of 61 /61
Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanalítica Decio Tenenbaum Objetivo: Capacitar o profissional de saúde a identificar as nuances e as alterações do funcionamento mental de seus pacientes, fundamentais para o diagnóstico clínico, através do estudo da psicopatologia fenomenológica e da psicopatologia psicodinâmica. Material Didático: www.tenenbaum.med.br/psicanalise/transparencias Endereço para correspondência: [email protected] Roteiro do curso (8 aulas): 1ª aula: O que é psicopatologia - metodologia do exame psíquico - normal e patológico - para que serve a psicopatologia 2ª aula: A Psicopatologia Geral Alterações cognitivas (do pensar) 3ª aula: A Psicopatologia Geral - Alterações do pragmatismo (do querer) 4ª aula: A Psicopatologia Geral Alterações afetivas (do sentir) 5ª aula: A Psicopatologia Geral O diagnóstico psiquiátrico

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanalíticatenenbaum.com.br/psicanalise/transparencias/psicopatologia.pdf · Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanalítica Decio Tenenbaum

Embed Size (px)

Text of Psicopatologia Geral e Psicopatologia...

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Objetivo: Capacitar o profissional de sade a identificar as nuances e as

alteraes do funcionamento mental de seus pacientes, fundamentais para o

diagnstico clnico, atravs do estudo da psicopatologia fenomenolgica e da

psicopatologia psicodinmica.

Material Didtico: www.tenenbaum.med.br/psicanalise/transparencias

Endereo para correspondncia: [email protected]

Roteiro do curso (8 aulas): 1 aula: O que psicopatologia - metodologia do exame psquico - normal e patolgico - para que serve a psicopatologia 2 aula: A Psicopatologia Geral Alteraes cognitivas (do pensar) 3 aula: A Psicopatologia Geral - Alteraes do pragmatismo (do querer) 4 aula: A Psicopatologia Geral Alteraes afetivas (do sentir) 5 aula: A Psicopatologia Geral O diagnstico psiquitrico

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

6 aula: A Psicopatologia Psicanaltica - normal X patolgico - conceitos bsicos da psicopatologia psicanaltica: . mecanismos de defesa . teoria do trauma . teoria da libido . teoria da dualidade pulsional . teorias do conflito . teorias da falha/falta . teoria da relaes objetais 7 aula: A Psicopatologia Psicanaltica - A Nosologia psicanaltica - O diagnstico psicanaltico 8 aula: - A linguagem corporal e a psicopatologia . Facies . Gesticulao . Postura - A psicopatologia e a sintomatologia corporal: . expresses corporais de conflitos psicolgicos inconscientes . expresses corporais de fragilidades egicas decorrentes de falhas no desenvolvimento psicolgico . expresses corporais de desorganizao do ego

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Bibliografia:

- Alonso-Fernndez, F. (1972) Fundamentos de la Psiquiatria Actual. Editorial Paz Montalvo, Madrid. - Eksterman, A. (1989) Os Trs Eixos Tericos do Pensamento Clnico de Freud, in A Presena de Freud, Editora Imago, R.J.

- Frosch, J. (1990) Psychodynamic Psychiatry: Theory and Practice, vols. I e II. International Universities Press, U.S.A. - Jaspers, K. (1973) Psicopatologia Geral. Livraria Atheneu, R.J. - Selye, H. (1965) Stress A Tenso da Vida. Edies Ibrasa, S.P., 2 edio. - Szpilka, J. (1973) Bases para una Psicopatologia Psicanalitica. Ediciones Kargieman, B.Aires. - Tenenbaum, D. (1993) O Corpo. Do Discurso Mdico Psicanlise A Linguagem Corporal. Mesa-redonda patrocinada pela Associao Brasileira de Medicina Psicossomtica, Regional do Rio de Janeiro, na Universidade Santa rsula, R.J. - Thma, H., Kchele, H. (1992) Teoria e Prtica da Psicanlise, vol.I Fundamentos Tericos. Ed. Artes Mdicas, P.Alegre.

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Normalidade:

A anormalidade s pode ser diagnosticada ou conceitualizada levando-se em conta diferentes critrios de referncia.

Em relao ao comportamento humano, a normalidade est geralmente associada ao que compreensvel e a anormalidade ao que incompreensvel.

preciso levar-se em conta os contextos: cultural (variaes culturais)

histrico (poca em que se vive)

etrio (idade da pessoa) social (permissividade, receptividade e tolerncia do ambiente em que se vive)

Frosch, J. Psychodinamic Psychiatry

Psicopatologia Geral e Psicpatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Critrios para a avaliao da normalidade:

1- Lei da maioria ou mdia: - normal

- comum, habitual - adaptado realidade 2- Sentimentos subjetivos do indivduo: - segurana - adequao - iniciativa - esperana - confiana de ser capaz de lidar com as situaes da vida 3- Performance do indivduo: - uso de suas capacidade; - talento X oportunidades; - nvel de stress ao realizar suas atividades; - trabalho X lazer 4- Nvel de maturidade emocional: a) Reaes apropriadas situao conforme sua etapa no desenvolvimento psicolgico e cronolgico. Reaes regressivas; b) Capacidade de lidar com afetos dissonantes: - capacidade de tolerar separaes e perdas. Aceita substitutos; - capacidade de tolerar regresses e indiferenciaes entre eu-no eu; - capacadidade de tolerar a presena de irracionalidades; - respostas psicolgicas ao stress: regresso, retraimento, somatizao; c) Funes do ego: - relao com a realidade (percepo do mundo externo, das representaes mentais do mundo externo e perceber-se em relao com os 2 anteriores) - sentimento (senso) de realidade (despersonalizao, irrealidade, distrbios no sentimento do tempo, estados hipntico, sentimentos ocenicos e csmicos) - teste da realidade (capacidade de chegar a concluses lgicas a partir dos fenmenos observados). - constncia da realidade e do objeto. - alienao e sintonia do ego

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Desenvolvimento histrico das concepes sobre o acontecer mental:

Concepes

Metodologias

Antiguidade

Graa e/ou castigo divino, embora j seja possvel encontrar em alguns autores gregos descries de doenas mentais relacionadas a problemas humorais-hormonais. Alienatio mentis de Asclepades, sc. I. Prticas religiosas

Idade Mdia

Consolidao do monotesmo: retorno especulao metafsica, agora na forma da demonologia. Doena mental = castigo divino e/ou possesso demonaca. Persuaso (convencer, induzir) de cerca de 1300 o primeiro registro na literatura especializada de uma forma de tratamento especfico para as doenas mentais. Acreditava-se que as condutas desordenadas dos casos de parania poderiam ser debeladas por persuaso e artifcios como cartas forjadas. At a primeira metade sculo XVII ainda predominava a idia da persuaso moral como forma de tratamento.

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Desenvolvimento histrico das concepes sobre o acontecer mental:

Sculos XV e XVI (Renascimento)

Inicio da busca da localizao orgnica das doenas mentais.

Magnetismo Paracelsus (1493-1541) foi o primeiro a sugerir que deveria haver um fator responsvel pela afetao de uma mente por outra. Acreditava que seria uma espcie de fludo magntico. Mesmer (1734-1815, estudou medicina em Viena) desenvolveu a teoria do magnetismo animal (mesmerismo: fora vital de que so dotados certos indivduos e que propicia uma srie de fenmenos paranormais) poca urea deste tipo de tratamento.

Concepes

Metodologias

Sculo XVIII Consolidao da concepo de que sofrimento mental uma doena e inicio da observao sistemtica dos fenmenos mentais para a elaborao de uma nosologia. Predomnio da Escola Francesa (Pinel, Esquirol e seguidores). Sugesto ( propor, insinuar, fazer com que uma idia se apresente mente): - James Braid (Esccia, 1795-1860) e Bertrand (1730-1840)

mostraram que o mesmerismo era um estado subjetivo que poderia

ser produzido por sugesto. Chamaram este tipo de sugesto de

hipnotismo.

- Jean-Martin Charcot (Paris, 1825-1893) demonstrou o efeito da

sugesto hipntica na histeria. Berheim (1840-1919) e Libault

(1823-1904) desenvolveram o hipnotismo no que ficou conhecido

como Escola de Nancy.

- Joseph Franois-Felix Babinski (Paris, 1857-1932) e Froment

esclareceram o efeito do sugesto hipntica como sendo a

implantao de uma idia que inibiria idias opostas a esta. O efeito

inibidor da idia implantada dependeria da fora da relao entre

o mdico e o paciente.

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Desenvolvimento histrico das concepes sobre o acontecer mental:

Concepes

Metodologias

Sculo XIX Elaborao da primeira nosologia clnico-etiolgica das psicoses. Predomnio da Escola Alem de Psiquiatria. Conceito de psicose: Viena, 1844. Edmund Husserl (1859-1938) desenvolve um mtodo filosfico novo: a Fenomenologia, o qual se caracteriza pela realizao de uma srie de redues fenomenolgicas que descrevem os traos essenciais, as intenes, da conscincia concebidas como universais e necessrias. Seu maior expoente na Psiquiatria: Karl Jaspers. Demncia precoce Psicoses Endgenas Psicose Manaco-Depressiva (funcionais) Parania Emil Kraepelin (1856-1926) Psicoses Exgenas Psicoses Orgnicas Pierre Marie Felix Janet (Paris, 1859-1947) presena de idias fixas na origem da histeria, as quais provocariam uma restrio ou uma dissociao da conscincia. Josef Breuer (Viena, 1842-1925) presena de reminiscncias na origem da histeria levando a uma dissociao da conscincia

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Definio:

- Estudo descritivo dos fenmenos psquicos anormais, exatamente como se apresentam experincia humana. - A Psicopatologia tenta descrever a experincia vivida pelos doentes em relao aos fenmenos mentais anormais. O relato do exame psquico deve ser feito de modo descritivo sem usar termos tcnicos.

Fundamentos: - Fenomenologia

- Psicodinmica

Metodologia do Exame Psicolgico:

Distrbios Fenomenolgicos observao objetiva

Distrbios Psicodinmicos observao subjetiva (empatia)

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

As diferenas:

Psicopatologia Geral Psicopatologia Psicanaltica

Definio estudo dos fenmenos mentais estudo das alteraes do funcionamento anormais mental

Critrios de normalidade bem demarcados e baseados na baseados nos nveis de maturidade Lei da Mdia e na perfomance emocional individual

Metodologia observao objetiva observao subjetiva

Objetivos descrio e classificao dos fenmenos descrio da dinmica mental mentais estruturao de uma nosologia dos base da compreenso do distrbios mentais funcionamento mental

O Diagnstico, a Psicopatologia Geral e a Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Diagnstico

Psiquitrico

Psicanaltico

Concepo

Fenomenolgica

Psicodinmica

Objeto

Fenmenos mentais

Sentido das experincias existenciais

Instrumentos

Sinais e sintomas

Sinais e sintomas Mecanismos de defesa

Histria Pessoal

(traumas, perdas, paradas, etc.)

Transferncia

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Conceito de Enfermidade:

Cf. Ludwig Binswanger

Psiquiatria

Desvio de um tipo descrito

e sntese do que desvia em

um novo tipo descritivo

Psicanlise

Desvio de um fim vivente

e sntese do que desvia em

relao ao grau de efeito

contraproducente

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Psicopatologia Geral

Fundamental para o conhecimento da doena

Subsdios para o diagnstico da doena

Delimitao:

a) do campo teraputico b) do tipo de dilogo

Psicopatologia Psicanaltica

Fundamental para o conhecimento do doente

Subsdios para a conduo do tratamento

Construo: a) do dilogo teraputico b) dos objetivos teraputicos c) das estratgias clnicas

Psicopatologia Geral e Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

DISTRBIOS FENOMENOLGICOS:

- Alteraes cognitivas (do pensar) - Alteraes do pragmatismo (do querer) - Alteraes afetivas (do sentir)

DISTRBIOS PSICODINMICOS:

- Represso ou Recalque (verdrngung) - Recusa (verleugnung) - Rejeio ou repdio (verwerfung) - Demais mecanismos de defesa regresso negao

deslocamento

converso

projeo

formao reativa

introjeo

isolamento do afeto

idealizao

identificao com o agressor

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Exame Psquico: 1- Apresentao: - vestes e higiene pessoal - facies

- postura

- atitude perante a entrevista

- interesse pelo exame

- rapport

- elogiou ou atacou o entrevistador?

- fez pedidos pessoais?

- aceitou o exame com o passar do tempo? 2- Funes mentais: Esfera Cognitiva - Conscincia - Ateno

- Orientao

- Sensopercepo

- Pensamento

- Memria

- Juzo Crtico

- Conscincia do Eu

- Conscincia e Sensao de Doena Afetividade - Relao da pessoa com seus afetos, emoes e sentimentos

Pragmatismo - Conduta - Linguagem

- Escrita

- Mmica

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Conscincia: 1- Obnubilao - embotamento ou torpor

- sonolncia

vigil

- coma

carus

2- Estreitamento 3- Estado crepuscular

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Ateno: 1- Tipos de ateno: - Espontnea - Voluntria - Reflexiva 2- Psicopatologia - Aprosexia - Hipoprosexia - Hiperprosexia - Paraprosexia ou Disprosexia

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Orientao: 1- Autopsquica

2- Alopsquica: tempo e espao

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Senso-percepo: - Alteraes Quantitativas: diminuda pela ateno

Variaes normais aumentada pela ateno maior claridade

acelerada

Variaes patolgicas retardada apercepo

abolida

agnosia

- Alteraes Qualitativas: Iluses

Sensoriais: auditivas, visuais, olfativas, gustativas, tteis Alucinaes Cenestsicas

Cinticas

Pseudo-alucinaes

Alucinoses

Alucinaes psquica

Alucinaes verbomotoras

Alucinaes hipnaggicas

Alucinaes extra-campinas

Alucinaes auditivas de observao dos prprios atos

Eco ou sonorizao do pensamento

Percepo delirante

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Memria:

1. Alteraes Quantitativas: orgnica parciais

psicolgica Amnesias antergrada totais retrgrada

global quanto evoluo (reversvel , irreversvel, progressiva) Hipomnesia quanto extenso e contedo (macia, lacunar, seletiva) Hipermnesia

Dismnesia

2. Alteraes Qualitativas: Dej v Jamais v

Alomnesia

Paramnesia fantstica ou delrio de memria

Criptomnesia

Ecmnesia

Paramnesia reduplicadora

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Categorias do Pensar: O Reino da Experincia: Os objetos da experincia so constitudos a partir das nossas intuies e/ou sensaes, localizados no tempo e nos espao e colocados em relaes causais com os outros objetos da nossa experincia. A experincia sempre a aplicao de nossos conhecimentos (teorias) s nossas sensaes. O mundo que conhecemos o resultado. Conhecimentos a priori organizam nossas experincias Ex.: conceitos de substncia, de tempo, de espao. O Reino da Metafsica: Transcendente

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Pensamento: 1- Ideao 2- Associao de idias 3- Curso do pensamento 4- Contedo do pensamento 5- Imaginao

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Pensamento: 1- Ideao - Alteraes Quantitativas: Bradipsiquia

Taquipsiquia

- Alteraes Qualitativas Ideao delirante

Ideao obsessiva

Idais supervaloradas

Idias fixas

2- Associao de Idias acelerado

Alteraes do Ritmo retardado

Alterao da Forma coerncia

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Idias Patolgicas:

Origem

Erro

Juzo

Vontade

Comportamento

Carga afetiva

Estados em que ocorrem

Delirante

Nos choques e reaes do indivduo com o

ambiente

No reconhecido. Aceita como verdade e luta-se para mant-la

Alterado

Ativa, buscando

provas p/ refor-la

Influenciado

Aumentada ou inalterada

Estados delirantes

Obsessiva

Ncleo instintivo-afetivo

Reconhecido e luta-se para afast-la

Inalterado

Passiva, incapaz de afast-la

Alterado devido

inibio da vontade

Aumentada (aumento da ansiedade)

Neuroses obsessivas e

de angstia

Supervalorada

Em crenas que provocam estados

passionais

Permite discusso e ser contraditada

Inalterado

Passiva:no se preocupa que pensem diferente

Influenciado

Aumentada, podendo provocar estados

passionais e delrios

Fixa

Nos choques com o meio. Por reproduo

mnemnica

verdadeira e controlada pelo juzo

Inalterado

Inalterada ou controlada pela idia

No influenciado, mas a idia pode condicionar a

conduta

Diminui com o tempo

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Pensamento: 3- Curso do Pensamento acelerado

retardado

prolixidade

perseverao

interceptao

rigidez

estereotipia

verbigerao

desagragao

4- Contedo do Pensamento

incoerente

delirante

obsessivo

5- Imaginao aumentada

Alteraes Quantitativas

diminuda

Fabulao

Alteraes Qualitativas

Mentira

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Vivncia delirante: 1- Definio:

Significao anormal que adicionada, sem motivo adequado para tal, a uma percepo, a um pensamento ou a uma representao.

2- Caractersticas: inverossimilaridade certeza absoluta incorregibilidade carater de realidade 3- Vivncias delirantes bsicas: humor pr-delirante percepo delirante inspirao delirante 4- Vivncias delirantes secundrias: delrio crnico sistema delirante

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Vivncia deliride: 1- Definio: So pensamentos anmalos que no alteram a personalidade e sem a experincia de origem extra-psquica. 2- Tipos: Idia deliride secundria a outro transtorno psquico Idia deliride reativa

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Juzos: - Definio:

Atividade psquica mediante a qual a tarefa de sntese mental

realizada, o que permite chegar-se a uma concluso

entre idias ou conhecimentos.

1- Alteraes Quantitativas: Juzo insuficiente

Juzo debilitado

Juzo suspenso

2- Alteraes Qualitativas: delirantes

Juzo desviado manacos

melanclicos

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva O Eu: Conjunto de atividades que impem categorias a sensaes recebidas e chegam a compreender o mundo (eu virtual ou a mente) Inteligncia encarnada, emocional, com caractersticas, amigos, uma histria, uma cultura, um contexto (eu como pessoa). Aquele que atua como agente, que delibera e age, que moral ou imoral, responsvel ou irresponsvel, aquele que vive no mundo prtico (eu prtico).

O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Decio Tenenbaum

O Sujeito da experincia engloba: A pessoa que sou (o Eu como sujeito) A pessoa que gostaria de ser (o Eu como objeto: mim) A identidade As identificaes A subjetividade (o mundo interno) A inter-subjetividade O Eu corporal O corpo como objeto O corpo como instrumento O self A realidade

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Esfera Cognitiva Conscincia do Eu: 1- Identidade do Eu - Despersonalizao e desrealizao

- Falta do sentimento de constncia vital

- Falta do sentimento de plenitude presente

- Delrio de ssias

2- Unidade do Eu - Heautoscopia

- Delrio do prprio ssia

- Personalidades alternantes

- Personalidades mltiplas

3- Atividade do Eu - Por imprio do passado

- Por imprio de um presente inautntico

- Por imprio do futuro

- Falta do sentimento de atividade prpria paralisia do eu e possesso

- Convico de inexistncia pessoal

- Hipnose

4- Limites do Eu - Transitivismo

- Extase

SURGIMENTO DO SUJEITO

Freud

M. Klein

Winnicott

Lacan

CONSTRUO DA IDENTIDADE

Atravs de uma relao didica

Na relao com o outro (social)

Na reflexo sobre o prprio imaginrio

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Afetividade 1- Afetos: conforto (prazer) e desconforto (desprazer) 2- Emoes bsicas: amor, raiva e susto 3- Sentimentos: desprazerosos: angstia, ansiedade, pena, desgosto, vergonha, repunncia, humilho, medo, etc. prazerosos: alegria, felicidade, otimismo, satisfao, etc. 4- Alteraes Quantitativas:

Hipertimia (prazerosa, desprazerosa, meista)

Hipotimia

Atimia

5- Alteraes Qualitativas:

Tenacidade

Labilidade

Incontinncia

Ambivalncia

Perplexidade

Neotimias

Catatimias

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Pragmatismo 1- Conduta: 1.a) Do Perodo de Elaborao: Alteraes Quantitativas abulia, hipobulia, hiperbulia

impulsos (da nutrio, sexuais e gregrios)

Alteraes Qualitativas compulses

1.b) Do Perodo Executivo: Apraxia (ideatria e/ou motora)

Ecopraxias

Amaneiramento

Extravagncias

Estereotipias

Interceptao cintica

Obedincia automtica

Negativismo

Flexibilidade Crea ou Catalepsia

Cataplexia

2- Linguagem: alteraes orgnicas disartria, dislalia, afasias, disfemia 2.a) Oral alteraes psicolgicas disfonias, taquilalia, bradilalia, verbigerao, mutismo, musitao, monlogo, neologismos,

jergafasia, ecolalia, estereotipia verbal

2.b) Escrita disgrafia, agrafia e alexia alteraes quantitativas hipermimia, hipomimia, amimia 2.c) Mmica alteraes qualitativas paramimias

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Classificao das Doenas:

Nosografia Nosologia Sndrome

Nosografia Psiquitrica: 1- Diagnstico Sindrmico

2- Diagnstico Nosolgico:

Neuroses Perverses Orgnicas Psicoses Funcionais Oligofrenias

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Sndromes Psiquitricas no Hospital Geral:

1- Confuso mental 2- Desagregao 3- Depresso 4- Agitao psicomotora

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Quadros Psicticos:

1- Psicoses Orgnicas:

1.a) Sndrome Psicorgnico Agudo

1.b) Sndrome Psicorgnico Crnico

1.c) Psicoses Senis e Pr-senis

Psicopatologia Geral

Decio Tenenbaum

Quadros Psicticos:

2- Psicoses Funcionais:

2.a) Psicoses Manaco-Depressivas (Transtornos do Humor)

Tipos

Dinmica

Conduta 2.b) Psicoses Esquizofreniformes Tipos Dinmica Conduta

Teoria Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Principais Temas da Teoria Psicanaltica:

1- Explicao das Neuroses 2- Explicao das Psicoses

3- Explicao dos Processos Mentais 4- Explicao do Desenvolvimento Psicossexual

5- Explicao da Estrutura Adaptativa do Ego e das Relaes Objetais

6- Estudo da Comunicao Teraputica

Teoria Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Principais Teorias Psicanalticas: Teorias sobre a mente Teorias sobre o adoecer Teorias sobre a cura

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Teorias sobre o adoecer:

OPOSIO OU COMPLEMENTAO?

Teorias do conflito

- com ela mesma; - com sua imagem; da - com seus desejos; pessoa - com seus objetos (externos e internalizados); - com a sociedade; - com a cultura;

Teorias da falta/falha bsica

Balint: a falha bsica decorre da discrepncia entre as necessidades bio-psicolgicas da poca de formao do ego e o cuidado, ateno e afeio, material e psicolgica recebida nesta poca das pessoas responsveis pela criana. Lacan: a falta est relacionada com falhas na funo paterna.

43

Psicopatologia Psicanaltica

Referncias conceituais constituintes da Nosologia Psicanaltica:

1- Primeiros Conceitos Freudianos de Trauma e Defesa

2- O Modelo Topogrfico da Mente

3- A Teoria da Libido

4- A Teoria da Dualidade Pulsional e as derivaes da Pulso de Morte e da Agressividade 5- O Modelo Estrutural da Mente

6- A Teoria das Relaes Objetais

44

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Referncias conceituais constituintes da Nosologia Psicanaltica:

1- Primeiros Conceitos Freudianos de Trauma e Defesa:

2- O Modelo Topogrfico da Mente:

3- A Teoria da Libido:

4- A Teoria da Dualidade Pulsional e as Derivaes da Pulso de Morte e da Agressividade: 5- O Modelo Estrutural da Mente: 6- A Teoria das Relaes Objetais:

45

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Nosografia Psicanaltica:

Srie Complementar: - Frustrao externa; - Incapacidade anmica de levar a cabo as exigncias da realidade; - Inibio evolutiva do desenvolvimento psicossexual e sua inclinao conflituosa; - Aumento ou diminuio da quantidade de libido devido a alteraes puramente orgnicas (doenas orgnicas, puberdade, climatrio, esgotamento, etc.)

46

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Classificao das Doenas:

Nosografia Psicanaltica:

1 Classificao:. 1- Psiconeuroses: Histeria

Neurose Obsessiva

Fobia

Parafrenias

2- Neuroses Atuais:

Neurose de Angstia

Neurastenia

Hipocondria

47

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Classificao das Doenas:

Nosografia Psicanaltica:

2 Classificao:

1- Psiconeuroses: Histeria

Fobia

Neurose Obsessiva

2- Neuroses Narcsicas: Demncia Precoce

Melancolia

Parania

48

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Classificao das Doenas:

Nosografia Psicanaltica: 3 Classificao: 1- Psiconeuroses: Histeria Fobia Neurose Obsessiva 2- Neuroses Narcsicas: Melancolia 3- Psicoses: Esquizofrenia

49

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Nosografia Psicanaltica: 4 Classificao:

1- Transtornos Psicorreativos

2- Neuroses de converso, Organoneuroses .

3- Transtornos funcionais vegetativos com etiologia psquica estabelecida.

4- Impedimento do desenvolvimento psquico devido a estados emocionais deficitrios precoces; danos fsicos precoces e malformaes. 5- Impedimentos do desenvolvimento psquico resultantes de graves processos patolgicos crnicos ainda com possibilidades de abordagem psicodinmica 6- Impedimentos do desenvolvimento psquico em virtude de situaes externas que provocam uma grave deteriorao da personalidade

cf. Thom e Kchele

50

O EGO

Decio Tenenbaum

Sistema virtual que operacionaliza o funcionamento dos diversos sistemas

(mnmicos, volitivos, identificatrios, sensoriais, perceptivos, cognitivos, afetivos,etc.)

e programas (de aproximao da realidade e de interao ambiental em seus

diferentes nveis de relacionamento: ntimo, pessoal e social) mentais, tornando

possvel a transformao dos fatos vividos (sejam impulsos, desejos, situaes

reais, situaes imaginadas e etc.) em experincias existenciais.

51

O DESENVOLVIMENTO HUMANO

cf.Abram Eksterman/C.M.P.

mundo subjetivo

mundo objetivo

espao ntimo

espao pessoal

espao social

52

O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Decio Tenenbaum

CONSCINCIA

SISTEMA DO EU

BIOFISIOLOGIA

SISTEMA SOCIOCULTURAL

53

Psicopatologia Psicanaltica

Decio Tenenbaum

Ansiedades Neurticas: - fobias - histrionismos - rituais e compulses

Ansiedades psicticas: - perseguio - despersonalizao - desagregao - mania - depresso - hipocondria

Fato

vivido

Exigncia de trabalho

mente (ao ego)

Respostas emocionais

e cognitivas adequadas

Reaes

Emocionais (tenses

regressivas)

Experincias histricas no

elaboradas (traumas)

Experincia existencial

54

O DESENVOLVIMENTO HUMANO

Decio Tenenbaum

mundo subjetivo

mundo objetivo

espao ntimo

espao pessoal

espao social

55

A PRTICA CLNICA

Decio Tenenbaum

Sindrome de Adaptao Geral:

agente estressor

Fatores condicionantes hereditariedade, exposies anteriores, dieta, etc.

STH: Hormonio Somatotrfico aumenta produo de PC nas supra-renais

TTH: Hormonio Tireotrfico estimulante da Tireide

ACTH: Hormonio Adrenocorticotrfico aumenta produo de AC nas supra-renais

AC glicocorticides ou corticides anti-inflamatrios PC mineralocorticides ou corticides pr-inflamatrios

56

A PRTICA CLNICA

Decio Tenenbaum

Evoluo da Sndrome de Adaptao Geral: Reao de alarme Resistncia Esgotamento

57

A Linguagem Corporal Decio Tenenbaum

Teorias psicanalticas explicativas da relao mente-corpo:

A mais antiga: teoria econmica: energias psquicas capazes de intervir

nos fenmenos orgnicos (libido, catexia, defesa). Pontos chaves: - sublimao: base da formao cultural do ego - formao de sintomas: base da psicologia psicanaltica e subsdio para o estudo da patologia geral

Organizao simblica da mente: Na interao com o mundo a mente organiza as percepes e individualiza o ambiente. O amalgama de elementos das fantasias inconsciente com as informaes sensoriais estrutura o universo simblico dentro do qual o indivduo passa a viver. Ao construir o ambiente pessoal (mundo bom, mau, agressivo, amoroso, etc), a mente obriga o corpo a se adaptar ao mundo particular criado pelo prprio indivduo e pela sua cultura e que passa a ser sua realidade (troposfera ecolgica de cada pessoa). Esse ambiente pode assegurar desde adaptaes timas at psicotizantes que deterioram e desintregam a capacidade adaptativa (Abram Eksterman)

58

A PRTICA CLNICA

Cf. Abram Eksterman/C.M.P.

Psicanlise Psicologia do Inconsciente Mudana Psquica (mtodo teraputico) Funcionamento mental Instrumento de pesquisa da mente

Med. Psicossomtica Estudo das relaes corpo -mente com nfase na explicao psicolgica da patologia somtica Transcrio dos sintomas corporais para a linguagem psicolgica Patogenia Assistncia integral

Psicologia Mdica Estudo das relaes assistenciais Profilaxia dos aspectos irracionais das relaes assistenciais (preveno da iatrogenia) Tratamento Assistncia integral

Disciplina

Objeto do estudo

Objetivo

Foco

Proposta

59

A PRTICA CLNICA

As diferenas profissionais:

Cf. Abram Eksterman/C.M.P.

Interveno Objeto Campo Mtodo Instrumento Diagnstico Objetivo

Psicanlise Inconsciente Transferencial Hermenutico Relao palavra Psicodinmico

Transformao psquica

Psicologia Mdica

Processo teraputico Assistencial Hermenutico Palavra relao Psicodinmico e Fenomenolgico Desirracionalizao do Campo assistencial (preveno da iatrogenia)

Medicina Psicossomtica Patogenia Assistencial Hermenutico Palavra relao Psicodinmico e Fenomenolgico Transcrio psicolgica dos sintomas corporais (assistncia integral)

60

A Linguagem Corporal Decio Tenenbaum

A Linguagem Corporal e a Psicopatologia

Facies

Gesticulao

Postura

Sintomatologia Corporal: - Expresses corporais de conflitos psicolgicos inconscientes - Expresses corporais de fragilidades egicas decorrentes de falhas no desenvolvimento psicolgico - Expresses corporais de desorganizao do Ego

61

A Linguagem Corporal

Decio Tenenbaum

Sintomatologia corporal e histria pessoal:

1. Reaes emocionais transitrias

2. Conflitos psicolgicos inconscientes

3. Fragilidades egicas decorrentes de falhas no desenvolvimento

4. Desorganizao do ego