PROGRAMA DA DISCIPLINA: EPISTEMOLOGIA DA da... · Evolução do Pensamento Geográfico. Epistemologia…

Embed Size (px)

Text of PROGRAMA DA DISCIPLINA: EPISTEMOLOGIA DA da... · Evolução do Pensamento Geográfico....

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDNIA Ncleo de Cincia e Tecnologia

Departamento de Geografia

PROGRAMA DA DISCIPLINA: EPISTEMOLOGIA DA GEOGRAFIA

PROF. Dr. JOSU DA COSTA SILVA

...ento criar no uma metodologia, mas uma epistemologia

poltica que vai jogar com os diferentes olhares de apropriao

da natureza, no campo da epistemologia poltica que se ajusta

ao mundo. Essa procura pode ser um construtivismo, mas que

no abandona a ideia do mundo real de crer na imaginao a

possibilidade de modos diferentes de vida de ser real, de

remodelar esse mundo (Enrique Leff)...

Porto Velho, 2019

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDNIA Ncleo de Cincia e Tecnologia

Departamento de Geografia

EPISTEMOLOGIA DA GEOGRAFIA Carga horria: 80 horas - Crditos: 04 Obrigatria

Ementa

Evoluo do Pensamento Geogrfico. Epistemologia da Cincia Geogrfica. Eixos temticos do Estudo Geogrfico: espao, territrio, regio.Organizao Poltica da Sociedade..

CONTEDO PROGRAMTICO

A construo do pensamento geogrfico: Senso comum, arte, religio, filosofia e cincia. A

filosofia do conhecimento. Fundaes da Cincia Moderna. A complexidade; As concepes de

interdisciplinaridade nas cincias; o ser humano na centralidade da interdisciplinaridade;

Interdisciplinaridade e mtodos. Interdisciplinaridade e complexidade. A cincia moderna e o

status cientifico da geografia. As escolas e correntes do pensamento geogrfico. A construo

da geografia no Brasil. Bases da geografia cultural, ambiental e crtica. Geografia, ps-

modernidade e globalizao. Tendncias e perscpectivas do pensamento geogrfico.

Teoria e Mtodo: Os precursores da geografia; Os mtodos da Geografia

Geografia Contempornea: Novos Caminhos da Geografia: Sistmica; Estruturalista/marxista;

Comportamental; Cultural-Fenomenolgica; A virada lingstica; Elementos modernos e ps-

modernos da Geografia

o BASES DA FILOSOFIA DO CONHECIMENTO E DA CINCIA MODERNA o A COMPLEXIDADE o PRATICANDO INTERDISCIPLINARIDADE o A COMPLEXIDADE COMO UM PROBLEMA EPISTEMOLGICO * o A CONSTRUO DA GEOGRAFIA NO BRASIL.

o NOVOS CAMINHOS DA GEOGRAFIA

o ELEMENTOS MODERNOS E PS-MODERNOS DA GEOGRAFIA

CONTEDO PROGRAMTICO - LEITURA OBRIGATRIA BSICA:

Primeiro Mdulo: a Cincia e as bases epistemolgicas do pensamento ocidental: Teoria e Mtodo da produo do conhecimento

Dia 1 Teste de nivelamento terico

MARRADI, A. Mtodo como arte. Papers 67, p. 107-127, 2002. (artigo)

CHARAUDEAU Patrick. por uma interdisciplinaridade focalizada nas cincias humanas e sociais (artigo)

FERNANDES, Ana Maria. O Paradigma Clssico versus o surgimento de um novo paradigma da Cincia e da tecnologia e Suas Relaes com o Homem, a Natureza, a Histria e a Cultura. In: Cadernos de Sociologia/

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDNIA Ncleo de Cincia e Tecnologia

Departamento de Geografia

Programa de Ps Graduao em Sociologia. V. 4, Nmero Especial. PPGS/UFRGS , Porto Alegre. 1993. (pags. 51 a 84) (artigo)

Dia 2 MORIN, Edgar. Cincia com conscincia. :Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2008. (captulo de livro: Primeira parte: cincia com Conscincia. pgs. 15 a 172)

POPPER Karl R. conjecturas e refutaes: o progresso do conhecimento cientfico (artigo)

BACHELARD, Gaston. A Formao do Esprito Cientfico: Contribuio para uma Psicanlise do Conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. (livro todo)

dia 3 KANT, I . Crtica da Razo Pura, So Paulo: Martin Claret, 2003. (livro todo)

Dia 4 MATURANA R., Humberto; VARELA G., Francisco. A rvore do conhecimento: as bases biolgicas do entendimento humano. Campinas: Psy II, 1987 (livro todo)

KUHN, T. A estrutura das revolues cientficas. 10. ed. So Paulo: Perspectiva, 2011. (livro todo)

Dia 5 CASSIRER, E. Ensaio sobre o Homem. Introduo a uma Filosofia da Cultura Humana. So Paulo: Matins Fontes, 1997. (livro todo)

ARENDT, Hannan. A Condio Humana. Rio de Janeiro. Forense Universitria. 2016 (captulo de livro Captulo IV A vida ativa e a era moderna, pgs. 307 a 404)

Segundo Mdulo: as bases epistemolgicas da Geografia

Dia 1 SANTOS, M. Por Uma Geografia Nova, So Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1978 (livro todo)

GOMES, P. C. C. Geografia e Modernidade, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996 (Captulo de livro:PARTE II, pags. 125 a 246)

Dia 2 BOLLNOW, Otto Friedrich. O homem e o espao. Curitiba. Editora da UFPR. 2008. (livro todo)

CLAVAL, Paul. Epistemologia da Geografia. Editora UFSC. Florianpolis, 2011. (livro todo)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDNIA Ncleo de Cincia e Tecnologia

Departamento de Geografia

Dia 3 FLORIANI, Dimas. Crtica da Razo Ambiental: Pensamento e Ao para a Sustentabilidade. So Paulo Anablume, 2013 (livro todo)

HARVEY, D. Espaos de Esperana. traduo A.U. Sobral & M. S. Gonalves, So Paulo: Loyola, 2004. (captulo de livro Parte IV conversaes sobre a pluralidade de alternativas pgs. 261 a 366)

Dia 4 DARDEL, E. L Homme et la Terre, Paris: Editions du CTHS, 1990. (j existe publicao em portugues pela editora perspectiva) (livro todo)

Dia 5 SANTOS, Milton. A Natureza do Espao: Tcnica e Tempo. Razo e Emoo. EDUSP. So Paulo, 2006. (livro todo)

Terceiro Mdulo: as novas bases e desafios epistemolgicos

Dia 1 SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as Cincias. So Paulo. Cortez, 2010. (livro todo) SANTOS, Boaventura de Sousa e MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. So Paulo. Cortez. 2010. (captulo de livro)

Parte I: da Colonialidade a Decolonialidade (pg. 31 a 171) Parte II: As modernidades da tradio (pgs 175 a 337)

Dia 2 NASCIMENTO SILVA. Maria das Graas Silva e SILVA, joseli Maria. Interseccionalidades, Gnero e Sexualidades na Anlise Espacial. Ponta Grossa/PR, Toda Palavra. 2014. (captulo de livro: Introduzindo as interseccionalidades como um desafio para a anlise espacial no brasil: em direo s pluriversalidades do saber geogrfico pgs. 17 a 35)

SILVA, Joseli Maria, ORNAT, Mrcio Jos e CHIMIN JUNIOR, Alides Batista. Geografias Feministas e das Sexualidades: Encontros e diferenas. Ponta Grossa/PR, Toda Palavra. 2016. (captulo de livro: MONK, Janice e HANSON, Susan. No excula metda da humanidade da Geoge4afia Humana)

Dia 3 LOUREIRO, Joo de Jesus Paes. Cultura Amaznica uma Potica do imaginrio. Belm/PA. Cultura Brasil, 2015. (captulo de livro: captulo I a potica do imaginrio pags. 73 a 130) PAZ, Octvio. O labirinto da Solido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1984. (Livro todo, sem o post. Escriptum) (livro todo)

ALMEIDA SILVA, Ednilson de. Territorialidades, Identidades e Marcadores

Territoriais Kawahib da Terra Indgena Uru-eu-wau-wau em Rondnia. Paco

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDNIA Ncleo de Cincia e Tecnologia

Departamento de Geografia

Editorial. Jundia/SP. 2015 (captulo de Livro: Cap.2: Marcadores Territoriais, Cosmogonia e Natureza: uma Tentativa de aproximao

terica [pag: 51-109])

Dia 4 ROHDE, Geraldo Mario epistemologia ambiental abordagem filosfico cientifica sobre a efetuao humana. Rio Grande do Sul. Editora: Edipucrs. 1996. (livro todo)

ACOSTA, Alberto O Bem Viver Uma Oportunidade Para Imaginar Outros Mundos. Editora Elefante/Editora Autonimia Literria. So Paulo. 2016. (livro todo)

SKEWES, Juan Carlos e HALISKI, Antnio Mrcio. El Buen vivir: intercultura y mundializacin, uma mirada desde Amrica latina. Curitiba/PR, Ed. UFPR, 2017 (Livro todo)

Dia 5 Resultado da avaliao de nivelamento Avaliao da disciplina

LEITURA BNUS

Guimares Rosa, Joo. Sagarana. Rio de Janeiro Livraria Jos Olympio. 1946

ORIENTAES SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA DISCIPLINA TEORIA DA GEOGRAFIA:

a) TOTAL DE TRS SEMANAS: de segunda a sexta, concentrada, pelas manhs e tardes e eventualmente parte da noite. Cada semana ser oferecida em perodos diferente;

b) A disciplina de Epistemologia da Geografia inicia com um teste de nivelamento terico

c) As leituras obrigatrias das obras devero ser feitas antes do incio das aulas de cada mdulo. Cada obra dever ser fichada e produzida um PAPER que ser entregue no inicio das aulas referente a cada obra (vinte minutos antes do inicio da aula).

d) Em hiptese alguma ser admitida leitura, fichamento ou interpretao que tenha origem ou relao com textos ou resumos retirados da internet. Caso tal atitude seja percebida ou descoberta, ser considerada falta grave e indefensvel. Admite-se e incentiva-se a complementariedade da leitura atravs de pesquisa bibliogrfica contida no Portal de peridicos da CAPES. A bibliografia contida neste programa base ou referencia temtica para pesquisa;

e) As aulas sero iniciaro as oito e meia da manh e as oito e quarenta e cinco a lista de presena ser recolhida no havendo mais a possibilidade de assinatura por parte do mestrando, no

horrio da tarde o inicio da aula ser as quatorze e trinta e tambm contar com quinze minutos para assinatura das presenas.

f) O tempo das aulas ser dividido entre: apresentao de seminrio, segunda leitura (debatedor), participao geral e sntese analtica do professor. O seminrio: em escolha definida pelo professor, tero o tempo mnimo de trinta e o mximo de quarenta e cinco minutos; O debatedor: ser escolhido por sorteio aleatrio e ter por objetivo apresentar uma segunda ideia sobre a obra. Em momento algum dever julgar o seminrio precedente. Ter o tempo de trinta minutos.

https://www.estantevirtual.com.br/editora/edipucrshttp://www.editoraelefante.com.br/produto/o-bem-viver-uma-oportunidade-para-imaginar-outros-mundos/http://www.editoraelefante.com.br/prod