Requisitos Minimos Para a Produção Integrada

  • View
    11

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

agricultura

Text of Requisitos Minimos Para a Produção Integrada

  • DGPCDireco-Geral

    de Proteco das Culturas

    Ministrio da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    REQUISITOS MNIMOS PARA O EXERCCIO

    DA PRODUO INTEGRADA

    - Culturas para as quais ainda no existem normas oficiais estabelecidas -

  • DGPC-DSF PPA (SV)- 24/06

    MINISTRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E PESCAS DIRECO-GERAL DE PROTECO DAS CULTURAS

    REQUISITOS MNIMOS PARA O EXERCCIO

    DA PRODUO INTEGRADA

    - Culturas para as quais ainda no existem normas oficiais estabelecidas -

    Coordenao:

    Miriam Cavaco (DGPC)

    Ftima Calouro (INIAP/LQARS)

    Oeiras

    2006

  • FICHA TCNICA Edio: Direco-Geral de Proteco das Culturas Capa e Gravao: DSGAAT - Diviso de Documentao, Informao e Relaes Pblicas Coordenao: Miriam Cavaco (DGPC) Ftima Calouro (INIAP/LQARS) Ilustraes: INIAP/Laboratrio Qumico Agrcola Rebelo da Silva Tiragem: 400 exs. 06/12 Srie Divulgao n. 308 ISSN 0872-3249 ISBN: 978-972-8649-67-8 Distribuio: DSGAAT Diviso de Documentao, Informao e Relaes Pblicas Tapada da Ajuda, Edifcio I, 1349-018 Lisboa Telfs.: 21 361 32 00, 21 361 32 83 Linha Azul: 21 361 32 88 - Fax: 21 361 32 77 E-mail: dsgaat_ddirp@dgpc.min-agricultura.pt - http://www.dgpc.min-agricultura.pt 2006, DIRECO-GERAL DE PROTECO DAS CULTURAS DGPC RESERVADOS TODOS OS DIREITOS, EXCEPTO AS FOTOS DE AUTORES EXTERNOS DGPC (Ver ndice de Figuras) DE ACORDO COM A LEGISLAO EM VIGOR, DIRECO-GERAL DE PROTECO DAS CULTURAS DGPC QUINTA DO MARQUS, 2780-155 OEIRAS

  • NDICE

    Pg.

    1. Introduo .................................................................................................................. 1

    2. Conceito e princpios de produo integrada ..................................................... 2

    3. Preparao do terreno .............................................................................................. 3

    4. Desinfeco do solo ................................................................................................. 5

    5. Materiais de propagao ......................................................................................... 6

    5.1. Variedades .......................................................................................................................... 6

    5.2. Sementes e materiais de propagao vegetativa .......... ................................................ 6

    6. Rotaes culturais ................................................................................................... 7

    7. Colheita de amostras ................................................................................................ 7

    7.1. Amostras de terra .............................................................................................................. 7

    7.2. Amostras de folhas ........................................................................................................... 8

    7.3. Amostras de gua de rega ............................................................................................... 9

    7.4. Amostras de estrumes e outros correctivos orgnicos ............................................... 9

    8. Aplicao de nutrientes via foliar ......................................................................... 10

    9. Fertilizao de fundo e de cobertura .................................................................... 10

    10. Rega .......................................................................................................................... 12

    10.1. Sistemas, oportunidade, frequncia e dotaes de rega ........................................... 12

    11. Proteco fitossanitria ......................................................................................... 13

    12. Caderno de campo .................................................................................................. 15

    13. Bibliografia .............................................................................................................. 16

    Anexos ............................................................................................................................ 18

  • 1. Introduo

    A agricultura uma actividade econmica que apresenta uma forte componente de

    interaco com o ambiente, utilizando um vasto conjunto de recursos naturais que

    importa preservar. Neste contexto, no IV Quadro Comunitrio de Apoio, a produo

    integrada assume um carcter holstico, sendo aplicada a toda a explorao,

    considerando no s as espcies vegetais mas tambm as animais.

    Os princpios da produo integrada aplicados s vrias exploraes visam a obteno

    de produtos agrcolas sos, de boas caractersticas organolpticas e de conservao, de

    modo a respeitar as exigncias das normas nacionais e internacionais relativas

    qualidade dos produtos, segurana alimentar e rastreabilidade, assegurando,

    simultaneamente, o desenvolvimento fisiolgico equilibrado das plantas e a

    preservao da qualidade do ambiente.

    A concretizao de tais objectivos passa obrigatoriamente pela gesto equilibrada dos

    recursos naturais, com a utilizao de tecnologias que considerem a fertilizao e

    proteco racional das culturas, reduzindo a utilizao de agroqumicos e conduzindo,

    assim, a uma reduo dos custos de produo.

    Para a sua implementao na explorao, foi necessrio considerar as normas

    elaboradas e discutidas em Conselho Tcnico da Proteco da Produo Agrcola ao

    abrigo das estabelecidas ao abrigo do n 4 do art 4 do Decreto-Lei n 180/95, de 26 de

    Julho, e dos nos 3, 4, 5 e 6 do art 6 da Portaria n 65/97, de 23 de Janeiro e, para as

    culturas no abrangidas nas normas referidas, importa estabelecer um conjunto de

    requisitos mnimos que suportem a prtica da produo integrada at existncia de

    normas especficas.

    Assim, neste documento apresentam-se os aspectos relativos preparao do terreno e

    sementeira ou plantao, escolha de variedades, fertilizao, rega, proteco

    fitossanitria, colheita e conservao dos produtos agrcolas.

    No captulo relativo fertilizao, referem-se os procedimentos a observar antes e aps

    a sementeira ou plantao das culturas, mencionando-se a metodologia de colheita de

    amostras e as determinaes analticas a requerer aos laboratrios.

    No mbito da legislao em vigor todos os aspectos relacionados com a nutrio

    e fertilizao so da responsabilidade do Laboratrio Qumico Agrcola Rebelo

  • -2-

    da Silva (LQARS), do Instituto Nacional de Investigao Agrria e das Pescas

    (INIAP).

    Neste contexto, o documento orientador a verso actualizada do Manual de

    Fertilizao das Culturas, publicado pelo Laboratrio Qumico Agrcola Rebelo da

    Silva (LQARS), onde se indicam as normas de colheita de amostras de terra, de guas

    de rega e de correctivos, bem como a amostragem do material vegetal em funo da

    cultura. Nele se apresentam, igualmente, os elementos necessrios interpretao dos

    resultados das anlises efectuadas, bem como as fertilizaes a efectuar para as

    principais culturas.

    As normas desenvolvidas e apresentadas no presente documento incluem

    procedimentos obrigatrios , proibidos e aconselhados e permitem a sua actualizao

    ou adaptao peridica.

    2. Conceito e princpios de produo integrada

    De acordo com a definio adoptada pela OILB/SROP (1993), a produo integrada

    um sistema agrcola de produo de alimentos de alta qualidade e de outros produtos

    utilizando os recursos naturais e os mecanismos de regulao natural, em substituio

    de factores de produo prejudiciais aos ambiente e de modo a assegurar, a longo

    prazo, uma agricultura vivel.

    As caractersticas da produo integrada e as suas estreitas afinidades com o conceito

    de agricultura sustentvel so evidenciados pelo conjunto de 11 princpios, tambm

    aprovados pela OILB/SROP (2004):

    - a produo integrada aplicada apenas holisticamente, isto , visa a regulao do

    ecossistema, o bem-estar dos animais e a preservao dos recursos naturais;

    - efeitos secundrios inconvenientes de actividades agrcolas, como a contaminao

    de guas subterrneas com nitratos e a eroso, devem ser minimizados;

    - a explorao agrcola no seu conjunto a unidade de implementao da produo

    integrada;

    - a reciclagem regular dos conhecimentos do empresrio agrcola sobre produo

    integrada;

    - a estabilidade dos ecossistemas deve ser assegurada, evitando inconvenientes

  • -3-

    impactos ecolgicos das actividades agrcolas que possam afectar os recursos naturais e

    os componentes da regulao natural;

    - o equilbrio do ciclo dos elementos nutritivos deve ser assegurado, reduzindo ao

    mnimo as perdas de nutrientes e compensando prudentemente a sua substituio,

    atravs de fertilizaes fundamentadas, e privilegiando a reciclagem da matria

    orgnica produzida na explorao agrcola;

    - a fertilidade do solo, isto , a capacidade do solo assegurar a produo agrcola sem

    intervenes exteriores, funo do equilbrio das caractersticas fsicas, qumicas e

    biolgicas do solo, bem evidenciado pela fauna do solo, de que as minhocas so um

    tpico indicador;

    - em produo integrada, a proteco integrada a orientao obrigatoriamente

    adoptada em proteco das plantas;

    - a biodiversidade , a nvel gentico, das espcies e do ecossistema considerada a

    espinha dorsal da estabilidade do ecossistema, dos factores de regulao natural e da

    qualidade da paisagem;

    - a qualidade dos produtos obtidos em