Prática Simulada IV - 2011.2

  • View
    1.794

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Prática Simulada IV - 2011.2

Curso de Direito

Prtica Simulada IV Exemplar do Aluno

2011(Proibida a Reproduo)

1

2

Expediente Curso de Direito Coletnea de Exerccios Coordenao do Projeto Coordenadora da rea de Cincias Jurdicas Prof. Mrcia Sleiman Organizao da Coletnea Prof. Cludio Silva Mascarenhas Lima

3

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAO DAS COLETNEAS DE EXERCCIOS 1- O aluno dever desenvolver pesquisa prvia sobre os temas objeto estudo de cada semana, envolvendo a legislao, a doutrina e a jurisprudncia e apresentar solues, por meio da resoluo dos casos, preparando-se para debates em sala de aula. 2- Antes do incio de cada aula, o aluno depositar sobre a mesa do professor o material relativo aos casos pesquisados e pr-resolvidos, para que o docente rubrique e devolva no incio da prpria aula. 3- Aps a discusso e soluo dos casos em sala de aula, com o professor, o aluno dever aperfeioar o seu trabalho, utilizando, necessariamente, citaes de doutrina e/ou jurisprudncia pertinentes aos casos. 4- A entrega tempestiva dos trabalhos ser obrigatria, para efeito de lanamento dos graus respectivos (zero a dois), independentemente do comparecimento do aluno s provas. 4.1- Caso o aluno falte AV1 ou Av2, o professor dever receber os casos at uma semana depois da prova, atribuir grau e lanar na pauta no espao especfico. 5- At o dia da AV 1 e da AV2, respectivamente, o aluno dever entregar o contedo do trabalho relativo s aulas j ministradas, anexando os originais rubricados pelo professor, bem como o aperfeioamento dos mesmos, organizado de forma cronolgica, em pasta ou envelope, devidamente identificados, para atribuio de pontuao (zero a dois), que ser somada que for atribuda AV1 e AV2 (zero a oito). 5- As provas (AV1 e AV2) valero 8 (oito) pontos e sero de um caso concreto para elaborao de uma pea processual baseado nos pontos prticos ministrados durante o perodo letivo, que dever ser somando a pontuao dos trabalhos do caderno de casos concretos, totalizando 10,0 pontos. A Av3 valer 10,0 pontos. 5.1 Nas provas, o professor dever indicar a diviso de pontuao sobre a pea realizada.

4

PROCEDIMENTOS DA DISCIPLINA DE PRTICA JURDICA Compete ao aluno: 1. Ler, antecipadamente, o caso concreto que ser objeto da aula seguinte, revisando a base conceitual necessria para o estudo do caso apresentado. 2. Levar para a aula o material de consulta necessrio para a soluo do caso (cdigos, doutrinas e jurisprudncia) e o esboo da estrutura da pea processual cabvel. 3. Aps a discusso do caso pelo grupo, elaborar, individualmente, a pea processual, utilizando o material de consulta e solicitando, se necessrio, a orientao do professor. 4. Observar os seguintes critrios na elaborao da pea: Forma estrutura da petio presena de todos os elementos necessrios coeso e coerncia no discurso observncia da modalidade culta da lngua uso competente do repertrio vocabular Contedo direito material em questo rito competncia legitimidade ativa e passiva narrativa lgica dos fatos expresso jurdica escrita fundamentao jurdica pedido requerimento de provas valor da causa 5. Ao receber a pea corrigida, o aluno dever proceder s modificaes sugeridas pelo professor, aprofundando sua fundamentao com doutrina e jurisprudncia pertinentes.

5

Observao: A pea refeita dever ser entregue ao professor na aula seguinte, juntamente com a pea original, para avaliao. 6. Arquivar as duas peas numa pasta prpria identificada com nome, turma, turno, que dever ser entregue ao professor no dia da prova, para atribuio de grau. Critrios de avaliao: As provas de prtica jurdica (AV1, AV2 e AV3) sero compostas de uma pea processual. O grau obtido na prova ser somado aos pontos, at 2 (dois), atribudos com base na avaliao progressiva do aluno atravs dos trabalhos semanais que constaro da pasta entregue, obrigatoriamente, na data da AV1 e da AV2, ressalvado a AV3 que valer 10,0 pontos. Sobre as provas: As provas sero compostas de um caso concreto para avaliao e elaborao da pea processual cabvel, valendo 8 (oito) pontos nas AV1 e AV2. A correo das peas processuais pelo professor ser baseada na subtrao dos pontos relativos aos erros. A participao do aluno nas aulas durante a discusso dos casos, a apresentao oral dos casos, a expresso jurdica escrita, a reapresentao de todas as peas j corrigidas, com a incluso de citaes doutrinrias e jurisprudenciais, bem como o zelo e a boa apresentao da pasta com os trabalhos, valero at 2 (dois) pontos nas avaliaes.

6

SUMRIO SEMANA 1 - Articulao Teoria e Prtica. O Inqurito policial; pedido de instaurao. Os elementos da Petio Inicial; Estrutura de Petio Inicial. Procurao. SEMANA 2 - Petio Inicial em ao penal de iniciativa pblica Denncia. SEMANA 3 - Petio inicial em ao penal de iniciativa privada Queixa-crime e procurao. SEMANA 4 - Procedimento sumrio Resposta Preliminar Obrigatria (RPO) do ru Art. 396 CPP e a absolvio sumria Art.397 CPP. SEMANA 5 - Procedimento ordinrio Alegaes finais por Memorial. SEMANA 6 - Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Instruo em plenrio Debates Sustentao oral por alunos e apresentao de pea processual. SEMANA 7 Procedimento sumarssimo Resposta do ru Art.81 da Lei 9.099/95. SEMANA 8 - Pedido de liberdade provisria em priso em fragrante. SEMANA 9 - A ao constitucional de garantia O Hbeas corpus. SEMANA 10 - A ao constitucional de garantia O Hbeas corpus. SEMANA 11- Articulao Teoria e Prtica Teoria do recurso: Pressupostos, condies, prazo, forma Modelos de interposio e razes. SEMANA 12 - Recurso em sentido estrito interposio e razes recursais SEMANA 13 - Recurso de Apelao interposio e razes recursais SEMANA 14 - Recurso de agravo Lei de execues penais Livramento condicional SEMANA 15 - Ao de reviso criminal.

7

SEMANA 1 ARTICULAO TEORIA E PRTICA Inqurito Policial; Formas de cognio; notcia de crime direcionada a autoridade; requerimento do ofendido. Termo circunstanciado (art. 69 da Lei 9.099/95). A petio inicial: Conceito, elementos e requisitos, aspectos formais da petio. A petio inicial nos procedimentos sumarssimo, sumrio e ordinrio, nos dolosos contra a vida. A petio inicial na queixa-crime e a procurao, requisitos. Peas defensivas Resposta Preliminar Obrigatria (RPO) do acusado, alegao final oral e por memorial. CONTEDOS: 1 Inqurito policial. O devido processo Legal do inqurito policial. Formas de cognio, diligncias (provas cautelares, no repetveis e cautelares art. 155 CPP) e concluso. 1.1 Forma de noticiar o fato ilcito a autoridade policial 2 A petio inicial Pressupostos processuais e condies da ao. A justa causa. 2.1 Requisitos descritos no art. 41 CPP e o art. 282 do CPC como complementao na forma do art. 3 CPP. As causas de rejeio da inicial, art. 43 e 395 CPP 2.2 Prazo para propositura da ao. 2.3 A procurao nas aes penais privadas art. 44 CPP. 3 - Peas Defensivas no procedimento ordinrio, sumrio, sumarssimo e dolosos contra a vida. 3.1- A Resposta Preliminar Obrigatria nos procedimentos ordinrio, sumrio, e dolosos contra a vida teses cabveis descritas pela Lei. 3.2 A busca da absolvio sumria ou rejeio da inicial; 3.3 As alegaes finais e a busca da improcedncia do pedido Teses possveis OBJETIVOS ESPECFICOS O aluno dever ser capaz de elaborar um pedido de instaurao de inqurito policial, ou simplesmente dar uma notcia de crime. Elaborar uma petio inicial, preenchendo os requisitos necessrios, identificando e esclarecendo: o quis (o sujeito ativo do crime); quibus auxiliis (os autores e os meios empregados); quid (o mal produzido resultado); ubi (o lugar do crime); cur os motivos do crime); quo modo a maneira pela qual foi praticado; quando (o tempo do fato), dentro de uma configurao formal que a pea deve ter, considerando a lgica da mesma. Aplicar o art. 41 CPP em combinao com o art. 282 CPC no que couber, principalmente quanto ao direcionamento da petio (estudo da competncia do rgo julgador) e verificar a existncia de vcios que levem a aplicao dos arts. 43 e 395 CPP combinado com art. 295 CPC, no que couber, evitando a rejeio da inicial. Verificar os tipos de inicial de acordo com os procedimentos, principalmente na apresentao do rol de testemunhas. Tomar os cuidados necessrios na petio das aes privadas quanto a procurao. No tocante a parte defensiva, dever ser capaz de observando o rito, ser capaz de apresentar as impugnaes pertinentes, tanto quanto ao processo quanto ao mrito. Dever ser capaz de apresentar as excees processuais ou outras deveras processuais atravs de preliminares.

8

ESTRATGIA: Apresentar os temas, discutindo as questes principais e exibindo as peas correspondentes. Indicar os vcios mais comuns que geram rejeio. Indicar os vcios que podem ser corrigidos posteriormente atravs do aditamento.

BIBLIOGRAFIA / JURISPRUDNCIA: POLASTRI LIMA, Marcellus Curso de Processo Penal / Marcellus Polastri Lima 4. ed. atualizada de acordo com a reforma processual penal de 2008. Rio de Janeiro: Lmen Jris, 2008; CAPEZ, Fernando Prtica forense penal / Fernando Capez e Rodrigo Colnago 2. ed. rev.e atua. So Paulo: Saraiva, 2007; TOURINHO FILHO, Fernando da Costa Prtica de processo penal / Fernando da Costa Tourinho Filho. 28. ed. rev.atual., e aum. So Paulo: Saraiva,2007.

DOS Aspectos formais da petio inicial, da resposta preliminar obrigatria e da alegao final por memorial. A petio inicial tem por finalidade precpua veicular, com absoluta clareza, a pretenso do Autor tutela jurisdicional. A resposta preliminar obrigatria visa apresentar impugnao pretenso do autor, formando um juzo de inadmissibilidade da acusao pelo julgador, seja para rejeitar a inicial seja para absolver sumariamente o acusado. As alegaes finais em regra so realizadas oralmente. Excepcionalmente poder ser apresentadas por MEMORIAL. Ela pode ser apresentada pela acusao e pela defesa, narrando as respectivas teses (de acusao e defesa), de acordo com o que foi provado no process