Rendimentos à escala

Embed Size (px)

Text of Rendimentos à escala

Rendimentos escala:Reflectem a resposta do produto total quando todos os factores aumentam proporcionalmente.Os rendimentos constantes escala: Referem-se ao caso em que uma variao de todos os factores leva a uma variao proporcional da produo. Por exemplo, se o trabalho, a terra, o capital e outros factores duplicam, ento, sob rendimentos constantes escala, a produo dever tambm duplicar.Os rendimentos crescentes escala: Ocorrem quando um aumento de todos os factores produtivos leva a um aumento mais do que proporcional do nvel de produo. Por exemplo, uma fbrica faz um planeamento em que aumenta 10% os factores de trabalho, capital e matrias-primas, mas a fbrica comea a produzir mais de 10% o produto total.Os rendimentos decrescentes escala: Ocorrem quando um aumento proporcional de todos os factores de produo leva a um aumento menos do que proporcional do produto total. Por exemplo uma empresa de produo elctrica que descobriu que quando as centrais se tornavam muito grandes, o risco de falha das centrais era muito maior.Classificao do tempo para os economistas: Curtssimo prazo: Perodo de tempo to curto que no permite qualquer alterao da produo. Curto prazo: Os factores variveis, matria primas e trabalho podem ser ajustados. Longo prazo: Todos os factores produtivos (incluindo o capital) podem ser alterados. A funo de produo depende da tecnologia utilizada: O progresso tecnolgico permite produzir mais com a mesma quantidade de factores. O progresso tecnolgico refere-se alterao da tecnologia (novos produtos, melhorias nos produtos antigos, alterao nos processos de produo)Produtividade de um factor: o mesmo que o produto mdio do factor, por exemplo a produtividade do factor de trabalho em uma regio ou rea geogrfica. Aula VIICusto total (CT): Representa a menor despesa monetria total necessria para produzir cada nvel de produo em quantidades. O CT aumenta quando q aumenta. CT = CF + CVCusto Fixo (CF): Representa a despesa monetria que suportada, mesmo que no haja qualquer produo; o custo fixo no afectado por qualquer variao da quantidade produzida (rendas, salrios fixos, etc.).Custo Varivel (CV): Representa a despesa que varia com o nvel de produo como matrias-primas, salrios e combustveis e inclui todos os custos que no so fixos.Custo Marginal (CMa): Representa o custo adicional, ou suplementar, que ocorre quando a produo adicional de uma unidade de produto. Por exemplo, considere que uma empresa est a fabricar 1000 discos compactos, com um custo total de 10.000. Se o custo total para produzir 1001 discos for de 10.006, ento o custo marginal de produo do 1001 disco de 6. Basicamente o custo marginal de produo o custo adicional decorrente da produo de 1 unidade adicional.Custo Mdio (CMe): o custo total dividido pelo nmero total de unidades produzidas. CMe = CT / qCusto Fixo Mdio (CFM): o custo fixo dividido pelo nmero de unidades produzidas. O custo fixo uma constante, se a dividirmos pela produo crescente, obtemos uma curva continuamente decrescente. CFM = CF / q Custo Varivel Mdio (CVM): igual ao custo varivel dividido pela produo. Graficamente diminui primeiro e depois aumenta. CVM = CV / q Exemplo: Utilizemos o exemplo do bananal descrito na aula 6:Consideremos que o salrio dos trabalhadores de 10. Um trabalhador apanha 10 cachos, logo o custo mdio por cacho de 1. O custo do trabalho de 10. Se contratarmos mais um trabalhador, os dois trabalhadores apanham 18 cachos. O custo do trabalho de 20. O custo mdio de 20/18 = 1,11. Agora calculemos o custo marginal que ser o aumento de custo para produzir mais um cacho de bananas. Ento ser entre os 10 cachos e os 18 cachos: 10/8 = 1,25. Podemos repetir os clculos aumentando a produo e o factor de trabalho. Agora consideremos o seguinte quadro:Vamos estipular uma renda de 10, isto seria o nosso custo fixo que no depende da quantidade produzida, e o nosso custo varivel o ordenado dos trabalhadores que vamos contratando. Aqui podemos observar j inseridos os custos marginais, os custos mdios, fixos mdios e varivel mdios, mediante as formulas apresentadas na pgina anterior.Funo custo: a despesa mnima necessria para produzir uma dada quantidade. C = C (Q).Representao grfica dos custos:

A funo custo est relacionada com a funo de produo: Factores: Capital (K) e Trabalho (L) Funo de produo: Q = Q (K,L) Funo Custo: C = C (Q) = rK + wL Lei dos rendimentos decrescentes e os custos marginais crescentes:

Regra do custo mnimo: Para produzir um determinado nvel de produto ao custo mnimo, uma empresa deve comprar os factores produtivos at que tenha igualado o produto marginal por unidade monetria gasta em cada factor produtivo. Isto implica:Por exemplo utilizando os factores K e L que:Produto Marginal de L/Preo de L = Produto marginal de K/Preo de KOu Preo de K/Produto Marginal de K = Preo de L/Produto Marginal de LPara os economistas todos os custos devem ser incorporados, mesmo se os factores pertencerem ao prprio usando-se a noo do custo de oportunidade.

Aula VIII

Vamos comear esta aula com o exemplo da aula anterior:

Vamos supor que est inserido num mercado de concorrncia perfeita. As quantidades que oferecemos no alteram o preo e o pior que pode acontecer no produzir e ter que pagar os custos fixos, ou seja ter um prejuzo igual aos custos fixos. Ns vamos procurar maximizar o Lucro ().Definio do Lucro: Em contabilidade designamos o lucro como a diferena entre as receitas menos os custos adequadamente imputados aos bens vendidos. Na teoria econmica designamos o lucro como a diferena entre as receitas das vendas e o custo de oportunidade total dos recursos envolvidos na produo dos bens. Receita = P x Q; Custo = Custo Total e = Receita CustoVejamos o que acontece com um preo a 0,5:QRCT

0010-10

10520-15

18930-21

241240-28

Como podemos observar a um preo de 0,5 obtm-se prejuzo em todas as fases de produo, porm prefere estar encerrado e ter um prejuzo de 10. A oferta nula abaixo do mnimo dos custos variveis mdios porque se a empresa no produzir nada, se encerrasse, apenas teria como prejuzo os seus custos fixos. Isto conhecido como Regra de encerramento, isto ocorre quando as receitas apenas cobrem os custos variveis ou quando os prejuzos so iguais aos custos fixos. Quando o preo desce abaixo do nvel em que as receitas so iguais aos custos variveis, a empresa minimizar os seus prejuzos com o encerramento. O ponto crtico acontece quando preo = CMe.

QRCT

0010-10

1020200

1836306

2448408

2856506

Agora considerando o preo a 2 podemos observar que temos lucro em algumas fases da produo, no entanto, a empresa produzir s 24 unidades do bem, pois ali em que consegue maximizar o lucro. Representao grfica da curva da oferta: PPQ

0,50

110

224

2

1

10 24 Q

No caso de uma funo custo a despesa mnima necessria para produzir uma dada quantidade. C = C (Q).A oferta: Coincide com a curva dos custos marginais (crescente) acima dos custos variveis mdios (mnimo). P= Cma; no longo prazo, como no existem custos fixos, em tudo idntico mas ser acima dos custos totais mdios (mnimo).Condio de encerramento

No caso do Monoplio: Para vender mais quantidades o seu preo tem que diminuir, isto provoca que a receita adicional no igual ao preo. Para vender mais uma unidade o preo de todas as unidades vendidas anteriormente desce.Exemplo: A procura dada por Q = 1000 100PP = 1 Q = 900 R = 900 e P = 2 Q =800 R = 1600A receita marginal total = 900 1600 = -700 Ao fazermos a anlise custo benefcio:Benefcio: A receita marginal por unidade vendida.Custo: O custo marginal por cada unidade produzida.Para produzir o custo marginal no pode ser superior receita marginal. Condio de Maximizao do Lucro:O preo e a quantidade que maximizam o lucro de um monopolista ocorrem quando a receita marginal iguala o custo marginal: RMa = CMa, em preo e quantidade equilbrio (P* e q*) mximo de lucro.O lucro mximo ocorrer quando a produo se encontrar no nvel em que a receita marginal da empresa seja igual ao seu custo marginal.Observemos o seguinte quadro em que calculamos a receita marginal:

Neste quadro vamos observar a maximizao do lucro quando RMa = CMa:

Agora observemos graficamente:

LucroCusto Total

Para concluir vamos apresentar o equilbrio no mercado num grfico:

pq

Excedente do consumidor

Excedente do produtorA curva da procura

Podemos observar o excedente do consumidor e do produtor at chegar ao ponto de equilbrio.