maior cidade do Brasil e capital do Estado homônimo. O Município, que foi sede do governo durante o período colonial e capital do Brasil (de 1763 a 1960), abriga um importante acervo arquitetônico e histórico e é ainda hoje polo irradiador de cultura e de novas tendências sociais.

    O Município tem uma população de mais de seis milhões de habitantes, número que corresponde a 40% da população do Estado. A cidade tem área de 1.224,56 Km2, dividida em 33 Regiões Administrativas, 18 subprefeituras e 160 bairros.

    A UNISUAM está localizada em Bonsucesso, subúrbio da cidade (Zona da Leopoldina), Campo Grande, Bangu e Jacarepaguá (Zona Oeste), no Município do Rio de Janeiro. Seu trabalho começou em 1930, com a fundação do Colégio Luso Carioca. Mais adiante, na década de 1960, surgiram os cursos de graduação, cujo propósito se estende até os dias de hoje, por meio do ensino, da extensão universitária e da pesquisa científica. Dentro do princípio da indissociabilidade, as atividades de ensino, pesquisa e extensão promovem a aplicação do conhecimento e da prática universitária, principalmente, no entorno de suas Unidades.

    Sua inserção municipal está comprometida com o desenvolvimento local e os resultados de suas pesquisas, aprimoramento curricular e modernização tecnológica educacional, norteada pela excelência no ensino, que oferece aos seus milhares de alunos uma formação profissional que lhes permite intervir na realidade e de empreenderem programas e projetos alternativos que agreguem valor à sociedade.

    A história da UNISUAM confunde-se com a da Zona da Leopoldina, berço de sua tradição. A Instituição encontrou na região o local ideal para o crescimento e o desenvolvimento de suas atividades. Sua área cobre 4.435 hectares, na qual residem aproximadamente 800.000 pessoas em 15 bairros.

    Em um cenário em que a educação superior ainda precisa desenvolver-se, a UNISUAM representa a possibilidade de acesso profissional e de mobilidade social a inúmeras famílias que vivem nas regiões onde se insere. Sua disposição em oferecer uma infraestrutura de qualidade, além de sua política de bolsas de estudo aos excluídos economicamente e de suas ações socioculturais, caracterizam a UNISUAM como uma instituição que reforça o compromisso de um agir para a formação e qualificação dos recursos humanos.

    Nesse cenário, a graduação tem importante papel para modificar realidades. Contemplando as áreas de Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e da Terra, Ciências da Saúde, Ciências Humanas, Ciências Biológicas, Engenharias, Linguística, Letras e Artes e Outras, a UNISUAM mantém firme, por meio de seus diversos cursos, a missão de atender às necessidades locais.

  • 35

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Para a Instituição, a formação de profissionais empreendedores é um diferencial

    no mercado de trabalho, fato que resultou na criação da disciplina Empreendedorismo e Cooperativismo, obrigatória em todos os cursos. Além da disciplina referenciada, a Instituição possui um Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo (NAE) com estreita relação com os cursos de graduação.

    No âmbito da pós-graduação lato sensu, seus programas contribuem para a realização de projetos que oferecem alternativas de desenvolvimento sustentável e aumento da qualidade de vida da sociedade. Os vários cursos capacitam o aluno, dentro de uma visão sistêmica, estratégica e holística, a identificar a importância da vantagem competitiva do seu próprio empreendimento, ou daquele em que é parceiro, em sua área de conhecimento.

    Com base na atual conjuntura mundial, em que a democratização do acesso à educação atua na construção de uma sociedade mais justa, a Instituição implantou, em 2004, o seu Programa de Educação a Distância, que oferece dezenas de cursos de pós-graduação lato sensu. Na vigência deste PDI, a UNISUAM solicitará também o credenciamento da Educação a Distância para a graduação.

    Em 2006, o Mestrado Profissional em Desenvolvimento Local proporcionou mais uma oportunidade para apoiar o crescimento das regiões do Município do Rio de Janeiro. O objetivo do curso é formar agentes multiplicadores de ações de mudança na sociedade, para promoverem o desenvolvimento econômico e social local, por meio da incorporação de tecnologias à vida dos cidadãos, de forma a garantir a melhoria da qualidade de vida, o exercício da cidadania e a formação de competências para o trabalho.

    Em 2010, o Mestrado em Ciências da Reabilitação foi aprovado pela CAPES e agregou valor a todos os cursos da graduação, principalmente, aos cursos da área de saúde. Este é um mestrado acadêmico e uma excelente opção para os profissionais da área de saúde do Brasil. Os trabalhos desenvolvidos vêm sendo destaque em diversos congressos e eventos da área da saúde, além das publicações em diversos periódicos nacionais e internacionais. Adicionado a isso, os resultados das pesquisas científicas estão integrados à política de assistência à comunidade no que tange à prevenção, intervenção e tratamento no campo da reabilitação.

    Outra vertente de atuação da UNISUAM são os projetos extensionistas em diversas áreas. Com a crescente participação e apoio de empresas conveniadas, as atividades de extensão englobam a prestação de serviços à comunidade, projetos em parceria com empresas, com o governo, com o terceiro setor e como lideranças sociais, ofertas de cursos livres e profissionalizantes, programação de eventos científicos e projetos culturais. Todas as ações buscam o desenvolvimento dos diversos atores, em todas as suas dimensões, que são envolvidos pelo trabalho institucional, sem distinção de idade, classe social ou escolaridade.

    Este envolvimento com as comunidades é benéfico para a humanização das profissões e o comprometimento dos alunos com a responsabilidade social. A Clínica Escola (CLESAM), por exemplo, é um dos projetos desenvolvidos pela

  • 36

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Instituição. No local, são oferecidos serviços de atendimento para avaliação funcional, tratamento fisioterápico, consultas de enfermagem, psicologia, nutrição, entre outros. A UNISUAM também possui uma Academia Escola, que atua para incentivar a saúde e a prática de exercícios físicos pela comunidade, alunos e funcionários. O local é utilizado para a produção científica, práticas laboratoriais, e trabalhos interdisciplinares e atendimento.

    Por meio de seu Núcleo de Prática Jurídica (NPJ), a UNISUAM oferece atendimento gratuito aos moradores, com atuação em causas cíveis (família), penais (orientação), trabalhistas e previdenciárias, além de servir como prática laboratorial aos alunos estagiários do curso de Direito.

    O Centro Cultural (CCULT), integrado ao que se convencionou nomear na Instituição como Novum Trivium3, é responsável por proporcionar à comunidade interna e externa o acesso à cultura, por meio da oferta de diversas exposições, lançamentos de livros, saraus, encontros em rodas de leitura, apresentações musicais e teatrais, entrevistas com personalidades, bem como, promover o reconhecimento de importantes formas das manifestações intelectuais e artísticas.

    O Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo (NAE), também integrado à ideia do Novum Trivium, contribui para estimular a discussão sobre empreendedorismo e inovação na instituição como ambiente de reflexão e de ação empreendedora. Identificar oportunidades, avaliar riscos, reunir colaboradores, elaborar planos de ação são habilidades que devem ser incorporadas ao processo de formação de todo profissional de sucesso. O NAE também promove a interação com empresas e instituições externas, a partir das consultorias/serviços realizados para este grupo, sob a coordenação de professores e com a participação dos alunos. Desta forma, a UNISUAM repassa conhecimentos a organizações externas, e aos alunos, a possibilidade de integração dos seus conhecimentos teóricos à prática profissional.

    O Núcleo de Relações Internacionais (NRI), também integrado à ideia do Novum Trivium, foi criado com o objetivo de promover o desenvolvimento da carreira acadêmica e profissional dos alunos e professores no exterior. Com um conceito amplo que proporciona a troca e a aquisição de experiências e valores, por meio da cultura, trabalho, estudo e entretenimento, o NRI busca parcerias com instituições internacionais nas várias áreas de interesse de professores e alunos.

    O Programa da Universidade Aberta à Terceira Idade (UNATI), pela sua natureza acadêmica, sociocultural e de extensão universitária, permite abrir as portas da universidade para um segmento da população sedento de oportunidades, bem como abrir um espaço de convivência social, de aquisição de novos conhecimentos voltados para o envelhecimento sadio e digno e, sobretudo, da tomada de consciência da importância de participação do idoso na sociedade, enquanto sujeito histórico. Congrega profissionais, professores, estudiosos e alunos de diversas áreas, proporcionando um espaço para atividades de ensino, pesquisa e extensão.

    3 Etimologicamente, trivium significa o cruzamento e articulação de três ramos ou caminhos. Esse grupo de disciplinas, desenvolvido nas universidades, a partir do século XII, incluía a lógica (ou dialética), a gramática e a retórica. A UNISUAM utiliza a concepção de Novum Trivium, criada por Etzkowitz (2010) e, para além do conhecimento disciplinar, a Instituição elegeu três áreas e as desenvolve por meio das Atividades Complementares, do Centro Cultural, do Núcleo de Relações Internacionais, do Núcleo de Apoio ao Empreendedorismo, entre outros. Esses três caminhos ou áreas para além do conhecimento disciplinar são concebidos pela Instituição como: a. Linguagens e Culturas; b. Tecnologias; c. Empreendedorismo, Cooperativismo e Inovação.

  • 37

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016Além desses exemplos, inúmeros outros são realidades nos espaços

    acadêmicos da UNISUAM. Dentro do universo no qual a Instituição está inserida, é possível perceber que as mudanças contemporâneas no mundo do trabalho repercutem diretamente nas relações socioeconômicas e na qualidade de vida das populações por ela atendidas.

    A necessidade cada vez mais premente de qualificação para entrada e manutenção no mercado de trabalho exige novas ações para ampliação da cidadania e do fazer profissional; havendo uma crescente dificuldade das populações menos qualificadas de incorporação nesse mercado e, em decorrência, uma queda nas condições de vida e de acesso a serviços. A Instituição surge, nesta realidade, como uma possibilidade plausível de acesso ao conhecimento e como agente facilitadora de mudanças de realidades.

    Embora sua atuação esteja mais focalizada, atualmente, nas Zonas da Leopoldina e Oeste, o compromisso da UNISUAM é com o Município do Rio de Janeiro, que é beneficiado, com as atividades acadêmicas, de ensino, pesquisa e extensão. Para a Instituição, os resultados não se restringem a os profissionais formados em suas salas de aula; eles estão relacionados ao desenvolvimento da sociedade como um todo e ao crescimento que serão gerados por seus alunos, que se tornam agentes produtores de mudanças em todo o Brasil.

    2.2 Princípios Filosóficos e Teórico-Metodológicos Gerais

    Toda ação institucional deve estar ancorada em princípios que forneçam opções de caminhos e perspectivas. Uma nova ambiência vem se instaurando nas instituições educacionais, que extrapola os aspectos puramente pedagógicos. As dificuldades econômicas, políticas e culturais do mundo atual aliam-se às mudanças que as estruturas tradicionais, tais como família, escola, Estado, governo têm sofrido em virtude da ascensão que as estruturas de comunicação e informação vêm obtendo. Estas novas estruturas culturais, de certa maneira, estão provocando transformações nas estruturas sociais tradicionais, influenciando diretamente nas ações que a instituição educacional empreende.

    2.2.1 Princípios Filosóficos

    O desenvolvimento de uma cidadania ativa e crítica, a busca pela autonomia, a inclusão social, a liberdade de aprender e ensinar, a consciência ambiental, o comportamento ético e o respeito à diversidade étnica, racial, cultural e religiosa são valores referenciais para as ações institucionais e práticas acadêmicas. Diante das incertezas e das urgências com que a sociedade atual se depara, a falta de referenciais tem sido um dos problemas enfrentados pelas instituições educacionais.

    Nesse quadro, a UNISUAM procura de forma participativa com gestores,

  • 38

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016coordenadores, professores, alunos e representantes da comunidade definir marcos de referência que possam auxiliar na concretização de sua missão. O papel da Instituição é promover um espaço que permita o desenvolvimento do conhecimento, da iniciação à pesquisa e da aplicação do saber socialmente construído por todos os atores envolvidos nesse processo. Sua função é proporcionar a tomada de consciência dos problemas, e não o de ditar a verdade.

    Desta forma, a Instituição estabeleceu os seguintes princípios filosóficos, que embasam as suas ações acadêmicas nas políticas definidas no Projeto Pedagógico Institucional: igualdade de condições para o acesso e permanência; indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão; interdisciplinaridade como princípio didático; flexibilidade na estrutura curricular; respeito ao pluralismo de ideias; gestão democrática da educação; promoção da cidadania, da dignidade e dos valores sociais da ética; compromisso com o indivíduo, com a sociedade e com o caráter humanístico; valorização das demandas sociais das comunidades interna e externa; compromisso com ações que gerem desenvolvimento local; valorização do profissional da educação; compromisso com o meio ambiente; garantia de padrão de qualidade; avaliação continuada e cumulativa; valorização da experiência extraescolar.

    De um lado, a Instituição precisa atentar para as questões instrumentais, ou seja, os processos de transmissão dos conhecimentos, a infraestrutura, a geração de condições propícias para o crescimento sustentável; de outro, ela não deve descuidar do compromisso com os fins a que se propõe. Esses princípios representam uma racionalidade substantiva, em que o sentido que as ações ganham na vida dos indivíduos e da comunidade deve ser observado e não apenas a geração de meios e o desenvolvimento da técnica.

    2.2.2 Princípios Teórico-Metodológicos

    Os princípios teórico-metodológicos buscam nortear metodologias de ensino que privilegiem e estimulem o desenvolvimento das potencialidades individuais e coletivas, de modo a alcançar a formação de um profissional com postura ético-crítico-reflexiva capaz de transformar o conhecimento adquirido em ações concretas de intervenção. São eles: valorização de uma postura investigativa e crítica em relação ao processo de transmissão-assimilação-reflexão dos conteúdos de ensino; priorização de metodologias que utilizem propostas problematizadoras; contextualização dos conteúdos, a partir da ancoragem do que é novo em conceitos já conhecidos; relação indissociável dos conteúdos teóricos com suas aplicações práticas; associação do desenvolvimento das competências técnicas aos valores éticos, humanos e sociais; apropriação do conhecimento como instrumento para o desenvolvimento da autonomia crítica e da compreensão da realidade; desenvolvimento de competências e habilidades que promovam a inserção do aluno egresso no mercado de trabalho;

  • 39

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016organização de práticas que proporcionem a religação dos conhecimentos em contextos multi, inter e transdisciplinares; inclusão de temas transversais que estimulem a reflexão sobre a inclusão social e o desenvolvimento sustentável; valorização de estratégias teórico- metodológicas que desenvolvam atitudes de empreendedorismo social.

    Para Vigotsky (2007), o objetivo do homem não é o de conhecer o mundo, para adaptar-se a ele, e sim entender o mundo para transformá-lo. Esta visão ratifica os princípios metodológicos institucionais que valorizam o contexto social do aprendente e possibilitam o conhecimento, não só em relação à formação técnico-profissional, mas também em relação ao conhecimento construído para a ação e o reconhecimento da cidadania.

    Nessa perspectiva, a prática pedagógica propõe orientar o educando na construção do seu conhecimento por meio da indagação, da investigação, da problematização e da busca da resolução de problemas. Essa prática evidencia um modelo de ensino e aprendizagem que propicia a relação da teoria com a prática a partir do reconhecimento da diversidade de saberes e do verdadeiro sentido de aprender para intervir coletivamente.

    Convém destacar, ainda, os quatro pilares da educação descritos no Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, coordenada por Jacques Delors(2007). A relevância dos princípios metodológicos institucionais permeia um processo educativo capaz de desencadear ações que permitam ao educando aprender a conhecer, desenvolvendo a capacidade de compreensão do mundo e, consequentemente, sua inserção no mundo do trabalho; aprender a fazer, recebendo subsídios e instrumentalização a fim de capacitá-lo a vencer os desafios impostos pelos avanços que ocorrem no mundo do trabalho e pelo dinamismo das relações interpessoais tendo condições de efetuar mudanças visando à coletividade; aprender a conviver, suscitando o seu valor pessoal, a importância do convívio com a diversidade e o respeito às diferenças e aprender a ser, por meio da prática da cidadania e da responsabilidade social.

    2.2.3 Perfil do Egresso

    Em consonância com a missão institucional e as competências necessárias para uma formação profissional que acompanhe os desafios do mundo do trabalho e seu ciclo de renovação cada vez mais curto, o Centro Universitário Augusto Motta direciona os seus cursos para que os egressos estejam cientes de sua responsabilidade social, a partir de uma postura profissional que esteja vinculada à melhoria de vida da população; tenham uma visão ampla de sua atuação profissional, seus deveres e direitos; sejam capazes de exercer uma cidadania ativa e crítica, conscientes de sua importância para o desenvolvimento e transformação da sociedade; utilizem conhecimentos fundamentados em sua formação básica, com a perspectiva humanística, holística e profissional e sua

  • 40

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016respectiva contribuição social; estejam aptos a desenvolver práticas inovadoras que precisam ser permanentemente reinventadas; construam, na diversidade de ações, habilidades e competências capazes de desenvolver projetos em equipes multidisciplinares; desenvolvam as competências necessárias à boa condução de suas carreiras agregando valores pessoais aos organizacionais; reconheçam a importância de observar, entender e desenvolver o potencial humano, numa visão holística em que se identifiquem forças e fraquezas e construam-se estratégias para trabalhar pontos fracos; estejam aptos a sentir-se parte integrante de um grupo, e por isso assumam com serenidade e de forma crítica o que lhes compete individualmente para o sucesso do trabalho coletivo; reconheçam a importância das tecnologias de informação e comunicação como ingredientes que orientem sua prática profissional a fim de torná-la mais eficiente.

    A Instituição proporciona, ao egresso dos cursos de graduação, oportunidades de prosseguimento em seus estudos através do Programa de Pós-Graduação lato e stricto sensu. Prioriza-se a formação continuada, garantindo a educação como mola-mestra do crescimento econômico e social, promovendo a geração de conhecimentos, a leitura crítica da realidade, o compromisso com o indivíduo, a sociedade, o ambiente, o desenvolvimento sustentável e, consequentemente, a geração de novos postos de trabalho.

    2.3 Organização Didático-Pedagógica da Instituição

    Na sociedade do conhecimento é necessário atentar para a valorização de habilidades e competências que possibilitem a construção de uma pessoa com uma visão renovada. O caminho a ser trilhado é trabalhar o indivíduo para que ele possa lidar com situações múltiplas, resolver problemas imprevistos, ser flexível e compreender a necessidade da aprendizagem continuada.

    Nesse contexto, o processo de construção do conhecimento dá-se numa visão contextualizada, proporcionando e valorizando a interação e a educação para a responsabilidade social. Para tanto os projetos pedagógicos dos cursos levam em conta o impacto social dos conteúdos na vida das pessoas, objetivando o desenvolvimento de uma cidadania ativa e crítica. A busca pela autonomia, a inclusão social, a liberdade de aprender e ensinar, a consciência ambiental, o comportamento ético e o respeito à diversidade étnica, racial, cultural e religiosa são valores referenciais para as ações institucionais e práticas acadêmicas.

    2.3.1 Inovações Consideradas Significativas, Especialmente Quanto à Flexibilidade dos Componentes Curriculares

    Com a finalidade de propiciar ao corpo discente a flexibilização de suas Estruturas Curriculares no intuito de facilitar o enriquecimento e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos, quer por diletantismo ou por

  • 41

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016imperiosa curiosidade científica, quer por previsão de futuras exigências de seu mercado de trabalho, o Centro Universitário Augusto Motta disponibiliza as seguintes oportunidades:

    2.3.1.1 Disciplinas Eletivas

    São conjuntos de disciplinas, cuidadosamente selecionadas pelo NDE e aprovadas pelo Colegiado de Curso, que buscam enriquecer e/ou complementar a educação de seus alunos, por meio de conteúdos não contemplados em suas Estruturas Curriculares.

    Como parte indispensável para a integralização de seu curso, cada aluno deverá ser aprovado em todas as disciplinas eletivas previstas em sua Estrutura Curricular, cabendo a ele, aluno, escolher cada eletiva, entre os diversos conjuntos a ele disponibilizados, guiado sempre por sua necessidade ou preferência.

    2.3.1.2 Disciplinas Optativas

    São consideradas disciplinas optativas para os alunos de determinado curso todas aquelas que não fazem parte de sua Estrutura Curricular, mas são ofertadas pela Instituição, através de qualquer curso. Estas disciplinas não são condicionantes para a integralização do curso e podem ser feitas por qualquer aluno que atenda aos seus pré-requisitos.

    2.3.1.3 Trabalho de Conclusão de Curso/Seminário de Pesquisa

    Parte integrante das Estruturas Curriculares, o tema a ser desenvolvido deve buscar se inserir em linhas de pesquisa, de forma a permitir o crescimento e a consolidação de áreas de estudos Institucionais. O trabalho a ser produzido permite ao aluno o aprofundamento teórico e prático direcionado às áreas prioritárias elencadas pela Instituição.

    2.3.1.4 Atividades Complementares

    As Atividades Complementares são práticas acadêmicas que têm por objetivos: enriquecer o processo ensino-aprendizagem; ampliar os horizontes do conhecimento, bem como de sua prática, para além da sala de aula; abrir perspectivas ao aluno nos contextos socioeconômico, técnico e cultural da área profissional escolhida; ampliar o conhecimento teórico/prático discente com atividades extraclasse; incentivar a tomada de iniciativa e o espírito empreendedor nos alunos.

    As Atividades Complementares são apresentadas sob múltiplas formas e de acordo com as diretrizes curriculares de cada curso, englobando 4 categorias:

  • 42

    dipPLANO DE

    DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

    2012 2016a) Categoria I - Atividades Fora da UnidadeCursos, palestras, seminários, congressos, conferências, oficinas, visitas

    técnicas e estágios extracurriculares, realizadas em entidades educacionais, estudantis ou profissionais, públicas ou privadas, reconhecidas. Tais atividades devem ser adequadas à formação complementar do aluno.

    Considera-se a participação do aluno na forma passiva ou ativa, ou seja, na condição de ouvinte ou palestrante.

    b) Categoria II - Atividades Dentro da UnidadeEsta categoria de Atividades Complementares abrange assuntos de

    interesse geral e assuntos de interesse específico. As atividades que englobam temas de