Política IV - Instituições Políticas Brasileiras - Bruno Speck

Embed Size (px)

DESCRIPTION

politica IX

Text of Política IV - Instituições Políticas Brasileiras - Bruno Speck

Poltica IV - Instituies polticas Brasileiras - Bruno Speck

Aula 01 - 03/08/15 - Apresentao do programa e aula introdutria

Disciplina sobre instituies polticas brasileiras O que so instituies polticas brasileiras? No h consenso sobre o que seria instituies e qual a importancia delas Instituies so, tipicamente, instituies pblicas (3 poderes, banco central e etc); tambem so tipos de organizaes, poderes, que tem uma hierarquia, regras de procedimento, formas de recrutamento e etc. Partidos, sindicatos, ongs tudo que tem um grau de organicidade tambem uma instituio Instituio que mais nos preocupa nessa disciplina so os partidos polticos H tambem preocupaes de atores perante as instituies politicas: igreja, militares e etc Alm das organizaes publicas estatais e organizaes publicas privadas, h uma outro tipo de instituio que possui essa organicidade regularidades no processo poltico que so produzidas = sistema eleitoral, processo legislativo e padroes de comportamentos (como coronelismo) instituies polticas no sentido de regras de procedimento formalizados/escritas (processo legislativo, sistema eleitoral e etc) ou no documentadas, adquiridas no decorrer do processo, mas que podem ser escrito como instituies polticas (como coronelismo, presidencialismo de coalizao e etc) resumindo temos 4 formas de instituies e 2 grupos : 1- organizaes publicas; 2- organizaes privadas; (1 e 2 so o primeiro grupo) 3- regularidade de processos polticos escritos; 4- padroes de comportamentos polticos no escritos (3 e 4 so o segundo grupo) Outro problema: lugar, sentido e importancia das instituies na realidade Para alguns grupos instituies so fenomenos secundarios, os fenomenos primario so as vontades, comportamento e etc do individuo formas de constranger, dar incentivos e punies pra redirecionar o comportamento individual (fenomenos secundrios muito importante, pois atraves das instituies os seres humanos conseguem um grau de comparao muito maior do que qualquer outro habitante da terra - argumento dos institucionalistas que enxergam as instituies como comportamento) Segunda viso contraria: o individuo, na verdade, no entra com uma ideia claro do que quer e quais so suas opinies, aspiraes e etc. Individuo, ao participar da vida politica e, principalmente, da vida institucional, vai assumir e formar suas opinies e preferencias instituio, para essa escola, o fenomeno primario que forma cidado cidado assume um papel social Busca pela razo dos varios fracassos da democracia no brasil: Republica velha, republica em 1930 e etc buscando sinais do autoritarismo na republica brasileira Essa busca esta comeando a mudar, recentemente inicio de uma reavaliao da primeira repblica: primeira republica uma fracasso (pouco liberal, pouco participativa), mas tambem, em relao ao passado, um grande avano enorme primeiros cargos no era preenchidos pela regra hereditria (monarca); reformas que aperfeioam o sistema democrtico e etc Olhar mais classico: viso negativa sobre as bases da democracia na primeira leitura Olhar mais contemporaneo: reconhecer aspectos positivos Victor nunes Leal: Chefe local (coronel) controla as eleioes e 3 niveis: 1, Locais; 2 Estaduais ; 3 - Nacionais Oliveira Vianna: autoritrio, contra a democracia no Brasil

Aula 02 - 11/08/15 - Instituies Polticas brasileira - Partidos, eleies e cidadania antes de 1930

Seminrio do texto do Love: Discorre sobre a participao politica do brasil desde 1891-1989 final do periodo imperial ate a ditadura militar Enfase no texto em que pegar pela participao eleitoral: numero de pessoas que votam e em quem votaram essa a principal medida para dar o conceito de participao politica: voto Brasil apresentava um sistema institucional razoavel (parlamentar com monarquia), mas que nao apresenta participao poltica Depois do periodo imperial, ha a passagem da republica que foi uma passagem impopular regime poltico fechado (autoritrio) at chegar na nova republica, em que o sistema poltica ganha um tom mais atual (inicia o contexto de como a participao politica tem seus primeiros passos para ampliao) Como ampliar a participao poltica? Problema numero 1: brasil cresceu atraves de uma economia de exportao, pouco desenvolvimento interno isso da o tom de toda politca institucional da republica Dois caminhos para ampliar o sufragio: 1 caminho levando a representar os interesses da classe baixas e o outro caminho fortalecendo que esta em declinio Em oliveira Viana o argumento culturalista a cultura poltica herdada da colonia e continuada no imperio, no permite aos eleitores brasileiros de ganharem experiencia com a auto administrao (nem no ambito estadual, muito menos do nacional) Compara o feudalismo ingles com a epoca colonial e imperial do brasil: Concluso em que, mesmo no sistema feudal, cidados tinham varias esferas aonde tinham que resolver assuntos comunitrios de forma consensual e conjunta. Isso forneceu uma aprendizagem poltica para pensar politica visando o bem comum; agir de forma ordenada. Toda essa pratica poltica que cria cidados no teria existido na historia brasileira Argumentos para inviabilizar a democracia no brasil no brasil h uma cultura poltica anti associativa, toda cultura poltica existente est voltada para defesa de interesses privados (elite agrria) Oliveira: Talvez possa ter uma administrao no municipio, mas no provincia e nao no h um espirito republicano oliveira no se baseia em argumentos institucionais No caso do Victor Nunes Leal o argumento mais sofisticado Est genuinamente interessado na possibilidade do funcionamento da democracia e analisa circunstancias (e razoes) em que a democracia nao funciona Argumento: de um lado fatores culturais e socioeconomicos com, do outro lado, argumentos institucionais Tem argumentos institucionais e argumentos socioculturais Olha para 3 ambitos, igual oliveira viana: municipio, estado (provincia) e nao Victor Nunes Leal: Ambito municipal est ligado com ambito provincia e ambito nacional No ambito nacional, qual o arranjo institucional que garante a sobrevivencia da elite agrria nas instituies polticas? (O que garante que eles se mantenham no poder?) A poltica de governadores poltica de governadores: aspecto socioeconomico (cafe com leite, interesses economicos) e o aspecto institucional a degola Degola era invalidar os resultados das eleies: Comisso verificado de poderes (antigo congresso) diplomava o proximo congresso dava a ultima palavra sobre quem seria eleito e no eleito, neste momento que manipulavam (degolavam) os resultados este o mecanismo institucional que garante das provincias se elegem como representantes somente deputados que apoiam a situao Na provincia tem o governo e a oposio; somente representantes do partido do governo entraro no parlamento nacional ( a degola que possibilita isso) O governo nacional garante algo aos governos estaduais, ento os que os governos estaduais garante ao governo nacional? A troca justamente o apoio as polticas nacionais A dificuldade do governo juntar maiorias para os seus projetos resolvida atraves da degola: Nacional garante que ninguem inimigo do governo estadual tenha representao no parlamento, em troca o governo estadual apoia os projetos nacionais governabilidade Governo nacional tem o apoio incondicional das elites nacionais Comparao entre provincia e municipio funciona como? Troca tambem favores baseados no arranjo institucional (em causas institucionais). O que provincia tem a favorecer? Cargos (policia e juiz), infraestrutura e etc. Em troca a provincia recebe os votos A base institucional que a provincia tem, digamos, uma presena nos municipios e controla partes dos cargos polticos importantes. O municipio pouco equipado, chefes municipais no sobrevivem sem ter o controle sobre esses cargos Para manter o controle local, os recursos polticos institucionais do municipios no sao suficientes, portanto ele precisa da benevolencia do governador (presidente da provincia). Em troca, o chefe do municipio oferece votos Quais so os mecanismos para garantir os votos? Eleitor no tem a garantia economica, depende do senhor de terra; segundo ele no tem acesso a informao e terceiro ele no tem formao (caracteristicas socioculturais) exto complementar do Paolo (outro tipo de argumento) : o argumento no apenas debruar sobre os arranjos socioculturais, mas as instituies que garantem os votos. O coronel controla os arranjos que vo determinar os votos; o processo (por exemplo, a votao feita na casa do coronel). Chefe poltico local controla as administraes eleitorais argumento institucionais que garantem os votos (Paolo) explicao alternativa a explicao sociocultural Esse debate Institucional X Sociocultural uma exemplo de diferentes escolas na ciencia poltica argumento do victor nunes leal fortemente socioeconomico: questo da educao, economia e etc Victor: acesso a informao, educao e etc libertam o eleitor da dependencia extrema do senhor feudal Victor: contexto socioeconomico e sociocultural que faz toda diferena. A base da relao entre o chefe poltico e local vista mais no ambito socioeconomico do que no ambito institucional (garantir votos tem mais relao mais com a economia, dependencia e etc do que com instituies polticas) Paolo: degola no era to facil assim normalmente garantia de baixo para cima (eleitor at nacional), o ultimo caso era degola De baixo para cima j era possivel conseguir reproduzir o resultado eleitoral desejado Paolo: de todos os deputados eleitos, a degola representam menos de 10% . Paolo enfatiza os micropoderes institucionais do chefe local Institucional X Sociocultural Pequena introduo sobre a proxima aula: DoIS TEMAS: Centralizao do Estado e como varios grupos polticos tentaram captar o novo eleitorado Centralizao : 3 Aspectos 1- relao entre poder nacional e poder das provincias; 2- relao entre executivo e legislativo (executivo mantem uma atividade mais intensa, regulamentando a vida e