Click here to load reader

Relatório Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus · PDF fileRelatório Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus . LEIRIA. AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS. Área Territorial de

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Relatório Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus · PDF fileRelatório...

Relatrio Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus LEIRIA

AVALIAO EXTERNA DAS ESCOLAS

rea Territorial de Inspeo do Centro

2013 2014

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus LEIRIA

1

1 INTRODUO A Lei n. 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliao dos estabelecimentos de educao pr-escolar e dos ensinos bsico e secundrio, definindo orientaes gerais para a autoavaliao e para a avaliao externa. Neste mbito, foi desenvolvido, desde 2006, um programa nacional de avaliao dos jardins de infncia e das escolas bsicas e secundrias pblicas, tendo-se cumprido o primeiro ciclo de avaliao em junho de 2011.

A ento Inspeo-Geral da Educao foi incumbida de dar continuidade ao programa de avaliao externa das escolas, na sequncia da proposta de modelo para um novo ciclo de avaliao externa, apresentada pelo Grupo de Trabalho (Despacho n. 4150/2011, de 4 de maro). Assim, apoiando-se no modelo construdo e na experimentao realizada em doze escolas e agrupamentos de escolas, a Inspeo-Geral da Educao e Cincia (IGEC) est a desenvolver esta atividade consignada como sua competncia no Decreto Regulamentar n. 15/2012, de 27 de janeiro.

O presente relatrio expressa os resultados da avaliao externa do Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus Leiria, realizada pela equipa de avaliao, na sequncia da visita efetuada entre 17 e 20 de fevereiro de 2014. As concluses decorrem da anlise dos documentos fundamentais do Agrupamento, em especial da sua autoavaliao, dos indicadores de sucesso acadmico dos alunos, das respostas aos questionrios de satisfao da comunidade e da realizao de entrevistas.

Espera-se que o processo de avaliao externa fomente e consolide a autoavaliao e resulte numa oportunidade de melhoria para o Agrupamento, constituindo este documento um instrumento de reflexo e de debate. De facto, ao identificar pontos fortes e reas de melhoria, este relatrio oferece elementos para a construo ou o aperfeioamento de planos de ao para a melhoria e de desenvolvimento de cada escola, em articulao com a administrao educativa e com a comunidade em que se insere.

A equipa de avaliao externa visitou a escola bsica Dr. Correia Mateus (escola-sede), as escolas bsicas de Andrinos e de Courelas e o Jardim de Infncia de Campo Amarelo.

A equipa regista a atitude de empenhamento e de mobilizao do Agrupamento, bem como a colaborao demonstrada pelas pessoas com quem interagiu na preparao e no decurso da avaliao.

ESCALA DE AVALIAO

Nveis de classificao dos trs domnios

EXCELENTE A ao da escola tem produzido um impacto consistente e muito acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em anlise, em resultado de prticas organizacionais consolidadas, generalizadas e eficazes. A escola distingue-se pelas prticas exemplares em campos relevantes.

MUITO BOM A ao da escola tem produzido um impacto consistente e acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em anlise, em resultado de prticas organizacionais generalizadas e eficazes.

BOM A ao da escola tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. A escola apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em anlise, em resultado de prticas organizacionais eficazes.

SUFICIENTE A ao da escola tem produzido um impacto aqum dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As aes de aperfeioamento so pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem reas limitadas da escola.

INSUFICIENTE A ao da escola tem produzido um impacto muito aqum dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fracos sobrepem-se aos pontos fortes na generalidade dos campos em anlise. A escola no revela uma prtica coerente, positiva e coesa.

O relatrio do Agrupamento e o contraditrio apresentado no mbito da Avaliao Externa das Escolas 2013-2014 esto disponveis na pgina da IGEC.

http://www.ige.min-edu.pt/upload/Legisla%E7%E3o/Lei_31_2002.pdfhttp://dre.pt/pdf2sdip/2011/03/045000000/1077210773.pdfhttp://www.ige.min-edu.pt/upload/Legislao/Decreto_Regulamentar_15_2012.pdfhttp://www.ige.min-edu.pt/content_01.asp?BtreeID=03/01&treeID=03/01/03/00&auxID=

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus LEIRIA

2

2 CARACTERIZAO DO AGRUPAMENTO O Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus uma unidade orgnica constituda por 11 estabelecimentos de educao e ensino, compreendendo os jardins de infncia de Soutocico, Pousos e Campo Amarelo, as escolas bsicas de Andrinos e Vidigal (educao pr-escolar e 1. ciclo), as escolas bsicas de Arrabal, Courelas, Martinela, Touria e Vrzea (1. ciclo) e a Escola Bsica Dr. Correia Mateus (escola-sede), onde so ministrados os trs ciclos do ensino bsico. Existem duas unidades de apoio especializado para a educao de alunos com multideficincia e surdocegueira congnita, frequentadas por um total de 14 alunos.

As instalaes escolares apresentam adequadas condies de conservao e conforto e encontram-se, em geral, apetrechadas com os equipamentos pedaggicos necessrios ao desenvolvimento das atividades educativas. Nos estabelecimentos da educao pr-escolar e do 1. ciclo, os recursos informticos so insuficientes e nem todos possuem ligao Internet (jardins-de-infncia), quadros interativos ou videoprojectores (Escola Bsica de Andrinos).

No presente ano letivo, frequentam o Agrupamento 1094 crianas e alunos, assim distribudos: 105 crianas na educao pr-escolar - cinco grupos; 439 alunos no 1. ciclo - 23 turmas; 216 alunos no 2. ciclo - 10 turmas, incluindo duas do curso bsico de Msica (regime articulado) e uma de Percursos Curriculares Alternativos; 283 alunos no 3. ciclo - 15 turmas, incluindo trs do curso bsico de Msica (regime articulado); 51 alunos dos cursos de educao e formao de Desenho Assistido por Computador/Construo Civil, Serralharia Civil, Prticas Tcnico-Comerciais e Instalao e Operao de Sistemas Informticos - duas turmas.

Do total de alunos, 6,0% tm nacionalidade estrangeira, 64,0% no beneficiam de auxlios econmicos da Ao Social Escolar (ASE) e 86,3% possuem computador e ligao Internet. De referir, ainda, que 5,9% apresentam necessidades educativas especiais de carter permanente e que a mesma percentagem tem nacionalidade estrangeira e frequenta Portugus Lngua No Materna. O Agrupamento acolhe um nmero significativo de alunos provenientes de comunidades tnicas (35 alunos - 3,2%). Na transio entre o 1. e o 2. ciclos do ensino bsico, existe uma forte mobilidade dos alunos que conduz a que cerca de 40,0% dos que ingressam no 5. ano de escolaridade seja proveniente de escolas fora do Agrupamento.

O corpo docente compreende 102 educadores e professores, dos quais 91,2% pertencem aos quadros. O pessoal no docente constitudo por um psiclogo, um coordenador tcnico, seis assistentes tcnicos e 31 assistentes operacionais, todos em contrato de trabalho em funes pblicas por tempo indeterminado e, na sua maioria, com mais de 10 anos de servio. Os indicadores relativos formao acadmica dos pais/mes dos alunos permitem verificar que 47,6% tm habilitaes de nvel secundrio ou superior. Quanto sua ocupao profissional, 28,0% exercem atividades de nvel superior e intermdio.

No ano letivo de 2011-2012, quando comparado com outras unidades orgnicas em situao semelhante, o Agrupamento apresenta variveis de contexto favorveis (percentagem de raparigas, percentagem de docentes do quadro nos 2. e 3. ciclos, mdia do nmero de alunos por turma no 4. ano, percentagem de alunos sem ASE nos 4. e 9. anos de escolaridade).

3 AVALIAO POR DOMNIO Considerando os campos de anlise dos trs domnios do quadro de referncia da avaliao externa e tendo por base as entrevistas e a anlise documental e estatstica realizada, a equipa de avaliao formula as seguintes apreciaes:

Agrupamento de Escolas Dr. Correia Mateus LEIRIA

3

3.1 RESULTADOS RESULTADOS ACADMICOS

Na educao pr-escolar, no so sistematizados dados que permitam um juzo global e fundamentado sobre os progressos das aprendizagens das crianas ao nvel do Agrupamento.

No 4. ano de escolaridade, em 2011-2012, a taxa de concluso situou-se acima do valor esperado para as escolas com valores anlogos nas variveis de contexto e prximo da mediana do conjunto das escolas de referncia. Nas provas nacionais de Portugus e de Matemtica, a percentagem de classificaes positivas ficou aqum dos valores esperados e aqum da mediana, no primeiro caso, e prximo deste referencial, no segundo. A Matemtica sobressai por ter mantido um desempenho abaixo do esperado em 2010-2011 e em 2011-2012.

No 6. ano de escolaridade, em 2011-2012, a taxa de concluso situou-se aqum do valor esperado para as escolas com valores anlogos nas variveis de contexto e aqum da mediana do conjunto das escolas de referncia. Nas provas nacionais, a percentagem de classificaes positivas ficou igualmente aqum do valor esperado e prximo da mediana, no Portugus, mas posicionou-se acima do valor esperado e prximo da mediana na Matemtica. A taxa de concluso e a percentagem de classificaes positivas na prova nacional de Portugus mantiveram um desempenho aqum do esperado, j registado no ano anterior (2010-2011).

No 9. ano de escolaridade, em 2011-2012, a taxa de concluso situou-se em linha com o valor esperado para as escolas com valores anlogos nas variveis de contexto e prximo da mediana do conjunto das escolas