PRESTA‡ƒO DE SERVI‡OS DE LIMPEZA .Limpeza concorrente ou diria: © o processo de limpeza diria,

  • View
    218

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of PRESTA‡ƒO DE SERVI‡OS DE LIMPEZA .Limpeza concorrente ou diria: © o processo...

  • SECRETARIA DE ESTADO DA SADE LABORATRIO CENTRAL DE SADE PBLICA

    DRA. TELMA LOBO

    1

    ANEXO I AO TERMO DE REFERNCIA

    PREGO PRESENCIAL N 003/2013

    PRESTAO DE SERVIOS DE LIMPEZA DO LACEN/PB

    ESPECIFICAES TCNICAS

    1 - OBJETO DA PRESTAO DOS SERVIOS

    Prestao de servios de Limpeza em Servios de Sade, visando a obteno de

    adequadas condies de salubridade e higiene em dependncias do Laboratrio Central de

    sade Pblica LACEN / PB, com a disponibilizao de mo de obra qualificada, produtos

    saneantes Domissanitrios, materiais e equipamentos, nos locais determinados na relao

    de endereos.

    1.1- ESCOPOS DOS SERVIOS

    A Limpeza em Servios de Sade consiste na limpeza e conservao dos ambientes e

    desinfeco de superfcies fixas, de forma a promover a remoo de sujidades visveis;

    remoo, reduo ou destruio de microorganismos patognicos; controle de disseminao

    de contaminao biolgica, qumica, etc., mediante aplicao de energias qumica,

    mecnica ou trmica, num determinado perodo de tempo, nas superfcies das

    diversas reas do LACEN / PB, o que inclui tetos, pisos, paredes/divisrias, portas,

    janelas, mobilirios, equipamentos, instalaes sanitrias, grades do ar condicionado

    e/ou exaustor, etc..

    Os servios sero executados em superfcies, tais como: pisos, paredes/divisrias, tetos,

    portas/visores, mobilirios, inclusive, camas, quando da sada dos pacientes e demais

    instalaes.

    1.2 PRINCPIOS BSICOS DE LIMPEZA

    Os procedimentos de limpeza a serem adotados devero observar a prtica da boa tcnica

    e normas estabelecidas pela legislao vigente no que concerne ao controle de infeco

    hospitalar.

    habilitar os profissionais de limpeza para o uso de equipamentos especficos destinados

    limpeza das reas critica, semicrtica e no crtica;

  • SECRETARIA DE ESTADO DA SADE LABORATRIO CENTRAL DE SADE PBLICA

    DRA. TELMA LOBO

    2

    identificar e/ou sinalizar corredores e reas de grande circulao, durante o processo de

    limpeza, dividindo a rea em local de livre trnsito e local impedido;

    no utilizar anis, pulseiras e demais adornos durante o desempenho das atividades de

    trabalho;

    lavar as mos antes e aps cada procedimento, inclusive, quando realizados com a

    utilizao de luvas;

    realizar a desinfeco de matria orgnica extravasada em qualquer rea do hospital

    antes dos procedimentos de limpeza;

    cumprir o princpio de assepsia, iniciando a limpeza do local menos sujo/contaminado

    para o mais sujo/contaminado, de cima para baixo em movimento nico, do fundo para a

    frente e de dentro para fora;

    realizar a coleta do lixo pelo menos, trs vezes ao dia, ou quando o contedo ocupar 2/3

    do volume total. O lixo dever ser transportado em carro prprio, fechado, com tampa,

    lavvel,

    com cantos arredondados e sem emendas na sua estrutura;

    usar luvas, panos e baldes de cores padronizadas para cada procedimento;

    usar tcnica de dois baldes sendo um com gua e soluo detergente/desinfetante, e

    outro com gua para o enxge;

    lavar os utenslios utilizados na prestao de servios (mops, esfreges, panos de

    limpeza, escovas, baldes, etc) nas salas de utilidades indicadas pela unidade

    Contratante, diariamente, ou sempre que utilizados em locais contaminados;

    utilizar na prestao dos servios somente produtos que possuam garantia de qualidade,

    srie NB-9000 da ABNT ou substitutivo, bem como atender os requisitos bsicos

    estabelecidos pela legislao vigente e submetidos a previa apreciao e aprovao

    pela Comisso de BIOSSEGURANA;

    disponibilizar germicidas que possuam Certificado de Registro no Ministrio da Sade,

    contendo as caractersticas bsicas do produto aprovado e Laudos especficos.

    1.3. TIPOS DE LIMPEZA PRECONIZADOS

    Limpeza concorrente ou diria: o processo de limpeza diria, com a finalidade de

    remover a sujidade e repor o material de higiene.

    Limpeza terminal: o processo de limpeza e/ou desinfeco de toda a rea hospitalar,

    incluindo todas as superfcies, mobilirios e equipamentos, com a finalidade de remover a

  • SECRETARIA DE ESTADO DA SADE LABORATRIO CENTRAL DE SADE PBLICA

    DRA. TELMA LOBO

    3

    sujidade e diminuir a contaminao ambiental, abastecendo as unidades com material de

    higiene e ser realizada sempre que se fizer necessria.

    1.4. - MTODOS E EQUIPAMENTOS DE LIMPEZA DE SUPERFCIES

    Limpeza mida: Consiste na utilizao de gua, como elemento principal da remoo da

    sujidade, podendo ser por processo manual ou mecnico.

    Limpeza com Jatos de Vapor de gua: Trata-se de alternativa de inovao tecnolgica

    por meio de limpeza realizada com equipamento com jatos de vapor dgua, saturada sob

    presso, sendo destinada predominantemente para a Limpeza Terminal. Sua utilizao ser

    precedida de avaliao, pela contratante, das vantagens e desvantagens.

    Limpeza Molhada: Consiste na utilizao de gua abundante, como elemento principal da

    remoo da sujidade, podendo ser manual ou mecnica, destinada principalmente para a

    limpeza terminal.

    Limpeza Seca: Consiste na retirada de sujidade, p ou poeira sem a utilizao de gua.

    A limpeza com vassouras recomendvel somente em reas externas.

    1.5. - TCNICAS DE DESINFECO

    A desinfeco o processo aplicado superfcies inertes, que elimina microorganismos na

    forma vegetativa, no garantido a eliminao total dos esporos bacterianos. Pode ser

    realizada por meio

    de processos qumicos ou fsicos.

    A desinfeco consiste em:

    - com luvas apropriadas, retirar o excesso de carga contaminante com papel absorvente;

    - expurgar o papel em sacos plstico de lixo;

    - proceder limpeza da superfcie com gua e sabo;

    - Opcionalmente, a critrio da Comisso de BIOSSEGURANA, poder ser aplicado,

    sobre a rea afetada, desinfetante adequado, retirando-o com pano molhado, aps o

    tempo recomendado.

    1.6. PRODUTOS UTILIZADOS

    Germicidas: so agentes qumicos que inibem ou destroem os microorganismos,

    podendo ou no destruir esporos. So classificados em: esterilizantes, desinfetantes e

    anti-spticos.

    Na seleo dos germicidas h necessidade de considerar: a necessidade de seu uso e a

    avaliao dos produtos disponveis no mercado (formulao, ao sobre patgenos,

  • SECRETARIA DE ESTADO DA SADE LABORATRIO CENTRAL DE SADE PBLICA

    DRA. TELMA LOBO

    4

    efeitos de alcalinidade ou acidez; incompatibilidade, corrosividade, efeitos txicos,

    susceptibilidade inativaes por matrias orgnicas, efeito cumulativo e/ou residual e

    custos).

    Desinfetantes: so agentes qumicos capazes de destruir microorganismos na forma

    vegetativa, podendo destruir parcialmente os esporos, em artigos ou superfcies, sendo

    divididos segundo seu nvel de atividade em: alto, mdio ou baixo.

    Detergentes de baixo nvel (sanificantes): so aqueles destitudos de ao

    turbeculicida, esporicida e virucida, devendo ter baixa toxicidade.

    Detergentes: so substncias tensoativas, solveis em gua e dotadas de capacidade

    de emulsificar gorduras e manter resduos em suspenso. So utilizados para limpeza

    de artigos e superfcies e para lavagem das mos.

    Hipoclorito de Sdio - atua como desinfetante devido ao cloro ativo. Para a

    desinfeco de equipamentos e superfcies contaminados com material biolgico, utiliza-

    se solues de hipoclorito de sdio de 2% a 2,5% de cloro ativo (20.000/25.000 ppm)

    estvel durante o prazo de validade, conforme a RESOLUO - RDC N. 55, DE 10 DE

    NOVEMBRO DE 2009. O uso de hipoclorito de sdio no recomendado em metais e

    mrmores, devido sua ao corrosiva.

    Cloro orgnico o dicloroisocianureto de sdio age da mesma forma que o hipoclorito

    de sdio. Apresentado em p e pode ser associado a tensoativos. Para a desinfeco de

    superfcies fixas utilizado numa concentrao de 3%.

    lcoois - O mais utilizado o lcool etlico, por possuir maior atividade germicida,

    menor custo e toxicidade. Para a desinfeco de superfcies recomenda-se a

    concentrao de 77% volume/volume, que corresponde a 70% em peso/volume. O uso

    em acrlico, borrachas e tubos plsticos contra indicado, pois podem danific-los.

    1.6.1. Consideraes a respeito produtos de limpeza de superfcies fixas

    A utilizao de produtos, utenslios e equipamentos para a limpeza e desinfeco deve

    atender as determinaes da Comisso de BIOSSEGIRANA, as recomendaes dos

    rgos pblicos de sade e as especificidades apresentadas pelos fabricantes.

    Na seleo de produtos de limpeza de superfcies devero ser considerados:

    Quanto s superfcies, equipamentos e ambientes:

    - Natureza da superfcie a ser limpa ou desinfetada;

    - Tipo e grau de sujidade;

    - Tipo de contaminao;

    - Qualidade da gua;

  • SECRETARIA DE ESTADO DA SADE LABORATRIO CENTRAL DE SADE PBLICA

    DRA. TELMA LOBO

    5

    - Mtodo de limpeza;

    - Segurana na manipulao e uso de produtos de limpeza.

    Quanto ao tipo de germicida:

    - Tipo de agente qumico e concentrao;

    - Tempo de contato para ao;

    - Influncia da luz, temperatura e pH;

    - Interao com ons;

    - Toxicidade

    - Inativao ou no em presena de matria orgnica;

    - Estabilidade;

    - Prazo de validade para uso;

    - Condies para uso seguro;

    - Necessidade de retirar resduos do desinfetante, aps utilizao.

    1.7 EQUIPAMENTOS DE PROTEO A SEREM UTILIZADOS

    1.7.1 - Equipamentos de Proteo Individual (EPI) - tem por finalidade a proteo do

    indi