REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATA‡•ES PBLICAS .REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATA‡•ES ... por for§a

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATA‡•ES PBLICAS .REGIME DIFERENCIADO DE...

Centro de Convenes Ulysses Guimares Braslia/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAES PBLICAS RDC: A EXPERINCIA

DA INFRAERO

Hercules Alberto de Oliveira Jos Antonio Pessoa Neto

Rmulo Braz Torres

2

Painel 48/182 Experincias inovadoras na gesto de compras e contratos

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAES PBLICAS RDC:

A EXPERINCIA DA INFRAERO

Hercules Alberto de Oliveira Jos Antonio Pessoa Neto

Rmulo Braz Torres

RESUMO O tema contrataes pblicas um dos principais temas do direito administrativo, por carregar, historicamente, a necessidade de sempre encontrar-se atualizado, pois das contrataes depende a modernizao da administrao pblica. Assim, a omisso do legislador no aprimoramento da Lei Geral de Licitaes de que a Administrao Pblica se utiliza diurnamente, tributou-lhe acepo de norma desatualizada. Porquanto, outros regramentos foram positivados na busca de profissionalizar a celeridade pblica. Emblemtica foi a Lei do Prego aplicada para servios comuns com caractersticas contrapostas s modalidades da lei de licitaes, que hoje, encontra-se recepcionada, positivamente, pelos gestores pblicos, alm dos rgos de Controle. Nesta tendncia, o surgimento da Lei do Regime Diferenciado de Contrataes Pblicas no ordenamento jurdico atribuiu vertiginosa aplicabilidade do princpio da eficincia nas contrataes ( 1 do art. 1 da Lei n 12.462), em especial pelas inovaes que inexistia nas legislaes anteriores, assim, se sobressaem a contratao integrada, a regra temporria do sigilo do valor estimado pelo rgo/Entidade Pblica autora da licitao e da possibilidade de negociao cogente entre as partes interessadas. Em um exame mais tcnico, destacam-se outras, como o caso do pagamento varivel e das alteraes no procedimento de licitao. Assim, de forma pratica este artigo pretende demonstrar atravs da experincia vivenciada na Infraero as vantagens de utilizao do novo Regime Diferenciado de Contrataes Pblicas para as diversas obras que esteja inseridas na Matriz PAC/COPA, rea de ensino e sade.

3

1 INTRODUO

A burocracia excessiva da Lei n 8.666/93 e ausncia de

acompanhamento do uso da Tecnologia da Informao nos processos de compras

pblicas, motivaram o Congresso Nacional a Editar novo Regime Diferenciado de

Contrataes Pblicas RDC, de modo a simplificar e agilizar as contrataes

pblicas que envolvem a realizao dos grandes eventos que ocorrero no Brasil,

tendo sido ampliada posteriormente para obras do PAC, Educao e Sade.

O Brasil iniciou um novo histrico na forma de contratao pblica,

especialmente nas obras e servios de engenharia pblica nacional, por fora das

grandes obras em realizao alm da rupturas de paradigmas que antecedem a

criao de um novo regime de licitaes em substituio a Lei 8.666/1993 e que ter

como base as inovaes trazidas pelo RDC.

A edio do novo regime diferenciado de contrataes pblicas no

comeou com a promulgao da Lei 12.462, de 2011, e sim em maio de 2010, com

as Medidas Provisrias nos 4881 e 4892., medidas estas que perderam sua eficcia

por decurso do tempo, e conforme disposto no 10 do artigo 62 da Constituio

Federal sua reedio seria permitida apenas na sesso legislativa posterior.

Na sesso legislativa posterior, em sesso plenria, o Congresso

Nacional emendou a Medida Provisria n 527, que tinha o condo de dispor sobre a

organizao da Presidncia da Repblica e dos Ministrios, a legislao da Agncia

Nacional de Aviao Civil (Anac) e a legislao da Empresa Brasileira de

Infraestrutura Aeroporturia (Infraero); criando a Secretaria de Aviao Civil e dando

outras providncias.

Durante a sesso Plenria do dia 15 de junho de 2011 foi apresentada

emenda pelo Deputado Jos Guimares (PT-CE) ao Projeto de Lei de Converso n.

17/2011, de forma a incluir o Regime Diferenciado de Contrataes Pblicas no

corpo da Medida Provisria n 527 de 2011.

1 Apresentada em 13 de maio de 2010. Ementa: Autoriza a criao da Empresa Brasileira de Legado

Esportivo S.A. BRASIL 2016 e d outras providncias. 2 Apresentada em 13 de maio de 2010. Ementa: Autoriza a Unio a integrar, na forma de consrcio

pblico de regime especial, a Autoridade Pblica Olmpica APO, e d outras providncias. 3Apresentada em 25 de setembro de 2012. Ementa: Autoriza a Centrais Eltricas Brasileiras S.A

CELG D e d outras providncias.

4

Referida proposta foi aprovada, e uma vez aprovada que o Congresso

Nacional alterou o texto original da medida provisria, foi enviado Presidncia da

Repblica para sano e veto nos termos do 12 do artigo 62 da Constituio

Federal. Vale destacar que o PLV foi inteiramente sancionado culminando com a

promulgao da Lei n 12.462, 05 de agosto de 2011.

Comprovada a eficcia dos procedimentos previstos na Lei, a medida

provisria n 559/123, foi emendada pelo Poder Legislativo e transformada na Lei n

12.688/12, permitindo a utilizao deste Regime para as aes integrantes do

Programa de Acelerao do Crescimento PAC

Recentemente, tramitou no Congresso Nacional o Projeto de Lei de

converso das Medidas Provisrias 570/12 e 580/12, de 14/09/2012, de iniciativa

parlamentar, prevendo ser aplicvel o Regime Diferenciado de Contrataes

Pblicas s licitaes e aos contratos necessrios realizao de obras e servios

de engenharia no mbito dos sistemas pblicos de ensino e sade. Os projetos

foram aprovados e sancionados pela Presidenta da Repblica convertidos nas Leis

n 12.722/12 e 12.745, de 19 de dezembro de 2012.

2 OBJETIVOS

A forma de contratao do RDC, editada pela Lei n 12.462, de 05 de

agosto de 2011, compreende uma legislao diferente daquela tradicional,

disciplinada pela Lei Geral de Licitaes n 8.666, 21 de junho de 1993, pois

assemelha-se com os procedimentos do Prego. Sua eficcia plena ocorreu pelo

Decreto n 7.581, de 11 de outubro de 2011. Essas regras legais tm por matriz a

Constituio Federal os Inc. XXVII do art. 22 e inciso XXI, do art. 37:

Art. 37. A administrao pblica direta e indireta de qualquer dos Poderes da Unio, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios obedecer aos princpios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficincia e, tambm, ao seguinte:

(...)

XXI ressalvados os casos especificados na legislao, as obras, servios, compras e alienaes sero contratados mediante processo de licitao pblica que assegure igualdade de condies a todos os concorrentes, com clusulas que estabeleam obrigaes de pagamento, mantidas as condies efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitir as exigncias de qualificao tcnica e econmica indispensveis garantia do cumprimento das obrigaes.

5

Da leitura do art. 3, do regime ordinrio, Lei n 8.666/1993, e do art. 3,

do RDC, Lei n 12.462/2011, abaixo transcritos respectivamente, verifica-se que o

espectro deste ltimo tem maior abrangncia principiolgica, porque se refere aos

princpios da eficincia, da economicidade e do desenvolvimento nacional

sustentvel, que no se encontram naquele.

Art. 3 A licitao destina-se a garantir a observncia do princpio constitucional da isonomia, a seleo da proposta mais vantajosa para a administrao e a promoo do desenvolvimento nacional sustentvel e ser processada e julgada em estrita conformidade com os princpios bsicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculao ao instrumento convocatrio, do julgamento objetivo e dos que lhes so correlatos. Lei n 8.666/1993.

Art. 3 As licitaes e contrataes realizadas em conformidade com o RDC devero observar os princpios da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da eficincia, da probidade administrativa, da economicidade, do desenvolvimento nacional sustentvel, da vinculao ao instrumento convocatrio e do julgamento objetivo. Lei n 12.462/2011. ( grifo nosso)

O RDC pode ser realizado com o uso de recursos tecnolgicos da

informao, sendo denominado RDC Eletrnico, ou na forma RDC Presencial,

estando ambos regulamentados pelo Decreto n 7.581/2011. Entretanto, o art. 13 da

Lei n 12.462/2011 estabelece como preferncia a utilizao de certames por meio

dos recursos da tecnologia da Informao.

Art. 13. As licitaes devero ser realizadas preferencialmente sob a forma eletrnica, admitida a presencial.

Com este procedimento se eleva a transparncia do processo de

contratao e se promove o aperfeioamento dos mecanismos de controle, ficando

estimulada a ampla utilizao de meios e procedimentos eletrnicos, possibilitando

aos rgos de controle (tribunais de contas, ministrio pblico, controladorias e etc.)

o acompanhamento das licitaes em tempo real e o acesso a todos os seus

detalhes.

Vale ressaltar os objetivos desse novo Regime, quais sejam:

ampliar a eficincia nas contrataes pblicas e a competitividade entre

os licitantes;

assegurar tratamento isonmico entre os licitantes, a seleo da

proposta mais vantajosa para a Administrao Pblica;

buscar a melhor relao entre custos e benefcios para o setor pblico.

6

Registre-se, ainda, que os mecanismos desta legislao, especialmente

do Decreto n 7.581/2011, que regulamenta a Lei em tela, foi baseada em

experincia internacional, como nas regras d