Prova 2012.1

Embed Size (px)

Text of Prova 2012.1

  • VESTIBULAR 2012/1

    ATENO!Esta folha poder ser levada pelo candidato a partir das 12 horas.

    CADERNO DE QUESTES1

    2

    3

    4

    5

    6

    7

    8

    9

    10

    11

    12

    13

    14

    15

    16

    17

    18

    19

    20

    21

    22

    23

    24

    25

    26

    27

    28

    29

    30

    31

    32

    33

    34

    35

    36

    37

    38

    39

    40

    41

    42

    43

    44

    45

    46

    47

    48

    49

    50

    51

    52

    53

    54

    55

    56

    57

    58

    59

    60

    61

    62

    63

    64

    65

    66

    67

    68

    69

    70

    71

    72

    73

    74

    75

    76

    77

    78

    79

    80

  • VESTIBULAR 2012-1

    Verifique se os dados impressos nas folhas esto corretos, como nome, RG, opo do curso e modelode prova.

    Verifique se este caderno de prova contm dois temas para Redao e um total de 80 questes, assimdistribudas:

    Caso falte alguma folha, solicite imediatamente ao fiscal de sala um outro caderno completo. No seroaceitas reclamaes posteriores.

    No ser permitida qualquer espcie de consulta, nem uso de calculadora.

    Para cada questo existe apenas UMA resposta certa; a marcao de mais de uma letra implicaranulao dessa questo.

    A resposta deve ser marcada na folha de respostas (leitura tica).

    A folha da capa o seu rascunho; seu preenchimento opcional.

    Administre o seu tempo! O tempo total de prova de 5 (cinco) horas. Este perodo inclui a redao epreenchimento da folha de respostas. NO HAVER TEMPO EXTRA PARA O PREENCHIMENTO DENENHUMA DAS FOLHAS DE RESPOSTAS.

    O candidato s poder ausentar-se da sala de prova aps 02 (duas) horas contadas do incio daaplicao.

    Quando terminar, entregue tudo aos fiscais de sua sala: a folha de redao, a folha de respostas (leituratica) preenchida e o caderno de questes.

    O candidato no poder levar o rascunho da redao ou qualquer outro material de rascunho, excetoa capa do caderno de questes.

    As questes sero divulgadas posteriormente no site da ESPM - www.espm.br.

    _______________________________________________________________________________________________________Direitos autorais reservados. Proibida a reproduo, ainda que parcial, sem autorizao prvia

    Comunicao e Expresso

    Matemtica

    Ingls

    de 01 a 20

    de 21 a 40

    de 41 a 50

    Humanidades e Cultura Geral Contempornea de 51 a 80

    LEIA COM ATENO AS INSTRUES ABAIXO:

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing

    VESTIBULAR 2012-13

    REDAO

    Tema 1:

    Uma gerao ligada em tudo[...]

    Erane diz que essa uma contradio de nossa poca.H um individualismo grande, exacerbado, apesar de todoesse acesso ao mundo.

    O jovem de classe mdia tem o quarto dele, computador,celular, possui um espao de privacidade que a gerao anteriorno tinha, exemplificado pela hora do jantar, quando a famliaconversava. Hoje, muitos comem sozinhos nos quartos. E vai sefortalecendo o isolamento numa turma que, ao mesmo tempo,fala com muita gente. um contato que no facilita a subjetivi-dade. Esse bombardeio de informaes muitas vezes dificulta ainterpretao porque tudo linear.

    [...]Jornal O Globo de 27 de dezembro de 2009,

    caderno Cincia, pgina 32.

    Blog do colunista: oglobo.com.br/blogs/anotandogente Email: gentefina@oglobo.com

    Ausncia

    Por muito tempo achei que

    a ausncia falta.

    E lastimava, ignorante, a falta.

    Hoje no a lastimo.

    No h falta na ausncia.

    A ausncia um estar em mim.

    E sinto-a, branca, to pegada

    aconchegada nos meus braos,

    que rio e dano e invento

    exclamaes alegres,

    porque a ausncia assimilada,

    ningum a rouba mais de mim.

    Carlos Drummond de Andrade

    PROPOSTA 1: Elabore um texto dissertativo coerente e coeso sobre o tema:

    Em tempos de comunicao facilitada, no h espao para se conhecer o outro.

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing

    VESTIBULAR 2012-14

    Tema 2:

    Segundo Ricardo Mendona, em seu texto O otimismo geral da nao, publicado na revista poca de

    17 de outubro de 2011, pgina 82, o Brasil, apesar de problemas crnicos como corrupo e violncia,

    parece estar vivendo um momento de grande satisfao, otimismo e de grandeza, fato este comprovado nos

    fragmentos abaixo:

    Existe hoje uma euforia em parte da sociedade, como se o Brasil estivesse uma maravilha e muitos

    outros pases falidos.

    O otimismo parece fazer parte da psicologia brasileira mesmo em momentos de crise. Quando as coisas

    vo bem para o pas, como agora, ele transborda. A que se deve isso?

    Proposta 2 A partir dos fragmentos acima, elabore um texto dissertativo que responda, com argumentos

    claros, coesos e coerentes ao seguinte questionamento:

    Face ao cenrio de instabilidade econmica mundial, como podemos considerar o

    otimismo geral da Nao?

    Escolha um dos temas acima e desenvolva uma dissertao com o mnimo de 20 linhas e o mximo de 30

    linhas, considerando-se letra de tamanho regular.

    Assinale o tema escolhido (1 ou 2) nos quadradinhos correspondentes (prxima pgina).

    D um ttulo sugestivo e criativo sua redao.

    Defenda ou refute as ideias apresentadas atravs de uma dissertao integrada, coerente, organizada e

    estruturada. Fundamente suas ideias com argumentos, sem sair do tema. Aderncia ao tema um dos itens

    de avaliao.

    Importante: No h uma resposta ou alternativa certa ou errada a ser encontrada. No vamos julgar suas

    opinies, mas sua capacidade de anlise e argumentao.

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing

    VESTIBULAR 2012-15

    REDAO

    FOLHA DE REDAO(Mximo de 30 linhas)

    TEMA: 1 2

    Ttulo:

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing

    VESTIBULAR 2012-16

    COMUNICAO E EXPRESSO

    Leia o texto abaixo para as questes de 01 a 05:

    O decoro que falta

    BRASLIA - Como at os azulejos de Athos Bulco na

    Cmara dos Deputados j previam, foi absolvida ontem

    Jaqueline Roriz. Eleita no ano passado pelo PMN de Braslia,

    ela ganhou notoriedade em maro ltimo quando ficou co-

    nhecida uma gravao na qual aparece recebendo um mao

    de dinheiro.

    Para salv-la da cassao, a maioria dos deputados

    levou em conta que as imagens eram de 2006. Portanto, de

    antes do exerccio de seu mandato.

    Ao abraar esse sofisma, a Cmara desce mais um de-

    grau na escala de sua credibilidade. Embora tenha ocorrido

    em 2006, verdade, o fato s ficou conhecido neste ano. So

    de agora os seus efeitos e o dano para a imagem do Poder

    Legislativo. E o pior de tudo: os eleitores de Jaqueline Roriz

    a escolheram sem ter acesso a essas imagens.

    Pela lgica torta dos deputados pr-Jaqueline, nada de-

    veria acontecer se a Cmara descobrisse hoje que um de

    seus integrantes cometeu h dez anos um assassinato ou cri-

    mes de pedofilia. Se foi no passado, tudo est perdoado.

    No a primeira vez que o esprito de corpo prevalece

    no Congresso. Essa tem sido a praxe. Alguns ali argumen-

    tam at sobre a necessidade de transferir para o Supremo

    Tribunal Federal o poder de julgar processos como o de

    Jaqueline Roriz. Seria uma sada macunamica. Um misto

    de preguia, covardia e falta de responsabilidade.

    A laborfobia dos deputados se expressa nos cerca de seis

    meses gastos na anlise de imagens autoexplicativas. Da

    para a falta de coragem um pulo. Por fim, terceirizar o

    julgamento equivale a produzir uma crise poltica com data

    marcada. Na primeira cassao via STF o Congresso se

    insurgiria.

    Qual o problema de um deputado votar para cassar um

    colega flagrado recebendo dinheiro? Nenhum. A no ser

    quando o prprio poltico teme ser o prximo ru. Nessas

    horas, o decoro que falta protege todo tipo de desvio.

    (Fernando Rodrigues, Folha de S. Paulo, 31 de agosto de 2011)

    QUESTO 01

    Ao abraar esse sofisma..., o termo em negrito, para se re-ferir ao raciocnio da Cmara dos Deputados na no cassa-o da deputada, foi usado pelo autor por considerar:

    um argumento que parte de premissas verdadeiras, ou ti-das como verdadeiras, e chega a uma concluso verda-deira.um argumento aparentemente vlido, mas na realidadeno conclusivo e que supe m-f de quem o apresenta.um procedimento que consiste em generalizar a partir daobservao de casos particulares.uma avaliao concreta para se chegar a uma conclusolgica verdadeira.uma anlise feita de forma acurada para se chegar a umadeciso ponderada.

    QUESTO 02

    Na frase: No a primeira vez que o esprito de corpo pre-valece no Congresso., a expresso em negrito poderia sersubstituda, sem prejuzo semntico, por:

    deciso socialvotao democrticaencontro parlamentarcorporativismosoberania popular

    QUESTO 03

    Segundo o texto, o autor:

    concorda com o fato de que os delitos cometidos h 10anos ou mais devam ser perdoados.defende a tese de que todos os casos de propina devemser resolvidos pelo Supremo Tribunal Federal.reconhece o exaustivo trabalho dos deputados para ana-lisar imagens autoexplicativas.sustenta que os julgamentos sobre corrupo devam serterceirizados via Supremo.sugere que a falta de decoro parlamentar tambm ocorrecom a no cassao de um colega em ato escuso.

    QUESTO 04

    Na frase: Como at os azulejos de Athos Bulco na C-mara dos Deputados j previam..., ocorre a seguinte fi-gura de linguagem:

    prosopopeiametforametonmiaparadoxoeufemismo

  • Escola Superior de Propaganda e Marketing

    VESTIBULAR 2012-17

    QUESTO 05

    Na frase: Embora tenha ocorrido em 2006..., o term