Resumão jurídico direito civil

  • View
    94

  • Download
    10

Embed Size (px)

Text of Resumão jurídico direito civil

  1. 1. --www. bafisa _com. brNOES DE DIREITO LEI DE INTRODUO AO CDIGO CIVIL DECRETO-LEI 4.657/42ConceitoDireito o conjunto das normas gerais e positivas,que regulam a vida social (Radbruch - Introducin a la Filosojia del Derecho). Direito objetivo ~ E a norma;de acordo com ela devem agir os individuos. Direito subjetivo - E a faculdade;quando se diz que algum tem direito a algo,est-se referindo a um direito subjetivo.O direito subjetivo encontra proteo no direito objetivo.Observao:h juristas que negam a existncia do direito subjetivo (Kelsen e Duguit). Classificao do Direito Positivo O Direito deve ser visto como um todo.As normas, principios e instituies devem relacionar-se de formahannnica,formando um s sistema.No entanto,para fins didticos,pode ser dividido em: 1. Direito Pblico - Disciplina os interesses gerais da coletividade.E composto por normas de aplicao obrigatria,cogentes,impositivas.So sims materias principais:Constitucional,Administrativo,Tributrio,Penal,Processual (Penal e Civil),lntemacional,etc. 2. Direito Privado - Disciplina as relaes dos indivi- duos entre si.So suas matrias:Civil e Comercial. Observao:h controvrsia quanto ao Direito do Trabalho (tese majoritria:Direito Privado).H quem defenda a existncia de um terceiro gnero,denominado Direito Social,cujos principios so concomitantemente do Dl- reito Pblico e Privado (ex. : Cdigo de Defesa do Con- sumidor,o prprio Direito do Trabalho,etc. ).Fontes do Direito Diretas,imediatas ou formais1 .Lei- Norma imposta pelo Estado e tomada obriga- tria em sua observncia.Ningum ser obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa seno em virtude de lei (art.5,II,CF),A lei a principal fonte de Direito.As demais so acessrias. 2. Costume - Reiterao constante e uniforme de uma conduta,na convico de esta ser obrigatria.Espcies: a) segundo a lei (Secundum legem):a lei se reporta ex- pressamente aos costumes e reconhece a sua obri- gatoriedade;e' admitido em nosso ordenamento; b) na falta da lei (praeter legem):a lei deixa lacu- nas que so preenchidas pelo costume;tambm admitido; c) contra a lei (contra legem):0 costume contraria o que dispe a lei;corrente majoritria no o aceita em nosso Direito. Indiretas,mediatas ou no-formais1. Doutrina - Interpretao da lei feita pelos estudio- sos da matria. 2. Jurisprudncia - Conjunto uniforme e constante das decises judiciais sobre casos semelhantes. Vigncia das leisNo tempo1. Incio da vigncia: a) regra geral:45 dias aps a publicao (WICD legis); b) prtica:na data da publicao ou em outra data que a prpria lei determinar.Publicada a lei,ningum se escusa de cumpri-la alegando que no a conhece (art.3,LICC - Principios da Obrigatoriedade e Continuidade das Leis). 2. Trmino da vigncia: a) lei temporria:nasce com termo prefixado de durao; b) revogao:lei posterior retira a eficcia da ante- rior.Pode ser expressa ou tcita;total (ab-roga- o) ou parcial (derrogao). 3. Irretmativdade:a lei expedida para disciplinar casos futuros,no atingindo situaes passadas.Ad- mite-se a retroatividade respeitando-se (art.6,LICC): a) direito adquirido: o que j se incorporou defi- nitivamente ao patrimnio e personalidade de seu titular; b) ato juridico perfeito:e' o j consumado segundo a lei vigente; c) coisa julgada:e' a imutabilidade dos efeitos da deciso que no mais comporta recursos. 4. Repristnao:lei revogada no se restaura por ter a lei revogadora perdido a vigncia,salvo disposi- o em contrrio (art.2, 2,LICC). Observao:a lei nova,que estabelea disposies gerais ou especiais,a par das j existentes,no revo- ga nem modifica a lei anterior (art.2, 2,LICC). No espaoo Territorialidade - Regra:a lei,em principio,tem seu campo de aplicao limitado no espao pelas fronteiras do Estado que a promulgou. o Extraterritorialidade-Os Estados modemos admitem a aplicao,em determinadas circunstncias,de leis es- trangeiras,para facilitar as relaes internacionais. o Territrio nacional: a) real:extenso geogrfica ocupada pela Nao;com- preende solo,subsolo,espao areo,rios,lagos,fai- xa de mar exterior que banha suas costas,etc. ;b) ficto:embaixadas,navios,aeronaves,etc. Integrao da norma jurdica (art.4,LICC)o Analogia - Consiste em aplicar, hiptese no pre- vista especialmente em lei,dispositivo relativo a um caso semelhante. o Costumes r J visto. o Principios gerais de Direito - Orientam a com- preenso do sistema juridico. o Eqidade - Embora no esteja prevista na LICC,auxilia nesta misso;trata-se do uso de bom senso - adaptao razovel da lei ao caso concreto. Conceito de Direito CivilDireito Civil o ramo do Direito Privado destina- do a reger as relaes familiares,patrimoniais e obri- gacionais que se formam entre os individuos enquan- to membros da sociedade. Diviso do Cdigo Civil1. Parte geral - Normas sobre pessoas fisicas e juri- dicas (arts.1 a 69),domicilio (arts.70 a 78),bens (arts.79 a 103) e fatos jurdicos (arts.104 a 232). 2. Parte especial - Normas sobre Direito das Obrigaes (arts.233 a 965),Direito de Empresa (arts.966 a 1.195),Direito das Coisas (arts.1.196 a 1.510),Direito de Familia (arts.1.511 a 1.783) e Direito das Sucesses (arts.1.784 a 2.027);dispo- sies finais e transitrias (arts.2.028 a 2.046).Arts.1 a 78 do Codigo CivilPessoa natural (fisica)ConceitoSer humano considerado como sujeito de obriga- es e direitos.Toda pessoa capaz de direitos e deve- res na ordem civil (art.1). Personalidade Conjunto de capacidades da pessoa.Os direitos da personalidade esto previstos nos arts.ll a 21. 1. Inicio - Nascimento com vida (ainda que por algum tempo),mas a lei pe a salvo os direitos do nascituro.Nascituro o ente que j foi gerado ou concebido,mas ainda no nasceu.Tem expectativa de vida,sendo titular de direito eventual (ex. : resguardo de herana).2. Individualizao a) Nome - Reconhecimento da pessoa na socieda- de.E inalienvel e imprescritivel.E composto por prenome,patronimico (sobrenome) e agno- me (Jnior,Filho,Neto,etc. ).b) Estado - Posio na sociedade;modo particular de existir (ex. : estado civil,politico,etc. ).c) Domicilio (arts.70 a 78) r Lugar onde a pessoa estabelece residncia com nimo definitivo.Considera-se tambm domicilio o lugar onde a profisso exercida.Se a pessoa tiver vrias resi- dncias,o domiclio ser qualquer delas.Se a pes- soa no tiver residncia habitual (ex. : circense),o domiclio ser o lugar em que for encontrada.Pos- suem domicilio necessrio (art.76):incapaz,ser- vidor pblico,militar,martimo e pessoa presa. o Domicilio de eleio - E o domicilio escolhi- do pelas partes contratantes para o exercicio e cumprimento dos direitos e obrigaes.3. Fim Va) Morte real - Obito comprovado ~ extingue a personalidade (art.6). b) Morte civil - No mais existe;resqucios:de- serdao. c) Morte presumida - Indivduo desaparece de seu domicilio sem deixar representante ou dar noti- cias.Possui efeitos patrimoniais e algims pessoais. d) Ausncia - Sucesso provisria e definitiva (arts.22 a 39). 4. Comorincia - Quando dois ou mais individuos fale- cem na mesma ocasio,no se podendo averiguar se um deles precedeu aos outros,presumir-se-o simul- taneamente mortos (art.8).Presuno (relativa ou juris tantum - que admite prova em contrrio) de morte simultnea de duas ou mais pessoas. CapacidadeAptido para exercer direitos e assumir obrigaes: a) de direito:prpria de todo ser humano;inerente personalidade; b) de fato:aptido para exercitar pessoalmente os atos da vida civil. 1. Absolutamente incapazes (art.3) - Devem ser representados por seus pais,tutores ou curadores:o menores de 16 anos; o portadores de enfermidade ou deficincia mental sem discernimento para a prtica dos atos; o pessoas que no puderem exprimir sua vontade,mesmo por causa transitria.2. Relativamente incapazes (art.4") r Devem ser lassistidos por seus pais,tutores ou curadores:o maiores de l6 e menores de 18 anos;o brios habituais,viciados em txico e os que por deficincia mental tenham discernimento reduzido;o excepcionais sem desenvolvimento mental completo;o prdigos (pessoas que dissipam seus bens fazen- do gastos excessivos ou anormais).Observao:os indios so regidos por lei especial.3. Corn capacidade plena - Maiores de 18 anos e emancipados. EmancipaoAquisio da capacidade plena antes de 18 anos (art.5 e pargrafo nico) por concesso dos pais por instru- mento pblico,sentena do juiz,casamento,exerccio de emprego pblico efetivo,colao de grau superior,esmbelecimento civil ou comercial ou existncia de relao de emprego,tendo economia prpria. Pessoa jurdica (moral ou coletiva)Ente resultante da criao da lei para facilitar a atuao humana em cenas relaes.A lei empresta- lhe personalidade,capacitando-a para ser sujeito de direitos e obrigaes (arts.40 a 69). Classificao 1. Direito Pblico a) Externo - Outros paises,Santa Se' e organismos internacionais (ex. : ONU,OEA).b) Interno o Administrao direta - Unio,Estados Mem- bros,Distrito Federal,Territrios e Municipios.o Administrao indireta r Autarquias e enti- dades de carter pblico criadas por lei (ex. : fundaes pblicas).2. Direito Privado a) Espcies o fundaes particulares r elementos:patrimnio (bens livres) e fmalidade (religiosa,cultural,etc. );.. 2,: : t?&ETE,781 1225121"? VFEIIETVM?
  2. 2. o partidos polticos (Lei 10.825/03);o organizaes religiosas (Lei 10.825/03);o associaes e sem fins econmicos;o sociedades - com finalidade econmica:simples ou empresariais (o que as diferencia e' o seu objeto).Observao:empresa pblica e sociedade de eco- nomia mista sujeitam-se ao regime das empresas privadas (art.173, 1,CF).b) Incio da existncia legal o Pessoa Juridica de Direito Pblico r Fatos histri- cos,criao constitucional,lei especial e tratados.o Pessoa Juridica de Direito Privado e O que lhe da origem e' a vontade humana que se materia- liza no ato de constituio (contrato ou estatu- to social),que deve , ser levado a registro.c) Domicio (art.75) e E a sua sede juridica.o Unio-Distrito Federal;Estados - suas capitais;Municpio r lugar da administrao municipal.o Demais pessoas jurdicas - lugar onde funcio- nam suas diretorias e administraes ou o lug