Click here to load reader

REGIMENTO INTERNO CMAR

  • View
    1.816

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Regimento Interno da Câmara Municipal de Angra dos Reis.

Text of REGIMENTO INTERNO CMAR

NDICETTULO I - FUNES DA CMARA MUNICIPAL ...............................................................1 CAPTULO I - DISPOSIES PRELIMINARES (ARTS. 1 E 2)....................................1 CAPTULO II - DA SEDE (ARTS. 3 A 5)........................................................................2 CAPTULO III - DA INSTALAO DA LEGISLATURA (ARTS. 6 E 7).........................2 TTULO II - DOS VEREADORES...........................................................................................3 CAPTULO I - DA POSSE (ARTS. 8 A 13)......................................................................3 CAPTULO II - DO EXERCCIO (ARTS. 14 A 17).............................................................5 CAPTULO III - DA INTERRUPO E DA SUSPENSO DO EXERCCIO DA VEREANA E DAS VAGAS (ARTS. 18 A 22)..................................................................6 CAPTULO IV - DA REMUNERAO (ARTS. 23 E 24)......................................................7 TTULO III - DOS RGOS DA CMARA MUNICIPAL.......................................................8 CAPTULO I - DA MESA DIRETORA..............................................................................8 Seo I Da formao da mesa e de suas modificaes (Arts. 25 a 32)..............8 Seo II Da competncia da Mesa Diretora (Arts. 33 e 34)................................10 Seo III Da Presidncia (Arts. 35 a 42)...............................................................12 Seo IV Da Secretaria (Arts. 43 e 44).................................................................15 CAPTULO II - DO PLENRIO (ARTS. 45 A 47)...............................................................17 CAPTULO III - DAS COMISSES................................................................................19 Seo I - Da Finalidade, Modalidade E Composio (arts. 48 a 53)....................19 Seo II Da formao das comisses permanentes e sua competncia (arts. 54 a 56)...............................................................................................................................21 Seo III Das Comisses Temporrias (arts. 57 a 65)........................................29 Seo IV Da Presidncia das Comisses (arts. 66 a 69)...................................33 Seo V Dos impedimentos e ausncias (arts. 70 e 71).....................................35 Seo VI Das vagas (art. 72).................................................................................35 Seo VII Das reunies (arts. 73 e 74)..................................................................35 Seo VIII Da ordem dos Trabalhos (arts. 75 e 76).............................................36 Seo IX Dos prazos (arts. 77 a 79)......................................................................37 SEO X - DOS PARECERES (arts. 80 a 84).........................................................38 Seo XI Disposies complementares (arts. 85 a 90)......................................40 Seo XII Da secretaria das comisses (art. 91)................................................41 TTULO IV - PROPOSIES E DA SUA TRAMITAO..................................................41 CAPTULO I - DAS MODALIDADES DE PROPOSIES E DE SUA FORMA (ARTS. 92 E 93)................................................................................................................................41

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISCAPTULO II - DAS PROPOSIES EM ESPCIE (ARTS. 94 A 104)............................42 CAPTULO III - DA APRESENTAO E DA RETIRADA DA PROPOSIO (ARTS. 105 A 111)..............................................................................................................................46 CAPTULO IV - DA TRAMITAO DAS PROPOSIES (ARTS. 112 A 125).................48 TTULO V - DAS SESSES DA CMARA.........................................................................51 CAPTULO I - DAS SESSES GERAIS (ARTS. 126 A 135).............................................51 CAPTULO II - DAS SESSES ORDINRIAS (arts. 136 a 148).............................54 CAPTULO III - DAS SESSES EXTRAORDINRIAS (ARTS. 149 E 150)......................57 CAPTULO IV - DAS SESSES SOLENES (ART. 151)..................................................57 TTULO VI - DAS DISCUSSES E DELIBERAES........................................................58 CAPTULO I - DA DISCUSSO (ARTS. 152 A 160).........................................................58 CAPTULO II - DA DISCIPLINA DOS DEBATES (ARTS. 161 A 167)..........................60 CAPTULO III - DAS DELIBERAES (ARTS. 168 A 184)..........................................62 TTULO VII - DA ELABORAO LEGISLATIVA ESPECIAL E DOS PROCEDIMENTOS DE CONTROLE........................................................................................................... ........66 . CAPTULO I - DA PROPOSTA DE EMENDA LEI ORGNICA MUNICIPAL (ARTS. 185 A 188)......................................................................................................................66 CAPTULO II - DO ORAMENTO (ARTS. 189 A 193)...................................................67 Seo I Das codificaes (Arts. 194 a 196).........................................................68 CAPTULO III - DOS PROCEDIMENTOS DE CONTROLE...........................................69 Seo I Dos julgamentos das contas (arts. 197 a 200)......................................69 Seo II Do Processo Cassatrio (arts. 201 a 203)............................................69 Seo III Da convocao do Prefeito Municipal (arts. 204 a 210).....................70 Seo IV Do processo destituitrio (Art. 211).....................................................71 SEO V - DA INICIATIVA POPULAR (Art. 212).....................................................72 TTULO VIII - DA PROMULGAO DAS LEIS, DECRETOS LEGISLATIVO E RESOLUES............................................................................................................ ........73 . CAPTULO NICO - DA SANO, DO VETO E DA PROMULGAO (ARTS. 213 A 219).................................................................................................................................73 TTULO IX - DO REGIMENTO INTERNO E DA ORDEM REGIMENTAL...........................75 CAPTULO I - DAS QUESTES DE ORDEM E DOS PRECEDENTES (ARTS. 220 A 223).................................................................................................................................75 CAPTULO II - DA DIVULGAO DO REGIMENTO E DE SUA REFORMA (ARTS. 224 A 226).................................................................................................................................76 TTULO X - DA GESTO DOS SERVIOS INTERNOS DA CMARA (art. 227 a 231)...76 TTULO XI - DISPOSIES GERAIS E TRANSITRIAS (art. 232 a 239).......................77

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS RESOLUO N 021, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1992.REGIMENTO INTERNO DA CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS - RJ. DISPE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DA CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS-RJ. FAO SABER QUE A CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU PROMULGO A SEGUINTE RESOLUO :

TTULO I - FUNES DA CMARA MUNICIPAL

CAPTULO I - DISPOSIES PRELIMINARES (ARTS. 1 E 2)

Artigo 1 - A Cmara Municipal de Angra dos Reis, Estado do Rio de Janeiro, o rgo do Poder Legislativo local, composta de vereadores eleitos em sufrgio universal, por voto direto e secreto, desempenhando as atribuies que lhe so prprias, atinentes gesto dos assuntos de sua economia interna, exercendo ainda as seguintes funes : a) legislativa, constituindo na elaborao e votao de projetos de leis, decretos legislativos e resolues, alm de outras proposies previstas neste regimento, respeitadas as reservas constitucionais da Unio e do Estado; b) de controle externo, atravs da fiscalizao contbil, financeira e patrimonial do Municpio, constituindo no acompanhamento das atividades dos rgos do Governo Municipal e no julgamento das contas do Prefeito, integradas estas daquelas da prpria Cmara, sempre mediante auxlio do Tribunal de Contas do Estado; c) de vigilncia das atribuies do Executivo, em geral, sob os prismas da constitucionalidade, da legalidade e da tica poltico-administrativa, com a tomada das medidas sanatrias que se fizerem necessrias. d)julgadora, na hiptese em que for necessrio julgar Vereador, na forma da lei. Pargrafo nico - Cmara Municipal compete ainda as seguintes funes complementares: Administrativa, relativa a seus servidores; auxiliadora, na colaborao com a administrao pblica municipal atravs de indicaes; integrativa, quando se soma a outras entidades na soluo de problemas locais, nas oportunidades que dedica ao culto das coisas caras nacionalidade; e historiadora, pelo manancial de informaes que emerge de seus anais.

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 2 - A gesto dos assuntos de economia interna da Cmara realiza-se atravs da disciplina regimental de suas atividades e da estruturao e administrao de seus servios.

CAPTULO II - DA SEDE (ARTS. 3 A 5) Artigo 3 - A Cmara Municipal tem a sua sede no prdio histrico localizado na Praa Nilo Peanha s/n, no 1 Distrito do Municpio. Artigo 4 - No recinto de reunies da Cmara no podem ser, em carter permanente, afixados quaisquer smbolos, quadros, faixas, cartazes ou fotografias que impliquem propaganda poltico-partidria, ideolgica, religiosa ou de cunho promocional de pessoas vivas ou de entidades de qualquer natureza. Pargrafo nico - O disposto neste artigo no se aplica colocao do brazo ou

bandeira da Nao, do Estado ou do Municpio, na forma da legislao aplicvel, e bem assim de obras artsticas que visem preservar a memria de vulto eminente da histria do Pas, do Estado ou do Municpio. Artigo 5- Somente por deliberao do Plenrio, e quando interesse pblico o exigir, poder o recinto de reunies da Cmara Municipal ser utilizado para fins estranhos sua finalidade, obedecido o disposto no artigo 46, inciso XIV. Pargrafo nico - A Cmara Municipal, por deliberao do Plenrio, poder criar espaos para manifestaes cvicas ou culturais a serem realizadas no salo de reunies, em seu tempo livre.

CAPTULO III - DA INSTALAO DA LEGISLATURA (ARTS. 6 E 7) Artigo 6 - A Legislatura ser instalada com a posse dos vereadores, eleitos e diplomados, no dia 1 (primeiro) de janeiro do ano seguinte ao das eleies. Artigo 7 - A Cmara Municipal reunir-se- : a) anualmente, em sesses ordinrias, de quinze (15) de fevereiro a trinta (30) de junho e de primeiro de agosto a quinze (15) de dezembro, durante as sesses legislativas ordinrias, observado o disposto no art. 47 da Lei Orgnica Municipal; b) extraordinariamente, quando convocada na forma do artigo 51 da Lei Orgnica Municipal.

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISTTULO II - DOS VEREADORES

CAPTULO I - DA POSSE (ARTS. 8 A 13) Artigo 8 - A posse, ato pblico atravs do qual o vereador se investe no mandato, realizar-se- em Sesso Solene, na forma do disposto no art. 36 da L.O.M., quando ser tambm eleita a Mesa Diretora que reger os trabalhos da Cmara no primeiro ano da legislatura, sob a Presidncia do vereador mais votado, dentre os presentes. 1 - Se a condio prevista no caput deste artigo for comum a mais de um dos presentes, presidir a Sesso o mais idoso dentre eles. 2 - A instalao ficar adiada para o dia seguinte, e assim sucessivamente, se no houver o comparecimento de pelo menos 5 (cinco) vereadores, e, se essa situao persistir at o ltimo dia do prazo previsto no art. 8 a instalao ser presumida para todos os efeitos legais, independentemente do nmero de presentes. 3 - Para o disposto no caput deste artigo, o vereador apresentar Secretaria da Cmara, antes do incio da Sesso, o diploma expedido pela Justia indicao da representao partidria. 4 - A declarao de bens ser representada anualmente, na forma do disposto na Lei Orgnica Municipal. 5 - O Vereador que no tomar posse na sesso prevista no caput deste artigo, deve faz-lo no prazo mximo de 15 (quinze) dias, salvo motivo justo aceito pelo Plenrio, e prestar compromisso individualmente perante o Presidente; no o fazendo perder o mandato nos termos do disposto no artigo 74, inciso XII, da Lei Orgnica Municipal. Artigo 9 - Aps declarar aberta a Sesso, o Presidente convidar autoridades presentes para o Plenrio e, em seguida, de p, proclamar os nomes dos vereadores presentes, pela lista de presena, comeando por si prprio, com citao da respectiva representao partidria. 1 - Na medida em que forem chamados, todos iro se levantando e permanecendo de p para, unissonamente, a convite do Presidente, prestarem o seguinte compromisso: Eleitoral e a respectiva declarao de bens, que sero anexados a uma relao nominal, com

Estado do Rio de Janeiro

4

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISPrometo exercer fielmente o mandato popular que me foi confiado, dentro das normas constitucionais e legais da Repblica, do Estado e do Municpio, trabalhando pelo engrandecimento do Municpio de Angra dos Reis e pelo bem estar de seu povo, com honra, lealdade e dedicao.

2 - Em seguida, o Presidente convidar 02 (dois) vereadores, de partidos diferentes, para compor a Mesa Provisria, aps o que proclamar os nomes do Prefeito e do VicePrefeito eleitos, os quais, se presentes, apresentaro Mesa os respectivos diplomas e declaraes de bens; em seqncia, o Prefeito e o Vice-Prefeito faro, perante o Plenrio da Cmara, o mesmo compromisso prestado pelos Vereadores, sendo, aps, declarados empossados pelo Presidente. 3- Cumprido o disposto nos pargrafos anteriores, o Presidente facultar a palavra, por 05 (cinco) minutos, a cada um dos vereadores, ao Prefeito e ao Vice-Prefeito e ainda a qualquer autoridade presente que desejar manifestar-se. 4 - Seguir-se- s oraes, a eleio da Mesa Diretora, na qual somente podero votar ou serem votados os vereadores empossados, inclusive o Presidente provisrio. 5 - Na hiptese do Pargrafo 2 do artigo 8, os Vereadores presentes comporo a Mesa Diretora, por eleio entre si, com todas as prerrogativas legais, cumprindo-lhes proceder em conformidade com o disposto nos artigos 71 e 73. 6 - O vereador que se encontrar em situao incompatvel com o exerccio do mandato no poder tomar posse. Artigo 10 - So considerados lderes os vereadores escolhidos pelas representaes partidrias para, em seu nome, expressar em Plenrio pontos de vista sobre assuntos em debate. Artigo 11 - No incio de cada legislatura as representaes partidrias comunicaro Mesa Diretora a escolha de seus lderes e vice-lderes, por escrito. Pargrafo nico - Na falta de indicao, considerar-se-o lder e vice-lder, respectivamente, o primeiro e o segundo vereador mais votados de cada bancada. Artigo 12 - A liderana partidria no impede que qualquer vereador se dirija ao Plenrio pessoalmente, desde que observadas as restries constantes deste Regimento. Artigo 13 - As lideranas partidrias no podero ser exercidas por integrantes da Mesa Diretora.

Estado do Rio de Janeiro

5

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISCAPTULO II - DO EXERCCIO (ARTS. 14 A 17) Artigo 14 - Os vereadores so agentes polticos investidos de mandato legislativo municipal, para uma legislatura de 04 (quatro) anos, eleitos pelo sistema partidrio e de representao proporcional. Artigo 15 - assegurado ao vereador : I- participar de todas as discusses e votar nas deliberaes do Plenrio, salvo quando tiver interesse na matria, direta ou indiretamente, o que comunicar ao Presidente; II- votar nas eleies da Mesa Diretora e das comisses permanentes; III- apresentar proposies e sugerir medidas que visem ao interesse coletivo, ressalvadas as matrias de iniciativa exclusiva do Executivo; IV- concorrer aos cargos da Mesa Diretora e das comisses permanentes, salvo impedimento legal ou regimental; V- usar da palavra em defesa das proposies apresentadas que visem ao interesse do Municpio ou em oposio s que julgar prejudiciais ao interesse pblico, sujeitando-se s limitaes deste Regimento; VI- examinar, a todo tempo, quaisquer documentos em tramitao ou existentes no arquivo da Cmara Municipal. Artigo 16 - So deveres do vereador, entre outros : I- conhecer e observar a Lei Orgnica Municipal e este Regimento Interno. II- investido no mandato, no incorrer em incompatibilidade prevista nas Constituies da Unio e do Estado e na Lei Orgnica Municipal; III- observar as determinaes legais relativas ao exerccio de mandato; IV- desempenhar fielmente o mandato poltico, atendendo ao interesse pblico; V- exercer a contento o cargo que lhe seja conferido na Mesa ou em Comisso, no podendo recusar-se ao seu desempenho, salvo o disposto nos artigos 30 e 52; VI- comparecer s sesses pontualmente, salvo motivo de fora maior devidamente comprovado, e participar das votaes, salvo quando se encontre impedido; VII- manter o decoro parlamentar; VIII- no residir fora do Municpio, salvo autorizao do excepcional; Plenrio, em carter

Estado do Rio de Janeiro

6

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 17 - Sempre que o vereador cometer, dentro do recinto da Cmara Municipal, excesso que deva ser reprimido, o Presidente conhecer o fato e tomar as providncias seguintes, conforme a gravidade : I- advertncia em Plenrio; II- cassao da palavra; III- determinao para retirar-se do Plenrio; IV- suspenso da sesso, para atendimento na sala da Presidncia; V- proposta de cassao de mandato, de acordo com a legislao vigente.

Pargrafo nico - O comparecimento efetivo do vereador Casa ser registrado da seguinte forma : a) s sesses de deliberao, mediante registro na lista de presena, at 15 (quinze) minutos aps o incio do expediente permanecendo em Plenrio at o final das votaes da Ordem do Dia. b) nas comisses, pelo controle de presena s reunies.

CAPTULO III - DA INTERRUPO E DA SUSPENSO DO EXERCCIO DA VEREANA E DAS VAGAS (ARTS. 18 A 22)

Artigo 18 - O vereador poder licenciar-se, mediante requerimento dirigido Presidncia e sujeito deliberao do Plenrio, nos casos previstos na Lei Orgnica Municipal. 1 - A aprovao do pedido de licena dar-se- no Expediente das sesses, com discusso na Ordem do Dia, e ter preferncia sobre qualquer outra matria, s podendo ser rejeitado, pelo quorum de 2/3 (dois teros) dos vereadores presentes, na hiptese do inciso III do artigo 75 da Lei Orgnica Municipal. 2 - Nas hipteses dos incisos I e II, do mesmo artigo, a deciso do Plenrio ser meramente homologatria. 3 - O vereador que se licenciar, com assuno de suplente, no poder reassumir o mandato antes de findo o prazo da licena, ou de suas prorrogaes. Artigo 19 - As vagas na Cmara Municipal dar-se-o por extino ou cassao do mandato de vereador. 1 - A extino se verifica pela morte, falta de posse no prazo legal ou regimental, perda ou suspenso dos direitos polticos ou por qualquer outra causa legal hbil.

Estado do Rio de Janeiro

7

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS 2 - A cassao dar-se- por deliberao do Plenrio, nos casos e na forma previstos na legislao vigente. 3 - Perder o mandato o Vereador que faltar tera parte das sesses ordinrias que se realizem durante cada sesso legislativa, salvo se licenciado com amparo no Art.75, incisos I, II, da Lei Orgnica Municipal. Artigo 20 - A extino do mandato se torna efetiva pela declarao do ato ou fato extintivo pelo Presidente, que o far constar da ata da sesso; a perda do mandato se torna efetiva a partir da publicao do decreto legislativo de cassao do mandato, promulgado pelo Presidente. Artigo 21 - A renncia do vereador far-se- por ofcio dirigido Cmara Municipal, reputando-se aberta a vaga a partir da sua protocolizao. Artigo 22 - O suplente ser convocado nos casos previstos na Lei Orgnica Municipal e na legislao vigente.

CAPTULO IV - DA REMUNERAO (ARTS. 23 E 24) Artigo 23 - A remunerao dos vereadores ser fixada na forma e na poca prevista nas Constituies Federal e Estadual e na Lei Orgnica Municipal, obedecidos os limites ali indicados, por resoluo especial, que dispor sobre a forma de sua atualizao monetria e fixar ainda o valor da verba de representao do Presidente da Cmara Municipal. 1 - No recesso, a remunerao dos vereadores ser integral. 2 - vedado a qualquer outro Vereador perceber verba de representao. 3 - permitido ao Vereador perceber ajuda de custo quando em misso representativa da Cmara, na forma deste Regimento e da legislao em vigor. Artigo 24 - Ser deduzido o valor equivalente a 1/20 (um vinte avos) da parte varivel da remunerao do vereador que faltar a sesso ordinria ou dela ausentar-se, sem motivo justificado, aceito pelo Plenrio por maioria simples de votos, desde o perodo de incio do Expediente at o trmino das votaes da Ordem do Dia.

Estado do Rio de Janeiro

8

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS 1 - A justificativa para a falta s sesses ser por requerimento escrito, com o documento comprobatrio, sendo aceita pelo Plenrio quando atender ao previsto nos incisos I e II, do art. 75 da Lei Orgnica Municipal. 2 - O vereador que necessitar ausentar-se de sesso ordinria, far a devida justificativa, ao Presidente, a requerimento verbal, para apreciao do Plenrio.

TTULO III - DOS RGOS DA CMARA MUNICIPAL

CAPTULO I - DA MESA DIRETORA SEO I DA FORMAO DA MESA E DE SUAS MODIFICAES (ARTS. 25 A 32) Artigo 25 - A Mesa Diretora da Cmara Municipal compe-se da Presidncia e da Secretaria, constituindo-se a primeira do Presidente, do 1 Vice-Presidente e do 2 VicePresidente e a segunda de dois Secretrios, todos com mandatos de 01 (um) ano, permitida a reeleio para o perodo consecutivo por apenas mais uma vez, ainda que para cargo diferente do em exerccio. 1 - Findos os mandatos, proceder-se- renovao conforme o disposto na Lei Orgnica Municipal e neste Regimento. 2 - A Mesa Diretora reunir-se-, ordinariamente, uma vez por semana e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente ou pela maioria de seus membros. 3 - Perder o lugar na Mesa Diretora o vereador que deixar de comparecer a 3 (trs) reunies ordinrias consecutivas, sem causa justificada, aceita pela maioria de seus membros. Artigo 26 - A eleio dos membros da Mesa Diretora far-se-, presente a maioria absoluta dos vereadores, por maioria simples em escrutnio secreto, e utilizando-se, para votao, cdulas de papel datilografadas ou impressas, rubricadas pelo Presidente e pelo 1 Secretrio, as quais sero recolhidas em urna que circular pelo Plenrio, atravs de funcionrios da Casa, expressamente designados para esse fim.

Estado do Rio de Janeiro

9

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS 1 - A votao obedecer chamada nominal dos vereadores, por ordem alfabtica, pelo Presidente, o qual, aps tambm votar, mandar proceder contagem e apurao dos votos, com o auxlio de dois vereadores no candidatos, e, em seguida, proclamar os eleitos. 2 - A votao ser individual, por cargo, independente da chapa completa, observada a hierarquia dos cargos. 3 - Aps a contagem dos votos, antes da proclamao do resultado, qualquer vereador poder questionar o resultado da votao, requerendo a recontagem. 4 - A eleio para a renovao da Mesa Diretora realizar-se- na primeira quinzena de dezembro, anualmente, no podendo a sesso legislativa ser encerrada sem o cumprimento dessa obrigao, sendo os eleitos empossados, no ltimo dia til do ano, pelo Presidente em exerccio. 5 - O suplente de vereador, convocado, somente poder ser eleito para cargo da Mesa Diretora quando no seja possvel preench-lo de outro modo, salvo se a convocao for por motivo de extino ou cassao de mandato. Artigo 27 - Em caso de empate nas eleies para membro da Mesa Diretora, proceder-se- o 2 segundo escrutnio para desempate e, se o empate persistir, o concorrente mais votado nas eleies municipais ser declarado vencedor; e sendo comum essa condio, prevalecer o fator idade. Artigo 28 - Os vereadores eleitos para a Mesa Diretora sero empossados mediante termo lavrado pelo 1 Secretrio em exerccio. Pargrafo nico - Enquanto no eleita e empossada a nova Mesa Diretora os trabalhos sero dirigidos pelo Presidente em exerccio. Artigo 29 - Considerar-se- vago qualquer cargo na Mesa quando: I- extinguir-se o mandato poltico do respectivo ocupante, ou se este o perder; II- licenciar-se o membro da Mesa Diretora do mandato de Vereador, por prazo igual ou superior a 120 (cento e vinte) dias; III- houver renncia do cargo da Mesa pelo seu titular, com aceitao do Plenrio; IV- for o Vereador destitudo da Mesa Diretora por deciso do Plenrio.

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 30 - A renncia pelo Vereador ao cargo que ocupa na Mesa ser feita mediante justificao escrita, apresentada ao Plenrio, que a aceitar ou no. Artigo 31 - A destituio de membro da Mesa Diretora somente poder ocorrer quando comprovadamente desidioso, ineficiente ou quando se tenha prevalecido do cargo para fins ilcitos, dependendo de deliberao do Plenrio, pelo voto de 2/3 (dois teros) dos vereadores, acolhendo representao de qualquer vereador nos termos previstos neste Regimento. Artigo 32 - Para o preenchimento de cargos vagos na Mesa Diretora haver eleio suplementar, na primeira sesso ordinria seguinte quela na qual se verificar a vaga, observado o disposto nos artigos 25 e 27.

SEO II DA COMPETNCIA DA MESA DIRETORA (ARTS. 33 E 34) Artigo 33 Mesa Diretora o rgo executivo de todos os trabalhos legislativos e administrativos da Cmara. Artigo 34 Mesa Diretora, em conjunto, alm das atividades e funes que lhe sejam atribudas em outros dispositivos regimentais ou legais, compete: I - propor ao Plenrio projetos de resoluo que disponham sobre organizao, funcionamento, polcia, regime jurdico do pessoal, criao, transformao e extino de cargos, empregos ou funes e fixao da respectiva remunerao, no mbito do Poder Legislativo, observando os parmetros estabelecidos na Lei de Diretrizes Oramentrias; II- dirigir os servios da Casa durante as sesses legislativas e nos seus interregnos, e tomar as providncias necessrias regularidade dos trabalhos; III- propor ao Plenrio os projetos de decreto legislativo ou de resoluo, que fixem e ou atualizem os subsdios do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores, bem como a verba de representao do Prefeito e do Presidente da Cmara, na forma e no prazo estabelecidos na Lei Orgnica Municipal. IV- propor projetos de decreto legislativo ou resoluo concessivos de licena ao Prefeito, ao Vice-Prefeito ou a Vereador; V- elaborar a proposta oramentria da Cmara Municipal a ser includa no oramento do Municpio, at o dia 10 (dez) de setembro, em consonncia com o Plenrio;

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISVI- representar, em nome da Cmara Municipal, junto aos Poderes da Unio e do Estado, propondo ao de inconstitucionalidade, por iniciativa prpria ou a requerimento de Vereador ou comisso VII- organizar cronograma de desembolso das dotaes da Cmara Municipal, vinculado ao repasse das mesmas pelo Executivo; VIII- proceder a devoluo, Tesouraria da Prefeitura, de saldos de caixa existentes na Cmara Municipal ao final de cada exerccio; IX- enviar ao Executivo as contas do legislativo do exerccio precedente, para sua incorporao s contas do Municpio, at o dia 1 (primeiro) de maro; X- deliberar sobre convocao de reunies extraordinrias da Cmara Municipal; XI- receber as proposies, recusando-as se apresentadas sem observncia das disposies regimentais; XII- assinar por todos os seus membros, os projetos de resolues e de decretos legislativos de sua autoria, aps aprovados em reunio da Mesa; XIII- fixar as diretrizes para a divulgao das atividades da Cmara Municipal; XIV- autografar os projetos de lei aprovados, para a sua remessa ao Executivo; XV- deliberar sobre a realizao de sesses solenes fora da sede da edilidade; XVI- determinar, no incio da legislatura, o arquivamento das proposies no apreciadas na legislatura anterior, na forma do disposto neste Regimento XVII- elaborar a redao final dos projetos de resoluo e de decreto legislativo, aps aprovados pelo Plenrio XVIII- Propor deliberao do Plenrio a realizao de sesso ordinria fora da Sede da Cmara.

1 - A Mesa Diretora reunir-se-, em colegiado, com os demais Vereadores, para apreciao prvia de assuntos a serem objetos de deliberao da Cmara Municipal, que por sua especial relevncia demandem intenso acompanhamento e fiscalizao ou ingerncia por parte do Legislativo 2 - As decises da Mesa Diretora sero tomadas pela maioria de votos de seus membros, competindo ao Presidente tambm o voto de qualidade, sempre que na reunio houver nmero par de presentes.

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISSEO III DA PRESIDNCIA (ARTS. 35 A 42) Artigo 35 - O Presidente da Cmara Municipal a mais alta autoridade da Mesa Diretora, dirigindo-a ao Plenrio, em conformidade com as atribuies que lhe conferem este Regimento Interno e a Lei Orgnica do Municpio Artigo 36 - Compete ao Presidente da Cmara Municipal : I- exercer, em substituio, a chefia do Executivo Municipal, nos casos previstos em lei; II- representar a Cmara municipal, em Juzo e fora dele, inclusive prestando informaes em mandado de segurana contra ato da Mesa Diretora ou do Plenrio; III- representar a Cmara Municipal junto ao Prefeito, s autoridades federais e estaduais e perante as entidades privadas em geral; IV- credenciar agentes de imprensa, rdio e televiso para o acompanhamento dos trabalhos legislativos; V- fazer expedir convites para as sesses solenes da Cmara Municipal a pessoas que, por qualquer ttulo, meream a honraria; VI- conceder audincia pblica, a seu critrio, em dias e horas prefixados; VII- requisitar fora para preservao da regularidade do funcionamento da Cmara Municipal; VIII- empossar os Vereadores retardatrios e os suplentes convocados e declarar empossados o Prefeito e o Vice-Prefeito, aps a investidura dos mesmos nos respectivos cargos, perante o Plenrio; IX- declarar extintos os mandatos do Prefeito, do Vice-Prefeito, de Vereadores e de suplentes nos casos previstos em lei e, em face de deliberao do Plenrio, expedir decreto legislativo de cassao de mandato; X- convocar suplente de Vereador, obedecendo o disposto na legislao vigente; XI- declarar destitudo membro da Mesa Diretora ou de comisso permanente, nos casos e na forma previstos neste Regimento, nos Artigos 31 e 53; XII- designar os membros das comisses temporrias e os seus substitutos e preencher vagas nas comisses permanentes, na forma do disposto nos artigos 58, .2 e 71, Pargrafo nico XIII- convocar verbalmente os membros da Mesa Diretora para as reunies previstas nos artigos 25 1, deste Regimento; XIV- dirigir as atividades legislativas e administrativas da Cmara Municipal, em conformidade com as normas legais e deste Regimento, praticando todos os atos que, explcita ou implicitamente, no caibam ao Plenrio, Mesa em conjunto, s

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISComisses, ou a qualquer integrante de tais rgos individualmente considerados, e, em especial exercendo as seguintes atribuies : a)convocar sesses extraordinrias da Cmara Municipal, e comunicar aos Vereadores as convocaes partidas do Prefeito, inclusive no recesso; b) superintender a organizao da pauta dos trabalhos legislativos; c)abrir, presidir e encerrar as sesses da Cmara Municipal e suspend-las, quando necessrio, obedecendo o disposto neste Regimento; d)determinar a leitura, pelos Vereadores Secretrios, das atas, pareceres, requerimentos e outras peas escritas sobre as quais deve deliberar o Plenrio, na conformidade do Expediente de cada sesso; e)cronometrar a durao do Expediente e da Ordem do Dia e dos prazos dos oradores inscritos, anunciando o incio e trmino respectivos; f)manter a ordem no recinto da Cmara Municipal, disciplinando os apartes e advertindo todos os que incidirem em excessos; g)resolver as questes de ordem; h)fazer cumprir o Regimento Interno e interpret-lo nos casos omissos para aplicao s questes emergentes, sem prejuzo da competncia do Plenrio para deliberar a respeito, se o requerer qualquer Vereador, na forma dos artigos 213 e 215. i) anunciar a matria a ser votada e proclamar o resultado da votao; j) proceder verificao do quorum, de ofcio ou a requerimento de vereador; l) encaminhar os processos e expedientes s comisses permanentes para parecer, controlando-lhes o prazo e, esgotado este sem pronunciamento, nomear relator ad hoc nos casos previstos neste Regimento; XV- praticar os atos essenciais de intercomunicao com o Executivo, notadamente: a)receber as mensagens de proposies legislativas, fazendo-as protocolizar, conferindo os anexos integrantes; b)encaminhar ao Prefeito, por ofcio, os projetos de lei aprovados, e comunicarlhe os projetos de sua iniciativa no aprovados, bem como os vetos rejeitados ou mantidos; c)solicitar ao Prefeito as informaes pretendidas pelo Plenrio e convid-lo a comparecer ou fazer que compaream Cmara Municipal os seus auxiliares, para explicaes, quando haja convocao da edilidade em forma regular; d) requisitar o numerrio destinado s despesas da Cmara Municipal; e)solicitar ao Prefeito mensagem com propositura da autorizao legislativa para suplementao dos recursos da Cmara Municipal, quando necessrio; XVI- promulgar as emendas Lei Orgnica Municipal, as resolues e os decretos legislativos aprovados pelo Plenrio e bem assim as leis no sancionadas pelo Prefeito no prazo legal, e as disposies constantes de veto rejeitado, assim como os atos da Presidncia e os da Mesa Diretora, fazendo-os publicar, sob pena da perda do mandato;

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISXVII- ordenar as despesas da Cmara Municipal e assinar, cheques nominativos ou ordens de pagamento, juntamente com o 1 Secretrio, ou seu substituto legal, os cheques a constar do movimento financeiro e na ausncia de ambos com o contador. XVIII- determinar licitaes para contrataes administrativas de competncia da Cmara Municipal, quando exigvel; XIX- apresentar ao Plenrio, mensalmente, o balancete da execuo oramentria da Cmara Municipal do ms anterior e faz-lo publicar no quadro de avisos; XX- administrar o pessoal da Cmara Municipal, fazendo lavrar e assinando atos de nomeao, exonerao, reclassificao, aposentadoria, concesso de frias e de licena, atribuindo aos funcionrios do legislativo vantagens legalmente autorizadas; determinando a apurao de responsabilidade administrativa, civil e criminal de funcionrios faltosos e aplicando-lhes penalidades; julgando os recursos hierrquicos de funcionrios da Cmara Municipal; e praticando quaisquer outros atos atinentes a essa rea, em sua gesto; XXI- mandar expedir certides requeridas para a defesa de direito e esclarecimento de situao e responder aos requerimentos enviados Mesa Diretora pelos Vereadores, no prazo mximo de 30 (trinta) dias; XXII- exercer atos de poder de polcia em quaisquer matrias relacionadas com as atividades da Cmara Municipal, dentro ou fora de sua sede; XXIII- nomear, prover, comissionar, por em disponibilidade, demitir, exonerar e aposentar funcionrios do Poder Legislativo; XXIV- cumprir determinaes judiciais; XXV- autorizar a abertura de licitao, julgando-a em ltima instncia, quando de sua competncia, ou a sua dispensa; Pargrafo nico - O Presidente quando representar a Cmara Municipal em matria relevante, em que todos os seus membros sejam envolvidos em responsabilidade, dever ouvir o Plenrio, em reunio especial convocada para esse fim, com antecedncia mnima de 24 (vinte e quatro) horas. Artigo 37 - O Presidente da Cmara Municipal, quando estiver substituindo o Prefeito, nos casos previstos em lei, ficar impedido de exercer quaisquer atribuies ou praticar qualquer ato que tenham implicao com a funo legislativa. Pargrafo nico - Na ocorrncia da hiptese prevista neste artigo, o cargo ser, automaticamente, ocupado pelo substituto legal.

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 38 - O Presidente da Cmara Municipal pode oferecer proposio ao Plenrio, mas dever afastar-se da Presidncia quando estiverem as mesmas em discusso e ou votao Artigo 39 - O Presidente da Cmara Municipal somente votar na hiptese em que for exigvel o quorum de votao de 2/3 (dois tero), e ainda nos casos de desempate, de eleio e de destituio de membros da Mesa Diretora e das comisses permanentes, e ainda em outros casos previstos em lei. Pargrafo nico - O Presidente fica impedido de votar nos processos em que for interessado como denunciante ou denunciado Artigo 40 - Os Vice-Presidentes da Cmara Municipal, salvo o disposto no artigo 41 e seu Pargrafo nico e na hiptese de atuao como membro efetivo da Mesa, nos casos de competncia privativa desse rgo, no possui atribuies prprias, limitando-se a substituir o Presidente nas suas faltas e impedimentos, e ser substitudo sucessivamente, pelo 1 e pelo 2 secretrios. Pargrafo nico - Quando da hora de incio da sesso da Cmara Municipal verificarse a ausncia do Presidente, ser ele substitudo, sucessivamente, em ordem ordinal, pelo Vice-Presidente ou pelos Secretrios, ou finalmente pelo Vereador mais votado dentre os presentes, procedendo-se da mesma forma quando ele necessitar deixar a Presidncia durante a sesso Artigo 41 - O 1 Vice-Presidente e na ausncia deste o 2 Vice-Presidente promulgar e far publicar as resolues e decretos legislativos sempre que o Presidente deixar escoar o prazo para faz-lo. Pargrafo nico - O disposto neste artigo aplica-se s leis municipais quando o Prefeito e o Presidente da Cmara Municipal, sucessivamente, tenham deixado precluir a oportunidade de sua promulgao e publicao subseqente e ainda nos casos de veto. Artigo 42 - O Presidente s se dirigir ao Plenrio da cadeira presidencial. Pargrafo nico - O Presidente deixar a cadeira presidencial sempre que, como Vereador, quiser participar ativamente dos trabalhos das sesses.

SEO IV DA SECRETARIA (ARTS. 43 E 44)

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 43 - Os Secretrios tero as designaes de primeiro e segundo, cabendo ao primeiro superintender e administrar os servios da Cmara Municipal, dentro das atribuies que decorrem dessa competncia, a saber: I- organizar o Expediente e a Ordem do Dia; II- fazer as chamadas dos Vereadores ao abrir-se a sesso e nas ocasies determinadas pelo Presidente, anotando os comparecimentos e as ausncias; III- ler as proposies e demais papis que devam ser do conhecimento da Casa, na ntegra ou em resumo; IV- fazer as inscries dos oradores na pauta dos trabalhos; V- providenciar a lavratura das atas com o resumo dos trabalhos das sesses, assinando-as juntamente com o Presidente e os demais Vereadores; VI- gerir a correspondncia da Casa, providenciando a expedio de ofcios em geral e comunicados individuais aos Vereadores; VII- coadjuvar o Presidente na direo dos servios auxiliares da Cmara Municipal; VIII- registrar em livro prprio os precedentes firmados na aplicao do Regimento Interno, para a soluo de casos futuros; IX- manter disposio do Plenrio os textos legislativos de manuseio mais freqentes; X- manter em cofre fechado as atas lacradas das sesses secretas; XI- preparar o relatrio das sesses de encerramento, conforme dispe o artigo 19, inciso XVII. XII- implantar, por expediente prprio, a estrutura dos servios da Cmara, mediante proposta da Mesa Diretora, aprovada pelo Plenrio;

Artigo 44 - Compete ao 2 Secretrio : I- ler o trecho da Bblia quando solicitado; II- auxiliar o 1 Secretrio quando solicitado; III- tomar parte nas reunies da Mesa, com direito a voto nas decises a serem tomadas, conforme prescrito no artigo 34 Pargrafo 2 IV- lavrar as atas das sesses secretas e providenciar a lavratura dos atos das sesses da Cmara Municipal.

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISCAPTULO II - DO PLENRIO (ARTS. 45 A 47) Artigo 45 - O Plenrio o rgo deliberativo da Cmara Municipal, constituindo-se do conjunto dos Vereadores em exerccio, com local, forma e nmero legal para deliberar. 1 - O local o recinto de sua sede e, s por motivo de fora maior, o Plenrio se reunir, por deciso prpria, em local diverso, observado o disposto na L.O.M. 2 - A forma legal para deliberar a sesso. 3 - Nmero o quorum determinado na Constituio Federal, na Lei Orgnica Municipal ou neste Regimento para a realizao das sesses e para deliberao 4 - Integra as sesses do Plenrio o suplente de vereador regularmente convocado, enquanto dure a convocao 5 - No integra o Plenrio o Presidente da Cmara Municipal, quando se achar em substituio ao Prefeito. Artigo 46 - So atribuies do Plenrio, alm de outras previstas na Lei Orgnica Municipal e neste Regimento: I- elaborar leis municipais de sua competncia; II- discutir, emendar e votar as proposies em andamento na Casa; III- discutir, emendar e votar a proposta oramentria; IV- apreciar os vetos, rejeitando-os ou mantendo-os; V- autorizar, sob a forma da lei, observadas as restries constantes das Constituies Federal e Estadual e na legislao incidente, os seguintes atos e negcios administrativos: a)abertura de crdito adicional, inclusive para atender a subvenes e auxlios financeiros do Poder Executivo; b)operao de crdito; c)aquisio onerosa de bens imveis; d)alienao e onerao real de bens imveis municipais; e)concesso de servios pblicos; f) concesso de direito real de uso de bens imveis municipais; g)firmatura de consrcios intermunicipais; h)denominao e alterao de denominao de prprios municipais e de vias e logradouros pblicos;

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISVI- expedir decretos legislativos quanto a assuntos de sua competncia privativa, notadamente nos casos de: a)cassao do mandato do Prefeito, do Vice-Prefeito ou de Vereadores; b)aprovao ou rejeio das contas do Executivo, anexadas a estas as do Legislativo; c)concesso de licena ao Prefeito, nos casos previstos em lei; d)consentimento para ausentar-se do Municpio ao Prefeito e ao Vice-Prefeito, conforme disposto no artigo 85 da L.O.M. e)atribuio de ttulos honorficos, ou de honrarias, observada a legislao pertinente; f)fixao e\ou atualizao dos subsdios do Prefeito e do Vice-Prefeito e da verba de representao do Prefeito; VII- expedir resolues sobre assuntos de sua economia interna, mormente quanto aos seguintes assuntos: a)alterao do seu Regimento Interno; b)destituio de membros da Mesa Diretora; c)concesso de licena a Vereador nos casos permitidos em lei; d)fixao e/ou atualizao de subsdios dos Vereadores e da verba de representao do Presidente da Cmara Municipal; e) julgamento de recursos de sua competncia, nos casos previstos na Lei Orgnica Municipal ou neste Regimento; f)instituio de comisso temporria na forma prevista neste Regimento; g)delegao ao Prefeito para elaborao legislativa; h) deliberao sobre a remunerao de representao do Presidente. VIII- processar e julgar o Prefeito ou Vereador pela prtica de infrao polticoadministrativa; IX- solicitar informaes ao Prefeito sobre assuntos de administrao, quando delas carea; X- convocar o Prefeito e seus auxiliares diretos para explicaes, perante o Plenrio, sobre matria sujeita a fiscalizao da Cmara Municipal, sempre que o exigir o interesse pblico; XI- eleger a Mesa Diretora e as comisses permanentes e destituir os seus membros, nos casos e na forma previstas neste Regimento; XII- autorizar a transmisso, por rdio ou televiso, ou a filmagem e a gravao, de sesso da Cmara Municipal; XIII- dispor sobre a realizao de sesso sigilosa;

Estado do Rio de Janeiro

1

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISXIV- autorizar a utilizao do salo de sesses da Cmara Municipal para fins estranhos sua finalidade, quando for de interesse pblico

Pargrafo nico - O Plenrio ser ouvido obrigatoriamente para aprovao prvia, por maioria simples de votos: a) na elaborao das propostas, na parte relativa ao Legislativo, dos projetos de leis referentes aos planos pluri-anuais, s diretrizes oramentrias e s leis oramentrias, aprovando-as previamente; b) na realizao de despesas pelo Poder Legislativo quando, por seu valor, so sujeitas a tomada de preos de concorrncia, ainda que esta seja inexigvel por dispositivo legal. Artigo 47 - Ao trmino de cada sesso legislativa ser constituda uma Comisso Representativa, cuja composio reproduzir, tanto quanto possvel, a proporcionalidade de representao partidria com assento na Casa, que funcionar nos interregnos das sesses legislativas ordinrias, com as seguintes atribuies : I- reunir-se ordinariamente uma vez por semana e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente; II- zelar pelas prerrogativas do Poder Legislativo; III- zelar pela observncia da Lei Orgnica Municipal e dos direitos e garantias individuais; IV- autorizar o Prefeito a ausentar-se do Municpio por mais de 15 (quinze) dias, em consonncia com o disposto no artigo 38-VII, da Lei Orgnica Municipal; V- convocar extraordinariamente a Cmara Municipal em caso de urgncia ou interesse pblico relevante;

1 - A Comisso Representativa deve apresentar relatrio dos trabalhos por ela realizados, quando do reincio do perodo de funcionamento ordinrio da Cmara Municipal. 2 - A Comisso Representativa constituda por nmero mpar de Vereadores.

CAPTULO III - DAS COMISSES SEO I - DA FINALIDADE, MODALIDADE E COMPOSIO (ARTS. 48 A 53)

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

Artigo 48 - As comisses so rgos tcnicos, com a finalidade de examinar matria em tramitao na Cmara Municipal e emitir Parecer sobre a mesma, ou de proceder a estudos sobre assuntos de natureza especial, ou ainda investigar fatos determinados de interesse da Administrao 1 - As comisses contaro, para o desempenho das suas atribuies, com um assessoramento tcnico especializado, adequado s suas reas de competncia. 2 - Recebido o pedido do vereador investido na condio de Relator, o rgo de assessoramento legislativo ter o prazo fixado por este, de at 10 (dez) dias, para entregar os estudos bsicos de elaborao do parecer; quando a proposio estiver em regime de urgncia este prazo ser de 48 h (quarenta e oito horas). 3 - A Secretaria da Cmara manter cadastro de pessoas fsicas ou jurdicas que podero, eventualmente, em carter de consultores, serem contratadas pela Mesa diretora da Cmara Municipal. Artigo 49 - As comisses da Cmara Municipal so: I- permanentes, as que subsistem atravs das legislaturas; II- temporrias, as que, constitudas com finalidade especiais, se extinguem com o trmino da legislatura, ou quando alcanado o fim a que se destinam, ou ainda se expirado o prazo previsto de sua durao.

Pargrafo nico - Na constituio das comisses, quer sejam permanentes ou temporrias, assegurar-se-, tanto quanto possvel, a proporcionalidade partidria representada na Casa. Artigo 50 - Incumbe s comisses permanentes estudar as proposies e assuntos distribudos ao seu exame, manifestando sobre eles sua opinio para orientao do Plenrio, sob a forma de Parecer. Artigo 51 - As comisses temporrias tero suas finalidades especificadas na resoluo que as instituir, a qual indicar o prazo para apresentao de relatrio de seus trabalhos e o nmero de seus membros. Artigo 52 - O membro de comisso poder, por motivo justificado, solicitar dispensa da mesma.

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 53 - Os membros das Comisses sero destitudos caso no compaream a 03 (trs) reunies consecutivas ordinrias ou a 05 (cinco) intercaladas da comisso a que pertena, salvo motivo de fora maior, devidamente comprovada.

SEO II DA FORMAO DAS COMISSES PERMANENTES E SUA COMPETNCIA (ARTS. 54 A 56) Artigo 54 - Os membros das comisses permanentes, em nmero de 03 (trs), sero eleitos na sesso seguinte da eleio da Mesa Diretora, para um perodo de 02 (dois) anos, mediante votao secreta e escrutnio pblico, considerando-se eleito, em caso de empate, o vereador do partido ainda no representado em outra comisso, ou o vereador ainda no eleito para nenhuma comisso, ou finalmente, o vereador mais votado nas eleies municipais, sucessivamente. 1 - A eleio para o perodo seguinte far-se- na primeira sesso ordinria aps a renovao da Mesa Diretora, no terceiro ano da Legislatura. 2 - Far-se- votao em separado para cada comisso, atravs de cdula impressa, datilografada ou manuscrita, com indicao dos nomes dos candidatos e da legenda partidria respectiva, devendo cada vereador votar em um nico nome. 3 - Na organizao das comisses permanentes obedecer-se- o disposto no Artigo 46 da Lei Orgnica Municipal, mas no podero ser eleitos para integr-las o Presidente da Cmara, o vereador que no se achar em exerccio e o suplente deste, salvo se convocado por extino ou cassao de mandato. 4 - Na impossibilidade de se cumprir o determinado no caput e no 1 deste artigo, a Mesa Diretora providenciar a organizao das comisses, no prazo improrrogvel de 10 (dez) dias. Artigo 55 - As comisses permanentes, em razo de matria da sua competncia, e s demais comisses, no que lhes for aplicvel, compete: I- discutir e votar as proposies que lhes forem distribudas; II- encaminhar, atravs da Mesa Diretora, pedidos escritos de informao ao Prefeito, ou a seus auxiliares diretos; III- realizar audincias pblicas com entidades da sociedade civil; IV- receber peties, reclamaes ou representaes de qualquer pessoa contra atos ou omisso de autoridades e entidades pblicas;

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISV- solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidado; VI- acompanhar e apreciar programas de obras e planos municipais de desenvolvimento e sobre eles emitir parecer, em articulao com a Comisso de Finanas e Oramento; VII- exercer o acompanhamento e a fiscalizao contbil, financeira, oramentria, operacional e patrimonial do Municpio e das entidades da administrao direta ou indireta, a includas as fundaes e sociedades institudas e mantidas pelo Poder Municipal, em articulao com a Comisso de Finanas e Oramento; VIII- solicitar a realizao de diligncia, percia, inspeo ou auditoria de natureza contbil, financeira, oramentria, operacional ou patrimonial, nas unidades administrativas dos Poderes Executivo e Legislativo, da administrao direta ou indireta, includas as fundaes e sociedades institudas pelo Poder Pblico Municipal; IX- exercer a fiscalizao e o controle dos atos do Poder Executivo, includos os da administrao indireta; X- propor a sustao dos atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar, elaborando o respectivo decreto legislativo se necessrio; XI- estudar qualquer assunto compreendido no respectivo campo temtico ou rea de atividade, podendo promover em seu mbito conferncias, exposies, palestras ou seminrios; XII- solicitar audincia ou colaborao de rgos ou entidades da administrao pblica direta, indireta ou fundacional, e da sociedade civil, para elucidao de matria sujeita a pronunciamento, no implicando a diligncia em dilatao dos prazos; e XIII- convocar Secretrios Municipais e o Procurador Geral do Municpio para prestar informaes sobre assuntos inerentes a suas atribuies.

1 - As atribuies contidas nos incisos IV, IX, X e XIII deste Artigo no excluem a iniciativa concorrente de vereador. 2 - As comisses permanente so as seguintes : I- Justia e Redao; II- Finanas e Oramento; III- Obras e Servios Pblicos; IV- Educao, Cultura e esportes;Nota: Assim dispunha a redao original:

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISIV- Educao, Cultura, Esportes e Turismo;

V- Sade e Saneamento; (inciso alterado pela Resoluo n 003/99, de 13/04/99)Redao original: V Sade, Saneamento e Meio Ambiente

VI- Defesa do Consumidor; VII- Defesa do Direito do Trabalhador; VIII Habitao, Assistncia Social, Defesa dos Direitos da Criana e do Adolescente e Portadores de Deficincia. (inciso alterado pela Resoluo n 004/2001, de 31/05/2001)Nota: Assim dispunha a redao anterior: VIII Habitao e Assistncia Social; (inciso acrescido pela Resoluo n 005/97, de 21/10/97)

IX Assuntos Estratgicos e Meio Ambiente. (inciso alterado pela Resoluo n 003/99, de 13/04/99)Nota Assim dispunha a redao anterior: IX Assuntos Estratgicos; (inciso acrescido pela Resoluo n 006/97, de 18/12/97)

X - Defesa dos Direitos da Mulher e dos Direitos Humanos. (inciso acrescido pela Resoluo n 003/2001, de 24/05/2001) XI Agricultura, Pesca, Comrcio, Indstria e Turismo. (inciso acrescido pela Resoluo n 001/2003, de 25/03/2003) Artigo 56 - A competncia especfica das comisses permanentes a definida nos pargrafos deste artigo: 1 - Comisso de Justia e Redao compete : I- manifestar-se sobre todos os assuntos entregues sua apreciao, nos aspectos constitucional, regimental e jurdico, propondo emendas se considerar devido; II- audincia em todas as proposies que transitem pela Cmara, salvo vedao expressa neste regimento; III- encaminhar ao Plenrio, atravs da Mesa Diretora, seus pareceres, os quais, quando concludos pela inconstitucionalidade ou ilegalidade, somente se rejeitados prosseguir a matria sua tramitao;

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISIV- manifestar-se sobre o mrito da proposio, assim entendida a colocao do assunto sob o prisma de sua convenincia, utilidade e oportunidade nos casos seguintes: a)organizao administrativa da Prefeitura e da Cmara; b)criao de entidade de administrao indireta ou de fundao; c)aquisio e alienao de bens; d)firmatura de convnios e consrcios; e)concesso de licena ao Prefeito, ao Vice-Prefeito ou a Vereador; f)denominao ou alterao de denominao de prprios municipais, e de vias logradouros pblicos; g)manifestar-se sobre o veto, propondo a rejeio ou a aceitao, parcial ou total; h)projeto de reviso ou emenda Lei Orgnica Municipal ou que vise alterar o Regimento Interno da Cmara Municipal.

2 - Comisso de Finanas e Oramento compete opinar obrigatoriamente sobre todas as matrias de carter financeiro e, especialmente, quando for caso de: I- proposta oramentaria; II- plano plurianual; III- lei das diretrizes oramentarias; IV- proposio referente a matria tributria, abertura de crditos, emprstimos pblicos e que, direta ou indiretamente, alterem a despesa ou a receita do Municpio, acarretem responsabilidades ao errio municipal ou interessem ao crdito e ao patrimnio pblico municipal; V- proposies que fixem ou aumentem os vencimentos dos servidores pblicos e que fixem ou atualizem os subsdios do Prefeito e dos Vereadores; 3 - Comisso de Obras e Servios Pblicos compete opinar nas matrias referentes a quaisquer obras ou empreendimentos e execuo de servios pblicos, sobre assuntos ligados s atividades produtivas em geral, oficiais ou particulares, e ainda sobre a matria do 1, inciso IV, a finana sobre o plano de Municpio e suas alteraes. 4 - Comisso de Educao, Cultura e Esportes, compete: I- emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de educao, cultura, esportes e lazer; desenvolvimento do

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISII- conhecer das aes, no mbito do Municpio, que incorporem trabalhos ligados s reas de educao, cultura, esporte e lazer, em especial s proposies que digam respeito ao desenvolvimento cultural, tcnico e cientfico do Municpio, e aos problemas referentes ao patrimnio histrico, arqueolgico e artstico municipal; III- fiscalizar o planejamento, o desdobramento e a execuo materiais de aes que digam respeito titulao da comisso; IV- oferecer perspectivas de aparelhamento e melhoria da educao, do esporte, do turismo e do lazer; V- propor medidas legislativas nas reas de sua competncia.Nota: Assim dispunha a redao original 4 - Comisso de Educao, Cultura, Esportes e Turismo compete: I- emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de educao, cultura, esportes, lazer, e turismo; II- conhecer das aes, no mbito do Municpio, que incorporem trabalhos ligados as reas de educao, cultura, esporte, lazer e turismo, em especial s proposies que digam respeito ao desenvolvimento cultural, tcnico e cientfico do Municpio, e aos problemas referentes ao patrimnio histrico, arqueolgico e artstico municipal; III- fiscalizar o planejamento, o desdobramento e a execuo materiais de aes que digam respeito titulao da comisso; IV- oferecer perspectivas de aparelhamento e melhoria da educao, do esporte, do turismo e do lazer; V- propor medidas legislativas nas reas de sua competncia.

5 - Comisso de Sade e Saneamento compete: I emitir parecer em todas as proposies em tramitao na Cmara Municipal atinentes s aes de sade e saneamento bsico; II conhecer das atividades que intervenham nas reas de sade e saneamento bsico providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes. (redao do 5 e incisos alterados pela Resoluo n 003/99, de 13/04/99)Nota 1 I emitir parecer em todas as proposies em tramitao na Cmara Municipal atinentes s aes de sade e saneamento bsico ou interfiram com o meio ambiente; (Redao dada pela Resoluo n 005/97, de 21/10/97) II conhecer as atividades que intervenham nas reas de sade e com o meio ambiente, providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes. (Redao dada pela Resoluo n 005/97, de 21/10/97) Nota 2: Assim dispunha a redao original:

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS 5 - Comisso de Sade, Saneamento e Defesa do meio ambiente compete: I- emitir parecer em todas as proposies em tramitao na Cmara Municipal atinentes s aes de sade, saneamento bsico, assistncia social ou que interfiram com o meio ambiente; II- conhecer das atividades que intervenham nas reas de sade e assistncia social e com o meio ambiente, providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes.

6 - Comisso de Defesa ao Consumidor compete: I- opinar sobre assuntos de interesse do consumidor; II- receber e investigar denncias sobre o assunto, com a colaborao das demais comisses da Cmara Municipal e de associaes comunitrias, encaminhando o que seja devido, aos rgos competentes; III- requisitar, quando necessrio, Presidncia da Cmara Municipal, tcnicos especializados em anlises; IV- convidar e designar pessoas que se disponha a cooperar para o bom desempenho dos trabalhos da comisso, sem nus para o Municpio

7 - Comisso de Defesa do Direito do Trabalhador compete : I- orientar acerca dos mecanismos de defesa dos Direitos do Trabalhador no Municpio de Angra dos Reis que a ela se dirigir e o encaminhamento de suas decises aos rgos competentes; II- todas as decises da Comisso do Direito do Trabalhador sero encaminhadas Presidncia da Cmara que dar conhecimento ao Plenrio; III- o Presidente da Comisso do Direito do Trabalhador para o desempenho de suas atribuies solicitar, se necessrio, assessoria tcnica ao Presidente da Cmara o qual decidir. 8 - Comisso de Habitao, Assistncia Social, Defesa dos Direitos da Criana e do Adolescente e Portadores de Deficincia, compete: I emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de Habitao, Assistncia Social, Defesa dos Direitos da Criana e do Adolescente e Portadores de Deficincia; II fiscalizar o planejamento, o desdobramento e a execuo materiais de aes que digam respeito titulao da comisso; III propor medidas legislativas nas reas de sua competncia;

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISIV - conhecer as atividades que intervenham na rea da Habitao, Assistncia Social, Defesa dos Direitos da Criana e do Adolescente e Portadores de Deficincia no mbito Municipal, Estadual e Federal; V requisitar, sempre que for necessria, contratao de tcnicos Presidncia da Cmara Municipal; VI receber, avaliar e investigar as denncias relativas ameaa ou violao dos direitos da criana e do adolescente, encaminhando sua concluso aos rgos competentes; VII elaborar pesquisas e estudos relativos situao dos direitos da criana e do adolescente no Brasil e no mundo, inclusive para efeito de divulgao pblica e fornecimento de subsdios para as demais Comisses da Casa;

Nota 1: A nova redao do 8 e incisos foi dada pela Resoluo n 004/2001, de 31/05/2001. Nota 2: A redao do 8 e incisos dada pela Resoluo n 005/97, de 21/10/97, era a seguinte: 8 - Comisso de Habitao e Assistncia Social compete: I emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de Habitao e Assistncia Social; II fiscalizar o planejamento, o desdobramento e a execuo materiais de aes que digam respeito titulao da comisso; III propor medidas legislativas nas reas de sua competncia; IV conhecer as atividades que intervenham na rea da assistncia social providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes.

9 - Comisso de Assuntos Estratgicos e Meio Ambiente co mpete: I- emitir parecer tcnico, nos procedimentos do Poder Legislativo Municipal, no que diz respeito s aes de emergncia, no mbito de sua competncia, controlando e realizando o planejamento das medidas de proteo nos casos de emergncia, quer por motivos naturais ou provocados em instalaes no Municpio, especificando as Usinas Nucleares. Intervir nas discusses pertinentes a planejamento, licenciamento de obras do Municpio, transporte e guarda de lixos perigosos, manuseio de qualquer material que traga riscos para a regio, no plano de desenvolvimento e de emergncia; II- manter contato com o Corpo de Bombeiros, a Polcia Militar e a Defesa Civil sempre que necessrio para o bom desempenho de seus trabalhos. III emitir parecer em todas as proposies em tramitao na Cmara Municipal atinentes s aes que interfiram com o meio ambiente, como pesca predatria, fazendas marinhas e arcos, lanamento de esgoto e leo em corpo dgua, aterros,

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISconstrues junto a rios, crregos, praias, lagos, canais e costes rochosos, desmatamentos, mananciais de gua, abertura de estradas, uso de produtos qumicos, guarda de lixo de qualquer natureza e seu manuseio, queimadas de qualquer tipo dentro do Municpio; IV conhecer das atividades que intervenham nas reas do meio ambiente, providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes; V requisitar, sempre que for preciso, a contratao temporria de tcnicos Presidncia da Cmara Municipal.

Nota 1: incisos I e III, e, IV e V, foram respectivamente alterados e acrescidos pela Resoluo n 003, de 13/04/99. Nota 2: o 9 e o inciso II mantiveram a redao dada pela Resoluo n 006/97, de 16/12/97. Nota 3: A redao anterior, dada pela Resoluo n 006/97, era a seguinte: 9 - Comisso de Assuntos Estratgicos e Meio Ambiente compete: I- emitir parecer tcnico, nos procedimentos do Poder Legislativo Municipal, no que diz respeito s aes de emergncia, no mbito de sua competncia, controlando e realizando o planejamento das medidas de proteo nos casos de emergncia, quer por motivos naturais ou provocados em instalaes no Municpio, especificando as Usinas Nucleares. II- manter contato com o Corpo de Bombeiros, a Polcia Militar e a Defesa Civil sempre que necessrio para o bom desempenho de seus trabalhos. III- requisitar, sempre que for preciso, a contratao temporria de tcnicos Presidncia da Cmara Municipal.

10 Comisso de Defesa dos Direitos da Mulher e dos Direitos Humanos compete: I recebimento, avaliao e investigao de denncias relativas ameaa ou violao dos direitos da mulher e dos direitos humanos; II fiscalizao e acompanhamento de programas governamentais relativos proteo dos direitos da mulher e dos direitos humanos; III colaborao com entidades no governamentais, municipal, estadual, nacional e internacional, que atuem na defesa dos direitos da mulher e dos direitos humanos; IV pesquisas e estudos relativos situao dos direitos da mulher e dos direitos humanos no Brasil e no mundo, inclusive para efeito de divulgao pblica e fornecimento de subsdios para as demais Comisses da Casa; V emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de defesa dos direitos da mulher e dos direitos humanos;

Estado do Rio de Janeiro

2

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISVI fiscalizar o planejamento do Executivo Municipal, o desdobramento e a execuo material de aes que digam respeito titulao da Comisso; VII propor medidas legislativas nas reas de sua competncia; VIII conhecer as atividades que intervenham na rea da defesa dos direitos da mulher e dos direitos humanos, providenciando denncias aos rgos fiscalizadores competentes; IX requisitar, sempre que for necessria, contratao de tcnicos Presidncia da Cmara Municipal.Nota: O 10 e seus incisos foram acrescidos pela Resoluo n 003/2001, de 24/05/2001

11 Comisso de Defesa de Agricultura, Pesca, Comrcio, Indstria e Turismo, compete: I emitir parecer em todas as proposies em curso na Cmara Municipal atinentes s aes de agricultura, pesca, comrcio, indstria e turismo; II fiscalizao o planejamento, o desdobramento e a execuo de aes que digam respeito titulao da comisso; III propor medidas legislativas nas reas de sua competncia; IV requisitar, sempre que for necessria, contratao de tcnicos Presidncia da Cmara Municipal. V colocar com entidades no governamentais, sejam nos mbitos municipal, estadual, nacional e internacional; VI elaborar pesquisas eestudos relativos situao agrcola, pesqueira, comercial, industrial e de turismo, inclusive para efeito de divulgao e fornecimento de subsdios para as demais Comisses desta Casa.Nota: O 11 e seus incisos foram acrescidos pela Resoluo n 001/2003, de 25/03/2003.

SEO III DAS COMISSES TEMPORRIAS (ARTS. 57 A 65) Artigo 57 - As comisses temporrias, que sero institudas para fins prdeterminados, so: I- especiais; II- processantes; III- de inqurito;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 58 - As comisses temporrias sero criadas por deliberao do Plenrio, a requerimento de qualquer vereador ou comisso, ou por proposta da Mesa Diretora mediante projeto de resoluo. 1 - O projeto de resoluo a que se refere o caput deste artigo poder ser de iniciativa da Mesa Diretora ou de pelo menos 5(cinco) Vereadores em exerccio, devendo atender o disposto no artigo 51. 2 - Compete ao Presidente da Cmara Municipal indicar os membros das comisses temporrias, observadas a composio pluri-partidria sempre que possvel, mas respeitando o direito de ocupar a presidncia da comisso do primeiro signatrio do requerimento que o originou ou da resoluo que a instituiu, sendo ainda permitida ao Presidente da Comisso a iniciativa de indicar um de seus membros. 3 - A comisso relatar suas concluses ao Plenrio atravs de seu Presidente, sob a forma de relatrio fundamentado e, se houver que propor medidas, oferecer projeto de resoluo ou de outra proposio que for devida. 4 - A comisso que no se instalar dentro de 5 (cinco) dias, aps a designao dos seus membros, ou deixar de concluir os trabalhos dentro do prazo estabelecido, ser declarada extinta, salvo se, para a ltima hiptese, o Plenrio aprovar prorrogao do prazo. Artigo 59 - Comisses Especiais mais comuns so: I - de representao, que se destinam a fazer edilidade representada em atos pblicos e em encontros, seminrios, simpsios ou conferncias, em que se debata matria de interesse do Municpio ou do exerccio da Vereana; II - de reivindicao, que se destinam busca de recursos, obras e servios em favor do Municpio; e III - de estudos, que se destinam a informar a Cmara sobre problemas suscitados por fatos ou atos da vida Municipal.

1 - As comisses especiais sero institudas na forma prevista no artigo anterior. 2 - Os vereadores que compuserem comisses para fins de representar a Cmara Municipal podero fazer jus a ajuda de custo, na forma da lei. Artigo 60 - A Cmara Municipal constituir comisso processante para fins de apurar a prtica de infrao poltico-administrativa do Prefeito, do Vice-Prefeito ou de vereadores,

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISobservado o disposto na Lei Federal aplicvel e na Lei Orgnica Municipal, com normas previstas pela Comisso Processante, ouvido o Plenrio pela maioria absoluta. Artigo 61 - As comisses de inqurito sero institudas na forma do disposto no art.46, 3 Lei Orgnica Municipal e destinar-se-o a examinar irregularidade ou fato determinado, que se inclua na competncia municipal. 1 - A comisso de inqurito ser composta, tanto quanto possvel, proporcionalmente pelos partidos com representao na Cmara Municipal, sendo precedida pelo vereador primeiro signatrio do requerimento que requerer sua criao, e se reunir para realizao de atos instrutrios com nmero de 02 (dois) vereadores no mnimo 2 - Considera-se fato determinado o acontecimento de relevante interesse para a vida pblica e a ordem constitucional, legal, econmica e social do Municpio que estiver devidamente caracterizada no requerimento de constituio da comisso 3 - Recebido o requerimento, o presidente o mandar ler no expediente da primeira sesso que ocorrer, desde que satisfeitas as normas regimentais, caso contrrio, devolvlo- ao autor, cabendo desta deciso recurso para o Plenrio, no prazo de cinco dias, ouvida a Comisso de Justia e Redao. 4 - A comisso, que poder atuar tambm durante o recesso parlamentar, ter o prazo de 90 (noventa) dias, mediante deliberao do Plenrio, para concluso de seus trabalhos. 5 - No ser criada nova comisso de inqurito enquanto estiverem funcionando pelo menos 02 (duas), na Cmara Municipal, salvo mediante projeto de resoluo, aprovado por maioria absoluta dos membros da Cmara. 6 - A comisso de inqurito ter sua composio indicada no requerimento ou na resoluo de sua criao. 7 - Do ato de criao constar a previso de membros administrativos, as condies organizacionais e o assessoramento necessrio ao bom desempenho da comisso, incumbindo ao 1 Secretrio o atendimento preferencial das providncias que se solicitar. Artigo 62 - A comisso de inqurito poder: I - determinar diligncias, ouvir indiciados, inquirir testemunhas sob compromisso, requisitar de rgos e entidades de administrao pblica informaes e documentos, requerer a audincia de vereadores ou de secretrios municipais e tomar depoimentos de autoridades pblicas municipais;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISII - incumbir quaisquer de seus membros, ou funcionrios requisitados dos servios administrativos da Cmara Municipal, de realizao de sindicncia ou diligncias necessrias aos seus trabalhos, dando conhecimento prvio Mesa Diretora; III- deslocar-se a qualquer ponto do territrio municipal para a realizao de investigaes e audincias pblicas; IV- o vereador integrante de comisso de inqurito poder requisitar tcnicos especializados de qualquer rgo pblico municipal para realizar as percias necessrias e indispensveis ao completo esclarecimento do assunto, bem assim para assessor-lo em questes especializadas; V- o requerimento destinado a prorrogar os trabalhos de comisso de inqurito ser entregue Mesa Diretora, antes do trmino do respectivo prazo, com assinatura da maioria dos membros da comisso, sem o que no poder ser aceito; acolhido, o requerimento ser numerado e includo na Ordem do Dia, no mximo, na sesso seguinte aps sua leitura no Expediente, dependendo da aprovao do Plenrio por maioria simples, computando-se o incio do prazo da prorrogao a partir da deciso do Plenrio; VI- o incio do prazo de funcionamento da comisso de inqurito contar-se- 03 (trs) dias teis aps a publicao do respectivo ato, sendo os membros convocados pelo Presidente da comisso para a ordenao dos trabalhos; VII- a divulgao dos trabalhos e fatos relativos s comisses de inqurito s poder se dar por ocasio da aprovao do seu relatrio conclusivo e final, a fim de no prejudicar as diligncias e apelaes cabveis, vedada qualquer divulgao parcial ou isolada de fatos relacionados com seus trabalhos, em Plenrio ou fora dele, sendo que a violao deste inciso constituir falta de decoro parlamentar ou transgresso disciplinar se o infrator for servidor da comisso; VIII- o trabalho das comisses de inqurito obedecer s normas previstas neste Regimento, na legislao especfica e subsidiariamente, no Cdigo de Processo Penal, sendo lavradas atas de suas reunies. Artigo 63 Ao trmino dos trabalhos, a comisso apresentar relatrio

circunstanciado, com suas concluses, do qual sero extradas cpias para distribuio aos demais vereadores e Mesa Diretora, para providenciar a alada desta ou do Plenrio, oferecendo, conforme o caso, projeto de lei, de decreto legislativo, de resoluo ou indicao, que ser includo na Ordem do Dia, dentro de 05 (cinco) dias. Artigo 64 - Aps a aprovao do Plenrio, o processo ser pelo Presidente da Cmara encaminhado : I- ao Ministrio Pblico, com a cpia da documentao competente, para que promova a responsabilidade civil ou criminal por infrao apenada e adotar outras medidas decorrentes de suas funes institucionais;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISII- ao Poder Executivo, para adotar as providncias saneadoras de carter disciplinar e administrativo; III- comisso permanente a que tenha pertinncia com a matria, a qual incumbir acompanhar e fiscalizar o atendimento do previsto no inciso anterior. Artigo 65 - Qualquer Vereador pode comparecer s reunies de comisses de inqurito, mas sem participao nos debates, podendo, contudo requerer por escrito que o Presidente da comisso inquira testemunhas, apresentando quesitos.

SEO IV DA PRESIDNCIA DAS COMISSES (ARTS. 66 A 69) Artigo 66 - Os membros das comisses Permanentes, no prazo mximo de 03 (trs) dias, logo aps constitudas, reunir-se-o para eleger os respectivos presidentes e vicepresidentes, e prefixar os dias e horas em que se reuniro ordinariamente, sendo obrigatria uma reunio semanal independente de assunto em pauta, respeitado o disposto neste Regimento. 1 - A eleio de que trata este artigo ser feita por maioria simples e votao nominal, considerando-se eleitos, em caso de empate, o mais idoso dos votados. 2 - O Presidente ser substitudo pelo Vice-Presidente e este pelo terceiro membro da comisso. 3 - Se, por qualquer motivo, o Presidente deixar de fazer parte da comisso, ou renunciar ao cargo, proceder-se- nova eleio para escolher o seu sucessor. Artigo 67 - Ao Presidente da comisso compete: I- assinar a correspondncia e demais documentos expedidos pela comisso; II- convocar e presidir todas as reunies da comisso e nelas manter a ordem e a solenidade necessrias; III- fazer ler a ata da reunio anterior e submet-la discusso e votao; IV- dar comisso conhecimento de todas as matrias recebidas e despach-las; V- dar comisso e aos demais vereadores conhecimento prvio da pauta das reunies previstas; VI- distribuir a matria sujeita a Parecer, designando o Relator ou avocando-a, e cuidar da observncia dos prazos devidos;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISVII- conceder, pela ordem, a palavra aos membros da comisso ou ao vereador que a solicitar; no caso das comisses especiais, aplica-se tambm o disposto no artigo 65; VIII- advertir o orador que se exaltar no decorrer dos debates e interromper o que estiver falando sobre o vencido; IX- submeter a votos as questes sujeitas deliberao da comisso e proclamar o resultado da votao; X- conceder vista das proposies aos membros da comisso; XI- assinar os pareceres e convidar os demais membros a faz-lo; XII- representar a comisso nas suas relaes com a Mesa, com as outras comisses e com os demais vereadores; XIII- solicitar ao Presidente da Cmara Municipal substitutos para membros da comisso, em caso de vaga; XIV- resolver, de acordo com o Regimento, as questes de ordem ou reclamaes suscitadas na comisso; XV- fazer cpias e mandar afixar no quadro prprio, da Cmara Municipal, a matria distribuda, com o nome do Relator, data, prazo regimental para relatar e respectivas alteraes; XVI- indicar ao Presidente da Cmara, para designao, o secretrio da comisso, funo gratificada, cujo provimento privativo de funcionrio da Cmara Municipal.

Pargrafo nico - O Presidente poder funcionar como Relator e ter votos na deliberao da comisso, cabendo-lhe, ainda proferir o voto de desempate, quando for o caso Artigo 68 - Dos atos e deliberaes do presidente de comisso, sobre questo de ordem, caber recursos de qualquer membro para o Presidente da Cmara Municipal. 1 - Se a questo de ordem envolver matria constitucional, a deciso do recurso competir Comisso de Justia e Redao 2 - Quando o recurso for contra a deciso do Presidente da Comisso de Justia e Redao o julgamento caber ao Plenrio da Cmara, na primeira sesso que se seguir. Artigo 69 - Os presidentes das comisses permanentes e temporrias quando convocados pelo Presidente da Cmara Municipal, reunir-se-o sob a Presidncia deste para o exame de providncias relativas eficincia dos trabalhos legislativos.

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS

SEO V DOS IMPEDIMENTOS E AUSNCIAS (ARTS. 70 E 71) Artigo 70 - Nenhum vereador poder presidir reunio de comisso quando se debater ou votar matria da qual seja autor ou relator. Pargrafo nico - No poder o autor da proposio ser dela relator. Artigo 71 - Sempre que um membro de comisso no puder comparecer s reunies dever comunicar o fato ao seu presidente, que far constar em ata os motivos da ausncia. Pargrafo nico - Se, por falta de comparecimento de membro, estiver sendo prejudicado o trabalho de qualquer comisso, o Presidente da Cmara, a requerimento do Presidente da comisso ou de qualquer vereador, designar substituto para o membro faltoso, preferentemente da mesma representao partidria.

SEO VI DAS VAGAS (ART. 72) Artigo 72 - A vaga em comisso verificar-se- em virtude de trmino do mandato, renncia, falecimento ou perda do lugar. 1 - Perder automaticamente o lugar na comisso o vereador que no comparecer a 3 (trs) reunies ordinrias consecutivas, salvo motivo de fora maior, justificado por escrito comisso. 2 - A perda do lugar ser declarada pelo Presidente da Cmara Municipal, mediante comunicao do presidente da comisso, ou de qualquer vereador. 3 - O vereador que perder o lugar numa comisso a ela no poder retornar na mesma legislatura, e nem a outra comisso. 4 - A vaga ser preenchida por eleio, obedecidas as normas dispostas neste Regimento, salvo o disposto no pargrafo nico artigo anterior.

SEO VII DAS REUNIES (ARTS. 73 E 74)

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 73 - As comisses podero reunir-se-o na sede ou em prdio da Cmara Municipal, em dias e horas prefixadas. 1 - O rgo de imprensa da Cmara Municipal publicar a relao das comisses, com a designao do local e hora em que se realizam suas reunies ordinrias, e ainda a sua constituio. 2 - Toda reunio ser convocada atravs da afixao de edital, no quadro de avisos da Cmara, e de ofcio para todos os integrantes da comisso, encaminhando a seu gabinete, em que constar, obrigatoriamente, espelho da matria submetida deliberao da comisso. 3 - Em nenhum caso, ainda que se trate de reunio extraordinria, o seu horrio poder coincidir com a Ordem do Dia de sesso ordinria da Cmara Municipal. 4 - As reunies das comisses temporrias no devero ser concomitantemente com as sesses da Cmara Municipal ou com as reunies das comisses permanentes, de que qualquer de seus membros faam parte. 5 - As reunies extraordinrias das comisses sero convocadas por escrito, com 24 h (vinte e quatro) horas de antecedncia, no mnimo, e com a designao do local, hora e objeto, salvo as convocadas em sesses da Cmara Municipal ou em reunies, que independem do anuncio, mas sero comunicadas aos membros ausentes. Artigo 74 - As reunies das comisses sero pblicas, reservadas ou secretas. 1 - Salvo deliberao em contrrio, as reunies sero pblicas. 2 - Sero reservadas, a juzo da comisso, as reunies em que haja matria que deva ser debatida apenas com a presena de funcionrios a servio da comisso e de terceiros, devidamente convocados. 3 - Sero obrigatoriamente secretas as reunies quando as comisses tiverem de deliberar sobre perda de mandato. 4 - Qualquer reunio ordinria poder transformar-se em reservada ou secreta, mediante deciso da maioria dos seus membros. 5 - Nas reunies secretas servir como secretrio da comisso, por designao do Presidente, um de seus membros, que tambm elaborar a ata respectiva.

SEO VIII DA ORDEM DOS TRABALHOS (ARTS. 75 E 76)

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 75 - Os trabalhos das comisses sero iniciados com a presena da maioria de seus membros ou com qualquer nmero se no houver matria para deliberar, e obedecero seguinte ordem: I- discusso e votao da ata da reunio anterior; II- Expediente: a) resumo de correspondncia e outros documentos recebidos; b)comunicao da matria distribuda aos relatores; c)leitura de parecer cujas concluses, votadas pela comisso em reunio anterior, no tenham ficado redigidas; II- Ordem do dia; a)discusso e votao de proposio e respectivos pareceres, sujeitos aprovao do Plenrio da Cmara Municipal;

1 - Qualquer vereador poder participar, sem direito a voto, dos trabalhos e debates de qualquer comisso de que no seja membro. 2 - As comisses permanentes podero estabelecer regras e condies especficas para a organizao e o bom andamento dos seus trabalhos, observadas as normas fixadas neste Regimento. Artigo 76 - As comisses deliberaro por maioria de votos. Pargrafo nico - No caso de empate, o Presidente poder votar pela segunda vez ou adiar a votao da matria at que venha participar da votao o vereador cuja ausncia ocasionou o empate, ficando certo que o adiamento no poder ultrapassar de uma reunio.

SEO IX DOS PRAZOS (ARTS. 77 A 79)

Artigo 77 - As comisses, isoladamente, tero os seguintes prazos mximos para emisso de parecer sobre as proposies e sobre as emendas oferecidas, salvo as excees previstas neste Regimento. I- de 03 (trs) dias, nas matrias em requerimento de urgncia;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISII- de 14 (catorze) dias, nas matrias em regime de tramitao ordinria;

1 - Findo o prazo de que trata o presente artigo, a matria ser includa na Ordem do Dia a requerimento do autor do projeto ou de qualquer vereador, ouvido o Plenrio, ou ainda de ofcio pelo Presidente da Cmara Municipal. 2 - Includa a proposio na Ordem do Dia, sem parecer, a comisso ter o prazo mximo de 02 (dois) dias para oferec-lo, e esgotado o prazo, o Presidente da Cmara Municipal designar um relator especial, que dar parecer escrito ou verbal em Plenrio. 3 - Os projetos em regime de urgncia especial no gozaro desses prazos, sendo os pareceres dados imediatamente, conforme dispositivo deste Regimento. 4 - No caso de emendas oferecidas em Plenrio, os pareceres obedecero os prazos e normas estabelecidos neste artigo e seus pargrafos. 5 - O Relator da proposio em regime de tramitao ordinria, a qual, pela sua complexidade ou relevncia, deva merecer amplo debate geral, ou exija investigao, ou pesquisas de maior profundidade ter, desde que solicitado pelo Presidente da comisso a que esteja distribudo pelo Plenrio, prorrogao dos prazos para mais 14 (catorze) dias. Artigo 78 - Sempre que determinada proposio tenha tramitado de uma para outra comisso, ou somente por determinada comisso, sem que haja sido oferecido, no prazo, o parecer respectivo, o Presidente da Cmara Municipal designar relator ad hoc para produz-lo, no prazo de 05 (cinco) dias, findo os quais a matria ser includa na Ordem do Dia. Artigo 79 - Os prazos, no correm no perodo de recesso ou estando o processo em diligncia, ou aguardando parecer tcnico.

SEO X - DOS PARECERES (ARTS. 80 A 84) Artigo 80 - Parecer o pronunciamento da comisso sobre matria sujeita ao seu estudo, emitido com observncia das normas estipuladas nos pargrafos seguintes. 1 - O parecer constar de 3 (trs) partes;

Estado do Rio de Janeiro

3

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISI- relatrio, em que se far breve exposio da matria; II- o voto do relator; III- concluso da comisso, com assinatura dos vereadores que votarem a favor ou contra. 2 - Para as matrias submetidas s comisses devero ser nomeadas relatores dentro de 48 (quarenta e oito) horas, exceto para aquelas em regime de urgncia especial quando a nomeao ser imediata. Artigo 81 - Nas comisses, observar-se- o seguinte procedimento: 1 - Lido o parecer pelo relator ou, sua falta, pelo vereador designado pelo presidente da comisso, ser imediatamente submetido a discusso. 2 - Encerrada a discusso, seguir-se- imediatamente a votao do parecer que, se aprovado em todos ou pela maioria dos seus termos, ser tido como da comisso, assinando-o os membros presentes. 3 - O parecer no acolhido pela comisso constituir voto em separada. 4 - O voto em separado divergente do parecer, desde que aprovado pela comisso, constituir o seu parecer. Artigo 82 - A vista da proposio, nas comisses, respeitar o prazo mximo de 05 (cinco) dias para as matrias em regime de tramitao ordinria. 1 - Para as matrias em regime de urgncia ou urgncia especial no ser permitida a vista. 2 - A vista ser conjunta e na secretaria da comisso quando ocorrer mais de um pedido. Artigo 83 - Para efeito de contagem, os votos sero considerados: I- favorveis, os pelas concluses ou com restries; II- contrrios, os vencidos;

Pargrafo nico - Sempre que adotar parecer com restries, est o membro da comisso obrigado a anunciar em que consiste sua divergncia.

Estado do Rio de Janeiro

4

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISArtigo 84 - Somente sero dispensados os pareceres das comisses, por deliberao do Plenrio, mediante requerimento escrito de vereador, ou deciso do Presidente da Cmara Municipal, por despacho nos autos quando se tratar de proposio colocada em regime de urgncia especial, na forma do artigo a 123, ou na hiptese do art.113, 3, pargrafo nico

SEO XI DISPOSIES COMPLEMENTARES (ARTS. 85 A 90)

Artigo 85 - permitido a qualquer vereador assistir s reunies das comisses, sem tomar parte nas disposies ou sugerir emendas. Artigo 86 - Nenhum vereador pode reter em seu poder papis e documentos pertinentes comisso. Artigo 87 - Cada comisso poder realizar reunio de audincia pblica para esclarecer assunto especfico e de interesse pblico, atinente sua competncia, com entidades representativas da sociedade civil. 1 - Da reunio de audincia pblica lavrar-se- ata, arquivando-se, na secretaria de cada comisso, os pronunciamentos escritos e os documentos apresentados e recolhidos. 2 - Ser admitido, a qualquer tempo, o translado de peas requeridas por vereador. Artigo 88 - Todos os processos tero suas pginas numeradas por ordem cronolgica e rubricadas pelo secretrio da comisso. Pargrafo nico - Quando qualquer proposio for distribuda a mais de uma comisso, dever ser encaminhada s Comisses Reunidas. Artigo 89 - As comisses, em reunies conjuntas, sero presididas pelo Presidente da Comisso de Justia e Redao, ou em sua falta, por escolha de comum acordo entre os presentes, quando, ocorrendo empate, prevalecer o fator idade. Artigo 90 - Das reunies das comisses lavrar-se-o atas com o sumrio do que houver ocorrido, ou termos de comparecimento, ou resultado das deliberaes, quando for o caso. 1 A ata da reunio anterior, uma vez lida, dar-se- por aprovada

independentemente da discusso e votao, devendo o presidente da comisso assin-la

Estado do Rio de Janeiro

4

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISe rubricar todas as suas folhas. Se qualquer vereador pretender retific-la, formular o pedido por escrito, o qual ser necessariamente referido na ata seguinte, cabendo ao presidente da comisso acolh-lo ou no, e dar explicao, se julgar conveniente. 2 - As atas sero datilografadas por quem as tenha secretariado e, devidamente rubricadas pelo Presidente, sero lacradas e recolhidas ao arquivo da Cmara, aps assinadas por todos os membros da comisso.

SEO XII DA SECRETARIA DAS COMISSES (ART. 91) Artigo 91 - As comisses permanentes tero uma Secretaria incumbida do servio de apoio administrativo. Pargrafo nico - Incluem-se nos servios da Secretaria : I- redigir a ata das reunies; II- organizar o fluxograma de toda preposio encaminhada comisso, desde seu recebimento at a devoluo ao Dep. de Legislao

TTULO IV - PROPOSIES E DA SUA TRAMITAO

CAPTULO I - DAS MODALIDADES DE PROPOSIES E DE SUA FORMA (ARTS. 92 E 93)

Artigo 92 - A Cmara Municipal exerce sua funo legislativa por via das seguintes proposies: I- projeto de lei; II- projeto de decreto legislativo; III- projeto de resoluo; IV- projeto substitutivo; V- emenda Lei Orgnica Municipal; VI- emenda e subemenda;

Estado do Rio de Janeiro

4

CMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REISVII- parecer da comisso permanente; VIII- relatrio de comisso temporria; IX- indicao; X- requerimento; XI- recurso; XII- representao; XIII- moes.

1 - As proposies sero redigidas em termos claros, objetivos e concisos e na ortografia oficial, assinadas por seu autor ou autores, e apresentadas em 4(quatro) vias. 2 - Considera-se autor da proposio, para efeitos regimentais, o seu primeiro signatrio, sendo de apoiamento constitucional ou regimental as assinaturas que se seguirem primeira, no podendo ser retiradas aps a leitura da matria no Expediente. Artigo 93 - As proposies a que referem os tens I, II, III, IV e V, do artigo anterior devero ser oferecidas particularmente, estar acompanhadas de justificativa e conter ementa indicativa do assunto de que tratarem.

CAPTULO II - DAS PROPOSIES EM ESPCIE (ARTS. 94 A 104) Artigo 94 - As emendas Lei Orgnica Municipal sero apresentadas ao Plenrio na forma do disposto no art.55 da referida Lei. Artigo 95 - Toda matria legislativa, de competncia da Cmara Municipal, dependente de manifestao do Prefeito, ser objeto de p