415
Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE BRASÍLIA - DF 2006 Série B. Textos Básicos de Saúde

Residencia Multiprofissional

Embed Size (px)

Citation preview

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 1/414

Residência Multiprofissional em Saúde:

experiências, avanços e desafios

MINISTÉRIO DA SAÚDESECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

BRASÍLIA - DF

2006

Série B. Textos Básicos de Saúde

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 2/414

2

2006 Ministério da Saúde.Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fimcomercial.

A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens dessa obra é da área técnica.

A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: http://www.saude.gov.br/bvs

Série B. Textos Básicos de Saúde

Tiragem: 1.ª edição – 2006 – 5.000 exemplares

Elaboração, distribuição e informações:

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na SaúdeDepartamento de Gestão da Educação em SaúdeEsplanada dos Ministérios, Edifício Sede, Bloco G7.° andar, sala 725, Brasília – DF

CEP 70058-900Tel.: (61) 3315-2858Fax: (61) 3226-2862E-mail : [email protected] page: www.saude.gov.br/sgtes

Organização:Ana Estela HaddadAntonio Sergio de Freitas FerreiraAlexandre André dos SantosCarlos Augusto Martins NettoLaíse Rezende de AndradeLuzia Cláudia Dias CoutoMauro Maciel de Arruda,Renato Rocha FontelesSara Regina Souto Lopes

Impresso no Brasil / Printed in Brazil 

Ficha Catalográfica

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residênciamultiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educa ção na Saúd e,Departamento de Gestão da Educação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006.

414  p.: il. –  (Série B. Textos Básicos de Saúde)

ISBN 85-334-1298-3

1. Internato e Residência. 2. Educação médica. 3. Sistema Único de Saúde. I. Título. II. Série.

NLM W 20

Catalogação na fonte – Coordenação-Geral de Documentação e Informação – Editora MS – OS 2006/1388

Títulos para indexação:

Em inglês: Multiprofessional Residence in Health: Experiences, advances and challengesEm Espanhol: Residencia Multiprofesional en salud: experiencias, avances y desafíos

Revisão:

Antonio Sergio de Freitas FerreiraDenise Veríssimo de PaulaJosé Miguel Vidal JuniorLuzia Cláudia Dias Couto

Criação e editoração:

Dino Vinícius Ferreira de Araújo

© 

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 3/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

3

Sumário

 Apresentação ......................................................................................... 5

Introdução: A Trajetória da Residência Multiprofissional em Saúdeno Brasil ............................................................................................. 11

Narrativa da Residência multiprofissional em Saúde - Desafios para a Universidade Federal de Rondônia (Unir) ........................................ 17

I Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidadedo Estado do Tocantins - A Gestão Estadual da Educação emSaúde como espaço de criação e experimentação coletiva derespostas aos desafios loco-regionais na formação profissional

 para o Sistema Único de Saúde ........................................................... 35

Residência Multiprofissional em Saúde da Família: A Experiênciada Parceria entre o Instituto de Saúde Coletiva e a Escola

 Estadual de Saúde Pública na Bahia .................................................... 47

Especialização Integrada em Saúde Coletiva - ModalidadeResidência Multiprofissional: Em foco uma experiência de

 formação do Centro de Educação Permanente da Saúde do Município de Aracaju no Modelo Saude Todo Dia .............................. 61

 A Trajetória da Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliade Sobral ............................................................................................ 81

Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade da Faculdade de Medicina de Marília ........................... 97

Residência Multiprofissional em Saúde da Família: a experiênciada Faculdade e Casa de Saúde Santa Marcelina .................................. 109

Inserção da Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade no contexto da graduação dos cursos da área desaúde .................................................................................................. 123

 A construção da Residência Multiprofissional em Saúde de Famíliana Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) ................................ 141

Curso de Especialização em Saúde da Família nos moldes daResidência Ensp/Fiocruz: desenvolvendo competência para a Atenção Básica ................................................................................... 153

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 4/414

4

Residência em Saúde da Família da UFJF: contribuindo na formaçãode profissionais de saúde para o Sistema Único de Saúde .................... 171

Residência Multiprofisisonal em Saude da Família: O caso do Município de Montes Claros ............................................................... 195

 A Residência Multiprofissional de Saude da Família na UFMG:tijolo por tijolo de um desenho mágico .............................................. 213

Movimentos, encontros e desencontros da produção da ResidênciaMultiprofissional em saúde da Família............................................... 229

Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família: A experiência da Universidade Federal do Paraná ............................... 251

Processo Coletivo de Avaliação: A experiência da Residência

 Multiprofissional em Saúde da Família de Blumenau. ......................... 267Programa de Residência Integrada em Saúde da Família da

Universidade Federal de Santa Catarina: O desafio de umaconstrução interdisciplinar coletiva .................................................... 283

Residência Multiprofissional em Saúde: Construção de uma estratégiade formação de recursos humanos ...................................................... 305

Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade daUniplac: Avanços, recuos e esperanças ................................................ 319

Curso de Aperfeiçoamento Especializado em Saúde Mental em Nívelde Residência ..................................................................................... 333

Residência Integrada em Saúde: Cardiologia do Instituto deCardiologia-Fundação Universitária de Cardiologia – Relato de

 Experiência ........................................................................................ 345

Residência Integrada em Saúde do Grupo Hospitalar ConceiçãoRIS/GHC: Uma estratégia de desenvolvimento de trabalhadores

 para o SUS .......................................................................................... 355

Residências em saúde: Encontros multiprofissionais, sentidosmultidimensionais .............................................................................. 375

Residência Multiprofissional em Saúde segundo a perspectiva docontrole social ................................................................................... 391

Conclusão .............................................................................................. 397

 Anexos ................................................................................................... 403

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 5/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

5

APRESENTAÇÃO

Há exatamente 30 anos, em 1976, foi criada no Brasil, pela SecretariaEstadual de Saúde do Rio Grande do Sul, em sua Unidade Sanitária denominadaSão José do Murialdo, a primeira Residência em Medicina Comunitária. Suaproposta incluía formar profissionais com uma visão integrada entre saúdeclínica, saúde mental e saúde pública, com perfil humanista e crítico, comcompetência para uma boa resolubilidade das necessidades de saúde dacomunidade. Dois anos depois, a Residência do Murialdo se tornamultiprofissional.

No ano seguinte, em 1977, o Decreto nº 80.281, cria a Residência Médica,modalidade de pós-graduação lato sensu, caracterizada pela formação emserviço, considerada o "padrão ouro" da especialização médica. O mesmo

Decreto institui, no âmbito do Ministério da Educação, a Comissão Nacionalde Residência Médica, responsável pelo estabelecimento dos princípios e normasde funcionamento, credenciamento e avaliação das condições de oferta dosprogramas de residência médica.

É da mesma década o Movimento da Reforma Sanitária, que no auge daditadura militar, surge como resistência ao poderoso complexo médico-industrial, financiado principalmente com dinheiro público do Ministério daPrevidência e Assistência Social, e resistência também ao modelo de formação,

baseado na especialização e fragmentação do conhecimento, e na visão dadoença como fenômeno estritamente biológico.

Gerado no texto aprovado pela 8ª Conferência Nacional de Saúde, nascena Constituição Federal, promulgada em 1988, o Sistema Único de Saúde.

 Ainda que o Art. 200 da Constituição já determinasse que cabia ao SUS ordenara formação de recursos humanos em saúde, quase duas décadas se passaram,em um longo caminho de tentativas de aproximação entre as políticas deeducação e saúde.

Em 1993 é criado o Programa de Saúde da Família, a partir do sucessoda atuação dos agentes comunitários de saúde, e o sistema vai se estruturando

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 6/414

6

pela atenção básica, as prefeituras passam a demandar este novo profissional,e vão se evidenciando as contradições entre o sistema de saúde e a formaçãoem saúde.

Em 1999, o então Departamento de Atenção Básica, da Secretaria de

 Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde, junto a atores do MovimentoSanitário, articularam-se formando grupos interessados em criar, reavivar ereinventar residências em saúde da família. A proposta, construída em umseminário, era criar um modelo de Residência Multiprofissional, onde emborafossem preservadas as especialidades de cada profissão envolvida, seria criadauma área comum, especialmente vinculada ao pensamento da velha saúdepública, acrescida de valores como a promoção da saúde, a integralidade daatenção e o acolhimento.

Um movimento que contou com a participação dos órgãos formadores,das Associações de Ensino das respectivas áreas, da Federação Nacional dosTrabalhadores da Área da Saúde (Fentas), da Comissão Intersetorial de RecursosHumanos (CIRH) e do Conselho Nacional de Saúde (CNS), conseguiu elaborare propor diretrizes curriculares para os cursos de graduação da área da Saúde,publicadas a partir de 2001 na forma de resoluções pelo Conselho Nacionalde Educação.

No ano de 2002 foram criadas 19 residências multiprofissionais em saúdeda família, com financiamento do Ministério da Saúde, com formatosdiversificados, mas dentro da perspectiva de trabalhar integradamente comtodas as profissões da saúde.

Tendo tido sua primeira versão elaborada em 1998, e sua terceira versãoeditada em 2000, sob a coordenação da Comissão Intersetorial de RecursosHumanos (CIRH), do Conselho Nacional de Saúde, o documento "Princípiose Diretrizes para a Gestão do Trabalho no SUS, a NOB/RH-SUS vem subsidiar

a gestão do trabalho, bem como a política de desenvolvimento dos trabalhadoresdo SUS.

Em conformidade com a NOB/RH-SUS, na esfera federal, no início doGoverno Lula, o Ministério da Saúde, no intuito de criar uma política devalorização do trabalhador do SUS e de cumprir o Art. 200 da ConstituiçãoFederal, criou a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde(SGTES). O Departamento de Gestão da Educação passa a desenvolver suasações pautado na Política Nacional de Formação e Desenvolvimento para o

SUS: Caminhos para a Educação Permanente em Saúde, aprovada pelo CNS.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 7/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

7

 A SGTES propõe a criação da Comissão de Residências em Saúde, noâmbito do Ministério da Saúde, que abrigaria a Comissão Nacional de ResidênciaMultiprofissional (CNRM), a ser também criada. A proposta encontra fortesresistências e não se concretiza.

 A Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, institui o Pró-jovem e tambémcria a Residência em Área Profissional da Saúde, excetuada a área médica. Aessa altura, vários grupos se articulavam em diferentes regiões do País,estimulados pela SGTES, para criar programas de residência multiprofissional,incluindo a área médica.

 A SGTES inicia um trabalho de sensibilização e negociação junto aCNRM, visto que já se encerrara o prazo para credenciamento de novas vagaspara 2005. Além disso, os programas de Residência em Medicina de Família eComunidade, que ora se apresentavam, fugiam do padrão tradicional, comcaracterística centrada no hospital, ampliando as práticas nas Unidades Básicasde Saúde (UBS) e na comunidade. Neste momento, o voto de confiança daCNRM na SGTES e o apoio decisivo de uma entidade com a credibilidade daSociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), foramdecisivos para que a CNRM, no final de 2005, aprovasse 438 novas vagas deResidência em Medicina de Família e Comunidade.

Enquanto a Residência Médica tem sua certificação assegurada pelaCNRM, as demais profissões que integram a Residência Multiprofissional,quando vinculadas a uma universidade, têm sua certificação comoespecialização, mas não na modalidade residência, com as especificidades quea caracterizam. A SGTES atualmente apóia cerca de 22 programas, tendo jáfinanciado 1.558 bolsas, com um investimento da ordem de quase 50 milhõesde reais. Embora os trabalhadores formados nesses programas de residênciarecebam certificação de curso de especialização, a carga horária cumprida,

bem como o custo da modalidade residência são bem maiores. Como pode oGoverno justificar o alto investimento em uma modalidade de pós-graduaçãoque ele próprio não reconhece e não certifica?

 Ainda de acordo com Lei nº 11.129, a Comissão Nacional de Residênciaem Área Profissional da Saúde deverá ser criada no âmbito do MEC. Emnovembro do mesmo ano, a Portaria Interministerial MEC/MS nº 2.117 instituia Residência Multiprofissional em Saúde.

 A SGTES em parceria com a CIRH/CNS e com a CNRM/MEC, realiza

em Brasília, no mês seguinte, o I Seminário Nacional de ResidênciaMultiprofissional em Saúde, com a proposta de fomentar a reflexão e estimular

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 8/414

8

o debate com a participação de diversas representações, entre as quais o Fentas,Fnepas, Conass, Conasems, a Mesa Nacional de Negociação Permanente doSUS, entre outros. São definidos quatro eixos principais para nortear ostrabalhos durante o seminário:

1- Estratégias para a Construção da Multidisciplinaridade visandoatender o preceito constitucional da integralidade.

2- Construção de Diretrizes Nacionais para a ResidênciaMultiprofissional em Saúde.

3- Composição da Comissão Nacional de Residência Multiprofissionalem Saúde.

4- Criação do Sistema Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde(SNRMS).

São convidados a participar do seminário os coordenadores, residentese secretários municipais e estaduais dos programas financiados pelo Ministérioda Saúde, no sentido de que se pudesse aprender com a experiência jádesenvolvida por estes programas.

O documento produzido recebeu contribuições e foi consolidadoconjuntamente pela SGTES e pela CIRH/CNS. Este documento foi o ponto departida para uma parceria estabelecida pela SGTES com o movimento dosresidentes da multiprofissional. Com um engajamento crescente do movimento,

seguido também pelo recém criado Fórum dos Coordenadores de ResidênciasMultiprofissionais, foram realizados em 2006 três seminários regionais: RegiãoNordeste, dentro do Congresso Nacional do Conasems; regiões sul e sudeste,dentro do Congresso da Rede Unida; e regiões norte e centro-oeste, em Brasília,com ampla representação de instituições de ensino, residentes, estudantes egestores.

 A partir de proposta surgida durante os seminários regionais, é formadoum grupo de trabalho, com representantes do MS, MEC, Conass, Conasems,coordenadores de residência, residentes, Fentas e FNEPAS, responsável porconduzir os encaminhamentos necessários para se constituir a ComissãoNacional de Residência Multiprofissional. O resultado estará, em breve, napublicação da Portaria Interministerial MEC/MS que dispõe sobre a ResidênciaMultiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde, einstitui a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde.

Os desafios que podemos vislumbrar são muitos, entre eles: não apenas

a regulamentação da residência multiprofissional, mas também dasuniprofissionais não médicas, várias profissões da saúde ainda não têm

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 9/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

9

estabelecido claramente seu modelo de inserção no SUS e ainda, a necessidadede buscar fontes estáveis de financiamento.

 A política de educação na saúde implementada pelo Deges/SGTES tem,como um de seus eixos estruturantes, a integração entre as instituições deensino e os serviços de saúde, caracterizada por ações que visam à mudançadas práticas de formação e atenção, do processo de trabalho e da construçãodo conhecimento, a partir das necessidades dos serviços.

 A ação articulada entre o Ministério da Educação e o Ministério da Saúde,formalizada pela Portaria Interministerial nº 2.118, de 2005, instituiu acooperação técnica entre os dois ministérios, para a formação e odesenvolvimento de recursos humanos na saúde, envolvendo o nível técnico, a

graduação e a pós-graduação.Uma das ações desencadeadas a partir desta articulação foi o ProgramaNacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde) quetem por objetivo, incentivar transformações do processo de formação, geraçãode conhecimentos e prestação de serviços à população, para abordagem integraldo processo de saúde-doença.

O Pró-Saúde busca, portanto, integrar a formação de graduação e asnecessidades da atenção à saúde, na direção apontada pelas Diretrizes

Curriculares Nacionais, englobando, inicialmente, os cursos de enfermagem,medicina e odontologia. No edital de seleção dos projetos, lançado em novembrode 2005, em Portaria Interministerial dos ministérios da Saúde e da Educação,foram selecionados 90 cursos, com impacto inicial sobre aproximadamente 46mil estudantes de graduação da área da Saúde.

O apoio à Residência Mutiprofissional em Saúde articula-se com as açõesde estímulo a mudança nos cursos de graduação em saúde, bem como comoutras ações que têm foco na necessidade de capacitação em larga escala, como

a Rede Multicêntrica de Especialização em Saúde da Família (Rede MAES).Tendo por objetivo fortalecer e qualificar a gestão do SUS, foi criada

também pela SGTES a Rede de Ensino para a Gestão do SUS (RegeSUS). Estarede visa estabelecer parcerias e apoiar os processos formativos das diversasEscolas de Saúde Pública, Instituições Públicas de Ensino Superior com seusInstitutos, Departamentos e Núcleos de Saúde Coletiva e de Gestão em Saúdeem praticamente todas as Unidades Federadas. A participação na Redeconsiderará a vocação e a capacidade de oferta das instituições que tenham

desenvolvido competências na área da gestão em saúde, bem como asnecessidades de apoio ao desenvolvimento de competências em instituições

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 10/414

10

com menor acúmulo nesta área. A conformação da Rede e a conseqüenteparticipação das instituições serão determinadas pelas necessidades deformação e de desenvolvimento de tecnologias de gestão para os níveis técnico-administrativo e político institucional das organizações públicas de saúde nos

diferentes contextos locorregionais do SUS.Esta publicação tem como principal objetivo socializar, debater, e

principalmente suscitar reflexões acerca da história de construção da políticade formação pós-graduada denominada Residência Multiprofissional em Saúde(RMS). Entendendo que a melhor forma de contar a história de uma açãopolítica é demonstrar seus meandros, seus desafios e avanços é no que estapublicação se materializa. Seguem relatos de experiências de RMS que trazemcontextos, parcerias, campos de prática e tempos de caminhada distintos, masque comungam o mesmo intenso desejo de consolidar o Sistema Único deSaúde (SUS). A riqueza dos relatos demonstra os resultados da aposta feitapelo Ministério da Saúde nesta estratégia de formação que, em última instância,visa produzir atenção integral em muitos recantos do Brasil, afinada com aPolítica Nacional de Educação em Saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 11/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

11

Introdução:

A Trajetória da Residência Multiprofissional em Saúde no Brasil

O Ministério da Saúde (MS) vem apoiando Residências Multiprofissionaisem Saúde (RMS) desde 2002, por meio do projeto ReforSUS. Em 2003, com acriação da Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (SGTES) na

estrutura do MS, institui-se a Política Nacional de Educação Permanente emSaúde, expressa na Portaria nº 198, de 13 de fevereiro de 2004.

O estabelecimento de financiamento regular para os Programas deResidências Multiprofissionais de Saúde no Brasil e o investimento na suapotencialidade pedagógica e política, tem por objetivo possibilitar tanto aformação de profissionais quanto contribuir com a mudança do desenho tecno-assistencial do Sistema Único de Saúde (SUS).

 A promulgação da Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, que criou a

Residência em Área profissional da Saúde e instituiu a Comissão Nacional deResidência Multiprofissional em Saúde (CNRMS), deu início ao processo deregulamentação da RMS. O MS, cumprindo o seu papel de gestor federal,elaborou, por meio do Departamento de Gestão da Educação na Saúde (Deges/SGTES), as portarias que regulamentam a lei e subsidiam o financiamento dasRMS, a saber: Portaria nº 1.111, de 5 de julho de 2005, Portaria nº 1.143, de 7de julho de 2005 e Portaria Interministerial nº 2.117 de 3 de novembro de2005.

Concomitante a regulamentação da Lei, o Deges intensificou tambémum processo de socialização e discussão ampla sobre o tema, com a participaçãodo Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Nacional de Saúde (CNS).O I Seminário Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde, realizadopela SGTES, em parceria com o Conselho Nacional de Saúde, em dezembrode 2005, contou com mais de 150 participantes, representados por gestores,controle social, executivas de cursos da área da Saúde, residentes ecoordenadores de programas de RMS. O seminário teve como objetivo iniciar

o processo de reflexão e debate, partindo do relato das experiências dosprogramas já financiados pelo Ministério da Saúde, avançando na obtenção de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 12/414

12

subsídios dentro dos seguintes temas: estratégias para a construção damultidisciplinaridade visando atender o preceito constitucional da integralidade;construção de diretrizes nacionais para a residência multiprofissional em saúde;composição da Comissão Nacional de RMS (CNRMS), com representações,

número de integrantes, acompanhamento e avaliação; e criação do SistemaNacional de Residência Multiprofissional em Saúde (SNRMS), que permitirá oregistro das instituições, dos programas e dos profissionais residentes, bemcomo a gestão do sistema.

Este processo teve continuidade em 2006, quando o Deges/SGTES, emparceria com o CNS e o Fórum de Residentes Multiprofissionais em Saúdeiniciou a realização de seminários regionais para discutir a RMS e, com isso,dar seguimento ao seu processo de regulamentação. Foram realizados os

seminários regionais Nordeste, em Recife; Sul/Sudeste, em Curitiba e Norte/Centro-oeste, em Brasília. O tema principal dos seminários regionais foi adefinição da composição e atribuições da Comissão Nacional de ResidênciaMultiprofissional em Saúde (CNRMS), e tiveram como ponto de partida dasdiscussões, o relatório produzido pelo I Seminário Nacional. Todos estesseminários serviram de preparatória para o II Seminário Nacional de ResidênciaMultiprofissional em Saúde (II SNRMS), ocorrido no Rio de Janeiro, em agostode 2006, dentro do 8º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva da ABRASCO,

onde uma plenária com mais de 200 participantes apresentou, como principalconsenso e produto de longos debates, a composição da CNRMS.

 Ainda durante os seminários regionais surgiu a proposta da criação deGrupo de Trabalho para elaborar proposta de composição, atribuições efuncionamento da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde(CNRMS). Este Grupo de Trabalho foi constituído por representantes doMinistério da Saúde (MS), do Ministério da Educação (MEC), residentes,Conselho Nacional das Secretarias de Saúde (Conass), Conselho Nacional das

Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Fórum das Entidades Nacionaisdos Trabalhadores da Área da Saúde (Fentas); Fórum Nacional de Educaçãodas Profissões na Área de Saúde (FNEPAS) e coordenador de Programa deResidência Multiprofissional em Saúde. No momento, a regulamentação daRMS no Brasil encontra-se aguardando os trâmites legais de implantação daCNRMS, que deverá ocorrer como resultado da publicação da PortariaInterministerial MEC/MS, que dispõe sobre a Residência Multiprofissional emSaúde e institui a sua Comissão Nacional.

Este é um processo que ganhará uma dimensão político-institucional apartir da implantação da Comissão Nacional de Residências Multiprofissionais,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 13/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

13

o que por um lado aprofundará a relação com o MEC, e por outro consolidaráo campo da gestão da educação como estratégia fundamental em busca dealternativas que levem à consolidação do SUS.

Concomitante a todo este processo político, o Deges se reorganizava nosentido de dar conta da ampliação do número de projetos pleiteantes de apoiodo MS. Este esforço objetivou manter e estabelecer novas parcerias com asinstituições de ensino e as secretarias de saúde interessadas em formarprofissionais habilitados para o trabalho em equipe.

 A ampliação do número de projetos de RMS, construídos pelas váriasregiões do País, apresentava significativas diferenças no valor residente porprograma, financiado pelo MS. Para dar conta, tanto das peculiaridades decada locorregião, como estabelecer um padrão de análise dos programasafinados com a Política Nacional de Educação para o SUS, o Deges elaboroucritérios de análise a serem observados na acreditação destes projetos combase na legislação vigente. A grande diversidade nos desenhos metodológicos edos cenários de prática, bem como as parcerias estabelecidas no processo deconstrução do projeto, desembocou em projetos que requeriam uma análiseque considerasse as peculiaridades dos sistemas de saúde locorregionais.

Com os novos critérios de análise pretendeu-se valorizar a estratégia

pedagógica com foco na qualidade do processo de aprendizagem dos residentesinseridos nos serviços, além de racionalizar a construção dos projetos por meioda definição mais clara das funções de cada um dos parceiros quanto aodesenvolvimento e financiamento.

  A intrínseca característica da interdisciplinaridade confere caráterinovador aos programas de RMS, demonstrado principalmente por meio dainclusão das catorze categorias profissionais da saúde (Resolução CNS nº 287/1998). Este modo de operar a formação 'inter-categorias' visa à formação

coletiva inserida no mesmo 'campo' de trabalho sem deixar de priorizar erespeitar os 'núcleos' específicos de saberes de cada profissão. O zelo nadefinição de preceptoria, tutoria, campos de estágio, ênfases dos programas,estratégias pedagógicas e modos avaliativos também implicaram na necessidadede incremento e mudança dos critérios de análise para acreditação dosprogramas.

Os diversos lugares que construíram programas de RMS, o fizeramprocurando aproximar o ensino da gestão, o que por si só já se constitui em

inegável inovação na formulação de políticas para formação de trabalhadoresdo e para o SUS.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 14/414

14

Os programas apresentaram grande variedade de desenhosmetodológicos, mas todos, em uníssono, defenderam a utilização demetodologias ativas e participativas e a educação permanente como eixopedagógico. Como exemplo, pode-se citar a formação de preceptores e tutores

antes de iniciar o programa, assinalando para a necessidade de qualificaçãopermanente dos profissionais envolvidos. Outra inovação foi a constituição deRede Docente Assistencial (RDA), com finalidade de construir um espaço dearticulação ensino-serviço, a fim de atender à necessidade de promovermudanças no modelo de formação dos profissionais de saúde, de modopermanente e em todos os níveis, a partir do desencadeamento dos processosde implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos degraduação da área da Saúde, bem como do incentivo à formação em nível de

pós-graduação no formato Programa de Residência Integrada em Saúde daFamília e dos cursos de especialização e outras iniciativas de capacitação dostrabalhadores para o SUS.

São estas as inovações, aperfeiçoamentos e ousadias que seguemapresentados pelos programas. São histórias de pessoas que pensam o cuidadocomo algo complexo e viável de ser realizado com integralidade, quedemonstram como, na prática dos serviços, de forma dinâmica, tem-setrabalhado para promover a solução dos problemas de saúde, de forma

transdisciplinar, intersetorial, atentos às questões socioeconômicas, culturais,ecológicas e religiosas. No processo de formação do residente, a população, ocontrole social, a equipe da unidade, as escolas do bairro são convidados apensar e a produzir espaços de saúde, de qualidade de vida e é neste ethos quese dá a formação dos residentes. Problemas complexos, respostas coletivas.

Tais experiências demonstram o quão efervescente os lugares podem setornar quando devidamente estimulados. Apresentam a potencialidade da RMSpara romper com os paradigmas existentes em relação à formação deprofissionais para o SUS e em contribuir para qualificar a atenção que os serviçosde saúde locais necessitam ofertar às suas comunidades.

 Apresentamos, a seguir, a distribuição dos programas e das vagas deResidência Multiprofissional em Saúde, por região, estado e profissão, apoiadospela SGTES/MS.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 15/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

15

Quadro: Distribuição das vagas de RMS apoiados pela SGTES/MS - 2006.

Fonte: Deges/SGTES/MS

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 16/414

16

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 17/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

17

Narrativa da Residência Multiprofissional em Saúde:

desafios para a Universidade Federal de Rondônia (Unir)

Katia Fernanda Alves Moreira1

Jorge Luiz Coimbra de Oliveira2

1

Enfermeira. Profa. Dra. Dep. Enfermagem da Unir. Coord. do Centro de Estudo e Pesquisa em SaúdeColetiva (Cepesco) e da Residência em Saúde da Família.

2 Sociólogo. Prof. Dr. do Dep. de Filosofia e Sociologia. Pesquisador do Cepesco.

Resumo: Os profissionais de saúde da família devem ter uma formaçãoessencialmente voltada para a realidade de saúde da população, o que implicaem relacionar-se com toda a complexidade de nossa malha social, econômica

e cultural. O objetivo deste trabalho é descrever a construção do projeto daResidência Multiprofissional em Saúde da Família na Unir. O que catalisaráo processo de incorporação de novos conhecimentos, habilidades e práticas.É preciso, não apenas criar um novo paradigma para residência em que oprocesso de aprendizagem ocorra na própria rede de serviços ambulatoriais,mas, sobretudo, criar experiências novas junto as Unidades de Saúde daFamília, viabilizando o relacionamento entre atitudes críticas e reflexivascom práticas interdisciplinares na saúde contribuindo assim com o surgimento

de experiências alternativas de formação.Palavras-chaves: Residência Multiprofissional, Atenção Básica, Rondônia.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 18/414

18

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 19/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

19

1 – Introdução

O objetivo desse artigo é descrever o processo que levou a constituição

de uma serie de ações que culminou com a apresentação do Projeto deResidência Multiprofissional em Saúde da Família. Ao rever a trajetória dasações, podemos tomar como base os anos de 2004 e 2005, quando foraminiciadas as discussões com técnicos da Secretaria Estadual de Saúde do Estadode Rondônia (Sesau/RO), particularmente com a coordenadora da AtençãoBásica, acerca da implantação dos cursos de especialização em Saúde da Família,desdobrando-se com uma possível Residência Multiprofissional em Saúde daFamília. A construção do projeto de Residência Multiprofissional em Saúde da

Família foi amadurecendo ao longo de dois anos de discussão e de parcerias emdiversas outras atividades, inclusive de pesquisa, entre a Unir e a Sesau/RO e aSecretaria Municipal de Saúde de Porto Velho (Semusa-PVH).

 A proposta de construção do Projeto da Residência Multiprofissionalem Saúde da Família foi desencadeada, em fevereiro de 2004, num Workshopem Saúde da Família promovido pela Universidade Federal de Rondônia (Unir),para avaliar as especializações em saúde da família.

Neste encontro, fizeram-se presentes a coordenadora do Programa de

Interiorização do Trabalho em Saúde da Família (PITS) e outros técnicos doDepartamento de Gestão da Educação na Saúde (Deges), da Secretaria deGestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), do Ministério da Saúde(MS), a coordenação da Atenção Básica da Sesau/RO, professores e acoordenação do curso de especialização em Saúde da Família da Unir. Dosencaminhamentos propostos no Workshop merece destaque à continuação dooferecimento dos cursos de especialização em Saúde da Família e a elaboraçãodo Projeto de Residência Multiprofissional em Saúde da Família para ser

apresentado ao Pólo de Educação Permanente em Saúde (PEP) até o final de2004.

 A agenda de discussão do projeto de Residência Multiprofissional, aolongo de 2004, teve como ponto principal os currículos da graduação, deespecialização e da residência. Isto porque, os cursos na área da Saúde noBrasil vêm sendo freqüentemente questionados quanto às suas limitações paraformação de profissionais sintonizados com as diretrizes dos novos modelosde organização dos serviços públicos de saúde. Não obstante as críticas que

vêm sendo realizadas a esses sistemas de ensino e consideradas as iniciativas

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 20/414

20

de adaptações curriculares aos novos sistemas de saúde, ainda são escassas ouincipientes as experiências de enfrentamento e superação com o modelodominante.

Sabe-se das grandes dificuldades em imprimir mudanças significativasna graduação a curto prazo, em virtude da rigidez dos modelos curricularestradicionais no setor Saúde, que por sua vez ajuda a “formar” profissionaisdespreparados para atuarem na atenção básica, particularmente com acomunidade. Sem dúvida, este fato resulta na formação predominantementebaseada na atenção hospitalar ainda vigente no País.

Faz-se necessário corrigir com urgência as deficiências de conhecimentos,habilidades e práticas dos trabalhadores em saúde, para que os resultadosesperados por esta inversão do modelo de atenção sejam alcançados,repercutindo com real impacto na qualidade de vida da população.

Desde 1988, a área de recursos humanos tem obtido poucos resultadosnas questões relativas às práticas sanitárias, gestão, relações intersetoriais,acolhimento e humanização no atendimento à população usuária do sistemade saúde. Pensa-se que urge ampliar essa rede por meio de mudanças naconcepção da formação dos Recursos Humanos na área da Saúde.

 As mudanças na formação dos profissionais de saúde passam pela

construção de competências, tendo em vista as transformações ocorridas nosetor Saúde e no mundo do trabalho, em virtude aos processos de globalizaçãoe às mudanças nos paradigmas em saúde pública segundo a Organização Pan-

 Americana de Saúde (OPAS, 1998).

  A iniciativa “Saúde Pública nas Américas”, elaborada pela Opas,apresenta a definição das Funções Essenciais de Saúde Pública (Fesp) comoprática para melhorar as práticas sanitárias e fortalecer a gestão em saúde emtodos os níveis de estado, cujas funções específicas são:

- monitoramento, avaliação e análise da situação de saúde da população;- vigilância, prevenção e controle de enfermidades transmissíveis e não

transmissíveis;- promoção da saúde;- participação e “empowerment” social ;- desenvolvimento de políticas e planejamento e gestão em saúde pública;- legislação e regulação em saúde pública;- avaliação e promoção da equidade e qualidade dos serviços de saúde

pessoais e baseados na comunidade;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 21/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

21

- gestão de recursos humanos;- serviços específicos de saúde pública e de atenção de saúde pessoal

para populações vulneráveis e de alto risco;- gerência em saúde pública; planejamento e gestão financeira;

- saúde pública ambiental (OPAS, 2000). A estruturação dos cursos de graduação em saúde (RUIZ, 2001), bem

como do curso de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Unir,exige as seguintes ações em forma permanente:

- identificação das competências necessárias de sistemas, instituições eprofissionais;

- revisão e análise das áreas críticas do desempenho de instituições etrabalhadores (habilidades e atitudes) e do conhecimento (teórico e

metodológico) disponível;- ajuste ou formulação de respostas educacionais (temas, métodos e

modalidade).

Portanto, as competências juntamente com o referencial de promoção àsaúde (KICKBBUSCH, 2001) foram os eixos centrais da construção do projetopedagógico do curso de Residência Multiprofissional da Unir.

  A partir desta contextualização, procurou-se estabelecer no projetopedagógico do curso de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, ascompetências dos profissionais de saúde com base em habilidades que envolvemtodas as dimensões do indivíduo. Esta perspectiva implica rupturas na dinâmicainterna dos espaços institucionais como, também, nos demais espaços que oindivíduo atua como cidadão. O trabalhador, ao articular saberes em face dosproblemas encontrados em seu trabalho, atua criticamente. Ele é envolvidocomo um todo, rompendo-se com as delimitações impostas pelo mero fazer,atingindo-se o seu ser (DESAULNIERS, 1997).

 A construção do projeto de Residência Multiprofissional da Unir pautou-se, também, no exercício da cidadania, que por sua vez, fundamentou-se apartir de quatro aprendizagens fundamentais, colocando-se ênfase no saber-ser, sobre o qual se fundam os demais saberes: saber-fazer, saber-aprender esaber-conviver (DELORS, 2001). Além disto, tinha-se em mente que aarticulação de saberes da formação geral (conhecimento científico), daformação profissional (conhecimento técnico) e as experiências de trabalho esocial (qualificações tácitas), que são mediadas pela dimensão ético-política,referem-se às especificidades do trabalho em saúde (DELUIZ, 2001),particularmente do trabalho em Atenção Básica. Estes fatores implicarão em

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 22/414

22

constantes redefinições das competências necessárias para a prática dosprofissionais de saúde na atenção básica. Foi com este olhar que desenvolvemoso projeto pedagógico da Residência Multiprofissional em Saúde da Família daUnir.

2 – O Processo de construção da Residência em Saúde da Família emRondônia

 A idéia de criar a primeira residência da Unir e, em Saúde da Família, foisendo construída a partir das reflexões pedagógicas e políticas de professoresdo Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva (Cepesco), do Departamento

de Enfermagem (Denf) da Unir e profissionais do serviço, nascendo em respostaa duas demandas: uma demanda interna, deflagrada pela necessidade, sentidapelos professores do Cepesco/Unir, de contato com a realidade como parte daformação acadêmica; e uma demanda externa à universidade, manifestada pelopróprio serviço em participar conjuntamente.

Neste sentido, faz-se necessário capacitar os egressos dos cursos degraduação em enfermagem, odontologia, psicologia e farmácia/bioquímica oubiomedicina, por meio da Residência Multiprofissional, para implementar todas

as ações previstas na Estratégia Saúde da Família.Inicialmente, optou-se em não abrir vagas para o curso de medicina,

dado não haver ainda nenhuma turma formada na área em Rondônia. Outroscursos, poderão fazer parte dessa experiência pioneira na medida em que seaprofundar a construção conjunta com Município de Porto Velho.

O curso de Residência Multiprofissional da Unir apresenta um fortecomponente de treinamento em serviço, em média 85%. A universidade é umainstituição que fomenta a elaboração crítica e científica, com uma estrutura

destinada a incidir profundamente na vida cultural da nação (EGRY, 1996).Proporciona meios para a capacitação dos profissionais da área da Saúde jágraduados em desenvolver novas atitudes exigidas para a produção de umtrabalho de qualidade. Para a continuidade da constituição do Sistema Únicode Saúde que se deseja, é necessário ampliar a formação e a capacitação deprofissionais para a rede de serviços que o compõe.

Neste sentido, a experiência inédita de Residência Multiprofissional emSaúde da Família sediada pelo Departamento de Enfermagem e desenvolvidapelo Cepesco/Unir, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 23/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

23

Porto Velho será de grande importância, uma vez que as atividades práticasserão desenvolvidas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), municipais,envolvidas no projeto, ou seja, diretamente no trabalho, o que se constitui numprocesso pedagógico dentro da metodologia de ação-reflexão-ação. Este

possibilitará aos residentes uma compreensão muito mais próxima do dia-a-dia da sua futura atividade de trabalho, onde, por outro lado, também poderácontribuir com a organização e a melhoria da qualidade dos serviços.

É bom lembrar qeu a proposta de Residência Multiprofissional em Saúdeda Família, não se constitui numa iniciativa isolada na Unir, uma vez que oscursos de graduação da área de Saúde estão discutindo modificações em seuscurrículos, motivados pela implementação das novas diretrizes curriculares e,pela proposta de financiamento do Ministério da Saúde para uma adequaçãoda formação de profissionais competentes para o Sistema Único de Saúde.Um dos eixos das discussões das mudanças na formação destes profissionais éter competência para gerir e implantar a Estratégia de Saúde da Família paraque esta seja uma das portas da rede de assistência integral à saúde das pessoas.

 Acredita-se que a Residência Multiprofissional em Saúde da Família podeser um espaço muito rico para a integração das atividades de graduação e pós-graduação, introduzindo já na graduação conteúdos e práticas de trabalhomultiprofissional e, por fim, colaborando na construção do novo processode trabalho em saúde.

 Além disto, as novas diretrizes do Ministério da Saúde sinalizam para aampliação das equipes de saúde da família em municípios com mais de cem milhabitantes (Proesf), o que coloca para as instituições de ensino o desafio deampliar a formação de novos profissionais e a capacitação daqueles que integramas equipes de trabalhadores da Saúde da Família. Neste sentido, as demandaspara os cursos de residência e especialização serão possivelmente multiplicadas

cabendo a universidade, sobretudo as públicas, envolverem-se em parceriascom as secretarias de saúde para o fortalecimento do sistema público de saúde.

Foi com este compromisso que a Unir, ao final de 2004, apresentou oprojeto do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família aoPólo de Educação Permamente em Saúde da SESAU/RO, ao Conselho Estadualde Saúde (CES), Comissão Intergestores Bipartite (CIB). Tendo o projeto sidoaprovado e remetido ao Ministério da Saúde no início de 2005.

Em julho de 2006, ao ir a Brasília para discutir a Residência

Multiprofissional em Saúde da Região Norte e Centro-Oeste, ficamos sabendoda aprovação das duas primeiras residências dessa regiões, Rondônia e

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 24/414

24

Tocantins. De imediato, ao chegarmos em Porto Velho, agendamos uma reuniãocom o Secretário Municipal de Saúde, a assessoria técnica e a coordenação da

 Atenção Básica Municipal, para retomar as discussões iniciadas em 2004.

Nesta retomada das discussões ficou acertado que as duas Unidades Saúde

da Família que estão sendo construídas no município serão os campos de“ensino” da residência, especialização em PSF e de treinamento dos profissionaisda atenção básica. Além disto, foram agendadas reuniões para se discutir aoficina sobre a Residência Multiprofissional. Nesta oficina, serão convidadostécnicos do Ministério da Saúde, da Secretraria Estadual de Saúde e daSecretaria Municipal de Saúde, além de profissionais do serviço, para apresentare discutir o projeto pedagógico da Residência e o perfil de tutores e preceptores.

 A concepção metodológica da Residência Multidisciplinar em Saúde daFamília é norteada pela concepção pedagógica baseada na participação, nodiálogo e na problematização da realidade vivenciada pelos profissionais daárea de Saúde. Adota o modelo de formação continuada denominado“Interativo-Reflexivo” (SHON, 1987), ou seja, uma formação aplicada àresolução de problemas do cotidiano em contexto de trabalho, com períodosde distanciamento para reflexão e apoio externo (momentos teóricos e dediscussões).

O processo deverá ser participativo com as comunidades da área deabrangência das Unidades de Saúde e deverá ser elaborada uma proposta detrabalho multiprofissional de saúde da família sediada na Unidade de Saúde,com clientela adstrita. Algumas atividades serão desenvolvidas no Hospital deBase, no Hospital João Paulo II, no Hospital de Medicina Tropical de Rondônia(Cemetron), no Hospital Infantil Cosme e Damião, na Policlínica Rafael Vaz eSilva e na Maternidade Municipal sob a supervisão de tutores locais epreceptores do programa.

Todas as atividades do programa deverão ser desenvolvidas de maneiraque possibilite a integração das diferentes áreas de conhecimento: enfermagem,odontologia, psicologia e farmácia/bioquímica ou biomedicina. Na realidade,serão constituídas três equipes, assim estabelecidas: três enfermeiros, umbioquímico ou biomédico, um odontólogo e um psicólogo.

Nas Unidades de Saúde que servirão de campo de práticas os residentesatuarão fundamentados em prática sanitária voltada para a Estratégia de Saúdeda Família. O projeto de intervenção poderá variar de acordo com a avaliação

local de risco.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 25/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

25

Os alunos receberão supervisão do preceptor de cada área temática esupervisão direta dos tutores. Estes últimos, destinarão 20 horas da sua cargahorária de trabalho para a tutoria na Unidade de Saúde (rede básica,maternidade, policlínica e hospital), na relação de um tutor para cada três

alunos da mesma categoria profissional, além de supervisão indireta dacoordenação do Programa de Residência. Haverá também nas Unidades Básicasde Saúde que farão parte do Programa de Residência Multiprofissional, umperíodo de quatro horas semanais dedicado à discussão de estudos de casos,aulas teórico-práticas, oficinas, seminários previamente preparados. Estasestratégias possibilitarão discutir temas previstos e revisão de literatura. Essasatividades serão programadas em conjunto pelos preceptores, tutores ecoordenação do programa, procurando contemplar as necessidades e interesses

desses segmentos.O grupo de preceptoria será composto por professores do Cepesco da

Universidade Federal de Rondônia (Unir) ou docentes de outra Instituição deEnsino Superior (IES), credenciado pela Unir para assumir tal função noprograma.

  Já o grupo de tutoria será composto por enfermeiros, odontólogos,psicólogos, e bioquímicos ou biomédicos, que exerçam suas atividades no serviçoestadual e/ou local de saúde do Município de Porto Velho e que disponha 20horas/semanais para as atividades previstas para a tutoria no Programa deResidência Multiprofissional em Saúde da Família.

O perfil dos preceptores e tutores será discutido nas oficinas que serãodesencadeadas pela Unir e Semusa-PVH. Teremos como ponto de partida paraseleção dos tutores/preceptores os profissionais de saúde que foram capacitadoscomo facilitadores do PEP e/ou utilizar a metodologia dos facilitadores do PEPpara capacitar os preceptores/tutores da residência em PSF.

3 - Objetivo

Capacitar os profissionais de saúde para atuarem na Estratégia de Saúdeda Família adequando-os para o novo modelo de atenção, bem como paraaplicarem metodologias de construção de conhecimentos, atitudes e práticascom princípios éticos e político-sociais para o desenvolvimento permanentedas transformações requeridas pela realidade.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 26/414

26

4 - Matriz curricular

Os referenciais teóricos do programa são desenvolvidos por meio demódulos onde os conteúdos são articulados com a prática em serviço

aproximando assim teoria/prática, o que promove uma reflexão crítica darealidade do processo de trabalho em saúde. Portanto, não há disciplinas, massim módulos de ensino com o desenvolvimento de estudos de caso e vivências.

Aulas expositivas

 Abordagem do conteúdo por meio de exposição oral de um facilitador/professor, com utilização de recursos audiovisuais pertinentes.

Aprendizado baseado em problemas

Método instrucional que visa dotar o educando de conhecimento aplicávelà solução de problemas, procurando explicar os processos subjacentes,princípios ou mecanismos que sustentam os fenômenos (problemas) estudados.

Seminários

Estratégia que tem intuito de ampliação da discussão teórica,

possibilidades de aprofundamento do conhecimento e atualização dos temaspertinentes e específicos para um melhor aproveitamento da aprendizagem. Atécnica se processa com um grupo de estudo em que se debate a matéria expostapor cada um dos participantes.

Oficinas

Método utilizado para facilitar a discussão de diferentes experiências

em determinado grupo, sobre assuntos relacionados ao processo deconhecimento que se pretende construir. Nesta técnica existe a possibilidadede utilização de recursos educacionais não tradicionais.

Sessões clínicas e/ou de óbito

Espaço reservado para apresentação de casos e discussão. A idéia é seguirum roteiro previamente elaborado, onde os alunos terão a oportunidade deexpor um caso problemático, o mesmo será apreciado por todos os participantes,com o objetivos de detectar falhas no processo de atenção. Em relação ao

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 27/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

27

óbito, o grupo terá possibilidade de reconstituir todos os eventos ocorridos, ea partir daí analisar os determinantes e lacunas no processo de atendimento.

 As sessões deverão contar com recursos audiovisuais que possibilitem maioraproveitamento dos participantes.

Conteúdo programático

No Projeto de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Unirarticulam-se três dimensões: a dimensão do cuidado e das práticas sanitárias,a de gestão e avaliação de serviços e programas e a de pesquisa em saúde. Estasdimensões organizam dez eixos temáticos e cinco linhas de pesquisa.

Eixo temático 1 – Políticas de saúde, estado, família e educação – 80h

Eixo temático 2 – Epidemiologia, bioestatística e informação em saúde -80h

Eixo temático 3 – Planejamento, avaliação e gestão em saúde – 100h

Eixo temático 4 – Saúde reprodutiva – 80h

Eixo temático 5 - Saúde da criança e do adolescente – 80h

Eixo temático 6 - Saúde do adulto e do Idoso – 80h

Eixo temático 7 - Assistência às doenças tropicais e transmissíveis – 80h

Eixo temático 8 - Saúde mental – 60hEixo temático 9 - Saúde bucal – 40h

Eixo temático 10 – Metodologia da pesquisa em saúde – 60h

 A definição das cinco linhas de pesquisa práticas sanitárias; planejamento,gestão e avaliação de serviços/programas de saúde; vigilância em saúde; saúdeda mulher; saúde da criança/adolescente está a seguir apresentada.

 Práticas sanitárias compreende sobre a forma como os serviços de saúdeestruturam as respostas sociais organizadas aos problemas de saúde dapopulação, abordando o conceito de saúde vigente e o paradigma que conformaas respostas sociais organizadas sob as formas de práticas individuais/biológicasou coletivas/epidemiológicas.   Planejamento, gestão e avaliação de serviços/

 programs de saúde compreende estudos acerca das políticas de saúde e suainterface com a estrutura social; do modelo assistencial e do processo de trabalhoem saúde, como forma de transformar o modelo de atenção dispensado à

população, além do monitoramento e avaliação de programas e serviços desaúde. Vigilância em saúde dá ênfase aos principais indicadores de saúde

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 28/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 29/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

29

i) Ações de vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e saúde dotrabalhador.

j) Administração e planejamento de serviços de saúde.k) Atividades com grupos de pacientes e com a comunidade, incluindo

os conselhos locais e municipais de saúde.l) Atividades de educação em saúde individual e coletiva.m)Capacitação e atualização para os profissionais envolvidos nas equipes

de saúde.n) Estágio no Banco de Leite do Hospital de Base de Rondônia.

Práticas em serviços ambulatoriais nas Unidades do PSF, acompanhadaspor membros do grupo de preceptoria.

O treinamento em serviço ocupa 85% da carga horária total do curso;treinamento sob supervisão em equipes de saúde da família, com base territorialdefinida e com sede em Unidades de Saúde/PSF. Dentro deste enfoque serãoressaltadas as atividades de visitas domiciliares, acompanhamento às famíliasda área de abrangência, abordagem coletiva de controle de doenças, bem comoações de planejamento, gestão e avaliação dos serviços e territorializaçãosegundo enfoque de risco social. Serão desenvolvidas ainda atividades deatenção à saúde individual em unidades hospitalares, nos ambulatórios declínicas básicas da rede básica e em unidades de emergência.

No caso dos enfermeiros, cada residente terá acompanhamento de suasatividades nas USF pelo preceptor por no mínimo uma vez por semana. Já otutor acompanhará as atividades em 20 horas/semanais. O tutor deverá trabalharacompanhando o atendimento do residente na consulta de enfermagem,supervisionando a anamnese, exame físico, o diagnóstico de enfermagem e aconduta terapêutica de cada caso, discutindo todo o processo do atendimento,

de forma a resolver o problema trazido pelo o usuário. Os tutores acompanharãoos residentes também durante as visitas domiciliares. Será enfatizado paraorganização do serviço, manejo de cada caso, atividades dos programas,atividades comunitárias de promoção e educação em saúde.

Quanto aos demais profissionais, os preceptores farão acompanhamentodas atividades nas UBS/USF, no mínimo uma visita semanal. Estas visitas terãoo intuito de supervisão do processo de trabalho do profissional, onde serãodiscutidas e avaliadas as condutas dos residentes, conjuntamente com o(s)

tutor(es). O tutor acompanhará o atendimento do residente em 20 horas/semanais, em suas áreas de formação específicas. Será enfatizada para a

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 30/414

30

organização do serviço, atividade dos programas, atividades comunitárias depromoção e educação em saúde.

Os tutores farão as avaliações dos residentes junto com os preceptores.Nas Unidades de Saúde em que houver residentes de saúde da família haverátambém o acompanhamento da coordenação do Programa de Residência.

Atendimentos e serviços de nível secundário e plantões em serviços denível terciário do Estado/Município

Os atendimentos e plantões ocorrerão nos serviços de médiacomplexidade (ambulatórios) e hospitais do Estado/Município. Os plantõesserão na emergência e/ou nos serviços de clínica médica, pediatria e gineco-

obstetrícia (maternidade), acompanhados por profissionais das respectivasespecialidades dos residentes (tutores).

 As atividades ambulatoriais serão desenvolvidas na Policlínica OswaldoCruz (POC), Policlínica Rafael Vaz e Silva e no ambulatório do Cemetron.

Módulo de vivências

 A proposta das vivências deve ser entendida como um instrumento de

conhecimento e avaliação dos serviços das unidades de saúde da família, quese desenvolve na inserção do processo de trabalho das Unidades de Saúde,funcionando como parte integrante de um conjunto de medidas cujo pontocomum é ter, na sua origem, a formação de profissionais que tenham comoobjetivo a melhoria das condições de saúde da população, aliado a uma eficienteprática clínica e comunitária de enfrentamento das patologias e agravos à saúdemais prevalecentes, com uma visão epidemiológica, ações de promoção da saúdee prevenção das doenças, sempre contextualizando o indivíduo em sua família

e em sua realidade familiar, social, cultural e econômica. A concepção pedagógica das vivências baseia-se em três princípios:indivisibilidade método-conteúdo, coerência do método com a natureza doobjeto de conhecimento em construção e apropriação da estrutura doconhecimento pelos residentes.

Trata-se, portanto de uma proposta que busca subordinar a açãopedagógica ao conteúdo na perspectiva da totalidade dialética do objeto emconstrução. Desta forma busca-se a problematização da realidade e a falicitação

do processo de abstração vinculado à totalidade. Nas seqüências de atividadesdidáticas o aluno realiza operações de desenvolvimento intelectual, desde a

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 31/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

31

descrição e definição de dados da realidade, a comparação, a discriminação e arelação entre fatos na tentativa de explicá-los e avançar na compreensão desuas determinações mais amplas, até o exercício de planejamento de açõesconcretas que inclui a definição de objetivos, a seleção de métodos e técnicas,

e as formas de controle e avaliação dos resultados.Em resumo, as atividades estão seqüenciadas de modo a permitir a

interação gradual com o objeto e o desenvolvimento de capacidade degeneralização e abstração. São exatamente estes aspectos que justificam aprópria opção metodológica, na medida em que o processo didático transcendeo simples repasse de conhecimento e se constituem numa recriação do sabernecessário para a instrumentalizar as práticas profissionais nos serviços desaúde.

Contrapartida institucional

Para as atividades teóricas serão utilizadas as instalações e equipamentosda Fundação Riomar da Unir. Com relação aos equipamentos a serem utilizados,serão os existentes no Cepesco, Departamento de Enfermagem, Unir eFundação de apoio a Unir (Riomar). Todos os alunos terão acesso à BibliotecaCentral da Unir. Outra contrapartida institucional importante é a relacionadaàs orientações, as quais serão realizadas pelos preceptores, que são osprofessores da Unir.

Vale dizer que o projeto será tramitado na Unir, inclusive o regulamentodo curso da Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Quanto aofinanciamento do curso, este será realizado, a princípio com os recursos doMinistério da Saúde, da Unir e da Riomar.

Avaliação do curso

O sistema de avaliação da residência será amplo, participativo e contínuo.Estas informações serão obtidas por meio de avaliações realizadas pelos

preceptores, tutores, professores e coordenação do programa. As notas dasavaliações do bloco teórico serão atribuídas pelos docentes das disciplinas.Quanto às notas das avaliações dos estágios de vivências, estas serão avaliadas,conjuntamente, entre os preceptores e tutores.

Nestas avaliações serão considerados os aspectos cognitivos, éticos edesempenho profissional. Outros métodos poderão ser utilizados para medirhabilidades clínicas específicas, atitudes e ética. Durante todo o processo deensino-aprendizagem deverão ser realizadas avaliações pelos residentes,

preceptores, tutores juntamente com a coordenação para corrigir eventuaisdistorções e reforçar o que se fizer necessário.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 32/414

32

 A nota final dos módulos teóricos, seminários/oficinas, dos estágios devivência e da monografia será variável de zero a 100 pontos. A freqüência àsaulas e demais atividades do curso é obrigatória devendo o aluno ter umafreqüência mínima de 75% das aulas programadas para cada módulo e nota

mínima de 70 pontos. No que diz respeito à monografia, esta deverá serorientada por um docente pesquisador do Cepesco ou credenciado a este, porsolicitação do colegiado de curso, e que tenha titulação mínima de mestre.

 A monografia será realizada em grupo de no máximo três alunos e deveráser pautada em uma ação voltada para a sua realidade concreta de trabalho ede possível aplicação prática, que deverá ser entregue à coordenação de curso,para defesa pública junto à banca examinadora. As bancas de defesa dasmonografias serão compostas por três membros, dos quais o presidente será o

professor orientador. Todos os orientadores deverão estar vinculados aoCepesco/Unir. Para obtenção de certificado e aprovação o aluno deverá obternota mínima igual a 70 pontos.

Os certificados de conclusão serão obtidos pelos alunos que tiveremconcluído o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliacom no mínimo de 75% do total de carga horária do programa. A defesa demonografia só será realizada após a publicação de pelo menos um artigo emrevista indexada, ao longo do desenvolvimento do curso.

Sem conclusão, mas dizendo ainda que...

O desafio que a Unir enfrenta na educação dos profissionais de saúde, éo de fazer emergir o seu papel na formação dos profissionais, através de umamudança nos currículos dos cursos desta área e do modelo pedagógico quepermita ao aluno aprender a aprender, onde o foco maior é o da formação decaráter mais amplo ao invés de uma capacitação restrita de habilidadesprofissionais. Isso significa que a Universidade deve proporcionar uma formaçãogeral de tal forma que os futuros profissionais devem estar aptos a exerceremas competências profissionais em conformidade com princípios norteadoresdo SUS, a despeito das transformações tecnológicas que ocorremquotidianamente.

Se para a graduação em saúde tal mudança é relevante, no campo dasespecializações e Residência em Saúde é fundamental, uma vez que os modelosde residência atualmente existentes, em sua grande maioria, são criados ecentrados na prática hospitalar e individual, não sendo adequados para formaçãoda equipe de saúde da família. Essa ação, no entanto, não é algo tranqüilo,

demanda um grau de enfrentamento com o modelo dominante. Modelodominante que é não algo esotérico e distante, pois se materializa na realidade

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 33/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

33

do dia-a-dia dos profissionais da saúde, fazendo-se presente de forma conscienteou inconsciente na atuação desses profissionais que vão incorporando práticashistóricas que precisam ser desconstruídas quando se pensa em formaçãodirigida para a atenção à saúde.

É preciso criar um novo paradigma para residência em que o processode aprendizagem ocorra na própria rede de serviços ambulatoriais, no casoUnidades de Saúde da Família (USF) do Sistema Único de Saúde, viabilizandoo desenvolvimento de atitudes críticas e reflexivas e práticas interdisciplinaresna saúde e elementos potencializadores da emancipação dos trabalhadores.

 Além disto, é imperativo a integração da academia com os serviços, nosentido de tornar possível a capacitação dos profissionais de saúde da família,sob pena da Estratégia Saúde da Família falir por ausência de recursos humanoscapazes de implementá-la.

Referências bibliográficas

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir - relatório para a UNESCOda Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 6. ed. SãoPaulo: Cortez, 2001.

DELUIZ, N. Qualificação, competências e certificação: visão do mundo dotrabalho. Formação, Brasília, v. 1, n. 2, p. 5-15, maio 2001.

DESAULNIERS, J. B. R. Formação, competência e cidadania. Educação &Sociedade, Campinas, v. 18, n. 60, p. 51-63, dez. 1997.

EGRY, E. Y. Saúde coletiva: construindo um novo método em enfermagem.São Paulo: Ícone, 1996.

KICKBBUSCH, I. Reflexiones sobre la salud publica em las Ameritas. In:ORGNIZACÍON PANAMERICANA DE LA SALUD. Educación en saludpublica: nuevas perspectivas para las Américas. Washington, D. C., 2001. p.24-30.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Funciones esencialesde la salude pública: una perspectiva desde las práticas sociales - marco de

referencia para una discusión regional. Washington, D. C., 1998.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 34/414

34

______. Funciones esenciales de salud publica. Washington, D. C.: OMS,2000.

RUIZ, L. De la realidad a las disciplinas: estructuración de las respuestas

educacionales com base en las competencia de las instituciones y de la fuerzade trabajo. In: ORGNIZACÍON PANAMERICANA DE LA SALUD.Educación en salud publica: nuevas perspectivas para las Américas.Washington, D. C., 2001. p. 134-61.

SHON, D. A. Educating the reflective practitioner. New York: Jossey-Bass,1989.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 35/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

35

I Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade do Estado do Tocantins

Angelita K. Freitas1

Raquel de M. S. Araújo2

Shirlaine V. A. Barbosa3

 A gestão estadual da educação em saúde como espaçode criação e experimentação coletiva de respostasaos desafios locorregionais na formação profissional 

 para o Sistema Único de Saúde

1 Cirurgiã-dentista, sanitarista, técnica da Gerência de Pesquisa e Pós-graduação (GPP), da Coordenaçãode Gestão da Educação na Saúde (CGES), da Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Tocantins (SES/TO). E-mail: [email protected].

2 Psicóloga, mestre em Saúde Pública, professora do curso de psicologia do Centro Universitário dePalmas/Universidade Luterana do Brasil (CEULP/ULBRA), gerente de Pesquisa e Pós-graduação na CGES/SES/TO. E-mail: [email protected].

3 Assistente Social, sanitarista, professora do curso de serviço social do CEULP/ULBRA; coordenadora daCGES/SES/TO. E-mail: [email protected];

4 Psicóloga, técnica da coordenação da CGES/SES/TO. E-mail: [email protected] Psicólogo, mestrando em Filosofia Contemporânea (UFC), professor do Curso de Psicologia do CEULP/

ULBRA, técnico da GPP/CGES/SES/TO. E-mail: [email protected].

6 Administrador, técnico da GPP/CGES/SES/TO. E-mail: [email protected] Graduanda em História da Universidade Federal de Tocantins (UFT), assistente administrativo da GPP/

CGES/SES/TO. E-mail: [email protected].

Resumo: O texto relata as experiências vividas pela Gerência de Pesquisa ePós-graduação (GPP) da Coordenação de Gestão da Educação na Saúde(CGES), Diretoria de Recursos Humanos (DRH) da Secretaria de Estadoda Saúde do Tocantins (SES/TO), no que se refere aos principais desafios eestratégias de enfrentamento adotados no complexo processo de criação e

desenvolvimento da   I Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade do Estado do Tocantins (I RMSFCT).

Palavras-chave: Residência Multiprofissinal, Gestão estadual da educaçãoem saúde, Educação Permanente.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 36/414

36

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 37/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

37

1 - Introdução

O processo de construção de estratégias de resposta aos desafios quecostumam se apresentar no desenvolvimento de um curso de pós-graduação

não apresenta configuração simples. O fato de que se pretenda a realização detal curso no formato didático-pedagógico de uma Residência Multiprofissionalpública numa área da Saúde Coletiva torna tal processo certamente ainda maiscomplexo pela quantidade e qualidade dos recursos demandados – financeiros,logísticos, institucionais, humanos. No caso da I RMSFCT, as peculiaridadesda realidade regional da formação profissional em saúde apenas contribuemna ampliação desses complexos desafios – os reconhecidos limites dos recursosinstitucionais do ensino superior público na Região Norte do Brasil ganha

expressão, no recente Estado do Tocantins, na ainda pequena participação desuas instituições públicas de ensino superior, no âmbito da formação profissionalpara atuação na saúde e, conseqüentemente, na inexistência, no âmbito destasinstituições, de consolidados Programas de Pós-Graduação em Saúde, voltadosa atender às demandas de pesquisa, formação e requalificação da saúde pública.

Mesmo reconhecendo a complexidade de tal cenário, apresentou-se umconsenso para a SES/TO, através da GPP de sua CGES, que o mesmo nãopoderia ser, todavia, suficiente para ofuscar o caráter oportuno da eficácia

apresentada por um curso dessa natureza. Esta residência se apresenta comoum instrumento privilegiado de enfrentamento efetivo de seus desafioslocorregionais na formação para atuação profissional no Sistema Único de Saúde(SUS), particularmente quando o mesmo se encontra concentrado no âmbitoda Saúde da Família e Comunidade, locus fundamental de uma atenção à saúdeque, tendo já superado modelos naturalistas, curativistas e medicamentoso-centrados, possibilita a consolidação estadual de uma rede de atenção à saúdedos cidadãos coerente com os princípios do SUS.

Dessa forma, ainda no primeiro semestre do ano de 2006, o FundoNacional de Saúde (FNS) e o Departamento de Gestão da Educação na Saúde(Deges), da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde (SGTES),Ministério da Saúde (MS), receberam o Projeto da I ResidênciaMultiprofissional e Médica em Saúde da Família e Comunidade do Tocantins,o qual, tendo como público-alvo cinco categorias profissionais (odontologia,enfermagem, medicina, psicologia e serviço social), pleiteava a obtenção derecursos para o custeio de bolsas para 24 discentes e 15 docentes – um

coordenador pedagógico, cinco supervisores acadêmicos e nove supervisoresde serviço –, objetivando a formação multiprofissional e interdisciplinar de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 38/414

38

especialistas (modalidade residência) em saúde da família e comunidade. Paratanto, utilizar-se-ão metodologias ativas de aprendizagem centradas nasvivências de ações de cuidado no âmbito do SUS, tendo por base o modeloassistencial proposto pela  Estratégia de Saúde da Família (ESF), visando, em

conseqüência, facilitar o desenvolvimento de processos de trabalho em saúdeno Tocantins, fundamentados nos princípios da universalidade, equidade eintegralidade, isto é, que, tendo como base a realidade local, sejam capazes deassociar conhecimentos popular e científico, competência técnica e posturaética, atuando a partir de uma concepção da vigilância em saúde como umaresposta social organizada às situações de saúde. Assim, por meio da combinaçãodas estratégias de intervenção, promoção da saúde, prevenção de doenças eagravos e atenção curativa, busca-se compreender a rede de relações que se

estabelecem entre indivíduo, família, comunidade e diferentes grupos sociaiscomo sujeitos do seu processo de viver e ser saudável nas diferentes etapas deseu ciclo vital e inserção social.

Tendo obtido parecer técnico favorável no segundo semestre de 2006,espera-se que a I RMSFCT possa ser realizada no primeiro semestre do ano de2007. Diante disso, ainda não compõe seu histórico a realização de todos osmomentos de um curso de sua natureza. Mesmo assim, a I RMSFCT apresentajá todo um conjunto de processos estruturantes cujos princípios subjacentes

merecem ser conhecidos e pensados de modo detido, sendo essa a finalidadeúltima deste artigo.

2 - Um espaço público de criação e experimentação coletiva

Tem se demonstrado fundamental ao processo de desenvolvimento da IRMSFCT a existência de um espaço institucional público propício à criação e

experimentação coletiva de respostas aos desafios locorregionais na formação  profissional para o SUS – há de se recordar a esta altura que os modelosinstitucionais tradicionais de formação profissional em saúde, como afirmadoacima, apresentam condições bem peculiares em toda a Região Norte brasileirae, especialmente, no Estado do Tocantins. Neste caso, a própria gestão estadualda educação em saúde, através da CGES, vem sendo este espaço, desde o anode 2003.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 39/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 40/414

40

princípios de uma formação voltada para o atendimento das peculiaresnecessidades de consolidação locos-regional do SUS. Todos essescritérios apontaram, naturalmente, em direção à FMT, ente de direitopúblico vinculado à SES/TO que, em 2001, nasceu com o objetivo

principal de atuação como instância geradora e mediadora de políticas,estratégias, estudos, pesquisas e ações ténico-científicas que visem àidentificação, tratamento e erradicação de doenças tropicais einfecciosas, e que recentemente tem desenvolvido um caráter maisamplo nos processos de formação no Tocantins responsabilizando-se, atualmente, com diversas áreas de conhecimento do campo dasaúde pública. Assim que a FMT, por meio de sua Diretoria de Ensino/Instituto de Medicina Tropical do Tocantins, foi escolhida comoinstituição responsável pela titulação discente e pela coordenação geralda I RMSFCT.

♦ Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Palmas (SMS):estruturante ainda são as negociações com a SMS no sentido de quese configure sua rede municipal de cuidados à saúde como campoonde se darão as experiências de aprendizagem em serviço do curso.Como este é um projeto piloto, a escolha da cidade de Palmas semostrou estratégica, por esta ser a capital de Tocantins, por sualocalização geográfica central e ainda por sua capacidade docenteadvinda da maior concentração de instituições de ensino.

  Áreas técnicas da SES/TO: também a participação, contribuições ecompromisso de outras instâncias institucionais da própria SES/TOtêm se demonstrado fundamentais. Como exemplo disso, destacam-se setores como a atenção básica, pelo fato de realizar a gestão daEstratégia Saúde da Família, e a Assessoria de Planejamento, por serresponsável pela articulação dos processos de organização do sistema.

♦ Conselhos de categoria profissional: embora seja gerador de situaçõesconflituosas, o convite aos conselhos das categorias profissionaisenvolvidas na I RMSFCT para a discussão de seu desenvolvimento,

tem se apresentado extremamente relevante, por possibilitar aemergência e tratamento em cenários públicos e coletivos daquelesdesencontros de interesses das classes profissionais de saúderesponsáveis pelas históricas dificuldades presentes no cotidiano daspráticas de cuidado em equipes multiprofissionais, provocando asensibilização destas classes para a necessidade do rompimento demodelos corporativos que impossibilitam a efetivação de um cuidadointegral à saúde da população.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 41/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

41

B. Criar e experimentar coletivamente

Muito embora seja evidente a necessidade de que a celebração de taisparcerias, uma vez que institucionais, apresentem um cuidado no plano de suaformalidade, uma dimensão fundamental na efetivação das mesmas é o cuidado

na condução dos processos em que as mesmas ganham concretude, isto é, noplanejamento, execução e avaliação de atividades em que participam os váriosparceiros. Nesse sentido, não apenas o reconhecimento dos desafios a seremenfrentados a cada momento da trajetória precisa ser um produto de trabalhocoletivo. Igualmente coletivo deve ser o processo de criação de estratégias querespondam aos mesmos.

Para tanto, dois elementos são fundamentais: a clareza dasresponsabilidades e papéis de cada um dos parceiros e o registro e ampladivulgação de todas as construções coletivas (resumos executivos de reuniões,por exemplo), documentos nos quais ganham corpo físico os princípiosdemocráticos que, por vezes, perdem-se no plano meramente oral.

Outra experiência valiosa tem sido o cultivo de um clima deexperimentação, a partir do qual tem sido possível a assunção coletiva doserros e acertos, proporcionando vivências de aprendizagem coletiva (eindividual) promotoras de sentimentos de satisfação, sem os quais, muito

provavelmente, as dificuldades enfrentadas, por vezes, aparentementeintransponíveis, teriam afastado do processo muitos dos atores envolvidos nestaempreitada.

3 - Uma política local de educação em saúde

Não se resume, todavia, à dimensão da facilitação dos processos deparcerização o papel da gestão estadual em saúde. De imensa importância tem

se demonstrado o fato de que, por meio da CGES, a SES/TO venha praticandouma política local de gestão dos processos de formação profissional paraatuação em saúde. Sem a mesma, muito do caráter oportuno e eficaz de umaResidência em Saúde, mesmo que concentrada no âmbito da Saúde da Famíliae Comunidade, poderia acabar por perder sua força, uma vez que no seuprocesso de efetivação apresentaria contradições tão severas entre seu discursoe prática que não demoraria por tornar-se mais um curso distanciado dos reaisproblemas da saúde da população.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 42/414

42

A. Compromisso com a Educação Permanente

Nesse sentido, a Educação Permanente em Saúde (EPS), seja comopolítica de Estado seja como macro-perspectiva didático-pedagógica, teminstruído todos os processos educacionais que nascem da gestão estadual daeducação em saúde da SES/TO, por meio da CGES. Embora tal perspectivanão seja uma novidade, não parece ser desnecessário entender como talcompromisso tem buscado expressão neste curso, pelo menos em duas de suasdimensões fundamentais:

a) Ênfase na aprendizagem em situação de trabalho, onde o aprender e oensinar se incorporam ao quotidiano das organizações e ao processo detrabalho.

♦ No caso da I RMSFCT, tal princípio é responsável pelo fato de que

das suas 6.240h (seis mil duzentas e quarenta horas) totais, 4.992h(quatro mil novecentas e noventa e duas horas) serão de experiênciasde aprendizagem em serviço, as quais, embora concentradasmajoritariamente nos vários serviços da atenção básica, contarãotambém com experiências nos outros dois níveis da atenção.

♦ Outra forma de expressão do princípio é o fato de que todas asexperiências de natureza teórico-conceitual terão como finalidade aqualificação teórico-metodológica dos serviços em prática.

b) Ênfase na facilitação de transformações nas práticas profissionais e naorganização do trabalho e sistemas de serviço em saúde à luz daproblematização das experiências cotidianas de cuidado.

♦ Nesse sentido, parte das experiências de natureza teórico-conceitualbuscarão ter como foco temático a perspectiva da gestão naorganização de uma rede municipal sistêmica de serviços de cuidado;

♦ Entende-se que, assim contribui esta experiência de formaçãoprofissional para atuação em saúde pública com o desenvolvimento

de níveis locais de gestão, um dos maiores desafios à efetivação de umdos princípios mais fundamentais do SUS, a descentralização dosserviços e gestão.

B. Compromisso com metodologias ativas de educação

Partir da educação permanente tem levado todos os envolvidos na IRMSFCT ao entendimento paulatino do cotidiano dos serviços locais de saúdena condição de espaço privilegiado para a revisão e produção de novas formas

de expressão de subjetividades (dos servidores, dos clientes, dos gestores, dosdiscentes e docentes etc.) e de criação e experimentação de práticas de cuidado,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 43/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

43

levando a um só tempo, à revisão de concepções de educação e de cuidadocentradas no suposto conhecimento e atividade do professor/profissional desaúde e na suposta ignorância passividade do estudante/cliente dos serviços desaúde.

Esse é um caminho que já vem sendo trilhado, há algum tempo, pelagestão estadual da educação em saúde da SES/TO em vários outros de seusprocessos de pós-graduação (especializações, aperfeiçoamentos, capacitaçõesetc.). Tem-se buscado encontrar práticas e instrumentos viabilizadores dodesenvolvimento e da condução dos mesmos, a partir de concepçõesconstrutivista-interacionistas e problematizadoras dos processos deaprendizagem e de cuidado, a partir das quais se possa superar a ênfase natransmissão de conhecimentos produzidos em realidades epidemiológicas e

realidades institucionais distintas da tocantinense e que são, por vezes, assumidascomo “revelações” que, embora não apresentem qualquer nível de respostasatisfatória às necessidades locorregionais, “devem” ser praticadas,demonstrando habitarem, aprendizagem e cuidado, dimensões da existênciahumana que se encontram para muito além do meramente lógico-reflexivo.

 A seguir, são apresentadas algumas práticas e instrumentos experimentaisa partir dos quais se tem buscado dar concretude a estes princípios:

a) Construindo currículos coletivamente:

♦ o manejo da construção coletiva de currículos já vem sendo testado,com bons resultados, pela gestão estadual da educação em saúdetocantinense em, pelo menos, três cursos de especialização que contam,em algum nível, com a colaboração e/ou coordenação da CGES: a

 Especialização em Saúde da Família, fruto de parceria entre CGES eUniversidade Federal do Tocantins (UFT), foi a primeira experiêncianesta perspectiva, tendo sido concluída sua terceira edição; a

  Especialização em Processos Educacionais em Saúde, realizada pelaCGES em parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP),ainda em andamento; a Especialização Vigilância em Saúde: Controlede Zoonoses, realizada pela FMT com a colaboração pedagógica daCGES, também em andamento;

♦ construir um currículo coletivamente, chamando para o processorepresentantes dos atores locais que, em certo sentido, serão servidos(controle social, discentes etc.) e/ou  servirão (servidores, gestores,docentes etc.) tem, no mínimo, dois grandes motivos interdependentes:(1) dar corpo ao princípio democrático da participação de todos aquelesnaturalmente envolvidos num processo/programa/projeto de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 44/414

44

financiamento público e (2) garantir que tais processos/programas/projetos tenham como resultado, de fato, respostas às deficiências eproblemas dos serviços públicos; uma vez que a eleição de temáticasque instruirão os arranjos curriculares a serem posteriormente

praticados acabará por refletir as perspectivas e interesses dos diversosatores públicos participantes, em suas contradições oucomplementações, tal qual se dá no plano micro ou macro-políticocotidiano de um estado democrático.

b) Criando espaço ao desenvolvimento da consciência investigativa noâmbito dos serviços de cuidado:

♦ buscar de fato seguir os princípios da educação permanente temforçado ainda a testagem de instrumentos didático-pedagógicos

possibilitadores de que os cursos praticados no âmbito da formaçãoprofissional para a atuação nos serviços públicos de saúde se dêem àluz da concepção de pesquisa estratégica, isto é, voltada aodesenvolvimento de práticas e saberes (das mais diversas matrizesepistemológicas) que respondam aos desafios presentes nodesenvolvimento da excelência dos serviços públicos de cuidado;

♦ um dos instrumentos testados tem sido a criação de módulosintrodutórios nos cursos, a partir da reflexão e vivência das situações-

problema dos processos de trabalho dos discentes, de esboços de pré- projetos de investigação, que deverão acompanhar, dando-lheshorizonte concreto (os próprios desafios cotidianos do serviço), todasas experiências de estudo e aprendizagem posteriores. Os interessesinvestigativos dos discentes, centrados nas necessidades dos serviços,são categorizados em três ou quatro grandes linhas de investigação,que auxiliarão a coordenação dos cursos, assim como os docentes eorientadores de investigação nas escolhas das estratégias (textuais,

vivenciais etc.) provocadores de aprendizagem. Aparentemente, talinstrumento pode garantir, a um só tempo, que o formato de encontrosmodulares de estudo (quase que universalmente utilizado em processosde pós-graduação em serviço, devido à sua adequação aos horários defuncionamento destes) não acabem por fragmentar os processoseducativos realizados e que, ao final, os mesmos acabem por apresentar,em qualquer nível, produtos concretos de resposta às necessidadesdos serviços.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 45/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

45

4 - Considerações finais

Faz-se necessário ressaltar a importância da iniciativa do Deges/SGTES/MS em realizar a presente publicação, na qual se oportuniza o diálogo

e a troca de experiências quanto às Residências Multiprofissionais brasileiras,num momento em que têm se dado passos fundamentais no processo deconfiguração desse modelo de formação para atuação profissional em saúde,cujos desdobramentos históricos se apresentam promissores na tão almejadaconsolidação do SUS.

Nesse sentido, espera-se que, ao compartilhar as experiências e asreflexões advindas do desenvolvimento da I RMSFCT, este texto possa darsua própria contribuição. Particularmente com aqueles espaços de gestão

estadual que entendam ser também sua a tarefa de construção e desenvolvimentodeste modelo de trabalho e educação em saúde.

Referência bibliográfica:

Governo do Estado do Tocantins. Diário Oficial.

Disponível em: <http://tocantins.cepe.com.br>.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 46/414

46

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 47/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

47

Residência Multiprofissional em Saúde da Família: a experiênciada parceria entre o Instituto de Saúde Coletiva e a Escola Estadual 

de Saúde Pública na Bahia

Ana Luiza Queiroz Vilasbôas1

1 Médica, doutora em saúde pública, servidora da Escola Estadual de Saúde Pública da Secretaria de Saúdedo Estado da Bahia, coordenadora do curso de especialização em medicina social, sob a forma deresidência, área de concentração saúde da família. E-mail: [email protected].

Resumo: A Residência Multiprofissional em Saúde da Família foi criada em1997 por decisão conjunta da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia e doInstituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia. Assume como

pressuposto tecnológico a noção de vigilância a saúde como modelo dereorganização da atenção à saúde, para definir os objetivos terminais daformação do especialista para atuar preferencialmente na implantação daEstratégia de Saúde da Família no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS).

 Apresenta-se a estrutura curricular e as formas de organização das práticasdo curso, com destaque para a articulação ensino-serviço, tomando-se otrabalho das equipes como eixo do processo de ensino-aprendizagem dosalunos, possibilitando, também, a criação de tecnologias para qualificar a

implantação da Saúde da Família na Bahia. São discutidas as perspectivas eos desafios postos para esse tipo de formação, destacando-se questões sobrea estabilidade do financiamento e de sua certificação.

Palavras-chaves: Formação de Recursos Humanos, ResidênciaMultiprofissional em Saúde, Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 48/414

48

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 49/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

49

1 - Contexto de criação da residência

 A Residência Multiprofissional em Saúde da Família foi proposta, em1997, como uma das atividades nucleares do Pólo de Capacitação, Formação e

Educação Permanente para o Pessoal de Saúde da Família do Estado da Bahia,espaço de articulação interinstitucional conduzido pela Secretaria de Saúdedo Estado da Bahia (Sesab), em parceria com a Universidade Federal da Bahia(UFBA), por meio do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) e os Departamentos deSaúde das Universidades Estaduais. Nos anos seguintes, outras instituições deensino agregaram-se ao pólo, a exemplo da Escola de Enfermagem da UFBA,da Universidade Católica do Salvador e da Fundação Baiana para oDesenvolvimento das Ciências. O pólo desenvolveu suas atividades entre 1997

e 2003, momento em que o Estado da Bahia iniciou as articulações para acriação da Rede de Pólos Regionais de Educação Permanente em Saúde, segundoas diretrizes da política nacional correspondente.

  A decisão da criação do curso foi um posicionamento políticocompartilhado entre os dirigentes da SESAB e do ISC. Naquela ocasião, existiauma forte relação interinstitucional entre aquelas organizações no campo dacooperação técnica para impulsionar determinadas ações estratégicas para odesenvolvimento do Sistema Único de Saúde no Estado, a exemplo da

implantação do Programa de Saúde da Família (PSF) e da expansão do Programade Agentes Comunitários de Saúde (PACS). A ampliação das bolsas e o retornodo formato multiprofissional à Residência em Medicina Social, permitiu umanova formatação do curso, com ênfase em saúde da família. Assim, em 1997,realizou-se o primeiro processo seletivo para médicos, enfermeiros,odontólogos, nutricionistas, assistentes sociais e psicólogos. Todas as vagasforam preenchidas. Em 2000, as vagas foram ampliadas para 30. Em 2001,foram criadas vagas para farmacêuticos. Em 2003, para fisioterapeutas. Em

2004, a oferta ficou restrita à medicina, enfermagem e odontologia. Em 2006,por força da Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, foram abertas vagas paraenfermagem e odontologia.

 A oferta desse curso buscou atender às necessidades de formação depessoal qualificado para atuar no processo de implantação do Programa deSaúde da Família, em curso no Estado da Bahia e no Brasil. Compreendia-seque a formação de especialistas poderia contribuir para a qualificação doprocesso de implantação do Programa de Saúde da Família em nível municipal,

estadual e nacional, não só na execução direta das práticas individuais e coletivasde saúde para as comunidades assistidas, como na coordenação e gestão da

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 50/414

50

implementação dessa política nas três esferas administrativas que compõem oSUS.

 As atividades realizadas no curso têm contribuído para a produção detecnologias assistenciais e gerenciais, com vistas ao apoio à implantação dasaúde da família no estado. Entre tais iniciativas, destacam-se o Manual deTreinamento Introdutório para Equipes de Saúde da Família, os Protocolos de

 Atenção Básica, a Certificação de Equipes de Saúde da Família, instrumentosde supervisão para equipes de Saúde da Família, Manual de Abordagem do

 Alcoolismo, Programação da Atenção Básica.

No período de atuação do Pólo de Educação Permanente para pessoal desaúde da família, observou-se uma interfertilização entre a residência e os cursosde especialização para a gestão do PACS e em saúde da família, oferecidosmediante parceria com outras universidades integrantes do pólo. A reflexãosobre a prática profissional dos alunos em diferentes contextos municipaiscontribuiu para uma melhor apropriação do corpo docente, envolvido com osdois formatos de especialização, sobre as necessidades discentes, considerandoa possível repercussão de seu trabalho no processo de implantação do PSF noestado. Foi possível aperfeiçoar o processo de ensino-aprendizagem dos doisformatos de especialização, com definição mais precisa dos objetivos específicose, conseqüentemente, do conteúdo a ser trabalhado com os alunos.

2 - Objetivos do curso

  A Residência Multiprofissional em Saúde da Família é um curso deespecialização realizado de modo conjunto pelo Instituto de Saúde Coletiva daUniversidade Federal da Bahia e pela Escola de Saúde Pública da Secretaria deSaúde do Estado da Bahia. Seu objetivo principal é qualificar profissionais de

saúde, de modo a desenvolverem competências para a execução e coordenaçãode práticas de saúde integrais, oportunas, contínuas e de qualidade, destinadasa territórios–populações delimitados, no espaço de atuação do Programa deSaúde da Família. A concepção da vigilância em saúde, como modelo assistencial,é a base da organização tecnológica do processo de trabalho dos residentes esobre a qual foram definidos os objetivos específicos do curso.

Tais objetivos correspondem ao desenvolvimento de competênciasvinculadas às práticas nos campos da clínica e da saúde coletiva, articuladas

por práticas gerenciais, segundo os princípios que conformam a gestão doSistema Único de Saúde, com destaque para a participação social.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 51/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

51

Espera-se que os alunos, ao final do curso, sejam capazes de diagnosticaros problemas de saúde das famílias e indivíduos assistidos, utilizando oinstrumental da clínica e da epidemiologia, solicitando e interpretando exameslaboratoriais básicos e assegurando resolutividade adequada à atenção primária

à saúde. É fundamental a capacidade de reconhecer e encaminharadequadamente os pacientes cujos problemas apresentados ultrapassam oalcance de atuação da equipe multiprofissional de saúde. O desenvolvimentode intervenções para promoção da saúde, prevenção e tratamento da doença,adequadas aos recursos disponíveis busca operacionalizar o princípio daintegralidade da atenção, ao lado do estímulo à realização de ações educativasjunto à comunidade e à execução de ações de vigilância epidemiológica.

Quanto à abordagem familiar, o curso busca oferecer os meios

tecnológicos para que os alunos sejam capazes de compreender a família comoum sistema aberto, em permanente interação com o mundo exterior,identificando os fatores de riscos que ameaçam o equilíbrio da família, suasnecessidades nas diversas fases de seu ciclo vital e os aspectos da dinâmicafamiliar que agravam ou mantêm doenças físicas e mentais.

Em relação à organização do processo de trabalho das equipesmultiprofissionais, base para a gerência de Unidades Básicas de Saúde, o cursooferece, aos alunos, um conjunto de métodos e técnicas de planejamento eprogramação local em saúde, com enfoque estratégico, o que exige aapropriação do território em toda sua complexidade socioeconômica e culturale o desvelamento de suas relações com o processo saúde-doença da populaçãoa ele adscrita, além da capacidade de construir indicadores de saúde a partirdos sistemas oficiais de informação, ao lado da apropriação de técnicas deestimativa rápida junto a informantes-chaves da comunidade.

O reconhecimento da complexidade da gestão do conhecimento

interdisciplinar para o planejamento e a execução de ações resolutivas para oenfrentamento dos problemas prioritários que acometem a população de umdeterminado território, inclui, entre os objetivos específicos do curso, odesenvolvimento de habilidades relacionadas com o trabalho em equipe, oreconhecimento e o respeito às diversidades culturais existentes na comunidadee entre as famílias. Requer a capacidade de lidar com os conflitos de modocrítico e criativo.

 Além disso, considera-se essencial que o aluno adquira a capacidade de

analisar o contexto político-institucional em que o processo de implantação daEstratégia Saúde da Família ocorre, o que exige a incorporação de conteúdos

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 52/414

52

relativos à atualização em políticas de saúde e suas repercussões sobre ossistemas locais de saúde.

No segundo ano do curso, os objetivos específicos relacionam-se com ascompetências esperadas para o aperfeiçoamento do processo de implantaçãoda Estratégia Saúde da Família, em especial, nos níveis municipal e estadual dagestão do SUS. Assim, os alunos são estimulados a se tornarem aptos a utilizartécnicas de planejamento e programação em saúde como ferramentas de gestãopara a coordenação de equipes de saúde da família nos âmbitos municipal,regional e estadual; a construir e avaliar indicadores de atenção básica; aidentificar, desenvolver e utilizar instrumentos de supervisão ao trabalho deequipes de saúde da família e das coordenações municipais e regionais deatenção básica. E, por fim, a identificar, desenvolver e realizar diversos formatos

de capacitação de equipes de saúde da família.

3 - Estrutura curricular: disciplinas e atividades práticas do curso

Os objetivos específicos conformam a base para a organização curriculardo curso, atendendo ao formato de disciplinas e atividades obrigatórias, cujacarga horária e conteúdo programático apresentam-se em anexo, conforme as

normas vigentes para os cursos de pós-graduação lato sensu da UniversidadeFederal da Bahia, e de modo a atender, também, aos princípios pedagógicos daresidência, que tomam a prática profissional como eixo do processo de ensino-aprendizagem.

Para atingir os objetivos propostos, o curso tem duração de dois anos,em regime de tempo integral, com 60 horas semanais distribuídas em atividadesclínicas, educativas e de saúde coletiva, realizadas em Salvador e em municípiosdo interior do estado que estejam implantando a Estratégia Saúde da Família,

totalizando, ao final de dois anos, 5.550 horas.O formato do curso, sob a forma de uma residência, tem como eixo

pedagógico, o processo de trabalho de equipes de saúde da família e dascoordenações responsáveis pela gestão do Programa de Saúde da Família, emnível municipal e estadual. Assim, o curso é desenhado de modo a articular ateoria com a prática dos alunos. Nessa perspectiva, o curso assume pressupostosda educação permanente, na medida em que o trabalho concreto das equipes edas coordenações de saúde da família são espaços de ensino-aprendizagem dos

residentes e dos profissionais que interagem em suas atividades diárias. Essainteração provoca um processo circular de ação-reflexão-ação que é

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 53/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

53

compartilhado, de modo variável, entre residentes e equipes, contribuindo paraa construção de soluções para os problemas identificados.

 Atualmente, os alunos do primeiro ano desenvolvem suas atividadespráticas em Unidades de Saúde da Família do Município de Salvador. No segundoano, o estágio em coordenação municipal é realizado em Salvador, Camaçari,Lauro de Freitas, Alagoinhas e Vitória da Conquista. O estágio no nível estadualé realizado na Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estadoda Bahia.

Quanto aos estágios clínicos, durante o primeiro ano, os residentes, alémdos turnos de consulta assegurados nas Unidades de Saúde da Família, têm umturno adicional em unidades assistenciais da Universidade Federal da Bahia,com atividades programadas em função de necessidades identificadas pelossupervisores específicos de enfermagem e odontologia. No segundo ano, osestágios são realizados em unidades e serviços de referência, a exemplo doCAPS, do Centro de Especialidades Odontológicas e do Serviço de AtendimentoMóvel de Urgência (SAMU) nos municípios que se relacionam com o curso.

 Assim, a semana típica dos residentes do primeiro ano é composta deum dia de atividades teórico-práticas em clínica da família e no conteúdointerdisciplinar de saúde coletiva. A clínica da família organiza-se sob a forma

de discussão de casos, segundo abordagem familiar sistêmica, semináriosinterdisciplinares e consultorias clínicas específicas por categoria profissional. As disciplinas de saúde coletiva organizam-se em formato tutorial, a partir dosconceitos-chaves relacionados com os objetivos específicos do curso atinentesa esse campo de saber.

No primeiro ano, as atividades práticas são desenvolvidas em Unidadesde Saúde da Família e respectivas áreas de abrangência, em parceria com asequipes existentes nesses locais. A população de cada área é acompanhada em

função de problemas prioritários definidos no processo de planejamento e nademanda espontânea captada pelas equipes. Os residentes se inserem nocotidiano das equipes desde o primeiro momento, desenvolvendo consultasclínicas por categoria profissional, visitas domiciliares multiprofissionais, açõesde vigilância epidemiológica e sanitária, condução de grupos educativos nacomunidade. A depender da avaliação cognitiva de cada aluno são programadosestágios clínicos específicos, voltados para a aquisição de competências paraenfrentamento dos problemas mais prevalentes no Estado da Bahia.

No segundo ano, os residentes discutem aspectos teórico-metodológicosdos temas que são objeto de suas práticas junto às coordenações municipais,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 54/414

54

coordenação estadual do PSF e unidades de referência, em semináriosquinzenais. Nas coordenações municipais da Estratégia de Saúde da Família,os alunos realizam atividades pertinentes ao processo de implantação,acompanhamento e supervisão de equipes de saúde da família. Os critérios de

seleção dos municípios incluem seu compromisso com o processo deimplantação da saúde da família e suas possibilidades materiais de receberemos alunos pelo período de seis meses. Nesses municípios, os alunos realizamestágios clínicos em centros de referência. Os residentes são inseridos naDiretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia,desenvolvendo ações acordadas com a equipe técnica, visando interagir noprocesso de implantação e qualificação da Estratégia de Saúde da Família noestado. Assim, desenvolvem ações de supervisão, monitoramento e avaliação,

educação permanente junto às diretorias regionais de saúde e a secretariasmunicipais de saúde.

4 - Supervisão e qualificação docente

No primeiro ano, os supervisores de processo, com formação em saúdecoletiva, são responsáveis por equipes multiprofissionais de residentes. A partir

da análise da situação de saúde de cada área, é elaborado um plano de açãopara o enfrentamento dos problemas prioritários, de comum acordo com asequipes locais. Esse instrumento é a base do processo de supervisão. Quandoos supervisores de processo identificam a necessidade de uma intervenção maisespecífica, solicitam apoio ao(s) docente(s) responsável(is) pela área temáticamais pertinente à questão. Todos os docentes são doutores, um em educação etrês em saúde pública. Esses docentes são responsáveis pela condução dassessões teórico-práticas mencionadas anteriormente, que ocorrem

semanalmente. Participam obrigatoriamente dessas sessões todos os supervisoresespecíficos e de processo.

 Atualmente, há quatro supervisores de processo: dois especialistas emmedicina social, um doutorando em saúde pública e um mestrando em saúdecomunitária. Destes, três são egressos dessa Residência Multiprofissional emSaúde da Família. Cada supervisor acompanha duas duplas de residentes.

Cada categoria profissional tem um supervisor específico, responsávelpelo acompanhamento semanal das atividades clínicas, em articulação com o

profissional da equipe de saúde da família, ao qual o residente está vinculado.São três supervisores específicos, dois enfermeiros e um odontólogo, sendo

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 55/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

55

um doutorando, um mestre e um especialista. A carga horária semanal desupervisão permite a distribuição de um supervisor específico para trêsresidentes.

No segundo ano, a supervisão municipal e do nível central da Sesab temperiodicidade quinzenal e está sob a responsabilidade de três supervisores, umdoutor, um doutorando e um mestrando.

5 - Avaliação

 A avaliação discente é desenvolvida de forma processual e por etapas. Aavaliação processual está baseada no desempenho cotidiano dos alunos nas

atividades práticas e em sua participação nas atividades teóricas. A avaliaçãopor etapas é realizada pelo conjunto dos docentes, por meio dos produtosparciais elaborados pelos residentes, derivados do planejamento e da realizaçãodas práticas (planos operativos, cronogramas semanais de atividades, inventáriofamiliar, propostas de capacitação, sala de espera etc.). Em cada área temáticase procede avaliações específicas.

O desempenho nas atividades práticas é acompanhado sistematicamentepelos supervisores. Aspectos como responsabilidade, interesse, assiduidade,

pontualidade, criatividade, capacidade de liderança e qualidade na execuçãodas tarefas são priorizados. O aluno é aprovado se obtiver sete como notamínima e 75% de freqüência, obedecendo às normas de pós-graduação daUniversidade Federal da Bahia.

Desde 2002, a coordenação do curso tem desenvolvido um processosistemático de avaliação do curso, mediante a aplicação de instrumentosindividuais e anônimos, preenchidos pelos alunos sobre a infra-estrutura efuncionamento do curso, com destaque para as questões pedagógicas e da

relação ensino-serviço. Os resultados são apresentados ao final de cada anoletivo no seminário anual de avaliação e programação, o que tem contribuídopara modificar estratégias pedagógicas, a exemplo da introdução das sessõestutoriais em saúde coletiva, rompendo o recorte disciplinar anterior.

6 - Recursos e apoio institucional para a realização da residência

O Instituto de Saúde Coletiva da UFBA e a Escola Estadual de Saúde

Pública da Sesab são as instituições executoras do curso. Os alunos fazem jusa uma bolsa no mesmo valor da bolsa da Residência Médica, paga pela Sesab,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 56/414

56

que também contribui com parte da manutenção do curso. A UFBA coloca àdisposição dos alunos recursos bibliográficos e acesso à micro-informática parao melhor desempenho de suas atividades, além de salas de aula. Os docentesdo curso, todos com curso de mestrado ou doutorado, pertencem aos quadros

do Instituto de Saúde Coletiva, de outras unidades acadêmicas da UFBA e daEscola Estadual de Saúde Pública.

 Atualmente, as práticas dos residentes têm sido realizadas em municípiosintegrantes do Proesf e na Coordenação Estadual da Atenção Básica. Osmunicípios do interior do estado assumem as despesas de alimentação,deslocamento e hospedagem dos residentes.

Desde 2002, o Ministério da Saúde vem contribuindo com recursosfinanceiros importantes para a manutenção das atividades do curso. Entre 2002e 2004, mediante um contrato oriundo de recursos do Projeto Reforsus. Emjulho de 2004, a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde(SGTES) aprovou convênio e repassou recursos financeiros para o apoio àsatividades do curso para o biênio 2004-2006.

7 - Onde estão os egressos?

Entre 1997 e fevereiro de 2006 foram formados 171 residentes. Osegressos têm sido contratados por secretarias municipais de saúde da Bahia ede outros estados da Região Nordeste e pela Sesab para executarem funçõesde coordenação da implantação do PSF. Há inserção de egressos no Ministérioda Saúde e na Fiocruz. Outros egressos atuam como membros de equipes desaúde da família. Cerca de 20 alunos continuaram sua formação acadêmica,obtendo o título de mestre. Destes, seis são alunos do doutorado em saúdepública oferecido pelo Instituto de Saúde Coletiva. Recentemente, uma das

alunas foi aprovada em concurso para professor assistente da UniversidadeFederal do Recôncavo. Alguns egressos também atuam como docentes degraduação de universidades privadas.

 Apesar do curso ainda não dispor dos resultados dos possíveis efeitos docurso, a presença de grande parte desses especialistas no processo deimplantação da Estratégia Saúde da Família, especialmente nos municípios eno nível estadual do SUS na Bahia, parecem indicar o acerto da decisão político-institucional compartilhada entre a Sesab e o ISC em investir nesse tipo de

especialização, com vistas a apoiar a reorganização da atenção básica no estado.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 57/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

57

8 - Perspectivas e desafios

 A coordenação e o corpo docente do curso entendem que a ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família é uma estratégia essencial para a

formação de profissionais que possam atuar de modo competente e crítico noprocesso de consolidação da Estratégia Saúde da Família como eixo orientadorda organização da atenção básica no Brasil. Na situação particular desse curso,há um empenho em associar a formação desses profissionais a um processoestruturado de produção de tecnologias e conhecimentos, que possam contribuirpara a superação de certos desafios postos para a atenção básica, a exemplo daintrodução de mecanismos permanentes de melhoria contínua da qualidadetécnico-científica das ações realizadas pelas equipes locais e do fortalecimento

da gestão dos processos de trabalho, pelo uso intensivo de ferramentas deplanejamento, monitoramento e avaliação.

Espera-se, assim, estreitar os laços de cooperação técnica com assecretarias municipais de saúde e com a coordenação estadual parainstitucionalizar a integração entre formação e produção técnico-científica nocampo da atenção básica no Estado da Bahia.

Entre os desafios a serem superados, é essencial um pacto tripartite paraassegurar fontes de financiamento estáveis para esse tipo de formação. E, muito

importante, será a institucionalização de mecanismos de certificação dasResidências Multiprofissionais de Saúde, processo que está sendo conduzidono Ministério da Saúde, por meio da SGTES, com a participação ativa darepresentação docente e discente, além dos atores sociais que representam oslegítimos interesses dos usuários e dos profissionais de saúde no ConselhoNacional de Saúde.

Referência bibliográficaBRASIL. Lei nº 1.129 de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacionalde Inclusão dos Jovens – PROJOVEM e dá outras providências. DiárioOficial da União, Brasília, DF, 1º jul. de 2005.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 58/414

58

Quadro 1 - Estrutura curricular do primeiro ano (R1)

CREDITAÇÃO

06.03.0003.01.00

04.01.0006.03.0004.02.00

23.10.00

00.00.2800.00.0700.00.3523.10.35

CARGA HORÁRIA

TEORIA9045

609060

345

PRÁTICA9030

309060

300

TOTAL18075

90180120

645Total1.680420

21002.745

DISCIPLINA

Clínica da FamíliaCiências sociais em saúdeEducação, comunicação e práticaspedagógicas aplicadas à saúdeEpidemiologia em saúde coletivaPlanejamento e administração em saúde

TOTAL IATIVIDADES OBRIGATÓRIASPráticas em ações básicas de saúdeEstágios clínicos em áreas básicas ITOTAL IITOTAL R1

Estágio1.680420

2100---

Quadro 2 - Estrutura curricular do segundo ano (R2)

CREDITAÇÃO

15.00.0015.00.00

00.00.1800.00.1800.00.0700.00.4315.00.4338.10.78

CARGA HORÁRIA

TEORIA225225

PRÁTICA----

TOTAL225225

Total1.0801.080420

2.5802.8055.550

DISCIPLINA

Tópicos em Saúde da FamíliaTOTAL IATIVIDADES OBRIGATÓRIASPráticas em saúde da família IPráticas em saúde da família IIEstágios clínicos em áreas básicas IITOTAL IITOTAL R2TOTAL GERAL

Estágio1.0801.080420

2.580----

Anexo

Estrutura Curricular e Conteúdo Programático das Disciplinas, ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família, ISC/UFBA/EESP/SESAB

Conteúdo Programático Disciplinar

Disciplina: Clínica da Família

· Abordagem familiar sistêmica.· Família funcional e disfuncional.· Abordagem clínica em saúde do adulto e do idoso (segundo categoria

profissional).· Abordagem clínica em saúde da mulher (segundo categoria

profissional).· Abordagem clínica em saúde da criança (segundo categoria

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 59/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

59

profissional).· Protocolos do cuidado de enfermagem na atenção básica.· Aspectos diagnósticos e terapêuticos da tuberculose e hanseníase

(segundo categoria profissional).

· Promoção da saúde bucal.· Prevenção e tratamento da cárie e doença periodontal.

Disciplina: Epidemiologia em Saúde Coletiva

· Conceito e usos da epidemiologia.· Conceito de risco em epidemiologia.· Indicadores de saúde: socioeconômicos, demográficos e

epidemiológicos (morbidade e mortalidade).· Transição demográfica e epidemiológica da população brasileira.· Sistemas de Informação em Saúde no contexto do Sistema Único de

Saúde· Ações de vigilância em saúde aplicadas ao nível local do sistema de

saúde

Disciplina: Educação, Comunicação e Práticas Pedagógicas aplicadas à Saúde

· Comunicação em saúde.· Vulnerabilidade em saúde.· Promoção da saúde: aspectos conceituais e metodológicos.· Educação em saúde: abordagens aplicadas em atenção primária à

saúde.· Participação popular e controle social na gestão do Sistema Único de

Saúde.· Práticas pedagógicas e educação em saúde.

Disciplina: Planejamento e Administração em Saúde

· Antecedentes históricos do processo de implantação do SUS.· Política Nacional de Atenção Básica à Saúde.· Temas estratégicos da gestão do SUS: descentralização, financiamento,

modelo de atenção e recursos humanos.· Fundamentos do planejamento estratégico-situacional.

· Tecnologias de planejamento e programação local em saúde.· Avaliação em saúde: conceitos, abordagens e estratégias.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 60/414

60

· Avaliação da melhoria da qualidade da estratégia Saúde da Família.· Acolhimento em saúde.

Disciplina: Ciências Sociais em Saúde

· Determinações sócio-culturais do processo saúde-doença-cuidado.· Exclusão social e suas repercussões sobre a saúde.· Trabalho em equipe.· Poder e práticas de saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 61/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

61

Especialização Integrada em Saúde Coletiva modalidadeResidência Multiprofissional: em foco uma experiência de

formação do Centro de Educação Permanente da Saúde do

Município de Aracaju no modelo saúde todo dia.

Aida Celeste de Brito1

Cláudia Menezes Santos2

9

1 Graduada em serviço social pela Universidade Federal de Sergipe, assistente social da SecretariaMunicipal de Saúde de Aracaju, membro da equipe técnica do Centro de Educação Permanente daSaúde. Email: [email protected].

2 Graduada em medicina pela Universidade Federal de Sergipe, médica sanitarista da Secretaria Municipalde Saúde de Aracaju, coordenadora do Centro de Educação Permanente da Saúde.Email: [email protected].

Resumo: A Especialização Integrada em Saúde Coletiva (EISC) – modalidadeResidência Multiprofissional é uma experiência que se configura na lógicada educação permanente, por meio dos espaços pedagógicos e de gestãonuma relação dialógica entre estes e os atores envolvidos. Traz em seuprocesso um diferencial quando propõe a construção coletiva e reforça anecessidade de que os espaços pedagógicos e de avaliação se caracterizemcomo disparadores de reflexões e ações que possam corrigir trajetórias eprovocar mudanças. O processo político-pedagógico está fundamentado na

exposição dos residentes ao processo de trabalho, sua gestão e aos desafiosda implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) no município de Aracaju.É importante objetivar, no cenário da residência, o espaço de trabalho comoespaço marcado pela gestão pedagógica, participativa e democrática, quando,nesse espaço formativo utilizamos o fator de exposição como elemento centralda sua pedagogia, por meio das situações reais e/ou idealizadas. A matériaprima sob a qual atua o trabalhador da saúde é tomada como interaçãonecessária para demandar a articulação dos saberes e técnicas em açõesintencionais que visam à conformação do cuidado e da gestão com base nas

necessidades de saúde, no âmbito da saúde coletiva, o que em última análise,significa o saber-fazer no plano das habilidades e competências cognitivaspara um sanitarista.Palavras-chave: Formação Profissional, Residência Multiprofissional, SaúdeColetiva, Projeto PolíticoPedagógico.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 62/414

62

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 63/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

63

1 – Histórico do programa

 A política de saúde desenvolvida no município de Aracaju toma comomarco teórico orientador o atendimento às necessidades individuais e coletivas

dos usuários, por meio de uma linha de produção do cuidado e tem por objetivofinal a produção de autonomia. Estas intervenções ocorrem a partir da interaçãoentre trabalhador e usuário e são construídas com a utilização de saberestecnológicos apropriados, que se revelam por meio do modelo tecno-assistencial“Saúde Todo Dia”.

No modelo “Saúde Todo Dia” o processo pedagógico é encarado comouma atividade continuada de compreensão, significação e intervenção sobre asnecessidades de saúde, e produtor de sujeitos de práticas e saberes em saúde e

o Centro de Educação Permanente da Saúde (Ceps) se constitui no espaço quearticula esses processos para o desenvolvimento e a formação dos trabalhadores,gestores e usuários da saúde. A articulação das diferentes estratégias deeducação permanente é o modo pelo qual o Ceps oferece apoio técnico epedagógico para o desenvolvimento de projetos das áreas tecno-assistenciais etem a atribuição de articular em nível municipal a Política de Educação para aSaúde junto ao controle social e às instituições formadoras de nível técnico esuperior. Nos diversos processos de educação permanente o Ceps vem

consolidando uma metodologia baseada em concepções problematizadora,crítica e participativa da educação e que toma como objeto central da pedagogiaas necessidades de saúde da população.

  A Especialização Integrada em Saúde Coletiva (EISC), modalidadeResidência Multiprofissional, através do Ceps, em convênio com a UniversidadeFederal de Sergipe (UFS) e parceria com a Secretaria de Gestão do Trabalho eda Educação na Saúde (SGTES), do Ministério da Saúde, se conforma namodalidade de educação profissional pós-graduada multiprofissional, de caráter

interdisciplinar, desenvolvida em ambiente de serviço, mediante educação apartir do trabalho e para o trabalho e mantendo orientação técnica direta eorientação docente em sala de aula, fazendo parte do conjunto de estratégiasde educação permanente promovidas pelo Ceps. Com um total de 22 residentes,sendo cinco enfermeiros; cinco odontólogos; cinco assistentes sociais; cincopsicólogos e três médicos, a EISC teve como meta formar especialistas emsaúde coletiva, com capacidade de compreender e significar, de modo ampliado,os desafios de implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) e as

necessidades de saúde individuais e coletivas de uma determinada população ecom habilidades, conhecimentos e atitudes para a elaboração, execução e

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 64/414

64

coordenação de intervenções produtoras de autonomia, apropriados de umapedagogia que os permitam ser sujeitos da construção de saberes de modopermanente, por meio da vivência em diferentes territórios de exposição noeixo do cuidado e da gestão, funcionando de maneira articulada às diferentes

estratégias de educação permanente dos trabalhadores de saúde destesambientes e articulada com uma especialização para trabalhadores concursadose alguns gestores do quadro da Secretaria Municipal de Saúde.

Trata-se de uma especialização integrada, por estabelecer a integraçãoentre as diferentes profissões presentes na rede de atenção básica do SUS em

 Aracaju, buscando desenvolver e potencializar o trabalho e o cuidado integralem equipe, com a devida atenção ao que é núcleo da saúde coletiva e ao que énúcleo profissional específico (de saberes e práticas), buscando o

enriquecimento numa perspectiva usuário-centrada, a integração entre trabalho/cuidado, gestão, educação e controle social (princípios do quadrilátero daeducação permanente) orientada para as diretrizes e princípios do SUS e daReforma Sanitária brasileira e a integração do campo das ciências biológicas esociais com a área de humanidades para alcançar a atenção integral à saúde.

O Programa da Residência está centrado na formação de especialistasem saúde coletiva com capacidade de compreender e significar, de modoampliado, os desafios de implementação do SUS e as necessidades de saúdeindividuais e coletivas de uma determinada população e com habilidades,conhecimentos e atitudes para a elaboração, execução e coordenação deintervenções produtoras de autonomia, apropriados de uma pedagogia que ospermitam ser sujeitos da construção de saberes de modo permanente.

O programa da EISC enfatiza:

♦ desenvolver práticas humanizadas, compreendendo alguns marcadores

de modelo tecno-assistencial como elementos constituintes das suaspráticas;

♦ atuar em equipes multiprofissionais, compreendendo os conceitos decampo e núcleo profissional, valorizando o papel de cada profissionaldentro da equipe e trabalhando dentro de uma concepçãointerdisciplinar e desenvolvendo o conceito de cuidado, sendo capazde prestar assistência clínica individualizada;

♦ compreender as características econômicas, políticas, técnicas eideológicas dos modelos tecno-assistenciais e das políticas de saúdeatuais e produzidas historicamente no país;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 65/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

65

♦ realizar diagnóstico de saúde da população, conhecer o território eaplicar técnicas de territorialização e cartografia, buscando acolheras necessidades de saúde da população;

♦ Elaborar e coordenar projetos de saúde para grupos e populações,

sendo capaz de desenvolver tecnologias para intervenção em saúde;♦ realizar a gestão em saúde do projeto terapêutico singular, do processo

de trabalho das equipes, e das unidades e redes assistenciais;

♦ conhecer, pesquisar e aplicar técnicas de planejamento;

♦ desenvolver ações de vigilância sanitária e epidemiológica e de saúdedo trabalhador;

♦ utilizar a informação como ferramenta para conhecimento da realidadee para elaboração de intervenções em saúde;

♦ conhecer, elaborar e aplicar técnicas de educação em saúde paraindivíduos e coletivos;

♦ produzir conhecimentos no campo da saúde coletiva.

2 - Campos de estágio

No Projeto PolíticoPedagógico da EISC os campos de estágio são

denominados de territórios de exposição, onde os residentes, em rodízio,experienciam o cotidiano e lhes é propiciado espaços de singularizações nopróprio território, que na sua conformação foram definidos em dois eixos: odo cuidado, com uma experiência de oito meses e o da gestão, com umaexperiência de 11 meses em diferentes serviços que fazem a gestão do sistemae ainda três meses de estágio optativo por meio da livre escolha do residente,seja este estágio interno ou externo à secretaria municipal de saúde, totalizandoo processo formativo em 22 meses.

Territórios de exposição obrigatórios:

Eixo do Cuidado: Unidade Básica de Saúde - Centro de AtençãoPsicossocial e Rede Ambulatorial de Referência da Saúde Mental.

Eixo da Gestão: gestão da rede de atenção básica – Núcleo de Controle, Avaliação, Auditoria e Regulação – Vigilâncias e Sistema de Informação.

Territórios de Exposição Optativos: rede de saúde mental - saúde do trabalhador- Centro de Educação Permanente da Saúde - Rede de urgência e emergência –

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 66/414

66

programas - cuidado na atenção básica, rede ambulatorial de especialidadesprópria e outras residências e instituições.

3 - Composição atual do programa

  A EISC, por meio do eixo do cuidado, se estrutura tomando anecessidade de saúde como fator de exposição em torno do qual se organizamas reflexões e todo o processo de formação. Isso não significa que essasnecessidades e/ou algumas das ferramentas e saberes necessários para qualificaro cuidado e sua gestão não possam ser agrupados em algumas situações parafacilitar o processo de formação.

 A EISC traz os seguintes elementos marcadores do seu processo político-pedagógico e definidores da pedagogia e metodologia assumida pelo processoformativo:

Os fatores de exposição: as necessidades de saúde são objetos que dãosentido às práticas e aos serviços de saúde. No entanto, consideramos que aformação de um especialista em saúde coletiva, do modo como almejamos,além das necessidades de saúde, envolve diversos outros elementos, como oprocesso de trabalho em saúde, as práticas neste campo, a organização dosserviços e sistemas, a gestão em vários níveis, os sujeitos em relação nestesetor, enfim, todos os objetos que um sanitarista em situação de cuidado egestão deveria ter autonomia para compreender e intervir.

O educando como sujeito: assumem a função de condutores do seuprocesso de aprendizagem e, para tanto, devem acumular uma habilidadefundamental, a de “aprender a aprender”, assumindo a tarefa do fazer sobmediação e neste movimento interagir com as necessidades das pessoas,compreendendo-as, significando-as, buscando ferramentas/instrumentos esaberes que operam sobre o objeto.

O educador como mediador: consideramos educadores todos os agentesde processo de construção de conhecimentos aos quais foram nomeamos comocoordenadores, supervisores, tutores, apoiadores pedagógicos e docentes. Essesagentes, com graus diferentes de responsabilidades passaram a mediar (orientar,apoiar, facilitar e tutorar) os ganhos de autonomia no âmbito do saber fazerno plano das habilidades e competências cognitivas.

O processo de trabalho em saúde como mediador: o processo de trabalhoassume um papel importante no desenvolvimento do saber fazer. É no exercíciodo trabalho multiprofissional e interdisciplinar que as relações se consolidame se desenvolve o trabalho em equipe.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 67/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

67

Os saberes como insumo: o saber é considerado como fonte quefundamenta a ação intencional sobre o objeto (as necessidades de saúde),portanto, no exercício prático do trabalho o saber é consumido e, nessemovimento, apreendido e assimilado na medida em que o mesmo é construído

em ato e em distintas situações/necessidades de modo crescente e cumulativo.Para o acompanhamento pedagógico foram articulados profissionais da

gestão e do cuidado, inseridos no modelo “Saúde Todo Dia”, que estão emcontato direto com os territórios de exposição dos residentes, para se colocaremnuma posição de apoiadores pedagógicos e tutores do processo formativo. Essesatores se colocaram como facilitadores das práticas/atividades didático-pedagógicas do processo de formação, não esquecendo o papel pedagógico doresidente no processo formativo, com o objetivo de articular um processo

formativo crítico-reflexivo, participativo e democrático.Os coordenadores e supervisores são responsáveis pela gestão das redes,

responsabilizando-se em acompanhar as atividades pedagógicas da EISC earticular com a coordenação da residência a inserção dos residentes nosterritórios que coordenam.

Os apoiadores pedagógicos são responsáveis por  facilitar a integraçãodos residentes no espaço do estágio, problematizar em processo pedagógico as

ações e reflexões do residente.Os tutores são trabalhadores da rede municipal, inseridos no cuidado ou

na gestão, que facilitam as discussões de núcleo profissional e da saúde coletivacom os residentes.

Os docentes, de caráter teórico-prático, são responsáveis pelasdisciplinas, campos de saberes e práticas.

Os residentes são profissionais inseridos por meio de processo seletivo,nos territórios de exposição devendo possuir gradativa autonomia no

desenvolvimento do processo de trabalho, comprometido com seu trabalho,responsável por seus atos e apto ao adequado desempenho de suas atividades.

Os espaços pedagógicos:  configuram-se como espaços singulares deaprendizagem, a partir da natureza de cada momento vivenciado pelo residente,cumprindo a carga horária semanal estabelecida, conforme o quadrodemonstrativo e com uma carga horária total de 3.872 horas, com uma cargahorária semanal de 44 horas, sendo: 28 horas em atividades em serviço, trêshoras para singularização no território, três para turno de estudo e 20 horaspara atividades pedagógicas, envolvendo rodas de discussão e aulas teóricas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 68/414

68

Espaços Pedagógicos a qual os residentes foram expostos durante oprocesso formativo:

 A especialização, que se constitui como espaço de ressignificação dasredes de assistência por meio de aulas teóricas expositivas, utilizando-se da

metodologia da problematização.Os espaços de singularização que se propõe a realizar atividades que,

por meio do embasamento teórico, permitem ressignificar as práticas in loco;um espaço vivo de troca de saberes e experiências entre residentes,trabalhadores e gestores, pensando coletivamente a partir dos seus territórios.

 As rodas da saúde coletiva, espaço de discussão para refletir sobre osespaços experienciados no serviço, fazendo articulação com os saberes e

competências do campo da saúde coletiva. As rodas do núcleo profissional, espaço de discussão e elaboração daspráticas e ações protocolares de cada núcleo, permeados pelos preceitos dasaúde coletiva, considerando as competências e habilidades construídascoletivamente no espaço pedagógico.

 A singularização no território, espaço de pactuação, re-elaboração,problematização e redefinição de ações/projetos que contemplem asnecessidades e demandas dos territórios e dos residentes, tendo como insumo

os saberes construídos no processo de formação.O colegiado gestor, espaço para discutir e pactuar a gestão do processo

de formação, com a representação de todos os atores. Vale ressaltar que ogrande ganho da gestão está na relação dialógica coordenação, residentes,tutores e apoiadores.

 A Especialização Integrada em Saúde Coletiva – modalidade ResidênciaMultiprofissional foi desenvolvida por meio de módulos que cumprem o papelde singularizar os territórios onde se dá o processo de exposição e o

desenvolvimento das competências necessárias à formação sanitarista, conformeapresentamos a seguir:

Competências gerais do sanitarista na EISC: analisar, formular, implantar,gerir e avaliar as políticas de saúde; analisar e compreender os modelos deatenção à saúde, reconhecer os modelos operantes a partir da realidade earticular as tecnologias, considerando as necessidades de saúde, conformandodiferentes modelagens; gestão de pessoas e do trabalho em saúde; analisar,formular, implementar, gerir, avaliar e realizar práticas de educação permanente

para os trabalhadores e a comunidade; analisar, articular e facilitar os trabalhosde grupos e de equipes; analisar, organizar, gerir e avaliar os processos de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 69/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

69

trabalho; analisar, formular, coordenar e avaliar processos de planejamentoem saúde; conhecer e compreender as bases das ciências sociais e humanas demodo a ampliar sua análise acerca das questões do setor Saúde e de seu contextohistórico social; conhecer o processo histórico de construção do setor saúde

em geral e do Brasil em especial com ênfase na luta e no processo da ReformaSanitária; analisar criticamente a produção dos estudos e pesquisas da saúdecoletiva, compreendendo os principais tipos de estudos e conhecendo a baseepistemológica das metodologias adotadas; produzir conhecimentos, elaborare coordenar projetos de pesquisa, desenhando a metodologia adequada ao objetode investigação/intervenção.

Competências gerais para um sanitarista em situação de cuidado:desenvolver o conceito de cuidado, sendo capaz de prestar assistência clínicaindividualizada na atenção primária; utilizar a clínica como ferramenta queamplia o olhar profissional, trabalhando essa rede com outros profissionais einstituições que permitam abordar as necessidades dos usuários de formaintegral; desenvolver interfaces entre assistência e promoção da saúde, atuandonessas interfaces a partir de capacitações específicas; utilizar clínica comoinstrumental para articular a atenção individual e coletiva em todos os níveisde atenção; capacidade para a assistência clínica no desenvolvimento deprogramas de relevância coletiva; trabalhar dentro de uma concepçãointerdisciplinar, compreendendo os conceitos de campo e núcleo profissionale valorizar o papel de cada profissional dentro da equipe. Estar capacitadopara assistência à saúde do trabalhador na atenção primária.

Competências do sanitarista nos demais territórios de exposição

Gestão da rede de atenção básica: apoiar e supervisionar as Unidades

Básicas de Saúde (UBS); conhecer e operar os principais sistemas de informaçãoutilizados na gestão da atenção básica, sendo capaz de utilizá-los comoferramenta de gestão dos serviços e da rede básica de saúde; desenvolver earticular ações junto as redes assistenciais, sociais e organizações políticascomunitárias; estimular, organizar e fortalecer o controle social; compreendero modo como se produz o cuidado na atenção básica e os principais modelosde organização da atenção básica existentes; compreender de forma crítica oatual modelo hegemônico de organização da atenção básica, seus aspectos

históricos e políticos; conhecer os principais mecanismos de financiamento daatenção básica; utilizar de forma crítica os principais mecanismos de gestão na

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 70/414

70

atenção básica; participar e realizar pactuações entre as redes assistenciais dosistema de saúde, compreendendo suas interfaces com a rede básica para aprodução do cuidado; compreender e utilizar de forma emancipadora acontratualização como ferramenta de gestão e responsabilização de

trabalhadores em serviços; coordenar e facilitar espaços de gestão entretrabalhadores das Unidades Básicas de Saúde; participar, compreender erealizar a gerência de processos estruturados na atenção básica (gestãoadministrativa de pessoal e insumos).

Gestão da rede de saúde mental: analisar, formular, implantar, gerir eavaliar as políticas de saúde mental; analisar e compreender os modelos deatenção à saúde mental, reconhecer os modelos operantes a partir da realidadee articular as tecnologias, considerando as necessidades de saúde, conformando

diferentes modelagens; realizar apoio institucional e supervisão deestabelecimentos de saúde mental (CAPS e referência); produzir e analisardados e informações para a gestão dos serviços e do cuidado a grupos ecoletivos; desenvolver e articular ações junto a redes assistenciais, sociais eorganizações políticas comunitárias; estimular, organizar e fortalecer ocontrole social.

Gestão do núcleo de controle, avaliação, auditoria e regulação: produzire analisar dados e informações para a gestão dos serviços e do cuidado a grupose coletivos; planejar, implantar e avaliar processos para controle e auditoriade serviços; analisar, compreender e organizar processos de co-gestão esupervisão de serviços e instituições de saúde; planejar, implantar e avaliarações para programação e pactuação em sistemas de saúde; planejar, implantare avaliar processos para regulação em sistemas de saúde; gestão do sistema desaúde: articulação das redes; representação nas instâncias gestoras colegiadasdo SUS (tripartite, bipartite, Cosems, Conasems); compreender a arquiteturainstitucional do SUS a partir das normas que o regulamentam; compreender o

papel do Nucaar na gestão plena do sistema a partir de sua essencialidade:controle, auditoria, avaliação e regulação; compreender a lógica definanciamento à saúde; compreender a racionalidade para incorporação detecnologias assistenciais, sobretudo as de alto custo; compreender as lógicasda pactuação, planejamento e programação de saúde; compreender o papel docontrole, auditoria, avaliação e regulação no contexto da atenção e gestão dosistema municipal de saúde.

Gestão da vigilância à saúde e sistema de informação: analisar, planejar,coordenar, gerir e avaliar as ações de vigilância epidemiológica; analisar,planejar, coordenar, gerir e avaliar  o Programa Nacional de Imunização;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 71/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

71

analisar, planejar, coordenar, gerir e avaliar ações de vigilância para o controlede antropozoonoses e zoonoses; analisar, planejar, coordenar, gerir e avaliarações de vigilância para controle de medicamentos, meio ambiente, saneantes,cosméticos, alimentos, serviços de saúde e saúde do trabalhador para promoção

à saúde e prevenção a agravos; desenvolver e articular ações junto a redesassistenciais, sociais e organizações políticas comunitárias; analisar ecompreender o processo de gestão das áreas de vigilância a saúde; compreendere saber utilizar na organização dos serviços e nas vigilâncias epidemiológicas esanitárias o método epidemiológico; produzir e analisar dados e informaçõespara a gestão dos serviços e do cuidado a grupos e coletivos; conhecer, analisare gerenciar sistemas de informação em saúde; planejar, executar e avaliar açõesde vigilância a saúde do trabalhador.

Gestão do Centro de Educação Permanente da Saúde: formular, planejar,implantar, avaliar e gerir políticas de educação permanente para a saúde.

Gestão de sistema de saúde: gestão de custos, financiamento e comprasem sistemas de saúde; formular, implantar e avaliar Política de Gestão de Pessoalem Saúde; formular, planejar, implantar e avaliar Política de Gestão deSuprimentos, Transporte e Manutenção em Sistemas de Saúde.

 A EISC tem como orientação do processo pedagógico os princípios da

educação permanente, da problematização e da pedagogia que denominamosde “pedagogia do fator de exposição” (SANTOS, 2006), em que o eixoestruturante da formação se dá a partir da reflexão da exposição do educandoà realidade concreta vivida de forma implicada, de modo que os saberes sãobuscados como insumos e construídos na tentativa de intervenção etransformação daquela realidade. O educando é entendido como sujeito depráxis e construtor do conhecimento, enquanto o educador é visto comomediador e facilitador do processo pedagógico. Deste modo, parte-se do

princípio da implicação e protagonismo do educando para o desenvolvimentodo seu processo de formação, orientado para o desenvolvimento da suaautonomia e da construção do SUS.

 Alguns conceitos foram essenciais para operacionalização da propostapolítico-pedagógica do curso e contribuem para estruturar a organizaçãocurricular e que no contexto do curso é pautado de forma transversal a partirde conceitos trabalhados por autores renomados no campo da saúde coletiva eque se colocaram como docentes no processo, a exemplo de Merhy (2004),

Piccini (2000), Santos (2005), Smeke (1989), Acioli (2006) e outros.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 72/414

72

Conceitos propositivos dessa formação

Transversalidade: do ponto de vista conceitual a transversalidade dizrespeito principalmente à dimensão da didática e busca na prática estabeleceruma relação entre aprender conhecimentos teoricamente sistematizados(aprender sobre a realidade) e as questões da vida real (aprender na realidadee da realidade).

Interdisciplinaridade: questiona a segmentação entre os diferentes camposdo conhecimento, produzida por uma abordagem que não leva em conta ainter-relação e a influência entre eles. Refere-se a uma abordagemepistemológica dos objetos do conhecimento. A opção por estruturar a pedagogiado curso em fatores de exposição reais, articulados em torno de unidades deprodução pedagógicas é um dos modos de colocar em prática a transversalidadee a interdisciplinaridade no curso.

Educação permanente: educação que toma como local de aprendizagemos processos de trabalho, as práticas cotidianas e as relações da equipe. Nasaúde, é permanente porque atende às necessidades de constante ressignificaçãodos saberes e práticas, acompanhando a dinamicidade das mudanças tecnológicase das necessidades de saúde, tomando como dimensões o cuidado, a gestão, aformação e a alteridade com as redes sociais.

Protagonismo: busca a intenção de estimular o desenvolvimento de umsujeito ativo no seu processo de formação, preservando o papel de co-autoresdo processo. Corresponde ao ato se tornar sujeito da própria vida, agindo deacordo com a sua vontade própria e responsabilizando-se pelos seus atos.

Singularização o grupo de educandos estará sendo estimulado a produzircartografias da sua realidade singular, encarar os desafios do seu cotidiano esobre este olhar ser capaz de significar saberes e construir conhecimentos,buscando autonomia ao articular saberes universais a uma realidade específica.

Um curso que trabalha com produção de sujeitos epistêmicos singulares, deveapostar em processos pedagógicos singularizados, garantindo espaços ondeestes processos possam se desenvolver.

Alteridade: caráter do que é outro; diversidade, diferença;reconhecimento do outro. A alteridade representa no curso várias possibilidadescomo as trocas entre os sujeitos dos saberes, o respeito às diferenças de idéias,abertura dos serviços e sistemas de saúde ao outro, população e controle social,reconhecimento dos sujeitos.

Implicação: é possibilitar por dentro do curso que os sujeitos possamcriar uma significação de si e do fenômeno que estão estudando e nesse processo

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 73/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

73

mexer no seu próprio agir, sendo eles ao mesmo tempo os interrogadores e osprodutores do fenômeno sob análise, interrogando o fenômeno a partir dolugar que estes sujeitos ocupam e que dão sentido ao mesmo. É um processoobrigatoriamente auto-analítico.

Fator de exposição: encontrar os fatores de exposição corresponde aidentificar o conjunto de objetos e a sua natureza própria, não contaminávelna relação com os demais, e assim conhecendo o essencial de cada objeto seganha autonomia na interação com os mesmos. O fator de exposição é escolhidotambém pelo valor que representa para os sujeitos, influenciada pela implicaçãodo sujeito e por sua concepção de mundo não representando apenas umdispositivo para desenvolvimento instrumental e tecnológico de competências.Os fatores de exposição podem ter uma natureza explícita e concreta ou sutil

e imponderável.

4 - Fatores facilitadores e dificultadores ao alcance da qualidade efuncionamento do programa

Como fatores facilitadores pontuamos:

· a concepção da Especialização Integrada em Saúde Coletiva –

modalidade Residência Multiprofissional como um espaço deformação do sanitarista a partir de um modelo pedagógico inovadorque buscou avançar na associação entre a teoria e a prática,trabalhando a problematização da realidade e construindocoletivamente os seus processos;

· ressignificação da prática onde, com o aporte teórico trazido pelasunidades de produção pedagógicas (UPP), possibilitou o uso deferramentas para a intervenção dos profissionais sobre a realidade,facilitando o reconhecimento das tecnologias leves que levam em conta

as singularidades dos sujeitos como importante elemento para aconcretização das ações;· a construção de um espaço que oportunizou a interação, discussão,

reflexão e conhecimento acerca da saúde coletiva, baseada napedagogia da problematização, levando os residentes à reflexão sobreo processo de trabalho e sua relação com o processo formativo,contribuindo significativamente para apropriação do modelo “SaúdeTodo Dia”;

· a opção por uma metodologia inovadora que estimula o coletivo a

construir a agenda de discussão através das rodas, a partir dasdemandas individuais e coletivas;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 74/414

74

· a aposta num quadro de docentes com uma vasta experiência na áreade saúde coletiva, destacando a EISC como uma experiência pioneirapara trabalhadores e gestores da rede de saúde do Município de

  Aracaju, dentro da proposta de educação permanente para o SUS,

pois somos hoje, a única instituição que possui nas suas ofertas deformação a Especialização Integrada em Saúde Coletiva – modalidadeResidência Multiprofissional no Estado de Sergipe; são fatores quefacilitaram a condução do processo e garantiu uma formaçãodiferenciada.

 Apesar de atualmente estarmos apenas com 15 residentes finalizando oprocesso formativo na modalidade residência, das desistências, apenas doiscasos deram-se por problemas particulares, os outros seis aconteceram devidoà inserção dos residentes no mercado de trabalho, principalmente, por meio

de aprovação em concurso público ou inserção como gestores em municípiossergipanos. Sendo assim, apesar da redução no número, fazemos uma avaliaçãoqualitativa de que o processo formativo facilitou a inserção de profissionais nomercado de trabalho, com um acúmulo de saberes diferenciado.

Como fatores dificultadores do processo temos:

♦ descompasso de aproximadamente dois meses entre o início daresidência e o início das aulas teóricas das unidades de produçãopedagógica;

♦ a reduzida inserção de alguns tutores e apoiadores pedagógicos nasaulas teóricas das unidades de produção pedagógica, o que dificultavao diálogo e a reflexão em alguns territórios;

♦ considerando a natureza da EISC e a opção por construir coletivamentealguns momentos determinantes do processo pedagógico, no seu iníciohouveram dificuldades para articulação e engrenagem dos tutores eapoiadores pedagógicos, bem como, a dificuldade de garantir agendaspedagógicas em decorrência de que os tutores e apoiadores tambémsão trabalhadores e gestores;

♦ a heterogeneidade do grupo de residentes, quanto ao perfil e aoacúmulo profissional; à compreensão do processo pedagógico (aproposta, objetivo dos espaços, metodologia, o modelo assistencialetc).

5 - Desafios e estratégias de superação

 Alguns pactos pedagógicos e administrativos foram importantes para

superação das dificuldades de monitoramento dos desafios postos na conduçãodo processo pedagógico:

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 75/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

75

♦ o apoio pedagógico da coordenação da EISC junto aos tutores,apoiadores e residentes o visando o cumprimento da agenda pactuada,as competências estabelecidas e a carga horária do residente, por meioda freqüência: pontualidade e assiduidade no processo;

os coordenadores dos territórios de exposição são responsáveis pelafreqüência e assiduidade do residente bem como de significar osprocessos de trabalho;

♦ o monitoramento do processo pedagógico nos espaços, por meio daparticipação da coordenação da EISC nas singularizações dosterritórios de exposição e nas rodas temáticas de discussão da saúdecoletiva, destinadas a avaliação do processo pedagógico; reuniãomensal com docentes e tutores da especialização; reunião quinzenalcom apoiadores pedagógicos dos territórios e reuniões, oficinas e

conversas informais com todos os facilitadores (coordenador, tutor,docente, apoiador, residente) do processo pedagógico, para análisede situações específicas;

♦ credibilidade dos residentes diante da condução do processopedagógico com ampliação da inserção dos mesmos nas discussões eprincipalmente no colegiado gestor, possibilitando a correção detrajetórias; a construção coletiva da avaliação do processo pedagógicoe a apropriação gradativa dos residentes sobre o modelo tecno-assistencial;

♦ envolvimento dos docentes convidados para ministrar as unidades deprodução pedagógica das rodas de discussão da saúde coletiva;

♦ criação de um espaço de discussão da coordenação com os residentessobre o contexto político das residências multiprofissionais em nívelnacional.

Faz mister ressaltar que todos os desafios expressos no transcorrer doprocesso pedagógico da EISC foram refletidos, repensados e pactuados comos atores envolvidos, a partir das premissas de manter o carátermultiprofissional nos eixos formativos; acompanhar o processo pedagógicotendo como referência o conjunto de competências previamente estabelecidascom os coordenadores dos territórios de exposição e pactuadas com osresidentes no início do processo; criar interface entre os espaços pedagógicose principalmente, refletir tranversalmente que a EISC é um processo formativoque se caracteriza como estratégia da Política de Educação Permanente daSecretaria Municipal de Saúde de Aracaju.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 76/414

76

6 - Modalidades de avaliação do programa

É importante ressaltar a construção do processo de avaliação, enquantomomento pedagógico, construído coletivamente com os atores envolvidos:

tutores, apoiadores pedagógicos, residentes e coordenação, resultando naconstrução de um instrumento para avaliar as habilidade e atitudes do residenteno eixo do cuidado (auto-avaliação do residente e avaliação do residente pelaequipe de saúde da família a que ele estava vinculado); elaboração de umaavaliação cognitiva, pelos tutores do campo da saúde coletiva e do núcleoprofissional; avaliação da participação e da implicação dos residentes nosespaços pedagógicos. Avaliação dos espaços pedagógicos enquanto espaçosprodutores de reflexão e problematização da realidade vivenciada.

 A opção pela construção coletiva e compartilhada do Programa daResidência consolidou a viabilidade de um processo de gestão pedagógicadinâmico, aberto e flexível. A sua ousadia consiste em acreditarmos que oprocesso não está concluído, na opção de realizá-lo processualmente, com ogrande desafio de ruptura com os modelos tradicionais de formação.

O processo de avaliação foi pautado nas seguintes premissas: criação deum espaço aberto de discussão; considerar a produção anterior dos atoresenvolvidos; considerar as bases pedagógicas e políticas do projeto; não perder

de vista o caráter formativo na avaliação; avaliação da participação e daimplicação do residente nos espaços pedagógicos.

Etapas de avaliação no transcorrer do processo pedagógico:

Eixo do Cuidado: avaliação das habilidades e atitudes do residente noserviço e a aplicação de uma avaliação cognitiva e de implicação no processopedagógico

Eixo da Gestão: relatório dos apoiadores pedagógicos e do residentesobre as vivências nos territórios.

Trabalho de conclusão de curso (TCC): o TCC foi solicitado em formatode artigo científico, com rigidez no tipo de produto, possível de publicação,com o máximo de 30 laudas, trabalhando com temas que falem do serviço e daimplicação do residente, sendo necessário o uso da alteridade e tendo os tutores,apoiadores e docentes participarão do processo de orientação.

Avaliação nas unidades de produção pedagógicas: foram criados espaços

de vocalização nas UPP para pensar o sentido dos saberes apreendidos naarticulação com o cotidiano. Execução de tarefas, denominadas de tarefas de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 77/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

77

dispersão para refletir o cotidiano por meio dos saberes apreendidos eacumulados. Atribuição de nota individual para cada especializando/residenteconsiderando a sua implicação no processo.

7 - Fontes financiadoras

 A Especialização Integrada em Saúde Coletiva – modalidade ResidênciaMultiprofissional tem o financiamento do Ministério da Saúde, comcontrapartida da Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju. A UniversidadeFederal de Sergipe se apresenta no processo como instituição formadora quedará a certificação de especialista ao residente.

Referências bibliográficas

 ACIOLE, Giovanni Gurgel. A saúde no Brasil: cartografias do público e doprivado. São Paulo: HUCITEC, 2006.

 ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUAYROL, M. Z. Introdução à epidemiologiamoderna. Belo Horizonte: COOPMED, 1992.

 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023:Informação e documentação - Referências - Elaboração. Rio de Janeiro,2002.

BRASIL. Ministério da Saúde; Conselho Nacional de Saúde. Princípios ediretrizes para NOB/RH-SUS. 2. ed. rev. e atual., 2.ª reimpressão. Brasília:Ministério da Saúde, 2003.

CAMPOS, G. W. S. Um método para analise e co-gestão de coletivos: aconstituição do sujeito, a produção do valor de uso e a democracia eminstituições: o método da roda. São Paulo: HUCITEC, 2000.

CAMPOS, Juarez de Queiroz. (Org.). Saúde e pesquisa quantitativa. SãoPaulo: JOTACÊ, 2001.

CECCIM, Ricardo Burg; FEUERWERKER, Laura. O quadrilátero da

formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social.Physis: rev de saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41-65, 2004.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 78/414

78

CECÍLIO, Luiz Carlos de Oliveira. As necessidades de saúde como conceitoestruturante na luta pela integralidade e eqüidade na atenção em saúde. In:PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Ruben Araújo de (Orgs.). Os sentidos daintegralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ/IMS/

 ABRASCO, 2001.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Riode Janeiro: Ed. 34, 1995. v. 1, p. 1-37.

FOUCAULT, Michael. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

______. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária,1994.

FREIRE, Paulo. A pedagogia da autonomia. Petrópoles: Vozes, 2000.

______. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes,1981.

MERHY, Emerson Elias (Org.). A cartografia do trabalho vivo. São Paulo:

HUCITEC, 2002.

______ (Org.). Um dos grandes desafios para os gestores do SUS: apostasem novos modos de fabricar os modelos de atenção. In: ______. Trabalhoem saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 2. ed. São Paulo:HUCITEC, 2004.

PICCINI, R. X. Fatores determinantes da formação médica e do exercício

profissional. Divulgação em Saúde para Debate, [S.l.], n. 5, p. 26-28, ago.1991.

PICCINI, R. X.; FACCHINI, L. A.; SANTOS, R. C. Preparando atransformação da educação médica brasileira: Projeto CINAEM III fase,1999 - 2000. Pelotas: Impressão Editora e Gráfica da UFPEL, 2000.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Construção da integralidade:cotidiano, saberes e práticas em saúde.Rio de Janeiro: UERJ/Abrasco, 2003.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 79/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

79

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Cuidado: as fronteiras daintegralidade. Rio de Janeiro: Abrasco; São Paulo: HUCITEC, 2004.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Os sentidos da integralidade na

atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ/Abrasco, 2001.

ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. Rio de Janeiro: MEDSI,2002.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção.4. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

SMEKE, E. L. M. Saúde e democracia, experiência de gestão popular: um

estudo de caso. 1989. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva)-Faculdades deCiências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989.

STOTZ, E. N. Enfoques sobre educação e saúde. In: VALLA, V. V.; STOTZ,E. N. Participação popular, educação e saúde: teoria e prática. Rio de

 Janeiro: Relume Dumará, 1993.

TESTA, M. Saber em saúde: a construção do conhecimento. Buenos Aires:

Lugar editorial, 1997.VASCONCELOS, E. M. Educação popular e a atenção à saúde da família. 2.ed. São Paulo: HUCITEC, 2001.

VOUGHAN, J. P.; MORROW, R. H. Epidemiologia para os Municípios:manual de gerenciamento dos distritos sanitários. São Paulo: HUCITEC,2002.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 80/414

80

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 81/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

81

1 Psicólogo. Mestre em Gestão Pública e Diretor de Ensino e Pesquisa do Instituto para oDesenvolvimento em Tecnologia em Saúde da Família/Escola de Formação em Saúde da FamíliaVisconde de Sabóia (Sobral/CE).

2 Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva, professora da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) eDiretora-presidente do Instituto para o Desenvolvimento em Tecnologia em Saúde da Família/Escolade Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (Sobral/CE).

3 Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem, professora do curso de enfermagem da UVA e DiretoraAdministrativa-financeira do Instituto para o Desenvolvimento em Tecnologia em Saúde da Família/Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (Sobral/CE).

4 Enfermeira. Especialista em Educação em Saúde Pública e Preceptora de Território da Escola de Formaçãoem Saúde da Família (Sobral/CE).

A Trajetória da Residência Multiprofissional em Saúde daFamília de Sobral

José Reginaldo Feijão Parente1

Maria Socorro de Araújo Dias2

Maristela Inês Osawa Chagas3

Maria Vilane de Araújo Craveiro4

Resumo: Este artigo descreve o processo de construção e desenvolvimentoda residência multiprofissional em saúde da família do Município de Sobral.

 Apresenta, ainda, a atual proposta pedagógica centrada numa metodologiaparticipativa, dialógica, processual e problematizadora onde o aprender sedá de forma interdisciplinar e no interior das práticas de trabalho, bem como,

tenta descrever o modelo de residência multiprofissional em saúde da famíliaadotado em Sobral/CE, bem como os processos organizativos destaexperiência.

Palavras-chave: Residência Multiprofissional, Educação Permanente,Metodologia Participativa.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 82/414

82

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 83/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

83

1 - Contextualizando a Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliade Sobral

Sobral faz parte do semi-árido nordestino, situando-se na Região

Noroeste do Ceará, a 235 quilômetros da capital, Fortaleza. É banhada pelaságuas do Rio Acaraú e tem sua paisagem entrecortada pela Serra da Meruoca.Foi elevado ao  status de município em 1841. Ocupa uma área de 2.129quilômetros quadrados, tem uma população, estimada pelo IBGE para o anode 2006, de 172.555 mil habitantes e está a uma altitude de 70 metros do níveldo mar. O clima é quente e seco, com uma temperatura média de 30 grauscentígrados.

Este município vem experimentando um forte processo de

desenvolvimento em sua estrutura econômica, política, cultural e social. Há50 anos, a cidade era o mais importante pólo comercial do norte do Estado. Nasegunda metade do século XIX o crescimento do município chegou a superaro de Fortaleza. Este desenvolvimento se firmou a partir da instalação deindústrias e de um vigoroso sistema educacional e da saúde.

 A Residência Multiprofissional em Saúde da Família de Sobral tem suaorigem (setembro/99) e evolução fortemente vinculada ao Sistema Municipalda Saúde de Sobral. Nasce com o desafio de responder à necessidade, sentida

pelo sistema local, de qualificar inicialmente os profissionais da rede para umnovo paradigma em saúde o qual tem como ênfase à promoção da saúde(www.esf.org.br).

Vivia-se um tempo de ruptura em relação ao modelo de saúdeassistencialista e biologicista. Entretanto, o sistema local de saúde não dispunhade profissionais suficientemente qualificados para atuarem em conformidadecom a concepção de atenção à saúde. Era premente a necessidade deproporcionar processos educativos para os profissionais da Estratégia da Saúde

da Família, política prioritária deste novo paradigma. A decisão naquelemomento fora investir na residência multiprofissional em saúde da família emcaráter de especialização (BARRETO et al., 2000).

Esta decisão implicou na necessidade de se constituir uma estrutura deapoio ao processo formativo dos futuros residentes. Neste momento nasce aEscola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS).

  Articulam-se parcerias inter institucionais, a exemplo do fundamentalenvolvimento da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) no processo;sendo esta a instituição autorizada para certificação da especialização em saúdeda família com caráter de residência.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 84/414

84

 A primeira turma, iniciada em 1999, foi constituída exclusivamente pormédicos (19) e enfermeiros (45). Estavam matriculados 64 residentes e 38concluíram. Esta foi financiada exclusivamente pelo Município de Sobral.

Em 2001 inicia-se processo seletivo para a segunda turma da residência

multiprofissional em saúde da família. Nesta, além dos médicos (06) eenfermeiros (17), são selecionados profissionais das seguintes categorias:odontologia (17), serviço social (03), fisioterapia (04), educação física (02),farmácia (01), terapia ocupacional (03), nutrição (01) e psicologia (02). Tambémfinanciada exclusivamente pelo Município de Sobral, foram matriculados 56residentes, sendo que 39 concluíram todos os pré-requisitos.

 A terceira turma é formada em 2002 e apresenta uma importanteconquista que foi o reconhecimento por parte do Ministério da Saúde doprocesso de Educação Permanente deflagrado em Sobral a partir do apoiofinanceiro de 25 bolsas para a residência multiprofissional em Saúde da Família.Matricularam-se 40 residentes de diferentes categorias profissionais:enfermagem (17), odontologia (02), fisioterapia (02), medicina (09), psicologia(03) e serviço social (02), nutrição (03) e educação física (02). Destes, 25concluíram na íntegra toda a proposta técnica-pedagógica requerida.

 A quarta tem início no ano de 2003 mantendo a mesma proposta em

termos de composição das turmas anteriores. Matricularam-se 36 residentesdas seguintes categorias: enfermagem (08), odontologia (10), fisioterapia (01),fonoaudiologia (03), medicina (08), psicologia (03), serviço social (04). Sendoque 19 cumpriram toda a programação técnico-pedagógica requerida. Estaquarta turma foi financiada exclusivamente pelo município de Sobral.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 85/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

85

Figura 1: Distribuição dos egressos das quatro primeiras turmas (1999-2004) da ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família de Sobral, outubro de 2006

 A quinta turma da residência multiprofissional em saúde da família teveinício em maio de 2005, com 47 profissionais residentes. Esta turma guardauma peculiaridade em relação às residências anteriores. Enquanto as quatroprimeiras tinham no seu corpo de residentes profissionais que já atuavam nosistema de saúde local, esta quinta turma teve, a exceção dos enfermeiros edentistas, na sua composição profissionais oriundos de fora do sistema de saúdelocal. Outro dado relevante foi a não participação de profissionais médicos, jáque estes passaram a contar com residência específica. Compõem a quinta

turma as seguintes categorias profissionais: enfermagem (14), Odontologia (04),terapia ocupacional (03), fisioterapia (03), educação física (05), farmácia (02),

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 86/414

86

psicologia (05), assistente social (05) e nutricionista (05). Nesta turma oMinistério da Saúde financia 26 bolsas e o município 21 bolsas. A previsão deconclusão desta turma é abril de 2007.

Podemos observar que nas quatro primeiras turmas da residência

multiprofissional em saúde da família de Sobral ocorreu uma significativaevasão. Tal fato, em parte, pode ser explicado por dois eventos principais. Oprimeiro, se deve a flutuação muito freqüente dos residente médicos que nestas04 primeiras residências se fizeram presentes de forma expressiva (42 médicosestavam matriculados e apenas 11 cumpriram a programação pedagógica nasua totalidade, o que corresponde a 73,4% de evasão). O segundo motivo tambémguarda proximidade com o primeiro, ou seja, alguns profissionais residentesdurante o processo de qualificação (residência) optaram por transferirem-se

para outros serviços fora de Sobral por motivos alheios ao sistema.

2 - A opção pelo modelo5 de Residência em Saúde da Família e poruma Residência Multiprofissional

 A vivência do residente em saúde da família deve ser a de compreender einteragir em um dado território, estruturando a estratégia de saúde da família

na sua área de atuação. Não se trata de observar as atividades, o fazer dosprofissionais, mas ser sujeito ativo que pensa, problematiza, elabora e faz combase na realidade local de forma participativa e orgânica com a população,com a equipe da Estratégia Saúde da Família e com as várias instituições queatuam no território, com a devida supervisão, apoio e suporte de aprendizagemtécnica.

O modelo proposto para a residência multiprofissional em saúde da famíliade Sobral procura se apoiar nos seguintes pressupostos teórico-metodológicos:

na promoção da saúde, na educação popular6 e na educação permanente7 Práticaeducativa na qual o trabalho vira estudo e o estudo vira trabalho. O processoeducativo passa a ser algo que atravessa toda a vida do sujeito da aprendizagem

5 Cabe ressaltar que modelo é tomado aqui como algo provisório e não necessariamente um produto pronto e acabado. Esta noção de modeloestá muito próximo do conceito de desenho na medida em que “os desenhos permite-nos acenar com os campos de possibilidade...representa sempre um embate entre conservação e mudança”. (BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educaçãona Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Rio de Janeiro: Brasil. Ministério da Saúde/FIOCRUZ, 2005, p. 80-2.

6 Inspirada principalmente na pedagogia de Paulo Freire, que possui os seguintes fundamentos: a politicidade do ato educativo, aimportância da dialogicidade entre educador e educando, a valorização dos conhecimentos prévios que o educando possui a contestação

da educação bancária e o respeito à diversidade cultural.7 Prática educativa na qual o trabalho vira estudo e o estudo vira trabalho. O processo educativo passa a ser algo que atravessa toda

a vida do sujeito da aprendizagem e não mais algo circunstancial, que se experimenta em determinados momentos pontuais como,por exemplo, cursar uma pós-graduação.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 87/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

87

e não mais algo circunstancial, que se experimenta em determinados momentospontuais como, por exemplo, cursar uma pós-graduação.

♦ Outro aspecto fundamental para compreendermos a natureza daresidência multiprofissional, desenvolvida neste momento pela Escolade Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia, está no caráteraprendente8 que todo o sistema de saúde e o próprio território serevestem. Isto implica na superação da dicotomia escola-mundo enuma visão abrangente onde a totalidade das experiências, advindasdas inúmeras situações a que os residentes são expostos no cotidianodo território, são consideradas como fazendo parte do processo formalde ensino-aprendizagem (AMARAL et al., 2006).

3 - Objetivos da Residência Multiprofissional em Saúde da Família deSobral

 A residência em tela se propõe a construir competências sociais,políticas, técnicas e humanas para as diversas categorias profissionais daestratégia de saúde da família de modo orgânico, participativo e alimentadorda prática. De modo a atender os seguintes objetivos específicos:

· Desenvolver uma atuação em equipe de forma cooperativa,interdisciplinar e ética, interagindo com a cultura da comunidade naqual estão inseridas e de forma articulada com os outros profissionaisque atuam no sistema de saúde, bem como, nas outras políticas públicaslocais.

· Conhecer e tomar em consideração o contexto de parcerias, aliançase oposições de interesses locais, nacionais e internacionais.

· Identificar e aperfeiçoar continuamente os conhecimentos, as atitudese as habilidades técnicas específicas de cada categoria, bem como,aquelas comuns a todas, para o trabalho na Estratégia de Saúde daFamília, na perspectiva da promoção da saúde.

· Facilitar a construção de pessoas amorosas, que sejam capazes deescutar e respeitar o outro, e solidárias, indignando-se e agindo peranteas situações de injustiças.

8 Trata-se de um neologismo desenvolvido por Hugo Assmann, (1998), que pretende significar o caráter de processo ativo de quem estáaprendendo. O aprender passa pela compreensão de ser um fluxo constante, de algo vivo, dinâmico, em movimento, aberto e auto-organizativo. Tudo o que se vive ou faz está carregado de possibilidades de aprendizagem.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 88/414

88

· Garantir que o processo educativo surja das necessidades de saúdedo território, enfrentando os desafios identificados, tendo ocompromisso de viabilizar uma prática competente e transformadora.

· Criar condições aos participantes do processo para definir e redefinir

permanentemente os objetivos e os meios de sua atuação, respeitando-se as dimensões individual e coletiva.· Considerar e apurar, na atuação, os ritmos, o sentir, o pensar, o querer

e o agir das pessoas envolvidas no processo.

4 - O Núcleo de Saúde Integral

 A residência está organizada na concepção do Núcleo de Saúde Integrala Saúde Família (NAISF)9 onde cada núcleo é composto por uma equipemultiprofissional. Para cada equipe existem dois preceptores que acompanham,apóiam, orientam e supervisionam as atividades dos residentes no território.Um núcleo é responsável por trabalhar a Estratégia da Saúde da Família juntoa nove equipes da saúde da família durante todo o período previsto para aresidência 24 meses, ou seja, não há rodízio nos territórios.

 A residência de Sobral conta no momento com 10 preceptores distribuídosnas seguintes categorias: educação física (01), terapeuta ocupacional (01),enfermagem (04), serviço social (02) e psicologia (03).

Em Sobral os residentes estão distribuídos em cinco núcleos. Cada Núcleode Saúde Integral é composto por um uma equipe multiprofissional assimconstituído: 01 psicólogo, 01 assistente social, 01 educador físico, 01fisioterapeuta, 01 nutricionista, 01 enfermeiro, 01 dentista e há, ainda, doisnúcleos que possuem na sua composição 01 farmacêutico e 01 terapeuta

ocupacional.

1 Esta proposta está de acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde para inclusão de ações na Estratégia da Saúde da Família, tendocomo princípio garantir a integralidade e a resolutividade da atenção em saúde, nas ações de promoção, prevenção, assistência ereabilitação.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 89/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

89

Figura 02: Desenho teórico-metodológico da V turma de ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família de Sobral

5 - Desenho teórico-metodológico da Residência Multiprofissional emSaúde da Família de Sobral

O atual desenho teórico-metodológico da residência multiprofissional

em saúde da família de Sobral está organizada em quatro eixos estruturantes(vivências de aprendizagem)10, que se interpenetram e se alimentamreciprocamente, a saber:

· Vivências de território· Vivências teórico-conceituais· Vivências de extensão· Vivência monográfica

1 As vivências de aprendizagem (teórico-conceituais, monografia, território e extensão) se referem a um processo que se caracteriza pelasua inteireza onde o EU e o TU, o mundo e eu, mente e corpo, ensinar e aprender não são realidades distintas, mas, ao contrário, fazemparte de uma mesma e complexa realidade. Compreende ainda um instante vivido de profunda conexão do SER com uma dadarealidade (BUBER, 1979).

Fonte: AMARAL et al. (2006).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 90/414

90

1. Vivências teórico-conceituais: diz respeito ao conjunto de saberes queao longo da experiência da Estratégia Saúde da Família se consolidame se estruturam dada a pertinência para o fazer, o ser e o saber. Asvivências teórico-conceituais pretendem fomentar e catalisar a

reflexão, o estudo e a prática coerente e competente. Ressalta-se aindaque, em parte, ela é anterior e ao mesmo tempo posterior à própriaexperiência proporcionada pela residência uma vez que cada pessoatrás consigo, em função de sua história, um conjunto de competênciasque serão reorganizadas e re-significadas a partir das vivênciasproporcionadas pelo contato com a Estratégia da Saúde da Família.

2. Vivência monográfica: compreende a construção de um trabalhomonográfico de acordo com as especificações acadêmicas. A escolhae delimitação do objeto de análise são de competência do residente.

O objeto, porém, reflete o cotidiano de trabalho (sistematização deações desenvolvidas, avaliação de tecnologias produzidas, reflexõessobre a práxis, etc.), considerando, sempre, o rigor metodológico.

3. Vivências no território: compreende todo um conjunto de interaçõese ações, numa perspectiva educativa e ao mesmo tempotransformadora, que ocorrem no interior do território no qual oresidente se encontra inserido. É resultado do refletir e do fazer doresidente e de outros profissionais no território de sua área de atuação.Não se trata apenas de uma escolha pessoal de se estar no campo,

mas o estar no território faz parte de uma clara estratégia metodológicaque possibilita ao residente, por exemplo, entrar em contato com umarealidade viva, dinâmica, rica em possibilidades e contradições queprecisa ser compreendida e transformada, visando à promoção dasaúde.

4. Vivências de extensão11: propõe-se intensificar e aprimorar o fazerprofissional pertinente a cada categoria integrante da residência emsaúde da família a partir da busca de conhecimentos e experiênciasrelevantes, visando sempre contribuir para aumentar a efetividade

das práticas e saberes. Ocorrem por meio de intercâmbiosinstitucionais, podendo ser no âmbito do município de Sobral ou emoutros municípios, mediadas, acompanhadas e avaliadas pela Escolade Saúde da Família.

11 A vivência de extensão é realizada por meio de “estágios” que pode ser desenvolvido no interior do município de Sobral ou fora. O tempomáximo são de três semanas ou 120 horas e deve ser realizada em sistemas de saúde que permitam aprofundar a experiência daEstratégia do Saúde da Família, bem como, o fazer específico de cada categoria profissional na Estratégia do Saúde da Família.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 91/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

91

O processo de aprendizagem dos residentes se efetiva em dois grandesmovimentos, sendo que um segue a lógica do dinamismo da produção de saúdenos territórios (vivências de território e de extensão) e um outro maisestruturado, composto por momentos visíveis e claramente demarcados

(vivências teórico-conceituais e monográfica). As vivências teórico-conceituaissão construídas nos seguintes momentos: conferência, grupo de estudo, eseminário12 perpassados pelas vivências de território, monográfica e de extensão.

 A articulação dessas vivências de aprendizagem busca fortalecer as competênciasbásicas (humana, técnica, social e política) e o contexto de aprendizagem deveser prazeroso e participativo.

6 - Sistema aprendenteFigura 03: Círculo do sistema aprendente da residência multiprofissional

em saúde da família de Sobral(Footnotes)

Fonte: AMARAL et al. (2006).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 92/414

92

Os momentos formais de aprendizagem (Vivências teórico-conceituais):

1. Conferência: são encontros presenciais com o objetivo de introduzirum determinado tema. Tem duração de quatro horas com a presençade um conferencista com amplo conhecimento do assunto. São

realizadas 11 conferências por ano e 22 ao longo do processoformativo. Normalmente as segundas-feiras no período da noite. Aconferência terá dois momentos. O primeiro expositivo e o segundode trocas entre os residentes e o conferencista.

2. Os grupos de estudos: pretendem primeiro consolidar e aprofundaras questões suscitadas pela conferência e segundo ser o momentopreparatório para o seminário a partir do estudo dirigidoproporcionando reflexão e análise críticas do tema em foco. O grupode estudo é semanal com carga horária de três horas a cada encontro

somando um total de quatro por mês.3. Seminário: estratégia pedagógica que tem como propósito a ampliação

das discussões teóricas e de possibilidade de aprofundamento dosconhecimentos e ainda de atualização dos temas trabalhados nasconferências e nos grupos de estudos de acordo com a programaçãotemática proposta pela residência. O seminário é organizadorotativamente pelos núcleos de residentes sob a coordenação dapreceptoria. A técnica se processa na grande roda da residência sendoaberto para os demais profissionais da Rede de Saúde do Município

de Sobral. A presença de um facilitador externo a residência é opcionale fica na responsabilidade do núcleo organizador em comum acordocom a coordenação da Escola de Formação de Saúde da Família. Osseminários acontecem uma vez a cada mês com duração de oito horas.

 Ao final do seminário cada residente elaborará um relatório que faráa síntese de aprendizagem do processo deflagrado com a conferência,fortalecida pelos grupos de estudos e aprofundada com o seminário.

4. Grupos de estudo interdisciplinar: semanal com carga horária de trêshoras, totalizando 88 encontros (264 horas/aula), os residentes que

constituem um determinado núcleo se encontram para discutirquestões relacionadas ao seu processo de trabalho entre outrosaspectos.

5. Grupo de estudo das categorias: atividade dirigida para cada categoriaprofissional. Ocorre quinzenalmente com carga horária de três horas,totalizando 44 encontros (132 horas/aula) - inclui também atividadesde planejamento e avaliação.

6. Roda da residência: constitui-se no grande fórum da residência ondetodos os grupos residentes, preceptores e direção encontram-se paradiscutir, planejar, avaliar e consensar questões diversas. Mensal - comcarga horária de três horas, totalizando 66 horas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 93/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

93

7 - Conteúdo programático das vivências teórico-conceituais

Cada módulo (vivências teórico-conceituais) está organizado de maneiraa favorecer uma melhor inserção e compreensão do residente na Estratégia da

Saúde da Família e encontra-se organizado da seguinte maneira: conferênciacom um especialista que introduz um tema, por exemplo, planejamento emsaúde; logo em seguida, durante quatro semanas os grupos de estudos buscamaprofundar esse tema e finalmente o módulo é concluído com a realização deum seminário onde além de ser aprofundado e sistematizado questõespertinentes ao tema são apresentadas estratégias de operacionalização deatividades e seus resultados que pretendem naquele módulo específico produzirmudanças quanti e qualitativa no sistema local de saúde.

· SUS e a Estratégia da Saúde da Família· Promoção da saúde· Participação social· Educação Popular e Educação Permanente em Saúde· Vigilância à Saúde· Saúde, etnia, gênero e geração· Metodologia da pesquisa científica· Planejamento em saúde

· Organização de serviços de saúde· Abordagem à família· Educação e saúde

8 - Sobre o processo de avaliativo

Como toda metodologia problematizadora a avaliação não visaexclusivamente à classificação do residente, mas sua formação. De maneirageral, a avaliação compreende a análise dos seguintes aspectos:

1. Análise das vivências de território considerando sua resolutividade eresponsabilização.

2. Cumprimento do cronograma semanal e/ou mensal pactuado peloNúcleo de Atenção Integral do qual faz parte.

3. Analise dos relatórios descritivos das atividades de campo (bimensal)e dos relatórios dos seminários e conferências (mensais).

4. Entrevistas individuais, considerando a evolução dos residentes doponto de vista técnico, social, político e humano; bem como,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 94/414

94

compreensão e compromisso do residente com a proposta pedagógicada residência em saúde da família de Sobral.

5. Participação na programação técnico-científica da Escola de Saúdeda Família e do sistema municipal de saúde.

6. Elaboração e apresentação de um trabalho monográfico, emconsonância com os critérios previstos para o tipo de atividade.7. A avaliação constará também de discussão e análise das percepções

do conjunto de profissionais e de clientes da rede de saúde domunicípio, envolvidos diretamente nas ações de saúde dos residentes(AMARAL et al., 2006).

9 - Fatores facilitadores

Implantar e desenvolver a residência multiprofissional não é uma tarefasimples primeiro pela própria natureza da residência onde uma multiplicidadede conhecimentos, competências e de visões precisam ser organizadas ecompatibilizadas; segundo, por que a residência implica o articular-se comuma diversidade de fatores pedagógicos, institucionais, financeiros, humanose políticos o que a torna um empreendimento dinâmico e naturalmentecomplexo. Dentre os aspectos que favorecem o desenvolvimento da residência

multiprofissional em Sobral destacamos:

· A organicidade com o sistema local de saúde.· A concepção de educação permanente disseminada em toda rede de

assistência do município.· O desejo e compromisso com a construção de um sistema de saúde

escola.· A integração dos trabalhos desenvolvidos pelas várias categorias

profissionais o que tem potencializado o fazer da residência.· Território como lócus de ação do residente, ou seja, não só o Centro

de Saúde da Família mais todo um conjunto de estruturas formais einformais existentes numa dada áreas adscrita de atuação que seapresentam como espaços favoráveis ao trabalho dos residentes comoescolas, creches, associações de moradores, sindicatos entre outros.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 95/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

95

10 - Fatores dificultadores

O ambiente de articulação da residência multiprofissional é complexo oque a colaca em situações desafiadoras permanentemente. Dentre os aspectos

que dificultam destacamos:· A área de atuação dos residentes foi definida a partir da orientação daproposta dos Núcleos de Saúde Integral do Ministério da Saúde –uma equipe ampliada para cada nove equipes de saúde da família, oque se confere em uma população aproximada de 45 mil habitantespara cada núcleo.

· O modelo adotado ter priorizado o território o que em parte diminuiua presença dos residentes no interior dos Centros de Saúde da Família(CSF) o que gera alguns desconfortos junto aos profissionais dos CSF.

· A diversidade de modelos de residência multiprofissional existentesno País o que gera comparações que nem sempre são possíveis.

· Número insuficiente de profissionais para acompanhar passo a passoo cotidiano de serviço dos residentes.

11 - Coordenação da residência

 A coordenação da residência multiprofissional em saúde da família deSobral é exercida por Maria Socorro de Araújo Dias, enfermeira e doutora emEnfermagem em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Ceará com amplaexperiência na área de atenção e de educação permanente e professora daUniversidade Estadual vale do Acaraú.

 A coordenação pedagógica da residência é exercida por José ReginaldoFeijão Parente psicólogo, mestre em Gestão Pública pela Universidade EstadualVale do Acaraú, pós-graduado em Gestão de Recursos Humanos e PlanejamentoEstratégico Participativo.

 A coordenação de produção cientifica é exercida por Maristela OsawaChagas, enfermeira, mestre e doutoranda em Enfermagem pela UniversidadeFederal do Ceará e professora do curso de enfermagem da UniversidadeEstadual Vale do Acaraú.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 96/414

96

Referências bibliográficas

 AMARAL, Inês V. A. et al. Proposta técnico-pedagógica da residência

multiprofissional em saúde da família da escola de formação em saúde da família Visconde de Sabóia. Sobral: [s.n.], 2006. Mimeo.

 ASMANN, Hugo. Reencantar a educação. Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 1998.

BARRETO, Ivana C. H. C.; OLIVEIRA, E.; ANDRADE, L. O. M. A.Residência em saúde da família de Sobral: um ano formando profissionaisem larga escala. SANARE: Revista Sobralense de Políticas Públicas, [S.l.], v. 2,

n. 3, out./dez., 2000.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e daEducação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Faltatítulo. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; Brasília: Ministério da Saúde, 2005, p.80-2.

BUBER, Martin. Eu e tu. São Paulo: Editora Moraes, 1979.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à práticaeducativa. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia dooprimido. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Site acessado: <http://www.esf.org.br>.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 97/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

97

Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliae Comunidade da Faculdade de Medicina de Marília1

Antonio Fabron Junior2

Cátia Regina M. de Lima3

Maria Cristina M. Capel Laluna4

Marilda Siriani de Oliveira5

1 Programa desenvolvido pela Faculdade de Medicina de Marilia-Famema. E-mail: [email protected] Médico, doutor em hematologia, professor do curso de medicina da Famema, diretor do Hemocentro

da Famema, coordenador do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. E-mail:[email protected].

3 Enfermeira, mestre em saúde publica, professora do Programa de Residência Multiprofissional emSaúde da Família. E-mail: [email protected].

4 Enfermeira, mestre em enfermagem, professora do curso de enfermagem da Famema, coordenadorado Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. E-mail: [email protected].

5 Médica, mestre em saúde publica, professor da Faculdade de Medicina de Marilia e da Faculdade deMedicina da Universidade Federal de São Carlos. E-mail: [email protected].

6 Enfermeira, mestre em Enfermagem, professora do curso de Enfermagem da Famema, coordenadorado Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. E-mail:[email protected]

7 Médico, mestre em Educação para profissional da Saúde, Professor do Curso de Medicina da Famema,coordenador do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. E-mail:[email protected].

8 Enfermeira, mestre em Enfermagem, professora do curso de Enfermagem da Famema, coordenadora

do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família. E-mail: [email protected] Médico, Doutor em medicina, professor da Faculdade de Medicina de Marilia e da Faculdade de

Medicina da Universidade Federal de São Carlos, diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa do HospitalSírio Libanês. E-mail: [email protected].

10 Enfermeira, Doutora em Saúde Pública, Professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federalde São Carlos. E-mail: [email protected]

Resumo: O presente trabalho apresenta o Programa de Residência

Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade da Faculdade deMedicina de Marília (Famema). Tal programa desenvolve-se em parceriacom a Secretaria de Saúde do Município de Marília, cujo propósito consistena formação de profissionais de saúde para atuarem como sujeitos demudanças das práticas em saúde, conforme proposto pelo Sistema Único deSaúde (SUS). Para tanto, utiliza-se referencial de educação crítica e reflexiva,orientação curricular por competência, metodologias ativas de ensino-aprendizagem. Aponta, ainda, os principais aspectos que facilitam e os quedificultam o desenvolvimento do programa.

Palavras-chaves:  Aprendizagem Baseada em Problemas, Saúde da Família,Internato e Residência, Competência Profissional.

Marilia Simon Sgambatti6

Maurício Braz Zanolli7

Renata Shimizu L. da Rosa8

Roberto de Queiroz Padilha9

Roseli Ferreira da Silva 10

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 98/414

98

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 99/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

99

1. Introdução

O Programa Saúde da Família é uma das principais estratégias paramudança do modelo de atenção à saúde, centrado na doença e organizado pela

demanda e oferta de serviços, para um modelo pautado na vigilância à saúdeda população. No sentido de contribuir com esta estratégia a Famema propõeuma formação em nível de pós-graduação, modalidade ResidênciaMultiprofissional, utilizando metodologias inovadoras de ensino-aprendizagem,que qualifique profissionais de saúde para serem agentes de mudanças aoatuarem nas equipes de saúde da família.

  A Famema apresenta essa proposta inovadora para a ResidênciaMultiprofissional em Saúde de Família e Comunidade, com base na experiência

de três anos de trabalho junto ao Programa de Residência Multiprofissionalem Saúde da Família (médico e enfermeiro), quatro cursos de especializaçãoem saúde da família e de oito anos de desenvolvimento de programas degraduação em medicina e enfermagem, orientados à comunidade commetodologias ativas de ensino-aprendizagem.

 A integração da Famema com o Programa de Saúde da Família (PSF) doMunicípio de Marília e com os demais serviços de saúde local vinculados aoSistema Único de Saúde (SUS), potencializa a capacidade de mudança da

formação de profissionais da saúde e do atual modelo de cuidado à saúde daspessoas e das comunidades.

O incentivo aos profissionais de saúde para estabelecer vínculo dasequipes de saúde com a família, paciente e a comunidade recoloca as pessoas esuas necessidades de saúde no centro de todo o cuidado, redimensiona a relaçãoprofissional de saúde/paciente e reorganiza a oferta de serviços de saúde e otrabalho dos próprios profissionais.

 A inserção dos residentes junto as Equipes de Saúde da Família (ESF) domunicípio fortalece o desenvolvimento do trabalho em equipe e a troca desaberes para a construção de novos conhecimentos que são originados nainterface dos diferentes campos de trabalho profissional, além de aprofundara parceria entre a academia e os serviços, potencializar os pontos fortes esuperar as dificuldades identificadas no programa iniciado em 2003. Contribui,ainda, para expansão e a consolidação do PSF, no sentido de formar profissionaisde saúde capazes de se comprometer e de operacionalizar as mudançasnecessárias na organização do cuidado à saúde, de modo a promover uma

melhoria na saúde e qualidade de vida das pessoas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 100/414

100

O Sistema Único de Saúde tem como um dos seus princípios a garantiada integralidade das ações. Esse princípio também é um dos pilares deorganização da atenção básica à saúde. A integralidade significa a abordagemdo indivíduo sem fragmentação da assistência, no contexto familiar e social no

qual está inserido. Significa também a organização das práticas de saúdeintegrando ações de promoção, prevenção, assistência e reabilitação. No âmbitoda organização do sistema de saúde, significa a garantia de acesso aos diferentesníveis de “complexidade” da atenção. Outro sentido importante é o de oferecerrespostas não apenas a um recorte de problemas, mas ao conjunto denecessidades de saúde de uma comunidade, o que caracterizaria a atençãobásica como a principal porta de entrada (primeiro contato) do usuário nosistema de saúde. Um dos principais desafios para a qualificação da Estratégia

Saúde da Família é a necessidade de avançar na integralidade e na resolubilidadeda atenção.

Marília já vem desenvolvendo experiências, no sentido de implementarações, para além das áreas estratégicas mínimas preconizadas pela NOAS paraa atenção básica. Assim, ações de saúde mental e reabilitação têm sidodesenvolvidas a partir da agregação nas equipes de outros profissionais aotrabalho das ESF, como assistente social, psicóloga e mais recentementefisioterapeuta e psiquiatra.

Em 2006, foram oferecidas 32 vagas, assim distribuídas: 10 vagas paraprofissionais enfermeiros, 10 vagas para dentistas, quatro vagas parafisioterapeutas, quatro vagas para psicólogos e quatro vaga para assistentessociais. Desde então as equipes vêm buscando estratégias de inserção das açõesdestes profissionais no seu cotidiano de cuidar de indivíduos, famílias ecomunidade.

É sabido que a inserção dessas ações no âmbito da atenção básica deve

obedecer ao modelo de redes de cuidado, multiprofissionalidade etransdisciplinaridade, de base territorial e atuação transversal com outraspolíticas específicas, e que busquem o estabelecimento de vínculos eacolhimento. Estas ações devem buscar promover a cidadania e a autonomiade usuários e seus familiares.

No sentido de avançar na consecução da integralidade da atenção e dagestão em saúde e no aumento da resolubilidade é que a Famema e a SecretariaMunicipal de Higiene e Saúde (SMHS) propõe a formação pós-graduada,

modalidade Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidadearticulada com o arranjo organizacional do PSF de Marília.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 101/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

101

O objetivo deste programa é promover o desenvolvimento de atributosprofissionais que possibilitem aos médicos, enfermeiros, cirurgiões-dentista,psicólogos, assistentes sociais e fisioterapeutas formados pelo programa deresidência o exercício profissional com excelência nas áreas de cuidado integral

à saúde das pessoas e de comunidades e na gestão e organização do trabalho,visando à melhoria da saúde e da qualidade de vida.

Na área vigilância à saúde - cuidado integral às necessidades de saúdeindividuais em todas as fases do ciclo de vida:

· estabelecer vínculo com pacientes, famílias e comunidade pautadopelo respeito, ética e responsabilidade no cuidado à saúde,desenvolvendo uma prática humanizada e com excelência técnica;

· orientar o trabalho de cuidado à saúde segundo identificação dasnecessidades de saúde das pessoas;

· compreender o indivíduo como sujeito na promoção, manutenção erecuperação de sua saúde, potencializando sua capacidade ativa e co-responsável nesse processo, respeitando os interesses, valores e acultura das pessoas;

· interpretar e organizar as informações coletadas na história e exameclínicos para a formulação de hipóteses aos problemas de saúde das

pessoas, de forma ética, visando à elaboração de planos de cuidadoque considerem a autonomia, o consentimento e as condições sócio-culturais do paciente, a identificação e utilização dos recursos sociaisdisponíveis, articulando e promovendo, permanentemente, possíveispropostas de ações integradas para a melhoria constante da qualidadede saúde da população.

Na área de vigilância à saúde - cuidados às necessidades de saúde coletivas:

· interpretar e organizar as informações coletadas para a formulação

de hipóteses e dos problemas de saúde das famílias e da comunidade,de forma ética, visando à elaboração de planos de cuidado queconsiderem a utilização dos recursos sociais disponíveis, articulandoe promovendo, permanentemente, possíveis propostas de açõesintegradas para a melhoria constante da qualidade de saúde dapopulação;

· respeitar os interesses, valores e a cultura da comunidade,considerando as condições de vida e sua forma de atuação/organização,no sentido de melhorar a qualidade de vida;

· utilizar instrumental do planejamento estratégico e participativo,buscando atuar em conjunto com os movimentos populares e as

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 102/414

102

lideranças comunitárias locais, visando à melhoria da qualidade devida e do meio ambiente.

Na área de organização e gestão do trabalho de vigilância à saúde:

· atuar em equipe, promovendo o trabalho ético, participativo, co-responsável, multiprofissional e intersetorial;

· gerenciar planos, programas, projetos e atividades de trabalho naequipe de saúde na qual atua;

· participar da formação e da capacitação de pessoal auxiliar, voluntárioe estudantes, utilizando metodologias ativas de ensino-aprendizageme promovendo aprendizagem significativa e diferenciada;

· auto-avaliar-se e avaliar atividades, atitudes e ações da equipe,

mantendo um processo permanente de reflexão crítica.

Na área de investigação científica:

· compreender a pesquisa como sistematização e tratamento científicoem busca de respostas às questões originadas pelo pensamentoreflexivo;

· formular projeto de pesquisa, considerando a importância ejustificativa do tema selecionado, estabelecendo os objetivos eprocedendo a escolha da metodologia quantitativa e/ou qualitativa

apropriada ao objeto;· executar projetos de pesquisas relevantes possibilitando um novo

enfoque ou nova abordagem no cuidado em saúde das pessoas ecomunidade.

 A competência não é algo que se observa diretamente, porém que seinfere pelo desempenho (realização das tarefas essenciais, fundamentadas poratributos cognitivos, psicomotores e atitudinais qualificados).

  Assim, propomos trabalhar com as tarefas e as capacidades de modoarticulado, verificável pelo desempenho, aqui entendido como uma combinaçãode atributos que fundamentam a realização de tarefas profissionais. Osdesempenhos são observáveis e a partir desses se infere a competência.

Os padrões de competência (critérios de satisfatório) explicitam o que oprofissional deve ser capaz de fazer para desempenhar sua prática com sucesso,desenvolvendo padrões de profissionalismo. Também favorecem odesenvolvimento do processo de formação e avaliação profissional, uma vezque os padrões de competência podem orientar tanto a ação educativa quantoa certificação.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 103/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

103

Para o desenvolvimento das áreas de competência apresentadas propõe-se o desenvolvimento dos seguintes desempenhos:

Cuidado às necessidades individuais em todas as fases do ciclo de vida:

· realiza história clínica;· realiza exame clínico;· formula o(s) problema(s) do paciente;· elabora e executa o plano de cuidado.

Cuidado às necessidades coletivas em saúde:

· formula o(s) problema(s) do território;· processa o problema;

· elabora e executa o plano de intervenção.

Organização e gestão do trabalho de vigilância à saúde:

· Organiza o trabalho de vigilância à saúde;· avalia o trabalho em saúde.

Investigação científica:

· identifica os passos da pesquisa bibliográfica;· formula projeto de pesquisa;· executa projeto de pesquisa.

O programa de residência é avaliado por residentes, preceptores e tutoresao final de cada semestre em formato especial de avaliação.

Para o acompanhamento do residente, os tutores do programa são

enfermeiros e cirurgiões dentistas que atuam no Programa de Saúde da Famíliado município. Os preceptores especialistas do programa são docentes ouprofessores colaboradores da Faculdade de Medicina de Marília e/ouprofissionais da Secretaria Municipal de Higiene e Saúde.

Para os residentes que iniciaram o programa em 2006, os tutores dasUnidades de Saúde da Família (USF) são os próprios enfermeiros e dentistasdas unidades, nas quais os residentes desenvolverão o programa de residência.

Para os demais profissionais a equipe matricial de preceptoria

especializada é composta por psicólogo, assistente social e fisioterapeuta,vinculada ao Programa de Residência Multiprofissional.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 104/414

104

Dessa forma os tutores e preceptores especialistas para todas as áreas,já com experiência no desenvolvimento do Programa de Residência em Saúdeda Família e, preferencialmente, com curso de especialização em saúde dafamília, acompanham o desenvolvimento dos desempenhos dos residentes,

frente às áreas de competência estabelecidas. A proporção de tutor/residenteé de um para um (aplicado às áreas de enfermagem e odontologia), e a depreceptor/residente é de um para quatro (aplicado para as áreas de psicologia,fisioterapia e serviço social).

 A avaliação dos preceptores é realizada pelos residentes de cada área eestágio, em relação a um conjunto de desempenhos relacionados à tarefa desupervisão, na metade e ao final de cada ano do programa. Ao final da formação,o programa também é avaliado.

Há momentos formais de avaliação de desempenho dos residentes nosquais uma síntese das avaliações realizadas no dia-a-dia, registrada em formatosespecíficos, é discutida com os próprios residentes e analisada por outrosdocentes vinculados ao programa, mas não diretamente à atividade avaliada,garantindo um processo transparente, democrático e ampliado para melhoriado programa como um todo e dos desempenhos individuais em particular.

 Assim, a avaliação formativa dos residentes é realizada de forma contínua eem processo.

 A avaliação somativa para certificação de competência, ao final doprograma, é fundamentada na análise do desenvolvimento de cada residenteem relação ao seu próprio ponto de partida e em relação ao padrão estabelecidocomo satisfatório para certificação de competência, sendo responsabilidadefinal do preceptor e avaliadores. A certificação de competência é realizadanum formato de avaliação que analisa, em situações simuladas e com pacientessimulados, a capacidade dos residentes para desempenharem tarefas da prática

profissional, fundamentando suas ações segundo evidências científicas, destrezatécnica e valores e postura ética (Exercício de Avaliação da Prática Profissional- EAPP).

 A equipe da saúde da família, unidade de aprendizagem é avaliada pelosresidentes semestralmente.

 Ao término de cada módulo são avaliados:

· o desempenho do residente;· o desempenho do tutor/preceptor;

· o módulo de laboratório de prática profissional.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 105/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

105

 Ao final do segundo ano, o residente também deve apresentar um trabalhocientífico, sobre um tema de sua escolha e pertinente aos conteúdosdesenvolvidos no programa, sob formato compatível à publicação de artigo.Esse trabalho é acompanhado por um orientador e sua análise final realizada

por uma banca formada por três docentes (mestres ou doutores). A certificaçãofica vinculada à obtenção de conceitos satisfatórios em todas as modalidadesde avaliação.

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade, realizado nas USF do Município de Marília, tem duração dedois anos, em tempo integral, com carga horária semanal de 60 horas com uma dois plantões de 12 horas (semanal), na dependência do estágio, e sessões detutoria aos sábados de manhã (quatro horas). O cumprimento desta carga

horária totaliza 5.524 horas, distribuídas nas seguintes atividades:· atendimento nas unidades de saúde da família (supervisão dos

preceptores/tutores e dos preceptores especialistas);· tutorias (tutores/preceptores especialistas);· laboratórios de simulação para desenvolvimento de tarefas e atributos

(tutores/preceptores especialistas);· plantões (supervisão dos preceptores/tutores plantonistas dos

respectivos serviços);

· reuniões com a comunidade ou segmentos organizados da sociedade(profissionais da Secretaria Municipal de Higiene e Saúde);· supervisão técnica (profissionais da Secretaria Municipal de Higiene

e Saúde);· reunião mensal com a equipe de coordenação.

Os residentes têm 30 dias de férias em cada ano da residência. O gozodas férias será determinado por meio de escala, onde haverá o revezamentodos profissionais da equipe da unidade. A escala será elaborada pela equipe de

coordenação da residência em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúdede Marília.

 Ao considerar o modelo de atenção vigente no País, entende-se que asaúde da família só será realidade, se pautado numa perspectiva que transformeo objeto da atenção, a forma de organização das práticas e o processo deorganização dos serviços. O caráter de sustentabilidade desta política não sedá em bases meramente técnicas ou por simples ação intervencionista. É precisoreconhecer que a continuidade do processo, nos três níveis de governo, édependente de uma política de financiamento e de desenvolvimento de recursoshumanos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 106/414

106

 A experiência em desenvolvimento, em Marília, tem produzido impactosignificativo sobre a situação de saúde e gerando satisfação por parte daspopulações assistidas. A constatação destes resultados revela, portanto, aexistência de um capital organizativo considerável e acumulações políticas,

institucionais e sociais com potencialidades para introduzir mudanças maispermanentes no modelo de atenção á saúde.

Na conclusão do programa de residência da I Turma (2003-2005), apósprocesso seletivo interno, dos sete residentes médicos e nove residentesenfermeiros que concluíram o programa, quatro residentes médicos e seisresidentes enfermeiros que desejaram continuar em suas atuais equipes, foramcontratados por meio do estabelecimento de vínculo trabalhista com omunicípio.

Nesta perspectiva, a Estratégia da Saúde da Família – sem desconhecer acarga que, eventualmente, possa estar suportando, no bojo da admiraçãoarreflexiva, do ceticismo incrédulo ou da oposição acrítica – é sem dúvida,uma realidade e uma possibilidade para a concretização do SUS, parareorganização dos serviços e para transformação do ensino e das práticas naformação dos futuros profissionais de saúde.

 A seguir listamos alguns elementos facilitadores e dificultadores para odesenvolvimento deste programa:

Facilitadores:

- parceria academia-serviço favorecendo a inserção do residente nomundo do trabalho e o tutor ser o profissional do serviço;

- ampliação das áreas profissionais para residência, com a inclusão depsicólogo, fisioterapeuta, serviço social e cirurgião dentista;

- processo educacional ativo, com inclusão de várias e distintas estratégias

de formação: consultoria, laboratório de práticas profissionais,plantões em outros cenários da prática, estágio eletivo,desenvolvimento da especialização em saúde da família integrada àresidência;

- adoção de sistema de avaliação formativa, contemplando várias e diversasmaneiras de captação de informação para emissão de juízo de valor;

- manutenção de uma relação de reciprocidade entre a coordenação doprograma e residentes, preceptores e tutores, por meio de reuniõesadministrativas e educação permanente;

- equipe de coordenação do programa vem buscando desenvolver açõescolegiadas, incluindo o gestor do serviço de saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 107/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

107

Dificultadores:

- morosidade no repasse de recursos financeiros pelo Ministério da Saúde,provocando desgaste do residente, da coordenação e dos profissionaisde apoio administrativo-acadêmico;

- a ampliação das áreas profissionais favorece a inserção de preceptorescom diferentes aproximações com a proposta pedagógica;

- o apoio pedagógico à formação no cenário da prática se faz de maneiradiversa, nas distintas áreas profissionais;

- a pouca clareza dos núcleos de competência específicos por áreaprofissional e as gerais para efetivação do cuidado integral.

Como fonte financiadora deste programa contamos com recursos doMinistério da Saúde e Faculdade de Medicina de Marília.

Referências bibliográficas

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA.  Manual das residências:multiprofissional em saúde da família e medicina da família e comunidade.Marília, 2006.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 108/414

108

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 109/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

109

Residência Multiprofissional em Saúde da Família: a experiênciada Faculdade e Casa de Saúde Santa Marcelina

Ir. Monique Marie Marthe Bourget1

Ir. Rosane Ghedin2

Ir. Luiza Vanz3

Profa. Ms. Carla Roberta Ferraz Rodrigues4

Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva5

Prof. Dr. Paulo Cobellis Gomes6

Profa. Ms. Vilma Rodrigues Venâncio7

Resumo: O complexo Santa Marcelina (Casa de Saúde e instituições deensino técnico e superior), situado na periferia de São Paulo (capital) sempredemonstrou protagonismo frente à situação social e de saúde da populaçãolocal. A formação e a capacitação de pessoas para o trabalho no SistemaÚnico de Saúde (SUS) são consideradas prioritárias e a ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família (RMSF) assume parte importantedesse papel. O atual programa contempla dez profissões da saúde e serviço

social. A composição do grupo objetivou corresponder ao perfil saúde-doençalocal e à proposta do Ministério de Saúde. Organizados em mini-equipes, osresidentes desenvolvem ações interdisciplinares e de categoria, segundoplanejamento específico e do grupo junto às equipes de Programa de Saúdeda Família (PSF), sempre acompanhados por preceptores e tutores. Temasteóricos gerais e específicos permeiam todo o processo, alinhando eaprofundando conhecimentos. A RMSF agregou qualidade às instituições,trouxe vários ganhos à população e as equipes de PSF mostraram-se um

locus privilegiado para o exercício da integralidade e da aprendizagem.Palavras-chave: Residência Multiprofissional em Saúde, formação em Saúdeda Família.

1 Diretora de Convênios da Casa de Saúde Santa Marcelina (CSSM).2 Diretora Presidente da CSSM.3 Diretora Secretária da CSSM.4 Professora Adjunta da Faculdade Santa Marcelina, Unidade de Ensino Itaquera e Preceptora da

Residência Multiprofissional em Saúde da Família.5 Pró-Diretor Acadêmico da Faculdade Santa Marcelina, Unidade de Ensino Itaquera.6 Pró-diretor Administrativo Financeiro da Faculdade Santa Marcelina, Unidade de Ensino Itaquera.7 Coordenadora Adjunta do Núcleo de Capacitação em Saúde da Família. E-mail: www.fasmit.edu.br.

Faculdade Santa Marcelina, endereço: Cachoeira de Utupanema, nº 40, São Paulo/SP, CEP: 08270-140.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 110/414

110

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 111/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

111

Histórico do programa

 As instituições Santa Marcelina, Casa de Saúde e escolas de ensinosuperior e técnico, situadas na periferia de São Paulo (capital) sempre

demonstraram protagonismo frente à situação social e de saúde da populaçãolocal. A ampliação do hospital, na década de 80, a implantação do Programa deSaúde da Família (PSF) juntamente com o Governo Estadual em 1996, aexistência da Escola de Formação Profissional em Saúde Sophia Marchetti e aconstrução da Faculdade Santa Marcelina - Unidade de Ensino Itaquera em1999 ocorreram, sobretudo em função das necessidades dessa realidade, sempreconsiderando os determinantes sociais do processo saúde e doença.

Com o desenvolvimento do hospital, da escola, da faculdade, e da

expansão do Programa de Saúde da Família (PSF), intensificou-se a necessidadede promover a formação de um maior número de pessoas, tendo como premissaa inclusão social por meio da educação e do trabalho, possibilitando acesso aoensino superior de qualidade, mas, principalmente com a proposta pedagógicaestabelecida no carisma da congregação religiosa (SILVA; VANZ, 2001).

 Assim, a formação e a capacitação de pessoas para o trabalho no SUStêm sido uma estratégia prioritária nesse sentido e a Residência Multiprofissionalem Saúde da Família (RMSF) assume parte importante desse papel.

Em 2001, foi assinado um contrato com o Banco Interamericano deDesenvolvimento (BID) para um Programa de Residência Multiprofissionalem Saúde da Família (RMSF), no qual foram capacitados 20 profissionais,entre enfermeiros e médicos. Essa formação desenvolveu-se nos anos de 2002a 2004, nesse mesmo biênio quarenta profissionais, enfermeiros e médicosforam qualificados em saúde da família por meio do curso de especialização.

O Programa de RMSF e as especializações que se iniciaram estavam emconsonância com as necessidades identificadas pelo Pólo de Educação

Permanente da Região da Grande São Paulo (PEP/SUS), com vistas à capacitaçãode recursos humanos para o Programa de Saúde da Família.

Em 2005, após um processo de seleção que teve a procura de mais de1.000 candidatos, iniciou-se o segundo Programa de ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família, com 90 vagas para dez categoriasprofissionais da área da Saúde e Serviço Social.

 A composição profissional dessas vagas foi fruto de pactuações com oMinistério da Saúde e da expectativa de contemplar a diversidade do perfil

saúde-doença locorregional, inserido numa metrópole da dimensão de SãoPaulo.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 112/414

112

  A atual coordenação da residência é composta por um colegiadointerinstitucional que representa a Casa de Saúde Santa Marcelina (CSSM), oNúcleo de Capacitação em Saúde da Família e a Faculdade Santa Marcelina –Unidade de Ensino Itaquera.

Os residentes estão inseridos em unidades de saúde da família da zonaleste do Município de São Paulo, que tem a CSSM como parceira na gestão.

 As unidades foram selecionadas a partir de algumas condições como: perfil edisponibilidade de tutores, existência de serviço de odontologia, aceitação porparte da gerência local e profissionais do serviço e histórico de engajamentocom as questões locais e participação social.

 Além da inserção predominante nas unidades de saúde da família, osresidentes também têm inclusão em outros cenários de aprendizagem, situadossempre na própria região, como forma de fortalecer a intersetorialidade, criarsoluções coletivas para o encaminhamento de problemas, promover mais espaçosde aprendizagem aos residentes e potencializar os recursos locais.

Nessa perspectiva, esses cenários foram selecionados para contemplaras especificidades das categorias e também para o conjunto dos residentes,dependendo dos objetivos propostos. Clínicas hospitalares, instituições asilarese infantis, centros de reabilitação, centros de especialidades em saúde mental,

doenças sexualmente transmissíveis e Aids, saúde do idoso, recuperaçãonutricional e ONG’s relacionadas com violência foram algumas das instituiçõesimplicadas ao longo da residência.

 As dez categorias profissionais que compõem o programa (enfermagem,farmácia, fisioterapia, fonoaudiologia, medicina, nutrição, odontologia,psicologia, serviço social e terapia ocupacional) foram divididas em 16 gruposcom cinco e seis componentes, mesclando-se as categorias para se atrelarem a16 equipes de saúde da família, tendo cada um desses mini-grupos um

enfermeiro residente e na maioria, pelo menos um odontólogo. Todos os mini-grupos têm um tutor médico e enfermeiro e um odontólogo, quando necessário.Cada grupo de seis profissionais tem um preceptor específico da categoria.Foi estabelecido a partir do segundo ano da residência que os gruposacompanhariam cerca de 100 famílias da sua área de abrangência para dessaforma desenvolver a abordagem familiar orientada pelo pensamento sistêmicoe com o uso de instrumentos criados e adaptados para a realidade local.

  Na RMSF Santa Marcelina está prevista atuação de preceptores e

tutores com atribuições distintas para que não ocorra sobreposição de tarefas.Nesse cenário as instituições envolvidas pactuaram proporcionar aos

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 113/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

113

preceptores e tutores uma proposta de cursar a Especialização em Educação eFormação em Saúde da Faculdade Santa Marcelina (FASM), aos sábados, peloperíodo de um ano. Além da especialização, durante o segundo ano do cursovêm acontecendo quinzenalmente, atividades de capacitação dos tutores,

sempre sobre os temas das aulas teóricas gerais dos residentes. Somadas aessas iniciativas, a faculdade e o hospital indicaram representantes para participardo Curso de Ativadores de Mudança e de Facilitadores de Educação Permanenteem Saúde do MS/Fiocruz. Assim, a vivência dos papéis exercidos e asoportunidades de instrumentalização nos remetem a acreditar que a experiênciados preceptores, tutores e docentes vem sendo construída com base nosproblemas práticos que emergem no dia-a-dia das equipes e do trabalho decada categoria nas unidades de estágio. Contudo, os envolvidos nessa residência

instituíram papéis que são definidos da seguinte maneira: preceptor de categoriapara o acompanhamento do processo de trabalho do residente, bem comotreinamento em serviço; preceptor de área como referência para a equipemultiprofissional; tutor Unidade Básica de Saúde (UBS) para o acompanhamentodiário do residente a fim de ampliar a visão do educando, voltada paraoportunizar a análise das possibilidades de aplicação prática do saberconquistado e docentes para contribuir com a orientação dos trabalhos deconclusão e parte das aulas teóricas.

Objetivos e justificativa do Programa de RMSF Santa Marcelina

O Programa de RMSF das instituições Santa Marcelina justifica-se pelacrescente demanda das instituições de saúde que carecem de profissionaisqualificados para pensar e intervir sobre os problemas do cotidiano em suasmúltiplas dimensões cognitivas, operacionais e organizacionais no âmbito da

estratégia de saúde da família; relevância organizacional e operacional daestratégia de Saúde da Família no cenário da Saúde em âmbito locorregional;consolidação das diferentes vivências e experiências dos profissionais da saúdeenvolvidos por meio da discussão, análise, estudos e avaliação daoperacionalização da Estratégia Saúde da Família, e histórico das competênciasda instituição mantenedora do curso, caracterizando o seu compromisso socialna área da educação e da saúde.

Nessa perspectiva tem como objetivo geral: agregar competências gerais

e específicas à formação dos residentes para o desenvolvimento do seu exercícioprofissional em saúde da família nos diversos cenários. Para tanto, os objetivos

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 114/414

114

específicos traçados são: selecionar, adaptar e prover meios para a implantação,implementação e avaliação das referências teóricas, operacionais,organizacionais e tecnológicas da atenção à família nos cenários locais, regionaise nacionais; analisar concepções teóricas e suas possibilidade de geração de

tecnologias viáveis para a prática com famílias, provendo novas formas deatuação; analisar as relações sociais e profissionais, e contribuir individual ecoletivamente para o fortalecimento dos processos de educação permanenteno âmbito da ESF; aplicar conhecimentos dos processos de resolução deproblemas nas pesquisas e na elaboração e desenvolvimento de projetosassistenciais.

Composição atual do programa

O programa tem por finalidade adequar o processo de formação àstransformações das profissões das áreas de saúde, ensino, mercado de trabalhoe, principalmente às necessidades e demandas de saúde da população, expressaspela significante mudança no seu perfil demográfico-epidemiológico.

Busca-se formar profissionais com consciência crítica, atuando nas áreasde assistência, administração, docência e pesquisa voltadas para a saúde dafamília, gerando assim um perfil profissiográfico que permeie não só a vida

estudantil, mas o comportamento ético.O residente da Residência Multiprofissional em Saúde da Família agrega

conhecimentos, habilidades e atitudes próprias a serem utilizadas na promoção,proteção e recuperação da saúde, exercidas por trabalhadores de formaçõesdiferenciadas. Sua ação dar-se-á em equipe multiprofissional e interdisciplinarna promoção da saúde e da organização dos serviços de saúde.

Dada a complexidade da proposta da residência, tanto entre suasdiferentes categorias, como internamente, pelas suas orientações teóricas

distintas e, sobretudo pela proximidade com a realidade vivida, exige-se queestratégias eficazes e efetivas de encaminhamento e resolução de necessidadessejam adotadas. Após um processo de discussão sobre ensino baseado emcompetências, entendo-as como combinações sinérgicas entre conhecimentos,habilidades e atitudes para o exercício das inúmeras atividades exigidas, bemcomo o desempenho nesse contexto em termos de comportamentos erealizações decorrentes da aplicação dessas combinações (CARBONE, 2006),optou-se por essa vertente teórica de orientação.

Para tanto, estabeleceu-se o que se esperava como competências geraisnecessárias a todos os residentes e as competências essenciais de cada categoria.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 115/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

115

Neste momento, foram traçados os conhecimentos, habilidades e atitudesrequeridas para a aquisição dessas competências. O processo desencadeado apartir dessas definições foi sempre entremeado por momentos gerais eespecíficos, teóricos e práticos e em diferentes cenários, de forma dinâmica e

complementar. Na composição das competências considerou-se importante aseguinte conformação: Conhecimentos: evolução da saúde pública até omomento atual, políticas públicas de saúde, processo de trabalho no PSF,processo saúde-doença, vigilância em saúde  (vigilância ambiental/vigilânciaepidemiológica/vigilância sanitária); conhecer e entender o funcionamento,organização e composição dos conselhos gestores locais; sistemas de informaçãoem atenção primária à saúde, abordagem sistêmica x abordagem linear,abordagem familiar (ciclo da criança/ciclo da mulher/ciclo do adulto/ciclo do

idoso); instrumentos para abordagem familiar (genograma/ciclo de vida familiar/Fundamental Interpersonal Relations Orientations (Firo)/PRACTICE/conferênciafamiliar), promoção e prevenção à saúde (educação em saúde e diagnóstico decomunidade), participação popular, trabalhos interdisciplinares, medicinabaseada em evidências, princípios éticos nas relações profissionais e educaçãoem saúde.

Como habilidades requeridas: aplicar os princípios organizacionais enorteadores que regem o Programa Saúde da Família; trabalhar com os diversos

processos envolvidos no adoecimento do indivíduo e famílias, ampliar o universoconceitual, técnico, científico, político e social do processo saúde-doença;correlacionar os conceitos teóricos com a realidade e interpretá-los dentro desua área de abrangência; capacidade de reconhecer situações de risco evulnerabilidades; monitorar a situação de saúde de sua área de abrangência;trabalhar a promoção e prevenção de sua população; orientar o individuo esua família acerca dos procedimentos de autocuidado; aplicar conceitos dediagnóstico de qualidade de vida; propor intervenções na qualidade de vida da

população; capacitar o profissional para o trabalho interdisciplinar no PSF;refletir sobre a natureza do processo de trabalho de cada categoria na equipemultiprofissional; facilidade para a comunicação no sentido de identificar etrabalhar os diferentes aspectos da inter-relação humana e sua interface com oadoecimento individual e familiar; capacidade de negociação e segurança noprocesso decisório; capacidade para trabalhar em equipe, conhecendo osserviços de todos os membros que a compõe; responder as diferentes demandasem saúde no âmbito da capacidade resolutiva do PSF; manejo de ações

intersetoriais; viabilizar o ingresso e participação de pessoas com deficiêncianas práticas e espaços de convivência, esporte cultura e laser oferecidos na

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 116/414

116

região; discernimento da função e autonomia para trabalhar no processodecisório com os conselhos gestores locais; divulgar o trabalho realizado pelaequipe multiprofissional; democratização do conhecimento; atualizaçãoprofissional.

Sobre as atitudes espera-se: receptividade para mudança;comprometimento afetivo, instrumental e normativo com as diretrizes do PSFe ações de saúde e equipe; autonomia para realização das práticas de saúde;basear-se em princípios éticos; lealdade; comprometimento ao programa; rigornas ações; responsabilidade; habilidade em dar respostas; humanizar a prática;atualização profissional; respeito à diversidade de valores e práticas; criatividadeno planejamento das ações de saúde; resiliência, motivação, iniciativa,envolvimento com a proposta do PSF.

Tendo como referência as competências desenhadas para a formação doresidente, optamos por construir a teia curricular modularizada do Curso deResidência Multiprofissional em Saúde da Família.

O conteúdo atinente a cada módulo visa atender às grandestransformações das profissões e principalmente às necessidades e demandasde saúde da população, segundo perfil epidemiológico (país/região/estado),assim como as competências a serem adquiridas ao longo da residência. Damesma forma que acompanham as transformações e movimentos da pós-

graduação no País, quer sejam da CAPES ou do Inep. A escolha da metodologia fundamentou-se na aplicação de três diferentes

vivências educacionais que entendemos pertinentes para o alcance dos objetivospropostos. A primeira etapa baseou-se na experiência em   Problem Based 

 Learning (PBL), buscando a transformação do profissional em pesquisador,sendo realizada sob a forma de pesquisa bibliográfica sobre o tema proposto eposterior discussão.

 A segunda etapa norteou-se pela metodologia da Problematização. Esta

se constitui de cinco etapas que se desenvolvem em pequenos gruposmultiprofissionais (mini-equipes) a partir da realidade ou em recorte desta, asaber: 1. observação da realidade; 2. pontos chave para existência do problema;3. teorização; 4. hipóteses de solução; 5. aplicação à realidade prática. Nessemomento a discussão e a pesquisa são estimuladas e os diversos olhares seentrecruzam.

 A terceira fase consta de exposição por parte dos alunos da efetividadeda ação proposta na UBS e de uma aula teórica expositiva, visando melhorar o

entendimento do tema e resgatar os questionamentos encontrados durante arealização da atividade.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 117/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

117

 Além dessa metodologia aplicada aos conhecimentos considerados gerais,cada categoria profissional procura relacioná-los aos conteúdos específicos,muitas vezes pouco explorados durante a formação na graduação, alinhando eaprofundando temas pertinentes e necessários à formação do residente e ao

desenvolvimento da sua prática no PSF.

Formas de certificação/titulação

O residente em saúde da família é o profissional de saúde com formaçãoem pós-graduação lato-sensu com competências técnico-científicas, político-social, ética e legal que habilitam intervir no processo saúde-doença, visando àqualidade da assistência prestada.

 A certificação é auferida, pela Faculdade Santa Marcelina – Unidade deEnsino Itaquera, tendo em vista que a instituição está regulamentada para areferida certificação, desde que o residente tenha atingido todas as exigênciasadotadas durante o seu processo de ensino-aprendizagem, sendo a emissãoconsoante com a indicação da forma de controle da documentação nos termosda Resolução CNE/CES nº 01/2001 de 03/04/2001.

Egressos

Os egressos do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde daFamília da turma de 2002-2004 estão em sua maioria inseridos nas equipes dePSF do município de São Paulo e região metropolitana e todos estão envolvidose permanecem atuando na atenção primária.

Fatores facilitadores e dificuldades Ao longo do segundo programa de residência foram várias as dificuldades

vivenciadas. Iniciar com 90 residentes de dez categorias profissionais distintas,por si só, já representava um imenso desafio, ao mesmo tempo, a riqueza depossibilidades que se apresentavam pela composição do grupo continha, em si,as suas próprias estratégias de superação. A inexistência de estruturaçãoespecífica para Programas de Residência Multiprofissional, muitas vezes,colocou-nos à deriva, deixando-nos guiar por padrões estabelecidos emprogramas existentes e que, na maior parte das vezes, não se adequavam ànossa diversidade e especificidades profissionais. A carga horária de 60 horas

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 118/414

118

mostrou-se excessiva para a maioria das categorias, exceto para enfermagem emedicina, pela sua maior facilidade de inserção nas clínicas hospitalaresrelacionadas ao PSF, configurando-se sempre como um desafio compatibilizaras exigências dessa carga horária, com estratégias eficazes e efetivas de

aprendizagem.Considerando a Residência Multiprofissioanal em Saúde da Família como

um processo em construção, em que ainda não existem verdades estabelecidas,mas possíveis caminhos, alguns aspectos negativos dessa vivência na realidadeSanta Marcelina foram: tempo insuficiente para planejamento das ações esuporte pedagógico; mudança de estratégias pedagógicas ao longo do processo;baixa participação e envolvimento dos residentes (nas equipes de estudo);necessidade de aprofundamento e fundamentação teórica para assumir as aulas

teóricas gerais por parte dos preceptores; inexistência de um instrumento paraavaliar o processo e os resultados da aprendizagem coerentes com a estratégiapedagógica utilizada; ausência de tempo protegido do tutor para realização datutoria e acompanhamento mais próximo da equipe de residentes.

Como aspectos positivos e estratégias de superação, podemos citar osseguintes: coerência entre o conteúdo programático e a necessidade da práticana Estratégia Saúde da Família; utilização de uma metodologia de aprendizagemmais ativa e crítica; possibilidade de aproximação e discussão dos conteúdosprogramáticos com os tutores, favorecendo a qualificação profissional dosprofissionais da rede; aquisição de conhecimento interdisciplinar para ospreceptores/tutores e residentes; possibilidades de participação em cursos deespecialização e qualificação profissional para preceptores e tutores;possibilidade de assistir integralmente aos indivíduos e famílias das áreasabrangidas pelas equipes de residentes; produção de conhecimento baseada naproblematização e reflexão da prática e socialização desse conhecimento emdiversos eventos da área da saúde.

Modalidades de avaliação do programa

Considerando a avaliação como um processo reflexivo sobre como estãose desenvolvendo e sendo atingidos os objetivos pedagógicos propostos peloPrograma de Residência Multiprofissional numa perspectiva formativa, foinecessário elaborar critérios de avaliação que permeassem as ações e

intervenções do profissional residente e a aquisição das competências propostas(SANTOS; MURAKAMI; SILVA, 2006). Com o cuidado de envolver todos os

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 119/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

119

atores da residência nos processos de avaliação, incorporando argumentos dametacognição (ANASTASIOU; ALVES, 2005) procuramos contemplá-los, cominstrumentos próprios, que devem ser realizados de forma dialogada eparticipativa. O retorno dessas avaliações deve ser sistematicamente efetuado,

num processo cíclico e contínuo.O instrumento que avalia a atuação na prática do residente é composto

por: indicadores seguidos por seus significados, todos eles objetivandodesenvolver o perfil do profissional a trabalhar no PSF. Esse instrumento tambémconsta de uma auto-avaliação com finalidade de ressaltar a importância davisão do residente como integrante no processo de formação. Avaliação dotutor, profissional que acompanha diariamente o residente, a fim de ampliar avisão do educando com aplicabilidade na prática e avaliação do preceptor,

profissional que acompanha o processo de trabalho do residente, bem como otreinamento em serviço, sendo sempre registrados os aspectos positivos esugestões para aperfeiçoamento.

Nessa lógica de avaliação, foi necessário criar um instrumento paraavaliar a atuação na prática do preceptor de área e categoria, sendo compostopor indicadores e respectivos significados, todos eles objetivando desenvolvero perfil do profissional a trabalhar no PSF. Essa avaliação é realizada pelosresidentes, relacionando esses indicadores com aspectos positivos e sugestões

para aperfeiçoamento. Além da avaliação prática, é aplicada uma avaliaçãoteórica que consta de prova, trabalhos, estudos dirigidos, estudos do meio,leitura de textos e/ou seminários.

O programa é sistematicamente avaliado em reuniões mensais comrepresentação dos residentes de todas as categorias, representantes dospreceptores e coordenadores, e semanais com os preceptores e coordenadores.

 Além desses fóruns avaliativos e de acompanhamento, existe um instrumentode avaliação que foi aplicado durante o primeiro ano e deverá ser reaplicado

ao final da residência, em que constam aspectos técnicos, infra-estruturais, deprocesso e resultados.

Fontes financiadoras

 A Residência Multiprofissional em Saúde da Família desenvolvida pelaCasa de Saúde Santa Marcelina e por meio de instrumento particular de contratode gestão acadêmica com a Faculdade Santa Marcelina - Unidade de EnsinoItaquera é financiada pelo Ministério da Saúde/Fundo Nacional de Saúde,convênio nº 3.739/2004.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 120/414

120

Considerações finais

 A Residência Multiprofissional em Saúde da Família vem se mostrandoao longo dessas duas experiências (2002 a 2004 e 2005 a 2006) importante

instrumento de formação e capacitação para os trabalhadores do setor Saúde.É necessário manifestar que a atuação nesses cenários são nas nossas vivências,efetivos impulsionadores para a transformação das realidades.

Compreender seu impacto vai além de mensurá-lo permite-nos alcançarmetas estabelecidas, mas também ultrapassá-las. Possibilita apreender econhecer vivências e experiências individuais e coletivas tanto nos aspectossubjetivos como também nos objetivos, e assim desvelar alguns dos múltiplosfenômenos que podemos investigar. Objetivamente, os residentes tiveram

diversas oportunidades de aprimoramento teórico, teórico-prático e técnico.  As oportunidades de exercer a multi e interdisciplinaridade foramproporcionadas e estimuladas, mas a efetividade desse exercício pôde ser(dês)velado ao nos depararmos com situações e ações que exigiam dos residentesum des-construir valores individuais para que suas ações se constituíssem empráticas humanizadoras e integrais. Assim, nesse movimento de desconstruçãopara a reconstrução possibilitávamos a reflexão crítica de várias ações queemergiam a partir das situações do vivido de nossa realidade.

 A realidade dos serviços foram fundantes para que os profissionaisvislumbrassem um novo fazer decorrente da cooperação que foi talvez um dosprincipais agentes ativos no processo das mudanças de atitudes individuaispara multiprofissionais. Os serviços de saúde e as pessoas que o compõem,propiciaram o substrato e o estímulo para a reflexão, o envolvimento e aintervenção nas realidades que se apresentavam, por vezes facilitadoras, mastambém dificultadoras do processo ensino-aprendizagem.

Compatibilizar cenários para uma aprendizagem significativa de noventa

residentes de dez categorias distintas com a carga-horária de sessenta horassemanais, nem sempre foi possível, por outro lado, a composição do grupoviabilizou a incorporação e a valorização dos diversos saberes envolvidos. Caberessaltar nesse momento as necessidades de capacitação, qualificação eestimulação aos profissionais da prática se atualizarem como uma possibilidadede méritos e desenvolvimento para um maior envolvimento desses atores.Preceptores, tutores, docentes e coordenadores foram desafiados a pensarestrategicamente e dar respostas ágeis aos problemas vivenciados, o que em

certos momentos gerou desgaste nas relações entre as pessoas e entre asinstituições. Nesse processo após algum tempo vivenciado percebemos que a

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 121/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

121

comunicação pôde ser um valioso aliado para que gestores, serviços e academiaproporcionem a formação pretendida por essa política pública de consolidaçãodo sistema de saúde.

O diálogo e o enfrentamento honesto, transparente e fraterno foramsempre os meios para o encaminhamento dessas situações, tendo em vista atéo presente momento, o entendimento da relevância social e abrangência daResidência Multiprofissional. Neste momento é importante ressaltar que osinvestimentos públicos têm sido elevados para os processos de mudança naformação dos profissionais, sobretudo nas especializações e ResidênciasMultiprofissionais em Saúde, das quais participamos. Contudo necessários sefaz ressaltar que a verificação dos seus impactos nessa política pública sãoimprescindíveis, tanto no aspecto das instituições formadoras como das ações

atinente na atenção à saúde da população.Por fim, os nossos desafios estão impregnados na missão institucional de

acompanhar a mudança dos tempos como também das estratégias estabelecidaspara a superação, no entanto é nítido que há ainda muito a caminhar, estamosno rumo de adentrarmos uma terceira Residência Multiprofissional, algunspassos dessa trilha foram dados é possível desenvolver propostas que consolideme reafirmem que este caminhar é seguro, somos conhecedores de nossasintencionalidades e buscamos um sentido que possibilite a inserção desses jovensprofissionais no sistema de saúde.

Nossas reflexões apontam para a necessidade de transformação dotrabalho isolado em trabalho coletivo, para acreditarmos namultiprofissionalidade por meio de atitudes interdisciplinares, que ao nossoolhar é o momento da apreensão dos múltiplos conhecimentos e práticas, paraum fazer e agir que possibilite novos e antigos modos de contribuir para aformação, o ensino, a pesquisa e a gestão em saúde.

Referências bibliográficas

 ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Processos de ensinagem nauniversidade: pressupostos para o trabalho em aula. 5. ed. Joinville, SC:UNIVILLE, 2005.

CARBONE, Pedro Paulo et al. Gestão por competência e gestão do

conhecimento. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 122/414

122

SANTOS, I. G.; MURAKAMI, M.; SILVA, G. T. R. Elaboração deinstrumentos de avaliação de residentes do Programa de ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família. In: FASM. Coletânea das SemanasCientíficas da FASM e Escola Sophia Marchetti 2004- 2005. São Paulo:

Faculdade Santa Marcelina, 2006.

SILVA, G. T. R.; VANZ, L. Missão histórica e propósitos da FASM- CampusItaquera. FASM em Revista, São Paulo, v. 1, Número Especial, 2001.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 123/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

123

Inserção da Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliae Comunidade no contexto da graduação dos cursos da área

de saúde

Marilda Siriani de Oliveira1

Resumo: Este artigo trata da trajetória da construção do Programa deResidência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade, daUniversidade Federal de São Carlos (UFSCar) em parceria com a PrefeituraMunicipal de São Carlos/SP. Descreve o contexto da inserção dos residentesna Rede Escola de Cuidado à Saúde e sua relação com projetos de mudança

na graduação, objetivos e impacto esperado. Explicita os pressupostos docurrículo: orientado por competência, integração teoria/prática,diversificação de cenários, relação horizontal do preceptor/tutor e residentese processo de ensino-aprendizagem com abordagem construtivista. A autoradescreve as características gerais da organização do programa, além doprocesso de tutoria/preceptoria, suas funções e qualificação e do processode avaliação do curso e dos residentes.

Palavras-Chave: Parceria Ensino-Serviço, Residência Multiprofissional, Saúdeda Família, Mudança na Graduação.

1 Médica Sanitarista, Mestre em Saúde Coletiva, Docente da UFSCar. Av.: Filomena Ríspoli, 509, ParqueSanta Marta, São Carlos-SP, 13564-200. E-mail: [email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 124/414

124

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 125/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

125

1 - Contextualizando o cenário

  A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) inicia em 2006 odesenvolvimento de um projeto audacioso de mudança de paradigma na

formação de profissionais de saúde no País e de alta relevância para a sociedadede São Carlos e região. A abertura do curso de medicina da UFSCar traz amelhor tradição desta universidade – excelência, ousadia e compromisso sociale as articula com as necessidades de cuidado à saúde do município, os princípiosdo Sistema Único de Saúde e as Diretrizes Curriculares Nacionais deGraduação em Medicina. A UFSCar e a Prefeitura Municipal de São Carlosformalizaram uma parceria para a elaboração e execução do Projeto PolíticoPedagógico do Curso de Medicina, cujo propósito voltou-se tanto para aformação como para o cuidado à saúde.

O projeto adotou um modelo pedagógico que vai além da transmissão deconhecimentos, preparando os médicos para produzirem uma nova referênciade cuidado à saúde. Nesse sentido, há uma integração teoria-prática desde oinício do curso, com diversificação de cenários e forte estímulo à capacidadede aprender a aprender e do trabalho em equipe. O Projeto Político Pedagógicoé orientado por competência profissional e, por isso é desenvolvido pelaacademia e pelos serviços de saúde. Essa orientação promove a definição dosdesempenhos desejados para cada ciclo do curso e possibilita o desenvolvimentode autonomia e domínio dos estudantes sob acompanhamento de preceptorese/ou professores. Os desempenhos em cada ciclo representam a práticaprofissional abordada segundo movimentos crescentes de profundidade eampliação, na perspectiva da excelência. Nesse sentido, o perfil do médico aser formado pelo curso de medicina da UFSCar está fundamentado nacapacitação técnica e científica para a defesa da vida, visando a melhoria dasaúde das pessoas e de populações, numa abordagem de clínica ampliada queresgata os elementos de humanização, ética, solidariedade e compromisso social.

 A área da Saúde da Universidade Federal de São Carlos, de uma maneiramais intensa e articulada, disparou um processo de apoio às mudançascurriculares de vários cursos tais como enfermagem, fisioterapia, terapiaocupacional, educação física e psicologia. Além do movimento de inovaçãocurricular, representantes da área da saúde da universidade participam dasatividades de parceria com os serviços de saúde visando à construção de ummodelo de cuidado integral à saúde no município, valorizando a história deformação dos diversos profissionais de saúde e buscando potencializar e ampliar

a transformação das práticas educacionais e de formação nessa área dauniversidade.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 126/414

126

No contexto da implantação do curso de medicina e da construção darede escola de cuidado à saúde, os parceiros estabeleceram uma instânciapolítico-gerencial interinstitucional, o conselho de parceria, espaço deconstrução coletiva das estratégias e do processo de monitoramento do

desenvolvimento da rede escola. Dentre as principais estratégias dessa rede, ainserção dos estudantes de graduação desde o início do curso, em equipes desaúde da família visa à transformação dos territórios das Unidades de Saúde daFamília em espaços de aprendizagem privilegiados para o desenvolvimento dasáreas de competência que representam o perfil profissional desejado – cuidadoà saúde individual e coletiva, gestão do processo de trabalho e educação emsaúde.

Os profissionais médicos dessas unidades de saúde, vinculados à Secretaria

Municipal de Saúde, estão atuando e, paralelamente, sendo continuamentecapacitados para trabalharem como preceptores, no acompanhamento dosestudantes em atividades reais de cuidado à saúde. Essa capacitação ocorre emespaços de educação permanente juntamente com professores da universidadeque também contribuem para o processo educacional desses estudantes. Noentanto, o município enfrenta o desafio de encontrar no mercado de trabalhoprofissionais com perfil e capacitados para trabalharem como preceptores e,de modo mais fundamental, como profissionais voltados à produção da saúde

e que, por causa dessa prática diferenciada, são referências para a formaçãode novos profissionais.

 A estratégia de inserção de estudantes de pós-graduação, das diferentesprofissões, na modalidade residência multiprofissional, nas Unidades de Saúdeda Família, é uma aposta do conselho da parceria para formar profissionaiscom o perfil que a rede escola precisa tanto no sentido educacional como nadireção do modelo integral de cuidado, num menor tempo. Assim, atuandotanto na graduação como na pós-graduação, a rede escola objetiva participarativamente da formação de profissionais de saúde, no sentido de fortalecer odesenvolvimento do trabalho em equipe e a troca de saberes para a construçãode novos conhecimentos que são originados na interface dos diferentes camposde trabalho profissional. Visa à formação de profissionais de saúde capazes dese comprometerem e de operacionalizarem as mudanças necessárias naorganização do cuidado à saúde, de modo a promover uma melhoria na saúdee qualidade de vida das pessoas. Visa, ainda, contribuir para expansão e aconsolidação da Estratégia Saúde da Família, no sentido de qualificar o cuidadoem saúde, além de aprofundar a parceria entre a universidade e o SUS local.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 127/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

127

Considerando-se que o Sistema Único de Saúde tem como um dos seusprincípios a garantia da integralidade das ações, a Residência Multiprofissionalpotencializa o desenvolvimento desse princípio que também é um dos pilaresde organização da atenção básica à saúde. A integralidade é aqui compreendida

como uma abordagem integral do indivíduo, sem fragmentação da assistência,quer oferecida por um ou por vários serviços, segundo a necessidade de cadacaso. Significa a organização das práticas de saúde de modo a articular as açõesde promoção, prevenção, assistência e reabilitação, a partir do contexto familiare social no qual a pessoa está inserida. No âmbito da organização do sistemade saúde, implica na garantia de acesso aos diferentes serviços comumentereconhecidos como sendo de diferentes “níveis de complexidade”. Outro sentidoimportante é o de oferecer respostas não apenas a um recorte de problemas,

mas ao conjunto de necessidades de saúde de uma comunidade, o que caracterizaa atenção básica como uma das principais “porta de entrada” (primeiro contato)do usuário no sistema de saúde.

No sentido de avançar na consecução da integralidade da atenção e dagestão em saúde e no aumento da resolubilidade é que a UFSCar e a PrefeituraMunicipal de São Carlos, por meio da Secretaria Municipal de Saúde propõe odesenvolvimento da formação pós-graduada, modalidade ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família e Comunidade articulada com o arranjo

organizacional da Estratégia Saúde da Família de São Carlos e a graduação dasprofissões da saúde.

São Carlos vem desenvolvendo experiências, no sentido de implementarações, para além das áreas estratégicas mínimas preconizadas para a atençãobásica.

  Assim, ações de saúde mental, assistência farmacêutica, odontologiaespecializada, serviço social, especialidades médicas, dentre outras, têm sido

desenvolvidas a partir da implantação dos Núcleos Integrados de Saúde (NIS)nas Administrações Regionais de Saúde (ARES), visando fortalecer a rede decuidado e ampliando a resolubilidade das equipes que fazem a inserção destesprofissionais no seu cotidiano de cuidar de indivíduos, famílias e comunidade.Tal inserção vem ocorrendo na rede de cuidados progressivos de formamultiprofissional, transdisciplinar, de base territorial e atuação transversal comoutras políticas específicas, e buscando estabelecimento de vínculos eacolhimento, promovendo a cidadania e a autonomia de usuários e seus

familiares.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 128/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 129/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

129

usuário deixe de ser cliente da equipe de referência. A equipe de referência e oapoio matricial, juntos, atuam nos projetos terapêuticos, possibilitando umaatenção mais integral, por meio de ações de discussões de casos, intervençõesjunto às famílias e comunidades, propostas de atividades específicas para além

das desenvolvidas pela equipe de referência.Nas equipes de apoio matricial que atuarão nos NIS, serão inseridos os

profissionais residentes das áreas de: educação física, serviço social, psicologia,nutrição, terapia ocupacional e fisioterapia. Atualmente, as 10 equipes dereferência territorial (médico, enfermeiro, cirurgião-dentista, auxiliar deenfermagem e Agentes Comunitários de Saúde) do município referencia seuspacientes para os NIS das cinco administrações regionais onde estão inseridosprofissionais de diferentes especialidades.

Esse contexto expressa a relevância e a prioridade da Estratégia de Saúdeda Família, a pertinência de favorecer a expansão e permitir a melhoria doprograma de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade,visando tanto à especialização de profissionais que atuarão em Unidades deSaúde da Família seja nas equipes de referência ou nas equipes de apoiomatricial, como na formação de profissionais de saúde com competência parao cuidado humanizado e integral à saúde.

2 - Impactos esperados

Objetiva-se que a parceria entre universidade/serviços estabeleça umaarticulação sistematizada e reflexiva entre o mundo do trabalho, daaprendizagem e a sociedade e que o sistema de saúde passe a operar com alógica da formação e da educação permanente dos profissionais de saúde, emtoda a rede de cuidados progressivos. Nessa direção, as contrapartidas

interinstitucionais estão sendo pactuadas e formalizadas visando garantir alegitimidade e a continuidade da construção co-responsável da educação deprofissionais de saúde e da transformação das práticas instituídas, para alémda vontade dos representantes máximos das instituições envolvidas. Assim, aproposta objetiva ampliar a qualidade e eficiência dos serviços de saúde para oenfrentamento das necessidades e problemas de saúde da população de SãoCarlos e região, além de capacitar todos os profissionais dos serviços de saúdeque de alguma maneira contribuem para a formação pós-graduada dos

profissionais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 130/414

130

Outras estratégias de pós-graduação, em andamento, concretizam arealização de dois Cursos de Especialização em Saúde da Família e Comunidadepara 80 especializandos inseridos nas equipes de saúde da família de São Carlose região e aproximadamente 15 professores vinculados aos cursos da saúde da

UFSCar. Todas as estratégias educacionais de pós-graduação guardam coerênciacom a organização curricular do curso de medicina, uma vez que adotam umaíntima articulação entre teoria/prática, sem subordinações.

  A Residência Multiprofissional incorpora os elementos mais potentesdas aprendizagens em serviço e como utiliza uma abordagem pedagógicaconstrutivista, fundamentada na aprendizagem significativa e de adultoestabelece relações mais colaborativas e horizontalizadas no processo educativo.Como também é desenvolvida por meio de metodologias ativas de aprendizagem

utiliza laboratórios voltados ao desenvolvimento de capacidades para o exercícioqualificado da prática profissional. Espera-se que essa vivência potencialize aformação de um profissional crítico-reflexivo e compromissado. Possibilitaainda, a vivência de um ambiente educacional, democrático e em permanentedesenvolvimento. A avaliação, nessa abordagem, é tanto ferramenta de gestãocomo instrumento de participação ativa de todos no sentido da melhoria deprocessos e produtos.

 A formação de 46 residentes segundo perfis de competência para cadaárea da Saúde envolvida é uma meta estabelecida para 2008. Espera-se queesses profissionais sejam capazes de enfrentar o adoecimento das pessoas,visando à diminuição das doenças e do sofrimento humano. Também se esperaque estejam voltados à promoção da saúde buscando o “empoderamento” dospacientes para o autocuidado e para a melhor escolha no seu modo de andar avida. Deverão ser capazes de oferecer o cuidado com as melhores evidências,evitando o quanto possível os danos decorrentes das intervenções. Entretanto,a dimensão subjetiva dos indivíduos e das famílias será considerada na escolhados pacientes e na busca de uma melhor compreensão sobre o viver e o adoecerde cada um.

O trabalho em equipe, a articulação das práticas de cuidado à saúdeindividual e coletiva e o desenvolvimento de vínculo deverão ser capacidadescolocadas a serviço do aumento da eficiência e eficácia na elaboração de planosde cuidado.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 131/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

131

3 - Objetivos

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e

Comunidade da UFSCar visa formar profissionais de saúde competentes,enfatizando a:

· formação geral, humanista, ética, crítica e reflexiva, orientada aodesenvolvimento de excelência na prática profissional, por meio daintegração teoria/prática e da utilização de uma abordagemconstrutivista do processo ensino-aprendizagem;

· articulação com os serviços de saúde, pela participação dos residentes,tutores e preceptores na prestação de cuidados qualificados à saúde,nos diferentes cenários e serviços da rede de cuidados progressivos, àluz dos princípios da universalidade, equidade e integralidade; e pelaparticipação dos tutores vinculados aos serviços de saúde na formaçãodos residentes;

· articulação ensino-pesquisa pela construção de novos saberes voltadosà melhoria da saúde das pessoas e, portanto da qualidade de vida dasociedade.

4 - O Processo ensino-aprendizagem-trabalho  A inserção dos residentes no serviço de saúde será orgânica,potencializando, assim, o vínculo e o compromisso com pacientes, famílias ecomunidade. A orientação do programa à comunidade visa garantir a relevânciadesta formação, uma vez que os residentes também serão co-responsáveis pelotrabalho desenvolvido pela equipe de saúde da família, à qual estiver vinculado.Desta maneira, os problemas mais freqüentes e seu gerenciamento, tanto noaspecto individual como coletivo, são norteadores do conteúdo curricular do

programa.O programa de residência fundamenta-se na aprendizagem baseada na

prática profissional, na educação de adultos e, portanto, na aprendizagemsignificativa. As atividades práticas orientam as atividades de teorização ereflexão crítica, propiciando identificação das necessidades de aprendizagemde cada residente, a busca de informação, a identificação das melhoresevidências para a investigação e o plano de cuidado e a imediata aplicação doconhecimento visando à transformação da prática e a saúde das pessoas.

 A teorização ocorrerá tanto em relação aos casos vivenciados na prática(aprendizagem baseada na prática) com os preceptores vinculados aos estágios

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 132/414

132

nas Unidades de Saúde da Família, como em relação a situações simuladas ediscutidas em grupo, de forma a garantir que todos possam entrar em contatocom os conteúdos essenciais para o desenvolvimento dos atributos requeridos(aprendizagem sistematizada e baseada em problemas).

Os casos simulados serão explorados em pequenos grupos, nas sessõesde tutoria. A exploração das situações simuladas está fundamentada nacompreensão e análise de problemas utilizados como estímulo à aprendizageme ao uso de recursos educacionais. A exploração dos problemas estimula eaciona o conhecimento prévio dos participantes do grupo e representa umponto de partida para a teorização. Cada problema visa estabelecer uma pontecom a realidade e essa ligação deve ser buscada nas vivências de cada residentee no conhecimento prévio acumulado. Os problemas possibilitam conhecer os

conteúdos de forma articulada e integrada, identificando sua aplicabilidade.Cada grupo contará com um tutor cujo papel é o de facilitador do processo

de aprendizagem. O grupo também se constitui numa oportunidade para oexercício do trabalho em equipe, comunicação, avaliação, responsabilidade epara o intercâmbio de experiências, e estímulo à aquisição de conhecimento.O tutor, nessa situação, será um professor da UFSCar e o encontro do grupoocorrerá uma vez por semana (sessão de tutoria).

Neste programa, o residente terá um papel ativo tanto nas atividadeseducacionais como de cuidado à saúde das pessoas e famílias. Na atividade deaprendizagem em pequenos grupos, participa da exploração do problema, daelaboração dos objetivos de aprendizagem, da busca, análise e crítica deinformações e da elaboração de planos de cuidado (individual e coletivo) e deorganização do trabalho em saúde, integrando e aplicando o conhecimento dediversas disciplinas. De modo paralelo, também nas atividades do estágio seráresponsável pela identificação de necessidades de saúde individuais e coletivas

e da elaboração e execução de planos de cuidado para os problemasidentificados. As necessidades de aprendizagem de cada residente serão, assim,identificadas individualmente, uma vez que, tanto nos estágios como nos gruposos residentes estarão sob supervisão possibilitando que essas necessidades sejamreveladas e/ou percebidas. A individualização da aprendizagem, segundo asnecessidades particulares de cada residente, representa uma pedagogiadiferenciada e, portanto, centrada no estudante.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 133/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

133

5 - O Programa

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade terá duração de dois anos, em tempo integral, com carga horária

semanal de 60 horas com um a dois plantões de 12 horas (semanal) e sessõesde tutoria aos sábados de manhã (quatro horas). O cumprimento desta cargahorária totaliza 5.524 horas, distribuídas nas seguintes atividades:

· atendimento nas unidades de saúde da família (supervisão dospreceptores/tutores);

· tutorias (facilitadores de aprendizagem);· laboratórios de simulação para desenvolvimento de desempenhos:

tarefas e atributos em contexto (tutores/preceptores);

· plantões (supervisão dos tutores plantonistas dos respectivos serviços);· reuniões com a comunidade ou segmentos organizados da sociedade(profissionais da Secretaria Municipal de Saúde);

· supervisão técnica (profissionais da Secretaria Municipal de Saúde);· reunião mensal com a equipe de coordenação.

Os residentes terão 30 dias de férias, em cada ano da residência. O gozodas férias será determinado por meio de escala elaborada pela equipe decoordenação da residência em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde

de São Carlos. Os Quadros 1 e 2 apresentam a semana padrão da ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família e Comunidade, respectivamente para oprimeiro e segundo ano.

Quadro 1Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade,

Grade Semanal - 1º ano, UFSCar/SMS - São Carlos, 2006

Segunda-feira

USF

USF

Turno

M

T

N

Terça-feira

USF

EAD

SPPConsultoria (2h)

Quarta-feira

EAD

USF

Quinta-feira

USF

USF

SPPConsultoria (2h)

Sexta-feira

USF

USF

USF: Unidade de Saúde da Família

EAD: Estudo Auto DirigidoSPP: Simulação da Prática Profissional

Sábado

Tutoria

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 134/414

134

6 - Quadro 1 e 2

Conforme a identificação de necessidade dos pacientes/famílias poderáser agendada atividades de acompanhamento em ambulatórios deespecialidades, unidades de internação, serviços de urgência ou atividades paradesenvolvimento de atributos específicos em laboratórios de simulação.

No primeiro semestre do primeiro ano da residência, os plantões sãorealizados nos serviços de pronto atendimento da SMS e Serviço de

  Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). No segundo semestre, serão

realizados no pronto socorro do hospital escola. O serviço, campo detreinamento em urgência será estabelecido segundo a especificidade de cadaprofissão.

 As Unidades de Saúde da Família (USF) e os Núcleos Integrados de Saúde(NIS) do município de São Carlos serão os principais cenários dedesenvolvimento do programa, somadas às unidades ambulatoriais deespecialidades da Secretaria Municipal de Saúde e da UFSCar, aos serviços depré-hospitalar fixo (pronto atendimento) e móvel (SAMU) e o serviço de

urgência hospitalar.O programa será financiado pelo Ministério da Saúde e ofertará 46 vagas,

assim distribuídas: oito enfermeiros, oito cirurgiões dentistas, cinco terapeutasocupacionais, cinco fisioterapeutas, cinco psicólogos, cinco educadores físicos,cinco assistentes sociais e cinco nutricionistas.

7 - A Tutoria e Preceptoria

Os preceptores do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde

Quadro 2Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade,

Grade Semanal - 2º ano, UFSCar/SMS - São Carlos, 2006

Segunda-feira

USF

USF

Turno

M

T

Terça-feira

USF

AE

Quarta-feira

EAD

USF

Quinta-feira

USF

AE

Sexta-feira

USF

USF

USF: Unidade de Saúde da FamíliaEAD: Estudo Auto DirigidoAE: Ambulatório Especializado

Sábado

EAD

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 135/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

135

da Família e Comunidade serão docentes da UFSCar e profissionais de saúdeda Secretaria Municipal de Saúde (SMS), qualificados para as funções deorientador de núcleo, orientador de pesquisa e orientador técnico-docente, numarelação numérica de um preceptor para cada cinco residentes.

Os tutores do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde daFamília e Comunidade serão os profissionais de saúde da SMS qualificadospara a função de orientador de campo.

Para a coorte 2006-2008 os tutores fixos das Unidades de Saúde da Famíliaserão os próprios enfermeiros e cirurgiões dentistas pertencentes às unidadesnas quais os residentes desenvolverão o programa de residência e, portantouma relação tutor x residente de 1:1. Para os psicólogos, assistentes sociais,educadores físicos, nutricionistas, terapeutas ocupacionais e fisioterapeutasos tutores serão profissionais qualificados, identificados pela UFSCar e SMS,numa relação tutor x residente de 1:5. Dessa forma, os tutores já comexperiência de atuação em equipes de saúde da família e, preferencialmente,com curso de especialização em saúde da família e/ou residênciamultiprofissional em saúde da família e comunidade, acompanharão odesenvolvimento dos desempenhos dos residentes, frente às áreas decompetência estabelecidas, durante todo período que estiverem na unidade.

Reconhecendo a Educação Permanente (EP) enquanto uma estratégiapara o desenvolvimento de profissionais de saúde no contexto do serviço desaúde, está programada sessão de EP com os tutores (orientadores de campo),com os seguintes objetivos:

· instituir um espaço de aprendizagem a partir da reflexão da práticado tutor;

· processar problemas do processo de trabalho do tutor de origempedagógica e do cuidado à saúde;

· avaliar os resultados da EP por meio do impacto positivo dodesempenho do tutor.

O processo de EP será desenvolvido por meio de um movimento ativo deação-reflexão-ação, tomando-se como disparador do processo reflexivo, aspráticas e os problemas da realidade para desencadear a aprendizagem. Assim,para instituir esse processo reflexivo os seguintes momentos serão considerados:vivência da prática, reflexão da prática vivenciada, busca qualificada deinformação que fundamentam a prática quando necessário e reflexão da prática

com a intenção de transformá-la.Entendendo que os sujeitos da aprendizagem são ativos e interativos, a

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 136/414

136

EP se realizará num coletivo de tutores considerando a relevância de aprenderjunto em relação intra e interpessoal. Assim, o trabalho de EP será desenvolvidoem pequenos grupos, o qual oportunizará o reconhecimento dos próprioslimites, o respeito à diversidade, à cooperação, à conduta ética, à postura

empática e ao profissionalismo. A avaliação dos momentos de EP ocorrerá naperspectiva formativa e se constituirá em um elemento formador e integrador.

O processo da EP será facilitado por docentes da UFSCar com experiênciana mediação de processo ensino-aprendizagem que utiliza metodologia ativa ea aprendizagem significativa, em pequenos grupos.

  Atividades de consultoria estão previstas para o primeiro ano dedesenvolvimento do programa, sendo que nos dois primeiros meses da residênciaocorrerá em sete pequenos grupos, às terças e quintas, sendo destinadas àrecepção, acolhimento e adaptação dos residentes ao programa e à cidade. Demodo especial, focalizarão a expansão da capacidade de observação, formulaçãode perguntas, busca de informações e construção coletiva de novosconhecimentos e significados, baseados na exploração e problematização dasexperiências vivenciadas pelos residentes nas diferentes Unidades de Saúde daFamília, pontuando potencialidades e dificuldades específicas de cada residente,visando à elaboração de planos educacionais diferenciados, conforme asnecessidades de aprendizagem identificadas.

Nas demais consultorias, planejadas para serem desenvolvidas tambémem pequenos grupos, serão, predominantemente, desenvolvidas atividades noslaboratórios de simulação da prática profissional, focalizando as açõesnecessárias para atenção integral da saúde da mulher, criança, adolescente,adulto, idoso e gestão e organização do trabalho.

No segundo ano as consultorias serão autorizadas pelos preceptores/tutores e agendadas pelos próprios residentes das Unidades de Saúde da Família.

Estarão voltadas ao esclarecimento de dúvidas em relação ao atendimento denecessidades de saúde específicas de pessoas, famílias, comunidades e/ouvisando à melhoria da organização e gestão do trabalho da equipe. Essasconsultorias serão realizadas nas próprias unidades de saúde, sendodisponibilizadas uma quantidade de horas para cada equipe.

 As atividades de pequeno grupo, aos sábados, serão facilitadas pelosdocentes da UFSCar ou profissionais da SMS, capacitados para seremfacilitadores na aprendizagem baseada em problemas. Os problemas a serem

utilizados nos encontros de pequenos grupos, serão elaborados pela equipe dedocentes responsáveis pelo programa.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 137/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

137

 A coordenação do Programa de Residência Multiprofissional em Saúdeda Família e Comunidade será exercida por um docente da UFSCar que tenhainserção na rede escola de cuidado à saúde.

8 - Avaliação da Residência Multiprofissional

Os enfoques do sistema de avaliação do programa de residência daUFSCar serão o:

· desenvolvimento do programa;· desempenho do preceptor, tutor e consultor;· desempenho do residente;· desempenho da equipe.

Tanto residentes, preceptores, tutores, consultores e o programa serãoavaliados de maneira formativa, buscando a melhoria do processo ensino-aprendizagem e de maneira somativa, identificando o grau de alcance dosobjetivos pré-estabelecidos, para uma determinada fase de desenvolvimentodo programa.

Na avaliação formativa utilizar-se-á a auto-avaliação realizada pelaspessoas envolvidas nas atividades de ensino-aprendizagem e a avaliação realizada

pelos demais membros do grupo ou equipe de trabalho sobre o desempenhode cada um. Na avaliação somativa do residente, buscar-se-á analisar osatributos ou capacidades (aspectos cognitivos, as habilidades e as atitudes)por meio das tarefas realizadas, sendo de responsabilidade final dos preceptores.

Os formatos de avaliação serão os documentos utilizados para coleta dedados e registro de informações do processo de ensino-aprendizagem noprograma de residência. As informações coletadas nesses documentoscontribuirão para a melhoria do processo, revelando as fortalezas e as áreas

que necessitam atenção e melhoria.O programa de residência será avaliado por residentes, preceptores e

tutores ao final de cada semestre em formato especial de avaliação. Ospreceptores de cada programa serão avaliados pelos residentes da respectivaárea e estágio, em relação a um conjunto de desempenhos relacionados à tarefade supervisão, na metade e ao final de cada ano do programa. Ao final daformação, o programa será avaliado com formato específico.

Haverá momentos formais de avaliação de desempenho dos residentesnos quais as avaliações realizadas no dia-a-dia, registradas em formatosespecíficos, serão discutidas com os próprios residentes e analisada por outros

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 138/414

138

docentes vinculados ao programa, mas não diretamente à atividade avaliada,garantindo um processo transparente, democrático e ampliado para melhoriado programa como um todo e dos desempenhos individuais em particular.

 Assim, a avaliação formativa dos residentes será realizada de forma contínua e

em processo. A avaliação somativa para certificação de competência, ao final doprograma, será fundamentada na análise do desenvolvimento de cada residenteem relação ao seu próprio ponto de partida e em relação ao padrão estabelecidocomo satisfatório para certificação de competência, sendo responsabilidadefinal do preceptor e avaliadores. A certificação de competência será realizadanum formato de avaliação que analisa, em situações simuladas e com pacientessimulados, a capacidade dos residentes para desempenharem tarefas da práticaprofissional, fundamentando suas ações segundo evidências científicas, destreza

técnica e valores e postura ética. A equipe da saúde da família (unidade de aprendizagem) será avaliada

pelos residentes semestralmente. Ao término de cada módulo (saúde mental,urgência, saúde da criança, saúde da mulher e gestão), serão avaliados:

· o desempenho do Residente;· o Desempenho do Tutor/Preceptor;· o Módulo de Simulação da Prática.

 Ao final do segundo ano, o residente também deverá apresentar um

trabalho científico, sobre tema de sua escolha e pertinente aos conteúdosdesenvolvidos no programa, sob formato compatível à publicação de artigo.Esse trabalho será acompanhado por um orientador e sua análise final realizadapor uma banca formada por três docentes (mestres ou doutores). A certificaçãofica vinculada à obtenção de conceitos satisfatórios em todas as modalidadesde avaliação.

Fatores facilitadores para o alcance da qualidade e funcionamento doprograma:

· a organização do sistema de saúde local propicia o desenvolvimento

do programa, uma vez que a expansão das equipes de saúde da famíliaé a principal estratégia do município para a atenção básica e o apoiomatricial dos profissionais existentes nos núcleos integrados de saúdefundamenta a forma de inserção dos residentes;

· o apoio dos departamentos dos diferentes cursos da área da saúde,estabelecendo um novo papel para os docentes na condução doprocesso de aprendizagem, a partir do contexto dos territórios desaúde;

· a conjuntura política que possibilitou o fortalecimento da parceriaUFSCar e Prefeitura Municipal de São Carlos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 139/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

139

9 - Desafios na implantação do programa e as estratégias deenfrentamento

· A parceria estabelecida para o desenvolvimento do programa traz parao cenário das instituições envolvidas os conflitos gerados no cotidianodos espaços de aprendizagem e de cuidado à saúde e para tanto háque se entender a parceria como um trabalho articulado, participativo,onde as instituições deverão manter uma relação horizontal e derespeito às respectivas identidades. O conselho de parceria propostodeverá constituir-se em um espaço permanente de negociação deinteresses e de resolução de conflitos e de estabelecimentos de objetivoscomuns.

· O desafio enfrentado pela universidade de encontrar, inseridos nas

Unidades de Saúde da Família, profissionais com perfil e capacitadospara trabalharem como tutores/preceptores e pelo município deencontrar no mercado de trabalho, profissionais para transformaçãodas práticas na atenção básica, orientadas por um modelo técnicoassistencial, centrado no usuário, acolhedor, humanizado e comvínculo. A estratégia estabelecida para este enfrentamento, já está emdesenvolvimento e pressupõe a oferta para a totalidade dosprofissionais de saúde das equipes de saúde da família, de um Cursode Especialização em Saúde da Família e o desenvolvimento de umPrograma de Educação Permanente. Além disto, o município propõea melhoria das condições de trabalho, inserindo na carreira de cargose salários do profissional, adicional para a função docente.

· Mudar a formação pós-graduada, considerando amultiprofissionalidade, num contexto onde as práticas de cuidado àsaúde também estão passando por processos de questionamento emudança, é um dos principais desafios deste programa. A inserção dagraduação no mesmo cenário de aprendizagem do residente e o apoiodos diferentes cursos da área de saúde da universidade, tanto no

cuidado quanto na produção de conhecimento constitui-se em umaestratégia diferenciada e potente, pois fortalece o que os parceirosvêm denominando de “Rede Escola de Cuidado à Saúde”.

Um dos desafios mais instigante e provocador que dispara processos dereflexão na equipe de condução do programa é a incipiente participação dacomunidade nos processos de aprendizagem que se dão nos serviços de saúdee que se superado pode ser um dos pilares principais de sustentabilidade daparceria existente entre as duas instituições, para o desenvolvimento doprograma.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 140/414

140

Referências bibliográficas

 ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 2. ed. SãoPaulo: Cortez, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Núcleo Técnico daPolítica Nacional de Humanização. HumanizaSUS: equipe de referência e deapoio matricial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

CAMPOS, G. W. S. Saúde paidéia. São Paulo: Hucitec, 2003.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. O quadrilátero da formação para aárea da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. PHYSIS: Rev. SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41- 65, 2004.

CECÍLIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante naluta pela integralidade e equidade na atenção à saúde. In: PINHEIRO, R.;MATTOS, R. A. (Orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e nocuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ/Abrasco, 2001. p. 113-27.

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Coordenação daGraduação em Medicina. Caderno do curso de medicina. São Carlos:UFSCar, 2006. 78p.

CUNHA, G. T. A construção da Clínica Ampliada na atenção básica. 2004.

150 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva)-Faculdade de CiênciasMédicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 22. ed. Rio de Janeiro: Paze Terra; 1996.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 141/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

141

 A construção da Residência Multiprofissional em Saúde de Famíliana Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp)

Antonio Pithon Cyrino1

Cristina Maria Garcia de Lima Parada2

1 Professor assistente Doutor da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista

“Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). E-mail: [email protected] Professor adjunto da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista “Júlio de

Mesquita Filho” (Unesp). E-mail: [email protected].

Resumo: Pretende-se descrever o processo de construção da ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família na Faculdade de Medicina deBotucatu, instituição pública localizada no interior do estado de São Paulo.

 Apresenta-se breve histórico do curso, oferecido pela primeira vez em 2003,seus objetivos gerais e específicos, as parcerias estabelecidas para viabilizá-lo, os campos de estágio utilizados para a formação em serviço, as atividadesdidáticas complementares previstas, a supervisão realizada por preceptores

nucleares, de especialidades e profissionais das Unidades de Saúde da Família(USF), bem como se aponta a atuação profissional dos egressos. Discutem-se as dificuldades e fortalezas identificadas em oficina de planejamento quecontou com a participação dos diferentes atores envolvidos e as prioridadesestabelecidas para enfrentamento de problemas identificados: ampliação dotempo de estágio do residente nas USF, estruturação da figura do supervisorde estágio e implantação de um Programa de Educação Permanente paraprofissionais dessas unidades de saúde.

Palavras-chave: Saúde da Família, Formação de Recursos Humanos, EducaçãoProfissional em Saúde Pública.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 142/414

142

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 143/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 144/414

144

  A parceria com o CSE, da própria universidade, permitiu odesenvolvimento de parte dos estágios em atenção primária, especialmente ode atenção à saúde da criança, já que não havia sido possível viabilizá-lo noambulatório do Hospital das Clínicas, pois o departamento de pediatria da

faculdade de medicina mostrava certa resistência a isso.Outra parceria estabelecida para desenvolvimento do programa de

residência foi com a maternidade do Hospital da Associação Beneficente deHospitais Sorocabana, unidade hospitalar secundária, conveniada com oSistema Único de Saúde (SUS), referência regional de atenção obstétrica debaixo risco. O fato de esta maternidade funcionar em co-gestão com a Unesp(maternidade escola), facilitou o processo de articulação e estruturação dosplantões na área de obstetrícia.

Deste modo, com duração de dois anos, em período integral, a primeiraedição do curso ocorreu no período de 03 de fevereiro de 2003 a 31 de janeirode 2005, com carga horária semanal de 60 horas e carga horária total de 5.608horas, das quais 4.776 horas (85%) foram desenvolvidas na forma detreinamento em serviço e 832 horas (15%) como atividades didáticascomplementares, tendo os residentes direito a 30 dias de férias por ano. Foramformados três residentes médicos e seis enfermeiras.

 A continuidade do programa deu-se a partir de Convênio (nº 113/04)celebrado entre a Unesp e o Fundo Nacional de Saúde/Ministério da Saúde.Manteve-se a duração de dois anos e o desenvolvimento em período integral,sendo o curso desenvolvido no período de 15 de março de 2004 a 14 de marçode 2006. A partir deste segundo grupo de residentes, o programa tambémcontou com o financiamento da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo,que por meio da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap), vemconcedendo duas bolsas para médicos. A carga horária semanal e a total foram

mantidas, assim como o período de férias dos residentes. A terceira turma de residentes, atualmente em desenvolvimento, mantémas mesmas características relativas à formação em serviço e as mesmas fontesde financiamento.

Deve-se destacar que o curso tem como objetivo geral formar médicos eenfermeiros para atuarem em sistemas e serviços de saúde sob a estratégia daatenção primária à saúde e do Programa Saúde da Família. Como objetivosespecíficos, destaca-se a formação de médicos e enfermeiros com competência

técnica, humanística e ética necessária a:

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 145/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

145

a) Abordar seu território de atuação profissional, como espaço de açãode indivíduos, famílias e grupos, entendendo-se como sujeitos de processossociais, inclusive daqueles necessários à promoção, prevenção, manutenção erecuperação da saúde;

b) conhecer, analisar e intervir na dinâmica epidemiológica dascomunidades com que irão trabalhar, considerando os domínios individual,particular (grupos sociais) e coletivo (formação social) nos quais o processosaúde-doença se concretiza;

c) conhecer e avaliar o perfil epidemiológico, o perfil de reproduçãosocial e o perfil institucional de seu território de atuação profissional,participando da elaboração de diagnóstico de realidade; da identificação,explicação e priorização de problema; do estabelecimento de objetivos e metas;da formulação de ações corretivas e da implementação de ações de atençãointegral à saúde da criança, da mulher, do adolescente, do adulto, do trabalhadore do idoso;

d) conhecer e analisar o perfil de produção da população de seu territóriode atuação profissional, identificando possíveis fatores de risco à saúdedecorrentes de atividades laborativas e outras condições ambientais, atuandoe encaminhando às entidades competentes demandas e propostas de soluçãode problemas assim identificados;

e) desenvolver atividades de promoção à saúde e prevenção de agravos,de recuperação e de educação em saúde, considerando as necessidades e ocontexto familiar e social dos indivíduos e populações;

f) desenvolver prática de saúde de qualidade, centrada na pessoa, nocuidado em saúde e na continuidade da atenção, dentro dos princípios deintegralidade; desenvolver, planejar, executar e avaliar programas de atençãoà saúde; estimular a participação e a autonomia dos indivíduos, das famílias e

da comunidade e desenvolver novas tecnologias em atenção primária à saúde;g) interagir com os conhecimentos e práticas populares em saúde,

considerando-os e compatibilizando-os, sempre que possível, com oconhecimento e práticas científicas baseadas em evidências;

h) conhecer e participar de atividades do sistema de informações emsaúde, na sua unidade de trabalho, coletando, tabulando e analisandoinformações epidemiológicas e administrativas;

i) conhecer e analisar redes locais e regionais de ações e serviços de

saúde, relacionando-as e articulando-as à sua unidade e território de atuaçãoprofissional, dentro dos princípios da regionalização;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 146/414

146

j) conhecer e analisar as organizações e recursos sociais públicos eprivados, locais e regionais, propondo e promovendo ações conjuntas ouisoladas, necessárias à intervenção positiva no processo saúde-doença e naqualidade de vida da população de seu território de atuação profissional;

k) conhecer e participar de atividades de formação e aprimoramentoprofissional continuado no município.

Os objetivos propostos foram estruturados considerando os princípiosestabelecidos pelo PSF, enquanto política de reestruturação das ações eatividades de atenção primária à saúde no país (MS, 1994; Trad, BASTOS,1988).

O curso contempla a formação em serviço (estágios) e atividades didáticas

complementares (aulas expositivas, seminários, estudos de caso e discussão detextos previamente selecionados, entre outras), desenvolvidas nos dois anosde residência.

Como estratégia para oferecimento das atividades didáticas complementares,

optou-se pela elaboração de módulos gerais, contemplando as bases do PSF,

metodologia da pesquisa científica, epidemiologia e vigilância à saúde,

administração de serviços de saúde, políticas de saúde e saúde do trabalhador, e

módulos relativos às grandes áreas, incluindo saúde da mulher, da criança, do

adulto, urgências e emergências cirúrgicas e saúde mental. Em anexo, apresentam-se a ementa e a carga horária dos diferentes módulos (Anexo 1).

Os estágios em serviço foram estruturados de modo a permitir aoresidente prática nos diferentes níveis de atenção que compõem o sistema localde saúde, sendo que no primeiro ano as atividades assistenciais são realizadasfundamentalmente no CSE, em Ambulatórios do Hospital das Clínicas daFaculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (HC/Unesp) e na Associação Beneficente de Hospitais Sorocabano. Algumas delas,

porém, são desenvolvidas em Unidades Básicas de Saúde e em USF, onde osresidentes voltam-se ao reconhecimento da comunidade de cada área deabrangência, com base no princípio da territorialização.

Ressalta-se que todo estágio voltado à saúde da criança é realizado noCSE. Na área de atenção à saúde da mulher, os residentes atuam nosambulatórios de Infecções Genitais em Gestantes, de Mastologia e deGinecologia Geral, nas dependências do Hospital das Clínicas e participam doPrograma de Assistência de Pré-Natal do Centro Municipal de Saúde do Jardim

Peabiru, Unidade Básica de Saúde recentemente transformada em USF.Realizam, ainda, atividades de atenção à parturiente e ao recém-nascido junto

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 147/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 148/414

148

saúde de família. Cabe ressaltar que tais profissionais estavam vinculados aprogramas de pós-graduação sensu stricto, na área de saúde coletiva. Devido aesse perfil, considerou-se desnecessária a elaboração de um programa decapacitação desses profissionais, embora atualmente se possa reconhecer que

poderia ter sido implementada para eles uma capacitação pedagógica. Quantoà formação nas grandes áreas clínicas, estes preceptores tiveram a oportunidadede participação nos seminários oferecidos aos residentes, o que também seaplica ao conteúdo de saúde pública.

Entre suas atribuições, destacam-se o auxilio na estruturação do curso;o suporte técnico na área de saúde da família; a capacitação e supervisão dosresidentes nas unidades e a organização de seminários nas grandes áreas.

Foi também atribuição dos preceptores nucleares atuarem nos cursos degraduação em medicina e enfermagem, especialmente nas atividades dereestruturação desses cursos. Assim, no curso de enfermagem, cujas mudançascurriculares estão em fase inicial de implantação, eles têm ministrado aulasteóricas, especialmente na disciplina Enfermagem de Saúde Pública e no cursode medicina participam da disciplina oferecida aos alunos de primeiro, segundoe terceiro anos: Interação Universidade, Serviços e Comunidade (Iusc). Comeste envolvimento nos cursos de graduação pretendeu-se criar um espaço maiorpara a Estratégia de Saúde da Família nos cursos médico e de enfermagem.

Os preceptores de especialidades eram médicos e enfermeiros das áreasde pediatria, psiquiatria, ginecologia e obstetrícia e clínica médica, contratadospara auxiliar na estruturação do curso; dar suporte técnico na sua especialidade;supervisionar os residentes nos serviços, especificamente em sua área; planejare ministrar o conteúdo teórico-prático na sua grande área, podendo auxiliarna orientação das monografias.

Deve-se destacar, também, que os médicos e enfermeiras das Unidades

de Saúde da Família atuavam, de fato, como supervisores/tutores dos residentesno dia-a-dia de suas atividades práticas, discutindo casos, tirando dúvidas eauxiliando os residentes neste processo de formação em serviço, já que ospreceptores nucleares e de especialidade faziam a supervisão dos residentesnas USF, apenas em dias e horários previamente agendados.

Com relação às metodologias de ensino, frente aos desafios de construçãode um novo modelo, baseado na família, pretendeu-se tornar o profissionalapto a construir seu conhecimento e apropriar-se de novas teorias e práticas.

 Assim, as metodologias utilizadas centraram-se no residente, levando emconsideração o contexto no qual ele iria aplicar seus conhecimentos,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 149/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 150/414

150

2 - Egressos do curso

Embora desde o início do curso tenham sido oferecidas 12 vagas, seispara médicos e seis para enfermeiras, as vagas de médicos em nenhum dos

anos foi totalmente preenchida. Assim, três médicos foram formados na primeiraturma e todos eles estão atuando em Unidades de Saúde da Família e das seisenfermeiras, duas também atuam em USF, duas foram contratadas comodocentes da área em faculdades de enfermagem privadas do interior do estadode São Paulo, uma está em fase final de conclusão de pós-graduação  stricto

 sensu e apenas uma não está trabalhando na área de saúde da família.

Na segunda turma, três médicos iniciaram o curso e dois o concluíram,mas nenhum deles está, atualmente, trabalhando na área, situação bastante

diversa das enfermeiras, já que as seis ingressantes concluíram o curso e apenasuma delas não atua em Unidade de Saúde da Família.

Iniciada em 2005, a terceira turma de residentes contou apenas commédicos, pois em virtude de demandas judiciais, decorrentes de problemascom o edital da Residência Multiprofissional e com a própria seleção doscandidatos, a direção da Faculdade de Medicina de Botucatu, prudentemente,optou por anular o processo seletivo, que não voltou a ser realizado, dada àexistência de mandato de segurança que impedia isso. Porém, dos cinco

ingressantes, apenas um está cursando o segundo ano de residência, enquantoos outros estão fazendo residência em outras áreas ou atuando em diferentesserviços de saúde.

 A dificuldade em atrair residentes médicos ao curso está atualmente emdiscussão com a Secretaria Municipal de Saúde de Botucatu, com a possibilidadede que esta secretaria venha a complementar o valor da bolsa de residência.

3 - Dificuldades e Fortalezas Experimentadas no Desenvolvimento doPrograma

No inicio de 2005, a coordenação do programa de residência promoveuuma “Oficina de Planejamento das Atividades do Curso de Especialização –Modalidade Residência – nos Serviços Municipais de Saúde de Botucatu”, como objetivo de ampliar a integração Universidade-Serviços, a qual contou com aparticipação de todos os residentes e de profissionais dos serviços locais de

saúde e da faculdade de medicina. A expressiva participação de atores destasinstituições permitiu compor um rico quadro das dificuldades enfrentadas no

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 151/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

151

desenvolvimento deste Programa, bem como de suas fortalezas. Dentre osproblemas levantados e discutidos na oficina podem-se destacar os seguintes:

1. Inadequada distribuição das atividades de ensino nas Unidades de Saúdefrente à disponibilidade física e profissional dos serviços. Tal problema

se explica, em parte, pela desproporção entre a demanda por espaçopara treinamento em serviço nas Unidades Básicas de Saúde paraalunos de graduação e pós-graduação (residência, aprimoramento etc.)e as limitações estruturais e organizativas da rede básica.

2. Definição de papéis insuficiente, do programa (coordenação), dospreceptores, dos profissionais do PSF e dos residentes, quanto às suasresponsabilidades. Neste tópico, uma das dificuldades identificadasfoi o tempo pequeno que os residentes estagiavam em USF, já queapenas no segundo ano eles atuavam nestes serviços em tempo integral.

No primeiro ano do programa as atividades estão divididas emdiferentes serviços, restando pouco tempo de estágio nas USF, serviçosque deveriam ser espaço central de treinamento.

3. Inadequada inserção do residente nas unidades de saúde quanto àdefinição de suas competências e responsabilidades.

4. Limitada integração Universidade-Serviço.

Diversos aspectos positivos foram apontados na oficina como fortalezaspara a consecução do programa de residência, tais como: alta motivação dos

envolvidos no processo, existência de espaço de integração entre os médicos eenfermeiros do PSF, existência de responsável pelos estágios na SecretariaMunicipal de Saúde e experiência acumulada da universidade no ensino emserviços, entre outros.

Dos problemas que foram objeto de discussão e proposição de estratégiasde enfrentamento na referida “Oficina de Planejamento”, a atual coordenaçãodo programa priorizou três operações: ampliação do tempo de estágio doresidente de primeiro ano em Unidades de Saúde de Família, estruturação da

figura do supervisor de estágio e implantação de um Programa de EducaçãoPermanente dirigido aos profissionais das USF, mas não se restringindo apenasaos que supervisionam os residentes.

Uma das dificuldades apontada acima – tempo limitado de estágio nasUnidades de Saúde da Família – será objeto de reestruturação do programa nopróximo ano, de modo a permitir ao residente uma vivência mais continuadacom a equipe e a comunidade. Para isto, o programa do primeiro ano seráreformulado, de forma a assegurar que o residente tenha um número de famíliassob sua responsabilidade, assegurando-se a supervisão clínica e em saúdecoletiva no cotidiano de seu trabalho na unidade de saúde. Espera-se, ainda,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 152/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 153/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

153

Curso de Especialização em Saúde da Famílianos moldes da Residência Ensp/Fiocruz:

desenvolvendo competência para a atenção básica

Maria Alice Pessanha de Carvalho1

Margareth Rose Gomes Garcia2

Helena Seidl3

Resumo: Neste texto, busca-se apresentar o processo de construção edesenvolvimento do Curso de Especialização em Saúde da Família nos moldesda residência, que está sendo realizado em parceria entre a Escola Nacionalde Saúde Pública (Ensp), a Secretaria Municipal de Saúde do Município doRio de Janeiro (SMS/RJ) e a representação do Ministério da Saúde no Riode Janeiro - Núcleo Regional (Nerj). Resgata o histórico de sua elaboração,a metodologia orientadora, as competências a serem desenvolvidas, a

identificação do campo de formação em serviço, os fatores facilitadores edificultadores, e as estratégias de superação dos desafios e as modalidadesde avaliação. Esta proposta tem o caráter de expressar a relevância e aprioridade da Estratégia de Saúde da Família no âmbito da melhoria daqualidade da atenção prestada na consolidação do Sistema Único de Saúde evisa articular educação e serviço.

Palavras-chave: Atenção Básica; Saúde da família; equipe multidisciplinar;competências; cuidado; problematização da realidade.

1 Coordenadora do Curso de Especialização em Saúde da Família, pesquisadora adjunta do Departamentode Ciências Sociais da Ensp/Fiocruz e mestre em tecnologia em educação pelo Nutes/ UFRJ. E-mail:[email protected].

2 Coordenadora executiva do Curso de Especialização em Saúde da Família, tecnologista em saúde do

CSEGSF/Ensp/Fiocruz, mestre em saúde coletiva pelo IMS/Uerj. E-mail: [email protected] Coordenadora executiva do Curso de Especialização em Saúde da Família, pesquisadora adjunta EGS/

Ensp/Fiocruz e mestre em saúde coletiva pelo IMS/Uerj. E-mail: [email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 154/414

154

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 155/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

155

1 - Introdução

 A Estratégia de Saúde da Família (ESF) estabelece vínculos, entre osprofissionais de saúde, a família e a comunidade, possibilitando espaço para a

construção de co-responsabilidade nos compromissos relacionados ao processosaúde – doença. A estratégia tem como principio a reorganização da práticaassistencial com novas bases e critérios, em áreas geográficas delimitadas, ondeos indivíduos, famílias e comunidade são o foco central da atenção para melhoriadas condições de vida. A prática da equipe multi e interdisciplinar da ESF contacom uma relação com a comunidade, que envolve uma assistência individualde qualidade (que inclui a promoção da saúde nos diversos ciclos da vida e umaassistência clínica resolutiva, eficiente e eficaz), uma vigilância em saúde que

monitora e executa ações e envolve ainda a atenção e cuidado coletivo, quepor meio da educação e do trabalho intersetorial tem alto potencial detransformação da realidade local. Orientado nestes princípios se constituiu ademanda por formação deste profissional no país desde sua implantação. Estademanda se expressa na necessidade de qualificação de profissionais de saúdecom um perfil de competências que possa atender e viabilizar a renovação dasteorias e das práticas no campo da saúde pública no Brasil e especialmente nacidade do Rio de Janeiro.

O desenvolvimento de um curso de pós-graduação, nos moldes deresidência, com base nas definições e determinações da Política da AtençãoBásica está voltado aos profissionais de saúde, como modalidade de formaçãoespecializada em serviço, sob orientação docente-assistencial. Apresenta-se nainterface ensino-trabalho-cidadania, podendo legitimar e consolidar taisperspectivas, uma vez que este tipo de formação, com caráter multidisciplinar,norteado pela interdisciplinaridade possui espaço estratégico para os necessáriosprojetos de mudança nos cenários de formação e das práticas de saúde.

Um curso nesta perspectiva tem como elementos fundamentais a:· Integração formação – trabalho;· unidades de aprendizagem visando promover competências

profissionais;· problematização da realidade;· processo ensino-aprendizagem centrado no aluno;· avaliação e certificação baseado em desempenhos profissionais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 156/414

156

2 - Histórico do programa

 A proposta do Curso de Especialização em Saúde da Família nos moldesda residência nasceu em meados de 2003, de uma iniciativa da Coordenação

da Área Programática 3.14

que identificou a necessidade de formar profissionaispara atender a demanda de aumento do número das equipes de saúde da famíliano Rio de Janeiro. Com este objetivo foi estabelecida a parceria entre aSecretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro e a Escola Nacional de SaúdePública (Ensp/Fiocruz) e o Núcleo Regional do Ministério da Saúde no Rio de

 Janeiro.

 A negociação junto a SMS/ RJ foi facilitada face a história de parceriaentre esta instituição e a Coordenação da Área Programática 3.1, que por muito

tempo suas Unidades de Saúde foram campo de estágio de nossos alunos. Alémdisso, havia também o interesse desta secretaria em iniciar um processo deformação dos profissionais da rede.

Neste período, a escola estava desenvolvendo uma reforma curricularpautada na construção de programas de formação baseado em competência5

profissionais identificadas com as necessidades do SUS. Objetivava construirum novo modelo político pedagógico repensando as estratégias de ensino eincorporando o mundo do trabalho como eixo fundamental na produção do

conhecimento e na definição de demandas educacionais.Um dos princípios desta reforma foi a capacidade de identificar que uma

instituição acadêmica deve orientar sua prática como organização aberta àaprendizagem, que reflete e produz conhecimento sobre o que faz, e que écapaz de valorizar e orientar a aprendizagem requerida pelos sujeitos docentes/alunos/profissionais para a transformação de suas práticas. Neste sentido, osconteúdos e práticas de formação e de investigação devem ser orientados pelasua relevância social (RIBEIRO, 2003).

Como estratégia para a construção curricular foi proposto um ciclo deoficinas e encontros entre os profissionais do serviço e a Ensp. Neste propósitoa SMS do RJ mobilizou seus trabalhadores de várias áreas programáticas paraparticiparem das oficinas para identificar as competências (atributos,

4 Coordenação de Área Programática 3.1 da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

5 A formação baseada em competências permite considerar a historicidade dos sujeitos e do seu papel de atores de mudanças sociais(RIBEIRO, 2003). Contrapondo-se às visões que consideram a aprendizagem como adaptação dos indivíduos a uma ocupação constituída(concepção condutivista), a competência profissional refere-se às formas e aos meios pelos qual o sujeito contribui pela apropriaçãode sua profissão ou ocupação, para reproduzir ou transformá-las (concepção construtivista).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 157/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

157

habilidades e atitudes) necessárias a formar o profissional em saúde da famíliaem núcleos urbanos. Foi realizado um processo metodológico que envolvia aescuta dos profissionais das equipes de saúde da família do RJ, descrição demapas da semana padrão de todos os profissionais culminando com a construção

coletiva de uma proposta de formação.Buscou–se valorizar o processo de trabalho, as experiências do sistema

de saúde como ponto de partida para o exercício da crítica e para a produçãode programas que se propõem a formar técnicos, políticos e cidadãos, comosujeitos ativos da formação e dos processos de trabalho. Os alunos em formaçãoem serviço passam a integrar as equipes consideradas adequadas a realizar apreceptoria e a serem chamados de residentes. Neste sentido, a equipe deprofissionais do município do Rio de Janeiro se amplia com a integração da

equipe de alunos/residentes.O curso foi desenhado para desenvolver três áreas de competências:

Organização do Processo de Trabalho, Cuidado a Saúde: individual, coletivo efamiliar e Educação e Formação em saúde. Sua carga horária foi planejadapara ter cerca de 4.000 horas divididas em atividades estruturadas queacontecem na Ensp e atividades em serviço que acontecem nas unidades daSMS/RJ com ESF.

Os candidatos devem ter interesse e sensibilidade para a atenção básica

em saúde, desejo de desenvolver cuidados individuais e coletivos no referidonível de ação, disposição para o trabalho em equipe multidisciplinar edisponibilidade de tempo (o curso é em regime de dedicação exclusiva).

 A primeira turma teve seu início em abril de 2005, com 21 alunos (cincoenfermeiros, um médico, cinco odontólogos, quatro nutricionistas, trêsassistentes sociais e três psicólogos) e teve como campo de estágio, cinco equipesde saúde da familia da Área Programática 3.1.

Em abril de 2006, foi iniciada a segunda turma com 21 alunos (cinco

enfermeiros, cinco odontólogos, quatro nutricionistas, quatro assistentes sociaise três psicólogos) e os campos de estágio são em unidades de ESF das áreasprogramáticas 3.1, 5.2 e 5.3.

Estas equipes foram selecionadas por possuírem as característicasdefinidas como requisitos para o campo de prática: estarem com a equipecompleta; possuir características de ser equipe preceptora (todos os integrantesda equipe são preceptores); equipe com história de exercício na Estratégia deSaúde da Família, experiência em condução de grupos, atividades de docência

ou processos educativos informais, além de disponibilidade de tempo paraacompanhamento de residentes.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 158/414

158

Para o exercício da preceptoria é realizado um processo de formaçãopara os profissionais de nível superior que compõem as equipes de saúde defamília ou o Grupo de Apoio Técnico (GAT) do município do Rio de Janeiro,que antecede o início da turma de residentes. Este processo de formação

compreende um curso de atualização com 48 horas de aulas presenciais e umprocesso de educação permanente previsto em um encontro a cada quinzedias.

Compreendeu-se que atuar na formação do aluno/residente exigeentender a dinâmica do processo de ensino-aprendizagem a partir da prática,as especificidades que caracterizam o trabalho multiprofissional einterdisciplinar. A compreensão do papel da preceptoria como co-visão,compartilhando sentidos, conhecimentos, formas de ações, e de gestão do

cuidado individual, familiar e coletivo. Neste sentido a formação do preceptorfoi considerada fator determinante para o bom andamento do curso.

Com estes princípios foi elaborada a formação da equipe deacompanhamento do aluno, que teve como objetivo qualificar preceptores paraa adoção da metodologia da problematização no desenvolvimento da atuação eacompanhamento dos alunos/residentes.

 A estrutura de acompanhamento dos alunos/residentes é composta pelos

seguintes atores:1- Preceptor de Equipe: profissional de saúde que integra a equipe do

módulo de atuação da equipe de alunos, que acompanha e se responsabilizapelo planejamento e desenvolvimento das atividades no campo, respeitando asingularidade das situações e a complexidade das interações entre sujeitosdiferentes.

2- Preceptor de Território: profissional de saúde que integra a equipe desupervisão local. Na SMS/RJ, denomina-se Grupo de Acompanhamento Técnico

(GAT), que tem por função principal o acompanhamento das equipes daquelaárea programática.

3- Docente Ensp: professor da Escola Nacional de Saúde Pública que é oresponsável em detectar e propor ações de aprendizagem, bem como é o orientardo trabalho de conclusão do curso. Acompanha uma equipe de alunos.

4- Colegiado de coordenação: o curso é acompanhado por um colegiadoque se reúne quinzenalmente, e é composto pelo conjunto de preceptores deequipe e de território, dos docentes Ensp, e de uma representação dos alunosR1 e R2 e da coordenação geral.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 159/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 160/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 161/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

161

4 - Descrição do programa

O programa do curso foi desenhado com o objetivo de promover odesenvolvimento de competências e atributos à equipe multiprofissional de

saúde de nível superior (médicos, enfermeiros, odontólogos, assistentes sociais,nutricionistas e psicólogos) para participarem das atividades de cuidado e/ousupervisão junto às equipes de saúde da família com desempenhos de excelêncianas áreas de competência da organização do processo de trabalho, cuidado àsaúde (individual, familiar e coletivo) e nos processos de educação e formaçãoem saúde visando à melhoria da saúde e o bem-estar de pessoas individuais,suas famílias e da comunidade.

 A descrição das competências nas três áreas correspondem aos atributos

a serem articulados e desenvolvidos nas unidades de aprendizagem do programado curso. Neste sentido, estas áreas de competências correspondem aosobjetivos específicos do currículo elaborado e se expressam por meio dosdesempenhos.

 A competência não é algo que se observa diretamente, porém que seinfere pelo desempenho (realização das tarefas essenciais, fundamentadas poratributos cognitivos, psicomotores e atitudinais qualificados). Os desempenhossão, assim, observáveis e, a partir desses, se infere a competência. Os padrões

de competência explicitam o que o profissional deve ser capaz de fazer paradesempenhar sua prática com sucesso (RIBEIRO, 2003). Portanto, estascompetências balizam as ações pelas quais os aluno/residentes são avaliadosno curso (Quadro Perfil de Competência).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 162/414

162

QUADRO PERFIL DE COMPETÊNCIA

Áreas

Organização doProcesso de Trabalho

Cuidado a Saúde:

coletivo, individual efamiliar.

Coletivo

• individual efamiliar

Competência

• Utilizar recursos adequados, segundo a fonte selecionada para obtenção de dados (usuários, trabalhadores dasaúde, meios de comunicação, sistemas estruturados de informação, protocolos, conselhos e colegiados,representantes da comunidade e de organizações não governamentais e governamentais e outros),interpretando-os na tomada de decisão de forma ágil e ética buscando o fazer pactuado na implementação dasmesmas.

• Buscar e promover a produção de informações orientada na defesa da vida e melhoria da organização doprocesso de trabalho.

• Incorporar os saberes acumulados na experiência profissional da equipe e dos usuários do sistema como fontede reestruturação do processo de trabalho.

• Manter, na interação com os atores, postura agregadora e acolhedora as necessidades apontadas e as diferentesvisões dos problemas por eles trazidos.

• Interpretar e analisar os dados com uso de ferramentas técnicas e dispositivos crítico-reflexivos e aplicados aocontexto sócio-político na tomada de decisão.

• Identificar os equipamentos sociais e dispositivos existentes e pactuar objetivos comuns no desenvolvimento darede explicativa e de cuidados progressivos à saúde.

• Avaliar riscos físicos e sociais no contexto da integralidade.

• Utilizar ferramentas da epidemiologia e articular os recursos sociais locais, institucionais e dos serviços paraestabelecer prioridades e organizar respostas aos problemas de forma compartilhada, negociada e promovendo aresponsabilização da equipe.

• Envolver os diferentes segmentos na elaboração da rede explicativa e na tomada de decisão.

• Coletar dados primários e utilizar dados secundários para o levantamento de prioridades frente às necessidadescoletivas de saúde.

• Identificar demandas aparentemente semelhantes e possibilitar a troca de experiência e a construção coletivafrente a problemas comuns.

• Avaliar riscos coletivos e individuais.

• Formular hipótese diagnóstica

• Identificar equipamentos sociais e dispositivos existentes para adoção de medidas de atenção, prevenção e depromoção a saúde..

• Mobilizar recursos sociais no planejamento da ação coletiva

• Reconhecer e atuar em situações de urgência avaliando o risco (físico, familiar e social) conforme o contexto.

• Receber o usuário mantendo sua privacidade e individualidade, com uma postura acolhedora, respeitosa epossibilitando escuta ampliada de modo a favorecer a construção de vínculos ou encaminhamento dealternativas quando necessário.

• Identificar as necessidades de saúde referidas ou percebidas considerando os aspectos biológicos-funcionais,psico-cognitivos, sócio-culturais e de constituição famil iar e buscar adequá-las dentro de uma abordagemintegral.

• Obter dados relevantes por meio da história de vida, prontuário-familiograma, e/ou obser vação, para odesenvolvimento da história clínica ampliada.

• Correlacionar as necessidades identificadas com os dados obtidos e a capacidade de resposta pela equipe pormeio de uma decisão negociada e compartilhada com o usuário.

• Avaliar necessidade de exames complementares ou outros dados e/ou encaminhar a outras unidades da redequando necessário.

continua...

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 163/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

163

CompetênciaÁreas

• Formular hipótese diagnóstica e avaliar risco segundo padrão pré-estabelecido em protocolos e elaborarinvestigação diagnóstica baseada na integralidade da atenção.

• Mobilizar recursos dos serviços e das instituições de saúde para organizar e desenvolver plano de cuidados que

atenda as necessidades de saúde do usuário na defesa da qualidade de vida e da promoção da saúde.• Elaborar plano de cuidados e procedimentos a serem implementados no atendimento de formacompartilhada com o usuário identificando-o como um sujeito de conhecimento.

• Acompanhar o desenvolvimento do plano de cuidado pré-estabelecido por meio do monitoramento dasações.

• Reorientar as ações a par tir da reflexão do monitoramento.

• Identificar coletivamente, de modo sistemático, em todas as etapas do processo de trabalho, as necessidades deaprendizagem, buscando relação de troca compartilhada de saberes.

• Realizar investigação sobre o processo de trabalho desenvolvido e as necessidades de aprendizagem

• Articular e promover reflexão crítica das ações desenvolvidas, considerando os conflitos entre a equipe, napromoção de estratégias pedagógicas.

• Buscar envolver diversos segmentos da comunidade e equipe de trabalho na priorização das necessidades deformação e formulação das estratégias pedagógicas.

• Elaborar planos de formação considerando a realidade sócio-econômica e cultural da equipe e da comunidadepossibilitando a problematização da realidade e a tomada de decisão estratégica.

• Buscar articular a problematização dos contextos real com as estratégias pedagógicas desenvolvidas.

• Possibilitar espaços de formação que promovam escuta atenta das necessidades, troca de experiências,articulação de saberes, diálogo entre sujeitos de saberes diferentes, acolhimento, vínculo e processos de

autonomização do sujeito que aprende.• Promoção da saúde da criança - identificar os fatores determinantes da qualidade de vida da criança, em seucontexto familiar e social, bem como compreender o sentido da responsabilização compartilhada como basepara o desenvolvimento das ações que contribuem para o alcance de sua vida saudável.

• Prevenção e monitoramento das doenças prevalentes na infância: Capacidade para desenvolver ações decaráter individual e coletiva, visando à prevenção específica e o monitoramento das doenças prevalentes nainfância.

• Identificação de agravos e recuperação da saúde da criança: Capacidade para desenvolver ações de caráterindividual e coletiva, visando à prevenção específica, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado dosprincipais problemas da criança.

• Abordagem do adolescente: Capacidade de aplicar princípios éticos no desenvolvimento do trabalho com oadolescente, de forma contextualizada.

• Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento do adolescente: Capacidade para desenvolver ações decaráter individual e coletiva, visando o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento do adolescente.

• Acompanhamento da saúde reprodutiva e da sexualidade do adolescente: Capacidade para desenvolver açõesde caráter individual e coletiva, visando o acompanhamento da saúde reprodutiva e da sexualidade doadolescente.

• Prevenção, diagnóstico e tratamento de problemas prevalentes do adolescente: Capacidade para desenvolverações de caráter individual e coletiva, visando à prevenção específica, o diagnóstico precoce e o tratamento

adequado dos principais problemas clínicos do adolescente.

• individual e

familiar

Educação eformação em saúde;

Atenção à saúde dafamília frente àsfases do ciclo de vida

Criança

Atenção à saúde dafamília frente àsfases do ciclo de vida

Adolescente

continuação...

continua...

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 164/414

164

5 - Atividades de Ensino

 A formação em serviço representará 70% do tempo da formação,desenvolvidos nas unidades da ESF existentes, para atividades de assistênciaindividual e de saúde coletiva. As atividades de discussão teórica representamos 30% restantes – atividades estruturadas são realizadas em forma deproblematização da realidade e debates com especialistas da área, por meio deseminários, estudos de caso, aulas expositivas, clube de revista e outras formasde ensino. As atividades dos alunos são assim distribuídas: quatro turnos deatividades estruturadas na Ensp, seis turnos atividades de prática na Unidadede Saúde da Família e dois turnos de estudo auto-dirigido.

O processo didático transcende o simples repasse de conhecimento e se

constitui numa recriação do saber necessário para instrumentalizar as práticasdos profissionais nas equipes de saúde da família, isto é, sua atuação política etécnica enquanto atores sociais.

Para o desenvolvimento destas competências foram identificados osatributos de conhecimentos e atitudinais a serem desenvolvidos e agrupadosem cinco Unidades de Aprendizagem.

1ª Unidade: seminários temáticos;2ª Unidade: identificação de necessidades de saúde, da oferta/utilização

dos serviços e da equipe;3ª Unidade: análise dos dados;

CompetênciaÁreas

• Abordagem da pessoa adulta: Capacidade de identificar os fatores determinantes da qualidade de vida doindivíduo adulto como as condições sociais de vida, trabalho, auto-cuidado e cuidado com a família, percebendoo processo construtivo e participativo na relação profissional com a pessoa adulta.

• Diagnosticar uma pessoa adulta: Capacidade de perceber a harmonia e a integralidade dos sinais e sintomasfísicos, mentais e sociais, tendo em vista a permanente interação do indivíduo com o meio em que vive.

• Promoção da saúde do idoso: Capacidade de identificar os fatores determinantes da qualidade de vida dapessoa idosa, em seu contexto familiar e social, bem como compreender o sentido da responsabilizaçãocompartilhada como base para o desenvolvimento das ações que contribuem para o alcance de uma vidasaudável.

• Prevenção e monitoramento das doenças prevalentes na população idosa: Capacidade para desenvolver açõesde caráter individual e coletiva, visando à prevenção específica e o monitoramento das doenças prevalentes napopulação idosa.

• Identificação de agravos e recuperação da saúde no idoso: Capacidade para desenvolver ações de caráterindividual e coletiva, visando à prevenção específica, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado dosprincipais problemas da pessoa idosa.

Atenção à saúde dafamília frente àsfases do ciclo de vida

Adulto

Atenção à saúde dafamília frente àsfases do ciclo de vida

Idoso

continuação...

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 165/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

165

4ª Unidade: planejamento das ações;5ª Unidade: execução das ações e avaliação.

  A primeira Unidade de Aprendizagem (Seminários Temáticos)corresponde ao Ciclo de Debates: Conversando sobre a Estratégia de Saúde

da Família que tem como objetivo promover uma reflexão sobre os princípiosda estratégia e discutir formas de intervenção nos principais desafiosencontrados pelas equipes de saúde da família, que se desenvolve em dez sessõesa partir da reflexão com os atores de referência na área específica. O temassão Política de Saúde: determinantes, equidade e a promoção da saúde;Estratégia de Saúde da Família no Brasil e na cidade do Rio de Janeiro: desafiose perspectivas; Território: o contexto social e o espaço da organização doprocesso de trabalho em saúde; A família, o sujeito e o cuidado; Cenários de

aprendizagem para formação na Estratégia de Saúde da Família; O trabalhomultiprofissional e a resolutividade do cuidado; A ética do cuidado e o espaçodomiciliar; A clínica ampliada no ciclo de vida; Estratégia de Saúde da Famíliacomo avaliar?

Esta iniciativa está baseada no diálogo, análises e questionamentos sobreproblemas enfrentados na ESF. Têm como metodologia a produção de debatese o primeiro contato dos alunos com a política, experiências e as principaisquestões que cercam a estratégia. Na parte da manhã os alunos recebem atoresde referência e depois tem a possibilidade de aprofundar as questões com asistematização de trabalho. É um espaço de reflexão contínua sobre os desafiosdo ESF, desenvolvendo planejamentos, programação e monitoramento de açõespara as equipes de saúde da família e para a atenção básica/saúde da família.

 As demais unidades (2ª Unidade: Identificação de necessidades de saúde,da oferta/utilização dos serviços e da equipe; 3ª Unidade: Análise dos dados;4ª Unidade:  Planejamento das Ações e 5ª Unidade: Execução das Ações e

 Avaliação) são desenvolvidas na relação teoria-prática onde o aluno temmomentos de aulas estruturadas na Ensp (dois dias, uma sessão incluiacompanhamento metodológico) e outras de atividades em serviço (três dias)buscando estabelecer diálogo constante. Cada unidade de aprendizagempossibilita o desenvolvimento de ações que articuladas habilitam diagnosticar,identificar necessidades, planejar, intervir e avaliar as intervenções individuais,familiares e coletivas.

O curso utiliza o diário reflexivo como instrumento pedagógico que

possibilita a reflexão da prática e ajuda a coordenação e aos docentes do cursoa identificar necessidades de aprendizagem. O diário está ancorado na

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 166/414

166

antropologia, como dados etnográficos, e na educação como portifólio reflexivo.Como Portifólio Reflexivo (PR) é uma estratégia para a construção doconhecimento reflexivo, e tem como objetivo identificar necessidades deaprendizagem e acompanhar o desenvolvimento dos desempenhos e a

construção do conhecimento que acontece no campo de prática dos alunos.Este conhecimento possibilita a formação de profissionais capacitados pararesponderem às situações de incerteza e de imprevisibilidade que constituemos contextos de trabalho e de vida (ALARCÃO, 2001; SÁ CHAVES, 2005).

Os diários reflexivos permitem aos vinte alunos, uma reflexão dialógicasobre o observado e o vivido no contexto real das práticas. Os alunos sãoestimulados a reconhecer a auto-implicação com a própria aprendizagemregistrando diariamente o processo, a análise, e a síntese sobre as situações

processadas, correlacionando o desenvolvimento de novas capacidades ao perfilde competência. Na análise dos diários reflexivos observou-se: que os alunosapresentaram graus diferentes de interatividade, de cooperação e de autonomia;que houve a implementação de processos de articulação entre a teoria e arealidade; existiu a percepção dos limites de sua atuação e responsabilidades;o trabalho interdisciplinar das equipes acontece mais freqüentemente naspráticas coletivas e nas visitas domiciliares e algumas vezes nas interconsultas.Com relação à integração dos alunos com as equipes, apontou-se que em

algumas foi discutido o objetivo da residência e o papel dos residentes, tendo-se levantado as dificuldades dos profissionais em trabalhar em equipe. Osdiários reflexivos possibilitaram, além da reflexão dos alunos, que acoordenação e os docentes tivessem uma fonte de informações de necessidadesde aprendizagem. Deflagrando muitas vezes discussões teóricas importantespara sua formação, além de ser um forte elemento de avaliação processual daaprendizagem.

Certo cuidado é necessário, pois o diário reflexivo não pode se tornar

um instrumento fiscalizatório do trabalho das equipes, pois em um primeiromomento do curso foi identificado como tal. Superada este compreensão inicial,ele foi identificado como um instrumento que viabiliza identificar necessidadesde aprendizagem para o aluno, mas também remete para as necessidades daequipe e para o processo do fazer pedagógico da organização de saúde.Mensalmente a síntese dos diários reflexivos da equipe dos alunos é discutidajunto à equipe ampliada em um momento de reflexão sobre o processo detrabalho Dessa forma, estabelecem-se elos de co-pensar e co-responsabilizar

entre aluno e equipe.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 167/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

167

  Após o termino de cada unidade de aprendizagem é realizado umSeminário de Síntese que possibilita a sistematização dos conceitos econhecimentos construídos em cada unidade. Serve como instrumentos parafacilitar o aprendizado do conteúdo sistematizado em conteúdo significativo

para o aprendiz. Esta sistematização é realizada por meio de uma outraestratégia pedagógica os Mapas Conceituais6. A proposta de trabalho por meiode mapas conceituais está baseada na idéia fundamental da psicologia cognitivaque estabelece que a aprendizagem ocorre por assimilação de novos conceitose proposições na estrutura cognitiva do aprendiz (AUSUBEL, 1978). Estaabordagem está embasada na teoria construtivista, entendendo que o indivíduoconstrói seu conhecimento e significados a partir da sua predisposição pararealizar esta construção. O conteúdo novo precisa ser ancorado ao

conhecimento prévio mediante aquilo que é significativo ao sujeito que aprende.Em anexo segue um mapa conceitual elaborado pelos alunos/residentes ao finalda 2ª Unidade: Identificação de necessidades de saúde, da oferta/utilizaçãodos serviços e da equipe.

6 - Avaliação

O processo de avaliação é contínuo, ininterrupto, tendo os seguintesmomentos de sistematização:

1) Mensalmente é analisado o diário de campo por parte dos docentes eelaborado uma síntese das questões de aprendizagem para cada território. Estasíntese do diário de campo teve ser apresentada durante a atividade de educaçãopermanente das equipes e potencializarem a discussão sobre o processo detrabalho

2) Ao final de cada semestre, a coordenação do curso convoca o colegiado

para realização de um conselho de classe, onde são discutidos e definidos osconceito alcançados pelos alunos. A avaliação do aluno é realizada pelospreceptores na formação em serviço, na análise dos desempenhos (seguindocom base as competências descritas acima), incluindo os seguintes indicadores:relação com a comunidade, interesse científico, aprendizado dos conceitos éticose profissionais, responsabilidade e pontualidade/assiduidade e avaliada, também,a participação discente nessas atividades.

6 Mapas Conceituais são representações gráficas semelhantes a diagramas, que indicam relações entre conceitos ligados por palavras.Representam uma estrutura que vai desde os conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos. São utilizados para auxiliar aordenação e a seqüenciação hierarquizada dos conteúdos de ensino, de forma a oferecer estímulos adequados ao aluno.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 168/414

168

3) Para as atividades teóricas são realizados seminários de síntese aofinal de cada unidade (mapas conceituais);

4) Elaboração de trabalhos de grupo consolidados após cada unidade deaprendizagem. Estes trabalhos se configuram como etapas para a conclusãodo trabalho final do curso e configuram a conceituação de cada unidade.

5) A cada término de unidade, os alunos fazem uma avaliação individual,sobre os diversos aspectos dos momentos teóricos, preenchendo um formulárioespecífico.

6) Como trabalho de conclusão de curso é estimulada a execução de umprojeto de intervenção com o objetivo de propor a resolução de um problemalevantado, junto com a população ou com as equipes de saúde, que resultará

em um aumento da capacidade de articulação de conhecimentos equestionamento crítico da realidade.

7 - Considerações finais

 Avaliando os dois anos de experiência de funcionamento deste programa,tendo por base o próprio método pedagógico, tivemos a possibilidade, a partirda reflexão da realidade vivenciada pelos alunos na prática e nas atividades

teóricas, fazer modificações e ajustes, objetivando a melhoria constante daprópria qualidade do curso, pioneiro nesta área na Ensp.

Essas reflexões são feitas sistematicamente com a possibilidade deestruturar o seu processo de aprendizagem. Assim, a construção doconhecimento reflexivo tem possibilitado a formação de profissionaiscapacitados para responderem às situações do trabalho e de vida.

O ato de compartilhar, na vida do aluno, inserido em seu processo dedesenvolvimento, é apaixonante e singelo, mas de muita responsabilidade, oque pode ser traduzido no grande investimento afetivo para ambos.

O nosso papel de formadores não se resume em desenvolver habilidadestécnicas (é incontestável sua importância), mas estimular o pensamento, a buscapelo conhecimento, a emoção e a crítica. O pensamento crítico só é possívelcom o diálogo.

Quanto às dificuldades, algumas são inerentes ao próprio processo deimplantação da ESF em um grande centro urbano, como é esta cidade: alta

rotatividade de profissionais nas equipes, poucas oportunidades de atualização,profissionais formados numa lógica de assistência diferente do que se propõe

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 169/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

169

a estratégia, financiamento das ações de saúde, entre outras.

 A convivência da lógica de vários modelos de atenção no mesmo espaçoe processo de trabalho, o que configura em várias ESF. A tensão existenteentre a lógica da produção e a lógica do cuidado.

 A violência vivida no Rio de Janeiro impõe pensar novas estratégiasformativas que implicam em identificar potencialidades no território e nãoestabelecer ações somente de defesa e paralisia. Neste sentido, a açãointersetorial e a integralidade se configuram o norte destas estratégias.

 As dificuldades estiveram relacionadas, segundo os próprios alunos, anecessidade de se melhorar o processo pedagógico no cenário de aprendizagemprocurando romper o pensamento dicotômico entre teoria e prática. Como

estratégia para romper este pensamento, neste ano construímos junto com osdocentes e preceptores, a proposta de elaboração de relatórios reflexivos quesão apresentados nas reuniões de equipe nos diversos cenários de aprendizagem.Estes relatórios são construídos baseados nos diários reflexivos de cada aluno,compartilhados com os outros residentes e com seu docente.

Identificamos também a falta de financiamento como questão que temdificultado a operacionalização das ações pedagógicas. Os recursos só sãoaportados para o pagamento de bolsas de alunos/residentes e ainda não estamos

recebendo recursos para bolsas de preceptoria. Faltando financiamento parapagamento de aulas, idas a congressos, publicações dentre outras.

Referências bibliográficas

 ALARCÃO, I. Do olhar reflexivo ao olhar sobre a supervisão. In: RANGEL,M. (Org.). Supervisão pedagógica: princípios e práticas. Campinas: Papirus,

2001.______. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez,2003.

 AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Educational psychology: acognitive view. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1978.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em

problemas. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, [S.l.], v. 2, n. 2, fev.1998.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 170/414

170

BORDENAVE, J. D. A pedagogia da problematização na formação dosprofissionais de saúde. [S.l.: s.n., 19—?]. Mimeo.

CHAVES, I. S. (Org.). Os “portfólios” reflexivos (também) trazem gentedentro: reflexões em torno do seu uso na humanização dos processos

educativos. Portugal: Porto Editora, 2005. (Coleção Cidine).

COLL, C. et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1998.

DAVINI, M. C. Practicas laborales en los servicios de salud: las condicionesdel aprendizaje. In: HADDAD, J.; ROCHKEN, M. A. C.; DAVINI, M. C.

 Educacion permanente de personal de salud . Whashington: OrganizacionPanamericana de la Salud, 1994. (Série Desarrolo de Recursos Humanos; n.100).

FERREIRA, M. M. C. Formar melhor para um melhor cuidar. Revista Millenium (ISPV), [S.l.], n. 30, out. 2004.

FREIRE, P. Ensinar exige reflexão critica sobre a pratica. In: FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 11. ed. SãoPaulo: Paz e Terra, 1999. p. 43-47.

MAMEDE, S. Aprendizagem baseada em problemas: características,processos e racionalidade. In: MAMEDE, S.; PENAFORTE, J. (Orgs.).

 Aprendizagem baseada em problemas: anatomia de uma nova abordagemeducacional. Fortaleza: Hucitec, 2001.

MENDONÇA, M. H.; HELMAN, L. S. A trajetória da atenção básica emsaúde e do Programa de Saúde da Família no SUS: uma busca de identidade.In: LIMA, N. T. (Org.). Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS.Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

RIBEIRO, E. C. Representações de alunos e docentes sobre as práticas decuidado e de formação: uma avaliação de experiências de mudança em

escolas médicas. 2003. Tese de doutorado (Pós-graduação em SaúdeColetiva)–Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

WUILLAUME, S. M. O processo ensino-aprendizagem na residência médicaem pediatria: uma análise. 2000. Tese de Doutorado (Pós-Graduação emSaúde da Criança)–Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz,Rio de Janeiro, 2000.

ZANOTTO, M. A. C.; DE ROSE, T. M. S. Problematizar a própria

realidade: análise de um,a experiência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29,n. 1, p. 45-54, jan./jun. 2003.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 171/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

171

Residência em Saúde da família da UFJF:contribuindo na formação de profissionais de saúde

para o Sistema Único de Saúde

Maria Teresa Bustamante-Teixeira1,2

Celso Paoliello Pimenta

1,2

Marcelo da Silva Alves1,2

Leda Maria Leal de Oliveira1,2

Rita Maria Rodrigues Bastos2,3

Paula de Vasconcelos Freire2,3

Maria Lúcia Salim Miranda Machado2,3

Zélia Cristina Severino Vitorino2,3

Meyriland Dias de Amorim Friaça2,3

Elisabeth Campos de Andrade2,3

Maria Regina de Paula Fagundes Netto2,3

Juarez da Silva Araújo2,3

Kristiane de Castro Dias Duque2,3

Beatriz Francisco Farah2,3

1

Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). E-mail: [email protected] Núcleo de Assessoria, Treinamentos e Estudos em Saúde da UFJF3 Secretaria de Saúde, Saneamento e Desenvolvimento Ambiental da Prefeitura de Juiz de Fora (SSSDA JF)

Resumo: Objetiva-se, neste trabalho, partilhar os avanços e desafios doPrograma de Residência em Saúde da família da Universidade Federal de

 Juiz de Fora (RSF/UFJF). Tal programa centra-se na educação em serviçosob orientação profissional, e tem como objetivo formar profissionais desaúde - médicos, enfermeiros e assistentes sociais - para desempenharemsuas atividades profissionais em Unidades Básicas de Saúde (UBS), por meiode ações de saúde coletiva e de abordagem clínica individual, que contemplemo processo de promoção, prevenção, manutenção e recuperação da saúde. AResidência em Saúde da família , apoiada pelo Ministério da Saúde desdeseu início, em 2002, é desenvolvida em parceria com o município de Juiz deFora, por meio de sua secretaria de saúde. O processo de formação se dános locais de produção das ações, propiciando o contato com a realidadelocal, sob a ótica de uma equipe multiprofissional. Orienta-se por uma práticahumanizada e resolutiva baseada nas necessidades epidemiológicas e sociaisda população.Palavras-chave: Formação de Profissionais de Saúde; Pós-Graduação emSaúde; Residência; Saúde da família ; Atenção Primária à Saúde; IntegraçãoEnsino-Serviço-Comunidade.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 172/414

172

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 173/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

173

1. Contexto

 A consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), implantado a partirde 1990, baseia-se na reorientação do modelo assistencial que pressupõe a

reorganização da atenção básica em saúde (ABS). Para tal o Ministério da Saúde(MS) adotou, enquanto estratégia principal, o Programa de Saúde da famíliaque tem como princípios: a territorialização com adscrição da clientela, trabalhoem equipe multiprofissional, planejamento local com participação dacomunidade e a integralidade do cuidado. Tal programa defronta-se com odesafio da baixa disponibilidade de profissionais com uma formação equalificação adequadas para se inserirem nesta proposta.

Para a qualificação de profissionais com competência para atuar

considerando a complexidade do processo saúde-doença em todas as suasdimensões, é fundamental que se desenvolva um processo educacionalpermanente, integrando ensino e serviço, possibilitando a criação de valoresque levem em consideração a integralidade da assistência, seja nas atitudesindividuais, seja por meio do estímulo permanente ao trabalho em equipe.

Como estratégia para a qualificação de profissionais para a saúde dafamília tem sido induzida e apoiada, pelo Ministério da Saúde, a formação deespecialistas na área de Saúde da família . Para tanto, diversas instituições de

ensino superior em todo o país vêm ofertando desde 1998, inicialmente, atravésdos Pólos de Capacitação em Saúde da família , e hoje, como elenco permanentedos programas de pós-graduação lato sensu as modalidades de Especializaçãoe Residência em Saúde da família , ambas de caráter multiprofissional.

2. Histórico do programa

O desenvolvimento da Residência em Saúde da família em Juiz de Fora,

surge num contexto de integração entre universidade e a rede de assistêncialocal (parceria UFJF/PJF) e regional (sudeste mineiro), num momento deexpansão e consolidação da Estratégia de Saúde da família , e de uma atuaçãointensa do Pólo de Capacitação, Formação e Educação Permanente de Pessoalpara a Saúde da família da UFJF (CAMPOS, 2002).

Por um lado, a expansão da Estratégia de Saúde da família no estado,desenvolve-se em consonância com o que ocorre no país (Tabela 1). Atualmente,94,9% dos municípios brasileiros implantaram a Estratégia de Saúde da família

, sendo que o Estado de Minas Gerais, com 853 municípios, apresenta 94,7%dos seus municípios com o programa implantado. Cabe ressaltar que Minas

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 174/414

174

Gerais responde por 16% dos municípios brasileiros com Programas de Saúdeda família (PSF) e com 12,8% das equipes de saúde da família implantadas noBrasil.

Na região sudeste do estado de Minas Gerais, com uma população de2.872.842 habitantes, a saúde da família está implantada em 95% dos 199municípios que a compõem. Juiz de Fora, município pólo da região, foi pioneirona implantação do PSF, em agosto de 1995, por meio de uma proposta queenvolvia a reorganização da atenção básica contemplando a territorializaçãocom adscrição da clientela, e a alocação de equipes multiprofissionaisespecialmente capacitadas. Inicialmente foram implantadas 17 equipes em oitoUnidades Básicas de Saúde (UBS zona urbana) e uma equipe na zona rural,correspondendo a uma cobertura de 18%. Atualmente existem 80 equipesimplantadas, atuando em 30 das 41 UBS, cobrindo 46% da população municipal(DATASUS, 2006).

Destaca-se, portanto, a importância do investimento na qualificação dosprofissionais, uma vez que a região absorve grande parte de uma força detrabalho, que apesar dos esforços efetuados, é ainda carente de qualificaçãopara a atuação em saúde da família .

Por outro lado, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) se constitui

num importante centro de referência para os municípios que compõem suaárea de abrangência (sudeste mineiro), tendo como prioridade a ampliação deseus laços com esta comunidade, o que vem sendo conduzido pela Pró-Reitoriade Extensão. No âmbito da UFJF a discussão sobre a formação de recursoshumanos em saúde voltados para a perspectiva da reorientação do modeloassistencial do SUS, vem se desenvolvendo e mobilizando vários segmentossociais visando dar respostas mais efetivas às demandas que lhe são colocadasna atualidade.

Criada em 1960, a UFJF oferece 26 cursos de graduação, 71 deespecialização, 20 de mestrado e cinco de doutorado. Também integram auniversidade o Colégio de Aplicação João XXIII e o Colégio TécnicoUniversitário (CTU). São mais de 2.400 alunos de 1º e 2º graus, cerca de 7.200de graduação e mais de 1.200 de pós-graduação. Para garantir o bomfuncionamento da universidade, são empregados cerca de 900 professores. Nosetor técnico-administrativo, atuam mais de 1.200 funcionários, distribuídospor várias unidades acadêmicas, administrativas e assistenciais.

Na área da Saúde a UFJF oferece cursos de graduação em medicina(desde 1953), serviço social (desde 1948), enfermagem (desde 1979), farmácia

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 175/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

175

e bioquímica (desde 1913), fisioterapia (desde 1993), fdontologia (desde 1913),psicologia (desde 1991) e educação física.

Esforços tem sido empreendidos para o aprimoramento do ensino degraduação dos vários cursos da área da Saúde, nas atividades de extensão (juntoaos serviços de saúde), no fortalecimento das atividades de pesquisa, deeducação permanente e do ensino de pós-graduação.

Tais esforços podem ser identificados através de estratégias como: aconcepção e implantação do Centro de Atenção à Saúde (CAS-UFJF) comoalternativa à concepção mais estrita de hospital universitário; as reformascurriculares nos cursos da área da Saúde (diretrizes nacionais), com aimplementação do Programa de Apoio às Mudanças Curriculares no Curso deMedicina (PROMED) e em 2006 do Pró-Saúde para os cursos de medicina,enfermagem e odontologia; o desenvolvimento da pós-graduação em saúdecoletiva (agora com mestrado aprovado pela CAPES); a atuação do Núcleo de

 Assessoria, Treinamento e Estudos em Saúde (Nates), enquanto espaço deprodução multiprofissional e interdisciplinar, e de integração ensino-serviço.Destaca-se ainda a atuação do Pólo de Capacitação, Formação e EducaçãoPermanente de Pessoal para a saúde da família da UFJF, e a sua participaçãonos Pólos de Educação Permanente em Saúde do sudeste/MG e da região centro-sul/MG. Cabe evidenciar que durante o período de atuação do Pólo deCapacitação de Saúde da Família (1998 a 2002), cerca de 13.000 profissionaisparticiparam das atividades promovidas, tendo cerca de 1.300 profissionais de56 municípios participado do curso introdutório para equipes de saúde dafamília. Essas estratégias convergem para a consolidação de uma universidadepública comprometida com sua região de abrangência e com o desenvolvimentode políticas públicas que elevem a qualidade de vida dessa população.

O Hospital Universitário (HU) realiza uma média de 10.000

atendimentos ambulatoriais e faz 260 internações por mês. As modernas clínicasda odontologia da UFJF fazem cerca de 4.000 atendimentos por ano, além dedesenvolver importante trabalho de prevenção. Além dos serviços do HospitalUniversitário e da Faculdade de Odontologia já citados, a UFJF desenvolveatividades assistenciais no campo da saúde na sua Casa de Parto, naMaternidade Therezinha de Jesus (instituição filantrópica) e em UnidadesBásicas de Saúde do SUS, em Juiz de Fora e em vários municípios da região.

Em relação à pós-graduação lato sensu na área da saúde, a UFJF

desenvolve 28 cursos de especialização, sendo que na área de Saúde coletiva,apontamos os cursos de saúde da família, gestão de sistemas e serviços de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 176/414

176

saúde, odontologia em saúde coletiva, política e pesquisa em saúde coletiva eformação pedagógica na área de Saúde, com corpo docente de caráterinterdisciplinar e discente de característica multiprofissional. Nestes cursosde especialização da área da Saúde, são elaboradas, como requisito para a

titulação, monografias que, em sua maioria, refletem e aprofundam questõesoriundas dos serviços de saúde. Cabe ressaltar que os cursos de especializaçãoem saúde da família e de gestão de sistema e serviços de saúde são voltadospara a clientela do SUS, sendo necessária uma indicação dos gestores (estaduaisou municipais) para a seleção.

 A UFJF conta ainda, com dezesseis Programas de Residência Médica,além de Residência em Serviço Social (desde 1998), Residência em AnálisesClínicas (desde 1979), Residência em Enfermagem (desde 2001), Residência

em Psicologia (início em 2003) e Residência em Saúde da Família (desde 2002),para médicos, enfermeiros e assistentes sociais.

 Ainda na lógica da educação em serviço, a UFJF tem outras iniciativasem relação à formação de técnicos e auxiliares de saúde, como o curso deformação de Auxiliares de Enfermagem do Profae, e o treinamento de pessoalde nível médio do Hospital Universitário da UFJF (Educas), ambos desenvolvidospela Faculdade de Enfermagem, que tem como objetivo formar o pessoal paradesenvolver seu processo de trabalho na lógica do SUS e do CAS/UFJF.

No que concerne à pós-graduação em saúde da família, a UFJF, por meioda Faculdade de Medicina, realizou o curso de especialização em medicina defamília, no período de junho a novembro de 1996. Desde 1997, tem sidooferecido o curso de especialização em saúde da família (Cesf), pelas Faculdadesde Medicina e de Enfermagem. Esses cursos eram inicialmente para médicos eenfermeiros tendo incluído assistentes sociais e odontólogos, a partir de 2002e 2003, respectivamente. É importante ressaltar que há uma tendência deampliar essa atividade, envolvendo outras categorias profissionais da área de

Saúde. No momento, estamos finalizando o VIII Cesf e iniciamos o IX Cesf, játendo formado mais de 500 especialistas em saúde da família.

Hoje, o MS avança na consolidação da Estratégia de Saúde da Famíliapara as regiões metropolitanas e tal iniciativa aponta para a necessidade deformação de especialistas em maior escala, e de forma mais ágil e abrangente.Tal contexto aponta para a apropriação de metodologia de ensino a distância(EAD), a qual já se apresenta como a perspectiva de uma nova forma de ofertado curso para a região. É importante ressaltar que a UFJF já conta comcredenciamento para o suporte e utilização das ferramentas de EAD, no seuDepartamento de Ciências da Computação.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 177/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

177

 A experiência acumulada na região sudeste de MG, representada pelaampliação e consolidação de várias estratégias de qualificação de recursoshumanos para o SUS/MG, apoiadas pelo MS (Pólos de Capacitação, Formaçãoe Educação Permanente de Pessoal para Saúde da família - 1997-2003, Profae,

Promed, Programa de Qualificação de Equipes Gestoras, Programa deHumanização do Parto), juntamente com as novas prerrogativas enunciadaspelo MS, vem reorientando o trabalho da UFJF, em especial do Nates, de modoa conjugar tais iniciativas reforçando a inserção locorregional da universidade,na perspectiva de um Programa de desenvolvimento de Recursos Humanospara o SUS, ampliando seu arranjo interinstitucional e sua estruturaorganizacional por meio da prática de co-responsabilidade na definição edesenvolvimento das ações de educação permanente em saúde.

Nessa área, a UFJF dispõe de três revistas: a Revista do HU, editadapelo Núcleo de Estudos do Hospital Universitário (indexada na Lilacs); a RevistaLibertas, editada pelo Núcleo de Estudos da Faculdade de Serviço Social; e aRevista de Atenção Primária à Saúde, editada pelo Nates em conjunto com aSociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade e pela Rede deEducação Popular e Saúde, indexada na Rede de Apoio à Educação Médica(Raem) e na Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature(CINAHL). A Revista de APS, editada a partir de 1998 tem como objetivo

fomentar e oferecer subsídios para a discussão e a qualificação dos profissionaisde saúde, na ótica da atenção primária à saúde (MAUAD, 2005).

O compromisso da UFJF e o trabalho do Núcleo de Treinamento, Assessoria e Estudos em Saúde, como o desenvolvimento de recursos humanospara o SUS, resultaram na criação da primeira turma de mestrado e doutoradoem saúde coletiva, viabilizado por meio de convênio com o Instituto de MedicinaSocial da UERJ, visando a criação de um programa de pós-graduação  stricto

 sensu na área de saúde coletiva. Como primeiro passo, criou-se, a partir de2004, o curso de especialização em saúde coletiva, aberto a todas as categoriasprofissionais da área da Saúde; já em 2006 encaminhamos e tivemos a aprovaçãoda CAPES, do mestrado acadêmico em saúde coletiva com início previsto paramarço de 2007. Atualmente o Nates, enquanto núcleo de pesquisa componentedo programa de pós-graduação em saúde brasileira da UFJF, já abriga quatromestrandos e um doutorando desenvolvendo pesquisa na área de SaúdeColetiva.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 178/414

178

3 - Implantação da Residência em Saúde da Família

Neste rico contexto, onde as experiências municipais e regionais com aEstratégia de Saúde da Família se expandiam e contavam com o apoio da

universidade que, em parceria, promovia a qualificação de seus profissionaispor meio do Pólo de Capacitação de Saúde da Família e, ainda, considerando aopção da UFJF pela expansão da pós-graduação, incluindo a criação deresidências para as várias profissões da saúde, foi natural responder ao estímulodo Ministério da Saúde, a partir do edital de concorrência para projetos dedesenvolvimento da Residência Multiprofissional em Saúde da Família ,publicado em 2000.

Desde a elaboração do projeto, a Residência em Saúde da Família da

UFJF/PJF contou com a participação do Núcleo de Assessoria, Treinamento eEstudos em Saúde, que abrigava o Pólo de Saúde da Família da UFJF; dasFaculdades de Medicina, Enfermagem e Serviço Social, especialmente das duasúltimas, que acabavam de implantar seus programas de residência e da comissãode residências do Hospital Universitário da UFJF. No serviço, a Subsecretariade Atenção Primária à Saúde e a Coordenação de Saúde da Família , pelaSecretaria de Saúde, Saneamento e Desenvolvimento Ambiental da PrefeituraMunicipal de Juiz de Fora, contando ainda com a participação do Conselho

Municipal de Saúde do município por meio da sua Comissão de PACS/PSF.  A implantação da residência só foi ocorrer dois anos depois de sua

aprovação, quando então foram assinados os contratos para sua execução.Mudanças já haviam ocorrido, os gestores municipais já não eram os mesmose toda as articulações tiveram que ser retomadas. Nesta hora, identificou-secom clareza, a importância de uma construção feita com os parceiros que estãono cotidiano dos serviços e nos conselhos de saúde. Tudo foi rearticulado ecriou-se uma comissão junto ao Conselho Municipal de Saúde que contava

com representantes da universidade, da secretaria municipal de saúde e dosconselhos de saúde. Assim, foi definido o modelo de operacionalização daResidência em Saúde da Família da UFJF, envolvendo profissionais assistentessociais, enfermeiros e médicos, de acordo com o modelo de Saúde da famíliado Município de Juiz de Fora, que será detalhado mais adiante.

4 - Objetivos do programa

Os objetivos traçados para o Programa da Residência pautaram-se naEstratégia da Saúde da Família do MS (seus princípios e diretrizes), pela

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 179/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

179

experiência vivenciada da saúde da família de Juiz de Fora e região, além doatendimento da formação de profissionais com perfil adequado para intervirna atenção primária à saúde e na realidade sócio-epidemiológica. Abaixo osobjetivos:

- Geral

Formar profissionais de saúde, médicos, enfermeiros e assistentes sociais,para desempenharem suas atividades profissionais em Unidades Básicas de Saúdena Estratégia de Saúde da Família, por meio de ações de abordagem coletiva ede abordagem clínica individual.

- Específicos

Trabalhar voltado à realidade local, com uma prática humanizada

associada à competência técnica, sincronizando, sempre que possível, osconhecimentos científico e popular.

 Adquirir, aplicar e avaliar informações, habilidades e atitudes na práticade saúde da família, que possibilitem a realização de atendimentos individuais,na sua área de formação básica, de forma integral, sempre contextualizando oindivíduo em seu meio familiar cultural e social e de forma multiprofissional einterdisciplinar.

Participar dos interesses, da cultura, das condições de vida e da forma de

atuação da comunidade com a qual irá trabalhar.Compreender o indivíduo como sujeito no processo de promoção,

manutenção e recuperação de sua saúde e visualizá-lo como agente co-responsável pelo processo de equilíbrio entre a relação saúde-doença.

Identificar, conhecer, analisar e propor alternativas de ação apropriadasà realidade trabalhada, por meio da leitura e da análise do cotidiano, tendoeste como o verdadeiro espaço e o sujeito como objeto de intervenção

profissional.Conhecer a rede institucional e possíveis alternativas de recursos sociais,articulando e promovendo parcerias, permanentemente, possíveis propostasde ações integradas para a melhoria constante da qualidade de saúde dapopulação.

Gerenciar planos, programas, projetos e atividades de trabalho na equipede saúde que atua.

Coordenar, participar e/ou nuclear grupos de educação para a saúde,

priorizando suas áreas geográficas de atendimento, segundo o perfil culturalepidemiológico da comunidade.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 180/414

180

Identificar, permanentemente, grupos de risco na comunidade,programando suas ações individuais e coletivas segundo este perfilepidemiológico.

Participar da formação e do treinamento de agentes comunitários de saúdee de pessoal auxiliar, voluntários e estagiários de outros serviços, com vistas aprepará-los a identificar e utilizar, de forma efetiva, seus recursos pessoaiscomo instrumentos de compreensão dos principais problemas biológicos,mentais e sociais que incidem nos indivíduos, suas famílias e na comunidade.

Desenvolver, de forma crítica, novas técnicas de trabalho apropriadas àrealidade onde se encontra, quer sejam voltadas à assistência individual, dentroda Unidade de Saúde, por meio de visitas domiciliares ou de abordagem coletiva.

 Avaliar atividades, posturas e ações da equipe de saúde, mantendo-sesempre aberto às mudanças de planos e metas desde que venham a reverter emsituações de risco à população ou a beneficiá-la, mantendo um processopermanente de reflexão sobre a ética profissional de cada área no processo demudança e desenvolvimento continuados da coletividade.

  Atuar em conjunto com os movimentos populares e as liderançascomunitárias locais, com vistas a contribuir tecnicamente para o fortalecimentodessas instâncias no processo de promoção e manutenção de sua saúde.

Construir o trabalho coletivo em saúde dentro de um processo deaprendizagem, que permita aprender a trabalhar com parceiros, significandorealizar pesquisas em conjunto, aplicar metodologias, redimensionar a históriae a cultura do usuário, e realizar leituras das diferentes linguagenscomplementares ao fenômeno saúde/doença.

  A perspectiva do alcance desses objetivos é de levar os residentes avivenciarem no cotidiano dos serviços a realidade do trabalho da saúde dafamília.

5 - Composição do programa

Base metológica utilizada

 A Residência em Saúde da Família (RSF) é desenvolvida na forma deeducação em serviço e ocorre prioritariamente nas Unidades Básicas De Saúdeque adotam a Estratégia de Saúde da Família . Desenvolve-se ainda em

estabelecimentos de saúde de referência secundária e terciária, contemplandoas linhas de cuidado e obedecendo aos princípios de integração ensino-serviço

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 181/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

181

regionalizada, vinculando as instituições acadêmicas e prestadoras de serviço,segundo os preceitos básicos do SUS.

Mantém um caráter multiprofissional, envolvendo profissionais da áreade medicina, enfermagem e serviço social, visando à integração interdisciplinar,mas preservando as especificidades de cada área profissional participante. Visaformar profissionais competentes, criativos e resolutivos quanto aos aspectosclínicos, individuais e coletivos, em sua área específica, mas trabalhando emequipes multiprofissionais e interdisciplinares. Estará baseada nas competênciase habilidades definidas pela equipe da Residência em Saúde da Família da UFJF(NATES-UFJF, 2005).

 A residência estrutura-se de maneira que seus participantes se apropriemde um método que os possibilite a desenvolver um processo permanente deaprendizagem auto-dirigida. Tal prática deve estar voltada a gerar umapreocupação rotineira do profissional para identificar problemas críticos desua realidade de trabalho e buscar soluções apropriadas. Para que os residentesatinjam os objetivos definidos no perfil profissional desejado, o método estácentrado no indivíduo, respeitando seu conhecimento prévio, e permitindo aincorporação gradual de novos conhecimentos que promovam a mudança desuas práticas. Dentre as propostas pedagógicas a que mais se aproxima dodesejado é o método da problematização, que parte da observação para areflexão e finalmente à ação. Cabe ressaltar, que no momento da formaçãoteórica são utilizados os diversos recursos didático-pedagógicos parasubsidiarem o conhecimento construído, cabendo ressaltar que a exposição deconteúdos também continua tendo seu lugar.

 A Residência em Saúde da Família está embasada em procedimentos queutilizem a reflexão crítica, análise, síntese e a aplicação de conceitos voltadospara a efetiva construção do conhecimento, por meio do estímulo ao permanente

raciocínio clínico, seja para questões individuais ou coletivas. Baseia-se, sempreque possível, em metodologias passíveis de provocar mudanças decomportamento profissional e de aplicabilidade imediata nos serviços,concretizando paulatinamente durante o curso a mudança do modeloassistencial.

Clientela e processo seletivo

 A RSF destina-se aos profissionais de saúde de nível superior, com caráter

multiprofissional, incluindo médicos, enfermeiros e assistentes sociais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 182/414

182

Quadro 1. Atividades da RSF e respectiva carga horária

CARGA HORÁRIA

1º ANO1400330

734416

2880

2º ANO1624390

562304

2880

TOTAL3024720

1296720

5760

ATIVIDADE

Unidade Básica de Saúde - PSFAtividades na comunidadeUnidades de referência de nível secundário, Hospital ePronto SocorroMódulo teórico-didáticoTOTAL

Fonte: NATES/UFJF. Projeto da Residência de Saúde da Família da UFJF, 2002.

O acesso à RSF ocorre mediante processo seletivo, divulgado por meiode edital público (jornal de circulação regional e local), prevendo a apresentaçãode toda uma documentação necessária para se determinar o perfil dos candidatose as datas de realização das etapas do processo (prova de conhecimento escrita,

entrevista estruturada e avaliação curricular). São oferecidas 21 vagas por turmade residência (sete para assistentes sociais, sete para enfermeiros e sete paramédicos). No caso dos médicos, o processo seletivo obedece aos critériospropostos pela Comissão Nacional de Residência Médica, que autorizou aabertura de sete vagas para a formação de médicos como Residência de Medicinade Família e Comunidade, a partir de 2005.

 Estrutura curricular da residência

O programa de Residência de Saúde da Família tem a duração de doisanos, em tempo integral (60 horas semanais), totalizando 5.760 horas.Desenvolve-se no Município de Juiz de Fora, utilizando sua rede de serviçosnos diferentes níveis de atenção. Destaca-se que o processo de implantação daresidência foi todo construído numa parceria envolvendo a UFJF, a SecretariaMunicipal de Saúde, o Conselho Municipal de Saúde e os Conselhos Locais deSaúde das áreas contempladas.

Estrutura-se, principalmente, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), que

adotam a Estratégia de Saúde da Família e se constituem no local de referênciapara o desenvolvimento dos trabalhos dos residentes. A partir de uma definiçãode clientela adscrita, os residentes estabelecem interface entre os níveissecundário e terciário de atenção do sistema local de saúde possibilitando: acontinuidade do processo formador, o aumento da resolutividade dessesprofissionais, a absorção das necessidades geradas pela população integrando-as ao processo de trabalho e a garantia de uma visão sistêmica do modelo deassistência em saúde, por meio de uma abordagem teórica e prática, como

mostra o Quadro 1.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 183/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

183

 Ao final da RSF cada residente deverá apresentar, além dos produtosreferentes a cada módulo, uma monografia ou artigo publicável versando sobretemática relacionada a estes conteúdos. Estão previstos, para cada ano, 30dias de férias compondo 240 horas cada.

 A residência está estruturada em dois módulos: teórico-didático e prático,conforme descrição a seguir:

O módulo teórico-didático ocorre sob a forma do curso de especializaçãoem saúde da família, que conta com a participação dos residentes e de outrosprofissionais que já atuam em equipes de saúde da família . O curso é constituídode três módulos (Módulo I: saúde coletiva, Módulo II: instrumentalização paraa prática em saúde da família e Módulo III: sistematização das açõesprogramáticas em saúde, conforme as áreas profissionais incluídas), que searticulam por meio de seis disciplinas (atenção primária à saúde, intervençãono processo saúde-doença, epidemiologia, administração das unidades de saúde,capacitação pedagógica e monografia em saúde da família ).

O módulo prático (educação em serviço) visa o desenvolvimento dehabilidades específicas para a assistência ambulatorial e domiciliar de clientese famílias sob responsabilidade de uma equipe de saúde da família. Visadesenvolver as habilidades clínico-assistenciais, considerando o indivíduo em

seu contexto bio-psico-social. Desenvolve a sistematização das ações coletivasem saúde no âmbito comunitário, enfatizando a participação da equipe noplanejamento, execução e avaliação das intervenções propostas para melhoraro nível de saúde da população.

Propicia o desenvolvimento de habilidades específicas para a assistênciade nível secundário e terciário e o acompanhamento da dinâmica destes níveisde atenção à saúde, possibilitando uma percepção adequada (das três categoriasprofissionais integrantes no programa de residência) dos mecanismos de

referência e contra-referência, aprimorando a resolutividade.Utiliza as seguintes estratégias:

- Consultas coletivas:

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar executando osprocedimentos específicos, voltado para a integração permanente e sistemáticaentre os profissionais, tendo em vista estreitar a relação entre o conhecimentobiológico e social e os elementos culturais trazidos pelos usuários de saúde.

- Atenção integral ao indivíduo:

Trabalho desenvolvido junto ao usuário do serviço de formaindividualizada, contemplando os três níveis de atenção, incluindo urgência e

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 184/414

184

emergência, prestando-lhe os cuidados necessários de acordo com uma visãoque compreenda o indivíduo como sujeito do processo de promoção,manutenção e recuperação de sua saúde.

- Trabalhos grupais:

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar para discussão doatendimento oferecido a grupos identificados pela vigilância epidemiológica,dando ênfase à prevenção e promoção da saúde: do trabalhador, de crianças eadolescentes, da mulher/gestantes, idosos, hipertensos, diabéticos e outrosidentificados pelos profissionais, agentes de saúde e usuários.

Trabalho em equipe multiprofissinal/interdisciplinar para educaçãocontinuada dos agentes de saúde, colocando em discussão as questões ligadasao trabalho cotidiano e planejamento integrado à vigilância epidemiológica,

avaliando e contribuindo com suportes técnicos para qualificação sistemáticade todo o processo integrado de trabalho.

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar integrado àsdemandas do Conselho Local de Saúde, tendo em vista a aproximaçãosistemática das formas estabelecidas de controle social.

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar para planejamento,monitoramento e avaliação de serviço.

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar estimulando aaplicação de novas metodologias pedagógicas em saúde que garanta umacomunicação adequada entre o profissional e o usuário.

Trabalho em equipe multiprofissional/interdisciplinar desenvolvendopropostas de ações integradas que envolvam os diferentes setores da redeinstitucional e outras alternativas de recursos sociais.

- Visitas domiciliares:

Em atendimento às demandas originárias no interior da UBS, demanda

potencial e situações de risco, conjugadas ao trabalho dos agentes de saúde.- Produção científica:

Estimular e organizar o registro de atividades, de modo a subsidiar ainvestigação e a produção de artigos científicos que demonstrem a qualificaçãogradativa do processo de trabalho dos residentes nas respostas ao atendimentoaos usuários.

Desenvolver e estimular a dinâmica de publicação sistemática dos artigosgerados no trabalho dos residentes/tutores/preceptores do PSF em revistas

especializadas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 185/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

185

Organizar seminários semestrais para trocas de experiências e divulgaçãodas práticas alternativas e/ou inovadoras que situem o envolvimento e acriatividade dos residentes.

- Atividades de educação permanente

São desenvolvidas atividades a partir das necessidades da equipe para odesenvolvimento de seu trabalho. Já foram abordadas as seguintes temáticas:consulta de enfermagem em APS, trabalho em equipe, suporte básico de vida,desenvolvimento de protocolos de enfermagem em APS, temas avançados emsaúde (violência domestica, sexualidade, trabalho, cidadania), práticaspedagógicas em saúde, capacitação de conselheiros de saúde, educaçãopermanente para os conselhos de saúde, acolhimento em saúde, competênciase habilidades dos profissionais de saúde da família.

Organização e equipe da residência

Na figura 1, observa-se um esquema que explicita a organização da RSFem uma Unidade Básica de Saúde que abriga duas equipes de saúde da família.Os residentes (assistentes sociais, médicos e enfermeiros) formam uma equipede saúde da família que, completada pelo auxiliar de enfermagem e pelos agentescomunitários de saúde (ACS), se responsabilizam por uma determinada áreade abrangência. As duas equipes, em uma mesma UBS, são acompanhadas

permanentemente pelos preceptores de serviço (tutores), assistente social,enfermeiro e médico que realizam o trabalho nas UBS de saúde da família esão  responsáveis pelos desdobramentos teórico-práticos de cada uma dasprofissões diretamente envolvidas no trabalho das UBS, fazendo parte intrínsecade todas as equipes, assegurando-se assim a orientação profissional contínua ede qualidade. A preceptoria de serviço (tutoria) é concebida com as seguintescaracterísticas principais: assegurar o conhecimento técnico-científico peculiara cada área profissional, acompanhar no cotidiano e supervisionar o desempenho

dos residentes, contribuir no planejamento geral da execução dos objetivos,diretrizes e metas traçados para atender às peculiaridades de cada UBS,fortalecer as discussões teóricas e práticas e contribuir para a resolutividadedas ações programáticas e emergenciais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 186/414

186

Os nove preceptores de serviço, designados ‘tutores’ pelo MS (trêsmédicos, três enfermeiros e três assistentes sociais) foram selecionados pormeio de edital público, com entrevista realizada por uma banca composta porprofessores da UFJF ligados à residência e por profissionais do serviço(coordenador municipal da atenção básica e representante da coordenação de

saúde da família do município), contemplando o seguinte perfil: ser integrantede equipe de saúde da família pelo menos há três anos, possuir formação naEstratégia de Saúde da família (especialização) ter compromisso com aarticulação ensino/serviço ter disponibilidade de carga horária adicional dedez horas/semanais (além das 40 horas de contrato atual) para o processo desupervisão e avaliação dos residentes e de educação continuada/permanentereferente ao trabalho de preceptoria. Há também a contribuição de outrospreceptores nos serviços de nível secundário e terciário.

 A preceptoria acadêmica é composta por três docentes da UFJF, um decada área profissional, que por meio de trabalho multiprofissional e

Figura 1: Organização da Residência Multiprofisisonal de Saúde da Família da UFJF

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 187/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

187

interdisciplinar dão apoio técnico/científico ao conjunto dos preceptores deserviço (tutores) e equipes de residentes/SF. Têm como papel estabelecer ovínculo entre o trabalho nas UBS, avaliar e supervisionar permanentemente aqualificação do trabalho dos residentes e criar e sustentar os diversos eventos

que possam contribuir para a educação continuada e produção de conhecimentodos residentes e respectivos tutores. É o responsável pelo plano de trabalhodos residentes de sua categoria que deve ser elaborado em conjunto com ostutores e residentes. O perfil do preceptor acadêmico contempla: ser docenteda UFJF com experiência em integração ensino/serviço, com formação/experiência em saúde da família e/ou saúde coletiva e disponibilidade de dezhoras/semanais.

 A coordenação técnica-gerencial, gerencia as bases para implementação

da Residência Multiprofissional em Saúde da família, tecendo as condições deoperacionalidade necessárias. Implica em identificar o conjunto dos arranjosinstitucionais que corresponde às atividades previstas para o funcionamentoda residência junto à organização do sistema local de saúde e a UniversidadeFederal de Juiz de Fora. É composta pelos coordenadores técnicos de cadaárea, os preceptores acadêmicos (professores da UFJF) da enfermagem,medicina e serviço social, e pelo coordenador gerencial da RSF.

O colegiado da RSF constitui-se na instância de articulaçãointerinstitucional visando apoiar, acompanhar e avaliar a implementação daRSF em consonância com as políticas nacional, estadual, regional e local desaúde da família . Tal colegiado, de caráter deliberativo, é formado por: umrepresentante da Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora, umrepresentante da Gerência de Atenção Básica, um representante dos residentes(escolhido por seus pares), um representante dos preceptores de ensino/serviço(escolhido por seus pares), pelo coordenador gerencial do Nates/UFJF, umcoordenador da Residência Médica representando a Faculdade de Medicina,

um coordenador da Residência de Enfermagem representando a Faculdade deEnfermagem e um coordenador da Residência de Serviço Social representandoa Faculdade de Serviço Social.

O acompanhamento do plano gerencial dos serviços inerentes aodesenvolvimento da Residência em Saúde da Família se dá por meio do sistemaorganizacional da Universidade Federal de Juiz de Fora. A organização e oacompanhamento didático-pedagógico são executados pelas unidadesacadêmicas (Faculdade de Enfermagem, Faculdade de Medicina e Faculdade

de Serviço Social) por meio de seus preceptores acadêmicos que atuam aindacomo coordenadores técnicos. Essas unidades exercem suas atividades a partir

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 188/414

188

das orientações emanadas da Pró-Reitoria de Formação Continuada, responsávelpelos cursos de especialização lato sensu oferecidos pela UFJF e pelaCoordenação das Residências da UFJF (CORE/HU/UFJF). Ressalte-se que estasresidências seguem as determinações emanadas dos órgãos representativos de

cada categoria profissional.

Educação permanente e continuada dos preceptores/tutores e egressos

Dando prosseguimento ao processo educativo foram criados espaços paraa educação permanente continuada dos preceptores, tutores e egressos.

O desenvolvimento da Residência em Saúde da Família, nas linhas aquipropostas, vem se dando de forma bastante rica e participativa. Várias atividadestêm sido programadas visando construir, a partir das vivências e necessidadesdos profissionais envolvidos, uma reflexão sobre o papel dos preceptores/tutorese a construção de instrumentos que possibilitem o exercício desta função.

  A educação permanente dos preceptores/tutores tem se dadoprioritariamente em 2 áreas temáticas. A primeira a partir da necessidade dareflexão sobre concepções pedagógicas mais modernas e a segunda a partir daorganização do serviço e da mudança de modelo tecno-assistencial.

O aprimoramento da equipe de coordenação da residência é fundamentalpara a consolidação deste processo e contribui, efetivamente, para a reflexãodo desenvolvimento da Estratégia de Saúde da Família no Município de Juiz deFora.

Para os egressos RSF e do curso de especialização de saúde da família,no âmbito do Nates/UFJF, foram constituídos espaços de educação continuadae permanente para os egressos da RSF e do curso de especialização de saúdeda família por meio de ciclos de palestras, da Revista de APS, dos semináriosde APS, das oficinas de educação permanente, utilizando ainda a educação à

distancia através da Revista de APS, distribuída no  site www.nates.ufjf.br, daRede de Racionalidades de Enfermagem, links para atualização em saúde edivulgação de eventos e pesquisas em saúde.

Resultados alcançados

 A duas primeiras turmas propiciaram a formação de 38 residentes e agrande maioria dos egressos está trabalhando em PSF da região, exceção feitaaos assistentes sociais que não têm encontrado possibilidade de trabalho junto

ao PSF, atuando em outras áreas de Saúde. A terceira turma com 21 residentes(foram selecionados quatro médicos, sete enfermeiros e sete assistentes sociais)

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 189/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 190/414

190

da família.

 A atuação harmoniosa entre ensino e serviço, e entre tutores e preceptoresacadêmicos.

 A participação das equipes (tutores e residentes) nas reuniões do conselholocal de saúde.

 A formação de forte vínculo entre as UBS com residência e comunidadesatendidas.

Estímulo à pesquisa, pela exigência de monografia aos residentes.

  A participação dos residentes, tutores e preceptores acadêmicos emeventos nacionais afins ao PSF e à APS.

 Atuação das equipes com base em um planejamento prévio, mas flexível.

Integração e reconhecimento existente entre os profissionais das diversascategorias, que atuam no programa.

Projeto em execução: capacitação de conselheiros locais de saúde.

Gestão descentralizada nas UBS.

- Fatores que dificultam

Modelo assistencial vigente.

Fraca identidade profissional das categorias não médicas junto àscomunidades atendidas.

Sobrecarga de atividades assistenciais, prejudicando as atividadeseducativas.

Deficiência de recursos materiais e de insumos básicos.

Programa de educação permanente para os tutores ainda incipiente.

Desinteresse da categoria médica por esta modalidade de residência.

Condições de trabalho dificultadas pela planta física inadequada dealgumas Unidades Básicas de Saúde.

 A baixa qualidade de vida da maioria dos usuários das UBS.

Baixo nível organizacional no que diz respeito à rede de serviços públicosde saúde em Juiz de Fora, dificultando o pleno acesso dos usuários ao SUS.

Entendimento diversificado do que seja integralidade, por parte deresidentes, tutores e preceptores.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 191/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

191

7 - Desafios e estratégias de superação

  As estratégias para a superação exigem comprometimento,responsabilização e estratégias eficazes para solucioná-los, portanto, a equipe

(coordenação, preceptores, tutores), juntamente com os residentes têmdiscutido permanentemente, em reuniões mensais e na avaliação semestral,sobre as habilidades e conhecimentos adquiridos, pontos positivos e negativosna visão do Residente. São discutidas também as possíveis estratégias paramelhorar a residência. Como estratégias de superação citam-se: formaçãodiferenciada (embora não reconhecida pelo mercado de trabalho e mesmo pelasinstituições públicas); pouca motivação da categoria médica para o PSF e,consequentemente, baixo interesse pela residência; melhor compreensão, por

parte dos usuários, do modelo proposto pelo SUS; a procura preferencial, porparte dos usuários, do atendimento pelo médico da equipe.

Para atingir este objetivo recomenda-se ainda: a educação permanentedos preceptores e tutores; a ampliação das categorias profissionais no Programade Residência (odontólogo, fisioterapeuta, psicólogo, nutricionista); asensibilização das comunidades para uma participação mais ativa nos conselhoslocais de saúde;a transformação de programas focais em políticas públicas paraa saúde.

8 - Modalidades de avaliação do programa

Para o acompanhamento e avaliação da residência foram elaborados oselementos necessários ao monitoramento e avaliação do trabalho da formaçãoteórico metodológica da residência, que estão estabelecidos por meio de módulosde acompanhamentos realizados por preceptores de   serviço (tutores),preceptoria acadêmica/coordenação técnica, e coordenação gerencial mediante

a supervisão e a elaboração de relatórios descritivos abordando característicasespecíficas descritas detalhadamente no projeto do programa (NATES/UFJF,2002). Há ainda a avaliação (dialógica), realizada semestralmente, sobre ashabilidades e conhecimentos adquiridos, pontos positivos e negativos, feitacom base num instrumento preenchido pelos residentes, com os consolidadosdesenvolvidos em conjunto, por categoria profissional e por UBS, com aparticipação dos preceptores acadêmicos. Os resultados são apresentados ediscutidos nas reuniões gerais da residência.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 192/414

192

9 - Considerações finais

 A experiência da Residência de Saúde da Família da UFJF, nestes quatroanos de funcionamento tem demonstrado o seu potencial transformador na

formação de profissionais de saúde qualificados para uma atuação coerente,responsável e compatível com os princípios e a ética sanitária orientadora daEstratégia de Saúde da Família , e conseqüentemente, do SUS.

Pode-se inferir que a estruturação e a proposta pedagógica que aresidência propõe de articulação entre ensino, serviço e comunidade, éenriquecedora para todos os envolvidos. O ensino contribui na formação ecapacitação de profissionais para uma atuação coerente com o modeloassistencial de saúde proposto. O serviço possibilitando aos residentes

vivenciarem o trabalho e os contextos desse cenário de prática, auxiliando naformação integral destes profissionais e na organização dos serviços. A vivênciaem comunidade permite a aquisição de novos conhecimentos, o preenchimentode lacunas existentes na formação em virtude de currículos ainda pautados nomodelo biologicista e a melhoria da qualidade no atendimento ao cidadão-usuário do sistema de saúde. Tal tríade articula-se influenciando e sendoinfluenciada uma pelas outras.

Os residentes ao vivenciarem a prática cotidiana dos serviços e da

população adscrita às UBS, são despertados para os princípios deresponsabilidade, da ética, do humanismo, da co-responsabilidade nas açõesde saúde e da importância do estabelecimento do vínculo, necessários parauma atuação profissional comprometida com as questões sociais da realidadebrasileira.

Pode-se também observar o contexto e as dificuldades no desenvolvimentoda residência, identificadas e acompanhadas durante o período deoperacionalização das quatro turmas de residência já descritas, entendidas não

como barreiras impeditivas ao funcionamento da residência, mas sim comoobstáculos a serem vencidos.

 A Residência em Saúde da Família da UFJF apresenta por um lado basesconsolidadas, uma vez que foi concebida e desenvolvida numa interação ensino-serviço-comunidade. Por outro lado apresenta uma vitalidade e umadinamicidade derivadas da constante interação destes mesmos atores. Assim,o processo de formação vem se aperfeiçoando permanentemente, visandocontribuir para a formação de recursos humanos para o SUS, nesta modalidade

considerada uma das mais eficazes para a transformação da prática dosprofissionais envolvidos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 193/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

193

Referências bibliográficas

BEVILACQUA, RG, SAMPAIO, SAP. As especializações – histórico eprojeções. In: NEGRI et al (orgs), Recursos Humanos em Saúde: política,

desenvolvimento e mercado de trabalho. Campinas, SP:Unicamp.IE, 2002.p.35..

BRASIL, Ministério da Saúde/SPS/DAB – Avaliação da Implementação do PSF em Dez Grandes Centros Urbanos, Brasília, Editora MS, 2002.

BRASIL, Prefeitura Municipal de Juiz de Fora/DSSDA/GPV/Departamentode Atenção Primária,  Relatório da Saúde,  Juiz de Fora, 2003.

CAETANO, R. e DAIN, S. , O Programa de Saúde da família e a Reestruturação da Atenção Básica à Saúde nos Grandes Centro Urbanos:velhos problemas, novos desafios. In: PHYSIS, v.12, n.1, Rio de Janeiro, IMS/UERJ/CEPESC, 2002.

CAMPOS, E. S., A Estratégia de Desenvolvimento de Recursos  Humanos para o PSF: A Experiência do Pólo de Capacitação da Universidade  Federal de Juiz de Fora. Dissertação de Mestrado, IMS/UERJ, Rio de Janeiro, 2002.

Datasus.gov.br [homepage na internet] BRASIL: Ministério da Saúde:Informações de Saúde:Inc. 2000- [atualizada em 2006 Apr 15; acesso em2006 May 07]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br.

GOULART, F. A. A., Experiências em Saúde da família : cada caso é umcaso ? Tese de Doutorado, Rio de Janeiro, FioCruz-ENSP-MS, 2002.

MARSIGLIA, R. M.,  Instituições de Ensino e o Programa Saúde da edição

especial. Brasília, 2004. Família: o que mudou ?. In: Revista Brasileira deSaúde da família , ano V, n. 7,

MAUAD, N.M. A construção do periódico científico de qualidade. Revistade APS, Juiz de Fora, v.8, n.2, p.95, 2005.

NATES-UFJF, Competências e Habilidades. Juiz de Fora, 2005.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 194/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 195/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

195

Residência Multiprofissional em Saúde da Família: o caso doMunicípio de Montes Claros

João Batista Silvério1

Resumo: O presente artigo tem por objetivo descrever o processodesenvolvido e a experiência acumulada pela Universidade Estadual de MontesClaros (Unimontes) e a Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros,no período 1997 a 2006, para especializar médicos, enfermeiros e dentistasem saúde da família, por meio de programas de Residência Multiprofissional.Os dados e informações utilizados foram obtidos por consulta a documentose registros arquivados na Secretaria da Comissão de Residência Médica do

Hospital Universitário Clemente Faria, bem como a anotações e arquivopessoais do autor. Durante o período compreendido por este relato,aconteceram mudanças significativas nos processos formadores, no âmbitoda universidade, e nas práticas assistenciais do sistema municipal de saúde.Os egressos da residência têm sido privilegiados para ocupar os postos detrabalho na atenção básica do sistema local de saúde e absorvidos na grandemaioria pelas instituições de ensino superior para atuarem nos seus programasde graduação, pós-graduação e educação permanente. A experiência sugere

que a Residência Multiprofissional em Saúde da Família é eficaz para formarprofissionais médicos, enfermeiros e dentistas com perfil adequado paraatuarem nos processos de mudanças educacionais e assistenciais hojepreconizados para o Sistema Único de Saúde (SUS).

1 Médico Pediatra, professor titular de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Montes Claros(UNIMONTES), mestre em Saúde Pública pela Universidade da Califórnia/Berkeley, SecretárioMunicipal de Saúde de Montes Claros/MG, coordenador da RMPSF. E-mail: [email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 196/414

196

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 197/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

197

1 - Histórico do programa

  A decisão política de oferecer um Programa de Residência

Multiprofissional em Saúde da Família para médico e enfermeiro, no âmbitoda Unimontes, se deu como desdobramento da participação da universidadena concepção e oferta de um curso básico e um curso de especialização latu

 sensu em saúde da família para equipes do Programa Saúde da Família (PSF)no período 1997/1998.

O referido curso básico que recebeu a denominação de “Five Weekend  Program” (programa de cinco finais de semanas) foi uma iniciativa da Secretariade Estado de Saúde de Minas Gerais, em parceria com a Universidade de

Toronto - Canadá, da qual a Unimontes foi convidada a participar com doisdocentes do seu quadro (um médico e um enfermeiro).

Tratou-se de uma estratégia educacional com o objetivo de qualificarmédicos e enfermeiros, integrantes de equipes de PSF atuantes em diferentesmunicípios mineiros. O curso foi estruturado em cinco módulos mensais com20 horas de concentração presencial, nos finais de semana e trabalhos dedispersão nos territórios de origem dos participantes.

Os três primeiros módulos tinham o objetivo de instrumentalizar osparticipantes para a prática assistencial cotidiana no território de PSF. Os doisúltimos módulos se destinavam à capacitação pedagógica para multiplicaçãodo curso. Neste processo, os dois docentes da universidade participaram daconcepção do curso, atuaram como “observers” nos períodos de concentraçãoe como suporte acadêmico nos períodos de dispersão para os participantesoriundos de municípios da área de influência da Unimontes. A participação no“Five weekend Program” instrumentalizou os representantes da universidadecom conceitos, métodos, ferramentas e referências bibliográficas que lhespossibilitaram desencadear e liderar, no seio da Unimontes, o processo queconduziu ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família,objeto deste texto.

 A oferta do primeiro curso de especialização na modalidade Residênciaem Saúde da Família, para médicos e enfermeiros, aconteceu em 1999. Naquelaépoca, o Município de Montes Claros não havia aderido, ainda, ao Programade Saúde da Família e não contava com equipes de PSF. A solução para campode prática em Saúde da Família foi encontrada em Itacarambi, município distante200 km de Montes Claros e que já implantara equipes de PSF desde 1995.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 198/414

198

Para a turma pioneira, as atividades foram organizadas de forma a permitirque o residente médico alternasse uma semana em Itacarambi, atuando nosterritórios locais de PSF, com uma semana em Montes Claros, cumprindo asdemais atividades teóricas e práticas previstas no projeto pedagógico. Para

exercer a função de tutor em Itacarambi, foi “importado” um médico de família,egresso do “Five Weekend Program”, que atuava em outra região do estado. Osegundo ano da turma pioneira (2000) foi cumprido integralmente em MontesClaros quando os residentes R2, além de assumir o papel de implantar suaprópria equipe de PSF e completar seu programa de residência sem tutorpróprio, assumiram o papel de tutores dos R1 da segunda turma (2000-2003).Desde então, os egressos da residência vem sendo naturalmente incorporadospelo município como profissionais do PSF e, pela universidade, como tutores

da residência multiprofissional aumentando assim, a cada ano, a disponibilidadede territórios de PSF e de tutores aptos a receber novos residentes.

Para as três primeiras turmas de residentes, egressas em 1999, 2000 e2001, as bolsas dos residentes médicos foram viabilizadas com recursos própriosda Unimontes e as dos residentes enfermeiros com recursos do Município deMontes Claros.

Nesse período, as funções de coordenação, tutoria e preceptoria foramexercidas dentro da carga horária institucional de cada ator, sem incentivofinanceiro adicional. A partir de 2002, o programa passou a contar com oapoio financeiro do Ministério da Saúde. Com os recursos oriundos doMinistério da Saúde (MS) foi possível ampliar significativamente a oferta devagas e introduzir o pagamento de incentivo/bolsa para a atividade docenteassistencial de tutores e preceptores.

  A denominação original para o programa foi a de “Residência Multiprofissional em Saúde da Família para Médico e Enfermeiro” . Entretanto,essa denominação teve que ser abandonada. A Comissão Nacional de ResidênciaMédica não reconhecia e não aceitava a denominação de residência paraprogramas que incluíssem outras categorias profissionais. Para garantir amultiprofissionalidade do programa e a titulação dos egressos, optou-se peladenominação de curso de especialização em saúde da família, na modalidaderesidência, para médicos e enfermeiro. Com essa denominação, o programapode ser aprovado e formalizado nas instâncias de pós-graduação dauniversidade e a titulação veio a ser concedida pelo reitor na forma de“Especialista em Saúde da Família - na modalidade residência” com descrição,no verso do diploma, das atividades cumpridas com as respectivas cargashorárias e avaliações somativas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 199/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

199

Em fevereiro de 2005, o componente médico do curso de especializaçãoobteve credenciamento provisório pela Comissão Nacional de ResidênciaMédica (CNRM), no formato de residência em medicina de família ecomunidade, para oferecer 16 vagas/ano. Em 2006, iniciou-se a oferta de vagas

para cirurgião dentista configurando-se o atual Programa Integrado deResidência em Medicina de Família e Comunidade e Curso de Especializaçãoem Saúde da Família, na modalidade residência, para enfermeiros e cirurgiões-dentistas, com oferta de 48 vagas/ano (16 vagas/ano para cada categoriaprofissional), 5.520 horas e dois anos de duração. Atualmente, o programa éco-financiado pela Unimontes, Ministério da Saúde e Prefeitura de MontesClaros.

2 - Projeto pedagógico

O projeto pedagógico da “Residência Multiprofissional em Saúde daFamília para Médico e Enfermeiro” foi concebido por um grupo de professoresvoluntários dos cursos de medicina e enfermagem, com participação daComissão de Residência Médica (Coreme) e direção do hospital universitário.No processo de construção do projeto pedagógico, o grupo de trabalho

percorreu um itinerário com as seguintes etapas principais:1. leitura em grupo e discussão da bibliografia disponível. Esta etapa foide grande ajuda à interlocução com professores do Departamento deMedicina de Família da Universidade de Toronto – Canadá e a leituradas obras de McWhinney2 e Starfield3;

2. visita ao Departamento de Medicina de Família da Universidade deToronto por integrantes do grupo;

3. definição do perfil profissional desejado para o residente ao fim e dosobjetivos educacionais a serem atingidos durante o programa;

4. identificação das experiências curriculares essenciais para o residenteatingir os objetivos educacionais e desenvolver as competênciasnecessárias ao perfil de egresso almejado;

5. identificação dos espaços educacionais/campos de prática maisadequados e disponíveis na estrutura da universidade e do sistema desaúde;

6. definição das atividades do residente nos diferentes espaçoseducacionais e a carga horária a ser dedicada a cada atividade;

7. organização das atividades dos residentes em uma semana padrão deatividades;

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 200/414

200

8. identificação de docentes e profissionais da rede com perfilcompatível e disposição/disponibilidade para assumir as funções detutor/preceptor no programa;

9. definição dos critérios de avaliação de desempenho dos residentes;

10. definição do processo seletivo dos candidatos;11. definição da bibliografia básica e acervo mínimo.

O objetivo geral estabelecido para o programa foi o de formar médicos,enfermeiros e cirurgiões dentistas especialistas para o efetivo exercício da saúdeda família, de acordo com os fundamentos éticos, filosóficos, científicos,operacionais e os princípios básicos que regem essa prática, adequados àsrealidades e necessidades de nossa população, motivados para o exercício da

docência e a busca crítica e permanente do conhecimento, capazes detrabalharem em equipe, de forma expontânea e racional, com qualidade eresolubilidade, salvaguardando, sempre, as especificidades de cada profissão .

 A avaliação de desempenho do residente é processada de forma contínuapelos tutores e preceptores com orientações por meio de  feedback (resposta)periódico. Ao final de cada trimestre, em uma oficina trimestral de avaliaçãodos residentes, os preceptores e tutores procedem a uma avaliação coletiva decada residente conferindo-lhe uma nota/conceito. Para a avaliação coletiva, éusado um instrumento de avaliação de desempenho do residente. Ao final decada semestre, o residente apresenta um produto pré-definido, cuja avaliaçãocomporá a avaliação somativa do semestre.

No projeto pedagógico do componente médico, foram seguidas todas asnormas e recomendações emanadas da Comissão Nacional de ResidênciaMédica. Essa estratégia facilitou o futuro credenciamento do componente comoresidência em medicina de família e comunidade. A estrutura do componente

médico foi utilizada como referência para o desenho e foi adaptada para oscomponentes relativos à enfermagem e odontologia.

O Quadro 01 descreve a semana padrão de atividades e o Quadro 02apresenta a distribuição dos locais, duração e carga horária das atividades doR1 médico a título de ilustração. Os quadros correspondentes para os R2médicos e os residentes de enfermagem e odontologia não são apresentadosneste texto, mas estão disponíveis nos respectivos projetos pedagógicos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 201/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

201

Quadro 1 - Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade,Grade Semanal - 1º ano, UFSCar/SMS - São Carlos, 2006.

Segunda

SF

AESF

__

Terça

Oficina

AESF

__

Quarta

Temas Top

AESF

__

Quinta

SF

AESeminário

Peer Review__

Sexta

SF

AEAE

Plantão PS(19:00 - 07:00 h)

Sábado

Alojamento Conjunto(07:30 - 11:30 h)

Plantão Maternidade(07:00 - 19:00h)

__

Legenda: AE - Ambulatório EspecializadoSF - Saúde da Família

PS - Pronto Socorro

DiaTurno

Manhã07:30 - 09:00h09:30 - 12:30 h

Tarde14:00 - 18:00 h

Noite

Fonte: Projeto Pedagógico da Residência em Medicina de Família e Comunidade

 A distribuição das atividades dos residentes, apresentada no Quadro 01,é uma ilustração aproximada das ocupações dos residentes durante a semanacom a intenção de demonstrar a carga horária que será dedicada a cadaatividade. Entretanto, a distribuição exata de cada atividade por horário e diada semana é definida de modo a compatibilizar a disponibilidade dos docentes,a realidade do serviço, a integração das atividades da equipe e deve ser flexível,

possibilitando os ajustes necessários durante o processo. A descrição sumáriade cada atividade é apresentada a seguir.

1. Programa Saúde da Família (PSF): nesta atividade o residente se integraà equipe de saúde da família de um território de PSF selecionado paradesenvolver, sob supervisão, ações de promoção, prevenção e atenção,específicas da categoria profissional, dirigidas às famílias e seu habitat,referenciadas pelos fundamentos e princípios da saúde da família. Nestaatividade o residente deve exercitar o método clínico centrado no paciente,

desenvolver a prática baseada em evidência e utilizar as ferramentas de acessoe avaliação das famílias tais como: folha de rosto, genograma ampliado, ciclode vida familiar, entrevista de ajuda, firo, practice (prática), conferência familiaretc. Inclui também a participação ativa no processo de organização, controle eavaliação do serviço: territorialização, cadastramento, sistema de informação,diagnóstico de saúde, treinamento de agentes comunitários de saúde,planejamento, etc. Os territórios de PSF a serem utilizados como campo deprática de saúde da família para os residentes devem preencher os seguintes

pré-requisitos:

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 202/414

202

· equipe mínima de PSF completa e adequadamente treinada: médico,enfermeiro, cirurgião dentista, auxiliar de enfermagem e agentescomunitários;

· território com população definida, já estruturada ou a ser estruturada

no processo pelo programa de residência de acordo com as diretrizesdo PSF;· apoio do gestor municipal formalizado em convênio específico com a

Unimontes;· disponibilização do médico, cirurgião dentista e do enfermeiro da

equipe para acumular funções de preceptor de campo previstas noprograma.

2. Ambulatório Especializado (AE): neste componente, os residentes de

medicina atuam no próprio território do PSF sob a supervisão de preceptoresespecialistas de seis grandes disciplinas tidas como essenciais na formação domédico de medicina de família e comunidade. No território, o preceptorespecialista atua como um consultor, ajudando a resolver casos pré-selecionados pela equipe local, orientando na organização dos cuidadosespecializados e funcionando como suporte de educação permanente do médicode família da equipe. As seis disciplinas são: cirurgia ambulatorial, clínicamédica, ginecologia/obstetrícia, pediatria/hebiatria, saúde do idoso e saúdemental. Em princípio, a carga horária prevista é a mesma para cada um dosseis ambulatórios especializados. Entretanto, a distribuição real do tempo finaldedicado a cada uma das áreas poderá ser adequada às necessidades individuaisde cada residente.

3. Plantão em Pronto Socorro (PS): plantão nas unidades de urgência/emergência da rede hospitalar de Montes Claros conveniada com o SUS, narede pré-hospitalar fixa e no Serviço de Assistência Móvel de Urgência (SAMU),sob supervisão direta da equipe de plantão. Os plantões são noturnos e realizados

em rodízio semanal ou quinzenal, seguindo escala.4. Maternidade: atividade em sistema de plantão no bloco obstétrico/

alojamento conjunto da maternidade do hospital universitário para darassistência, sob supervisão da equipe de plantão, às parturientes e puérperas,em plantões de 12 horas, noturnos ou de fins de semana, em rodízio, de 15 em15 dias.

5. Alojamento Conjunto: atividade no alojamento conjunto do hospitaluniversitário para prestar cuidados de rotina a recém-nascidos normais, com

ênfase no aleitamento materno e problemas habituais do recém-nascido.6. Seminário: é momento de estudo, reflexão e discussão para

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 203/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

203

aprofundamento teórico dos princípios, fundamentos, métodos, estratégias,instrumentos, ferramentas, etc. para a organização e o exercício competente,com qualidade e resolubilidade, da prática de saúde da família. São utilizadostambém para consulta e análise crítica da literatura científica, elaboração de

linhas de conduta padronizadas, estudo tutorial e troca de experiências.7. Oficina de Planejamento: oficinas de trabalho, realizadas

preferencialmente no território, com participação dos residentes, equipe desaúde da família do território, usuários, gestores e outros atores envolvidos,com o objetivo de analisar problemas de saúde relevantes no território eencaminhar de forma participativa as soluções mais adequadas. Propõe-se quepelo menos dois problemas relevantes no território sejam objetos de análise eencaminhamento durante o ano, com oficinas de 15/15 dias.

8. Oficina Pedagógica: momento de discussão, reflexão coletiva e trocade experiências sobre aspectos administrativos, operacionais e interpessoaisdo dia a dia da residência para aperfeiçoamento do processo de trabalho.Participam os residentes, preceptores e coordenadores. É prevista uma oficinapedagógica quinzenal.

9. Temas Top:  são temas relevantes, de interesse coletivo, para osresidentes e preceptores que podem ser adequadamente abordados na forma

de palestras/aulas dialogadas curtas para difusão/sistematização de informações.10. Revisão entre Pares ( Peer Review): sessão semanal de pequeno grupo

(de quatro a oito) residentes, sob supervisão tutorial para: análise de linhas deconduta, construção de protocolos consensuais, análise de eventos críticos,discussão de casos, construção de “check lists”, revisão de prontuários, análisede performance e de resultados, etc.

11. Plano de Desenvolvimento Pessoal (PDP):  atividades especiais deenriquecimento, dependendo da evolução do programa, necessidades do

residente e oportunidades surgidas, tais como estágio em outros serviços, viagensde estudo para conhecer outras experiências, participação em jornadas,simpósios ou similares, etc. serão organizadas na forma de PDP para cadaresidente.

12. Docência:  o R2 deverá assumir funções docentes no internatocurricular em saúde da família para estudantes de medicina e no módulointeração/aprendizagem, pesquisa, serviço e comunidade (IAPSC) desenvolvidopelos estudantes de medicina nos territórios do PSF.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 204/414

204

No Quadro 3 está calculada a distribuição de carga horária total segundo

a atividade do residente médico.

Quadro 2 - Local de prática, duração e carga horária das atividades curriculares dos R1 médicos

LOCAL

Território de PSF

Território de PSFTerritório de PSFTerritório de PSFTerritório de PSFTerritório de PSFTerritório de PSFHospital UniversitárioHospitais, SAMU e ProntoAtendimento Pré-HospitalarHospital Universitário

Centro de Estudos: HUTerritório de PSFTerritório de PSFCentro de Estudo: AuditórioCentro de EstudosVariado-

CARGA HORÁRIA

SEMANAL (Horas)18

03030303030312

1204

0302021,50209

57,5

TOTAL (Horas)864

727272727272

288

28848

14448487296

4322760

ATIVIDADE

Saúde da Família

AE PediatriaAE Clínica MédicaAE CirurgiaAE Gineco-obstetríciaAE Saúde MentalAE Saúde do IdosoMaternidadePronto Socorro

Alojamento Conjunto

SeminárioOficina de PlanejamentoOficina PedagógicaTemas TopRevisão entre ParesPDPTOTAL

DURAÇÃO(Semanas)

48

24242424242424

2412

48242448484848

Fonte: Projeto Pedagógico da Residência em Medicina de Família e Comunidade

Quadro 3 - Distribuição da Carga Horária Total e Percentual por Atividade do Residente Médico(1)

CARGA HORÁRIAATIVIDADE DO RESIDENTE

Fonte: Projeto Pedagógico da Residência em Medicina de Família e Comunidade

1. Saúde da Família (Território)

2. Ambulatório Especializado (6 grandes áreas)

3. Plantão em Maternidade

4. Plantão em Pronto Socorro5. Alojamento Conjunto

6. Seminário

7. Oficina Pedagógica

8. Oficina de Planejamento

9. Revisão entre Pares

10. Temas Top

11. Docência

12. PDPTOTAL

R1

864

432

288

28848

144

48

48

96

72

0

4322760

R2

864

432

288

2880

144

48

48

96

72

192

2882760

TOTAL

1.728

864

576

57648

288

96

96

192

144

192

7205.520

%

31,30

15,62

10,43

10,430,87

5,22

1,74

1,74

3,48

2,61

3,48

13,0499,96

Acum.

31,30

46,92

57,35

67,7868,65

73,87

75,61

77,35

80,83

83,44

86,92

99,9699,96

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 205/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

205

3 - Preceptoria e tutoria

 Atualmente, a supervisão docente dos residentes no território de PSF érealizada por tutores e preceptores.

Os tutores médicos e enfermeiros são egressos da ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família, contratados pelo município paradedicarem tempo integral no território, nas funções de tutoria e assistência,em proporção de um tutor para dois ou três residentes.

Os tutores médicos e enfermeiros que recebem estudantes da graduaçãoem seus territórios são contratados pela Instituição de Ensino Superior (IES)com carga horária proporcional ao número de estudantes que acompanham.No caso da odontologia, a tutoria é atualmente exercida por dentistas da rede

e que também são docentes do curso de odontologia da Unimontes e aproporção é de um tutor para quatro residentes. No futuro, a tutoria dosresidentes de odontologia deverá ser exercida por profissionais da rede egressosda Residência Multiprofissional.

Os preceptores (consultores especialistas) são docentes da Unimontescom titulação variável (especialistas, mestres ou doutores) que dedicam 20horas semanais à preceptoria na residência. Os preceptores médicos (pediatra,clínico, gineco-obstetra, geriatra, cirurgião, psiquiatra e psicólogo) visitam cada

território de 15 em 15 dias segundo escala de preceptoria. Os preceptoresodontólogos (odontopediatria, periodontologia, endodontia, prótese/oclusão,cirurgia e necessidades especiais) recebem os residentes nas clínicasespecializadas de odontologia segundo escala. Os residentes enfermeirosparticipam das preceptorias para os residentes médicos nas áreas consideradasrelevantes para sua formação e para o cuidado do paciente, especialmente,saúde mental, saúde da mulher, saúde da criança e saúde do idoso.

 A tutoria/preceptoria nas unidades de urgência/emergência e maternidadeé exercida pelos profissionais das equipes de plantonistas sem vínculo/remuneração para o exercício da função.

 A supervisão docente das oficinas e atividades teóricas (seminários erevisão entre pares) é de responsabilidade dos tutores seguindo programaçãoprévia. Os temas top são abordados por tutores, preceptores e convidadosexternos, dependendo do tema.

Duas estratégias educacionais com objetivos de qualificar a prática

docente e assistencial dos preceptores e tutores estão em curso: Programa deEducação Permanente para Médicos de Família (PEP) e Mestrado Profissionalem Cuidado Primário de Saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 206/414

206

O PEP é um projeto piloto financiado pela secretaria de estado da saúdecom o objetivo de desenvolver a educação permanente dos médicos do PSF dasmicroregiões de Janaúba e Montes Claros, norte de Minas Gerais.

O modelo pedagógico está baseado na combinação de quatro estratégiaseducacionais interdependentes: Grupo de Aperfeiçoamento Profissional (GAP),integrado por oito a dez pares (médicos do PSF) que desenvolvem atividadeseducacionais, auto gerenciadas, acompanhadas por supervisores, utilizando aabordagem da revisão entre pares ( Peer Review)4; Plano de DesenvolvimentoPessoal (PDP)5, um instrumento de auto-aprendizagem reflexiva em regime dementoria; capacitação em serviço, uma forma de ensino-aprendizagem a serdesenvolvida em serviços ambulatoriais objetivando dotar os médicos de famíliadas habilidades requeridas para uma prática clínica efetiva e Módulos Top,intervenções educacionais específicas desenhadas com foco em temasrelevantes, definidos a partir de prioridades estabelecidas pelos gestores dosistema de saúde e das necessidades detectadas entre os profissionais. Os tutoresda residência são os supervisores dos GAPs e os preceptores da residênciaatuam no desenvolvimento das demais estratégias do PEP ( módulos top,capacitação em serviço e PDPs). Atualmente, existem 11 GAPs emfuncionamento na região, inclusive um GAP especial de supervisores de GAP,cujo objeto de interesse é o desenvolvimento permanente de competências para

o exercício de suas funções docente assistenciais no PEP.

O Programa de Mestrado Profissional em Cuidados Primários de Saúdeé uma iniciativa mais recente que já foi aprovado pela CAPES, e tem inícioprogramado para o final de 2006. O programa oferecerá dez vagas paraprofissionais de saúde que atuam nas instituições formadoras e prestadoras deserviços locais e será financiado pelo Ministério da Saúde/Promed, Unimontese Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros. O objetivo maior doprograma é instrumentalizar os participantes para qualificar o seu trabalho naassistência, na docência e na produção de conhecimentos necessários aodesenvolvimento dos cuidados primários de saúde na região. O mestradoprofissional resultou de demanda dos tutores/preceptores da residênciamultiprofissional e deverá ter nesse grupo seus candidatos naturais. Os projetosde pesquisa dos mestrandos serão definidos a partir de necessidades do sistemalocal de saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 207/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

207

4 - Seleção e titulação dos residentes

Os residentes médicos são selecionados no mesmo processo seletivo doPrograma de Residência Médica do Hospital Universitário, de acordo com as

normas da Comissão Nacional de Residência Médica, e a titulação é concedidapela própria CNRM.

Enquanto a Residência Multiprofissional não é regulamentada, osresidentes enfermeiros e odontólogos são matriculados no Curso deEspecialização em Saúde da Família - modalidade residência, ao qual foisubmetido e aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPEX)da universidade. A seleção dos candidatos se faz mediante processo seletivoespecífico e os egressos recebem o título de especialista em saúde da família -

modalidade residência, outorgado pelo reitor da universidade.

5 - Relação Unimontes e prefeitura

 A parceria da IES e a Prefeitura de Montes Claros, com o objetivo deoperacionalizar o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde daFamília, está formalizada em convênio.

São responsabilidades atribuídas à universidade, entre outras: selecionaros residentes; apoiar tecnicamente o município na implantação do PSF;desenvolver estudos e projetos de pesquisa relevantes para os territórios deatuação do programa; disponibilizar professores de seu quadro para exercer afunção de preceptor (consultor especialista); disponibilizar as referênciasbibliográficas e demais recursos didáticos e pedagógicos, inclusive acesso àinternet; responsabilizar-se pela coordenação técnica, supervisão acadêmica epedagógica, acompanhamento e avaliação das atividades desenvolvidas pelosresidentes; orientar o programa pelos princípios, diretrizes e estratégias

emanadas do Sistema Único de Saúde (SUS).Compete à prefeitura: garantir o bom funcionamento do PSF nos

territórios de atuação do programa; contratar egressos da residência paraexercer a função de tutor (preceptor de campo) em regime de tempo integral;permeabilizar o sistema local para as mudanças e inovações necessárias aodesenvolvimento das atividades do programa; complementar a bolsa dosresidentes;

 À Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Superior (Fadenor),

enquanto instituição interveniente cabe a responsabilidade integral pela gestãofinanceira e prestação de contas dos recursos aplicados no programa.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 208/414

208

6 - Relação Residência Multiprofissional e novas práticas educacionais

 A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), por meio doseu Centro de Ciências Biológicas e da Saúde e do Hospital Universitário

Clemente Faria, tem dado uma efetiva contribuição no processo dedesenvolvimento de profissionais qualificados para a estratégia da saúde dafamília. Tal contribuição está diretamente relacionada com a implantação préviada Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

  A partir de 2002, o projeto pedagógico do curso de medicina seráreformulado à luz das novas diretrizes curriculares e da proposta deaprendizagem baseada em problemas (PBL). O novo currículo de medicinaintroduziu um módulo longitudinal denominado Interação Aprendizagem,

Pesquisa, Serviço e comunidade (IAPSC). Neste módulo, os estudantes sãoinseridos nos territórios de PSF do Município de Montes Claros no primeiroperíodo do curso médico e percorrem, no mesmo território, um itinerárioclínico e um itinerário comunitário com atividades distribuídas ao longo dos12 períodos do curso. Tal processo de mudança curricular vem sendo apoiadopelo Ministério da Saúde por meio do Promed e Pro-Saúde. A concepção teóricado IAPSC bem como sua operacionalização no campo tem sidoresponsabilidade dos tutores da Residência Multiprofissional. Os territórios

de atuação dos egressos da residência têm sido eleitos os campos de práticados estudantes e os egressos da residência têm sido contratados comopreceptores de campo do processo. Processos de mudança à semelhança doIAPSC, no curso médico, já estão sendo desencadeados na graduação deenfermagem e odontologia.

Outras duas iniciativas importantes, intimamente relacionada com aresidência multiprofissional já foram detalhadas em seção anterior: Programade Educação Permanente para Médicos de Saúde da Família (PEP) e Mestrado

Profissional em Cuidados Primários de Saúde.

7 - Mapeamento dos egressos

No período 1999-2006, 25 médicos e 35 enfermeiros tinham concluídoo nosso Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 209/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

209

  Atualmente, 16 médicos, 17 enfermeiros e 20 cirurgiões dentistas estãomatriculados, com previsão de conclusão em fevereiro de 2008.

Entre os egressos médicos, 20 estão trabalhando no PSF de MontesClaros, quatro se fixaram em outros municípios e um ingressou em outraresidência médica. Dos 20 egressos que se fixaram em Montes Claros, 16foram absorvidos pelas instituições de ensino superior locais como tutores daresidência, Programa de Educação Permanente de Médicos de Família e oudocentes da graduação em medicina.

Entre os enfermeiros egressos, 31 ingressaram no PSF de Montes Clarose quatro se mudaram para outros municípios. Dos egressos enfermeiros quetrabalham em Montes Claros, 19 já foram absorvidos pelas IES locais comotutores da residência multiprofissional e ou docentes na graduação deenfermagem.

8 - Desafios e estratégias de superação

O primeiro desafio foi a identificação, sensibilização e aglutinação deprofessores e dirigentes interessados em discutir e estudar saúde da família. Aformação de um grupo de estudo, visita à Universidade de Toronto, interlocução

com agentes externos e participação na oferta de cursos em saúde da famíliaajudaram a vencer esse primeiro momento de compreensão do tema e a tomar-se a decisão política de criar um Programa de Residência Multiprofissional emSaúde da Família para médicos e enfermeiros.

O segundo desafio foi a concepção do projeto pedagógico e da inserçãodo programa na estrutura da universidade. As seguintes estratégias ajudaramvencer essa etapa: consultoria externa de um professor do departamento demedicina de família da Universidade de Toronto; observância dos fundamentos

do treinamento em serviço, normas da Comissão Nacional de ResidênciaMédica e princípios/diretrizes do PSF; inserção institucional do programa naestrutura da Comissão de Residência Médica (Coreme) do hospitaluniversitário, junto aos demais programas de residência médica do hospital.

Um terceiro desafio foi à identificação e estruturação de territórios dePSF minimamente adequados para a prática dos residentes. Nessa etapa, ogrande obstáculo é a negociação com o gestor municipal e a estratégia utilizada,que se mostrou mais eficaz, foi a demonstração de que o projeto pedagógico,

da forma que estava concebido, permitiria ao município, além da extensão dacobertura e melhoria da assistência, habilitar as equipes de residentes e ter

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 210/414

210

ganho financeiro por meio dos incentivos do Ministério da Saúde.

Certamente, o maior desafio nas turmas pioneiras foi encontrarprofessores com perfil e disponibilidade para o processo. Tais docentes, via deregra, são escassos nos quadros universitários tradicionais. A estratégia utilizada

foi recrutar os preceptores de campo (tutores) entre os profissionais do serviço,integrantes de equipe do PSF, e complementar sua função docente comconsultores especialistas (preceptores), recrutados entre os professoresuniversitários praticantes das especialidades consideradas mais essenciais naformação do residente. Duas estratégias têm sido utilizadas para qualificar afunção docente: envolvimento dos consultores especialistas em reuniõesperiódicas para discussão de aspectos administrativos e pedagógicos doprograma e incorporação sistemática de egressos da residência como tutores.

Outro grande desafio tem sido a baixa demanda de candidatos médicospara a residência. As estratégias adotadas pelo Município de Montes Claros,para o programa 2006-2008, foram: corrigir o salário dos profissionais do PSFpara níveis competitivos no mercado regional, diferenciar a remuneração doprofissional com residência no plano de cargos e salários, complementar abolsa do residente e exigir a residência em saúde da família como pré-requisitopara fazer o concurso público para o cargo de profissional de saúde da família.

 As estratégias adotadas pelo município se mostraram eficazes. Coincidênciaou não, a demanda de candidatos médicos para o programa 2006-2008 atingiudois candidatos por vaga.

Finalmente, o desafio do financiamento. A Residência Multiprofissionalem Saúde da Família é um programa dispendioso. A estratégia adotada temsido a parceria. A universidade participa com a carga horária dos preceptores.O município cede a carga horária dos tutores e complementa a bolsa dosresidentes. Os recursos do Ministério da Saúde paga as bolsas dos residentes e

complementa a remuneração dos tutores e preceptores pela função docente-assistencial.

9 - Avaliação do programa

Dois indicadores são usados para avaliar o cumprimento de metas: % depreenchimento de vagas e % de matriculados que concluem o programa. Acada 15 dias, em reunião geral com participação da coordenação, tutores,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 211/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

211

preceptores e representação dos residentes, os problemas da residência sãoanalisados e decididos com os encaminhamentos necessários com registro emata. A cada semestre os residentes procedem a uma avaliação qualitativa doprograma nos seus vários aspectos, inclusive o desempenho dos tutores e

preceptores.

10 - Conclusões

 A Unimontes e a Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros vêmacumulando uma valiosa experiência em formação profissional para o trabalhono campo dos cuidados primários de saúde/saúde da família. Tal acumulação

contempla diferentes níveis da graduação e diferentes modalidades de pós-graduação. É multiprofissional, pois inclui as profissões que integram a equipemínima do PSF. É, também, interinstitucional com envolvimento do Ministérioda Saúde, secretaria de estado da saúde, secretarias municipais de saúde euniversidade. O caso de Montes Claros sugere que a ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família foi o fator desencadeante e sustentadordas mudanças processadas. Parece correto concluir que a decisão de iniciartodo o processo pela residência multiprofissional foi a decisão mais acertada.

Referências bibliográficas

PROJETO Pedagógico do Curso de Especialização em Saúde da Família, naModalidade Residência, para Cirurgiões Dentistas e Enfermeiros –UNIMONTES/HUCF. Programa 2006-2008. [S.l.: s.n., 20—?].

PROJETO Pedagógico da Residência em Medicina de Família e Comunidade

– UNIMONTES/HUCF, programa 2005-2007. [S.l.: s.n., 20—?].

Convênio UNIMONTES/Prefeitura de Montes Claros Nº , fevereiro de2006; Referência imcompleta

PROPOSTA Técnica para a Carta Convite MS n.º 25.000 – 061390/2000-23Lote 10. [S.l.: s.n., 20—?].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 212/414

212

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 213/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

213

A Residência Multiprofissional de Saúde da Família na UFMG:tijolo por tijolo de um desenho mágico

Elza Machado de Melo1

Aristides José Vieira de Carvalho2

Lenice de Castro Villela3

Geraldo Cunha Cury3

1

Professora Adjunta do Departamento de Medicina Preventiva e Social, da Faculdade de Medicina daUMFG. Coordenadora da Residência de Medicina de Família e Comunidade e do Curso de Especializaçãode Saúde da Família na Modalidade de Residência Multiprofissional. Médica, Mestre em CiênciaPolítica, Doutora em Medicina Preventiva e Social. E-mail: [email protected]

2 Coordenador didático da da Residência de Medicina de Família e Comunidade e do Curso deEspecialização de Saúde da Família na Modalidade de Residência Multiprofissional. Médico, Mestreem Epidemiologia. E-mail: [email protected]

3 Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública da Escola deEnfermagem da UFMG. Sub-Coordenadora do Curso de Especialização em Saúde da Família naModalidade de Residência Multiprofissional Enfermeira, Mestre em Saúde Pública. Doutora emEpidemiologia. E-mail: [email protected]

4 Professor Adjunto do Departamento de Medicina Preventiva e Social, da Faculdade de Medicina da

UMFG. Docente da Residência de Medicina de Família e Comunidade e do Curso de Especialização deSaúde da Família na Modalidade de Residência Multiprofissional. Médico, Mestre em Epidemiologia,Doutor em Epidemiologia. E-mail: [email protected]

Resumo: O presente artigo mostra a experiência da ResidênciaMultiprofissional de Saúde da Família/DMPS/FM/UFMG e sua estruturaçãoem uma parte médica credenciada pela Comissão Nacional de Residência

Médica (CNRM) e uma parte multiprofissional, formalizada como curso deespecialização na modalidade de residência. Objetivo: formar profissionaiscapazes de atuar na atenção básica e contribuir para a inversão do modelode atenção à saúde. Pressupostos metodológicos: diferentes cenários deprática contemplando as diferentes realidades de saúde; trabalhomultiprofissional, interdisciplinar e em equipe; atenção integral de saúde;ênfase na atenção básica de saúde e na participação popular; unidade entreteoria e prática e articulação supervisão docente/preceptoria. A estrutura

didático-pedagógica se compõe de treinamento na atenção básica, semináriostemáticos das grandes especialidades, supervisão docente de saúde coletivae treinamento na atenção secundária e terciária. Realiza-se no Município deBrumadinho; em 2007, comporá o Projeto de Território Integral de Saúdeem Venda Nova, sob gestão da UFMG.

Palavras chave: Residência Multiprofissional, Atenção Básica, Programa deSaúde da Família

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 214/414

214

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 215/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

215

1 - Introdução

Com o advento da Reforma Sanitária e do seu principal produto, isto é,o Sistema Único de Saúde (SUS), a atenção à saúde de todo brasileiro, entendida

como uma necessidade legítima e contextualmente produzida, passa se orientarpelos princípios de universalidade, equidade e integralidade. No nossoentendimento, esses princípios só se efetivariam pelo estabelecimento derelações de intersubjetividade, portanto, vínculos entre profissionais e usuários,abrindo o acesso ao mundo da vida dos últimos, e com isso, o conhecimento econsideração do seu modo de viver, adoecer e morrer (AYRES MESQUITA,2004; CECCIM E FEURWERKER, 2004, MELO, 1999, MEHRY, 1998), oque, por sua vez, impõe o estabelecimento de mecanismos democráticos de

participação nas tomadas de decisão referentes à saúde (SALTMANN,1994;WESTPHAL, 2000; BREILH, 2000; ANDRADE E VAISTMAN, 2002;GERSCHMANN, 2004; SPERANDIO et al, 2004). Sendo assim, a produçãode saúde deve associar irremediavelmente o uso de conhecimento técnico-científico e a prática da cidadania - a organização de um sistema de saúderegionalizado e hierarquizado, com ênfase na atenção básica, é uma propostaatual que pode dar conta dessa tarefa complexa (STARfIELD, 2002; SILVA

  JUNIOR e MASCARENHAS, 2004; BRASIL,1999). Por seu turno, o PSF

constitui, hoje, uma das principais estratégias de organização da atenção básicae de estruturação do SUS.

 A Saúde da Família tem sua origem na medicina de família que surge em1966 nos Estados Unidos e, segundo Paim (1999), representa, para alguns, atentativa de resgate de experiências históricas que foram progressivamentedeslocadas pela tecnologia e pela mercantilização e, para outros, um processode racionalização envolvendo a redução dos custos de saúde, a simplificaçãodo cuidado e o aumento de cobertura de saúde. De todos os modos, para esse

autor, trata-se de um movimento ideológico que mascara o caráter capitalistada saúde, o exercício de poder mediado por ela e a determinação social doprocesso de geração saúde/doença.

No Brasil, a Saúde da Família teve sua entrada na década de 70 eprotagonizou um intenso debate que teve sua maior expressão no conflitotravado entre a Medicina Preventiva e Social e a Medicina Geral e Comunitária,nos processos de credenciamento como residência perante o MEC e a ComissãoNacional de Residência Médica. Mas, só na década de 90, após muitos percalços,

ela atinge a sua maturidade alcançando, então, o estatuto de política publicano Brasil, na forma do Programa de Saúde da Família (BRASIL, 1996), o que se

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 216/414

216

explica pelo processo de democratização do país, a entrada em cena de novosatores sociais, o advento da Reforma Sanitária Brasileira e a definição de novoscenários para a saúde, em especial os municípios, abrindo novas possibilidadesde expansão para esse tipo de programa (GOULART, 2004). E, embora haja

análises críticas sobre esse Programa, apontando seu possível caráter defocalização, com todos os desdobramentos que isso acarreta e a suaincapacidade de representar uma verdadeira mudança do modelo de atenção àsaúde, a opinião corrente é a de que ele seja um programa inovador, capaz deproduzir o reconhecimento e a efetivação do direito de saúde e gerar avançosnesse campo, desde a prestação do cuidado integral de saúde, envolvendo aassistência, a prevenção e a promoção, até a sua humanização e democratização,pela proximidade e envolvimento da comunidade (Idem, 2004).

Diante disso tudo, há que se perguntar como uma proposta com tal origempode, agora que se transformou em política pública, obter o aval das vozesmais críticas e conseqüentes que, entre outras coisas, estiveram presentes eparticipantes e foram responsáveis pelas grandes mudanças e avanços ocorridosna história da saúde desse país? Seguimos uma pista para resolver essaindagação: o PSF será aquilo que os sujeitos sociais dele fizerem – o modopelo qual é implementado em cada realidade, por diferentes atores sociais –profissionais de saúde e comunidade - com suas histórias e percepções é que

será decisivo na configuração que vier a adquirir. (PAIM, 1999; MELO, 1999;GOULART, 2004). Isso remete de imediato, ao perfil do profissional econseqüentemente ao seu processo de formação (PIERANTONI, 2001). Defato, o médico generalista é o que melhor se adequa às demandas da atençãobásica, as evidências indicam que os generalistas são mais efetivos e eficientespara o desempenho da atenção básica do que os especialistas e, no que dizrespeito aos resultados, estados com maior taxa de generalistas gastam menose apresentam cuidados de saúde de maior qualidade (STARFIELD, 2002): o

especialista tende a superestimar o quadro patológico, diagnosticandoenfermidades com as quais ele lida, mesmo em situações onde elas estãoausentes e, ainda, a subestimar o quadro global, deixando de lado cuidadosque poderiam ser cruciais para a qualidade de vida do usuário. (STARFIELD,2002, FERRER et al, 2005). Além do mais, por razões óbvias – estrutura ecapacidade do sistema, mercado de trabalho, cobertura da atenção, tipo dehabilidades - os generalistas têm maiores probabilidades do que o especialistade se deslocarem para áreas urbanas menos desenvolvidas, com populações de

maior risco de saúde, ou para áreas rurais. Ele se aproxima mais do usuário eda comunidade e o conhecimento assim obtido permite a ele antecipar o cuidado

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 217/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

217

a ser prestado, gerar subsídios para a sua prática de atenção e para a doespecialista quando houver encaminhamento e propicia uma melhor relaçãoprofissional/usuário, redundando em mais qualidade do cuidado. (STARFIELD,2002). Em flagrante contraste com esse papel decisivo do médico generalista,

verifica-se que o seu  status, em sociedades tão especializadas como ascontemporâneas, é menor do que o do especialista, havendo, por isso e deforma equivocada, uma avaliação depreciativa do seu perfil, evocando umapretensa inferioridade sua em relação ao especialista. Esse fator, associado ao

 stress gerado pelo processo de trabalho, causado principalmente, pela constanteameaça de perda da sua autonomia clínica, frente a fatores de outra natureza,pelo excesso de demanda e pelo desafio de manter a alta qualidade do cuidado,é responsável pela crescente insatisfação do profissional, que passa a buscar

novas inserções de trabalho. Profissionais insatisfeitos influenciamnegativamente a escolha de estudantes sobre qual carreira pretendem seguir(SCHWARTZ et al, 2005). Medidas capazes de re-equilibrar essa tendênciasão necessárias e se elas devem incluir o aumento da satisfação do profissionalgeneralista por meio do aumento substantivo da sua remuneração, da maiorflexibilidade e controle da demanda de atendimento, da promoção do seutrabalho, da melhoria do seu status e da participação no trabalho acadêmico deeducação, elas sobretudo devem jogar um peso decisivo no processo de formação

do profissional.Durante toda nossa vida acadêmica, temos feito a defesa da integração

entre serviços de saúde e academia como uma necessidade vital para aconstrução do SUS. Coerentemente, o processo de aprendizagem, segundonosso entendimento, deve propiciar ao aluno, as vivências que o habilitem aatuar numa prática com essas características, aproximando-o e inserindo-o narealidade de saúde das nossas populações (MELO, 2005; FAGUNDES eBURNHAM, 2005; NORONHA FILHO et al, 1995). Do ponto de vista

metodológico, temos investido em processos construtivos de aprendizagem,nos quais alunos e professores compartilham a dialética do aprender e do ensinar,gerando saberes e práticas coletivas a partir dos seus saberes, suas experiênciase sua atuação. (Idem). Não há, portanto, como negar a pertinência da modalidadeda residência - intenso processo do aprender fazendo - como uma importanteestratégia de formação do profissional para a atenção básica de saúde. Mesmoconsiderando exclusivamente o lado financeiro, o alto custo dessa modalidade- carga horária de mais de 3500 horas, pagamento de bolsas dos residentes - é

compensado pela própria produção que ela propicia. A exigência de um altograu de maturidade institucional e de integração ensino/serviço, enfim, de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 218/414

218

recursos organizativos, é compensada pela possibilidade de reprodução dessaorganização para muitos outros espaços, a partir da atuação do profissionalformado. Mais importante, porém é o potencial multiplicador desse profissionalem temos de formação de novos profissionais e o seu papel na consolidação da

atenção básica de saúde. O objetivo desse trabalho é relatar a experiência daResidência de Saúde da Família na UFMG, explique-se, do curso deespecialização de saúde da família na modalidade de ResidênciaMultiprofissional para médicos e enfermeiros e Residência de Medicina deFamília e Comunidade para médicos, credenciada pela Comissão Nacional deResidência Médica, integrados numa única prática.

2 - Histórico

O processo de criação da Residência Multiprofissional de Saúde da Famíliateve início na UFMG, em 2002, a partir da iniciativa da Profª. Helena FacuryBarbosa, que permaneceu na coordenação até abril de 2006, momento em queassumiu a Profª. Elza Machado de Melo, primeira autora deste artigo, queacompanhou o programa desde seus primeiros passos, na qualidade de docentee de responsável institucional, enquanto chefe do Departamento de Medicina

Preventiva e Social, que sedia o programa. A sub-coordenação e a coordenaçãodidático-pedagógica ficaram, desde então a cargo da Profª. Lenice de CastroVillela e do Profº. Aristides José Vieira de Carvalho, respectivamente. Até omomento, dois cursos, a saber, medicina e enfermagem, integram a residênciae, partir de 2007, também a odontologia.

Os passos do processo de criação da Residência Multiprofissional deSaúde da Família, na UFMG, não ocorreu sem traumas ou conflitos. O ritmoacelerado de implantação de uma proposta francamente inovadora, que trazia

em si, diversas contradições, entre elas, a inexistência de regulamentaçãopertinente, o inevitável confronto com a prática sólida e arraigada da profissãomédica e as perguntas e incertezas próprias da inovação, geraram um grau dequestionamento, que a bem da verdade, só agora tendem a se equacionar.Curiosamente, porém, apesar das dificuldades, das polêmicas e das críticas, aUFMG nunca desistiu da proposta e, a cada etapa, descobria mecanismoscapazes de ampará-la formalmente e de aumentar as chances do seu sucesso.Incontáveis reuniões, inúmeras passagens pelas instâncias colegiadas de decisão,

diferentes configurações - pelo menos três diferentes modalidades de formação,a saber, treinamento em serviço via Pró-Reitoria de Extensão, curso de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 219/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

219

especialização na Modalidade de Residência Multiprofissional pela Pró-Reitoriade Pós-Graduação e Residência Médica, pelo Hospital das Clínicas - váriossetores envolvidos, flexibilização dos padrões regimentais para não inviabilizara proposta, mecanismos de monitoramento, em tudo isso era possível constatar

que a vontade coletiva na UFMG era de afirmação e apoio à proposta, sendoesse um fator decisivo na sua difícil trajetória.

No primeiro ano, o Ministério da Saúde bancou todos os recursosfinanceiros necessários, desde a bolsa dos residentes até o pagamento depreceptores e a criação de infra-estrutura administrativa. No segundo ano emdiante, as despesas deveriam ser compartilhadas com o município, cujo serviçorecebia o residente, uma vez que ele se beneficiava dos cuidados de saúdeproduzidos. Aí começam os problemas: até esse momento, os residentes

atuavam na atenção básica de Belo Horizonte; a partir daí novos convêniostiveram de ser acionados. Teve início o trabalho junto ao Município de Neves,na região Metropolitana de Belo Horizonte.

 Apesar do interesse, a proposta era onerosa e tornava-se difícil para osmunicípios arcarem com os seus custos. Além do mais, a saída de Belo Horizontepara outra cidade dificultava a atuação do residente, tanto do ponto de vistalogístico como financeiro, desestimulando-o e impossibilitando a suapermanência. Assim mecanismos foram desenvolvidos pela coordenação daépoca para resolver o impasse. Uma forma bastante criativa e eticamente viávelfoi a conciliação dos papéis de profissional e de residente no Município deNeves - no primeiro ele supria as necessidades de saúde da população recebendoo salário usual para tanto; como residente ele recebia a preceptoria dauniversidade e do próprio sistema municipal. No entanto, essa proposta nãofoi aceita pela Coordenação Estadual do PSF, em virtude da ausência dosresidentes nos períodos de estágio hospitalar, deixando a população descoberta.Com isso se inviabiliza a relação com o Município de Neves, obrigando a procurapor novas saídas. Inicia-se, então, a parceria com Brumadinho, que persisteaté hoje.

3 - Pontos estratégicos para o desenvolvimento do programa: as basesmetodológicas

Se por um lado, o desenvolvimento de estágio em locais fora da cidade

sede do programa, no caso Belo Horizonte, acarretava certas demandas,sobretudo de ordem logística, por outro não havia como prescindir da atuação

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 220/414

220

dos residentes no interior do estado e na zona rural, pois certamente realidadesdesse tipo farão parte permanentemente da prática de muitos profissionais desaúde envolvidos no PSF. No momento, há um incentivo financeiro da Secretariade Atenção à Saúde do Ministério da Saúde (SAS/MS) para todos os municípios

que tiverem residentes trabalhando em seus serviços. Essa iniciativa certamenteirá melhorar as condições de parceria com os municípios e dará um impulsomuito grande ao programa.

Um outro ponto relevante a ser destacado refere-se ao processo deregulamentação da pesidência Multiprofissional que obrigou o Ministério daSaúde a orientar as coordenações no sentido de encaminhar o credenciamentoda parte médica junto à Comissão Nacional de Residência Médica, resolvendoo problema da formalização e amenizando a oposição dos Conselhos de

Medicina e da CNRM. Não há dúvidas de que essa iniciativa comprometeu,em certa medida, as relações de interdisciplinaridade entre as diferentes áreas.Mais uma vez, teve peso decisivo na superação das turbulências o desempenhodos vários atores envolvidos. A esse propósito, mesmo que sejam dois modosdiferentes de formalização, de um lado os médicos e de outro as demaisprofissões da área da Saúde, no nosso entendimento, é de extrema importânciapreservar a integração entre eles na atuação prática, pois a interdisciplinaridadeé pedagógica e prepara os profissionais para um dos maiores desafios da atenção

à saúde, que é o trabalho em equipe. (GRUMBACH E BODENHEIMER, 2004;SAUPE et al, 2005; PEDUZZI, 2001)

Um aspecto decisivo é o perfil do residente que chega à residência, aindamarcado pelo equívoco de um status menor na atenção básica. Sabe-se que émuito difícil resistir à cultura da especialidade e muitas vezes o residentedemanda o ensino da especialidade. Ele trabalha na suposição de que, seaprender todas as especialidades, dominará, com destreza, as situaçõesexperimentadas na atenção básica, mas isso, certamente não é verdade - se elese forma na especialidade, será especialista. A atenção básica, retomamos aquias propostas de Starfield (200), exige formação orientada especificamente paraela. Por isso, a orientação da residência deve ser predominantemente voltadapara a atenção básica, ficando o tempo de treinamento em nível hospitalardestinado exclusivamente à situações que, mesmo se exigirem o referenciamentopara outros níveis, certamente se apresentarão, em algum momento, na atençãobásica e terão ai sua porta de entrada para o sistema. Exemplo disso são asatividades de ginecologia e obstetrícia e as urgências e emergências.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 221/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

221

Outra característica relacionada ao perfil do residente é a sua fracaformação em termos dos cuidados de promoção e prevenção de saúde e semessa prática corre-se o risco de voltar o ponto zero, pois delas dependesubstantivamente a possibilidade de criação de novos modelos de atenção. Nesse

sentido, a residência, dadas as suas características de proximidade com aspopulações e de permanência no local do trabalho, tem o papel não só deformar profissionais multiplicadores como desenvolver tecnologias inovadorasque cada vez mais consolidem as possibilidades de efetivação desses cuidados.No pólo oposto, tem-se o gargalo do sistema de referenciamento para oscuidados de média e de alta complexidade e, pior ainda, de contra-referênciadestes para a atenção básica. Mais uma vez, o programa pode ter um papelcontributivo, seja pelo fortalecimento da atenção básica e conseqüente alívioda sobrecarga da atenção especializada, seja pelo trânsito nos vários níveis,criando a cultura da comunicação entre eles, seja pela implementação depráticas de promoção e prevenção responsáveis pela inversão do modelo.

Por fim, um elemento crucial é o estímulo ao desenvolvimento de práticasparticipativas, em que a população passa a ter algum grau de influência nasdecisões, constituindo-se como parceira e autora dos cuidados e projetosproduzidos, o que multiplicaria os recursos disponíveis, viabilizaria a prevençãoe a promoção de saúde, melhoraria a resolutividade e sobretudo transformaria,

de fato, o SUS num sistema democrático, no qual todos os envolvidos sereconheçam como sujeitos portadores de saberes, vontade e direitos (MELO,2005; FAGUNDES e BURNHAM, 2005). Só a formação de um profissionalmarcada por esse princípio se adequaria ao grande desafio de unificar ciênciae cidadania.

Essas orientações - diferentes cenários de práticas compatíveis com aatenção básica, a integração entre as diferentes áreas de conhecimento eprofissões, o trabalho em equipe, a formação orientada predominantemente

para a atenção básica, o desenvolvimento e construção de práticas integrais desaúde e a participação da população - constituem a base metodológica daresidência desenvolvida pela UFMG. O seu cumprimento exige, como é óbvio,a unificação de teoria e prática, de tal modo que as atividades teóricas e práticasintegradas se complementem e se potencializem, atingindo um alto patamar deaprendizado. Dessa articulação surge a articulação entre o supervisor docentee o preceptor - o primeiro, membro da academia, o segundo do serviço desaúde - que, pela síntese dos saberes e experiências diferenciadas de cada um,contribuirão para a construção de uma novo perfil do profissional de saúde

(FAGUNDES e BURNHAM, 2005; NORONHA FILHO et al, 1995;PIERANTONI, 2001).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 222/414

222

 A partir dessas orientações é que se estrutura o Projeto Didático-Pedagógico da Residência de Saúde da Família na UFMG.

4 - Estrutura pedagógica

Toda a estrutura pedagógica atual da residência foi pactuada entre oServiço de Atenção Básica de Brumadinho, os supervisores docentes da UFMG,os preceptores e os residentes. Essa estrutura é composta de a) treinamento na

 Atenção Básica de Brumadinho, b) seminários das áreas básicas aos sábados,c) supervisão de saúde coletiva, e d) treinamento em serviços de cuidadossecundários e terciários.

a) Treinamento em serviço na atenção básica

Formação de dois núcleos, formados pelas microrregiões de Piedade ede Aranhas, ambos na zona rural de Brumadinho-MG, onde os residentes atuamde segunda a sexta feira, das 8 às 17 horas. A organização do trabalho tem asseguintes características:

a) constituição de uma equipe em cada núcleo, formada pelo preceptor,residentes e demais profissionais do serviço;

b) cobertura de atenção à saúde da microrregião pela equipe;c) presença diária do preceptor em cada um dos dois núcleos;d) transporte para deslocamento rápido entre os diferentes espaços das

microrregiões e a sede do núcleo – dois carros permanentementedisponíveis;

e) educação a distância: telefone

O quadro 1 mostra a programação semanal de cada núcleo e a formacomo se faz a preceptoria.

b) Seminários das áreas básicas

Os seminários saúde coletiva, clínica médica, pediatria, cirurgia eginecologia e obstetrícia, são realizados aos sábados, com duração de 4 horas,em sistema de rodízio entre as áreas, com a seguinte programação: traumatorácico; dor abdominal; dor torácica; insuficiência cardíaca; seminário desaúde mental em Brumadinho; doenças respiratórias na infância; hipertensão

arterial e diabetes; saúde do trabalhador I; exame neurológico; abdome agudo;exame ginecológico; saúde do trabalhador II; pesquisa epidemiológica; pesquisa

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 223/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

223

qualitativa em saúde; fisiologia e tratamento da dor; exame ortopédico;abordagem clínica do idoso; ACLS; abordagem clínica do portador desofrimento psíquico; avaliação do ano.

c) Supervisão docente de saúde coletiva

É realizada uma vez por semana e tem como objetivos acompanhar aprogramação pedagógica da residência, discutir e desenvolver atividades desaúde coletiva, planejar as atividades, avaliar permanentemente o programa eorientar os trabalhos teóricos e práticos de monografia. Em termos práticos,tem-se procurado proporcionar ao residente um cenário capaz de despertar avisão crítica e reflexiva sobre a atuação do profissional especializado em saúde

da família. O aprendizado se constrói a partir de situações vivenciadas no dia-a-dia e é compartilhado entre supervisor docente, residentes e preceptores. Aprogramação é a seguinte: discussão das demandas assistenciais,encaminhamentos diagnósticos, realização do diagnóstico da área, análise dedados/diagnósticos - eventos sentinela, marcadores, estimativa rápida; sala desituação; realização de seminário para apresentação dos dados diagnósticos epropostas de intervenção, discussão do sistema de informação e visita àSecretaria Municipal de Saúde (SMS) para acompanhar o funcionamento desse

sistema; abordagem da gestão operacional do sistema municipal de saúde:discussão teórica e visitas à SMS; modelos de atenção. Discussão damonografia, avaliação dos trabalhos e ajustes. Discussão de indicadores eestudos epidemiológicos. Ética e bioética – estudo de casos. Ida à SMS paraacompanhamento dos setores de gestão financeira para entendimento práticodo financiamento da saúde. Primeiro esboço da monografia. Setembro: saúdedo trabalhador: questões para a atenção básica e construção de protocolos.Educação em saúde: as bases da promoção; promoção de saúde e

intersetorialidade. Trabalho educativo – trabalho em equipe. Ciclos de vida:atenção à criança; ciclos de vida: adolescentes; ciclos de vida: adultos; ciclosde vida: idoso. Propostas de intervenção para crianças e adolescentes, adultose idosos.

d) Treinamento em serviços de cuidados secundários e terciários

 A residência tem priorizado fortemente a atuação nos serviços de atençãoprimária, realizando, entretanto, a carga horária hospitalar necessária e, no

caso da medicina, a preconizada pela Sociedade Brasileira de Medicina deFamília e Comunidade (SBMFC), por meio de estágios na atenção secundária

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 224/414

224

e terciária, desenvolvidos durante a semana no próprio Município deBrumadinho e no final da semana em Belo Horizonte, sendo eles os seguintes:

- atuação nos serviços de maior complexidade do Município deBrumadinho, a partir do referenciamento dos pacientes atendidos na

atenção básica;- estágio de saúde mental no CAPS de Brumadinho – terças ou quintas,

somente para os R1;

- pronto atendimento do Hospital das Clínicas abordando urgências eemergências de clínica, pediatria, ginecologia e cirurgia, nos finais desemana;

- estágio no Hospital Rizoleta Neves (Venda Nova) - 12 horas semanais,nos finais de semana. Esse hospital tem a gestão da UFMG e por isso

a Residência de Saúde da Família se integrará às demais residênciasdo Hospital das Clínicas, sempre que for o caso.

Por fim, é necessário destacar um aspecto fundamental: criar raízes. Apopulação que recebe os trabalhos dos residentes e da equipe do PSF temreconhecido e pontuado com alegria a presença da residência em suacomunidade. E outro que não pode ser esquecido: o trabalho conjunto damedicina com a enfermagem e com os novos cursos, no futuro. As atividadesrealizadas evidenciaram a importância de trabalhos conjuntos entre

profissionais e docentes de diferentes áreas e profissões. Com acomplementaridade todos ganham. Aprendemos a valorizar e respeitar aespecificidade de cada categoria profissional e a importância das relaçõesinterpessoais na vida profissional. Deste aprendizado nasce a esperança de vera consolidação da residência, contando, para isso, com a experiência colhidana história de quem ousou iniciar.

5 - Uma nova proposta

Depois de ter superado todos os obstáculos da implantação, novasoportunidades se apresentam, especialmente, com a participação da residênciaem um projeto de organização de um território integral de atenção à saúde, oDistrito de Venda Nova/Belo Horizonte, sob a gestão da UFMG, em parceriacom a Secretaria Municipal de Belo Horizonte e com a Secretaria de Estadoda Saúde de Minas Gerais. Projeto e residência se integram numa perspectivade mão dupla: a gestão do Hospital Risoleta Neves, de Venda Nova, pela UFMG,já em funcionamento e a ampliação da atuação para todo o território de Venda

Nova, em todos os níveis de cuidado e envolvendo todos os níveis de ensino,geram novas perspectivas para a residência, à medida que ela poderá se integrar

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 225/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

225

às demais residências e às demais modalidades de formação desenvolvidas pelaUFMG, desde a graduação até a pós-graduação stricto sensu. Inserida na atençãobásica desse território, mergulhada nas relações sociais aí estabelecidas, todosos atores envolvidos na residência poderão entender e presenciar os processos

de produção da saúde e da doença, compreender a percepção que a populaçãotem desses processos e as formas com que lida com eles e compartilhar recursosantes inacessíveis na abordagem da saúde. Participando de um território deatenção integral, terá ampla mobilidade para seguir e garantir os fluxos dereferenciamento, concretizando assim, o difícil princípio da integralidade.Dentro desse território integral de saúde será possível efetivar o princípio daindissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, tão caro à universidade -e aí será possível a cada um dos integrantes visualizar a complexidade e seorgulhar do significado da atenção básica bem estruturada. Mas não se trata

apenas de ganhar - a residência terá também um papel estruturante nesse projetoe sua inserção acarretará novas possibilidades, novas práticas e envolverá novosatores no processo. Sobretudo na articulação entre os diferentes níveis decomplexidade, a residência será a protagonista, visto ser ela a única a terorientação predominante na atenção básica, conhecendo de perto pois as suasvirtudes e necessidades, canalizando-as, direcionando-as, racionalizando-as,enfim, dando corpo a uma das mais importantes funções da atenção básica, asaber, a coordenação de todo o sistema de saúde. (STARFIELD, 2002). Também

oportunizará a educação permanente dos profissionais do serviço pelocompartilhamento de todas atividades docentes e por programações específicasque se fizerem necessárias para o exercício da preceptoria. No presentemomento, os residentes já estão atuando no Hospital de Venda Nova e a partirde fevereiro de 2007 passam a atuar ai de forma integral.

  A proposta, contudo, de atuar no Projeto Venda Nova, não significaabandonar o Município de Brumadinho, ao contrário, pretende-se integrar osdois territórios para oferecer aos residentes diferentes cenários de atuação epara transformar em fortalezas as fragilidades de cada um, de um lado, a

distância e o deslocamento ficam relativizados pela divisão do tempo entreBrumadinho e Venda Nova, de outro as questões mais indevassáveis da grandemetrópole ficam suavizadas pela experiência com vida calma e cooperativa dazona rural, quem sabe a ensinar e espalhar um novo modo de vida e de interação.E não se esgota aí o campo de atuação da residência. Outros municípios queporventura se disponham a desenvolver propostas de atenção integral de saúde,em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais, poderão se integrarao trabalho. Da mesma forma que em Belo Horizonte, espera-se a participação

do Estado de Minas Gerais. Por certo, as perspectivas são boas e o desenhopode ser mágico.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 226/414

226

Referências Bibliográficas

 ANDRADE, G. R. B.; VAITSMAN, J. Apoio social e redes: conectandosolidariedade e saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p.

925-934, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual para organização da atenção básica.Brasília, 1999. Disponível em: <http://www.saúde.gov.br>.

______. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família – PSF . Brasília,1996.

BREILH, J. Derrota del conocimento por la información: una reflexión

necesaria para pensar en el desarrollo humano y l calidad de vida desde unaperspectiva emancipadora. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n.1, p. 39-51, 2000.

CAMPOS, C. R. et al. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte –reescrevendo o público. São Paulo: Xamã Editora, 1998. p. 103-120.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. Mudança na graduação dasprofissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cadernos de Saúde Pública,Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1400-1410, set./out. 2004.

FAGUNDES, N. C.; BURNHAM, T. F. Discutindo a relação entre espaço eaprendizagem na formação de profissionais de saúde. Interface, Botucatu, v.9, n. 16, Sept./Feb. 2005.

FERRER, R. L.; HMBIDGE, S. J.; MALY, R. C. The essencial role of generalists in health care systems. Anals of Internal Mdicina, [S.l.], v. 142, n.

8, p. 691-699, Apr. 2005.

GERSCHMANN, S. A democracia inconclusa: um estudo da reformasanitária brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004. 270 p.

GOULART, F. A. A. Experiências em saúde da família: cada caso é um caso?2002. Tese (Doutorado)–Escola Nacional de Saúde Pública, FundaçãoOswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2002. Cap. 3, p. 49-90.

GRUMBACH, K.; BODENHEIMER, T. Can health care teams improveprimary care practice? JAMA, Chicago, v. 291, n. 10, p. 1246-1251, Mar.2004.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 227/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

227

MELO, E. M. Ação comunicativa, democracia e saúde. Ciência e SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 10, p. 167-178, 2005.

______. Fundamentos para uma proposta democrática de saúde: a teoria da

ação comunicativa de habermas. 1999. 260 f. Tese (Doutorado em MedicinaSocial)–Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de SãoPaulo, São Paulo, 1999.

MERHY, E. E. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde – umadiscussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhara assistência. In: REIS, A. T. et al. (Org.). Sistema Único de Saúde em Belo

 Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo: Xamã, 1998. p. 103-120.

MESQUITA, R. A. Norma e formação: horizontes filosóficos para aspráticas de avaliação no contexto da promoção de saúde. Ciência e SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 583-592, 2004.

NORONHA FILHO, G. et al. Formação médica e integração de atividadesdocentes e assistenciais. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 29, n. 3, June 1995.

PAIM, J. Falta título. In: ROUQUAYROL, M. Z.; ALMEIDA FILHO, N.

 Epidemiologia e saúde. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 1999.

PEDUZZI, M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia.  Rev.Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 1, Feb. 2001.

PIERANTONI, Celia Regina. As reformas do Estado, da saúde e recursoshumanos: limites e possibilidades. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro,v. 6, n. 2, 2001.

SALTMANN, R. B. Patient Empowerment in Northern European HealthSystems: a Conceptual Framework. International Journal of Health Services,[S.l.], v. 24, n. 2, p. 201-229, 1994.

SAUPE, R. et al. Competência dos profissionais da saúde para o trabalhointerdisciplinar. Interface, Botucatu, v. 9, n. 18, Sept./Dec. 2005.

SCHWARTZ, M. D. Rekindling the Student Interest in Generalist Careers.

 Annals of Internal Medicine, [S.l.], v. 142, n. 8, p. 715-724, 2005.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 228/414

228

SILVA JÚNIOR, A. G.; MASCARENHAS, M. T. M. Avaliação da atençãobásica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais emetodológicos. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Cuidado: asfronteiras da integralidade. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: ABRASCO,

2004.

SPERANDIO, A. M. G. et al. Caminho para a construção coletivadeambientes saudáveis – São Paulo, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de

 Janeiro, v. 9, n. 3, p. 643-654, 2004.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúdeserviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, 2002. 725p.

WETSPHAL, M. F. O movimento cidades/municípios saudáveis: umcompromisso com a qualidade de vida. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de

 Janeiro, v. 5, n. 1, p. 39-51, 2000.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 229/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

229

Movimentos, encontros e desencontros da produção daresidência multiprofissional em Saúde Família

Brígida Gimenez Carvalho*

Josiane Vivian Camargo de Lima*

Rossana Staevie Baduy*

Resumo: Este artigo descreve o processo de construção da residênciamultiprofissional de saúde, desde os primeiros contatos entre a academia eo serviço municipal de saúde, a elaboração do projeto, a construção dosdesempenhos e competências do residente, considerando as atividades decada núcleo profissional e do campo da saúde. A formação dos tutores epreceptores está em desenvolvimento desde a elaboração do projeto e dos

desempenhos e competências do residente. Este processo se caracterizou,desde o início, pela multiprofissionalidade, interdisciplinaridade e tambéminterinstitucionalidade. Traduzido na prática pela participação dos docentese dos profissionais do serviço das diversas categorias que integraram aresidência multiprofissional, tendo como eixos estruturantes da formaçãodos residentes a aprendizagem no trabalho, as necessidades de saúde e aintegralidade. A inserção dos residentes no serviço de saúde deverá ser efetiva,potencializando o vínculo e o compromisso com pacientes, famílias e

comunidade.Palavras-chave: Residência Multiprofissional em Saúde, Trabalho em Equipe,Integralidade.

* Enfermeiras, mestres em Saúde Coletiva, docentes do Departamento de Saúde Coletiva da UEL. E-mail:[email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 230/414

230

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 231/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

231

1 - O Processo de construção da Residência Multiprofissional em Saúde

O modelo de atenção em saúde é um debate em pauta já há um tempo noPaís, principalmente a partir da década de 70 e trazido mais recentemente pelo

Programa de Saúde da Família, que coloca a questão do trabalho em equipesmultiprofissionais, como um dos elementos chave para o desenvolvimento demodelo coerente com os propósitos do SUS. Esse debate aponta que atransformação do modo de fazer saúde dar-se-á quando a prática no dia-a-diados profissionais estiver redirecionada ao atendimento das necessidades desaúde, buscando a atenção integral e de qualidade, a resolutividade e ofortalecimento da autonomia das pessoas no cuidado.

 A transformação do modelo hegemônico das práticas de atenção à saúde,

centradas na doença e na execução de procedimentos, para um modeloentendido a partir das diretrizes do acolhimento, vínculo, responsabilizaçãopassa pela formação de uma nova consciência sanitária com adesão dostrabalhadores, isto é uma nova subjetividade entre os trabalhadores, que perpassa

 seu arsenal técnico utilizado na produção da saúde (FRANCO e MERHY, 2003).Neste sentido, a construção de novas formas de atenção à saúde nos traz, entreoutras questões, demandas claras de qualificação e requalificação da força detrabalho.

 A proposta da Residência Multiprofissional em Saúde da Família (RMSF)surgiu em Londrina, a partir de uma demanda do serviço municipal de saúdeno sentido de promover uma maior qualificação das equipes que atuam naatenção básica do município, em meados de 2005. O município havia implantadoa Estratégia de Saúde da Família (ESF) há mais de quatro anos e contava naquelemomento com 102 equipes, que ampliaram significativamente o acesso dapopulação a atenção à saúde, porém com poucas transformações nas práticasassistenciais.

Esta demanda foi apresentada ao Departamento de Saúde Coletiva(DESC) da Universidade Estadual de Londrina (UEL) visando, por meio deuma parceria entre as duas instituições, à criação da RMSF. A perspectiva erade que a inserção dos residentes nas equipes propiciasse uma maior reflexãodas práticas e que fosse superado um dos grandes desafios que se coloca paraas equipes de Saúde da Família, a compreensão e a atuação para além de umtrabalho técnico hierarquizado, que incorporasse no seu cotidiano a interaçãosocial entre os trabalhadores, com maior horizontalidade e flexibilidade dos

diferentes poderes, possibilitando maior autonomia e criatividade dos agentese maior integração da equipe (ALMEIDA e MISHIMA, 2001).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 232/414

232

Pensar na possibilidade de formação em serviço dos profissionais de saúde,integração ensino-serviço-gestão, de modo a buscar a integralidade da atençãoa saúde é um desafio, considerando duas questões, o contexto de serviços desaúde centrados em procedimentos médicos e a necessidade de articulação

dos processos educacional e de produção de serviços em saúde.Neste sentido, o de encarar o desafio, ficou claro, que esta construção

desde o início deveria caracterizar-se pela criação de espaços de conversa entreas categorias profissionais propostas e entre os indivíduos das duas instituiçõesenvolvidas, a universidade e o serviço municipal de saúde, buscando em todosos momentos do processo refletir sobre o perfil de competências profissionaispara incluir práticas humanizadas e de atenção integral à saúde (CECCIM eFEUERWERKER, 2004).

O diálogo precocemente desencadeado tinha o objetivo de andar porestes distintos processos, buscando compreender os encontros e desencontrosentre os elementos do processo educativo e do processo produtivo na saúderesultantes da interação entre sujeitos, instituições, organizações com seusinteresses e subjetividades. Desta forma, contrapor concepções lineares eprescritivas que compreendem “o processo educacional como aquele que deveproduzir o saber pronto e acabado e o da produção de serviços de saúde comoo processo do fazer - que se instala, automática e indefinidamente, comoconseqüência do saber” (SANTANA e CRISTÓFARO, 2001). Nem tampouco,era pressuposto deste coletivo desconsiderar as especificidades e apropriaçõesde cada um destes processos, o educacional e o de produção de serviços desaúde, mas sim de articular a educação dos profissionais e a capacidaderesolutiva dos serviços de saúde.

Portanto, a produção de um espaço onde os diferentes valores, saberes epráticas pudessem constituir o diálogo foi o fio condutor do processo, não no

sentido de criar homogeneidades, mas apostar na diversidade, nahorizontalidade dos diferentes poderes presentes, possibilitando a criatividadee autonomia necessária à integração entre o novo conjunto de atores agora emcena.

Oficina de trabalho foi a tecnologia utilizada para a construção do perfilesperado do profissional de saúde, as competências dos profissionais, doresidente, tutor e preceptor. As oficinas de trabalho estão sendo utilizadas porpropiciarem um espaço de reflexão, possibilitando uma revisita às práticas

educativas e assistenciais, a partir de uma participação ativa dos presentes.Para Chiesa (1994), a oficina permite uma articulação entre o específico das

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 233/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

233

vivências individuais e o geral decorrente da inserção social dos participantes,bem como a articulação entre o particular e o geral, entre a subjetividade e aobjetividade.

Em um primeiro encontro foram trabalhadas, por meio de uma atividadelúdica, as impressão e subjetividade, que cada categoria profissional tinha sobrea outra, onde foram discutidos os pré-conceitos existentes. É importanteressaltar que houve a participação efetiva de profissionais médicos do serviçomunicipal de saúde e da academia em todos os momentos embora a categoriamédica não faça parte da residência multiprofissional, optou-se pela inserçãodevido a sua importância no processo de trabalho em saúde.

Foi debatido como seria em termos quantitativos e qualitativos a relaçãotutor/residente, residente/residente, residente/equipe de saúde, preceptor/residente, preceptor/tutor/residente, tutor/residente/preceptor e o campo deestágio. Momento de muitos encontros e desencontros, quando foi instaladona maioria dos participantes, muitas dúvidas tais como: como será o cotidianodo residente? O que eles irão fazer? A residência será fora do hospital? Comoarticular as ações de cada profissional? Em qual espaço os residentes atuarão?

Foram ofertados alguns textos para auxiliar na reflexão/criaçãodesencadeada, textos que abordavam aspectos educacionais, de aprendizagem,

de trabalho em saúde, equipe multiprofissional, entre outros. O grupo detrabalho, agora já se reconhecendo como tal, optou por utilizar para aorganização e detalhamento das competências e desempenhos dos profissionaisa discussão que Campos (1997) faz sobre campo de competência e deresponsabilidade e de núcleo de competência e responsabilidade. Entendendo-se por campo “os saberes e responsabilidades comuns ou confluentes a váriosprofissionais ou especialidades” e por núcleo “o conjunto de saberes eresponsabilidades específicos a cada profissional” (CAMPOS, 1997, p. 248-9).

Peduzzi (2000), Almeida et al. (2001), Feuerwerker (2005) e Merhy (1997)foram outros autores que colaboraram na compreensão do coletivo envolvidono processo sobre o modelo de atenção, o trabalho em saúde e o trabalho emequipe multiprofissional.

 Afinal que grupo de trabalho é este? Qual a sua composição? A partir dadefinição das categorias profissionais que estariam presentes na residência eda definição dos campos de estágio dos residentes foram convidados os sujeitosque a produziriam. Isto é, os potenciais preceptores, tutores e coordenadores

das diversas áreas envolvidas, por exemplo: psicólogos do serviço municipalde saúde e docentes do curso de psicologia da UEL. Em relação aos docentes,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 234/414

234

primeiramente, realizou-se um convite aberto às diversas disciplinas quepotencialmente teriam interesse, e no decorrer do processo de construção dascompetências é que foram sendo definidas efetivamente as áreas deconhecimento de cada categoria que iriam compor este grupo de trabalho.

Em determinado momento foram formados grupos de trabalho porcategoria profissional, aproximando os docentes e os profissionais do serviço,para compartilhar, misturar, partilhar saberes e experiências procedentes dosdistintos processos de trabalho presentes.

 A seguir estão expostos alguns produtos deste processo, embora asoficinas continuem agora para aprofundamento das concepções de saúde ecuidado, das opções pedagógicas adotadas e detalhamento operacional daresidência.

2 - O Projeto da Residência Multiprofissional

O projeto da RMSF visa à formação de profissionais de saúde comcompetências na área de gestão e de atenção à saúde no Sistema Único deSaúde, composto por um projeto acadêmico cooperado entre ensino, serviço egestão do SUS local.

O objetivo da residência é promover o desenvolvimento dos profissionaisde saúde, enfermeiros, fisioterapeutas, odontólogos, farmacêutico-bioquímico,nutricionistas, assistentes sociais, psicólogos e profissionais de educação física,para atuar na atenção básica no cuidado integral à saúde das pessoas, das famíliase de comunidades e na gestão/organização do trabalho, com enfoquemultiprofissional fortalecendo o desenvolvimento do trabalho em equipe demaneira interdisciplinar, visando à melhoria da saúde e da qualidade de vida.

2.1 A metodologia proposta

 A especialização multiprofissional em saúde da família – modalidaderesidência – será desenvolvida tendo como eixos estruturantes da formaçãodos residentes a aprendizagem no trabalho, as necessidades de saúde e aintegralidade. A inserção dos residentes no serviço de saúde deverá ser efetiva,potencializando o vínculo e o compromisso com pacientes, famílias ecomunidade.

Em decorrência destes pressupostos é que as necessidades de saúde e osproblemas de saúde mais freqüentes da região, o cuidado com base em

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 235/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

235

tecnologias relacionais e o gerenciamento destes, tanto no aspecto individualcomo coletivo, são os norteadores do conteúdo curricular proposto.

  A residência fundamenta-se na aprendizagem baseada na práticaprofissional, na educação de adultos e, portanto, na aprendizagem significativa.Ou seja, as atividades práticas orientam as atividades de teorização e reflexãocrítica, propiciando à identificação das necessidades de aprendizagem de cadaresidente, a busca de informações, a identificação das melhores evidências paraa investigação e o plano de cuidado e a imediata aplicação do conhecimentovisando à transformação da prática e a saúde das pessoas.

 As tardes temáticas farão parte da programação semanal dos residentes.Durante estes períodos serão desenvolvidas reflexões teóricas sob aresponsabilidade de docentes da UEL, serão interdisciplinares emultiprofissionais e abordarão os seguintes temas: processo saúde doença e apolíticas públicas, gestão da rede de cuidados em saúde, produção esistematização do conhecimento em saúde.

Nas tardes temáticas serão utilizados relatos da prática profissional dosresidentes e também situações problema, elaboradas previamente pelosdocentes e profissionais do serviço municipal de saúde, que serão discutidasem grupo. Assim, a relação entre a teoria e a prática deverá ser buscada nas

vivências de cada residente e no conhecimento prévio acumulado para aconstrução das competências propostas. Cada grupo conta com um preceptorcujo papel é o de facilitador do processo de aprendizagem. O tutor tambémpoderá participar desta atividade.

O grupo também se constitui numa oportunidade para o exercício dotrabalho em equipe, da comunicação, avaliação, responsabilidade, autonomia,para o intercâmbio de experiências e estímulo à aquisição de conhecimento. Opreceptor, nessa situação, poderá ser um especialista da área focalizada pela

situação problema ou relato de prática em estudo.O residente deve ter um papel ativo tanto nas atividades educacionais

como de cuidado à saúde das pessoas e famílias.

  As atividades práticas serão compostas por Atividades em EquipeMultiprofissional (AEM) e em Atividades Profissionais Específicas (APE). Istoé, nem todas as atividades propostas serão realizadas de maneira interdisciplinare multiprofissional, pois em situações reais da prática em serviços de saúdeaparecem problemas que necessitam do cuidado específico de uma determinada

categoria profissional e/ou de um cuidado com uma abordagem interdisciplinare multiprofissional.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 236/414

236

Os residentes realizarão a prática profissional (AEM e APE) sob asupervisão e orientação de preceptores e tutores dos serviços de saúdeconsiderando o Cuidado Integral ao Indivíduo, à Família e à Comunidade, naperspectiva interdisciplinar e multiprofissional. A carga horária destinada a

estas atividades compreende também momentos de discussões Clínicas, quecorrespondem a reflexões teóricas acerca do ciclo de vida e do trabalhodesenvolvido nos serviços, com base nas competências e desempenhos dosresidentes, com a participação do preceptor e/ou tutor, favorecendo assim aaprendizagem no trabalho.

Nas atividades onde desenvolverão a prática profissional, o residenteserá responsável pela identificação de necessidades de saúde individuais ecoletivas e da elaboração e execução de planos de cuidado para os problemas

identificados. As necessidades de aprendizagem de cada residente serão, assim,identificadas individualmente, uma vez que, tanto nos estágios como nos grupos,os residentes terão acompanhamento, possibilitando que essas necessidadessejam reveladas e/ou percebidas. A preocupação com a singularidade daaprendizagem, segundo as necessidades particulares de cada residente,caracteriza a abordagem pedagógica a ser utilizada, centrada no residente.

 A residência contará com 80% de sua carga horária realizada em unidadesde saúde da família, como também em unidades de internação domiciliar, emunidades de atendimento de urgência e emergência, ambulatórios deespecialidades, pronto atendimento, maternidades, hospitais regionais, centrosde apoio psicológico, além das instituições asilares, escolas, creches, centroscomunitários e associações de bairros.

Os preceptores serão responsáveis juntamente com os tutores pelaavaliação da prática profissional dos residentes durante sua formação. Estaavaliação será realizada nas unidades de saúde onde os residentes estiverem

exercendo sua prática profissional. A RMSF terá como protagonistas os residentes, os profissionais dosserviços de saúde, os usuários, os preceptores e tutores que atuarão em processoe na construção das competências esperadas para os residentes. A seguirestão detalhadas a prática destes protagonistas.

Os residentes deverão desempenhar papel complementar naresponsabilidade assistencial dos serviços de saúde onde estiver inserido, oque os diferenciará das equipes fixas de saúde a quem cabe a responsabilidade

assistencial direta, sendo garantido aos primeiros a participação em todas asatividades programadas de campo e núcleo de atuação, conforme previsto neste

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 237/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

237

projeto. Aos residentes serão asseguradas: remuneração, participação ematividades científicas (pesquisa, ensino e extensão) e certificação em áreaprofissional da saúde.

Caberá também aos residentes a participação como colaborador no

desenvolvimento de aulas práticas da graduação, particularmente nos módulosde Práticas Interdisciplinares e Multiprofissionais (PIM) dos cursos degraduação em medicina e enfermagem, e no internato de enfermagem,desenvolvidas em unidades de saúde da família onde os residentes atuam.

Os preceptores serão os docentes, da UEL, responsáveis pelas atividadesde formação teórica e prática dos residentes e aquele a quem competirá articularas estratégias da prática, da reflexão teórica, do embasamento e doaprofundamento conceitual a respeito das atividades e ações de aprendizagem.

Considerando que a aprendizagem será composta por Atividades emEquipe Multiprofissional (AEM) e em Atividades Profissionais Específicas(APE), necessariamente também existirão preceptores de cada categoriaprofissional envolvidos nesta residência multiprofissional.

O acompanhamento e supervisão do trabalho prático dos residentes emcada cenário de prática serão realizados por  tutores de campo  do serviçomunicipal de saúde, que serão a referência para o residente na prática. Estes

deverão trabalhar diariamente na unidade de aprendizagem em serviço (campode práticas), pertencendo à equipe local de assistência à saúde e serãoresponsáveis por promover a integração entre os diferentes residentes, destescom a equipe de saúde local e com a população usuária de cada Unidade de

 Aprendizagem em Serviço. Caberá a eles a articulação dos recursos de ensinoem serviço, sendo, por isso, referência para o residente na perspectiva do campode saberes e práticas de saúde. Estes tutores não deverão ser, necessariamente,da mesma categoria profissional do residente.

 Além deste tutor os residentes serão acompanhados pelos tutores denúcleo, que serão os profissionais responsáveis pela orientação técnico-profissional, sendo referência no âmbito de cada profissão, instrumentando-ono núcleo de conhecimento necessário ao exercício da sua prática profissionalespecífica.

Os tutores de campo do serviço municipal de saúde passarão por umprocesso de formação para tutoria, onde serão abordados o papel dos diferentesatores envolvidos na Residência Multiprofissional, com ênfase no papel de

tutor, a metodologia utilizada e os conceitos estruturantes.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 238/414

238

 A Figura 2 apresenta uma sistematização das estratégias de aprendizagem,cenários, atividades e protagonistas presentes na RMSF.

Figura 2 - Sistematização das estratégias de aprendizagem da RMSF, Londrina, 2006

ESTRATÉGIASDE APRENDIZAGEM

Práticas no território da USF

Práticas na rede de cuidados desaúde de Londrina

Momentos de discussõesclínicas

Tardes temáticas*

Estudo auto dirigido

Avaliação da prática na

residência

ATIVIDADES

AM*APE*AMAPE

AMAPE

AMAPE

AM/APE

AM/APE

AM

APE

PROTAGONISTAS

Residentes, tutores,preceptores,usuários e equipe de saúde.

Residentes, tutores de plantão,preceptores, usuários e equipe

de saúde.

Residentes, tutores epreceptores.

Residentes, tutores epreceptores

Residentes

Residentes, tutores,

Preceptores, usuários e equipede saúde

CENÁRIOSDE APREENDIZAGEM

Território: USF, domicílio,escolas, creches, asilos,centroscomunitários e associações.

Serviços de urgência eemergência, de especialidades,

maternidades, hospitaisregionais e HU/HC, centros de

apoio psicológico.Território/USF

Centros de estudos da UELOutros

Centros de estudos da UEL.

Livre

Território/USF

Notas:AM: Atividades Multiprofissionais.APE: Atividades Profissionais Específicas.HU: Hospital Universitário.HC: Hospital de Clínicas.*Os temas propostos para serem discutidos nas tardes temáticas são os seguintes: processo saúde doença ea políticas públicas, gestão da rede de cuidados em saúde, produção e sistematização do conhecimento emsaúde.

2.2 A avaliação

 A avaliação será considerada uma estratégia de aprendizagem, terá caráterformativo, oferecendo  feedback constante dos tutores e preceptores para oresidente, a auto-avaliação do residente quanto ao seu envolvimento com aequipe multiprofissional, envolvimento com os trabalhos, característicaspessoais que favoreçam o bom desempenho profissional, entre outros aspectos,possibilitando assim o seu crescimento e desenvolvimento ao longo do processo.

  A avaliação da prática profissional tem caráter formativo e serádesenvolvida, contínua e periodicamente, pelo preceptor em conjunto com os

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 239/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

239

tutores que acompanham os residentes no cotidiano. A equipe de coordenaçãocomposta por membros das instituições envolvidas, também participará destaavaliação, em momentos oportunos, com objetivo de avaliar o desenvolvimentodas competências previstas, desta forma possibilitando identificar falhas e buscar

soluções oportunas ainda durante o processo. A avaliação formativa é uma oportunidade de feedback tanto para o

preceptor/coordenador, preceptor e tutor como para o residente, objetivandoo crescimento de ambos e conseqüentemente do grupo.

2.3 Os desempenhos do residente

  A seguir estão descritos os desempenhos que foram construídos

coletivamente, primeiramente por todo o grupo de trabalho para elaboraçãodos desempenhos de campo e posteriormente por grupos de trabalho porcategoria profissional, para elaboração dos desempenhos de núcleo profissionalcontando com a participação de profissionais do serviço e da universidade. Oconteúdo dos desempenhos possui uma linguagem peculiar de cada profissão,visto não ter sido realizado trabalho de homogeneização de linguagem.

2.3.1 Desempenhos de Campo

a) Na Gestão· Compreende as especificidades do processo de trabalho em saúde e

sua organização.· Compreende a organização e funcionamento da rede progressiva de

cuidados de saúde e atua nessa rede visando à integralidade eresolutividade.

· Responsabiliza-se para com a população adscrita, analisando adinâmica das relações sociais, econômicas, culturais que se

estabelecem no território.· Utiliza-se das informações demográficas e epidemiológicas para

subsidiar a prática cotidiana.· Elabora, com a participação da comunidade, um plano local

(contemplando o planejamento, a execução e a avaliação das ações)para o enfrentamento dos problemas de saúde e fatores que colocamem risco a saúde.

· Incentiva a formação e/ou a participação ativa nos Conselhos Locaise Municipal de Saúde.

· Cria estratégias comuns para abordagem dos problemas vinculados àsaúde, para a construção de Projetos Terapêuticos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 240/414

240

· Realiza educação permanente a partir de discussão de casos clínicoscom equipe multiprofissional.

· Participa de ações de Articulação Intersetorial, por meio de parceriascom a comunidade, conselhos, secretarias municipais, outros serviços

da secretaria de saúde (hospitais, rede de saúde), para o enfretamentoconjunto dos problemas identificados.· Participa da formação de pessoal auxiliar, voluntário e estudantes,

com vistas a prepará-los a identificar e utilizar, de forma efetiva, seusrecursos pessoais como instrumentos de compreensão dos principaisproblemas biológicos, mentais e sociais que incidam nos indivíduos,suas famílias e comunidades.

· Util iza-se da estratégia da educação permanente para odesenvolvimento das ações em saúde.

· Avalia constantemente as ações propostas, desenvolvimento e osresultados das ações.

· Participa da elaboração e produção de novos saberes e tecnologiasem saúde.

b) No Cuidado

· Desenvolve ações de cuidado integral ao individuo, em todo seu ciclode vida, a família e a comunidade, considerando a subjetividade e adimensão social do humano.

· Cuida do indivíduo considerando-o sujeito do processo de promoção,manutenção e recuperação de sua saúde, fortalecendo sua autonomiae promovendo o auto cuidado, visualizando-o como agente co-responsável pelo processo de equilíbrio entre a relação saúde-doença.

· Desenvolve processos educativos por meio da formação de grupos,voltados à recuperação da auto-estima, troca de experiências, apoiomútuo e melhoria do autocuidado.

· Atua em equipe multiprofissional de forma transdisciplinar (trabalhocoletivo que compartilha a construção de teorias, conceitos eabordagens para tratar problemas comuns).

· Realiza atenção domiciliar.· Executa de acordo com a qualificação de cada profissional, os

procedimentos de vigilância epidemiológica, nas diferentes fases dociclo de vida.

· Atua no controle de doenças transmissíveis, das crônico-degenerativase relacionadas ao trabalho e ao meio ambiente.

· Compreende a importância da participação da comunidade nocotidiano da USF e desenvolve, junto a ela e às equipes, ações que

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 241/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

241

promovam discussões a cerca dos conceitos de cidadania, direitos àsaúde e suas bases legais.

2.3.2 Desempenhos de Núcleo

2.3.2.1 Enfermeiro

a) Na Gestão

· Planeja, gerencia, coordena, executa e avalia o cuidado desenvolvidopela equipe de enfermagem na USF e no domicílio.

· Planeja, organiza e executa ações programáticas de saúde a gruposconsiderados prioritários como: crianças, gestantes, asmáticos,

hipertensos, diabéticos, saúde mental, considerando os princípios doacolhimento solidário.

· Supervisiona e coordenar ações para capacitação dos AgentesComunitários de Saúde, de técnicos e auxiliares de enfermagem,com vistas ao desempenho de suas funções.

· Organiza as rotinas de trabalho em nível da USF e da comunidade.· Analisa o processo de trabalho da USF e propõe formas de aprimorá-

lo para o alcance da integralidade da atenção.

b) No Cuidado

· Executa as ações de cuidado integral em todas as fases do ciclo devida: criança, adolescente, mulher, adulto, e idoso.

· Executa as ações de cuidado integral às doenças transmissíveis, àsdoenças crônico-degenerativas e às doenças relacionadas ao trabalhoe ao meio ambiente.

· Realiza consulta de enfermagem, solicitar exames complementares,

prescrever e transcrever medicações, conforme protocolosestabelecidos nos programas do Ministério da Saúde, nos protocolosdo município e as disposições legais da profissão.

· Executam cuidados de enfermagem na atenção básica e realizar açõesde vigilância epidemiológica e sanitária.

· Realiza cuidados diretos de enfermagem nas urgências e emergênciasclínicas, fazendo a indicação para a continuidade da assistênciaprestada.

· Desenvolve atividades de educação em saúde, organizando ecoordenando grupos específicos para promoção da autonomia e doautocuidado do usuário.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 242/414

242

2.3.2.2 Cirurgião Dentista

a) Na Gestão

· Propõe planos alternativos de tratamento, de acordo com a condiçãosocioeconômica do usuário e características de locorregião.· Realiza levantamento epidemiológico em saúde bucal.· Planeja as ações de saúde bucal com base nas necessidades de saúde

do território.· Capacita os demais profissionais da equipe multiprofissional.

b) No Cuidado

· Realiza diagnóstico e tratamento das patologias bucais.· Desenvolve trabalhos educativo e preventivo dentro da área de

competência.· Executa as ações de assistência integral, aliando a atuação clínica à

de saúde coletiva, assistindo à família, aos indivíduos ou gruposespecíficos, de acordo com o planejamento local.

· Prescreve medicamentos para patologias bucais e outras orientaçõesna conformidade dos diagnósticos efetuados.

· Faz encaminhamentos que definem casos para referência a outrosníveis de assistência assegurando seu acompanhamento.

2.3.2.3 Fisioterapeuta

a) Na Gestão

· Propõe planos alternativos de tratamento, de acordo com a condiçãosocioeconômica do usuário e características de locorregião.

· Planeja as ações de fisioterapia com base nas necessidades de saúde

do território.· Planeja e administra serviços públicos de saúde (função de gerência).· Capacita os demais profissionais da equipe multiprofissional.

b) No Cuidado

· Desenvolve ações educativas na unidade e na comunidade.· Realiza ações de promoção de saúde e prevenção de doenças.

· Presta assistência curativa e reabilitadora, na unidade e nos domicíliospara crianças e adultos, nas áreas de: neurologia, ortopedia, patologiascardio-respiratórias, patologias circulatórias, ginecologia e obstetrícia.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 243/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

243

· Encaminham pacientes a serviços de maior complexidade (fasereabilitadora).

2.3.2.4 Assistente Social

a) Na Gestão

· Conhece e socializa as informações sobre políticas e programassociais, para subsidiar a equipe no planejamento das ações para oatendimento à população.

· Colabora com o processo de mapeamento do território, e olevantamento dos equipamentos sociais existentes no município.

· Identifica redes de apoio e serviços governamentais e não-governamentais (creches, Centro Regional de Assistência Social

(CRAS), escolas, projetos direcionados a segmentos específicos dapopulação em situação de risco ou não, entidades religiosas, entreoutros) visando uma maior efetividade do atendimento realizado pelaequipe.

· Realiza com a equipe o estudo e a identificação dos casos quenecessitam ser encaminhados à rede de apoio e/ou serviços.

· Contribui com a equipe de modo a esclarecer as demandas sociaisexistentes no território, considerando os aspectos sociais, culturais,ambientais, econômicos, expressas no âmbito individual e familiar.

· Colabora com a equipe na construção de estratégias no processo dehumanização do atendimento e acolhimento do usuário.

· Contribui com a equipe multidisciplinar na configuração e análise dodiagnóstico epidemiológico identificando os fatores desencadeadoresde situação de vulnerabilidade social.

· Participam dos espaços governamentais e não-governamentais,conselhos de direitos e de políticas setoriais, visando à promoção daintersetorialidade das políticas e programas sociais voltados para o

 Atendimento das necessidades da população.

b) No Cuidado

· Discuti e orienta os indivíduos, famílias e grupos quanto aos direitossociais, mobilizando-os para o exercício da cidadania e a busca daautonomia.

· Estimula a comunidade local a participar nas discussões referentes àsaúde, promovendo sua co-responsabilidade e co-gestão (Conselhos

Locais de Saúde).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 244/414

244

2.3.2.5 Psicólogo

a) Na Gestão

· Identifica os aspectos psicossociais envolvidos no processo saúde/doença.

· Promove reflexão e discussão sobre a organização do trabalho naEstratégia Saúde Família.

· Promove e participa de discussões de casos identificados pelas equipesda atenção básica, que necessitem de uma ampliação da clínica emrelação às questões subjetivas.

· Cria estratégias comuns para abordagem de problemas vinculados àviolência, abuso de álcool e outras drogas, estratégias de redução dedanos nas populações de maior vulnerabilidade e nas populações em

geral.· Reflete em conjunto com a equipe sobre práticas que levem àpsiquiatrização e medicalização de situações individuais e sociais,comuns à vida cotidiana.

· Fomenta ações que visam à difusão de uma cultura de assistência nãomanicomial, diminuindo o preconceito e a segregação com a loucura.

· Desenvolve ações de mobilização de recursos comunitários, buscandoconstruir espaços de reabilitação psicossocial na comunidade, comooficinas comunitárias, destacando a relevância da articulaçãointersetorial (conselhos tutelares, associações de bairro, grupos deauto–ajuda, entre outros).

· Prioriza abordagens coletivas e de grupos como estratégias para aatenção em saúde mental, que podem ser desenvolvidas nas Unidadesde Saúde, bem como na comunidade.

· Promove a inclusão de informações de saúde mental na atenção básica,para a construção e análise do perfil epidemiológico baseado noconceito de território, para orientar as ações de saúde mental na

atenção básica e evitar a exclusão dos cuidados desta demanda e seuencaminhamento para a institucionalização.

b) No Cuidado

· Elabora diagnóstico e projeto terapêutico.· Compreende, acolhe e resignifica as necessidades (queixas) dos

usuários a partir de processos psicoterapêuticos, psicológicos/psicossociais e das interações, com os usuários e com os demais

profissionais que atuam na Estratégia Saúde da Família (ESF).· Realiza atendimento conjunto e atendimento específico aos casos de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 245/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

245

transtornos mentais severos e persistentes, uso abusivo do álcool eoutras drogas, pacientes egressos de internações psiquiátricas,pacientes atendidos nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS),tentativas de suicídio, vítimas de violência doméstica intradomiciliar.

· Adota a estratégia de redução de danos nos grupos de maiorvulnerabilidade, no manejo de situações envolvendo consumo de álcoole outras drogas, realizando trabalho integrado como os agentesredutores de danos.

· Trabalha o vínculo com as famílias, tomando–a como parceria notratamento e busca constituir redes de apoio e integração.

· Desenvolve ações psicoeducacionais na comunidade.

2.3.2.6 Educação Físicaa) Na Gestão

· Planeja, acompanha e avalia os programas de atividades físicas juntoaos grupos específicos.

· Desenvolve ações de educação permanente para os demaisprofissionais da equipe multiprofissional sobre atividade física e saúde.

b) No cuidado

· Atua na conservação e promoção de saúde, realizando trabalhoeducativo junto a grupos existentes na comunidade e divulgando àpopulação sobre a prática de atividade física em níveis desejáveis enecessários.

· Desenvolve atividades de educação em saúde, considerando os aspectosdidático e pedagógico e utilizando técnicas para mudança de atitudefrente o sedentarismo.

· Atua nas escolas e grupos de adolescentes desenvolvendo

comportamento para saúde.· Atua na prevenção e controle de doenças.· Desenvolve programa de exercícios associados à patologia junto a

diabéticos, obesos, hipertensos, idosos doentes, entre outros.

2.3.2.7 Farmacêutico

a) Na Gestão

· Planeja o acesso da população adscrita aos medicamentos essenciais.

· Promove o uso racional de medicamentos com base na populaçãoadscrita e nos medicamentos essenciais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 246/414

246

· Estimula o intercâmbio das ESF com parceiros institucionais e não–institucionais.

· Assessora a definição de processos terapêuticos medicamentosos.· Realiza a gestão do ciclo de assistência farmacêutica.

· Desenvolve ações de educação permanente à equipe de saúde naatenção farmacêutica.

· Coordena e monitora a atenção farmacêutica contemplando anotificação de intoxicação medicamentosa e implantação da fármaco-vigilância.

b) No Cuidado

· Apóia as equipes na atenção farmacêutica.

· Identifica sinais e sintomas das intoxicações acidentais e intencionaismais comuns na área da abrangência.

· Encaminha para realização de exames laboratoriais de rotina nas áreasde bioquímica, hematologia, imunologia, parasitologia; microbiologia,citologia clínica e análises toxicológicas.

· Auxilia na interpretação e na correlação clínico-laboratorial, junto àESF e população adscrita, dos resultados de exames laboratoriais derotina e encaminhamento, se necessário, para exames laboratoriais

específicos.

2.3.2.8 Nutricionista

a) Na Gestão

· Elabora, com a participação da equipe de saúde, o protocolo deorientação alimentar na atenção básica.

· Capacita e apóia as equipes de saúde da família na assistêncianutricional, tendo como referência o protocolo.

b) No Cuidado

· Desenvolve atividades educativas sobre nutrição e aproveitamentodos alimentos.

· Assessora as entidades comunitárias (creches, escolas, asilos epastorais) em relação às atividades desenvolvidas na área de nutriçãopelas entidades.

· Presta atendimento clínico a usuários portadores de agravos de altorisco.

· Atua no Programa de Vigilância Alimentar e Nutricional.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 247/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

247

3 - Avaliação do Programa

 A avaliação do programa será realizada durante todo o processo, pormeio de oficinas periódicas com tutores do serviço, preceptores de todas as

áreas e representantes dos residentes, com objetivo de avaliar odesenvolvimento dos desempenhos propostos. Neste processo serão feitas ascorreções necessárias visando assegurar a formação integral do profissionalde saúde da família.

Os preceptores serão responsáveis juntamente com os tutores e residentespela avaliação da prática profissional dos residentes durante sua formação.Esta avaliação será realizada nas unidades de saúde onde os residentes estiveremexercendo sua prática profissional. Serão utilizados instrumentos de avaliação

formativa, que oportunizem o acompanhamento do desenvolvimento doprocesso de aprendizagem, por meio do registro das produções do interno,suas percepções e estudos, tendo em vista as competências, habilidades eatitudes preconizadas propostos.

O portfólio é um instrumento proposto por possibilitar o diálogo entrepreceptores, residentes e tutores, na medida em que é compartilhado eenriquecido por novas informações, novas perspectivas e contínuo suporteafetivo e pessoal para a formação profissional, auxiliando na sistematização

da avaliação processual das experiências de ensino-aprendizagem e dosdesempenhos. Desta forma, permite ao preceptor-residente-tutor umaampliação e diversificação dos olhares, estimulando a auto-avaliação e a buscade novas oportunidades de aprendizagens.

Uma outra forma de avaliação se dará ao final do curso, analisando aprodução dos trabalhos de conclusão do curso, taxa de evasão bem a avaliaçãofinal de tutores, preceptores e residentes.

Posteriormente propõe-se a realização de pesquisa visando aoacompanhamento da inserção e do desempenho dos egressos nos serviços.

4 - Considerações Finais

 Até aqui foram vencidas algumas etapas importantes: a constituição deum grupo de trabalho, multiprofissional e interinstitucional, para a elaboraçãodo projeto e dos desempenhos das diversas categorias profissionaiscontempladas nesta RMSF; da formação inicial dos tutores e da conclusão dos

trâmites administrativos da universidade para aprovação do programa.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 248/414

248

Nosso maior desafio agora é avançar neste processo para implantar aRMSF no ano 2007, garantindo a continuidade do trabalho multiprofissionalenvolvendo a parceria entre os diversos departamentos da universidade e oserviço municipal de saúde. Esta implantação exigirá um processo de educação

permanente de todos os profissionais envolvidos, integrando conhecimentosdisponíveis nos locais de trabalho, de formação, de produção de conhecimentoe especialmente nos espaços de práticas, com a possibilidade concreta daformação para a atenção à saúde que garanta a autonomia dos sujeitos e aconquista da cidadania.

Referências bibliográficas

 ALMEIDA, M. C. P. de; MISHIMA, S. M. O desafio do trabalho em equipena atenção à Saúde da Família 2001: construindo “novas autonomias” notrabalho. Interface, [S.l.], v. 9, n. 16, p 150-3, 2001.

CAMPOS, G. W. de S. Subjetividade e administração de pessoal:considerações sobre modos de gerenciar trabalhos em equipes de saúde. In:MERHY, E. E.; ONOCKO, Rosana (Orgs). Práxis en salud: um desafio paralo público. São Paulo: HUCITEC, 1997. p. 248-9.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. M. Educar-SUS: caminhos e produtosda Política Nacional de Educação Superior – formação superior eespecialização. [S.l.: s.n.], 2004. Disponível em: <http://www.lappis.org.br>.

CHIESA, A. M. O uso de estratégias participativas para o conhecimento dasrepresentações sociais de mulheres da Região de Pirituba/Perus com resultadoClasse III de Papanicolaou. 1994. Dissertação–Faculdade de Saúde Pública

da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

FEUERWERKER, L. M. Modelos tecnoassistenciais, gestão e organizaçãodo trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para aconsolidação do SUS. Interface – Comunic., Saúde, Educ., [S.l.], v. 9, n. 18,p. 489-506, set./dez. 2005.

FRANCO, T. B.; MERHY, E. E. Programa Saúde da Família (PSF):contradições de um programa destinado à mudança do modelo

tecnoassistencial. In: MERHY, E. E. O trabalho em saúde: olhando eexperienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec, 2003.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 249/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

249

MERHY, Emerson Elias; IRIART, Celia Beatriz; WAITSKIN, H. AtençãoGerenciada: da micro-decisão corporativa a micro-decisão administrativa,um caminho igualmente privatizante. Cadernos do Prohasa Hcusp FGV, SãoPaulo, v. 3, p. 1-35, 1997.

PEDUZZI, Marina. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 1, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br>.

SANTANA, J. P. de; CHRISTÓFARO, M. A. C. Articulação ensino-serviçona área de saúde. Texto de orientação do Curso de Especialização emPolíticas de Recursos Humanos para a Gestão do SUS – Eixo Temático

Reforma Educacional Brasileira, 2001. Disponível em: <http://www.opas.org.br/rh/admin/documentos/ACF31.pdf>.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 250/414

250

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 251/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

251

Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família:a experiência da Universidade Federal do Paraná

Lillian Daisy Gonçalves Wolff 1

Maria Marta Chaves Nolasco2

Edevar Daniel3

Resumo: Trata-se de um relato de experiência da trajetória dedesenvolvimento do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde daFamília, pelo Departamento de Enfermagem da Universidade Federal doParaná, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde do Município deColombo e apoio do Ministério da Saúde. São apresentados os seguintesdados sobre o programa: histórico, objetivos, metodologia, conteúdoprogramático, composição da equipe de coordenação, modalidades deavaliação, financiamento e demais dados do relatório final da turma 2002-2004. A partir da análise de avaliações de residentes e professores foramdescritos fatores facilitadores e dificuldades no desenvolvimento do programa.Da experiência desenvolvida pela residência em parceria com o municípiode Colombo, numa proposta de integração ensino-serviço, ressalta-se umavanço do conhecimento da área de Saúde Coletiva para todas as profissõesenvolvidas, o quê certamente contribuirá para a construção dos novoscurrículos dos cursos de graduação do Setor de Ciências da Saúde.

Palavras-chave: Educação, Trabalho em Saúde, Saúde da Família, ResidênciaMultiprofissional.

1 Doutora em Engenharia de Produção, Professora do Dept. de Enfermagem da UFPR, membro do Núcleode Estudos em Saúde da Família. E-mail: [email protected].

2 Mestre em Enfermagem, Professora do Dep. Enfermagem da UFPR, membro do Núcleo de Estudos em

Saúde da Família. E-mail: [email protected] Mestre em Cardiologia, Professor do Dep. Saúde Comunitária da UFPR, membro do Núcleo de Estudos

em Saúde da Família. E-mail: [email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 252/414

252

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 253/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

253

1 - Introdução

 A universidade tem o compromisso social de viabilizar um espaço paraelaboração crítica e científica, “como uma estrutura destinada a incidir

profundamente na vida cultural da nação” (BROCCOLI, 1979), e proporcionarmeios de capacitação que possibilitem aos profissionais da área da Saúde odesenvolvimento de novas atitudes requeridas para a produção de um trabalhode qualidade. Para a continuidade da construção do Sistema Único de Saúdeque se deseja, é necessário ampliar a formação e a capacitação de profissionaispara a rede de serviços que o compõe.

Por conseguinte, o presente trabalho descreve a experiência inédita doPrograma de Residência Multiprofissional em Saúde da Família (PRMSF), no

período de 2002 a 2006, sediado no Departamento de Enfermagem daUniversidade Federal do Paraná (UFPR), em parceria com a SecretariaMunicipal de Saúde do Município de Colombo/PR e apoio do Ministério daSaúde, fundamental para o financiamento e viabilidade do programa.

 A primeira turma do PRMSF teve início em junho de 2002 e finalizousuas atividades em junho de 2004. O projeto de implantação e desenvolvimentodo PRMSF pelo Departamento de Enfermagem, foi desencadeado com aparticipação de docentes deste departamento nas atividades do Núcleo de

Estudos em Saúde da Família (NESF). A experiência no NESF aproximou os docentes do referido departamento

aos docentes da área de Saúde Coletiva dos demais departamentos da UFPRrelacionados aos cursos de graduação da farmácia, odontologia, medicina enutrição. Esta aproximação se deu nos espaços de discussões teóricas acercade temas relacionados à área de Saúde Coletiva e, pelo desenvolvimento deturmas de especialização na mesma área. Neste sentido, os membros do NESFidealizaram possibilidades e novas formas de cursos lato sensu para a área, que

se concretizaram no momento em que foi apresentada uma proposta emresposta ao edital do Ministério da Saúde para o desenvolvimento de cursosde especialização na modalidade de residências multiprofissionais. Com aaprovação da referida proposta, os professores discutiram as diferentesquestões que envolviam o desenvolvimento do PRMSF em gestão colegiada,com parcerias com Secretaria Municipal de Saúde de Colombo, município daregião metropolitana de Curitiba e com os demais parceiros no processo:Hospital de Clínicas da UFPR, Clínica Odontológica do Curso de Odontologia

da UFPR e com o Hospital do Trabalhador.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 254/414

254

Desde o início dessa nova experiência os professores tiveram clareza deque os pressupostos teóricos para o PRMSF estavam construídos a partir daexperiência anterior junto aos cursos de especialização em saúde coletiva. Entreeles, destacam-se: a saúde como direito do cidadão; a teoria da determinação

social do processo saúde-doença; as políticas públicas de saúde; a epidemiologiacrítica/social; e, o processo de territorialização.

Este foi um momento significativo em que foram estabelecidas parcerias,que se mantêm até hoje. Considerando as especificidades das ações de cadainstituição-parceira, de formação e da assistência, foi amplamente discutido oobjeto da ação: formação de profissionais para a atuação no Sistema Único deSaúde. A compreensão da necessidade de uma nova forma de atuar nas práticassanitárias no modelo de atenção do Programa Saúde da Família levou à reflexãode que esta requer a construção de um novo modelo de ensinar e aprender.Para tal construção seria necessária a aproximação de referenciais trazidospor todos os sujeitos do processo, ou seja, dos professores e trabalhadores desaúde que atuavam no campo definido para a prática do residente.

O encaminhamento para essa questão seria estimular os profissionais docampo a participarem do curso de especialização que caminhariasimultaneamente com o PRMSF. Na primeira turma deste programa, foram osprofessores que incentivaram esses profissionais a essa participação. Contudo,na segunda turma foram os próprios residentes que os incentivaram nasdiscussões que travaram com os profissionais de saúde, quando estes percebiama necessidade de aproximação à teoria. Assim, os orientadores de campo tiverama formação para atuar no PRMSF, juntamente com o desenvolvimento desteprograma.

 A segunda turma do PRMSF iniciou suas atividades em fevereiro de 2005,e tem o seu término previsto para fevereiro de 2007. O programa mostra a

competência acumulada ao longo desses quatro anos e meio da sua implantação. A realização das atividades dos residentes, diretamente nas Unidades de Saúdede Colombo, tem se constituído em um processo de ensino-aprendizagem dentrode uma metodologia de ação-reflexão-ação, mediante o qual os residentesadquirem uma compreensão da realidade e, concomitantemente, contribuemcotidianamente com a organização e a melhoria da qualidade dos serviços.

Porém, o que se destaca de negativo é que entre uma turma e outra tivemosuma descontinuidade da ação. Esta trouxe reflexos nas parcerias estabelecidas,

principalmente com as comunidades que eram atendidas pelas equipes deresidentes. Houve cobrança à universidade, por meio de contato com o NESF,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 255/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

255

pela ausência dos profissionais que haviam iniciado práticas diferenciadas deatuação e que, ao terminarem suas atividades, não havia quem as conduzissem.

 A nossa compreensão sobre estes fatos foi que o término da residência coincidiucom o momento de mudanças políticas nos municípios brasileiros e a

conseqüência desta mudança refletiu também nos profissionais de saúde. Assim,houve uma descontinuidade por parte das duas instituições parceiras na atençãobásica.

O PRMSF tem sido coordenado desde o início por membros do NESF:uma das docentes do Departamento de Enfermagem, promotor da ação - Prof.MSc. Maria Marta Nolasco Chaves, com o apoio de um vice-coordenador, doDepartamento de Saúde Comunitária- Prof. MSc. Edevar Daniel. Estacoordenação tem primado por um processo participativo com professores,

supervisores de área, preceptores e residentes, tendo o colegiado do PRMSFcomo o espaço para as discussões pertinentes e deliberações. Atualmente, osresponsáveis pela supervisão nas áreas de conhecimento são a Prof. MSc. DeiseP. Montrucchio e a Prof. MSc. Maria Luiza D. Fávero (Farmácia), Prof. MSc.Edevar Daniel (Medicina), Prof. Dra. Lillian Daisy G. Wolff e Prof. MSc. MariaMarta Nolasco Chaves (Enfermagem), Prof. Dra. Marilene da Cruz M. Buffon(Odontologia), e Prof. Dra. Suely T. S. P. Amorim (Nutrição).

Pelo que se tem observado nesta experiência um dos eixos das discussõesdas mudanças na formação dos profissionais de saúde deveria ter competênciapara gerir e implantar a atenção básica em saúde, no caso a Estratégia Saúdeda Família, para que esta de fato venha a ser a porta de entrada do sistema, ouseja, uma das pontas da rede de assistência integral à saúde das pessoas. Portanto,a proposta da Residência Multiprofissional em Saúde da Família não se constituihoje numa iniciativa isolada na UFPR, uma vez que os cursos de graduação daárea da saúde, presentes no desenvolvimento da residência, estão discutindomodificações em seus currículos, motivados pela implementação das novasdiretrizes curriculares, e, pela proposta de financiamento do Ministério daSaúde para uma adequação da formação de profissionais competentes paraatuar no Sistema Único de Saúde.

2 - Características do programa

O PRMSF destinou-se nessas duas primeiras turmas a enfermeiros,

farmacêuticos, médicos, nutricionistas e cirurgiões-dentistas recém-formados,com demanda para formação latu sensu, e comprometidos com a construção

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 256/414

256

de uma nova prática sanitária voltada para a vigilância à saúde, fundamentadana epidemiologia crítica/social; e com a consolidação do Sistema Único deSaúde, por meio de práticas sanitárias comprometidas com as realidades daspopulações. Foi planejado para ser desenvolvido no período de dois anos, em

regime de trabalho integral, com dedicação exclusiva, com uma carga horáriatotal de 5.520 horas, sendo 828 horas para atividades teóricas e 4.692 horaspara atividades práticas.

 As 20 vagas ofertadas nas duas turmas foram distribuídas em 04 paraenfermeiros, 04 para farmacêuticos, 04 para nutricionistas e 04 para cirurgiões-dentistas, e 04 para médicos. A seleção constou de prova escrita deconhecimentos na área de Saúde Coletiva, Estratégia em Saúde da Família e nasua área específica de graduação; análise do currículo vitae; e entrevista, deacordo com os critérios do regimento interno da UFPR para a pós-graduaçãolato sensu da UFPR.

 A primeira turma foi financiada por meio de contrato e a segunda turmafinanciada por meio de convênio entre a Universidade Federal do Paraná e oMinistério da Saúde. Por conseguinte, o PRMSF não incorreu em despesaspara os residentes. Ao contrário, os mesmos receberam 24 (vinte e quatro)bolsas para a sua participação. Em cada turma participaram 14 preceptores e05 supervisores de área.

  A distribuição dos residentes nos serviços de saúde de baixa e altacomplexidade teve diferente ‘desenhos’ nas duas turmas. Na primeira turma,houve envolvimento de cinco das Unidades de Saúde da Secretaria Municipalde Saúde de Colombo/PR; e, atualmente, há envolvimento de quatro dessasunidades. A composição das equipes também apresentou variação, decorrenteda demanda para o processo de seleção, pois nas duas turmas houve dificuldadescom os profissionais da medicina. Na primeira turma, participou uma residente,

e na segunda turma não houve participação de residentes desta área. Assim, oedital de seleção previu o deslocamento de vagas de uma categoria profissionalpara as outras categorias envolvidas, conforme critérios estabelecidos epublicados previamente. O princípio era que as equipes fossem constituídas demaneira a ter um residente de cada área de conhecimento, respeitando osprincípios da multiprofissionalidade e interdisciplinaridade.

Outro aspecto importante a destacar é que nesta composição de equipesfoi levada em conta a especificidade da prática clínica da odontologia, que

requer materiais e equipamentos para o atendimento clínico, na cadeiraodontológica. Houve também consideração acerca das limitações dos serviços

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 257/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 258/414

258

Esta afirmação baseia-se na observação da evolução que estas parceriastêm tido no que se refere às aproximações dos referenciais teóricos - clínica esaúde coletiva; nas discussões sobre os diferentes modos de olhar e agir; aintegração das atuações com os deslocamentos dos docentes da saúde coletiva

para as discussões nos estudos desenvolvidos em unidades de alta complexidadee nos deslocamentos dos profissionais dos hospitais e clínica para as unidadesde baixa complexidade, ora para desenvolver uma discussão técnica com osprofissionais, ora para falar do serviço junto aos usuários de serviço local desaúde.

Por fim, cabe ressaltar que apesar de ser um programa muito jovem, comuma prática inovadora e contra-hegemônica, o PRMSF tem mostrado umapossibilidade de articular os diferentes conhecimentos da área da Saúde, os

diferentes níveis de atenção e os objetos de cada instituição: formação eassistência para a saúde que se entende que ocorrem na realidade, paralelamente,e sem esta interação.

Para dar conta deste desafio, o perfil dos residentes desse programa é decandidatos que detêm diploma ou certificado de conclusão dos cursos defarmácia, enfermagem, medicina, nutrição ou de odontologia, e registro nosrespectivos órgãos de classe. O regimento do PRMSF prevê a inclusão debrasileiros formados em outro País e de estrangeiros, desde que estejam deacordo com as normas exigidas para a validação de seus diplomas no territóriobrasileiro. Na seleção, nos seus diferentes momentos, procura-se identificaros profissionais que têm interesse e disponibilidade pessoal para a atuação naárea de Saúde Coletiva, no modelo do PSF.

Para atingir o proposto estabeleceram-se objetivos gerais e específicos.Os objetivos gerais são relacionados ao PRMSF como um todo, considerandoa atuação em equipe multiprofissional, e os objetivos específicos estão

relacionados às especificidades nas atuações de cada área em Saúde Coletiva. A seguir, são destacados alguns dos objetivos gerais:

· Formar profissionais enfermeiros, farmacêuticos, nutricionistas ecirurgiões-dentistas capacitados a desenvolver práticas de promoção,prevenção e recuperação da saúde, sob a Estratégia da Saúde da Família(ESF), por meio de ações de abordagem coletiva e de abordagem clínicaindividual.

· Contribuir para a construção do modelo assistencial preconizado peloSUS.

· Contribuir para melhorar continuamente a qualidade dos serviços deSaúde da Família, com profissionais qualificados para o

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 259/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

259

desenvolvimento das atividades que são diretrizes da ESF.· Estimular a capacidade para a realização de estudos independentes e

de auto-avaliação permanentes, entre os profissionais especializadosem Saúde da Família.

· Capacitar os profissionais envolvidos na ESF para a aplicação demetodologias de construção de conhecimentos, atitudes e práticascom princípios éticos e político-sociais para o desenvolvimentopermanente das transformações requeridas pela realidade.

Entre os objetivos específicos, destacam-se:· Desenvolver práticas sanitárias voltadas à realidade local,

fundamentadas em princípios éticos e político-sociais associadacompetência técnica, articulando os saberes científico e popular, comabordagem multiprofissional e interdisciplinar.

· Proporcionar o exercício de atividades diárias em equipemultiprofissional local, tendo como foco a determinação do processosaúde/doença seja da família ou da comunidade adstrita.

· Propiciar o conhecimento da dinâmica familiar, da comunidade e desuas organizações, bem como suas relações com as instituições quecompõe a rede de serviços de saúde.

· Capacitar os profissionais para a aquisição, aplicação e avaliação deinformações, habilidades e atitudes na prática em Saúde da Família

na sua área de formação básica.· Proporcionar aos profissionais o desenvolvimento do conhecimentoda clínica e da epidemiologia de modo a articular este conhecimentonas atividades de promoção, proteção e recuperação da saúde.

· Capacitar os profissionais para executarem ações de visita e internaçãodomiciliares, reuniões comunitárias e educação permanente da equipede saúde.

· Compreender o indivíduo como sujeito capaz de atuar nosdeterminantes do processo saúde/doença para promover, proteger erecuperar sua saúde.

· Identificar, conhecer, analisar e propor intervenções por meio deleituras e análises quotidianas na realidade onde se insere.

· Capacitar os profissionais em planejamento, administração, avaliaçãoe trabalho em equipe; para desenvolverem o processo degerenciamento do SUS.

· Coordenar, participar e/ou formar grupos de educação para a saúde,segundo o perfil cultural e epidemiológico da comunidade.

· Capacitar os profissionais para o desenvolvimento de atenção à saúdede usuários segundo critérios epidemiológicos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 260/414

260

· Participar da formação de estudantes de graduação e de ensino médiocom vistas a prepará-los para atuar segundo os princípios da ESF.

· Atuar em conjunto com os movimentos populares e as liderançascomunitárias locais, com vistas a instrumentalizar os sujeitos para a

criação e o fortalecimento das organizações populares para intervir emodificar a realidade.· Propiciar o desenvolvimento de capacidade crítica reflexiva para a

realização de pesquisas científicas em saúde.

 A abordagem pedagógica do programa é baseada no processo: ação-reflexão-ação. Esta abordagem integra-se às ações desenvolvidas nos serviçose junto às comunidades da área de abrangência das Unidades de Saúde do

Município de Colombo, em que são realizadas as atividades práticas dosresidentes. O processo é participativo com as referidas comunidades. Umaproposta de trabalho da equipe multiprofissional de Saúde da Família é elaboradacom a clientela adstrita à unidade.

 As atividades práticas de alta complexidade no Hospital de Clínicas daUFPR, na Farmácia Escola e no Centro de Especialidades de Odontologia daUFPR, são desenvolvidas sob supervisão de preceptores locais e professoresdo PRMSF. Neste caso, há um professor de cada área de conhecimento para as

discussões teóricas pertinentes e acompanhamento das práticas.Em cada Unidade de Saúde há uma equipe completa de residentes,

constituída por: enfermeiro, farmacêutico, nutricionista, e cirurgião-dentista,que atuam na comunidade, fundamentados em prática sanitária voltada àEstratégia de Saúde da Família. Todas as atividades do PRMSF são desenvolvidasde maneira que possibilitem a integração dessas áreas de conhecimento. Aproposta de trabalho da equipe de residentes deve abranger um número defamílias que pode variar de acordo com a avaliação local de risco. Em média

temos quatro residentes por equipe, na distribuição se privilegia a presençade, no mínimo, um residente de cada área.

Os residentes recebem supervisão direta dos preceptores farmacêuticos,enfermeiros, cirurgiões-dentistas e nutricionistas, e indireta dos professores eda coordenação do PRMSF. Em todos os serviços de saúde envolvidos ocorrea discussão de estudos de casos previamente preparados, em reuniões semanaisde 04 horas de duração. Esta reunião possibilita a discussão de temas previstose fundamentados na literatura, bem como de estratégias para viabilizar a atençãoà saúde a indivíduos e sua família. Essas atividades são programadas em conjuntopelos preceptores, professores, pela coordenação do programa e integrantes

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 261/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

261

dos serviços de saúde, nas quais se busca contemplar as necessidades e interessesdesses segmentos.

Os conteúdos desenvolvidos são relacionados aos temas dos módulos decapacitação pedagógica; metodologia para a pesquisa; bases conceituais doprocesso saúde-doença; análise histórica das Políticas Públicas de Saúde noBrasil: das campanhas higienistas à saúde da família; bases conceituais doprocesso saúde-doença; filosofia, princípios e ferramentas da saúde da família;epidemiologia; saúde baseada em evidências; territorialização; planejamentoestratégico; abordagem familiar sistêmica; psicologia social; trabalho em equipe;promoção, prevenção e assistência em saúde da família.

É relevante destacar que o conteúdo programático é completado poratividades de vivências, que seguem um roteiro prévio em que são estabelecidos:os objetivos – enunciados dos resultados esperados, em termos de aprendizagemconceitual e metodológica; a seqüência de atividades – descrição das vivênciasa serem desenvolvidas pelos alunos com orientação dos professores e/oupreceptores; os exercícios – trabalhos práticos ou de campo a serem realizadospelos alunos, conforme solicitados na seqüência de atividades; a apresentação– como o resultado das atividades/exercícios serão apresentados e discutidoscom todo o grupo; os textos de apoio – artigos ou documentos técnicos,selecionados da literatura ou elaborados especificamente para o curso; e, a

 avaliação – relação de produtos (relatórios) ou resultados das atividades a seremrealizadas pelos alunos, que devem espelhar o desempenho esperado em funçãodos objetivos propostos.

Adicionalmente, ocorre o desenvolvimento de estudos de casos pelosresidentes, que são norteados pelos pressupostos apresentados no conteúdoteórico e são discutidos nas equipes nos diferentes locais de atividades dosresidentes.

O sistema de avaliação da residência é amplo, participativo, contínuo einformatizado. Estas informações são obtidas por meio de avaliações realizadaspelos residentes, preceptores, professores e coordenadores de cada áreaenvolvida. Ao final de cada semestre, ocorre avaliação das atividades práticasrealizadas pelo conjunto dos residentes. Nestas avaliações são considerados osaspectos cognitivos, éticos e de desempenho profissional.

O desempenho individual é avaliado semestralmente por preceptores eprofessores da área de conhecimento do residente, a partir de instrumento

próprio. São também utilizadas outras técnicas para medir habilidades clínicasespecíficas, atitudes e comportamento ético. Durante todo o processo de ensino-

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 262/414

262

aprendizagem são realizadas avaliações pelos residentes, preceptores eprofissionais dos diferentes ambientes de práticas, acerca dos conteúdos teóricosdesenvolvidos, juntamente com a coordenação e colegiado do PRMSF, a fimde corrigir eventuais distorções e reforçar o que se fizer necessário.

Os residentes são certificados com o título de especialista em saúde dafamília. Esses certificados são obtidos pelos alunos que tiverem concluído oPRMSF com, no mínimo, 85% de presença na carga horária total, eapresentaram trabalho em evento cientifico com publicação em anais, e/oupublicação em periódicos indexados e defesa de monografia. Os casos dedesistência são julgados pelo colegiado, conforme regimento.

Dos vinte residentes da turma de 2002-2004, dois desistiram no segundoano. Os dezoito restantes receberam o título de especialista. Dentre estes, seis

trabalham em Programa de Saúde da Família, um é preceptor do PRMSF, doisestão em cargos junto às secretarias municipais da região metropolitana deCuritiba e um trabalha em hospital universitário. Os demais integrantes dareferida turma não foram localizados.

Fatores facilitadores e dificuldades apresentadas no desenvolvimento doPRMSF, a partir da análise dos dados obtidos mediante a aplicação de umquestionário aos residentes e professores sobre a avaliação final do programadesenvolvido na turma 2002-2004. Pode-se destacar em relação às atividades

teóricas, que os residentes as avaliaram como relevantes à instrumentalizaçãodas atividades práticas. Salientaram, ainda, que a proposta da programação foicumprida integralmente e as atividades teóricas foram muito importantes paraque eles pudessem crescer como profissionais. Contudo, referiram que asatividades teóricas não atenderam totalmente às suas demandas.

Quanto às atividades práticas , ao avaliarem a supervisão dos preceptoreslocais, os residentes destacaram dificuldades nas áreas em que o preceptor nãopermanecia todo o tempo no local, pois necessitava atender demandas de

residentes de outras Unidades de Saúde. Neste caso, a referência foi para aárea da nutrição, pois como não havia um elemento dessa categoria profissionalatuando nas Unidades de Saúde do município, o PRMSF teve que contratarduas nutricionistas para atuarem nas quatro unidades.

Os residentes destacaram a necessidade de maior tempo de supervisãodos professores na Unidade de Saúde, pois acreditavam que a presença destesfacilitaria o desenvolvimento das atividades locais. Por outro lado, algunsresidentes destacaram a ótima integração com o preceptor e o professorsupervisor, bem como que o processo de ensino-aprendizagem promovido pelosmesmos facilitava o andamento das questões locais e auxiliava na integraçãodos residentes.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 263/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

263

  Ao avaliar a pontualidade, a assiduidade e o compromisso nodesenvolvimento das atividades propostas pelo programa, junto às famílias desua responsabilidade, os residentes destacaram questões que vão desdedificuldades pessoais que foram vencidas nos dois anos do programa até

questões estruturais que foram “dificultadoras” para o andamento de suaspropostas individuais e de equipe. Entre elas, salientaram a distância entre osdiferentes locais de desenvolvimento das atividades teóricas e práticas.

 Ao contrário, as atividades desenvolvidas para a integração das equipese para o desenvolvimento de trabalhos com grupos foram avaliadas como fatoresque facilitaram o processo de ensino-aprendizagem e de trabalhomultiprofissional, indispensáveis no desenvolvimento de atividades locais.

Os residentes se auto-avaliaram como profissionais compromissados com

um processo que estava em fase de implantação (primeira turma) e que deixaramsuas contribuições para os que poderiam vir a seguir.

Quanto à avaliação realizada pelos professores do Programa de Residência,esta focou aspectos sobre a estrutura e funcionamento do sistema local desaúde. Criticaram a visão tradicional de atenção à saúde que é predominanteno sistema de saúde local. Segundo eles, isso tem conseqüências na adoçãointegral do modelo baseado na estratégia da Saúde da Família, em todas as suasdimensões. Esta situação gerou um descompasso entre as demandas e

orientações do PRMSF e os serviços locais de saúde, que foram os espaçospara o desenvolvimento da maior parte das atividades práticas.

Com relação à estrutura física para o desenvolvimento de atividadesteóricas, os professores referiram problemas com as salas de aula, tais comoindisponibilidade, variabilidade de local, luminosidade e ruído. Referiramtambém que ausência de espaços no município para desenvolvimento deatividades coletivas promovidas pelo programa, e que acabaram sendodesenvolvidas nas instalações da universidade, exigindo deslocamento dosresidentes.

Como pontos favoráveis, os professores citaram a abordagemmetodológica desenvolvida no programa, que propiciou a atuação do residentecom ações resolutivas, a partir da sua aproximação com a comunidade, doconhecimento dos contextos social, econômico e cultural, que geram demandasque se evidenciam no estado de saúde das pessoas, com as quais ele conviveu etrabalhou. Ressaltaram que: o Programa de Residência é um espaço dearticulação docência - serviço, para troca de experiências e geração deconhecimento e de construção do SUS; o serviço local é um cenário para o

processo ensino-aprendizagem, que impõe desafios a esse processo; oreconhecimento por parte do residente, do papel do profissional de saúde como

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 264/414

264

elemento transformador nas duas dimensões, como gestor e assistencial; aintegração das ações do PRMSF com a atenção à saúde de alta complexidade(hospitais e clínica odontológica) possibilitou a reflexão sobre o processo detrabalho dos profissionais envolvidos; a diversidade de geração de conhecimento

pelos diferentes locais de atuação dos residentes desafiou os docentes arefletirem sobre o processo ensino-aprendizagem; as atividades integradas àsgraduações possibilitaram ao residente se perceber como um educador quesensibiliza graduandos para a área de saúde coletiva.

De fato, foram realizados trabalhos dos residentes junto a acadêmicosde disciplinas da graduação, tendo como cenário o Município de Colombo e osistema de saúde local (planejamento de ações na área de nutrição em saúdepública - curso de nutrição; diagnóstico bucal para a construção do serviço de

referência no município - curso de odontologia; territorialização em diferentescomunidades - curso de enfermagem). Houve também estudos de casoenvolvendo alunos em estágio curricular e residentes nas Unidades Hospitalarese Unidades de Saúde.

Os professores da área de Saúde coletiva e de outras áreas clínicasdestacaram sua aproximação e maior integração, que geraram reflexões epropostas para os projetos pedagógicos da graduação e para a próxima turmado PRMSF.

3 - Considerações finais

Conclui-se que a experiência do Programa de Residência Multiprofissionalem Saúde da Família da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em parceriacom o Município de Colombo, tem correspondido às expectativas tanto domunicípio, quanto dos residentes e também do corpo docente.

Pode-se destacar, como uma atividade relevante do PRMSF, a

apresentação à Secretaria Municipal de Saúde e aos demais setores do Municípiode Colombo dos trabalhos de territorialização realizados pelos residentes noseu período de desenvolvimento. Fundamentados na premissa de que naEstratégia Saúde da Família o território é o lócus principal para a compreensãodos determinantes do processo saúde-doença e para o desenvolvimento daspráticas sanitárias, a apropriação deste pela equipe multiprofissional articuladacom a população se faz necessária para que os projetos de intervenção possamefetivamente ser promotores e protetores da saúde.

Nesta perspectiva, destacamos como outro produto das atividades dosresidentes, a formulação de propostas de intervenção para enfrentamento dos

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 265/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

265

agravos identificados nos territórios em que as equipes estão inseridas. Nestaspropostas, as equipes têm discutido com a população a sua organização para aconstituição de conselhos locais de saúde, buscando consolidar nas ações daresidência os princípios do SUS.

  Assim, acredita-se que é fundamental a continuidade do trabalho jáelaborado e iniciado pelos atuais residentes a fim de que os processos dediscussão e reorganização da rede de serviços em saúde no Município deColombo, e da participação popular neste, sejam ampliados, e tenham apossibilidade de se consolidar.

No campo de produção da saúde os problemas são extremamentecomplexos, o quê exige dos profissionais uma visão da totalidade das múltiplasdeterminações que envolvem o processo saúde-doença dos indivíduos e da

população. Para isso é mister que trabalhem em equipes multi einterprofissionais. Assim, é imprescindível a formação e a capacitação deprofissionais para a construção de um novo processo de trabalho em saúde emque a Estratégia Saúde da Família seja ampliada. Estes profissionais deverãoser capazes de promover, prevenir e recuperar a saúde de forma integral eigualitária na esfera dos direitos da cidadania. Para isso, há que se formarprofissionais que promovam o acolhimento dos indivíduos e que tenham umcompromisso com a sua saúde, construindo uma nova ética no trabalho.

Segundo Merhy (1998), “a produção do cuidado em saúde requer tanto acesso às tecnologias necessárias (duras, leve-duras e leves), comandadas pelastecnologias leves, como, por outro lado, pressupõe o uso de diversosconhecimentos que cada profissional de saúde detém”. Para isso, é imprescindívelque os profissionais articulem de forma exata seus núcleos de competênciaespecíficos, assumindo seu compromisso como cuidador (MERHY, 1998:113).Os diversos saberes se articulam com os saberes do usuário, e assim é produzidoo cuidador (MERHY, 1999).

Portanto, acredita-se que a Residência Multiprofissional em Saúde daFamília pode ser um espaço muito rico para a integração das atividades degraduação e pós-graduação, articulando a introdução, já na graduação, deconteúdos e práticas de trabalho multiprofissional e, por fim, colaborando naconstrução do novo processo de trabalho em saúde.

 Além disso, por meio do Núcleo de Estudos em Saúde da Família – NESF,a Universidade Federal do Paraná há nove anos e em conjunto com a SegundaRegional de Saúde, foi capaz de cumprir de forma qualitativa o seu papel de

coordenação do Pólo de Capacitação em Saúde da Família da Macrorregião deCuritiba, e região litorânea do Estado do Paraná. O papel desenvolvido durante

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 266/414

266

estes anos referenda esta instituição como formadora de profissionaiscomprometidos com a construção e consolidação do Sistema Único de Saúde.

Destacam-se as novas diretrizes do Ministério da Saúde que sinalizam aampliação de equipes para a Estratégia Saúde da Família em municípios com

mais de cem mil habitantes, o que coloca para as instituições de ensino o desafiode ampliar a formação de novos profissionais e a capacitação daqueles queintegram as equipes de trabalhadores da Saúde da Família. Neste sentido, asdemandas para os cursos de residência e especialização, com certeza, serãomultiplicadas e cabe aqui reiterar o papel da universidade pública naconcretização do Sistema Público de Saúde.

Referências bibliográficas

BROCCOLI, A. Antonio Gramsci: la educacion como hegemonia, 2. ed.México: Nueva Imagem, 1979. p.155-230.

MERHY, E. E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivoem saúde. In: MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Orgs.). Praxis en la salud : undesafío para lo público. São Paulo: Hucitec; Buenos Aires: Lugar, 1997.

______. O capitalismo e a saúde pública. 2. ed. São Paulo: Papirus, 1987.

______. O SUS e um de seus dilemas: mudar a gestão e a lógica do processode trabalho em saúde: um ensaio sobre a micropolítica do trabalho vivo. In:FLEURY, S. (Org.). Saúde e Democracia: a luta do CEBES. São Paulo:Lemos Editorial, 1997.

MERHY, E. E. et al. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias

em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindotrabalho em saúde. In: MERHY, E. E; ONOCKO, R. (Orgs.). Agir em saúde:um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; Buenos Aires: Lugar, 1997.

MERHY, E. E. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde - Umadiscussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhara assistência In: Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte - reescrevendoo público; XAMÃ VM ED.; Belo Horizonte, 1998. Disponível em:< http://www.hc.ufmg.br/gids/perda.pdf>. Acesso em: 6.12.2006.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 267/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

267

Processo Coletivo de Avaliação: a experiência da ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família de Blumenau.

Karla Ferreira Rodrigues1

Resumo: Este artigo procura mostrar os resultados da experiência das duasprimeiras turmas de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, seuaspecto inovador como formação em Pós-graduação e em sua metodologiade aprendizagem centrada no ensino serviço, tentando relatar suas conquistase seus desafios. A metodologia particulariza o processo de seleção depreceptores e residentes, as atividades teóricas e as atividades práticasdivididas em núcleo e campo, suas dificuldades e possibilidades futuras efinalizam com as atividades extensivas a residência como os eventoscientíficos, técnopolíticos e publicações geradas no espaço desses 48 mesesde edição do curso. Nos resultados apresentam-se os eixos que norteiam a

funcionalidade do curso: os processos administrativos, onde se encontram acoordenação geral, o colegiado da residência e o colegiado de preceptores.O processo pedagógico permeado pelo construir de uma teoria coletiva deformação multidisciplinar para a saúde pública, a exploração de novos espaçosde aprendizagem e a definição de conceitos norteadores da RMSF. Finalizacom as sugestões de melhoria a partir das experiências vivenciadas nomunicípio. A adequação do projeto do curso à realidade do modelo deatenção existente e o possível foi o que permeou nossas discussões gerando

como conclusão a necessidade de continuidade da proposta do curso, massempre aberta às modificações permitidas pelo fazer saúde em um processode construção permanente da qualidade de vida no intersetor saúde eeducação.

Palavras-chave: Aprendizagem em ensino-serviço, Saúde da Família,Residência Multiprofissional, Avaliação.

1 Médica, especialista em Medicina de família e Comunidade, mestre em Saúde e Meio Ambiente echefe do Departamento de Medicina da FURB/SC. E-mail: [email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 268/414

268

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 269/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

269

1 - Introdução

 A Residência em Saúde da Família teve início no mês de março de 2002constituindo a concretização da proposta do Ministério da Saúde de

financiamento de programas de residência de caráter multiprofissional, comoparte da política de formação de recursos humanos para o Sistema Único deSaúde (SUS), compondo então, a Residência Multiprofissional em Saúde daFamília (RMSF), mantendo o treinamento em serviço como referênciafundamental deste novo projeto.

 A organização funcional da RMSF se deu, então, por meio da estruturaçãode quatro equipes de trabalho integradas pelas seguintes categoriasprofissionais: enfermagem, psicologia, odontologia, serviço social e medicina.

 Após ser confirmada a necessidade de um profissional de saúde que pudesseagregar valor aos aspectos de prevenção e educação em saúde, desde o supostoda organização e participação comunitária, optou-se pela chamada deprofissionais da educação física para a ocupação das vagas não preenchidasinicialmente destinadas aos médicos.

  Já na segunda turma de residentes foram adicionados os núcleos defarmácia e fisioterapia, nosso requisito de agregação são os cursosdisponibilizados pela universidade dentro da área da Saúde e o levantamentode necessidades de formação realizado pelo Pólo Regional de EducaçãoPermanente em Saúde.

O ordenamento do espaço físico para as atividades de campo da RMSFse deu a partir da alocação – por meio de convênio firmado com a SecretariaMunicipal de Saúde de Blumenau (SEMUS) de quatro unidades de saúde, aquichamadas Unidades Docentes Assistenciais (UDAs) que já estavamdesenvolvendo suas ações a partir do Programa Saúde da Família. Esta opçãoconstituir-se-ia como vantajosa no que tange à disseminação da proposta damultiprofissionalidade na atenção em saúde como, também, poderia vir apermitir a constituição de novas parcerias comunitárias e institucionais.

 A compreensão, tanto do papel do residente, quanto de seu processo detrabalho, foi marcada pela idéia de privilegiar a capacidade de articulação entreos campos da ação técnica, da reflexão científico-acadêmica e do ordenamentopolítico das demandas originadas pelas necessidades constatadas no contextodas ações em saúde, OPAS (2000). Cabe salientar que nesse contexto das açõesem saúde, não se está compreendendo de maneira exclusiva a população atendidanas unidades de PSF, também o processo de trabalho das equipes integrantesdas unidades nas quais se desenvolve a residência deveria se tornar objeto detrabalho para os residentes.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 270/414

270

  As atividades envolveram mais de 100 pessoas entre preceptores,residentes e supervisores de estágio. Ao tomarmos em consideração a populaçãoreferida às áreas de abrangência, que se estima em torno de 16 mil pessoas,não tardamos em reconhecer a singularidade do desafio subjacente às mesmas,

configurados em uma série de reformulações/adaptações ao que de regular,esperado e rotineiro, aparecia como resultante da formação que os residentestraziam de seus cursos de graduação.

 A realização de estágios relacionados ao nível administrativo e de gestãodas políticas de saúde no Município de Blumenau (nível central), bem comonos serviços de suporte (vigilância sanitária e epidemiológica, ambulatórios dereferência) atenderam a perspectiva de a RMSF não vincular suas atividades,de maneira exclusiva, às Unidades Básicas de Saúde. Oportunizando aos

residentes o envolvimento com atividades capazes de permitir uma visualizaçãomais ampla e completa do fazer saúde desde o modelo do SUS.

Este movimento de externalização do fazer cotidiano do residentepermitiu durante a primeira turma de residência a integração com as duasturmas do curso de especialização em saúde da família por meio da realizaçãode um seminário de integração e socialização das experiências dos dois grupos,infelizmente não tivemos a continuidade do curso de especialização.

 Atualmente, articulamos com os cursos de pós-graduação ofertados naregião (saúde mental e formação de gestores) e estamos trabalhando naperspectiva de atividades conjuntas com a graduação ao alocarmos junto àresidência o programa de extensão “Liga de Saúde Coletiva” criada a partir daexperiência dos alunos de diferentes áreas no Projeto Vivências e Estágios naRealidade do Sistema Único de Saúde (VER-SUS) do ministério e município,ou seja, todos os projetos dos professores alocados em nossa equipe estãosendo direcionados para uma integração com a residência e município sendo

os mesmos que participaram das propostas das chamadas dos Programa deMelhoria e Expansão do Ensino Médio (PROMED) e Programa Nacional deReorientação da Formação Profissional (PRO-SAÚDE) oportunizados até hoje.

2 - Considerações metodológicas

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família(PRMSF) se realiza por meio do conjunto de conteúdos teórico-práticos

específicos da saúde em suas dimensões individual e coletiva. Está contempladodentro das atividades o desenvolvimento de pesquisas. A concepção pedagógica

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 271/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

271

adotada é a problematizadora (ou baseada em problemas) que considera osalunos sujeitos do seu próprio aprendizado; partindo das experiênciasvivenciadas na realidade local.

Bordenave (1999) apresenta o processo ensino-aprendizado nestapedagogia utilizando-se do método do arco criado por Charles Mangarez, querepresenta esquematicamente os passos na Figura 1.

  Ao observar o diagrama, evidencia-se que o processo de ensino-aprendizagem parte da observação de um aspecto selecionado da realidade. Ao

observar a realidade, os alunos expressam suas percepções pessoais, efetuando-se uma primeira leitura ingênua desta realidade.

Na segunda fase, os mesmos separam dessa observação inicial o que éverdadeiramente importante do puramente superficial ou contingente,identificando os pontos-chave do problema ou assunto em questão, as variáveismais determinantes da situação.

Em um terceiro momento, inicia a teorização do problema onde seidentificam os por que das coisas observadas. Recorre-se, então, aos

conhecimentos científicos, possibilitando a teorização a partir dos fatos contidosno cotidiano.

Figura 1

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 272/414

272

Confrontada a realidade com sua teorização, inicia a quarta fase: aformulação de hipóteses de solução para o problema em estudo. O aluno utilizaa realidade para aprender com ela, ao mesmo tempo em que se prepara paratransformá-la.

Na última fase, o aluno pratica e fixa as soluções encontradas comosendo mais viáveis e aplicáveis. Aprende a generalizar o aprendido para utilizá-lo em situações diferentes e a discriminar em que circunstâncias não é possívelou conveniente a aplicação.

O autor ressalta as seguintes repercussões da pedagogia daproblematização:

• Em nível individual: (a) aluno constantemente ativo, observando,formulando perguntas, expressando percepções e opiniões; (b) alunomotivado pela percepção de problemas reais cuja solução se converteem reforço; (c) aprendizagem ligada a aspectos significativos darealidade; (d) desenvolvimento das habilidades intelectuais deobservação, análise, avaliação, compreensão, extrapolação etc.; (e)intercâmbio e cooperação com os demais membros do grupo; (f)superação de conflitos como integrante natural da aprendizagemgrupal; (g) status do professor não difere do status do aluno.

• Em nível social: (a) população conhecedora de sua própria realidade

e reação à valorização excessiva do forâneo (externo); (b) métodos einstituições originais, adequados à própria realidade; redução danecessidade de um líder, pois líderes são emergenciais; (c) elevaçãodo nível médio de desenvolvimento intelectual da população, graças amaior estimulação e desafio; (d) criação (ou adaptação) de tecnologiaviável e culturalmente compatível; (e) resistência à dominação porclasses e países.

Como pedagogia crítica, o modelo educacional de Paulo Freire tem sidoapontado como uma importante contribuição para a promoção da saúde,

especificamente para a educação em saúde. Passaremos a descrever como sevivenciou esta metodologia.

O processo de seleção da RMSF iniciou com a definição da preceptoria,onde o perfil definido do preceptor foi o interesse pela área de saúde pública,se possível em especial saúde da família e movimentos sociais.

 A seleção dos preceptores de campo, profissionais locais responsáveispela orientação aos Projetos de Especialização e Residência em Saúde da Família,foi executada com a parceria da Secretaria Municipal de Saúde de Blumenau eda Fundação Universidade Regional de Blumenau (SEMUS/FURB). Pontuou-se a necessidade de profissionais preparados a partir dos critérios como

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 273/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

273

experiência em saúde da família, disponibilidade de tempo, desejo pessoal,sentir-se em condições técnicas e didáticas de atuar num programamultiprofissional de treinamento em serviço, e atualmente ter título deespecialista na área.

 A seleção dos residentes da primeira turma e dos alunos do curso deespecialização em saúde da família foi realizada simultaneamente com algumasetapas em comum. No processo seletivo utilizaram-se como recursos depontuação provas teóricas, entrevistas e análise de currículo, com pesossemelhantes, na última edição a prova teórica foi eliminatória com corte nanota sete.

 As atividades teóricas foram desenvolvidas em dois eixos norteadores.Seminários semanais, as quartas pela manhã e quinzenalmente as quintas detarde. Em nossa avaliação houve a necessidade de revisão da grade disciplinarbuscando uma maior e mais adequada sistematização dos conteúdos emetodologia; e concentração-dispersão, seminários desenvolvidossemanalmente, duas a três horas de encontro sendo um de concentração, reuniãona FURB, e na semana seguinte o outro, de dispersão, na UDA. Por ser umametodologia nova, tivemos várias dificuldades tais como: contemplar conteúdosespecíficos de acordo com a necessidade de cada categoria entre os preceptoresdo campo e de núcleo e falta de articulação entre o seminário e o campo prático.

 A partir das avaliações preparou-se uma nova proposta de gradedisciplinar.

Oficinas Introdutórias

· Apresentação da residência (Projeto Político Pedagógico e regimento)e atores envolvidos no programa.

· Apresentação de categorias e suas atribuições

· Conhecendo os serviços de saúde· Apresentando os serviços de saúde· Socialização e construção das equipes

Disciplinas

· Família e comunidade (30horas)· Saúde da família (30 horas)

· Estratégia de implantação de saúde da família (30 horas)· Promovendo, prevenindo e sssistindo à saúde da família (75 horas)· Programação e gestão local (30 horas)

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 274/414

274

· Métodos de pesquisa em atenção primária à saúde (30 horas)· Epidemiologia em Saúde da Família (40 horas)· Vigilância em saúde (30 horas)· Educação e saúde e participação comunitária (30 horas)

· Ética e bioética (30 horas)· Políticas Públicas de Saúde (30 horas)· Práticas tradicionais de saúde (25horas)

 As atividades práticas dividiram-se em “campo” e “núcleo”. As de campoforam desenvolvidas nas unidades de saúde da família no período vespertino,sendo também as primeiras experiências destas unidades em atenção

multidisciplinar, e estágios nas unidades de referencia no período matutino.Na avaliação foram apontados como negativo a falta de protocolo para osprofissionais; a situação profissional de cada residente; alguns com atuaçãodescomprometida; necessidade de melhor articulação dos conteúdos dosseminários com as atividades de campo - relação interdisciplinar causandodificuldade de articulação entre preceptores e em algumas unidades faltouespaço físico, visto que lá estavam residentes, estudantes da graduação demedicina e funcionários.

Nossa proposta atual do projeto político pedagógico apresenta os estágiosa seguir.

Unidades Básicas de Saúde (1º e 2º ano)

Atividades:

· Realização de acolhimento aos usuários em, no mínimo, um turnopor semana.

· Participação como parte da equipe multiprofissional de atendimentoindividual do usuário da UBS.· Realização da territorialização.· Atuação junto ao serviço de vigilância sanitária.· Participação em eventos (inclusive culturais), campanhas e reuniões

da comunidade local, bem como de conselhos e conferênciasmunicipais e estaduais.

· Identificação e construção de ações que contribuam para potencializara articulação entre a comunidade, seus equipamentos sociais elideranças comunitárias.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 275/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

275

· Organização e coordenação de grupos de discussão para promoçãoda saúde, com elaboração prévia de um plano de ação, avaliando aadesão e o impacto dessa atividade na comunidade.

· Apoio terapêutico a usuários e familiares dos grupos de auto-ajuda.

· Realização de visita domiciliar coma finalidade de conhecer ascondições de vida da comunidade busca ativa dos usuários e atenderaqueles que tiverem dificuldades para deslocamento.

· Elaboração de relatórios das atividades desenvolvidas.· Participação em estudo e investigações específicas realizadas pela

equipe de saúde com vista à construção de instrumentos para resoluçãode problemas na área de atuação da UDA.

Estágio obrigatório (2º ano) - Vigilância à SaúdeTempo: dois meses (120 horas)

Período: segundas e quartas feiras (período integral)

Atividades:

· Acompanhar a implantação e avaliação de imunização nas unidadesde saúde da rede municipal.

· Atividades de investigação e avaliação das doenças de notificaçãocompulsória e outras determinadas por programas da secretaria desaúde.

· Acompanhar as ações educativas e de fiscalização da vigilância sanitáriae ambiental.

· Acompanhar, desenvolver procedimentos de critica e controle dequalidade dos sistemas de informação em saúde implantados naSecretaria de Saúde.

Local: Serviço de Vigilância da Secretaria Municipal de Saúde

Estágios Rotativos (2º ano) - Cada residente escolherá dois locais pararealizar os estágios dentre os apresentados a seguir.

Tempo: dois meses (120 horas)

Período: segundas e quartas feiras (período integral).

Centro de Atenção Psicossocial - Local: CAPS I 

Atividades:

· Conhecer e participar da implantação prática da política de atençãoprimária para a saúde mental, sua função de referência e como se dãoas práticas locais de hospitalização.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 276/414

276

Centro de referência em Saúde do Trabalhador (Cerest)

Atividades:

· Acompanhar o programa de atenção à saúde do trabalhador e suaproposta educativa e como se processa o atendimento aos acidentes

de trabalho e doenças profissionais.· Avaliar das atividades de vigilância em saúde (epidemiologia de agravos

e vigilância em locais de trabalho, discussão com trabalhadores eempresas).

Educação Permanente em Saúde e Escola Técnica de Saúde

Atividades:

· Acompanhar os programas de formação e capacitação de recursoshumanos para o SUS.· Conhecer metodologias e técnicas inovadoras de educação em saúde.· Participar do Pólo de Educação Permanente em Saúde.

Gestão em Políticas Públicas de Saúde - Secretaria Municipal de Saúde

Atividades:

· Acompanhar as atividades de administração e planejamento das

principais políticas públicas do nível central da Secretaria Municipalde Saúde (política de atenção à criança e adolescente; saúde da mulher;doenças crônico-degenerativas; saúde do idoso).

· Implantação, acompanhamento e avaliação de programas e ações desaúde, gerenciamento de recursos financeiros e materiais.

Centro de referência em DST e Aids

Atividades:

· Conhecer as propostas da política de atenção ao usuário do Ambulatório de DST-Aids, o atendimento individual e as perspectivasdo atendimento coletivo e domiciliar.

· Incentivar o acolhimento e levantamento de demandas entre osusuários do ambulatório.

Estágios Optativos (2º ano)

Tempo: três mesesPeríodo: todos os dias da semana (período integral).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 277/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

277

Atividades:

· Atuar em algum serviço de saúde dentro ou fora do Município deBlumenau.

 As atividades de núcleo se desenvolvem em reuniões semanais com os

residentes por núcleo e também sob o título de estágio de intervenção, noinício com tempo previsto para três meses, em alguns casos puderam serprorrogadas para seis meses sendo considerado altamente positivo por permitirreconhecimento, relação e prática.

 A clareza e explicitação das especificidades precisam ficar bem definidas,reuniões mensais poderiam vir a ser o espaço para clarear estas questões. Quantoao papel das preceptorias e também aos estereótipos das áreas do conhecimento,nota-se que houve esforço no sentido de “sentar” com as outras áreas e construirum plano de intervenção conjunta. Não deixar os estágios por conta de objetivosparticulares dos residentes, e sim com os objetivos da residência, complanejamento prévio.

O processo de avaliação dentro da residência permeia os seguintesprocessos de acordo com nosso Projeto Político Pedagógico (PPP).

Os enfoques do sistema de avaliação no Programa da Residência são:

-Programa da residência-Desempenho do preceptor de campo e núcleo

-Desempenho do residente pelo preceptor de núcleo

-Desempenho do residente pelo preceptor de campo

-Avaliação das disciplinas

-Avaliação dos residentes nos seminários/disciplinas

-Ao final de cada disciplina do bloco teórico serárealizada

uma avaliação de acordo com a proposta do docenteda mesma

-Trabalho de conclusão de curso.

 Avaliação

Formativa

 Avaliação

Somativa

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 278/414

278

Outro desafio que foi enfrentado de modo marcante, diz respeito àprodução científico-acadêmica, outra forma de avaliar, chamamos “Eventoscientíficos e técnopolíticos”, reconhecidamente aqui foram muitas asparticipações e estimulante o espírito organizativo dos residentes nos principais

eventos dentro da área da saúde, congressos de saúde da família e congressosde especialidades. Registra-se aqui a Quinta Conferencia Municipal de Saúde,a organização e participação junto aos conselhos locais de saúde, e EncontroNacional Universitário de Saúde da Família, o I Seminário de Integração doPrograma de Pós-graduação em Saúde da Família (FURB) em maio de 2003, aII Mostra Nacional de Saúde da Família e o Seminário de Socialização dasatividades dos residentes ocorrido em dezembro de 2003.

Nos dois primeiros anos de existência da RMSF um número da Revista

Dynamis/FURB foi destinado exclusivamente à temática Saúde da Família, comartigos provenientes da RMSF. Além dessa publicação específica, nos anosseguintes artigos elaborados por preceptores e residentes foram publicadosem revistas de referência nacional e trabalhos foram apresentados emcongressos de saúde da família e congressos específicos das áreas profissionaisenvolvidas na RMSF.

Todo esse acúmulo no campo da reflexão científico-acadêmica marcou aabertura de um espaço concreto e altamente qualificado de convivênciamultiprofissional que a passos largos evoluirá para ações em saúde que sejamcapazes de redimensionar, a um só tempo, o serviço e a academia.

3 - Resultados

Os processos administrativos se desenvolveram em três eixos: primeiro,a coordenação da residência, esta foi pautada por trocas de coordenadores

não permitindo um maior compromisso e atenção aos residentes, sendoinsuficiente o respaldo institucional às mudanças pleiteadas pelo colegiado daresidência.

Segundo, o colegiado da residência, este se desenvolveu em reuniõesquinzenais, atualmente mensais com representantes eleitos em assembléia geral,dentre suas principais dificuldades destacamos a pouca autonomia de suasdecisões e o não encaminhamento de suas deliberações, mas tiveram seu ladopositivo como espaço democrático de negociação entre residentes, preceptores

e representantes da secretaria municipal de saúde.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 279/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

279

E terceiro, o colegiado de preceptores com reunião mensal, seu pontopositivo o espaço de interlocução entre os preceptores das diferentes disciplinase como grande dificuldade a interlocução entre preceptores de núcleo epreceptores de campo.

Como resultado pedagógico tem-se a construção da teoria coletiva, umadas maiores preocupações do núcleo de preceptores e residentes da primeiraturma (2002/2004) foi a de ter como referencial de trabalho o Projeto PolíticoPedagógico (PPP), mesmo não sendo uma solicitação da instituição.

Este projeto propõe a construção de novos espaços de aprendizagem,que incorporam os residentes de diversas áreas profissionais ao processo detrabalho em saúde desenvolvido pelas equipes de saúde da família. Nestaarticulação, os conceitos de vigilância em saúde e de abordagem clínico-individual se operacionalizam com a participação dos diversos agentesenvolvidos, quais sejam: residentes, docentes, equipes e comunidade.

Quanto às preceptorias de campo e núcleo, as sugestões apresentadasforam: diminuir o número de preceptores em algumas disciplinas e estágios;estabelecer melhor os critérios para seleção; escolher um perfil e fazer comque os preceptores trabalhem juntos; estabelecer algumas regras, como a departicipar pontualmente de reuniões da residência.

Não temos até o momento um plano de formação docente parapreceptores, os mesmos estão inseridos nas atividades de formação geral dauniversidade. Cabe à coordenação acompanhar a atividade de preceptoria maisde perto e os preceptores de campo deveriam acompanhar os projetos e tambémparticipar das atividades do colegiado, devem estimular a pessoa do serviço adesenvolver o ensino-serviço.

Estamos atualmente com o seguinte resultado: inscritos no programaaté o momento 45 residentes, concluíram o curso 18 residentes, desistências

08, certificado de aperfeiçoamento 02 (um residente desistente que concluiu oprimeiro ano e outro que concluiu o curso, mas não apresentou o artigo deconclusão), residentes em curso 19.

4 - Discussão

 A adequação do projeto à realidade local foi a principal iniciativa destecoletivo da Residência, considerando o processo de definição e formatação de

um novo curso, fez algumas pontuações que entendem pertinentes e necessáriasa este tópico de avaliação da Residência em Saúde da Família.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 280/414

280

“A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado  prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício” (BRASIL, 1990),devendo ser prestada com qualidade. Nesse sentido, a formação de recursoshumanos para esse exercício constitui-se numa necessidade.

Tanto na conferência local quanto na conferência municipal de saúde -instância máxima de definição e controle social - deliberou-se em anosanteriores pela qualidade da atenção à saúde; e nesta última relaciona estaqualidade à qualificação de pessoal, capacitação de recursos humanos que atuamno sistema. Capacitação esta que deve ter, segundo as deliberações dasconferências nas várias esferas, o caráter interdisciplinar e intersetorial.

 A experiência desenvolvida em Blumenau por meio da FURB, em parceriacom a Secretaria Municipal de Saúde apresenta uma condição em que esse

caráter se expressa e demonstra resultados positivos, provenientes da discussãoque envolveu unidade de ensino, preceptores de núcleo, residentes, preceptoresde campo e profissionais das UDAS.

O processo ensino aprendizagem do formato atual da residênciapossibilita, além da qualidade do residente em si, a qualificação dos profissionaisque estão nas unidades de atenção à saúde, pela sua especificidade de ensinoem serviço. Seu contato e prática “in loco” proporciona a reflexão acerca daspráticas de saúde lá desenvolvidas, oxigenando os conceitos arraigados eultrapassados. Conseqüentemente, possibilita, mesmo que não sendo o objetivo

primeiro do residente, a disseminação do conhecimento e a dialetização daspráticas desenvolvidas.

Um bom exemplo foi a implantação efetiva dos conselhos locais de saúdenas comunidades que receberam residentes. A contribuição da residência naimplantação destes, não se determinou pela especificidade de ação do serviçosocial, mas foi processada por ações que implicaram todos os residentes,independente de sua formação profissional específica.

Também, como processo ensino aprendizagem, desenvolve pesquisas que

não se restringem somente à produção de novos indicadores de saúde, mas simse estende à criação de novas metodologias de ensino em saúde a exemplo daconcentração e dispersão das discussões articuladas, a interação entregraduação e pós-graduação.

 A continuidade dessa experiência deve ser também uma contrapartidade uma universidade como a FURB, cuja particularidade se expressa na suacondição de pública enquanto interesse e prática, mas privada enquanto formade manutenção. O seu financiamento é garantido por meio das mensalidades

pagas pelos alunos da graduação, e na condição de universidade pública nãoestatal tem o pagamento de seu corpo docente garantido da mesma forma queas universidades públicas, conseqüentemente o custeio das horas equivalentes

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 281/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

281

à dedicação a residência não deveriam comprometer a dedicação à graduaçãomantenedora desses professores, mas sim expandir o processo de pós-graduaçãocomo hora ensino também.

5 - Conclusão

Há um corpo docente capacitado e interessado nessa modalidade de cursode residência, pelas possibilidades acadêmicas que oferece aos discentes eespecialmente, pela possibilidade de formar profissionais efetivamentecomprometidos com o conceito de promoção da saúde (BUSS, 2000).

Levantou-se a necessidade de reflexão em torno dos termos relacionadosao processo formativo dos trabalhadores em saúde, como, localizar o processo

história e concepções acerca da formação dos trabalhadores em saúde; apontaras linhas fundamentais às posições básicas em torno da formação em serviçodos trabalhadores em saúde.

Compete ao corpo de preceptores organizarem o processo de maneiracontínua com metodologia explícita e reavaliações constantes. Articular essareflexão, a formação teórica dos residentes com os preceptores de campo e napróxima edição da residência a junção dos residentes egressos, já especialistasaos blocos teóricos facilitará o trabalho da residência.

Vincular os conteúdos dos seminários teóricos ao processo da formaçãodos servidores. Reavaliar sempre a grade curricular com programa dosseminários e professores responsáveis e carga horária. Normatizar asconcentrações e controle de presença usando os 75% mínimos de presença.Utilizar metodologicamente mais dinâmicas de grupos, cronograma dospreceptores de núcleo, troca de experiências entre preceptores de núcleo ecampo, acompanhamento de preceptores de núcleo no campo, grupos eapresentação para o coletivo.

 Às atividades práticas sugere-se grupo de estudo, com tema voltado para

a prática cotidiana e acompanhamento do preceptor nas atividades em campo. Ao avaliar devem-se inscrever outros indicadores que melhor evidenciem

quanto à capacidade de apreensão da questão social no cotidiano do fazerprofissional: a relação teoria e prática; o compromisso ético político propositivo;a produção e contribuição para o usuário; possibilidade de rompimento com omodelo clínico unisetorial. Quanto aos preceptores (campo/núcleo): relaçãoteoria e prática; mediação; compromisso ético.

Quanto à residência: capacidade de apreensão da questão social a partir

do cotidiano da prática (relação teoria e prática); a residência enquanto ensino-serviço; o intersetorial enquanto o processo ensino serviço; possibilidades de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 282/414

282

rompimento com o modelo clínico. Quanto ao intersetorial: como espaço deensino-serviço/construção novo modelo; relação teoria e prática no campo.

Os propósitos a avaliar na residência: referencial teórico/político;redimensionamento dos conteúdos das disciplinas; educação popular,

acolhimento; troca de preceptores de algumas áreas.Com relação às preceptorias definir: critérios; definição dos horários

dos preceptores da FURB; maiores cobranças de responsabilidades dapreceptoria; ver representação do colegiado; colocar preceptoria como hora/ensino; realizar reuniões preceptores de campo, FURB e nível central; estágiode observação da rede de 2 a 3 dias, com o objetivo de conhecer os fluxos doserviço de saúde; estágio de intervenção de 3 a 6 meses.

6 - Agradecimento Agradecemos aqui a participação de cada um dos atores que construíram

e continuarão a construir a proposta de formação de recursos humanos para oSUS a partir de novos cenários como os que a Residência Multiprofissional emSaúde da Família permite à nossa região.

Referências bibliográficas

BORDENAVE, J. E. D. Alguns fatores pedagógicos. In: SANTANA, J. P.;CASTRO, J. L. (Orgs.). Capacitação em Desenvolvimento de Recursos

 Humanos CADRHU . Natal: Ministério da Saúde/Organização Pan- Americana da Saúde/Editora da UFRN, 1999. p. 261-268.

BRASIL. Lei n.° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre ascondições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organizaçãoe o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.In: BRASIL. Ministério da Saúde; Conselho Nacional de Saúde. Coletânea

de normas para o controle social no Sistema Único de Saúde. 2. ed. Brasília:Editora do Ministério da Saúde, 2006. 208 p.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & SaúdeColetiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 19, 2000. Mimeo.

DYNAMIS – revista Tecno-Científica. Edição especial Saúde da Família,Blumenau, v. 10, n. 41, out./dez. 2002. 78p.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD (OPAS).  Desafios

 para la Educacion em Salud Publica: la reforma sectorial y las funcionesessenciales de salud publica. Washington, D.C.: OPAS, 2000. 156p.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 283/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

283

Programa de Residência Integrada em Saúde da Família daUniversidade Federal de Santa Catarina: o desafio de uma

construção interdisciplinar coletiva

Marta Verdi1

Marco Da Ros2

Carmen Moré3

Daniela Carcereri4

Fátima Buchele5

Mareni Farias6

Maria Aparecida Crepaldi7

Neila Viçosa Machado8

Regina Mioto9

Rosane Nitschke10

1 Enfermeira, doutora em Enfermagem, Professora do Departamento de Saúde Pública da UFSC,coordenadora do Programa de Residência Integrada em Saúde da Família da UFSC. E-mail:[email protected], [email protected]

2 Médico, doutor em Educação, Professor do Departamento de Saúde Pública da UFSC, coordenador epreceptor acadêmico do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da UFSC.

3 Psicóloga, doutora em Psicologia, professora do Departamento de Psicologia da UFSC, preceptora da

área de Psicologia no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da UFSC.4 Cirurgiã-dentista, doutora em Engenharia de Produção, Professora do Departamento de Estomatologiada UFSC, Preceptora da área de Odontologia no Programa de Residência Multiprofissional em Saúdeda Família da UFSC.

5 Enfermeira, doutora em Enfermagem, professora do Departamento de Saúde Pública da UFSC,preceptora da área de Enfermagem no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliada UFSC.

6 Farmacêutica, doutora em Ciências Farmacêuticas, Professora do Departamento de CiênciasFarmacêuticas da UFSC, preceptora da área de Farmácia no Programa de Residência Multiprofissionalem Saúde da Família da UFSC.

7 Psicóloga, doutora em Saúde Mental, professora do Departamento de Psicologia da UFSC, preceptorado estágio na Maternidade do Hospital Universitário.

8 Nutricionista, mestre em Educação, professora do Departamento de Nutrição da UFSC, preceptora da

área de Nutrição no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da UFSC.9 Assistente Social, doutora em Saúde Mental, professora do Departamento de Serviço Social da UFSC,

preceptora da área de Serviço Social no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Famíliada UFSC.

10 Enfermeira, doutora em Filosofia de Enfermagem, professora do Departamento de Enfermagem daUFSC, preceptora da área de Enfermagem no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde daFamília da UFSC.

Resumo: Apresenta-se a experiência do Programa de Residência Integradaem Saúde da Família (PRISF), promovido pela Universidade Federal de SantaCatarina (UFSC) em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde deFlorianópolis, o qual integra dois subprogramas de residência: o Programade Residência em Medicina de Família e Comunidade e o Programa deResidência Multiprofissional em Saúde da Família. Descreve a trajetória deexperiência do grupo proponente, o marco de referência fundamentado nosprincípios da Reforma Sanitária Brasileira e na política de atenção básica,bem como as diretrizes pedagógicas. Detalha os objetivos e a estruturapedagógico-assistencial do curso. Apresenta uma breve descrição domapeamento de egressos do curso. Entre os desafios da proposta está apossibilidade de contribuir para a melhoria dos serviços e a construção deum caminho para efetivação do SUS, de delinear um modelo pedagógico-assistencial consoante com a Estratégia Saúde da Família, desenhando

projetos e políticas de saúde.Palavras-chave: Residência Multiprofissional, Interdisciplinaridade, Saúdeda Família.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 284/414

284

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 285/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

285

1. Introdução

O presente artigo apresenta a experiência da implementação do Programade Residência Integrada em Saúde da Família, promovido pela Universidade

Federal de Santa Catarina (PRISF/UFSC) em parceria com a SecretariaMunicipal de Saúde de Florianópolis, na perspectiva dos desafios postos àPolítica de Educação Permanente para o Sistema Único de Saúde (SUS). EstePrograma de ensino de pós-graduação é composto por dois subprogramas deresidência, a saber: o Programa de Residência em Medicina de Família eComunidade e o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

Considerando a formação multiprofissional numa perspectivainterdisciplinar, o Programa de Residência Integrada em Saúde da Família

(PRISF/UFSC) articula diversos setores das instituições responsáveis por suaexecução. No âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina, estãoenvolvidos sete diferentes departamentos de ensino, a saber, saúde pública,ciências farmacêuticas, enfermagem, estomatologia, nutrição, psicologia eserviço social, assim como alguns setores do Hospital Universitário. No âmbitoda Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, estão envolvidas duasunidades locais de saúde e suas respectivas regionais de saúde onde o programade residência se efetiva no campo prático.

Com a finalidade de formar profissionais de saúde, por meio da educaçãoem serviço (aprender-fazendo), o PRISF/UFSC busca qualificá-los para odesempenho de suas atividades no Sistema Único de Saúde, visando ao alcancedas competências técnica, política e ética da Estratégia de Saúde da Família.Deste modo, está estruturado teórica e metodologicamente em acordo comdiretrizes da atual Política de Educação Permanente em Saúde, destacando-sea Educação Permanente como um processo de aprendizagem no trabalho, ondeo aprender e o ensinar se incorporam ao cotidiano das organizações e ao próprio

trabalho.Enquanto estratégia de educação permanente, a Residência Integrada

oportuniza uma aprendizagem em equipe multiprofissional inserida na realidadeconcreta dos serviços de saúde, cujo processo de trabalho pode serpotencialmente construído e reconstruído no cotidiano da Estratégia Saúde daFamília buscando articular o conhecimento interdisciplinar e a práticamultiprofissional e intersetorial.

No sentido de apresentar o modelo pedagógico-assistencial construídono processo de implementação deste Programa de Residência Integradainicialmente enfocamos nossa trajetória de experiência, o marco de referência

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 286/414

286

e diretrizes pedagógicas, para a seguir indicarmos a estrutura pedagógicaassistencial e finalizar com a discussão em torno das fragilidades epotencialidades identificadas neste processo.

2. Trajetória Histórica da Experiência do Grupo de Trabalho

 A preocupação em relação à atuação Multiprofissional em Saúde daFamília, na UFSC, tem uma história que data do final da década de 70, quandomédicos e enfermeiros, professores dos departamentos de Saúde Pública e deEnfermagem, iniciaram um trabalho com alunos voluntários na comunidadeda Costeira do Pirajubaé11 apoiados pela Pró-Reitoria de Extensão. Nacontinuidade, integraram-se ao projeto os cursos de farmácia e de nutrição,bem como se expandiu para outras comunidades, entrando em cena o serviçode saúde pública do Hospital Universitário, contratando profissionais paraatividades docente-assistenciais no âmbito da atenção primária de saúde. Em1985, por meio de um convênio com a Prefeitura Municipal de Florianópolis,iniciaram-se estágios em medicina comunitária desenvolvidos nos centros desaúde municipais, como atividade de extensão, tendo o envolvimento de 50alunos por turma (em média). Esta modalidade de estágio curricular nãoobrigatório perdurou por mais de 10 anos no curso de medicina. Neste período,

o curso de psicologia também iniciou seus trabalhos nos centros de saúde.Em 1992, foi organizado um fórum interdisciplinar no Centro de Ciências

da Saúde/UFSC, envolvendo os cursos nele sediados e contando também coma participação dos cursos de psicologia e de serviço social, para a discussão deuma proposta de Residência Multiprofissional em Saúde Comunitária.

 A partir de maio de 1997, por meio de convênio específico entre aUniversidade Federal de Santa Catarina e a Secretaria Municipal de Saúde deFlorianópolis, foi criado o Programa de Articulação Docente Assistencial(PADA). O PADA, hoje denominado de Rede Docente Assistencial (RDA), tema finalidade de construir um espaço de articulação ensino-serviço, a fim deatender à necessidade de promover mudanças no modelo de formação dosprofissionais de saúde, de modo permanente e em todos os níveis, a partir dodesencadeamento dos processos de implantação das novas diretrizescurriculares nos cursos de graduação da área da Saúde, inclusive com o incentivofinanceiro, inicialmente do PROMED e, mais recentemente, do PRÓ-SAÚDE,bem como no incentivo à formação em nível de pós-graduação no Programa deResidência Integrada em Saúde da Família, de Especialização e outras iniciativasde capacitação dos trabalhadores para o SUS.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 287/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

287

O coletivo de preceptores da Residência Integrada em Saúde da Famíliatem tido papel fundamental na construção da concepção que norteia aorganização e processo de integração na Rede Docente-Assistencial, inclusivecontribuindo substancialmente para o desenho do modelo pedagógico-

assistencial discutido para a rede, bem como no processo de educaçãopermanente envolvendo os sujeitos participantes, tutores, preceptores daresidência, professores dos cursos de graduação, profissionais da rede municipalde saúde envolvidos no acompanhamento de estudantes nas unidades básicasde saúde, gestores locais, entre outros. Este processo tem sido construído ereconstruído por diferentes áreas de formação profissional como a Enfermagem,a Medicina, a Odontologia, a Farmácia, a Nutrição, a Psicologia e o ServiçoSocial, bem como de áreas de conhecimento interdisciplinar como a Saúde

Pública, no sentido de fortalecer o caminho da interdisciplinaridade. A articulação entre Residência Integrada em Saúde da Família e os cursos

de graduação da área da Saúde se efetiva por meio de atividades conjuntasdesenvolvidas no âmbito da Unidade Local de Saúde (ULS) e semináriostemáticos de discussão. Os estudantes de graduação têm a possibilidade deintegra-se às atividades da residência tanto nas atividades específicas da áreaprofissional, como nas atividades coletivas interdisciplinares. Nas atividadesespecíficas, é oportunizado aos estudantes de graduação seguir as atividades

do residente de sua área profissional específica, como por exemplo, o estudantede medicina pode acompanhar as atividades do residente médico, enquanto oestudante de serviço social acompanha o trabalho do residente assistente social.Entretanto, o espaço de maior integração que tem ocorrido com a graduaçãose refere ao espaço de trabalho coletivo interdisciplinar, onde nas atividadesde reuniões de planejamento de cada área de abrangência da ULS, os residentes,os estudantes de graduação e os profissionais da equipe de Saúde da Famíliadiscutem, problematizam e planejam as atividades integradamente.

Uma experiência exitosa na residência foi, sem dúvida, o chamadomomento de integração, que enquanto estratégia pedagógica transformou-senum espaço efetivo de construção de saberes e práticas interdisciplinares, ondeas situações de saúde são apresentadas e discutidas coletivamente no sentidode compor um plano de ação construído com a participação de todas asprofissões integrantes da residência na perspectiva interdisciplinar.Recentemente, este modelo pedagógico tem adotado também nos grupos deestágio de estudantes de graduação com efetiva resposta de integração entreos diferentes cursos, em especial, os cursos de graduação em medicina,enfermagem, odontologia, nutrição e serviço social.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 288/414

288

O grupo de trabalho do PRISF/UFSC acumula a experiência da formaçãode duas turmas de residentes, tendo coordenado o desenvolvimento de doiscursos no período de 2002-2004 e 2004-2006. Este processo envolveu aformação de 16 residentes no período de 2002-2004 e de 22 residentes no

período 2004-2006, o que representa um total de 38 profissionais especialistasegressos. A experiência acumulada propiciou ao grupo de trabalho subsídiospara reformular a proposta pedagógico-assistencial do curso no sentido dequalificar seus processos pedagógicos e de gestão configurando-o como umprograma de formação profissional em nível de pós-graduação, objeto do projetoora apresentado.

3. Marco de Referência e Diretrizes Pedagógicas

Entendem-se aqui marco de referência e diretrizes pedagógicas comoparâmetros de base que se conjugam, indissociavelmente, num conjunto depressupostos, integrados numa configuração significativa que proporcionamdireção à prática assistencial, à educação e à pesquisa.

O marco de referência para orientar o desenvolvimento do PRISF/UFSCvem sendo construído baseado nas concepções, crenças e valores dos diferentes

sujeitos que compõem o grupo de trabalho, cuja fundamentação se apóia nosprincípios da Reforma Sanitária Brasileira, bem como na política de atençãobásica, envolvendo a Estratégia Saúde da Família. Tais concepções, crenças evalores são apresentados a seguir.

Um dos conceitos fundamentais para o Marco de Referência do PRISF éo conceito de saúde, que, em primeiro lugar, consideramos um direito de todose um dever do Estado. Concebe-se saúde como resultante de um processo deprodução social, que expressa a qualidade de vida de uma população,

entendendo-se qualidade de vida como a condição de existência dos homensno seu viver cotidiano individual, familiar e coletivo.

Neste sentido, a concepção de ser humano que permeia o pensamentodo grupo trata, simultaneamente, de sua integralidade, singularidade,diversidade e complexidade, como um ser crítico e criativo em constantemudança com extraordinário potencial para a transformação do processo deviver individual e coletivo. O ser humano é, sem dúvida, um ser eminentementesocial, integrado numa sociedade entendida como o processo que envolve o

conjunto de relações dos seres humanos entre si e com o ambiente, influenciadopor processos culturais, históricos, econômicos e políticos. Historicamente, a

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 289/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

289

sociedade tem se caracterizado por relações desiguais, injustas ediscriminatórias, porém com potencial de transformação por meio dasolidariedade e cooperação.

O desenvolvimento do trabalho em saúde precisa estar embasado no

cotidiano da realidade local, ou seja, no espaço social, geográfico e humano,objeto da prática profissional, por meio de uma prática humanizada, associadaà competência técnica e postura ética, reconhecendo e valorizando a cultura eo saber populares, além de fundamentar-se na interdisciplinaridade, naintersetorialidade e na integralidade.

A integralidade,  como um princípio polissêmico, implica tanto naabordagem do indivíduo na sua totalidade e parte de um contexto familiar esociopolítico, quanto na organização de práticas de saúde que integrem açõesde promoção da saúde, de prevenção de doenças e de atenção curativa. Alémdisso, o entendimento da necessidade de garantia do acesso aos diferentes níveisde complexidade da atenção em saúde e oferecer respostas ao conjunto denecessidades de saúde de uma população e não apenas a um recorte deproblemas está fundamentalmente baseado na integralidade (PINHEIRO eMATOS, 2003).

Na perspectiva da integralidade, outros dois conceitos mostram-se

coadjuvantes imprescindíveis, a interdisciplinaridade e a intersetorialidade. Porinterdisciplinaridade compreende-se o processo de desenvolvimento de umapostura profissional na saúde que viabilize um olhar ampliado dasespecificidades que se conjugam numa equipe, visando integrar saberes epráticas, por meio da aceitação das diferenças e da construção de novaspossibilidades de pensar e agir (VASCONCELOS, 2002). Já a intersetorialidadeconsiste numa nova forma de trabalhar, de governar e de construir políticaspúblicas que implica na articulação entre sujeitos de diferentes setores sociais

e, portanto, de saberes, poderes e vontades diversos, para enfrentar problemascomplexos (ANDRADE, 2006).

Considerando que a finalidade última do PRISF é a formação deprofissionais para o trabalho no Sistema Único de Saúde, apresentam-se comoimportantes bases para sua fundamentação teórico-metodológica o modelo deatenção, suas principais diretrizes, elementos constitutivos e estratégias deprática. Deste modo, entendemos que a Estratégia de Saúde da Família vemconfigurando-se como estratégia de organização da atenção básica no Sistema

Único de Saúde, que busca reordenar todo o sistema articulando seus diversosníveis de atenção.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 290/414

290

Enquanto modelo de prática de saúde a Estratégia Saúde da Família sealicerça na concepção de vigilância da saúde enquanto uma resposta socialorganizada às situações de saúde e doença em todas as suas dimensões e seconcretiza por meio da combinação de três estratégias de intervenção: promoção

da saúde, prevenção das enfermidades e acidentes e atenção curativa (MENDES,1996).

Por promoção da saúde entende-se a intervenção articulada de ações detodos os setores da sociedade, sociais, produtivos, comunitários, no sentido dedesenvolver melhores condições de vida e saúde individual e coletiva, a partirde políticas públicas favoráveis à saúde e ao meio ambiente, além dofortalecimento da ação comunitária (empoderamento), bem como odesenvolvimento de habilidades e atitudes favoráveis à saúde. Numa outra

perspectiva, a prevenção de doenças estrutura-se na lógica da antecipação aoseventos, procurando atuar sobre os problemas específicos ou sobre um grupodeles, de forma a assistir integralmente indivíduos ou grupos em risco de adoecerou acidentar, enquanto a atenção curativa, como ação integral, busca orestabelecimento da saúde, a cura, a diminuição das dores e sofrimento, areabilitação das seqüelas, por meio da prática clínica e do cuidado dirigidosaos indivíduos ou grupos humanos.

O marco de referência conceitual construído na trajetória deimplementação do PRISF/UFSC, além dos pressupostos gerais já apresentadosainda enfatiza alguns pressupostos relacionados diretamente aos eixosnorteadores que guiam a prática pedagógico-assistencial e o processo de trabalhomultiprofissional e interdisciplinar no âmbito do curso. São os chamadosmicroprocessos de trabalho que dão consistência ao processo de trabalho naEstratégia Saúde da Família: planejamento local de saúde, participação econtrole social, processo educativo em saúde, acolhimento e acompanhamentode Famílias.

O processo de planejamento local de saúde, como um instrumental básicopara o direcionamento das ações da equipe de Saúde da Família em uma lógicaestratégica, processual e potencialmente criativa para transformar uma situaçãode saúde, tem de ser entendido enquanto um jogo no qual os diferentes atorestêm diferentes interesses ou projetos em relação a uma determinada situação,onde, necessariamente, se pressupõe a existência de conflitos e incertezas.

 A prática dos profissionais especialistas em saúde da família se dá em

interação com grupos sociais, especialmente, junto aos movimentos popularese às lideranças comunitárias locais, de forma a participar dos interesses, da

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 291/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

291

cultura, das condições de vida e da forma de atuação da comunidade com quetrabalha, contribuindo tecnicamente para o fortalecimento das iniciativaspopulares no processo de produção social da saúde e da vida, ou seja, daspossibilidades de construção da participação e controle social. Este processo

vincula-se diretamente ao processo educativo em saúde, entendido aqui comoprática social, histórica e política, intrinsecamente ligada ao processo detrabalho em saúde, cuja práxis cotidiana é objeto e a sua transformação emuma práxis crítica, criativa e emancipatória sua finalidade.

Um outro importante microprocesso de trabalho trata do acolhimentocomo processo que ocorre no encontro profissional/usuário e sua rede social,articulando-se por meio de três dimensões interrelacionadas, a relacional, aorganizacional e a ética. A dimensão relacional diz respeito ao vínculo envolvido

na interação entre indivíduos/famílias/comunidade e profissionais de saúde e aorganizacional se refere à reorganização do processo de trabalho nos serviçosde saúde para garantir o acesso universal e a resolubilidade das necessidadesde saúde, por meio de uma abordagem multiprofissional, interdisciplinar eintersetorial, enquanto a dimensão ética abrange a necessidade da mudança napostura profissional buscando a humanização do atendimento, aresponsabilização do profissional, do serviço e do sistema pela satisfação dousuário e pela resposta à sua necessidade de saúde (FRANCO, BUENO e

MERHY, 1999). Deste modo, a humanização passa a ter papel fundamental naformação dos trabalhadores de saúde, uma vez que se transforma em políticaque atravessa as diferentes ações nos diversos serviços e instâncias gestoras,traduzindo os princípios e diretrizes do SUS em modos de operar que valorizema dimensão subjetiva e social em todas as práticas de atenção, caracterizadospor uma construção coletiva de trocas e vínculos solidários entre usuários,trabalhadores e gestores; aumentando o grau de co-responsabilidade destesdiferentes atores e implicando mudança nos modelos de atenção e gestão dos

processos de trabalho tendo como foco as necessidades dos cidadãos e aprodução da saúde.

Quanto às diretrizes pedagógicas do PRISF/UFSC ressaltam-se seuselementos fundamentais que dão corpo e vida ao modelo pedagógico,destacando-se a metodologia do aprender fazendo e seu significado, bem comoa correspondente adoção de metodologias ativas e metodologias de avaliaçãocompatíveis. Além destes elementos, é importante considerar a educaçãopermanente como o processo que propicia a construção e reconstruçãocotidiana das experiências pedagógicas e o efetivo espaço da garantia daimplementação do modelo pedagógico.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 292/414

292

Neste sentido, algumas referências essenciais podem ser apontadas taiscomo: o foco central dirigido à realidade local com ênfase nas necessidades desaúde das pessoas e das populações, por meio do processo de trabalhomultiprofissional e interdisciplinar; a adoção de metodologias ativas de ensino-

aprendizagem considerando como espaços privilegiados para o desenvolvimentodeste processo os seminários de estudos interdisciplinares, os encontros desaberes, os momentos de integração, a supervisão local e acadêmica e a educaçãoem serviço; e a adoção de metodologias inovadoras de avaliação que tenhamcomo foco a integralidade e que facilitem a avaliação da interação entre osestudantes e os diversos cenários de práticas na perspectiva da interaçãoconstante, tanto por meio da problematização dos espaços, quanto datransformação dos mesmos.

4. Sobre os objetivos do programa

Considerando que o PRISF é um programa integrado de formação, torna-se imprescindível construir objetivos que respondam, simultaneamente, àsespecificidades do núcleo disciplinar de cada profissão e às características geraisdo campo multiprofissional e interdisciplinar dos dois subprogramasintegrantes, o Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidadee o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

Deste modo, o PRISF busca formar profissionais de saúde (médicos,enfermeiros, dentistas, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos, assistentessociais), por meio da educação em serviço, para o desempenho de suas atividadesno Sistema Único de Saúde, tendo por base o modelo assistencial propostopela Estratégia de Saúde da Família. No processo de educação em serviço vãose constituindo as competências específicas para o desempenho profissional,dentre as quais se destacam: o desenvolvimento do processo de trabalho emsaúde fundamentado nos princípios e diretrizes do SUS, bem como na realidadelocal, por intermédio de uma prática humanizada associada à competênciatécnica e postura ética, com base no conhecimento científico buscando aintegração com o conhecimento popular; o conhecimento, a análise, aplicaçãoe avaliação de informações, habilidades e atitudes na lógica clínico-epidemiológica que possibilitem a realização de atenção integral à saúdeindividual, familiar e coletiva na sua área de formação básica, de formamultiprofissional e interdisciplinar, por meio da combinação das estratégiasde intervenção de promoção da saúde, prevenção de doenças e agravos eatenção curativa.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 293/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 294/414

294

Saúde da UFSC oferece cinco cursos de graduação, a saber: medicina,enfermagem, nutrição, farmácia e odontologia. Deste modo, ao se pensar naorganização de uma Residência Multiprofissional tornou-se imprescindível aparticipação de todos estes atores, até porque iniciativas de integração no nível

da graduação já haviam ocorrido anteriormente. Considerando a importânciada construção interdisciplinar da saúde, outras áreas foram chamadas a integraro grupo, como o caso da psicologia, curso ligado ao Centro de Filosofia eCiências Humanas e do Serviço Social, curso ligado ao Centro Socioeconômico.Há ainda em processo de discussão a questão da incorporação de outros cursosna residência, como o caso da educação física que já manifestou interesse emparticipar deste tipo de formação.

O PRISF/UFSC está organizado com ingresso anual de uma turma de 30

residentes constituída por 6 médicos, 6 enfermeiros, 6 cirurgiões-dentistas, 3psicólogos, 3 nutricionistas, 3 farmacêuticos, 3 assistentes sociais, sendo,portanto, 6 residentes do Programa de Medicina de Família e Comunidade e24 residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família.

Estratégias de organização pedagógico-assistencial

O PRISF/UFSC está organizado a partir de uma estrutura pedagógico-assistencial que envolve uma carga horária total de 6.240 horas, distribuídasem 60 horas semanais ao longo de 24 meses.

De uma forma geral, as atividades podem ser agrupadas em dois conjuntosprincipais, de acordo com o caráter predominante das mesmas: atividadesteóricas com 1.248 horas e atividades de educação em serviço com 4.224 horas.

Nas atividades teóricas, estão incluídos encontros de saberes, semináriosde estudos interdisciplinares, produção científica e trabalho de conclusão de

curso.Nas atividades de educação em serviço estão previstas atividades práticas

na atenção básica com 3.312 horas, na atenção secundária com 276 horas e naatenção terciária com 276 horas. Complementam esta carga horária atividadesde supervisão da preceptoria acadêmica, da tutoria local e supervisão de grupode residentes, além de estágios optativos e período de férias.

 A estrutura curricular está composta por 12 módulos articulados quecontemplam as atividades teóricas e práticas do curso que se estruturamenvolvendo eixos temáticos, módulos de educação em serviço, seminários de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 295/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

295

estudos interdisciplinares, produção científica e produção de trabalho deconclusão de curso, conforme Quadro 1.

* CH: Carga Horária.

Quadro 1 – Módulos integrantes da estrutura curricular do PRISF/UFSC

Mód

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

MóduloEstado, Saúde e Sociedade

Saúde e o Processo de viver humano individual, familiale coletivo

Processo de produção do conhecimento em saúde

Processo de trabalho em Atenção Básica de Saúde

Processo de trabalho da área profissional específica

Educação em Serviço I

Educação em Serviço II

Educação em Serviço III

Educação em Serviço IV

Estudos Interdisciplinares de Situações de Saúde edoença

Produção cientifica

Trabalho de Conclusão de Curso

ObjetivoEntender os papéis da sociedade e do Estado na construçãoda saúde e da cidadania como processos sociaisCompreender as dimensões envolvidas no processo deviver humano de indivíduos, famílias e grupos sociais quese expressam e se relacionam ao processo saúde doença

Identificar os fundamentos do pensamento científico, osestilos de pensamento em saúde, as bases daepidemiologia como instrumental para o reconhecimento

da situação de saúde e os instrumentais para o processo depesquisa

Capacitar os residentes tanto na perspectiva técnica,quanto na de criação de ações teórico-metodológicas,para que possam responder às demandas de saúde

Produzir as discussões em relação aos saberes e práticasque envolvem a área profissional específica de atuação doresidente, para que possa responder às demandas surgidasno cotidiano de sua prática profissional

Proporcionar espaços de construção de práticas de saúdede caráter profissional, multiprofissional e interdiciplinarna Estratégia Saúde da Família

Produzir a reflexão, discussão e debate coletivo sobre temasoriginados na prática cotidiana e a construção

interdisciplinar da problematização e sistematização dasituação estudada

Incentivar a produção científica por meio de grupos deestudos, produção de artigos, publicação e participaçãoem eventos

Produzir pesquisa sobre temática relacionada aoconhecimento construído ao longo do curso

CH120 h

60 h

90 h

120 h

118 h

1248h

1248h

1248h

1248h

180 h

340 h

220 h

6.240h

TOTAL

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 296/414

296

É importante considerar que as atividades teóricas do curso secaracterizam por uma interrelação entre os chamados eixos temáticos e oseixos norteadores da prática. Os eixos temáticos se caracterizam em duasmodalidades, gerais e específicos. Os eixos temáticas gerais tratam de temas

transversais gerais para a compreensão do trabalho no SUS e na EstratégiaSaúde da Família, como Estado, Saúde e Sociedade, onde a discussão sobre aspolíticas de saúde orientam a abordagem; o eixo sobre saúde e o processo deviver humano individual, familial e coletivo, busca aprofundar e interrelacionarconceitos imprescindíveis para o entendimento da dimensão humana e socialda saúde. O eixo do processo de produção do conhecimento em saúde buscaintegrar na formação do residente a compreensão da dimensão epistemológicana produção do seu trabalho, enquanto o eixo do processo de trabalho em

atenção básica de saúde aponta as diferentes abordagens na construção daspráticas multiprofissionais e interdisiplinares de saúde da família. Por último,há ainda um eixo denominado de processo de trabalho da área profissionalespecífica que busca aprofundar o papel de cada área profissional especificaenfocando as competências específicas de cada profissão, o que caracteriza onúcleo de saber e prática profissional específico.

  As atividades teóricas compõem-se de encontro de saberes, estudosinterdisciplinares de situações de saúde e doença, desenvolvimento do trabalho

de conclusão e produção científica, sendo todas supervisionadas diretamentepor docentes do curso.

Os encontros de saberes visam à discussão e reflexão dos eixos temáticosdo curso, articulados aos eixos norteadores da prática pedagógico-assistencial.Os seminários de estudos interdisciplinares constituem-se de reuniõesquinzenais de estudos com a participação de todos os residentes, preceptoresacadêmicos e tutores locais com o objetivo de discutirem, ampliarem eaprofundarem os conhecimentos teóricos, de forma multiprofissional einterdisciplinar, a partir de situações especiais surgidas na prática cotidiananas Unidades Locais de Saúde ou nas comunidades por eles atendidas.

 A  produção científica engloba atividades de participação em eventoscientíficos, produção de artigos e trabalhos científicos e participação em gruposde estudo, enquanto o desenvolvimento de TCC envolve a produção de pesquisasobre temática relacionada ao conhecimento construído ao longo do curso.

 A organização das atividades de educação em serviço se dá a partir de

cada turma de 30 residentes subdividida em dois grupos, sendo cada grupoalocado em uma Unidade Local de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 297/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

297

Florianópolis integrante da Rede Docente-Assistencial, a saber, ULS SacoGrande e ULS Tapera. Os residentes de cada ULS compõem equipes detrabalho, cada uma atuando em uma área de abrangência.

Os parâmetros adotados para a configuração das equipes de trabalho

são:· Equipe básica composta por: um enfermeiro, um médico e um

dentista, dois técnicos ou auxiliares de enfermagem, um auxiliar deconsultório dentário e no máximo 10 agentes comunitários de saúde.

· Equipe complementar composta por: um psicólogo, um farmacêutico,um nutricionista, um assistente social.

· Cada equipe básica é responsável por uma área com no máximo 3.000habitantes.

· Cada equipe complementar atua como referência para três equipesbásicas, ou seja, 9.000 habitantes.· O agente comunitário de saúde é responsável por no máximo 160

famílias.  A concepção de educação em serviço baseia-se no trabalho

multiprofissional, na perspectiva de construção de saber interdisciplinar eprática intersetorial por meio das estratégias de intervenção de promoção dasaúde, prevenção das enfermidades e acidentes e atenção curativa, em nívelindividual, familiar e coletivo.

 A educação em serviço é desenvolvida nos três níveis de atenção à saúde,a saber: Atenção Básica, Atenção Secundária e Atenção Terciária. Em cada umdos níveis de atenção são desenvolvidas atividades que podem ser classificadasem dois tipos:  Atividades Gerais Compartilhadas (AGECs) e AtividadesProfissionais Específicas (APEs). Segue uma descrição das atividadesdesenvolvidas nos três níveis de atenção e dos processos que lhes dão suporte.

Na atenção básica, a ênfase do curso, são contempladas as atividadescaracterísticas do primeiro nível de atenção à saúde baseado na Estratégia de

Saúde da Família. No contexto destas atividades consideram-se os seguintesprocessos: planejamento local em saúde, acolhimento, processo educativo emsaúde, acompanhamento de famílias, participação e controle social, atençãopreventivo-curativa.

  A partir destes processos, desenvolvem-se dois tipos de atividades: a Atividade Profissional Específica (APE), que envolvem as atividades de rotinade cada profissional, na atenção à saúde da população, por meio do atendimentoindividual ou familiar, que compreendem: programação das atividadesprofissionais específicas, atendimento clínico/social, atenção domiciliar,atividades específicas na comunidade e visita hospitalar. Estas atividades sãosempre acompanhadas diretamente pelos tutores locais.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 298/414

298

 Já a Atividade Geral Compartilhada (AGEC) é desenvolvida pela equipeinterdisciplinar. Compreende atividades de territorialização, planejamento localem saúde, desenvolvimento da sala de situação, trabalho com grupos educativos,momento de integração, trabalho com comunidade, mobilização e organização

popular, participação nos conselhos de saúde, acolhimento à população, visitadomiciliar, oficinas de integração educativa com as equipes da Unidade Localde Saúde e a programação cotidiana destas atividades.

Na atenção secundária, os residentes desenvolvem atividades práticasno segundo nível de atenção à saúde no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS/PMF), de modo multiprofissional, além de desenvolver estágios em ambulatóriosde especialidades do Hospital Universitário, como atividades profissionaisespecíficas, procurando estabelecer o fluxo da área de abrangência das Unidades

Locais de Saúde envolvidas por meio do sistema de referência e contra-referência.

Na atenção terciária, os residentes realizam estágio em serviços deatenção terciária específicos por área profissional e nos serviços de internaçãoginecológica, obstétrica e neonatológica do Hospital Universitário/UFSC. Estasatividades visam propiciar ao profissional conhecimento e prática das situaçõesdo nível terciário de atenção que contribuam para sua prática profissional naEstratégia de Saúde da Família.

Estratégias de supervisão das atividades pedagógico-assistenciais

No âmbito do PRISF/UFSC, foram adotadas diferentes estratégias desupervisão, a preceptoria acadêmica, a tutoria local e a supervisão de grupo.

 A preceptoria acadêmica é considerada a atividade desenvolvida pelosdocentes responsáveis de cada área profissional, de modo específico junto aosresidentes de sua área ou, de modo geral, com grupo de residentes. Caracteriza-

se pelo acompanhamento do processo de desenvolvimento teórico e práticodos residentes, por meio da produção de momentos de discussão, reflexão eaprofundamento teórico para o repensar das práticas profissionais específicase gerais compartilhadas e do modelo de atenção desenvolvido na EstratégiaSaúde da Família.

 Já a tutoria local caracteriza-se pelo acompanhamento das atividadespráticas dos residentes de modo específico, junto ao residente de sua área, ede modo geral, junto ao grupo de residentes. Assim, objetiva supervisionar inloco as ações do residente, a fim de adequá-las ao modelo teórico-metodológicodo curso e da Estratégia Saúde da Família. Esta é uma atividade desenvolvida

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 299/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

299

por profissionais qualificados na sua área de atuação e com experiência docente.

Na supervisão de grupo desenvolve-se uma atividade de supervisãocoletiva (preceptoria acadêmica e tutoria local) com as equipes de cada UnidadeLocal de Saúde, com o objetivo de discutir e refletir sobre a prática desenvolvidapor meio das Atividades Gerais Compartilhadas visando estimular ainterdisciplinaridade e avançando para a educação permanente.

Sistema de avaliação

O sistema de avaliação adotado contempla três componentes, a saber:avaliação dos residentes, avaliação do processo pedagógico e avaliação dosresultados do programa. O Quadro 2 apresenta uma síntese do sistema

avaliativo, seus instrumentos e sujeitos envolvidos.

Fonte: MS/ENSP/Rede UNIDA - curso de especialização em ativação de processos de mudança na formaçãosuperior de profissionais de saúde. Caderno do Especializando. 2005.

O processo de avaliação dos residentes compreende a elaboração deportfólios individuais e por equipes. O portfólio constitui-se em um conjuntode registros realizados pelos residentes e também pelo preceptor a respeitodas vivências no processo de ensino-aprendizagem, durante o curso. Oportfólio reflexivo individual tem por objetivo registrar as informaçõesrelacionadas aos saberes específicos por área e serão construídos pelo residentede cada área específica assim como seu preceptor e tutor. O portfólio reflexivopor equipe, construído a partir dos portfólios individuais, tem como objetivo

principal avançar em direção às elaborações interdisciplinares da equipe. Daconstrução dos portfólios reflexivos por equipe participam todos os residentes

Quadro 2 - Sistema de avaliação do PRISF/UFSC

Componentes

Avaliação dos residentes

Avaliação do processo pedagógico

Avaliação do programa

Instrumentos

Elaboração de portfólios reflexivosindividuais e por equipe.Processo deescuta e de diálogo permanente.Trabalhode Conclusão de Curso

Seminários de avaliação.

Processo de escuta e de diálogopermanente.

Informações produzidas noscomponentes anteriores, realização deencontros de avaliação e questionáriosestruturados.

Sujeitos envolvidos

Residentes, preceptores locais e tutoresacadêmicos.

Residentes, preceptores locais e tutores

acadêmicos.

Residentes, preceptores locais, tutoresacadêmicos e parceiros envolvidos com ocurso.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 300/414

300

que compõem a equipe (básica e complementar de saúde), preceptores locais etutores acadêmicos do curso.

Modelo de gestão do Programa de Residência Integrada em Saúde da Família

O modelo de gestão do PRISF prevê uma gestão colegiada, participativae democrática, cujas atividades gerenciais são distribuídas em diferentes grupos.

 A coordenação geral composta pelo coordenador geral, docente e doissubcoordenadores, sendo um docente da UFSC e outro representante daSecretaria Municipal de Saúde, tem a atribuição de coordenar o processopedagógico-assistencial respondendo as necessidades sentidas, no que tangeaos aspectos, pedagógico, legais e administrativos decorrentes da execução do

PRISF. A coordenação do Programa de Residência em Medicina de Família e

Comunidade (PRMFC) é exercida por um coordenador e um subcoordenador,ambos docentes da UFSC e a coordenação do Programa de ResidênciaMultiprofissional em Saúde da Família (PRMSF): também é executada por umcoordenador e subcoordenador, docentes da UFSC.

Na coordenação de educação em serviço, articulam-se o coordenadorda Unidade Local de Saúde (ULS), um preceptor acadêmico e um representante

do grupo dos tutores locais da ULS. Esta coordenação será instituída nas duasULS que integram o PRISF, com a responsabilidade de responder às necessidadessentidas, no que tange aos aspectos legais e administrativos locais e pedagógico-assistenciais. Além disso, deve oferecer suporte técnico-pedagógico aos tutoreslocais e conduzir o processo avaliativo dos residentes e o processo pedagógicodo PRISF.

 A coordenação pedagógica busca acompanhar os processos pedagógicosprevistos no PRISF oferecendo o suporte necessário aos envolvidos, articulandodiferentes subcoordenações: coordenação de produção científica, coordenaçãode módulos e eixos temáticos, coordenação de espaços teóricos (seminários,supervisão acadêmica e de grupo) e coordenação do sistema avaliativo dosresidentes e do processo pedagógico do PRISF/UFSC.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 301/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

301

Figura 1: Modelo de gestão do PRISF/UFSC, 2006

6. Fontes financiadoras

O Programa de Residência Integrada em Saúde da Família da UFSCtem como financiadores o Ministério da Saúde, a Universidade Federal deSanta Catarina e a Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. Os recursosfinanceiros oriundos do Ministério da Saúde financiam as bolsas de residentes,as bolsas de preceptores e tutores, bem como o suporte administrativo das

atividades do curso. A Universidade Federal de Santa Catarina participa com adisponibilização do corpo docente (preceptoria e outros docentes) e a estruturafísica de salas de aula equipadas para as atividades teóricas do curso. Já aSecretaria Municipal de Saúde de Florianópolis proporciona a disponibilizaçãode tutores locais e de toda a infra-estrutura para o desenvolvimento dasatividades de educação em serviço.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 302/414

302

7. Mapeamento de egressos

Em termos de inserção no mercado de trabalho, é importante destacarque os primeiros 16 egressos da residência- turma 2002-2004, estão inseridos

no Sistema Único de Saúde em diferentes setores e níveis de gestão e atençãoà saúde, colaborando inclusive com a formação de novos profissionais em nívelde graduação e pós-graduação. Os 16 especialistas egressos do PRISF estãoassim inseridos no cenário de trabalho: 4 deles trabalham junto aoDepartamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde; 2 desenvolvematividades docentes, inclusive junto a este Programa de Residência; 8 trabalhamna rede básica de saúde municipal, sendo que 3 deles acompanham estágios deestudantes de graduação nas Unidades Locais de Saúde. Destes 8 egressos, 4

atuam no município de Florianópolis, 3 em municípios do interior do estadode Santa Catarina e 1 em município do interior do Rio Grande do Sul. Háainda 1 egresso desenvolvendo atividades profissionais na Maternidade doHospital Universitário da UFSC e 1 trabalha junto a setor de saúde dotrabalhador de uma instituição pública. Dos 16 egressos, dois deles continuaramsua formação de pós-graduação ingressando em programa de mestrado na áreade saúde pública.

Da turma de 22 residentes que conclui suas atividades em novembro de

2006, dois já estão aprovados em concurso público na rede municipal de saúdede Florianópolis, aguardando apenas o encerramento das atividades daResidência para tomar posse no cargo.

8. Potencialidades e fragilidades do PRISF/UFSC: uma análise dasdificuldades, desafios e estratégias de superação.

Em busca de constante aprimoramento mantemos um processo deavaliação permanente com reuniões quinzenais que possibilitam identificar,analisar e lidar com o contexto complexo em que o programa se insereenvolvendo relações intra e interinstitucionais. Além destes momentos, sãopromovidos anualmente seminários de avaliação reunindo todos os atoresenvolvidos, onde coletivamente são apontadas as debilidades, as ameaças, asfortalezas e as oportunidades identificadas pelo grupo ao longo do processo.

Entre as debilidades presentes observa-se a dificuldade dos envolvidosem enfrentar as diferenças teóricas, o modelo pedagógico que ainda reporta-seem vários momentos à pedagogia bancária, respeitando, porém enfatizandomuito pouco o conhecimento popular e o lúdico. Outra debilidade percebida

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 303/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

303

trata da dificuldade em promover permanentemente a articulação entre oconteúdo teórico e a educação em serviço, necessitando, inclusive de maiordefinição dos conteúdos específicos por área profissional. Com relação àestrutura pedagógico-assistencial entende-se que há necessidade de melhorias

quanto ao espaço físico e infra-estrutura, bem como de desenvolvimento deprograma de capacitação permanente para preceptores e tutores que aindacarecem de maior autonomia no campo. Nas relações inter e intrainstitucionaisdestacam-se a fragilidade dos acordos institucionais, a dificuldade da SecretariaMunicipal de Saúde de implementar o modelo assistencial baseado na EstratégiaSaúde da Família, e a necessidade de maior contribuição por parte dauniversidade neste processo. Além disso, percebem-se alguns problemasinstitucionais influenciando o processo como a sobrecarga do corpo docente e

a pouca produção teórica do grupo.Como ameaças futuras para a efetivação do PRISF/UFSC são apontadas:

a falta de pessoal qualificado para promover a constante expansão do projeto,a inexistência de profissionais de todas as áreas profissionais na rede públicade saúde, a aprovação do ato médico, a dificuldade de interação entre osresidentes e equipe do serviço, a falta de garantia de continuidade do Curso ea diminuição do financiamento.

Entre as fortalezas presentes hoje no programa destacam-se a existênciade um marco teórico definido, o fortalecimento do entendimento eimplementação do SUS e a contribuição na qualificação para o mercado detrabalho. A fortaleza do modelo pedagógico reside no equilíbrio entre asatividades clínicas e comunitárias, foco na interdisciplinaridade, eixos temáticosdistintos e fortes, na integração com os estágios de graduação trabalhandoindissociavelmente a pesquisa, o ensino e a extensão, princípios da UniversidadePública.

Do ponto de vista da gestão do programa, se configuram como pontospositivos a democracia, a participação e transparência das reuniões e discussõescoletivas, a conquista de uma adequada estrutura administrativa que contacom uma equipe competente, bem como a presença de um corpo docenteexperiente, qualificado, idealista e com capacidade de sonhar mesmo diantede conjunturas desfavoráveis. Nas relações intra e inter-institucionais destacam-se a permanência de um canal de comunicação entre Universidade e prefeitura,o respaldo do Ministério da Saúde para execução do projeto, a participação

dos preceptores em outras instâncias universitárias tais como a pós-graduaçãoe envolvimento dos preceptores e tutores nos processos de reforma curricular

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 304/414

304

e a ampliação de espaços de estágio. Importantes fortalezas são ainda a uniãoe afeto no relacionamento entre os preceptores, a garra dos tutores com oobjetivo de construir junto, a solidariedade grupal e a prática de assumir conflitoscomo propulsores de crescimento individual e coletivo.

Como oportunidades futuras vislumbra-se a melhoria dos serviços e aconstrução de um caminho para efetivação do SUS, o delineamento de ummodelo pedagógico-assistencial para a Rede Docente-Assistencial consoantecom a Estratégia Saúde da Família, a possibilidade de influenciar o ensino degraduação, que já vem de fato acontecendo.

Vivenciamos ao longo de nossa história a gradual consolidação doprograma e o amadurecimento do grupo enquanto gestor de projetos eproponente de políticas de saúde. É importante ressaltar que este processo deconstrução e reconstrução cotidiana do Programa de Residência Integrada emSaúde da Família da UFSC mostra-se como um dos elos forjados coletivamenteque se unem nessa roda-movimento do aprender-fazendo a Reforma SanitáriaBrasileira.

Referências bibliográficas ANDRADE, L. O. M. A saúde e o dilema da intersetorialidade. São Paulo:Hucitec, 2006.

FRANCO, T.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processosde trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde

 Pública, Rio de Janeiro, v. 15, p. 1-10, 1999.

MENDES, E. V. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec, 1996.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Construção da integralidade:cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: UERJ/IMS/

 ABRASCO, 2003.

VASCONCELOS, E. M. Complexidade e pesquisa interdisciplinar :epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis: Vozes, 2002.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 305/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

305

Residência Multiprofissional em Saúde: Construção de UmaEstratégia de Formação de Recursos Humanos 1

Marluce de Oliveira Brito Meira2

Josenaide Engrácia dos Santos3

Joana Angélica Teles Santana4

Resumo: O artigo objetiva descrever os caminhos e os propósitos daResidência Multiprofissional em Saúde da Uneb que possui entre os seusobjetivos: promover melhoria na qualidade da assistência e desenvolvimentode trabalhadores para implementação e fortalecimento do Sistema Único deSaúde (SUS). O processo seletivo ocorreu no período de 04 de setembro a04 de outubro de 2006, as matrículas realizaram-se no período de 16 a 18 deoutubro com início previsto para novembro de 2006. A experiência tem sidoenriquecedora e compartilhada com as diversas instituições envolvidas e buscaatender a demanda de formação de profissionais de saúde para o SUS.

Palavras-chave: Formação - Saúde – Residência.

1 Relato de experiência da construção Residência Multiprofissional em Saúde da Universidade do Estadoda Bahia (Uneb).

2

Professora adjunta do Departamento de Ciências da Vida (Uneb), mestre em enfermagem.3 Professora do Departamento de Ciências da Vida (Uneb), mestre em saúde coletiva.4 Professora adjunta do Departamento de Ciências da Vida (Uneb), mestre em enfermagem.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 306/414

306

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 307/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

307

1 - Introdução

Desde o início de suas atividades em 1999, o colegiado de curso deenfermagem da Universidade do Estado da Bahia vem empreendendo ações na

qualificação de profissionais na área de saúde, em consonância ao que dispõea Política Nacional de Educação para o Sistema Único de Saúde (SUS).

O colegiado de enfermagem, no intuito de contribuir com a formação deprofissionais de saúde, deu inicio à construção de um projeto de especializaçãosob a forma de Residência Multiprofissional em Saúde, em 2003, considerandoa necessidade de formação específica, em algumas áreas, para atender demandareprimida no Estado da Bahia.

O Estado da Bahia é o maior da região nordeste, sendo o 5º do Brasil em

extensão territorial, composto por 417 municípios. Segundo o IBGE (2001)possui uma população de 13.070.250 habitantes. As característ icasdemográficas, epidemiológicas e socio-econômicas do Estado vêm refletindona situação de saúde da população, o que torna necessário a proposição deprojetos que promovam a melhoria na qualidade da assistência edesenvolvimento de trabalhadores do setor saúde para implementação efortalecimento do SUS.

Esta modalidade de residência vem atender tais necessidades e o seu

formato compreende um núcleo comum, cujos conteúdos abordam questõessociais, políticas, éticas, de investigação científica e métodos assistenciaisindispensáveis ao processo de cuidar, buscando a integração de todos os alunosno desenvolvimento de atividades conjuntas e, cinco núcleos temáticosespecíficos: saúde mental, saúde da família, nefrologia, neonatologia e unidadede terapia intensiva, sendo a primeira turma com oferecimento para 2006.

 Além da área de Enfermagem, o curso de especialização sob a forma deResidência Multiprofissional em Saúde envolve outros profissionais como:

nutricionistas, fonoaudiólogos, assistentes sociais, psicólogos, odontólogos,fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, na tentativa de atender necessidadesespecíficas identificadas no âmbito do Estado da Bahia. Torna-se urgente ampliara formação de profissionais, tendo em vista a melhoria de ações específicas noque diz respeito à atenção profissional junto à clientela, tanto na esferaindividual como coletiva, visando à resolutividade dos problemas de saúde dacoletividade.

  A escolha do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde

decorreu da necessidade de adequação contemporânea da assistência à saúde,atrelada à prática e à incorporação tecnológica que vem se desenvolvendo de

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 308/414

308

forma exponencial. O programa escolhido tem por base a idéia de que auniversidade pode exercer um papel indelegável. Isso significa o reencontrodo elo perdido, de uma prática de saúde mais humanizada, que alie uma sólidaformação ética com elevado compromisso social, por parte de seus egressos

não só da graduação como também da pós-graduação que esta universidadevem oferecendo. Para tanto, fez-se necessário promover um profundo processode mudança, com o objetivo de propiciar aos profissionais a condição de sujeitosdo processo de aprendizagem, tendo como ambientes de prática a comunidade,o domicílio, a rede básica do SUS, a fim de promover um real entendimentodas condições de vida e saúde da população.

Percebe-se uma crise multifacetada atingindo a educação na área de saúde,que pode ser entendida pela mudança do mercado de trabalho, pela crise de

financiamento da educação superior na esfera pública. Ademais, o momento épropício à conjugação de estímulos intrínsecos e extrínsecos a um processo demudança.

 A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e os demais gestores do SUSpodem exercer papel de vanguarda, propondo estímulo concreto à mudança.O programa escolhido inclui a interdisciplinaridade como eixo norteador; abusca de mudança dos cenários; as ações educativas, em locais representativosda realidade sanitária e social; a integração ensino-serviço-pesquisa, juntamente

com a abordagem problematizadora, reforçando o compromisso ético,humanístico e social da Universidade com a formação de pessoal para a áreade saúde.

2 - Objetivos do programa

Fortalecer o SUS através da capacitação de profissionais para atuar de

forma crítica e criativa com ênfase nas diretrizes e princípios do SUS.Desenvolver competências e habilidades técnico-científicas dosprofissionais para o cuidado especializado junto ao usuário dos serviços desaúde e comunidade no contexto da realidade local vivenciada.

Fomentar a participação efetiva na construção das políticas públicas desaúde em nível local.

Cuidar dos indivíduos em situações clínicas e críticas nos três níveis decomplexidade nas diferentes etapas do ciclo vital.

Buscar soluções de problemas identificados no cotidiano profissionalatravés da pesquisa, ensino e das inter-relações éticas.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 309/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

309

3 - Ênfases do programa

  A escolha desta especialização sob a modalidade de ResidênciaMultiprofissional em Saúde, desenhada em núcleos, torna-se uma iniciativa

pioneira. O programa engloba três ênfases, sendo atenção básica em saúdecoletiva, para o Núcleo de Saúde da Família; ênfase em atenção básica emsaúde mental, para o Núcleo de Saúde Mental e ênfase no cuidar humanizadopara os núcleos de Nefrologia, Neonatologia e Unidade de Terapia Intensiva.

No momento da inscrição no programa, cada candidato deve apresentarcarta de intenção quanto ao núcleo pretendido e dessa forma estará concorrendoàs vagas destinadas àquele núcleo, e à categoria profissional, bem como devecumprir os conteúdos teóricos durante o período de dezoito meses.

 Ao concluir o programa, os residentes serão titulados com as seguintesdenominações: especialista sob a forma de Residência Multiprofissional emSaúde - Núcleo Saúde da Família, com ênfase na atenção básica; especialistasob a forma de Residência Multiprofissional em Saúde -Núcleo Saúde Mental,com ênfase na atenção básica; especialista sob a forma de ResidênciaMultiprofissional em Saúde - Núcleo Neonatologia, com ênfase no cuidarhumanizado; especialista sob a forma de Residência Multiprofissional em Saúde- Núcleo Unidade de Terapia Intensiva, com ênfase no cuidar humanizado;especialista sob a forma de Residência Multiprofissional em Saúde -NúcleoNefrologia, com ênfase no cuidar humanizado.

Para esta iniciativa, buscou-se suprir necessidades do Estado da Bahiaque apresenta carência de profissionais pós-graduados para atender demandas,tanto na esfera pública quanto na esfera privada, nas áreas de unidade de terapiaintensiva, neonatologia, nefrologia, saúde mental e saúde da família. Para tanto,tomaram-se como parâmetro experiências anteriores, bem sucedidas, comcursos de especialização oferecidos pela Uneb, tendo como público alvo,profissionais de saúde de diferentes formações, a exemplo de especializaçãoem saúde mental, especialização em neonatologia sendo este, financiado peloMinistério da Saúde; especialização em gestão de sistemas e serviços de saúde,em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia e especialização emmetodologia da assistência em enfermagem, este exclusivo para enfermeiras,sendo oferecidas seis turmas em parceria com a Secretaria de Saúde do Estadoda Bahia.

4 - A escolha dos campos clínicos

Os serviços foram escolhidos dando prioridade à esfera pública, campos

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 310/414

310

de prática e estágio para alunos de graduação e pós-graduação. Portanto, jáconveniados com a universidade e em fase de certificação como hospitais deensino, bem como se levou em consideração a disponibilidade de tais instituiçõesno que diz respeito aos serviços em funcionamento nas áreas de interesse dessa

modalidade de residência. Os serviços foram escolhidos considerando naocasião, serem referências no estado nas áreas propostas. Houve ainda,discussões conjuntas desde a fase preliminar de construção do projeto em 2003com indicação de profissionais para compor grupo de estudo, visando àidentificação das áreas prioritárias a serem trabalhadas.

Com base na especificidade dos núcleos, os residentes serão encaminhadosaos cenários de práticas de acordo com a especificidade escolhida, ao mesmotempo em que serão desenvolvidos conteúdos teóricos referentes ao núcleo

comum e aos núcleos específicos.O conjunto de atividades do Programa da Residência engloba 240 horas

de atividades teóricas no núcleo comum a todos os 37 residentes do programa,cujos conteúdos abordam temáticas relacionadas a: saúde, sociedade e políticasde saúde, bioética na saúde, capacitação pedagógica, metodologia do trabalhoem saúde, oficinas pedagógicas, seminários de investigação científica, fazendouma interface multiprofissional ampliada e com aspectos de diversidades.

Nos núcleos específicos, serão desenvolvidas 360 horas teóricas comconteúdos exclusivos dos núcleos temáticos, nos quais serão estudadosconteúdos referentes a cada área de conhecimento. Nesses espaços, há interfaceda multiprofissionalidade e interprofissionalidade, inerente a cada núcleo.

Em relação à atividade prática/trabalho, estão destinadas 2.385 horas e30 horas destinadas para a elaboração do produto final do curso.

As atividades transcorrerão em 44 horas semanais, incluindo-se oitohoras destinadas a conteúdos teóricos, sendo quatro horas semanais, todos

juntos no núcleo comum, e o período restante nos núcleos específicos.Para a concretização deste formato de residência foram oficializadosconvênios com o Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde do Estado da Bahiae Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, com os seguintes cenários deprática: Hospital Geral do Estado, Hospital Geral Roberto Santos, Hospital

 Ana Néri, Unidades de Saúde da Família do Município de Salvador e Centrode Atenção Psicossocial Adilsom Sampaio (Itapagipe), Centro de AtençãoPsicossocial Álcool e Drogas de Pernambués.

No Hospital Geral do Estado serão utilizadas duas unidades de terapiaintensiva (UTI), onde os residentes serão distribuídos três em cada unidade,

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 311/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

311

permanecendo nove meses em cada campo.

 A unidade de terapia intensiva (UTI) foi escolhida por ter, segundoCarvalho (2002), rotina diária e complexa que faz com que os membros daequipe de enfermagem, na maioria das vezes, esqueçam de tocar, conversar eouvir o ser humano que está à sua frente e a necessidade de investir na formaçãode profissionais nesta área é exatamente pensar na humanização do cuidadocom o paciente de UTI. Enfatiza ainda, que é importante abordar na formaçãoa necessidade de humanização do cuidado de enfermagem na UTI, com afinalidade de provocar uma reflexão da equipe e, em especial, dos enfermeiros.

  Além disso, esta é uma área carente de profissionais qualificados, sendoidentificada uma demanda reprimida para essa especificidade de formação noEstado da Bahia.

No Hospital Geral Roberto Santos será desenvolvido o núcleo temáticode neonatologia nas UTI neonatal e pediátrica, com três residentes por unidade,por igual período de nove meses. Quanto a neonatologia, a escolha visa aofavorecimento da formação do enfermeiro e fonoaudiólogo na atenção aoneonato, objetivando a redução de morbi-mortalidade, graças à maiorcompreensão das peculiaridades dos recém-nascidos, propiciando aintegralidade da assistência.

Quanto ao Hospital Ana Néri, será utilizada a Unidade de Nefrologia,onde os residentes farão rodízio entre as unidades de especificidade danefrologia existentes na instituição, tais como: unidade de internação, diáliseperitoneal, hemodiálise, e acompanhamento ambulatorial.

 A opção pelo núcleo de nefrologia, visa atender a demanda do Estado daBahia, observando, ainda, a Portaria nº. 1.168/GM, de 15 de junho de 2004,que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal, cujoobjetivo é melhorar a assistência e a formação dos profissionais que os assiste,

principalmente os nutricionistas e enfermeiros. Desta forma, busca-se oacompanhamento sistemático dos indivíduos identificados como portadoresdesses agravos, bem como o desenvolvimento de ações referentes à promoçãoda saúde e à prevenção de doenças renais.

 A escolha dos núcleos de saúde da família e saúde mental está relacionadaà idéia de melhoria de práticas concretas de ações junto à atenção básica comabrangência comunitária. A atenção básica requer o enfrentamento de toda asua complexidade, em que a promoção da cidadania representa uma parte

importante tanto para o núcleo de saúde da família quanto o de saúde mental.Entende-se que a reestruturação da atenção básica de saúde permite a promoção

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 312/414

312

de modelos alternativos centrados na comunidade e nas suas redes sociais e,para tanto, os dois núcleos compartilham a necessidade de atender o principioda integralidade e assistir o sujeito para que o mesmo possa exercer suacidadania no sentido de co-responsabilidade pela sua saúde e pela conquista

de seus direitos, redirecionando de fato o modelo assistencial em saúde.O núcleo temático saúde da família será desenvolvido nas Unidades de

Saúde da Família do Município de Salvador, sendo as Unidades de Estrada dasBarreiras e de Canabrava, com suas respectivas áreas de abrangência, sendocinco residentes por unidade.

No Centro de Atenção Psicossocial Adilsom Sampaio e no Centro de  Atenção Psicossocial Álcool e Drogas de Pernambués, serão realizadas as

atividades do núcleo temático de saúde mental, com cinco residentesdistribuídos, com rodízio a cada nove meses. As unidades utilizadas pertencemàs três esferas do governo, estando uma unidade hospitalar federal sob gestãoestadual.

O local para desenvolvimento das atividades do Núcleo de Saúde Mentalfoi o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), unidade que pertence ao DistritoSanitário de Itapagipe, Salvador/BA. A rede de saúde deste distrito compreendeduas unidades básicas de saúde (PACS), duas Unidades de Saúde da Família

(PSF), o Centro Terapêutico Municipal Dr. Álvaro Rubin de Pinho e o CAPSdo Distrito Sanitário de Itapagipe.

Percebe-se que os profissionais que atuam no CAPS, campo escolhidopara a prática, estão em busca de alternativas de tratamento aos portadores detranstorno mental grave, residentes no seu território de abrangência, criandoamplas possibilidades de ofertas terapêuticas, e oferecendo maior resolutividadeem um mesmo local de tratamento, o que pode favorecer o programa deresidência no núcleo de saúde mental.

Outro espaço no qual serão desenvolvidas as atividades do núcleo desaúde mental é o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas dePernambués. O CAPS-AD é um serviço especializado em saúde mental comcaracterísticas docente e assistencial e atende pessoas com problemasdecorrentes do uso ou abuso de álcool e outras drogas em diferentes níveis decuidado.

O CAPS-AD fica localizado no Distrito Sanitário Cabula Beirú, no qualfica situada a Universidade do Estado da Bahia, o Hospital Geral Roberto

Santos, o Hospital psiquiátrico Juliano Moreira. Nesse Distrito ainda estão

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 313/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

313

localizadas cinco unidades do programa de agentes comunitários de saúde(PACS) e três Unidades de Saúde da Família (PSF), um pronto atendimento,trinta e duas rádios comunitárias e uma rede de associações comunitárias, ouseja, é um serviço potencialmente importante para o projeto estruturante do

SUS.Os CAPS escolhidos têm como ponto positivo a atenção à comunidade

local, constituindo, também, um campo fértil para o ensino e a pesquisa. Logo,correspondem à proposta de ensino-aprendizagem que expressa a formaçãono âmbito direto do SUS e fortalecimento do vínculo com Universidade,podendo promover articulações intersetoriais, capacitando os residentes paraatuar na Atenção Integral à Saúde, individual e coletiva. Outro aspectofundamental a ser observado, diz respeito ao fato de o CAPS ser um espaço

prioritário para a formação de trabalhadores em saúde na área de saúde mental,favorecendo a desconstrução do modelo centrado em uma assistência asilar.

5 - Fonte financiadora do programa

Este programa encontra-se financiado pelo Ministério da Saúde/FundoNacional de Saúde, com contrapartida da Universidade do Estado da Bahia.

6 - Metodologia

 A metodologia privilegia a integração ensino/trabalho com momentosde concentração e de dispersão. Nos momentos de concentração semanalacontecerão as aulas dialogadas dos módulos temáticos, seminários, oficinaspedagógicas, sessões científicas, estudos de caso, dentre outras. Nos momentosde dispersão ocorrerão as atividades de estágio nos locais de trabalho

específicos de cada núcleo temático, com a supervisão das atividades práticas.O número de vagas oferecidas é de 37, distribuídas da seguinte forma:

Núcleo Temático Saúde da Família - dez vagas: seis para enfermeiro, duas paraassistente social, duas para odontólogo. Núcleo Temático de Saúde Mental -dez vagas: três para enfermeiro, duas para assistente social, duas para psicólogo,uma para fonoaudiólogo, duas para terapeuta ocupacional. Núcleo TemáticoEnfermagem em Unidade de Terapia Intensiva - cinco vagas para enfermeiro.Núcleo Temático Nefrologia - seis vagas: três para enfermeiro, três paranutricionista. Núcleo Temático Neonatologia - seis vagas: quatro paraenfermeiro, duas para fonoaudiólogo.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 314/414

314

O curso será oferecido em horário integral, com duração de 18 meses. A carga horária total do curso é de 3.015 horas, sendo: 600 horas de atividadesteórico-práticas, desenvolvidas em momentos de concentração em sala de aula;2.385 horas de atividades de ensino-trabalho a serem desenvolvidas nos locais

de trabalho específicos de cada núcleo temático e 30 horas para elaboração doproduto final do curso.

O desenvolvimento e acompanhamento do curso dar-se-á através deprofissionais docentes da Uneb, de docentes convidados ou visitantes, deprofissionais de serviço convidados e credenciados pela coordenação geral docurso de Residência Multiprofissional em Saúde da instituição. Os docentes,preceptores e supervisores ficarão responsáveis pelo acompanhamento doaluno, planejamento, discussão e avaliação das atividades teórico-práticas. O

residente terá um profissional de saúde preceptor do serviço e um supervisordocente como referência para cada grupo de alunos específicos por núcleotemático. As atividades de dispersão serão desenvolvidas nas instituiçõesconveniadas, comunidade, instituições hospitalares, ambulatórios e Unidadesde Saúde da Família, de acordo com as especificidades de cada núcleo temático.

6 - Critério de escolha de preceptores

Buscou-se articulação com os serviços para identificar profissionaiscomprometidos com a proposta de trabalho. Aqueles que já estavamparticipando desde a etapa do projeto foram mantidos, e buscou-se tambémidentificar pós-graduados nas áreas de interesse dos núcleos e quedemonstrassem aptidão para ensino. Estes preceptores estarão contribuindocom as discussões teóricas dos núcleos. Todos participarão do curso de extensãoaprender e reaprender SUS, oferecido pela universidade e com financiamentodo Ministério da Saúde, como forma de capacitação para atuação no programa

de residência. Os preceptores estiveram envolvidos, também, com o processode seleção dos residentes, participando das bancas em conjunto com osprofessores coordenadores e supervisores, das etapas de entrevistas. Além disso,os mesmos vêm participando de reuniões de planejamento nos núcleosespecíficos de sua área de atuação. Para os núcleos de saúde da família e saúdemental, foram estabelecidos cinco residentes por preceptor. Nas unidadesfechadas à relação estabelecida entre aluno e preceptor será de três a cincoalunos para cada preceptor.

Considerando que os preceptores são profissionais do campo de prática,haverá um intercâmbio diário entre residente e preceptor para uma integração

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 315/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

315

à dinâmica institucional, bem como ao direcionamento das ações a seremdesenvolvidas.

 Além dos preceptores, o programa estabelece supervisores por núcleostemáticos que são preferencialmente, docentes do quadro da universidade, com

atuação nas áreas específicas dos núcleos propostos. Esses supervisoresencontram-se engajados no processo de planejamento e execução das atividadese exercerão atividades conjuntas com os coordenadores pedagógicos dosnúcleos e estarão em contato semanalmente com os preceptores e alunos. Paracada núcleo temático existe um supervisor designado.

Existem ainda no desenho desse Programa de ResidênciaMultiprofissional as figuras: coordenador geral, coordenador técnico, ecoordenadores pedagógicos, responsáveis pela condução e operacionalização

das atividades dos núcleos, em consonância com as diretrizes estabelecidasem reuniões colegiadas multiprofissionais para este fim.

7 - Avaliação e acompanhamento das atividades

 A avaliação será processual e conjunta durante as atividades nos módulostemáticos e das atividades de dispersão com a participação de supervisores,alunos, preceptores e coordenadores, sendo desenvolvida ao longo dasatividades do curso, com base em instrumentos já elaborados em reuniõesconjuntas. Serão observados os aspectos como responsabilidade, interesse,assiduidade, pontualidade, planejamento do trabalho, qualidade na execuçãodas tarefas e resultados conseguidos no campo prático, além de produçãocientífica elaborada nos núcleos específicos e em componentes curriculares donúcleo comum. Serão considerados como produto final: relatório de pesquisadesenvolvido durante o trabalho, monografia, artigos científicos parapublicação, plano de intervenção, com base na especificidade de cada núcleotemático.

Para o planejamento operacional do programa, estão sendo realizadasduas reuniões semanais, desde a fase inicial do projeto. Neste espaço sãodiscutidos e produzidos documentos relativos a todas as necessidades doprograma, a exemplo de: manual do candidato, manual do aluno, provas parao processo seletivo por núcleo temático, elaboração de atribuições decoordenadores, preceptores, supervisores, instrumentos de avaliação, entreoutros. Desse modo, a avaliação do programa tem sido sistemática e processual,a partir das discussões colegiadas, bem como através de instrumento específico,a serem aplicados junto aos atores sociais envolvidos.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 316/414

316

8 - Resultados e conclusão

 A especialização sob a forma de Residência Multiprofissional em Saúde

está sendo oferecida pela primeira vez, encontrando-se em andamento com arealização das inscrições, processo seletivo, matrícula e início previsto para omês de novembro de 2006, após a liberação do recurso financeiro pelo Ministérioda Saúde.

O processo seletivo teve início com as inscrições de 04 a 15 de setembrode 2006, com 209 inscritos, para 37 vagas distribuidas por núcleos temáticosda seguinte forma: Núcleo Saúde Mental, 40 psicólogos, 16 terapeutasocupacionais, seis assistentes sociais, quatro enfermeiras e seis fonoaudiólogas,

totalizando 72 candidatos. Núcleo Neonatologia; 14 fonoaudiólogos, 19enfermeiras, totalizando 33 inscritos; Núcleo Nefrologia, seis nutruicionistase 17 enfermeira, totalizando 23 inscritos; Núcleo Terapia Intensiva, 44enfermeiras e o Núcleo Saúde da Família, 23 enfermeiras, cinco odontólogos enove assistentes sociais, totalizando 37 inscritos. A prova escrita foi realizadaem 23 de setembro e as entrevistas de 27 de setembro a 04 de outubro de2006. O gráfico 1 mostra o percentual de inscritos por núcleos temáticos.

 As entrevistas e análise de curriculum vitae ocorreram no período de 27

de Setembro a 04 de Outubro de 2006, com a participação de coordenadores,coordenadores pedagógicos, supervisores, preceptores, sendo uma experiênciaimportante e rica para os envolvidos. A partir dessa etapa, procedeu-se adivulgação dos resultados e convocação dos aprovados para a efetivação dematrícula no período de 16 a 18 de Outubro de 2006.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 317/414

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 318/414

318

estratégias de superação e compartilhamento de idéias, visando uma atençãoqualificada.

A iniciativa não constitui uma tarefa fácil, vez que envolve diversos atoressociais, articulações, encaminhamentos, providências a serem tomadas,

principalmente por se tratar de um projeto ousado e pioneiro no Estado daBahia. Tal fato imprime a necessidade de incremento de soluções próprias einovadoras, constituindo-se um mecanismo de busca pela criatividade constantedo grupo.

O curso permitirá um melhor acesso ao mercado de trabalho,possibilitando aos profissionais elementos para que os mesmos sejam capazesde avaliar, sistematizar, tomar decisões mais adequadas, implementar ações egerenciar de forma efetiva serviços de qualidade. Permitirá a formação de 37

profissionais das várias categorias.Desse modo, o projeto de especialização sob a forma de Residência

Multiprofissional em Saúde, pretende contribuir com o corpo de profissionaisda área de saúde, notadamente do Estado da Bahia, para aprofundarconhecimentos teórico/prático que possam contribuir com o fazer profissionalcotidiano, seja na assistência individual, seja na coletividade ou a grupos.

Referências Bibliográficas

BAHIA. Universidade do Estado da Bahia. Curso de Especialização sob a forma de residência multiprofissional em saúde. Salvador, 2004a.

______. Universidade do Estado da Bahia.  Projeto de reconhecimento docurso de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia. Salvador, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.° 1168, de 15 de junho de 2004.Institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal, a serimplantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências dastrês esferas de gestão. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasilia, DF,17 jun. 2004.

CARVALHO, V. S.; ROSSI, V. L. A. O significado cultural do cuidadohumanizado em unidade de terapia intensiva: “muito falado e pouco vivido”.

 Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 10, n. 2, mar./abr. 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Relatório de 2001. Brasília, 2001.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 319/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

319

Residência Multiprofissional em Saúde da Família e

Comunidade da Uniplac: avanços, recuos e esperanças.

Izabella Barison Matos1

Resumo: Trata-se de um breve relato da trajetória de criação do Programade Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade daUniversidade do Planalto Catarinense (Uniplac), em parceria com a Secretaria

de Saúde do Município de Lages (SC) e a sua inserção no campo da saúdecoletiva daquela universidade. Aborda a necessária integração entre oPrograma de Residência Médica em Saúde da Família e Comunidade, jáexistente (embora ainda não iniciado) e o de Residência Multiprofissionalem Saúde da Família e Comunidade, os esforços dos dois grupos no sentidode garantir o detalhamento dos programas, a capacitação conjunta já iniciadae a disposição de todos em contribuir na formação do profissional“idealizado”. Cita o objetivo, a opção pedagógica e a forma de avaliação e dá

informações sobre temas a serem trabalhados com os futuros residentes.Palavras-chave: Residência Multiprofissional, Formação em Saúde.

1 Assistente social (PUC/RS) e doutora em saúde pública (Ensp/Fiocruz), coordenadora do Programa dePós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac). E -mail :[email protected].

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 320/414

320

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 321/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

321

1 - Introdução

O território da região serrana é o mais extenso do estado e apresenta amenor densidade demográfica: 12,51 habitantes/km², um contraponto em

relação ao restante do estado que no mesmo período apresentava uma médiade 55,93 habitantes/km² (IBGE, 2005). Esse e outros dados demonstram que olatifúndio, modelo fundiário de Lages e da região, deixou suas marcas.

 Alguns estudos, nos últimos anos, indicam que o final do ciclo da madeira,na década de 70, deixou um legado de pobreza, miséria, analfabetismo, baixosíndices de qualidade de vida e pouca qualificação profissional. A região “é tidacomo a mais ‘pobre’e ‘atrasada’de todas as regiões” do Estado de Santa Catarina(MUNARIM, 1999, p.83).

Desde 1959, a Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac)2 vemacompanhando e contribuindo com o desenvolvimento da região. Comoinstituição de ensino superior de Santa Catarina ela oferece, em 2006: 32 cursosde graduação, totalizando 4.331 alunos nesse nível e outros 763 nos cursos depós-graduação/especialização e mestrado (educação, saúde coletiva eadministração), apresentando um quadro de aproximadamente 400 professores.

 Após ampla consulta junto a diversos segmentos regionais decidiu-se pelacriação de cursos de graduação na área da saúde. Nessa perspectiva, a partir

dos anos 90 foram criados os cursos de graduação em saúde: educação física(1997), odontologia (1999), enfermagem (1999), psicologia (2000), terapiaocupacional (2002), serviço social (2002), ciências biológicas – habilitaçãoanálises clínicas (2003) e medicina (2003).

Considerando-se então o quadro esboçado brevemente nos parágrafosanteriores, em 2002 a Uniplac decidiu-se pela saúde coletiva como um dosseus três eixos estratégicos. Assim, abriu-se a perspectiva de consolidação daárea da saúde, que coincidiu com a promulgação das Diretrizes CurricularesNacionais dos Cursos de Graduação, favorecendo a criação de cursos maissintonizados com o perfil do profissional preconizado para atuação profissionalem saúde coletiva.

  A concepção de Saúde Coletiva que vem norteando as discussões naUniplac, centra-se na noção na qual “a problemática da saúde é mais abrangente

2

Como as demais 15 Instituições de Ensino Superior existentes no estado de Santa Catarina, a Uniplac é mantida por umafundação pública de direito privado, que tem na Constituição Federal do Brasil, artigo 242, salvaguardada a sua condição jurídica peculiar. Ou seja, é uma instituição pública não-estatal regida pelas normas de direito privado. Estas IES fazem parteda Associação Catarinense das Fundações Educacionais/ ACAFE (ACAFE, 2006).

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 322/414

322

e complexa que a leitura realizada pela medicina” (BIRMAN, 1999, p.9). Noplanejamento estratégico institucional sobressai-se a necessidade de reconhecerque

“a saúde constitui uma função social e um direitocoletivo contribui para aproximar os profissionais docompromisso com a construção de um sistema de saúde

  pública de qualidade no país [como também] a  aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB nº 9394/1996, pela qual os cursos doensino superior buscaram adequar-se ao novo momento,

  abrindo-se o debate nacional para novas diretrizes

curriculares que substituíssem, para melhor, os antigoscurrículos mínimos (...) tal iniciativa tem se traduzidoem projetos político-pedagógicos dos cursos de

 graduação mais sintonizados, no caso da saúde, com arealidade epidemiológica da população serrana de SantaCatarina” (Uniplac, 2002, p.16).

Em 2005 foi aprovado e, em abril de 2006 foi implantado o programa de

pós-graduação   stricto sensu  / mestrado em saúde coletiva, apresentando umquadro docente de 8 professores e 11 alunos. Também, em novembro de 2005,a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) aprovou ocredenciamento do Programa de Residência Médica em Medicina de Família eComunidade (RMFC): contemplando seis vagas para R1 e seis para R2, cujoinício está previsto para fevereiro de 2007, em parceria com a Secretaria deSaúde do Município de Lages. Na continuidade, em abril e maio de 2006 foielaborado o projeto do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde

da Família e Comunidade, também, a partir de demanda da Secretaria de Saúdedo Município de Lages.

2 - Dos programas: de Residência Médica em Saúde da Família eComunidade e de Residência Multiprofissional em Saúde da Família eComunidade

Em julho de 2005, a partir da iniciativa do Secretário de Saúde doMunicípio de Lages e com a parceria da Reitora da Universidade do Planalto

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 323/414

Residência Multiprofissional em Saúde: experiências, avanços e desafios

323

Catarinense foi criado um grupo de trabalho para elaboração do projeto. Jáhavia uma relação estreita entre as duas instituições em função da criação docurso de graduação em medicina, que desenvolve atividades de prática de saúdena comunidade, junto à rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

  Assim, a partir do entendimento da relevância da proposição e dapossibilidade de ampliação a parceria já selada com aquela Secretaria, foiassinado convênio específico para viabilizar o Programa de Pós-Graduação/Especialização em Residência de Medicina de Família e Comunidade. Contandocom a participação de docentes da Uniplac (médicos, sociólogo, antropólogo epedagoga) e médicos da Secretaria de Saúde do Município de Lages, vinculadosao Programa de Saúde da Família (PSF) e considerando-se o prazo curto,organizamos um cronograma de trabalho e protocolamos, junto ao Ministério

da Educação - Comissão Nacional de Residência Médica e ao Ministério daSaúde (MS).

Projeto aprovado, mas a abertura de vagas ficou postergada para fevereirode 2007, aguardando a liberação de recursos financeiros (bolsas) solicitadosao Ministério da Saúde. No entanto, por decisão do grupo que elaborou aproposta, os trabalhos continuaram embora o programa não tenha sidoimplantado. Em março de 2006, o grupo foi ampliado e começou contar com aparticipação de mais três médicos3 com Residência em Medicina de Família eComunidade (além dos três já existentes e mais um cursando Mestrado emSaúde Pública). Tal situação fortaleceu o grupo e a discussão.

Em maio de 2006, enfermeiras da Secretaria de Saúde do Município e aarticuladora do Pólo Regional do Planalto Serrano de Educação Permanenteem Saúde para o SUS solicitaram à Uniplac a elaboração do projeto do Programade Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade (RMSFC).Este, também, deveria ser elaborado “em regime de urgência” para ser

protocolado a tempo de ser viabilizado em 2007, juntamente com o Programade Residência Médica descrito anteriormente. Assim, em três semanas,iniciaram-se as discussões e montou-se um grupo de trabalho.

 Após quatro rodadas de discussão com docentes da Uniplac e profissionaisde saúde (servidores públicos e prestadores de serviços do SUS), interessadosna residência multiprofissional em saúde, contamos com a vinda de um consultordesignado pelo Ministério da Saúde para orientar a elaboração do projeto.

 Antes, porém, havíamos realizado um levantamento de todo o material

disponível sobre o tema, repassando-o para todos os interessados.3 Estes estão trabalhando nas Unidades Básicas de Saúde da Família.

8/4/2019 Residencia Multiprofissional

http://slidepdf.com/reader/full/residencia-multiprofissional 324/414

324

 A partir da leitura da documentação, fizemos um “mapa” da legislação edas discussões que se seguiram à promulgação da Constituição Federal de 1988,a qual prevê em seu artigo 200, inciso III, que compete ao Sistema Único deSaúde “ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde”. A não-

existência de diretrizes norteadoras para elaboração dos projetos de programasde Residência Multiprofissional em saúde foi e é “um grande complicador”,que dificulta o trabalho.

O grupo percebeu então que, como ainda não havia uma diretrizespecífica, muitos questionamentos permaneceriam sem resposta. No entanto,a vinda e a fala do consultor auxiliaram o grupo a definir os trabalhos e sesituar na discussão nacional sobre o tema. As reuniões que se seguiram, atéculminarem com a finalização do projeto, foram orientadas no sentido de

garantir a integração entre as duas residências, uma vez que ficou evidenciadoque os projetos seriam interdependentes, o que tratava-se inclusive de umarecomendação do consultor do Ministério da Saúde, não fazendo sentido agirde modo contrário. Ou seja, o fato de a Uniplac já ter elaborado o projeto doPrograma de Residência Médica em Medicina da Família e Comunidade, masainda não ter ofertado as vagas, oportunizou uma retomada das discussões deforma conjunta.

Em Curitiba, em julho passado, após participar da Oficina sobreResidência Multiprofissional, no Congresso da Rede Unida e da reuniãopreparatória para o II Seminário, juntamente com mais um professor, que émédico e faz parte do grupo de estudos da Residência Médica da Uniplac,retornamos a Lages e fizemos uma explanação dos trabalhos realizados e dadiscussão que ocorreu. Para tanto, organizamos uma reunião conjunta (comintegrantes das duas residências), na qual todos se tranqüilizaram em relaçãoàs inseguranças e incertezas do processo: quanto à morosidade nas decisõesdos ministérios e o à diversidade de posições e idéias sobre como devem serrealizados os programas, para citar as principais.

Relatamos na ocasião, as diversas experiências de alguns Programas deResidência Multiprofissional em Saúde existentes e ficou claro que nãopoderíamos nos pautar em um deles como “modelo”, mas sim, continuar adiscutir uma residência com a “cara” da região serrana. Inclusive, foi salientadoque o fato de não termos iniciado o Programa de Residência Médica era muitofavorável, pois oportunizaria a execução da integração das residências.

Ressaltamos aqui que, em Curitiba, foi destacada a dificuldade das ResidênciasMultiprofissionais em Saúde (RMS), em curso, atuarem em consonância com