Click here to load reader

Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13

  • View
    951

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13

  • 1. PROJETO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO2011/2013 Ao elaborarmos este documento, tivemos a pretenso de podermos, futuramente, criar estruturas e condies para que a Escola possa adotar, de uma forma progressiva e intrnseca, os seguintes princpios gerais de ao: Uma Escola mais flexvel, oferecendo percursos curriculares diversificados e ajustados s necessidades e aos interesses dos alunos; Uma Escola mais heterognea com capacidade para entender pessoas com culturas e estados diferentes, negociar e resolver conflitos com cenrios complexos e problemticos; Uma Escola exigente com a incluso, no desistindo nunca de qualquer aluno; Uma Escola de qualidade que celebre a diversidade de todos os seus membros e a use como alavanca essencial da aprendizagem e vida na escola, ou seja: O desafio dar mais qualidade quantidade e mais quantidade qualidade Uma Escola atual, que responda s novas tendncias, relativamente ao recurso s novas tecnologias da informao e da comunicao.Agrupamento de Escola D. Dinis Rua do Lobito 2675-511 Odivelas219345300219345308/9

2. 2 3. I NT R O DU OI NT R O DU O Uma escola que pensa construda por pessoas quepensam ou aprendem a pensar. Aprender a pensarquer dizer literalmente manter uma discussocontinua, um interrogar-se contnuo,MalaguzziO presente documento, constitudo pela Parte I (Projeto Educativo de Agrupamento), Parte II(Projeto Curricular de Agrupamento) e Parte III (Avaliao) ir definir a poltica educativa para oAgrupamento, a adequao do Currculo Nacional ao currculo do Agrupamento e os modos deavaliao da sua implementao. sua inteno promover a igualdade de oportunidades, valorizar a Educao e promover amelhoria da qualidade do ensino, sendo determinante dessa qualidade a promoo de uma escolademocrtica inclusiva, orientada para o sucesso educativo de todas as crianas e jovens. Construir o Projeto Educativo de Agrupamento assumir a autonomia que lhe reconhecidacomo instituio. refletir e identificar problemas, debater decises, avaliar resultados, mobilizar-seem torno de objetivos comuns, tendo em vista a qualidade educativa. O atual Projeto Educativo, que partiu de um trabalho prvio de avaliao do projeto educativoanterior, um instrumento estratgico que consagra a orientao educativa do Agrupamento,elaborado e aprovado pelos rgos de administrao e gesto para um horizonte de trs anos, noqual se explicitam os princpios, os valores, as metas e as estratgias segundo as quais oAgrupamento se prope cumprir a sua funo educativa.A sua construo considerou a caracterizao da Escola e do meio envolvente e os recursosexistentes, tendo sido definidos um conjunto de princpios, finalidades, objetivos gerais, reasprioritrias de interveno, assim como as estratgias de operacionalizao. Nele se enfatizam as ideias fundamentais que constituem a Viso Estratgica e a Misso doAgrupamento.Nesta conformidade, o PEA dever ser tambm entendido como um instrumento dinmico eflexvel, ajustvel s constantes mutaes que a sociedade vive, de forma a dar resposta aos novosdesafios que permanentemente se colocam. O Projeto Curricular de Agrupamento articula-se com o Projeto Educativo do Agrupamento econstitui a matriz para a elaborao dos Projetos Curriculares de Turma, definindo as prioridadescurriculares. Nesse contexto, importou planear um sistema de educao flexvel pautado por uma viso globalde articulao curricular integrada, que permitir responder diversidade de caractersticas enecessidade de todos os alunos. 3 4. P ARTE I P ARTE IPROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTOPROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTOI Misso, Viso e Valores do Agrupamento"O Saber e o Sentir NUM MUNDO EM MUDANA""Conduzir a criana to longe quanto lhe permitam as suasaptides, considerada a necessidade de construir o futuro dassociedades democrticas, e cada vez mais pluralistas, sobre osmltiplos e variados talentos dos jovens". talentos dos jovens". O nosso Projeto Educativo defende um processo de ensino e aprendizagem centrado no aluno, querespeite as circunstncias sociais e culturais, assumindo-se como principal destinatrio e toda a razode ser do processo de ensino e aprendizagem. Dever o aluno, ao longo do seu percurso escolar,consciencializar-se de que imprescindvel a sua participao ativa e responsvel na construo da suaformao enquanto cidado livre numa sociedade aberta, democrtica e em constante mutao. Estaconsciencializao dever desencadear mecanismos de envolvimento/responsabilizao formal dospais e encarregados de educao. O Projeto Educativo vem nortear o Agrupamento no sentido desenvolver a sua ao educativa combase num conjunto de princpios/valores definidores de uma formao integral e harmoniosa dosalunos, potenciando a formao de cidados autnomos, responsveis, tolerantes e solidrios. Assim, tem sido esta a temtica dos nossos ltimos Projetos Educativos; acreditarmos que so estesos grandes pilares da formao dos jovens; a nossa atuao junto dos alunos apoia-se na transmissodo conhecimento Contedos e do saber/ser, saber/estar e saber/crescer - Educao para aCidadania, tendo como viso Uma Escola para Todos!O reconhecimento da escola como centro privilegiado de instruo mas tambm de formao paraa cidadania, justifica a eleio dos seguintes valores como norteadores do presente Projeto: Democracia - Justia - Solidariedade Tolerncia e Igualdade de Oportunidades Assim, so valores a defender pela nossa escola:O saber;A pessoa;A liberdade;A justia;A cidadania;O respeito e a aceitao do outro e das suas diferenas;A aprendizagem ao longo da vida;A qualidade do servio educativo.4 5. Foram definidas as seguintes Prioridades Educativas:Cultura de Escola para TodosEstimular uma ao educativa motivadora e diversificada capaz de conduzir ao sucessorespeitando a individualidade dos alunos;Valorizar a Lngua Materna;Desenvolver a capacidade de raciocnio Matemtico;Promover a capacidade de utilizar os saberes em situaes reais, de forma independente eautnoma;Adquirir os saberes cientficos e tecnolgicos necessrios sua eficaz integrao na sociedade;Potenciar as metodologias da diferenciao pedaggica para uma Escola verdadeiramenteinclusiva.Cultura de Escola para os ValoresIncutir a noo de Saber Ser e Estar na Escola e em Sociedade;Desenvolver a capacidade de se afirmar como ser responsvel, solidrio, tolerante e autnomo;Transmitir os valores fundamentais e regras de conduta no campo da sexualidade, numaperspetiva da Educao para os Afetos;Consciencializar para a necessidade de se preservar o patrimnio histrico e ambiental;Cultura de Trabalho ColaborativoPromover nos alunos a dinmica de grupo, a entreajuda, e o esprito crtico;Estabelecer uma relao pedaggica assente na confiana, na reciprocidade, no dilogo e napartilha;Assegurar a articulao vertical e horizontal dos contedos disciplinares, em trabalhocorroborativo/cooperativo entre professores;Construir os PCT num esforo conjunto e concertado entre todos os elementos/partes envolvidas;Responsabilizar os Pais e Encarregados de Educao pelo cumprimento dos deveres escolaresdos seus educandos, atuando construtivamente, de modo sistemtico e incutindo-lhes o respeitopela instituio Escola e seus representantes. Deste modo, as nossas Metas so:Garantir o sucesso a todas as crianas;Garantir elevada qualidade na prestao do servio educativo;Prestar servios de apoio de alta qualidade para garantir o sucesso de todos os alunos;Desenvolver competncias sociais e ticas nos alunos;Fortalecer e criar parcerias educativas importantes para a escola;Criar, na escola, uma cultura de melhoria com a busca constante da qualidade da organizao. 5 6. II Breve Contextualizao Geogrfica, Socioeconmica e CulturalConcelho de Odivelas O Concelho de Odivelas um dos mais novosconcelhos de Portugal (Dec. Lei n84/98 de 14 deDezembro). Localizado no distrito de Lisboa, composto por sete freguesias: Caneas, Fames,Odivelas, Olival Basto, Pontinha, Pvoa de St.Adrio e Ramada.A partir da dcada de 50 do sculo XX, iniciou-se o xodo rural para os grandes centros urbanos eOdivelas viu os seus campos serem invadidos porconstrues para indstria, comrcio e acima detudo para habitao o que levou a um crescimentodesordenado. De aldeia passou a vila a03.04.1964; em 13.07.1990 foi elevada categoria de cidade; em 19.11.1998 tornou-se a sede de umnovo Municpio.O comrcio est em franco desenvolvimento, sendo diversificada a oferta. O nvelsocioeconmico da populao mdio embora existam famlias desestruturadas e carenciadas.A rede de transportes pblicos razovel. Ainda assim, o trnsito e a falta de lugares paraestacionamento so um dos grandes problemas da cidade.A elevao desta freguesia a sede de um novo concelho veio dar uma nova dinmica autarquia no s com a instalao de novos equipamentos como na resoluo mais clere de muitosproblemas inerentes vida em sociedade, nomeadamente no que toca no apoio s escolas. As atividades econmicas existentes so sobretudo o comrcio e os servios, tendo-seassistido nos ltimos anos a um boom de construo de grandes e mdias superfcies comerciais quetm contribudo para uma acentuao da descaracterizao do meio, cuja histria, costumes etradies se tm diludo, semelhana do que tem ocorrido em todas as reas limtrofes dasmetrpoles do mundo ocidental.Na populao residente h uma percentagem substancial que natural de outras regies dopas ou descende delas. de salientar o nmero crescente de populao imigrante, oriunda numa faseinicial, essencialmente dos PALOP. Atualmente a diversidade dos pases de origem enorme: Brasil,China, pases de Leste, ndia, Paquisto, etc. A estas novas caractersticas demogrficas tem-se aliadoa crescente precariedade da economia e dos vnculos laborais, assim como a consequente segregaoe o risco de conflitualidade. Apesar das associaes culturais e desportivas locais oferecerem j um leque diversificado deatividades, as mesmas tm-se revelado ainda insuficientes para abarcarem/ cativarem to vasto lequesociocultural. Saliente-se os esforos evidentes da Autarquia, atravs da construo de espaosvocacionados para a ocupao dos tempos livres dos jovens e atravs de uma agenda cultural dequalidade dirigida aos diferentes grupos etrios, com destaque para a Municiplia, Espao Jovem eBiblioteca D. Dinis. O concelho de Odivelas revela lacunas ao nvel de espaos verdes propcios prticadesportiva. 6 7. III Caracterizao dos Espaos Fsicos do AgrupamentoLOCALIIZAO GEOGRFIICALOCAL ZAO GEOGRF CA EB1 Maria LamasA Escola EB1 Maria Lamas situa-se na Cidade de Odivelas, zona urbana a Norte de Lisboa. Apopulao formada na sua maioria por habitantes de mdio e baixo poder econmico, oriunda amaior parte do meio rural nas dcadas de 60 e 70, tendo-se verificado a partir da dcada de 80 umgrande fluxo de imigrantes do continente africano e asitico e mais recentemente dos pases do lesteeuropeu. As profisses predominantes da populao so: funcionrios pblicos, operrios noespecializados, comerciantes, empregados domsticos, profisses liberais. Os equipamentossocioculturais oferecidos pela Comunidade revelam-se insuficientes para as necessidades do meio, peloque as atividades existentes na Escola so fundamentais para a ocupao do tempo ps-escolar,sobretudo para as crianas mais desfavorecidas economicamente que ficam entregues a si prprias,aps o horrio escolar.A Escola EB1 Maria Lamas situa-se na Rua do Esprito Santo n. 14, integrada numa das zonasmais antigas da cidade. Central na sua localizao, serve a populao das ruas contguas bem comoalunos oriundos do bairro da Serra da Luz e do Vale do Forno. Desde Janeiro de 2002, a escola composta por dois edifcios principais com dois andares eduas alas: um de plano centenrio, que comporta oito salas de aula, e um moderno, ligado ao edifcioantigo, com:6 Salas de aula, uma das quais a funcionar como mediateca/biblioteca3 Complexos sanitrios femininos e masculinos;1 Complexo sanitrio para deficientes;1 Arrecadao. No exterior, num edifcio lateral, com:2 Salas funcionando uma como gabinete da direo/secretaria e outra como sala de professores;2 Instalaes sanitrias para adultos. Num edifcio contguo a este funciona o refeitrio que serve refeies a mais de metade darespetiva populao escolar. Esta escola funciona em regime normal, das 9h00m 12h00m e das 13h30m 15h30m. Das15h45m at s 18h15m decorrem as A.E.C.. 7 8. Jardim de InfnciaO Jardim de Infncia situa-se no mesmo espao da Escola Bsica EB1 Maria Lamas emOdivelas, tendo sido criado segundo a portaria de criao de Jardins de Infncia 1046-A de31/08/2001, e entrado em funcionamento em Abril de 2002. composto por:2 Salas de atividades;2 Casas de banho para as crianas;1 Arrecadao;1 Pequeno gabinete;1 Hall de entrada. O recreio exterior situa-se nas traseiras do edifcio, destinado ao Jardim de Infncia, ondeexiste equipamento ldico para o lazer das crianas. Existe, ainda uma pequena zona exterior coberta.A sala de professores, a casa de banho dos adultos e o refeitrio so comuns Escola Bsica e aoJardim de Infncia. Funciona em regime normal com o horrio das 9.00h s 15.00h. A Componente de Apoio Famlia (CAF) funciona numa sala da EB1 com o seguinte horrio: 07h30m 09h00m e das 15h00m 19h00m. 8 9. EB1 Rainha Santa A Escola EB1 Rainha Santa situa-se numa zona urbana, concretamente na Rua Antero deQuental, num bairro denominado Patameiras, freguesia de Odivelas. O Bairro das Patameiras ficalocalizado no extremo sudoeste da Cidade de Odivelas podendo-se aceder atravs de um n da CRILIC17 (A36 Auto Estrada) - Odivelas Oeste ou das Patameiras. Dispe de Delegao da Junta deFreguesia de Odivelas, da Igreja da Divina Misericrdia e ainda o Cemitrio de Odivelas, emborahabitualmente este seja erradamente localizado no bairro limtrofe dos Pombais. A denominao"Patameiras" poder referir-se existncia, em tempos idos, de terrenos pantanosos (Patameiras) nazona baixa, onde hoje corre o Rio da Costa, e onde foi construdo um troo da CRIL. So associaesdesportivas e recreativas dignas de registo: Os Lees Futebol Clube, O Clube Atltico das Patameiras ea AMOP (Associao Social de Moradores do Bairro das Patameiras).Dada a construo recente (e que ainda decorre) da Urbanizao das Colinas do Cruzeiro, degrande dimenso, situada nos limites entre Arroja e Patameiras/Pombais, surge como hiptesealternativa a criao de uma freguesia de Arroja e Patameiras/Pombais, que poder mais tarde serdividida. uma escola de tipo P3, constituda por:8 Salas de aula de mdia dimenso,1 Sala polivalente que funciona como refeitrio e ginsio;1 Cozinha;1 Gabinete para as auxiliares de ao educativa e de prestao de primeiros socorros;2 Salas pequenas que servem para Apoio Educativo/ Atividades Pedaggicas;8 Instalaes sanitrias para crianas;2 Instalaes sanitrias para professores e 1 para as auxiliares de ao educativa;4 Zonas sujas (para expresso plstica); 3 Arrecadaes;Balnerios/vestirios (desativados).No exterior da escola existem:2 Alpendres;1 Logradouro;No ptio encontra-se desenhado ummini campo de futebol e algunsjogos tradicionais;Um chafariz;Pequeno espao ajardinado. Esta escola funciona em regimeduplo: das 08h15m 13h15m (turno damanh) 13h30m 18h30m (turno datarde). As A.E.C. decorrem em simultneocom as aulas.9 10. EB 2,3 dos Pombais Esta Escola sede do Agrupamento, ficando prxima das outras escolas que o integram. Ficalocalizada no centro da cidade de Odivelas, na Rua do Lobito, no bairro dos Pombais.A escola constituda por quatro blocos distintos (A, B, C e D), possuindo uma portaria juntoao porto principal, um porto secundrio, balnerios, dois campos de jogos e espaos livresdescobertos.Bloco A essencialmente servios Piso trreo Secretaria (uma sala de arquivo) PBX Gabinete mdico Sala de professores Sala de trabalho dos diretores de turma Sala de trabalho dos Departamentos Gabinete do Conselho Executivo Gabinete da chefe do pessoal auxiliar de ao educativa Reprografia Arrecadao do arquivo morto Instalaes sanitrias para professores e pessoal no docente Primeiro piso Biblioteca Sala de aula de Educao Musical Sala multimdia (sala de aula de TIC) Gabinete dos servios de Psicologia e Orientao Cantinho do Estudo Um gabinete de trabalho para professores Gabinete do Departamento de Educao Especial Anexo bibliotecaBloco B bloco de aulas Rs-do-cho Duas salas de aulas de Educao Visual e Tecnolgica e de Educao Tecnolgica Duas salas de Educao Visual Instalaes sanitrias para alunos Uma arrecadao 10 11. Primeiro piso Seis salas de aulas Uma sala de trabalho adaptada a sala de aula Um gabinete pequeno Duas arrecadaesBloco C bloco de aulas Rs-do-cho Uma sala de aula de Educao Visual e Tecnolgica e de Educao Tecnolgica Uma sala de aula de Educao Visual e Tecnolgica e de Educao Tecnolgica adaptada para aulas prticas de Educao Fsica Uma sala de aula grande adaptada a Laboratrio de Cincias Fsico--Qumicas Uma sala de aula grande adaptada a Laboratrio de Cincias Naturais e da Natureza Instalaes sanitrias para alunos Uma arrecadao Primeiro piso Cinco salas de aulas Duas salas de trabalho adaptadas a salas de aulas Duas arrecadaesBloco D um s piso Sala de alunos (equipada com mesas e cadeiras, cabides, televiso e material para a prtica de tnis de mesa) Bufete Papelaria Arrecadao do bufete Instalaes sanitrias para alunos Cacifos para alunos Gabinete para Clube de Rdio (espao improvisado) Sala de aulas prticas de Educao Fsica (espao improvisado) Sala de pessoal auxiliar de ao educativa Refeitrio Cozinha (inclui copa; despensa, sala de pessoal de cozinha e respetivas instalaes sanitrias) Balnerios um s piso Balnerios femininos e masculinos 11 12. Gabinete de trabalho para professores de Educao Fsica e respetivas instalaes sanitrias Arrecadao de ferramentasCampos de jogos Dois campos de jogos descobertos, com marcaes e equipamentos para a prtica de futebol,de andebol e de basquetebol, tendo o maior (relva sinttica) 1200m2 (40m x30m) e o menor 800m2(20mx40m).Espaos livresEntre os blocos existem alguns espaos livres descobertos destinados a rea de lazer dosalunos. Quando as condies atmosfricas o permitem, funcionam nesses espaos duas esplanadascom mesas, cadeiras e chapus-de-sol. Os espaos livres encontram-se praticamente todos ajardinados ou com plantaes dervores. Junto ao bloco D existe um espao coberto por um telheiro, equipado com uma mesa de ping-pong.12 13. IV CARACTERIZAO HUMANA DO AGRUPAMENTOESTRUTURAS EDUCATIVAS E SERVIOS C O N S ELH O G ER A L EF ET I V O C O N S ELH O G ER A L EF ET I V ORepresentantes da DireoRepresentantes da DireoNOMENOMECARGOCARGOAna Manuela Gralheiro Diretora do Agrupamento Representantes do Pessoal Docente Representantes do Pessoal DocenteNOMENOMEESCOLA/NVEL DE ENSIINOESCOLA/N VEL DE ENS NOIsabel Pereirinha Teixeira (Presidente) EB1-RS/1 cicloFernanda Maria FernandesEB23Pombais/3 cicloJoo Gil Dias Bento EB23Pombais/2 cicloLdia Maria Vala C. MoraisEB1JIMaria Lamas/JILusa Paula Maia SilvestreEB23Pombais/2 e 3 cicloMaria do Rosrio Rodrigues MartinsEB23Pombais/2 cicloMaria do Soledade PardalEB23Pombais/3 cicloPaula Cristina P. Martins EB1-RS/1 cicloRepresentantes do Pessoal No DocenteRepresentantes do Pessoal No Docente NOME NOME CARGOCARGOEFECTIVOS Maria Adelaide C. S. Fernandes Assistente Operacional/Rainha Santa Maria Helena D. P. Fernandes Assistente Administrativa/Pombais13 14. Representantes dos Encarregados de EducaoRepresentantes dos Encarregados de EducaoNOMENOMECARGOCARGO Por nomear Presidente Assoc. Pais M Lamas Paula AlexandreAssoc Pais M LamasEFETIVOS Patrcia Aniceto Assoc. Pais Rainha Sta. Esmeralda Caador. Presidente Assoc. Pais Rainha Sta. Inocncia PintoPresidente Assoc. Pais PombaisNOMENOMECARGOCARGOSuplentes Carmo Talento Assoc. Pais Rainha Sta. Representantes do Municpio Representantes do MunicpioNOMENOMECARGOCARGOMaria Fernanda FranchiVereadora do pelouro da EducaoEFECTIVOSMaria Margarida de FreitasDiretora do Departamento SocioculturalIsabel Dias Tcnica SuperiorChefe de Diviso de Planeamento eGabriel CaetanoInterveno Socioeducativa*SUPLENTESPaula Freitas Tcnica Superior*Paula ReisTcnica Superior** Para efeitos de representao, os membros suplentes podem a qualquer momento substituiros membros efetivos sem outras formalidades14 15. Representantes da Comunidade LocalRepresentantes da Comunidade LocalNOMENOME CARGO CARGO Conservatrio D.Carlos Manuel Gonalves Gomes Diretor do Conservatrio de Msica D. DinisDinisAna Maria de Magalhes GeraldoDiretora PedaggicaPresidente do Conselho de Administrao daRui do Nascimento MunicipliaMuniciplia EMCristina Soares Jurista da Municiplia EMEscolaAgrcola D. Jos AiresDirector Escola Agrcola D. Dinis - PaiDinis - PaiDIREODIREO Diretora Ana Manuela Marques da Costa Gralheiro SubdiretoraRosa Maria Magalhes Gouveia AnjosCarla Alexandra Diogo de Faria AdjuntosAntnio Daniel dos Santos Pereira Assessor Carlos Alberto da Conceio Neves15 16. CONSELHO PEDAGGICOCONSELHO PEDAGGICOREPRESENTANTEREPRESENTANTENome N o me CargoCargo Direo Executiva Ana GralheiroDiretora do Agrupamento Maria ToricasCoord. Dep. Lnguas M Ftima Rebelo Coord. Dep. Cincias Humanas e Sociais M Angelina TiagoCoord. Dep. Matemtica e Cincias Experimentais Fernando Louro Coord. Dep. Expresses Margarida RapoulaRepres. Educao Especial M Jos BatistaCoord. Dep. 1 CEBPessoal Docente Susana Rodrigues Coord. Ano Ana Teresa Marques Coord. Dep. Pr-Escolar Rosa Fernandes Coord. Diretores Turma Nair SantosCoord. Plano Tecnolgico Fernanda Jacinto Coord. BE/CRE Otlia SantosCoord. De ProjetosSPOM Jos Incio PsiclogaPessoal No DocenteVitria Ganito Servios Administrativos* Para efeitos de representao, os membros suplentes podem a qualquer momento substituir os membrosefetivos sem outras formalidades COORDENADORA TCNICA E ENCARREGADA COORDENADORA TCNICA E ENCARREGADA OPERACIONALOPERACIONALCoordenadora TcnicaMaria Helena Dias Pereira FernandesEncarregada Operacional Emlia Henriques Ferreira Pedrosa 16 17. PESSOAL DOCENTEPESSOAL DOCENTE2011/20122011/2012 Total de educadores e de professores do AgrupamentoEducadores de Professores deProfessores deProfessores de Educao TOTAL Infncia 1 CEB2 CEB3 CEBEspecial 3 36 25 396109 Situao profissionalEducadores Professores ProfessoresProfessoresEducaoTOTALde Infncia de 1 CEB de 2 CEBde 3 CEBEspecial PQA 326 11 25 267 PZQ 080 2 010Contratado 0214 12 432TOTAL336 25 39 6 109 Idade Educadores deProfessores de Professores de Professores de EducaoTOTALInfncia1 CEB 2 CEB 3 CEBEspecial< 25 anos000 0 0 025-34 anos 022 123 2135-44 anos 2 1611101 4045-54 anos 0 144 162 36 55 ou + 148 1 0 14 SexoEducadores Professores ProfessoresProfessoresEducaoTOTALde Infncia de 1 CEB de 2 CEBde 3 CEBEspecial Feminino333 21 35 698Masculino0 3 4 4 01117 18. PESSOAL NO DOCENTE PESSOAL NO DOCENTE 2011/2012 2011/2012 IdadeAssistentesTcnicos Assistentes SPOTotal Tcnicos Especializados Operacionais