Relato de Experiencia Slides

  • View
    52

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Relato de Experiencia Slides

Slide 1

Universidade Federal da BahiaFaculdade de Medicina da BahiaDepartamento de Medicina Preventiva e SocialInternato em Medicina SocialInternato de Medicina Social na Unidade Bsica de Sade Caji/ Vida Nova Relato de Experincia

Turma de Lauro de Freitas (Caji/Vida Nova)Discentes: Edivaldo Rodrigues, Luciano Oliveira, Roberto Menezes, Vanessa MenezesOrientador: Dr. Washington AbreuOBJETIVOSDescrever a experincia de 4 estudantes do 5 ano do curso mdico na USF Vida Nova/Caji;Discutir como o mdico atua na equipe de sade de sade da famlia; Discutir a importncia e o funcionamento da visita domiciliar; Compreender a importncia das linhas de cuidados integrais e da longitudinalidade do cuidado;Entender como lidar com a demanda espontnea

RELATO DA EXPERINCIALocalizaoBairro Vida Nova/Caji

Municpio de Lauro de Freitas-BA

rea cercada por industrias

rea antes pouco povoada, mas atualmente bastante ocupada. A Unidade4 Consultrios mdicos, 4 de enfermagem e 3 odontolgicos; sala de curativos, fisioterapia, esterelizao, imunizaes, triagem, farmcia e brinquedoteca.

4 equipes: Vida Nova I, II, III e Jardim Ipitanga;

Cada equipe: 1 mdico, 1 enfermeiro, 1 tcnico em enfermagem e 7 ACS.

Equipes da UnidadeEquipe Vida Nova I Dra. Mariana

Equipe Vida Nova II Dra. Fernanda

Equipe Vida Nova III - Dra. Aline

Equipe Jardim Ipitanga Dra. NeideVivncia2 momentos :No primeiro acompanhamos a Dra. Neide, mdica da FESF na equipe Jardim Ipitanga.

Depois as doutoras Mariana e Aline, mdicas do PROVAB. 1 MomentoAcompanhamento de consulta e discusso de conduta;

Quando havia salas disponveis - atendimento em dupla e posterior discusso e conduta;

Visita domiciliar Limitao: n de alunos X n de vagas no carroS dois acadmicos realizaram visita, uma vez.

Agenda Equipe Jardim IpitangaTurno/diaSegundaTeraQuartaQuintaSextaManhPr-natalSade da Criana/ puericulturaHIPERDIA e sade do homemHIPERDIA e Sade do homemSade da MulherTardeVisita domiciliarReunio de equipe Superviso do PROVABSuperviso do PROVABPalestras educativas2 MomentoAcompanhamento de consulta e discusso de conduta;

Atendimento em dupla Sala disponvel, pois Dra. Neide estava de frias;

Visita domiciliar Limitao: n de alunos X n de vagas no carro

Agenda Equipe Vida Nova ITurno/diaSegundaTeraQuartaQuintaSextaManhHIPERDIA Sade do adultoPr-natalSade da crianaEADTardeSade do adultoVisita domiciliar Reunio de equipeSade da mulherEAD (educao distncia)Agenda Equipe Vida Nova IIITurno/diaSegundaTeraQuartaQuintaSextaManhSade da Criana Pr-natalSade do adultoEADHIPERDIA Pr-natalTardePlanejamento familiarReunio de equipe EADSade do adultoVisita domiciliar Outros Servios da UnidadeAcompanhamento de outros servios:imunizao,

triagem,

teste do pezinho ,

teste rpido para HIV.DISCUSSOAteno Bsica (...) deve ser o contato preferencial dos usurios, aprincipal porta de entrada e centro de comunicao com toda a Rede de Ateno Sade. (PNAB/MS, 2012)

(...) caracteriza-se por um conjunto de aes de sade, no mbito individual e coletivo, que abrange a promoo e a proteo da sade, a preveno de agravos, o diagnstico, o tratamento, a reabilitao, a reduo de danos e a manuteno daSade (...). (PNAB/MS, 2012)Linhas de Cuidado (...) o itinerrio que o usurio faz por dentro de uma rede de sade incluindo segmentos no necessariamente inseridos no sistema de sade, mas que participam de alguma forma da rede, tal como entidades comunitrias e de assistncia social. (FRANCO,CM)

Acolhimento(...) diretriz da Poltica Nacional de Humanizao), que no tem local nem hora certa para acontecer, nem um profissional especfico para faz-lo: faz parte de todos os encontros do servio de sade. (...) implica na escuta qualificadado usurio em suas queixas, (...)na responsabilizao pela resoluo,(...). (BVSMS, 2008)Acolhimento com Classificao de Risco Escuta Qualificada;

Hierarquizao conforme a gravidade do paciente (baseada em protocolos);

Identificao dos pacientes que necessitam de interveno mdica e de cuidados de enfermagem

No um instrumento de diagnstico de doena

No pressupe excluso e sim estratificaoProblemas detecctadosAlta demanda espontnea;

Elevada demanda de rea descoberta;

Perda da longitudinalidade e da integralidade

dificuldade da equipe em construir linhas de cuidado e projetos teraputicos;

Problemas detectadosndice elevado de gravidez na adolescncia ausncia de Planejamento Familiar;

Alta frequncia de HAS e DM

Indisponibildade de vagas no carro para todos os acadmicos.

Dificuldade de formar vnculo acadmico-usrio (poucas visitas)

Sugestes Reorganizao do processo de Acolhimento + Classificao de risco;

Remapeamento da rea de Vida Nova/Caji;

Construo de nova unidade ;

Ou ampliao da j existente.SugestesVisitar famlia mais prxima p/ no necessitar de veculo;

Alternar a ida para visita uma dupla dps a outra (espao no carro);

Cada dupla ficar com a mesma famlia;

Pelo menos 3 visitas p/ iniciar formao de vnculo;OBRIGADO!Refernciashttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/167acolhimento.htmlhttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_acolhimento_classificacao_risco.pdfBrasil. Ministrio da Sade. Secretaria de Ateno Sade. Departamento de Ateno Bsica. Poltica Nacional de Ateno Bsica. Ministrio da Sade, 2011. Linhas do cuidado integral: uma proposta de organizao da rede de sude. FRANCO,CM.