of 33/33
ANEXO A: DADOS CADASTRAIS DA INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL PELO PROJETO Nome do Projeto Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais na Serra do Brigadeiro Nome do Programa Projeto Proteção da Mata Atlântica II (AFCoF II) Nome da instituição Responsável pelo Projeto Associação Amigos de Iracambi Endereço completo da instituição Responsável (inclusive o CEP) Caixa Postal 01, Rosário da Limeira - MG, CEP: 36878-000. Telefones (32) 3723 1297, (31) 3956 0454 Fax (32) 3723 1297 E-mail [email protected] Endereço para correspondência (se não coincidir com o endereço acima) Natureza jurídica OSCIP Data do Registro Jurídico 08/12/05 CNPJ 03.412.130/0001-20 Representante(s) legal(is) da Responsável pelo Projeto (nome e cargo) Robin Le Breton, Assessor Técnico Coordenador do Projeto Elisa de Jesus Garcia Telefone; email; fax e endereço do coordenador do projeto (31) 8492 3069; [email protected] Av. Marechal Castelo Branco, 1331. Apt 203. Bairro Santo Antônio. Viçosa, MG. 36.570-000. Ordenador de despesas (responsável pela gestão financeira) Contabilidade Santa Mônica Ltda Telefone; email; fax e endereço (do ordenador de despesas) R Barão de Monte Alto 701, 36880 Muriaé MG; (32) 3721 1501 Valor do projeto R$ 423.180,00

Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais na Serra do ... /Ecosystems/Projeto_PSA... · Web viewNome do Projeto Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais na Serra do Brigadeiro

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais na Serra do ... /Ecosystems/Projeto_PSA... · Web...

Projeto de Pagamento por Servios Ambientais na Serra do Brigadeiro

ANEXO A: DADOS CADASTRAIS DA INSTITUIO RESPONSVEL PELO PROJETO

Nome do Projeto

Projeto de Pagamento por Servios Ambientais na Serra do Brigadeiro

Nome do Programa

Projeto Proteo da Mata Atlntica II (AFCoF II)

Nome da instituio Responsvel pelo Projeto

Associao Amigos de Iracambi

Endereo completo da instituio Responsvel (inclusive o CEP)

Caixa Postal 01, Rosrio da Limeira - MG, CEP: 36878-000.

Telefones

(32) 3723 1297, (31) 3956 0454

Fax

(32) 3723 1297

E-mail

[email protected]

Endereo para correspondncia (se no coincidir com o endereo acima)

Natureza jurdica

OSCIP

Data do Registro Jurdico

08/12/05

CNPJ

03.412.130/0001-20

Representante(s) legal(is) da Responsvel pelo Projeto (nome e cargo)

Robin Le Breton, Assessor Tcnico

Coordenador do Projeto

Elisa de Jesus Garcia

Telefone; email; fax e endereo do coordenador do projeto

(31) 8492 3069; [email protected]

Av. Marechal Castelo Branco, 1331. Apt 203.

Bairro Santo Antnio. Viosa, MG. 36.570-000.

Ordenador de despesas (responsvel pela gesto financeira)

Contabilidade Santa Mnica Ltda

Telefone; email; fax e endereo (do ordenador de despesas)

R Baro de Monte Alto 701, 36880 Muria MG; (32) 3721 1501

Valor do projeto solicitado

R$ 423.180,00

Total de contrapartidas

R$ 105.800,00.

Dados bancrios (banco, agncia, no. da conta e nome da conta do projeto)

Banco Bradesco, agncia Muria, MG. A conta do projeto somente poder ser aberta apos aprovao da proposta.

Parcerias institucionais para este projeto (mencionar nome, endereo, telefone, fax e reas de atuao principais)

Instituies propostas para o projeto caso foi aceita:

Instituto Estadual de Florestas; Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, Estrada Araponga-Fevedouro Km 15, 36594-000 Araponga MG, tel 32 3721 7491, atuando com conservao de biodiversidade; Depto de Eng Florestal, Universidade Federal de Viosa, 36570-000, Viosa, MG, tel: (31) 3899 1191 atuando com seqestro de carbono, Empresa Estadual de Pesquisas Agropecurias, Vila Gianetti, 36570-000 Viosa MG, tel 31 3891 2646, atuando com pesquisas; municpios de Rosrio da Limeira, Murie, Miradouro, Fervedouro, Divino, Sericita, Pedra Bonita, Araponga e Ervlia, Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e outras

Projeto de Pagamento por Servios Ambientais na Serra do Brigadeiro

PARTE A

1. Identificao Instituio Proponente contendo:

Nome: Associao Amigos de Iracambi

Endereo: Caixa Postal 01, Rosrio da Limeira MG, CEP: 36878-000

CNPJ:03.412.130/0001-20

Inscrio Estadual: isento

Telefone: (32) 3723 1297 e (31) 3956 0454

Email: [email protected]

Nome: Robin Le Breton

CPF: 583.188.284-53

Cargo do responsvel: Assessor tcnico

2. Nome e qualificao do responsvel pela coordenao dos trabalhos:

Elisa de Jesus Garcia. Anterior Secretria Executiva do Territrio da Serra do Brigadeiro, graduada da Universidade Federal de Viosa.

3. Local ou regio de atuao da entidade proponente (parceria, consrcio):

Territrio de Desenvolvimento Sustentvel da Serra do Brigadeiro - Zona da Mata - Minas Gerais.

4. Experincia de trabalho da instituio proponente com aes similiares s propostas em atendimento Chamada (devem ser anexadas publicaes, recortes de jornal ou outros materiais que comprovem a experincia).

A Associao Amigos de Iracambi foi criada em 1999 com o intuito de apoiar conservao da Mata Atlntica na regio da Serra do Brigadeiro na Zona da Mata mineira. Iracambi iniciou um programa de educao ambiental no municpio de Rosrio da Limeira quando ainda no existia no currculo da educao do Estado e divulgou tecnologias de conservao do meio ambiente aos produtores rurais locais

Iracambi teve um papel fundamental na criao de um conselho municipal de meio ambiente e outro de desenvolvimento rural sustentvel de Rosrio da Limeira. Foi Iracambi que deu impulso ao municpio de criar um Cdigo Municipal de Meio Ambiente. Em polticas pblicas, Iracambi tem atuado com bastante desempenho e est representado no Conselho Estadual de Polticas do Meio Ambiente (COPAM), no Conselho Administrativo do Instituto Estadual de Florestas, no Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, no Conselho Administrativo do Circuito Turstico Serra do Brigadeiro, no Conselho Gestor de reas de Proteo Ambiental de Rosrio da Limeira e de Muria, alm de outros conselhos locais e municipais.

At 2008, Iracambi trabalhou com um programa de estimular o desenvolvimento de plantas medicinais nativas com objetivo de usar os recursos naturais em propriedades rurais da regio para gerar renda e, assim, incentivar os proprietrios de melhor conservar esses recursos. O projeto teve o apoio de uma doao de EU $65.000 da Fundao Manfred Hermsen, de Alemanha.

Entre 2004 e 2009, Iracambi recebeu doaes de EU $25.000 da organizaao internacional Companheiros das Amricas, em apoio das atividades de educao ambiental que Iracambi executava junto com escolas municipais e estaduais da regio. O programa foi suspenso quando as escolas resolveram concentrar as atividades mais em reas urbanas.

A partir de 2007, a Associao vem executando o projeto Capacitao Comunitria na Serra do Brigadeiro com recursos de uma doao da Fundao Inter-Americana de EU$ 290.000. Um componente desse projeto dedica-se ao fortalecimento das reas de Proteo Ambiental (APAs) do entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. Na execuo do projeto, Iracambi trouxe, pela primeira vez na regio, a tcnica do Diagnstico Rrural Participativo (DRP), que ela vem aplicando com muito xito. Tambm, fortaleceu o Sistema de Informaes Geogrficas (SIG), j existente, no qual esto mapeados os detalhes geogrficas das APAs. O alcance do projeto atual e limitado aos 05 municpios afetados pelo minerao de bauxita e, assim, no vai chegar a levar todas as APAs ao nvel mximo de qualidade.

Desde 2009, Iracambi atua em parceria com a entidade CEPEC (Centro de Pesquisas e Promoo Cultural) de Araponga - MG, e apoio do Ministrio do Turismo, visando o desenvolvimento do turismo de base comunitria em 30 pequenas propriedades rurais e estruturas de apoio localizadas no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro.

Finalmente, em setembro de 2010, o projeto de Iracambi, para a criao de uma rede de conservao de terras privadas no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, foi uma das seis propostas escolhidas nacionalmente para o apoio da Fundao SOS Mata Atlntica, em consrcio com a Conservao Internacional Brasil e a The Nature Conservancy, no mbito do Programa de Fortalecimento Institucional e de Incentivo a Criao de Reservas Particulares do Patrimnio Natural na Mata Atlntica. O projeto est atualmente em execuo.

O Centro de Pesquisas Iracambi vem estudando vrios assuntos relacionados ao meio ambiente e aos servios ambientais. A relao dos estudos est anexado. Os estudos, em formato digital, se encontram no CD acompanhando essa proposta. Nos arquivos digitais, acompanhando a proposta, tambm, se encontram as matrias publicadas, bem como uma relao fotogrfica de nossas atividades.

5.Qualificao profissional da equipe envolvida nos trabalhos, anexando os currculos no caso de profissionais que atuaro no Projeto ou termos de referncia, detalhando a qualificao exigida para a contratao dos profissionais.

Currculo do Responsvel pelo projeto (Robin Le Breton) em anexo, bem como o da Coordenadora do Projeto, Elisa Garcia.

O termo de referncia para os demais tcnicos do projeto encontram em formato digital no CD anexado.

6.Comprovao do comprometimento/anuncia do(s) rgo(s) pblico(s) com as atividades e estudos propostos (quando for o caso).

Anexado cartas de apoio de:

- Universidade Federal de Viosa

- Instituto Estadual de Florestas

- Prefeitura Municipal de Rosrio da Limeira

PARTE B

1. Antecedentes e justificativa da proposio

A Mata Atlntica uma das regies com a maior taxa de biodiversidade no mundo. Tambm abriga quase 70% da populao do Brasil (Conservation International 2007) e gera 80% do PIB do pas. Essas presses fizeram com que a cobertura florestal fosse reduzida a menos de 8% do tamanho original, ameaando os fragmentos remanescentes (Ministrio do Meio Ambiente 1999, citado em Morellato & Haddad 2000). Este ecossistema se estende por quatorze estados na costa leste brasileira, abrigando uma das mais altas taxas de endemismo do planeta (e.g., Myers 1988). Grande parte das espcies ameaadas do Brasil so endmicas na Mata Atlntica. Devido sua alta biodiversidade, grande nmero de endemismos e a alta taxa de destruio, foi designada pela UNESCO, em 1992, como Reserva da Biosfera Internacional.

Toda a rea do projeto se encontra dentro da rea de influncia da Serra do Brigadeiro, bioma onde predomina a fisionomia vegetal de Floresta Estacional Decidual e reconhecido como um da mais alta prioridade para conservao em Minas Gerais, de acordo com o Atlas de Biodiversidade. A Serra do Brigadeiro o maior macio rochoso de cadeias montanhosas do estado de Minas Gerais.

O decreto original estabelecendo o Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (PESB) baseou-se na a cota dos 1.000 metros com limite inferior do Parque. A rea original teria sido por volta de 30 mil hectares. Entretanto, em virtude do fato de que essa base incluiria grande nmero de agricultores familiares com pequenas propriedades, o Instituto Estadual de Florestas reformulou os limites da unidade de conservao e ela foi homologada no ano de 1996 com uma rea total de 13.400 hectares. Com a regularizao dos limites, esta UC atualmente ocupa uma rea de aproximadamente 15 mil hectares.

O desmatamento na zona de amortecimento do PESB resultou em degradao ambiental severa incluindo a perda de fertilidade do solo, eroso e desabamentos de terra, ndice aumentado de incndios florestais, deteriorao de recursos hdricos e ameaa a extino de espcies em larga escala. A presso da agricultura, agravada pelos aumentos em custos de insumos, faz com que os produtores super-explorem suas terras, ou desmatam ainda mais para que possam sobreviver, agravando o problema.

Nas reas descritas nessa proposta, a atividade de destaque a agricultura familiar. Todavia, o modelo insustentvel predominante leva a srias dificuldades sociais, econmicas e ambientais. Famlias de produtores que continuam a empregar prticas exploradoras no podem mais sobreviver, sendo foradas a migrar para as cidades que no possuem a capacidade a absorv-los. Para agravar este cenrio, a agricultura familiar na Serra do Brigadeiro enfrenta um desafio junto ao processo j iniciado de minerao da bauxita, ou seja, um delicado conflito entre as prioridades no uso dos recursos naturais na regio. Apesar de a minerao ser uma atividade presente na zona de amortecimento do PESB, curiosamente esta rea caracterizado como zona de proteo especial de acordo com o Zoneamento Ecolgico Econmico de Minas Gerais.

A atividade principal dos produtores rurais da regio a cafeicultura, seguida em segunda lugar pela bovinocultura. Por motivos da sua baixa produtividade e rentabilidade, ambas atividades tenham contribudo bastante degradao ambiental, incluindo com um impacto negativo nos recursos hdricos.

Na medida que os preos de caf foram diminuindo, o preo dos insumos para a produo foram subindo e as linhas de crdito subsidiado foram ficando escassas, se tornava cada vez mais difcil manter suas rendas, e os agricultores foram obrigados a usar mtodos culturais cada vez mais destrutivos ao meio ambiente.

A perda de solo pela eroso de lavouras desprotegidas provavelmente supera 50 toneladas por hectare ao ano, acabando todo acumulado nos crregos e tambm invadindo lavouras e pastos at s margens de muitos crregos, resultando no esgotamento de nascentes e assoreamento de rios. Ao mesmo tempo, embora proibido desde muitos anos, o desmatamento incentivado pela necessidade econmica dos pequenos proprietrios rurais tem reduzido muito o tamanho dos fragmentos florestais e, assim, a capacidade da cobertura vegetal de captar guas pluviais.

Entretanto, vemos o grande interesse da populao em geral, nas questes ambientais dado a importncia da conservao da mata remanescente para a essencial preservao da gua. A regio da Serra do Brigadeiro esta inserida nas bacia hidrogrficas dos Rio Paraba do Sul e Rio Doce, cursos hdricos extremamente importantes para abastecimento humano na regio Sudeste do pas.

O projeto seria o primeiro passo para uma mobilizao de toda comunidade na conscientizao e preservao dos recursos hdricos nos sentidos de captao, desperdcio e reuso das guas.

Mudanas climticas trazem outras ameaas. Alm de eventos meteorolgicos extremos chuvas mais fortes, secas mais prolongadas que prejudicam um ambiente j estressado, o aumento na temperatura mediana de 2 graus Celsius reduzir o potencial, por exemplo, das plantas de caf de frutificar, enfraquecendo a maior atividade econmica das famlias rurais dessa regio.

Uma reportagem recente (Setembo de 2010) do Ministrio do Meio Ambiente relata que Dados da Organizao das Naes Unidas constatam que mais da metade da populao mundial est nas cidades e j responsvel pelo consumo de 70% de todos os recursos que o homem retira da natureza. At 2050, com a estimativa de que a populao do planeta supere 9,2 bilhes, a Terra ter 6 bilhes de habitantes, quase 90% da populao atual, vivendo no espao urbano. Diante desses nmeros, governos estaduais, prefeituras e comunidades precisam reconhecer o valor do capital natural (gua, solo, biodiversidade). Os formuladores de polticas pblicas tm razes de sobra para tentar encontrar, o mais rpido possvel, solues de combate degradao dos ecossistemas e minimizao da perda da biodiversidade.

O desafio para a conservao seria desenvolver mecanismos apropriados para ajudar as famlias rurais a restaurarem seu ambiente para que possam prover o meio de vida sustentvel para suas famlias e para as geraes vindouras. Enquanto o novo modelo de produo agrcola no for capaz de sustentar a agricultura familiar como fornecedores principais de alimentos para as cidades - funo cada vez mais assumida pela agricultura comercial - um papel novo surgir para os produtores como fornecedores de servios ambientais s populaes urbanas.

A regio de abrangncia deste projeto proposto est diretamente relacionada com reas de recarga hdrica de suma importncia para o abastecimento de gua e produo de energia eltrica para aproximadamente 150 mil pessoas.

Alm do Parque Estadual, existem outras Unidades de Conservao na rea do projeto: o Parque Municipal do Pico de Itajuru de 200 h em Muria, as reas de Proteo Ambiental da Serra das Aranhas e da Babilnia no Municpio de Rosrio da Limeira, a APA do Pico de Itajuru, no Municpio de Muria, tambm as reas de Proteo Ambiental nos municpios de Ervlia, Araponga, Sericita, Pedra Bonita, Fervedouro, Divino e a Reserva Particular de Patrimnio Natural de Iracambi com 70 ha. O Municpio de Miradoro est no processo de constituio de mais uma APA municipal, sob orientao de Iracambi.

Os nove municpios que constituem a zona tampo ao redor do Parque Estadual, e cujas economias e estruturas sociais so semelhantes, integram o Territrio Rural da Serra do Brigadeiro, criado no mbito do programa do Ministrio de Desenvolvimento Agrrio em busca de polticas de desenvolvimento ecologicamente sustentvel para a regio. O plano de desenvolvimento rural sustentvel do Territrio da Serra do Brigadeiro, dentre os seus cincos eixos temticos, tem como prioridade o eixo preservao do meio ambiente. Iracambi considera que este eixo, uma oportunidade para que o Territrio tenha foco na temtica dos Pagamentos por Servios Ambientais.

Iracambi entende que o desenvolvimento deste projeto proposto ir fortalecer iniciativas em prol da valorizao dos diversos servios ambientais j presentes no dia a dia da populao residente ao longo da Serra do Brigadeiro, como por exemplo o Programa Merenda Escolar, que adquiri no mnimo 30% de produtos orgnicos dos agricultores, o Programa Bolsa Verde que premia proprietrios rurais por recuperar ou manter reas de cobertura vegetal nativas, o Projeto de Turismo de Base Comunitria que orienta os agricultores a conservarem ou restaurarem as belezas cnicas naturais e socioculturais presentes em suas propriedades, como tambm o Projeto de RPPNs que sensibiliza, mobiliza e orienta os proprietrios rurais a enquadrarem parcelas de sua propriedade em reas protegidas e a receberem recursos do ICMS Ecolgico. O projeto de lei que tramita no congresso sobre a Poltica Nacional de Pagamentos por Servios Ambientais ser um mecanismo essencial para legitimar iniciativas citadas acima como tambm dando maiores subsdios para que o projeto proposto por Iracambi tenha sustentabilidade em curto prazo.

Iracambi possui credibilidade suficiente para desenvolver e expandir uma proposta de projeto piloto como esta, pois h vrios anos a OSCIP vem participando ativamente em conselhos representativos, tais como o Conselho de Poltica Ambiental do Estado de Minas Gerais, o Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e o Grupo Gestor do Territrio Rural da Serra do Brigadeiro. Tambm, ela suplente no Conselho Administrativo do Instituto Estadual de Florestas, membro da Rede das ONGs da Mata Atlntica e do Frum das ONGs Mineiras. Alm disso, desde 2007, a OSCIP executa um projeto de capacitao comunitria em 05 dos 09 municpios do Territrio, apoiado pela Fundao Interamericana (IAF), gerando resultados como a realizao do I Seminrio de Pagamento por Servios Ambientais do Territrio da Serra do Brigadeiro, envolvendo aproximadamente 100 pessoas entre representantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente (IEF/PROMATA, IGAM), da Universidade Federal de Viosa, das prefeituras municipais, dos agricultores, dos estudantes e de ONGs parceiras, como o CTA-ZM.

2. Objetivo(s).

2.1 Objetivo Geral

Estruturar a base, com a competncia tcnica, as ferramentas necessrias e credibilidade, para planejar, negociar e implantar um programa territorial de pagamento por servios ambientais na Serra do Brigadeiro.

2.2 Objetivos Especficos

2.2.1 Implantar uma administrao eficiente para o programa PSA;

2.2.2 Identificar os parceiros identificados e consolidar o acordo consensual entre eles

2.2.3 Informar os parceiros e capacitar os participantes

2.2.4 Definir a base tcnica do programa; confirm-la por estudos e apontar estudos futuros

3. Cartografia com o polgono(s)

No Google Earth:

http://www.iracambi.com/earth/portuguese.html

A pgina:

http://www.iracambi.com/earth/Pkml/APAs_territrio.kmz

mostra a rea de interveno do projeto proposta, incluindo o Territrio da Serra do Brigadeiro, o Parque Estadual e as reas de Proteo Ambiental.

Na pagina http://www.iracambi.com/earth/Pkml/ encontra-se a lista das demais imagens disponveis no Google Earth.

4. Atividades a serem realizadas

Consideraes Gerais

No um segredo que a inspirao para este projeto vem em grande parte do projeto "Conservador de gua" que opera no municpio de Extrema, MG. L, o conceito do projeto foi planejado e desenvolvido durante dez anos antes de o projeto comear a fazer os pagamentos aos agricultores. Durante esse perodo de dez anos, a gesto do projeto, os acordos operacionais e as modalidades de financiamento foram criados, bem como a base tcnica para medir os seus resultados e monitor-los.

O conceito do projeto, aqui apresentado, a fase de planejamento de um Programa de PSA que, futuramente, passar a ser a linha principal de desenvolvimento rural sustentvel no Territrio Serra do Brigadeiro. Embora o horizonte do presente projeto esteja de curto prazo (de 17 meses), considera-se na premissa de que ele ser seguido em fases subseqentes.

Para atingir a massa crtica necessria para fazer um projeto desta natureza, ele requer a interao de um grande nmero de parceiros. Embora as parcerias sejam desejveis para garantir a demanda para um projeto, elas so plantas delicadas que precisam de carinho. Muitas vezes, projetos no conseguem costurar as parcerias necessrias porque no houve recursos suficientes para esta atividade. Em um projeto como o da Serra do Brigadeiro, o arranjo organizacional ainda mais complicado pelo fato de que o projeto vai atuar em nove municpios, cada um com suas prprias agendas polticas e com os seus horizontes limitados pelo prazo de seus mandatos.

4.1 Administrao do Projeto

Essencial a uma entidade colaborativa com parcerias multiplas, como o prprio territrio, a construo de confiana mtua entre os parceiros. Podem-se destacar dois fatores importantes: a apropriao do programa e a transparncia. Um gerenciamento colegiado promove estes conceitos, tendo, porm, o custo de um sistema de gesto menos eficiente. Para isso, o projeto precisa de uma administrao forte e credvel, com um mandato firme, para ser gil na negociao de parcerias. Deve ser reconhecido, por todos os parceiros, que um projeto complexo dessa natureza exige um investimento adequado na estrutura de gesto.

O projeto precisa de um bom trabalho de coordenao em tempo integral e pessoal de apoio, tambm em tempo integral. Visto que a base conceitual de pagamento por servios ambientais visa provocar mudanas tcnicas apreciveis, o projeto precisa de um tcnico adequadamente formado para os servios ambientais de gua e biodiversidade, para administrar o contedo tcnico do projeto. Outros tcnicos trabalharo em contato direto com os agricultores atravs de visitas tcnicas e reunies.

A gesto do projeto deve ser apoiada por uma assessoria jurdica para elaborar acordos de cooperao e para construir um mecanismo apropriado para a execuo do projeto. Desde que o Territrio, da maneira que ele se encontra estruturado hoje, no tem personalidade jurdica, ele no pode realizar atos jurdicos em seu prprio nome. O projeto precisa ter a capacidade de fazer isso. Isso exigir uma forma diferente de acordo, como um consrcio ou associao, para quem a gesto ser contratada e por quem bens e servios podem ser adquiridos. Este organismo tambm pode determinar a instncia de superviso do projeto, continuando, se for adequado, a experincia do Territrio, com o seu Conselho e seu Grupo Gestor.

A fim de assegurar a continuidade do Programa de PSA, cuja primeira fase compreende a implantao das atividades aqui previstas , o projeto precisa tomar medidas na busca de garantir que os fundos estaro disponveis para a continuao. O projeto inclui, portanto, a contratao de um profissional para captao de recursos para a fase subseqente. Isso envolver a busca de patrocnio, alistando parceiros comerciais e apresentando propostas de financiamento quando as oportunidades surgirem. Ao mesmo tempo, o programa PSA precisa buscar patrocnio de empresas interessadas em compensaes ambientais, reduzindo as suas pegadas de carbono apoiando atividades de restaurao florestal. Esta uma outra forma de atender demanda para seqestro de carbono, sem ter o nus de enfrentar o mercado de crdito do carbono. O profissional responsvel pela captao de fundos tambm assumir a responsabilidade dessa tarefa.

Os resultados esperados dessa atividade so:

- um contrato social assinado e registrado, definindo a organizao que vai orientar o projeto;

- o regimento interno da organizao aprovado por ela;

- o plano de financiamento da segunda fase do Programa PSA elaborado e as propostas para os financiadores encaminhadas;

- parceiros e patrocinadores identificados para apoiar ao programa PSA

4.2 Criando Parcerias

O acordo de parceria incluir, necessariamente, parceiros em locais mais distantes, sendo assim a gesto do projeto deve ter um oramento adequado que permita a realizao de visitas a estes locais, bem como, obviamente, disposio adequada, para viagens em todo Territrio. Finalmente, considerando que o projeto um pioneiro em introduzir novos conceitos em projetos de desenvolvimento, essencial que tenha um intercmbio com iniciativas similares em outras partes do pas, bem como a possibilidade de divulgar seus prprios resultados.

Os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais devero ser um dos principais parceiros no projeto, uma vez que so os principais representantes das populaes rurais. Tambm participaro os governos municipais, os comits de bacias e seus fundos para o investimento em gesto de bacias, o Instituto Mineiro de Gesto das guas, as empresas estaduais e municipais de distribuio de gua, o Instituto Estadual de Florestas, a Empresa Mineira de Assistncia Tcnica e Extenso Rural (EMATER), a Empresa Estadual de Pesquisas Agropecurias (EPAMIG) e a Universidade Federal de Viosa.

Neste momento, o mercado de crditos de carbono ainda no oferece oportunidades para um programa como esse. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, na base do Protocolo de Quioto, continua fora do alcance de projetos locais e o mercado voluntrio ainda est definindo critrios para poder atender a tais programas. Mesmo assim, deveremos nos preparar para o momento em que o mercado voluntrio venha a funcionar, e por isso, se mantm os contatos j realizados com potenciais parceiros futuros. Nesse intuito, o projeto tem como intuito atualizar o contato anterior com a Fundao Plan Vivo para fins de preencher os demais requisitos a serem includos no regime da Fundao de certificao. Ao mesmo tempo, o projeto utilizar esse certificado na negociao da venda de carbono para compradores que sero definitivamente identificados durante a execuo do projeto.

preciso ficar claro que o projeto pretende desenvolver parcerias de longo prazo que sero fundamentais para o Programa de PSA. No uma questo de simplesmente arranjar entendimento de curto prazo que no iro sustentar o Programa de PSA.

Os resultados esperados dessa atividade so:

- convnios de parceira assinados entre os parceiros do projeto, definindo o papel de cada;

- acordos de princpios para a venda de crditos de carbono e para a certificao de qualidade;

4.3 Capacitar Parceiros

Para um projeto desta natureza, com mltiplos parceiros e um grande nmero de beneficirios, absolutamente essencial que os participantes entendam o significado das aes. tambm essencial o conceito de transparncia para garantir a participao social nas aes e para construir um entendimento comum dos princpios do projeto - o que se pretende fazer, por que e como ele funciona.

Trs nveis de capacitao so necessrios. Um para os gestores do Territrio: Prefeitos, Cmaras de Vereadores e outros lderes civis. Esta capacitao deve centrar-se nos conceitos, fundamentos, a relao do projeto com o contexto poltico-social, e sua base legal. Uma capacitao ser suficiente para alcanar todos os intervenientes. Uma segunda parte ser direcionada a equipe tcnica do projeto e as organizaes parceiras. Esta incidir sobre os aspectos tcnicos do projeto quais as atividades que sero financiadas pelo projeto, quais sero os agricultores elegveis e para quais benefcios, como o monitoramento ser realizado, etc. O nmero de pessoas a ser alcanado por esta capacitao ser maior e ter a necessidade de ser realizada em vrias instncias.

A terceira etapa de capacitao ser para as comunidades e agricultores participantes. Aqui, o foco estar sobre a aplicao do projeto, o que os agricultores podem esperar para receber do projeto e o que eles tero que fazer a fim de serem elegveis para os benefcios. Esta capacitao deve ser realizada nas comunidades rurais localizadas no entorno do PESB.

Um trabalho concomitante para divulgao das aes do Programa e do conceito de PSA ser feito em colaborao com as escolas locais. Ser necessria a publicao de folhetos informativos a serem distribudos atravs das agncias que tm um alcance nas comunidades rurais. Estes incluem a agncia estadual de extenso rural, os bancos cooperativos, o sindicato dos trabalhadores rurais e os departamentos municipais de agricultura e meio ambiente.

Os resultados esperados dessa atividade so:

- ao nvel dos tomadores de decises, um ncleo criado de pessoas com entendimento dos princpios do programa PSA;

- ao nvel dos tcnicos dos rgos parceiros, criado um conhecimento da maneira que funciona o programa PSA;

- ao nvel comunitrio, um entendimento do o que o programa, quais os possveis benefcios dele, e quais as atividades apoiadas pelo programa;

- ao nvel estudantil, o reconhecimento do termo pagamento por servios ambientais;

4.4 Estudos e levantamentos

A experincia do projeto em Extrema mostra claramente a necessidade de um bom planejamento. O assunto complexo e os atores diversos. Iracambi vem pensando na idia de um projeto PSA h vrios anos e j realizou uma srie de estudos preliminares, relatados na lista em anexo.

Como base para a construo de um consenso entre todos os participantes do projeto, tem que haver compreenso geral do conceito de servios ambientais e de quem deve pagar por eles. Para muitas pessoas na Serra do Brigadeiro, o conceito novo: uma crena comum de que a gua, por exemplo, um bem livre para que ningum devesse ter que pagar. Se isso realmente a opinio de consenso (mesmo que contradiz a lei federal), no ser possvel construir um sistema de PSA, que inclui o pagamento de gua. preciso, tambm, compreender claramente a diferena entre os pagamentos por servios e os investimentos na melhoria dos servios. Dessa maneira preciso construir uma deciso poltica no sentido de determinar quem responsvel para cada um destas medidas.

Para todas as aes, o projeto vai precisar de um completo banco de dados geogrficos. Uma parte deste j existe no Sistema de Informaes Geogrficas de Iracambi e algumas lacunas no acervo de imagens sero preenchidas em breve com a aquisio de imagens adicionais com recursos prprios de Iracambi. O objetivo principal deste ser identificar reas prioritrias para conservao. Para completar o sistema, o projeto ter de adquirir as imagens de satlite das reas do Territrio Rural da Serra do Brigadeiro que ainda faltam e realizar os correspondentes levantamentos de campo.

Ser necessrio montar um acervo de mapas de todas as propriedades, mostrando, em uma, as reas de Reserva Legal (RL) j averbadas e as reas de Proteo Permanente (APPs). Este ltimo no apresenta um obstculo srio uma vez que a Universidade Federal de Viosa j desenvolveu um software que determina automaticamente a APPs das curvas de nvel. O projeto de construo da rede de conservao de terras privadas na Serra do Brigadeiro, atualmente sendo executado por Iracambi, com o apoio da SOS Mata Atlntica, CI-Brasil e TNC vai aprofundar ainda mais o conhecimento da regio, bem como aumentar as reas elegveis, pelo projeto de Lei federal, para benefcios do programa federal.

4.4.1 gua

Iracambi j realizou um estudo piloto sobre a disposio de pagar, mas o estudo dever ser atualizado e uma anlise econmica dos nveis de pagamento aos produtores de gua precisa ser feito. A proposta de lei federal, tambm, introduz algumas alteraes no cenrio previsto pelo Iracambi no momento em que realizou seu estudo. A relao entre a conservao da floresta - ou, mais corretamente, a conservao de fragmentos florestais e a produo de gua precisam ser estabelecidas nas condies da regio. Para efeitos de um lanamento rpido do projeto, um estudo documental de pesquisas feitas em outros lugares provavelmente ir dar respostas suficientes para permitir uma estimativa dos valores sobre os quais a base da taxa de pagamento poderia ser estabelecida.

4.4.2 Carbono

Como j foi comentado acima, no vemos, neste momento, oportunidades para a venda de crditos de carbono, mas estamos conscientes da necessidade de nos preparar para o momento em que o mercado comear a funcionar em nosso favor. A Universidade Federal de Viosa j realizou alguns estudos sobre o seqestro de carbono na regio que poderiam ser relacionados especificamente ao mercado de crdito de carbono. A mesma informao ser parte essencial do estudo que o projeto ir realizar, de modo a definir a linha de base contra a qual os resultados das aes do projeto sero avaliados em termos de seqestro de carbono.

Iracambi no tm a capacidade de realizar um programa de monitoramento de GEE, mas est disposta a ser um parceiro nesse programa. No Centro de Pesquisas Iracambi, j foram iniciados estudos sobre o crescimento da floresta e, tambm, o acompanhamento da sade do ecossistema pelo uso de indicadores biolgicos. Consideramos esses estudos uma contribuio a qualquer futuro programa relacionado com o controlo das emisses de GEE.

Biodiversidade

No necessrio realizar mais estudos especficos sobre a biodiversidade para fins de execuo do projeto. A importncia relativa dos recursos biolgicos do Estado de Minas Gerais foi avaliada pelo Atlas de 1998, revisto em 2005. L, constata-se que a Serra do Brigadeiro uma regio de extrema importncia biolgica para o Estado. Vai ser necessria uma avaliao do valor econmico da biodiversidade: no est includa na presente proposta para no duplicar a iniciativa de outra entidade, parceira no Territrio Rural da Serra do Brigadeiro.

Os resultados esperados dessa atividade so:

- um mapeamento e levantamento dos recursos hdricos do Territrio;

- para a finalidade de calcular os custos e benefcios do programa PSA, obter uma estimativa da quantidade de gua contribuda pelos nascentes na Serra do Brigadeiro para a bacia do Rio Paraba do Sul e o Rio Doce;

- definir a linha de base para a avaliao do futuro impacto do projeto.

- uma indicao da aceitao, pela populao de consumidores de gua, de um acrscimo taxa atual cobrada pela empresa fornecedora de gua na cidade de Murie, maior centro populacional da regio da Serra do Brigadeiro.

- uma base tcnica para calcular a quantidade promdia de carbono capturvel em um hectare de mata tpica da regio do Serra do Brigadeiro

- um plano do esquema de monitoramento a ser implantado durante o projeto

5. Cronograma de Execuo

SERRA DO BRIGADEIRO - PROJETO PSA

CRONOGRAMA

MS

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

1. ADMIN

contratar gerente

X

contratar tcnicos

X

X

contratar assessor jurdico

X

propor convnios

X

X

X

propor contrato social Territrio

X

X

negociar com parceiros

X

X

X

X

X

X

X

seminrio

X

relatrio meio-termo

X

relatrio final

X

X

2. CRIAR PARCERIAS

Reunies Prefeituras municipais

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

reunir com ANA

X

X

reunir com IGAM

X

X

reunir UFV

X

X

X

X

X

reunir IEF

X

X

X

X

reunir EMATER

X

X

X

X

X

reunir Bacias

X

X

X

X

X

reunies conselhos APAs

X

retomar contato com Vivo

X

X

3. CAPACITAO

Contratar consultor

X

Preparar matrias

X

Capacitao lideranas

X

Capacitao tcnicos

X

X

Capacitao comunidades

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

4. ESTUDOS

capacitar estagrios

X

Gerenciar SIG

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

levantamentos

X

X

X

X

adquirir imagens

X

pesquisa com UFV

X

X

X

X

Estudos captura de carbono

X

X

X

Est contrib mata cons gua

X

X

X

Disponibilidade p pagar

X

X

X

6. Oramento e memria de clculos

Em fomato digital, na planilha de Excel

ANEXO I

Termo de Referncia do Tcnico em Seqestro de Carbono

Currculo do Assessor Principal

Currculo da Coordenadora do Projeto

Termo de Referncia do Tcnico em Produtor de gua

Termo de Referncia do Coordenador do Projeto

Termo de Referncia do Responsvel para Sustentabilidade Financeira

ANEXO II-1

Currculo Resumido

ROBIN LE BRETON

Fazenda Iracambi, Caixa Postal No 1, Rosrio da Limeira, 36878-000, MG

Tel/Fax: 032 3723 1297

email: [email protected]

www.iracambi.com

Formao profissional: Mestrado de Gerenciamento Ambiental da Wye College, Universidade de Londres, Mestrado em Economia Rural da Universidade Estadual de Iowa, nos EUA, e Mestrado em Direito da Universidade de Oxford, na Inglaterra. Idiomas: ingls, portugus, espanhol e francs. Nacionalidade: brasileira

Nascido no Qunia, Robin trabalhou como economista rural do Banco Mundial em quatro continentes e mudou-se para o Brasil ao convite do governo brasileiro para trabalhar na SUDENE. Trabalhou como consultor em Amrica Central e Amrica do Sul, frica Oriental, Central e os paises da regio Sul junto com a PNUD, GEF, FAO e IFAD.

Decidiu radicar-se no Brasil, naturalizou, montou a fazenda com o intuito de desenvolver um trabalho sustentvel numa rea de florestas fragmentadas, e fundou o Centro de Conservao e Pesquisas Iracambi e a ONG Iracambi, agora OSCIP. O trabalho enfoca quatro reas principais:

Manejo Sustentvel de Terras (Projeto da Fundao Inter Americana, Projeto SIG)

Gerao de Rendas Sustentveis (Pagamento para Servios Ambientais, Sistemas AgroFlorestais)

Educao, Capacitao e Pesquisas Biolgicas e Sociolgicas

Restaurao das florestas (Corredores Florestais, Plantio de rvores Nativas)

Em termos de liderana Robin vem desempenhando um papel importante no municpio de Rosrio de Limeira, Minas Gerais. Ajudou na criao do conselho municipal de desenvolvimento rural sustentvel, trabalhando na conscientizao coletiva das comunidades e estimulando novas maneiras de reflexo sobre as prioridades e necessidades das famlias que praticam agricultura de subsistncia em uma rea isolada e montanhosa na Mata Atlntica. Fundou a ONG em 1999, com intuito de trabalhar com as comunidades para tornar a conservao da floresta mais atrativa que sua destruio. Entre as novidades introduzidas pela ONG se destacam:

1. primeiro programa de educao ambiental da regio,

2. primeiro programa SIG (Sistema de Informao Geogrfica) que fornece dados geogrficos para os programas de desenvolvimento municipal,

3. apoio fundamental criao e desenvolvimento de duas APAs (reas de Proteo Ambiental) em reas criticas para conservao,

4. primeiro seminrio sobre pagamento para servios ambientais,

5. primeiro programa de diagnostico participativo rural....

Esse trabalho todo foi desenvolvido no contexto de um municpio emancipado em 1996, totalmente privado, na poca, de recursos humanos e financeiros, com uma s pessoa com terceiro grau completo (alm do Robin e esposa.)

O projeto principal da ONG (financiado pela Fundao Inter Americana) enfoca conservao, capacitao e gerao de rendas sustentveis em cinco dos nove municpios do Territrio de Desenvolvimento Rural da Serra do Brigadeiro, consolidando e expandindo o processo de capacitao e aumento de auto confiana construdo ao decorrer dos ltimos dez anos.

Conhecido na rea de avaliao de impactos ambientais, sociais e econmicos, principalmente em projetos de infra-estrutura, extrao de recursos naturais e mudanas de uso de terra, o trabalho de Robin virou referncia, tambm, na questo de minerao de bauxita na rea de conservao da Serra do Brigadeiro, sendo que Iracambi se tornou um dos membros chave na Comisso dos Atingidos pela Minerao. Robin tambm conselheiro do COPAM (Conselho de Poltica Ambiental do Estado conselho que avalia e acompanha os processos de licenciamento ambiental), alm de ser Vice Presidente do Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. Ele tem uma gama de experincia muito grande, trabalhando, por um lado, nas polticas pblicas em vrios paises, e por outro lado com p no cho conciliando as demandas de desenvolvimento e conservao de recursos naturais.

Alm de ser cidado honorrio do municpio (honra compartilhada com o Vice Presidente da Repblica, Jos Alencar, Robin conselheiro do

Instituto Estadual de Florestas: IEF

Conselho de Poltica do Meio Ambiente: COPAM

Parque Estadual da Serra do Brigadeiro

Territrio de Desenvolvimento Rural da Serra do Brigadeiro

O currculo completo se encontra no sistema Lattes.

ANEXO II-2

CURRICULUM VITAE

Elisa de Jesus Garcia

DADOS PESSOAIS

Nome: Elisa de Jesus Garcia

Nascimento: 20/05/1985

Estado civil: Solteira

CPF: 071.401.046-46 RG: MG 13.502.673

CNH: B

Endereo Residencial: Avenida Marechal Castelo Branco, 1331. Apartamento 203.

Bairro Santo Antnio. Viosa MG. CEP: 36.570-000.

Telefone: (31) 84923069 e (32) 84026618

Email: [email protected]

IDIOMAS

Ingls Intermedirio (Curso em andamento)

Espanhol bsico

Francs bsico (Curso em andamento)

INFORMTICA

Domnio sobre o sistema operacional Windows e conhecimento sobre o sistema Linux

Domnio sobre o Pacote Office (MS Word, MS Excel, MS PowerPoint)

Domnio da Internet (Navegadores Explorer. Mozilla Firefox, Chrome)

FORMAO ACADMICA

Graduao em Histria (Licenciatura e Bacharelado)

Incio em 2003. Trmino Agosto de 2008.

Universidade Federal de Viosa, UFV, Minas Gerais, Brasil.

EXPERINCIA PROFISSIONAL

2010 - Associao Amigos de Iracambi (OSCIP) Consultora para Captao de Recursos-Projeto Rede de Conservao de Terras Privadas no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro (MG), financiado pela SOS Mata Atlntica. 6 meses.

Funes: Acompanhamento e Anlise de Editais; Elaborao de Projetos; Inserir e acompanhar informaes no Sistema de Convnios - SICONV, do Ministrio de Planejamento e Gesto.

2007 a 2010 - Ministrio do Desenvolvimento Agrrio - Articuladora Territorial/Assessora Tcnica do Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentvel de Territrios Rurais, no Territrio da Serra do Brigadeiro. Dedicao Exclusiva. 42 meses.

Funes: Oferecer o apoio tcnico e administrativo s aes territoriais, dando suporte permanente ao funcionamento das instncias e s entidades executoras na elaborao dos Planos de Trabalho e no encaminhamento da documentao junto aos rgos competentes; Coordenar e encaminhar o processo de negociao de programas, projetos e aes orientados para o desenvolvimento sustentvel do territrio; Articular e apoiar os arranjos institucionais que, no mbito do territrio, sero responsveis pela elaborao, implantao e operao dos projetos especficos; Fazer a interlocuo do Grupo Gestor com os Poderes Pblicos Federal, Estadual, Locais e com os Movimentos Sociais; Mobilizar, envolver e apoiar os Atores Sociais do territrio para garantir a gesto social dos recursos; Organizar eventos de interesses do Territrio; Redigir e encaminhar documentos; Organizar os arquivos com a documentao do territrio; Manter o Grupo Gestor informado da implementao do programa nos municpios; Organizar a gesto financeira e a prestao de contas dos recursos destinados ao funcionamento da Secretaria Executiva; Ter sistematizada e organizada a documentao do Grupo Gestor e do Territrio; Organizar, mobilizar e sistematizar as reunies do Grupo Gestor, do Colegiado, das Comisses de Monitoramento e anlise de projetos; Encaminhar ao MDA as denncias referentes gesto e mau uso dos recursos nos municpios do Territrio.

2005 a 2006 - Centro de Estudos, Integrao, Formao e Assessoria Rural da Zona da Mata Mineira (CEIFAR) - Assessora Tcnica nas reas de Polticas Pblicas, Organizao Produtiva, Segurana Alimentar e Desenvolvimento Territorial. 6 meses.

Funes: Elaborao de projetos; organizao de eventos com gestores pblicos e atores sociais; elaborao e sistematizao de relatrio e documentos; articulao entre municpios e polticas pblicas nas reas de competncia.

ESTGIOS

Atuao como estagiria no Departamento de Artes e Humanidades da Universidade Federal de Viosa, junto secretaria da coordenao do Curso de Histria. Incio: Outubro de 2003. Trmino: Outubro de 2006. Carga horria: 10 horas semanais.

Atuao como estagiria-formadora no Programa de Extenso Incubadora Tecnolgica de Cooperativas Populares, vinculado Pr-Reitoria de Extenso da UFV. Incio: Maro de 2006. Trmino: Maro de 2007. Carga Horria: 15 horas semanais.

Atuao como estagiria na 76 Semana do Fazendeiro nas atividades de Aplicao de Questionrio, Tabulao Primria e Complementar junto Comisso de Avaliao. 17 a 22 de julho de 2005. Carga Horria: 120 horas.

CURSOS

Curso de Elaborao de Projetos e SICONV - Mdulo II. (Carga horria: 20 horas). Belo Horizonte. Ministrio do Desenvolvimento Agrrio.

Curso de Elaborao de Projetos - Mdulo I. (Carga horria: 20 horas). Belo Horizonte. Ministrio do Desenvolvimento Agrrio.

Metodologia de Pesquisa e Gesto de Projetos. (Carga Horria: 12 horas). CEE Universidade Federal de Viosa.

Constituio de Cooperativas Populares. (Carga Horria: 8 horas). ITCP. CEE Universidade Federal de Viosa.

Agricultura Familiar, Agentes de Desenvolvimento Social e Projeto Poltico. (Carga Horria: 15 horas). CEE - UFV.

ANEXO III

Relao de Estudos relevantes j realizados no Centro de Pesquisas Iracambi

Market Creation for Watershed Services Provided by Atlantic Rainforest, Tamar Bourne, Iracambi, 2004

Proteo de cabeceiras na Mata Atlntica / Rio Paraba do Sul desenvolvendo zonas prioritrias Karen Franz. Iracambi, 2005

Value of Water in the Fumaa River and Preto River Iracambi, Alejandro Olivera, 2004

Land Cover Classification and Forest Patch Distribution at Iracambi, Brazil, - Ott, University North Carolina, 2003

As Plantas Medicinais da Floresta Atlntica: Oportunidades e Desafios, Amaral et al, V Congresso Bras Agro Ecol, 2006

Compre! Venda! Comercializao de Carbono como Desenvolvimento Inteligente Delay, Iracambi, 2007

Biodiversity and Agribusiness: making soap from medicinal plants Beauchemin, Amaral CBD, Geneva, 2007

Prcticas da Transformao da Paisagem Silveira, USP, 2008

Zoneamento Agroecolgico Participativo na APA da Serra das Aranhas Amaral, VI Congresso Bras Agro Ecol, 2009

Caracterizao e Anlise do Potencial Produtor de gua - Hilal, UFOP, 2009