Click here to load reader

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR - Interno do CSMP... · PDF file Regimento Interno do Conselho Superior do Ministério Público LIVRO I DA ORGANIZAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DO

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR - Interno do CSMP... · PDF file Regimento Interno...

Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS

RESOLUO N. 033/94-CSMP

APROVA O REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR DO MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS.

O CONSELHO SUPERIOR DO MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DO AMAZONAS, no uso de suas atribuies legais,

RESOLVE:

Art. 1. Fica aprovado o Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico do Estado do Amazonas.

Art. 2. Este Ato entra em vigor na data de sua publicao.

Art. 3. Revogam-se as disposies em contrrio.

Sala de Reunies do Egrgio Conselho Superior do Ministrio Pblico do Amazonas, em Manaus, 27 de abril de 1994.

ORLANDO DOS SANTOS SANTIAGOProcurador-Geral de Justia

Presidente do Conselho Superior do Ministrio Pblico

LUIZ FELIPPE CORDEIRO DE VEROSACorregedor-Geral do Ministrio Pblico

Conselheiro

MITHRDATES CORRA FILHOProcurador de Justia

Conselheiro

YANO REN PINHEIRO MONTEIROProcurador de Justia

Conselheiro

1

Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico

LIVRO IDA ORGANIZAO E ATRIBUIES DO

CONSELHO SUPERIOR

TTULO IDO CONSELHO SUPERIOR

CAPTULO IDA COMPOSIO DO CONSELHO SUPERIOR

Art. 1. O Conselho Superior do Ministrio Pblico integrado pelo Procurador-Geral de Justia, pelo Corregedor-Geral do Ministrio Pblico e por 03 (trs) Procuradores de Justia, eleitos bienalmente, na primeira quinzena de fevereiro dos anos mpares, na forma do art. 36, da Lei Complementar n. 011/93.

Pargrafo nico. Para o exerccio ds suas atribuies o Conselho Superior do Ministrio Pblico contar com os seguintes rgos internos:

I Presidncia;II Conselheiros;III Secretaria;IV Seo de Secretaria e Expediente.

CAPTULO IIDA PRESIDNCIA DO CONSELHO SUPERIOR

Art. 2. O Conselho Superior do Ministrio Pblico presidido pelo Procurador-Geral de Justia.

Pargrafo nico. Nos seus impedimentos e afastamentos, o Presidente ser substitudo pelo Subprocurador-Geral de Justia.

CAPTULO IIIDOS CONSELHEIROS

SEO IDOS CONSELHEIROS TITULARES

Art. 3. So membros do Conselho Superior do Ministrio Pblico, na qualidade de Conselheiros, o Procurador-Geral de Justia, o Corregedor-Geral do Ministrio Pblico e 3 (trs) Procuradores de Justia eleitos.

Pargrafo nico. A eleio de que trata este artigo ser realizada na forma estabelecida na Lei Orgnica Estadual do Ministrio Pblico.

2

Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico

Art. 4. O mandato dos Conselheiros eleitos ser de 2 (dois) anos, com incio no primeiro dia til do ms seguinte ao da eleio.

1. obrigatrio o exerccio do mandato de Conselheiro.

2. A posse dos Conselheiros eleitos dar-se- em sesso solene do Colgio de Procuradores de Justia.

Art. 5. Durante as frias, licena, nojo ou gala, o Conselheiro ser substitudo, automaticamente, pelo seu suplente.

SEO IIDOS SUPLENTES DOS CONSELHEIROS

Art. 6. Os Procuradores de Justia que se seguirem aos eleitos, sero considerados os seus suplentes.

Pargrafo nico - Havendo nmero de suplentes igual ou superior aos de titulares, a eventual convocao da suplncia dar-se- obedecendo a ordem dos escolhidos na forma do disposto no art. 37, caput, da Lei Complementar n 011/93, salvo se o nmero de suplentes for inferior ao dos titulares, caso em que a convocao poder ocorrer independentemente da qualidade da representao do suplente.

*Acrescentado pela Resoluo n 594/11-CSMP

Art. 7. Os suplentes substituem os Conselheiros eleitos em seus afastamentos, sucedendo-os em caso de vaga.

1. Os suplentes podero ser convocados para deliberar sobre determinadas matrias quando o impedimento do Conselheiro eleito implicar falta de quorum ou, ento, quando este se recusar a votar matria constante da ordem do dia da reunio.

2. O Conselheiro que exercer as funes de Corregedor-Geral do Ministrio Pblico ser substitudo na forma do 1., art. 48, da Lei Complementar n. 011/93.

CAPTULO IVDO SECRETRIO DO CONSELHO SUPERIOR

Art. 8. Em sua primeira reunio ordinria, os membros do Conselho Superior elegero o Secretrio dentre os seus pares, com mandato de dois anos.

Pargrafo nico. Nas ausncias do Secretrio o Presidente do Conselho Superior nomear dentre os Conselheiros, Secretrio ad hoc.

3

Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico

CAPTULO VDA SEO DE SECRETARIA E EXPEDIENTE DO CONSELHO SUPEIOR

Art. 9. A seo de Secretaria e Expediente do Conselho Superior contar com funcionrios designados pelo Procurador-Geral de Justia.

Pargrafo nico. A Seo de Secretaria e Expediente ficar sob a superviso direta do Secretrio do Conselho Superior.

TTULO IIDAS ATRIBUIES DO CONSELHO SUPERIOR

Art. 10. So atribuies do Conselho Superior do Ministrio Pblico:

I sugerir ao Procurador-Geral de Justia a edio de recomendaes, sem carter vinculativo, aos rgos do Ministrio Pblico para o desempenho de suas funes e a adoo de medidas convenientes ao aprimoramento de servios e atuao uniforme;

II decidir sobre:

a) a remoo compulsria de membro do Ministrio Pblico, por motivo de interesse pblico, mediante representao do Procurador-Geral de Justia;

b) disponibilidade;c) aproveitamento de membro do Ministrio Pblico em disponibilidade;d) avaliao de estgio probatrio de Promotor de Justia e de seu

vitaliciamento;

III indicar ao Procurador-Geral de Justia, em lista trplice, os candidatos promoo por merecimento que integrem a primeira quinta parte da lista de antiguidade, observados, ainda, os pressupostos do pargrafo nico do art. 252 e 264, da Lei Complementar n. 011/93, salvo se no houver com tais requisitos quem aceite o lugar vago;

IV indicar ao Procurador-Geral de Justia, em lista trplice, os candidatos remoo por merecimento, observados os pressupostos dos incisos I a VII do art. 252 e art. 264 da Lei Complementar n 011/93;

V indicar, em lista trplice, os candidatos promoo por merecimento ao cargo de Procurador de Justia que tenham, pelo menos, 02 (dois) anos de efetivo exerccio na ltima entrncia e integrem a primeira quinta parte da lista de Antiguidade;

VI indicar o nome do mais antigo membro do Ministrio Pblico para promoo por Antiguidade;

VII obstar, motivadamente, a promoo por antiguidade, dando cincia ao Colgio de Procuradores;

VIII aprovar sobre pedidos de permuta entre membros do Ministrio Pblico;

4

Regimento Interno do Conselho Superior do Ministrio Pblico

IX propor ao Procurador-Geral de Justia e ao Corregedor-Geral do Ministrio Pblico a realizao de sindicncia, correio extraordinria e visitas de inspeo, bem como deliberar a instaurao de processo administrativo disciplinar;

X solicitar ao Corregedor-Geral informaes sobre a conduta funcional de membro do Ministrio Pblico;

XI propor a verificao de incapacidade fsica, mental e moral de membro do Ministrio Pblico;

XII aprovar o quadro geral de antiguidade dos membros do Ministrio Pblico e decidir sobre reclamaes formuladas a esse respeito;

XIII eleger, dentre os membros do Ministrio Pblico, os integrantes da comisso de concurso;

XIV indicar ao Procurador-Geral de Justia, Promotores de Justia para substituio por convocao;

XV homologar a inscrio dos candidatos e o resultado do concurso de ingresso na carreira ou prorrogar o prazo de sua validade e elaborar, de acordo com a ordem de classificao, a lista dos candidatos aprovados, para efeito de nomeao;

XVI elaborar com a presena mnima de 2/3 (dois teros) dos seus membros, as listas sxtuplas a que se referem os arts. 94, caput, e 104, pargrafo nico, inciso II, da Constituio Federal;

XVII homologar a promoo de arquivamento de autos de inqurito civil ou peas de informao e, caso contrrio, designar outro rgo do Ministrio Pblico para prossegui-lo ou ajuizar a ao civil;

XVIII opinar nos processos que tratem de remoo compulsria ou demisso de membro do Ministrio Pblico;

XIX tomar conhecimento dos relatrios da Corregedoria-Geral;XX autorizar o afastamento de membro do Ministrio Pblico para

frequentar curso ou seminrio de aperfeioamento e estudo, no Pas ou no exterior;XXI decidir, de plano e conclusivamente, em sesso secreta e por livre

convico, sobre admisso de candidato a concurso de ingresso no Ministrio Pblico, apreciando as condies para exerccio do cargo atravs de entrevista e exame de documentos, sem prejuzo de investigao sigilosa que entenda realizar;

XXII deliberar sobre o pedido de reconsiderao das decises proferidas nos termos do inciso XI, deste artigo;

XXIII opinar sobre o afastamento de membro do Ministrio Pblico para o exerccio dos cargos de que trata o artigo 120 da Lei Complementar n. 011/93;

XXIV fixar o valor da taxa de inscrio para concurso de ingresso na carreira do Ministrio Pblico;

XXV opinar sobre o afastamento da carreira de membro do Ministrio Pblico que tenha optado na forma do art. 334 das Disposies Finais e Transitrias da Lei Complementar n. 011/93;

XXVI opinar em pedido de afastamento do membro do Ministrio Pblico sujeito a sindicncia ou processo administrativo;

XXVII expedir instrues e outras normas administrativas visando a regularidade e o aperfeioamento dos servios do Ministrio Pblico;

XXVIII a