RESOLUÇÃO SEFA Nº 610/2017 - .tenha sido declarado inconstitucional por decisão definitiva plenária

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of RESOLUÇÃO SEFA Nº 610/2017 - .tenha sido declarado inconstitucional por decisão definitiva...

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

1

RESOLUO SEFA N 610/2017

Publicada no DOE 9935 de 2.5.2017

SMULA: Aprova o Regimento do Conselho deContribuintes e Recursos Fiscais - CCRF.

O SECRETRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das atribuies que lhe conferemos incisos II e IV do artigo 90 da Constituio do Estado do Paran, e considerando a Lei n.18.877, de 27 de setembro de 2016, que dispe sobre o processo administrativo fiscal, oConselho de Contribuintes e Recursos Fiscais, e adota outras providncias,

RESOLVE:

Art. 1. Fica aprovado o Regimento do Conselho de Contribuintes e RecursoFiscais - CCRF, conforme anexo a esta Resoluo.

Art. 2. Esta Resoluo entra em vigor na data da sua publicao,produzindo efeitos a partir de 1. de maio de 2017.

Secretaria da Fazenda do Estado do Paran, em 27 de abril de 2017.

MAURO RICARDO MACHADO COSTASECRETRIO DE ESTADO DA FAZENDA

REGIMENTO DO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

2

FISCAIS

CAPTULO I

DA NATUREZA E DA FINALIDADE

Art. 1. O Conselho de Contribuintes e Recursos Fiscais - CCRF, rgocolegiado judicante, vinculado administrativamente Secretaria de Estado daFazenda - Sefa, com sede na capital do Estado e circunscrio em todo o seuterritrio, tem por finalidade o julgamento administrativo, em grau de recurso e emltima instncia, dos processos administrativos fiscais decorrentes de impugnaode auto de infrao, bem como do reexame necessrio, no mbito dos tributosadministrados pela CRE - Coordenao da Receita do Estado, da Sefa.

CAPTULO II

DA ORGANIZAO

Seo I

Da Composio

Art. 2. O CCRF tem a seguinte estrutura:

I - Presidncia e Vice-Presidncia;

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

3

II - Pleno;

III - Cmaras:

a) Primeira Cmara;

b) Segunda Cmara;

IV - Secretaria Administrativa.

Art. 3. O Pleno do CCRF se constitui pelo agrupamento das Cmaras.

Art. 4. As Cmaras do CCRF so compostas, cada uma, por 3 (trs)Conselheiros representantes do Estado do Paran, sendo 1 (um) Presidente, 1 (um)Vice-Presidente e 1 (um) membro, e 3 (trs) Conselheiros representantes doscontribuintes, na forma estabelecida por Provimento do Presidente do CCRF.

Seo II

Da Competncia

Art. 5. Compete ao CCRF:

I - julgar, em segunda instncia administrativa, no mbito dos tributosadministrados pela CRE, os recursos previstos no artigo 26 deste Regimento, decorrentes deauto de infrao;

II - propor alterao em seu Regimento, observada a legislao vigente,submetendo-a aprovao do Secretrio de Estado da Fazenda;

III - assessorar o Secretrio de Estado da Fazenda, propondo normas eprocedimentos relativos ao processo administrativo fiscal, objetivando o aprimoramento doSistema Tributrio do Estado;

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

4

IV - representar ao Secretrio de Estado da Fazenda, propondo a adoo de medidastendentes ao aprimoramento do Sistema Tributrio do Estado e que objetivem,principalmente, a justia fiscal e a conciliao dos interesses dos contribuintes com os daFazenda Estadual;

V - decidir sobre a perempo de recursos.

1. As propostas de que trata o inciso II devero ser fundamentadas e podero serformuladas por, no mnimo, 4 (quatro) Conselheiros e sero deliberadas por 2/3 (doisteros) de seus membros, em sesso do Pleno, especialmente convocada pelo Presidente doCCRF, aps o que, se acolhidas, sero encaminhadas ao Secretrio de Estado da Fazendapara apreciao.

2. As propostas de que trata o inciso III devero ser fundamentadas e, seacolhidas pela Presidncia do CCRF, sero encaminhadas ao Secretrio de Estado daFazenda para apreciao.

Art. 6. No compete ao CCRF:

I - afastar a aplicao ou deixar de observar tratado, acordo internacional, lei ou atonormativo, sob fundamento de prescrio intercorrente e de inconstitucionalidade;

II - julgar processo administrativo no decorrente de auto de infrao relativo aostributos administrados pela CRE, dentre outros, relativos a:

a) pedido de reconhecimento de imunidade e de no incidncia;

b) concesso de iseno;

c) pedido de parcelamento de dbitos;

d) pedido de restituio de tributos ou multas;

e) denncia espontnea de dbitos fiscais no declarados na forma da legislaoespecfica;

f) enquadramento em regimes especiais;

g) empresa optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadao de Tributos eContribuies - Simples Nacional.

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

5

Art. 7. Compete ao Pleno do CCRF:

I - apreciar recurso de reviso de deciso proferida pela Cmara que der legislaotributria interpretao divergente da que j lhe tenha sido dada na mesma ou em outraCmara, ou no Pleno;

II - apreciar pedido de reforma de deciso contrria Fazenda Estadual, proferidapela Cmara ou pelo Pleno, da qual no caiba a interposio de recurso, quando essadeciso:

a) afastar a aplicao da legislao tributria por inconstitucionalidade ouilegalidade, exceto se a deciso contiver, de maneira expressa, as razes da discordncia,ressalvados:

1. os casos em que o tratado, o acordo internacional, a lei ou o ato normativo, jtenha sido declarado inconstitucional por deciso definitiva plenria do STF - SupremoTribunal Federal;

2. a existncia de entendimento consolidado:

2.1. em smula do STF, do STJ - Superior Tribunal de Justia ou do prprio CCRF;

2.2. em acrdo proferido pelo STF, em julgamento com repercusso geral, ou peloSTJ, em julgamento de recursos repetitivos de que trata o artigo 1.036 da Lei Federal n13.105, de 16 de maro de 2015, CPC - Cdigo de Processo Civil;

2.3. em incidente de resoluo de demandas repetitivas de que trata o artigo 976 doCPC;

b) adotar interpretao da legislao tributria divergente da adotada pelajurisprudncia firmada nos tribunais judicirios;

c) contrariar a legislao tributria estadual ou lhe negar vigncia;

d) for contrria s provas constantes nos autos;

III - apreciar as propostas de alterao deste Regimento, nos termos do inciso II doartigo 5. deste Regimento, observando-se o quorum do 1. do mesmo artigo.

Pargrafo nico. Constatado, pelos Conselheiros, o afastamento da legislao

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

6

tributria por inconstitucionalidade ou ilegalidade, o Pleno acolher o pedido de reformapara:

I - reformar a deciso da Cmara, encerrando a instncia administrativa, se orecurso tiver por fundamento somente a inconstitucionalidade ou ilegalidade da legislaotributria;

II - anular a deciso, e devolver os autos Cmara de origem para novo julgamento,caso o recurso tiver suscitado outras razes que no a inconstitucionalidade ou ilegalidadeda legislao tributria.

Art. 8. Compete s Cmaras do CCRF decidir sobre reexame necessrioapresentado pelo julgador singular e julgar recurso ordinrio interposto pelo sujeitopassivo, contra deciso final proferida em primeira instncia, observado o valorde alada previsto nos artigos 30 e 31 deste Regimento.

CAPTULO III

DAS ATRIBUIES E DOS DEVERES

Seo I

Do Presidente do Conselho

Art. 9. So atribuies do Presidente do CCRF:

I - indicar um Secretrio-Geral para a Secretaria Administrativa do CCRF, dirigir ostrabalhos do Conselho e presidir as sesses do Pleno;

II - proferir, nas sesses do Pleno, quando for o caso, o voto de desempate;

III - determinar o nmero de sesses ordinrias das Cmaras e do Pleno, de acordo

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

7

com a convenincia dos servios;

IV - fixar dia e horrio para realizao das sesses das Cmaras e do Pleno;

V - convocar sesses extraordinrias das Cmaras, assim como do Pleno;

VI - despachar o expediente do CCRF;

VII - decidir sobre a admissibilidade do recurso de reviso e do pedido de reforma dedeciso;

VIII - despachar os pedidos que correspondam a matria estranha competncia doCCRF e os recursos no admitidos pela lei, determinando a devoluo dos respectivosprocessos s reparties competentes;

IX - fixar o nmero mnimo de processos da pauta de julgamento para as sesses efuncionamento das Cmaras e do Pleno;

X - zelar pela distribuio aleatria de processos para julgamento em segundainstncia administrativa;

XI - dar posse e exerccio ao Vice-Presidente do CCRF e aos Conselheiros;

XII - convocar os suplentes para substituir Conselheiros em suas ausncias ouimpedimentos;

XIII - apreciar os pedidos dos Conselheiros relativos justificao de ausncia ssesses ou prorrogao do prazo para reteno de processo;

XIV - encaminhar ao Secretrio de Estado da Fazenda as propostas previstas nosincisos II e III do artigo 5. deste Regimento;

XV - oficiar ao Secretrio de Estado da Fazenda, comunicando o termo final domandato dos membros do Conselho, com antecedncia mnima de 90 (noventa) dias;

XVI - delegar, em havendo necessidades operacionais, as competnciasadministrativas que lhe foram outorgadas neste Regimento;

XVII - prestar informaes requeridas pelo Poder Judicirio, pelo Ministrio Pblico epela Polcia Civil a respeito de deciso de recurso interposto;

XVIII - expedir provimentos;

Estado do ParanSecretaria de Estado da Fazenda

Coordenao da Receita do Estado

8

XIX - conceder e aprovar