RECICLAGEM DE VIDROS NO . O Mercado de Reciclagem ... * Fonte: Ind£›stria do Vidro - Mauro Akerman Produ£§££o

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of RECICLAGEM DE VIDROS NO . O Mercado de Reciclagem ... * Fonte: Ind£›stria do Vidro -...

  • RECICLAGEM DE

    VIDROS NO BRASIL.

  • O Mercado de Reciclagem

     Se segmenta em 2 origens: Industrial e pós-

    consumo.

     Industrial: atualmente encontra-se em queda

    em função do momento econômico, além de

    possuir tendência de redução em função da

    busca pela melhora da produtividade.

     Pós-consumo: predominante em embalagens

    com potencial de crescimento.

  • TIPOS DE VIDROS RECICLÁVEIS

  • Evolução da utilização de cacos

    •Usinas de vidro plano float/impresso;

    •Usinas de embalagem de vidro;

    • Ind. Sinalização Viária;

    • Ind. Cerâmica;

    •Jateamento;

    Caco vidro plano

    • Usinas de embalagens;

    • Sinalização Viária/Construção Civil;

    • Cristalerias não automatizadas;

    Caco de Vidro

    Embalagem

    • Indústria Cerâmica;

    • Fabricantes de refratários; Cacos especiais

  • Benefícios na utilização do caco

     Redução do impacto ambiental:

     Economia de matérias primas virgens;

     Despoluição do meio ambiente pela reciclagem;

     Utilização de 10% de caco representa:

     Aspectos Financeiros:

     Redução do consumo energético: cada 10% de aumento de caco

    na composição gera redução de 0,14 Gj de energia por ton ;

     Aumento da vida útil do forno;

     Redução do custo de matéria prima;

    Float Oco

    Emissão de Calcinação -10% -10%

    21 kg CO2/ton 17 kg CO2/ton

    Energia de Combustão(Gj) -0,1273 -0,1273

    7,5 kg CO2/ton 7,5 kg CO2/ton * Fonte: Indústria do Vidro - Mauro Akerman

    Produção de vidro 2014 + 10% caco = -103.860 t CO2 (4,5%)

  • O Mercado de Reciclagem

    pós-consumo

    Serviço 1995 2000 2015

    Rede coletora de esgoto 40 45 58

    Rede Geral de abastecimento de água 76 81 85

    Coleta de lixo 72 83 90

    * Fonte: Abrelpe

    Evolução de domicílios com serviços de saneamento básico (em %)

    Norte 3%

    Nordeste 6%

    Centro-Oeste 18%

    Sudeste 26%

    Sul 35% * Fonte: Abrelpe

    Municípios com coleta seletiva

  • O Segmento em Números

    34%

    11%

    6%

    35%

    14%

    COMPOSIÇÃO DO RECICLÁVEL

    Papelão Plástico Vidro Rejeito Outros

    Obstáculo:

    Coleta Seletiva: R$ 390,00/ton X Coleta Convencional: R$95,00/ton

  • X

    Modelo de coleta

  • Pontos de coleta pós-consumo

  • Principais desafios para reciclagem

  • Principais contaminantes

    CSP – Pedras,

    Cerâmicas e Porcelanas.

    Metais Ferrosos

    Metais Não Ferrosos

    Material Orgânico

    I N C L U S Õ E S

    A L T E R A Ç Ã O

    D E 0 C O R

    I N C L U S Õ E S

    M E T Á L I C A S

    D E S G A S T E 0 D E

    R E F R A T Á R I O

    Química o Vidro e suas múltiplas aplicações.mp4

  • Como Trabalhamos hoje?

    * Gestão:

    - Índices produtivos;

    - Controle de recebimento de cacos;

    - Rastreabilidade do material;

    * Estrutura/ Tecnologia:

    - Pátio Pavimentado;

    - Baias ecológicas;

    - Ópticos;

    - Eddy Current;

    * Treinando Fornecedores:

    - Sistema de controle qualidade de fornecedores;

    - Palestras;

    - Visitas frequentes;

    SEGURANÇA E QUALIDADE

  • Controles de Produção Responsavel Marcos

    Data Funcionarios Trabalhando Faltas Horas Extras

    se SIM descreva :

    Func Turno de Minutos Eficiencia Maxima Calculada Ton / turno

    Tempo de funcionamento Toneladas / hora ( media )

    Tempo parado Volume teórico previsto

    Eficiencia Real

    Volume abastecido

    Owens Misto %

    Owens Reproc %

    Massfix Incolor %

    x Massfix Misto %

    Massfix ambar %

    Massfix Verde %

    Massfix Reproc %

    %

    Volume de rejeitos Plastico Diferença absoluta de entrada contra saida

    durante processo Laminado 8% Controle de Qualidade

    Ceramica

    Pedra < 5mm

    Pedra > 5mm

    Total

    Classificação apr aprapr apr apr apr rep aprapr apr apr apr apr apr apr apr

    2,66 4 0 24,68 12,93 4,75 6,96

    0 0 0 0 0

    0 0 00 4,65 20,77 3,51

    0 0 0 0 0 0 0

    0

    0 0

    2,66 0 0 23,71 2,35 4,75 6,96

    0 0 0 18,04 3,51

    0 4,65 2,73 0

    0 4 0 0,97 10,58 0 0

    08:05

    ENTRADA SAIDA

    07:35 09:08 11:00 13:05 14:10 15:10 16:25 10:00 13:50 14:50 15:50

    Ceramica Outros Incolor

    0

    650 Gargalo 5000 Moinhas 150 390

    10440

    0 #DIV/0!

    MM 134080 75690 56% 15660 0 91350 68% 26100

    #DIV/0!

    #DIV/0! 0 #DIV/0!

    #DIV/0! 0 #DIV/0!

    134080 75690 56% 15660 91350 68% 26100

    ReprovadoR e

    n d

    im e

    n t o

    #DIV/0! 0 #DIV/0!

    #DIV/0! 0

    Volume rejeito Volume Produzido

    Aprovado apr

    Somente Podemos melhorar quando Medimos

    Relatório Diário de Produção

    21/set

    464,00 17,3379

    61,00 134,08

    Incidente / Acidentes

    Produção Linha Picvisa 7 525

    Rep

    175

    77% moinha material

    #DIV/0!

    #DIV/0! 0 #DIV/0!

    Aprovado total

    0

    5

    10

    15

    20

    25

    07:35 09:08 11:00 13:05 14:10 15:10 16:25 08:05 10:00 13:50 14:50 15:50

    ENTRADA SAIDA

    Ceramica

    Eficiência

    Qualidade ( Entrada e saída )

    Rendimento

  • Recebimento de caco

    LUT – LIÇÃO DE UM TEMA 1305

    Tema da Lição: Padronização de fotos de Não Conformidade no Recebimento

    Arquivo:

    A) Conhecimento Básico B) Problema C) Melhoria D) Processo

    Data Emissão: Data Última Revisão: Responsável:

    Edna

    Elaborado por:

    Edna

    Aprovações:

    Procedimento ISO:

    1º - Fotografar a Nota Fiscal ou Ordem de Carregamento

    2º - Fotografar a placa do caminhão

    3º - Fotografar o material não conforme

    Cuidado para não manusear o material sem EPI

    4° - Enviar as fotos ao setor comercial

    14.10.2016 14.10.2016

    Tirar foto de toda a carga evidenciado o material não

    conforme

    Tirar foto do detalhe da não conformidade

    Importante conter: Número da NF/Ordem de Coleta e nome do fornecedor

    PLACA

    INCOLOR/VERDE MISTO ESPELHO

    INCOLOR MISTO ÂMBAR

    PEDRAS CERÂMICAS PORCELANAS

    PAPEL PLÁSTICO MADEIRAS

    ALUMÍNIO COBRE LATÃO

    METAIS

    OUTROS

    SIM NÃO

    Orgânico

    Metais - Não Ferrosos

    Metais - FerrososESTRUTURAS SIMILARES

    Inorgânico

    VERDE

    CONTROLE DE QUALIDADE - ANÁLISE VISUAL

    DATA

    FORNECEDOR

    MOTORISTA

    LAMINADO

    NOTA

    CACO DE VIDRO PLANO

    PRODUTO

    CACO DE VIDRO EMBALAGEM

    ANÁLISE VISUAL

    OBSERVAÇÕES

    Visual não aprovado, solicitar análise para o Controle de Qualidade.

    VISUAL APROVADO

    Outros

    RECEBIDO POR

  • TECNOLOGIAS/ ESTRUTURA

    Pátio Produto Acabado. Linha de processo de caco oco.

  • TECNOLOGIAS

    Equipamentos ópticos para separação de

    pedras, porcelanas e cores.

    Triturador para moagem de laminados e blindados.

  • Evolução da Qualidade

     Equipamentos Ópticos:

     Capacidade de eficiência por equipamento equipamentos:

    até 90%;

     Material de entrada: 38 gr/ 50kg para saída de 2 gr/ 50 kg;

     Corrente de Foucault ou Eddy Current:

     Eficiência de 98% na remoção de não ferrosos;

  • Evolução dos Custos do Caco

    7% 18%

    5% 70%

    Composição do custo do caco

    Mão de Obra Energia Manutenção Caco/Custos Logístico

    0,00%

    10,00%

    20,00%

    30,00%

    40,00%

    50,00%

    60,00%

    70,00%

    2014 2015 2016

    Evolução dos custos do caco

    Mão de Obra

    Energia

    Manutenção

    Caco/Custos Logístico

  • * Um dos principais desafios da cadeia;

    * Logística 80% dedicada;

    * Alcance de até 600 km dependendo do tipo do

    caco;

    LOGÍSTICA

  • OBRIGADA.

    Juliana Schunck

    juliana@massfix.com.br

    2088-3637

    mailto:juliana@massfix.com.br