Rel Exec Ipea

  • View
    6

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

IPEA

Text of Rel Exec Ipea

  • Impactos sociais e econmicosdos acidentes de trnsito nas

    aglomeraes urbanasbrasileiras

    RELATRIO EXECUTIVO

    Braslia, 2003

  • GOVERNO FEDERALMINISTRIO DO PLANEJAMENTO, ORAMENTO E GESTO

    Ministro

    Guido Mantega

    Ipea INSTITUTO DE PESQUISA ECONMICA APLICADA

    Presidente

    Glauco Arbix

    Diretor de Estudos Regionais e Urbanos

    Luiz Henrique Proena Soares

    ANTP ASSOCIAO NACIONAL DE TRANSPORTES PBLICOS

    Presidente

    Jurandir F. R. Fernandes

    Diretor Executivo

    Nazareno Stanislau Affonso

  • INSTITUIES PARTICIPANTES DA PESQUISA

    FINANCIADORES DA PESQUISAMinistrio dos Transportes / STT

    Ministrio da Sade

    Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Sedu/PR (atual Ministrio das Cidades)

    Secretaria de Estado de Direitos HumanosDenatran Departamento Nacional de Trnsito

    Rede Ipea de Pesquisas / Pnud / BID

    COORDENAO GERALIpea Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada

    Diretoria de Estudos Regionais e Urbanos

    EXECUO DA PESQUISAANTP Associao Nacional de Transportes Pblicos

    COOPERAO TCNICACodeplan / GDF Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central

    APOIO INSTITUCIONALHospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da USP

    CET-SP Companhia de Engenharia de Trfego

    Secretaria de Estado de Segurana Pblica de So Paulo

    Secretaria de Estado de Sade de So Paulo

  • EQUIPE TCNICA DA PESQUISA

    Ipea Instituto de Pesquisa Econmica AplicadaEquipe de Coordenao da PesquisaRicardo R. A. Lima Coordenador GeralJos R. R. Ges Coordenador ExecutivoMargarida H. Pinto CoelhoAlexandre A. GomideIda M. O. Lima Coordenadora (de janeiro a abril/2000)Apoio TcnicoMaria de la Soledad B. Castrillo

    ANTP Associao Nacional de Transportes PblicosAilton Brasiliense Pires Diretor Executivo (at fevereiro/2003)Eduardo A. Vasconcellos Coordenador GeralPedro A. C. Machado Coordenador ExecutivoFrancisco Aquino Gerente AdministrativoNancy R. Schneider CET-SPMax E. B. Paula CET-SPEmlia Mayumi Hiroi METR-SPElisa Eriko Kawashima METR-SPFtima BernardesLgia Oliveira

    ConsultoresIvan R. Gartner (Univ. Catlica de Braslia)Jlia M. A. Greve (Hospital das Clnicas FMUSP)Luis Carlos S. Cunha (Educ Consultoria)Olivrio Graciotti Jr. (Hospital das Clnicas FMUSP)Philip Gold (Gold Projects)Sebastio de Amorim (Unicamp)

    Execuo de pesquisas e levantamentosHospital das Clnicas FMUSPCompanhia de Engenharia de Trfego SPTecnoMtricaGoldProjects

    AGRADECIMENTOSAos Professores Orlando Strambi (USP), Jos Aroudo Mota (Ipea), Luis Antonio Lindau (UFRGS),

    Maria Alice P. Jacques (UnB), pelos comentrios e crticas realizados durante a execuo da pesquisa,isentando-os de qualquer responsabilidade pelos procedimentos adotados e resultados obtidos.

    Reviso do Relatrio ExecutivoSabina Kauark Leite reviso tcnicaMelissa Brito Spndola reviso ortogrfica

    Impactos sociais e econmicos dos acidentes de trnsito nas aglomeraes urbanasbrasileiras : relatrio executivo / Ipea, ANTP. - Braslia : Ipea : ANTP, 2003.

    43 p. : grfs., tabs.

    1. Acidentes de Trnsito. 2. Aglomeraes Urbanas. 3. Custos. 4. Aspectos Sociais.5. Aspectos Econmicos. 6. Brasil. I. Instituto de Pesquisa Ecnomica Aplicada. II.Associao Nacional de Transportes Pblicos.

    CDD 363.125

  • SUMRIO

    APRESENTAO

    1 INTRODUO 9

    2 CONCEITOS 122.1 Aglomeraes urbanas 122.2 Acidentes de trnsito 132.3 Custos associados aos acidentes de trnsito 13

    3 DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E ASPECTOS METODOLGICOS 153.1 Etapas da pesquisa 153.2 Apropriao dos custos de acidentes de trnsito (foco no veculo x foco no acidente) 163.3 Pesquisas realizadas 18

    4 DADOS DE ACIDENTES E CLCULO DOS CUSTOS NAS AGLOMERAES URBANAS PESQUISADAS 22

    4.1 Levantamento dos dados de acidentes 22

    4.1.1 Acidentes com veculos leves 22

    4.1.2 Acidentes com nibus 25

    4.1.3 Acidentes com caminhes 25

    4.2 Custos dos acidentes nas aglomeraes urbanas pesquisadas 26

    4.2.1 Custos anuais dos acidentes envolvendo veculos 26

    4.2.2 Quedas de pedestres e ciclistas 26

    4.2.3 Custos mdico-hospitalares 27

    4.2.4 Custo de perda de produo 29

    4.3 Extrapolao para o conjunto das aglomeraes urbanas 30

  • 5 CUSTOS PARA O CONJUNTO DAS AGLOMERAES URBANAS 335.1 Custos dos acidentes por componente 335.2 Custos dos acidentes por categoria veicular 355.3 Custos dos acidentes por severidade dos acidentes 36

    6 SUBSDIOS PARA FORMULAO DE POLTICAS PBLICAS 40

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 43

  • APRESENTAO

    O Brasil reconhecidamente um dos recordistas mundiais de acidentes de trnsito. O problema serevela no apenas pelo nmero absoluto de acidentes, mas tambm pela alta incidncia de acidentespor pessoa ou por veculo em circulao, que se reflete em ndices que demonstram a real periculosida-de do trnsito no pas. As estatsticas oficiais do Departamento Nacional de Trnsito do Ministriodas Cidades Denatran, que consideram as mortes ocorridas no local do acidente, registram mais de20 mil mortos por ano e centenas de milhares de feridos; as do Ministrio da Sade, que incorporamdados do sistema de sade, indicam a ocorrncia de cerca de 30 mil mortos em decorrncia dosacidentes de trnsito. Se considerarmos que muitas ocorrncias fatais no so anotadas ou no soregistradas como ligadas ao trnsito, esse nmero pode ser maior ainda. Ao mesmo tempo, o sub-registro no caso dos acidentes no fatais provavelmente maior, seja pelas dificuldades de anotao porparte da polcia, seja pelo simples fato de que as ocorrncias no so registradas.

    Do ponto de vista das polticas pblicas, o aspecto mais relevante que as perdas individuais,sociais e econmicas so elevadssimas, constituindo alto preo para a sociedade. Do ponto de vistaestratgico, essas perdas no podem continuar no nvel em que esto, devendo ser feito um grandeesforo para reduzi-las no curto prazo. Embora o poder pblico e a sociedade brasileira j desenvolvamesforos nesta direo, muito ainda h que ser feito.

    Para enfrentar o problema de forma adequada, preciso definir prioridades de ao, de acordocom a natureza do fenmeno. preciso identificar mais precisamente quem est sendo afetado e comquais custos, pessoais e sociais, o que j acontece, por exemplo, nos pases europeus que, h vriasdcadas, trabalham com sucesso no combate aos acidentes de trnsito. No entanto, uma das maioresdificuldades est ligada ao relativo desconhecimento das caractersticas e dos custos dos acidentes noBrasil: as estatsticas ainda so reconhecidamente falhas. Este desconhecimento impede, assim, que seestabeleam as aes prioritrias das polticas pblicas correlatas de transporte e sade. O desconheci-mento pode at mesmo estar, inadvertidamente, dirigindo algumas aes no caminho errado ou demenor eficincia.

    O objetivo do estudo aqui apresentado o de quantificar mais precisamente quais so os custosrelacionados aos acidentes de trnsito nas aglomeraes urbanas do Brasil. Dada complexidade dofenmeno e a sua abrangncia espacial, o estudo necessariamente priorizou aspectos mais claramenteidentificveis do problema e baseou-se em dados coletados em algumas cidades e instituies de trn-sito e sade pblica que tm tradio na sua anlise. A partir desses levantamentos, foi possvel estimaros custos e fazer extrapolaes para o mbito nacional.

    Chegou-se estimativa de um custo anual de R$ 5,3 bilhes para o conjunto das aglomeraesurbanas brasileiras. Isto representa cerca de 0,4% do PIB do pas, valor que subiria consideravelmentecaso fossem includos os custos dos acidentes rodovirios. A maior parte dos custos refere-se perda de produo associada morte das pessoas ou interrupo temporria de suas atividades.Tambm muito importantes so os custos mdicos e os de reparao dos veculos acidentados.

    O conhecimento desse valor e das suas conseqncias sociais e econmicas, viabilizado por esteestudo, bem como a realizao de estudos complementares por exemplo, sobre os custos dos aciden-tes rodovirios e sobre as causas dos acidentes podero dar comunidade tcnica brasileira e aosrgos governamentais elementos para uma melhor definio das aes de polticas pblicas parareduzir o impacto negativo dos acidentes de trnsito para a sociedade brasileira. O objetivo do Ipea eda ANTP colaborar para o sucesso definitivo deste esforo.

    Ricardo R. A. Lima Eduardo A. VasconcellosCoordenador-Geral da Pesquisa pelo Ipea Coordenador-Geral da Pesquisa pelo ANTP

  • 9Impactos sociais e econmicos dos acidentes de trnsito nas aglomeraes urbanas brasileiras

    1 INTRODUOAcidentes de trnsito constituem um srio problema do mundo atual, tanto para os pases desenvolvi-dos quanto para aqueles em desenvolvimento. Segundo o Banco Mundial, mais de um milho depessoas morreram em acidentes de trnsito em 1999, sendo que 85% dessas mortes ocorreram empases em desenvolvimento ou subdesenvolvidos.

    Nos pases em desenvolvimento, embora o nmero de acidentes por veculo tenda a diminuircom o aumento da frota, os ndices, em geral, permanecem elevados e o nmero absoluto de vtimasno trnsito continua crescendo. Nesses pases, pedestres, ciclistas e motociclistas (os atores mais vulne-rveis) representam mais de 50% dos mortos no trnsito. Essa a maior diferena em relao aospases desenvolvidos, onde, de acordo com dados do Banco Mundial, o percentual de mortes depedestres em relao ao total de mortes no trnsito significativamente menor (Vasconcellos, 2000).

    TABELA 1Taxas de mortes por 10 mil veculos para pases selecionados

    Pas Mortes por 10 mil veculos

    Japo, 20001 1,32

    Alemanha, 20001 1,46

    Estados Unidos, 20001 1,93

    Frana, 20001 2,35

    Turquia, 20001 5,36

    Brasil, 20002