Profª Fernanda Toledo - – Peixes – AnfÍbios – Répteis - Aves – Mamíferos . P R I N C I P

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Profª Fernanda Toledo - – Peixes – AnfÍbios – Répteis - Aves – Mamíferos . P R I N C I P

  • Prof Fernanda Toledo

  • REINO ANIMAL OU METAZOA - Pluricelular Eucarionte Hetertrofo

    - PORFEROS Esponjas

    - CNIDRIOS guas vivas coraisanmonas- hidras

    - PLATELMINTOS Planria- solitrias-Schistosoma

    - NEMATELMINTOS Lumbriga-amarelo-elefantase

    - ANELDIOS Minhocas poliquetos - sanguessugas

    - MOLUSCOS caracis lesmas mariscos - polvos

    - ARTRPODOS Aranhas escorpies insetos camares

    - EQUINODERMOS Estrelasdomar ourio-do-mar

    - CORDADOS Peixes Anfbios Rpteis - Aves Mamferos

    PRINCIPAIS

    FILOS

  • Reino: Animalia

    Sub-reino: Parazoa

    Filo: Porifera 1 bilho anos

    * Latim: porus: poro ; ferre: portador

    * Origem: seres unicelulares e hetertrofos que se agruparam em colnias

  • - So exclusivamente aquticos

    - So os pluricelulares mais primitivos.

    - Possuem simetria radial.

    - So animais Parazorios, isto , no h formao de tecidos verdadeiros (no tem rgos nem sistemas)

    - Habitat aqutico, bentnicos, maioria marinha, vivendo livres quando larvas e ssseis ou fixos a substratos rochosos quando adultos constituindo colnias.

    - Sua alimentao por filtrao. Possuem internamente clulas flageladas que promovem a circulao da gua. (restos orgnicos e microrganismos)

    - O tamanho dos porferos de mais ou menos de 1cm a 50 cm de altura

    CARACTERSTICAS

  • Os porferos no possuem sistemas (digestivo, respiratrio, nervoso e reprodutor).

    Realizam a digesto intracelular.

    A respirao e a excreo se fazem por difuso direta entre a gua circulante e as sua clulas

    - Corpo com clulas simples, mas que possuem diviso de trabalho

    - Seu corpo perfurado por grande nmero de poros inalantes (entrada de gua) at alcanar a cavidade central (trio) e um nico poro grande exalante (o sculo que no corresponde boca), pelo qual sai gua.

  • A parede do corpo formada internamente pelos coancitos (clulas flageladas), que filtram a gua, capturando partculas nutritivas.

    Externamente por clulas da epiderme chamadas pinaccitos

    A regio intermediria preenchida pelo mesnquima, estrutura gelatinosa que

    contm uma rede de protena denominada, espongina;

    Espculas que servem para a sustentao.

    Apresentam ainda clulas presentes no material gelatinoso chamadas de

    amebcitos (so vrios tipos), que tem a funo de distribuir nutrientes nestes

    espaos.

    Para facilitar entrada dgua, possuem clulas chamadas porcitos.

  • Em termos de estruturas podem ser reconhecidos 3 tipos:

    ASCONIDE, SICONIDE E LEUCONIDE.

    -O filo dos porferos dividido em 4 classes: Classes: Hexactinellida, Calcarea, Demospongiae, Scleropongiae.

  • Animais Filtradores

  • Estrutura dos Porferos

  • Estrutura e funo

    Revestimento pinaccitos

    Nutrio coancitos (intracelular), amebcitos (distribuio)

    Circulao, Excreo e Respirao difuso

    Sustentao Espculas + espongina

    Reproduo Assexuada: Brotamento, regenerao e gemulao

    Sexuada: Fecundao

  • Reproduo assexuada

  • TIPOS DE REPRODUO ASSEXUADA

    BROTAMENTO OU GEMIPARIDADE

    CLULAS CAPAZES DE ORIGINAR NOVAS ESPONJAS

    ESPCULAS

    GEMULAO

    REGENERAO

  • Reproduo sexuada

  • Nas esponjas no existe sistema circulatrio nem sistema nervoso. So animais enormemente dependentes da gua, com a gua entra o oxignio, alimento e esperma e saem detritos metablitos, resduos nitrogenados, esperma e larvas.

    Os porferos possuem alto poder de regenerao, este fato largamente utilizado nos cultivos de esponjas. Algumas esponjas vivem somente um ano, outras vivem muitos anos. Em regies temperadas durante o inverno passa por um perodo de dormncia.

    Os porferos possuem grande importncia ecolgica - fazem simbiose com organismo fotossintticos. Abriga grande comunidade de organismos aquticos. Servem de alimento para muitas teias alimentares.

    Geralmente esto associados com recifes de corais, abrigando grande diversidade de organismos marinhos.

    Em algumas unidades de conservao estes organismos so protegidos por lei, como o caso do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e Parque Nacional Marinho de Abrolhos entre outras reas naturais

  • Habitat e diversidadeAqutico

  • Habitat e diversidade

  • Habitat e diversidade

  • PORFEROS - CORPO COM POROS

  • Reino: Animalia

    Sub-reino: Eumetazoa

    Filo: Cnidria

  • CELENTERADOS OU CNIDRIOS

  • Caractersticas Eumetazorios, isto , possuem tecidos diferenciados.

    So os primeiros animais a apresentarem uma cavidade digestiva e, caracterizam-se pela presena, na superfcie do corpo, de clulas urticantes, denominadas cnidcitos.

    Exs.: corais, anmonas, gua-viva.

  • Organizao do corpo

    Podem se apresentar de duas formas:

    Plipos: Fixos, tentculos em volta da boca, corpo cilndrico

    Medusas: corpo lembra guarda-chuva; boca ventralmente rodeada de tentculos; nadam livremente ou so carregadas pela gua

  • Eles possuem: um esboo de sistema nervoso difuso (uma rede de clulas nervosas pelo

    corpo)

    Gnadas: rgos produtores de gametas.

    Clulas epitlio-musculares: contrao resultam os movimentos rpidos do corpo.

    Boca nica abertura em contato com a cavidade digestria

    Digesto intracelular e extracelular

  • Cnidcitos: captura de alimentos e defesa do animal

    Possui uma cpsula (nematocisto). No interior h um tubo filamentoso urticante.

    - Ao ser tocado seu gatilho dispara injetando veneno no corpo da presa ou predador

    - Presa levada at a boca cavidade digestria (digesto extracelular) absoro por algumas clulas (digesto intracelular) resduos so eliminados pela boca!!

    So carnvoros e alimentam-se de zooplncton, pequenos crustceos e peixes

  • ESTRUTURA DOS CNIDRIOS

    PLIPO

    MEDUSA

    ECTODERME

    ENDODERME

    MESOGLIA

    TENTCULOSBOCA

    CAVIDADE

    GASTROVASCULAR

    BOCA

  • MEDUSAS

    Tm aspecto de cpula transparente, so flutuantes e se deslocam facilmente.

    PLIPOS

    Vivem preferentemente fixos s rochas e, salvo raras excees, tm deslocamentos lentos.

  • Principais Classes Classe Hydrozoa: A forma predominante a de plipos, ainda que em muitas

    espcies ocorra tambm a forma de medusas.

    Os hidrozorios so as hidras e as caravelas: Hidras: plipos de gua doce. Algumas podem se locomover dando cambalhotas

    Caravelas: colnias formadas por vrios plipos transparentes. Flutuam sobre as guas dos oceanos

  • Principais Classes

    Classe Scyphozoa: Predominam as medusas. As dimenses variam de poucos centmetros a vrios metros. A fase plipo passageira. Ex: guas-vivas

    Classe Anthozoa: Exclusivamente plipos. Reproduo habitualmente sexuada, custa de gametas formados em gnadas masculinas e femininas, na parede do corpo. Em alguns casos, entretanto, pode-se observar a diviso assexuada, por brotamento, no plipo. Ex: Anmonas-do-mar e corais (colnias de plipos exoesqueleto calcrio)

  • Pliposcorais e anmonas

  • Medusasgua-viva

  • Muitas espcies de cnidrios reproduzem-se por metagnese ou alternncia de geraes, passando por uma fase sexuada de medusa e por uma fase assexuada de plipo.

    Outros celenterados s se reproduzem sexuadamente.

    E outros, ainda, nunca passam pela fase de medusa, s existindo na forma de plipos. Os corais e a anmona-do-mar esto neste caso.

    REPRODUO

  • ASSEXUADA

  • MEDUSAS REPRODUO SEXUADA

    LARVA PLNULA

    PLIPO

    PLIPO REPRODUO ASSEXUADA

    MEDUSAS JOVENS FIRAS

  • CARACTERSTICAS GERAIS:

    Sistema Digestivo incompleto (intra e extracelular); Sistema Circulatrio ausente (os alimentos se difundem atravs da cavidade gastrovascular); Sistema Respiratrio ausente (trocas gasosas diretamente com o ambiente), Sistema Excretor ausente (as excretas so liberadas diretamente no meio extracelular); Sistema Nervoso presente (difusamente espalhado pelo corpo)

  • guas-vivas so perigosas!!!

    Todas as guas-vivas so capazes de infligir algum dano, porm apenas algumas espcies so realmente perigosas e podem provocar leses muito dolorosas e srias.

    Em nosso litoral so muito comuns as espcies capazes de provocar pequenas leses e dermatites dolorosas.

  • guas-vivas so perigosas!!!

    As mais perigosas, pouco comuns, podem infligir

    desde as leses moderadas (dor pulstil ou

    latejante, porm raramente causando

    inconscincia) s leses severas (dor intensa que

    pode levar perda da conscincia e ao

    afogamento).

    Seu lquido urticante est em seus tentculos.

  • guas-vivas so perigosas!!!

    S queima as pessoas se elas encostarem em seus tentculos, pois liberam uma substncia urticante que queima a pele mas se for em outro lugar do corpo dela no faz mal nenhum.

  • Queimaduras por gua-viva

  • Box Jellyfish

    Um dos mais mortais animais na face da Terra.

    Essa gua-viva, com corpo meio quadrado, habita o Norte e Nordeste da Austrlia, e pode ser encontrada por toda a extenso da Barreira de Corais, ou seja, por cerca de 2.000 km.

  • Box Jellyfish

    A toxina presente nos

    tentculos chegam

    muitos metros de

    comprimento, e to forte, que os

    poucos sobreviventes descrevem a

    dor, mais como um choque eltrico

    do que uma queimadura.

  • Irukandji