PSOR ?ASE-Vis£o...  FOTOTERAPIA E TERAPUTICA SISTMICA ... de trabalho, al©m de, provavelmente,

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of PSOR ?ASE-Vis£o...  FOTOTERAPIA E TERAPUTICA SISTMICA ... de trabalho, al©m de,...

  • PALESTRANTE: DR LUIZ ALBERTO BOMJARDIM PORTO

    MDICO DERMATOLOGISTA

    CRM-MG 54538 / RQE N 37982

    PSORASE

  • VISO GERAL SOBRE PSORASE

  • http://www.dermatologia.net/atlas-de-imagens/psoriase-2/ . Acessado em 06/11/16.

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • http://www.dermatologia.net/atlas-de-imagens/psoriase-2/ . Acessado em 06/11/16.

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014

  • CONCEITO

    A psorase uma doena inflamatria crnica da pele e das articulaes, imunomediada, de base gentica, com grande polimorfismo de expresso clnica.

    A psorase uma enfermidade crnica, frequente e multissistmica.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • EPIDEMIOLOGIA E GENTICA

    Prevalncia estimada de 1% populao

    Relao homem/mulher-> 1:1

    Picos de incidncia 2 e 5 dcadas de vida

    Estudos recentes revelam loci de susceptibilidade denominados Psors, localizados nos cromossomos 6p, 17q, 4q e 1q

    Incidncia influenciada pela etnia e por aspectos ambientais.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • PATOGNESE

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • FATORES DESENCADEANTES

    Trauma

    Stress emocional

    Distrbios metablicos e endcrinos

    Tabagismo

    Ingesto aumentada de lcool

    Infeces

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • COMORBIDADES

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • DIAGNSTICO

    Forma cutnea: Histria, quadro clnico e, nos quadros menos tpicos, exame histopatolgico.

    -Sinal do orvalho sangrento.

    -Exame do couro cabeludo e das unhas auxilia o diagnstico.

    Na forma articular: necessita de estudo radiolgico e da interao com os reumatologistas.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CLASSIFICAO POR GRAVIDADE

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CLASSIFICAO POR GRAVIDADE

    PASI: Usado para psorase cutnea crnica em placas.

    PASI 10: MODERADO-GRAVE

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CLASSIFICAO POR GRAVIDADE

    Psorase grave aquela que apresenta um dos seguintes parmetros:

    -PASI > 10, ou BSA >10 ou DLQI > 10. Regra dos 10.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • TRATAMENTO PSORASE

  • TIPOS DE TRATAMENTO

    TPICO

    -Usados nos casos leves e com pouco comprometimento da qualidade de vida.

    -Adjuvantes na fototerapia e no tratamento sistmico.

    SISTMICO

    -Usados nos casos moderados a graves.

    -Forma articular.

    -Couro cabeludo.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • TRATAMENTO TPICO

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • TRATAMENTO TPICO

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • FOTOTERAPIA E TERAPUTICA SISTMICA

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

    PUVA / FOTOTERAPIA

    METOTREXATE

    ACITRETINA

    CICLOSPORINA

    BIOLGICOS

  • FOTOTERAPIA E TERAPUTICA SISTMICA

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • FOTOTERAPIA E TERAPUTICA SISTMICA

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CONSENSO BRASILEIRO PSORASE

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CONSENSO BRASILEIRO PSORASE

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • MODALIDADES TRATAMENTO SISTMICO DISPONVEIS

    Monoterapia: Quando somente um agenteteraputico empregado.

    Combinao: permite utilizar doses menores de cadaagente, diminuindo a ocorrncia de efeitoscolaterais.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • MODALIDADES TRATAMENTO SISTMICO DISPONVEIS

    Terapia rotacional: Usada na tentativa de reduzir atoxicidade e possvel taquifilaxia (tolerncia) pelo usoprolongado. Empregada especialmente para osdoentes em que necessrio incluir a ciclosporina noesquema de tratamento.

    Intermitente: Usada em doentes que apresentamremisses prolongadas sem medicao.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • TRATAMENTO COMBINADO

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • CONSIDERAES FINAIS

    1- A psorase uma enfermidade crnica, frequente e multissistmica;

    2 Acarreta problemas financeiros para o paciente e familiares, assim como para os servios de sade;

    3 Causa srios prejuzos sociais e psicolgicos para o paciente e familiares;

    4 O controle adequado da doena promove a reabilitao social do paciente, melhorando a capacidade de trabalho, alm de, provavelmente, diminuir o risco de comorbidades.

    Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

  • 1. http://www.dermatologia.net/atlas-de-imagens/psoriase-2/ . Acessado em 06/11/16.

    2. BELDA JUNIOR, W. DI CHIACCHIO, N.; CRIADO, P. R. Tratado de Dermatologia 2 edio. So Paulo Atheneu; 2014.

    3. Consenso Brasileiro de Psorase 2012 - Guias de avaliao e tratamento Sociedade Brasileira de Dermatologia. 2 ed. Rio de Janeiro:

    BIBLIOGRAFIA

  • Obrigado!

    Dvidas?

    Luiz Alberto Bomjardim Prto

    contato@drluizporto.com.br

    http://www.drluizporto.com.br/

    mailto:contato@drluizporto.com.brhttp://www.drluizporto.com.br/