Profª. Mscª. Fábia Ribeiro Carvalho de Carvalho Ítalo ... ?· Fábia Ribeiro Carvalho de Carvalho…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

Prof. Msc. Fbia Ribeiro Carvalho de Carvalho

talo Mateus Oliveira Barreto

A propriedade do pedido ou da patente de inveno e de modelode utilidade poder ser cedida e transferida a terceiros, desdeque formalizada por documento hbil, isto , o inter vivos. Trata-se, pois ,de formal documento de cesso e transferncia, com aindicao dos nomes completos e qualificao do cedente ecessionrio, com o ttulo, nmero e data da inveno , sob aassinatura de ambas as partes, e diante de duas testemunhasdevidamente qualificadas e com todas as firmasreconhecidas.

Esse documento poder ser feito com o respectivo valor ou a ttulogratuito.

Quando se tratar de transferncia em virtude de sucesso,legtima ou testamentria, devero ser apresentados osdocumentos extrados dos autos judiciais. Quando houveralterao no nome da empresa, o documento ser aqueleconcernente modificao efetivada perante o Registro doComrcio Civil das Pessoas Jurdicas.

Em Ambos os casos, se a cesso se referir perante apatente conferida, ser necessria a apresentaoda Carta-Patente para a conseqente anotao.

A cesso e transferncia poder ser total ou parcial,a patente em si indivisvel, mas o que se divide asua propriedade. A titulo de exemplo , o titular nicoe exclusivo, quer seja pessoa fsica quer jurdica,poder ceder e transferir a totalidade dos direitosa terceiros, a outra pessoa fsica ou jurdica, comotambm poder ceder ou transferir a outraspessoas fsicas ou a outra pessoas jurdicas. Seeventualmente a titularidade j de mais de umapessoa fsica ou jurdica, a cesso e transfernciapoder se verificar por parte de qualquer um dostitulares a terceiro.

Alterao de sede ou endereo do titular dapatente to-somente requer a averbaodemonstrando a averbao ocorrida. Pessoajurdica a anotao se far merc da efetivacomprovao por documento hbil fornecidopelo Registro do Comrcio ou o Civil dasPessoas Jurdicas.

Qualquer que seja a anotao a ser feita peloINPI, os seus efeitos em relao a terceirossomente prevalecero aps a publicao daanotao na Revista da PropriedadeIndustrial.

DAS LICENAS

o ato revestido de formalidades, dever conter : aspartes devidamente qualificadas , isto , o titular dapatente ou do pedido da patente ( concedente oulicenciante) e aquele que passar a explorar ainveno ( concessionrio ou licenciado), osconsideranda , ou melhor, os motivos que levam aoestabelecimento do contrato e a capacidade tcnicado concessionrio em poder realizar e explorar ainveno; o ttulo da inveno, o seu nmero e data,as condies impostas, ou seja: segredo que deverser ou no mantido, fornecimento de desenhos ,projetos, prottipos.

O controle de qualidade dos produtos, atravs daverificao peridoca; o prazo de vigncia; o valor a serpago; o ambito de explorao; o foro de eventual litgioque dever ser, de preferencia sempre o brasileiro; ascausas de resciso com os respectivos prazos...

O licenciado, poder ser investido pelo titular de todosos poderes para agir em defesa da patente.

O ato normativo n 015, de 11.09.1975, proibiaexpressamente essa prerrogativa : o contrato nopoder conter implcita ou explicitamente clusulasque...., n.VII- transfira para o licenciado aresponsabilidade e o nus, inclusive financeiro, pelamanutena do direito de propriedade industrialconcedido pelo registro. Caber exclusivamente aotitular a proteo e a defesa de sua patente, mesmoporque o CC. Art.6, ningum poder pleitear em nomeprprio direito alheio, salvo quando autorizado por lei

1.5- O ato normativo 120/93, de 17.12.1993,que dispe sobre o processo de averbaode Atos e Contratos de Transferencia deTecnologia e Correlatos.

Os atos ou contratos que impliquem oucontenham dispositivos relativos alicenciamento de propriedade industrial,transferncia de tecnologia,compartilhamento de custos e/oucooperao em programas de pesquisa edesenvolvimento, franquia,servios deassistncia tcnica,cientficas e semelhantessero averbados pelo INPI.Independentemente do domiclio daspartes:

A. quando a licena envolver propriedadeindustrial registrada no Brasil;

B. quando a obrigao objeto do contratotiver que ser executada no Brasil;

C. para fins cambiais e de dedutibilidadefiscal dos pagamentos envolvidos.

Ocorrer essa publicao depois derecebido pelo INPI o contrato, devidamenteexaminado, achado conforme e com aconsequente aprovao em toda a suantegra

1.6- Considerado que toda patente poder, esempre se espera que com o tempo sejamelhorada ou aperfeioada pelo titular oupor terceiros,nesse particular a lei agiu embem definindo a quem pertence oaperfeioamento decorrente de uma patentesob contato de licena de explorao. Ocontrato de licena dever ser aditado paraque nele fique estabelecida a primeira ou asegunda hiptese e, como est consignado,ser assegurado outra parte contratante odireito de preferncia para o seulicenciamento.

Art. 64- O titular da patente poder solicitar ao INPIque a coloque em oferta para fins de explorao.Art.3 sob licena voluntria

1.7- Em verdade e durante muito tempo, com finsqui ,de evitar a declarao de caducidade de umapatente, era costume dos seus titulares fazerpublicao nos jornais colocando disposio dosinteressados a sua explorao. A lei vigente passou aregular a matria, dando poderes INPI para fazer adivulgao da oferta, atravs de publicao naRevista da Propriedade Industrial.

Ser prudente o titular da patente forneceros elementos bsicos dessa oferta,objetivando pelo INPI uma publicao maiseficaz.

O titular da patente ter, preliminarmente,que optar ou pela licena voluntria ouatravs da oferta, e , se j houver a primeira,ter que desistir da ltima. Se houvercontrato de licena voluntria em carterexclusivo j averbado no INPI,ter quedesistir da oferta, posto que a licenaexclusiva no permite que a patente sejaobjeto da oferta.

O titular da patente, em examinando aoferta feita, poder a qualquermomento desistir da mesma, e istoocorrer quando no venha a atingirseus anseios. A nica pena que ter dizrespeito a reduo do pagamento daanuidade prevista pelo art.66.

Art.65-2 A remunerao poder serrevista decorrido um ano de suafixao.

1.8- O titular da patente ter, sempre e porobjetivo precpuo, aumentar sobremaneira ovalor da explorao de sua inveno e emsentido contrrio o licenciado tentar reduziresse valor. O INPI tem um sem-nmero decontratos de licena j averbados, est emcondies de servir de rbitro procurando dar ovalor mais correto possvel para aquelaexplorao sob oferta.

Poder realizar diligncias que se fizeramnecessrias ou designar comisso que poderincluir especialistas no ligados Autarquia,visando arbitrar a remunerao que ser pagaao titular, uma vez estabelecida a remunerao,esta no ser eternizada visto que poder serrevista anualmente.

Poder realizar diligncias que se fizeramnecessrias ou designar comisso que poderincluir especialistas no ligados Autarquia,visando arbitrar a remunerao que ser pagaao titular, uma vez estabelecida a remunerao,esta no ser eternizada visto que poder serrevista anualmente.

1.9- Como o INPI, desde longa data, vemreduzindo sobremaneira as taxas federais paraos pedidos feitos em nome dos prpriosinventores, da mesma forma proceder duranteo perodo em que a patente se encontrar soboferta. Cessar esse benefcio no momento emque, formalizado o contrato, for objeto de pedidode averbao no INPI, posto que de presumirque a partir de ento passar o titular a recebera remunerao de vida.

Art.67- o titular da patente poder requerer ocancelamento da licena se o licenciamento noder incio explorao efetiva dentro de um anoda concesso,interromper a explorao porprazo superior a um ano ou,ainda, se no foremobedecidas as condies para a explorao.

1.20- Todo contrato de licena que sejamestabelecidas clusulas, tem o condo de fazercom que o mesmo seja obedecido por ambas aspartes. Para evitar que venha a ocorrer a falta deexplorao, a interrupo ou o cumprimento dascondies estabelecidas. Ser prudente eindispensvel que haja a fixao de uma multapor qualquer inadimplemento.

Art. 68 O titular ficar sujeito a ter a patente licenciadacompulsoriamente se exercer os direitos deladecorrentes de forma abusiva, ou por meio dela praticarabuso de poder econmico, comprovado nos termos dalei, por deciso administrativa ou judicial

1.21- O importante considerar que tanto esta como aanterior do certas garantias, emboratemporrias,queles que atravs do processo formalquerem e obtm a patente de sua inveno.

Esta penalidade diz respeito a que por deciso do rgoadministrativo que se incumbe deste procedimento do oupor equivalente pronunciamento do poder judicirio,dever conceder licena compulsria.

1.22- A no fabricao no territrio brasileiro porsem dvida o bvio porque, se a patente

foi conferida em nosso pas, a comprovao ter,forosamente,que ser feita dentro dos limites donosso territrio e no em outro. Toda e qualquerpatente conferida em nosso pas ter a obrigao deser explorada integralmente. Deveria o governoprocurar dentro do possvel, dar melhores condiesde produo e de comercializao ao titular dapatente, sob quaisquer formas de subsdios.

1.23- A comprovao de capacidade tcnica eeconmica dever ser demonstradas pordocumentos concludentes por ocasio do pedido delicena.

1.24- No caso da licena compulsria deve serconcedida em razo do abuso do podereconmico.

Esta imposio se destina, praticamente ,spatentes aqui requeridas provenientes doestrangeiro e com reivindicao de prioridade ,por isso que,no obstante o pedido de licenacompulsria, poder ainda, o titular promover aimportao do objeto patenteado.

No havendo possibilidade de atender aomercado nacional pela fabricao em nossopas, poder ser suprida essa falta, porintermdio de importao, e neste caso damesma origem.

1.26- O titular da patente tem total e plenodireito de objetivar essa pretenso