r. ?· recusa quanto à aplicação dos rendimentos da caderneta de poupança como índice definidor…

Embed Size (px)

Text of r. ?· recusa quanto à aplicação dos rendimentos da caderneta de poupança como índice...

  • ADVOCACIA-GERAL DA UNIO

    AO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N 5090

    Requerente: Sol idariedade

    Requeridos: Presidente da Repblica e Congresso Nacional

    Relator: Ministro Roberto Barroso

    Fundo de Garantia do Tempo de Servio (FGTS). Artigo 13 da Leifederal nO 8.036/90 e artigo 17 da Leifederal nO 8.177/91. que estabelecem a remunerao dos saldos das contas do FGTS pela taxa aplicvel remunerao bsica dos depsitos de poupana (Taxa Referencial). Preliminar. Ausncia de impugnao a todo o complexo normativo. As disposies impugnadas e os artigos 12. inciso /, da Lei n 8./77/91 e r. caput, da Lei nO 8.660/93 formam um conjunto normativo indissocivel para se compreender a aplicao da Taxa Referencial (TR) aos depsitos de FGTS. de modo que estas ltimas regras legais tambm deveriam ter sido objeto de impugnao pelo requerente. Mrito. Embora desvinculada dos ndices inflacionrios, a Taxa Referencial (TR) consiste em mecanismo idneo para remunerar os depsitos de FGTS. Dplice finalidade do FGTS e prejuzos decorrentes da alterao da taxa impugnada, mormente sobre os contratos firmados do mbito do Sistema Financeiro de Habitao. Ausncia de violao ao direito de propriedade, ao direito ao FGTS e moralidade administrativa (artigos 5~ inciso XXII; r. inciso l/I; e 37, caput, da Constituio Federal). Manifestao pelo no conhecimento da ao direta e, no mrito, pela improcedncia do pedido.

    Egrgio Supremo Tribunal Federal,

    O Advogado-Geral da Unio, tendo em vista o disposto no artigo

    103, 3, da Constituio da Repblica, bem como na Lei nO 9.868/99, vem,

    respeitosamente, manifestar-se quanto a presente ao direta de

    inconstitucional idade.

  • I - DA AO DIRETA

    Trata-se de ao direta de inconstitucionalidade, com pedido de

    liminar, proposta pelo Solidariedade - SD, tendo por objeto a expresso "com

    base nos parmetros fixados para atualizao dos saldos dos depsitos de

    poupana", constante do caput do artigo 13 da Lei federal nO 8.036, de 11 de

    maio de 1990 I, bem como o caput do artigo 17 da Lei federal n 8.177, de 1 de

    maro de 1991 2 O teor das disposies vergastadas encontra-se destacado no

    texto transcrito a seguir:

    Lei federal n 8.036/90:

    "Art. 13. Os depsitos efetuados nas contas vinculadas sero corrigidos monetariamente com base nos parmetros fixados para atualizao dos saldos dos depsitos de poupana e capitalizao juros de (trs) por cento ao ano."

    Lei federal n 8.177/91:

    "Art. 17. A partir de fevereiro de 1991, os saldos das contas do Fundo de Garantia por Tempo de Servio (FGTS) passam a ser remunerados pela taxa aplicvel remunerao bsica dos depsitos de poupana com data de aniversrio no dia 1, observada a periodicidade mensalpara remunerao

    Pargrafo nico. As taxas de juros previstas na legislao em vigor do FGTS so mantidas e consideradas como adicionais remunerao prevista neste artigo".

    O requerente sustenta que os dispositivos impugnados, ao

    estabelecerem a correo monetria dos depsitos efetuados nas contas

    vinculadas do FGTS com base nos parmetros fixados para atualizao dos

    saldos dos depsitos de poupana - Taxa Referencial (TR), violariam o direito

    de propriedade, o direito ao FGTS e a moralidade administrativa, insculpidos,

    I "Dispe sohre o Fundo de Garantia do Tempo de Servio. e d outras providncias."

    :"Estahe!ece regras para a desindexao da economia e d olllras providncias."

    AD! n 5MO, Rei. Min. Roherto Barroso 2

  • respectivamente, nos artigos 5, InCISO XXII; 7, InCISO lII; e 37, caput, da

    Constituio Federal3.

    Nessa linha, assevera que o trabalhador sena o proprietrio dos

    valores depositados em sua conta de FGTS, cujo direito de propriedade teria por

    consequncia a correo monetria desses montantes, em observncia ao ncleo

    essencial dos artigos 5, inciso XXII; e 7, inciso 111, da Carta da Repblica.

    Sustenta o autor, nesse contexto, que a Taxa Referencial (TR) no

    refletiria o real processo inflacionrio brasileiro, porque "desde a sua

    instituio, a mesma sempre foi fixada ex ante, a partir de critrios tcnicos

    desvencilhados da desvalorizao da moeda" (fl. ]8 da petio inicial), de modo

    que no poderia ser utilizada para o fim de atualizao monetria dos depsitos

    efetuados nas contas vinculadas do FGTS, sob pena de vulnerar o direito

    constitucional de propriedade.

    Outrossim, alega a ocorrncia de situao de inconstitucionalidade

    progressiva de normas jurdicas originariamente vlidas, uma vez que, at a

    vigncia da Lei n 8.036/90, a atualizao dos saldos dos depsitos das

    cadernetas de poupana era feita por ndices que refletiam a inflao, mas "com

    a edio da Lei Federal n 8.177/1991 (,,,), a 'atualizao dos saldos dos

    1 'Art. 50 Todos so iguais perante a lei. sem distino de qualquer nature:a. garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pas a inviolabilidade do direito vida. liberdade. igualdade. segurana e propriedade. nos termos seguintes: (. .. ) XXII - garantido o direito de propriedade."

    "Arf. r So direitos dos tf'CIbalhadores urbanos e rurais. alm de outros que visem melhoria de s/la condio social. ( ... ) lI/-fundo de garantia do tempo de servio:"

    "Arf. 37. A administra'o pblica direta e indireta de qualq/ler dos Poderes da Unio. dos Estados. do Distrito Federal e dos Municpios obedecer aos princpios de legalidade. impessoalidade. moralidade. publicidade e eficincia e, tambm, ao seguinte:"

    ADI nO 5()9(). Rel Min. Roberto Barroso 3

  • depsitos da poupana} deixou de se dar por ndice de correo monetria e

    passou a se dar pela TR, a qual, como exposto, inicialmente objetivava ser uma

    previso de inflao futura feita pelo mercado financeiro, mas sem nenhuma

    garantia de correspondncia com a inflao emprica verificada no mesmo

    perodo." (fi. 27 da petio inicial).

    o requerente menCiona, ainda, as Resolues do Conselho Monetrio Nacional nO 2.604/99 e nO 3.354/06, que teriam impactado

    negativamente na frmula de clculo da Taxa Referencial (TR).

    Ademais, afirma que haveria enriquecimento ilcito por parte da

    Caixa Econmica Federal - CEF, na qualidade de agente operador do FGTS,

    considerando que referida entidade estaria se apropriando dos valores que

    deveriam ser entregues ao trabalhador a ttulo de correo monetria

    efetivamente devida, afrontando, com isso, a moralidade administrativa.

    Com esteio em tais argumentos, o autor requer a concesso de

    medida cautelar para suspender os efeitos do caput do artigo 17 da Lei federal nO

    8.17711991, bem como da expresso "com base nos parmetros fixados para

    atualizao dos saldos dos depsitos de poupana", constante do caput do

    artigo 13 da Lei federal nO 8.03611990. E, ainda, "caso este E. STF entenda

    necessria, a determinao de que, a partir da sustao acima dos dispositivos

    ora objurgados, a correo monetria dos depsitos nas contas vinculadas do

    FGTS seja pelo IPCA-E ou, se no, pelo INPCIIBGE, ou, ainda alternativa e

    subsidiariamente, por outro ndice escolha deste Pretrio Excelso, desde que

    inflacionrio" (fls. 01/02 da petio de aditamento inicial).

    No mrito, pleiteia a procedncia do pedido para que seja declarada

    a inconstitucionalidade das normas impugnadas e, subsidiariamente, que "sejam

    A DI n 5090, Rei Min. Roberto Barroso 4

  • declarados inconstitucionais com carter vinculante, erga omnes a expresso

    'com base nos parmetros fixados para atualizao dos saldos dos depsitos de

    poupana' do caput do art. 13 da Lei Federal n 8.03611990 e o caput do art. 17

    da Lei Federal n 8.17711991, com efeitos a partir da edio da Resoluo

    CMN 2.604, de 23/04/1999 - quando o clculo da TR se desvinculou de seus

    objetivos iniciais (indicar a previso do mercado financeiro para a inflao no

    perodo futuro escolhido)" (n. 03 da petio de aditamento inicial).

    Por fim, o autor requer, "caso este E. STF entenda necessria, a

    determinao de que, a partir do marco temporal definido pela E. Corte de

    efeitos da inconstitucionalidade dos dispositivos ora objurgados, a correo

    monetria dos depsitos nas contas vinculadas do FGTS seja pelo IPCA-E ou,

    se no, pelo INPCIIBGE, ou ainda alternativa e subsidiariamente, por outro

    ndice escolha deste Pretria Excelso, desde que inflacionrio" (fi. 02 da

    petio de aditamento inicial).

    o processo foi despachado pelo Ministro Relator Roberto Barroso, que, nos termos do rito previsto pelo artigo 12 da Lei nO 9.868/99, solicitou

    informaes s autoridades requeridas, bem como determinou a oitiva do

    Advogado-Geral da Unio e do Procurador-Geral da Repblica.

    Em atendimento solicitao, o Senado Federal defendeu a

    constitucionalidade das normas impugnadas, argumentando que o FGTS possui

    regime jurdico especfico, sujeito disciplina legal, de modo que "nas contas

    vinculadas ao FGTS os titulares, como sujeitos de direito futuro, tm direito

    manuteno monetria de acordo com os patamares legitimamente definidos

    pelo legislador" (fi. 11 das informaes do requerido).

    Afirmou, tambm, que o enunciado da Smula n 459 do Superior

    AD! n 5MO, Rei Min Roberlo Barroso 5

  • Tribunal de Justia4 reconhece a validade da aplicao da Taxa Referencial (TR)

    como ndice de correo monetria dos dbitos de FGTS recolhidos pelo

    empregador, mas no repassados ao fundo.

    Sustentou, ainda, que no cabe ao Poder Judicirio alterar ndice de

    correo monetria previsto em lei, sob pena de atuar como legislador positivo,

    ofendendo o princpio da separao de Poderes (artigo 2 da Constituio