Click here to load reader

Power point fernando_pessoa

  • View
    6

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Power point fernando_pessoa

  • 1. Portugus claroFernando PessoaOrtnimo e heternimos

2. Portugus claro 3. Portugus claroMotivos poticos Fernando Pessoa . tenso sinceridade/fingimento, conscincia/inconscincia, sentir/pensar; . intelectualizao das emoes; . fingimento artstico; . nostalgia da infncia, smbolo da felicidade perdida; . refgio no sonho; . fragmentao do eu; . sofrimento proveniente da dor de pensar; . conscincia do absurdo da existncia; . expresso de estados de alma tdio, egotismo, ceticismo, solido interior, angstia, cansao, nusea, saudade, etc. 4. Portugus claroEstilo e linguagem Fernando Pessoa . vocabulrio simples; . associaes inesperadas e, por vezes, desvios sintticos; . uso frequente de frases nominais; . pontuao expressiva exclamao, interrogao, reticncias, etc.; . recurso a adjetivao expressiva, comparaes, metforas, paralelismos e repeties, oxmoros, etc.; . grande sentido de musicalidade eufonia (sons agradveis), transporte, aliterao; . versificao regular e tradicional, reminiscncia da lrica popular repeties, mtrica curta (redondilha menor e maior), estrofes curtas (recurso frequente quadra). Exerccio 5. Portugus claroO que em mim sente st pensando. Derrama no meu corao A tua incerta voz ondeando!Fernando PessoaPartindo da leitura do extrato transcrito e fazendo apelo tua experincia de leitura, elabora um texto expositivo-argumentativo de cem a duzentas palavras sobre o seguinte tema: A tenso sinceridade/fingimento, conscincia/inconscincia, sentir/pensar em Fernando Pessoa ortnimo. 6. Portugus claroMotivos poticos Alberto Caeiro . mestre de todos os outros, incluindo o ortnimo; . sensacionismo predomnio das sensaes visuais e auditivas; . relao ntima e direta com a Natureza pantesmo sensualista; . recusa do pensamento abstrato e do mistrio das coisas (antimetafsica); . poeta do real objetivo; . privilgio do sentir em relao ao pensar; . pantesmo aliado ao paganismo existencial; . integrao e comunho com a Natureza. 7. Portugus claroEstilo e linguagem Alberto Caeiro . ausncia (aparente) de preocupaes estilsticas; . linguagem simples, familiar, por vezes tautolgica (linguagem prxima da infantil); . prosasmo e coloquialismo; . uso da adjetivao objetiva (descritiva); . predomnio do presente do indicativo (modo do real); . recurso a frases simples ou coordenadas; . predomnio da comparao, da metfora e da repetio anafrica; . liberdade estrfica, verso livre, mtrica irregular.Exerccio 8. Portugus claroAlberto Caeiro [] surge como um homem de viso ingnua, instintiva, gostosamente entregue infinita variedade de sensaes.Jacinto do Prado Coelho, Fernando Pessoa, in Jacinto do Prado Coelho (dir.), Dicionrio de Literatura. Literatura Portuguesa, Literatura Brasileira, Literatura Galega, Estilstica Literria, 3. vol., 3. ed., Porto, Figueirinhas, 1981, p. 821Considera o juzo crtico apresentado e comenta-o, fundamentando-te na tua experincia de leitura. Redige um texto expositivo-argumentativo bem estruturado, de cem a duzentas palavras.(Adaptado do Exame Nacional de Portugus A, 1. Fase, 2004) 9. Portugus claroMotivos poticos Ricardo Reis . epicurismo busca dos prazeres moderados, fuga dor, ataraxia; . estoicismo aceitao calma e serena da ordem das coisas e do destino; . autodisciplina, abdicao, recusa de compromissos afetivos e sociais; . neopaganismo e neoclassicismo crena nos deuses, louvor da civilizao grega, tema horaciano do carpe diem; . efemeridade da vida e do tempo / obsesso da morte; . presena constante do Fado, do destino, da fatalidade; . intelectualizao das emoes; . tom sentencioso carcter moralista da sua poesia. 10. Portugus claroEstilo e linguagem Ricardo Reis . estilo laboriosamente construdo; . linguagem erudita e alatinada no vocabulrio e na sintaxe; . uso do hiprbato e da anstrofe (inverso da ordem natural das palavras na frase); . recurso ao gerndio e ao imperativo (exortativo); . predomnio das frases subordinadas; . forma mtrica mais usada: ode.Exerccio 11. Portugus claroReis [] manifesta uma aguda mas estica sensibilidade em relao ao tema da passagem do tempo.Maria Alzira Seixo, Singularidades de uma Literatura Ocidental, in Outros Erros, Ed. ASA, 2001Considera o juzo crtico apresentado e comenta-o, fundamentando-te na tua experincia de leitor. Redige um texto expositivo-argumentativo bem estruturado, de cem a duzentas palavras.(Adaptado do Exame Nacional de Portugus A, 1. Fase, 2. Chamada, 2002) 12. Portugus claroMotivos poticos lvaro de Campos . futurismo apologia da civilizao industrial, rutura com a lrica tradicional e transgresso da moral estabelecida, exaltao da fora, da violncia, do excesso; . sensacionismo excesso de sensaes, euforia desmedida; . pessimismo e intimismo inadaptao ao real, abulia, tdio, cansao, solido, frustrao e tristeza, dor de ser lcido; . nostalgia da infncia para sempre perdida; . autoironia e autodepreciao. 13. Portugus claroEstilo e linguagem lvaro de Campos . excesso de expresso pontuao emotiva (exclamaes, interjeies); . uso de neologismos e estrangeirismos; . recurso a metforas ousadas, personificaes, hiprbatos, oxmoros, onomatopeias, aliteraes, adjetivao abundante, hiprboles, anforas e repeties; . verso livre, geralmente longo; . estrofes longas e irregulares.Exerccio 14. Portugus claroNum texto expositivo-argumentativo bem estruturado, de cem a duzentas palavras, apresenta as principais caractersticas das duas facetas de lvaro de Campos que estudaste a futurista e a ablica. Fundamenta a tua opinio com argumentos decorrentes da tua experincia de leitura deste heternimo de Fernando Pessoa.