Click here to load reader

programa desenho tecnico mecatronica

  • View
    1.109

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of programa desenho tecnico mecatronica

CURSOS PROFISSIONAIS DE NVEL SECUNDRIO Tcnico de MANUTENO INDUSTRIAL Variantes: Electromecnica - Mecatrnica - Mecatrnica Automvel - Aeronaves

PROGRAMAComponente de Formao Tcnica Disciplina de

Desenho Tcnico

Escola Tecnolgica Artstica e Profissional (Pombal) Escola Profissional de Tondela Escola Tecnolgica e Profissional de Sic (Avelar) Escola Profissional de Trancoso I.P.L. / Escola Superior de Tecnologia e Gesto (Leiria) Escola Secundria Gago Coutinho (Alverca) Outros autores E. Profissional e Artstica da Marinha Grande

Autores

Eng. Baptista Cabarro Eng. Joo Mineiro Eng. Amndio Oliveira Eng. Vtor Mendes Eng. Joo Mendes Eng. Amrico Mendes Eng. Hlder Santos Eng. Antnio Leito Eng. Victor Santos Eng. Lus Santos Eng. Jos Lameiras

Direco-Geral de Formao Vocacional 2006

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

Parte I

Orgnica Geralndice:1. 2. 3. 4. 5. 6. Caracterizao da Disciplina . . Viso Geral do Programa . ...... Competncias a Desenvolver. . . Orientaes Metodolgicas / Avaliao . Elenco Modular ............. Bibliografia . . .

Pgina

2 2 2 3 4 4

1

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

1. Caracterizao da DisciplinaA disciplina de Desenho Tcnico faz parte da Componente de Formao Tcnica do Curso Profissional de Tcnico de Manuteno Industrial, com as variantes de Electromecnica, de Mecatrnica, de Mecatrnica Automvel e de Aeronaves, que visa as sadas profissionais, respectivamente Aeronaves. O seu elenco modular comum em todas as variantes acima indicadas. Trata-se de uma disciplina que desempenha um papel fundamental na formao de Tcnicos de Manuteno Industrial, em qualquer uma das variantes, dado que continua a ser a linguagem grfica de base para a comunicao, definio e produo de peas, bem como na montagem e manuteno de equipamentos. De salientar tambm a sua associao generalidade dos temas desenvolvidos nas restantes disciplinas da Componente de Formao Tcnica, nomeadamente, em Tecnologia e Processos e em Prticas Oficinais. de Tcnico de Manuteno Industrial/Electromecnica, de Manuteno Industrial/Mecatrnica, de Tcnico de Mecatrnica Automvel e de Tcnico de Manuteno de

2. Viso Geral do ProgramaO elenco modular da disciplina constitui um percurso de ensino/aprendizagem orientado para a sequncia lgica e progressiva, que dever ser respeitada. Pelas suas caractersticas, esta disciplina contribuir para a formao de um indivduo autnomo e completo, com esprito crtico, criativo e com capacidade de iniciativa, adequado ao seu enquadramento profissional e social.

3. Competncias a DesenvolverPretende-se que o aluno adquira ou desenvolva, de uma forma geral, hbitos de asseio e organizao, e obedincia a Normas e regulamentos especficos da Manuteno Industrial, no mbito respectiva variante, com a finalidade de: Capacitar o aluno para fazer uma leitura e interpretao correcta de um documento tcnico ou Desenho Tcnico especifico da rea de Manuteno Industrial. Capacitar o aluno para utilizar e seleccionar os equipamentos e documentao tcnica base para a execuo de um determinado Desenho Tcnico. Capacitar o aluno para a produo de documentao de Desenho Tcnico necessria sua actividade profissional.

2

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

4. Orientaes Metodolgicas / AvaliaoO docente da disciplina deve desenvolver os contedos modulares recorrendo sempre que possvel a exemplos de aplicabilidade, do quotidiano da actividade profissional, privilegiando a realizao de trabalhos prticos, nos temas em que seja vivel, no sentido de promover a participao e empenhamento do aluno, tanto individualmente como em grupo, de forma a: Motivar o aluno na busca de solues para os problemas propostos; Evidenciar a aplicabilidade dos conceitos adquiridos. No processo de ensino/aprendizagem, o professor promover a articulao entre os contedos dos mdulos desta disciplina e os contedos dos mdulos das disciplinas de Tecnologia e Processos e de Prticas Oficinais, no sentido dos alunos tirarem um maior aproveitamento dos contedos leccionados, relacionando a teoria com a prtica, tanto ao nvel da concepo e produo, como ao nvel da manuteno. Nos dois primeiros anos do curso, os alunos devero desenvolver, principalmente, trabalhos individuais e a sua avaliao dever ser feita de forma contnua, com o recurso anlise critica permanente da sua evoluo tendo em conta as suas capacidades na aplicao dos conhecimentos adquiridos e na observncia das normas e regras inerentes linguagem tcnica de comunicao. No terceiro ano do curso, devero ser aprofundados os conhecimentos adquiridos anteriormente, preparando-os para a abordagem dos problemas que surgem na concepo de um projecto, bem como na sua execuo, montagem e manuteno. O professor dever promover a utilizao de recursos didcticos diversificados, nomeadamente os modelos reais e os modelos simulados, a partir dos quais ser possvel elaborar um Desenho Tcnico representativo de uma realidade concreta, e assim como, documentos diversos, tais como normas, regulamentos, tabelas, bacos, catlogos e outros tipos de materiais de suporte que lhes facilitem a realizao dos trabalhos e os ajudem a elevar o seu potencial de inovao tecnolgica.

Quanto aos critrios de avaliao: Devero ser aplicados os definidos e aprovados ao nvel de Escola conforme o estabelecido no Projecto Curricular de Turma e documentos decorrentes. Na variante de aeronaves, devem ser tambm aplicados os requisitos definidos no Apndice 1 do Regulamento (CE) N. 2042/2003 da COMISSO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS de 20 de Janeiro de 2003 e publicado em 28.11.2003 no Jornal Oficial da Unio Europeia (pgina 315/82). Os nveis de conhecimentos exigidos encontram-se no Regulamento 2042/2003, nas pginas 86 a 98, 103, 104, 106, 107 e 108.

3

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

5. Elenco ModularNmero Designao Durao de referncia (horas)

1 2 3 4 5 6 7

Normalizao e Desenho Geomtrico Geometria Descritiva Projeces e Perspectivas Cortes, Seces e Planificaes Cotagem e Tolerncias Elementos de Ligao e Desenho de Conjunto Desenho Esquemtico

20 30 20 20 20 30 30

6. BibliografiaBLANES, O. (1983), Manual de Instalaes Contra Incndios. Lisboa: Pltano Editora. BRANCO, C., et al. (2005), Projecto de rgos de Mquinas. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. CARREIRA, A. R. (1972), Compndio de Desenho. 2. ed. Lisboa: Livraria S da Costa. CUNHA, L. S. (2002), Manual Prtico do Mecnico. So Paulo: Hemus. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. DIAS, Joo M. Pereira (2000/1/4), Normas NP, ISO e EN, Relacionadas com o Desenho Tcnico. Lisboa: IST - Departamento de Engenharia Mecnica. MELCONIAN, S. (1990), Elementos de Mquinas. So Paulo: Editora rica. MORAIS, J. M. S. (1984), Desenho de Construes Mecnicas: Desenho tcnico bsico. Volumes 2 e 3. 11. ed. Porto: Porto Editora. NIEMANN, G. (1971), Elementos de Mquinas. Volume I. So Paulo: Edgard Blucher. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SANTANA, S; GOMES, B. (1992), Geometria Descritiva. 10 Ano de escolaridade. 5. ed. Porto: Porto Editora. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. SILVA, F.; ROSEIRA, A. (1992), Desenho de Esquemas Elctricos. Porto: Porto Editora. SOARES, . S.; CARVALHO, L. F. (1999), Desenho e Geometria Descritiva - B. 12 Ano. 2. ed. Cacm: Texto Editora. SOUSA, M. M. (1999), Desenho e Geometria Descritiva. 2. ed. Lisboa: Pltano Editora. VASSALO, F. R. (1999), Manual de Interpretao de Esquemas Elctricos. 4. ed. Lisboa: Pltano Editora.

4

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO).

5

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

Parte II

Mdulosndice:Mdulo 1 Mdulo 2 Mdulo 3 Mdulo 4 Mdulo 5 Mdulo 6 Mdulo 7 Normalizao e Desenho Geomtrico Geometria Descritiva Projeces e Perspectivas Cortes, Seces e Planificaes Cotagem e Tolerncias Elementos de Ligao e Desenho de Conjunto Desenho EsquemticoPgina

7 9 12 15 17 20 22

6

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 1

Normalizao e Desenho GeomtricoDurao de Referncia: 20 horas

1. ApresentaoNeste mdulo pretende-se sensibilizar o aluno para a importncia da normalizao aplicada no Desenho Tcnico, e assim como, atravs do Desenho Geomtrico, desenvolver prticas de utilizao das ferramentas necessrias s principais construes geomtricas.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Conhecer as Normas fundamentais do Desenho Tcnico, Nacionais e Internacionais; Entender a importncia da normalizao e dos produtos normalizados, Conhecer os Organismos Nacionais e Internacionais de Normalizao; Compreender a diferena entre Normas e Especificaes, Conhecer a terminologia especfica do Desenho Tcnico; Reconhecer a necessidade de aprender Desenho Tcnico como forma de comunicao; Distinguir o Desenho Tcnico do Desenho Artstico; Identificar as diferentes formas de Desenho Tcnico, quanto sua natureza e funo; Conhecer e utilizar os equipamentos, utenslios e materiais necessrios execuo do Desenho Tcnico; Utilizar correctamente os elementos de desenho (formatos, esquadrias, dobragem, linhas, legendas); Traar construes geomtricas: Bissectrizes, perpendiculares e paralelas; Desenho de polgonos; Circunferncias e tangncias; Oval e vulo; Curvas espiraladas e envolvente; Curvas cclicas; Curvas cnica; Transposio, ampliao e reduo de desenhos; Utilizar escalas.

7

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 1: Normalizao e Desenho Geomtrico

Cursos Profissionais

3. mbito dos Contedos1. Normas de desenho 1.1. Normas portuguesas NP 1.2. Normas europeias EN 1.3. Normas ISSO 1.4. Outras Normas 2. Desenho geomtrico 2.1. Bissectrizes, perpendiculares e paralelas 2.2. Desenho de polgonos 2.3. Circunferncias e tangncias 2.4. Oval e vulo 2.5. Curvas espiraladas e envolvente 2.6. Curvas cclicas 2.7. Curvas cnicas 2.8. Transposio, ampliao e reduo de desenhos

4. Bibliografia / Outros RecursosCUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. DIAS, Joo M. Pereira (2000/1/4), Normas NP, ISO e EN, Relacionadas com o Desenho Tcnico. Lisboa: IST - Departamento de Engenharia Mecnica. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO). 8

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 2

Geometria DescritivaDurao de Referncia: 30 horas

1. ApresentaoO mdulo de Geometria Descritiva permitir construir as bases de suporte do desenvolvimento do Desenho Tcnico, tornando-se uma ferramenta essencial na representao e compreenso espacial, e contribuir para o desenvolvimento equilibrado dos mdulos seguintes. Neste mdulo, pretende-se que os alunos adquiram conhecimentos bsicos de Geometria Descritiva, sendo feita uma abordagem a figuras geomtricas elementares, tais como os pontos, as linhas e as superfcies, sendo fundamental o entendimento das noes de ponto, recta e plano.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Conhecer e identificar o espao didrico e tridrico; Representar o ponto no espao didrico e tridrico; Resolver problemas de representao de pontos, rectas e planos no espao didrico; Representar a recta atravs das suas projeces e averiguar se um determinado ponto lhe pertence; Indicar a designao de uma recta e as suas caractersticas principais consoante a sua posio relativa aos principais planos de projeco; Determinar os traos de uma recta; Determinar a interseco de uma recta com os planos bissectores; Indicar a designao de um dado plano em relao aos principais planos de projeco; Identificar os casos notveis de representao de rectas nos planos de projeco; Adquirir critrios de rigor grfico; Adquirir vocabulrio especfico da geometria descritiva.

3. mbito dos Contedos1. Espao didrico e tridrico 1.1. Planos de projeco 1.2. Planos bissectores 1.3. Diedros e octantes 1.4. Triedros 9

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 2: Geometria Descritiva

Cursos Profissionais

2. O ponto 2.1. Representao do ponto no espao didrico 2.2. Representao no espao tridrico 2.3. Localizao de pontos 3. A recta 3.1. Definio de recta 3.2. Condio para que um ponto pertena a uma recta 3.3. Alfabeto da recta 3.3.1. Recta de nvel 3.3.2. Recta de frente 3.3.3. Recta de topo 3.3.4. Recta vertical 3.3.5. Recta fronto-horizontal 3.3.6. Recta de perfil 3.3.7. Recta obliqua 3.4. Traos da recta 3.4.1. Interseco com o plano horizontal de projeco 3.4.2. Interseco com o plano frontal de projeco 3.5. Interseco de recta com os planos bissectores 4. O plano 4.1. Definio de plano 4.2. Planos definidos por duas rectas 4.3. Planos definidos pelos seus traos 4.4. Alfabeto do plano 4.4.1. Plano de nvel 4.4.2. Plano de frente 4.4.3. Plano de topo 4.4.4. Plano vertical 4.4.5. Plano de rampa 4.4.6. Plano de perfil 4.4.7. Plano obliquo 4.5. Rectas notveis do plano 4.5.1. Recta de maior declive 4.5.2. Recta de maior inclinao

10

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 2: Geometria Descritiva

Cursos Profissionais

4. Bibliografia / Outros RecursosCARREIRA, A. R. (1972), Compndio de Desenho. 2. ed. Lisboa: Livraria S da Costa. SANTANA, S; GOMES, B. (1992), Geometria Descritiva. 10 Ano de escolaridade. 5. ed. Porto: Porto Editora. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. SOARES, . S.; CARVALHO, L. F. (1999), Desenho e Geometria Descritiva - B. 12 Ano. 2. ed. Cacm: Texto Editora. SOUSA, M. M. (1999), Desenho e Geometria Descritiva. 2. ed. Lisboa: Pltano Editora.

11

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 3

Projeces e PerspectivasDurao de Referncia: 20 horas

1. ApresentaoO mdulo desenvolve-se por apresentao e aplicao dos sistemas de projeco, como metodologia e tcnica de representao de peas em Desenho Tcnico. Aps a distino dos mtodos (Europeu e Americano) utiliza-se e pratica-se o mtodo Europeu de Projeco Ortogonal, sendo abordada a correcta representao da forma e dimenso das peas. A temtica relativa representao em perspectiva desenvolvida em Desenho Tcnico de modo a permitir uma representao grfica que fornea uma imagem mais prxima da que apreendida pelo observador na realidade. Pretende-se que a perspectiva, como representao grfica de grande utilidade, permita uma viso espacial rpida.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Conhecer e diferenciar os tipos de projeco; Diferenciar o mtodo de representao ortogonal europeu do mtodo americano, quer atravs de smbolos, quer atravs da anlise de vistas; Escolher as vistas mais convenientes; Representar peas, por projeco ortogonal, utilizando o mtodo europeu; Utilizar os planos auxiliares de projeco na representao de faces oblquas; Interpretar formas e simbologias correntes de desenho simplificado; Diferenciar os diferentes tipos de perspectiva e relacion-los com a posio do objecto; Interpretar a representao de planos inclinados e crculos em perspectivas isomtricas; Interpretar a perspectiva ou projeco obliqua de qualquer objecto; Definir o mtodo mais adequado representao do objecto; Desenhar a perspectiva de uma pea partindo da sua representao em vistas mltiplas e projeces ortogonais.

12

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 3: Projeces e Perspectivas

Cursos Profissionais

3. mbito dos Contedos1. Conceito de projeco. Tipos de projeces 2. Projeces ortogonais 2.1. Mtodos de representao de Projeces Ortogonais 2.1.1. Europeu ou do primeiro diedro 2.1.2. Americano ou do terceiro diedro 2.2. Significado das linhas 2.3. Representaes convencionais e representaes simblicas 2.4. Vistas necessrias para representar um objecto 2.5. Tipos de vistas 2.5.1. Parciais 2.5.2. Locais 2.5.3. Interrompidas 2.5.4. Auxiliares 3. Perspectivas 3.1. Classificao das perspectivas 3.2. Perspectiva Isomtrica 3.3. Perspectiva Cavaleira 3.4. Perspectiva Dimtrica 4. Desenho de perspectivas rpidas 4.1. Escolha da posio 4.2. Mtodos de construo 4.3. Perspectiva de linhas curvas 4.4. Perspectiva da circunferncia 4.5. Traado de elipses 4.6. Perspectiva de slidos de revoluo 4.7. Representao de linhas 5. Perspectivas explodidas

13

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 3: Projeces e Perspectivas

Cursos Profissionais

4. Bibliografia / Outros RecursosBRANCO, C., et al. (2005), Projecto de rgos de Mquinas. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. CUNHA, L. S. (2002), Manual Prtico do Mecnico. So Paulo: Hemus. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. MELCONIAN, S. (1990), Elementos de Mquinas. So Paulo: Editora rica. MORAIS, J. M. S. (1984), Desenho de Construes Mecnicas: Desenho tcnico bsico. Volumes 2 e 3. 11. ed. Porto: Porto Editora. NIEMANN, G. (1971), Elementos de Mquinas. Volume I. So Paulo: Edgard Blucher. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO).

14

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 4

Cortes, Seces e PlanificaesDurao de Referncia: 20 horas

1. ApresentaoEste mdulo permite a utilizao de simbologia adequada, possibilitando apresentar os vrios modos de efectuar um corte ou uma seco num desenho. O recurso a cortes e seces no desenho tcnico, faz-se em geral quando se pretende clarificar alguns pormenores importantes, que no esto claramente definidos nas projeces ortogonais. A planificao de slidos simples, utiliza-se na construo metlica e caldeiraria.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Saber optar entre um corte e uma seco; Saber decidir sobre a necessidade de recorrer a cortes ou seces para representar claramente uma pea em projeces ortogonais; Efectuar correctamente a representao grfica de cortes e seces no respeito das Normas de desenho aplicveis; Efectuar planificao de slidos simples e sua interseco com diferentes planos previamente definidos.

3. mbito dos Contedos1. Cortes 1.1. Tipos de cortes 1.1.1. Corte total 1.1.2. Meio corte 1.1.3. Corte por planos paralelos 1.1.4. Corte por planos concorrentes 1.1.5. Corte local 1.2. Seleco das zonas de corte 1.3. Regras gerais em cortes 1.4. Elementos que no so cortados e representaes convencionais 1.5. Cortes em desenhos de conjuntos de peas

15

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 4: Cortes, Seces e Planificaes

Cursos Profissionais

2. Seces 2.1. Seces sucessivas 2.2. Seces deslocadas 2.3. Seces rebatidas 3. Planificaes 4. Interseces

4. Bibliografia / Outros RecursosBRANCO, C., et al. (2005), Projecto de rgos de Mquinas. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. CUNHA, L. S. (2002), Manual Prtico do Mecnico. So Paulo: Hemus. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. MELCONIAN, S. (1990), Elementos de Mquinas. So Paulo: Editora rica. MORAIS, J. M. S. (1984), Desenho de Construes Mecnicas: Desenho tcnico bsico. Volumes 2 e 3. 11. ed. Porto: Porto Editora. NIEMANN, G. (1971), Elementos de Mquinas. Volumes I. So Paulo: Edgard Blucher. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO).

16

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 5

Cotagem e TolernciasDurao de Referncia: 20 horas

1. ApresentaoEste mdulo permite completar a representao da forma, com as dimenses e posies dos diferentes elementos das peas. O conhecimento dos processos e tecnologias de fabrico e os aspectos funcionais das peas ou de alguns dos seus elementos, condio nuclear da cotagem. As tolerncias e estados de superfcies esto interligados. O toleranciamento uma extenso da cotagem, estabelecendo uma informao adicional, acerca da forma, dimenso e posio dos elementos toleranciados. H uma relao entre o toleranciamento e as indicaes necessrias para o fabrico, na medida em que, as tolerncias especificadas no desenho, podem condicionar e onerar o processo de fabrico. Neste mdulo pretende-se dotar o aluno de conhecimentos e tcnicas que lhe permitam fazer uma cotagem correcta dos desenhos tcnicos, sendo este um factor determinante para uma boa interpretao de desenhos e projectos.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Usar a cotagem para indicar a forma e localizao dos elementos de uma pea; Cotar desenhos com representaes e aplicaes diversas tais como: vistas mltiplas; desenhos de conjunto e perspectivas; Seleccionar criteriosamente as cotas a inscrever no desenho, tendo em conta as funes da pea e das tecnologias ou processos de fabrico; Aplicar as tcnicas da cotagem de acordo com as Normas tcnicas, de modo a garantir a legibilidade, simplicidade e clareza do desenho. Compreender a importncia do toleranciamento dimensional para o fabrico; Saber usar o Sistema ISO de tolerncias e ajustamentos e em cada situao, determinar o tipo de tolerncia mais adequado situao; Saber interpretar e inscrever cotas toleranciadas nos desenhos; Saber especificar o acabamento superficial das peas e indic-lo nos desenhos.

17

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 5: Cotagem e Tolerncias

Cursos Profissionais

3. mbito dos Contedos1. Cotagem 1.1. Elementos da cotagem 1.1.1. Escalas 1.1.2. Linhas de chamada e linhas de cota 1.1.3. Seta 1.1.4. Cota 1.1.5. Smbolos 1.2. Inscrio das cotas no desenho 1.3. Cotagem dos elementos 1.3.1. Cotagem de forma 1.3.2. Cotagem de posio 1.3.3. Boleados e concordncias 1.4. Critrios de cotagem 1.4.1. Cotagem em srie 1.4.2. Cotagem em paralelo 1.4.3. Cotagem em paralelo com linhas de cota sobrepostas 1.4.4. Cotagem por coordenadas 1.4.5. Cotagem de elementos equidistantes 1.4.6. Cotagem de elementos repetidos 1.4.7. Cotagem de chanfros e furos escareados 1.4.8. Cotas fora de escala 1.4.9. Cotas para inspeco 1.5. Cotagem de representaes especiais 1.5.1. Cotagem de meias vistas 1.5.2. Cotagem de vistas parciais e interrompidas 1.5.3. Cotagem de contornos invisveis 1.5.4. Cotagem de desenhos de conjunto 1.5.5. Cotagem de perspectivas 1.5.6. Cotagem de ajustamentos ou montagens 1.5.7. Linhas de referncia e anotaes 1.6. Cotagem funcional 1.6.1. Generalidades 1.6.2. Tolerncias 1.6.3. Ajustamentos

18

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 5: Cotagem e Tolerncias

Cursos Profissionais

2. Tolerncias 2.1. Toleranciamento dimensional 2.1.1. Sistemas ISO de tolerncias lineares 2.1.2. Sistemas ISO de tolerncias angulares 2.1.3. Inscrio de tolerncias nos desenhos 2.1.4. Ajustamentos 2.1.5. Verificao de tolerncias 2.1.6. Toleranciamento dimensional geral 2.1.7. Toleranciamento de peas especiais 2.2. Estados de superfcie 2.3. Toleranciamento geomtrico

4. Bibliografia / Outros RecursosBRANCO, C., et al. (2005), Projecto de Orgos de Mquinas. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. CUNHA, L. S. (2002), Manual Prtico do Mecnico. So Paulo: Hemus. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. MELCONIAN, S. (1990), Elementos de Mquinas. So Paulo: Editora rica. MORAIS, J. M. S. (1984), Desenho de Construes Mecnicas: Desenho tcnico bsico. Volumes 2 e 3. 11. ed. Porto: Porto Editora. NIEMANN, G. (1971), Elementos de Mquinas. Volume I. So Paulo: Edgard Blucher. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO).

19

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 6

Elementos de Ligao e Desenho de ConjuntoDurao de Referncia: 30 horas

1. ApresentaoNeste mdulo feita a descrio dos elementos de ligao referindo nomeadamente a sua aplicao e representao nos desenhos de conjunto. Na disciplina de Tecnologia e Processos, so identificados os principais elementos de ligao e rgos de mquinas como componentes fundamentais realizao de um projecto de Engenharia Mecnica. Com este mdulo pretende-se dotar o aluno de conhecimentos e tcnicas que permitam executar e interpretar desenhos de conjunto e esquemas funcionais.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Compreender a representao dos elementos normalizados; Distinguir e compreender formas de ligao; Representar, cotar e referenciar elementos de mquinas; Distinguir os elementos normalizados na representao de conjuntos num desenho; Ler e interpretar o funcionamento de equipamentos mecnicos utilizando desenhos de conjunto; Executar desenhos de definio e de conjunto com listas de peas de equipamentos mecnicos; Consultar tabelas tcnicas de elementos de ligao e outros elementos constituintes do esquema funcional; Interpretar e executar esquemas funcionais.

3. mbito dos Contedos1. Elementos de ligao 1.1. Permanentes 1.2. Desmontveis 2. Ligaes roscadas 2.1. Parafusos 2.2. Porcas 2.3. Pernos 2.4. Furo cego 2.5. Furo passante 20

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 6: Elementos de Ligao e Desenho de Conjunto

Cursos Profissionais

2.6. Tipos de rosca 3. Rodas dentadas 4. Anilhas, chavetas, cavilhas e troos 5. Rebites 6. Molas 7. Outros elementos de ligao 8. Desenho de conjunto

4. Bibliografia / Outros RecursosBRANCO, C., et al. (2005), Projecto de rgos de Mquinas. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. CUNHA, L. S. (2002), Manual Prtico do Mecnico. So Paulo: Hemus. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. MELCONIAN, S. (1990), Elementos de Mquinas. So Paulo: Editora rica. MORAIS, J. M. S. (1984), Desenho de Construes Mecnicas: Desenho tcnico bsico. Volumes 2 e 3. 11. ed. Porto: Porto Editora. NIEMANN, G. (1971), Elementos de Mquinas. Volume I. So Paulo: Edgard Blucher. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. Normas: Normas Portuguesas - Desenho Tcnico (1963-1968). Lisboa: Direco Geral de Qualidade. Repartio de Normalizao. Normas Portuguesas (NP). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Europeias (EN). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Normas Internacionais (ISO). Lisboa: IPQ - Instituto Portugus da Qualidade. Stios na Internet: http://www.ipq.pt - Instituto Portugus da Qualidade IPQ. http://www.ipq.pt/custompage.aspx?modid=0&pagid=8 - Normas Portuguesas (NP), Europeias (EN) e Internacionais (ISO).

21

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL

Cursos Profissionais

MDULO 7

Desenho EsquemticoDurao de Referncia: 30 horas

1. ApresentaoNeste mdulo so abordados esquemas funcionais necessrios a ter em considerao numa montagem a realizar em Electricidade, Pneumtica, leo-hidrulica e Tubagens, entre outras, na qual utilizam-se sinais grficos Normalizados, identificando o percurso e a funcionalidade, dos aparelhos de controlo e a ligao entre os diversos elementos constituintes. Os esquemas funcionais so fundamentais para a interpretao de quaisquer sistemas.

2. Objectivos de AprendizagemO aluno dever: Saber identificar e utilizar as Normas Portuguesas, CEI, CENELEC e outras consideradas fundamentais para a interpretao de esquemas; Saber analisar e interpretar circuitos de tubagens; Saber analisar e identificar os componentes de um esquema ou circuito Pneumtico, leohidrulico, Tubagens, Elctrico, Electrnico e outros circuitos, assim como a sua funcionalidade.

3. mbito dos Contedos1. Instalaes elctricas 2. Electrnica 3. Redes de gs e de vapor 4. Circuitos pneumticos e hidrulicos 5. Outros esquemas funcionais

22

Programa de Desenho Tcnico TCNICO DE MANUTENO INDUSTRIAL Mdulo 7: Desenho Esquemtico

Cursos Profissionais

4. Bibliografia / Outros RecursosBLANES, O. (1983), Manual de Instalaes Contra Incndios. Lisboa: Pltano Editora. CUNHA, L. V. (1991), Desenho Tcnico. 8 ed. Lisboa: Fundao Calouste Gulbenkian. PROVENZA, F. (1986), Desenhista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. PROVENZA, F. (1988), Projetista de Mquinas. So Paulo: Pro-Tec. SILVA, A., et al. (2004), Desenho Tcnico Moderno. 4. ed. Lisboa: Editora LIDEL. SILVA, F.; ROSEIRA, A. (1992), Desenho de Esquemas Elctricos. Porto: Porto Editora. VASSALO, F. R. (1999), Manual de Interpretao de Esquemas Elctricos. 4. ed. Lisboa: Pltano Editora.

23