Click here to load reader

Regimento interno

  • View
    504

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Regimento interno

  • 1. CMARA MUNICIPAL DE MONTE ALTO ESTADO DE SO PAULO REGIMENTO INTERNO SUMRIO TTULO I - Da Cmara Municipal CAPTULO I - Das Funes da Cmara (Art. 1 a 3) CAPTULO II - Da Instalao e Posse (Art. 4 a 11) TTULO II - Da Mesa CAPTULO I - Da Eleio da Mesa (Art. 12 a 21) CAPTULO II - Da Competncia da Mesa e seus Membros SEO I - Das Atribuies da Mesa (Art. 22 a 24) SEO II - Das Atribuies do Presidente (Art. 25 a 30) SUBSEO NICA - Da Forma dos Atos do Presidente (Art. 31) SEO III - Das Atribuies do Vice-Presidente (Art. 32 a 33) SEO IV - Dos Secretrios (Art. 34 a 36) SEO V - Da Delegao de Competncia (Art. 37) SEO VI - Das Contas da Mesa (Art. 38) CAPTULO III - Da Substituio da Mesa (Art. 39 a 41) CAPTULO IV - Da Extino do Mandato da Mesa SEO I - Disposies Preliminares (Art. 42 a 43) SEO II - Da Renncia da Mesa (Art. 44 a 45) SEO III - Da Destituio da Mesa (Art. 46 a 51) TTULO III - DO PLENRIO CAPTULO I - Da Utilizao do Plenrio (Art. 52 a 55) TTULO IV - DAS SESSES LEGISLATIVAS CAPTULO I - Das Sesses da Cmara SEO I - Disposies Preliminares (Art. 56 a 57) CAPTULO II - Das Sesses Legislativas Ordinrias e Extraordinrias SEO I - Disposies Preliminares (Art. 58 a 65) SEO II - Da Durao e Prorrogao das Sesses (Art. 66 a 67) SEO III - Da Suspenso e Encerramento das Sesses (Art. 68 a 69) SEO IV - Da Publicidade das Sesses (Art. 70 a71) SEO V - Das Sesses Ordinrias SUBSEO I - Disposies Preliminares (Art. 72 a 74) SUBSEO II - Do Expediente (Art. 75 a 79) SUBSEO III - Da Ordem do Dia (Art. 80 a 90) SUBSEO IV - Da Explicao Pessoal (Art. 91 a 93) 1
  • 2. SEO VI - Das Sesses Extraordinrias da Sesso Legislativa Ordinria (Art. 94 a 96)SEO VII - Da Sesso Legislativa Extraordinria (Art. 97)SEO VIII - Das Sesses Secretas (Art. 98 a 99)SEO IX - Das Sesses Solenes (Art. 100)CAPTULO III - Das Atas das Sesses (Art. 101 a 102)TTULO V - DAS COMISSESCAPTULO I - Disposies Preliminares (Art. 103 a 106)CAPTULO II - Das Comisses PermanentesSEO I - Da Composio das Comisses Permanentes (Art. 107 a 114)SEO II - Da Competncia das Comisses Permanentes (Art. 115 a 119)SEO III - Dos Presidentes e Vice-Presidentes(Art. 120) a 127)SEO IV - Das Reunies (Art. 128 a 132)SEO V - Dos Trabalhos (Art. 133 a 144)SEO VI - Dos Pareceres (Art. 145 a 148)SEO VII - Das Vagas, Licenas e Impedimentos nas Comisses Permanentes (Art. 149 a 151)CAPTULO III - Das Comisses TemporriasSEO I - Disposies Preliminares (Art. 152 a 153)SEO II - Das Comisses de Assuntos Relevantes (Art. 154)SEO III - Das Comisses de Representao (Art. 155)SEO IV - Das Comisses Processantes (Art. 156 a 157)SEO V - Das Comisses Parlamentares de Inqurito (Art. 158 a 176)TTULO VI - DAS PROPOSIESCAPTULO I - Disposies Preliminares (Art. 177)SEO I - Da Apresentao das Proposies (Art. 178)SEO II - Do Recebimento das Proposies (Art. 179 a 180)SEO III - Da Retirada das Proposies (Art. 181)SEO IV - Do Arquivamento e do Desarquivamento (Art.182)SEO V - Do Regime de Tramitao das Proposituras (Art. 183 a 188)CAPTULO II - Dos ProjetosSEO I - Disposies Preliminares (Art. 189) SEO II - Da Proposta de Emenda Lei Orgnica (Art. 190 a 193)SEO III - Dos Projetos de Lei (Art. 194 a 200)SEO IV - Dos Projetos de Decreto Legislativo (Art. 201) 2
  • 3. SEO V - Dos Projetos de Resoluo (Art. 202)SUBSEO NICA - Dos Recursos (Art. 203)CAPTULO III - Dos Substitutivos, Emendas e Subemendas (Art. 204 a 209)CAPTULO IV - Dos Requerimentos (Art. 201 a 217)CAPTULO V - Das Indicaes (Art. 218 a 219)CAPTULO VI - Das Moes (Art. 220)TTULO VII - DO PROCESSO LEGISLATIVOCAPTULO I - Do Recebimento e Distribuio das Proposies (Art. 221 a 226)CAPTULO II - Dos Debates e das DeliberaesSEO I - Disposies PreliminaresSUBSEO I - Da Prejudicabilidade (Art. 227)SUBSEO II - Do Destaque (Art. 228)SUBSEO III - Da Preferncia (Art. 229)SUBSEO IV - Do Pedido de Vista (Art. 230)SUBSEO V - Do Adiamento (Art. 231)SEO II - Das Discusses (Art. 232 a 235)SUBSEO I - Dos Apartes (Art. 236)SUBSEO II - Dos Prazos das Discusses (Art. 237)SUBSEO III - Do Encerramento e da Reabertura da Discusso(Art. 238 a 239)SEO III - Das VotaesSUBSEO I - Disposies Preliminares (Art. 240 a 243)SUBSEO II - Do Encaminhamento da Votao (Art. 244)SUBSEO III - Dos Processos de Votao (Art. 245)SUBSEO IV - Do Adiamento da Votao (Art. 246)SUBSEO V - Da Verificao da Votao (Art. 247)SUBSEO VI - Da Declarao de Voto (Art. 248 a 249)CAPTULO III - Da Redao Final (Art. 250 a 252)CAPTULO IV - Da Sano (Art. 253)CAPTULO V - Do Veto (Art. 254)CAPTULO VI - Da Promulgao e da Publicao (Art. 255 a 259)CAPTULO VII - DA ELABORAO LEGISLATIVA ESPECIALSEO I - Dos Cdigos (Art. 260 a 264)SEO II - Do Processo Legislativo Oramentrio (Art.265 a 271)TTULO VIII - DA PARTICIPAO POPULARCAPTULO I - Da Iniciativa Popular no Processo Legislativo (Art. 272 a 274)CAPTULO II - Das Audincias Pblicas (Art. 275 a 279)CAPTULO III - Da Tribuna Livre (Art. 280)CAPTULO IV - Das Peties, Reclamaes e Representaes (Art. 281 a 282)CAPTULO V - Do Plebiscito e do Referendo (Art.283 a 285)TTULO IX - DO JULGAMENTO DAS CONTAS DO PREFEITO E DA MESA 3
  • 4. CAPTULO NICO - Do Procedimento do Julgamento (Art. 286 a 287)TTULO X - DA SECRETARIA ADMINISTRATIVACAPTULO I - Dos Servios Administrativos (Art.288 a 295)CAPTULO II - Dos Livros Destinados aos Servios (Art.296)TTULO XI - DOS VEREADORESCAPTULO I - Da Posse (Art. 297 a 299)CAPTULO II - Das Atribuies do Vereador (Art. 300)SEO I - Do Uso da Palavra (Art. 301 a 302)SEO II - Do Tempo do Uso da Palavra (Art. 303)SEO III - Da Questo de Ordem (Art. 304)CAPTULO III - Dos Deveres do Vereador (Art. 305 a 307)CAPTULO IV - Das Proibies e Incompatibilidades (Art. 308)CAPTULO V - Dos Direitos do Vereador (Art. 309)SEO I - Da RemuneraoSUBSEO I - Da Remunerao dos Vereadores (Art. 310 a 315)SUBSEO II - Da Remunerao do Presidente da Cmara Art.316)SEO II - Das Faltas e Licenas (Art. 317 a 320)CAPTULO VI - Da Substituio (Art. 321)CAPTULO VII - Da Extino do Mandato (Art. 322 a 326)CAPTULO VIII - Da Cassao do Mandato (Art. 327 a 332)CAPTULO IX - Do Suplente de Vereador (Art. 333 a 335)CAPTULO X - Do Decoro Parlamentar (Art. 336 a 340)CAPTULO XI - Dos Lderes e Vice-Lderes (Art. 341 a 345)TTULO XII - DO PREFEITO E DO VICE-PREFEITOCAPTULO I - Da Posse (Art. 346)CAPTULO II - Da Remunerao (Art. 347 a 352)CAPTULO III - Das Licenas (Art. 353 a 355)CAPTULO IV - Da Extino do Mandato (Art. 356 a 357)CAPTULO V - Da Cassao do Mandato (Art. 358 a 361)TTULO XIII - DO REGIMENTO INTERNOCAPTULO NICO - Dos Precedentes Regimentais e da Reforma do Regimento (Art. 362 a 365) 4
  • 5. RESOLUO N 002/92 DE 30 DE JULHO DE 1992 "DISPE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DA CMARA MUNICIPAL DE MONTE ALTO, ESTADO DE SO PAULO".Fao saber que a CMARA MUNICIPAL DE MONTE ALTO Estado de SoPaulo, aprovou e eu, seu Presidente, promulgo a seguinteRESOLUO: TTULO I DA CMARA MUNICIPAL CAPTULO I DAS FUNES DA CMARA ARTIGO 1 - A Cmara Municipal o rgolegislativo e fiscalizador do Municpio. ARTIGO 2 - A Cmara compe-se deVereadores eleitos nas condies e termos da legislaovigente e tem sua sede nesta cidade, na Avenida 15 de Maio, n650. ARTIGO 3 - A Cmara tem funeslegislativas, exerce atribuies de fiscalizao externa,financeira e oramentria de controle e de assessoramentodos atos do Executivo e pratica atos de administraointerna. 1 - A funo legislativa consiste emdeliberar por meio de emendas Lei Orgnica, leis,decretos legislativos e resolues sobre todas as matriasde competncia do Municpio. 2 - A funo de fiscalizao,compreendendo a contbil, financeira, oramentria epatrimonial do Municpio e das entidades da AdministraoIndireta, exercida com o auxlio do Tribunal de Contas doEstado, compreendendo: a) apreciao das contas doexerccio financeiro, apresentadas pelo Prefeito e pela Mesada Cmara; 5
  • 6. b) acompanhamento das atividadesfinanceiras do municpio; c) julgamento da regularidade dascontas dos administradores e demais responsveis porbens e valores pblicos da administrao direta eindireta, includas as fundaes e sociedades institudase mantidas pelo Poder Pblico e as contas daqueles quederam causa a perda, extravio ou outra irregularidade de queresulte prejuzo ao errio pblico. 3 - A funo de controle decarter poltico - administrativo e se exerce sobre oPrefeito, Sub-Prefeito, Secretrios Municipais, Mesa doLegislativo e Vereadores, mas no se exerce sobre os agentesadministrativos, sujeitos ao hierrquica. 4 - A funo de assessoramentoconsiste em sugerir medidas de interesse pblico aoExecutivo, mediante indicaes. 5 - A funo administrativa restrita . sua organizao interna, regulamentao de seufuncionalismo e estruturao e direo de seus serviosauxiliares. CAPTULO II DA INSTALAO E POSSE ARTIGO 4 - A Cmara Municipal instalar-se- no dia 1 de Janeiro de cada legislatura, s 10(dez) horas, em sesso solene, independente de nmero, soba presidncia do Vereador mais votado dentre os presentes,que designar um de seus pares para secretariar os trabalhose dar posse ao Prefeito e Vice-Prefeito e Vereadores. ARTIGO 5 - O Prefeito, Vice-Prefeito eos Vereadores eleitos devero apresentar seus diplomas aSecretaria Administrativa da Cmara, antes da sesso deinstalao. ARTIGO 6 - Na sesso solene deinstalao, que poder ocorrer em local diverso ao da sededa Cmara Municipal, observar-se o seguinte procedimento. I - o Prefeito e os Vereadores deveroapresentar, no ato da posse, documento comprobatrio dadesincompatibilizao. II - na mesma ocasio e ao trminodo mandato, o Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores deveroapresentar, declarao pblica de seus bens, a qual ser 6
  • 7. transcrita em livro prprio constando de ata o seu resumo. III - O Vice-Prefeito apresentardocumento comprobatrio de desincompatibilizao no momento emque assumir o exerccio do cargo. IV - os Vereadores presentes,regularmente diplomados, sero empossados aps prestarem ocompromisso, lido pelo Presidente, nos seguintes termos: "Prometo exercer com dedicao e lealdade, o meu mandato,manter e cumprir a Constituio, observar as Leis, defendendoos interesses do Municpio e ao bem geral de sua populao". Ato contnuo, em p, os demais Vereadores presentes diro:" Assim o prometo " . V - o Presidente convidar a seguir, oPrefeito e o Vice-Prefeito eleitos e regularmente diplomados aprestarem o compromisso a que se refere o inciso anterior, eos declarar empossados. VI - podero fazer uso da palavra, peloprazo mximo de 10 (dez) minutos, um representante de cadabancada ou bloco parlamentar, o Prefeito, o Vice-Prefeito, oPresidente da Cmara e um representante das autoridadespresentes. ARTIGO 7 - Na hiptese de a posse no severificar na data prevista no artigo anterior, a mesma deverocorrer: I - dentro do prazo de oito dias acontar da referida data, quando se tratar de Vereador, salvo omotivo justo aceito pela Cmara. II - dentro do prazo de dez dias da datafixada para a posse, quando se tratar de Prefeito e Vice-Prefeito, salvo pelo justo aceito pela Cmara. III - na hiptese de no realizao desesso ordinria ou extraordinria nos prazos indicados nesteartigo, a posse poder ocorrer na Secretaria da Cmara,perante o Presidente ou seu substituto legal, observadostodos os demais requisitos, devendo ser prestado o compromissode primeira sesso subsequente. IV - prevalecero, para os casos de possesuperveniente ao incio da legislatura, seja de Prefeito,Vice-Prefeito ou Suplente de Vereador, os prazos e critriosestabelecidos neste artigo. ARTIGO 8 - O exerccio domandato dar-se-_automaticamente com a posse, assumindo oPrefeito todos os direito e deveres inerentes ao cargo. NICO - A transmisso do cargo, 7
  • 8. quando houver, dar-se- no Gabinete do Prefeito, aps aposse. ARTIGO 9 - A recusa do Vereador eleito atomar posse importa em renncia t cita ao mandato, devendo oPresidente da Cmara, aps o decurso do prazo estipulado noartigo 7, Inciso I, declarar extinto o mandato e convocar orespectivo suplente. ARTIGO 10 - Enquanto no ocorrer a possedo Prefeito, assumir o cargo o Vice-Prefeito e, na falta ouimpedimento deste o Presidente da Cmara. ARTIGO 11 - A recusa do Prefeito eleitoa tomar posse importa em renncia tcita ao mandato, devendo oPresidente da Cmara, aps o decurso do prazo estabelecido noartigo 7, Inciso II, declarar a vacncia do cargo. 1 - Ocorrendo a recusa do Vice-Prefeito a tomar posse, observar-se- o mesmo procedimentoprevisto no "caput" deste artigo. 2 - Ocorrendo a recusa do Prefeito edo Vice-Prefeito, o Presidente da Cmara dever assumir o cargode Prefeito, at a posse dos novos eleitos. TTULO II DA MESA CAPITULO I DA ELEIO DA MESA ARTIGO 12 - Logo aps a posse dosVereadores, do Prefeito e do Vice-Prefeito, proceder-se-ainda sob a presidncia do Vereador mais votado dentre ospresentes, a eleio dos membros da Mesa Diretora da Cmara. NICO - Na eleio da mesa, oPresidente em exerccio tem direito a voto. ARTIGO 13 - A Mesa da Cmara Municipalser eleita para um mandato de dois anos consecutivos, vedada areeleio para o mesmo cargo para o binio subsequente, mesmoque se trate de outra legislatura, ou de mandato que no tenhasido cumprido por inteiro. ARTIGO 14 - A Mesa da Cmara se compordo Presidente, Vice-Presidente, 1 e 2 Secretrios. ARTIGO 15 - A eleio da Mesa proceder- 8
  • 9. se- em votao secreta e por maioria simples de votos,presente pelo menos, a maioria absoluta dos membros da Cmara. NICO - Na composio da Mesa assegurada, na medida do possvel, a participao proporcionaldos partidos com representao na Cmara Municipal. ARTIGO 16 - Na eleio da Mesa, observar-se o seguinte procedimento: I - realizao, por ordem do Presidente,da chamada regimental, para a verificao do " quorum "; II - observar o " quorum " de maioriasimples para o primeiro e segundo escrutnio; III - registro, junto Mesa,individualmente ou por chapa, de candidatos e respectivoscargos, previamente escolhidos pelas bancadas dos partidos oublocos parlamentares; IV - preparao na cdula de votao; V - chamada dos Vereadores pela ordemalfabtica de nome para entrega da cdula e votao; VI - apurao, acompanhada por um ou maisVereadores indicados pelos Partidos Polticos ou BlocosPartidrios, mediante a contagem dos votos pelo PrimeiroSecretrio; VII - redao, pelo Secretrio e leiturapelo Presidente do resultado da eleio; VIII - realizao de segundo escrutniocom os dois Vereadores mais votados para cada cargo, quetenham igual nmero de votos; IX - persistindo o empate, ser declaradoeleito, para cada cargo, o Vereador mais votado na eleiomunicipal; X - proclamao, pelo Presidente, doresultado final e posse imediata dos eleitos. ARTIGO 17 - Na hiptese de no realizar asesso ou a eleio, por falta de nmero legal, quando doincio da legislatura, o Vereador mais votado dentre ospresentes permanecer na presidncia e convocar sessesdirias at que seja eleita a Mesa. ARTIGO 18 - Na eleio para a renovaoda Mesa, no binio subsequente, a ser realizada no ltimo msdo 1 Binio, em horrio regimental, observar-se- o mesmoprocedimento, considerando-se automaticamente empossados os 9
  • 10. eleitos, em 1 de Janeiro do ano seguinte. NICO - Caber ao Presidente cujomandato se finda ou seu substituto legal, proceder a eleiopara a renovao da Mesa, convocando sesses dirias, seocorrer a hiptese prevista no artigo anterior. ARTIGO 19 - O Presidente da Mesa Diretora o Presidente da Cmara Municipal. ARTIGO 20 - A Mesa reunir-se- sempre queconvocada pelo Presidente ou pela maioria de seus membros. NICO - Perder o cargo o membro daMesa que deixar de comparecer a cinco reunies consecutivas,sem causa justificada. ARTIGO 21 - Os membros da Mesa nopodero fazer parte da liderana. CAPTULO II DA COMPETNCIA DA MESA E SEUS MEMBROS SEO I DAS ATRIBUIES DA MESA ARTIGO 22 - Mesa, na qualidade de rgodiretor, incumbe a direo dos trabalhos legislativos e dosservios administrativosda Cmara. ARTIGO 23 - Compete Mesa, dentre outrasatribuiesestabelecidas em lei, neste Regimento ou por Resoluo daCmara, ou delas implicitamente decorrentes: I - tomar todas as medidas necessrias regularidade dos trabalhos legislativos. II - propor projetos de lei nos termos doque dispe aConstituio Federal e a Lei Orgnica Municipal. III - propor projetos de decretolegislativo dispondosobre: a) licena do Prefeito para afastamentodo cargo; b) autorizao ao Prefeito para ausentar-se do Municpio por mais de vinte dias; 10
  • 11. c) fixao da remunerao do Prefeito edo Vice-Prefeito para a legislatura subsequente, sem prejuzoda iniciativa de qualquer Vereador na matria, at trinta diasantes das eleies municipais. IV - propor projetos de resoluodispondo sobre: a) sua organizao, funcionamento,polcia, criao,transformao ou extino dos cargos, empregos ou funes deseus servios e fixao da respectiva remunerao, observadosos parmetros estabelecidos na lei de diretrizesoramentrias; b) concesso de licena aos Vereadores,nos termos do que dispe o artigo 27 da Lei OrgnicaMunicipal; c) fixao da remunerao dos Vereadorese a Verba de Representao do Presidente da Cmara, para alegislatura subsequente, sem prejuzo da iniciativa dequalquer Vereador na matria, at trinta dias antes daseleies municipais; IV - propor ao deinconstitucionalidade, por iniciativa prpria ou arequerimento de qualquer Vereador ou Comisso; V - promulgar emendas LOM; VI - conferir a seus Membros atribuiesou encargos referentes aos servios legislativos ouadministrativos da Cmara; VII - fixar diretrizes para a divulgaodas atividades da Cmara; VIII - adotar medidas adequadas parapromover e valorizar o Poder Legislativo e resguardar o seuconceito perante a comunidade; IX - adotar as providncias cabveis, porsolicitaodo interessado, para a defesa judicial ou extrajudicial deVereador contra a ameaa ou a prtica de ato atentatrio aolivre exerccio e s prerrogativas constitucionais do mandatoparlamentar; X - apreciar e encaminhar pedidosescritos de informao ao Prefeito e aos SecretriosMunicipais; XI - declarar a perda de mandato de 11
  • 12. Vereador, nos termos do artigo 26 da Lei Orgnica Municipal; XII - autorizar licitaes, homologarseus resultados e aprovar o calendrio de compras; XIII - apresentar ao Plenrio, na sessode encerramento do ano legislativo, resenha dos trabalhosrealizados, procedida de sucinto relatrio sobre o seudesempenho; XIV - elaborar e encaminhar ao Prefeitoat 15 (quinze) de Setembro, a proposta oramentria daCmara, a ser includa na proposta do Municpio e fazer,mediante ato, a discriminao analtica das dotaesrespectivas, bem como alter-las, quando necessrio; XV - se a proposta no for encaminhada noprazo previsto no inciso anterior ser tomado como base ooramento vigente para a Cmara Municipal; XVI - suplementar, mediante ato, asdotaes oramentrias da Cmara, observado o limite daautorizao constante de lei oramentria, desde que osrecursos para sua cobertura sejam provenientes de anulaototal ou parcial de suas dotaes; XVII - apresentar projetos de leidispondo sobreabertura de crditos suplementares ou especiais, atravs doaproveitamento total ou parcial das consignaes oramentriasda Cmara; XVIII - devolver Fazenda Municipal, ato dia 31 de Dezembro, o saldo de numerrio que lhe foiliberado durante o exerccio; XIX - enviar ao Prefeito, at o dia 1 deMaro, as contas do exerccio anterior; XX - designar, mediante ato, Vereadorespara misso de representao da Cmara Municipal; XXI - abrir, mediante ato, sindicncias eprocessos administrativos e aplicao de penalidades; XXII - atualizar, mediante ato, aremunerao dos Vereadores, nas pocas e segundo os critriosestabelecidos no ato fixador; XXIII - assinar os autgrafos dosprojetos de lei destinados sano e promulgao pelo Chefedo Executivo; XXIV - assinar as atas das sesses daCmara. 12
  • 13. 1 - Os atos administrativos da Mesasero numerados em ordem cronolgica, com renovao a cadalegislatura. 2 - A recusa injustificada deassinatura dos atos da Mesa, ensejar o processo dedestituio do membro faltoso. 3 - A recusa injustificada deassinatura dos autgrafos destinados sano, ensejar oprocesso de destituio do membrofaltoso. ARTIGO 24 - As decises da Mesa serotomadas por maioria de seus Membros. SEO II DAS ATRIBUIES DO PRESIDENTE ARTIGO 25 - O Presidente orepresentante legal da Cmara nas suas relaes externas,competindo-lhe as funes administrativas e diretivasinternas, alm de outras expressas neste Regimento oudecorrentes da natureza de suas funes prerrogativas. ARTIGO 26 - Ao Presidente da Cmaracompete privativamente: I - QUANTO S SESSES: a) presidi-las, suspend-las ou prorrog-las, observando e fazendo observar as normas vigentes e asdeterminaes deste Regimento; b) determinar ao Secretrio a leitura dascomunicaes dirigidas, e as enviadas pela Cmara; c) determinar de ofcio ou a requerimentode qualquer Vereador, em qualquer fase dos trabalhos, averificao de presena; d) declarar a hora destinada aoExpediente, Ordem do Dia e Explicao Pessoal e os prazosfacultados aos oradores; e) anunciar a Ordem do Dia e submeter discusso e votao a matria dela constante; f) conceder ou negar a palavra aosVereadores, nos termos deste Regimento, e no permitirdivagaes ou apartes estranhos ao assunto em discusso; 13
  • 14. g) advertir o orador ou o aparteantequanto ao tempo de que dispe, no permitindo que sejaultrapassado o tempo regimental; h) interromper o orador que se desviar daquesto em debate ou falar sem o respeito devido Cmara ou aqualquer de seus membros, advertindo-o e, em caso deinsistncia, cassando-lhe a palavra, podendo, aindasuspender a sesso, quando no atendimento e as circunstnciasassim exigirem; i) autorizar o Vereador a falar dabancada; j) chamar a ateno do orador quando seesgotar o tempo a que tem direito; l) submeter discusso e votao amatria a isso destinada, bem como estabelecer o ponto daquesto que ser objeto da votao; m) decidir sobre o impedimento deVereador para votar; n) anunciar o resultado da votao edeclarar a prejudicialidade dos projetos por esta alcanados; o) decidir as questes de ordem e asreclamaes; p) anunciar o trmino das sesses,avisando, antes, ao Vereadores sobre a sesso seguinte; q) convocar as sesses da Cmara; r) presidir a sesso ou sesses deeleio da Mesa do perodo seguinte; s) comunicar ao Plenrio a declarao daextino do mandato do Prefeito ou de Vereador, na primeirasesso subsequente apurao do fato, fazendo constar de ataa declarao e convocando imediatamente o respectivo suplente,no caso de extino de mandato de Vereador. II - QUANTO S ATIVIDADES LEGISLATIVAS: a) proceder a distribuio de matria sComisses Permanentes ou Especiais; b) deferir, por requerimento do autor, aretirada de proposio, ainda no includa na ordem do dia; 14
  • 15. c) despachar requerimentos; d) determinar o arquivamento oudesarquivamento de proposies, nos termos regimentais; e) devolver ao autor a proposio queno esteja devidamente formalizada, que verse matria alheia competncia da Cmara, ou que seja, evidentementeinconstitucional ou anti-regimental; f) recusar o recebimento de substitutivosou emendas que no sejam pertinentes proposio inicial; g) declarar prejudicada a proposio emface de rejeio ou aprovao de outra com o mesmo objetivo,salvo requerimento que consubstanciar reiterao de pedidono atendido ou resultante de modificao da situao de fatosanteriores; h) fazer publicar os atos da Mesa e daPresidncia, Portarias, Resolues e Decretos Legislativos,bem como as Leis por ele promulgadas;i) votar nos seguintes casos: 1 - na eleio da Mesa; 2 - quando a matria exigir, para a suaaprovao, o voto favorvel de 2/3 (dois teros) dos Membrosda Cmara; 3 - em todas as votaes secretas e nocaso de empate nas votaes pblicas. j) incluir na ordem do dia da primeirasesso subsequente, sempre que tenha esgotado o prazo previstopara sua apreciao os projetos de lei de iniciativa doExecutivo submetidos a urgncia, e os vetos por este oposto,observado o seguinte: 1 - em ambos os casos ficaro sobrestadasas demais proposies at que se ultime a votao; 2 - a deliberao sobre os projetos delei submetidos a urgncia tm prioridade sobre a apreciao doveto. l) promulgar as Resolues e os DecretosLegislativos bem como as Leis com sano tcita, ou cujo vetotenha sido rejeitado pelo Plenrio, desde que no aceita estadeciso em tempo hbil pelo Prefeito; m) apresentar proposio consideraodo Plenrio, devendo afastar-se da presidncia para discutir. 15
  • 16. III - QUANTO SUA COMPETNCIA GERAL: a) substituir o Prefeito ou suced-lo nafalta deste e do Vice-Prefeito, completando se for o caso, oseu mandato ou at que se realizem novas eleies, nos termosda lei; b) representar a Cmara em juzo ou foradele; c) dar posse ao Prefeito, Vice-Prefeitoe Vereadores que no foram empossados no primeiro dia dalegislatura e aos suplentes de Vereadores; d) declarar extinto o mandato doPrefeito, Vice-Prefeito e Vereadores nos casos previstos emlei; e) expedir Decreto Legislativo decassao de mandato de Prefeito e Resoluo de cassao demandato de Vereador; f) declarar a vacncia do cargo dePrefeito, nos termos da lei; g) no permitir a publicao depronunciamentos ou expresses atentatrias ao decoroparlamentar; h) zelar pelo prestgio e decoro daCmara bem como pela dignidade e respeito s prerrogativasconstitucionais de seus membros; i) autorizar a realizao de eventosculturais ou artsticos no edifcio da Cmara fixando-lhesdata, local e horrio; j) cumprir e fazer cumprir o RegimentoInterno; l) expedir Decreto Legislativoautorizando referendo ou convocando plebiscito; m) encaminhar ao Ministrio Pblico, ascontas do Prefeito e da Mesa, imediatamente aps a suaapreciao pelo Plenrio, ainda que aprovadas; n) mandar publicar os pareceres doTribunal de Contas sobre as contas do Prefeito e da Mesa daCmara, com as respectivas decises do Plenrio, remetendo-osa seguir, ao Tribunal de Contas da Unio e do Estado. 16
  • 17. IV - QUANTO MESA a) convoc-la e presidir suas reunies; b) tomar partes nas discusses edeliberaes com direito a voto; c) distribuir a matria que dependa deparecer; d) executar as decises da Mesa. V - QUANTO S COMISSES: a) designar seus membros titulares esuplentes mediante comunicao dos Lderes ou BlocosParlamentares; b) destituir membro da ComissoPermanente em razo de faltas injustificadas; c) assegurar os meios e condiesnecessrias ao seu pleno funcionamento; d) convidar o Relator ou outro membro deComisso para esclarecimento de parecer; e) convocar as Comisses Permanentes paraeleio dos respectivos Presidentes e Vice-Presidentes; f) nomear os membros das ComissesTemporrias; g) criar, mediante ato, ComissesParlamentares de Inqurito; h) preencher, por nomeao, as vagasverificadas nas Comisses Permanentes e Temporrias. VI - QUANTO S ATIVIDADESADMINISTRATIVAS: a) comunicar a cada Vereador, porescrito, com antecedncia mnima de 24 horas, a convocao desesses extraordinrias durante o perodo normal ou de sessolegislativa extraordinria durante o recesso, quando aconvocao ocorrer fora da sesso, sob pena de destituio; 17
  • 18. b) encaminhar processos s ComissesPermanentes e inclu-los na pauta; c) zelar pelos prazos do processolegislativo e daqueles concedidos s Comisses e aoPrefeito; d) dar cincia ao Plenrio do relatrioapresentado por Comisso Parlamentar de Inqurito; e) remeter ao Prefeito, quando setratar de fato relativo ao Poder Executivo, e ao MinistrioPblico cpia de inteiro teor do relatrio apresentado porComisso Parlamentar de Inqurito quando esta concluir pelaexistncia de infrao; f) organizar a Ordem do Dia, pelo menos48 horas antes da sesso respectiva, fazendo dela constarobrigatoriamente, com ou sem parecer das Comisses e antes dotrmino do prazo, os projetos de lei com prazo de apreciao; g) executar as deliberaes do Plenrio; h) assinar a ata das sesses, os editais,as portarias e o expediente da Cmara. VII - QUANTO AOS SERVIOS DA CMARA: a) remover e readmitir funcionrios daCmara, conceder-lhes frias e abono de faltas; b) superintender o servio da Secretariada Cmara, autorizar nos limites do oramento as suas despesase requisitar o numerrio ao Executivo; c) apresentar ao Plenrio at o dia 20 decada ms, o balancete relativo s verbas recebidas e sdespesas realizadas no ms anterior; d) proceder as licitaes para compras,obras e servios da Cmara, obedecida a legislao pertinente; e) rubricar os livros destinados aosservios da Cmara e de sua Secretaria, exceto os livrosdestinados s Comisses Permanentes; f) fazer, ao fim de sua gesto, relatriodos trabalhos da Cmara. VIII - QUANTO S RELAES EXTERNAS DACMARA: 18
  • 19. a) conceder audincia pblica na Cmara,em dias e horrios pr-fixados; b) manter, em nome da Cmara, todos oscontatos com o Prefeito e demais autoridades; c) encaminhar ao Prefeito os pedidos deinformaes formulados pela Cmara; d) contratar advogado, medianteautorizao do Plenrio, para a propositura de aes judiciaise independentemente de autorizao para defesas nas aes queforem movidas contra a Cmara ou contra ato da Mesa ou daPresidncia; e) solicitar a interveno no Municpionos casos admitidos pela Constituio Estadual; f) interpelar judicialmente o Prefeito,quando este deixar de colocar disposio da Cmara, no prazolegal, as quantias requisitadas ou a parcela correspondente aoduodcimo das dotaes oramentrias. IX - QUANTO POLCIA INTERNA: a) policiar o recinto da Cmara com oauxlio de seus funcionrios, podendo requisitar elementos decorporaes civis ou militares para manter a ordem interna; b) permitir que qualquer cidado assistas sesses da Cmara, na parte do recinto que lhe reservado,desde que: 1- apresente-se convenientemente trajado; 2- no porte armas; 3- no se manifeste desrespeitosa ouexcessivamente, em apoio ou desaprovao ao que se passa noPlenrio; 4 - respeite os Vereadores; 5 - atenda s determinaes daPresidncia; 6 - no interpele os Vereadores; c) obrigar a se retirar do recinto, semprejuzo de outras medidas, os assistentes que no observaremos deveres elencados na alnea anterior; 19
  • 20. d) determinar a retirada de todos osassistentes, se a medida for julgada necessria; e) se, no recinto da Cmara for cometidaqualquer infrao penal, efetuar a priso em flagranteapresentando o infrator autoridade competente, pelalavratura do auto e instaurao do processo crimecorrespondente; f) na hiptese da alnea anterior, se nohouver flagrante, comunicar o fato autoridade policialcompetente, para a instaurao de inqurito; g) admitir, no recinto do Plenrio e emoutras dependncias da Cmara, a seu critrio, somente apresena dos Vereadores e funcionrios da SecretariaAdministrativa, estes quando em servio; h) credenciar todos representantes, decada rgo da imprensa escrita, falada ou televisada, que osolicitar, para trabalhos correspondentes coberturajornalstica das sesses. Modificado pela Resoluo n001/09, de 03 de Maro de2.009. O texto original dispunha: h) credenciar representantes em nmero no superior a dois, de cada rgo da imprensa escrita, falada ou televisada, que o solicitar, para trabalhos correspondentes cobertura jornalstica das sesses. 1 - O Presidente poder delegar aoVice-Presidente competncia que lhe seja prpria, nos termosdo artigo 37, deste Regimento. 2 - A hora do incio dos trabalhos dasesso, no se achando o Presidente no recinto, ser elesubstitudo, sucessivamente, pelo Vice-Presidente, pelo 1 e2 Secretrios ou ainda, pelo Vereador maisvotado na eleio municipal dentre os presentes. 3 - Nos perodos de recesso da Cmaraa licena do Presidente se efetivar mediante comunicaoescrita ao seu substituto legal. ARTIGO 27 - Quando o Presidente estivercom a palavra no exerccio de suas funes, durante as sessesplenrias, no poder ser interrompido nem aparteado. ARTIGO 28 - Ser sempre computada, paraefeito de "quorum", a presena do Presidente nos trabalhos. ARTIGO 29 - O Presidente no poder fazerparte de qualquer Comisso, ressalvadas as de representao. 20
  • 21. ARTIGO 30 - Nenhum Membro da Mesa ouVereador poder presidir a Sesso durante a discusso e votaode matria de sua autoria. SUBSEO NICA DA FORMA DOS ATOS DO PRESIDENTE ARTIGO 31 - Os atos do Presidenteobservaro a seguinte forma: I - ato numerado, em ordem cronolgica,nos seguintes casos: a) regulamentao dos serviosadministrativos; b) nomeao de membros das ComissesTemporrias; c) matria de carter financeiro; d) designao de substitutos nasComisses; e) outras matrias de competncia daPresidncia e que no estejam enquadradas como Portaria. f) Portaria, nos seguintes casos: a) remoo, readmisso, frias, abono defaltas ou, ainda, quando se tratar de expedio dedeterminaes aos servidores da Cmara; b) outros casos determinados em Lei ouResoluo. SEO III DAS ATRIBUIES DO VICE-PRESIDENTE ARTIGO 32 - Compete ao Vice-Presidentesubstituir o Presidente em suas faltas ou impedimentos emPlenrio. NICO - Compete-lhe, ainda, substituiro Presidente, fora do Plenrio, em suas faltas, ausncias,impedimentos ou licenas, ficando, nas duas ltimas hipteses,investido na plenitude das respectivas funes. 21
  • 22. ARTIGO 33 - So atribuies do Vice-Presidente: I - mandar anotar, em livros prprios, osprecedentes regimentais, para soluo de casos anlogos; II - providenciar, no prazo mximo de 15(quinze) dias, a expedio de certides que forem solicitadas,para defesa de direitos e esclarecimento de situaes,relativas a decises, atos e contratos; III - dar andamento legal aos recursosinterpostos contra atos da Presidncia, da Mesa ou dePresidente de Comisso; IV - anotar, em cada documento, a decisotomada; V - promulgar as leis com sano tcitaou cujo veto tenha sido rejeitado pelo Plenrio, sempre que oPresidente deixar de faz-lo, em igual prazo concedido a este; VI - superintender, sempre que convocadopelo Presidente, os servios administrativos da CmaraMunicipal bem como auxili-lo na direo das atividadeslegislativas e de polcia interna; VII - assinar com o Presidente, 1 e 2Secretrio, os Atos da Mesa e os Autgrafos destinados asano. SEO IV DOS SECRETRIOS ARTIGO 34 - So atribuies do 1Secretrio: I - proceder chamada dos Vereadores nasocasies determinadas pelo Presidente e nos casos previstosneste Regimento, assinado as respectivas folhas; II - ler a matria do expediente bem comoas proposies e demais papis sujeitos ao conhecimento oudeliberao do Plenrio; III - determinar o recebimento e zelarpela guarda das proposies e documentos entregues Mesa,para conhecimento e deliberao do Plenrio; IV - constatar a presena dos Vereadoresao se abrir a sesso, confrontando-a com o Livro de Presena,anotando os presentes e os ausentes, com causa justificada ou 22
  • 23. no, consignando, ainda, outras ocorrncias sobre o assunto,assim como encerrar o referido livro ao final de cada sesso; V - receber e determinar a elaborao detoda a correspondncia oficial da Cmara, sujeitando-a aoconhecimento, apreciao e assinatura do Presidente; VI - fazer a inscrio dos oradores; VII - superintender a redao da ata,resumindo os trabalhos da sesso e assinando-a juntamente como Presidente e o 2 Secretrio; VIII - secretariar as reunies da Mesaredigindo em livro prprio, as respectivas atas; IX - redigir as atas das sesses secretase efetuar as transcries necessrias; X - assinar, com o Presidente, Vice-Presidente e o 2 Secretrio, os atos da Mesa e os autgrafosdestinados a sano; XI - substituir o Presidente na ausnciaou impedimento simultneos deste e do Vice-Presidente. ARTIGO 35 - ao 2 Secretrio compete asubstituio do 1 Secretrio em suas faltas, ausncias,impedimentos ou licenas, ficando nas duas ltimas hipteses,investido na plenitude das respectivas funes. ARTIGO 36 - So atribuies do 2Secretrio: I - redigir a ata, sob a superviso do 1Secretrio, resumindo os trabalhos da sesso; II - assinar, juntamente com oPresidente, o Vice-Presidente e o 1 Secretrio, os atos daMesa, as atas das sesses e os Autgrafos destinados sano; III - auxiliar o 1 Secretrio nodesempenho de suas atribuies quando da realizao dassesses plenrias. NICO - Quando no exerccio dasatribuies de 1 Secretrio, nos termos do artigo 34 desteRegimento, o 2 Secretrio acumular, com as suas, as funesdo substitudo. SEO V DA DELEGAO DE COMPETNCIA 23
  • 24. ARTIGO 37 - A delegao de competnciaser utilizada como instrumento de descentralizaoadministrativa, visando assegurar maior rapidez e objetividades decises, e situ-las na proximidade dos fatos, pessoas ouproblemas a atender. NICO - facultado Mesa, a qualquerde seus Membros e s demais autoridades responsveis pelosservios administrativos da Cmara, delegar competncia para aprtica de atos administrativos. 2 - O ato de delegao indicar, compreciso, a autoridade delegante, a autoridade delegada e asatribuies objeto da delegao. SEO VI DAS CONTAS DA MESA ARTIGO 38 - As contas da Mesa compor-se-o de: I - balancetes mensais, relativos sverbas recebidas e aplicadas, que devero ser apresentadas aoPlenrio pelo Presidente, at o dia 20 (vinte) do ms seguinteao vencido; II - balano geral anual, que dever serenviado ao Prefeito para fins de encaminhamento ao Tribunal deContas, at o dia 1 de Maro do exerccio seguinte. CAPTULO III DA SUBSTITUIO DA MESA ARTIGO 39 - Em suas faltas ouimpedimentos o Presidente da Mesa ser substitudo pelo Vice-Presidente. 1 - Estando ambos ausentes, serosubstitudos sucessivamente, pelo 1 e 2 Secretrios. ARTIGO 40 - Ausentes, em Plenrio, osSecretrios, o Presidente convidar qualquer Vereador para asubstituio em carter eventual. ARTIGO 41 - Na hora determinada para oincio da sesso, verificada a ausncia dos Membros da Mesa ede seus substitutos, assumir a Presidncia o Vereador maisvotada dentre os presentes, que escolher entre seus pares um 24
  • 25. Secretrio. NICO - A Mesa, composta na forma desteartigo, dirigir os trabalhos at o comparecimento de algummembro titular da Mesa ou de seus substitutos legais. CAPTULO IV DA EXTINO DO MANDATO DA MESA SEO I DISPOSIES PRELIMINARES ARTIGO 42 - As funes dos membros daMesa cessaro: I - pela posse da Mesa eleita para omandato subsequente; II - pela renncia, apresentada porescrito; III - pela destituio; IV - pela cassao ou extino do mandatode Vereador. ARTIGO 43 - Vagando-se qualquer cargo daMesa, ser realizada eleio no expediente da primeira sessoordinria seguinte, ou em sesso extraordinria convocada paraesse fim, para completar o mandato. NICO - Em caso de renncia oudestituio total da Mesa, proceder-se- nova eleio, para secompletar o perodo do mandato, na sesso imediata quela emque ocorreu a renncia ou destituio, sob a presidncia doVereador mais votado dentre os presentes, que ficar investidona plenitude das funes at a posse da nova Mesa. SEO II DA RENNCIA DA MESA ARTIGO 44 - A renncia do Vereador aocargo que ocupa na Mesa, dar-se- por ofcio a ela dirigido eefetivar-se- independentemente de deliberao do Plenrio, apartir do momento em que for lido em sesso. ARTIGO 45 - Em caso de renncia total daMesa o ofcio respectivo ser levado ao conhecimento do 25
  • 26. Plenrio pelo Vereador mais votado dentre os presentes,exercendo o mesmo as funes de Presidente, nos termos doartigo 42, pargrafo nico. SEO III DA DESTITUIO DA MESA ARTIGO 46 - Os membros da Mesa,isoladamente ou em conjunto, podero ser destitudos de seuscargos, mediante Resoluo aprovada por 2/3 (dois teros), nomnimo, dos membros da Cmara, assegurado o direito de ampladefesa. NICO - passvel de destituio omembro da Mesa quando faltoso, omisso ou ineficiente nodesempenho de suas atribuies regimentais, ou exorbite dasatribuies a ele conferidas por este Regimento. ARTIGO 47 - O processo de destituioter incio por denncia, subscrita necessariamente por, pelomenos, um dos Vereadores, dirigida ao Plenrio e lida pelo seuautor em qualquer fase da sesso, independentemente de prviainscrio ou autorizao da Presidncia. 1 - Da denncia constar: I - o membro ou os membros da Mesadenunciados; II - descrio circunstanciada dasirregularidades cometidas; III - as provas que se pretenda produzir. 2 - Lida a denncia, serimediatamente submetida ao Plenrio pelo Presidente, salvo seeste for envolvidos nas acusaes, caso em que essaprovidncia e as demais relativas ao procedimento dedestituio competiro a seus substitutos legais e, se estestambm forem envolvidos, ao Vereador mais votado dentre ospresentes. 3 - O membro da Mesa, envolvido nasacusaes, no poder presidir nem secretariar os trabalhos,quando e enquanto estiver sendo discutido ou deliberadoqualquer ato relativo ao processo de sua destituio. 4 - Se o acusado for o Presidente,ser substitudo na forma do pargrafo 2. 5 - Quando um dos secretrios assumir,a presidncia na forma do pargrafo 2 ou for o acusado, ser 26
  • 27. substitudo por qualquer Vereador convidado pelo Presidenteem exerccio. 6 - O denunciante e o denunciado oudenunciados so impedidos de deliberar sobre o recebimento dadenncia, no sendo necessria a convocao de suplente paraesse ato. 7 - Considerar-se- recebida adenncia, se for aprovada pelo maioria dos Vereadorespresentes. ARTIGO 48 - Recebida a denncia, serosorteados 3 (trs) Vereadores para compor a ComissoProcessante. 1 - Da Comisso no podero fazerparte o denunciante e o denunciado ou denunciados, observando-se na sua formao o disposto pelos incisos V e VI, do artigo367 deste Regimento. 2 - Constituda a ComissoProcessante, seus Membros elegero um deles para Presidenteque nomear entre seus pares um relator e marcar reunio a serrealizada dentro das quarenta e oito horas seguintes. 3 - O denunciado ou denunciados seronotificados dentro de 3 (trs) dias, a contar da primeirareunio da Comisso, para apresentao, por escrito, de defesaprvia, no prazo de 10 (dez) dias. 4 - Findo o prazo estabelecido nopargrafo anterior, a Comisso, de posse ou no da defesaprvia, proceder s diligncias que entender necessrias,emitindo, no prazo de 20 (vinte) dias, seu parecer. 5 - O denunciado ou denunciadospodero acompanhar todas as diligncias da Comisso. ARTIGO 49 - Findo o prazo de vinte dias econcluindo pela procedncia das acusaes, a Comisso deverapresentar, na primeira sesso ordinria subsequente, Projetode Resoluo propondo a destituio do denunciado oudenunciados. 1 - O Projeto de Resoluo sersubmetido a discusso e votao nominal nicas, convocando-seos suplentes do denunciante e do denunciado ou dos denunciadospara efeitos de "quorum". 2 - Os Vereadores e o relator daComisso Processante e o denunciado ou denunciados tero cadaum trinta minutos para a discusso do Projeto de Resoluo,vedada a cesso de tempo. 27
  • 28. 3 - Tero preferncia, na ordem deinscrio, respectivamente, o relator da Comisso Processantee o denunciado ou denunciados, obedecida, quanto aosdenunciados, a ordem utilizada na denncia. ARTIGO 50 - Concluindo pela improcednciadas acusaes, a Comisso Processante dever apresentar seuparecer, na primeira sesso ordinria subsequente, para serlido, discutido e votado nominalmente em turno nico, na fasedo expediente. 1 - Cada Vereador ter o prazo mximode quinze minutos para discutir o parecer da ComissoProcessante, cabendo ao relator e ao denunciado oudenunciados, respectivamente, o prazo de trinta minutos,obedecendo-se, na ordem de inscrio, o previsto no pargrafo3, do artigo anterior. 2 - No se concluindo nessa sesso aapreciao do parecer, a autoridade que estiver presidindo ostrabalhos relativos ao processo de destituio convocarsesses extraordinrias destinadas, integral e exclusivamente,ao exame da matria, at deliberao definitiva do Plenrio. 3 - O parecer da Comisso Processanteser aprovado ou rejeitado por maioria simples, procedendo-se: a) ao arquivamento do processo, serejeitado o parecer; b) remessa do processo Comisso deJustia e Redao, se aprovado o parecer. 4 - Ocorrendo a aprovao do parecer,a Comisso de Justia e Redao dever elaborar, dentro de 3(trs) dias, Projeto de Resoluo propondo a destituio dodenunciado ou denunciados. 5 - Para a votao e discusso doProjeto de Resoluo de destituio, elaborado pela Comissode Justia e Redao, observar-se- o previsto nos pargrafos1, 2 e 3, do artigo 48. ARTIGO 51 - A aprovao do Projeto deResoluo, pelo "quorum" de 2/3 (dois teros), implicar oimediato afastamento do denunciado ou denunciados, devendo aResoluo respectiva ser dada publicao, pela autoridadeque estiver presidindo os trabalhos, dentro do prazo dequarenta e oito horas, contado da deliberao do Plenrio. TTULO III DO PLENRIO 28
  • 29. CAPTULO I DA UTILIZAO DO PLENRIO ARTIGO 52 - Plenrio o rgodeliberativo, soberano da Cmara Municipal, constitudo pelareunio de Vereadores em exerccio, em local, forma e nmeroestabelecidos neste Regimento. 1 - O local o recinto de sua sede. 2 - A forma legal para deliberar asesso, regida pelos dispositivos referentes matria,estatudos em leis ou neste Regimento. 3 - O nmero o "quorum" determinadoem lei ou neste Regimento, para a realizao das sesses epara as deliberaes. ARTIGO 53 - As deliberaes do Plenriosero tomadas por: a) maioria simples; b) maioria absoluta; c) maioria qualificada (2/3). 1 - A maioria simples a querepresenta o maior resultado de votao, dentre os presentes reunio. 2 - A maioria absoluta a quecompreende mais da metade dos membros da Cmara. 3 - A maioria qualificada a queatinge ou ultrapasse a 2/3 (dois teros) dos membros daCmara. ARTIGO 54 - O Plenrio deliberar : 1 - Por maioria absoluta sobre: I - Cdigo Tributrio do Municpio; II - Cdigo de Obras ou de Edificao; III - Estatutos dos ServidoresMunicipais; IV - Plano Diretor do Municpio; V - Cdigo de Posturas; 29
  • 30. VI - Lei Orgnica instituidora da GuardaMunicipal; VII - Zoneamento Urbano e diretrizessuplementares de uso e ocupao do solo; VIII - Leis de criao de cargos, funesou empregos pblicos e aumento de vencimentos; IX - Concesso de servio pblico; X - Concesso de direito real de uso; XI - Alienao de bens imveis; XII - Aquisio de bens imveis pordoao com encargo; XIII - Autorizao para obteno deemprstimo de particular; XIV - Fixao do nmero de Vereadorespara a legislatura subsequente; XV - Lei de Proteo ao Saneamento Bsicodo Municpio, Sade, Proteo do Meio Ambiente, ResduosSlidos e Drenagem Urbana, de Proteo dos Recursos Hdricos,inclusive Mananciais do Municpio; XVI - Lei de Diretrizes Oramentrias,Plano Plurianual e Lei Oramentria Anual; XVII - Criao, organizao e supressode distritos e subdistritos, e diviso do territrio doMunicpio em reas administrativas; XIX - Criao, estruturao e atribuiesdas Secretarias, Subprefeituras, Conselho de Representantes edos rgos da administrao pblica; XX - Realizao de operaes de crditopara abertura de crditos adicionais, suplementares ouespeciais com finalidade precisa; XXI - Rejeio de veto; XXII - Regimento Interno da CmaraMunicipal; XXIII - Alterao de denominao deprprios, vias e logradouros pblicos; XXIV - Isenes de impostos municipais; 30
  • 31. XXV - Todo e qualquer tipo de anistia; XXVI - Acolhimento de denncia contraVereador; XXVII - Admisso de acusao contraPrefeito. 2 - Por maioria qualificada sobre: I - rejeio do parecer prvio doTribunal de Contas do Municpio; II - destituio dos membros da Mesa; III - emendas Lei Orgnica; IV - concesso de ttulo de CidadoHonorrio ou qualquer outra honraria ou homenagem; V - aprovao de sesso secreta; VI - perda de mandato de Prefeito; VII - perda de mandato de Vereador. ARTIGO 55 - As deliberaes do Plenriodar-se-o sempre por voto aberto, salvo nas seguinteshipteses: I - julgamento poltico do Prefeito, doVice-Prefeito e do Vereador; II - na eleio dos Membros da Mesa e dossubstitutos, bem como no preenchimento de qualquer vaga; III - na votao de decreto legislativopara concesso de qualquer honraria. TTULO IV DAS SESSES LEGISLATIVAS CAPTULO I DAS SESSES DA CMARA SEO I DISPOSIES PRELIMINARES ARTIGO 56 - As sesses da Cmara, excetoas solenes, que podero ser realizadas em outro recinto, 31
  • 32. tero, obrigatoriamente, por local a sua sede, considerando-senulas as que se realizarem fora dela. 1 - Por impossibilidade de acesso, ououtra causa que impea a sua utilizao, as reunies da Cmarade Vereadores podero ser realizadas em outro local,designado pelo Juiz de Direito da Comarca, nos autos deverificao da ocorrncia. 2 - Na sede da Cmara no serealizaro atividades estranhas s suas finalidades, semprvia autorizao da Presidncia. ARTIGO 57 - Durante as sesses, somenteos Vereadores, desde que convenientemente trajados,podero permanecer no recinto do Plenrio. 1 - A critrio do Presidente, seroconvocados os funcionrios da Secretaria Administrativa,necessrios ao andamento dos trabalhos. 2 - A convite da Presidncia, poriniciativa prpria ou sugesto de qualquer Vereador, poderoassistir aos trabalhos, no recinto do Plenrio, autoridadesfederais, estaduais e municipais, personalidades homenageadase representantes credenciados da imprensa escrita e falada,que tero lugar reservado para esse fim. 3 - A saudao oficial ao visitanteser feita, em nome da Cmara, pelo Presidente ou peloVereador que o Presidente designar para esse fim. 4 - Os visitantes podero, a critrioda Presidncia e pelo tempo por esta determinado, discursarpara agradecer a saudao que lhes for feita. CAPTULO II DAS SESSES LEGISLATIVAS ORDINRIAS E EXTRAORDINRIAS SEO I DISPOSIES PRELIMINARES ARTIGO 58 - A legislatura compreenderquatro sesses legislativas, com incio cada uma a primeiro defevereiro e trmino em 05 (cinco) de Dezembro de cada ano. ARTIGO 59 - Sero considerados como derecesso legislativo os perodos compreendidos entre 1(primeiro) 31 (trinta e um) de julho e de 05 (cinco) deDezembro 31 (trinta e um) de Janeiro de cada ano. 32
  • 33. ARTIGO 60 - As sesses da Cmara sero: I - solenes; II - ordinrias; III - extraordinrias; IV - secretas. 1 - Sesso legislativa ordinria acorrespondente ao perodo normal de funcionamento da Cmaradurante um ano. 2 - Sesso legislativa extraordinria a correspondente ao funcionamento da Cmara no perodo dorecesso. ARTIGO 61 - As sesses sero pblicas,salvo deliberao em contrrio tomada por, no mnimo, 2/3(dois teros) dos Membros da Cmara quando da ocorrncia demotivo relevante ou nos casos previstos neste Regimento. ARTIGO 62 - As sesses ressalvadas assolenes, podero somente ser abertas com a presena de, nomnimo, 1/3 (um tero) dos membros da Cmara, constatadaatravs da assinatura do livro de presena. ARTIGO 63 - Em sesso plenria cujaabertura e prosseguimento dependa de "quorum" este poder serconstatado atravs de verificao de presena feita de ofciopelo Presidente ou a pedido de qualquer Vereador. 1 - Ressalvada a verificao depresena determinada de ofcio pelo Presidente novaverificao somente ser deferida aps decorridos 30(trinta) minutos do trmino da verificao anterior. 2 - Ficar prejudicada a verificaode presena se, o ser chamado, encontrar-se ausente o Vereadorque a solicitou. ARTIGO 64 - Declarada aberta a sesso oPresidente proferir as seguintes palavras: "Sob a proteo deDeus, iniciamos os nossos trabalhos". ARTIGO 65 - Durante as sesses somente osVereadores podero permanecer no recinto do Plenrio,ressalvadas as hipteses previstas neste Regimento. SEO II DA DURAO E PRORROGAO DAS SESSES 33
  • 34. ARTIGO 66 - As sesses da Cmara tero adurao mxima de quatro horas, podendo ser prorrogadas pordeliberao do Presidente ou a requerimento verbal de qualquerVereador, aprovado pelo Plenrio. NICO - O requerimento de prorrogaono poder ser objeto de discusso. ARTIGO 67 - A prorrogao da sesso serpor tempo determinado, para que se ultime a discusso evotao de proposies em debate. 1 - Se forem apresentados dois ou maisrequerimentos de prorrogao da sesso, sero os mesmosvotados na ordem cronolgica de apresentao sendo que,aprovado qualquer deles, considerar-se-o prejudicados osdemais. 2 - Podero ser solicitadas outrasprorrogaes, mas sempre por prazo igual ou inferior ao que jfoi concedido. 3 - O requerimento de prorrogao serconsiderado prejudicado pela ausncia de seu autor no momentoda votao. 4 - Os requerimentos de prorrogaosomente podero ser apresentados mesa a partir de 10 (dez)minutos antes do trmino da Ordem do Dia, e, nas prorrogaesconcedidas, a partir de 05 (cinco) minutos antes de se esgotaro prazo prorrogado, alertado o Plenrio pelo Presidente. 5 - Quando, dentro dos prazosestabelecidos no pargrafo anterior, o autor do requerimentode prorrogao solicitar sua retirada, poder qualquer outroVereador, falando pela ordem, manter o pedido de prorrogao,assumindo, ento, a autoria e dando-lhe plena validaderegimental. 6 - As disposies contidas nestasesso no seaplicam s sesses solenes. SEO III DA SUSPENSO E ENCERRAMENTO DAS SESSES ARTIGO 68 - A sesso poder ser suspensa: I - para a preservao da ordem; II - para permitir, quando for o caso, 34
  • 35. que a Comisso possa apresentar parecer verbal ou escrito; III - para recepcionar visitantesilustres. 1 - A suspenso da sesso no caso doInciso II, no poder exceder a 15 (quinze) minutos. 2 - O tempo de suspenso no sercomputado no de durao da sesso. ARTIGO 69 - A sesso ser encerrada antesda hora regimental nos seguintes casos: I - por falta de quorum regimental para oprosseguimento dos trabalhos; II - em carter excepcional, por motivode luto nacional, pelo falecimento de autoridade ou altapersonalidade ou na ocorrncia de calamidade pblica, emqualquer fase dos trabalhos, mediante requerimento subscrito,no mnimo, por 1/3 (um tero) dos Vereadores e sobre o qualdeliberar o Plenrio; III - tumulto grave. SEO IV DA PUBLICIDADE DAS SESSES ARTIGO 70 - Ser dada ampla publicidades sesses da Cmara, facilitando-se o trabalho da imprensa epublicando-se a pauta e o resumo dos trabalhos no JornalOficial do Municpio. 1 - No havendo Jornal Oficial doMunicpio, o Jornal Oficial da Cmara o que tiver vencido alicitao para a divulgao dos atos oficiais do Legislativo,levando-se em considerao a maior abrangncia de divulgaopelo jornal. 2 - Em igualdade de condies, adivulgao poder ser feita por mais de um jornal, a critrioda presidncia. 3 - No havendo Jornal Oficial apublicao ser feita por afixao em local prprio na sede daCmara. ARTIGO 71 - As sesses da Cmara ou oresumo dos trabalhos, a critrio do Presidente, podero sertransmitidos ou divulgados por emissora local que serconsiderada oficial se houver vencido licitao para essa 35
  • 36. transmisso. SEO V DAS SESSES ORDINRIAS SUBSEO I DISPOSIES PRELIMINARES ARTIGO 72 - As sesses ordinrias serosemanais, quatro por ms, realizando-se s segundas-feiras,com incio s 20:00 (vinte) horas. NICO - Recaindo a data de algumasesso ordinria em ponto facultativo ou feriado, suarealizao ficar automaticamente transferida para o primeirodia til seguinte, ressalvada a sesso de instalao e posse. ARTIGO 73 - As sesses ordinriascompem-se de trs partes: I - Expediente; II - Ordem do Dia; III - Explicao Pessoal. NICO - Entre o final do Expediente e oincio da Ordem do Dia haver um intervalo de quinze minutos. ARTIGO 74 - O Presidente declarar abertaa sesso, hora prevista para o incio dos trabalhos, apsverificao do comparecimento de 1/3 dos Membros da Cmara,feita pelo 1 Secretrio, atravs da assinatura no livro depresena. 1 - No havendo maioria absoluta dosVereadores aberta a instalao, o Presidente aguardar quinzeminutos, aps o que declarar prejudicada a sesso, lavrando-se ata resumida do ocorrido, que independer de aprovao. 2 - Instalada a sesso, mas noconstatada a presena da maioria absoluta dos Vereadores, nopoder haver qualquer deliberao na fase do Expediente,passando-se imediatamente, aps a leitura do expediente, fase destinada ao uso da tribuna. 3 - No havendo oradores inscritosantecipar-se-o o incio da Ordem do Dia, obedecendo-se asnormas referentes quela parte da sesso. 4 - Persistindo a falta da maioria 36
  • 37. absoluta dos oradores na fase da Ordem do Dia e observado oprazo de tolerncia de quinze minutos, o Presidente declararencerrada a sesso, lavrando-se ata do ocorrido, queindepender de aprovao. 5 - As matrias constantes da Ordemdo Dia, inclusive a ata da sesso anterior, que no foremvotadas em virtude da ausncia da maioria absoluta dosVereadores, passaro para o Expediente da sesso ordinriaseguinte. 6 - A verificao de presena poderocorrer em qualquer fase da sesso, a requerimento de Vereadorou por iniciativa do Presidente e sempre ser feitanominalmente, constando da ata os nomes dos ausentes. 7 - A sesso legislativa ordinriano serinterrompida sem a aprovao dos projetos de lei de diretrizesoramentrias e do oramento anual. SUBSEO II DO EXPEDIENTE ARTIGO 75 - O Expediente destina-se votao da ata da sesso anterior, leitura das matriasrecebidas e enviadas, a apresentao de proposies pelosVereadores, a leitura das proposies, ao uso da Tribuna paradiscusso e votao e ao uso da palavra. NICO - O Expediente ter a duraomxima e improrrogvel de duas horas, a partir da hora fixadapara o incio da sesso. ARTIGO 76 - Instalada a sesso einaugurada a fase do Expediente, o Presidente colocar emdiscusso e votao a ata da sesso anterior. ARTIGO 77 - Votada a ata, o Presidentedeterminar ao Secretrio a leitura da matria do Expediente,devendo ser obedecida a seguinte ordem: I - Expediente recebido do Prefeito; II - Expediente apresentado pelosVereadores; III - Expediente recebido de diversos. 1 - Na leitura das proposies,obedecer-se-o seguinte ordem: 37
  • 38. a) vetos; b) projetos de lei; c) projetos de decreto legislativos; d) projetos de resoluo; e) substitutivos; f) emendas e subemendas; g) pareceres; h) requerimentos; i) moes; j) indicaes. 2 - Dos documentos apresentados noExpediente sero fornecidos cpias, quando solicitadas pelosinteressados. 3 - A ordem estabelecida neste artigo taxativa, no sendo permitida a leitura de papis ouproposies fora do respectivo grupo ou fora da ordemcronolgica de apresentao, vedando-se, igualmente, qualquerpedido de preferncia nesse sentido. ARTIGO 78 - Terminada a leitura dasmatrias mencionadas no artigo anterior, o Presidentedestinar o tempo restante da hora do Expediente para debatese votaes e ao uso da Tribuna, obedecida a seguintepreferncia: I - discusso e votao de requerimentos; II - discusso e votao de moes; III - discusso e votao de indicaes,se requerida; IV - uso da palavra, pelos Vereadores,segundo a Ordem de inscrio em livro, versando sobre TemaLivre. 1 - As inscries dos oradores, para oExpediente, sero feitas em livro especial, sob a fiscalizaodo 1 Secretrio. 2 - O Vereador que, inscrito parafalar no Expediente, no se achar presente na hora que lhe fordada a palavra perder a vez e s poder ser de novo inscrito 38
  • 39. em ltimo lugar, na lista organizada. 3- O prazo para o orador usar aTribuna ser de 15 (quinze) minutos improrrogveis. Modificado pela Resoluo n004/94, de 28 de Junho de1.994. O texto original dispunha: 3 - O prazo para o orador usar a tribuna ser de 15 (quinze) minutos improrrogveis. 4 - vedada a cesso ou a reserva detempo para orador que ocupar a Tribuna, nesta fase da sesso. 5 - Ao orador que, por esgotar o temporeservado ao Expediente, for interrompido em sua palavra, serassegurado o direito de ocupar a Tribuna, em primeiro lugar,na sesso seguinte, para completar o tempo regimental. 6 - A inscrio para uso da palavra,no Expediente, m Tema Livre, para aqueles Vereadores que nousaram da palavra na sesso, prevalecer para a sessoseguinte e assim sucessivamente. ARTIGO 79 - Findo o Expediente edecorrido o intervalo de quinze minutos, o Presidentedeterminar ao 1 Secretrio a verificao de quorum, para quese possa iniciar a Ordem do Dia. SUBSEO III DA ORDEM DO DIA ARTIGO 80 - Ordem do Dia a fase dasesso onde sero discutidas e deliberadas as matriaspreviamente organizadas em pauta. 1 - A Ordem do Dia ter durao deduas horas, podendo ser prorrogada. 2 - A Ordem do Dia somente seriniciada com a presena da maioria absoluta dos Vereadores. 3 - No havendo nmero legal a sessoser encerrada nos termos do artigo 69, deste Regimento. ARTIGO 81 - A pauta da Ordem do Dia, quedever ser organizada quarenta e oito horas antes da sesso,obedecer seguinte disposio: a) matria em regime de urgnciaespecial; b) vetos; 39
  • 40. c) matrias em Redao Final; d) matrias em Discusso e Votao nica; e) matrias em 2 Discusso e Votao; f) matrias em 1 Discusso e Votao. 1 - Obedecida essa classificao, asmatrias figuraro, ainda, segundo a ordem cronolgica deantiguidade. 2 - A disposio das matrias na Ordemdo Dia s poder ser interrompida ou alterada por requerimentode Urgncia Especial ou de Adiamento, apresentado no incio ouno transcorrer da Ordem do Dia e aprovado pelo Plenrio. 3 - A Secretaria fornecer aosVereadores cpias das proposies e pareceres, bem como arelao da Ordem do Dia correspondente at quarenta e oitohoras antes do incio da sesso, ou somente da relao daOrdem do Dia, se as proposies e pareceres j tiverem sidodados publicao anteriormente. ARTIGO 82 - Nenhuma proposio poder sercolocada em discusso sem que tenha sido includa na Ordem doDia, com antecedncia de at 48 horas do incio da sesso,ressalvados os casos previstos neste regimento. ARTIGO 83 - No ser admitida a discussoe votao de projetos sem prvia manifestao das Comisses,exceto nos casos expressamente previstos neste Regimento. ARTIGO 84 - O Presidente anunciar o itemda pauta que se tenha de discutir e votar, determinando ao 1Secretrio que proceda sua leitura. NICO - A leitura de determinadamatria ou de todas as constantes na Ordem do Dia pode serdispensada a requerimento de qualquer Vereador, aprovado peloPlenrio. ARTIGO 85 - As proposies constantes daOrdem do Dia podero ser objeto de: I - preferncia para votao; II - adiamento; III - retirada da pauta. 1 - Se houver uma ou mais proposiesconstituindo processos distintos, anexadas proposio que seencontra em pauta, a preferncia para votao de uma delas 40
  • 41. dar-se- mediante requerimento verbal ou escrito de qualquerVereador, com aprovao do Plenrio. 2 - O requerimento de preferncia servotado sem discusso, no se admitindo encaminhamento devotao, nem declarao de voto. 3 - Votada uma proposio, todas asdemais que tratem do mesmo assunto, ainda que a ela noanexadas, sero consideradas projudicadas e remetidas aoarquivo. ARTIGO 86 - O adiamento de discusso oude votao de proposio poder, ser formulado em qualquerfase de sua apreciao em Plenrio, atravs de requerimentoverbal ou escrito de qualquer Vereador, devendo especificar afinalidade e o nmero de sesso do adiamento proposto. 1 - O requerimento de adiamento prejudicial continuao da discusso ou votao de matria aque se refira, at que o Plenrio sobre o mesmo delibere. 2 - Quando houver orador na Tribunadiscutindo a matria ou encaminhamento de sua votao, orequerimento de adiamento s por ele poder ser proposto. 3 - Apresentado um requerimento deadiamento, outros podero ser formulados, antes de seproceder votao, que se far rigorosamente pela ordem deapresentao dos requerimentos, no se admitindo, nesse caso,pedidos de preferncia. 4 - O adiamento da votao de qualquermatria ser admitido, desde que no tenha sido ainda votadanenhuma pea do processo. 5 - A aprovao de um requerimento deadiamento prejudica os demais. 6 - Rejeitados todos os requerimentosformulados nos termos do pargrafo 3, no se admitiro novospedidos de adiamento com a mesma finalidade. 7 - O adiamento de discusso ou devotao por determinado nmero de sesso importar sempre noadiamento da discusso ou da votao da matria por igualnmero de sesses ordinrias. 8 - No sero admitidos pedidos deadiamento da votao de requerimentos de adiamento. 9 - Os requerimentos de adiamento nocomportaro discusso nem encaminhamento de votao, nemdeclarao de voto. 41
  • 42. ARTIGO 87 - A retirada de proposioconstante da Ordem do Dia dar-se-: I - por solicitao de seu autor, quandoo parecer da Comisso de Constituio, Justia e Redao tenhaconcludo pela inconstitucionalidade ou ilegalidade ou quandoa proposio no tenha parecer favorvel de Comisso deMrito; II - por requerimento do autor, sujeito deliberao do Plenrio, sem discusso, encaminhamento devotao e declarao de voto, quando a proposio tenhaparecer favorvel, mesmo que de uma s das Comisses deMrito, que sobre a mesma se manifestaram. NICO - Obedecido o disposto nopresente artigo, as proposies de autoria da Mesa ou deComisso Permanente s podero ser retiradas medianterequerimento subscrito pela maioria dos respectivos membros. ARTIGO 88 - A discusso e a votao dasmatrias propostas ser feita na forma determinada noscaptulos referentes ao assunto. ARTIGO 89 - No havendo mais matriasujeita deliberao do Plenrio, na Ordem do Dia, oPresidente declarar aberta a fase da Explicao Pessoal. NICO - Se nenhum Vereador solicitar apalavra em Explicao Pessoal ou findo o tempo destinado sesso o Presidente dar por encerrados os trabalhos. ARTIGO 90 - Poder ser convocada peloPresidente, Sesso Extraordinria para apreciao deremanescente da pauta de Sesso Ordinria. SUBSEO IV DA EXPLICAO PESSOAL ARTIGO 91 - Esgotada a pauta da Ordem doDia, desde que presente um tero, no mnimo, dos Vereadores,passar-se- Explicao Pessoal. ARTIGO 92 - Explicao Pessoal a fasedestinada manifestao dos Vereadores sobre atitudespessoais, ou fatos, assuntos, ocorridos durante a sesso, ouno exerccio do mandato. Modificado pela Resoluo n004/94, de 28 deJunho de 1.994. O texto original dispunha: Artigo 92 - Explicao Pessoal a fase destinada manifestao dos Vereadores sobre 42
  • 43. atitudes pessoais assumidas durante a sesso ou exerccio do mandato. 1 - A Explicao Pessoal ter adurao mxima e improrrogvel de trinta minutos. 2 - O Presidente conceder a palavraaos Oradores inscritos, segundo a ordem de inscrio,obedecidos os critrios estabelecidos nos pargrafos 1 e 2do Artigo 78 deste Regimento. 3 - A inscrio para falar emExplicao Pessoal ser solicitada durante a sesso e anotadacronologicamente pelo 2 Secretrio, em Livro prprio. 4 - O Orador ter o prazo mximo dedez minutos, para uso da palavra e no poder desviar-se dafinalidade da Explicao Pessoal, podendo ser aparteado, sepermitir. 5 - O no atendimento do disposto nopargrafo anterior sujeitar o orador a advertncia peloPresidente, e, na reincidncia, a cassao da palavra. 6 - A sesso no poder ser prorrogadapara uso da palavra em Explicao Pessoal. ARTIGO 93 - No havendo mais Oradorespara falar em Explicao Pessoal, o Presidente comunicar ossenhores Vereadores sobre a data da prxima sesso, ainda queantes do prazo regimental de encerramento. SEO VI DAS SESSES EXTRAORDINRIAS NA SESSO LEGISLATIVA ORDINRIA ARTIGO 94 - As sesses extraordinrias,no perodo normal de funcionamento da Cmara, sero convocadaspelo Presidente da Cmara, em sesso ou fora dela. 1 - Quando feita fora de sesso, aconvocao ser levada ao conhecimento dos Vereadores peloPresidente da Cmara, atravs de comunicao pessoal escrita,com antecedncia mnima de 24 (vinte e quatro) horas. 2 - Sempre que possvel, a