Princ­pios e Processos de Interpreta§£o B­blica

  • View
    47

  • Download
    10

Embed Size (px)

Text of Princ­pios e Processos de Interpreta§£o B­blica

Princpios e Processos de Interpretao BblicaExaminais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna e so elas mesmas que testificam de mim Joo 5.39

QUANDO VOC INTERPRETA DA MANEIRA ERRADA1. Um mdico fazia uma palestra a um grupo de alcolatras. Ao iniciar a apresentao disse: Hoje vou realizar uma experincia para mostrar a vocs o efeito do lcool. 2. Levantou um copo e afirmou: Aqui dentro h lcool. Com uma pina, pegou um verme, mostrou-o para a platia e o soltou dentro do copo. Imediatamente o verme se desfez, causando impacto nos presentes. 3. Em seguida, ele levantou outro copo e disse: Aqui dentro h gua. Novamente pegou outro verme e o soltou dentro do copo. O verme se mexeu, mostrando sua energia. 4. Nesse momento, no meio da platia, um indivduo embriagado levantou a mo e, com voz pastosa, disse: Entendi bem o que o doutor quis dizer, e concordo inteiramente. Sua mensagem sensacional.2

QUANDO VOC INTERPRETA DA MANEIRA ERRADA

4. Feliz, o mdico pediu: Por favor, diga em voz alta, para que todos escutem, qual a minha mensagem. 5.Solcito, o indivduo declarou: Doutor, o senhor acabou de mostrar com essa experincia que quem bebe no tem verme no organismo. O lcool mata o verme! 6.O homem sempre procura uma justificativa para o seu erro, por isso interpreta de forma errada.3

Introduo De muitas maneiras os homens se diferem entre si e esse fato, naturalmente, faz com que eles distanciem mentalmente uns dos outros na capacidade intelectual, no gosto esttico, na qualidade moral e etc., e isto provoca divergncias de interpretao. Apesar destas divergncias entre os homens, Deus tem um plano para os mesmos e este est revelado na Bblia Sagrada. Este plano de Deus traa um mesmo caminho para reunir uma grande famlia em Cristo Jesus, com a unificao dos povos sem distino de cor, raa, sexo, nacionalidades, condies social e econmica. (Gl 3.28; Cl 3.11) Diante deste quadro a aplicao da hermenutica ser imprescindvel a unificao do conhecimento do Plano da Salvao para com todos os homens da terra.

Princpios de Interpretao BblicaPROPSITO DO ESTUDO Apresentar as ferramentas necessrias para a investigao criteriosa das Escrituras, visando encontrar o significado verdadeiro da passagem bblica, com vistas aplicao sensata e sadia em sua vida e tambm na vida de outras pessoas. Vantagens 1. a pessoa torna-se capaz de pensar por si mesmo 2. ela torna-se capaz de avaliar os pensamentos de outros e tambm a experimentar a alegria da descoberta de um texto.

Exerccio de InterpretaoProvrbios 22:28 ordena: No removas os marcos antigos que puseram teus pais.. O que este versculo significa pra voc? (responda consultando apenas o livro de Provrbios) ( a ) No efetuar mudana na forma como sempre fizemos as coisas; ( b ) No furtar; ( c ) No remover os marcos que orientam os viajantes de cidade para cidade; ( d ) As respostas (a), (b) e (c) esto certas; ( e ) Nenhuma das respostas anteriores;

Exerccio de Interpretao Glatas 5:1, ao dizer-nos Permanecei, pois, firmes

e no vos submetais, de novo, a jugo de escravido, Paulo quis dizer que ns nodeveramos nos submeter novamente: a) ( ) Aos prazeres da carne; b) ( ) escravido do pecado; c) ( ) Ao amor ao dinheiro; d) ( ) Ao legalismo judaico; e) ( ) Ao domnio romano;

Definio de HermenuticaA. A origem deste nome deve-se, provavelmente, a Hermes, nome de um deus grego que transmitia e interpretava as comunicaes dos deuses aos homens. B. A diviso da hermenutica reconhecida como geral e especfica. A geral aquela que se aplica interpretao de qualquer obra escrita. A especfica aquela que se aplica a determinados tipos de produo literais tais como: Leis, histrias, profecias, poesias, etc e que ser tratada neste estudo por estar dentro do campo de aplicao a literatura sacra A BBLIA como inspirada Palavra de Deus. (II Tm 3.16)

Hermenutica BblicaB. Hermenutica bblica = a cincia e a arte de interpretao bblica Cincia: Possui regras classificadas num sistema ordenado; Arte: A comunicao flexvel, impedindo uma aplicao mecnica e rgida das regras. necessrio usar as diferentes regras para a interpretao dos gneros literrios presentes na Bblia. Uma parbola, uma narrativa, uma poesia, devem ser interpretadas conforme as regras

Hermenutica e outros campos do estudo bblicoa. Estudo do Cnon: Processo histrico que visou diferenciar livros que trazem um selo de inspirao divina dos que no trazem. b. Crtica Textual (Baixa Crtica): Procura definir o fraseado primitivo (original) de um texto. No temos os originais, mas muitas cpias deles que variam entre si. Exemplos: Quem falou porque muitos so chamados, mas poucos escolhidos, foi Jesus? Conferir em Mt.20:16:

Assim, os ltimos sero primeiros, e os primeiros sero ltimos [porque muitos so chamados, mas poucos escolhidos]. Estetrecho est entre colchetes por no fazer parte dos melhores manuscritos. Embora, neste caso, no haja risco para a verdade, uma vez que a mesma fala de Jesus foi registrada de forma inequvoca em Mt. 22:14.

Hermenutica e outros campos do estudo bblicoc. Crtica Histrica (Alta Crtica): Estuda-se a autoria de um livro, data de sua composio, contexto histrico e autenticidade de seu contedo. d. Exegese: Aplicao dos princpios da hermenutica para chegar-se a um entendimento correto e claro do texto. e. Teologia Bblica: Tenta mostrar o desenvolvimento do conhecimento teolgico atravs dos tempos de Antigo e Novo Testamentos. f. Teologia Sistemtica: Organiza o conhecimento teolgica de modo lgico no lugar de histrico. Tentar reunir toda informao sobre determinado tpico (Deus, homem, a vida no alm, etc.)

A NECESSIDADE DA HERMENUTICA O pecado obscureceu o entendimento do homem e exerce influncia perniciosa em sua mente e torna necessrio o esforo especial para evitar erros. (II Pd 3.15-16)

A arma principal do soldado cristo a Escritura, e se desconhece o seu valor ou ignora o seu legtimo uso, que soldado ser? (2 Timteo 2:15). As circunstncias variadas que concorreram na produo do maravilhoso livro exigem do expositor que o seu estudo seja meticuloso, cuidadoso e sempre cientfico, conforme os princpios hermenuticos.A REGRA FUNDAMENTAL

A Escritura explicada pela Escritura. A Bblia interpreta a prpria Bblia

A aplicao e a conservao do carter teolgico da hermenutica esto vinculadas ao recolhimento do princpio da inspirao divina da Bblia Sagrada.

Princpios da Infalibilidade Bblica 1. A bblia um documento basicamente confivel digno de crdito. 2. Para base deste documento confivel temos prova suficiente para crer confiatemente que: (1) Jesus Cristo reivindicou ser o Filho de Deus (Jo 1:14, 29, 36, 41, 49; 4:42; 20:28) e (2) que ele forneceu prova suficiente para fundamentar esta reivindicao (Jo 2.1-11; 4:4654; 5:1-18; 6:5-13; 16:21; 9:1-7; 11:1-45; 20:30-31).

Princpios da Infalibilidade Bblica3. Jesus Cristo sendo o Filho de Deus, uma autoridade inteiramete digna de confiana (i. e., infalvel). 4. Jesus Cristo ensina que a Bblia a prpria Palavra de Deus. 5. A Palavra de Deus completamente digna de confiana porque Deus perfeitamente digno de confiana.

DISPOSIES NECESSRIAS PARA O ESTUDO DAS ESCRITURAS1. Necessita-se de um esprito respeitoso. Is 66.2 2. Necessita-se de um esprito dcil. Tg 1.21 3. Necessita-se de um esprito amante da verdade. Jo 3.19-2 4. Necessita-se de um esprito paciente. 5. Necessita-se de um esprito prudente. Iniciando a leitura pelo mais simples e prosseguir para o mais difcil. Tg 1.5

MTODOS DA HERMENUTICAMtodo a maneira ordenada de fazer alguma coisa. um procedimento seguido passo a passo com o objetivo de alcanar um resultado. Os mtodos hermenuticos so: 1. Mtodo Analtico 2. Mtodo Sinttico. 3. Mtodo Temtico 4. Mtodo Biogrfico de Estudo da Bblia 5. Mtodo de Estudo Indutivo. Mtodo Analtico - o mtodo utilizado nos estudos pormenorizados com anotaes de detalhes, por insignificantes que paream com a finalidade de descrev-los e estud-los em todas as suas formas. Os passos bsicos deste mtodo so: A) Observao B) Interpretao C) Aplicao

Passos bsicos do mtodo analtico1. Observao o passo que nos leva a extrair do texto o que realmente descreve os fatos, levando tambm em conta a importncia das declaraes e o contexto. Nela vamos ler o texto vrias vezes, em vrias verses, fazendo suas anotaes. Para essa etapa, o estudante ir fazer algumas perguntas ao texto at ficar bem familiarizado com a passagem.

Passos bsicos do mtodo analtico2. INTERPRETAO A fase de Interpretao, a etapa intermediria na confeco de um estudo bblico. Nela vamos usar as regras de interpretao, tambm chamada de HERMENUTICA. Assim, iremos descobrir o que o autor estava querendo dizer com aquela passagem. A fase de interpretao de fundamental importncia no estudo bblico, pois se ela estiver errada, a aplicao, fatalmente estar tambm errada.

Passos bsicos do mtodo analtico3. APLICAO Aps as observaes e correta interpretao do texto, precisamos saber como as verdades e princpios bblicos podem ser aplicados em nossas vidas. O propsito da Bblia no aumentar o nosso conhecimento, mas mudar as nossas vidas, o nosso carter.

Resumo do mtodo analtico

A observao procura responder pergunta: Que diz o texto? A interpretao procura descobrir o que significa; e a aplicao vai procurar responder: E da?

Detalhes a serem observados antes deiniciar um estudo bblicoA. Providencie um local adequado. B. B. Aproveite aquele momento onde haver maior rendimento. C. C. Coloque na mesa as ferramentas necessrias pesquisa. 1. Comentrios. 2. O Novo Comentrio da Bblia Vida Nova Comentrios da Srie Cultura Bblica Mundo Cristo 2. Dicionrios. O Novo dicionrio da Bblia Vida Nova 3. Concordncia. 4. Mapas. Atlas Vida Nova, da Bblia e da histria do Cristianismo. 5. Enciclopdias. 6. Livros sobre o contexto cultural. A vida diria nos tempos de Jesus Vida Nova O Mundo do Antigo Testamento -Vida Nova