Click here to load reader

Questao da agua em comunidades rurais da ilha de Santiago hidro.ufcg.edu.br/cisternas/curso/Questao da agua em comunidades... · PDF fileA qualidade da água, relativamente a parâmetros

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Questao da agua em comunidades rurais da ilha de Santiago hidro.ufcg.edu.br/cisternas/curso/Questao...

Questo da gua em comunidades rurais da ilha de

Santiago-Cabo VerdeIara Jassira Costa Barros

IntroduoLocalizao geogrfica: 500km da costa

ocidental da frica

Clima: Tropical seco, 2 estaes seca e chuvosa

Precipitao mdia anual

Cabo Verde: 230mm

Santiago: 323mm

gua em Cabo Verde- Fontes de aprivisionamento

guas subterrneas (70% )

gua dessalinizada 25%

Outras fontes 3% (cisternas e chafariz)

- Acesso a gua potvel

Meio urbano

Meio rural (Prtica do uso de cisternas)

Achada Longueira e Biscanhos

Objetivos

Avaliar as caractersticas construtivas, de conservao e manejo de diferentes sistemas de captao e armazenamento de gua de chuva em comunidades rurais da ilha de Santiago/Cabo Verde.

Conhecer as fontes de gua usadas para abastecer as cisternas e as finalidades de uso dessas guas.

Analisar a qualidade da gua armazenada nas cisternas e de outras fontes utilizadas para o consumo direto.

Materiais e mtodos

Locais de estudo

Tarrafal

- 112,4Km2

- 17.724 mil hab.

Biscanhos 725 hab.

Achada Longueira - 724 hab.

Censo de 2000

Materiais e mtodosColeta e estruturao dos resultados

70 residncias que apresentavam sistemas de coleta e armazenamento da gua de chuva, 35 em Biscanhos e 35 em Achada Longueira (2007/2008)

Visitas in loco

Aplicao de questionrios semi-estruturados(2007/2008).

Avaliao da qualidade de gua em 15 cisternas das duas comunidades e 1 chafariz em Achada Longueira(2008/2009).

Resultados

As cisternas nessas duas comunidades so unifamiliares.

A construo feita de ferros e beto (concreto) armado.

So construdas pelo proprietrio e em alguns casos recebem ajuda das cmaras municipais ou de outras ONGs

Os sistemas apresentam carateristicas construtivas diferentes das cisternas existentes no semi-rido Paraibano

a) Area de captao

Telhado

b) Corredores cimentados

c) Dutos

Para a retirada da gua das cisternas todas as famlias utilizam um balde que serve exclusivamente para essa finalidade e geralmente fica dentro da cisterna, atado a uma corda, para impedir o contato com o exterior .

Os sistemas apresentam uma caixa desvio das primeirasguas, permitindo a lavagem do telhado antes dacaptao dos volumes para armazenamento.

Dutos de transporte da

gua desde o telhado

Caixa de desvio

rea de captao

Volume da cisterna

A gua armazenada na cisterna pode ser: gua de chuva, gua encanada+gua de chuva, gua encanada+gua de chuva+carro-pipa e gua de chuva+carro-pipa.

Fontes de gua armazenada nas cisternas

A gua armazenada na cisterna tem diversos fins, nenhum caso a

familia afirmou usar a gua da cisterna apenas para beber e

cozinhar.

.

Apenas 6% das familias e m Biscanhos e 14% em Achada Longueira afirmam disinfectar a gua antes do consumo direto.

Parte da populao de ambas as comunidades usa para beber gua dos chafarizes (das mesmas fontes que a gua encanada, sob cuidados do Servio Autnomo de gua e Saneamento), mesmo tendo cisternas, porque s vezes a gua da cisterna no possui qualidade adequada para consumo humano

N

Am

ost

ra

Loca

lid

ad

e

Parmetros

pHTemp.

(C)

Condutivi

dade

(/cm)

Sal

(%)

SDT

(mg/l)

NO2-

(mg/l)

PO43-

(mg/l)

NO3-

(mg/l)

SO42-

(mg/l)

Alc

ali

nid

ad

e

Du

reza

to

tal

Du

reza

c

lcic

a

(mg

/l)

K+ SiO2

6,5

8,5At 25

400 -

1000- - -

At

1000

At

0,5mg/

l

400-

5000mg

/l

At

50mg/l

At

250mg/l

At

12

mg/l

E01Biscanho

s7,8 22,5 236 0,1 119

0,069 0,33 0,3 10 80 90 20 5,6 12,3

E02Biscanho

s8,0 20,2 197,3 0,1 120,4

0 0,37 0,8 17 82 90 30 5 12

I01Biscanho

s7,7 22,3 209 0,1 106,1

0,001 0,53 13,5 5 64 90 22 4,8 11,1

Q002Achada

Longueira8,3 22,9 646 0,3 330

0,003 0,09 1,8 18 150 120 34 12,2 13,7

Q007Achada

Longueira8,5 21,3 254 0,1 131,6

0 0,09 1,0 19 88 160 10 5,7 7,3

ChafarizAchada

Longueira8,0 22,2 617 0,3 318

0,031 0,24 11 19 146 220 28 15,8 17,2

Decreto lei n.8/2004

Adriana C. Tavares

SDT em cisternas do semi-rido Parabano

N Amostra Localidade

Parmetros Microbiolgicos

Contagem

Microrganismos

viveis (PCA,

37C,48- horas),

UFC/ml

Coliformes Totais

(VRB- Agar, 37C, 24

horas), UFC/50 ml

Coliformes Fecais

(VRB, 44C, 24

horas), UFC/50 ml

Pesquisa

Escherichia

Coli (Teste

Indol, 44C, 24

horas). +/-

Valores Recomendados 20 0 0 0

E01 Biscanhos - Balde 16 Incontvel Incontvel +

E01 Biscanhos - R.E ----- 29 Incontvel +

E02 Biscanhos Balde 9 Incontvel 43 +

E02 Biscanhos R.E 6 35 ------- +

I01 Biscanhos - Balde 36 65 Incontvel +

I007 Achada Longueira 124 Incontvel Incontvel +

Q002 Achada Longueira 100 Incontvel Incontvel +

Q007 Achada Longueira 136 Incontvel Incontvel +

I012 Achada Longueira 124 Incontvel Incontvel +

Chafariz Achada Longueira 66 Incontvel Incontvel +

Decreto lei n.8/2004

Adriana C. Tavares

Coliformes totais em cisternas do semi-rido Parabano

E. Coli em cisternas do semi-rido Parabano

Adriana C. Tavares

A qualidade da gua, relativamente a parmetros fsicos e

qumicos , apresenta-se dentro dos valores recomendados pela

norma vigente em Cabo Verde (Decreto lei n.8/2004)

excetuado duas amostras de Longueira, sendo uma desta a

amostra do Chafariz.

Nas comunidades de Biscanhos e Achada Longueira tem que haver uma conscientizao por parte da populao da importncia de gua potvel para a sade, com isso comear a disinfeo da gua antes do consumo direto.

Os servios autnomos da cmara municipal do Tarrafaltm que averiguar a situao do chafariz em Achada Longueira, seguindo os padres de qualidade estabelecidos pela norma vigente de modo que a gua que fornecida populao seja de qualidade apta para o consumo humano.

Observaes

Objetivos

Obter um diagnstico panormico da comunidade (saneamento bsico, sade familiar, fontes de gua consumida pela populao, etc.)

Avaliar a qualidade de gua utilizada para o consumo direto pela populao da comunidade de Charco

Informaes gerais

Concelho de Santa Catarina

Comunidade rural agricola.

uma comunidade pequena, com cerca de 40 residncias, divididas em quatro aglomerados: Cobon Dentu, Terra Burmedjo, Lm Cabral e Taberna.

A comunidade no dispe de energia eltrica, servio telefnico nem de instalaes sanitrias.

Os agregados familiares so compostos, em mdia de sete pessoas. A maioria dos chefes de famlia so agricultores (nica fonte de renda familiar).

Dentro da comunidade existem algumas pessoas que trabalham na associao (ajudantes das construes de algumas obras na comunidade).

A nica fonte de aprovisionamento de gua para o consumo primrio (beber cozinhar, higiene pessoal e da residncia) proveniente da nascente, armazenada nos tanques, que ficam a 30 minutos, a p, das residncias.

A gua armazenada nos tanques conduzida at a lavanderia atravs de tubulaes e da retirada para o consumo pela populao.

Abastecimento de gua

A procura pela gua para o lar tarefa da mulher, ou das crianas

Cisternas na comunidade

Em charco nenhuma residncia possui cisternas. O principal motivo porque no existem recursos para a construo.

Os habitantes afirmam que se houvesse algum programa que ajudasse na construo de cisternas, ia ser mais fcil, pois teriam gua em casa e no haveria a necessidade de se deslocar longas distancias para conseguir gua e esta continuaria sendo gratuita.

Saneamento Bsico

No possui nenhum servio de recolha de lixo, o mesmo jogado ao redor das casas.

No charco existem alguns engenhos e os resduos so despejados no ambiente .

Os animais so criados soltos na sua maioria, e geralmente abeiram a fonte de gua, comprometendo a qualidade da gua consumida pela populao.

Sade pblica

Na comunidade no h nenhum trabalho relativo a Programas de Sade da Famlia (PSF), apenas alguns tcnicos da rea de sade fazem visitas a cada seis meses para dar alguns esclarecimentos sobre higiene pessoal e educao ambiental.

Avaliao da qualidade de gua

Coleta da gua da lavanderia(utilizada para o consumo direto).

Avaliao de parmetros fsico -qumicos e microbiolgicos

ResultadosParmetros Fsicos e qumicos

Amostra

Parmetros

pHTemp.

(C)

Conduti

vidade

(/cm)

Sal

(%)

TDS

(mg/l)

NO2-

(mg/l)

PO43-

(mg/l)

NO3-

(mg/l)

SO42-

(mg/l)

Alcalini

dade

Dureza

total

Dureza

clcica

(mg/l)

K+ SiO2

6,5

8,5

At

25

400 -

1000- - -

At

1000

At

0,5mg/l

400-

5000