Click here to load reader

Problemas Sociais - (Apontamentos)

  • View
    13

  • Download
    4

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apontamentos da UC 41047 - Problemas Sociais Contemporâneos

Text of Problemas Sociais - (Apontamentos)

  • 41047 Problemas Sociais Contemporneos

    Apontamentos de: Jorge LoureiroE-mail: [email protected]: 04.09.2008

    Livro: Problemas Sociais Contemporneos (Hermano Carmo coord.)

    Nota: Matria referente ao ano lectivo 2007-2008 (Mestre Rosana Albuquerque)

  • 2

  • 1. Estudar os problemas sociais1.1. Dos problemas sociais aos problemas

    sociolgicosO que so problemas sociais? Podemos apresentar desde j duas definies possveis: segundo Rubington e Weinberg (1995:4), um problema social uma alegada situao incompatvel com os valores de um significativo nmero de pessoas, que concordam ser necessrio agir para a alterar. Para Spector e Kitsuse (citado em Hester, Eglin 1996:1), um problema social constitudo pelo conjunto das aces que indivduos ou grupos levam a cabo ao prosseguirem reivindicaes relativamente a determinadas condies putativas. As duas definies so muito diferentes nos seus pressupostos. Enquanto que a primeira se centra na situao que considerada problema, a segunda definio privilegia o processo pelo qual uma situao considerada como problema.

    difcil chegar a uma definio consensual do que seja um problema social, quer ao nvel da realidade social, quer entre os socilogos que se dedicam ao seu estudo, porque a definio depende da perspectiva que se adopta.

    Os problemas sociais, imbudos de um significado social (porque se definem em funo de um conjunto de valores sociais), ao passarem pelo crivo do mtodo cientfico, adquirem um significado sociolgico, isto , reflectem valores sociolgicos relativos s perspectivas tericas e metodolgicas seguidas (Pais 1996). Para que um problema social possa ser considerado problema sociolgico deve possuir as condies de regularidade, uniformidade, impessoalidade e repetio (Gonalves 1969:12).

    A problematizao sociolgica dos problemas sociais implica mesmo a des-construo destes, o desmantelar do significado social de maneira a criar um significado de acordo com o discurso cientfico (Quivy, Campenhoudt 1992).

    Ao nvel do significado social, a juventude problematizada relativamente a aspectos to variados como a insero profissional, a emancipao adulta, a toxicodependncia, a crise dos valores tradicionais, entre muitos outros aspectos. Mas, problematizar sociologicamente a juventude ser questionar, por exemplo, se os jovens sentem estes problemas como seus e de que forma os percepcionam (Pais 1996). Ser questionar a definio de jovem, quais as solues que a sociedade preconiza para os problemas da juventude e quais as suas consequncias.

    A velhice enquanto problema social e sociolgico outro exemplo (Fernandes 1997). Foi com a industrializao, a urbanizao e o envelhecimento demogrfico que comearam a criar-se as condies para a definio da velhice enquanto problema social a ser solucionado. Problematizar a velhice em termos sociolgicos ser questionar, por exemplo como o faz Fernandes (1997: 62-63), que transformaes ocorreram nas famlias e na sociedade portuguesa que possam explicar a emergncia do problema social [...] velhice?[...]

    3

  • 1.1.1. A questo do positivismo versus relativismo

    Pensamos ser fundamental fazer aqui uma primeira reflexo sobre as condies epistemolgicas do estudo dos problemas sociais. O conhecimento sociolgico pode ser situado num contnuo epistemolgico que vai do Positivismo ao Relativismo.

    A sociologia positivista defende a procura de leis sociais ( semelhana das leis do mundo natural) a partir de um mtodo indutivo-quantitativo, e advoga uma separao absoluta entre a Cincia e a Moral, isto , entre os factos e os valores (Lapassade, Lourau 1973).

    Para a cincia positivista possvel conhecer objectivamente a realidade social, uma vez que existem critrios universais do conhecimento e da verdade. Ao abordar os problemas sociais, a sociologia positivista estuda situaes objectivas, que so definidas como problemas em razo de caractersticas que lhe so prprias. Da a necessidade de se conhecerem as suas causas e de se chegar elaborao das leis que regem o fenmeno.

    No outro extremo do contnuo est a posio relativista , segundo a qual no existe nenhum critrio universal para o conhecimento e para a verdade. Todos os critrios utilizados sero sempre internos ao sistema cogniscente e, como tal, sero relativos e no universais. Consequentemente, a definio do que seja um problema social ser sempre relativa, ser antes de mais um rtulo colocado a determinadas situaes, e no uma caracterstica inerente situao em si mesma.

    Como resultado desta argumentao, o estudo das causas ou da etiologia da situao deixado de lado ou secundarizado. O que importa estudar a definio subjectiva dos problemas sociais, conhecer os processos pelos quais uma dada situao se torna problema social.

    1.1.2. A aplicabilidade da cincia e o desenvolvimento terico

    Um problema pressupe uma soluo. O nascimento e desenvolvimento das cincias sociais, particularmente da sociologia, durante o sculo XIX esteve intimamente ligado ao estudo das preocupaes humanas para as quais os actores sociais pensaram e desenvolveram solues humanas, isto , sociais.

    Desde o incio, os socilogos tentam equacionar o que Rubington e Weinberg (1995:360) denominam de mandato duplo:

    a) por um lado, dar ateno aos problemas existentes na sociedade, numa perspectiva de correco da realidade social, atravs dos conhecimentos empricos adquiridos;

    b) por outro lado, desenvolver terica e metodologicamente a sociologia enquanto cincia.

    Hester e Eglin, seguindo Matza (Hester, Eglin 1996:4) consideram que o primeiro tipo de perspectiva pode ser denominado de sociologia correctiva, que parte dos seguintes pressupostos:

    4

  • Equivalncia de problema social a problema sociolgico

    As questes sociolgicas derivam das preocupaes sociais

    O grande objectivo do estudo sociolgico a melhoria dos problemas sociais

    Preocupao central com as causas ou etiologia dos problemas

    Compromisso com os princpios positivistas da cincia

    Ao concentrar-se em responder questo porque que os comportamentos acontecem, no questiona porque que as situaes so definidas como problema, aceitando as definies socialmente estabelecidas.

    O mandato duplo dos socilogos no deve ser entendido como mutuamente exclusivo, pois como j defendia Kurt Lewin, uma boa teoria sempre prtica, e a prtica emprica sempre indispensvel ao desenvolvimento terico. A separao entre os dois domnios um falso problema.

    A questo da aplicabilidade da sociologia e doutras cincias sociais leva-nos a referir a posio que muitos autores tomam denominada de Sociologia de Interveno (Carmo 1999; Hess 1983). A Sociologia de Interveno no uma especialidade ou ramo sociolgico, mas sim um modo de ver o trabalho do cientista social que, em vez de isolar assepticamente o investigador do seu objecto de estudo, o desafia a ser contaminado por este, o leva a intervir activamente na realidade que estuda e a no separar os papis de investigador e de cidado. A investigao social deve ser utilizada para melhorar a sociedade, segundo princpios humanistas de solidariedade e de libertao.

    Na Sociologia de interveno, a sociologia um vrus que toca a toda a gente. Ela deve ser feita pelos prprios grupos sociais, sendo o socilogo antes de mais aquele que propaga o vrus do que aquele que produz a sociologia como momento particular do saber social.

    Aps esta breve introduo a dois aspectos que consideramos fundamentais para se perceberem as diferentes aproximaes sociolgicas ao estudo da realidade social, passamos a descrever algumas perspectivas possveis de estudo e compreenso dos problemas sociais, para o que seguimos de perto as sete correntes sociolgicas propostas por Rubington e Weinberg (1995) na sua obra de sntese sobre esta matria, sendo apresentadas pela ordem cronolgica em que dominaram o pensamento sociolgico norte-americano, como defendem estes autores.

    Dividimos as perspectivas em duas categorias, segundo a linha positivista ou relativista que adoptam, de acordo com o que foi exposto acima.

    5

  • 1.2. As perspectivas de estudo dos problemas sociais

    1.2.1. As perspectivas da Sociologia Positivista

    1.2.1.1. Patologia SocialOs avanos e os sucessos de disciplinas j instaladas, como a biologia e a medicina, influenciaram profundamente os socilogos a adoptarem a analogia do organismo ao seu objecto de estudo: a sociedade. Adoptaram igualmente um modelo mdico de diagnstico e de tratamento. Os problemas sociais so entendidos como doenas ou patologias sociais.

    O pensamento organicista, cujo autor mais consistente foi o britnico Herbert Spencer, defende que a sociedade e os seus elementos podem sofrer malformaes, desajustamentos e doenas, semelhana dos organismos vivos. Este argumento pressupe um estado de sade ou de normalidade do organismo, sendo que as pessoas e as situaes que interfiram com este estado de normal funcionamento do organismo social so assim considerados problemas sociais.

    Para a corrente da Patologia Social, um problema social uma violao de expectativas morais (Rubington, Weinberg 1995:19). A condio de sade ou normalidade do organismo definida por valoraes do Bem e do Mal.

    A patologia pode ser encontrada no indivduo ou no mau funcionamento institucional. Foi a perspectiva do Homem Delinquente da escola positiva italiana de criminologia, donde se destacaram Cesare Lombroso, Ferri e Garfalo (Dias, Andrade 1984).

    Uma vez que o problema est no

Search related